You are on page 1of 9

ANALISE TEXTUAL - ZUZALEIJO

Nome: Douglas Ferreira de Souza Nome: Gesé Cardoso Nome: Rafael Barbosa Nome: Yuri

SENAI- Almirante Tamandaré São Bernardo do Campo – SP

............................................................................................... ............................................ Desenvolvimento.....Introdução geral............................

quer seja pelos modernos meios de transporte ou pelas telecomunicações via satélite. Com as novas tecnologias.INTRODUÇÂO GERAL A sociedade moderna está cercada de todos os lados pelos vários sistemas de comunicação. Demonstrando a importância da comunicação na sociedade e como o ponto de vista sobre certo assunto tem diversas formas de ser visto descartando o certo ou errado. culturais. etc. Neste período de transição o ser humano viveu e vive momentos de incertezas da comunicação e de (in)comunicação. Atualmente demos nossos últimos passos para a saída do século XX e os primeiros para a entrada do século XXI. Internet. sendo capaz de analisar separadamente seus componentes . pelo menos ser capaz de entender os tipos de comunicações exercendo nosso papel de emissor e receptor nas situações que será exigidas pelo mercado de trabalho. As distâncias na sociedade contemporânea estão cada vez mais próximas. No curso técnico em mecânica teremos a oportunidade de adquirir a sensibilidade e a capacidade de se não dominar o sistema de informação e da comunicação. ou por qualquer outro segmento social Neste trabalho como forma de exercício iremos demonstra através da analise textual da música “Zazulejo” do grupo musical O Teatro Mágico. Conhecer e dominar os sistemas de informação e da comunicação é indispensável no mundo globalizado. os conceitos e informações adquiridas sobre a estrutura da comunicação e o tipo de Função linguística. a velocidade da informação e o processo comunicacional tornam-se cada vez mais complexos e consequentemente de mais difícil compreensão. Estudar a comunicação é uma necessidade atual de todos os povos em qualquer parte do mundo. das crises políticas. econômicas e religiosas. . Baseado nestas dificuldades o campo da comunicação disponibiliza ferramentas para facilitar a inserção social .

a família de modo geral. parte de cada pessoa. dizemos que a língua é social . o caráter. o canal é diferente para cada tipo de mensagem ). Mesmo porque não há como julgar a fala como certa ou . local onde estuda. A comunicação consiste de linguagens como . as amizades. local onde trabalha. NÍVEL DE FALA Língua: é um código linguístico usado por uma sociedade e . odores raios luminosos etc. Contexto ou Referente (é o tipo de assunto destacado na mensagem ) . Canal de comunicação ou veiculo (é o meio pela qual a mensagem é transmitida . é individual. Receptor ou Destinatário (é quem recebe a mensagem e decodifica) . grau de escolaridade. mesmo que este não faça jus à norma culta. provavelmente decifraríamos a origem do problema! Vê-se que a língua. Então. cargo que ocupa. profissão.Verbal: que se baseia na forma falada e escrita Não Verbal: aquela que se utiliza qualquer código que não seja a palavra como a mímica. trata-se de uma convenção entre um grupo. logo. Uma menina diz “antão”mesmo sabendo que é “então” e um dia quando conversar com a mãe da garota entende-se o porquê! E se conversássemos com a avó. assim desenvolvendo uma estrutura com seu roteiro pré-definido e com uma pluralidade de troca de papeais.ex: língua Portuguesa ). Fala: é o modo como a língua é utilizada . ao partir do social para o individual.INTRODUÇÃO DOS CONCEITOS TEORICOS Todo ato de comunicação consiste em haver uma iteração de troca de informações para satisfazer a necessidade do contexto do grupo ali envolvido. pois cada um tem um modo de se expressar oralmente. portanto. local onde mora. Esta estrutura se define desta maneira : Emissor ou Remetente (Codifica e envia a mensagem) . Daí dizemos que a língua é individual. a criação. sexo. pintura . Código (é o sistema de sinais conhecido pelo emissor e receptor . sons . Mensagem (é o conteúdo que se pretende transmitir ) . recebe um estilo próprio. Muitos fatores influenciam na maneira como determinado indivíduo fala: idade.

