You are on page 1of 79

INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GLEDISON ANDRÉ GOMES DE ARAÚJO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CONTABILIDADE PÚBLICA: CONFORMIDADE DE GESTÃO APLICADA AO SETOR PÚBLICO FEDERAL

BELÉM 2012

INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GLEDISON ANDRÉ GOMES DE ARAÚJO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CONTABILIDADE PÚBLICA: CONFORMIDADE DE GESTÃO APLICADA AO SETOR PÚBLICO FEDERAL

Relatório de Estágio Supervisionado apresentado ao Curso de Ciências Contábeis do Instituto de Estudos Superiores da Amazônia.

BELÉM 2012

INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GLEDISON ANDRÉ GOMES DE ARAÚJO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CONTABILIDADE PÚBLICA: CONFORMIDADE DE GESTÃO APLICADA AO SETOR PÚBLICO FEDERAL
Este Relatório foi julgado adequado para obtenção da aprovação na disciplina Estágio Supervisionado do Curso de Ciências Contábeis do Instituto de Estudos Superiores da Amazônia.

Profº M.Sc. Adalberto Wolmer do Nascimento Silva Orientador

Srº Lielson Mesquita Teixeira Supervisor de Estágio

Profº M.Sc. Rodivaldo Brito do Espírito Santo Coordenador do Curso de Ciências Contábeis

BELÉM 2012

A Deus: o que seria de mim sem a fé que eu tenho nele. minha irmã. dedicação incentivo. não mediram esforços para que eu completasse mais esta etapa de minha vida. minha esposa Mary Jane. minhas filhas Glenda e Gabriela e a toda os meus familiares que. com muito carinho. A minha mãe. .

. mas antes terão livros. Deixo uma frase de Bill Gates: “É claro que meus filhos terão computadores. de alguma forma. À Bibliotecária Nize Rodrigues. pelo inestimável e competente auxílio quanto à normalização deste Relatório de Estágio.‖ Aos meus colegas de classe. pela orientação. Ao Professor Atanagildo Coimbra.AGRADECIMENTOS A todos que contribuíram direta ou indiretamente para a realização deste trabalho. funcionária da Biblioteca do IESAM. fica expressa aqui minha gratidão. A todos que. especialmente: Ao Professor Adalberto Wolmer. contribuíram para o encerramento desta etapa tão importante da minha vida. pela rica troca de experiências e ensinando-me o quão importante é conviver com pessoas tão diversas e amigas. pelo apoio e conselhos dados a todos como também pela amizade que ficará pra sempre. pelo aprendizado e apoio em todos os momentos necessários.

social) está em sua falta de ética”.“A grande doença do ser humano (mental. Norberto R. Keppe . física.

. 44 Figura 14 – Modelo de tela inicial da transação ATUCONFREG ............... 41 Figura 8 – Modelo de tela de mensagens internas do Sistema SIAFI ................. 29 Figura 2 – Modelo de amostra em execução no Sistema Serpro ........HOD tela de login ................ para impressão .......................... 45 Figura 15 – Modelo de tela de comando da transação CONCONFREG........ 76 ...... Regional da Polícia Federal no Estado do Pará ................................................................ 47 Figura 18 – Modelo de tela – detalhe da transação CONCONFREG – UG 200386 ................................................ 46 Figura 16 – Modelo de tela inicial da transação CONCONFREG – UG 200386 ................................................... 44 Figura 13 – Modelo de tela de comando da transação ATUCONFREG ............. 43 Figura 12 – Modelo de tela da transação IMPCONFREG – Doc............. 49 Figura 20 – Principais documentos da Conformidade de Gestão .... 48 Figura 19 – Tela – detalhe da transação CONCONFREG – com restrições .... 40 Figura 7 – Modelo de tela inicial do Sistema SIAFI ........ 38 Figura 3 – Modelo de amostra em execução no Serpro ............ 41 Figura 9 – Modelo de tela de menu do Sistema SIAFI ...... 47 Figura 17 – Modelo de tela inicial da transação CONCONFREG – UG 200387 ...... 76 Figura 22 – Sede da Sup................................. 42 Figura 10 – Modelo de tela do Registro de Conformidade de Gestão............................................................ 39 Figura 4 – Modelo de amostra de tela inicial do Sistema Serpro .LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 – Organograma da Diretoria de Logística Policial ....... 39 Figura 5 – Modelo de amostra de tela de escolha do sistema SIAFI ............. 40 Figura 6 – Modelo de tela comando de acesso ao sistema SIAFI..... 52 Figura 21 – Sede do Departamento de Polícia Federal em Brasília/DF ........................................... 42 Figura 11 – Modelo de tela de inicial da transação IMPCONFREG ............

...................................................................................... 21 4.................................................................................. 63 APÊNDICE A – Plano de Estágio Supervisionado .................................................................................2 OPERACIONALIZAÇÃO .........................................................................5....................... 19 4 REFERENCIAL TEÓRICO...........CONFORMIDADES .................................................................................................................................................................................................................................................................. 10 2 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA ...... 27 4.... 32 4....................................1 LEGISLAÇÃO BÁSICA...............2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS ................................................................................................... 38 6 DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES ............................. 73 APÊNDICE E – Frequência Mensal do Mês de Setembro – Estágio Superv........................... 71 APÊNDICE C – Frequência Mensal do Mês de Agosto – Estágio Superv........................... .................................................................................................. 20 4..........................................................................1 OBJETIVOGERAL ........................................................................ ............................................................................................................. 75 APÊNDICE F – Relatório Mensal de Acompanhamento de Estágio Supervisionado – Outubro .............................................. 13 2....... 35 5 METODOLOGIA ........ 6 RESUMO..................... 19 3.....5 MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO DO SIAFI .. 78 ................................................................. 66 APÊNDICE B – Relatório Mensal de Acompanhamento de Estágio Supervisionado – Agosto ...... 23 4. 58 8 CONCLUSÃO ........................ 18 3 OBJETIVOS .................................................................................................................................4 HISTÓRICO DO SIAFI ..........................................1 HISTÓRICO DA EMPRESA .................. 9 1 INTRODUÇÃO ................................................................. 40 7 RESULTADOS E ANÁLISE ........ 13 2.....................................5.. 34 4............................................3 SIAFI ...............................2 CARACTERÍSTICAS DO ESTÁGIO ............................................................................1 CONFORMIDADE DE REGISTRO DE GESTÃO ............................................................... 60 REFERÊNCIAS ......................................................................................... 76 APÊNDICE G – Frequência Mensal do Mês de Outubro – Estágio Superv.................................... 22 4... 72 APÊNDICE D – Relatório Mensal de Acompanhamento de Estágio Supervisionado – Setembro .......... ................. 19 3....................................1 CONFORMIDADE CONTÁBIL ................................SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES .................................................

........................ 76 .................................................................................ANEXO .............

transações contábeis. evidencia-se a importância da Conformidade de Registros de Gestão e. Demonstra-se que a instituição de um controle interno contábil. evidencia-se a legislação que trata da Conformidade de Registro de Gestão. Por outro lado. tendo por base instrumentos de segurança do sistema. Conformidade de Gestão. . dependendo de cada caso. execução orçamentária e financeira. será aplicada a melhor metodologia para conferir se os registros realizados no SIAFI estão condizentes com as documentações comprobatórias. pode ser bastante útil no controle e evidenciação da execução orçamentária e financeira.RESUMO Este relatório descreve o estágio profissionalizante do Curso de Bacharelado em Ciências Contábeis. realizado no Núcleo de Execução Orçamentária e Financeira da Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará. juntamente com a aplicação prática no Sistema Integrado de Administração Financeira – SIAFI. sob o foco e delimitação da Conformidade de Gestão. Deste modo. do Instituto de Estudos Superiores da Amazônia – IESAM. de forma a prevenir prejuízos financeiros e minimizar as possibilidades de desvios e fraudes. PALAVRAS-CHAVE: Controle Interno. Este Relatório descreve a prática das atividades relacionadas ao processo de elaboração e execução de Controle Interno que ocorre na Superintendência de Polícia Federal no Estado do Pará. tempestivo e concomitante sobre as transações contábeis efetuadas no SIAFI.

497/82. essa dificuldade se refletirá na sua prática como Contador. que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam frequentando o ensino regular em instituições de educação superior. o estágio supervisionado é uma excelente oportunidade de aglutinar os conhecimentos teóricos adquiridos durante a graduação à prática absorvida no decorrer do estágio.10 1 INTRODUÇÃO Um grande desafio com o qual o aluno de um curso de bacharelado tem de lidar é unir prática e teoria. desenvolvido no ambiente de trabalho. proporcionadas ao estudante pela participação em situações reais da vida e trabalho de seu meio. atos e fatos administrativos da fazenda pública. 2º do Decreto nº 87. O estágio supervisionado dos cursos de graduação do Instituto de Estudos Superiores da Amazônia – IESAM está devidamente regulamentado pela Resolução nº 04/2003 com fulcro nas diretrizes curriculares estabelecidas pelo Ministério da Educação. 1º da Lei nº 11. é considerado estágio: As atividades de aprendizagem social. ―Não é só frequentando um curso de graduação que um indivíduo se torna profissional. comprometendo-se profundamente como construtor de uma práxis que o profissional se forma‖ (FÁVERO. Logo. em uma importante ferramenta de conhecimento e de integração do graduando à sua realidade socioeconômica e ao trabalho na área profissional almejada. de ensino médio. De acordo com o Art. em particular um aluno do Curso de Ciências Contábeis. o patrimônio público e suas variações.65). controla e demonstra a organização e execução dos orçamentos. conceitua o estágio como: Ato educativo escolar supervisionado. sobretudo. sendo realizada na comunidade em geral ou junto a pessoas jurídicas de direito público ou privado. Contabilidade como a área de conhecimento. 1992. O propósito do tema em questão é contribuir nessa área de conhecimento. p. Este trabalho aborda o tema: “Contabilidade Pública: Conformidade de Gestão aplicada ao Setor Público Federal‖ e está vinculado à discussão sobre as áreas de conhecimento abrangidas pela Contabilidade Pública. Se esse problema não for solucionado ou pelo menos reduzido durante a vida acadêmica do educando. profissional e cultural. da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental. de educação profissional. constituindo-se. assim. que estuda. O art. mediante o exame do controle interno existente sobre as informações produzidas e . na modalidade profissional da educação de jovens e adultos.788/2008. sob responsabilidade e coordenação da instituição de ensino. É.

pode ser útil no controle e evidenciação da execução orçamentária e financeira. principalmente. orçamentária. O presente relatório busca demonstrar que a instituição de um controle interno contábil. realizada pelo Conformista de Gestão da Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará. Embora os instrumentos de controle da execução orçamentária tenham longa trajetória no campo público. em nível de segurança do Sistema SIAFI. procura-se demonstrar. Logo. financeira. legitimidade e economicidade. O objetivo deste relatório é estabelecer diretrizes para a correta instrução e análise dos processos de Execução Orçamentária. pode-se alcançar a transparência e controle social no trato da coisa pública. as atividades relacionadas ao processo de elaboração e execução de Controle Interno . de forma a prevenir juros e minimizar as possibilidades de desvios e fraudes. somente nas últimas décadas é que o assunto integrou o rol de preocupações dos administradores públicos e ganharam visibilidade perante a sociedade brasileira. que trouxe a obrigatoriedade da fiscalização contábil. pelos documentos comprobatórios dos atos e fatos que comprovem tais operações. especificamente na forma como foi desenvolvido e implantado no Departamento de Polícia Federal. a partir da Constituição Federal de 1988. Deste modo. no trato com o Erário. A abordagem de tema como o controle interno contábil. tempestivo e concomitante sobre as transações contábeis efetuadas no SIAFI. de suporte documental e contábil. servindo de exemplo para as diversas Instituições Públicas. quanto à legalidade. tais como conformidade diária. este relatório visa enfatizar a realização do controle interno. de forma concisa e prática. indireta. que buscam se adequar aos novos rumos da sociedade brasileira. tendo por base instrumentos de segurança do sistema.11 divulgadas pela contabilidade governamental. no âmbito da Conformidade dos Registros de Gestão. operacional e patrimonial da União e das entidades direta. de tal forma que os registros realizados no SIAFI possam estar devidamente fundamentados. Financeira e Patrimonial da Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará. que vem exigindo responsabilidade dos agentes públicos. busca demonstrar que da soma de conhecimentos da administração e da contabilidade pública. tendo como parâmetro o caso do Núcleo de Execução Orçamentária e Financeira da Superintendência regional da Polícia Federal no Estado do Pará.

12 que ocorre na Superintendência de Polícia Federal no Estado do Pará. haverá para ambas as partes. evidenciando-se a legislação vigente que trata da Conformidade de Registro de Gestão. ao realizar-se um estágio em um órgão público. Portanto. como também a produção de conhecimento científico. órgão e aluno uma agregação de conhecimentos devido à importância do assunto que será desenvolvido. . Para a Instituição de Ensino é fundamental a sua contribuição para ampliação e divulgação da qualidade de ensino que oferece a comunidade (sociedade). juntamente com a aplicação prática no Sistema Integrado de Administração Financeira – SIAFI.

no Distrito Federal. e d) quanto ao comércio clandestino ou facilitação do uso de entorpecentes. De acordo com o referido Decreto-Lei o DFSP tinha a seu cargo. de 13 de junho de 1946. a estrutura e a segurança do Estado. Com o Decreto-Lei nº 6. este órgão tem na sua origem a Intendência-Geral de Polícia da Corte e do Estado do Brasil. . que funcionava na Cidade do Rio de Janeiro/RJ. b) referentes à entrada. Paulo Fernandes Viana.1 HISTÓRICO DA EMPRESA Segundo o histórico do Departamento de Polícia Federal. em 10 de maio de 1808. e sendo designado para o cargo de Intendente-Geral de Polícia da Corte o Desembargador e Ouvidor da Corte. de 28 de março de 1944.b) a apuração das seguintes infrações penais e da sua autoria: a) que atentarem contra a personalidade internacional. Ficou também estabelecido que as Secretarias ou Departamentos de Segurança e Chefaturas de Polícia dos Estados receberão orientação do DFSP sobre assuntos de ordem política e social. aérea e de fronteiras. a antiga Polícia Civil do Distrito Federal. diretamente subordinado ao Ministro da Justiça e Negócios Interiores. A ampliação das atribuições Posteriormente. quando a interessada é a Fazenda Nacional.13 2 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 2. os de polícia marítima.378. os serviços de polícia e segurança pública e. foi transformada em Departamento Federal de Segurança Pública (DFSP). por força do Decreto-Lei n° 9. a ordem social e a organização do trabalho. no território nacional. para:a) os serviços de polícia marítima. ex-capital da República. em todo o território nacional. com as mesmas atribuições que tinha em Portugal. relacionados com a segurança pública do país. criada por D.353. João VI. no Governo de Getúlio Vargas. foi atribuída competência ao DFSP. aérea e segurança de fronteiras. permanência ou saída de estrangeiros no território nacional. c) definidas nos títulos X (crimes contra a fé pública) e XI (crimes contra a administração pública) do Código Penal.

