You are on page 1of 12

IUSU03 – PRÁTICA JURÍDICA III (DIREITO PROCESSUAL TRABALHISTA) Prof.ª: Ana Luísa de Souza Correia de Melo Palmisciano 1.

MEIOS DE RESPOSTA DO RÉU Ab initio, o reclamado – alvo da reclamação individual movida pelo trabalhador – receberá notificação contendo cópia da petição inicial. Distintamente do que acontece no processo civil, onde se especifica prazo de 15 dias para apresentar a defesa – art. 297 CPC – na justiça do trabalho, identicamente ao juizado especial, tudo o que estiver relacionado à “antítese” será apresentado em audiência, podendo inclusive o arrazoado ser meramente oral1. É muito importante frisar: Art. 8º CLT - As autoridades administrativas e a Justiça do Trabalho, na falta de disposições legais ou contratuais, decidirão, conforme o caso, pela jurisprudência, por analogia, por equidade e outros princípios e normas gerais de direito, principalmente do direito do trabalho, e, ainda, de acordo com os usos e costumes, o direito comparado, mas sempre de maneira que nenhum interesse de classe ou particular prevaleça sobre o interesse público. Parágrafo único - O direito comum2 será fonte subsidiária do direito do trabalho, naquilo em que não for incompatível com os princípios fundamentais deste. Uma boa defesa é aquela que traz realmente elementos de convicção ao juiz. A resposta do réu não se exaure na contestação, que é tão somente um dos “armamentos” do arsenal de “combate dialético”; há uma série de instrumentos pelos quais se poderá atacar tanto o direito material (contestação e reconvenção) quanto o direito processual3 (exceção, preliminares, impugnação do valor da causa e prescrição). Identicamente à peça
1

Recomenda-se sempre por escrito, principalmente naquelas defesas de perfil técnico mais sofisticado como a exceção e a reconvenção;
2

No que toca ao processo do trabalho, o direito comum será o código de processo civil. Porém, ressalvase que pela vetustez do diploma laboral, muitos dispositivos expressamente estabelecidos neste gozarão de redação mais moderna no CPC, devendo-se optá-la em detrimento da CLT em virtude do caráter de subsidiariedade do direito comum (ex.: caput art.475-J – Caso o devedor, condenado ao pagamento de quantia certa ou já fixada em liquidação, não o efetue no prazo de quinze dias, o montante da condenação será acrescido de multa no percentual de dez por cento e, a requerimento do credor e observado o disposto no art. 614, inciso II, desta Lei, expedir-se-á mandado de penhora e avaliação);

Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 1

cabendo à parte oferecer exceção. A petição de exceção também deverá apresentar todos os requisitos do art.) as quais poderão a posteriori ser reconhecidas ex officio pelo juiz. prescrição. por meio de exceção.1 Exceção Art. nunca se deve deixar de “atacar” o mérito da causa. suspeição. 304 CPC: É lícito a qualquer das partes arguir. pressupostos processuais. sob pena de preclusão – não se pode no momento da defesa perder a oportunidade de se aduzir ao fato. Art. DEFESA DO RÉU EXCEÇÃO CONTESTAÇÃO RECONVENÇÃO PRELIMINARES IMPUGNAÇÃO DO VALOR DA CAUSA PRESCRIÇÃO 1.840 CLT. o impedimento ou a suspeição. contado do fato que ocasionou a incompetência.282 CPC. 3 Mesmo quando for “flagrante” a aplicação de um deles. salvo nas matérias de ordem pública (ex. exceto aqueles diversamente tratados no art. ou grau de jurisdição. etc.preambular. embora os tribunais a aceitarem no bojo desta. no prazo de 15 (quinze) dias.: condições da ação. Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 2 . a incompetência. impedimentos. o impedimento ou a suspeição. O ideal é estar consignada em peça diversa da contestação em si. neste momento processual deve-se sempre minudenciar de forma “limpa” todos os argumentos do “contra-ataque” a fim de possibilitar o contraditório. 305 CPC: Este direito pode ser exercido em qualquer tempo.

