COORDENADORIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES

CAPÍTULO 9 REVESTIMENTO

Profª Alessandra Savazzini Reis 2012

1. possuindo capacidade de endurecimento e aderência.águaxresina). matéria orgânica (como o limo) que possam prejudicar a aderência deve ser feita limpeza especial. A Norma Brasileira NBR 7200 abrange as argamassas destinadas a revestimentos definindo-os.1) para revestir a superfície.1. Ele é usado em superfícies lisas como o concreto e também é usado como auxiliar na impermeabilização em paredes externas. A sua composição é de cimento e areia grossa (1:3 ou 1:4). Deve-se esperar 3 dias após o chapisco (Figura 9. É feita uma mestração para se obter qualidade na espessura do emboço.CAPITULO 9 .EMBOÇO Constitui-se de uma argamassa de acabamento áspero. A aspersão de água na superfície da parede é feita para limpeza.REVESTIMENTO As paredes e as lajes de cobertura e piso devem ser revestidas para que tenham aspecto agradável. molha-se as lajotas. Antes de iniciar o serviço de revestimento devem ser testadas as canalizações de água e esgoto quanto à pressão e a possíveis vazamentos. pois encobre problemas na alvenaria quanto ao prumo e saliências. 9. A argamassa do chapisco pode ser feita na obra ou ser industrializada. Os revestimentos em geral são constituídos de diversas camadas de materiais ligados entre si.2. rolo para pintura textura (3 demãos). como: mistura de aglomerantes e agregados minerais com água. O bom revestimento deverá apresentar-se perfeitamente desempenado (confere-se através de réguas). batentes chumbados ou com o vão definido ("kit’s prontos" de esquadrias). Profª Alessandra Savazzini . aumentem sua resistência e estejam protegidos contra a umidade. Quando existirem gorduras. A sua aplicação pode ser feita com: colher de pedreiro lançando com certa velocidade a  1 metro de distância da superfície. Recomenda-se o prazo de cerca de 14 dias após o término da alvenaria para execução do revestimento. alinhadas e niveladas. água e resina PVA (se for o caso . As superfícies a revestir deverão ser limpas e molhadas para se retirar pó antes de qualquer revestimento. Nas paredes externas o revestimento também trabalha impedindo a penetração de água de chuva. alinhamentos dos painéis. Esse revestimento é uma argamassa de regularização. para não absorverem a água que é necessária para as reações da pasta da argamassa.1. prumadas (confere-se através de prumo). as superfícies que receberão a argamassa de revestimento deverão estar com chapisco executado (se for o caso). O chapisco também pode ser usado como revestimento de acabamento. Desta forma. desempenadeira dentada metálica 6 ou 8 mm ou projetado com bombas. contramarcos de esquadrias de alumínio chumbados e em certos casos o contrapiso deverá estar pronto. a alvenaria não deve conter problemas de prumo.REVESTIMENTO ARGAMASSADO DE PAREDE E TETO 9. corrigindo eventuais irregularidades. dando melhores condições de fixação do revestimento. nivelamento e/ou saliências.1.na proporção 1: 6 em volume .1 – Superfície chapiscada 9. Figura 9.CHAPISCO É uma argamassa de aderência e proporciona pela sua textura rugosa condições de fixação para o outro elemento.