O Dr. Ainda o art. Policiamento Provisório na Futura Capital Federal do Brasil Já na segunda metade da década de 1950. permanecendo assim até a inauguração da capital federal. Para que pudesse funcionar. Isso não significava executar ou atuar. três de delegado e três de escrivão. criando o Departamento Regional de Polícia de Brasília (DRPB).14 Os poderes da Constituição Federal de 1946 As competências atribuídas ao DFSP tiveram restrições em razão dos poderes dos Estados para prover as necessidades do seu governo e da sua administração. de 13 de abril de 1960. o DFSP passou a ser situado em Brasília e a realizar os serviços de policiamento de caráter local. em 21 de abril de 1960. . todos os órgãos dos poderes da República vieram para esta capital. em uma ―cidade‖ cuja administração ainda não tinha se estabelecido oficialmente. Agir fora desse limite era arriscado a ser interpretado como praticante de ato inconstitucional. 53 e seus parágrafos. foram criados: um cargo de chefe de polícia. fez-se necessária a criação de uma força policial organizada para conter os que originavam toda sorte de delinquência. Em 9 de dezembro de 1958. Levando-se em conta a procura de trabalho rendoso. então presidente da Companhia Urbanizadora Nova Capital do Brasil (NOVACAP). o governador do Estado de Goiás sancionou a Lei nº 2. Pela Lei n° 3.754. enriquecimento rápido e o afluxo de aventureiros chegados a Brasília de todas as partes do País. de 9 de dezembro de 1958. inspecionar e observar. ao qual se subordinava a Guarda Civil Especial de Brasília (GEB). Israel Pinheiro. Com a inauguração de Brasília. constituído do Serviço de Polícia Metropolitana. A população crescia desordenadamente. ocasião em que o DRPB foi incorporado ao Departamento Federal de Segurança Pública. no art. contidos no art. cuja estruturação dependia de lei especial. solicitou ao governo do estado de Goiás providências para legalizar a Polícia de Brasília. 5° no inciso VII concedia à União apenas competência para ―superintender‖ aqueles serviços.364. parágrafo 1° da Constituição Federal de 1946. que trata da organização administrativa do Distrito Federal. já existente. em organismo denominado Divisão de Segurança Pública da NOVACAP. mas apenas fiscalizar. 18. a futura capital se encontrava em fase de construção acelerada.

com capacidade de atuação em todo o território. Canadá e dos Estados Unidos da América. vindo servir de modelo a estrutura de outros aparelhos policiais. tais como: os da Inglaterra. em sua composição estrutural. se assemelhasse às instituições de segurança dos países acima referidos. a Lei nº 4.15 Precariamente. Em 30 de maio de 1966 a Lei n° 5. reorganizando então o DFSP. os brasileiros legalmente investidos de cargos do Serviço de Polícia Federal e do Serviço Policial Metropolitano e que a função policial fundamenta-se na hierarquia e na disciplina.310. A lei considerava policiais civis. Esta lei dispôs sobre as peculiaridades do regime jurídico dos funcionários públicos civis da União e do Distrito Federal. à busca de uma estrutura para o DFSP calcada nos moldes mais avançados. prosperou e veio a tornar-se realidade. em Brasília/DF. do governo do estado de Goiás. foi inaugurado o atual prédio. observando-se.483. instituiu o Estatuto do Policial. A ideia da criação de um Departamento Federal de Segurança Pública. a solução encontrada foi o aproveitamento do pessoal que integrava o DRPB. ocupantes de cargos de atividades policiais. inclusive no tocante às denominações pretendidas para os cargos a serem criados. Quadra 6. foi encaminhado pelo Poder Executivo um anteprojeto de lei com vista à criação de um organismo policial que. Em 21 de julho de 1977. regulamentada pelo Decreto nº 59. com a aprovação da Lei n° 4.878. localizado no SAS. então. em seu art. determina que a Polícia Judiciária Federal seja exercida pelas autoridades policiais do Departamento Federal de Segurança Pública. Polícia Judiciária da União Em dezembro de 1965. próprias de suas características e finalidades. Passou-se. Sem meios para funcionar plenamente.010. criado pela Lei nº 2. a sede do DFSP foi instalada em um galpão de madeira da NOVACAP até outubro de 1960. No final do ano de 1960. 65. Depois foi transferida para o 5° andar do bloco 10 da Esplanada dos Ministérios. com efetivo cunho federal. que criou a Justiça Federal. de 28 de junho. lotes 9 e 10. de 16 de novembro do mesmo ano. com jurisdição em toda a área destinada ao Distrito Federal. no que .364. A reorganização do DFSP.

a coordenação e o controle. havendo unidades (superintendências) em todas as capitais dos estados da federação e . agora contidas no inciso VIII. da Lei n° 4. Com esta ampla reforma o DFSP passou a denominar-se Departamento de Polícia Federal (DPF). de 16 de novembro de 1964.689. de 17 de outubro de 1969. 1967. Mediante o referido decretolei. o descongestionamento das chefias executivas superiores (desconcentração/descentralização). estabeleceu que competia à União organizar e manter a Polícia Federal. Organização Administrativa A sede da Polícia Federal situa-se na capital Federal. pelo Decreto-Lei nº 200. do mesmo artigo. A reforma operada em 1967. as disposições do Código de Processo Penal (Decreto-Lei n° 3. em seu art. 210. 210. e das demais normas legais aplicáveis ao processo penal. inciso VII. no art. e nas alíneas ―a‖ a ―d‖ descreveu suas atribuições. agora constitucionais. constitui um marco na tentativa de superação da rigidez burocrática. de 25 de fevereiro de 1967. a sistematização. de 24 de janeiro de 1967. e dessa forma identificada. não paginado) A denominação Polícia Federal A Constituição Federal (CF). a fim de obter-se maior dinamismo operacional por meio da descentralização funcional. a tentativa de reunir competência e informação no processo decisório. realizou-se a transferência de atividades para autarquias. Instituíram-se como princípios de racionalidade administrativa o planejamento e o orçamento. podendo ser considerada como um primeiro momento da administração gerencial no Brasil. Brasília/DF. manteve a denominação de Polícia Federal e suas atribuições. empresas públicas e sociedades de economia mista. conforme o disposto no art.16 couber. 8°. (BRASIL. de 3 de outubro de 1941).483. estabeleceu que: O atual Departamento Federal de Segurança Pública passa a denominar-se Departamento de Polícia Federal considerando-se automaticamente substituída por esta denominação a menção à anterior constante de quaisquer leis ou regulamentos. A Emenda Constitucional nº 1. que praticamente reformou a CF de 1967. A Reforma Administrativa e a denominação Polícia Federal O Decreto-Lei nº 200. fundações.

A Polícia Federal. de acordo com o artigo 144. Exercer as funções de polícia marítima. II. são funções adicionais da Polícia Federal: I. Além das Unidades Centrais. necessidade. sem prejuízo da ação fazendária e de outros órgãos públicos nas respectivas áreas de competência. IV. O Departamento de Polícia Federal (DPF). da Constituição Brasileira. sem efetivo policial próprio. e elas estão diretamente subordinadas à Direção Geral em Brasília. organizado e mantido pela União e estruturado em carreira.  recebem policiais de outras unidades em regime de rotatividade. parágrafo 1º. aeroportuária e de fronteiras. Apurar infrações penais contra a ordem política e social ou em detrimento de bens. III. cuja função é. que sucedeu o também Delegado de Polícia Federal Luis Fernando Correia. exercer a segurança pública para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. Atua. ou simplesmente Polícia Federal (PF).17 delegacias e postos avançados em várias outras localidades do país. o contrabando e o descaminho. Exercer. serviços e interesses da União ou de suas entidades autárquicas e empresas públicas. Prevenir e reprimir o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins. na clássica função institucional de polícia. sobretudo exercendo atividades de Polícia Judiciária da União. .  Delegacia — criadas em cidades de grande e médio porte onde haja Posto avançado — unidades menores. assim. com exclusividade. parágrafo 1º. que ficam situadas em Brasília. estão subordinadas à superintendência do estado. as funções de Polícia Judiciária da União. é instituída por lei como órgão permanente. de acordo com a Constituição de 1988. existem três tipos de unidades no Departamento de Polícia Federal:  Superintendência — há uma na capital de cada Estado do Brasil e no Distrito Federal. Desde 2011 a Direção-Geral do Departamento é exercida pelo Delegado de Polícia Federal Leandro Daiello Coimbra. da CF. segundo se dispuser em lei. assim como outras infrações cuja prática tenha repercussão interestadual ou internacional e exija repressão uniforme. é um órgão subordinado ao Ministério da Justiça. Ainda de acordo com o artigo 144.

a Polícia Federal possui uma unidade descentralizada (sede). a saber:      Delegacia de Polícia Federal em Marabá. Delegacia de Polícia Federal em Redenção. não se pode dizer exclusivamente que a Polícia Federal é uma polícia judiciária. M. perfazendo um total geral de 240 (duzentos e quarenta) horas realizadas no período de agosto a outubro de 2012. A orientação pedagógica junto à Instituição Acadêmica ficou a cargo do Profº. exercendo atividades de polícia preventiva e repressiva. Delegacia de Polícia federal em Altamira. pois esta função auxiliar do Poder Judiciário. também conhecida como Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará.2 CARACTERÍSTICAS DO ESTÁGIO A carga horária do estágio é constituída de 30 (trinta) horas semanais. . Adalberto Wolmer do Nascimento Silva.18 Contudo. Junto ao órgão. a Polícia Federal detém o ciclo completo de polícia. existem unidades descentralizadas no interior do Estado. da mesma forma que as polícias legislativas brasileiras em âmbito estadual e federal. Delegacia de Polícia Federal em Santarém. Em razão disso. 2.Sc. é apenas uma das atribuições constitucionais e legais do órgão. e Posto Avançado da Polícia Federal em Óbidos. No Estado do Pará. a responsabilidade de supervisionar o referido estágio ficou a cargo do Chefe-Substituto do Núcleo de Execução Orçamentária e Financeira – NEOF/SR/DPF/PA. Srº Lielson Mesquita Teixeira. ainda que seja priorizada em relação às demais. Além desta Superintendência Regional.

de tal forma que os registros realizados no SIAFI possam estar devidamente fundamentados. . Financeira e Patrimonial da Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará. pelos documentos comprobatórios dos atos e fatos que comprovem tais operações. juntamente com a aplicação prática no Sistema Integrado de Administração Financeira – SIAFI. Evidenciar a legislação que trata da Conformidade de Registro de Gestão.1 OBJETIVO GERAL  Estabelecer diretrizes para a correta instrução e análise dos processos de Execução Orçamentária.  Conhecer a importância da Conformidade de Registros de Gestão e. no âmbito da Conformidade dos Registros de Gestão.19 3 OBJETIVOS 3. aplicar a melhor metodologia para conferir se os registros realizados no SIAFI estão condizentes com as documentações comprobatórias.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS:  Demonstrar de forma concisa e prática as atividades relacionadas ao processo de elaboração e execução de Controle Interno que ocorre na Superintendência de Polícia Federal no Estado do Pará. dependendo de cada caso. 3.

dos Municípios e do Distrito Federal. p. quer seja unidade da Administração Direta ou Indireta. que juntamente com a Lei nº 10.20 4 REFERENCIAL TEÓRICO A Contabilidade Pública ou Governamental é a especialização da contabilidade que coleta. p.190) a Contabilidade Pública é o ramo da Ciência Contábil que: Aplicam na administração pública as técnicas de registro dos atos e fatos administrativos. registra e controla os atos e fatos da Administração Pública. os atos e fatos administrativos. O campo de atuação da Contabilidade Pública é definido pela utilização do orçamento fiscal e da seguridade social pela União. que coleta. levando em conta as normas de Direito Financeiro (Lei 4. os Princípios Gerais de Finanças Públicas e os Princípios Fundamentais de Contabilidade e tem por objetivo fornecer informações aos gestores públicos para subsidiar a tomada de decisões. Estados. inclusive fundações. Distrito Federal e Municípios. 2002. Segundo Pires (2005.589/00. que estatui normas gerais de Direito Financeiro para elaboração e o controle dos orçamentos e balanços da União. No orçamento fiscal encontram-se o Poder Legislativo. Executivo e Judiciário da União. 1) O Sistema de Contabilidade Federal foi criado pelo Decreto nº 3. mostra o valor do Patrimônio Público e suas variações. os respectivos fundos.38) definição de Contabilidade Pública tem como carro chefe a Lei nº 4. controlar. De acordo com o autor a Contabilidade Pública: É o ramo da Contabilidade. confere à Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda a condição de Órgão Central do Sistema. sua execução.320/64. órgãos e entidades públicas dependentes. analisar e interpretar os atos e fatos da gestão pública. (MELLO.320/64).320/64). bem como. os princípios gerais de finanças públicas e os princípios de contabilidade. Destacam-se como objetivos da Contabilidade Pública. bem como acompanha. registra e controla os atos e fatos da Fazenda Pública. patrimônio público e suas variações tendo por base as normas de Direito Financeiro (Lei nº 4. que tem .180/01. apurando resultados e elaborando relatórios periódicos. estão os que a ela se vinculam. enquanto no orçamento de seguridade social. controla e demonstra a execução do orçamento. A Contabilidade Pública exerce a função de prever. Para Mota (2005. evidencia o orçamento aprovado. escriturar. Estados. o fornecimento de informações atualizadas e exatas aos administradores para subsidiar a tomada de decisões e também aos Órgãos de Controle Interno e Externo. p.

regulamentando suas finalidades. com vistas à elaboração de demonstrações contábeis.872/86 dispõe sobre a unificação do caixa do Tesouro Nacional.976/09. organização e competências. na esfera Federal. f) Decreto nº 3. legislando na esfera contábil em seus artos. pelos seguintes . orçamentária e patrimonial. 5º do Decreto nº 6. de maneira padrão. e) Decreto nº 6. c) Decreto nº 93. o qual revogou o Decreto nº 3.320/64.590/00 dispõe sobre o Sistema de Administração Financeira Federal. de registro e de controle das operações relativas à administração orçamentária. mediante o estabelecimento de normas e procedimentos que assegurem consistência e padronização das informações produzidas pelas unidades gestoras. atualiza e consolida a legislação pertinente. b) Decreto-lei nº 200/67. principalmente. que estatui normas gerais de direito financeiro. g) Decreto nº 3. 68 a 93. estabelecendo normas de administração financeira e de contabilidade. a Contabilidade Governamental será exercida mediante atividades de reconhecimento.976/09 dispõe sobre o Sistema de Contabilidade Federal.21 competências de normatização contábil. financeira e patrimonial da União. Estas atividades compreendem a formulação de diretrizes para orientação adequada. 4. para a elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União. d) Instrução Normativa nº 8/86. Municípios e do Distrito Federal. permitindo a identificação e classificação contábil dos atos e fatos de uma gestão.589/00. atividades. Contabilidade Pública é regida. De acordo com o art.1 LEGISLAÇÃO BÁSICA A normativos: a) A Lei nº 4. aprova as normas gerais sobre o Plano de Contas da Administração Pública Federal. uniforme e sistematizada. regulamentando finalidades. de mensuração. estabelece diretrizes para a reforma administrativa. dispõe sobre a organização administrativa federal.591/00 dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal. atividades. dos Estados. organização.