No entanto. Isto não significa que serão as normas – direito material – desse local que deverão ser aplicadas. na falta.. deverá ser aplicado o CPC em conjunto com a LICC. 7 A sede da empresa tem de estar em solo nacional. intimação de testemunhas. das horas extras. Do contrário. estabelecida neste artigo. conflito. De acordo com a inteligência do Código de Processo Civil. pode-se opor três tipos de exceções: i. por gerar nulidade do processo.: existência da relação de emprego. embate.Diferentemente da petição inicial. desde que atendidos os pressupostos de conhecimento e de existência da ação. os parágrafos do dispositivo supracitado estabelecem algumas exceções: §1º .Quando for parte de dissídio5 agente ou viajante comercial. etc. e não em contraposição à modalidade coletiva dos dissídios. II CPC).301. será competente a Junta da localização em que o empregado tenha domicílio ou a localidade mais próxima6. Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 3 . Incompetência (art. 112 c/c art.113 CPC): a exceção de incompetência se aplica à incompetência relativa (incompetência territorial – art. qual seja.A competência das Juntas de Conciliação e Julgamento. já existe um número de processo. não há que falar de extinção do processo sem julgamento do mérito. 5 Vocábulo empregado em sua acepção comum. A regra geral prevê que competente para o direito processual será a vara trabalhista da localidade em que se presta o serviço – lex loci executionis – porquanto ser este o melhor lugar para se fazer prova das questões de fato4. correto é solicitar que o processo seja remetido ao juízo competente.Em se tratando de empregador que promova realização de atividades fora do lugar do contrato 4 Ex.: empresas de transporte intermunicipal. §3º . 651 CLT – pode ser prorrogada). a competência será da Junta da localidade em que a empresa tenha agência ou filial e a esta o empregado esteja subordinado e. consiste em preliminar de contestação (art. §2º . 6 Ex. No que toca àquela. porque a absoluta. estende-se aos dissídios ocorridos em agência ou filial7 no estrangeiro. desde que o empregado seja brasileiro e não haja convenção internacional dispondo em contrário. devendo o excipiente (quem argui a exceção) distribuí-la por dependência ao juízo. disputa.

314. ordenará a remessa dos autos ao seu substituto legal. no caso contrário condenará o juiz nas custas. dentro de 10 (dez) dias. estatui o diploma processual civil: Art. seja por razões objetivas. 134 e 135). achando-se impedido ou suspeito. o tribunal determinará o seu arquivamento. dará as suas razões. Suspeição (art. o juiz. ordenando a remessa dos autos ao tribunal. iii. mandando remeter os autos ao seu substituto legal. se houver. 312. Art. Verificando que a exceção não tem fundamento legal. Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 4 . mas sim e tão somente sobre a suspeição (art. seja por razões subjetivas. A petição. a qual não poderá ser jamais maculada. poderá ser instruída com documentos em que o excipiente fundar a alegação e conterá o rol de testemunhas. Impedimento (art. em caso contrário. Despachando a petição. especificando o motivo da recusa (arts. A parte oferecerá a exceção de impedimento ou de suspeição. o juiz 8 O que for melhor ao trabalhador. 135 CPC): difere-se do caso anterior por não ser absoluta. Quanto ao “rito”. do serventuário de justiça. 134 CPC– risco maior à imparcialidade): apesar da CLT não dispor textualmente sobre a matéria. acompanhadas de documentos e de rol de testemunhas.de trabalho. ii. dirigida ao juiz da causa. Devem ser provados os motivos pelos quais o juiz será suspenso de atuar no litígio – evitar julgamento parcial. do perito. Art. Em tese. 313. do intérprete ou do órgão do Ministério Público. uma interpretação sistemática corrobora perfeitamente tal arguição porquanto o “espírito” dos referidos dispositivos estarem “animados” pela primazia da imparcialidade do juiz. se reconhecer o impedimento ou a suspeição. é assegurado ao empregado apresentar reclamação no foro da celebração do contrato ou8 no da prestação dos respectivos serviços. 799 CLT).