não há necessidade de fazer o alisamento da superfície com espuma (camurça). apresenta superfície mais lisa. deixando a superfície lisa com auxílio de uma régua que alisa a superfície (Figura 10. ao lançamento. estuque lúcido (tem aparência de mármore). não recebe pintura comumente usada.1. O reboco é aplicado logo após o emboço. Depois é feito o desempeno mais uma vez agora com uma espuma (camurça). comprime-se com a colher para melhor fixar a argamassa na superfície devido à própria reação do impacto e também para retirar as bolhas de ar que foram arrastadas pela argamassa. Após 30 dias do reboco executado estará apto a receber a pintura. a “massa estar puxando”. Essas guias também se orientam com o esquadrejamento do compartimento. Deixa-se a argamassa perder um pouco de água. por exemplo: barra lisa de cimento. massa raspada (passaProfª Alessandra Savazzini .Compressão da argamassa com colher de pedreiro Se a espessura determinada pelas mestras (Figuras 9. preenchemos o espaço entre elas no sentido vertical com argamassa respeitando a espessura do revestimento definido na mestração Lança-se a argamassa com certa violência no sentido de baixo para cima à uma distância de  80 cm. O reboco pode também ser executado de uma só vez (uma só camada). Se houver falta de argamassa preencher com novas chapadas nessas depressões e voltar a sarrafear. espaçados entre si na horizontal de tal modo que a régua consiga apoiar-se nelas ( 2.3c).4 – Desempeno do reboco Existem os casos onde o reboco é o próprio acabamento. Inicia-se.REBOCO Trata-se de um revestimento que tem o acabamento mais fino. Tem-se o acabamento final do revestimento.3b) que depende das condições climáticas e da dosagem da argamassa. Para avaliar o momento certo para iniciar o sarrafeamento deve-se pressionar a argamassa com os dedos e quando não penetrarem na camada e permanecendo quase limpos deformarem levemente a superfície. (a) Lançando argamassa (b) ponto de sarrafeamento (c) sarrafeando argamassa Figura 9. que é um movimento de zigue-zague de baixo para cima com a régua metálica ou de madeira com o objetivo de retirar o excesso de argamassa que existir entre as guias. pois este revestimento deve ser rústico (grosso) para proporcionar melhor fixação do revestimento de acabamento. Procede-se ao que se chama “sarrafeamento” (Figura 9. ou seja. tendo uma espessura final de cerca de 2 a 3 mm.4).A mestração é a colocação de calços/taliscas (que determinam a espessura da camada de revestimento) na alvenaria perfeitamente no prumo.0 m de distância).3a) for maior que 3 cm preencher a superfície em camadas. sua espessura deve ser tal que encubra os defeitos. Se a superfície for muito absorvente umedecer a superfície antes do lançamento. ou seja.3. Aguarda-se o “ponto de sarrafeamento” (Figura 9. Figura 9. o reboco da mesma forma que para o emboço. no espaço da colher à parede (Figura 9. Com essas mestras prontas. Em seguida. onde ele encobre possíveis saliências da alvenaria e tem seu acabamento liso. faz-se o desempeno para se retirar o excesso ou cobrir depressões com a argamassa. chamado “reboco paulista” ou simplesmente reboco.2 . após o processo que se chama “chapar”.2) Figura 9. lança-se água para a camurça correr no movimento circular tirando toda a marca dos grãos maiores de areia para um perfeito acabamento superficial.3 – Detalhes do sarrafeamento 9. denominado de “chapar”.

As instalações e esquadrias devem estar como para reboco. Os azulejos apresentam-se no comércio em diversos tamanhos. papel. (c) Detalhes do revestimento com gesso liso (b) Sarrafeamento do gesso com gesso 9. mármore.se no acabamento um pente de aço para dar ranhuras).4. A fixação dos elementos é feita com argamassa colante apropriada ou feita na própria obra. massa travertina (tem aparência do mármore travertino). 9. Na última demão corrigir eventuais falhas com régua de alumínio.6a. madeira.5 – (a). granito. 10. (a) Figura 9. massa lavada (um pouco semelhante à travertina. porém espessura maior). (b) Azulejos (b) Profª Alessandra Savazzini . Existem diversos revestimentos.MASSA ÚNICA São argamassas industrializadas usadas em interiores e exteriores que são aplicadas diretamente na alvenaria e às vezes não necessitam de pintura por já servirem de acabamento final da superfície.6b). fórmica.1. pedras naturais (pedras ardósia e São Tomé. 9.GESSO LISO DESEMPENADO A alvenaria deve estar concluída e algum eventual problema na superfície tratado com argamassa de cimento e areia.2. etc.6 – (a).2. como: azulejo. nestes casos são usados o emboço para regularizar a superfície e possibilitar a colocação de outros elementos.1. Em arestas internas e externas são usados os próprios azulejos ou cantoneiras substituindo as peças exclusivas de azulejos que antigamente eram usados (Figuras 9.5. preparar a pasta de gesso. Limpar toda superfície.1. servindo também para decoração.. Espalhar na superfície com desempenadeira de PVC ou metálica em 3 ou 4 demãos cruzadas e nos cantos vivos posicionar cantoneiras para perfeito acabamento. plástico. etc. granilito (reboco com aparência de granito). 9. Após raspar o gesso com desempenadeira de aço para retirar excesso e alisar a superfície (Figura 9.AZULEJO Em geral os ambientes laváveis são revestidos com azulejo nas paredes podendo ser assentados de diversas formas. (b). pastilhas.. (a) Desempeno do gesso (c)Superfícies aplicado Figura 9.5). Neste revestimento devemos ter uma espessura bem reduzida (de 1 mm a 3 cm).REVESTIMENTO NÃO ARGAMASSADO DE PAREDE É aquele constituído por elementos que não sejam a própria argamassa. entretanto.). marcas e modelos.