grau de escolaridade. Fala:é o modo como a língua é utilizada. pois esta se trata de um acordo normatizado e documentado.È Frequente em ambientes que exigem tal posicionamento do falante: em discursos. Está presente nas conversas com amigos. Uma menina diz”antão” mesmo sabendo que é “então” e um dia quando conversa com a mãe da garota entende-se o porquê! E se conversássemos com a avó. local onde mora. blogs. trata-se de uma convenção entre um grupo. somente a escrita. etc. portanto. da gramática normativa. etc. O nível coloquial ou Informal:é a manifestação espontânea da língua. o caráter. sexo. É muito comum se ver o coloquialismo sendo utilizado em textos. O nível culto ou formal obedece às regras da norma culta. A língua é a referência. a família de modo geral. em reuniões. A língua é a referência. parte de cada pessoa. a escrita também seguira padrões quando se trata de textos acadêmicos ou de teor cientifico . as amizades. a criação. e não a fala! Os níveis de fala compreendem o modo como o falante se manifesta nas diversas situações . Logicamente. Mesmo porque não há como julgar a fala como certa ou correta. profissão. pessoas com quem temos intimidade. ao partir do social para o individual. como no MSN. familiares. Independe de regras. logo. local onde estuda. pois esta se trata de um acordo normatizado e documentado. apresentação de trabalhos científicos. Então dizemos que a língua é social.correta. Íngua: é um código linguístico usado por uma sociedade e. provavelmente decifraríamos a origem do problema” Vê-se que a língua. apresenta gírias. Muitos fatores influenciam na maneira como determinado indivíduo fala: idade. mesmo que este não faça jus à norma culta. recebe um estilo próprio. e não a fala! Os níveis de fala compreendem o modo de como o falante se manisfesta nas diversas situações vividas. cargo que ocupa. somente a escrita. em sermões.Daí dizemos que a língua é individual pois cada um tem um modo de se expressar oralmente. local onde trabalha. é individual. principalmente da internet. restrição de vocabulário. no Orkut. formas subtraídas das palavras.

O próprio nome da música. etc. ou Jô como é carinhosamente chamada norma padrão ou culta. apresentações de trabalhos científicos. pessoas com quem temos intimidade. apresenta gírias. uma senhora que trabalha há muito tempo na casa dos pais do artista. “olhar no espelho depois que almoça entorta a boca” e “pra segurar namorado morrendo de amor/ Escreve o nome num pepino e guarda no „refrigelador‟”. a ideia surgiu a partir de um diálogo com Josilene. da. familiares. Está presente nas conversas com amigos. Adotadas tanto por “Jô”. da gramática normativa . substituindo “psicólogo”. O nível culto ou formal obedece às regras da forma culta. Em um primeiro contato com a música. etc. principalmente da internet. isso não se comprova por causa da estrofe: . Por exemplo. restrição de vocabulário. no qual certos “neologismos” foram criados. no Orkut. É muito comum se ver o coloquialismo sendo utilizado em textos. “Zazulejo” é uma das pronúncias para a palavra “azulejo”.vividas . em reuniões. ou Jô como é carinhosamente chama-. Anitelli se aventura por um campo ainda mais profundo ao citar certas crenças populares. “segunda mãe de Anitelli”. INTRODUÇÃO ZAZULEJO “Zazulejo”. mata”. entretanto. Segundo a declaração do cantor dada como introdução à canção. formas subtraídas das palavras. como por grande parte da população do país. Segundo a declaração do cantor dada como introdução à canção. blogs. Logicamente. É frequente em ambientes que exigem tal posicionamento do falante: em discursos. em sermões . Independe de regras. Exemplos disso seriam as crenças “tomar banho depois que passar roupa. palavra “pigilógico”. como no MSN. o ouvinte poderia considerar que o compositor “faz escárnio” das variações diferenciadas da norma padrão. O tema da composição é a discriminação de pessoas que têm um modo de falar diferente da considerada norma padrão ou culta. Além de demonstrar diversos exemplos de variações linguísticas existentes na oralidade de muitos brasileiros. A música foi criada em homenagem a Josilene Raimunda. a escrita também seguira padrões quando se trata de textos acadêmicos ou de teor cientifico O nível coloquial ou informal é a manifestação espontânea da língua. e “leite dilatado” no lugar de “leite desnatado”. a ideia surgiu a partir de um diálogo com Josilene.

