You are on page 1of 235

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

BENS PÚBLICOS .......................................................................................................................... 4 1) 2) 3) 4) 5) Conceito: ........................................................................................................................... 4 Classificação: ..................................................................................................................... 5 Regime Jurídico dos Bens Públicos:................................................................................... 7 Formas de Aquisição de Bens Públicos: .......................................................................... 11 Formas de Uso de Bens Públicos:.................................................................................... 12

6)Finalidade Natural do Bem ................................................................................................. 14 7)Autorização de Uso de Bem Público .................................................................................... 16 8)Permissão de Uso de Bem Público ....................................................................................... 16 9)Concessão de Uso de Bem Público ...................................................................................... 17 10)Bens Pertencentes à União ................................................................................................ 19 INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE PRIVADA ....................................................... 26 1)Limitação Administrativa ..................................................................................................... 29 2)Servidão administrativa ....................................................................................................... 30 3)Requisição ............................................................................................................................ 33 4)Ocupação Temporária.......................................................................................................... 34 5)Tombamento........................................................................................................................ 35 6)Desapropriação .................................................................................................................... 42 6.1. 6.2. Competência ........................................................................................................... 42 Desapropriação – Cinco Elementos:........................................................................ 44

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

1

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi 6.3. Modalidades ............................................................................................................ 46

7)Procedimento Administrativo .......................................................................................... 61 7.1. 7.2. Fase Declaratória ................................................................................................. 61 Fase Executiva ..................................................................................................... 63

Direito de Extensão................................................................................................................... 70 Tresdestinação.......................................................................................................................... 71 Retrocessão .............................................................................................................................. 71 CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO............................................................................................. 73 PROCESSO ADMINISTRATIVO .................................................................................................. 94 RESPONSABILIDADE CIVIL ...................................................................................................... 115 LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA (8.429/92) ............................................................ 122 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. Conceito de Probidade .................................................................................................. 122 Conceito de Improbidade.............................................................................................. 122 Fundamento da Improbidade ....................................................................................... 124 Importância da Lei de Improbidade .............................................................................. 127 Natureza Jurídica do iIícito de Improbidade ................................................................. 129 Sujeito ativo e passivo ................................................................................................... 133 Ato de improbidade ...................................................................................................... 139 Sanções aplicáveis (art. 12) ........................................................................................... 142 Ação de improbidade administrativa ............................................................................ 148

REGIME JURÍDICO DOS SERVIDORES DA UNIÃO - LEI nº 8.112/90 ..................................... 151 1) 2) 3) 4) Introdução ..................................................................................................................... 151 Conceitos de Servidor e Cargo: ..................................................................................... 156 Cargo Público................................................................................................................. 158 Formas de Provimento e de Vacância Dos Cargos Públicos:......................................... 178

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

2

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi 5)Regime Disciplinar dos Servidores: .................................................................................... 201 CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS .................................................................................................. 217 1) 2) 3) Introdução: .................................................................................................................... 217 Convênios: ..................................................................................................................... 219 Consórcios Públicos (Lei 11.107/05): ............................................................................ 227

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

3

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. é aquele que pertence à pessoa jurídica de direito público ou está afetado à prestação de serviço público (são pessoas jurídicas de direito público os entes da administração direta.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Como tudo em direito administrativo. enquanto outros autores entendem que podem ser feitos por lei ou ato administrativo autorizado em lei. agências executivas.com/ Contato: chenqs. consórcios públicos com personalidade jurídica de direito público). Afetação tem o significado de destinação.blogspot. as fundações públicas.hondey@uol. as autarquias. Há ainda quem entenda que possa ser feita por lei. Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 4 . não há um conceito unânime.com. ato administrativo autorizado por lei ou fato administrativo. as agências reguladoras. alguns autores dizem que somente podem ser feito por meio de lei.

1 Esse critério não é muito utilizado em Direito Administrativo.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. estão no artigo 20 da CRFB/88. sendo esse rol exemplificativo. estão no artigo 26 da CRFB/88. o de forma geral. submeter à sua vontade todos os bens localizados em seu território.com.blogspot.br 5 . Acesse: http://materiaisparaconcursos. permitindo potencial. sendo também esse rol exemplificativo.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi segue o mesmo entendimento da afetação ou consagração. sendo mais utilizado em Direito Constitucional. poder político conferido ao Estado. É como se fosse uma disponibilidade : refere-se a bens que o Estado já tem o bem já está dentro do patrimônio.hondey@uol.com/ Contato: chenqs.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. em regra. por via de exclusão.br 6 . e bem dominical é uma espécie de bem dominial. mas seria possível cobrar? Sim. Acesse: http://materiaisparaconcursos. ou seja. Note-se que o jardim do cemitério é bem de uso comum do povo. José Cretella diferencia os dois.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi os bens municipais devem ser visualizados. o uso pode ser gratuito ou oneroso (exemplo de uso oneroso seria a questão da zona azul. uma vez que bens dominiais são sinônimos de bem público. mares. e são bens de uso especial.com. Os cemitérios.: praças. referem-se às covas. em si. bens dominicais e bens dominiais são sinônimos. o poder público pode regulamentar o uso. são utilizados como estabelecimento dos entes públicos ou estão afetados à prestação de um serviço público. rios. As terras ocupadas pelos índios são consideradas bens de uso especial (preservação da cultura indígena). bens de uso indiscriminado por qualquer pessoa do povo. cobrança de pedágios nas rodovias). só são 2 Para a esmagadora maioria da doutrina.blogspot.com/ Contato: chenqs. Ex. no entanto. O uso gratuito é a regra. são os desafetados.hondey@uol. Tais bens não admitem exclusividade e privilégios no seu uso. uma vez que a Constituição não trouxe a lista de bens municipais.

br 7 . inalienabilidade e não-onerabilidade3.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi bens públicos porque pertencem ao patrimônio público. nenhuma das três espécies de bens públicos (de uso comum/de uso especial/dominicais) podem ser usucapidas. quando cumprido os 3 Essa característica é um pouco controvertida na doutrina. identificamos o regime jurídico de cada bem (regime jurídico é o conjunto de normas e princípios que regem determinado instituto ou ramo do Direito).hondey@uol. não tendo destinação.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. O Estatuto da Terra traz uma espécie de legitimação de posse pelo caráter social.blogspot. impenhorabilidade. Identificando determinado bem como público ou não. O regime jurídico dos bens públicos se caracteriza pela imprescritibilidade. não podem ser adquiridos por usucapião”. significando que bens públicos não podem ser usucapidos (usucapião é forma de prescrição aquisitiva). Acesse: http://materiaisparaconcursos. Portanto.com/ Contato: chenqs. como os demais bens públicos.com. Os bens públicos não podem ser usucapidos. A Súmula 340 do STF diz que “desde a vigência do código civil os bens dominicais. mas o Poder Público pode usucapir. a imprescritibilidade é absoluta.

O art. Deve-se ressaltar que. Nesse sentido: súmula 655 do STF e súmula 144 do STJ.br 8 . é muito semelhante ao precatório. a impenhorabilidade á absoluta.000. os bens públicos não podem ser objeto de penhora. porém. §3º. 34. pagamento de precatório fora da ordem pode gerar sequestro (art. há outra forma de pagamento: No art. 35. A não inclusão de verbas necessárias ao pagamento de precatórios não leva a nada (STF. costuma andar um pouco mais rápido). A SÚMULA 733 DO STF “não cabe recurso extraordinário contra a decisão 4 O artigo 100. mas sujeitam-se à outra ordem. Segunda a doutrina. De acordo com a Constituição. I). e art. sendo o teto de 60 salários mínimos (que na verdade. além do sistema de precatórios.842.hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi requisitos: área máxima de 100 hectares + moradia permanente no imóvel + cultivo da terra + não ser proprietário de outro imóvel rural.com/ Contato: chenqs. mas tal entendimento não prospera. 78 da ADCT trouxe a possibilidade de parcelamento de precatório em até 10 anos. 100. Na esfera federal. VI. 100 da CRFB/884).blogspot. com sua redação. os precatórios pendentes até a data EC 30/2. Acesse: http://materiaisparaconcursos. não à ordem dos créditos comuns. fala-se da possibilidade de se pagar de forma diferente os débitos de pequeno valor.com. os pagamentos de valores menores são feitos pelo que chamamos de RPV (Requisição de Pequeno Valor). Reclamação 1. §2º). A redação do artigo buscou evidenciar que os créditos alimentícios são pagos pelos precatórios. 100. O não pagamento do precatório pode levar à intervenção (art.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Deve haver Lei regulamentando esses débitos de pequeno valor. Relator Ministro Maurício Corrêa). dá de entender que os créditos de natureza alimentícia não se sujeitam ao sistema de precatórios. O poder público paga seus débitos oriundos de decisões judiciais através do regime de precatórios (art.

a inalienabilidade é relativa.com. deve-se saber se serão tratados de bens móveis ou imóveis: deve haver presença de interesse público devidamente justificado + avaliação prévia + autorização legislativa caso o imóvel pertença a alguém da administração direta ou pertença à autarquia ou ainda à Acesse: http://materiaisparaconcursos. O restante. ou seja. e não jurisdicional. uma vez que estes já encontram desafetados. Para se alienar bem público. mas os bens dominicais não estão sujeitos á desafetação. §5º) segundo a doutrina. 225. Em regra. O STF decidiu que não se cobra juros de mora entre a data da expedição e o pagamento do precatório (AI. devem ser cumpridos alguns requisitos: somente os bens especiais e os de uso comum podem ser desafetados.com/ Contato: chenqs.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. condicionada.779) quando este pagamento é efetuado dentro do prazo dado na própria Constituição.br se 9 . trata-se de inalienabilidade relativa. bem público não pode ser alienado. pois esta decisão tem natureza administrativa. Há uma previsão constitucional em que se trata de inalienabilidade absoluta (art.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi proferida no processamento de precatórios”. 492.blogspot. mas em algumas situações isso pode acontecer.hondey@uol.

636/98) + licitação (modalidade concorrência5). IV (prestação de garantias às operações de crédito por antecipação de receita) e artigo 167.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. devendo ser observadas as regras de licitação).br 10 . hipoteca.hondey@uol. precisa de autorização do Presidente da República (art. 23 da lei 9. alguns autores entendem que essa característica não tem razão de existir. deve haver presença de interesse público devidamente justificado + avaliação prévia + licitação (a lei não diz qual modalidade. 5 Alguns imóveis podem ir a leilão (os imóveis oriundos de procedimento judicial ou dação em pagamento). Acesse: http://materiaisparaconcursos. Bem público não pode ser objeto de penhor.com. §4º (é permitida a vinculação de receitas próprias dos impostos para prestação de garantia ou contra garantia à União).ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi fundação pública + se bem da União. anticrese.com/ Contato: chenqs.blogspot. As exceções estão previstas no artigo 167. uma vez que ela na verdade é consequência da impenhorabilidade.

18 da lei 8. 91.hondey@uol. Também podem ser adquiridos por desapropriação. A perda de bens pode gerar a aquisição de bens públicos (ex. em regra. Também é possível a aquisição através da arrematação. prévia dotação orçamentária.blogspot. os bens vão para o Município. porém. Mesmo que os contratos em regra se sujeitem a direito privado.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Acesse: http://materiaisparaconcursos.com. II do CP. em algumas peculiaridades seguem as regras de direito público (licitação.br 11 .).429/92). Ainda pode-se adquirir pela adjudicação. 6 Quando a pessoa morre e não deixa herdeiros.987/95). etc. Acessão também é forma de aquisição. Adquire-se bem público também pela reversão (art.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Os contratos. são formas de aquisição de bens públicos.: art. Bens públicos ainda podem ser adquiridos por usucapião. Consegue-se adquirir bens públicos através de loteamentos (lei 6.766/79). A aquisição pode ser através de aquisição causa mortis6. §1º da lei 8. 35. nada impede que o de cujus deixe em testamento os bens para o Estado ou para a União. art.com/ Contato: chenqs.

ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Confisco também gera aquisição de bens públicos (art. Acesse: http://materiaisparaconcursos. não havendo prejuízo ao uso normal (ex.hondey@uol.br 12 .com/ Contato: chenqs. O uso pode ser: uso em acordo com a destinação principal do bem.: fechamento de rua para festa). mas não trata-se de uso incompatível. uso em desacordo com a destinação principal do bem.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot. 243 da CRFB/88).com.

é necessário um título jurídico (autorização para uso de bem público. concessão de uso de bem público. concessão de direito real de uso de bem público. Ato administrativo. Ato administrativo.blogspot. Interesse particular + coletivo.com. Não importa se o interesse é particular ou não. de forma especial.hondey@uol. Para que se faça o uso de forma privativa. não se tratando de alguém em especial. todos podem usar o bem. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Não precária.: Tribunal concede uma sala para uso da procuradoria). Precária.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi O uso ainda pode ser: é pessoa determinada que vai usar esse bem (ex. Interesse particular. concessão de uso especial para fins de moradia.: Box em mercado). Contrato administrativo. permissão para uso de bem público. cessão de uso7).br 13 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Precária. 7 Esta está mais para a colaboração (ex.com/ Contato: chenqs.

sendo a precariedade um pouco atenuada. precisaremos de consentimento.blogspot. 9 No caso de autorização por tempo determinado. Gratuita ou onerosa. Gratuita ou onerosa. Gratuita ou onerosa. Quando o bem é utilizado de forma normal.com/ Contato: chenqs.com. o particular tem certa estabilidade. É contrato. Se fugirmos do padrão normal. etc. Licitação será feita sempre que possível. devendo. lanchonete em rodoviária. portanto ser por prazo determinado.hondey@uol. 10 O mesmo se aplica em relação à autorização por tempo determinado. Pode ser por prazo determinado (permissão condicionada10) ou indeterminado Deve ser feita licitação8. não se precisa do consentimento ou autorização do Estado.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Acesse: http://materiaisparaconcursos. 8 Ex. Pode ser por tempo determinado (autorização qualificada9) ou por temo indeterminado.br 14 .ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Não há necessidade de se fazer licitação.: Restaurante em aeroporto.

br 15 . Inexiste gravame.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.·. qualquer condição especial. Utilização gratuita. O bem está à disposição da coletividade/sociedade para utilização gratuita. Este pedaço da rua não está para uso da generalidade. Pedágio. Estacionamento Estar. Generalidade: Utilização comum do bem.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Utilização diferenciada.com/ Contato: chenqs. Ex. Três são as formas mais comuns Autorização de Uso Permissão de Uso Acesse: http://materiaisparaconcursos.com.hondey@uol.blogspot.: Teatro. Ex. REMUNERADA Só vai usar quem tiver capacidade financeira para pagar a conta. Uso da coletividade/sociedade.: festa no meio da rua. PRIVATIVA Utilizada pelo sujeito como se fosse um bem particular e restringe-se a utilização geral.

particular.br 16 .com/ Contato: chenqs. fechamento de rua para uma festa. Concedida no interesse público e no interesse privado. continuamente.com.hondey@uol. O Estado pode desfazer. É concedido de acordo com a conveniência e oportunidade do interesse público. no interesse do Não pode prejudicar o interesse público.: micareta. Ex. retomar. Ato Discricionário.blogspot. de forma unilateral. Ato Unilateral A Administração concede sozinha. que não se repetem todos os dias. Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Concessão de Uso Utilizada para eventos ocasionais e temporários. Realiza-se no interesse privado. sem obrigatoriedade de indenizar.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.

Ninguém vai colocar seu investimento em ato precário. prazo determinado.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. É uma situação mais permanente. com mais investimento. Ex. Feita por meio de Ato Unilateral. Feita no interesse público.: banca de revista na calçada. Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot. Constituída por meio de contrato administrativo.hondey@uol. Permissão de serviço é CONTRATO. sem desconforto. mas que podem ser desconstituídas com facilidade. Se for contrato administrativo. Não tem interesse privado na jogada. Mais segurança para o particular. Situações mais definitivas.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Utilizada para situações que se repetem a cada dia. tem que indenizar. Situações mais definitivas. que pode ser desfeita com mais facilidade. permanentes. sem muito drama. retomada antes do prazo gera indenização. discricionário e precário. tem licitação. para desfazer.com.com/ Contato: chenqs.br 17 .

: telefone público.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. hospital público. O administrador escolhe se será Concessão ou Permissão. empresa privada. Dentro dessa utilização especial privativa.hondey@uol. barraca de praia (maioria dos casos). Não há um rigor em ser concessão.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Contrato Administrativo:  Licitação  Prazo determinado  Rescisão antecipada: indenização Ex.: restaurante em repartição. Ex. Ex.com/ Contato: chenqs. Acontece no caso em que tanto o particular quanto o Estado utilizam o bem ao mesmo tempo. como locação. Pertence a uma concessionária. e também ao Estado. arrendamento. universidade pública.br 18 . também é possível utilizar institutos de direito privado. Acesse: http://materiaisparaconcursos.com.blogspot.: placas nas casas com nomes das ruas. Vem sendo muito utilizada no Brasil a partir das concessões.

não tem registro. ficou sem dono após os particulares terem se apropriado das terras que sobraram com o fim das Capitanias. II as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Estão arrolados no art. definidas em lei. Não discriminação. das fortificações e construções militares. Expressão que surgiu no Brasil a partir do fim do regime das Capitanias Hereditárias. das vias federais de comunicação e à preservação ambiental.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot. são discriminadas. demarcadas. São bens da União: I os que atualmente lhe pertencem e os que lhe vierem a ser atribuídos.br 19 . o que sobrou.com. Significa terra sem dono.hondey@uol. 20. em rol exemplificativo: Art.com/ Contato: chenqs. Acesse: http://materiaisparaconcursos. 20 da CF.

Só serão da União nas hipóteses específicas do artigo 20. II. excluídas aquelas sob domínio da União. as ilhas oceânicas e as costeiras. Acesse: http://materiaisparaconcursos. A ideia é evitar conflitos entre os Estados. bem como os terrenos marginais e as praias fluviais. Segurança nacional. ou que banhem + de 1 Estado*. Municípios ou terceiros. as praias marítimas. V os recursos naturais da plataforma continental e da zona econômica exclusiva. excluídas.com/ Contato: chenqs.blogspot. que estiverem no seu domínio. as que contenham a sede de Municípios.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 26. 26. e as referidas no art. III os lagos. VI o mar territorial. destas. exceto aquelas áreas afetadas ao serviço público e a unidade ambiental federal. sirvam de limites com outros países. as terras devolutas pertencem aos Estados (art.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Normalmente. Incluem se entre os bens dos Estados: II as áreas.hondey@uol. nas ilhas oceânicas e costeiras. Art. 26). ou se estendam a território estrangeiro ou dele provenham**. IV as ilhas fluviais e lacustres nas zonas limítrofes com outros países.br 20 .com. rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio.

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

VII

os terrenos de marinha e seus acrescidos;

VIII IX

os potenciais de energia hidráulica; os recursos minerais, inclusive os do subsolo;

X as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológicos e pré históricos; XI as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios.

§ 1º É assegurada, nos termos da lei, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, bem como a órgãos da administração direta da União, participação no resultado da exploração de petróleo ou gás natural, de recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica e de outros recursos minerais no respectivo território, plataforma continental, mar territorial ou zona econômica exclusiva, ou compensação financeira por essa exploração.

§ 2º A faixa de até 150 quilômetros de largura, ao longo das fronteiras terrestres, designada como faixa de fronteira, é considerada fundamental para defesa do território nacional, e sua ocupação e utilização serão reguladas em lei.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

21

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

NÃO. Não é da União! A União apenas disciplina sua utilização e ocupação. Pode ser requisitada.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

22

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

Linha do Mar territorial – 12 milhas do continente – Bem da União (tudo ali é dela). Faixa da união, o Estado exerce seu domínio, controle, passagem. Conforme vai entrando em alto mar, este poder vai sendo reduzido.

– até 24 milhas do continente. O Brasil já não tem mais o domínio geral, mas exerce o Poder de Polícia. Não manda, não tem o domínio como tinha no mar territorial. Ex: controla a passagem de navios estrangeiros, a exploração.

– sai do mar territorial e vai 200 milhas em direção a alto mar.

é terra de ninguém, é res nullius. O Brasil não exerce qualquer poder. Pertencem à União os recursos naturais.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

23

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

Nas primeiras 12 milhas (Zona contígua), exerce o Poder de Polícia. Após as 12 primeiras milhas, não exerce mais Poder de Polícia.

O que está embaixo d’água é chamado de , que também tem os recursos naturais da União.

No continente, há o União. Demarcado no século anterior, mais ou

, propriedade da menos em 1.850.

Corresponde a 33 metros a contar da pré-amar média a contar do continente. Pré-amar média é a média da maré alta.

Como a demarcação da faixa de marinha é muito antiga, o particular a utiliza por meio do instituto da enfiteuse.

Para

uma

melhor

visualização

desses

conceitos,

veja

as

ilustrações abaixo:

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

24

hondey@uol.com.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 25 .com/ Contato: chenqs.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol. 5º. XXII e XXIII. da CF: XXII . Então. A parte de direito processual é estudada em Processo Civil.A propriedade atenderá a sua função social.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi DESAPROPRIAÇÃO É O ASSUNTO QUE MAIS CAI!! Vamos estudar a parte de direito material.blogspot. tem que ser bem fundamentada. Propriedade é o direito de usar. dispor e reaver o bem com quer que ele esteja. gozar. não pode acontecer sempre. Apenas excepcionalmente. o Estado intervirá no direito de propriedade A intervenção é sempre tratada como uma intervenção. Acesse: http://materiaisparaconcursos. bem justificada. Isso porque o direito de propriedade é garantido no art. usufruir.com/ Contato: chenqs.com.br 26 . XXIII .É garantido o direito de propriedade.

mas não perde o direito de propriedade. mas não toma o direito. o proprietário usa só.hondey@uol. Sofre a intervenção.br 27 .com/ Contato: chenqs.blogspot. Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Exercido no caráter absoluto. mas não vai tomar a propriedade do particular. A intervenção na propriedade é uma intervenção em um desses direitos. restringem o direito. Não vai retirar o direito.com. A única hipótese em que o dono deixa de ser dono é a DESAPROPRIAÇÃO (modalidade supressiva). sozinho. liberdade que o proprietário exerce sobre o seu bem. exclusivo. Cada intervenção atinge determinado(s) caráter da propriedade. faço o que quiser. O proprietário continua dono. perpétuo. ela é minha enquanto eu quiser. enquanto esta for minha vontade. normalmente. O Estado intervém nessas características. essas três características estão presentes concomitantemente. Na minha propriedade.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.

PRÁTICA DE ILEGALIDADE Ex. Acesse: http://materiaisparaconcursos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Quando uso cada uma. explorar trabalho escravo. restringir.: plantar Psicotrópicos proibidos na sua propriedade.blogspot. O fundamento da intervenção na propriedade privada é o poder de polícia.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Poder de Polícia é o limitar.·. frenar a atuação do particular a bem do interesse público.hondey@uol.com. e se há dever de indenizar. SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO Pensou em intervenção.br 28 .com/ Contato: chenqs. Poder de Polícia é fundamento para todas as modalidades de intervenção. Poder de polícia é fundamento de limitação. verifico qual o caráter que está sendo atingido. pensa em supremacia.

Atinge o caráter absoluto.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Quando o poder público limita.·. Se constitui obrigação para construções que já existe. restringe o direito de construir. Normalmente. restringe a liberdade. O fundamento é o exercício do poder de polícia. pode até gerar dever de indenizar.hondey@uol. Atuação em caráter geral. Ex.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.: edifícios à beira mar. A regra é abstrata.com/ Contato: chenqs. quando produz efeitos prospectivos! Como regra. não gera dever de indenizar.br 29 . Normas gerais . Normas de caráter geral e abstrato.com.proprietários indeterminados. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Regra é que produz efeitos para o futuro.blogspot. Não. é possível construir até 6 andares.

da servidão.· Depende de transcrição no registro do imóvel. Pode ser constituída por lei. é causa de extinção do instituto. normalmente. Pode ser constituída pelo registro. Se o ente que constituiu a servidão adquirir o bem. a diferença é o interesse protegido.br 30 . é com o registro. LIMITAÇÃO ADMINISTRATIVA tem por base o interesse público. Pode ser constituída por decisão judicial. Decorre de um acordo e vamos proceder ao registro. Acesse: http://materiaisparaconcursos.hondey@uol.com. São Basicamente.blogspot.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Existe diferentes. Para formalizar. Constitui direito real sobre coisa alheia. Tem que averbar na escritura do imóvel a existência da servidão.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. limitação civil e limitação administrativa. CIVIL: relação privada como base. Deve haver o registro.com/ Contato: chenqs. O acordo depende do registro.

se não causar dano.· Se causar prejuízo. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Vai existir enquanto essa for a vontade do Estado.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot.·. Constituída com objetivo de prestar serviços públicos ou utilidade pública. Depende de autorização legislativa específica.com. não há dever de indenizar. A simples servidão. É perpétuo. como energia elétrica. saneamento básico. sim! Se não causar prejuízo.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi O direito real depende de registro. Atinge o caráter exclusivo da propriedade. Presente este. enquanto este for o interesse público. não gera dever de indenizar. porque o entendimento é que uma lei dá muito mais publicidade do que o registro.br 31 . porque o objetivo é proteger terceiros de boa fé e dar publicidade. a servidão deve ser mantida. Não.

Na servidão Administrativa: relação de dominação entre um serviço/utilidade pública (dominante) sobre o bem (serviente).DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. há dever de indenizar. O dono continua dono. O Estado simula uma intervenção restritiva. vamos utilizar junto com ele.com. Mas limita todo o caráter da propriedade. uma servidão.blogspot. restritiva da propriedade.br 32 .hondey@uol. Ex. para não arcar com a desapropriação. No Direito Civil: relação de dominação de um bem (bem dominante) sobre outro (bem serviente). é muito comum na prática. Tanto a servidão civil quanto a administrativa são constituídas com uma relação de dominação. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Vamos atingir o caráter exclusivo.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Se houver dano efetivo.com/ Contato: chenqs.: torres de alta tensão.

Alguém vai utilizar junto com você. será mesmo de requisição.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Se eu puder devolver outro. Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 33 .com.blogspot. na mesma qualidade e quantidade.hondey@uol. Depende: Bens infungíveis: desapropriação! Se os bens forem móveis e fungíveis. depois indeniza.com/ Contato: chenqs. Pode acontecer em tempo de guerra ou tempo de paz. diante dos últimos fatos. Atinge o caráter exclusivo da propriedade.·. Primeiro usa.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi FUNDAMENTO: iminente perigo! Este assunto vai cair. é requisição. depois devolve. Indenização apenas se houver dano. Indenização ulterior.

1. Art.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Pode acontecer em duas hipóteses diferentes.hondey@uol.Imóvel vizinho à obra pública para guardar os materiais da obra Complementa a desapropriação.2.1. 4.br 34 .1. 36 – hipótese expressa.blogspot. 4.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. ajuda na construção de obra pública. Esta hipótese depende de o imóvel não estar edificado. Esta é a hipótese que mais cai em concurso.com.com/ Contato: chenqs.Pesquisa: Minério & Arqueológica – Visa Evitar desapropriação desnecessária Acesse: http://materiaisparaconcursos. Decreto lei 3365/41 – norma geral sobre desapropriação.

via ocupação temporária.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Hoje. Restrição ao direito de propriedade: intervenção restritiva. Para a primeira fase.atinge o caráter exclusivo da propriedade Indenização se houver dano Previsto no Decreto-lei 25/1937. faz e somente então se passa à desapropriação.blogspot. Temporária/Transitória Caráter exclusivo . primeiro pesquisamos.br 35 . Restrição parcial.com. se a pesquisa de minérios ou parques arqueológicos. basta ler o Decreto-lei 25/1937. Acesse: http://materiaisparaconcursos. por ocupação temporária.hondey@uol.com/ Contato: chenqs.

Você continua dono.com/ Contato: chenqs.3.Atinge o caráter absoluto da propriedade Obrigação de conservar a fachada do imóvel. mas sofre uma restrição que atinge sua liberdade.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Conservar a identidade histórica de determinado povo O mais comum é conservar patrimônio histórico.com. Patrimônio histórico Cultural Artístico Paisagístico 5.br 36 . 5.blogspot.Limitação perpétua ao direito de propriedade 5.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.2.1.Forma restritiva de intervenção Acesse: http://materiaisparaconcursos.3. Não tem mais liberdade completa sobre seu bem.3.hondey@uol.3.

