You are on page 1of 10

PROJETO DE PESQUISA

Prof. Dr. Marion Machado Cunha Texto preliminar 14/07/2010

NOTAS 1 – visão geral de pesquisa – Ao se propor discutir projeto de pesquisa é necessário, em primeiro momento, esclarecer de que se está tratando de um assunto bastante polêmico. Pode-se até ser fácil justificar sua importância para a produção do conhecimento. O que dificulta sua organização e sua estruturação são as diversas matrizes teórico-metodológicas, o que leva a compreensões distintas e, muitas vezes, opostas sobre os objetos e a definição do que é a realidade e forma de apreendê-la. Outra situação, e não é dificuldade menor, diz respeito às diferenças existentes entre as áreas científicas, entre as ciências naturais (química, física, biologia etc.) e as humanas (sociologia, econômica, história, psicologia etc.). São implicações de várias ordens que envolvem desde o que se entende por objeto, de realidade, as diferenças entre as áreas do conhecimento e o próprio processo histórico da humanidade. Para exemplificar, basta observarmos os debates sobre pesquisa quantitativa e qualitativa. Essas abordagens trazem questões complexas e produzem calorosas posições. Há aqueles que acreditam somente no caráter quantitativo da pesquisa (forte nas ciências naturais), defendendo os modelos matemáticos (estatística, hipóteses, testes de variáveis) para garantir a “objetividade” do objeto. Existem posições centradas na abordagem qualitativa, como a única forma de pesquisar a realidade em seu movimento dinâmico e explicitar as propriedades fundamentais. E ainda há aqueles que defendem que não existe nenhuma dicotomia entre o quantitativo e o qualitativo1. De qualquer forma as orientações sobre a importância de “A” ou “B” dependerão das concepções que os pesquisadores assumem em relação ao mundo, homem e sociedade. Entretanto, é importante discorrer sobre algumas perspectivas de construção de um projeto de pesquisa, pois é, hoje, um instrumento indispensável no que diz respeito à metodologia de pesquisa.
1

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a Pesquisa Qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Os projetos das áreas humanas perdem em relevância e em investimento público. Rio de Janeiro: Franciso Alves. um conjunto de fenômenos (saber sua estrutura e dinâmica). controlando sua distribuição e acesso. HERMAN. que estabelece o que foi pensado e planejado para conhecer. Jacques. quais são as melhores fontes e qual é o modelo adequado para o objeto e os objetivos da pesquisa. sistematizado. ed. No entanto. pp. verificar. saber para que e para quem se quer pesquisar. no sentido de saber quais as informações que se deseja. correlacionar. independente da dimensão das bases e dimensões humanas. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais. Paul. compreender. 5. Muitos pesquisadores vislumbram um conhecimento desconectado da realidade efetiva. cuja linguagem (interna e semântica) asséptica validaria sua própria existência. 1991. nenhuma pesquisa prescinde de planejamento. que teoria embasará e definirá as perspectivas de tratamento das 2 Ver BRUNEY. porque e qual a pretensão de realizar e desenvolver a pesquisa. com que e de que forma se está propondo às ações. Essas orientações influenciam diretamente na produção científica como também nas proposições de pesquisa na qual o pesquisador e o objeto se colocam na sociedade. de uma proposta. sua concepção de mundo e da vida. Por exemplo. Claro que a proposição de uma pesquisa tem questões epistemológicas necessariamente ligadas às atividades realizadas pelo pesquisador (sua formação. Esta permite. analisar. a partir de um problema de pesquisa claramente elaborado. de sua legitimidade.Diante dessas considerações. preservação ambiental. como. SCHOUTHEETE. atualmente a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (FAPEMAT) tem privilegiado projetos nas áreas de tecnologia e ciências naturais. comparar e interpretar um fato (ou fatos). além de identificar e avaliar o objeto de estudo. o projeto de pesquisa pode ser entendido como um plano provisório de trabalho científico. Sem avançar nas questões sobre investimento em pesquisa. 31-32. impedindo a maioria das pessoas de terem alternativas efetivas as suas vidas concretas. descrever. função desenvolvida. Todo conhecimento científico voltado para si mesmo ou é pura especulação ou resultado das armadilhas do poder e da dominação. . área de atuação. biomas. das relações da vida. com ênfase em genética. e a legitimidade na divisão sóciotécnica2 na comunidade científica. como se o conhecimento fosse ele mesmo o critério de verdade. domínio das discussões apresentadas). há de se considerar que ainda é fundamental superarmos os limites existentes entre o conhecimento teórico e a prática. uma situação específica de uma realidade (sua forma de manifestação e suas relações).