FÓRMICA E PLACAS DE AÇO ESCOVADO Pode-se utilizar a fórmica e o aço escovado para revestimento de parede e cozinhas. O rejuntamento deve vedar o espaço vazio entre os azulejos com argamassa. no prumo. tamanhos.  ACIII – argamassa colante tipo III de alta resistência (saunas. A partir do nível de referência (piso ou teto) marcar a posição da fiada mestra em um extremo da parede considerando a dimensão do azulejo e a espessura do rejunte e transferir o nível para o outro extremo. pastilhas de vidro. molhar as juntas antes do rejunte. O rejuntamento deve ser feito com as juntas abertas (tirado a argamassa de assentamento em excesso) e limpas. A espessura das juntas entre as peças já deve estar definida e estar de acordo com recomendações do fabricante do azulejo. Sendo:  Placas de azulejos com área menor que 400cm² – usar desempenadeira denteada com dentes de 6mmx6mm. Determina-se uma fiada mestra para iniciar o serviço. o qual melhora as condições de aplicação e de aderência. A argamassa de assentamento normalmente usada é a argamassa colante industrializada (Figura 9.2. porcelanatos. Existe o rejunte de cimento branco. Pressiona-se as pastilhas contra a parede e bate-se com um martelo de borracha ou manopla. A argamassa para assentar os azulejos é aplicada com desempenadeira dentada metálica formando sulcos de 6 a 8 mm. o assentamento é feito de acordo com a paginação da parede no projeto. Para fixação de pastilhas em parede devemos inicialmente. esquadro e com perfeita planicidade e limpa. Deixar secar por 72 horas antes de rejuntar. E aplica-se a fórmica em chapas com cola própria.8 – Rejunte epoxi com a camurça. 9.  ACII – argamassa colante tipo II para uso externo (paredes e fachadas. o emboço deve estar pronto há pelo menos 14 dias e apresentar superfície lisa. dar algumas batidas com martelo de borracha para que fiquem bem niveladas e o excesso de argamassa e ar saia.0 a 1. Após o emboço seco (14 dias). Deve-se ter cuidado de controlar a espessura do revestimento grosso e também na espessura dos marcos das portas para que o azulejo não fique saliente em relação ao marco para não termos problema com a fixação do alisar da porta. áreas públicas.5m . No comércio existem diversos tipos de pastilhas. deve-se pressioná-los e.Para a aplicação dos azulejos. em seguida.  Placas de azulejos com área de 400cm² a 900cm²– usar desempenadeira denteada com dentes de 8mmx8mm. Profª Alessandra Savazzini . caso o tempo exceda. o rejunte pré-fabricado em diversas cores e o epóxi (Figura 9. Pressiona-se o rejunte com rodo ou espátula de plástico até preencher totalmente as juntas retirando-se o excesso.7). 2 Os panos de aplicação do produto devem ser limitados a uma área de cerca de 1. cores (Figura 9.3-PASTILHAS Existem pastilhas cerâmicas e de vidro.7 – Argamassa colante A argamassa AC I é fabricada com cimento Portland. Remove-se o papel após 30 minutos ou mais da aplicação da pastilha.  Placas de azulejos com área maior que 900cm² – usar desempenadeira denteada com dentes de 8mmx8mm. À argamassa de rejuntamento adiciona-se água e mistura-se de acordo com o especificado pelo fabricante do rejunte. e também o contrapiso pronto ou com nível definido. areia fina e aditivo retentor de água. inicia-se a colocação das pastilhas com o auxílio da argamassa preparada na obra ou pré fabricada. No caso das placas cerâmicas com área maior que 900cm² deve-se aplicar argamassa colante no verso (tardoz) além da aplicação na superfície de assentamento da placa.2. 9.9). piscinas de água quente). piscinas. fazer o emboço. Figura 9. que pode ser de vários tipos:  ACI – argamassa colante tipo I para uso interno (pisos e paredes).  ACIII-E – argamassa colante tipo III especial.2. Ao assentar os produtos cerâmicos. A superfície deve estar com o emboço pronto.8). Passar o imprensador de juntas e em seguida passar a camurça úmida para dar o acabamento final e fazer a limpeza Figura 9. ao ar livre). Pode-se dividir a parede em diversos painéis para controlar o alinhamento em relação à vertical e a junta de dilatação. E esticar uma linha ligando os dois pontos ou usar o escantilhão. Nos outros tipos de argamassas em geral acrescenta-se a essa composição outros aditivos.