3.3. 3º Averba-se na escritura do imóvel.5.hondey@uol.com/ Contato: chenqs.blogspot.4.br 37 . Admite se quando o Poder Público instituir obrigação de fazer. Quando retira o direito e não simplesmente restringe.Registro no Livro no Tombo 1º Ocorre o procedimento de tombamento.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. trata se “desapropriação indireta”. de conservar o bem. 2º Registra-se no Livro do Tombo. 5. É uma compensação pela obrigação de fazer. Acesse: http://materiaisparaconcursos. de uma 5.Restrição Parcial Comum o Poder Público “tombar” a casa e restringir totalmente a propriedade.4.Regra: não há dever de indenizar.1.com. Se não toma os procedimentos da desapropriação. simula o tombamento. isso não é tombamento.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi 5. a modalidade que retira o direito é desapropriação. Se impede que você exerça o direito de propriedade.

os monumentos. A União legisla sobre normas gerais. Competência concorrente. 23. A competência material cabe a todos os Entes da Federação. III – dever de preservação.blogspot. dos Estados. Art.br 38 .com. é competência comum. VII.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. as paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos. de proteção: Art.hondey@uol. Art. cultural. artístico. Acesse: http://materiaisparaconcursos. artístico e cultural. É competência comum da União. Estados complementam a normatização feita pela União. turístico e paisagístico.com/ Contato: chenqs.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Quem pode fazer Tombamento? Competência comum. as obras e outros bens de valor histórico. do Distrito Federal e dos Municípios: III proteger os documentos. 23. 24. aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VII proteção ao patrimônio histórico. Compete à União. CF 24.

conservar.hondey@uol. A falta de dinheiro não desobriga da informação.Prévia autorização para qualquer medida no bem tombado Qualquer providência: reformar. você pratica um dano ao patrimônio. mas demora muito para autorizar. Acredita!? Danificar é uma obrigação negativa: não danificar o patrimônio.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi 5.2.1.6. Se o proprietário não tem grana para bancar a obra. não em condições financeiras de realizar a conservação. pintar etc. arqueológico ou histórico.com/ Contato: chenqs.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Dano em coisa de valor artístico. Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 39 .blogspot. mas você tem que comunicá-lo. O Ente paga a conta. o proprietário precisa fazer uma reforma e deve solicitar ao Ente que Tombou.com. Lembre que Você está no Brasil! Se você toma providências sem autorização prévia. tem a obrigação de comunicar o ente que tombou para que o Ente tome as providências. Muitas vezes.6.Preservação 5.

arqueológico ou histórico: Pena detenção. Sua retirada não pode ser via exportação.-lei 25. evento. quando o proprietário resolver vender. Quando o tombamento ocorre sobre um bem público. Não pode ser transferido. 165 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. é por curto prazo.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Art. O Proprietário do patrimônio tombado tem obrigação de suportar a fiscalização.hondey@uol. de 6 meses a 2 anos.blogspot.br 40 .com. Ex.Destruir. inutilizar ou deteriorar coisa tombada pela autoridade competente em virtude de valor artístico. Acesse: http://materiaisparaconcursos. este bem se torna inalienável de forma absoluta. Os vizinhos do patrimônio tombado não podem utilizar objetos que prejudiquem a visibilidade do bem tombado. 14. O patrimônio tombado não pode ser retirado do país. Não pode ser objeto de exportação. feira. salvo por curto espaço de tempo.com/ Contato: chenqs. e multa ($$$). Dec. O Tombamento gera direito de preferência na aquisição do bem.: exposição. “Curto Prazo”: não tem definição. Só há 1 ressalva que ele pode ser transferido entre os próprios entes. não pode sair do país. Art.

3.7. com anuência).1.7.com/ Contato: chenqs.br 41 .blogspot.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.Destinatários Geral Individual 5.2.7. De ofício/Compulsório 5.hondey@uol.7.4.Bens Móveis & Imóveis Públicos & Privados Acesse: http://materiaisparaconcursos.com.Eficácia (Procedimento) Provisório Definitivo 5.Constituição Voluntário (a pedido.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi 5.

Intervenção supressiva na propriedade do particular. Servidores Públicos. conforme o interesse. qualquer patrimônio público ou privado pode ser tombado. Retirada do caráter perpétuo da propriedade.hondey@uol. Não há consenso sobre a natureza jurídica do Tombamento (Limitação X Restrição X Servidão).blogspot. Independe de qualquer relação/vínculo com o proprietário.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Cada ente pode tombar bens de outros entes.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Classificar como Tombamento mesmo. Forma de Aquisição originária da propriedade. A ordem que existe refere se apenas. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Não há ordem. contratos e Servidores Públicos. Transferência compulsória da propriedade.br 42 .com.com/ Contato: chenqs. Sacrifício de direito.

Como interpretamos a expressão “delegados” hoje? Esses entes tem competência material.1.1. DL 3.2. Autarquias.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 22.  Administração Indireta.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi 6. Fundações Públicas.blogspot. Compete privativamente à União legislar sobre: II desapropriação. Empresas Demais delegados Públicas de e Serviços SEM.br 43 . Quando um ente Político desapropria. só podem executar a fase executiva da desapropriação.365/1941 – estávamos em um contexto completamente diferente do atual. mas não podem efetivar todas as fases da desapropriação. E.Material  Entes Políticos (U. Concessionárias/Permissionárias Art. 6. 3º.hondey@uol. DF e M).com/ Contato: chenqs. Públicos. ele pode realizar todas as etapas da desapropriação (fase declaratória e fase executiva).com.Legislativa: União Este artigo cai muito em prova: Art.1. Acesse: http://materiaisparaconcursos.

: União faz a fase declaratória. 2º. DL 3.com.Sujeito Ativo (Competência) Art. § 2º. Bens Corpóreos & Incorpóreos. Subsolo.2. O bem público.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. não podem decretar a desapropriação.Objeto Bens Móveis & Imóveis. Competência Material: restrita à fase executiva. para ser desapropriado.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Ex. Dependem do ente político para tanto.365/1941.com/ Contato: chenqs.2. deve observar uma sequência: Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 44 .hondey@uol. Autarquia faz a fase executiva (pagar o valor e entrar no bem).2.blogspot. Bem Público/Privado 6. Espaço aéreo. 6.1.

O defeito está no objeto.) Não podem ser desapropriados:  Direitos da personalidade  Direitos autorais  Direito à vida  Direito à imagem  Direito a alimentos 6.blogspot.4. Utilidade.5..com.Fundamento/Pressuposto (Necessidade. 6.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. justa e em Dinheiro ou em títulos) 6.3.Indenização (Prévia.2.2.Procedimento Acesse: http://materiaisparaconcursos.com/ Contato: chenqs.2.hondey@uol..br 45 . Errado. .ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi União: Estados + Municípios Estados: Municípios Municípios: bens particulares “Município desapropria bem da União e esta desapropriação tem vício de competência”.

Necessidade e Utilidade Pública é tudo uma coisa só. Art.hondey@uol.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. UTILIDADE PÚBLICA: não tem caráter emergencial. para o legislador.com/ Contato: chenqs. que as tratou como sinônimas.blogspot.132/62. Lei 4.com. NECESSIDADE PÚBLICA: envolve situação de urgência. 5º Lista de fundamentos que justificam Necessidade/Utilidade pública. Para a doutrina.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi DL 3365/1941. tem diferença entre as duas. Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 46 .

com/ Contato: chenqs. incorpóreo.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Pode ser móvel. salvo os vedados.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Rol – art. sanção.br 47 . corpóreo.blogspot. tráfico ilícito de entorpecentes. imóvel. 2º Hipóteses ligadas à redução das desigualdades sociais. Vem como pena.com. Todos os entes políticos tem competência.hondey@uol. Todos os bens possíveis podem entrar na lista. Justo para Estado Justo para Particular Prática de ilegalidade.

br úteis e necessárias serão 48 .com. com cláusula de preservação do valor real. Compete à União desapropriar por interesse social. 5º XXII . a partir do 2º ano de sua emissão. 191. Fundamentos: CF 184. § 1º As benfeitorias indenizadas em dinheiro. o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social.É garantido o direito de propriedade.hondey@uol.com/ Contato: chenqs. 184. e cuja utilização será definida em lei.blogspot.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. L. XXIII A propriedade atenderá a sua função social.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Art. 8.629/93 e LC 76/93. mediante prévia e justa indenização em títulos da dívida agrária. Acesse: http://materiaisparaconcursos. para fins de reforma agrária. resgatáveis no prazo de até 20 anos. Desapropriação Sanção – Títulos da Dívida Agrária: Art.

hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi § 2º O decreto que declarar o imóvel como de interesse social. Aquele que. 191. adquirir lhe á a propriedade.br 49 . § 4º O orçamento fixará anualmente o volume total de títulos da dívida agrária. tendo nela sua moradia. não sendo proprietário de imóvel rural ou urbano. de rito sumário. § 5º São isentas [IMUNES] de IMPOSTOS federais. Acesse: http://materiaisparaconcursos. assim como o montante de recursos para atender ao programa de reforma agrária no exercício. Usucapião Rural: Art. por 5 anos ininterruptos. estaduais e municipais as operações de transferência de imóveis desapropriados para fins de reforma agrária.com. não superior a 50 hectares. § 3º Cabe à lei complementar estabelecer procedimento contraditório especial. área de terra. Os imóveis públicos não serão adquiridos por usucapião.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. para o processo judicial de desapropriação. em zona rural. sem oposição.blogspot. autoriza a União a propor a ação de desapropriação. para fins de reforma agrária. Parágrafo único.com/ Contato: chenqs. tornando a produtiva por seu trabalho ou de sua família. possua como seu.

hondey@uol.blogspot..br 50 .ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi OBRIGATÓRIAS PARA AGU E CONCURSOS FEDERAIS: Lei 8.): pagas em dinheiro. Acesse: http://materiaisparaconcursos.com/ Contato: chenqs.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Benfeitorias (casas.629/93 LC 76/93 Aproveitamento racional e Adequado Preservação do Meio Ambiente Respeito às exigências trabalhistas COMPETÊNCIA: União OBJETO: Imóvel rural INDENIZAÇÃO: Títulos da Dívida Agrária (resgate em 20 anos) Esse resgate em 20 anos diz respeito à terra nua.com.. armazéns.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 51 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. podem ser desapropriadas. A lei garantirá tratamento especial à propriedade produtiva e fixará normas para o cumprimento dos requisitos relativos à sua função social.com/ Contato: chenqs. Desde que o proprietário não possua outra e Que seja propriedade produtiva Art.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi NÃO CABE ESTA DESAPROPRIAÇÃO (CF 185): Pequena e média propriedade.com.hondey@uol. § único. assim definida em lei. São insuscetíveis de desapropriação para fins de reforma agrária***: I a pequena e média propriedade rural. desde que seu proprietário não possua outra. 185.blogspot. Para outros fins. Pequena e média propriedade e Propriedade Produtiva não podem ser desapropriadas se o fim for especificamente a Reforma Agrária. II a propriedade produtiva.

hondey@uol. que promova seu adequado aproveitamento. subutilizado ou não utilizado. assegurados o valor real da indenização e os juros legais. exigir. de: I parcelamento ou edificação compulsórios. II sobre a propriedade predial e territorial urbana progressivo no tempo. Desapropriação Sanção – Títulos da Dívida Pública: Art.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. sob pena. mediante lei específica para área incluída no plano diretor. § 4º É facultado ao Poder Público municipal.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Tem como base o cumprimento do Plano Diretor. sucessivamente.com/ Contato: chenqs. iguais e sucessivas. Acesse: http://materiaisparaconcursos. em parcelas anuais.com. Hipótese disciplinada na lei 10. com prazo de resgate de até 10 anos. 182.br 52 . III desapropriação com pagamento mediante títulos da dívida pública de emissão previamente aprovada pelo Senado Federal.blogspot. do proprietário do solo urbano não edificado. nos termos da lei federal.257/2001 – Estatuto da Cidade.

br 53 .com. O proprietário tem 1 ano para fazer o projeto e 2 anos para começar a executar o projeto. Esta desapropriação acontece quando o particular descumpre o Plano Diretor.blogspot. O Estatuto da sociedade traz medidas gradativas para o proprietário: 1º) O Município exige que se cumpra o plano: parcelamento ou edificação compulsórios.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. a lei que organiza o funcionamento e organização da cidade. 2º) Estabelece o IPTU com alíquota progressiva – pode chegar a 15%.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi LEITURA OBRIGATÓRIA PARA CONCURSOS MUNICIPAIS.com/ Contato: chenqs. COMPETÊNCIA MATERIAL: Municípios e DE IMÓVEL URBANO INDENIZAÇÃO: Títulos da Dívida Pública (resgatáveis em até 10 anos) Acesse: http://materiaisparaconcursos.hondey@uol. pelo prazo de 5 anos. está descumprindo o valor social da propriedade. Quando o particular desrespeita esta lei. 3º) Leva a efeito a desapropriação.

 FUNDAMENTO: CF.com. Todo e qualquer bem de valor econômico apreendido em decorrência do tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins será confiscado e reverterá em benefício de instituições e pessoal especializados no tratamento e recuperação de viciados e no aparelhamento e custeio de atividades de fiscalização.257/91 Art.br 54 .  BEM UTILIZADO para PLANTAÇÃO do PSICOTRÓPICO O bem será desapropriado. para o cultivo de produtos alimentícios e medicamentosos. § único.blogspot.com/ Contato: chenqs. As glebas de qualquer região do País onde forem localizadas culturas ilegais de plantas psicotrópicas serão imediatamente expropriadas e especificamente destinadas ao assentamento de colonos. Acesse: http://materiaisparaconcursos.hondey@uol. art. 243 e Lei 8. prevenção e repressão do crime de tráfico dessas substâncias. sem qualquer indenização ao proprietário e sem prejuízo de outras sanções previstas em lei. controle.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Não há indenização.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 243.

mas está fazendo desapropriação supressiva. tombamento).  Destinação do bem: Implementar a fiscalização Implementar as casas de recuperação de viciados A Administração finge que está fazendo forma restritiva (ex. É como se fosse um esbulho.br 55 .hondey@uol. a Administração entra. toma conta e não faz o procedimento necessário para esse tipo de medida.blogspot.com.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi  Destinação do Bem: Assentamento de Colonos Plantação de medicamentosos  BEM UTILIZADO para COMERCIALIZAÇÃO O bem será desapropriado. é uma providência irregular.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. servidão. É uma desapropriação sem procedimento. Acesse: http://materiaisparaconcursos.com/ Contato: chenqs.

Não jurisprudencial.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.786  Que o bem já esteja apossado pelo Estado Sem observância do devido processo legal (formalidades necessárias)  Destinação do bem a finalidade pública (afetação do bem)  Irreversibilidade da situação (fática) Esvaziamento econômico / Desvalorização total do bem.hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi É um apossamento irregular. há nada definido em lei sobre isso. um abuso praticado pela Administração Pública.com/ Contato: chenqs.blogspot. é construção Acesse: http://materiaisparaconcursos. RESP 922.com.br 56 .

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. se de turbação da Se o Estado efetivamente esbulhou o bem. mas não deu finalidade pública ao bem. uma primeira providência (se o Estado ainda não entrou. está dizendo que vai fazer.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Com objetivo de proteger o patrimônio em face de desmandos do Estado. não afetou o bem. fala posse. cabe apenas: Acesse: http://materiaisparaconcursos.hondey@uol.com. O Decreto lei fala que o bem não pode ser mais devolvido. ameaçando) é: Se o Estado já está perturbando a posse.br 57 . entrou no bem. não cabe mais reintegração de posse.com/ Contato: chenqs. Se o estado ocupa o bem e o afeta.blogspot. Se ele faz esbulho + afetação. a medida processual é: Que só pode ser utilizada se o Estado ainda não afetou o patrimônio.

95 – definição da competência pela situação do imóvel. optar pelo foro do domicílio [do réu] ou de eleição. não recaindo o litígio sobre direito de propriedade. Competência para julgar esta ação: CPC. Competência Absoluta*: Recaindo o litígio sobre direito de Propriedade. é competente o foro da situação da coisa. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Nas ações fundadas em direito real sobre imóveis é competente o foro da situação da coisa. Competência Absoluta: Nas ações fundadas em direito real sobre imóveis é competente o foro da situação da coisa. divisão e demarcação de terras e nunciação de obra nova.hondey@uol. Servidão. optar pelo foro do domicílio ou de eleição se a causa não versar sobre nenhuma das 7 situações acima.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Entendimento que prevalece: esta ação tem natureza jurídica de direito real. posse.com/ Contato: chenqs. Vizinhança. Competência Relativa: Pode o autor. porque. Posse.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.br 58 . a competência territorial é relativa. Pode o autor.com. 95. entretanto. É uma exceção. servidão.blogspot. em regra. art. vizinhança. entretanto. Art. Divisão e Demarcação de terras e Nunciação de obra nova.

antes.hondey@uol.br 59 . o proprietário perde a posse do bem para o Estado. também NÃO PODERÁ SER EM DINHEIRO. Diz que o prazo prescricional é de 5 anos. do momento em que o proprietário é esbulhado. Se a decisão vem de uma indenização judicial. portanto.com/ Contato: chenqs.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi A indenização tem que acontecer a partir do momento da perda da posse. A indenização. porque.com.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. porque terá de respeitar a fila de precatórios.blogspot. que. inclusive. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Esse dispositivo introduzido pela MP 2183. NÃO É PRÉVIA. já o afetou.

com/ Contato: chenqs.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Esse prazo é objeto de muitas críticas doutrinárias e jurisprudenciais. dizendo ser inconstitucional. Em sede de cautelar. o STF suspendeu o dispositivo (o prazo de 5 anos). o que prevalece na jurisprudência é que o prazo deve ser de 20 anos. mas inicialmente foi editado na MP 2027. Acesse: http://materiaisparaconcursos. SÚMULA 119 A ação de desapropriação indireta prescreve em 20 anos. Imagine que passou o prazo da prescrição e o proprietário simplesmente não ajuizou a ação. a ADI não foi aditada/corrigida. Apesar de não ter julgamento de mérito. STJ. com as novas reedições. está na MP 2183. É a última saída para regularizar a questão. que foi objeto de controle de Constitucionalidade pelo STF (ADI 2260). a garantia de desapropriação. A ação de desapropriação indireta já prescreveu. Há muita divergência sobre o tema.hondey@uol. referente aos prazos de prescrição dos direitos reais.com.· A MP foi reeditada e. A providência que o Estado pode tomar para regularizar o domínio da propriedade é ajuizar Ação de Usucapião. Dizem que prejudica o direito do proprietário. hoje.blogspot.br 60 . A ação foi extinta por perda do objeto e o STF não enfrentou o mérito da questão. O dispositivo.

blogspot.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi A desapropriação só vai para a via judicial se o proprietário for desconhecido ou se não houver acordo quando ao valor.com.br 61 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Não fosse isso. seria resolvida na via administrativa. Decreto expropriatório O instrumento mais comum é o decreto expropriatório. Lei de efeitos concretos Acesse: http://materiaisparaconcursos. ato próprio do Chefe do PE.hondey@uol.com/ Contato: chenqs.

Conteúdo Fundamento Legal Identificação específica do bem / Definição do objeto Não pode ser uma declaração genérica. 3º passo. Destinação do bem Sujeito Passivo (Proprietário) Se o proprietário for indeterminado. Acesse: http://materiaisparaconcursos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.br 62 . lei que tem destinatário determinado. tem que ir para a via judicial.com.blogspot. entrar no bem.hondey@uol. declara 2º passo. pagamento da indenização (prévia).com/ Contato: chenqs. Recurso orçamentário que vai legitimar o pagamento da indenização 1º passo.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Também pode ser feita por lei de efeitos concretos.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot.hondey@uol. não há possibilidade de nova decretação. ele pode decretar de novo. A declaração de desapropriação dá início ao prazo de caducidade.br 63 . o prazo é de caducidade. Acesse: http://materiaisparaconcursos. O proprietário tem que ficar esperando o Estado pagar a indenização para entrar no bem. Não tem carência.com/ Contato: chenqs. Ocorreu a caducidade e a carência para nova decretação será de 1 ano. mas tem que respeitar um prazo de carência.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Entre a declaração e a entrada no bem. Se o Estado indenizou e entrou no bem.com. Este prazo gera insegurança para o Proprietário. Se o Estado não decide a situação em 5 anos. prazo que o Estado tem para indenizar e entrar no bem. está ok.

Benfeitoria voluptuária: não se indeniza. o proprietário simplesmente não receberá o valor da indenização e haverá processo judicial.br 64 . Três características marcam esse procedimento especial – é uma explicação superficial: Acesse: http://materiaisparaconcursos. Ação judicial é cabível em duas hipóteses: Proprietário desconhecido Desacordo quanto ao valor.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi A partir da decretação.com. É uma ação de procedimento especial. Se não há acordo quanto ao valor. Isso deveria ser o normal.blogspot.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. A fase executiva pode ser totalmente amigável.com/ Contato: chenqs. só se indenizam as benfeitorias necessárias e as úteis previamente autorizadas. O Estado simplesmente indeniza e entra no bem.hondey@uol.

não se discute qualquer assunto. até 80% do valor depositado. Quando o juiz recebe a petição inicial.blogspot. antes de concluir a ação de desapropriação.com/ Contato: chenqs.com. Imissão provisória na posse. poderá fixar melhor os pontos controvertidos da ação.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Puxo a perícia para o início do processo. Quando ajuíza a ação. o autor indica os requisitos da perícia e o assistente técnico.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Em ação judicial de desapropriação. na contestação. Autorização do juiz para o Estado entrar na posse de forma antecipada. Como é possível haver sentença para pagamento de valor menor. Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 65 . É a entrada antecipada do Estado no bem. o juiz não conhece o local e pode determinar a antecipação da prova pericial. O proprietário vai perder o bem para o Estado e o juiz pode deferir o levantamento de parte do valor depositado. É uma ação bem específica. outros aspectos da desapropriação: discute-se formalidade e valor. Assim. fazer audiência.·. assim como o réu. A ideia é fazer a perícia e ter mais informações sobre o patrimônio. o levantamento tem que ser menor (limitado a 80% do valor depositado). para produzir provas. Requisitos da Ação de Imissão Provisória na Posse: Situação de urgência Depósito do valor da indenização do valor que o Estado queria pagar.hondey@uol.

br 66 . Acesse: http://materiaisparaconcursos. A diferença entre o que o Estado queria pagar e o que tem depositado (aquilo que conquistamos na sentença) será pago por regime de precatórios.hondey@uol.106 O valor do bem é o valor de mercado (inclui o valor das benfeitorias). O que vem de sentença judicial.192.com. Juros moratórios e juros compensatórios Correção monetária Honorários advocatícios se houver ação judicial (calculados em cima da diferença que a ação judicial gerou) Juros compensatórios são pagos apenas se o Estado entra no bem sem pagar a indenização prévia.blogspot. paga-se por meio de precatórios.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Danos emergentes e lucros cessantes. o juiz vai autorizar o levantamento ao final do processo.com/ Contato: chenqs. RESP 1.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Os outros 20%.

O STF restaura a súmula 618. Esta é a orientação atual. a taxa dos juros compensatórios é de 12% (doze por cento) ao ano. 15 muda o percentual para até 6%. o entendimento é que vigorou 6%. continua 6%.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi STF Súmula 618 Na desapropriação. Durante este período. Apenas na letra fria do decreto não vale. objeto da ADI 2332.com/ Contato: chenqs. lei 3365. suspendeu os 6%. MP 1577 > MP 2183 – art. com juros de até 12%.com. MP 1577 – 6% é de 11/junho/1997.hondey@uol. Acesse: http://materiaisparaconcursos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. A – Decreto lei 3365 – Essa regra foi levada ao STF.blogspot. direta ou indireta.br 67 . Não pode ser 6%. O STF. mas A matéria foi julgada pelo STF (12%) em 13/setembro/2001. Restabeleceu a posição inicial. sem sede de cautelar.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.577.00. a partir de então.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi STJ Súmula 408 Nas ações de desapropriação. § 12).com/ Contato: chenqs.hondey@uol.00. devem ser fixados em 6% ao ano até 13/09/2001 e. de 11/06/1997. Juros sobre 300. Esta regra também foi levada a discussão na mesma ADI 2332.blogspot. na forma da Súmula n. MP: a base de cálculo dos juros compensatórios é a diferença Estado queria 200. com a expedição do precatório para pagamento (CF 100.00.·. em 12% ao ano. A sentença foi 500. A incidência de juros compensatórios vai da imissão provisória na posse até a data de pagamento desses valores.com. 618 do Supremo Tribunal Federal. os juros compensatórios incidentes após a Medida Provisória n.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 1.br 68 . Vale para compensar o proprietário do tempo que ficou sem o bem.

Se o juiz havia definido.hondey@uol.00). Recompõem o atraso do pagamento da indenização.br 69 . nos termos do art.00 também.com/ Contato: chenqs. 100 da CF. Até 6% aa. Portanto. Acesse: http://materiaisparaconcursos. No exemplo. o levantamento de 80% (160. em 2011 a Administração não está em mora. ele terá direito a juros compensatórios sobre os 40. previamente. os juros compensatórios incidirão sobre o que foi conquistado na sentença subtraído do que foi levantado (até 80%).ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi STF resolveu que os juros não podem incidir sobre 300. Precatório constituído até 1º/julho (2010) será pago até dezembro do ano seguinte (2011). 15 B. pois os juros compensatórios servem para compensar o tempo que o proprietário ficou sem o bem e sem o dinheiro. Previstos também na MP 1577 Art.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.00. é o ano que tem para pagar.com.blogspot. DL 3365 > 2183 Os juros moratórios vão incidir a partir de 1º/janeiro do exercício seguinte àquele que o pagamento deveria ter sido pago.

com/ Contato: chenqs. Os juros compensatórios incidem em momentos distintos dos juros moratórios.hondey@uol.blogspot. Objetivo: atingir a totalidade da área. SÃO COMPENSATORIOS E MORATORIOS.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Os juros moratórios incidirão a partir de 1º/janeiro/2012. ele será pago em 2012. Se a desapropriação deixar remanescente de área sem valor econômico ou área inútil.br 70 .com.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. STJ Súmula 12 EM DESAPROPRIAÇÃO. CUMULAVEIS JUROS Superada a súmula. o Estado tem que indenizar pelo valor total. Se o precatório for apresentado depois de 1/julho/2010. quando inicia a mora. Acesse: http://materiaisparaconcursos. a mora se inicia em 2013. não o sendo.

Receberei o bem de volta ou a indenização? Depende da natureza do instituto. Neste caso.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Para os autores que entendem que este é um direito pessoal. Tem autor que entende que a retrocessão é um direito real. dá direito à retrocessão.br 71 . 519 do CC. que é exatamente a divergência sobre o instituto. É direito que tem o proprietário de ter o bem de volta quando não lhe for dada destinação. O resultado será a indenização em perdas e danos. Mudança da destinação do bem.com/ Contato: chenqs.blogspot. Só é legal se mantido o interesse público. Vou ter o bem de volta ou receberei indenização por isso? Se o Estado desapropria e não destina o bem. Acesse: http://materiaisparaconcursos.hondey@uol. haverá devolução do bem.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Mudança de motivo autorizada pelo ordenamento jurídico. aplica se o art.com.

o proprietário tem direito de pedir o bem de volta. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Pode ter indenização. A devolução será impossível se o patrimônio já estiver incorporado. Se for dada uma tresdestinação mista (se o bem for aplicado em finalidade pública). se for real. não cabe devolução.blogspot. apesar da enorme discussão jurisprudencial. a natureza é pessoal e o proprietário terá direito apenas a indenização por perdas e danos. posso ter real ou pessoal. Para a maioria das decisões.com/ Contato: chenqs. Incorporado. se for pessoal. reintegração.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Tem autor que entende que o instituto é misto.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Pode ter devolução. se não for dada a destinação prevista no ato.hondey@uol. o STJ diz que. se já foi afetado (se já tem destinação pública). cabendo a devolução do bem ou perdas e danos.br 72 .com.

executivo e judiciário. deve zelar pela legalidade das condutas administrativas e também pela sua eficiência. que definiram a tripartição dos poderes com um poder controlando o outro. em sua função administrativa. controlando um ao outro.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi O controle da administração pode ser tanto visto do ponto de vista político quanto do ponto de vista administrativo. o controle busca o equilíbrio. É o famoso “sistema dos freios e contrapesos”.hondey@uol. O controle do ponto de vista administrativo se dá por meio das instituições administrativas. Acesse: http://materiaisparaconcursos. onde há o legislativo.blogspot.com. Essa ideia traz consigo a ideia da separação dos poderes. os agentes administrativos pertencentes aos órgãos administrativos.com/ Contato: chenqs. Do ponto de vista político.br 73 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. idealizados por Montesquieu e John Locke.

delegação de competência. A natureza jurídica do controle da administração pública. buscando garantir a legalidade e a eficiência em prol do interesse público: essa verificação e revisão podem resultar na correção da atividade administrativa ou em sua alteração.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Controle da administração pública é o conjunto de mecanismos jurídicos e administrativos por meio dos quais se exerce o poder de fiscalização e de revisão da atividade administrativa em qualquer das esferas de poder.hondey@uol.blogspot. há previsão do controle como princípio fundamental da administração pública. Acesse: http://materiaisparaconcursos.com. art. com fundamento no decreto lei 200/67. 6º. Portanto. descentralização. Fica evidente que o controle traz consigo uma ideia de fiscalização e de revisão. Embora previsto na esfera federal. ele também deve ser observado em outras esferas. coordenação. incisos “I” a “V” – esse decreto lei traz alguns princípios que julga oportuno mencionar: planejamento. segundo José dos Santos Carvalho Filho é princípio fundamental da se administração pública. controle.br 74 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com/ Contato: chenqs.

Obs.blogspot.br 75 .: o controle popular trata se de controle externo.com/ Contato: chenqs. 14.898/65. Ex. Controle interno exterior: nomenclatura de Celso Antônio Bandeira de Mello. controle que o judiciário realiza perante atos praticados pelo executivo.429/95 (art.com. um controle seria realizado pelo próprio órgão e o outro controle seria realizado pela administração direta. §3º da CRFB/88.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Quanto ao órgão (Celso Antônio Bandeira de Mello. art. referente aos casos onde haveria duplo controle. conforme o art. assim. 22). sendo decorrência do princípio da publicidade. Controle externo (heterocontrole): é o controle exercido por um dos poderes sobre o outro.: controle que a administração pública direta exerce sobre a administração pública indireta.hondey@uol. pela lei 8.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 31. Acesse: http://materiaisparaconcursos. O controle popular pode ser realizado conforme a lei 4. controle do Tribunal de Contas sobre atos do judiciário. Maria Sylvia Zanella Di Pietro) = quanto à extensão do controle (José dos Santos Carvalho Filho): Controle interno (autocontrole): é o controle que cada um dos poderes exerce sobre seus próprios atos e agentes.