Não é uma questão de desvalorização da norma. Além de demonstrar diversos exemplos de variações linguísticas o autor se aventura por um campo ainda mais profundo ao citar certas crenças populares. apesar do modo diferente de falar. segundo o compositor. está demonstração de primeiro momento não esta incumbida de explicar o real significado da palavra em si. No texto podemos verificar algumas funções linguísticas. que não vai S em feliz. Acredito que errado é aquele que fala correto e não vive o que diz!” Acrescendo-se a isso. -Função Metalinguística: autor narrar o cotidiano de uma parte da sociedade . mata”. Que o X pode ter som de Z. O “neologismo” vivenciado por ele e por muitos através da musica. Por exemplo.] se um enunciado” e “obedece ou não as regras de funcionamento da língua” (2006. “olhar no espelho depois que almoça entorta a boca” e “pra segurar namorado morrendo de amor/ Escreve o nome num pepino e guarda no „refrigelador‟”. a comunicação é possível e isso é o mais importante. p.. e o CH pode ter som de X. canal ou veiculo. O próprio nome da música.como: “tomar banho depois que passar roupa. pelo diferente. Que não vai S na cebola. capaz de discernir intuitivamente [. Ressaltando ainda mais o aspecto da variação lingüística. substituindo “psicólogo”.2007 ) . Receptor: Sociedade. o que.124). A oralidade não deve ser motivo de exclusão. identidade e essência. código e contexto.. que diz que. Contexto: variações linguísticas. No texto da musica “Zazulejo” podemos identificar todos os componentes que constitui a comunicação como: emissor. . Canal: Letra Musical (Musica). mas sim de respeito às variações (Texto Jornal eletrônico – letras. auxilia a estimular o respeito pelo outro. BAGNO confirma. Compreendendo o enunciado pela reorganização.2ed. Dessa forma. Anitelli define “Jô” como uma poetisa por natureza. mas sim demonstrar que estas palavras de uma forma mantém uma comunicação obedecendo ou não as regras de funcionamento da língua desta forma foram criados.com . dos termos da oração. Código: Conscientização sobre o “Preconceito Linguístico” novo olhar sobre o outro e sobre o mundo. No caso do emissor: trata-se do autor. “Zazulejo” é uma das pronúncias para a palavra “azulejo”. tornando também um poema que retrata o mesmo . pelo fato de reinventar as palavras. pois todos nos comunicamos. palavra “pigilógico”.“Quando alguém te disser: tá errada ou errada. também intuitiva. todo poeta deveria fazer. conforme exemplo abaixo. temos o discurso do próprio cantor. pela sua construção. independentemente de conhecimentos gramaticais. receptor ou destinatário. ao afirmar que “todo falante nativo de uma língua é um falante plenamente competente dessa língua. e “leite dilatado” no lugar de “leite desnatado”. DESENVOLVIMENTO.

de torroristo ai eu tenho medo né? Corra tudo bem... Ah eu tenho fé em Deus. de torro... se Deus quiser... né? Ai quando eu to com algum pobrema eu digo: Meu Deus! me ajuda que eu to com esse problema! Ai eu peço muito a Deus." -Função Poética: O autor demonstra o seu sentimento referente ao modo de falar de cada um através palavras em sentido figurado e algumas rimas e trocadilho......-Função emotiva ou expressiva: No inicio do texto e vivenciado a forma de função emotiva onde se relata sua emoção e anseios... se deus quiser. por exemplo .. né? Tudo que eu peço ele me ouci. “Mas quando alguém te disser ta errado ou errada Que não vai S na cebola e não vai S em feliz Que o X pode ter som de Z e o CH pode ter som de X Acredito que errado é aquele que fala correto e não vive o que diz”. né? Eu desejo ir embora um dia pra Recife não vou porque tenho medo de avião. né? eu Deus me ouci na hora que eu peço pra ele.. ai eu fecho meus olhos.. .

pdf (COMO DEVO CHAMAR ESSA INFORMAÇÃO PARA BIBLIOGRAFIA.DE SLIDE OU TEXTO )Comunicação. de Barros .cesumar.wordpress.com/2011/09/04/o-preconceito-linguistico-um-meio-deexclusao-social/ http://www. Linguagens e Códigos Estrutura da comunicação e funções da linguagem Prof°Anilton F.br/graduacao/arquivos/jornal_letras_2edicao2007.REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS http://poeticadepensee.