NOTA 2 – Elementos de um projeto de pesquisa – Pode-se estruturar um projeto da seguinte forma: a. Capa (obrigatório) b. Folha de rosto (obrigatório) d. Justificativa. Folha de aprovação (obrigatório) f. Hipóteses e/ou questões de pesquisa. Resultados esperados. .informações coletadas e o alcance das analises e interpretações. por quanto possa surgir a necessidade de dar outro rumo a que foi proposto em função de novas descobertas. Lombada (opcional) c. porque não se pode ignorar multilinearidade e as múltiplas determinações do(s) fenômeno(s) estudado(s). s. Dedicatória(s) (opcional) g. o quanto está orçada a pesquisa e em quais fontes bibliográficas se buscou suporte de literatura para o planejamento e a construção do projeto. Epígrafe (opcional) i. Errata (opcional) e. Metodologia. q. Embasamento teórico ou quadro teórico ou fundamentação teórica. Lista de abreviaturas e siglas (opcional) l. Introdução. Agradecimento(s) (opcional) h. Sumário (obrigatório) n. Lista de símbolos (opcional) m. r. o. Lista de tabelas (opcional) k. t. Isso significa afirmar que a execução da pesquisa não pode ser fechada em si mesma. É importante destacar que um projeto de pesquisa é um plano provisório e durante o seu desenvolvimento a realidade pesquisa (objeto de pesquisa) pode ser redirecionada de acordo com a dinâmica existente. Lista de ilustrações (opcional) j. p. em que tempo será executada e em que momento. Problema e objetivos da pesquisa.

y. São Paulo: Atlas. p. 5 6 Op. rev. cit. 2005. Anexo. cit. sumário. anexo. Lista de tabelas. Informação e documentação — Trabalhos acadêmicos — Apresentação. ver NBR 14724 Esta organização dos elementos não é rígida3. dedicatória. 2005. v. Metodologia científica. Apresenta-se quase sempre em papel avulso ou encartado. 7 Op.u. Referência. Apêndice. sejam elas costuradas.pdf>.. apêndice. errata.2)6. 2 ed. p. Lista de ilustração.Folha de rosto (obrigatório): é a folha que contém os elementos essenciais à identificação do trabalho (ABNT. acrescido ao trabalho depois de impresso (ABNT. 2005. coladas ou mantidas juntas de outra maneira (ABNT. seguem a NBR 14724: 2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas. 1994. 2005. Acessado em: <04/05/2010>. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. folha de aprovação. D. seguidas das devidas correções. Epígrafe. 3. C. E.brazcubas. Agradecimentos. Orçamento.Capa (obrigatório): consiste na proteção externa do trabalho e sobre a qual se imprimem as informações indispensáveis à sua identificação (ABNT. folha de rosto.br/portal/arquivos/mestrado/NBR_14724_(2005)_apresentacao_trabalhos_academic os. M. 3 4 LAKATOS. As definições presentes desses elementos são de autoria da ABNT. p. x. A.Lombada (opcional): parte da capa do trabalho que reúne as margens internas das folhas. lombada.2).Caracterizações do projeto a partir de seus elementos Os elementos presentes Capa. Lista de abreviaturas e siglas. MARCONI. lista de símbolos. grampeadas. Cronograma. . 2005. e amp. Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www2.Errata (opcional): lista das folhas e linhas em que ocorrem erros. cit. neste texto. w. M de A. NBR-14724. p.2) 5. 4 B. Op.2)7.

Lista de ilustrações (opcional): elemento opcional. elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto. p. 13 Op.Epígrafe (opcional): é a folha onde o autor apresenta uma citação.6)13. retratos e outros) (ABNT.E. plantas. esquemas. F. fluxogramas.Folha de aprovação (obrigatório): é a folha que contém os elementos essenciais à aprovação do trabalho (ABNT. p. p. 2005.Dedicatória(s) (opcional) – consiste na folha onde o autor presta homenagem ou dedica seu trabalho (ABNT. 14 Op. p. I. relacionada com a matéria tratada no corpo do trabalho (ABNT. cit. gráficos. cit. 2005. quadros. K. p. recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (desenhos. . Op. H. mapas. fotografias. 10 Op.Agradecimento(s) (opcional): é a folha onde o autor faz agradecimentos dirigidos àqueles que contribuíram de maneira relevante à elaboração do trabalho (ABNT. cit. seguida de indicação de autoria.6)14. 8 9 Op. G.Lista de abreviaturas e siglas (opcional): consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto. cit.2)8. Recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo (ABNT. 12 Op. organogramas.2)9.6)12. seguidas das palavras ou expressões correspondentes grafadas por extenso.2)11. acompanhado do respectivo número da página. 2005. cit. Quando necessário.Lista de tabelas (opcional): elemento opcional. p. 2005. 2005. J. com cada item designado por seu nome específico. acompanhado do respectivo número da página (ABNT. 11 Op. que deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto. 2005. 2005.1)10. cit. p. com cada item designado por seu nome específico. cit.