INOPONIBILIDADE DO ARBÍTRIO ESTATAL À EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS SOCIAIS. DECISÃO: Trata-se de arguição de descumprimento de preceito fundamental promovida contra veto.” O autor da presente ação constitucional sustenta que o veto presidencial importou em desrespeito a preceito fundamental decorrente da EC 29/2000. consideram -se ações e serviços públicos de saúde a totalidade das dotações do Ministério da Saúde.707/2003 (LDO). deduzidos os encargos previdenciários da União. que foi promulgada para garantir recursos financeiros mínimos a serem aplicados nas ações e serviços públicos de saúde. 5º. prevalecendo o princípio da separação dos poderes. os serviços da dívida e a parcela das despesas do Ministério financiada com recursos do Fundo de Combate à Erradicação da Pobreza. Controle de mérito: é o controle realizado em relação à conveniência e oportunidade. CONSIDERAÇÕES EM TORNO DA CLÁUSULA DA “RESERVA DO POSSÍVEL”.hondey@uol. XXXV. ECONÔMICOS E CULTURAIS. 55 (posteriormente renumerado para art. não cabe ao judiciário substituir o mérito administrativo (súmula 473 do STF).blogspot. deve haver atenção especial para a ADPF 4511. 59). emanado do Senhor Presidente da República.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Quanto ao aspecto controlado (Maria Sylvia Zanella Di Pietro e Celso Antônio Bandeira de Mello) = quanto ao objeto (Diógenes Gasparini) = quanto à natureza do controle (José dos Santos Carvalho Filho): Controle de legalidade: pode ser realizado pela administração (súmula 346 do STF). DA INTEGRIDADE E DA INTANGIBILIDADE DO NÚCLEO CONSUBSTANCIADOR DO “MÍNIMO EXISTENCIAL”.com/ Contato: chenqs. CARÁTER RELATIVO DA LIBERDADE DE CONFORMAÇÃO DO LEGISLADOR. O dispositivo vetado possui o seguinte conteúdo material: “§ 2º Para efeito do inciso II do caput deste artigo.br 76 . QUANDO CONFIGURADA HIPÓTESE DE ABUSIVIDADE GOVERNAMENTAL. que trata de 11 ADPF 45 EMENTA: ARGÜIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL. NECESSIDADE DE PRESERVAÇÃO. incidiu sobre o § 2º do art. destinada a fixar as diretrizes pertinentes à elaboração da lei orçamentária anual de 2004. DIMENSÃO POLÍTICA DA JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL ATRIBUÍDA AO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. CRFB/88) e pelo legislativo (quando autorizado pela Constituição). assim. que. A QUESTÃO DA LEGITIMIDADE CONSTITUCIONAL DO CONTROLE E DA INTERVENÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO EM TEMA DE IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS. de proposição legislativa que seconverteu na Lei nº 10.com. Quanto ao controle de mérito. pelo judiciário (art. EM FAVOR DOS INDIVÍDUOS. VIABILIDADE INSTRUMENTAL DA ARGÜIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO NO PROCESSO DE CONCRETIZAÇÃO DAS LIBERDADES POSITIVAS (DIREITOS CONSTITUCIONAIS DE SEGUNDA GERAÇÃO).DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Acesse: http://materiaisparaconcursos.

o seguinte conteúdo material: “Art. reproduz. o § 2º d art. A situação de inconstitucionalidade pode derivar de um comportamento ativo do Poder Público.br 77 . comprometer. com as liberdades positivas... sociais e culturais – que se identificam.....” (grifei) Cabe registrar. que a regra legal resultante da edição da Lei nº 10. transformado na Lei nº 10. 23v. CELSO DE MELLO) -... ora em pleno vigor.blogspot. promulgada com a finalidade específica de conferir efetividade à EC 29/2000.707/2003 (LDO). deduzidos os encargos previdenciários da União.. 93/144... desse modo. que deu causa à instauração do concernente processo legislativo. Com o advento da mencionada Lei nº 10.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Requisitei. o preceito.707/2003) – supriu a omissão motivadora do ajuizamento da presente ação constitucional. que. qualifica-se como instrumento idôneo e apto a viabilizar a concretização de políticas públicas. que. de 24/11/2003. constante do § 2º do art.. quando.MODALIDADES DE COMPORTAMENTOS INCONSTITUCIONAIS DO PODER PÚBLICO. concebida para garantir. no ponto concernente à questionada omissão normativa.)..777/2003..com/ Contato: chenqs.. por necessário..O desrespeito à Constituição tanto pode ocorrer mediante ação estatal quanto mediante inércia governamental... ao Congresso Nacional. § 3º Para os efeitos do inciso II do caput deste artigo.. total ou parcialmente.. 59 da Lei nº 10. sobreveio a edição da já referida Lei nº 10.com.. de 30 de julho de 2003. a Lei de Diretrizes Orçamentárias. de modo particularmente expressivo... ao Senhor Presidente da República. consideram-se ações e serviços públicos de saúde a totalidade das dotações do Ministério da Saúde. 1º . essencialmente.. .. cujo art. Em virtude da mencionada iniciativa presidencial. pelas instâncias governamentais destinatárias do comando inscrito na própria Constituição da República.777.777/2003. que o objetivo perseguido na presente sede processual foi inteiramente alcançado com a edição da Lei nº 10. enquanto direitos de segunda geração.707/2003 (LDO). de modo inaceitável. Conclui-se. editada para reger a elaboração da lei orçamentária de 2004..59.. ainda em tempo oportuno. restaurou.’ (NR). sob pena de o Poder Público.. Vale referir que o Senhor Presidente da República. logo após o veto parcial ora questionado nesta sede processual. veio a ser vetado pelo Senhor Presidente da República (fls. a elaboração da lei orçamentária anual pertinente ao exercício financeiro de 2004. reais ou concretas (RTJ 164/158-161. previstas no texto da Carta Política. § 4º A demonstração da observância do limite mínimo previsto no § 3º deste artigo dar-se-á no encerramento do exercício financeiro de 2004. venham a ser descumpridas.. Essa eminente atribuição conferida ao Supremo Tribunal Federal põe em evidência.777.. para orientar. os serviços da dívida e a parcela das despesas do Ministério financiada com recursos do Fundo de Combate à Erradicação da Pobreza.. que não pode demitir-se do gravíssimo encargo de tornar efetivos os direitos econômicos. 59 da lei nº 10. informações que por ele foram prestadas a fls. veio a remeter.. capaz de fazer instaurar situação de prejudicialidade da presente argüição de descumprimento de preceito fundamental. dele fazendo constar a mesma norma sobre a qual incidira o veto executivo. que age ou edita normas em desacordo com Acesse: http://materiaisparaconcursos. passa a vigorar acrescido dos seguintes parágrafos: ‘Art.hondey@uol. a dimensão política da jurisdição constitucional conferida a esta Corte.. considerado o contexto em exame...DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.. 59 da Lei nº 10. não posso deixar de reconhecer que a ação constitucional em referência. em seu conteúdo. Min. Não obstante a superveniência desse fato juridicamente relevante. por violação positiva ou negativa da Constituição..... passou a ter. em bases adequadas – e sempre em benefício da população deste País – recursos financeiros mínimos a serem necessariamente aplicados nas ações e serviços públicos de saúde. Impende assinalar que a regra legal em questão – que culminou por colmatar a própria omissão normativa alegadamente descumpridora de preceito fundamental – entrou em vigor em 2003. de 24/11/2003...777/2003. tal como sucede no caso (EC 29/2000). 1º O art. projeto de lei.707. em sua integralidade. a integridade da própria ordem constitucional: “DESRESPEITO À CONSTITUIÇÃO . Rel..modificando a própria Lei de Diretrizes Orçamentárias (Lei nº 10.

poderá atribuir-se ao Poder Judiciário. . presente esse contexto – consoante já proclamou esta Suprema Corte – que o caráter programático das regras inscritas no texto da Carta Política “não pode converter-se em promessa constitucional inconseqüente. Almedina... se e quando os órgãos estatais competentes.. 1987. em ordem a tornálos efetivos. quando é nenhuma a providência adotada. ou parcial...que deixa de cumprir. ao Poder Público. É que a realização dos direitos econômicos. no entanto. 05. em conseqüência. p. 1999... prestações estatais positivas concretizadoras de tais prerrogativas individuais e/ou coletivas.. CELSO DE MELLO.... Min.com/ Contato: chenqs. . fraudando justas expectativas nele depositadas pela coletividade..hondey@uol.. em grande medida.. impõe e exige.. também ofende direitos que nela se fundam e também impede. gera a inconstitucionalidade por ação. objetivamente. considerada a limitação material referida. o encargo reside. de cumprir o dever de prestação que a Constituição lhe impôs... assim. em maior ou em menor extensão.A omissão do Estado . Essa conduta estatal.. ainda que derivados de cláusulas revestidas de conteúdo programático. arbitrário e censurável propósito de Acesse: http://materiaisparaconcursos. sociais e culturais – além de caracterizar-se pela gradualidade de seu processo de concretização – depende. o Poder Público também desrespeita a Constituição. Rel. . por descumprirem os encargos político-jurídicos que sobre eles incidem. quando é insuficiente a medida efetivada pelo Poder Público.. mediante inércia. item n.. de um inescapável vínculo financeiro subordinado às possibilidades orçamentárias do Estado. a eficácia e a integridade de direitos individuais e/ou coletivos impregnados de estatura constitucional. 207. a própria aplicabilidade dos postulados e princípios da Lei Fundamental. CELSO DE MELLO). a incapacidade econômico-financeira da pessoa estatal. vierem a comprometer....a atribuição de formular e de implementar políticas públicas (JOSÉ CARLOS VIEIRA DE ANDRADE. no entanto.br 78 . nos Poderes Legislativo e Executivo. SUNSTEIN. que importa em um facere (atuação positiva)...blogspot... ofendendo-lhe... comprovada. New York). Rel.e nas desta Suprema Corte. com tal comportamento.com. o cumprimento de seu impostergável dever. desta não se poderá razoavelmente exigir. por um gesto irresponsável de infidelidade governamental ao que determina a própria Lei Fundamental do Estado” (RTJ 175/1212-1213. de tal modo que.. “Os Direitos Fundamentais na Constituição Portuguesa de 1976”. notadamente em sede de efetivação e implementação (sempre onerosas) dos direitos de segunda geração (direitos econômicos. “The Cost of Rights”. nesse domínio.. a imediata efetivação do comando fundado no texto da Carta Política.... a imposição ditada pelo texto constitucional qualifica-se como comportamento revestido da maior gravidade político-jurídica.. assentadas tais premissas... em tal hipótese – mediante indevida manipulação de sua atividade financeira e/ou político-administrativa – criar obstáculo artificial que revele o ilegítimo. pois... operantes e exeqüíveis. Min. no âmbito das funções institucionais do Poder Judiciário . por ausência de medidas concretizadoras. incidirá em violação negativa do texto constitucional..ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi o que dispõe a Constituição.Se o Estado deixar de adotar as medidas necessárias à realização concreta dos preceitos da Constituição.. embora em bases excepcionais.. os preceitos e os princípios que nela se acham consignados. Desse non facere ou non praestare.” (RTJ 185/794-796. cujo adimplemento. significativo relevo ao tema pertin ente à “reserva do possível” (STEPHEN HOLMES/CASS R. Tal incumbência. deste. Não se mostrará lícito.. resultará a inconstitucionalidade por omissão. Coimbra). em especial ..DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Norton. substituir. ordinariamente. de maneira ilegítima.. que pode ser total.. no entanto.... primariamente.. Pleno) É certo que não se inclui. sociais e culturais). sob pena de o Poder Público..... eis que. abstendo-se. pelo Poder Público. Não deixo de conferir. Cabe assinalar.

que os elementos componentes do mencionado binômio (razoabilidade da pretensão + disponibilidade financeira do Estado) devem configurar-se de modo afirmativo e em situação de cumulativa ocorrência. considerado o encargo governamental de tornar efetiva a aplicação dos direitos econômicos. que os condicionamentos impostos. o acesso aos bens cuja fruição lhes haja sido injustamente recusada pelo Estado. a eficácia dos direitos sociais. (2) a existência de disponibilidade financeira do Estado para tornar efetivas as prestações positivas dele reclamadas. aí. comprometendo-a.de implantação sempre onerosa -. sociais e culturais. que inclui. Ao apurar os elementos fundamentais dessa dignidade (o mínimo existencial).DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. a tal propósito. como precedentemente já enfatizado .com/ Contato: chenqs. receberam investidura em mandato eletivo. ou qualquer outra política pública. Cumpre advertir. e da Carta de 1988 em particular. ao processo de concretização do s direitos de segunda geração . em ordem a viabilizar. Apenas depois de atingi-los é que se poderá discutir. afetando. por delegação popular.br 79 . 2002. não se pode esquecer que a finalidade do Estado ao obter recursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi fraudar. em favor da pessoa e dos cidadãos. até mesmo.. Num sistema político pluralista. o chamado ‘livre espaço de conformação’ (.e até mesmo por razões fundadas em um imperativo ético-jurídico -. Renovar): “Em resumo: a limitação de recursos existe e é uma contingência que não se pode ignorar. p. O mínimo existencial. pela cláusula da “reserva do possível”. Fabris): “A constituição confere ao legislador uma margem substancial de autonomia na definição da forma e medida em que o direito social deve ser assegurado. pois. de frustrar e de inviabilizar o estabelecimento e a preservação.com. cumpre reconhecer que não se revela absoluta. de condições materiais mínimas de existência. de um lado. estar-se-ão estabelecendo exatamente os alvos prioritários dos gastos públicos. para. nesse domínio. a liberdade de conformação do legislador. em seguida. Daí a correta ponderação de ANA PAULA DE BARCELLOS (“A Eficácia Jurídica dos Princípios Constitucionais”. justificar-se-á. com a finalidade de exonerar-se do cumprimento de suas obrigações constitucionais. a todos. em que outros projetos se deverá investir. é exatamente realizar os objetivos fundamentais da Constituição. pois. pelo Estado. É que. então.. A meta central das Constituições modernas. associado ao estabelecimento de prioridades orçamentárias. relativamente aos recursos remanescentes. Extremamente pertinentes.blogspot.” (grifei) Vê-se. pode ser resumida. 245 -246. Por outro lado. (1) a razoabilidade da pretensão individual/social deduzida em face do Poder Público e. Desnecessário acentuar-se. na promoção do bem-estar do homem. aniquilação de direitos constitucionais impregnados de um sentido de essencial fundamentalidade. aquele núcleo intangível consubstanciador de um conjunto irredutível de condições mínimas necessárias a uma existência digna e essenciais à própria sobrevivência do indivíduo. é capaz de conviver produtivamente com a reserva do possível. que a cláusula da “reserva do possível” – ressalvada a ocorrência de justo motivo objetivamente aferível – não pode ser invocada. 22-23. além da proteção dos direitos individuais. assim como o magistrado. p. como decorrência causal de uma injustificável inércia estatal ou de um abusivo comportamento governamental. como se vê. descaracterizar-se-á a possibilidade estatal de realização prática de tais direitos. econômicos e culturais. desse modo. gastá-los sob a forma de obras. ausente qualquer desses elementos. ao determinar seu fornecimento pelo Estado. se tais Poderes do Estado agirem de modo irrazoável ou procederem com a clara intenção de neutralizar. as observações de ANDREAS JOACHIM KRELL (“Direitos Sociais e Controle Judicial no Brasil e na Alemanha”. notadamente quando. como já exposto.hondey@uol. traduzem-se em um binômio que compreende. puder resultar nulificação ou. 2002. O intérprete deverá levá -la em conta ao afirmar que algum bem pode ser exigido judicialmente. cujo ponto de partida está em assegurar as condições de sua própria dignidade. condições materiais mínimas de existência. de outro. Não obstante a formulação e a execução de políticas públicas dependam de opções políticas a cargo daqueles que. dessa conduta governamental negativa. as normas Acesse: http://materiaisparaconcursos.). a possibilidade de intervenção do Poder Judiciário. prestação de serviços. nem a de atuação do Poder Executivo.

com. No entanto. que esse entendimento jurisprudencial é também aplicável aos processos de controle normativo abstrato de constitucionalidade. por atentar contra o princípio da Separação dos Poderes (. há uma delegação constitucional para o legislador concretizar o conteúdo desses direitos. está crescendo o grupo daqueles que consideram os princípios constitucionais e as normas sobre direitos sociais como fonte de direitos e obrigações e admitem a intervenção do Judiciário em caso de omissões inconstitucionais.. na espécie. Ocorre. Cabe enfatizar. A negação de qualquer tipo de obrigação a ser cumprida na base dos Direitos Fundamentais Sociais tem como conseqüência a renúncia de reconhecê-los como verdadeiros direitos. assiste. CELSO DE MELLO. Muitos autores e juízes não aceitam. pelo legislador. Rel. quando incabíveis. situação configuradora de prejudicialidade da presente argüição de descumprimento de preceito fundamental. Em princípio.” (grifei) Todas as considerações que venho de fazer justificam-se. a recursos. da incumbência constitucional. em decorrência da razão ora mencionada. naturalmente. até hoje. CARLOS VELLOSO .hondey@uol. na área da saúde pública.. A inviabilidade da presente argüição de descumprimento. qualquer que seja a sua modalidade (ADI 563/DF. v.RTJ 168/174-175). a não ser. uma obrigação do Estado de prover diretamente uma prestação a cada pessoa necessitada de alguma atividade de atendimento médico. consubstanciada na Emenda Constitucional nº 29/2000.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. impõe uma observação final: no desempenho dos poderes processuais de que dispõe. Min. que se registrou.AI 159.). na esfera de atribuições do Relator.).com/ Contato: chenqs.. plenamente. o Poder Judiciário não deve intervir em esfera reservada a outro Poder para substituí-lo em juízos de conveniência e oportunidade. Rel. da execução de política governamental decorrente de decisão vinculante do Congresso Nacional. aos governos e parlamentos. sem objeto ou que veiculem pretensão incompatível com a jurisprudência predominante do Tribunal (RTJ 139/53 .892-AgR/SP. estranhos à competência desta Corte. Rel. A apreciação dos fatores econômicos para uma tomada de decisão quanto às possibilidades e aos meios de efetivação desses direitos cabe. quando haja uma violação evidente e arbitrária. visto que os Poderes Legislativo e Executivo no Brasil se mostraram incapazes de garantir um cumprimento racional dos respectivos preceitos constitucionais. ao Ministro-Relator.blogspot. Acesse: http://materiaisparaconcursos. por oportuno. eis que o postulado em questão sempre restará preservado ante a possibilidade de submissão da decisão singular ao controle recursal dos órgãos colegiados no âmbito do Supremo Tribunal Federal. pedidos ou ações. parece-nos cada vez mais necessária a revisão do vetusto dogma da Separação dos Poderes em relação ao controle dos gastos públicos e da prestação dos serviços básicos no Estado Social. excepcionalmente.. intempestivos. os atos decisórios que.) Em geral. a competência para negar trânsito. consoante esta Corte tem reiteradamente proclamado (RTJ 181/1133-1134. legitimando-se. Cumpre acentuar.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi constitucionais sobre direitos sociais devem ser abertas para receber diversas concretizações consoante as alternativas periodicamente escolhidas pelo eleitorado. querendo controlar as opções legislativas de organização e prestação. de moradia ou alimentação. de que poderia resultar grave comprometimento. PAULO BROSSARD – ADI 593/GO. que o Pleno do Supremo Tribunal Federal reconheceu a inteira validade constitucional da norma legal que inclui. nem lhes dado aplicação adequada como princípios-condição da justiça social. principalmente. o controle das ações. no entanto. consistente na impugnação a ato emanado do Senhor Presidente da República. Nem se alegue que esse preceito legal implicaria transgressão ao princípio da colegialidade. quanto à sua pertinência. ensino. nessa condição.g. (. monocraticamente. Rel. em conseqüência. em decisão monocrática. Min. pedidos ou recursos dirigidos ao Supremo Tribunal Federal. Nem a doutrina nem a jurisprudência têm percebido o alcance das normas constitucionais programáticas sobre direitos sociais. como precedentemente já enfatizado no início desta decisão. A eficácia dos Direitos Fundamentais Sociais a prestações materiais depende. normalmente. Min. dos recursos públicos disponíveis. por necessário.br 80 . Muitos autores entendem que seria ilegítima a conformação desse conteúdo pelo Poder Judiciário. competência plena para exercer. em face da própria natureza constitucional da controvérsia jurídica ora suscitada nesta sede processual. venha a praticar.

o judiciário pode sim exercer o controle. I) .ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi políticas públicas: quando uma decisão administrativa viola a razoabilidade e a proporcionalidade (previstas no artigo 2º da lei 9. Controle concomitante (sucessivo): é o controle realizado à medida que a conduta está se desenvolvendo. Arquivem-se os presentes autos. atingirá o mérito do ato administrativo. Rel.. sendo um controle de legalidade.). Brasília.com.. julgo prejudicada a presente argüição de descumprimento de preceito fundamental. Ministro CELSO DE MELLO Relator Acesse: http://materiaisparaconcursos. CELSO DE MELLO .hondey@uol.784/99). 67 da lei 8. CELSO DE MELLO). tendo em consideração as razões expostas.: fiscalização de um contrato que está em andamento.)” (RTJ 139/67. 29 de abril de 2004.666/93. 21.ADI 2. v. Ex. CELSO DE MELLO . porém. Rel. Min. MARCO AURÉLIO .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Di Pietro) = quanto à oportunidade (José dos Santos): Controle prévio: exercido antes de se consumar a conduta administrativa. que.215/PE.g. Rel. Min.ADI 2. em virtude da perda superveniente de seu objeto.com/ Contato: chenqs. indiretamente.o controle prévio dos requisitos formais da fiscalização normativa abstrata (. que consiste na fiscalização dos agentes públicos durante a realização de obras públicas. o ordenamento positivo brasileiro “não subtrai.enquanto responsável pela ordenação e direção do processo (RISTF.ADI 2. Min. Min. Quanto ao momento (Celso Antônio. Rel. art. Publique-se. CELSO DE MELLO. Min. o poder de efetuar .207/AL. art. tal como já assentou o Plenário do Supremo Tribunal Federal. Sendo assim.060/RJ.br 81 . ao Relator da causa.blogspot. eis que.

Finalístico (controle por vinculação): controle de legalidade da atuação administrativa.blogspot. Fundamento do controle (Celso Antônio): Hierárquico (controle por subordinação): escalonamento vertical dos órgãos – decorrência do princípio da hierarquia entre órgão superior e órgão inferior. sendo caso claro. exercendo a administração direta controle sobre a administração indireta. buscando confirmar ou corrigir o ato.: típico ato de controle do judiciário em relação a ato já praticado: visto das autoridades superiores. Quanto à iniciativa (José dos Santos): De ofício: trata autotutela.com/ Contato: chenqs. dos recursos administrativos. tratando de caso típico de exercício do poder hierárquico.hondey@uol. homologação da autoridade superior.br 82 .ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Controle posterior (corretivo/subsequente): traz a ideia de revisão. Provocado: é o controle deflagrado por terceiro. se de manifestação da própria Quanto à natureza do controlador: Acesse: http://materiaisparaconcursos. Ex. por exemplo.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com.

Tudo isso decorre da autotutela. sendo sempre realizado pelo executivo ou pelos órgãos administrativos do legislativo e do judiciário. Depois de exercido o direito de petição. Os administrativistas dizem que o direito de petição pode ser exercido independentemente do pagamento de taxas.hondey@uol. com o auxílio de órgãos julgadores de recursos e também com o auxílio de órgãos especializados (ex. assim. O direito de petição (segundo Diógenes Gasparini) é um direito dotado de eficácia. portanto.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Controle administrativo ou executivo: é o controle que vai confirmar.br 83 . condutas internas quanto à legalidade e à conveniência. “a”. da CRFB/88). alteração do ato12.com.blogspot. questionam a existência da “garantia de instância” (pagamento exigido para recurso): sustenta que a lei pode estabelecer condições especiais para a interposição de recursos administrativos (corrente minoritária.: controle técnico de auditoria). Acesse: http://materiaisparaconcursos. correção do ato. rever. entende esse autor que a falta de pronunciamento da autoridade administrativa acerca dessa petição é causa autorizadora do ajuizamento do mandado de segurança. com o right of petition. sendo o direito de postular aos órgãos públicos algum direito em decorrência da cidadania (previsto no artigo 5º.com/ Contato: chenqs. Os instrumentos utilizados na realização desse controle são: a) direito de petição > nasceu na Inglaterra. O objetivo desse controle é: confirmação do ato. XXXIV. alterar. Tal controle é exercido pelos órgãos superiores em relação aos órgãos inferiores.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. mas que está sumulada no TJ/RJ por meio da súmula 64 e 12 Alteração se dá quando uma parte é ratificada e a outra é alterada. o recebimento do pedido pela autoridade é obrigatório.

decorrente escalonamento dos quadros da administração. estando tal entendimento previsto na súmula vinculante 21 do STF). 19 do decreto 200/67). §2º da lei 9.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. como por exemplo: leis de iniciativa popular (art.com/ Contato: chenqs. com o art. sustentando que viola o direito de petição e também o contraditório e a ampla defesa. 194. Acesse: http://materiaisparaconcursos. que fundamenta no artigo 56.784/99.hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi também é o posicionamento de José dos Santos Carvalho Filho. c) hierarquia orgânica (José dos Santos) = fiscalização hierárquica (Celso Antônio) organizacional da > esse é o “sistema do administração”. §3º + ações e serviços de saúde (art.blogspot. §2º da CRFB/88) + EC 19/98. CRFB/88) + participação social na seguridade social (art. 198. III. 37. d) controle social > é o controle do poder público que é realizado pela sociedade.br 84 . sustenta que a exigência de garantia de instância é inconstitucional (posicionamento amplamente majoritário – nesse sentido: STF. 61. que diz que poderá haver “garantia de instância” caso a lei exija. Existem vários instrumentos que mostram esse controle social. b) controle ministerial > é o exercício feito pelo Ministério sobre os órgãos da administração pública a ele vinculado e sobre as pessoas da administração indireta federal (art.com. onde o órgão superior exerce o controle sobre o órgão inferior.

sendo necessário também que haja (para que possa recorrer) o inconformismo. público. fala se apenas dos recursos administrativos. São efeitos dos recursos: Efeito devolutivo: devolve a matéria para apreciação do órgão superior.784/99). que tem por escopo a defesa de interesses gerais da coletividade (ex. da CRFB/88) + consulta pública e audiência pública (lei 9.com/ Contato: chenqs. por órgãos fundações. o exercício do direito de petição. Ministério Público).ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi VII. (entidades) sindicatos do poder realizando o controle) ou também pode ser um controle institucional. e) instrumentos legais legal de controle dos atos. > a Lei Complementar 101/2.000 (Lei de Responsabilidade Fiscal) é um instrumento f) recursos administrativos lato sensu > tais recursos devem se sujeitar ao princípio da publicidade e também ao princípio do formalismo. não dos recursos judiciais.br 85 .: Defensoria Pública. e a petição já vem com a razão em uma peça só (não há petição de interposição separado das razões). Aqui.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot. O fundamento do recurso está no sistema de hierarquia orgânica. a garantia de contraditório e de ampla defesa. resta lembrar. Não há uma regra geral para os recursos.com.hondey@uol. Esse controle social pode ser efetivado através de um controle natural exercido (associações. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Os recursos administrativos dispensam advogado.

hondey@uol. incidindo nas hipóteses em que a lei mencionar. Estudo dos recursos em espécie: F. necessariamente instaura um processo administrativo. a administração pública ao receber essa representação do recorrente. 109.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Efeito suspensivo: esse é exceção. ela pode conferir efeito suspensivo para o recurso ao recebê efeito suspenso pela lo.br 86 . Em razão da autotutela.1) REPRESENTAÇÃO ADMINISTRATIVA: o recorrente vem e denuncia irregularidades.com. tudo isso com o objetivo de apuração e de regularização do ato.blogspot. não é cabível mandado de segurança. caso a autoridade administrativa entenda conveniente. assim. que nada mais é do que um poder dever que a administração pública tem de averiguar e punir os responsáveis por ter praticado condutas abusivas Acesse: http://materiaisparaconcursos.com/ Contato: chenqs.666/93 traz um exemplo de recurso com efeito suspenso. o recorrente pode ser qualquer pessoa. I. Nesse caso. o ato fica com o efeito suspenso até o processamento do recurso. diante de falta de potencialidade do ato em produzir dano aos administrados. ilegalidades ou condutas abusivas dos órgãos e agentes públicos. O art. §2º da lei 8. Em função da presunção de legitimidade dos atos administrativos é que não se admite o efeito suspensivo como regra no direito administrativo. mesmo aquele que ainda não tenha sido afetado pela conduta abusiva – assim. Quando o ato está com o administração.

com. O prazo para a reclamação encontra se no art. 6º do decreto 20. nos artigos 3º e 4º). F. §2º da CRFB/88. lei 4.br 87 . 74. desde que desfazimento desse ato. Na reclamação.2) reclamação administrativa: prevista no decreto 20.910/32 e é de 1 ano – decorrido o esse prazo.910/32. Não se deve confundir essa reclamação com a reclamação cabida ao STF em razão de ato administrativo contrário à orientação de súmula vinculante (essa última de caráter nitidamente jurisdicional).blogspot. deduz uma pretensão perante a administração pública. do a administração até pode o reconhecer direito recorrente.3) pedido de reconsideração: trata se de pedido de reexame da matéria pela própria autoridade Acesse: http://materiaisparaconcursos. visando obter o reconhecimento de um direito ou a correção de um ato que lhe cause lesão ou ameaça de lesão”.898/65. conceitua se como “o ato pelo qual o administrado. F. reconhecimento do direito do recorrente.com/ Contato: chenqs. o recorrente é qualquer pessoa. ou seja.·. seja particular ou servidor público.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi (exemplo: art. ainda que não afetada pelo ato). não atinja a esfera jurídica de terceiro causando lhe dano e desde que não tenha se consumado a prescrição.hondey@uol.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. o recorrente é o interessado direto (já na representação.

ou do administrado) em razão da ocorrência de: um fato novo.5. da lei 8.666/93.blogspot. Pode a revisão do processo ser feita de ofício.4) revisão do processo: prevista nos artigo 174 a 182 da lei 8.com.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. embora haja alguns diplomas que se referem a esse recurso: lei 8. inadequação da penalidade aplicada.hondey@uol.1) recurso hierárquico próprio: é aquele recurso dirigido para a autoridade hierarquicamente superior (portanto. 109. III. portanto.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi que emitiu aquele ato. só podendo ser esse pedido ser feito uma única vez (assim. Esse recurso decorre da própria hierarquia dos órgãos.com/ Contato: chenqs. circunstância que justifique a inocência.5) recurso hierárquico: F. A revisão nada mais é do que o reexame da punição (ou do servidor. se for indeferido.784/99. a pedido e também a qualquer tempo. O prazo para esse pedido é de um ano (utiliza se por analogia o prazo da reclamação administrativa). Não há lei específica cuidando do pedido de reconsideração. não admite uma nova postulação). F. total ou parcialmente.br 88 . F. é um recurso interno). sendo lícito que o administrado que recorra o à ato autoridade que lhe superior àquela realizou Acesse: http://materiaisparaconcursos. art.112/90 e no artigo 65 da lei 9.112/90. não precisa de lei que o preveja.