9 – Detalhes de pastilhas de porcelana e de vidro 9.0 cm e são denominadas de rochas ornamentais. Podem ser assentados de diversas formas. emprega-se a argamassa de cimento e areia. Deve-se ter a superfície preparada como para azulejos. na dosagem 1:3. Deve-se tomar cuidado com a espessura final do revestimento devido a espessura e peso da rocha.2.Rejuntamento Pastilhas 10x10cm (a) papel da pastilha de vidro (b) pastilha de porcelana (c) pastilha de vidro Figura 9. Figura 9.10 – Granito e mármore Figura 9. As placas destinadas a revestir superfície de concreto deverão ter dispositivos chumbadores para garantir melhor fixação. comprime-se a mesma na superfície. Em geral. As peças de mármore e granito (Figura 9. parafusos e/ou chumbadores para aumentar a força de aderência e não haver desplacamentos (Figura 9.10) possuem espessura de cerca de 2.11). por exemplo.11 – Fachada de granito e inserts metálicos Profª Alessandra Savazzini .ROCHAS Existem diversos tipos de rochas naturais que podem ser usadas.4. Em fachadas deve-se fazer a fixação das pedras com argamassa utilizando-se também de inserts próprios. pois nas peças de concreto ocorrem pequenas dilatações devido a temperatura. sobre a superfície e inicia-se a colocação das placas de rochas.

Deve-se prever o tipo de andaime a ser usado.  fácil conservação .não sofrer alterações quanto as dimensões sob a ação direta do calor (dilatação).o pavimento deve apresentar as qualidades exigidas e possuir bom custo. dureza e resistência ao desgaste. como a aplicação de sinteko em pisos de madeiras. O papel na realidade substitui a pintura.9. A escolha do tipo de pavimento deve levar em conta fatores.5. tais como: a) compatibilidade . contínua ou descontínua. manutenção. a colocação de telas para evitar afloramento de trincas.as calçadas devem apresentar atrito necessário e compatível com o seu uso para evitar possíveis acidentes. alguns fornecedores pedem que a massa corrida esteja feita e lixada para melhorar a superfície.podemos imitar a sensação de frio com cores claras.REVESTIMENTO EM FACHADA As principais funções do revestimento de fachada são proteger a alvenaria e a estrutura do edifício contra a ação da água e permitir acabamento final de acordo com o projeto. Montar os andaimes. Os pisos devem apresentar os seguintes requisitos de qualidade:  resistência ao desgaste por abrasão (ao tráfego) . como pôr exemplo: madeira.o piso deve ser compatível com o padrão de acabamento adotado. Ex: escadas de mármore em edifícios de grande fluxo de pessoas (apresentará um desgaste superficial por abrasão prematuro). geralmente são fornecidos em rolos de 50 cm e 20 m de comprimento. Procede-se o revestimento como para o interior.2. tipo de acabamento. ser de fácil conservação e oferecer condições higiênicas. b) aspectos psicológicos . Não devem provocar ruído. O papel pode ser colado com cola especial ou ser auto-adesivo. Ex: piso de madeira em banheiros não deve ser usado. que deve estar perfeitamente lisa. o piso é submetido a um grande desgaste por abrasão. ladrilhos hidráulicos. d) economia . não necessitando assim de constantes enceramentos. Trata-se de uma superfície qualquer.decorar os ambientes.12 – Borda de papel de parede 9. pedras. Ex: cerâmica num cerimonial.0 cm.2. cor (sob a influência do sol não desbotar). 2 2 As juntas de expansão devem ser feitas de 9m a 30m com espessura de juntas de 8 a 12 mm e preenchida com mastique elástico. construída com finalidade de permitir o trânsito pesado ou leve. Os revestimentos de piso podem ser de diversos tipos de materiais.3. 9.em pavimentos de áreas de grande circulação de pedestres. Profª Alessandra Savazzini .  economia . O revestimento da fachada deve respeitar os seguintes prazos: a estrutura deve estar concluída há pelo menos 120 dias e a alvenaria há 30 dias e o aperto da alvenaria há 15 dias. instalações da fachada concluídas. A mestração da espessura do revestimento da fachada deve ser feito orientado pelos arames (que servem de prumo) ou nível a laser. prumo e alinhamento. como é fácil observar em entradas. Transferir os eixos de locação da obra para a laje de cobertura. A pavimentação deve proporcionar. ou sensação de dimensões usando desenhos apropriados. Figura 9. E no caso de pisos onde trafegarão automóveis deve-se ter certa rugosidade para não haver deslizamento das rodas do carro devido à falta de atrito.deve ser adequado com o ambiente. Para se aplicar o papel deve-se ter reboco pronto.5 cm a 2.  inalterabilidade (cor. Deve-se ter cuidado na aplicação para não ter aprisionamento de bolhas de ar. c) adequação . em alguns pontos.PAPEL DE PAREDE Os papéis de parede (Figura 9.12). dimensões) .levamos em conta o desgaste. cerâmicas.existem no mercado materiais que diminuem os trabalhos de manutenção nos pavimentos . Poderá ser necessário.  função decorativa . Para executar o revestimento externo todas as alvenarias devem estar concluídas e fixadas internamente.  coeficiente de atrito necessário ao trânsito . os contramarcos das esquadrias devem estar chumbados. atrito necessário.REVESTIMENTO DE PISO Revestimento de piso também denominado de pavimentação. locar os arames que farão o mapeamento da fachada garantindo o esquadro. além do aspecto decorativo e agradável. em escadarias de templos religiosos e em repartições públicas. porém fazendo-se as juntas de trabalho em geral a cada pavimento logo após o desempeno do reboco com largura de 1.