exigindo do proponente discutir o estágio em que se encontram as pesquisas ligadas a mesma temática.6)16. 2005. ordenado explicitando o grau de complexidade a ser descoberto pelo pesquisador. cujas partes são acompanhadas do(s) respectivo(s) número(s) da(s) página(s). p. Para outros é a primeira porque representa uma antecipação do que deverá constar no conjunto a ser desenvolvido.Introdução (nem sempre necessária): deve ser concisa e sintética.Problema: é a dificuldade a ser superada e a partir da qual se pretende resolver. Para algumas pessoas ela é a última parte a ser construída. que deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto. O. Alguns pesquisadores sugerem questões de estudos: um conjunto de perguntas. P. N.Sumário (obrigatório): elemento obrigatório. com o devido significado (ABNT. correspondendo a uma visão geral de todo o projeto em seu conjunto. em cada um deve constar o sumário completo do trabalho (ABNT. indicando sua importância e contribuição social e teórica e também especifica a temática investigada.Lista de símbolos (opcional): elemento opcional. Geralmente é apresenta sob forma de pergunta. p. 2. É visão global do se quer com a pesquisa. Surge a partir de uma inquietação empírica. Havendo mais de um volume. cit. os enfoques desenvolvidos e qual a relação que existe com o que se pretende investigar.L. e para qual se busca respostas.6)15. apesar de estar no princípio do trabalho.Objetivos: este se apresenta como objetivo geral e objetivos específicos: a) o objetivo geral corresponde a um conjunto geral que visa desenvolver.Justificativa: é o momento do projeto em que se tentará justificar o valor de se realizar a pesquisa. Alguns manuais de metodologia orientam que a temática é um momento de explicitação exclusiva. b) os objetivos específicos correspondem a concreção do 15 Op.Problema e objetivo da pesquisa: o problema e o(s) objetivo(s) aparecem separados em uma mesma parte da estrutura (alguns manuais exigem que sejam apresentados separados): 1. M. 2005. . mantendo uma relação intrínseca com o problema da pesquisa.

p. explicitações. interferir neles. R. porque tem “formulações conceituais” e com base em um “esquema geral de natureza conceitual”. Q. se crítico-reprodutivista) utilizado e quais conceitos (exemplo: classe social. serão utilizados para as descrições. tem função de explicitar não só os significados dos fenômenos (sua manifestação para além da aparência). mas auxiliar aos homens de. isto é.Metodologia: é momento de definição dos caminhos. ensino da matemática são conceitos). 18 Op. se positivista. cit. 103. conhecendo. .geral. se história culturalista. as etapas e as técnicas de investigação (procedimentos) para as ações da pesquisa para estudar o objeto. educação. Diante disso. escola. 104)18. como destaca Triviños (1987. 101. a teoria (se considerada ou não articulada com a revisão de literatura). desenvolvidas na pesquisa. os momentos específicos que o pesquisador tem de realizar para atender ao objetivo geral. análises e interpretações das informações coletadas. serve de “guia do pensamento” do pesquisador. cit.Embasamento teórico ou quadro teórico ou fundamentação teórica: representa a parte do projeto de pesquisa na qual é apresentado o enfoque teórico (se marxista. porque avaliam que a própria orientação da literatura e suas escolhas dependem da teoria definida anteriormente. sem ser um “modelo” fechado. luta de classes. através de uma unidade. Alguns pesquisadores acreditam que a revisão de literatura17 e a discussão teórica consistem em um conjunto articulado. p. Outros defendem ser a revisão de literatura a condição seletiva utilizada pelo proponente da pesquisa para definir a teoria e os conceitos os quais pretende recorrer. A revisão de literatura apresenta-se como uma necessidade de leituras orientadas que alicerçam a construção do objeto de pesquisa. Entretanto. se funcionalista se fenomenológica. as ações são discriminadas de forma que se possa chegar a atingir os objetivos e obter as respostas para o problema: em situações concretas a serem atingidas e/ou 16 17 Op. Ela ainda permitiria saber qual é o estágio (desenvolvimento) do assunto investigado na área correspondente (conhecido como estado da arte) e também servindo para organizar a teoria e a metodologia da pesquisa. ideologia. se etnomatemática.