É a “preclusão de efeitos internos” 13.hondey@uol. PRESCRIÇÃO ADMINISTRATIVA: a) perda do prazo para recorrer. uma vez que o recurso se dá para outro órgão que não exerce hierarquia sobre o primeiro (ex.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 13 Expressão esta de Hely Lopes Meirelles. e há recurso para o Ministério em que se acha vinculado aquela autarquia). F. É interessante ver depois: artigos 56 a 64 da lei 9. ou seja.: o dirigente de uma autarquia profere um ato.5.br 89 . Di Pietro trata das limitações ao poder de revogar: essas situações irrevogáveis de ato. “The final enforcing Power” está ausente na coisa julgada administrativa. são também situações irretratáveis perante a administração.784/99. o ato pode ser levado ao judiciário mesmo depois de esgotados os recursos administrativos. para ela.com.blogspot. Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi prejudicou. b) perda do prazo para a administração rever seus próprios atos (autotutela).2) recurso hierárquico impróprio: não decorre da hierarquia. assim. a irretratabilidade do ato perante a administração pública. devendo se falar em coisa julgada administrativa.com/ Contato: chenqs. COISA JULGADA ADMINISTRATIVA: é a imodificabilidade.

58. As aprovações e autorizações do Congresso Nacional para que o Executivo realiza alguns atos trata de mais uma forma de controle legislativo. Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi c) perda do prazo para aplicação de penalidades.hondey@uol. O art. atribui como competência do Congresso Nacional “[. O controle do Congresso Nacional acima prevista.]”. O art.: é preciso que o Congresso Nacional aprove o ato de renovação de um contrato de emissora de TV – o artigo 49. Ex. ou seja.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. trata-se de uma hipótese de controle político. XV e XVII traz outros exemplos de controle. O art. 50 da CRFB/88 trata do poder convocatório.. V.br 90 . X da CRFB/88. da oportunidade e da conveniência ao interesse público. do artigo 49. XII... O artigo 49. III a IX da CRFB/88)..com. da CRFB/88 traz a possibilidade de controle dos atos pelo Congresso quando os atos do Executivo suplantarem os limites da regulamentação. §3º trata das CPI´s. 49.] fiscalizar e controlar diretamente ou por qualquer de suas casas os atos do Poder Executivo [. I. O senado também pode exercer o controle (art. XIII.blogspot. X.com/ Contato: chenqs. CONTROLE LEGISLATIVO OU PARLAMENTAR: CONTROLE POLÍTICO: vai analisar as decisões administrativas sobre os aspectos da discricionariedade. 52.

principalmente. a ele realizar o de controle controle abstrato abstrato de de constitucionalidade? realização constitucionalidade é competência do STF. ainda que realizando o controle financeiro.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Existe tanto o controle interno quanto o controle externo. pelo TCU.478/97.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi CONTROLE FINANCEIRO: previsto no artigo 70 a 75 da CRFB/88.com/ Contato: chenqs. Seria possível ao Tribunal de Contas.478/97. diz que não cabe ao Tribunal de Contas rever decisões transitadas em julgado. e o que o Tribunal de Contas pode é apreciar a constitucionalidade de leis e atos do poder público (nesse sentido: súmula 347 do STF). no seu artigo 67.” Acesse: http://materiaisparaconcursos. A SÚMULA VINCULANTE 3 do STF: “Nos processos perante o Tribunal de Contas da União asseguram se o contraditório e a ampla defesa quando da decisão puder resultar anulação ou revogação de ato administrativo que beneficie o interessado. poderia Não. A lei 9. O artigo 71 da CRFB/88 diz quais são as atribuições do Tribunal de Contas.br 91 .hondey@uol. prevê um procedimento simplificado de licitação para a Petrobrás: o STF concedeu liminar no MS 28.666/93). reforma e pensão.150 julgado recentemente (em 2. sob pena de violar a segurança jurídica e a boa fé objetiva.blogspot.com. Seria cabível ao Tribunal de Contas rever uma decisão judicial transitada em julgado? O MS 28.252 (em 29/09/09) no sentido de que seria permitido que a Petrobrás utilizasse o procedimento simplificado da lei 9. É o controle realizado. suspendendo os efeitos de um acórdão do Tribunal de Contas (que trazia orientação de que a Petrobrás deveria seguir a lei 8. abarca todos os poderes da República.009). excetuada a apreciação da legalidade do ato de concessão inicial de aposentadoria.

Na verdade. sem prejuízo das ações ordinárias. ou seja.br 92 . cabe ao judiciário dar a decisão final em relação ao ato.com. ação civil pública. por faltar norma para cuidar desse Acesse: http://materiaisparaconcursos. O judiciário pode anular os atos ilegais. nós iremos utilizar a lei que cuida da greve no serviço privado (lei 7. ou que trabalham com periculosidade. 37. PEDIDO DE APOSENTADORIA: o STF.blogspot. Há duas omissões inconstitucionais que foram controladas por meio de mandado de injunção perante o Judiciário: DIREITO DE GREVE: uma dessas omissões se refere ao direito de greve (art.hondey@uol.com/ Contato: chenqs.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. dentre outras. adotou a “Teoria Concretista” e legislou no caso concreto. diante de uma omissão legislativa. surgiu a chamada “síndrome da inefetividade das normas constitucionais”. em 15/04/09 decidiu que os servidores públicos que trabalham em condição insalubre. Diante de ausência de norma. V. mandado de injunção. não tem regulamentação.783/89). habeas data. mandado de segurança. da CRFB/88). havendo várias medidas para isso: habeas corpus. o STF decidiu que enquanto não vem a lei específica que cuida da greve no serviço público. assim. que apesar de ter previsão Constitucional.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi CONTROLE JUDICIAL: Vigora o sistema da jurisdição única. ADI. o STF.

blogspot. 795 e 797. 40.com/ Contato: chenqs. §4º da CRFB/88). mais uma vez.com. como “legislador positivo”.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi assunto (embora haja previsão no art. optou pela aplicação do artigo 57 da lei 8.br 93 . agindo.213/91 (lei que cuida da previdência social no setor privado). Acesse: http://materiaisparaconcursos. no julgamento dos mandados de injunção 721.

Vários atos administrativos devem ser praticados dentro de um processo administrativo.br 94 . Acesse: http://materiaisparaconcursos. fundamenta e legitima a conduta do administrador. é o resultado do processo administrativo. motivação.blogspot. caso um ato administrativo venha a atingir alguém.hondey@uol. já na via administrativa. O processo administrativo também é utilizado como mecanismo de defesa. isonomia. ampla defesa.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Na via judicial. contraditório.). o resultado do processo é a sentença. razoabilidade.com. Segundo o STF. É através do processo que o administrador legitima a sua conduta. deve haver um processo conforme um modelo constitucional (com respeito ao devido processo legal. legalidade. etc. O processo é condição de forma para o ato administrativo: o processo é um mecanismo de documentação na administração pública. ou seja. O procedimento é a maneira de se praticar tais atos.com/ Contato: chenqs.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Processo é um conjunto de atos destinados a um provimento final.

É mecanismo de defesa. Legitima/fundamenta a prática do ato administrativo.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Documentação Condição de forma Processo é condição de forma do ato administrativo.com/ Contato: chenqs. Lá é que se confere se houve fraude na licitação.hondey@uol.com. Se o servidor praticou infração grave. Acesse: http://materiaisparaconcursos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. para legitimar a conduta do administrador. na administração tributária etc.br 95 . aplicar multa de trânsito.blogspot. Dá transparência à atuação da Administração.

C) Ampla Defesa Significa dar a oportunidade de defesa. daí a praxe administrativa que vai definir como o processo será realizado. mas aqui no processo administrativo esse ato também pode ser chamado de “notificação” ou “intimação”. mas jamais poderá haver ofensa ao princípio da proporcionalidade e da razoabilidade. O administrador vai fazer conforme o modelo constitucional. para que haja a possibilidade de a pessoa se manifestar (ciência necessária / reação possível).blogspot. inciso LIV.com.br 96 .  Direciona. A terminologia correta de chamar a parte para o processo é chamada de citação. também sendo possível a ciência feita na própria repartição ou até mesmo via edital. Assim que a parte toma ciência do processo (contraditório).DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Em muitas áreas do Direito Administrativo a lei não traz os detalhes e etapas do processo/procedimento. ela ganha a Acesse: http://materiaisparaconcursos. Tal princípio encontra artigo 5º. 5º.  O processo deve seguir o modelo legal. LV da CRFB/88) conhecimento. ciência da existência do significa processo. serve como orientador da conduta do administrador público.hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi A) Devido Processo Legal o processo deve ser de acordo com o se esculpido no que está previsto na lei. Assim. temos:  Tem que ser um processo que cumpra o modelo constitucional. B) Contraditório (art. É possível que esse ato seja feito pessoalmente.com/ Contato: chenqs. seja feito via correio (carta registrada com A/R).

hondey@uol. a Administração. Dentro do direito à informação encontra-se o direito à reprodução do processo. a parte tem direito a viabilização de cópias do processo. Por exemplo. porém. que fica a cargo do interessado.com. numa multa de trânsito: você tem que ter as informações para se defender (local. ou seja. que se). 14 Essa autoridade/comissão deve atender todas as exigências previstas em lei. Muitos Estados e Municípios não possuem a lei de processo. c) sanções pré-determinadas15. Isso significa. b) procedimento pré-determinado. não apenas formal. simplesmente conceder um prazo não é suficiente para que a parte se defenda. data).com/ Contato: chenqs. Além disso. Acesse: http://materiaisparaconcursos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. devem ser observados alguns importantes requisitos: a) autoridade/comissão de julgamento prévia e competente14. d) direito às informações do processo: O direito à informação traz a regra de que o processo deve ser público.br 97 .blogspot. velocidade. não precisa arcar com o custo de reprodução. para que a ampla defesa seja realmente obedecida. mas essa oportunidade deve ser material.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi oportunidade de se pronunciar (defender em outros termos. 15 Todas as consequências possíveis do processo devem estar na lei.

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

e) direito à produção de provas:

a parte deve ter o direito de

produção de provas, mas tal direito não é um direito absoluto. A administração pública deve decidir o que é razoável, uma vez que falta norma regulamentadora da questão processual no direito administrativo. Não basta também que a prova seja produzida, ela deve ser considerada na decisão·.

OBS

ADMINISTRAÇÃO

X

E-MAIL INSTITUCIONAL - surge aqui a

discussão se cabe à administração violar o e-mail institucional para fazer prova contra a administração. Prevalece o entendimento de que o e-mail institucional não é do servidor, mas sim da administração, podendo a administração usar livremente seu banco de dados; Provam produzida de forma ilícita - provas ilícitas não podem servir como fundamento para decisões em processo administrativo. Na prática, a prova ilícita acaba sendo utilizada como um sinal de alerta;

Defesa técnica

o

entendimento

era

o

de

que

a

presença do advogado no processo administrativo disciplinar não era obrigatória, sendo meramente facultativa. A participação do Advogado, assim, era dispensável16. Porém, o STJ entendeu que a presença do advogado contribui para a regularidade do
16

NOTE BEM: A discussão da presença ou não do advogado que ocorreu na jurisprudência referia-se ao processo administrativo disciplinar, e não em relação ao processo judicial.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

98

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

processo, sendo sua presença obrigatória em todas as fases do feito. Com base nesse entendimento, então, o STJ editou a Súmula 343, cujo teor era o seguinte: STJ, Súmula 343 É obrigatória a presença de advogado em todas as fases do processo Administrativo disciplinar.  Porém, em decisão manifestamente política, para evitar a conta milionária que o Estado teria que pagar, o STF editou a Súmula Vinculante nº 5. Súmula Vinculante nº 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a constituição.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

99

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

D) Direito de Recurso:

O direito de recurso está presente na parte final do artigo 5º, inciso LV, da CRFB/88; O direito de recurso está presente mesmo que não exista determinação expressa. Proibir o direito de recurso é contrariar o direito constitucional à ampla defesa, sendo, portanto, inconstitucional; Para o exercício do direito de recurso é indispensável a motivação (é aí que se revela a importância do princípio da motivação); SÚMULA VINCULANTE nº 21 como condição para interposição depósito de prévio é

recurso

inconstitucional, portanto, o direito de recurso não pode ficar preso à capacidade financeira do recorrente;

Nos processos que tramitam no Tribunal de Contas, há duas observações no que toca à Súmula Vinculante nº 3:

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

100

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

Se do processo que tramita perante o Tribunal de Contas puder resultar a anulação ou revogação de ato que beneficie um terceiro, este deve ter direito ao contraditório e à ampla defesa.

Ato de concessão de aposentadoria, reforma e pensão : não se aplicam o contraditório e ampla defesa no caso apreciação de legalidade de ato inicial de concessão de aposentadoria, reforma e pensão (na verdade, no que se refere à aposentadoria, não haverá contraditório e ampla defesa perante o Tribunal de Contas). Contudo, o ato de concessão inicial é ato complexo, porquanto depende de duas manifestações de vontade (Administração + TCU), caso em que o ato só atinge a perfeição com as duas manifestações de vontade. Desse modo, quando a Administração Pública concede o direito, o TCU manifesta sua vontade, concordando ou não com este ato (controle de legalidade). O contraditório e a ampla defesa ocorrerão perante a Administração, e não perante o TCU. Se o TCU validar o ato, este se torna perfeito. Em outras palavras, embora o ato de concessão inicial de aposentadoria, reforma e pensão possua duas manifestações de vontade (administração + tribunal de contas), trata-se de ato administrativo único, cabendo, portanto, um direito de defesa, que ocorrerá perante a Administração;

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

101

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.116 EMENTA: MANDADO DE SEGURANÇA.br 102 . o vão acontecer na fase da Administração. Essa matéria discutida em dois Mandados de Segurança: QUENTÍSSIMAS. consolidou afirmativamente a expectativa do ex servidor quanto ao recebimento Acesse: http://materiaisparaconcursos. Preliminar de ilegitimidade passiva rejeitada. 2. O impetrante se volta contra o acórdão do TCU. Se o TCU não analisar o processo em 5 anos.blogspot. a contar da aposentadoria.hondey@uol. para que este comprove o recolhimento das questionadas contribuições previdenciárias. 1. Preliminar que se confunde com o mérito da impetração. GARANTIAS CONSTITUCIONAIS DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA DEFESA.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi O STF disse que.com/ Contato: chenqs. por força da contraditório e ampla defesa Súmula Vinculante nº 3. por mais de cinco anos. Não exatamente contra o IBGE. publicado no Diário Oficial da União. NESTA SEMANA! MS 25.com. A inércia da Corte de Contas. PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA. NEGATIVA DE REGISTRO A APOSENTADORIA. deve instaurar contraditório e ampla defesa no próprio TCU. UMA PUBLICADA NA SEMANA PASSADA E OUTRA. Infundada alegação de carência de ação. por ausência de direito líquido e certo. 3. ATO DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL.

053 EMENTA: MANDADO DE SEGURANÇA. projeção objetiva do princípio da dignidade da pessoa humana e elemento conceitual do Estado de Direito. O prazo de cinco anos é de ser aplicado aos processos de contas que tenham por objeto o exame de legalidade dos atos concessivos de aposentadorias. TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. 19 do ADCT). APRECIAÇÃO DA LEGALIDADE DO ATO DE CONCESSÃO INICIAL DE APOSENTADORIA.com. 5. o desejado critério da razoabilidade. objetivamente. Tempo que é de cinco anos (inciso XXIX do art. 183 e 191 da CF. Transcorrido in albis o interregno quinquenal. 7º e arts. 6. MS 26. OBSERVÂNCIA DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA DEFESA. reformas e pensões.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. NECESSIDADE DE OBSERVÂNCIA APENAS SE PASSADO MAIS DE Acesse: http://materiaisparaconcursos. é de se convocar os particulares para participarem do processo de seu interesse.com/ Contato: chenqs.br 103 . para que sua prolongada passagem em aberto não opere como fator de séria instabilidade inter subjetiva ou mesmo intergrupal. um dos conteúdos do princípio constitucional da moralidade administrativa (caput do art.hondey@uol. certas situações jurídicas subjetivas ante o Poder Público. 5º). b) a lealdade. São de se reconhecer. mormente quando tais situações se formalizam por ato de qualquer das instâncias administrativas desse Poder. 37). portanto. bem como art. Pelo que existe uma espécie de tempo constitucional médio que resume em si. A própria Constituição Federal de 1988 dá conta de institutos que têm no perfazimento de certo lapso temporal a sua própria razão de ser.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi de verba de caráter alimentar. A manifestação do órgão constitucional de controle externo há de se formalizar em tempo que não desborde das pautas elementares da razoabilidade. Segurança concedida. Esse aspecto temporal diz intimamente com: a) o princípio da segurança jurídica. 4. a fim de desfrutar das garantias constitucionais do contraditório e da ampla defesa (inciso LV do art.blogspot. a contar da aposentadoria. como se dá com o ato formal de aposentadoria. Todo o Direito Positivo é permeado por essa preocupação com o tempo enquanto figura jurídica.

blogspot. Plenário reafirma direito ao contraditório caso TCU demore mais de 5 anos para analisar aposentadoria Por maioria de votos. reforma e pensão após mais de cinco anos. O entendimento decorreu de voto vista do ministro Gilmar Mendes e prevaleceu sobre o voto da relatora. ministra Ellen Gracie. Argumentos Acesse: http://materiaisparaconcursos. 02 de março de 2011.hondey@uol. prevaleceu o entendimento que assegura ao aposentado. sendo seguida pelo ministro Dias Toffoli. que concedia a ordem parcialmente apenas para isentar o médico e professor da devolução dos valores recebidos.br 104 . sem que lhe fosse assegurado o direito ao contraditório e à ampla defesa.com/ Contato: chenqs. SEGURANÇA CONCEDIDA. Segurança concedida para que seja reaberto o processo administrativo com a observância do due Notícias STF Imprimir Quarta feira. II processo of law. pensionista ou reformado o direito ao contraditório e à ampla defesa caso o processo administrativo que avalia a legalidade da concessão de sua aposentadoria.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi CINCO ANOS. pensão ou reforma não seja julgado pelo TCU em cinco anos.com. I Caso o Tribunal de Contas da União aprecie a legalidade do ato de concessão inicial de aposentadoria.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. que havia sido concedida há 11 anos. há a necessidade de assegurar aos interessados as garantias do contraditório e da ampla defesa. os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) concederam parcialmente a ordem no Mandado de Segurança (MS) 24781 e cassaram a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que julgou ilegal a aposentadoria do médico e professor Mazureik Miguel de Morais. No julgamento de hoje.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Ele exercia funções em três diferentes órgãos: foi professor na Universidade da Paraíba e médico no Instituto de Administração Financeira da Previdência Social (IAPAS) e na Fundação Legião Brasileira de Assistência. respectivamente. não se pode exigir que o impetrante tenha pleno conhecimento da precariedade aposentadoria. que passou a exigir que o TCU assegure ampla defesa e contraditório. Portanto. Aposentou se. afirmou Mendes. já que a decisão do Supremo vai obrigar dos atos praticado pelo órgão público que lhe concedeu Acesse: http://materiaisparaconcursos. O ministro Gilmar Mendes lembrou que sua posição encontra respaldo em recente jurisprudência da Corte (como o MS 24748). sob pena de ofensa ao princípio da confiança. em 25/06/1991 (UFPB). não se tem apenas a reforma do benefício. por parte do aposentado. “face subjetiva do princípio da segurança jurídica”. Na espécie. nos casos em que o controle externo da legalidade exercido pela Corte de Contas para registro de aposentadorias e pensões ultrapasse o prazo de cinco anos. trata se de medida drástica que está sendo efetivada em detrimento de um cidadão que gozava de aposentadoria que possuía total aparência de legalidade até receber a notícia de que o TCU havia cassado sem lhe conceder a oportunidade de se defender”. 17/7/1992 (IAPAS) e 31/12/1992 (LBA).ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi “No caso em exame impressiona me o fato de que o impetrante estava recebendo o benefício da aposentadoria há mais de 10 anos quando o TCU julgou ilegal o ato de concessão e determinou seu cancelamento. qualquer conduta qualificadora de má fé e. passados mais de 10 anos do ato de concessão de aposentadoria. a Segunda Câmara do Tribunal de Contas da União julgou ilegal o ato de aposentadoria no cargo de médico do IAPAS com vigência a partir de 17/07/1992.blogspot. O ministro acrescentou que não consta dos autos qualquer informação que possa levar à conclusão de que tenha havido. Mendes salientou a importância de um diálogo institucional com o TCU.com/ Contato: chenqs. tendo em vista que a acumulação de proventos do impetrante seria indevida.hondey@uol. mas a sua própria anulação.com. Em 21/10/2003.br 105 .

é o órgão de origem. Peluso defendeu a tese de que deve haver decadência. apontando a decadência*.com/ Contato: chenqs. mas acho que a Corte tem que continuar pensando nisso porque não se pode alterar a vida das pessoas depois de tantos anos. por ora.br 106 . As pessoas mudam de vida. o TCU tem plenas condições de julgar a legalidade de atos concessivos de pensões.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. mudam de economia. “A Carta da República contempla a dupla aposentadoria no tocante a cargos acumuláveis em atividade.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi uma mudança no processamento de registros e avaliações. dificilmente. “Sei que é um ponto de vista vencido. nem imagina que o ato de aposentadoria está sujeito à revisão. Decadência O ministro Cezar Peluso votou. que votou pelo indeferimento total da ordem. porque é a vida das pessoas que está em jogo.hondey@uol. Indaga se: seria possível acumular dois cargos de médico e um cargo de Acesse: http://materiaisparaconcursos. quando se aposenta. É por isso que se exige o pronunciamento da Corte de Contas”. pela concessão integral do MS. vencido. asseverou.blogspot. Eles acham que aquilo é definitivo.com. o ministro Marco Aurélio apontou a ilegalidade da tríplice aposentadoria. Alerta O ministro Marco Aurélio. E passados não sei quantos anos vem o TCU e diz que não pode receber mais? É a vida das pessoas que está em jogo”. o TCU aprecia a legalidade de uma aposentadoria antes de cinco anos. A grande maioria dos servidores públicos. quem calcula os proventos. “Precisamos marchar com cuidado sob o ângulo da decadência proposta porque nós sabemos que quem levanta o tempo de serviço. em razão da decadência. Quanto ao mérito. alertou que. de hábitos. ressaltou. de lugar. Para ele. a legitimação de uma série de situações jurídicas que poderão ser discrepantes. afirmou. e aí nós teremos. aposentadorias ou reformas num prazo de cinco anos. principalmente após a informatização. “Estamos sendo ponderados no sentido de não impormos uma condição que é de difícil execução de imediato”. caso o processo fique por mais de cinco anos no TCU sem que haja julgamento.

não necessitando necessariamente do impulso Acesse: http://materiaisparaconcursos. mas ainda há quem diga que busca verdade real. VP/CG *Decadência: Extinção de um direito pela inércia de seu titular.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi professor? A resposta está no artigo 37. a verdade real é praticamente impossível de ser atingida. vai além do que já está previsto no processo. Na prática. os três cargos.br 107 .com. inciso XVI. da Constituição. que se esgotou.blogspot. A doutrina diz que o que nós precisamos é da maior aproximação da verdade possível.hondey@uol. sem o respectivo exercício. quando a eficácia desse direito estava originalmente vinculada ao exercício dentro de determinado prazo. se no processo administrativo a F) PRINCÍPIO da OFICIALIDADE tal princípio traz duas regras diferentes: Impulso oficial das partes. não cabe agasalhar a tríplice aposentadoria”.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. afirmou. Se não podia acumular. e é negativa.com/ Contato: chenqs. em atividade. o processo administrativo caminha por impulso oficial. E) VERDADE REAL refere se ao que realmente aconteceu.

mais precisamente no artigo 5º. caso o prazo não esteja previsto em lei.br 108 .784/99 traz a informação de que a lei é norma geral com aplicação subsidiária. perpetua informalidade do ponto de vista do administrado. Segundo essa regra. Portanto. inciso LXXVIII da CRFB/88. Muitos dos processos administrativos já possuem prazos definidos em lei. a regra de que o processo administrativo é regido pela G) CELERIDADE do PROCESSO > está no texto constitucional.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. deve ser aplicado o princípio da razoabilidade. o processo administrativo deve durar um prazo razoável. Qualquer requerimento.blogspot. não veda a existência de normas específicas – o artigo 69 da lei 9. se diferente do Ato Administrativo. incluído pela EC 45/04. assim.com/ Contato: chenqs.hondey@uol. Acesse: http://materiaisparaconcursos. dá início ao processo.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Informalidade o Processo Administrativo é informal. o que significa dizer que no silêncio da norma específica é que será aplicada a norma geral. Essa lei atua como norma geral de processo administrativo para o âmbito federal. portanto. sem formalidade.com. Essa lei é norma geral.

desde que seja intimada em pelo menos três dias úteis antes da data do comparecimento (ou seja. Parte que é chamada para o processo e não comparece.com/ Contato: chenqs. efetuar a “intimação” (ou “notificação”) – a vai mais comum.blogspot.hondey@uol. ou seja. a regra é que o ato deve ser suspenso. Encerrado o expediente.com. Testemunha pode ser intimada para comparecimento.br 109 . reabrindo o prazo para defesa e nomeando defensor dativo. para que seja obrigado o comparecimento da Acesse: http://materiaisparaconcursos. econômica e viável é o uso dos Correios através de carta com A/R. o ato pode ser praticado fora da repartição.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. o prazo é de 5 dias. desde que por uma razão de interesse público – exemplo: licitação com inúmeros licitantes). usando a lei as duas de forma idêntica. esse não comparecimento gera revelia: em processo administrativo não se admite os efeitos da revelia. em sem lei estabelecer ser distinção. excluindo o dia do começo e computando o dia do final (prazo processual somente começa e somente termina em dia útil). utilizadas Todas para as hipóteses ciência ao permitidas podem dar administrado. É perfeitamente possível a intimação por edital caso o intimado esteja em local incerto e não sabido. a lei não usa a palavra “citação”. salvo quando a suspensão causar prejuízo para o ato. Dia útil para o direito administrativo é o dia em que a repartição está funcionando. No silêncio da lei. Os atos do processo administrativo devem ser praticados na repartição e no horário de funcionamento (excepcionalmente.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Prazo processual administrativo se conta conforme prazo processual comum. mas usa as palavras “notificação” e “intimação”. No processo administrativo.

não seja comum esse comparecimento. Caso a testemunha não compareça. ela deve ser intimada com pelo menos três dias úteis de antecedência). até mesmo por falta de estrutura da máquina administrativa). mas depende da lei de processo administrativo que se analisa).com/ Contato: chenqs. a) instauração: É possível que o processo administrativo seja instaurado pela parte.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi testemunha. A regra geral é que nesse momento a autoridade instauradora nomeia a comissão processante (há na maioria dos processos o mínimo de 3 membros na comissão. através de um requerimento do interessado. uma vez que o comparecimento é obrigatório (embora na prática.com. Resta a dúvida se a portaria deve indicar ou não a infração cometida: não há necessidade. A instauração de processo administrativo disciplinar é obrigatória. é possível a condução coercitiva. A instauração do processo administrativo por parte da administração se dá por portaria.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol.br 110 . Também é possível a existência de processo instaurado pela própria administração. b) instrução: Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot. bastando que a portaria apenas enuncie o fato.

com/ Contato: chenqs. que se dá antes da defesa: nesse momento todos podem produzir provas. os três itens). A instrução + defesa + relatório (ou seja.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Esse é o momento de produção de provas. por isso esse relatório é chamado de relatório conclusivo – uma vez que ele tem de propor o resultado. onde haverá definição exata da infração praticada. não sendo restrita a produção à administração. Não se a pode confundir esse “inquérito administrativo” com “investigação prévia” (sindicância). absolve etc.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. caso seja Processo Administrativo Disciplinar (PADE) será chamado de “inquérito administrativo”.com.). e) julgamento: Assim. O processo continua nas mãos da comissão.hondey@uol.br 111 . Acesse: http://materiaisparaconcursos. a autoridade superior que instaurou o processo é que vai proferir o julgamento nesse processo. haverá o indiciamento. portanto é a comissão que recebe a defesa da parte no processo. o relatório conta a história e conclui em relação ao processo (condena. Feita a instrução. c) defesa: A parte deve apresentar defesa no prazo de 10 dias. d) relatório: Na via administrativa.blogspot.

deve em recurso hierárquico.blogspot. deve ser pedido à autoridade que reconsidere a decisão. Caso a autoridade que vai julgar o recurso esteja em outro órgão. f) recurso: No pedido de reconsideração.hondey@uol.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com. convertendo Acesse: http://materiaisparaconcursos. essa autoridade fará remessa do processo à autoridade competente. Caso o servidor tenha sido suspenso. A autoridade superior não está vinculada ao relatório. a suspensão virou demissão – é possível que o recurso piore a situação da parte recorrente? A resposta é “SIM”. É possível o recurso em até 3 instâncias. mas caso este não for o entendimento da autoridade.br 112 . é se encaminhar o o pedido de reconsideração à autoridade superior. Porém. para que faça o julgamento. Caso o recurso seja apresentado perante uma autoridade incompetente. se o processo for administrativo disciplinar a autoridade está vinculada ao relatório (a regra é essa).com/ Contato: chenqs. será chamado de recurso hierárquico próprio. recorra e quando sai o recurso. pede se à autoridade que venha a rever a sua decisão. ele será chamado de recurso hierárquico impróprio.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Essa autoridade recebe o processo e vai passar para o julgamento. Nesse mesmo pedido. salvo se este for contrário às provas dos autos. Caso quem vai julgar o recurso esteja dentro do mesmo órgão.