mas por si só não defende (o réu poderá ser julgado à revelia). 2o parágrafo: explica-se a razão da incompetência. o excipiente deverá demonstrá-lo de forma sutil. requer que sejam remetidos os autos ao Egrégio Tribunal de Justiça. Sua natureza é de contra-ataque. Caso não o faça. ataca o mérito. Ante ao exposto. Parágrafo único. ou seja. nos autos da ação que move beltrano. vem opor a presente exceção de incompetência pelos fatos e fundamentos a que passo a expor: 1o parágrafo: breve resumo do que se trata a lide.473CPC). requer que seja aceita a presente exceção. conforme documentação que ora se acosta. Exemplo 2: Fulano vem. 315 CPC: O réu pode reconvir ao autor no mesmo processo. Eis que na verdade isso.deveria declarar-se de ofício. 282 CPC. em seu próprio nome.2 Reconvenção Art. Daí porque as ações terem de ser conexas e pertinentes. isso e isso. deverá também a petição da reconvenção obedecer todas as exigências do art. Não pode o réu. reconvir ao demandante pelos fatos e razões a que passa a expor. e também o porquê da sentença nesses casos apresentar duas fases: a primeira julgando a ação principal e a segunda a reconvenção. . reconvir ao autor. 1. nos autos da reclamação trabalhista que lhe promove beltrano. remetendo-se os autos ao juízo competente. anexando algum excerto jurisprudencial ou doutrinário. Visto apresentar natureza de ação.840 CLT / art. o qual contra ataca pedindo a tutela jurisdicional contra aquele. De fato. A ingressa com uma ação contra B. devendo ser protocolada em apenso à contestação (art. Caso Vossa Excelência tenha opinião diversa. Ocorre que beltrano alterou deslavadamente a verdade dos fatos. sob pena de ser considerada intempestiva em razão de preclusão consumativa (art. quando este demandar em nome de outrem. 299 CPC). Exemplo 1: Fulano. toda vez que a reconvenção seja conexa com a ação principal ou com o fundamento da defesa. Protesto pela produção de todos os meios de prova em termos de que recebe o valor da causa em tanto. Caderno do Armstrong – 9º período que – aula – 03abr12 Assim sendo. vem requerer a Vossa Excelência seja 5 julgada procedente a Página 5 presente reconvenção.

300 CPC: Compete ao réu alegar. a distribuição do ônus da prova está intimamente ligada à matéria que está sendo discutida. isto é. porém. na contestação. apresentando. expondo as razões de fato e de direito. apresentará uma série de pontos afins com a exordial. Antes de impugnar o mérito propriamente dito – fatos impeditivos. com que impugna o pedido do autor e especificando as provas que pretende produzir. Representa o avesso da petição inicial.1. na justiça trabalhista. testemunhal. Distintamente da justiça comum. Outrossim. extintivos ou modificativos do direito do autor. quem se defende não é obrigado. a informar todas as provas que pretende produzir.845 CLT9. as demais provas. se deferidas. onde o réu deverá alegar na contestação todos os fatos impeditivos.267 CPC c/c art. isto é. sob pena de serem presumidos verdadeiros os fatos narrados na inicial. Como é a primeira peça em que o réu se mostra aos autos. recomenda-se relacionar as provas cabíveis à impugnação do litígio: depoimento pessoal do reclamante sob pena de confissão. toda a matéria de defesa.3 Contestação Art. como o processo já fora distribuído ao juízo competente. Mais famosa e popular modalidade de resposta ao reclamante. Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 6 . extintivos e modificativos do direito do autor – atentar para a existência ou não de questões de cunho processual (art.301CPC – condições da ação e pressupostos processuais) as quais. 10 Negativa geral. prova pericial. etc. Por cautela. acarretarão extinção do processo sem julgamento de mérito. tem de ter o mesmo número. deve-se aduzir ponto a ponto. em sede de contestação. todavia. conforme instituído no art. 9 O reclamante e o reclamado comparecerão à audiência acompanhados das suas testemunhas. nessa ocasião. Não cabe a defesa genérica10. a princípio. além de especificar as provas que pretende produzir. esta “refletida no espelho”.