modelos probabilísticos e não probabilísticos para a escolha. ao se tratar de pessoas. seja em questionário. 5. nessa vertente. as filiadas à concepção positivista e experimental. dos quais alguns são selecionados a participarem.Instrumentos de coleta de informações: corresponde a forma de como será registrar as informações. 3. principalmente. A população alvo refere-se ao universo pesquisado.Dos sujeitos: quando se trata pesquisa que envolva grupos humanos é preciso identificar os sujeitos e justificar sua quantidade e razão de tê-los na pesquisa. Na pesquisa de natureza qualitativa é comum usar o termo representatividade para designar determinados conjuntos de pessoas e/ou grupos. estudo de caso.Abordagem: definir se pesquisa qualitativa e/ou quantitativa.Identificação das fontes: é necessário saber quais as fontes que serão consultadas e estudas para se obter as informações necessárias.1. questionário. Geralmente são usados. pesquisa-participante. etc. estudo de caso. por exemplo) e a amostra diz respeito uma quantidade/fração (subconjunto) dessa população. Dependendo da fonte serão necessários técnicas e instrumentos específicos.) e que implica em um determinado conjunto metodológico específico. entrevista (abertas ou semi-estruturadas). pesquisa ação. 4. . seja nas observações.Tipo de pesquisa: refere-se ao modelo adotado para realização da pesquisa (pesquisa bibliográfica. o pesquisador obtenha o termo de consentimento livre e esclarecido assinado pelo sujeito pesquisado. usa-se os conceitos de população alvo e amostra. seja em entrevista. no final do projeto em forma de apêndices. Nas pesquisas quantitativas. documental. geralmente. 2. A população alvo todos os entes que tenham determinadas características em comuns (comunidade de alunos. É importante que. sendo o critério legitimador da condução do pesquisador para garantir confiabilidade dos dados. valendo de referências conceituais existentes. Os instrumentos são dispostos. historia oral. se observação livre ou sistemática.

são formas interrogativas sobre o fenômeno pesquisado (natureza. elas são consideradas de funcionalidade superior às hipóteses. S. de caráter interrogativo.Orçamento: corresponde geralmente a projetos que necessitam de financiamento por alguma instituição. V.Cronograma: é a discriminação dos passos. T. A hipótese tem de ter capacidade de verificação empírica (existência verificável). orientações. de medida. podendo. estrutura. tempo. mudanças. etapas com o tempo de sua execução da pesquisa. Em algumas discussões realizadas nos Programas de Pós-Graduação das áreas humanas. mediações.Comunicação dos resultados: é a forma de como será comunicado os resultados do trabalho de pesquisa. por exemplo. porque suas formulações. por sua vez. permitem maleabilidade ao pesquisador no processo de investigação. significados. A variável dependente. Geralmente vai em quadro. Para alguns autores são consideradas como de igual validade às hipóteses. Na pesquisa de abordagem quantitativa a proposição de hipótese no projeto de pesquisa tem de apresentar as variáveis. cuja linguagem seja lógica e coerente e clara formulação. Organizam-se relações lógicas matemática entre as variáveis independentes e as dependentes – aquelas de causa e efeito. passiveis de serem testadas. origem. contabilizado no tempo. desenvolvimento. obter outros resultados sem ter a necessidade de justificar o porquê não se comprovou determinada hipótese (testes de hipóteses). Apresenta o seu desenrolar. 12 a 14.Resultados esperados: corresponde aquilo que a pesquisa poderá provocar (impactos. etc. relações. organizada por série escolar. Estas tem de explicitar relações quantitativas.) como conhecimento produzido. corresponderia às avaliações). composições. As questões de pesquisa.6. 9 a 11. expressando relações de causa e efeito. entre elas (exemplificando a idade entre crianças e jovens interferem no desempenho escolar da educação básica. Na graduação a monografia é a meio mais comum de comunicar uma pesquisa.Hipóteses e/ou questões de pesquisa: as hipóteses são soluções antecipadas ao problema de pesquisa (a priori): é o que se espera antecipar do fenômeno pesquisado. novas situações etc. podendo ser organizada por grupo de faixa etária consecutiva – 6 a 8. U. 15 a 17. chamada de trabalho de conclusão de curso. propriedades. A idade é uma variável independente. É preciso discriminar todos os materiais necessários e seus . lugar.

no planejamento e montagem do projeto.Anexo: Texto ou documento não elaborado pelo autor. isto é. W. grampos.1)19. X. que serve de fundamentação. Op. 2005.Apêndice: Texto ou documento elaborado pelo autor. Todas as bibliografias devem seguir a normalização da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). máquinas fotográficas. 2005. a fim de complementar sua argumentação. comprovação e ilustração (ABNT. Y. impressões. 19 20 Op.). computadores etc.Referência: é a apresentação de todas as bibliografias utilizadas. de forma alfabética ou por ordem de importância. microscópios. a identificação de uma fonte bibliográfica.1)20. canetas. cit. p. cit. tintas. pró-labores: permanentes – impressoras. sem prejuízo da unidade nuclear do trabalho (ABNT.respectivos valores (de custo – papéis. pois trata do como se deve fazer uma referência bibliográfica. diárias. . p.