Porém.com.112/90.br 113 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Porém. 18 Traz uma pena de suspensão de 30 dias prorrogável por mais 15 dias. não excluindo a apreciação do judiciário no que se refere à legalidade.com/ Contato: chenqs.hondey@uol. mesmo no processo disciplinar. há dois tipos de processo: a) processo sumário: exemplo de sindicância17. mas na revisão não é possível a reformatio in pejus.” Será sindicância como processo sumário quando se tratar de infrações puníveis com advertência e suspensão de até 30 dias (prorrogável por igual período). a saída é a anulação do ato. Acesse: http://materiaisparaconcursos. g) coisa julgada administrativa: Traz a regra de que o processo não pode mais ser revisto na via administrativa. a qualquer tempo é possível revisão na via administrativa. Caso surja um fato novo. 17 Existem dois tipos de sindicância. Caso haja ato ilegal e vício sanável no processo. em processo disciplinar. há a estabilização de efeitos do ato (mantendo o). se o ato é ilegal e o vício é insanável. acumulação ilegal18.blogspot. deve se convalidar o ato. caso a anulação causar mais prejuízo do que a manutenção do ato. Observações: Na lei 8.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi plenamente possível a reformatio in pejus no recurso administrativo. a que é “investigação prévia” e a sindicância que é um “processo sumário.

hondey@uol. Acesse: http://materiaisparaconcursos.com.br 114 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot. mas o prazo é de 60 dias prorrogados por mais 60 dias.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi b) processo ordinário ou propriamente dito: segue a regra normal do processo estudado acima.com/ Contato: chenqs.

A responsabilidade civil por conduta ilícita tem como premissa o princípio da legalidade. Conduta lícita.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Regra: o Estado é responsável. O Estado é PJ e como tal. tem personalidade jurídica. Regra: o Estado atua e o particular é obrigado a suportar a atuação estatal.hondey@uol.com/ Contato: chenqs.: construção de Cadeia. com fundamento no princípio da isonomia. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Ex. à qual o particular é obrigado a se submeter. Sociedade ganha. Vizinho perde – viola o princípio da isonomia.br 115 . porque a atuação estatal é impositiva. respondendo por seus atos como qualquer pessoa jurídica. Deve ser tratado como as demais pessoas jurídicas.com. A responsabilidade civil do Estado é mais rigorosa do que a do particular. Pode decorrer também de conduta lícita.blogspot.

Acesse: http://materiaisparaconcursos. O Brasil já começou com o Estado responsável.com.blogspot.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Teoria Subjetiva – CC/1916. O monarca não erra. punem-se apenas condutas ilícitas.com/ Contato: chenqs. Posteriormente.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Estado irresponsável.br 116 . Na Teoria Subjetiva. passa a ser responsável em situações especiais. Exigências para a responsabilidade subjetiva: CONDUTA ESTATAL DANO NEXO CAUSAL CULPA/DOLO Nesse primeiro momento. a vítima precisava demonstrar a culpa ou dolo do agente.hondey@uol.

hondey@uol. Não importa quem efetivamente agiu.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Posteriormente. bastando que se provasse: Serviço não foi prestado Serviço foi prestado de forma ineficiente Serviço está atrasado.blogspot. Não precisava provar de quem era a culpa.com/ Contato: chenqs. vem a TEORIA DA CULPA DO SERVIÇO / CULPA ANÔNIMA. O objetivo da teoria da responsabilidade objetiva é punir tanto condutas lícitas quanto ilícitas.br 117 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Deve-se provar: Conduta estatal Dano Nexo Acesse: http://materiaisparaconcursos.com. Adotada desde a CF/1946.

com. o estado tem que indenizar. Não admitia excludente.com/ Contato: chenqs. Cada parte arca com os prejuízos a que der causa. SUBSTÂNCIA NUCLEAR.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. e DANO AMBIENTAL. Culpa concorrente não admite excludente. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Ex. caso fortuito ou força maior. Teve prejuízo.br 118 . dano ou nexo.hondey@uol. no Brasil.: culpa exclusiva da vítima.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi O Estado causou prejuízos e responde sempre. Admite excludente se não houver conduta. 50% 50%. aplica-se a Teoria do Risco Integral em três hipóteses MATERIAL BÉLICO. Excepcionalmente.blogspot. Não se podendo especificar.

37. Art.§ 6º.hondey@uol.br 119 . 65. Art. A responsabilidade civil no Brasil é extracontratual.blogspot.com. CF.com/ Contato: chenqs. Sujeitos: PJ de direito público e PJ de direito privado prestadoras de serviços públicos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Penal Inexistência do fato Negativa de autoria Administrativa Civil Lei 8112. 126 CPP 66 CC 935 Excludente penal não é discutida no processo civil. Acesse: http://materiaisparaconcursos. CPC.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Excludente penal faz coisa julgada no PC.

Foi uma decisão isolada que não teve o menor sentido.hondey@uol. ao que parece. CONDUTA OBJETIVA.com.br QUE GERA RISCO: responsabilidade 120 . mas. caminharmos para a Teoria Objetiva.874 – Decisão de mérito – Tema 130 da Repercussão Geral.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. CONDUTA OMISSIVA: Teoria SUBJETIVA (Conduta ilícita) prevalece. Acesse: http://materiaisparaconcursos. com vários julgados recentes.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Uma decisão do STF: Responsabilidade objetiva em face de usuário Responsabilidade subjetiva em face de e não usuário.blogspot. Hoje: RE 591.com/ Contato: chenqs. CONDUTA COMISSIVA: Teoria OBJETIVA (Conduta lícita e ilícita).

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. deve-se ter um dano jurídico: lesão a um direito.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Para falar em responsabilidade civil do Estado. O dano deve ser certo (determinado ou determinável). O dano deve ser anormal. Não basta prejuízo econômico. mas é uma faculdade do Estado. Voltou a aplicar o decreto.br 121 . STF e STJ – era posição tranquila. Doutrina: não admite STJ: aconselhável.hondey@uol.com/ Contato: chenqs.com. Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot. Sendo uma conduta lícita. 5 anos – DL 20.910/32. o dano deve ser especial (particularizado): ter uma vítima particularizada. NCC 206 – reparação civil – 3 anos STJ: final de 2010 voltou a admitir 5 anos.

honra. lealdade. Há.hondey@uol. é um designativo técnico para falar de corrupção administrativa. Ainda significa obediência aos demais princípios éticos.blogspot.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Probidade significa honestidade.com/ Contato: chenqs. boa fé.com. agir com retidão de conduta. obediência aos princípios morais. um desvirtuamento da função pública (afronta a ordem jurídica). nesse caso. Improbidade é agir fora desses parâmetros.br 122 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. integridade. Acesse: http://materiaisparaconcursos.

Desprestígio da maioria em favor da minoria. Também há improbidade quando há desprestígio de uma maioria em detrimento de uma minoria (ex.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Desvirtuamento da função pública. Exercício nocivo da função pública.hondey@uol. se Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 123 . Afronta à ordem jurídica.com/ Contato: chenqs. Aquisição de vantagens patrimoniais indevidas (enriquecimento ilícito).: construção de ferrovia para valorizar a propriedade de um governador que encontra perto).com.blogspot. Tráfico de influências. Etc.

§ 4º. Art. A MORALIDADE para exercício de mandato considerada vida pregressa do candidato. Acesse: http://materiaisparaconcursos. 15. §9º da CRFB trata da improbidade no período da eleição (dispositivo a ser estudado com mais profundidade no Direito Eleitoral ).hondey@uol. Art. e.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. . cargo ou emprego na administração direta ou indireta. V. fala da improbidade em relação aos direitos políticos.blogspot.com. 14. A normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi O art. O art.SUSPENSÃO . É vedada a CASSAÇÃO de direitos políticos.com/ Contato: chenqs.br 124 . A PROBIDADE ADMINISTRATIVA. § 9º Lei Complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação. da CRFB. que só podem ser suspensos em caso de improbidade. nos termos do art. 15. a fim de proteger. cuja perda ou suspensão só se dará nos casos de: V 37. 14.

ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi O art. do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação. São crimes de responsabilidade (= Impeachment) os atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e. § único. IV V VI VII o exercício dos direitos políticos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com/ Contato: chenqs. especialmente. contra: I a existência da União. INDISPONIBILIDADE de BENS. o cumprimento das leis e das decisões judiciais. O art.blogspot. Acesse: http://materiaisparaconcursos. III sociais. que estabelecerá as normas de processo e julgamento.com. 37.br 125 . 85. a lei orçamentária. a probidade na administração. 85 da CRFB fala de crime de responsabilidade do Presidente da República. II o livre exercício do Poder Legislativo. e no inciso V ele trata da improbidade. individuais e a segurança interna do País.hondey@uol. Art. do Poder Judiciário. §4º da CRFB estabelece de forma resumida quais são as medidas de improbidade: RESSARCIMENTO. Esses crimes serão definidos em lei especial.

começou a aplicar as penalidades ADI 2. A lei custou muito a sair do papel e. Sem prejuízo da ação penal cabível. de IMPROBIDADE Na forma e gradação previstas em lei. Quando foi disciplinar o assunto.182 – discutia a constitucionalidade formal e material A foi 19 . é de leitura obrigatória. Vai além das medidas previstas no texto constitucional. 37. e SUSPENSÃO dos DIREITOS POLÍTICOS Art.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. § 4º Os atos ADMINISTRATIVA importarão a. Suspensão dos direitos políticos. apesar de ter apenas 25 artigos e ser de compreensão fácil.com. A regulamentação desse artigo está atualmente na lei 8.br 126 . A indisponibilidade dos bens e O ressarcimento ao erário.com/ Contato: chenqs. que discutia a constitucionalidade formal e material improcedente: a lei de improbidade não tem julgada Essa Lei.hondey@uol.429/9219. a lei ampliou o rol. A perda da função pública. Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi PERDA de FUNÇÃO. a partir de 2010.

A lei de improbidade atinge o “bolso” do administrador.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.429/92 tem um papel muito importante em mudar o quadro da administração.hondey@uol. CRFB/88). são encontradas. visto que o administrador do passado usava a coisa pública como se fosse particular. ela recebeu o nome vulgar de “lei do colarinho branco”. nessa lei.blogspot. I. a União legislou em âmbito nacional. Essa lei não se restringe ao âmbito federal. Na verdade. A lei 8.com. três tipos de norma: a) NORMAS DE DIREITO MATERIAL > usando as medidas do art. então presume se que também é da União a competência para legislar sobre improbidade administrativa – essa é a conclusão a que se chega por falta de previsão constitucional.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi inconstitucionalidade formal. a competência é da União (art.com/ Contato: chenqs. 22. se para legislar sobre essas medidas.br 127 . não tem problemas de procedimento. É criticada pelo fato de a tipificação não ter verbo. 37. sendo uma norma do âmbito nacional em alguns dispositivos. §4º a doutrina conclui que. tendo sanções bastante rigorosas. nomenclatura essa que foi abandonada nos tempos atuais. Quando a lei foi aprovada. Nesse caso. Acesse: http://materiaisparaconcursos.

eleitoral.hondey@uol.429/92 é de âmbito federal. > a União vai Acesse: http://materiaisparaconcursos. agrário. Compete à União. a lei 8. b) NORMAS SOBRE PROCESSO ADMINISTRATIVO > em relação às regras de processo administrativo. c) NORMAS SOBRE PROCESSO CIVIL legislar sobre normas gerais.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Em normas procedimentais (processuais). cada ente tem a competência para legislar concorrentemente. a União vai legislar apenas para ela. Art. aeronáutico. comercial. 24. a competência é concorrente da União. Nesse ponto. a competência é da União (22.com/ Contato: chenqs.procedimentos em matéria processual. penal. Assim. 22.blogspot. aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: XI . marítimo. espacial e do trabalho. Estados e DF (24. Compete privativamente à União legislar sobre: I direito civil. processual.br 128 .ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Art. Em matéria estritamente Administrativa. quanto à matéria de processo administrativo.com. I). portanto. XI).

ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Atualmente.br 129 . (essa matéria já foi Acesse: http://materiaisparaconcursos.hondey@uol. está pacífica a orientação de que o ilícito de improbidade tem natureza de resolvida pelo STF – ADI 2.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.797).blogspot.com/ Contato: chenqs.com.

Para ser ilícito administrativo. 20 Para o âmbito federal. Art.com/ Contato: chenqs. traz essa orientação. ao prever as sanções para o ilícito de improbidade administrativa. deve haver processo administrativo disciplinar. em seu texto. § 4º Os atos de IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA importarão a Caso a conduta de improbidade administrativa esteja prevista no ordenamento como crime. conforme faz referência o art.blogspot.112/90 – prevendo pena de demissão para o servidor nesse caso. improbidade administrativa é infração grave. deve se ajuizar uma ação penal (submetidos à regra do Direito Penal). Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 130 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com. a conduta deve estar prevista como infração funcional no Estatuto do Servidor (ao qual o servidor está vinculado) – assim.hondey@uol. pode acontecer da conduta ser ao mesmo tempo crime e infração funcional20.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Deve ficar claro que o ilícito de improbidade não tem natureza penal – a própria leitura da CRFB/88. 132 da lei 8. 37.

: a regra geral é que uma conduta possa gerar responsabilidade nas três instâncias (penal + civil + administrativa (PAD).hondey@uol.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. A mesma conduta deve estar prevista na Lei penal para configurar crime (tipicidade). em regra.797): porém. tendo. pois têm naturezas distintas. há infrações de improbidade que não têm natureza civil. A ação de improbidade vai tratar do ilícito civil. sanções de natureza civil (ADI 2. DEVE ESTAR PREVISTA na LEI PENAL E na LEI ADMINISTRATIVA. que está na esfera civil. Os têm O agente pode ser punido na ação de improbidade e na de crime de responsabilidade. a conduta do agente pode ainda configurar a infração de improbidade. senão haverá bis in idem. Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 131 .blogspot. Além disso.com.com/ Contato: chenqs. não se comunicando as decisões dessas instâncias. Se a sanção na ação de improbidade for de natureza política.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi mas. para tanto. o agente não poderá ser condenado também por crime de responsabilidade.

br 132 .blogspot. porém. deve o sujeito passivo do processo ser absolvido nas demais instâncias.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Ação Penal Ação de Improbidade Adm. pode haver condenação no âmbito civil e no âmbito administrativo. o art.hondey@uol. Automaticamente. O art. não havendo comunicação nessa hipótese. Caso a absolvição no processo penal se dê por falta de provas.com. 126 da lei 8. 935 do CC/02 e o art. 66 do CPP referem se à hipótese de negativa de autoria. haverá comunicação quando: Reconhecida a inexistência do fato OU Negativa de autoria na esfera penal. Caso o tipo penal exige o dolo e Acesse: http://materiaisparaconcursos. enquanto o processo penal estiver em curso. PAD PJ PJ Autoridade Administrativa Excepcionalmente. a ação de improbidade pode ser suspensa e o administrador pode suspender o processo administrativo disciplinar.112/90. mas essa orientação não é obrigatória e vai depender da análise do caso concreto. Assim.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com/ Contato: chenqs.

mas não o exige de responsabilização civil ou administrativa. Deve haver atenção para não confundir sujeito ativo/passivo do ato com sujeito ativo/passivo da ação: quem pratica um ato de improbidade é sujeito ativo do ato e sujeito passivo da ação de improbidade. o local onde a situação onde a improbidade pode acontecer. 6.com/ Contato: chenqs.429/92: Acesse: http://materiaisparaconcursos.hondey@uol. 65 do CPP.blogspot. devendo olhar o caso concreto – o que deve ficar claro é que por fazer coisa julgado.br 133 .1 Sujeito passivo do ato: Definir o sujeito passivo significa definir o cenário. ele vai ser absolvido no processo penal.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. o assunto não vai ser mais discutido. Segundo o art. faz coisa julgada para os demais processos: como fica o processo no âmbito civil? Depende: uma excludente pode ou não absolver nas demais esferas. segundo o art. 1º da lei 8. Caso no processo penal ficar reconhecida a existência de uma excludente penal.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi a conduta do agente foi culposa.com.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. de empresa incorporada ao patrimônio público ou de entidade para cuja criação ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com mais de 50% do patrimônio ou da receita anual.com. de órgão público bem como daquelas para cuja criação ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com menos de 50% do patrimônio ou da receita anual. do Distrito Federal. dos Estados. A lei fala em “administração indireta ou fundacional”. com a clara intenção de não entrar na discussão se a fundação era parte da administração indireta (na época havia essa discussão). Estão também sujeitos às penalidades desta lei os atos de improbidade praticados contra o patrimônio de entidade que receba subvenção. Estados. limitandose. nestes casos. benefício ou incentivo. contra a administração direta.com/ Contato: chenqs. todos os poderes podem sofrer atos de improbidade. ele nada tem de autarquia (os Territórios se apresentam muito mais como entes políticos do que como autarquia). fundações públicas. Municípios e Distrito Federal).br 134 . mas na verdade. 1° Os atos de improbidade praticados por qualquer agente público. a sanção patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres públicos. e incluir as fundações como sujeito passivo do ativo de improbidade. As pessoas jurídicas de direito privado em que o Estado haja concorrido ou concorra com mais de cinquenta por cento do Acesse: http://materiaisparaconcursos. fiscal ou creditício.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Art. Pessoas jurídicas da administração indireta são autarquia. Pessoas da administração direta são os entes políticos (União. empresas públicas e sociedades de economia mista. Os territórios passaram a ser considerados autarquia territorial pela doutrina. de Território. dos Municípios. Parágrafo único. serão punidos na forma desta lei. servidor ou não.hondey@uol.blogspot. indireta ou fundacional de qualquer dos Poderes da União. Portanto.

Partido político: o fundo de participação dos partidos é dinheiro público (fundo partidário). pode ser cenário da improbidade. subvenções ou incentivos fiscais ou creditícios (ex. Acesse: http://materiaisparaconcursos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. não invadindo o valor oriundo de atividades tipicamente privadas. A lei fala das pessoas que recebam benefícios. assim. sendo recurso público.com/ Contato: chenqs.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi seu patrimônio ou receita anual são consideradas sujeito passivo para o ato de improbidade.br 135 . O parágrafo único do artigo também disciplina alguns sujeitos passivos: tal parágrafo único fala das pessoas privadas onde o Estado participe na criação ou custei com menos de cinquenta por cento do patrimônio ou da receita anual. uma vez que sindicato trabalha com dinheiro público (seja com mais ou com menos de 50%).hondey@uol. a repercussão patrimonial da ação de improbidade será limitada aquilo que atingir a contribuição dos cofres públicos (visto que a lei busca proteger o patrimônio público).: associações filantrópicas que recebem recursos públicos). está sujeito às regras da improbidade administrativa. A contabilidade da eleição (prestação de contas) deve estar sujeito à improbidade administrativa. assim.blogspot. mesmo sendo de natureza privada.com. Nesses casos. Sim.

serviços sociais autônomos): também está sujeito aos atos de improbidade. designação. uma vez que recebem verba pública. OSCIP. 2° Reputa-se agente público. Na ação de improbidade administrativa. contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo. sejam celetistas. mandato. busca se aplicar uma sanção ao administrador que não agiu com probidade perante a administração. estão sujeitos à lei. OS. ainda que transitoriamente ou sem remuneração.br 136 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.429/92. o que se busca é a anulação do ato administrativo.hondey@uol.2 Sujeito ativo do ato de improbidade Previsto no artigo 2º da lei 8. Na ação popular. para os efeitos desta lei.com/ Contato: chenqs. por eleição. Acesse: http://materiaisparaconcursos. nomeação. As pessoas numeradas no rol do sujeito passivo da improbidade é muito semelhante ao rol das pessoas sujeitas à ação popular. todo aquele que exerce. 6.blogspot. Os empregados de empresas públicas e sociedades de economia mista (servidores de entes governamentais) também respondem por improbidade administrativa. sejam estatais. cargo.com. emprego ou função nas entidades mencionadas no artigo anterior. Os servidores públicos. o legislador está referindo ao agente público. Quando se refere a exercer função pública.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Ente de cooperação (entidades de apoio. traz um conceito bem aberto: Art.

devendo estes responder por improbidade administrativa.: serviço de cartório).hondey@uol.138.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Particular em colaboração também responde por improbidade (particulares que de alguma maneira colabora com o Estado (ex. Porém. há agentes políticos que não estão sujeitos aos crimes de responsabilidade (a CF e a lei 1. 1º. nomeado com concurso fraudulento) também responde por improbidade. conforme mencionado no art.blogspot. condenação dupla pela mesma natureza). Toda a discussão surge em razão da aplicação da lei de improbidade VS lei dos crimes de responsabilidade.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com. Portanto. Para o STF. Contratados (nomeados ad hoc quando deveria haver concurso) podem praticar ato de improbidade.079/50 disciplina os crimes de responsabilidade a).br 137 .com/ Contato: chenqs. onde o STF decidiu. disse que o uso das duas normas ao mesmo tempo geraria bis in idem. há a incidência (aplicação) do crime de responsabilidade (afasta se a improbidade administrativa). Mas a reclamação (último julgado existente – embora não tenha sido proferido com a atual composição do STF). julgando a reclamação 2. Caso a conduta praticada pelo Acesse: http://materiaisparaconcursos. portanto. A partir dessas duas leis surge a discussão em relação ao bis in idem (nesse caso. pode praticar improbidade administrativa. : atualmente há uma reclamação que parece não ser o posicionamento do cenário atual do STF. qualquer das pessoas que exerce função. se há a incidência das duas normas. Agente de fato (nomeado sem concurso.

AI 506.079/50.323.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. No que se refere aos prefeitos e vereadores não tem previsão na lei 1. eles vêm sendo punido por atos de improbidade. que fala em crime comum e de responsabilidade. mesmo não sendo agente público.com. O art. É ilícito civil. pode haver punição por infração de improbidade. O agente político. 2. 3º trata da responsabilidade de terceiros perante a lei.blogspot. na 1ª instância. felizmente. àquele que. Agente político responde por improbidade. independentemente do crime. Art. mas na prática. mas sim no decreto lei 201/67.com/ Contato: chenqs.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi agente não estiver na lista dos crimes de responsabilidade. responde por improbidade. mas com foro privilegiado.br 138 . no que couber. STJ – ainda não é jurisprudência do STJ. foi uma decisão isolada. Quem julga prefeito em crime de responsabilidade é a Câmara Municipal.790.hondey@uol. induza ou Acesse: http://materiaisparaconcursos. e faz uma salada entre essas duas modalidades. Não há nada definido em relação à punição deles por ato de improbidade. 3° As disposições desta lei são aplicáveis. STF Rcl.

evidente. Resta nesse caso. visto que algumas das outras modalidades de sanções previstas na lei se mostrem inaplicáveis ao particular.com/ Contato: chenqs.com.hondey@uol. o herdeiro vai responder pela reparação civil até o limite da herança. mas a questão é se a empresa que participou da fraude também vai responder por improbidade administrativa. O julgamento da ação de improbidade (ADI 2797 e 2860) ocorre em 1ª instância e não há foro privilegiado Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi concorra para a prática do ato de improbidade ou dele se beneficie sob qualquer forma direta ou indireta.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Com certeza. que em regra as sanções serão patrimoniais. FRAUDE EM LICITAÇÃO: o Presidente da Comissão de Licitação vai responder no caso de fraude à licitação.blogspot.br 139 .

o art. fazer propaganda fora do horário 21 Deve ficar claro que o rol desses artigos são meramente exemplificativos. etc. a administração pública deve respeitar determinados artigos – como. dano ao erário: nesse caso.blogspot.: doação (para doar um bem.hondey@uol. lesão. 7. violação a princípio da administração: o rol do artigo 11 representa violações a princípio da administração. em uma simples omissão.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. por exemplo. propaganda de obras divulgando o nome do político.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi O ato de improbidade pode ser um ato administrativo. Pode se encontrar ato de improbidade. deve haver prejuízo. e trata publicação se do rol de infrações mais leves.666/93.com. em meras condutas administrativas. como por exemplo: não dos atos administrativos. Acesse: http://materiaisparaconcursos.com/ Contato: chenqs. sob pena de cometer dano ao erário). 17 da lei 8.br 140 .1 Modalidades de ato de improbidade21 ato de improbidade que gera enriquecimento ilícito: há um grande rol no artigo 9º referente a condutas onde há enriquecimento ilícito por porte do agente ímprobo. a título de exemplo. ao patrimônio público. sendo necessário apenas que a conduta sempre se encaixe no caput. omissão da administração na fiscalização do contrato administrativo. omissão da administração na cobrança de dívidas. mas não é necessário que o ato de improbidade seja um ato administrativo. Ex.

br 141 . deve-se enquadrar a conduta no mais grave (enriquecimento ilícito).com/ Contato: chenqs. é possível que haja a punição pelo ato de improbidade administrativa. A lei é expressa ao dizer que mesmo que exista a aprovação pelo Tribunal de Contas.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi eleitoral. Vale lembrar que é a ação do agente que vai definir o ato de improbidade. depois o dano ao erário e posteriormente a violação a princípio da administração. Na hipótese do artigo 10. O ato de improbidade independe de dano efetivo (ressalvado os casos do art. uma vez que o Tribunal de Contas faz a fiscalização por amostragem. mas no caso do artigo Acesse: http://materiaisparaconcursos.com. a lei é expressa em dizer que a conduta é punível a título de culpa ou dolo. contratação sem concurso público. rejeição de contas ou aprovação com ressalvas representam indício de improbidade administrativa. OBS. 10) para se configurar.hondey@uol. Porém.: se um ato viola princípio.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. A ordem de gravidade é a seguinte: mais grave é o ato que gera enriquecimento ilícito. a utilização do administrador de terceiro para fazer promoção pessoal também é improbidade administrativa. gera dano ao erário e também enriquecimento ilícito.blogspot.

br 142 . Quando a lei saiu. não aplicando a lei no caso de conduta culposa. 22 A perda de função e a suspensão dos direitos políticos só podem ser aplicadas com o trânsito em julgado da decisão. aplicava se a pena em bloco.com. e) multa civil23. d) suspensão de direitos políticos (prazo de 8 a 10 anos)22. e não o valor do prejuízo causado ao erário. c) perda de função (somente aplicável ao agente público).com/ Contato: chenqs.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot. Art. 9º: a) devolução do acrescido ilicitamente. Acesse: http://materiaisparaconcursos. 23 O valor da multa civil pode chegar até 3 vezes o valor do acréscimo patrimonial obtido.hondey@uol. b) ressarcimento dos prejuízos causados à administração pública. Hoje em dia prevalece a orientação de que o juiz deve analisar a situação em concreto e aplicar as sanções da mesma lista (nunca de listas diferentes) que julgar conveniente para o caso concreto.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi 9º e do artigo 11 prevalece que a punição somente pode se dar a título de dolo.

mas sim pelo terceiro que se enriqueceu ilicitamente).ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi f) proibição de contratar. pode acontecer do terceiro ter causado Acesse: http://materiaisparaconcursos. b) ressarcimento dos danos. Art.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. d) suspensão dos direitos políticos (no prazo de 5 a 8 anos).blogspot. receber benefícios fiscais e creditícios no prazo de 5 anos.br 143 . 10 – porém. e) multa civil (nesse caso. a devolução do acrescido não é pelo servidor. c) perda de função. uma vez que se da ação do agente houver dano. vai ser até de duas vezes o valor do dano causado).com/ Contato: chenqs.hondey@uol. b) ressarcimento dos danos (não se aplica se o agente causar o dano. 10: a) devolução do acrescido (nessa hipótese. 11: a) devolução do acrescido. f) proibição de contratar. Art. será aplicado o art. receber benefícios fiscais e creditícios no prazo de 10 anos.com.

d) suspensão dos direitos políticos (no prazo de 3 a 5 anos).DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 11. c) perda de função.blogspot. devendo sempre escolher a lista mais grave de acordo com o ato praticado pelo juiz. O juiz não pode usar a pena de uma conduta para se aplicar em outra. De acordo com a gravidade do ato. nesse caso. f) proibição de contratar.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi dano.com/ Contato: chenqs. Acesse: http://materiaisparaconcursos. receber benefícios fiscais e creditícios no prazo de 3 anos.br 144 . aplicando se o art. o juiz vai dosar a pena e aplicá-la.hondey@uol.com. e) multa civil (será de até 100 vezes a remuneração mensal do agente). com o ressarcimento dos danos).

blogspot.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Acesse: http://materiaisparaconcursos.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.br 145 .com.

ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 146 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot.com.hondey@uol.com/ Contato: chenqs.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot.hondey@uol.br 147 .ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Acesse: http://materiaisparaconcursos.com/ Contato: chenqs.com.

hondey@uol. e outros entendem que ela tem natureza de ação civil pública (esse é o posicionamento majoritário. Quando a pessoa jurídica lesada é quem ajuíza a ação. mas apenas algumas regras próprias da ação de improbidade administrativa.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Não será aqui estudado o procedimento. mas ela não é obrigada a participar do processo. COMPETÊNCIA: a ação de improbidade vai ser julgada na primeira instância (esse é o entendimento moderno amplamente majoritário). pessoa jurídica lesada24 (sujeito passivo do ato de improbidade – conforme o art. LEGITIMIDADE: Ministério Improbidade).429 em alguns aspectos não afastam a natureza de ação civil pública). não há foro por prerrogativa de função em caso de improbidade administrativa.com. Público. A ação tem improbidade administrativa tem natureza própria segundo alguns autores. O afastamento. Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot. portanto.br 148 . mesmo que a pessoa que vai ser julgada tenha foro por prerrogativa de função. no sentido de que as regras próprias da lei 8.com/ Contato: chenqs. 1° da Lei de 24 A pessoa jurídica é chamada. MEDIDAS CAUTELARES: o afastamento nesse caso vai ser com remuneração enquanto for necessário para o processo. a participação do Ministério Público é obrigatória.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.

não há sujeição ao prazo de prescrição (essa orientação é quase que pacífica na jurisprudência). TRANSAÇÃO: no que diz respeito à vedação para a transação. etc. Nesse caso. BENEFICIÁRIO DOS RECURSOS DE MULTA CIVIL. REPARAÇÃO CIVIL: a Constituição estabelece no artigo 37.com. deve-se olhar no estatuto do servidor para descobrir qual é esse prazo. Porém. a ação de improbidade não permite esses benefícios.br 149 . onde há um fundo para esses valores.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Acesse: http://materiaisparaconcursos. portanto. composição. Normalmente. esse prazo vai ser também de 5 anos contados do conhecimento da infração.blogspot. RESSARCIMENTO. na ação de improbidade os recursos auferidos na ação serão revestidos em favor da pessoa jurídica lesada.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi apesar dos custos para os cofres públicos. portanto. §5º.: ao contrário do que acontece na Ação Civil Pública. o prazo será de 5 anos a contar da data em que ele deixa o cargo.com/ Contato: chenqs. é expressa nesse caso. Para os demais servidores. a lei diz que o prazo prescricional é o mesmo previsto para “demissão a bem do serviço público” .hondey@uol. cargo em comissão e função de confiança. que a regra para o servidor reparar civilmente os danos causados ao Estado é a imprescritibilidade. o estatuto não usa mais essa expressão (“demissão a bem do serviço público” – que era a demissão em que o servidor não poderia mais voltar para o serviço público). PRESCRIÇÃO: Quando o sujeito exerce mandato. acordo. pode se revelar como uma medida necessária.

mas em relação à regra geral) se orienta da seguinte forma (orientação majoritária): PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PÚBLICO 5 anos Decreto 20. PESSOA JURÍDICA DE 3 anos art.br 150 .com.com/ Contato: chenqs. 37. §5º da CRFB/88 AGENTE PÚBLICO 25 Há uma forte tendência no STJ (inclusive com decisões recentes) de estabelecer que esse prazo é de 3 anos. uma vez que o decreto 20.910/3225.hondey@uol.blogspot.910/32 estabelece que o prazo será de 5 anos. DIREITO PRIVADO IMPRESCRITÍVEL art.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi A responsabilidade civil (não referente apenas à improbidade administrativa. a Fazenda Pública sempre teve o prazo prescricional menor que as demais pessoas. 206 do CC/02.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. salvo se houver outro prazo que seja mais benéfico para a administração. Além disso. Acesse: http://materiaisparaconcursos.

1º Esta lei institui o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União. das autarquias.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. e das fundações públicas federais.br 151 .com/ Contato: chenqs.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Art.com.hondey@uol. Acesse: http://materiaisparaconcursos. o qual é óbvio ao extremo. inclusive as em regime especial.blogspot. É o conceito da doutrina. Autarquia em regime especial é aquela que em relação às outras possuem algo em especial.

na mesma repartição pública. O primeiro momento é a CF/88. Súmula 390 ESTABILIDADE. autárquica ou fundacional é beneficiário da estabilidade prevista no art. 39 passa a afirmar que a Administração Pública direta.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Deve-se fazer uma análise histórica. CELETISTA. 41 Acesse: http://materiaisparaconcursos. EMPREGADO DE EMPRESA PÚBLICA E SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA.O servidor público celetista da administração direta.blogspot. ADMINISTRAÇÃO DIRETA. Em nenhum momento a CF obrigou que o RJU fosse o estatutário. Difícil. se falar em responsabilidade fiscal nessa época. APLICABILIDADE.hondey@uol. ART. INAPLICÁVEL. Inclusive. o segundo é a EC 19/98 (Reforma Administrativa). 39 da CF.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. inclusive. 41 DA CF/1988. a coexistência de regimes. o terceiro é o julgamento da medida cautelar na ADIN 2.135. Havia como saber quantos eram os holerites. mas não quantos eram de celetistas ou estatutários.com/ Contato: chenqs. pois.br 152 . Veio a CF/88 e no art. AUTÁRQUICA OU FUNDACIONAL.com. trata do assunto. o que obrigou foi que o Regime fosse um só. Antes de 1988. A Súmula 390 do TST. I. alguns entes adotaram o regime celetista como regime jurídico único. as autarquias e as fundações de cada ente federado deveriam ter um regime jurídico único e plano de carreira para seus servidores. Não se falava em SEM e empresas públicas na redação original do art. havia.

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

da CF/1988. II- Ao empregado de empresa pública ou de sociedade de economia mista, ainda que admitido mediante aprovação em concurso público, não é garantida a estabilidade prevista no art. 41 da CF/1988.
Em dezembro de 1990, edita-se a Lei 8.112, que vem a ser o regime jurídico único da União, de suas autarquias e fundações. Surge a dúvida quanto às pessoas que haviam ingressado no serviço público antes de 1988. As pessoas que ingressaram mediante concurso púbico, antes de 1988, foram transpostas para o regime da Lei 8.112/90. Como havia muitos servidores que tinham ingressado no serviço público sem concurso público, o art. 19 do ADCT disciplinou o tema. Quem ingressara até cinco anos antes do advento da CF/88, foi estabilizado, sendo transpostas para a Lei 8.112/90.

Art. 19. Os servidores públicos civis da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, da administração direta, autárquica e das fundações públicas, em exercício na data da promulgação da Constituição, há pelo menos cinco anos continuados, e que não tenham sido admitidos na forma regulada no art. 37, da Constituição, são considerados estáveis no serviço público. § 1º O tempo de serviço dos servidores referidos neste artigo será contado como título quando se submeterem a concurso para fins de efetivação, na forma da lei. § 2º O disposto neste artigo não se aplica aos ocupantes de cargos, funções e empregos de confiança ou em comissão, nem aos que a lei declare de livre exoneração, cujo tempo de
Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

153

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

serviço não será computado para os fins do "caput" deste artigo, exceto se se tratar de servidor. § 3º O disposto neste artigo não se aplica aos professores de nível superior, nos termos da lei.

No caso dos servidores que ingressaram antes de 1988, mas depois de 1983, deveriam ter sido exonerados, mas não foram. O art. 243 da Lei 8.112/90 operou automaticamente a transposição de todos que haviam ingressado nos quadros do serviço público antes da sua edição.

Art. 243. Ficam submetidos ao regime jurídico instituído por esta lei, na qualidade de servidores públicos, os servidores dos Poderes da União, dos ex-Territórios, das autarquias, inclusive as em regime especial, e das fundações públicas, regidos pela Lei nº 1.711, de 28 de outubro de 1952 - Estatuto dos Funcionários Públicos Civis da União, ou pela Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, exceto os contratados por prazo determinado, cujos contratos não poderão ser prorrogados após o vencimento do prazo de prorrogação.

Quando a Lei transpôs os que ingressaram por concurso, não há qualquer problema. Mas quando transpôs os que ingressaram sem concurso entre 1.983 e 1.988, houve diversas consequências. Cláudio Fonteles, uma semana antes de deixar o cargo de PGR, contra essa transposição problemática, propôs a ADIN 2.968.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

154

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

Após a CF/88, quem trabalhasse para empresas públicas ou SEM seria celetista.

Em 1998 veio a EC Nº 19 e deu nova redação ao art. 39 da CF:

Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho de política de administração e remuneração de pessoal, integrado por servidores designados pelos respectivos Poderes. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) .

A principal mudança da EC 19/98 foi a subtração da obrigatoriedade de um Regime Jurídico Único. Não se proibiu, mas o mesmo não é mais obrigatório. Chegou a existir de 1998 (EC 19/98) para cá a quebra do Regime Jurídico Único. A lei 9.986/00 criou um quadro celetista para as agências reguladoras. Significava, pois quebrar o RJU. Mas essa Lei vigorou por poucos dias. Isso porque foi deferida medida cautelar na ADIN 2.310 suspendendo a eficácia dessa lei, porque o poder de polícia das agências reguladoras não se coadunava com o regime celetista. Posteriormente, essa Lei 9.986/00 foi revogada, perdendo a ADIN o seu objeto.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

155

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

O STF, reconhecendo a provável inconstitucionalidade formal do art. 5.ª da EC 19/98, que alterou o art. 39 da CF/88, suspendeu a sua eficácia, determinando que se retomasse o texto original. Hoje, pois, vigora o texto original do art. 39 da CF/88, vigorando, dessa forma, a obrigatoriedade do RJU. Entre 1998 e a decisão da cautelar da ADIN 2.135, alguns Estados quebraram o RJU. A eficácia dessa decisão só teve efeitos, ex nunc. Essa modulação dos efeitos da decisão será decidida quando do julgamento de mérito dessa ADIN.

Art. 2o - Para os efeitos desta Lei, servidor é a pessoa legalmente investida em cargo público. Art. 3o - Cargo público é o conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas a um servidor.

Servidor é quem exerce cargo.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

156

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

Cargo público: é aquilo que se entrega ao servidor, conjunto de atribuições e responsabilidades que se entrega a um servidor. A lei foi circular e não muito elucidativa. Servidor público é a pessoa que ocupa cargo público. Na sistemática de âmbito federal, o servidor é aquele que está sujeito a um vínculo de natureza estatutária, sendo o servidor público estatutário, no linguajar da Lei 8.112/90. Quando a Constituição quer se referir ao celetista não usa a palavra servidor, mas a palavra empregado, sendo o empregado público. Assim, o nomen iuris utilizado pela CF/88 para definir quem é celetista é empregado e não servidor. Do ponto de vista conceitual o servidor é o estatutário. E o celetista não é servidor, mas apenas empregado público. Parte da doutrina não concorda com isso.

Resposta: é ter o regime funcional regrado por um estatuto, por uma lei própria, que no âmbito federal é a Lei 8.112/90. O servidores públicos não têm regência pela CLT. Não se lhe aplica a CLT sequer de forma subsidiária.

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

157

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

Exemplo: às vezes, o estatuto de um município não tem previsão de insalubridade, o agente propõe uma ação judicial para buscar uma vantagem equivalente à insalubridade da CLT, o judiciário responde que enquanto não tiver previsão legal no Estatuto, que é a regra de regência, isso não interessará. No estatuto temos regras semelhantes à CLT: licença gestante, paternidade, férias. O que pode acontecer é uma mera questão de coincidência ou por imposição constitucional ou por coincidência legal.

§ 3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o disposto no art. 7º, IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX, XXII e XXX (direitos sociais individuais), podendo a lei estabelecer requisitos diferenciados de admissão quando a natureza do cargo o exigir. .

Alguns direitos dos servidores também existem na CLT por mera coincidência, não havendo aplicação subsidiária da CLT.

Art. 3º (...) Parágrafo único. Os cargos públicos, acessíveis a todos os brasileiros, são criados por lei, com denominação própria e vencimento pago pelos cofres públicos, para provimento em caráter efetivo ou em comissão.
Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

158

DIREITO ADMINISTRATIVO
INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi

ACESSÍVEIS

AOS

BRASILEIROS:

é

a

chamada

regra

de

acessibilidade, sendo uma repetição do art. 37, I da Constituição.

Art. 37 (...) I os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei;

Os cargos públicos são acessíveis a brasileiros natos e naturalizados, não podendo haver discriminação entre eles, consoante reza o art. 12 da CF/88, salvo as próprias exceções constitucionais, mais precisamente previstas no art. 12, §3º (os cargos máximos de chefia e substituição presidencial).

§ 3º

São privativos de brasileiro nato os cargos: Presidente da República;

I de Presidente e Vice II III

de Presidente da Câmara dos Deputados; de Presidente do Senado Federal;

Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com.br

159

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. quando trata do Conselho da República. Ocorreu que especialmente com a queda do muro de Berlim Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 160 .com/ Contato: chenqs. dois eleitos pelo Senado Federal e dois eleitos pela Câmara dos Deputados.blogspot. de Ministro de Estado da Defesa. não era questão de reserva de mercado. proibia-se estrangeiro de ocupar cargo público. vedada a recondução. preceitua que seis cidadãos brasileiros natos dele farão parte.hondey@uol. VII. Inclusive. O Conselho da República é órgão superior de consulta do Presidente da República. 89.com. o art. Art. de oficial das Forças Armadas. Félix Fischer é alemão naturalizado brasileiro. Ainda. com mais de trinta e cinco anos de idade. Mister salientar que o STJ pode ter um Presidente naturalizado. e dele participam: VII .seis cidadãos brasileiros natos. oriunda da preocupação de soberania nacional.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi IV V VI VII de Ministro do Supremo Tribunal Federal. 89. Historicamente. sendo dois nomeados pelo Presidente da República. todos com mandato de três anos. da carreira diplomática.

e estendeu isso para além das universidades. valendo para qualquer órgão federal. Art. em primeiro momento foram contratadas como professores visitantes. na forma da lei. 37. RMS 16. 207. pesquisa e extensão. 207. técnicos e cientistas estrangeiros.com. §1º da Constituição. Com a Emenda 19/98.923 A primeira oportunidade de nomeação de estrangeiro a cargos públicos se limitou às universidades e instituições de pesquisa federais. de 1996) A jurisprudência do STF vem entendendo que essa regra do art. e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino. de forma temporária. Em 1996. III é norma constitucional de eficácia limitada. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 11.com/ Contato: chenqs. a emenda 11/96 deu nova redação ao art. § 1º É facultado às universidades admitir professores.blogspot. 37. I. municipal ou estadual. Mas não se admitia mais a prorrogação ao fim do contrato já prorrogado. Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi começaram a vir para o Brasil pessoas gabaritadas com alta titulação acadêmica. deu-se nova redação ao art. não sendo suficiente o Estatuto do Estrangeiro para regulamentar essa norma constitucional. As universidades gozam de autonomia didático científica. As universidades públicas queriam captar essa mão de-obra extremamente qualificada e.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol. administrativa e de gestão financeira e patrimonial.br 161 .

Já quando estiver o cargo vago. afirma que só poderão ser aumentados os gastos se existir fonte no orçamento e se houver a criação por lei. “b” e XXV da CF. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Quando o cargo estiver provido.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi “NA FORMA LEI” .br 162 . Mas devese atentar para o art.hondey@uol. pode ser extinto por decreto. ou seja. Ex: se um cargo público é criado por Lei.923 – não basta o estatuto do estrangeiro permitindo o trabalho no Brasil. 3º. Os cargos públicos são criados por lei (art. enquanto não houver lei não pode acessar o cargo o estrangeiro.blogspot.com. Nesse diapasão. será extinto por lei. 169. mister que seja mencionado o princípio do paralelismo das formas. VI. esta deve extingui-lo. ou seja. O motivo nuclear é a questão orçamentária. para os cargos públicos o princípio do paralelismo das formas é quebrado.isso é uma norma de aplicabilidade limitada. inclusive.com/ Contato: chenqs. STJ.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 84. parágrafo único da Lei 8.112). O art. o instrumento utilizado para criar uma norma deve ser o mesmo quando de sua revogação. deve haver uma lei específica autorizando o estrangeiro para ocupar determinado cargo. §1º da Constituição. Assim. mandado de segurança 19.

com. VI. ‘b’).Se for um cargo vago a extinção será por Decreto. não havendo consenso na doutrina.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. CF/88. mas o decreto somente dará concretização à lei. Celso Antônio afirma que não existe decreto autônomo no direito pátrio. O Decreto executará a destituição de cargo.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Dependerá após a Emenda 32: a.Se o cargo estiver provido. Parágrafo único. a extinção ocorrerá por Lei (combinação do art. Inclusive. No caso do cargo vago.hondey@uol. VI. 3º Cargo público é o conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas a um servidor. na verdade.br 163 . Mas há quem discorde. Os cargos públicos. b. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Art. com denominação própria e vencimento pago pelos cofres públicos. para provimento em caráter efetivo ou em comissão. são criados por lei.com/ Contato: chenqs. acessíveis a todos os brasileiros. XXV e art. 84. o instrumento da extinção é o decreto.blogspot. 84. 84. preenchido. Esse Decreto. ‘b’. em face do art. é um decreto autônomo. No caso de cargo provido o instrumento que extingue é a lei.

hondey@uol.com. 4.com/ Contato: chenqs.blogspot. que pode ser: Acesse: http://materiaisparaconcursos. Tanto é conceitual que o cargo público deve ser remunerado que o art. o que tem vínculo estatutário. PARA PROVIMENTO em CARÁTER EFETIVO ou em COMISSÃO: O Servidor público.608/98 que é a Lei do voluntariado. salvo os casos previstos em lei. É do conceito de cargo a sua contraprestação pecuniária. Um exemplo da exceção à regra é a lei 9. é aquele que ocupa um cargo público.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi É do conceito de cargo público que seja remunerado pelo poder público. 4º É proibida a prestação de serviços gratuitos.br 164 .º trata da matéria: Art.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. chefia.hondey@uol. direção e Pode ser cargo técnico ou ter Apenas Acesse: http://materiaisparaconcursos. de adquirir a a estabilidade.com/ Contato: chenqs. Ingresso prestação e mediante aprovação a Cargo de livre nomeação e em exoneração.blogspot. Dá ao servidor que o ocupa a Sem possibilidade de adquirir possibilidade estabilidade. ad nutum.br 165 . ser desligado livremente.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Quem ocupa cargo em comissão é estatutário.com. Para ser desligado depende Pode de processo administrativo. Apenas não é estável. pois tem seu provimento e seu cargo previsto na lei. concurso público.

Além de ocupar o cargo efetivo o servidor deve preencher uma série de requisitos para adquirir a estabilidade. O CARGO EM COMISSÃO é tão contrário à estabilidade que temos a regra do art. que previa uma estabilização dos funcionários que entraram sem concurso. Art. Foi a chamada estabilização extraordinária.blogspot. do Distrito Federal e dos Municípios. jamais terá a estabilidade.com. dos Estados. direção e assessoramento.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi função de chefia.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. O regime previdenciário é o Regime geral de previdência regime próprio dos servidores social. que valeu para todos os cargos. Os servidores públicos civis da União.hondey@uol. antes de 05 anos da constituição. estatutários. regime do INSS. 19. assessoramento.br 166 . §2º). Acesse: http://materiaisparaconcursos. CARGOS EFETIVOS são aqueles que dão a possibilidade de adquirir a estabilidade. Uma pessoa que está há 20 anos no cargo em comissão. da administração direta.com/ Contato: chenqs. menos os cargos em comissão (art. 19 do ADCT. 19. antes da Constituição.

em exercício na data da promulgação da Constituição.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi autárquica e das fundações públicas. II. da Constituição. Ex: cargo em comissão ocupado por quem é formado em direito.hondey@uol. II a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos. art. O cargo efetivo se dá por concurso e o cargo em comissão se dá ad nutum. na forma prevista em lei. nem aos que a lei declare de livre exoneração.com. são considerados estáveis no serviço público.br 167 . e que não tenham sido admitidos na forma regulada no art. a norma é de eficácia contida. Acesse: http://materiaisparaconcursos. cujo tempo de serviço não será computado para os fins do "caput" deste artigo. § 2º O disposto neste artigo não se aplica aos ocupantes de cargos. há pelo menos cinco anos continuados. de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego.blogspot. 37. 37. ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração. pois a lei pode trazer restrições. exceto se se tratar de servidor.com/ Contato: chenqs. No caso dos cargos comissionados.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. funções e empregos de confiança ou em comissão.

br 168 . em face da Vem-se interpretando que é uma norma contida. por exemplo. Acesse: http://materiaisparaconcursos. deve-se atentar para a SÚMULA VINCULANTE n. no gabarito do MP-MG. poderá conter essa liberdade. Exemplo: Condicionar o cargo em comissão a certa escolaridade. mas a lei poderá limitar essa liberdade. como. eficiência e impessoalidade.com/ Contato: chenqs. . a resposta foi no sentido de ser de eficácia limitada.blogspot. assessor de desembargador que deve ser formado em direito.º 13.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Ainda. que trata dos vínculos de parentescos no serviço público. Em princípio. Isso decorre dos princípios da moralidade. Trata-se de expressão “prevista em lei”.com. mas. se a lei criar um cargo em comissão a nomeação e exoneração são livres.

mas não suficientes. a lei 8. essa discussão sobre nepotismo esconde um problema maior. mesmo onde não tiver lei. já que a súmula vinculante não se aplica aos agentes políticos.com/ Contato: chenqs. companheiro ou parente até o segundo grau civil.com.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Exemplo 2: previsão na lei de regras que proíbem a nomeação de parentes. Essa questão já foi Acesse: http://materiaisparaconcursos. Em âmbito federal. em cargo ou função de confiança. 117. não poderiam existir. Ao servidor é proibido: VIII manter sob sua chefia imediata. É uma interpretação em conformidade com a Constituição.br 169 . As regras antinepotismo são boas.112/90 prevê isso no art. Quando veio a súmula.blogspot. Do princípio da moralidade. Art. 117. impessoalidade e eficiência resulta a proibição da nomeação do parente para o cargo em comissão. disse que da Constituição decorre a proibição de nomeação para os cargos em comissão de parentesco até 3º grau. cônjuge. Em verdade. que é que os cargos em comissão.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. VIII. ao editar a SÚMULA VINCULANTE 13. porquanto 90% deles. o exonerou e o nomeou como Secretário de Estado. O STF. Já existem regras que prevêem a liberdade mitigada no que tange a nomeação de servidores para os cargos em comissão.hondey@uol. SÚMULA VINCULANTE 13: o governador do PR tinha um irmão que era o Chefe Máximo de um órgão estadual.

Ex: pode-se nomear um irmão para ser ministro. mas não para ser o diretor do ministério. não há a hipótese de demissão ad nutum para os cargos efetivos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol. com observância ao princípio da ampla defesa. na reclamação 6.com.blogspot.br 170 . a SÚMULA VINCULANTE N. Súmula 21.Funcionário em estágio probatório não pode ser exonerado nem demitido sem inquérito ou sem as formalidades legais de apuração de sua capacidade.º 13 não se aplica aos cargos políticos de auto-escalão.650.com/ Contato: chenqs. ou seja. Assim.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi discutida no STF. As SÚMULAS 20 e 21 do STF tratam do tema: Súmula 20. A pessoa que ocupa um cargo efetivo não pode ser livremente exonerada.É necessário processo administrativo. para que haja eventual desligamento deve haver processo. para demissão de funcionário admitido por concurso. Acesse: http://materiaisparaconcursos. com ampla defesa.

devem ser organizados em carreira. 37. Quando se fala em previdência.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. É inconstitucional lei que der função que não seja uma dessas. chefia e assessoramento. Exemplo: O cargo de diretor geral do hospital pode ser cargo em comissão. ao passo que os cargos efetivos.com/ Contato: chenqs. CARGOS EFETIVOS: além de direção. chefia e assessoramento pode ter atribuição técnica. só podem ter funções de direção.blogspot.com. onde a quantidade é muito pequena e não se justifica a organização da carreira.br 171 . há dois regimes: REGIME GERAL de PREVIDÊNCIA SOCIAL (INSS) (art. mas o cargo de médico tem que ser cargo efetivo. art. em regra. 201 da CF): Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Os cargos em comissão.hondey@uol. V da Constituição. Os cargos em comissão nunca serão organizados em carreira. Todo cargo de carreira é cargo efetivo. Cargo de índole técnica não pode ser cargo em comissão. A exceção são os cargos isolados.

40 (. regulamentado pelo art. exclusivamente. Já ao servidor que ocupa apenas o cargo em comissão. tanto os ocupantes dos cargos efetivos quanto os ocupantes dos cargos em comissão estavam sujeitos ao regime próprio de previdência.. de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração bem como de outro cargo temporário ou de emprego público.. Depois da EC 20/98. 40 da CF): Até a EC 20/98. Art. 40 da CF.hondey@uol. aplica-se-lhe o regime geral de previdência social. .ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi REGIME PRÓPRIO de PREVIDÊNCIA dos SERVIDORES PÚBLICOS (art. é o extra- quadro não tem cargo efetivo. “ ”  não tem cargo efetivo. é de fora da administração e é nomeado para o cargo em comissão.) § 13 . aplica-se o regime geral de previdência social. Acesse: http://materiaisparaconcursos.Ao servidor ocupante. tal como ocorre com os servidores celetistas.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.br 172 .blogspot. os ocupantes de cargos efetivos estão sujeitos ao regime próprio de previdência dos servidores públicos.com.com/ Contato: chenqs.

o gozo dos direitos políticos.blogspot.o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo. 5º São requisitos básicos para investidura em cargo público: I -a nacionalidade brasileira. São gerais porque são aqueles exigidos para qualquer cargo público federal: Art. Acesse: http://materiaisparaconcursos.aptidão física e mental. 5º da lei 8.a idade mínima de dezoito anos. III .112/90. V .a quitação com as obrigações militares e eleitorais. IV .hondey@uol. VI .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Existem decisões que afirmam que o emancipado não deve obedecer à idade mínima.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Os requisitos básicos ou gerais para o ingresso nos quadros do serviço público estão previstos no art. II .br 173 . Mas essa questão ainda não chegou ao STF e no STJ.com.com/ Contato: chenqs.

Além desses requisitos básicos há os extraordinários (especiais ou específicos).Não é admissível.com.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Esses requisitos são básicos para qualquer cargo. é um pressuposto formal.112. § 1o As atribuições do cargo podem justificar a exigência de outros requisitos estabelecidos em lei.br 174 .hondey@uol. §1º da Lei 8. 5º. é lei oriunda de processo legislativo. inscrição em concurso para cargo público. Acesse: http://materiaisparaconcursos. As SÚMULAS 14 e 686 tratam do tema: Súmula 14. restringir.com/ Contato: chenqs. que estão no art. Não podem ser estabelecidos por instrução normativa. Súmula nº 686 . decreto etc. em razão da idade.Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a habilitação de candidato a cargo público. portaria.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. por ato administrativo.blogspot. Qualquer requisito além dos básicos necessariamente carecerá de lei.

com. o CNJ e CNMP apenas regulam a exigência existente. E xemplo: Idade mínima ou máxima estabelecida por lei.blogspot. SÚMULA n. é necessária a observância da noção de razoabilidade.hondey@uol. dependendo da atribuição do cargo poderá haver limitação de idade.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. O STF editou uma SÚMULA referente ao exame psicológico. a exigência está na constituição. mas é uma orientação geral. a resolução somente estará regulamentando o conceito.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi O STF diz que. 686 Acesse: http://materiaisparaconcursos. como a exigência é prevista na Constituição. valendo para os demais requisitos. Entre a atribuição do cargo e a exigência deve ter um vinculo lógico de razoabilidade. Deve a exigência guardar uma compatibilidade lógica e razoável com as atribuições do cargo.com/ Contato: chenqs. para que haja outro requisito.br 175 . Além de estar na Constituição e na lei.

ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a habilitação de candidato a cargo público. 5º. para tais pessoas serão reservadas até 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas no concurso.hondey@uol. da Constituição quando possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido.com/ Contato: chenqs.º.com. mas se for cargo de execução a exigência de altura é perfeita. Acesse: http://materiaisparaconcursos. § 2o Às pessoas portadoras de deficiência é assegurado o direito de se inscrever em concurso público para provimento de cargo cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são portadoras. SÚMULA n. Exemplo: é inconstitucional se exigir a idade máxima de 45 anos para o cargo de professor.blogspot. consoante julgado do STF. 683 O limite de idade para a inscrição em concurso público só se legitima em face do art. XXX.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Se for questão burocrática a exigência é desproporcional. Exemplo 2: exigência de altura mínima. principalmente para carreiras policiais. Art.br 176 . 7. depende das atribuições do cargo.

a deficiência não pode ser tão severa que inviabilize o exercício do cargo.com. decidiu. Temos para a União o Decreto 3. Acesse: http://materiaisparaconcursos. 4º diz que a pessoa portadora de deficiência terá que ter um mínimo ou máximo de deficiência para ser compatível com o cargo.blogspot. Assim.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. que a monocularidade (visão de apenas um olho) seria digno de reserva de vagas a pessoas portadoras de deficiência. esta não pode ser tão pequena que nem mereça a proteção (ex: 0. é o Decreto 3. a lei é mais maléfica ao portador. Por outro lado.298/99. Súmula 377: O portador de visão monocular tem direito de concorrer. interpretando o decreto 3. O conceito de deficiência. Quem define esse mínimo de deficiência.298/99. embora seja dado pelo médico. A lei manda reservar vagas no concurso. recentemente. O STJ. cujo art. em concurso público.298/99. A Constituição manda reservar um percentual de cargos a pessoas portadoras de deficiência. Quem irá decidir no caso concreto é a junta médica a que será submetida o candidato. como dito acima.25 graus de miopia em um olho). coisas diversas. É a SÚMULA 377 da corte.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi No máximo 20% das vagas consoante a lei.hondey@uol.com/ Contato: chenqs. mas a definição de deficiência que admite a reserva de vagas é feita pelo Direito. Para que haja a reserva de vagas para os portadores de deficiência.br 177 . às vagas reservadas aos deficientes.

com. Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi é a forma de preenchimento do cargo.br 178 . 8º da lei 8. Previsão legal: art. IV transferência.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 8o São formas de provimento de cargo público: I nomeação. V readaptação.hondey@uol.com/ Contato: chenqs. II promoção. III ascensão.blogspot.112/90: Art.

br 179 .com.blogspot. direitos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. contado da data da publicação do ato de provimento (nomeação). VIII reintegração. IX recondução.hondey@uol. é o ato que materializa o provimento originário da pessoa ao cargo público. é o efetivo desempenho das atribuições do cargo ou da função pública. nascendo a figura do servidor. Essa nomeação pode se dar em caráter efetivo (cargo de provimento efetivo ou de carreira) e comissão (cargos de confiança inclusive na condição de interino). sendo o prazo de 15 dias. VII aproveitamento. é o ato onde são cometidas as atribuições. Com a posse. O prazo da nomeação para tomar posse é de 30 dias. vem entendendo que o candidato aprovado dentro do número de vagas do edital tem direito subjetivo à nomeação. deveres e responsabilidades do cargo público ao servidor. A jurisprudência do STJ.com/ Contato: chenqs. tem-se a investidura no cargo público. Acesse: http://materiaisparaconcursos. desde 2007.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi VI reversão.

podendo ser essa motivação controlada pelo poder judiciário. mas a estabilidade somente é alcançada com 3 anos. segundo o art. Atualmente. 20.hondey@uol. Acesse: http://materiaisparaconcursos.com/ Contato: chenqs. nível de escolaridade e equivalência de vencimentos). passa a entender que o período de estágio probatório tem de ser compatível com o período da estabilidade: sendo assim.523/09 o STJ.br 180 .ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Segundo o STF. que pode ser: 26 Suspensão de tutela antecipada. no RE 12. 20 da lei. mas a administração pode recusar a nomeação se for motivada. o estágio probatório é de 24 meses. A readaptação deverá ocorrer em cargos com atribuições afins (analisando a habilitação exigida. o prazo de estágio probatório e de estabilidade é de 3 anos. o candidato aprovado dentre o número de vagas tem direito à nomeação. que sempre entendia no sentido do art. o retorno à atividade do servidor aposentado.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Esse também é o posicionamento do STF em algumas decisões monocráticas: STA´s26 310 e 311. investidura do servidor em cargo atribuições e responsabilidades compatíveis com a sua aptidão mental e física após inspeção médica.blogspot.com.

hondey@uol.br 181 .998 (muitos apressadamente. Aposentadoria voluntária. aposentaram sem ser com proventos integrais). mais o preenchimento de alguns requisitos dariam direito à aposentadoria com proventos integrais. há discricionariedade por parte da administração para decidir se o retorno do servidor atende aos interesses da administração. O ato é vinculado. Estável quando da aposentadoria. Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi De ofício pela administração: quando a administração descobre e comprova por junta médica que as causas que levaram à aposentadoria por invalidez permanente não mais subsistem.com. Preenchidos todos esses requisitos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. São requisitos para tal modalidade de reversão: Solicitação do servidor. 5 anos do pedido de aposentadoria (no máximo). O servidor que retornou da aposentadoria atuará como excedente (se o cargo dele estiver provido) até a ocorrência de vagas. A pedido do servidor: a intenção foi trazer de volta os servidores que se aposentaram de forma apressada antes da edição da EC/20 de 1. Esse retorno.com/ Contato: chenqs.blogspot. Existência de cargo vago.

a jurisprudência pacífica do STJ e do STF admite a recondução por desistência do servidor no novo cargo desde que o pedido seja feito dentro do prazo do estágio probatório.com. é uma espécie de “retorno inominado”. uma vez que no caso de retorno de servidor não estável. o servidor que deveria retornar à atividade ficará em disponibilidade (Art. 41.com/ Contato: chenqs. 27 No âmbito federal. Se o cargo foi extinto. A posse em outro cargo inacumulável traduz uma causa suspensiva que está condicionada ao adimplemento de uma condição suspensiva (aprovação no estágio probatório em outro caso)27.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi é a reinvestidura do servidor estável ao cargo anteriormente ocupado ou no cargo resultante da sua transformação em razão da invalidação da sua demissão por decisão judicial ou administrativa com o ressarcimento de todas as vantagens (art. o ocupante será reconduzido ao cargo de origem se estável. Vale lembrar que o retorno do servidor estável chama se reintegração.br 182 . sem direito à indenização ou aproveitado em outro cargo. mas não abrange o retorno do servidor não estável. ou ainda posto em disponibilidade.blogspot.hondey@uol. Embora a lei apenas admita a recondução pela reprovação no estágio probatório. §3º da CRFB/88) recebendo proporcionalmente ao tempo de serviço.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 41. ver o artigo 33 da lei 8. §2º da CRFB/88). Acesse: http://materiaisparaconcursos. é o retorno do servidor estável ao cargo anteriormente ocupado por inabilitação no estágio probatório em outro cargo ou em razão da reintegração do antigo ocupante. Caso esteja o cargo ocupado por terceiro.112/90.

ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi retorno à atividade do servidor colocado em disponibilidade (art. Deve se obedecer ao prazo dos 15 dias para entrar em exercício por analogia ao prazo para entrar em exercício quando da nomeação (art. EM CARGO QUE NÃO INTEGRA A CARREIRA NA QUAL ANTERIORMENTE INVESTIDO.hondey@uol. porém dento da mesma carreira. No caso de aproveitamento. o servidor convocado para retornar no prazo legal que não aparecer. Atualmente. com maior grau de complexidade nas atribuições. 15.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. §3º). §1º da lei 8. SEM PRÉVIA APROVAÇÃO EM CONCURSO PÚBLICO DESTINADO AO SEU PROVIMENTO. está vedada a ascensão e a transferência: Súmula 685 do STF INCONSTITUCIONAL TODA MODALIDADE PROPICIE AO SERVIDOR INVESTIR > DE PROVIMENTO É QUE SE. 41. sendo cassada a sua disponibilidade (com natureza de penalidade administrativa).br 183 .com/ Contato: chenqs. investidura do servidor em cargo com maior responsabilidade.com. Acesse: http://materiaisparaconcursos.112/90).blogspot. vai gerar um aproveitamento sem efeito.

br 184 . 37 da CRFB/88).ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi é forma de vacância que não tem natureza de penalidade. se destituição de cargo em comissão. Acesse: http://materiaisparaconcursos. 132 da lei). a seu critério poderia exonerar o servidor comissionado (art. pressupondo processo administrativo disciplinar (PAD).DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. é ao mesmo tempo forma de provimento e de vacância. Detentores de cargo em comissão: a autoridade competente. E exoneração de cargo efetivo se dá das seguintes formas: A pedido do servidor: De ofício pela administração: Reprovação no estágio probatório: não tem conotação de penalidade.hondey@uol. Toma posse não entra em exercício no prazo de 15 dias. Esta tem natureza de penalidade. A penalidade do cargo em comissão (semelhante à demissão) chama pedido do comissionado.blogspot.com.com/ Contato: chenqs. A exoneração também pode se dar a : é aplicada diante de infrações consideradas graves (art. A exoneração de ofício não dispensa o respeito ao devido processo legal no âmbito administrativo (nesse sentido: súmula 21 do STJ).

caracterizando desvio de poder. Modalidades de remoção na Lei 8. ao seu interesse. portanto não pode ser usada como tal. é ao mesmo tempo forma de provimento e de vacância.br 185 .com.hondey@uol. Não são formas de provimento nem de vacância. REMOÇÃO A PEDIDO DO SERVIDOR: fica a critério da administração deferir ou não o pedido.112/90: REMOÇÃO DE OFÍCIO NO INTERESSE DA ADMINISTRAÇÃO: a administração. resolve deslocar um servidor de um local para outro.com/ Contato: chenqs.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.blogspot.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi é ao mesmo tempo forma de provimento e de vacância. Remoção não é forma de penalidade. Consiste no deslocamento do servidor para o exercício de suas atividades em outra unidade com ou sem deslocamento de sede. Acesse: http://materiaisparaconcursos.

do Distrito Federal e dos Municípios. Se um já era servidor e o outro passou em concurso depois e foi nomeado para localidade diversa. que foi deslocado no interesse da Administração.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 36. na hipótese em que o número de interessados for superior ao número de vagas. do Distrito Federal e dos Municípios. também servidor público civil ou militar. que foi deslocado no interesse da administração. o primeiro não tem direito a essa remoção que está sendo estudada. b) por motivo de saúde do servidor. dos Estados.com. c) em virtude de processo seletivo promovido. para Acesse: http://materiaisparaconcursos. Nesse caso não há deslocamento do servidor. também servidor público civil ou militar.br 186 . condicionada à comprovação por junta médica oficial. Um dos exemplos é para acompanhar cônjuge ou companheiro. a) para acompanhar cônjuge ou companheiro. companheiro ou dependente que viva às suas expensas e conste do seu assentamento funcional. de acordo com normas preestabelecidas pelo órgão ou entidade em que aqueles estejam lotados.blogspot. de qualquer dos Poderes da União.hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi REMOÇÃO A PEDIDO DO SERVIDOR INDEPENDENTEMENTE DO INTERESSE DA ADMINISTRAÇÃO: a administração tem de deferir esse pedido (art. inciso III da lei). dos Estados. de qualquer dos Poderes da União. mas sim deslocamento do cargo de provimento efetivo ocupado ou vago. cônjuge.com/ Contato: chenqs.

blogspot. O STF. vencimentos é a retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público com valor fixado em lei. uma vez que a lei fala em: vencimentos + remuneração + subsídios. §5º da lei). é o valor base fixado em lei. ou ele ficará em disponibilidade. a situação não é tão tranquila. 41.br 187 . Acesse: http://materiaisparaconcursos. desde que a remuneração atinja o piso de um salário mínimo (art. Quando se fala em sistema remuneratório. Vencimentos: segundo o artigo 40 da lei. o vencimento pode ser inferior a um salário mínimo.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com. Se o servidor não for redistribuído junto com o cargo. Atualmente. Súmula Vinculante 15 "O cálculo de gratificações e outras vantagens não incide sobre o abono utilizado para se atingir o salário mínimo do servidor público". ou ele prestará exercício provisório de suas atividades em outro órgão ou entidade. portanto. em julho de 2009 editou as SÚMULAS VINCULANTES 15 E 16 ratificando tal orientação.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi outro órgão ou entidade dentro do mesmo poder.com/ Contato: chenqs.hondey@uol. O objetivo é adequar as reais necessidade de serviços aos quadros funcionais existentes.

Para o STF (MS 24. detentor de mandato eletivo. IV . recebido por membros de poder. referem se ao total da remuneração percebida pelo servidor público". é dispensável a autorização do servidor se existe previsão legal e é razoável. é o vencimento do cargo efetivo acrescido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei. a administração tem de propor uma ação perante o poder judiciário. e 39 . As indenizações não incorporam o vencimento ou o provento dos servidores.hondey@uol. Temos indenizações de naturezas distintas: Acesse: http://materiaisparaconcursos.com/ Contato: chenqs. sem nenhum tipo de gratificação e vantagem pecuniária. salvo as indenizações (que tem caráter de ressarcimento). da Constituição. se a lei legitima o desconto. Ministros de Estados.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Súmula Vinculante 16 "Os arts. Secretários Estaduais e Municipais. É parcela única.blogspot. se o servidor é condenado ao pagamento de valores para a administração na esfera administrativa (PAD) e o servidor não autoriza o ressarcimento.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 7º .br 188 . deputado federal. § 3º (redação da EC 19 /98).544/DF). Indenizações: tem natureza de ressarcir um gasto do servidor.com. etc.

Retribuição cargo efetivo. Indenizações de transporte: o servidor utiliza meio de transporte próprio para prestar serviços externos (não inclui. no interesse da administração. Diárias: trata se de indenização por deslocamento transitório do servidor e busca compensar gastos com pousada. o uso do carro para ir trabalhar). Auxílio moradia: visa ressarcir as despesas com aluguel de moradia ou hospedagem em hotel.br 189 .com.blogspot. portanto a remoção em razão de concurso do cônjuge não autoriza o recebimento de tal indenização (entendimento recente STJ). alimentação e locomoção.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Se o servidor é exonerado durante o exercício. só se pode falar em ajuda de custo se a remoção for obrigatória. portanto. ou seja.com/ Contato: chenqs. pelo desempenho de chefia/direção/assessoramento: é aquele que é detentor de Gratificação natalina: envolve 1 /12 da remuneração do servidor proporcional a tempo de serviço. ele recebe proporcional e com base ao mês da exoneração.hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Ajuda de custo: visa compensar despesas do servidor com a mudança de domicílio em caráter permanente. Acesse: http://materiaisparaconcursos.

Devendo ser objeto de compensação de horas durante a jornada de trabalho caso prejudique as atribuições do cargo. Adicional de periculosidade: o servidor desempenha atividade que lhe cause risco de vida.com/ Contato: chenqs. Adicional de atividade penosa: o servidor desempenha atividade em zona de fronteira ou em localidade cujas condições justifiquem o pagamento do adicional.com. Acesse: http://materiaisparaconcursos. uma vez que a lei públicos federais permite.hondey@uol. Não dos servidores pode haver cumulação não de insalubridade com periculosidade.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Adicional de insalubridade: o servidor desempenha atividade prejudicial à sua saúde.br 190 . Somente será paga se a atividades não causarem prejuízo às atribuições do cargo.blogspot.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Gratificação por encargo de concurso: é pagar ao servidor que atua em curso de formação como instrutor ou participa em banca examinadora de vestibular ou concurso.

o serviço somente pode ser extraordinário em situação excepcionais. temporária e no máximo de duas horas por jornada. dez ou vinte por cento. A atividade feita com Raios-X ou substâncias radioativas tem percentual fixado de 10% pela lei.blogspot.hondey@uol.com/ Contato: chenqs. o adicional é de 10%. A insalubridade será concedida com o adicional de á concedida com o adicional de cinco. O período noturno engloba às 22h00min horas às 05h00min horas do dia seguinte. Adicional de serviço noturno: representa um acréscimo de 25% em relação ao valor pago pela hora normal. O adicional de atividade penosa é de 15% se a atividade penosa ocorrer em capitais e 30% se ocorrer em outras localidades.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Adicional por serviço extraordinário: o adicional é de 50% a mais em relação ao valor pago à hora normal (é o mesmo raciocínio em regra. A lei admite a soma dos percentuais do serviço extraordinário com a do período noturno (acrescenta 50% e sobre o resultado acrescente 25%).com. Uma hora noturna significa 52 minutos e 30 segundos. pela hora extra do regime privado). No caso de periculosidade. Acesse: http://materiaisparaconcursos. médio ou máximo.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Também é vedado o recebimento de um desses dois últimos com o adicional de penosidade. conforme o grau seja mínimo.br se 191 .

Para se conseguir as férias. deve ser indenizado com fundamento na vedação do enriquecimento sem causa da administração e da responsabilidade civil do Estado. podendo acumular até dois períodos caso em haja até 3 necessidade etapas do serviço última e pode haver do parcelamento (essa dependendo requerimento do servidor e interesse da administração). deve se ter trabalhado dose meses. devendo as primeiras férias necessariamente esperar o curso de todo o período aquisitivo. não extinguiu se o vínculo). Na lei federal. Acesse: http://materiaisparaconcursos. as férias podem ser tiradas logo fim do período aquisitivo. o direito de fruir as férias não gozadas transfere para o outro cargo. O servidor que é estável em cargo efetivo e está exercendo função de chefia/direção/assessoramento recebe o adicional de férias tendo como base a remuneração recebida em razão da função de direção/chefia/assessoramento. Férias: as férias são de 30 dias por ano. mas as próximas não precisam necessariamente obedecer a essa regra. proibida a acumulação. pessoas que trabalham com Raios-X ou substâncias radioativas que deve tirar 20 dias consecutivos por semestre.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Caso haja pedido de vacância e o servidor assuma outro cargo (portanto.com/ Contato: chenqs.com.br 192 .hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Adicional de férias: é o acréscimo de um terço a mais em relação à remuneração das férias.blogspot. Como exceção. Caso o servidor vá se aposentar e não tenha tirado férias e licença prêmio à qual ele já tinha adquirido o direito. uma vez que não há fim do vínculo (nesse sentido a jurisprudência pacífica do STJ).

br 193 . enteados e dependentes que vivam às expensas do servidor.com/ Contato: chenqs. filhos. O §3º do artigo 81 da lei 8. Essa licença deve se dar no máximo em 150 dias: os 30 dias iniciais serão remunerado e poderão ser prorrogados por mais 30 dias (também remunerados) e os 90 dias finais sem remuneração.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA: família é cônjuge ou companheiro. §3º da lei diz que não será concedida nova licença por motivo de doença em pessoa da família em período inferior a 12 meses do término da última licença concedida. O artigo 83. pais. padrastos.com. POR MOTIVO DO ocorre AFASTAMENTO quando o cônjuge DO ou CÔNJUGE/COMPANHEIRO: companheiro for deslocado para outro ponto do território nacional. Para se conseguir essa licença deve se provar que a ajuda do servidor é indispensável para o doente e que essa ajuda não pode ser prestada conjuntamente com o trabalho ou no regime de compensação de horário.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. para o exterior ou para desempenhar mandato eletivo dos poderes Acesse: http://materiaisparaconcursos.112/90 diz que é vedado o exercício de atividade remunerada por parte deste servidor quando estiver em período de licença por motivo de doença em pessoa da família.hondey@uol. Somente no período de licença remunerada que se conta o tempo de serviço para fins de aposentadoria e disponibilidade. madastra.blogspot.

sem remuneração no período que compreende a convenção partidária registro candidatura. LICENÇA CAPACITAÇÃO: a cada cinco anos de efetivo exercício. O §2º do artigo 84 diz que no deslocamento do servidor cujo cônjuge ou companheiro também seja servidor público. tem o prazo de 30 dias. Quando não se pode pedir a remoção. ATIVIDADE até a véspera do POLÍTICA: da é uma licença Será. remunerada do período entre o registro da candidatura até o 10º dia seguinte à eleição.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi executivos ou legislativos. SERVIÇO MILITAR: o período de licença passa a ser considerado como efetivo exercício.hondey@uol. O prazo máximo de remuneração é de 3 meses nesse tipo de licença. no interesse da administração. O servidor ao concluir o serviço militar. autárquica ou fundacional.blogspot. poderá haver exercício provisório em órgão ou entidade da administração direta.com. pede se o exercício provisório. sem remuneração. desde que para o exercício de atividade compatível com o seu cargo. sendo que esse período de licença remunerada será computado como tempo de serviço para fins de aposentadoria e disponibilidade. se afastar por um período de até 3 meses para participar de curso de Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 194 . portanto. o servidor poderá.com/ Contato: chenqs. para retornar ao cargo público. Essa licença é por prazo indeterminado e sem remuneração.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.

sendo esse afastamento remunerado e podendo se dar tanto no Brasil quanto no exterior. Do Afastamento para Participação em Programa de Pós Graduação Stricto Sensu no País Art. em conformidade com a legislação vigente. Caso já se tenha dez anos de serviço.br 195 . no interesse da Administração. 96 A.hondey@uol. § 1o Ato do dirigente máximo do órgão ou entidade definirá. doutorado ou doutorado).DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com/ Contato: chenqs.com. os programas de capacitação e os critérios para participação em programas de Acesse: http://materiaisparaconcursos. os períodos não são acumuláveis. Essa licença é remunerada.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi capacitação profissional. O afastamento para cursar pós-graduação (art. . O servidor poderá. Não se pode confundir tal licença com o afastamento para cursar pós pós graduação em sentido estrito (mestrado. afastar se do exercício do cargo efetivo. O período é considerado de efetivo exercício para efeito de contagem de tempo.112/90) em sentido estrito traz a regra de que ele será concedido no interesse da administração desde que a participação não possa ocorrer simultaneamente com o exercício do cargo ou mediante compensação de horário. para participar em programa de pós graduação stricto sensu em instituição de ensino superior no País. portanto. não pode se usar a licença por 6 meses. com a respectiva remuneração. e desde que a participação não possa ocorrer simultaneamente com o exercício do cargo ou mediante compensação de horário. 96A da lei 8.blogspot.

hondey@uol. com ou sem afastamento do servidor.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. deverá ressarcir o órgão ou entidade.blogspot. 2o e 3o deste artigo terão que permanecer no exercício de suas funções após o seu retorno por um período igual ao do afastamento concedido. que não tenham se afastado por licença para tratar de assuntos particulares para gozo de licença capacitação ou com fundamento neste artigo nos 2 (dois) anos anteriores à data da solicitação de afastamento. incluído o período de estágio probatório. na forma do art. incluído o período de estágio probatório.com. § 3o Os afastamentos para realização de programas de pós doutorado somente serão concedidos aos Servidores titulares de cargo efetivo no respectivo órgão ou entidade há pelo menos 4 (quatro) anos. 47 da Lei no 8. que serão avaliados por um comitê constituído para este fim. § 2o Os afastamentos para realização de programas de mestrado e doutorado somente serão concediDos aos servidores titulares de cargos efetivos no respectivo órgão ou entidade há pelo menos 3 (três) anos para mestrado e 4 (quatro) anos para doutorado.112. dos gastos com seu aperfeiçoamento. . Acesse: http://materiaisparaconcursos. . § 4o Os servidores beneficiados pelos afastamentos previstos nos §§ 1o. § 5o Caso o servidor venha a solicitar exoneração do cargo ou aposentadoria.br 196 . antes de cumprido o período de permanência previsto no § 4o deste artigo.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi pós graduação no País. e que não tenham se afastado por licença para tratar de assuntos particulares. . . para gozo de licença capacitação ou com fundamento neste artigo nos 4 (quatro) anos anteriores à data da solicitação de afastamento.com/ Contato: chenqs. de 11 de dezembro de 1990. .

§ 7o Aplica se à participação em programa de pós graduação no Exterior. Esse afastamento será sem remuneração e tem o prazo proporcional ao mandato. (Incluído pela Lei nº 11. exceto para fins de promoção pó merecimento. aplica se o disposto o no § 5 deste artigo.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi § 6o Caso o servidor não obtenha o título ou grau que justificou seu afastamento no período previsto. LICENÇA direção ou PARA O DESEMPENHO em entidade DE MANDATO de classe CLASSISTA: envolve o servidor que desempenhe atribuição de representação (sindicato/federação/confederação). LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE: prevista no art. Após o período de 24 meses. o disposto nos §§ 1o a 6o deste artigo.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com.hondey@uol. 95 desta Lei.com/ Contato: chenqs. . há aposentadoria por invalidez permanente. de 2009). a critério do dirigente máximo do órgão ou entidade. caso o servidor não consiga voltar ao trabalho.br 197 . O afastamento é considerado de efetivo exercício. prorrogável uma vez em caso de reeleição. 202 a 206 da lei. É remunerada e tem o prazo máximo de 24 meses. salvo na hipótese comprovada de força maior ou de caso fortuito.907. autorizado nos termos do art. O período será computado como de efetivo exercício até os 24 meses Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.

“d”). sendo remunerada. 2o Serão beneficiadas pelo Programa de Prorrogação da Licença à Gestante e à Adotante as servidoras públicas federais lotadas ou em exercício nos órgãos e entidades integrantes da Administração Pública federal direta.770/08 – a lei é geral. Após tal período. podendo ser prorrogada por mais 60 dias (segundo a lei 11.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi (art.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com/ Contato: chenqs. É remunerada e tem o prazo máximo de 24 meses. caso o servidor não consiga voltar ao trabalho. mas estende se ao servidor público federal por meio do decreto 6. VIII. 103.blogspot. O período será contado como efetivo exercício para todos os efeitos legais (art.br 198 . “b” da lei). Vale lembrar que no caso de natimorto a mãe será submetida a exame posterior para ver se está apta a trabalhar. a servidora terá o prazo de 30 dias de repouso remunerado. há aposentadoria por invalidez permanente. Acesse: http://materiaisparaconcursos. DECRETO 6.690 desde que preenchido alguns requisitos.112/90). LICENÇA POR ACIDENTE DE SERVIÇO: prevista no artigo 211 a 214 da lei. VII. VIII. 102.hondey@uol. Após o período de 24 meses.690 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2008 Art. autárquica e fundacional.102. No caso de aborto atestado por médico oficial. lei 8.com. LICENÇA À GESTANTE: terá prazo de 120 dias. será considerado como tempo de serviço para fins de aposentadoria e disponibilidade (art.

inciso II. alínea “b”. considera se criança a pessoa de até doze anos de idade incompletos.com/ Contato: chenqs. 4o A servidora em gozo de licença maternidade na data de publicação deste Decreto poderá solicitar a prorrogação da licença. a beneficiária perderá o direito à prorrogação. Acesse: http://materiaisparaconcursos. as servidoras públicas referidas no art. § 5o A prorrogação da licença será custeada com recurso do Tesouro Nacional. 207 da Lei no 8. de 11 de dezembro de 1990. de 13 de julho de 1990. Art. desde que requerida até trinta dias após aquela data. sem prejuízo do devido ressarcimento ao erário.hondey@uol.com. Art.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi § 1o A prorrogação será garantida à servidora pública que requeira o benefício até o final do primeiro mês após o parto e terá duração de sessenta dias.blogspot.112. ou do benefício de que trata o. 2o não poderão exercer qualquer atividade remunerada e a criança não poderá ser mantida em creche ou organização similar.br 199 . § 4o Para os fins do disposto no § 3o. 2o da Lei no 8. Em caso de ocorrência de quaisquer das situações previstas no caput.069.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. nos termos do art. 3o No período de licença maternidade e licença à adotante de que trata este Decreto. § 2o A prorrogação a que se refere o § 1o iniciar se á no dia subsequente ao término da vigência da licença prevista no art. Parágrafo único.

II para as servidoras públicas em gozo do benefício de que trata o art. 5o Este Decreto aplica se à servidora pública que tenha o seu período de licença maternidade concluído entre 10 de setembro de 2008 e a data de publicação deste Decreto. LICENÇA À ADOTANTE: segue também as regras do decreto: § 3o O benefício a que fazem jus as servidoras públicas mencionadas no caput será igualmente garantido a quem adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança.hondey@uol. e c) quinze dias. na seguinte proporção: I para as servidoras públicas em gozo do benefício de que trata o. 210 da Lei nº 8. conforme o caso. e Acesse: http://materiaisparaconcursos. no caso de criança de até um ano de idade. b) trinta dias.112.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Art. no caso de criança de quatro a oito anos de idade. no caso de criança de até um ano de idade. Parágrafo único. de 1990: a) quarenta e cinco dias. no caso de criança de mais de um e menos de quatro anos de idade.com/ Contato: chenqs.com.blogspot. A servidora pública mencionada no caput terá direito ao gozo da licença pelos dias correspondentes à prorrogação.br 200 . A) sessenta dias.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.

116.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. exceto quando manifestamente ilegais. V atender com presteza: Acesse: http://materiaisparaconcursos.br 201 . observar as normas legais e regulamentares.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi b) quinze dias. São deveres do servidor: I cargo. IV cumprir as ordens superiores. LICENÇA PATERNIDADE: o prazo da licença paternidade é de 5 dias consecutivos segundo a lei 8.112/90 Art. II III exercer com zelo e dedicação as atribuições do ser leal às instituições a que servir.com/ Contato: chenqs.blogspot. no caso de criança com mais de um ano de idade.com.hondey@uol.

com. ressalvadas as protegidas por sigilo.com/ Contato: chenqs.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi A) ao público em geral. IX manter conduta compatível com a moralidade administrativa. ser assíduo e pontual ao serviço. VII zelar pela economia do material e a conservação do patrimônio público. omissão ou abuso Parágrafo único.blogspot.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. VI levar ao conhecimento da autoridade superior as irregularidades de que tiver ciência em razão do cargo. c) às requisições para a defesa da Fazenda Pública. VIII guardar sigilo sobre assunto da repartição. representar contra ilegalidade.hondey@uol. A representação de que trata o inciso XII será encaminhada pela via hierárquica e apreciada pela autoridade superior àquela contra a qual é formulada. b) à expedição de certidões requeridas para defesa de direito ou esclarecimento de situações de interesse pessoal. tratar com urbanidade as pessoas.br 202 . Acesse: http://materiaisparaconcursos. X XI XII de poder. assegurando se ao representando ampla defesa. prestando as informações requeridas.