garantindo o equilíbrio das contas públicas.Lei Complementar nº 101/00. e dá outras providências. da ação h) Lei de Responsabilidade Fiscal . Com relação ao Órgão de Controle Interno da Casa Civil. altera dispositivos do Decreto nº 3. que reordena os procedimentos pertinentes à utilização do Plano de Contas da União.591/00.481/05. Distrito Federal e Municípios. de Contabilidade Federal e de Controle Interno do Poder Executivo Federal. com prevenção de riscos e correção de desvios e principalmente.2 OPERACIONALIZAÇÃO A estrutura do Sistema de Contabilidade Governamental é regulamentada pela Lei nº 10. que estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal. composição da Comissão de Coordenação de Controle Interno – CCI. visando propiciar a avaliação governamental e da gestão dos administradores públicos federais.180/01. organiza e disciplina os Sistemas de Planejamento e Orçamento Federal. altera dispositivos do Decreto nº 3. i) Portaria Interministerial nº 163/01 (STN/SOF). no tocante às competências da Secretaria Federal de Controle Interno. que é a Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda e por órgãos setoriais. sendo composta pelo Órgão Central.320/64. complementando a Lei nº 4.591/00. dispõe sobre normas gerais de consolidação das contas públicas no âmbito da União. apresenta-se uma particularidade. criando novos demonstrativos contábeis e estabelecendo esforços com vista à ação governamental planejada e transparente. que são as unidades de gestão interna dos Ministérios e da Advocacia-Geral da União. incluindo competências ao Ministro de Estado do Controle e da Transparência.22 estrutura e competências. 4. que é o exercício das atividades de órgão setorial contábil de todos .304/02.180/01. m) Instrução Normativa nº 8/96 da Secretaria do Tesouro Nacional. n) Instrução Normativa Conjunta STN/SFC nº 4/00. l) Decreto nº 5. que reordena os procedimentos pertinentes à utilização do Plano de Contas da União. k) Decreto nº 4. j) Lei nº 10. Estados. de Administração Financeira Federal.

MORGADO. b) manter e aprimorar o Plano de Contas Único da União. no caso o Tesouro Nacional e suas Coordenações.3 SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL – SIAFI Para Debus e Morgado (2004). São cerca de cinco mil UG executoras e trinta mil operadores em todo o País. principalmente: a) definir e normatizar os procedimentos atinentes às operações de contabilidade dos atos e dos fatos da gestão orçamentária. estando o seu processamento a cargo do Serviço Federal de Processamento de Dados – SERPRO e é utilizado por todos os Órgãos da Administração direta. O SIAFI visa promover a modernização e a integração dos sistemas de programação financeira. 2004). e por grande parte das entidades da Administração indireta (DEBUS. Destaca-se que os órgãos setoriais ficam sujeitos à orientação normativa e à supervisão técnica do Órgão Central do Sistema. Inicialmente o SIAFI foi implantado no Poder Executivo. 4. f) supervisionar as atividades contábeis no âmbito do SIAFI. garantindo a consistência das informações. orientação e apoio técnico aos órgãos setoriais na utilização do SIAFI. cabendo a este. as origens do SIAFI remontam ao final da década de 80 e seu objetivo à época foi o de aperfeiçoar o sistema de gestão dos recursos do Governo Federal. de execução orçamentária e de contabilidade dos órgãos e entidades públicas do Governo Federal. e g) prestar assistência. com os ganhos . autárquica e fundacional. mediante a utilização de sistemas informatizados que abrangessem todo o elenco de órgãos integrantes da Administração direta. d) elaborar e divulgar os Balanços e Demonstrações Públicas Federais. na aplicação de normas e na utilização de técnicas contábeis. e) elaborar as informações gerenciais.23 os órgãos integrantes da Presidência da República e da Vice-Presidência da República. dos três Poderes. financeira e patrimonial da Administração Pública Federal. c) colaborar na gestão do SIAFI.

otimizando a utilização dos recursos do Tesouro Nacional. seja uma fonte segura e tempestiva de informações gerenciais para todos os níveis da Administração Pública Federal. o Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal – SIAFI é o sistema de teleinformática que processa a execução orçamentária. d) integrar e compatibilizar as informações no âmbito do Governo Federal. Foi implantado em 1987 e constitui. o Poder Legislativo e Judiciário ingressaram neste que é considerado um dos maiores e mais abrangentes instrumentos de administração das finanças públicas. dentre os seus congêneres conhecidos no mundo (FEIJÓ. com utilização de bancos de dados. MOTA. financeira e contábil. Em 2006 foi apresentado para a Organização das Nações Unidas como experiência de sucesso no controle e transparência dos gastos governamentais. ferramentas de geração de relatórios e interface mais amigável com o operador do sistema. 2009). e e) proporcionar a transparência nos gastos públicos. além de alguns organismos internacionais têm enviado delegações à Secretaria do Tesouro Nacional com o propósito de absorver tecnologia para implantação de sistemas similares. sendo que vários países. com relevantes ganhos no tempo de escrituração dos dados contábeis e de processamento das informações.foi o conceito de evento. desde então. através da unificação dos recursos de caixa do Governo Federal. conceitos práticos foram implementados. Segundo os autores. b) fornecer meios para agilizar a programação financeira. financeira e contábil do Governo Federal. financeira e contábil dos órgãos e entidades da administração federal. Segundo Albuquerque e outros (2006). Quando da implementação do SIAFI. Uma das inovações que causou grande impacto na postura do executor da despesa pública. que é o instrumento utilizado pelas . o mais importante instrumento de acompanhamento e controle da execução orçamentária. despertando a atenção no cenário internacional. Pinto e Mota (2009). c) permitir que a contabilidade aplicada à Administração Pública. o SIAFI tem como objetivos: a) prover os órgãos da Administração Pública de mecanismos adequados ao controle diário da execução orçamentária. o desempenho do Siafi ultrapassou as fronteiras brasileiras. principalmente devido a uma adequada estrutura informatizada.24 demonstrados. De acordo com o Feijó. PINTO.

que possibilitam a guarda segura das informações ali contidas. b) fidedignidade dos dados inseridos no sistema por seus usuários. onde as obrigações ficam escrituradas. O tipo de utilização indica se o evento é utilizado pelo gestor. Feijó. . dotação e empenho respectivamente). bastando para tanto. A classe individualiza fatos de uma mesma natureza (exemplo> classe 10. para transformar os atos e fatos administrativos rotineiros em registros contábeis automáticos. aguardando a data programada de pagamento. Pinto e Mora (2009. A utilização do evento possibilitou padronizar os lançamentos e rotinas de escrituração contábil. proporcionando informações em nível analítico e gerencial do fluxo de caixa. O código sequencial é utilizado para individualizar cada fato dentro das classes vai de 001 a 999. (ZZZ) representam o Código Sequencial. O CPR funciona como uma agenda.33) cita que os mesmos baseiam-se: a) sistema de Segurança. p. tem condições de executar suas transações. 20. Navegação e Habilitação – senha – que estabelece diferentes níveis de acesso às informações do SIAFI. pelo sistema ou se o mesmo refere se a estornos. pois o evento ao ser utilizado gera registros contábeis automáticos. que o operador utilize a situação correspondente. Quanto aos procedimentos de segurança do SIAFI. (Y) representa o Tipo de Utilização. c) conformidade de registro de gestão a ser realizada pelo Ordenador de Despesa da UG ou por operador por ele indicado. d) conformidade contábil a ser efetuada pela UG Setoriais de Contabilidade. sendo que: (XX) representam a Classe do Evento. que permite otimizar o processo de programação financeira dos Órgãos ligados ao Sistema.25 Unidades gestoras no preenchimento das telas e/ou documentos de entrada no SIAFI. sem precisar o operador conhecê-los. Como todo sistema complexo de entrada. O operador do SIAFI. visando validar os valores registrados. Evento é um código formado por seis caracteres (XX.ZZZ). o SIAFI possui suas ferramentas de segurança.Y. Outro fator inovador na entrada de dados no SIAFI foi a criação do Subsistema CPR (Contas a Pagar e Receber). 40 representam estimativa de receita. mesmo que não seja contador. processamento e saída de dados.

26 e) conformidade de operadores. sistema nervoso. pois ela serve de instrumento de controle das informações produzidas pelos registros contábeis. primeiro. e principalmente i) inalterabilidade das informações de todos os documentos incluídos no SIAFI após a contabilização. p. a ser realizada pelo Ordenador de Despesa ou por operador por ele indicado. g) identificação dos operadores que efetuam acesso à base de dados. . ter definido o que é um sistema. f) conformidade de suporte documental. responsável pela manutenção do sistema. não poderá mais ser apagado. Destas salvaguardas do SIAFI. salvo problemas mais graves de ordem técnica e de manutenção. E esses elementos interdependentes que interagem são os subsistemas. o dado. também a ser realizada pelo Ordenador de Despesa ou por operador por ele indicado. a Conformidade de Gestão é a que é objeto deste estudo. ou partes que interagem formando um todo unitário e complexo‖. ou um todo organizado. para correção ou cancelamento do documento por ventura escriturado erroneamente. 23) definem Sistemas de Informação como: ―Um conjunto de elementos interdependentes (subsistemas). tais como backup. “Considera-se sistema um conjunto de elementos interdependentes. com o intuito de manter a integridade dos dados. seja para consulta ou escrituração contábil. sistema circulatório. De acordo com Bio (1994. Cautela e Poloni (1996. logicamente associados. h) mecanismos outros de segurança mantidos pelo Serpro. 18). Para melhor compreender o Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal é importante. Cada qual tem sua finalidade e função. uma vez inserido no sistema. exigindo a escrituração de um outro documento. p. Existem vários tipos de sistemas: sistema solar. Isto permite que. Os sistemas que utilizam a informação para auxiliar os gestores na tomada de decisão são os chamados Sistemas de Informação. para que de uma interação sejam geradas informações necessárias à tomada de decisões‖.

detectando falhas e prováveis adaptações. 4). A partir do próprio conceito de sistema de informação podese constatar que se as informações não estão auxiliando na tomada de decisão o sistema não está de acordo com os objetivos estabelecidos e deve ser reestruturado. 4. Para que os gestores tomem decisões seguras.4 HISTÓRICO DO SIAFI . estas devem ser claras. Porém existem interpretações confusas do que venha a ser execução orçamentária e financeira. Praticamente todas as organizações e indivíduos obtêm receitas ou geram fundos. financeira e contábil do governo federal. Segundo Cornachione Júnior (1994. p. necessitando então de uma pessoa para administrar esses recursos. por sua vez. nos programas de trabalho constantes do orçamento. precisas e tempestivas. de acordo com Gitman (1997. A Administração Financeira diz respeito às responsabilidades dos administradores com as finanças da empresa. visando quitar as obrigações assumidas pela entidade pública. Silva e Vasconcelos (1997. p. a maior preocupação era obter um sistema que proporcionasse ao governo federal eficiente gestão e controle dos recursos públicos. baseadas nas informações obtidas. 42) definem execução orçamentária e financeira como: Execução Orçamentária é a utilização dos créditos orçamentários e adicionais. p. Perfeitamente compreensível. finanças é ―a arte e a ciência de administrar fundos‖. Se por algum motivo estes objetivos não forem atendidos é necessário que se faça uma análise do sistema. pois a execução orçamentária e financeira ocorre paralelamente. O SIAFI – Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal tem como principal função o acompanhamento e controle da execução orçamentária. tanto as empresas privadas quanto as instituições públicas. estas oriundas da execução orçamentária. A Execução Financeira. representa a utilização de recursos financeiros.27 Desde o desenvolvimento e implantação do SIAFI. 32): O ‗bom Sistema de Informações‘ deve ser encarado como aquele que permite ao gestor que dele se utiliza extrair as informações necessárias em tempo hábil e com o menor custo de obtenção possível.

pela STN – Secretaria do Tesouro Nacional em conjunto com o SERPRO – Serviço Federal de Processamento de Dados em 01 de janeiro de 1987 tornando-se. desde então. A existência de diversas contas bancárias dificultava a administração de caixa. por outros bancos autorizados pelo Ministério da Fazenda. podemos afirmar que a defasagem de aproximadamente 45 dias entre o encerramento do mês e o levantamento das demonstrações contábeis dificultavam o uso das informações para fins gerenciais. Para entidades que possuem um volume significativo de recursos e que necessitam de um meio para propiciar um melhor acompanhamento de suas disponibilidades. contábeis para um melhor . Através da conta única tornou-se possível realizar a movimentação financeira por meio eletrônico e on-line. Além disso. sendo utilizada apenas parcialmente para auxiliar os gestores na tomada de decisão. objetivando otimizar a utilização dos recursos públicos federais e uma maior transparência na destinação dos mesmos. A partir da implantação do SIAFI foram desenvolvidos meios para agilizar a programação financeira através da unificação nos recursos de caixa do governo federal.28 Conforme Feijó. sendo sua movimentação efetuada pelo Banco do Brasil S/A ou. financeira e contábil do governo federal. Em setembro de 1988 foi criada a conta única mantida no Banco Central do Brasil. foi criada a conta única institucional. orçamentárias e desempenho de suas atividades. permitindo o controle dos gastos com maior eficiência. Vários foram os fatores que levaram o Governo a desenvolver um sistema que auxiliasse no controle das despesas públicas.Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal foi implantado em um intervalo de tempo consideravelmente curto de seis meses. Podemos citar como alguns desses fatores a utilização da contabilidade como um simples instrumento dos registros dos atos e fatos contábeis. O governo federal decidiu então viabilizar a criação de um sistema que proporcionasse a integração das informações financeiras. o que motivou a criação do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal foi um diagnóstico elaborado pelo Ministério da Fazenda onde se constatou que existiam vários problemas que dificultavam a gestão dos recursos públicos. um importante instrumento para o acompanhamento e controle da execução orçamentária. Pinto e Mota (2009). excepcionalmente. sem perder a individualização e a autonomia na gestão dos recursos. O SIAFI .