quando ocorrer confusão entre autor e réu. Il . como a possibilidade jurídica. III .quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo. Vlll .pela convenção de arbitragem.quando o juiz acolher a alegação de perempção. Vl . o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. IV . não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. nos casos dos ns. quanto ao no III. 267 CPC: Extingue-se o processo.quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal. a legitimidade das partes e o interesse processual. 28). o arquivamento dos autos. § 1o O juiz ordenará. Vll . quanto ao no II. XI . II e III.quando.quando não concorrer qualquer das condições da ação.quando o autor desistir da ação. por não promover os atos e diligências que Ihe competir. o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias.quando o juiz indeferir a petição inicial. X . se a parte. litispendência ou de coisa julgada. intimada pessoalmente.quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes. V . declarando a extinção do processo. Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 7 .nos demais casos prescritos neste Código. as partes pagarão proporcionalmente as custas e. IX .Art. § 2o No caso do parágrafo anterior. sem resolução de mérito: I .

todavia.282 CPC.coisa julgada: existência de outra ação com idêntica (mesmas partes. III . obviamente.inépcia da petição inicial (ver art. impedirá o contraditório. se o réu comparecer à audiência. visto que.114 CRFB as quais impedirão. IV – perempção: instituto que prevê extinção de um processo judicial em virtude de seu abandono – ver art. por se aplicar o art. caso a ação seja julgada procedente por revelia em decorrência do réu não ter sido notificado. Importante ainda ressalvar que o mero fato de ser ininteligível o conteúdo da peça preambular.inexistência ou nulidade da citação: de aplicação “delicada” no processo do trabalho. 731 c/c art. desistir da ação. a nulidade da citação poderá ser suprida. mesma causa de pedir e mesmo pedido) e que já recebera provimento de mérito. da matéria constante dos ns. enquanto não proferida a sentença de mérito.incompetência absoluta: bastante mais gravosa do que a incompetência relativa (territorial) já comentada anteriormente. Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 8 . sem o consentimento do réu. Representa afronta às hipóteses de competência material estabelecida no art. antes de discutir o mérito. por si só já serve como arrazoado de defesa – inépcia com relação direta à impossibilidade de defesa. isto não garante.840 CLT em ascendência ao art. V e Vl. IV. V – litispendência: ver § 1o do art. Entretanto. Art. porém. em absoluto.732 CLT. 485 CPC) e a ação anulatória – declaratória de ato inexistente. 295 CPC): os requisitos na justiça do trabalho serão mais brandos do que na justiça comum. o prosseguimento da ação – extinção sem julgamento de mérito. o que. Vl . responderá pelas custas de retardamento. 301 CPC: Compete-lhe. II . alegar: I . que a coisa julgada não esteja sujeita a desconstituição. na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos.§ 3o O juiz conhecerá de ofício. O mesmo sistema que garante esta imutabilidade prevê hipóteses excepcionais para sua desconstituição: ação rescisória (art.301 CPC. o réu que a não alegar. em qualquer tempo e grau de jurisdição. o autor não poderá. caso acolhidas. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta.