e a construção do contrapiso ou lastro de regularização. dependendo do cálculo do projetista.EXECUÇÃO DA PAVIMENTAÇÃO Os dois tipos de base para a pavimentação são: solo e lajes de concreto. O piso deve estar mestrado para execução do contrapiso. Nos banheiros. Deve-se prever nos lastros. cozinhas ou em outros locais onde existam ralos.3. E nos lastros externos.CONTRAPISO É a camada intermediária entre a laje ou o lastro e o acabamento final. Na mestração são colocados tacos em nível presos ao piso com argamassa tornando então duas guias (o nível deve ser verificado com mangueira de nível ou outro instrumento e deve-se adotar como nível zero o ponto mais alto encontrado). lojas. juntas de dilatação com espaçamentos não maiores que 40 m.2 . tais como. calçadas de médio até grande movimento. 9. 9. a qual não necessita de compactação (na compactação usa-se um soquete de 30x30 cm e 8 Kg). estar em perfeito nível observando a diferença na cota de piso para ambientes. o material escavado é jogado para o interior da casa para elevar a cota do piso. chuveiros. depósitos. Nivelamento do piso Espalhamento da argamassa Sarrafeamento Compactação do piso Figura 9. compactação do aterro interno. A espessura do lastro depende da carga prevista e da resistência do solo. passa-se a régua e tem-se o nível desejado.3. antes da execução do acabamento do piso. Os valores das espessuras dos lastros podem ser:  5 cm para calçadas secundárias de pouco uso. Deve-se compactar o solo antes do lastro para evitar problemas de trincas.  7 a 8 cm para residências. deve ser bem nivelada. entre banheiro e sala. como: garagens. oficinas. e é feita com argamassa de cimento e areia com o mínimo de água possível (no traço 1:3 a 1:6). Na pavimentação em que a base é o solo. Pode ser impermeabilizante ou não. ou seja.13 – Etapas do revestimento de piso Profª Alessandra Savazzini Desempeno . As paredes devem estar com marcação feita ou a alvenaria já concluída. Respeitar o prazo de 28 dias para colocação de revestimentos se for o caso. diferenças de níveis. as juntas de dilatação não devem ter espaçamentos maiores que 10 m. Em geral nas escavações de fundações das residências. onde aí se faz o contrapiso impermeabilizante (ou não) ou lastro de regularização em concreto simples. Após término do piso esperar de 2 a 3 dias para liberar o local para uso.  12 a 15 cm para áreas de solicitação pesada. estacionamentos de solicitação média. Deve-se executar a rede de esgoto do piso térreo.13).LASTRO DE CONCRETO O lastro de concreto deve ser executado quando o piso é feito diretamente no solo. bem como caimentos de 1% para esgotar águas de áreas laváveis. o procedimento é o mesmo usado para reboco (Figura 9. recalques. Deve-se limpar bem a base. regularizar o aterro com um bom apiloamento.  10 cm para pátios. Pode ter acabamento áspero ou liso. depois faz-se o acabamento final com auxílio de desempenadeira.1. Aplica-se a argamassa no piso e vai compactando. deve-se ter o cuidado com a impermeabilização. chamada de "farofa" ou fluida. se o contrapiso tem o caimento para o ralo. deve-se verificar. O afastamento entre as guias depende do tamanho da régua usada.