e externo ao SIAFI. além de facilitar a elaboração do Balanço Geral da União.29 A movimentação de recursos na conta única do Tesouro Nacional é realizada através de: Ordem Bancária – OB. p. O Sistema foi utilizado inicialmente pelo Poder Executivo. destinado ao pagamento direto ao credor. representativos de um estado patrimonial e de suas variações. a obtenção dos dados relativos ao patrimônio. p. em espécie. depois se expandiu de forma gradativa pelos demais poderes a partir da aceitação de seus usuários. organizados e codificados com o objetivo de sistematizar e uniformizar o registro contábil dos atos e fatos de uma gestão devendo permitir. A Nota de Sistema – NS e a Nota de Lançamento . Nota de Sistema – NS ou Nota de Lançamento – NL de acordo com as respectivas finalidades. 212) o Plano de Contas é: o conjunto de títulos. visando uma maior flexibilidade no gerenciamento e consolidação dos dados. podendo ser utilizadas as seguintes modalidades: Ordem Bancária de Crédito – OBC. Ordem Bancária de Pagamento – OBP. A contabilidade da administração federal obedece a um plano de contas elaborado pela Secretaria do Tesouro nacional – STN. De acordo com Piscitelli. destinada ao pagamento dos favorecidos. Pinto e Mota (2009. A Ordem Bancária pode ser INTRA-SIAFI. O DARF – Eletrônico deve ser usado por todas as unidades gestoras participantes da conta única que recolham receitas federais. Mesmo as entidades que não utilizam o SIAFI. documento não compensável. Ordem Bancária para Banco – OBB. destinada a pagamentos a banco. A movimentação da conta única institucional é efetuada através de: OB. Timbó e Rosa (1997. previamente definidos.NL são utilizadas para registro no SIAFI dos movimentos financeiros efetuados pelo Banco Central do Brasil – BACEN na conta única. gerando simultaneamente saque na conta única da unidade emitente e crédito na conta única da Secretaria do Tesouro Nacional – STN. destinada a pagamentos de credores não pertencentes à conta única. Ordem Bancária de Sistema – OBS. destinada à movimentação de recursos entre as unidades gestoras integrantes da conta única. Documento de Arrecadação de Receitas Federais – DARF Eletrônico. em nível federal. inclusive o agente financeiro quando este for o beneficiário ou ainda pagamentos à vista de documentos emitidos pela unidade gestora. de forma precisa e clara. 347). NS ou NL e GPS – Guia da Previdência Social. emitida automaticamente pelo sistema. Atualmente é utilizado por todos os órgãos da administração direta dos três poderes e grande parte da administração indireta. junto à agência bancária. após autorização da Secretaria do Tesouro Nacional. direto com crédito em conta na rede bancária. têm seus saldos contábeis consolidados com os . destinada a recompor o saldo da conta de acolhimento de depósitos e receitas da unidade gestora. de acordo com Feijó.

As modalidades de uso do Sistema são definidas de acordo com a abrangência no tratamento dos atos e fatos que cada unidade realiza pelo SIAFI e podem ser de uso total ou parcial. com o propósito de desenvolver sistemas similares e com a mesma tecnologia. incluindo os eventos de receitas próprias. Possibilita o processamento de todos os atos e fatos de determinada unidade pelo SIAFI. além de não substituir a contabilidade da unidade gestora. da utilização financeira dos recursos provenientes do Orçamento Geral da União. pois se restringe no tratamento. excluindo-se as entidades de caráter financeiro. estão incluídas no conceito de conta única e é obrigatória a utilização do Plano de Contas da Administração Federal. Todos os órgãos da administração direta e grande parte da administração indireta utilizam o SIAFI nesta modalidade. a Secretaria do Tesouro Nacional é responsável pelas normas de utilização e o SERPRO é responsável pelo desenvolvimento e funcionamento do Sistema. Cada parte interessada tem sua responsabilidade. além do processamento da contabilidade e utilização plena dos procedimentos orçamentários e financeiros. Esta divisão em modalidades foi uma forma encontrada para organizar e definir as formas de utilização do sistema. A modalidade de uso parcial atualmente não é muito utilizada. É obrigatória a utilização plena das funções do sistema em órgãos e entidades do poder executivo que integram o orçamento fiscal e o orçamento da seguridade social. Ainda podemos ressaltar que nesta modalidade todas as disponibilidades financeiras da unidade. A modalidade de uso total é a forma mais usual. Os usuários são responsáveis pela qualidade e veracidade dos dados informados no SIAFI.30 demais órgãos para uma melhor evidenciação sobre o total de recursos movimentados pela administração pública. Não permitindo o tratamento dos recursos próprios da entidade. . sendo necessário o envio das demonstrações financeiras para posterior integração ao SIAFI. além do armazenamento e segurança dos dados. pelo SIAFI. O SIAFI ultrapassou as fronteiras brasileiras despertando interesse em alguns países e organismos internacionais.

DLOG/DPF. mas também a uma especificidade do sistema: uma vez registrado um ato/fato contábil no sistema. em seu art.dpf. De acordo com a Portaria nº 2. a operação não pode ser alterada. 191. Atualmente o que diferencia o SIAFI dos outros sistemas semelhantes é a integração da receita com a despesa que são geradas por órgãos distintos. Podemos constatar de acordo com a publicação da Revista Tema (1998.br/http/0/intranet. que é chefiada desde o mês de agosto do ano corrente pelo Delegado de Polícia Federal Fernando Duran Poch.gov. a qual aprovou o novo Regimento Interno do Departamento de Polícia Federal. mesmo que de forma equivocada. a Setorial Contábil do órgão é a Diretoria de Administração e Logística Policial (DLOG). p. na Superintendência Regional da Polícia Federal no Pará. de 15 de junho de 2005. A comunicação entre a Setorial Contábil e a STN é efetuada pela Coordenação de Orçamento e Finanças (COF) através do Serviço de Contabilidade (SECONT/COF). 41): O alto grau de transparência deve-se não apenas à democratização do seu acesso. Segundo a Instrução Normativa nº 013/2005 – DG/DPF. ao Setor de Administração e Logística Policial (SELOG) compete: .31 O SIAFI apresenta algumas características que o tornam um sistema confiável e de segurança.dpf.877. Corrigir o erro demanda um outro registro de estorno. possibilitando aos gestores ter uma visão geral da aplicação dos recursos públicos. de 30 de dezembro de 2011. Figura 1 – Organograma da Diretoria de Logística Policial Fonte: https://webvpn. 2012.br/dlog/organizacao/organograma/>.gov.

transferência.dispor dos dados estatísticos referentes às atividades de sua atribuição.promover estudos e proposições de pedidos de recursos orçamentários.adequar os diversos relatórios administrativos setoriais.32 I . VI . bem como a racionalização e simplificação de rotinas e processos de trabalho. VI . 4. V . IX . III .elaborar a proposta orçamentária. consolidando-os e submetendo-os ao Chefe do SELOG. X .observar e implementar as técnicas e processos utilizados nos Planos Plurianuais . compete ao Núcleo de Execução Orçamentária e Financeira da Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará: I .orientar e fiscalizar o cumprimento de normas e diretrizes emanadas das unidades centrais.executar as atividades de registro de conformidade diária.preparar o plano de distribuição de créditos adicionais e de recursos especiais.planejar.PPA.propor e implementar a melhoria de métodos e técnicas administrativas. 192. XI .propor a suplementação de créditos.elaborar propostas e subsidiar estudos tendo em vista a instalação. controlar e promover a execução das atividades administrativas e de apoio logístico. na área de atuação da Superintendência.promover a execução orçamentária e financeira.dispor dos dados estatísticos referentes às atividades de sua atribuição. VII . V . IV . art. tendo em vista a consolidação do Relatório Anual de Atividades da Superintendência. na área de atuação da Superintendência.dispor dos dados para a elaboração do Plano de Metas Anual. II . II . VIII . Ainda segundo a mesma IN.5 MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO DO SIAFI . estimativa e atualização de custos.CONFORMIDADES . objetivando a previsão de despesas.propor a abertura de créditos adicionais indispensáveis ao atendimento das necessidades do DPF e as alterações de rubrica e redistribuição de créditos orçamentários. IV . do Relatório Anual de Atividades e da Tomada de Contas Anual. de acordo com a programação estabelecida e os cronogramas propostos. III .acompanhar e promover a execução orçamentária e financeira. ativação e desativação de unidades. bem como fiscalizar seus atos. consolidando-os e submetendo-os ao Superintendente e ao Coordenador da COAD/DLOG.atualizar e manter o rol dos responsáveis da Superintendência. VII .

Segundo Vasconcellos (2012). portanto. 2006). Na Contabilidade Governamental este termo não é utilizado de forma diferente. Assegura-se. Esta proteção se dá tanto contra utilizações indevidas ou desautorizadas como eventuais danos que pudessem ser causados aos dados. o SIAFI apresenta uma série de métodos e procedimentos para disciplinar o acesso e assegurar a manutenção da integridade dos dados e do próprio sistema. atuando em conjunto colaboram para a geração de informações contábeis transparentes e fidedignas. Estes registros de conformidade têm finalidade específica e responsável formalmente designado. qualidade do que é conforme ou de quem se conforma e quer dizer que tem a mesma forma. conformidade contábil e conformidade de operadores. a confiabilidade dos dados no sistema. sua responsável utilização e a responsabilização dos gestores e usuários que delas dispõe. pois é usado para expressar que os atos e fatos são fidedignos e exatos. 1977). em confronto com as informações contábeis inseridas no SIAFI. o SIAFI adotou como salvaguarda dos registros contábeis efetuados a: conformidade de gestão (outrora chamada de conformidade diária e conformidade de suporte documental).33 O termo conformidade é utilizado para expressar o que está conforme. nos devidos termos (FERREIRA. ―a conformidade é um instrumento de segurança do SIAFI que visa permitir às unidades gestoras o fechamento das operações por elas realizadas‖. quer dizer. que estão conforme a boa técnica contábil e se fundam em documentação fiscal adequada e necessária. De modo a buscar o máximo de exatidão das informações contábeis. Conforme observa Mota (citado por COSTA. idêntico. A segurança do Sistema tem por base os seguintes princípios e instrumentos: • Senha • Conformidade Contábil • Conformidade de Operadores • Identificação das Operações do Usuário • Integridade e Fidedignidade dos Dados • Inalterabilidade dos Documentos • Conformidade de Gestão .

sujeitando-se às consequências das sanções penais ou administrativas cabíveis em decorrência do mau uso. Perfil é o conjunto de determinadas transações atribuídos a cada Operador. Cabe sempre lembrar que o usuário responde integralmente pelo uso do sistema sob a sua senha e obriga-se a cumprir os requisitos de segurança instituídos pela STN. orçamentária e patrimonial. automaticamente são registrados o seu CPF. a hora e de qual terminal foi feito o acesso. existem outras formas de procedimentos que visem garantir a segurança do sistema. a inclusão ou modificação de dados no sistema também é registrada com a identificação do CPF. não é permitida a sua alteração. para atender às necessidades de execução e consulta ao Sistema. Esta medida tem o objetivo de monitorar as ações danosas ou fraudulentas executadas utilizando-se o sistema. Quando o usuário entra no sistema. A não execução da Conformidade de Operadores no mês implica na suspensão dos usuários da UG. Esta imutabilidade dos documentos permite que sejam acompanhadas todas as modificações nos dados do sistema e para a correção ou anulação de um documento já registrado é necessário que seja incluído um novo documento de forma a retificar o anterior. por exemplo.5. a Conformidade Contábil. Para utilizar o SIAFI.1 Conformidade contábil Ainda segundo Vasconcelos (2012). a qual é a conferência efetuada pelas Unidades Setoriais Contábeis de UG e de Órgão tendo como objetivo assegurar o fiel e tempestivo registro dos dados contábeis registrados pelas UG no SIAFI. relativos aos atos e fatos de sua gestão financeira. Da mesma forma. os usuários são habilitados formalmente por meio do cadastramento de uma senha XXXXXXX. . a hora e o nome do autor da operação. Vasconcelos (2012) ainda aponta a Conformidade de Operadores ou Circularização de Senhas que tem por objetivo automatizar a rotina periódica de confirmação ou desativação de usuário pela própria Unidade Gestora (UG). através de seu operador habilitado a proceder a confirmação. Outra ferramenta apontada por Vasconcelos (2012) é a integridade e fidedignidade dos dados. Enquanto o nível de acesso determina o grau de inclusão de dados e a abrangência das consultas feitas pelo usuário no sistema SIAFI.34 4. pois uma vez registrado um documento no sistema. como. quando são especificados os perfis e níveis de acesso de cada usuário. de acordo com a documentação.

fazenda. é de responsabilidade de servidores de carreira. Segundo a COF (2012) a Conformidade de Gestão tem como base legal: a) Instrução Normativa nº 06 . retratando. de 31 de outubro de 2007. RESPONSABILIDADE O registro da Conformidade dos Registros de Gestão.2 Conformidade do registro de gestão A Conformidade de Registro de Gestão no Sistema SIAFI. . 7º A Conformidade dos Registros de Gestão tem como finalidade: I – verificar se os registros dos atos e fatos de execução orçamentária. conceitua: A Conformidade dos Registros de Gestão consiste na certificação dos registros dos atos e fatos de execução orçamentária.br/020000/Macrofunção do Manual SIAFI 02. financeira e patrimonial incluídos no Sistema integrado de Administração Financeira do Governo Federal . no âmbito do DPF. é a conferência feita pela própria Unidade Gestora (UG). CONCEITO A Instrução Normativa nº 06 de 31 de outubro de 2007 da Secretaria do Tesouro Nacional em seu art. por um servidor designado pela Unidade Gestora. assim. e II – a existência de documentação que suporte as operações registradas. financeira e patrimonial efetuados pela Unidade Gestora Executora foram realizados em observância às normas vigentes. Para maior segurança.SIAFI e da existência de documentos hábeis que comprovem as operações. que.STN. para todos os lançamentos efetuados existe documentação hábil exigida pela legislação que disciplina a execução orçamentária. 6º. Ela deverá ser registrada. diariamente.03.tesouro.35 4. preferencialmente contador ou técnico de contabilidade. há a necessidade de que seja mantida a segregação entre a função de emitir documentos e a de registrar a conformidade. FINALIDADES A Instrução Normativa nº 06 de 31 de outubro de 2007 da Secretaria do Tesouro Nacional nos incisos I e II do seu art.14> – Conformidade de Registro de Gestão. b) Manual – sítio <http://manualsiafi.5. 7º: Art.gov. financeira e patrimonial. que consiste na confrontação diária da documentação comprobatória com o devido registro correspondente no SIAFI.

financeira e patrimonial. Os servidores nomeados como responsável e substituto pela Conformidade de Gestão devem ser subordinados/vinculados diretamente ao Ordenador de Despesas e deverão trabalhar em equipe realizando conjuntamente as rotinas da conformidade. O responsável titular deverá ser incluído no Rol de Responsáveis. independentemente da responsabilidade atribuída ao responsável pela conformidade dos registros de gestão. 9º da Instrução Normativa nº 06 de 31 de outubro de 2007 da Secretaria do Tesouro Nacional: Art. receber treinamentos de capacitação e deverão estar atualizado às legislações pertinentes a sua área de atuação para o efetivo desempenho de suas atribuições. incluído no SIAFI por meio das transações >ATUAGENTE com o Código de Natureza de Responsabilidade 110 – Responsável pela Conformidade dos Registros de Gestão e >ATUUG.36 A designação de um conformista titular e seu substituto deverão ser feitas pelo Ordenador de Despesa por meio de Portaria. obrigatoriamente publicada em Boletim Interno da UG (AS ou BS) para fins de observância aos princípios constitucionais da legalidade e publicidade. Deverá ser observada a segregação entre as funções de emitir documentos e de registrar a Conformidade dos Registros de Gestão. a conformidade será registrada pelo próprio Ordenador de Despesas. em sala reservada. que tenha espaço suficiente e adequado para os arquivos e que somente eles tenham acesso aos documentos que ficarão sob sua responsabilidade no prazo de 5 (cinco) anos a contar do julgamento das contas pelo Tribunal de Contas da União. financeiros e patrimoniais na sua unidade. bem como o seu substituto. Excepcionalmente quando a Unidade Gestora estiver impossibilitada de designar servidores distintos para exercer tais funções. Importante observar que conforme art. . 9º A responsabilidade pela análise da consistência dos registros dos atos e fatos de execução orçamentária. financeira e patrimonial efetuados em cada Unidade Gestora Executora é do Ordenador de Despesa ou do Gestor Financeiro. nesse caso justificadamente. O responsável e substituto devem ter conhecimento básico dos procedimentos orçamentários. O Conformista de Gestão não deve possuir os perfis no SIAFI de EXECUTOR e PAGAMENTO e não deve exercer funções que irão subsidiar quaisquer documentos que darão suporte aos atos e fatos de execução orçamentária.