quando se reproduz ação anteriormente ajuizada. Todavia.falta de caução ou de outra prestação. VIII . há coisa julgada. O sentido é o de que uma decisão judicial poderia conflitar com a outra. IX . não pode esta ser chamada a responder por uma ação onde se pleiteia rescisão do contrato com a devolução de valores trabalhistas não pagos Tem-se. pugna a ré pelo acolhimento da presente PRELIMINAR DE LEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM. a Empresa X é completamente diversa da ré. mesmo que o juiz se debruce Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 9 . se acolhidas. o juiz conhecerá de ofício da matéria enumerada neste artigo. o réu deve entrar no mérito da sua defesa. Ante ao exposto. Assim. §4o Com exceção do compromisso arbitral. que a lei exige como preliminar: em sede de justiça trabalhista. mas sim a respeito de cobrança de multa em razão de fiscalização trabalhista em que a empresa solicite que a punição pecuniária seja extinta. Já na continência. defeito de representação ou falta de autorização: reclamante incapaz para litigar. quando se repete ação. Xl . portanto. X . existem ainda questões as quais.267 do Código de Processo Civil. A doutrina faz menção a tal hipótese em ações não entre empregado e empregador. com a conseguinte extinção do processo sem julgamento de mérito. Exemplo 3: Conforme a própria autora afirmara às folhas tais. de que não caiba recurso. §2o Uma ação é idêntica à outra quando tem as mesmas partes. §1o Verifica-se a litispendência ou a coisa julgada. são raríssimas.convenção de arbitragem. a mesma causa de pedir e o mesmo pedido. quando se repete ação que já foi decidida por sentença.carência de ação. que está em curso.VII – conexão: duas distintas ações ajuizadas com mesma causa de pedir e mesmo objeto. §3o Há litispendência. uma ação abarca a outra. que esta ré configura parte ilegítima para figurar no polo passivo da presente ação.incapacidade da parte. nos moldes do art. Superadas todas as questões processuais.

quando o réu reconhecer a procedência do pedido. numa sequencia facilmente inteligível. Após a descaracterização. coesa e objetiva. uma a uma. Pelos princípios da concentração e da eventualidade. Uma técnica bastante útil é a abordagem por tópicos. V . desmistificar.quando o autor renunciar ao direito sobre que se funda a ação.quando o juiz pronunciar a decadência ou a prescrição. Interessante é a questão do prazo para o reclamante solicitar por meio judicial seus direitos creditícios trabalhistas: dois anos “para frente” (findo o contrato). e cinco anos “para trás” (durante a vigência contratual). este também será o momento apropriado. Em relação à documentação. prejudicarão o restante da análise deste com a consequente extinção do processo (com julgamento de mérito – art. o réu deverá fazer seu “pedido”. desde que não recaiam em contradição lógica. Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 10 .quando o juiz acolher ou rejeitar o pedido do autor.sobre o mérito. o réu tem de esclarecer sua versão da realidade fática. sob pena de serem tidos por verdadeiros. ainda que de forma sintética.quando as partes transigirem. o demandado poderá tecer sua trama com todas as alegações possíveis. recomenda-se numerar cada um dos documentos.269 CPC – prejudicial de mérito). A partir de então. todos os documentos acostados precisarão ser minuciosamente explicados ao juiz. ponto a ponto. A fim de facilitar a visualização do leitor da contestação. Neste momento também deve-se aduzir à prescrição – prejudicial de mérito. 269 CPC: Haverá resolução de mérito: I . Art. clara. hora oportuna de solicitar uma possível compensação (art. Caso o demandado pretenda requerer condenação por litigância de má-fé. a tese autoral (antítese do demandado – dialética processual). Inicialmente. das proposições contidas na tese do demandante. Inclusive. Somente então. IV . II . III .368 CC) em razão de prévio adiantamento de salário. da mesma forma que na inicial. dever-se-á entrar no cerne meritório. a missão consiste em tentar impugnar. inclusive impugnar os documentos trazidos como prova pelo reclamante.