deve-se retirar o pó. inseticidas). Já vem envernizado e não permite outro tipo de acabamento. sem necessidade de colar ou pregar o piso no contrapiso (Figura 9.1 – ASSOALHO DE MADEIRA São aqueles pisos executados com tábua de madeira de 1.4 – PISOS DE MADEIRA 9. Limpar toda a superfície. vai batendo os tacos para melhor fixá-lo.TACOS DE MADEIRA Tipo de revestimento em desuso.3 . os contramarcos das esquadrias devem ter sido fixados.PISO DE MADEIRA . Pode-se variar a posição dos tacos no assentamento. Verificar o esquadro e as dimensões do ambiente e a paginação do piso (esticar linha de náilon demarcando a primeira fiada a ser feita).4. Em seguida. A largura das juntas entre peças Profª Alessandra Savazzini . 9.5 cm a 2. Para o acabamento áspero (rústico) faz-se com desempenadeira a para um acabamento liso com a colher de pedreiro.3 .3. largura variada. bate-se com uma tábua ou manopla sobre os tacos para nivelar melhor. devem ser revestidos com asfalto derretido. É um piso de uso doméstico.9. Este revestimento deve ser seu nível mais alto 1.4 . com o auxílio do cabo da colher de pedreiro. Colocar o assoalho respeitando a paginação do piso com pregos ou parafusos. É um revestimento usado em quartos e salas. o emboço e contrapiso devem estar concluídos a 14 dias apresentando textura áspera. As tábuas podem ser fixadas de diversas formas. Depois. O cimentado é o revestimento de piso mais comum e mais barato. A fixação das tábuas se faz na fêmea com um prego sem cabeça e rebaixado para que possa encaixar a tábua seguinte. Tacos assentados com argamassa .4.3. formando diferentes desenhos. batemos em superfície que contenha pedriscos ou areia para formar uma superfície áspera e deve haver pregos ou grampos para melhor ligação com a argamassa. Para o assentamento da cerâmica. Para assentar os tacos. Deve-se prever juntas de dilatação em áreas grandes para não surgir trincas. 9. O cimentado é executado com argamassa de cimento e areia (traço 1:4 ou 1:5) em volume. apoiados na laje ou no contrapiso.a base para receber os tacos deve estar desempenada. constitui-se de peças de madeira de lei fixados com argamassa (1:4) ou cola especial nas lajes.13 – Carpete 9.3.0 cm de espessura. 9.CIMENTADO LISO É empregado como acabamento final em garagens.os tacos para serem fixados com argamassa. Desengrossar o assoalho com lixa e calafetar as juntas com pó de madeira e cola e envernizar. Tacos assentados com cola .4. porém sujeito à desgastes e trincas provocadas pôr retração e dilatação térmica ou pôr movimentos da base. Fig.3.Composto normalmente de placas de MDF recobertas com lâminas de madeira de diferentes espécies e tons.13). Inicia-se o assentamento dos tacos do fundo do cômodo para a porta. com comprimento em torno de 4. O piso laminado é instalado por meio do seu encaixe macho-fêmea. Deve-se deixar o cômodo sem uso durante 2 a 3 dias aproximadamente para não prejudicar sua fixação.3. Para se ter o cimentado liso colorido adiciona-se um corante (cimento branco com alvaiade) à argamassa.0 metros. 9. faz-se os sulcos. Deve-se preencher o espaço entre os barrotes com argamassa e esperar a cura por 14 dias.0 à 2. pôr meio de ripas colocadas.5 – PISO EM REVESTIMENTO CERÂMICO Os pisos cerâmicos são impermeáveis podendo ser laváveis. 9. As madeiras a serem usadas devem ser tratadas (fungicidas. com durabilidade média de 5 anos.3.0 cm dos pisos laváveis.CARPETE DE MADEIRA . Após a colocação do piso. colocar o rodapé.2 . A fixação começa com a disposição de barrotes de madeira (vigas de madeira) nivelados no contrapiso obedecendo o sentido transversal à colocação do assoalho com distâncias menores que 50cm de eixo a eixo. O revestimento pode ser liso ou áspero. fixados e nivelados com argamassa de cimento e areia não muito plástica.para se fixar as tábuas corridas como revestimento de piso. A cerâmica deve ser conferida em termos de dimensões e tonalidade. Lança-se a cola apropriada para que os tacos sejam colados de tal forma que não fiquem bolhas de ar. não sendo recomendado para fins comerciais ou áreas de alto tráfego. calçadas em geral. utilizaremos um tarugamento de caibros espaçados de 50cm.4. são fixados inicialmente tacos de referência para determinar o nível. Assentar e bater com desempenadeira de madeira. em peças macho e fêmea.3. com cola à base de PVA D3.