37 A SECONT/COF/DPF orienta aos Ordenadores de Despesa que. financeira e patrimonial. . menor a possibilidade de ocorrência de falhas a serem detectadas pelos órgãos de controle. quanto maior o conhecimento do Conformista de Gestão e seu substituto sobre os atos e fatos da execução orçamentária.

artigos e leis que regem a Contabilidade Pública. p. o sujeito pode interagir com as diversas áreas da realidade. O desenvolvimento político. A pesquisa é requerida quando não se dispõe de informações suficientes para responder ao problema.38 5 METODOLOGIA O presente Estágio Supervisionado foi realizado durante aproximadamente 02 (dois) meses. econômico. ou então a informação disponível se encontra em tal estado de desordem que não possa ser adequadamente relacionada ao problema. visando agregar conhecimentos para uma atuação eficiente e eficaz na área do estágio. No Processo de conhecimento o sujeito cognoscente se apropria. O conhecimento pode ser entendido como a informação que foi organizada e analisada de modo a torná-la compreensível e aplicável à solução de problemas. Uma delas é através da pesquisa. no objeto desconhecido. social e cultural de um país depende. em parte da pesquisa. Segundo Cervo e Bervian (1983. já a pesquisa prática nasce da vontade de conhecer em função de realizar algo de maneira mais eficiente ou eficaz. 6). com uma carga horária de 30 horas semanais junto à Núcleo de Execução Orçamentária e Financeira da Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará. religioso e científico. Toda pesquisa deve ter um objetivo determinado para saber o que se vai procurar e o que se pretende alcançar. de certo modo. Seja de ordem intelectual ou prática. As atividades foram desenvolvidas através da atuação direta em um constante processo de trabalho com vistas à elaboração dos Registros de Conformidade de Gestão da Superintendência. Não podemos afirmar que a pesquisa tem . Segundo Gil (1994:19) a pesquisa pode ser entendida como: O procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Apesar da separação metodológica entre os tipos de conhecimento popular. Além disso. Existem muitas razões que determinam a realização de uma pesquisa. já que seu objetivo é contribuir para evolução do conhecimento humano. filosófico. no processo de apreensão da realidade do objeto. foram realizadas consultas bibliográficas em livros. conhecer é: uma relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto conhecido. Existem várias formas de o homem obter o conhecimento. Com a pesquisa intelectual obtêm-se respostas aos problemas que são propostos.

Utilizou-se. a pesquisa é uma forma de aumentar as nossas possibilidades de querer cada vez mais conhecer. os documentos relativos às operações financeiras da Superintendência e suas descentralizadas são separados por Unidade Gestora. . Acesso constante e diário ao SIAFI. repassados ao Conformista de Gestão.39 somente como objetivo o aumento do conhecimento humano. ainda: Consultas aos manuais das despesas públicas e Legislações específicas. data e modalidade de licitação. Após a análise e registro de Conformidade sem restrição ou com restrição. Para a execução das atividades de controle do Registro de Conformidade de Gestão. foram executados procedimentos específicos utilizados na área pública relacionados às documentações recebidas diariamente e/ou mensalmente pela Núcleo de Execução Orçamentária e Financeira e. Entretanto. posteriormente.

Chefe-Substituto do Núcleo de Execução Orçamentária e Financeira – NEOF.5. Segue abaixo a descrição das atividades: O trabalho junto à Conformidade de Gestão possui uma rotina préestabelecida pela Setorial Contábil localizada na sede da Polícia Federal em Brasília/DF. mais especificamente na área da Conformidade de Gestão. de forma a tornar a Conformidade de Gestão mais eficiente.1 Rotinas diárias a) Primeira Tarefa do dia:  Acessar a página eletrônica do Tesouro Nacional em: <https://acesso.gov.br/HOD10/jsp/logonID.jsp> ou Acessar o endereço <http://10. Esta rotina esta assim constituída: 6.61. Lielson Mesquita Teixeira.40 6 DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES No dia 13 de agosto do corrente ano foram iniciadas as atividades do Estágio Supervisionado junto à Superintendência Regional da Polícia Federal no Pará.html?JavaType=java2> e dar um duplo click em ―Sistemas Serpro‖ Figura 2 – Modelo de amostra em execução no Sistema Serpro Fonte: Polícia Federal .5/HOD/CGTI. sob a supervisão do Sr. Este roteiro tem como finalidade permitir aos Conformistas de Gestão a conhecerem suas rotinas e procedimentos dentro do DPF visando padronizar e garantir que todos os nossos registros sejam realizados em observância as normas vigentes.serpro.

HOD Tela de login Fonte: Polícia Federal  Inserir o Código do operador (número do CPF). Figura 3 – Modelo de amostra em execução no Serpro . senha de rede e teclar ENTER: Figura 4 – Modelo de amostra de tela inicial do Sistema Serpro Fonte: Polícia Federal .br>. clicar na opção acesso ao HOD.41  É também possível o acesso à rede Serpro pela internet a partir de uma máquina não pertencente à rede DPF.gov. através do site <https://acesso.serpro.

por exemplo) e teclar ENTER: . senha do SIAFI e SISTEMA que se deseja acessar (seguindo o formato SIAFI2011. SIAFI2012.42  Escolher o sistema digitando SIAFI ou simplesmente posicionando o cursor ao lado do sistema desejado e teclar ENTER: Figura 5 – Modelo de amostra de tela de escolha do sistema SIAFI Fonte: Polícia Federal Figura 6 – Modelo de tela comando de acesso ao sistema SIAFI Fonte: Polícia Federal ACESSANDO O SIAFI  Inserir o Código do operador (número do CPF).

43 Figura 7 – Modelo de tela inicial do Sistema SIAFI Fonte: Polícia Federal Importante frisar que. será exibida a mensagem ―(0038) USUARIO USANDO NO(S) TERMINAL(IS) A00S3215‖.  Marcar com X + ENTER caso deseje ler uma mensagem do COMUNICA ou C + ENTER caso deseje deletar uma mensagem. Para sair do módulo COMUNICA teclar F3: Figura 8 – Modelo de tela de mensagens internas do Sistema SIAFI Fonte: Polícia Federal . teclar F10 para liberar operador. caso o operador não tenha encerrada a sessão anterior corretamente.

marcar com um X e teclar ENTER: Figura 9 – Modelo de tela de menu do Sistema SIAFI Fonte: Polícia Federal  Em seguida. marcar com um X a opção CONFORMIDADE DE REGISTROS DE GESTÃO e teclar ENTER: Figura 10 – Modelo de tela do Registro de Conformidade de Gestão Fonte: Polícia Federal .44  Na próxima tela escolher o módulo CONFORMIDADE.

Figura 11 – Modelo de tela de inicial da transação IMPCONFREG Fonte: Polícia Federal .45  Imprimir o relatório ―CONFORMIDADE DOS REGISTROS DE GESTÃO" do dia anterior. De acordo com o manual SIAFI. De acordo com o sistema SIAFI. obtido por meio da transação >IMPCONFREG (Imprime Conformidade dos Registros de Gestão). a transação >IMPCONFREG tem a finalidade de permitir a impressão da Conformidade de Registros de Gestão processada pela UG na data da solicitação. no qual constam todos os registros do dia. a transação >IMPCONFREG tem como finalidade: Permitir a impressão da Conformidade de Registros de Gestão registrada pela UG na data da solicitação.

para impressão Fonte: Polícia Federal  Inserir a data do movimento que se deseja imprimir e teclar ENTER. DD alfa numérica. 27MAR12. exemplos: 02JAN12. MMM as três primeiras letras do mês e AA dois últimos números do ano. 10FEV12. Figura 13 – Modelo de tela de comando da transação ATUCONFREG Fonte: Polícia Federal .46 Figura 12 – Modelo de tela da transação IMPCONFREG – Doc. OBS: No SIAFI a configuração da data é DDMMMAA.

Linhas por Polegada: 6. PE. emissão/reforço/anulação empenhos. o movimento da execução no SIAFI do dia anterior. OB. todos os documentos comprobatórios da execução no sistema exceto os documentos emitidos no SIAFI (NE. DF. GP. NS.47 Figura 14 – Modelo de tela de inicial da transação ATUCONFREG Fonte: Polícia Federal  Marcar com ―X‖ a impressão em 08 Polegadas e teclar ENTER. enfim. Atentar em configurar a impressora para uma adequada impressão (Impressora Serpro/Arquivo/Propriedades da Página. etc. DR. processo de concessão e prestação de contas de suprimento de fundos. contratos. processo de transferência/doação/baixa de bens e materiais que de geraram NL. pelo fato de estarem disponíveis para consulta no próprio sistema. guias de tributos. NL. Máximo de Caracteres por Linha: 132. processos licitatórios. tais como: pagamentos a fornecedores. (Verificar se a impressora utilizada é compatível). Máximo de Linhas por Página: 66. b) Segunda Tarefa do dia:  Solicitar ao Setor/Núcleo de Execução Orçamentária e Financeira as Relações de Ordens Bancárias Externas – (RE e RT) devidamente assinada pelo Gestor Financeiro e Ordenador de despesa. Configuração mais usual da impressora: Caracteres por Polegada: 17.) que não precisam ser impressos e arquivados pelo Conformista de Gestão. . PF.

Importante ressaltar que a Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará possui 02 UG‘s (Unidade Gestora) de referência. destinada a Unidade Orçamentária e a UG 200387. o servidor responsável deverá registrar no SIAFI a conformidade por meio da transação >ATUCONFREG (Atualiza Conformidade dos Registros de Gestão). destinada ao Fundo de Aparelhamento e Operacionalização das Atividades-Fim da Polícia Federal – FUNAPOL. os códigos existentes na transação >CONRESTREG (Consulta Restrição Registro de Gestão). o Conformista de Gestão passa a realizar os trabalhos de identificação e conferência da documentação referente aos atos e fatos de execução orçamentária. o registro deverá ser feito em até 3 dias úteis a contar da data do registro da operação no SIAFI.48 c) No decorrer do dia:  De posse da documentação correspondente. indicando.  Após as análises do relatório IMPCONFREG e da documentação correspondente. em caso de restrição. a saber: UG 200386. financeira e patrimonial registrados no SIAFI.  Após o registro da Conformidade a mesma poderá ser consultada com utilização da transação >CONCONFREG (Consulta Conformidade Registro de Gestão). Figura 15 – Modelo de tela de comando da transação CONCONFREG Fonte: Polícia Federal .

49 Figura 16 – Modelo de tela inicial da transação CONCONFREG – UG 200386 Fonte: Polícia Federal Figura 17 – Modelo de tela inicial da transação CONCONFREG – UG 200387 Fonte: Polícia Federal  Aparecerá essa tela de consulta. SEM RESTRIÇOES E COM RESTRICOES. para cada Unidade Gestora da Superintendência: . informando se há movimento SEM CONFORMIDADE.

.50 Figura 18 – Modelo de tela – detalhe da transação CONCONFREG – UG 200386 Fonte: Polícia Federal Figura 19 – Tela – detalhe da transação CONCONFREG – com restrições Fonte: Polícia Federal  Quando ocorrer a Conformidade ―COM RESTRIÇÃO‖. deverá ser informado o fato ocorrido ao Setor responsável pelo registro indevido.

informar ao Gestor Financeiro /Ordenador de Despesas. que ficará sob a responsabilidade do Conformista de Gestão. Relatório de Movimentação de Material no Almoxarifado (RMA). de documento que a comprove (protocolo de saída de documentos). obrigatoriamente. este deverá encaminhar uma mensagem SIAFI para a Unidade Gestora 200240 e informar ao Conformista Contábil. sendo arquivados em ordem  cronológica. . Relatório de Movimentação de Bens Móveis (RMB). Deverá haver um controle sobre a documentação arquivada com o Conformista de Gestão com relação à retirada de qualquer documento arquivado.51 caso não solucionada a pendência.  A ausência ou o registro ―COM RESTRIÇÃO‖ da Conformidade de Gestão implicará o registro de Conformidade Contábil ―COM RESTRIÇÃO‖. separadas por Unidades Gestoras e por modalidade de licitação. caso necessário. desde que o fato tenha sido solucionado ou alterar o registro ―SEM RESTRIÇÃO‖ para ―COM RESTRIÇÃO‖. aprovação e posterior envio ao Conformista de Gestão.  Realizar o arquivamento da documentação. Caso o Conformista de Gestão registre a Conformidade no SIAFI. a qual será precedida.  Após o registro da conformidade o Conformista deverá assinar o relatório ―CONFORMIDADE DOS REGISTROS DE GESTÃO" e encaminhar ao Gestor Financeiro e ao Ordenador de Despesas da Unidade para a devida assinatura. até o 5º dia útil do mês subsequente. devendo ficar evidenciado o responsável pela retirada e ser fixado prazo não superior a 30 (trinta) dias para a sua devolução. justificando a falta de registro da Conformidade de Gestão referente ao dia em questão e informando a situação da documentação.  O Conformista de Gestão terá até o encerramento do mês no SIAFI (transação >CONFECMES) para alterar o registro ―COM RESTRIÇÃO‖ para ―SEM RESTRIÇÃO‖. ROTINA MENSAL Solicitar ao Núcleo/Setor de Material e guardar.