A indicação do valor da causa é importante para efeito de alçada11 – fixação do procedimento a que será submetida a demanda. Deve ser entregue simultaneamente à contestação. mas sim de mera indenização (ver art. 205 c/c art. Exemplo 4: Eminente magistrado. documental superveniente (suplementar). o patrão poderá alegar “direitos creditícios” contra o ex-funcionário sem delimitação de interstício temporal.584/70 – dispõe sobre normas de Direito Processual do Trabalho. requer a ré que seja julgado improcedente em sua integralidade os pedidos cumulados pelo autor. eis que o demandante altera deslavadamente a realidade dos fatos. etc. Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 11 .258. 1. Na justiça do trabalho não existe competência definida em razão de determinado valor da causa. Protesta pela produção de todos os meios de prova em direito admitidos. se a defesa também optar por reconvir. até o limite de dois anos após a extinção do contrato de trabalho. de acordo com o valor de uma causa. onde se consta tal e tal. disciplina a concessão e prestação de assistência 11 termo jurídico: limite da competência de um juiz ou tribunal para. mediante utilização do Poder Judiciário de forma vil e vulgar. ora acostados.Art. em especial pela documental. ante ao exposto. mas de relevante importância. com prazo prescricional de cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais. com vistas ao enriquecimento sem a devida causa. Requer ainda a condenação do autor nas penalidades por litigância de má-fé nos termos do art. Segundo a lei 5. testemunhal. caso Vossa Excelência possua entendimento diverso e resolva prosseguir no mérito da ação.17CPC. 206 do Código Civil – direito comum é sempre subsidiário). ao menos em teoria. Numa inicial trabalhista a fixação da alçada não se constitui como obrigação do postulante visto não a tornar inválida. o reclamado não consta nessa previsão. pericial contábil. 7º inciso XXIX CRFB: Ação. não se trata de crédito trabalhista. no bojo desta ou em peça distinta. Conquanto estar relacionada ao trabalho. há repercussão sobre a especificação do rito procedimental a ser eleito. Contudo. Não obstante.4 Impugnação ao Valor da Causa (ver art. especialmente em razão dos documentos tais. ou seja.259 e 261CPC) Outra questão bastante negligenciada. conhecê-la e julgá-la sem recorrer a outro órgão. altera dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho. quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho.

Em tese. 13 Nomenclatura criticada por boa parte da doutrina. 12 Nomenclatura inexistente na lei 5. Por fim. na realidade. Ocorre que ao se aplicar as regras do CPC o valor da causa teria de ser Y. Se o reclamante não arbitra o valor da causa. condenação não está às adstrito valor atribuído à causa. os incidentes de impugnação do valor da causa também são admitidos na justiça trabalhista.584/70. o mesmo dera X ao valor da causa. aqui o pedido deverá ser liquidado. na trabalhista não existem os Vale lembrar que. o procedimento na justiça do trabalho é mais informal e célere do que o da justiça comum. Havendo dúvidas por parte do advogado. e dá outras providências – nas causas até dois salários mínimos o procedimento é o sumário12 que não autoriza a interposição de recurso ordinário. isto é. ou seja. Estão excluídas do procedimento sumaríssimo as demandas em que é parte a Administração Pública direta. serve sim à ou fixação das despesas processuais. Até 40 salários mínimos. a própria vara trabalhista é quem apreciará e julgará tanto o Fulano vem. ou seja. ressalva-se que valor da concedida folhasao tais pelos fatos e fundamentos que passa a expor. a alcunha é originária da doutrina. Caderno do Armstrong – 9º período – aula 5 – 03abr12 Página 12 . impugnar o valor da o causa procedimento sumário quanto o sumaríssimo. a fixação do valor de alçada. a 1ª instância exaure a prestação jurisdicional. 14 Apesar de serem incomuns. cálculo dos valores resilitórios. diferentementeExemplo da justiça juizados especiais. Diante do exposto.852-A CLT: Os dissídios individuais cujo valor não exceda a quarenta vezes o salário mínimo vigente na data do ajuizamento da reclamação ficam submetidos ao procedimento sumaríssimo. Nas reclamações submetidas a este rito o pedido deverá ser liquidado. Parágrafo único.yy O autor pede isso aquilo.judiciária na Justiça do Trabalho. ao causídico incumbe “fazer as contas” e especificar os valores no corpo da peça preambular. basta estipular o valor de alçada acima deste teto – procedimento ordinário. venho requerer que Vossa Excelência reconheça em Y tal valor e julgue procedente a presente impugnação. este poderá posteriormente ser atribuída pelo juiz14. 5: comum. nos autos da ação que move beltrano. pode-se adotar o procedimento sumaríssimo13: Art. assim como ocorre na justiça estadual e na federal. Entretanto. autárquica e fundacional. em essência. Contudo.