hexagonal ou octogonal que se usam em revestimentos de piso (Figura 9. Após 24 horas deve-se fazer o rejuntamento aplicando a argamassa nas juntas e fazer a retirada do excesso logo após e depois a limpeza final.LADRILHO HIDRÁULICO Os ladrilhos hidráulicos ou de cimento são placas de forma quadrada. Colocam-se as peças e com a desempenadeira ou um soquete de madeira bate-se até aflorar a nata nas juntas. Liberar o local para trafego após 24 horas (Figura 9. As juntas de dilatação da estrutura devem ser mantidas na cerâmica e devem ser preenchidas com mastique elástico. Deixando o local interditado pelo menos pôr dois dias para melhor fixação. Aplicar a argamassa no piso com o lado liso da desempenadeira e em seguida passar o lado dentado formando cordões e assentar a peças obedecendo ao espaçamento entre elas e o “tempo em aberto” da argamassa. O ajuste da posição da peça é feito por meio de pequenas batidas com um martelo de borracha e uso de espaçadores plásticos para piso.6 . O corte das peças deve ser feitos com equipamentos adequados.3. Os ladrilhos em geral têm dimensões de 20cmx20cm e 1.0 a 1. hoje é usado em pavimento de calçadas. Os panos de aplicação do 2 produto devem ser limitados a uma área de cerca de 1. Observa-se o alinhamento das placas durante o assentamento. Sua aplicação é feita fazendo a base com argamassa de cimento e areia pouco plástica que é lançada e sarrafeada.14).deve seguir o recomendado pelo fabricante e as juntas de expansão devem alcançar o contrapiso e ser preenchido com material elástico. Uso da desempenadeira Posicionamento da placa Martelo de borracha Figura 9.0cm de espessura.15). Pode-se usar argamassa de cimento e areia feita na própria obra ou argamassa pré fabricada para o assentamento.5m .14 – Etapas da colocação do piso cerâmico Limpeza 9.5cm a 2. (a) (b) Profª Alessandra Savazzini . Antigamente era usado em residências modestas.

ou seja.3.  juntas para que com movimentações do revestimento não surjam trincas.os pavimentos de granito e mármore são feitos com placas de diversas dimensões. polidas ou não. PEDRA MINEIRA.10 . CARRANCA .ARDÓSIA.5 % para esgotar águas de chuvas. bisotadas ou não. espaçadas de cerca 1. são apenas fixados por meio de seu encaixe macho-fêmea e cola à base de PVA-D3 Poliface.  em rampas de pedestres e veículos os cimentados devem ter a superfície estriada para evitar escorregamentos. Sua aplicação é feita pôr meio de colas ou pôr meio de pregos fixados em ripas pré-fixadas na base.  os cimentados externos devem ter superfície desempenadas e ter caimento de mo mínimo de 0.1 .  compactação do terreno . grandes variações de temperatura.os pisos das áreas externas precisam de cuidados especiais pôr estarem sujeitos à exposição direta do sol. Este material apresenta diversas estampas e cores para combinar com diversos ambientes. Para a colocação prepara-se a argamassa de cimento e areia (grossa ou média) com pouca água . As placas são comercializadas já cortadas nas dimensões. A camada superficial é constituída de um filme especial que proporciona A resistência à abrasão. sem uso da cola 9.2 m .3.9 – PISOS LAMINADOS Laminado de PVC com tela de fibra de vidro que compõe ao produto final uma ótima estabilidade dimensional e excelente resistência ao rasgo. chuvas. 9. coloca-se a placa em seguida procurase corrigir o nivelamento com o nível de pedreiro e o cabo do martelo para bater.7.15 – (a)Ladrilho hidráulico do tipo piso tátil. ou no caso do encaixe inlok click.(c) Figura 9. apenas encaixado. (c)fixação 9. (b)prensa.2 . Espalha-se a argamassa no local e coloca-se as placas e corrige-se o nivelamento das placas com o nível de pedreiro. podendo revestir pisos em ambientes de grande tráfego.em geral são usadas quando se quer um acabamento rústico.3.PAVIMENTOS EXTERNOS . 9. Pode se utilizar os pisos ditos flutuantes.3.  em pisos armados para trânsito de veículos deve-se prever juntas de dilatação espaçadas de 10 m. SÃO TOMÉ. As juntas usuais são entre os painéis são feitas com ripas de madeira. conhecida como makita.o piso deve apoiar-se sobre um terreno firme e bem compactado. 9.7.GRANITO E MÁRMORE.3.7 – ROCHAS 9. O granito em geral apresenta maior resistência ao desgaste por abrasão em relação ao mármore. Sua colocação se faz estendendo-se uma camada de argamassa de cimento e areia bem plástica. Profª Alessandra Savazzini . A facilidade para instalação e limpeza é fator que contribui para sua ampla utilização.PAVIMENTO TÊXTIL São os carpetes que são assentados sobre o cimentado e cobrem todo o piso.8 . Coloca-se argamassa na base com auxílio de colher de pedreiro. Para se cortar as peças na obra usa-se a serra mármore portátil.  em cimentados externos deve-se manter úmida a superfície do pavimento.3. que serve para definir pisos que não são pregados ou colados no contrapiso.