Lei nº 8. .Portaria Normativa nº 05 . . convênios e/ou similares – deverão ser apensados aos processos originais e mantidos em arquivos. de 19 de dezembro de 2002. Deverá haver um controle sobre a documentação arquivada com o Conformista de Gestão com controle da retirada de qualquer documento arquivado. na mesma ordem cronológica. Os pagamentos deverão ser apensados ao processo original. . de 22 de dezembro de 2011.Lei 8666/93.Decreto 5123/04.Instrução Normativa nº 50/2011-DG/DPF. a qual será precedida. . por modalidade de licitação e em ordem cronológica e arquivados por cinco anos a contar do julgamento do Tribunal de Contas da União. devendo ficar evidenciado o responsável pela retirada e ser fixado prazo não superior a 30 (trinta) dias para a sua devolução. o processo poderá ser dividido em volumes.Lei nº 10522/02. de documento que a comprove (protocolo de saída de documentos).666/93. Os processos resultantes das liberações de recursos e das prestações de contas de convênios e/ou similares e de suprimento de fundos deverão ser anexados aos processos originais e mantidos em arquivo na mesma ordem cronológica por UG.Lei 10. separadas por Unidades Gestoras e por modalidade de licitação. PROCESSOS Fundamentação Legal: .Portaria 1613/10-DGP . .826/2003. que ficará sob sua responsabilidade. A documentação será arquivada em ordem cronológica. Os processos e documentos resultantes de aditamentos a instrumentos formalizados – quer sejam contratos. . . .52 ARQUIVAMENTO E CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO O Conformista de Gestão deverá manter arquivada toda documentação que foi analisada. por UG.320/64. obrigatoriamente.Lei nº 4.

na capa do processo. devendo ser utilizado carimbo próprio (órgão. b) Apor.Lei nº 10.Decreto nº 5. juntamente com toda a documentação. de 22 de dezembro de 2011e Portaria Normativa nº 05/2002-MPOG.Lei 8. recebendo. .520/02. número da folha e rubrica do servidor que estiver numerando o processo). sem rasuras.Instrução Normativa nº1237 – RFB. . a etiqueta com o respectivo número de protocolo. trata-se de um conjunto de documentos ordenados cronologicamente. . necessários ao registro formal de atos e de fatos de execução orçamentária.Instrução Normativa nº 08/08 – DG/DPF. isto é. de 22 de dezembro de 201. . . devendo ser protocolado e autuado pelos órgãos autorizados a executar tais procedimentos e incluídas no SIAPRO (Sistema de Acompanhamento de Processos) pelo SERA (Setor de Relações Administrativas) ou pelas demais unidades protocolizadoras. .112/90. com numeração específica. de 11 janeiro de 2012. reunidos em capa própria. os mais antigos serão os primeiros do conjunto. com colchetes. financeira e patrimonial.Portaria 95/2002-MF CONCEITO: Segundo a IN nº 50/2011 – DG/DPF. . aposto no canto superior direito da página.Decreto nº 3. c) As folhas dos processos serão numeradas em ordem crescente. a primeira folha.Decreto nº 6. a capa do processo não será numerada. o número 1.204/07. .Lei Complementar nº 101/00.931/01. . PROCEDIMENTOS COM RELAÇÃO A PROCESSOS A instrução e formalização de processos estão regulamentadas pela Instrução Normativa nº 50/2011-DG/DPF.450/05. obedecendo a ordem cronológica do mais antigo para o mais recente. de 19 de dezembro de 2002 e obedecerão as seguintes rotinas: a) Prender a capa.53 .

DARF). e a fixação dos colchetes observará a distância. clara e objetiva e no que couber utilizar capa modelo. apondo um ―X‖ sobre o carimbo a inutilizar. referentes ao endereço do remetente.gov. o assunto.54 d) Nenhum processo poderá ter duas peças com a mesma numeração. f) Os autos não deverão exceder a 200 folhas em cada volume. será colada em folha de papel branco. ocorrendo erro de formalização devolver ao setor responsável.dpf. Figura 20 – Principais documentos da Conformidade de Gestão. de forma sucinta.br/cof/servicos/downloads/conformidadecontabil/apostila_conformidade/view/>.br/http/0/intranet. por falha ou omissão. i) O envelope encaminhando a correspondência não será peça do processo. observando para não prejudicar informações constantes do verso.gov. SIAFI SIAFI PF DR GR . em páginas e espaços que não contenham informações. e) Quando. devendo ser descartado. NE NC NL/NS OB DF GP Fonte: <https://webvpn. renumerando as folhas seguintes. apor o carimbo ―EM BRANCO‖. h) Identificar a capa com a unidade gestora. Não serão de responsabilidade do conformista a formalização e adequação dos processos. inutilizar a anterior. de cerca de 2cm. no máximo dois documentos por folha. j) Nos casos em que a peça do processo estiver em tamanho reduzido (Ex. for constatada a necessidade da correção de numeração de qualquer folha dos autos.: guias de depósito bancário. na margem esquerda. COF/DLOG/DPF.dpf. apondose o carimbo da numeração de peças de tal forma que o canto superior direito do documento seja atingido pelo referido carimbo. O conformista deve receber os processos devidamente formalizados conforme itens acima. sem rasuras. anotando-se as informações necessárias. g) Ao autuar um processo. certificando-se da ocorrência. não sendo admitido diferenciar pelas letras ―A‖ e ―B‖. 2012.

Ordem Bancária NC – Nota de Crédito DF .Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF) GP . . sendo vedada a realização de despesa sem prévio empenho (art. NOTA DE LANÇAMENTO (NL). A Nota de Sistema . NOTA DE SISTEMA (NS) E DOCUMENTO HÁBIL NO CPR A Nota de Lançamento . ORDEM BANCARIA (OB) A Ordem Bancaria é o documento de pagamento emitido no SIAFI e alguns aspectos deverão ser observados quando da análise deste documento para conformidade de gestão.Guia da Previdência Social (GPS) DR . 60).55 NE – Nota de Empenho NL/NS – Nota de Lançamento/Nota de Sistema OB .NL é o documento que permite ao usuário fazer diretamente registro de atos/fatos contábeis.NS é uma Nota de Lançamento gerada a partir de rotinas automáticas do próprio SIAFI. Após a implantação do CPR.Documento de Arrecadação dos Estados e Municípios (DAR) PF – Nota de Programação Financeira GR – Guia de Recolhimento da União NOTA DE EMPENHO (NE) O empenho de despesa é o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado a obrigação de pagamento pendente ―ou não‖ de implemento de condição. o próprio SIAFI gera a NS a partir dos dados que integram o Documento Hábil e isso acontece principalmente na fase da liquidação da despesa. As NL‘s de acertos contábeis realizadas pelos Conformistas Contábeis não precisam ser conferidas. alguns itens podem ser observados quando da analise destes documentos para a conformidade de gestão. Considerando estes aspectos. Serão conferidas as NL‘s de variação patrimonial de bens de estoque e de bens moveis e imóveis (imobilizado) relacionadas com a incorporação e desincorporação de ativos.

Gestão e o número do DARF e teclar F2. Gestão e o número da NS e teclar F2. Aparecerá o DF para a análise. 3º Aparecerá a GP para a respectiva análise. Digitar UG. Aparecerá a OB para análise. Para análise da GP o conformista deve acessar o sistema SIAFI e realizar os passos discriminados a seguir:    Digitar >CONGPS e teclar ENTER. Aparecerá a NC para a devida análise. NOTA DE CRÉDITO (NC) Para análise da NC o conformista deve acessar o sistema SIAFI e realizar os passos discriminados a seguir:    Digitar >CONNC e teclar ENTER. DOCUMENTO DE ARRECADAÇÃO MUNICIPAL (DR) . Para análise do DARF o conformista deve acessar o sistema SIAFI e realizar os passos discriminados a seguir:    Digitar >CONDARF e teclar ENTER. Digitar UG. exceto as relativas a contribuição previdenciária. Digitar UG.56 Para análise da OB o conformista deve acessar o sistema SIAFI e realizar os passos discriminados a seguir:    Digitar >CONOB e teclar ENTER. Digitar UG. Gestão e o número da NC e teclar F2. DOCUMENTO DE ARRECADAÇÃO DE RECEITAS FEDERAIS (DF) O DARF é o documento gerado no SIAFI para recolhimento das retenções estabelecidas pela Receita Federal do Brasil. GUIA DE RECOLHIMENTO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL (GP) A GPS é o documento gerado no SIAFI para recolhimento da Contribuição Previdenciária. Gestão e o número da GP e teclar F2.

Para análise do DR o conformista deve acessar o sistema SIAFI. Gestão e o número do DR e teclar F2. as recolhidas mediante GPS e as receitas recolhidas por meio de DARF. Digitar UG. roteiro 1. devendo a UG utilizar da OB fatura neste caso. A GRU Eletrônica não pode ser utilizada para pagamento de GRU do tipo Cobrança. . Se o recolhedor for uma UG.2. Digitar UG. efetuará o pagamento da GRU Simples no próprio SIAFI. Para análise da PF o conformista deve acessar o sistema SIAFI e realizar os passos discriminados a seguir:    Digitar >CONPF e teclar ENTER. Aparecerá a GR para a devida análise. excetuando-se as receitas do INSS. GUIA DE RECOLHIMENTO DA UNIÃO (GR) A Guia de Recolhimento de Receitas da União . PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA (PF) A PF é o documento gerado no SIAFI para solicitação de recursos financeiros. Gestão e o número da GR e teclar F2. Aparecerá a PF para a devida análise. e realizar os passos discriminados a seguir:    Digitar >CONDAR e teclar ENTER.57 O DR é o documento gerado no SIAFI para recolhimento do ISS – Imposto sobre serviço de qualquer natureza. Digitar UG. Gestão e o número da PF e teclar F2.GRU é o documento utilizado pelos órgãos do Governo Federal para arrecadação de receitas. Aparecerá o DR para a devida análise. Para análise da GR o conformista deve acessar o sistema SIAFI e realizar os passos discriminados a seguir:    Digitar >CONGRU e teclar ENTER.

as atividades desenvolvidas que embora pareçam repetitivos contribuíram amplamente para uma rápida adaptação e aprendizagem de todo o processo. o princípio da segregação de funções começou a ser aplicado. através dos trabalhos práticos ora desenvolvidos ao longo do Estágio Supervisionado.58 7 RESULTADOS E ANÁLISE Foram obtidos amplos conhecimentos e experiências de caráter altamente relevante ao discente do Curso de Ciências Contábeis. o servidor detentor da senha de acesso no programa Sistema Integrado de Administração Financeira deixa registrado todos os seus lançamentos ou alterações nos dados contábeis o que permite ao controle interno verificação em tempo real de todos os processos contábeis e financeiros gerados no Departamento de Polícia Federal. Na Conformidade de Gestão foram aplicadas as rotinas pré-estabelecidas no que concerne ao registro da Conformidade pelo Conformista de Gestão. tendo como objeto de estudo controle interno através da Conformidade de Gestão como ferramenta de segurança do sistema. Por meio das Unidades Gestoras se podem identificar quem são os agentes que efetuam estes gastos. Ainda deve-se mencionar a experiência adquirida ao se estagiar no Setor de Execução Orçamentária e Financeira da Superintendência Regional da Polícia federal no Estado do Pará. Com a implantação do Sistema Integrado de Administração Financeira. programas. isto é. funções. uma vez que o Programa só pode ser acessado por senha e aos detentores da senha só é permitido acessar partes do referido programa. identificando em quais unidades. Com o Sistema Integrado de Administração Financeira são identificados os gastos por meio da classificação funcional programática do Orçamento da União. subprogramas e atividades são efetuadas as despesas do Departamento de Polícia Federal. Mais ainda. As Fontes de Recursos identificam a origem dos recursos bem como sua . em especial a área de Execução Orçamentária e Financeira. tendo-se observado a não ocorrência de ―COM RESTRIÇÃO‖ no registros contábeis do SIAFI no período do estágio. tendo-se adquirido ao longo deste Estágio uma nova e ampla visão voltada para o funcionamento da máquina pública. o cotidiano às vezes complexo da coordenação. nenhum servidor tem acesso e controle total do desenvolvimento e da geração dos fatos contábeis.

que é chamada de consulta analítica. restringindo-se basicamente ao Manual SIAFI elaborado em 1996 pela Secretaria do Tesouro Nacional. financeiras e patrimoniais entenderem um pouco o caminho do processo até o momento que chega a suas mãos. Uma das grandes vantagens desse sistema é a consulta on-line. Desde a implantação e os motivos que levaram a criação do sistema até os procedimentos de utilização. Maria Zulene Farias Timbó e Maria Berenice Rosa. . Foi possível também tomar como base outras duas obras: Manual da Execução Orçamentária e Contabilidade Pública de Jair Cândido da Silva e Edílson Felipe Vasconcelos e Contabilidade Pública: Uma abordagem da Administração Financeira Pública de Roberto Bocaccio Piscitelli. O mais utilizado foi o Manual SIAFI. em tempo real. que apresenta informações atualizadas até o instante em que foi solicitada. sendo todos estes identificadores devidamente contabilizados nas contas que mostram em que são empregados os recursos financeiros obtidos pela União. órgão que é vinculado ao Ministério da Fazenda. E de que forma o trabalho deverá ser executado para que não haja falhas futuramente. Uma das limitações na elaboração deste trabalho foi o pequeno número de bibliografias disponíveis na área. Já as duas outras obras se restringiam a um breve comentário. ou seja. utilizando os próprios arquivos onde são atualizados os movimentos diários do Sistema. é uma forma de permitir aos servidores que trabalham nas rotinas orçamentárias. Entretanto. tendo em vista ser um processo dinâmico e bastante abrangente. via terminal.59 aplicação. todos os documentos registrados até o momento estão computados nas informações apresentadas. O roteiro não pretende esgotar o assunto Conformidade. pois possuía o maior número de informações.

dependendo de cada caso.60 8 CONCLUSÃO Em relação aos objetivo geral proposto por este Relatório de Estágio Supervisionado. por todo o exposto verificou-se que estão solidificadas as diretrizes que regem uma correta ferramenta de instrução e análise dos processos de Execução Orçamentária. Conhecer a importância da Conformidade de Registros de Gestão e. são postos em prática. de tal forma que os registros realizados no SIAFI estão devidamente fundamentados. Financeira e Patrimonial da Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará. . No que tange aos objetivos específicos. Evidenciar a legislação que trata da Conformidade de Registro de Gestão. desvios e fraudes. pelos documentos comprobatórios dos atos e fatos que comprovem tais operações. o que permite em escala exponencial. com segregação de funções. a transparência e a ética na gestão pública. aplicar a melhor metodologia para conferir se os registros realizados no SIAFI estão condizentes com as documentações comprobatórias. alcançar a responsabilização dos gestores por atos emanados no exercício da função de comando. no âmbito da Conformidade dos Registros de Gestão. Com este procedimento. Isto se deu pela evidenciação e aplicabilidade de rotinas préestabelecidas dentro do Departamento de Polícia Federal em nível central e em suas unidades descentralizadas (Superintendências Regionais). pode ser alcançada à medida que os controles contábeis disponíveis ao controle interno. o Sistema de Controle. pode instituir uma rede de verificações paralelas. alcançar a fidedignidade das transações da escrituração contábil do Órgão. em especial o registro de Conformidade de Gestão. com prejuízo ao Erário. verificou-se a demonstração concisa e prática das atividades relacionadas ao processo de elaboração e execução de Controle Interno que ocorre na Superintendência de Polícia Federal no Estado do Pará. buscando com isso. possibilitando uma acurada análise dos atos e fatos administrativos e contábeis. Da análise dos procedimentos de controle interno a nível de segurança do sistema. falhas de interpretação legal. que a mitigação da ocorrência de erros de escrituração. juntamente com a aplicação prática no Sistema Integrado de Administração Financeira – SIAFI. pode-se inferir. adotados pelo Serviço de Contabilidade do Departamento de Polícia Federal. tendo-se com isso.

podem significam. fiéis guardas da boa escrituração contábil. o que permite inserir na cultura da organização. Para a mensuração dos ganhos reais com a instituição do sistema de controle interno contábil. novos estudos no processo de controle interno da Instituição. que muitas vezes. de modo a mensurar os ganhos qualitativos e quantitativos. necessitando para tanto. exercendo de forma efetiva suas atribuições legais. desvios e/ou desperdício de recursos públicos. em nível de Conformidade de Gestão. devem agir com responsabilidade. Os contadores responsáveis pela Conformidade dos registros de Gestão das Unidades Centrais e Unidades Descentralizadas. de modo a permitir que as mudanças implementadas na estrutura administrativa do DPF possam surtir seus efeitos. com análise aprofundada do custo x benefício do processo. que as normas de regulação dos procedimentos de controle interno. objeto de estudo do presente trabalho. implementando uma atuação preventiva e concomitante de controle dos atos e fatos contábeis. fundada esta afirmação na possibilidade de instituição da obrigatoriedade de registro das conformidades diária e suporte documental. que possibilitarão. às instituições que buscam boas práticas administrativas. é exemplo do alcance da transparência da atuação dos responsáveis por bens públicos e podem servir de modelo. da Polícia Federal. A experiência de controle interno contábil. instituam sistemas eficazes de controle dos atos emanados pelos ordenadores de despesa ou seus prepostos. tendo em vista este processo ter se iniciado em 2007. pode-se afirmar que as salvaguardas existentes no Sistema Siafi. faz-se necessário um espaço temporal mais longo. tornando muito mais difícil a tarefa dos que querem fazer mau uso dos recursos públicos. identificar ocorrências pouco usuais na escrituração contábil. a necessidade de constante crítica dos atos de gestão. com vista à verificação do alcance do objetivo de implementação de . Por fim. operadores e contábil. Tendo por base o exame dos procedimentos adotados pelo Setor de Contabilidade do Departamento de Polícia Federal.61 O Siafi disponibiliza instrumentos necessários ao perfeito controle das entradas e saídas de dados do mesmo. instituindo eficientes controles contábeis. para futuras pesquisas. podem ser suficientes para assegurar a fidedignidade do fato ocorrido quando da escrituração contábil. gerando prejuízo ao Erário Público e à sociedade. sugere-se.

visando o alcance das metas estratégicas.62 uma cultura organizacional voltada para o controle interno das operações. .

de 16 de junho de 2005. Disponível em: <http://www.gov.976. Regulamenta a Lei nº 6. 2012. Decreto nº 3. Constituição da República Federativa do Brasil. de 07 de outubro de 2009.877. Acesso em: 06 nov. de 07 de dezembro de 1977. de 18 de agosto de 1982. Aprova o Regimento Interno do Departamento de Polícia Federal.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao. Define as competências específicas das unidades centrais e descentralizadas do Departamento de Polícia Federal e as atribuições de seus dirigentes. BRASIL. 2012. Departamento de Polícia Federal. Acesso em: 03 dez. Decreto nº 87. BRASIL. MEDEIROS.br/ccivil_03/decreto/d87497. Acesso em: 07 dez.htm>. Dispõe sobre o Sistema de Contabilidade federal.dpf. Brasília.494. 2012.2012.planalto. BRASIL. Dispões sobre o Sistema de Contabilidade federal.pdf/view?searchterm=regimento%20interno>.planalto.gov. Márcio Bastos. Decreto nº 6.gov. Acesso em: 07 dez. BIO.htm>. que dispõe sobre o estágio de estudantes de estabelecimentos de ensino superior e de 2º grau regular e supletivo. São Paulo: Atlas. 1994. BRASIL.br/coger/legislacao/normasdpf/instrucoes-normativas/2005/in-13/>. Decreto-Lei nº 200.gov. Orçamento e Administração Financeira com Responsabilidade Fiscal.planalto. 1988. Disponível em: <http://www. BRASIL. DF. de 7 de outubro de 2009.976. Claudiano Manoel. Brasília. Departamento de Polícia Federal. BRASIL. Decreto nº 6. estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Constituição (1988). 2012. DF: Senado. Sistemas de informação: um enfoque gerencial.dpf.gov.gov. de 6 de setembro de 2000. Gestão de Finanças Públicas: Fundamentos e Práticas de Planejamento. BRASIL.htm>. Sérgio Rodrigues. Portaria nº 2.589. Dispõe sobre a organização da Administração Federal. Disponível em: <http://www. Acesso em: 27 nov. Disponível em: <http://www. Disponível em: < .htm>. Brasília. 2006.gov. Disponível em: <http://intranet.planalto.planalto.br/ccivil_03/decreto/d3589.497.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D6976. BRASIL. Acesso em: 03 dez. Acesso em: 03 dez. 2012. Dispõe sobre o Sistema de Contabilidade Federal e dá outras providências. de 25 de fevereiro de 1967. Disponível em: <http://intranet. nos limites que especifica e dá outras providências. 2006.br/ccivil_03/Ato2007-2010/2009/Decreto/D6976htm#art13>. FEIJÓ.63 REFERÊNCIAS ALBUQUERQUE. de 30 de dezembro de 2011. Paulo Henrique.br/legislacao/regimento_interno_portaria_n_2-877-2011MJ. Disponível em: <http://www. Instrução Normativa nº 13. DF.

64

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del0200.htm>. Acesso em: 03 dez. 2012. BRASIL. Lei nº 10.180, de 6 de fevereiro de 2001. Organiza e disciplina os Sistemas de Planejamento e de Orçamento Federal, de Administração Financeira Federal, de Contabilidade Federal e de Controle Interno do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10180.htm>. Acesso em: 03 dez. 2012. BRASIL. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996; revoga as Leis nos 6.494, de 7 de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março de 1994, o parágrafo único do art. 82 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o art. 6o da Medida Provisória no 2.164-41, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm>. Acesso em: 03 dez. 2012. BRASIL. Departamento de Polícia Federal. Portaria nº 2.877, de 30 de dezembro de 2011. Disponível em: < https://webvpn.dpf.gov.br/http/0/intranet.dpf.gov.br/legislacao/regimento_interno_port aria_n_2-877-2011-MJ.pdf/> Acesso em: 05 dez. 2012. BRASIL. Instrução Normativa nº 013/2005: DG/DPF, de 15 de junho de 2005. Define as competências específicas das unidades centrais e descentralizadas do Departamento de Polícia Federal e as atribuições de seus dirigentes. Disponível em: < . Acesso em: 08 dez. 2012. BRASIL. Instrução Normativa nº 006/2007: STN, de 31 de outubro de 2007. Disciplina os procedimentos relativos ao registro de conformidade de gestão. Disponível em: < http://manualsiafi.tesouro.fazenda.gov.br/040000/042700/042706/>. Acesso em: 08 dez. 2012. CAUTELA, Alciney Lourenço, POLLONI, Enrico Giulio Franco. Sistemas de informação na administração de empresas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1996. CERVO, A. L., BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 3 ed. São Paulo, McGrawHill, 1983. COSTA, Luiz Eduardo Rodrigues Pereira da. O controle interno sobre as informações contábeis do sistema integrado de administração financeira do governo federal: o caso Tribunal de Contas da União. Disponível em: <http://portal2.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/2055714.PDF>. Acesso em: 07 nov. 2012. CORNACHIONE JÚNIOR, Edgard Bruno. Informática: para as áreas de contabilidade, administração e economia. São Paulo: Atlas, 1994.

65

DEBUS, Ilvo; MORGADO, Jeferson Vaz. Orçamento público. Brasília, DF: Vestcon, 2004. FÁVERO, Maria de Lourdes de Albuquerque. Universidade e estágio curricular: subsídios para discussão. In: ALVES, Nilda (org.). Formação de professores: pensar e fazer. São Paulo: Cortez, 1992. p. 53-71. FEIJÓ, Paulo Henrique; PINTO, Liane Ferreira; MOTA, Francisco Glauber Lima. Curso de Siafi: uma abordagem prática da execução orçamentária e financeira. 2 ed. Brasília, DF: Gestão Pública, 2009. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário Aurélio da língua portuguesa. Curitiba: Positivo, 2010. MELLO, José Carlos Garcia de. Contabilidade pública. Disponível em: <http://www.unifra.br/pos/gestaopublica/downloads/CONTAB_PUBLIC.PDF>. Acesso em: 03 nov. 2012. GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3 ed. São Paulo, Atlas, 1994. GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira. 7 ed. Rio de Janeiro: Harbra, 1997. MOTA, Francisco Glauber L. Curso básico de contabilidade pública. 2. ed. Brasília, DF, 2005. PIRES, João Batista Fortes de Souza. Contabilidade pública. 8. ed. Brasília, DF: Franco & Fortes, 2005. PISCITELLI, Roberto Bocaccio, TIMBÓ, Maria Zulene Farias, ROSA, Maria Berenice. Contabilidade pública: uma abordagem da administração financeira pública. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1997. REVISTA TEMA: A revista do Serpro. Brasília, set./out. BUG 2000: A Hora é Agora. 1998. p. 40-44. Disponível em: <https://www.serpro.gov.br/arquivosdownload/temas_antigas/tema_148.pdf>. Acesso em: 13 dez. 2012. SILVA, Jair Cândido da; VASCONCELOS, Edílson Felipe. Manual da execução orçamentária e contabilidade pública. Brasília, DF: Brasília Jurídica, 1997. VASCONCELLOS. Alexandre B. Principais documentos de entrada de dados. Disponível em: <http://www.editoraferreira.com.br/publique/CGI/cgilua.exe/sys/ start.htm ? infoid = 2124&sid=20>. Acesso em: 30 nov. 2012.

66

APÊNDICE A – PLANO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IESAM - Instituto de Estudos Superiores da Amazônia Coordenação de Estágio Supervisionado Nome do Aluno Estagiário: Gledison André Gomes de Araújo Turma: C4NA09 Curso: Ciências Contábeis Professor-Orientador: Adalberto Wolmer do Nascimento Silva Carga Horária Semanal: 30 horas Nome da Empresa: Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará Supervisor na Empresa: Lielson Mesquita Teixeira PERÍODO PREVISTO PARA O ESTÁGIO: 13/08/2012 a 09/10/2012

TÍTULO DO PLANO: Contabilidade Pública: Conformidade de Gestão aplicada ao Setor Público Federal.

1. INTRODUÇÃO O presente estágio será realizado na Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará, situada a Avenida Almirante Barroso, nº 4.466, Souza, Belém/PA, inscrita no CNPJ nº 00.394.494/0030-70, tendo como atual

Superintendente Regional o Delegado de Polícia Federal, Srº Valdson José Rabelo. Junto à Superintendência de Polícia Federal, mais precisamente no Núcleo de Execução Orçamentária e Financeira – NEOF/SELOG/SR/DPF/PA, tem-se a possibilidade de contato com as atividades específicas e profissionais da área contábil, ocorrendo, assim, a aplicação prática dos conteúdos teóricos transmitidos pelo IESAM, provocando o desenvolvimento do conhecimento em confronto com a prática contábil, tendo como consequência a formação de um aprendizado mais sólido. Para que a administração pública possa cumprir seu papel e assegurar o bem estar da sociedade é imprescindível de que disponha de recursos suficientes para tal fim (ingresso da receita), vez que os serviços prestados pelo Estado demandam uma contabilização (aplicação da despesa). É através da despesa que o setor

público coloca à disposição da população produtos e serviços necessários, sendo importante salientar que as despesas públicas são executadas por meio de autorização dada pela Lei Orçamentária Anual (LOA). Ao realizar o estágio em uma unidade pública, haverá para ambas as partes, unidade e aluno uma agregação de conhecimentos devido à importância do assunto

ATIVIDADES A SER EXECUTADAS As atividades serão realizadas durante 240 horas e na realização das tarefas durante o estágio foram desenvolvidas com base e se detiveram basicamente na área de Contabilidade Pública.  Conhecer a importância da Conformidade de Registros de Gestão e. onde se adotam procedimentos metodológicos específicos conforme discriminados abaixo: Imprimir o relatório de ―Conformidade de Registros‖ no dia útil seguinte à emissão dos documentos. Financeira e Patrimonial da Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará. dependendo de cada caso. de tal forma que os registros realizados no SIAFI possam estar devidamente fundamentados. aplicar a melhor metodologia para conferir se os registros realizados no SIAFI estão condizentes com as documentações comprobatórias. 2. OBJETIVOS Objetivo geral:  Estabelecer diretrizes para a correta instrução e análise dos processos de Execução Orçamentária. no âmbito da Conformidade dos Registros de Gestão. pelos documentos comprobatórios dos atos e fatos que comprovem tais operações. Objetivos específicos:  Demonstrar de forma concisa e prática as atividades relacionadas ao processo de elaboração e execução de Controle Interno que ocorre na Superintendência de Polícia Federal no Estado do Pará. Evidenciar a legislação que trata da Conformidade de Registro de Gestão. . Para a Instituição de Ensino é fundamental a sua contribuição para ampliação e divulgação da qualidade de ensino que oferece a comunidade (sociedade). 3. juntamente com a aplicação prática no Sistema Integrado de Administração Financeira – SIAFI.67 que será desenvolvido.

Registrar. os códigos existentes na transação CONRESTREG. O Conformista de Gestão deverá manter arquivada toda documentação que foi analisada. RESULTADOS ESPERADOS O presente trabalho procurará demonstrar que a instituição de um controle interno contábil. é necessária a utilização de meios como: material de expediente.68 Solicitar ao Setor/Núcleo de Execução Orçamentária e Financeira e outros setores da logística a documentação referente aos movimentos no SIAFI do dia anterior. local para a guarda de documentos e. sob o foco e delimitação da Conformidade de Gestão. os quais facilitarão a produção de documentos relativos às operações. 5. por meio da transação ATUCONFREG. a conformidade. fundamentalmente o acesso ao Programa SIAFI – Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal. em ordem cronológica. equipamentos de informática. impressoras. máquinas de calcular. pode ser bastante útil no controle e . tendo por base instrumentos de segurança do sistema. consulta à legislação vigente. Analisar a documentação comprobatória dos registros constantes no Relatório de Conformidade. para melhor assessorar contabilmente e gerar informações confiáveis que possam fazer com que o gestor possa tomar decisões acertadas e prestar informações confiáveis perante os órgãos de controle externo. 4. indicando. exceto aqueles efetuados por unidades Setoriais de Contabilidade. METODOLOGIA Para melhor realização das atividades destinadas ao setor contábil. que ficará sob sua responsabilidade. para analise e arquivo do Conformista de Gestão. tempestivo e concomitante sobre as transações contábeis efetuadas no SIAFI. internet. caso se aplique. artigos científicos. livros. pesquisas bibliográficas. em até 3 dias úteis após a emissão do documento no SIAFI. separadas por Unidades Gestoras e por modalidade de licitação.