3 . ou seja. óleos e graxas.4. Com exceção do forro de concreto armado (mais forte e pouco impermeável).Campus Colatina.REBAIXAMENTO DE PVC O forro de PVC pode ser rígido ou flexível. pode-se classificar os revestimentos em: madeira.4. Se houver falta de argamassa preencher com novas chapadas nessas depressões e a volta a sarrafear. Coordenadoria Construção Civil.16 – Forros de teto (b) forro de gesso Bibliografia consultada: CARDÃO. Pode ser formado por tábuas do tipo macho e fêmea fixados à estrutura de madeira formada pôr peças de madeira de lei. gesso. alumínio. Ifes .16).4 . PINI. colado ou simplesmente suspenso. 1983. A mestração pode ser feita de modo a obter um nivelamento de dois tipos: nivelado ou distorcido. melhorando o aspecto e impedindo a penetração das águas de chuva que possam passar pelo telhado. o que facilita no transporte. superfície mais lisa. Em seguida.1 . compostos por painéis lineares. O forro deverá ser completamente isolado da estrutura do telhado. Deixa-se a argamassa perder um pouco de água. suspensos ao forro estrutural por meio de tirantes convencionais.9. detergentes. MEKBEKIAN Geraldo. lança-se água para a camurça correr no movimento circular tirando toda a marca dos grãos maiores de areia. suportes independentes do telhado. comprime -se com a colher para melhor fixar a argamassa no teto devido a própria reação do impacto e também para retirar as bolhas de ar que foram arrastadas pela argamassa. a esse lançamento. independente e própria para este fim.REBOCO DE TETO Trata-se de um revestimento que tem o acabamento mais fino. Engenharia e arquitetura. das lajes. Belo Horizonte. argamassa. Após o reboco completamente seco estará apto a receber a pintura. Segundo o material usado. O forro também não propaga o fogo. Para sustentação do forro devemos criar uma estrutura particular. Deve-se atentar para se obter um mínimo de espessura do reboco de teto devido ao problema de desplacamento. Existe o gesso acartonado em placas que pode ser utilizado em rebaixo de teto. Qualidade na aquisição de materiais e execução de obras. Roberto.1997-2012. a “massa estar puxando” desempena -se mais uma vez agora com uma espuma (camurça). para que não venham a apresentar defeitos devido as movimentações do telhado como das dilatações das lajes dos pisos. dos pisos e dos tetos. Esse forro resiste à maioria dos agentes químicos . madeira.concreto aparente. 9. A execução do reboco de teto começa pelo lançamento da argamassa com certa violência no sentido de baixo para cima . É comercializado em placas de gesso que são fixados à laje teto por meio de tirantes fixos na laje por meio de parafusos fixados com pistola apropriada. Tem-se o acabamento final do revestimento.REBAIXAMENTO DE GESSO Usado como rebaixamento de teto . É feita uma mestração para se obter qualidade na espessura do revestimento de teto. PVC (Figura 9. procede-se ao que se chama “sarrafeamento”. com uma régua metálica ou de madeira perfeitamente alinhado. (a) forro de madeira (b) gesso Figura 9. que se chamaria “chapar”. Profª Alessandra Savazzini . 9. 9. que encaixam-se entre si no sistema macho e fêmea. DE SOUZA.4.4. 1996. Notas de aula profª Alessandra Savazzini Reis. O forro geralmente é pregado. As chapas de PVC podem ser fixadas em estruturas de aço. Técnica das construções. que é um movimento de zigue -zague de baixo para cima.REVESTIMENTO ARGAMASSADO . com o objetivo de retirar o excesso de argamassa entre as guias. para que o forro trabalhe sem dar defeito proveniente da movimentação do próprio telhado. no espaço da colher à parede. São Paulo. Celso. não aparecendo emendas. 9. todos os demais deverão ter estruturas. O forro de PVC tem seu peso reduzido.2 – REBAIXO DE MADEIRA O forro ou lambri de madeira é formado de tábuas aparelhadas na face inferior.4 -REVESTIMENTO DE TETO Tem a função de fechar os cômodos na parte superior. Preenchida uma certa área.