2012.Contabilidade Pública: Teoria e Prática. Disponível em: < http://intranet.pdf>. além do contato com as atividades e com profissionais atuando na área. Disponível em: <http://portal2. assim. 2008.Contabilidade Pública: teoria. Elsevier. GUIA PARA REGISTRO DE CONFORMIDADE DE GESTÃO. 3ª. técnica de elaboração de balanços e questões.br/cof/servicos/downloads/conformidadecontabil/apostila_conformidade/view>. 2008. 6. Helio. Espero. de 31 de outubro de 2007. uma melhor aplicação dos conteúdos teóricos transmitidos pela instituição de ensino. São Paulo: Atlas. 1985. permitindo a troca de experiências e a postura necessária que o meio profissional exige. Contabilidade Pública. 10. BRASIL. – Rio de Janeiro. de forma a prevenir prejuízos financeiros e minimizar as possibilidades de desvios e fraudes. O estágio será muito importante porque possibilitará um melhor preparo para o ingresso no mercado de trabalho. IN nº 06.69 evidenciação da execução orçamentária e financeira. Ed. Acesso em: 20 out. João. a oportunidade de um pleno desenvolvimento profissional através do aprendizado prático. Acesso em: 22 out. Disciplina os procedimentos relativos ao registro das Conformidades Contábil e de Registro de Gestão. pois há a valorização pessoal como principal benefício do estágio. BEZERRA FILHO.gov.dpf. 2012. tendo a chance de mostrar conhecimentos e a capacidade de gerar resultados positivos.tcu. João Eudes. REFERÊNCIAS: ANGELICO. com a realização do estágio. Outros benefícios adquiridos serão: a melhora de relacionamento e da comunicação interpessoal.gov. tendo em vista que o estagiário é responsável por sua atuação e cada a processo bem realizado irá refletir em seu futuro profissional.br/portal/page/portal/TCU/comunidades/gestao_orcamentaria/ contabilicont/Conformidades. Ministério da Fazenda. Ed. permitindo. . São Paulo: Atlas. KOHAMA.

Belém. Acesso em: 23 out. 2012. ____________________________________________________ Assinatura do Aluno Estagiário _____________________________________________________ Assinatura do Coordenador de Estágio Supervisionado _____________________________________________________ Assinatura do Supervisor na Empresa (e Carimbo) . Instituto de Estudos Superiores da Amazônia – Sistema de Informação e Biblioteca.fazenda. Disponível em: <www. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3. VERGARA. Brasília. 2005.tesouro. NORMALIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS: orientação dirigida aos alunos de graduação do IESAM. Instituto de Estudos Superiores da Amazônia.graduação. 2000. São Paulo: Atlas.gov.Sistema de Informação e Biblioteca. Volume II. Sylvia Constant. 2008. 2011.ed.br/contabilidade_governamental/>.70 Manual Técnico de Contabilidade Aplicada ao Setor Público – Manual da Despesa Nacional. NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: Orientação dirigida aos alunos de graduação e pós.

bem como a realização de análise de documentação pertinente em observância às normas vigentes. Solicitação 31/08/12 e análise de documentos referentes aos movimentos financeiros do SIAFI do dia anterior. indicando restrição ou não. CARGA HORÁRIA TOTAL NO MÊS CARGA HORÁRIA 24 30 30 84 Horas _____________________________ ___________________________________ Assinatura do Aluno Estagiário Assinatura do Supervisor na Empresa (e carimbo) ____________________________________________________ Assinatura do Coordenador de Estágio Supervisionado . Semana: 27/08 a Impressão de relatórios. garantindo. 3ª. 2. Solicitação e análise de documentos referentes aos movimentos financeiros do SIAFI do dia anterior. Arquivamento em ordem cronológica da documentação. 2ª. Arquivamento em ordem cronológica da documentação. Lançamentos do registro de Conformidade de Gestão no SIAFI. de forma a tornar a Conformidade de Gestão mais eficiente. assim. DIA 1ª. Solicitação 24/08/12 e análise de documentos referentes aos movimentos financeiros do SIAFI do dia anterior. indicando restrição ou não.71 APÊNDICE B – RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO MÊS DE AGOSTO Nome do Aluno Estagiário: Gledison André Gomes de Araújo Turma: C4NA09 Curso: Ciências Contábeis Professor-Orientador: Adalberto Wolmer do Nascimento Silva Carga Horária Semanal: 30 horas Nome da Empresa: Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará Supervisor na Empresa: Lielson Mesquita Teixeira. OBJETIVO GERAL DO MÊS: Promover a padronização dos procedimentos atinentes às áreas correlatas. METODOLOGIA Utilização de recursos tecnológicos. como o programa de contabilidade (software) SIAFI – Sistema Integrado de Administração Financeira. PERÍODO PREVISTO PARA O ESTÁGIO: 13/08/2012 a 31/08/2012. Lançamentos do registro de Conformidade de Gestão no SIAFI. Lançamentos do registro de Conformidade de Gestão no SIAFI. que todos os nossos registros sejam realizados em observância às normas vigentes. indicando restrição ou não. Semana: 13/08 a 17/08/12 ATIVIDADES Impressão de relatórios. Semana: 20/08 a Impressão de relatórios. 1. Arquivamento em ordem cronológica da documentação.

72 APÊNDICE C – FREQUÊNCIA MENSAL DO MÊS DE AGOSTO – ESTÁGIO SUPERVISIONADO Nome do Aluno Estagiário: Gledison André Gomes de Araújo Turma: C4NA09 Curso: Ciências Contábeis Professor-Orientador (Coordenador de Estágio): Adalberto Wolmer do Nascimento Silva Nome da Empresa / Departamento: Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará Supervisor na Empresa: Lielson Mesquita Teixeira. PERÍODO: 13 / 08 / 2012 a 31 / 08 / 2012. DIA HORÁRIO ENTRADA HORÁRIO SAÍDA ASSINATURA CARGA HORÁRIA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 08:00 14 08:00 15 16 08:00 17 08:00 18 SÁBADO 19 DOMINGO 20 08:00 21 08:00 22 08:00 23 08:00 24 08:00 25 SÁBADO 26 DOMINGO 27 08:00 28 08:00 29 08:00 30 08:00 31 08:00 TOTAL DO MÊS 14:00 14:00 FERIADO ESTADUAL 14:00 14:00 SÁBADO DOMINGO 14:00 14:00 14:00 14:00 14:00 SÁBADO DOMINGO 14:00 14:00 14:00 14:00 14:00 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 84 HORAS ________________________________________ Supervisor na empresa (assinatura e carimbo) ____________________________________ Coordenador de Estágio .

indicando restrição ou não.73 APÊNDICE D . como o programa de contabilidade (software) SIAFI – Sistema Integrado de Administração Financeira. Arquivamento em ordem CARGA HORÁRIA 24 horas 2ª. Solicitação e análise de documentos referentes aos movimentos financeiros do SIAFI do dia anterior. Semana: 17/09 a 21/09/12 30 horas . 1. Lançamentos do registro de Conformidade de Gestão no SIAFI. Lançamentos do registro de Conformidade de Gestão no SIAFI. Lançamentos do registro de Conformidade de Gestão no SIAFI. Arquivamento em ordem cronológica da documentação. Semana: 10/09 a 14/09/12 30 horas 3ª. 2.RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO MÊS DE SETEMBRO Nome do Aluno Estagiário: Gledison André Gomes de Araújo Turma: C4NA09 Curso: Ciências Contábeis Professor-Orientador: Adalberto Wolmer do Nascimento Silva Carga Horária Semanal: 30 horas Nome da Empresa: Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará Supervisor na Empresa: Lielson Mesquita Teixeira. indicando restrição ou não. DIA 1ª. PERÍODO PREVISTO PARA O ESTÁGIO: 03/09/2012 a 28/09/2012. Arquivamento em ordem cronológica da documentação. METODOLOGIA Utilização de recursos tecnológicos. Impressão de relatórios. Solicitação e análise de documentos referentes aos movimentos financeiros do SIAFI do dia anterior. OBJETIVO GERAL DO MÊS: Promover a padronização dos procedimentos atinentes às áreas correlatas. bem como a realização de análise de documentação pertinente em observância às normas vigentes. Semana: 03/09 a 06/09/12 ATIVIDADES Impressão de relatórios. que todos os nossos registros sejam realizados em observância às normas vigentes. indicando restrição ou não. Solicitação e análise de documentos referentes aos movimentos financeiros do SIAFI do dia anterior. assim. garantindo. Impressão de relatórios. de forma a tornar a Conformidade de Gestão mais eficiente.

4ª. Semana: 24/09 a 28/09/12 Impressão de relatórios. Solicitação e análise de documentos referentes aos movimentos financeiros do SIAFI do dia anterior. Lançamentos do registro de Conformidade de Gestão no SIAFI.74 cronológica da documentação. Arquivamento em ordem cronológica da documentação. indicando restrição ou não. CARGA HORÁRIA TOTAL NO MÊS 30 horas 114 horas _____________________________ Assinatura do Aluno Estagiário (e carimbo) ___________________________________ Assinatura do Supervisor na Empresa ____________________________________________________ Assinatura do Coordenador de Estágio Supervisionado .

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Nome do Aluno Estagiário: Gledison André Gomes de Araújo Turma: C4NA09 Curso: Ciências Contábeis Professor-Orientador (Coordenador de Estágio): Adalberto Wolmer do Nascimento Silva Nome da Empresa / Departamento: Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará Supervisor na Empresa: Lielson Mesquita Teixeira. DIA HORÁRIO ENTRADA SÁBADO DOMINGO 08:00 08:00 08:00 08:00 HORÁRIO SAÍDA SÁBADO DOMINGO 14:00 14:00 14:00 14:00 SÁBADO DOMINGO 14:00 14:00 14:00 14:00 14:00 SÁBADO DOMINGO 14:00 14:00 14:00 14:00 14:00 SÁBADO DOMINGO 14:00 14:00 14:00 14:00 14:00 SÁBADO DOMINGO ASSINATURA CARGA HORÁRIA 01 02 03 04 05 06 07 08 SÁBADO 09 DOMINGO 10 08:00 11 08:00 12 08:00 13 08:00 14 08:00 15 SÁBADO 16 DOMINGO 17 08:00 18 08:00 19 08:00 20 08:00 21 08:00 22 SÁBADO 23 DOMINGO 24 08:00 25 08:00 26 08:00 27 08:00 28 08:00 29 SÁBADO 30 DOMINGO TOTAL DO MÊS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS FERIADO NACIONAL 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 114 HORAS _________________________________________ Supervisor na empresa (assinatura e carimbo) ____________________________ Coordenador de Estágio . PERÍODO: 01 / 09 / 2012 a 30 / 09 / 2012.75 APÊNDICE E – FREQUÊNCIA MENSAL DO MÊS DE SETEMBRO .

Semana: 01/10 a 05/10/12 ATIVIDADES Impressão de relatórios. Lançamentos do registro de Conformidade de Gestão no SIAFI. que todos os nossos registros sejam realizados em observância às normas vigentes. Semana: 08/10 e 09/10/12 Impressão de relatórios. como o programa de contabilidade (software) SIAFI – Sistema Integrado de Administração Financeira. bem como a realização de análise de documentação pertinente em observância às normas vigentes. Lançamentos do registro de Conformidade de Gestão no SIAFI.76 APÊNDICE F – RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO MÊS DE OUTUBRO Nome do Aluno Estagiário: Gledison André Gomes de Araújo Turma: C4NA09 Curso: Ciências Contábeis Professor-Orientador: Adalberto Wolmer do Nascimento Silva Carga Horária Semanal: 30 horas Nome da Empresa: Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará Supervisor na Empresa: Lielson Mesquita Teixeira PERÍODO PREVISTO PARA O ESTÁGIO: 01/10/2012 a 09/10/2012. garantindo. Arquivamento em ordem cronológica da documentação. de forma a tornar a Conformidade de Gestão mais eficiente. Arquivamento em ordem cronológica da documentação. 2ª. 2. indicando restrição ou não. OBJETIVO GERAL DO MÊS: Promover a padronização dos procedimentos atinentes às áreas correlatas. Solicitação e análise de documentos referentes aos movimentos financeiros do SIAFI do dia anterior. assim. METODOLOGIA Utilização de recursos tecnológicos. Solicitação e análise de documentos referentes aos movimentos financeiros do SIAFI do dia anterior. CARGA HORÁRIA TOTAL NO MÊS CARGA HORÁRIA 30 horas 12 horas 42 horas _____________________________ ___________________________________ Assinatura do Aluno Estagiário Assinatura do Supervisor na Empresa (e carimbo) _________________________________________________ Assinatura do Coordenador de Estágio Supervisionado . indicando restrição ou não. 1. DIA 1ª.

77 APÊNDICE G – FREQUÊNCIA MENSAL DO MÊS DE OUTUBRO .ESTÁGIO SUPERVISIONADO Nome do Aluno Estagiário: Gledison André Gomes de Araújo Turma: C4NA09 Curso: Ciências Contábeis Professor-Orientador (Coordenador de Estágio): Adalberto Wolmer do Nascimento Silva Nome da Empresa / Departamento: Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado do Pará Supervisor na Empresa: Lielson Mesquita Teixeira. PERÍODO: 01 / 10 / 2012 a 09 / 10 / 2012. DIA HORÁRIO ENTRADA 08:00 08:00 08:00 08:00 08:00 SÁBADO DOMINGO 08:00 08:00 HORÁRIO SAÍDA 14:00 14:00 14:00 14:00 14:00 SÁBADO DOMINGO 14:00 14:00 ASSINATURA CARGA HORÁRIA 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 06 HORAS 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 TOTAL DO MÊS 06 HORAS 06 HORAS 42 HORAS _____________________________ Coordenador de Estágio ________________________________________ Supervisor na empresa (assinatura e carimbo) .

br/app/da_impresso_130686904244/2012/02/05/8 166/20120204195533471724u. Fonte: <http://imgsapp.diariodepernambuco.com. Foto: Antonio Melo – Diário do Pará .78 ANEXO Figura 21 – Sede do Departamento de Polícia Federal em Brasília/DF.impresso.br/app/painel/modulo-noticia/img/imagensdb/destaque-117250polcia-federal---am-bv.jpg> Figura 22 – Sede da Sup.com.jpg>.diarioonline. Regional da Polícia Federal no Estado do Pará Fonte: <http://www.