VI cometer a pessoa estranha à repartição. II retirar. sem prévia anuência da autoridade competente. IV opor resistência injustificada ao andamento de documento e processo ou execução de serviço. VII filiarem político. IX valer se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem. Ao servidor é proibido: I ausentar se do serviço durante o expediente. companheiro ou parente até o segundo grau civil.com/ Contato: chenqs.br 203 . 117. III recusar fé a documentos públicos. coagir ou aliciar subordinados no sentido de se a associação profissional ou sindical.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Art.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. qualquer documento ou objeto da repartição.blogspot. ou a partido VIII manter sob sua chefia imediata. fora dos casos previstos em lei. em cargo ou função de confiança. V promover manifestação de apreço ou desapreço no recinto da repartição. cônjuge.com. sem prévia autorização do chefe imediato. o desempenho de atribuição que seja de sua responsabilidade ou de seu subordinado. Acesse: http://materiaisparaconcursos.hondey@uol. em detrimento da dignidade da função pública.

exceto na qualidade de acionista. XI atuar.527. (Incluído pela Lei nº 9.com.97). XIII aceitar comissão. junto a repartições públicas. XIV XV praticar usura sob qualquer de suas formas. XVI utilizar pessoal ou recursos materiais da repartição em serviços ou atividades particulares. e de cônjuge ou companheiro. personificada ou não personificada. XVII cometer a outro servidor atribuições estranhas ao cargo que ocupa.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi X participar de gerência ou administração de sociedade privada. exceto em situações de emergência e transitórias. como procurador ou intermediário. Acesse: http://materiaisparaconcursos. presente ou vantagem de qualquer espécie. XII receber propina. exercer o comércio.12. cotista ou comanditário.blogspot.br 204 .DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. em razão de suas atribuições. proceder de forma desidiosa. emprego ou pensão de estado estrangeiro. XVIII exercer quaisquer atividades que sejam incompatíveis com o exercício do cargo ou função e com o horário de trabalho. XIX recusar se a atualizar seus dados cadastrais quando solicitado. de 10.hondey@uol. comissão. salvo quando se tratar de benefícios previdenciários ou assistenciais de parentes até o segundo grau.com/ Contato: chenqs.

91 desta Lei. 29 O servidor pode responder em todos esses âmbitos de forma autônoma.com/ Contato: chenqs.133/08) as pessoas jurídicas 28 Nesse caso a licença é de até 3 anos e sem remuneração. por exemplo. direta ou indiretamente.28·. O servidor deve reparar o dano que causou.br 205 . participação no capital social ou em sociedade cooperativa constituída para prestar serviços a seus membros.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Parágrafo único. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Segundo a jurisprudência pacífica do STF (como. na forma do art. sem que se fale em bis in idem. observada a legislação sobre conflito de interesses.hondey@uol. podendo ser aplicáveis todas as sanções ao mesmo tempo.blogspot. não podendo se aplicar as proibições do inciso X. A vedação de que trata o inciso X do caput deste artigo não se aplica nos seguintes casos: I participação nos conselhos de administração e fiscal de empresas ou entidades em que a União detenha.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. II gozo de licença para o trato de interesses particulares. e. no RE 344.com.

com/ Contato: chenqs. a pena de suspensão poderá ser convertida em pena de multa31 na base de 50% por dia de 30 Não é toda suspensão em que o prazo máximo será de 90 dias.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi de direito público ou de direito privado prestadoras de serviço público respondem pelo ato de seus agentes. 117 (trata das proibições) nos seus incisos I a VIII e XIX ou se violar dever funcional (dever funcional este que deve estar previsto em lei. somente no inciso XVII e XVIII.br 206 . Suspensão: pressupõe reincidência em falta punida com advertência ou violação das demais proibições quando não for o caso de demissão (será demissão no art. não havendo portanto possibilidade de se ajuizar ação de indenização diretamente contra o servidor causador do dano.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. vai sofrer maior sanção que “B”. “A” que nada de errado fez. 31 Basta pensar no exemplo em que “A” e “B” trabalham em u ma repartição. 117 os incisos IX a XVI). cessam-se os efeitos da suspensão quando o servidor resolve cumprir a determinação. Para se falar em responsabilidade administrativa. uma vez que haverá um acúmulo terrível de serviço.hondey@uol. Nesse caso. O prazo máximo da suspensão será de 90 dias30. sendo que ambos trabalham exaustivamente. regulamento ou norma interna). uma vez que este irá responder em ação de regresso.blogspot. deve se falar das sanções (penalidades): Advertência: poderá ser por escrita quando o servidor violar o art. Acesse: http://materiaisparaconcursos. portanto. Por conveniência do serviço.com. A lei admite uma suspensão máxima de 15 dias na seguinte hipótese: servidor de forma injustificada se recusa a se submeter a exame médico determinado pela autoridade competente. Caso “B” sofra a penalidade de suspensão.

abandono de cargo32.com/ Contato: chenqs. ficando nesse caso o servidor obrigado a permanecer em serviço. inassiduidade habitual. a servidor ou a particular. VII ofensa física.blogspot. A demissão será aplicada nos seguintes casos: I II III IV crime contra a administração pública.com. salvo em legítima defesa própria ou de outrem. VI insubordinação grave em serviço. revelação de segredo do qual se apropriou em razão 32 Considera-se abandono de cargo o não aparecimento do servidor ao serviço por ato voluntário por mais de 30 dias. VIII IX do cargo. Demissão: aplica inciso IX a XVI do artigo 117. aplicação irregular de dinheiros públicos. se no caso de descumprimento ao Art. 132.br 207 . Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi vencimento ou remuneração. V incontinência pública e conduta escandalosa.hondey@uol.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. na repartição. improbidade administrativa. em serviço.

117. Em razão da chamada independência das instâncias.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. caso o motivo seja negativa da autoria ou negativa da existência do Acesse: http://materiaisparaconcursos.com/ Contato: chenqs. XI XII públicas. a condenação no âmbito penal gera condenação na via administrativa (ex. A regra é que interferência de uma esfera na outra.: corrupção passiva no CP). administrativa e penal ao mesmo tempo. acumulação ilegal de cargos.hondey@uol. Em caso de crimes funcionais em que haja absolvição no âmbito penal. Cassação: a administração descobre que o inativo (aposentado ou aquele que está em disponibilidade) praticou quando estava em atividade infração punível com demissão. Tratando crimes funcionais (correlação com os deveres administrativos). empregos ou funções transgressão dos incisos IX a XVI do art. Destituição de cargo em comissão: aplicada às infrações sujeitas às penalidades de suspensão ou demissão.br 208 .ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi X lesão aos cofres públicos e dilapidação do patrimônio nacional. mas há situações se em de que se há aplicar sanção civil.com. pode haja independência nas instâncias. XIII corrupção.blogspot.

para que possa fazer a demissão por infração administrativa é necessária a condenação por juiz de direito em improbidade. Em crimes não funcionais a pena não privativa de liberdade. função pública ou mandato eletivo. Acesse: http://materiaisparaconcursos. mas caso seja pena privativa de liberdade surge duas hipóteses: se a privação de liberdade for igual ou inferior a quatro anos. V incontinência pública e conduta escandalosa. no caso de ausência de prova para autoria ou para condenação (art. 386. mas. na repartição. se a privação da liberdade for superior a 4 anos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com. I. IV e VI do CPP) pode ocorrer condenação na esfera administrativa (Ver súmula 18 do STF). VI insubordinação grave em serviço. nenhuma influência haverá na esfera administrativa. a servidor ou a particular. salvo em legítima defesa própria ou de outrem. VII ofensa física.br 209 . o servidor ficará afastado do cargo ou função. deve se absolver na esfera administrativa.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi fato. 92. tendo direito a auxílio reclusão.hondey@uol.blogspot.com/ Contato: chenqs. incide o art. em serviço. A improbidade é matéria reservada à jurisdição. “b” havendo perda do cargo.

corrupção.blogspot.hondey@uol. efeito prático perda dos proventos. Quando será aplicada esta situação? O mais frequente é o caso em que se constata que o servidor público na atividade praticara uma falta punível com demissão. revelação de segredo do qual se apropriou em razão X lesão aos cofres públicos e dilapidação do patrimônio nacional. acumulação ilegal de cargos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi VIII IX do cargo. empregos ou funções Se não fizer a opção no prazo legal perderá ambos os cargos XIII transgressão dos incisos IX a XVI do art.com. CASSAÇÃO DE APOSENTADORIA OU DISPONIBILIDADE Qual o elo do inativo com a administração pública? Resposta: o provento Esta cassação corresponde à perda do provento.br 210 . XI XII públicas. aplicação irregular de dinheiros públicos.com/ Contato: chenqs. Caso em que se aposenta e depois se instaura o processo disciplinar. Esta é a ideia. Acesse: http://materiaisparaconcursos.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. 117.

Exemplo: Presidente designa pessoas para cargos em comissão.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Aberto o processo disciplinar a aposentadoria não será deferida. Liga par ao indicado e manda o agente se exonerar ou exonera sem motivação (isso ocorre na prática). instaurado não poderei aposentar voluntariamente. Perde o vinculo com a administração. 135. O presidente descobre que um dos escolhidos praticou uma infração. 32. salvo doença comprovada por junta médica oficial.com/ Contato: chenqs. Será tornado sem efeito o aproveitamento e cassada a disponibilidade se o servidor não entrar em exercício no prazo legal. Parágrafo único.hondey@uol. Art. se tenho um ocupante de cargo Acesse: http://materiaisparaconcursos. Segundo caso de cassação de disponibilidade está no art.com. somente será deferida após a resolução do processo disciplinar.blogspot. é o equivalente com a demissão. Mas. deveria ser assim. 32.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. a exoneração efetuada nos termos do art. 135 Art.br 211 . DESTITUIÇÃO DE CARGO EM COMISSÃO OU FUNÇÃO DE CONFIANÇA Previsão legal: Art. A destituição de cargo em comissão exercido por não ocupante de cargo efetivo será aplicada nos casos de infração sujeita às penalidades de suspensão e de demissão. 35 será convertida em destituição de cargo em comissão. Constatada a hipótese de que trata este artigo.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. neste caso perderá os dois sendo demitido do cargo efetivo ou poderá ser destituído da função de confiança e suspenso do cargo efetivo.hondey@uol. 141 traz quem aplica as penalidades. A função de confiança é ocupada por servidor efetivo.br 212 . pelos Presidentes das Casas do Poder Legislativo e dos Tribunais Federais e pelo Procurador Geral da República.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi em comissão e descubro uma falta funcional punida com punição ou demissão vou instaurar processo administrativo disciplinar que redundará na pena de destituição de cargo em comissão ou função confiança. ou entidade. em regra. III pelo chefe da repartição e outras autoridades na forma dos respectivos regimentos ou regulamentos. quando se tratar de demissão e cassação de aposentadoria ou disponibilidade de servidor vinculado ao respectivo Poder. Acesse: http://materiaisparaconcursos. II pelas autoridades administrativas de hierarquia imediatamente inferior àquelas mencionadas no inciso anterior quando se tratar de suspensão superior a 30 (trinta) dias. às mais altas autoridades administrativas no caso de demissão e suspensão por mais de 30 dias. O art. tendo as mesmas consequências da demissão. inclusive com a devolução de verba pública.com.com/ Contato: chenqs. Há um alçada punitiva.blogspot. Art. órgão. As penalidades disciplinares serão aplicadas: I pelo Presidente da República. nos casos de advertência ou de suspensão de até 30 (trinta) dias. 141.

com/ Contato: chenqs. II III em 2 (dois) anos. Demissão.br 213 . 142. em 180 (cento e oitenta) dias. pois desligam o servidor.blogspot. Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi IV pela autoridade que houver feito a nomeação.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. quanto à suspensão.com. a lei é Art. A ação disciplinar prescreverá: I em 5 (cinco) anos. Advertência = 180 dias. final e causas de interrupção. quanto às infrações puníveis com demissão. cassação e destituição = 05 anos. P muito clara. Suspensão = 02 anos. quando se tratar de destituição de cargo em comissão. quanto á advertência.hondey@uol. cassação de aposentadoria ou disponibilidade e destituição de cargo em comissão. PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA A prescrição é decorrência imediata da segurança jurídica. termo inicial. razo.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. Art.blogspot. 142. mas do conhecimento do fato.com. O “conhecido” é o prazo que o chefe tomou conhecimento efetivo ou o prazo em que o chefe deveria ter tomado conhecimento? A lei não responde esta pergunta. § 2o Os prazos de prescrição previstos na lei penal aplicam se às infrações disciplinares capituladas também como crime.com/ Contato: chenqs.br 214 . § 1o O prazo de prescrição começa a correr da data em que o fato se tornou conhecido. Aplicando inclusive o prazo de prescrição penal.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Resposta: este prazo é contado não do fato. o prazo de prescrição da infração disciplinar será o prazo da lei penal. Acesse: http://materiaisparaconcursos. Quando a infração disciplinar equivaler a crime (crime contra a administração pública).hondey@uol.

não gera a nulidade do processo a exorbitância do prazo legal de 140 dias.blogspot. Exemplo: Do conhecimento do fato começa a contar a prescrição. Para o STF e STJ. a lei dá na fase de julgamento um prazo de 20 dias. Assim. diz a lei que aberta a sindicância ou instaurado o PAD interrompe se o prazo de prescrição. O prazo de duração normal de um processo disciplinar.com.br 215 . desde o início. até a decisão final proferida por autoridade competente.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol. esta interrupção dá se até o fim do PAD. Depois disso. A partir deste momento o processo pode ser Acesse: http://materiaisparaconcursos. em regra. o prazo de prescrição. o prazo do PAD é de no máximo 140 dias.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi § 3o A abertura de sindicância ou a instauração de processo disciplinar interrompe a prescrição. o prazo começará a correr a partir do dia em que cessar a interrupção. § 4o Interrompido o curso da prescrição. é de 60 dias. ocasião em que volta a contar.com/ Contato: chenqs. prorrogável por igual prazo.

ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi considerado arbitrário e. faz-se este raciocínio e absolve-se o servidor. Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot.com.com/ Contato: chenqs.br 216 . a partir deste termo do prazo (fim dos 140 dias).hondey@uol. é possível encontrarmos no direito brasileiro a prescrição intercorrente no PAD. Logo.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. recomeça a contar o prazo de prescrição. Num caso de processo administrativo instaurado há 16 anos e o servidor demitido hoje.

fazendo com que a administração cada vez mais tenha de adotar técnicas e métodos mais modernos para atender a esses anseios dos administrados. em “interesse convergentes”/“cooperação”/“gestão associada”. consequentemente. Diante do exposto. Exemplo claro disso é a troca de informações de entre Estado e União para fins tributários. surge a união de esforços para atender as exigências dos administrados. inclusive deve haver a busca por profissionais cada vez mais qualificados.hondey@uol.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.com/ Contato: chenqs. portanto.com.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Cada vez mais passa a haver um aumento da exigência dos administrados na prestação de serviços. Interessante que faça a diferenciação das três figuras a serem estudadas: Acesse: http://materiaisparaconcursos. O quadro anteriormente mostrado é que mostra que cada vez mais se torna presente a exigência de realização de consórcio e convênios.blogspot.br 217 . A doutrina fala. aumentando a responsabilidade da administração. Para isso.

107/05 e no art.blogspot.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol. estatais.com.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi : : : Segundo Hely Lopes Segundo Hely Lopes Se acordo com a lei. 241 da CRFB/88. José dos Santos Carvalho filho não vê razão para que ocorra tal diferenciação entre consórcios 33 Exemplo: dois estados. Acesse: http://materiaisparaconcursos. personalidade e jurídica (segundo a de lei). entidades e autárquicas da paraestatais . etc.br 218 . a regulamentação está na lei 11.com/ Contato: chenqs. Meireles ajustes entidades autárquicas paraestatais 33 são os Meireles entre ajustes são os os entre públicos consórcios têm estatais. dois municípios. duas autarquias.

mais precisamente no artigo 13.com. §3º e artigo 14. Ainda há previsão no artigo 241. §4º.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. §1º da Constituição. Na Constituição de 1. porém a palavra convênio encontra se implícita (é uma redação dada pela EC 53/06 que utiliza a palavra cooperação em vez de utilizar a palavra convênio) – o professor José Cretella Júnior considera tal norma de eficácia limitada de princípio programático. ao estabelecer a fixação de normas de cooperação por meio de Lei Complementar. VI e também no artigo 199. Ainda há previsão de convênio no artigo 23. O artigo 23. essa norma Acesse: http://materiaisparaconcursos. parágrafo único da CRFB/88.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi administrativos e convênios de cooperação. Também em 1. uma vez que prevê o programa que deve seguir os entes governamentais. trazendo a ideia de cooperação entre as pessoas políticas. §3º.967.br 219 .com/ Contato: chenqs.988 a matéria está disciplinada no artigo 71. parágrafo único na CRFB/88.hondey@uol.blogspot. estabelecendo como meta o federalismo cooperativo.969 havia previsão na Constituição. no artigo 13. Tinha previsão na Constituição desde 1.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. O artigo 37.hondey@uol.com. também trata do tema.blogspot. §8º da CRFB/88. Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi complementar tem uma generalidade maior quanto ao objeto da cooperação – por isso é norma programática. A lei 8. segundo alguns doutrinadores. Fora da Constituição há convênio no decreto lei 200/67. uma vez que a CRFB/88 especifica o que a lei deverá tratar de forma mais objetiva. Diógenes Gasparini afirmava que mesmo que não tivesse nenhum de tais dispositivos nada impediria que a administração pública fixasse um ajuste com alguém para alcançar as suas finalidades. mais precisamente no artigo 10. José dos Santos Carvalho Filho entende que tais contratos de gestão assemelham se aos convênios. uma vez que todo contrato de gestão traz uma ideia de parceria. O citado parágrafo de tal artigo cuida de um instituto chamado de contrato de gestão para celebração de atividades administrativas. que cuida da organização da administração pública federal e como será feita a descentralização dessas atividades. §1º. “b”.br 220 .666/93 também trata do convênio no artigo 116. O artigo 241 da CRFB/88 tem uma abstração muito melhor. Ainda a Constituição Paulista trata do convênio no artigo 104.com/ Contato: chenqs.

deveria ter garantia de respeito à isonomia.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi a) pessoa administrativa + pessoa administrativa > elas celebram um ajuste que tem como objetivo alcançar o interesse público. Exemplo: uma sociedade de economia mista estadual e uma empresa pública municipal. b) pessoa administrativa + entidades particulares > não importa nesse caso se a entidade particular seja física ou jurídica.. etc. Crítica: Celso Antônio Bandeira de Mello entende que só será possível firmar convênios com entidades particulares se essas entidades não tiverem fins lucrativos. Acesse: http://materiaisparaconcursos. O renomado autor diz que ao celebrar um convênio com entidade privada.com.blogspot. Exemplo: um município celebra um ajuste com João Marinotto. c) órgão34 de pessoa administrativa “A” + entidade particular OU pessoa administrativa “B” > esse é um ajuste realizado entre um órgão de pessoa administrativa com uma entidade particular ou com uma pessoa administrativa diversa 34 Lembrando que os órgãos não tem personalidade jurídica. devendo haver licitação para que tal princípio não seja ferido. ou o estado celebra um ajuste com Irmãos Corrêa S/A. mas sempre devendo estar presente a finalidade de alcançar um interesse público. etc.br 221 . a união e uma autarquia. entendendo que a entidade que busca lucro não vai conseguir compatibilizar tal fim com o fim de alcançar o interesse público.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol.com/ Contato: chenqs.

convênio interorgânico é o que se dá entre órgãos pertencentes à mesma pessoa jurídica objetivando interesse comuns. Ex.: convênio celebrado entre a Secretaria de Segurança do Estado “A” e a Assembleia Legislativa do Estado “A”35. b) metas internas da administração > visando atingir há junção de esforços para alcançar metas internas da administração. Exemplo: convênio realizado pela secretaria da educação do Município “A” com outro estado. Portanto. entendimento no sentido de ser nulo o convênio celebrado por órgãos do convenente (nesse sentido: Diógenes Gasparini).blogspot. Se o partícipe denunciar o convênio não causará nenhuma consequência para ele 35 Tem autores que entendem que o convênio não pode ser realizado entre os órgãos do convenente.com/ Contato: chenqs.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi daquela a qual pertence o órgão.br 222 . a) cooperação mútua entre os partícipes > interesses comuns.com. Imagina > se expressão um de José dos sem órgão personalidade jurídica que pertence à pessoa administrativa “A” e esse órgão celebra um ajuste com outro órgão (também sem personalidade jurídica) da pessoa jurídica “A”. Acesse: http://materiaisparaconcursos. d) convênio interorgânico Santos Carvalho Filho. Há portanto. c) o partícipe pode “denunciar o convênio” denunciar o convênio é retirar > se do convênio.hondey@uol.

hondey@uol.blogspot. Porém.br 223 . o STF já controlou essa questão em várias ADI (ADI 342. e) o objeto do convênio é o atendimento ao interesse público > a própria essência do convênio proíbe que este ajuste tenha como objetivo o atendimento de interesse privado. ADI 1. os novos partícipes devem ter o mesmo interesse dos outros que já estão no acordo.com.166) formando a opinião de que não há necessidade de autorização legislativa para celebração destes ajustes. Assim. d) é possível a inclusão de novos partícipes no ajuste > logicamente.666/93. Não havendo nada fixado no convênio acerta da inclusão de novos partícipes.com/ Contato: chenqs. a regra é que é permitida a inclusão de novos partícipes desde que haja previsão da inclusão no termo de convênio.857. g) autorização legislativa para celebrar convênio? > > de por muito tempo se entendeu que era necessária autorização legislativa para celebrar convênio.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. f) formalização do convênio por termo de convênio também conhecido como “convênio” ou como “termos cooperação”.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi (é o princípio do informa lismo em ação). considera impossível a inclusão. Acesse: http://materiaisparaconcursos. com fundamento no princípio da independência dos poderes. §6º. ADI 1. O que acontece se o convenente for restringido de denunciar o acordo? A cláusula que prevê essa impossibilidade é tida como não escrita (o fundamento para isso é o artigo 116 da lei 8.

É oportuno voltar à observação de Celso Antônio Bandeira de Mello que diz que no caso de convênio realizado com entidade privada que vise lucro é necessária a licitação. 2ª Corrente: Hely Lopes Meirelles. h) desnecessidade de licitação prévia > o informativo 387 de maio/05 do STF diz que não há necessidade de licitação. > resta saber se a celebração desse ajuste forma um novo ente com personalidade jurídica: surgem Acesse: http://materiaisparaconcursos. diz que há previsão de que a entidade ou órgão repassador dos recursos dará ciência à Assembleia Legislativa ou à Câmara Municipal respectiva (é mera ciência.hondey@uol.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi será necessária autorização legislativa quando o convênio depender de repasse de verba orçamentária que não esteja prevista na lei orçamentária (STF e José dos Santos Carvalho Filho). i) cooperação mútua duas correntes: 1ª Corrente: Diogo de Figueiredo de Moreira Neto entende que há a formação de um novo ente. Contra essa tese do STF. Diógenes Gasparini. com fundamento no artigo 116. há necessidade de autorização legislativa.br 224 . não é pedido de autorização) – portanto.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. sob pena de se ver ferido o princípio da isonomia. segundo Diógenes Gasparini. Diógenes Gasparini.blogspot.666/93.com. §2º da lei 8. nem no caso da exceção apontada pelo STF. José dos Santos Carvalho Filho e Maria Sylvia Zanella Di Pietro dizem que não há formação de uma nova pessoa jurídica.com/ Contato: chenqs.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. O artigo 116. mas já no convênio os interesses são comuns.blogspot. Nos contratos.666/93 cuida desse plano de trabalho.hondey@uol. Como consequência dessa corrente. enquanto a palavra chave dos convênios é a “cooperação”. Acesse: http://materiaisparaconcursos. que tem a função apenas de representar os partícipes). j) prazo > segundo Diógenes Gasparini não é necessário prazo para criação de tais convênios. Nos dois institutos há a formação de um vínculo jurídico. A palavra chave de um contrato é o “lucro”.com/ Contato: chenqs. Esse plano de trabalho possibilidade tanto um controle interno (realizado pelos próprios órgãos da administração pública) ou ainda um controle externo (realizado pelo Tribunal de Contas). §1º da lei 8.com. nos interesses são opostos.br 225 . k) plano de trabalho > as regras aplicáveis na realização desses convênios estão previstas no plano de trabalho que vão orientar como deve ser feito esse trabalho. a responsabilidade do convênio em caso de um eventual prejuízo fica totalmente para os partícipes ou por uma Comissão Executiva que venha a agir em nome deles (Comissão Executiva sem personalidade jurídica.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi assim o convênio não pode assumir obrigações de desfrutar de direitos.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. com algumas peculiaridades que serão ressaltadas.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi O vínculo é mais rígido no contrato e menos rígido nos convênios (neste último. Tudo que foi dito a respeito dos convênios vale para os consórcios administrativos. vigora princípio do informalismo).com/ Contato: chenqs. Acesse: http://materiaisparaconcursos.com.br 226 .blogspot.hondey@uol.

blogspot.com/ Contato: chenqs.com. os consórcios públicos se restringem aos entes Acesse: http://materiaisparaconcursos.107/05 veio para desvirtuar o instituto que já estava consagrado antes da sua entrada em vigor (a autora critica muito a lei). a Lei 11.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol. A palavra chave nos consórcios públicos é: gestão associada + cooperação.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Segundo a Maria Sylvia Zanella Di Pietro. Porém políticos.br 227 .

com.blogspot. quem são os consorciados. No protocolo de intenções define-se a finalidade do consórcio. a ratificação por lei desse protocolo.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. para que seja possível a sua formação. Trata se de um ato de governo. ou seja. é necessária a realização de um protocolo de intenções (art. Feito o protocolo de intenções.hondey@uol.br 228 . Visa o fim comum. Porém. 3º e 4º da lei 11. Há a formação de pessoa jurídica. onde há a conjugação de vontades entre os consorciados e a ratificação por lei (legislativo). passa-se para uma segunda etapa. qual o prazo do consórcio.107/05). Não há a formação de pessoa jurídica. dispensando a ratificação.com/ Contato: chenqs.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Visa o fim comum. há exceção. prevista no §4º do artigo 5º da lei: caso a entidade que Acesse: http://materiaisparaconcursos. aonde será a sede do consórcio. que vai administrar o consórcio (a administração será feita através de uma assembleia geral). Nos consórcios públicos.

DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. José dos Santos Carvalho Filho diz que trata se de total impropriedade técnica da lei. > neste caso.com.hondey@uol. que pode ser (art.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi quer celebrar o consórcio público já tiver a matéria disciplinada em lei. A Lei 11. E por fim.blogspot. não há que se falar em ratificação. Celso Antônio Bandeira de Mello diz que os consórcios são sim contratos. Os consórcios públicos têm personalidade jurídica. É um negócio jurídico plurilateral de direito público. é de direito público porque são regras e direito público que norteiam o ajuste. 6º. É plurilateral porque há a presença de vários pactuantes.107/05. §1º da lei): I) PERSONALIDADE JURÍDICA DE DIREITO PÚBLICO administração pública indireta. em seu artigo 1º caput e no artigo 3º usa a expressão “contratação de consórcio público”.br 229 . Segundo o respeitável autor.com/ Contato: chenqs. constituirão uma associação pública e integrarão a Acesse: http://materiaisparaconcursos. a natureza dos consórcios públicos está muito mais próxima dos convênios do que do contrato. É negócio jurídico por ter uma manifestação de vontade entre os consorciados para atingir um determinado objetivo comum.

Portanto. Odete Medauar e Gustavo Justino de Oliveira diz que tais consórcios não integrarão a administração pública indireta. celebração de contrato. que seguirá o regime da CLT. uma vez que o consórcio público prestará um serviço de forma descentralizada Celso Antônio Bandeira de Mello diz que os consórcios jurídicos de direito privado integram a administração pública indireta porque os consórcios são empresas públicas. uma vez que a lei é omissa e não cabe ao intérprete definir isso.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.br 230 . O artigo 6º.com/ Contato: chenqs.hondey@uol.com. prestação de contas e admissão de pessoal. ele integra a administração pública indireta.blogspot. Diógenes Gasparini e Maria Sylvia Zanella Di Pietro dizem que caso o consórcio público tenha natureza jurídica de direito privado. Acesse: http://materiaisparaconcursos. §2º da lei fala em “regime híbrido”.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi II) PERSONALIDADE JURÍDICA DE DIREITO PRIVADO . onde o consórcio público observará as normas de direito público no que se refere à licitação. para alguns assuntos somente serão seguidas as normas de direito público.aqui surgem algumas correntes: José dos Santos Carvalho Filho.

C) PODE PROMOVER DESAPROPRIAÇÕES e INSTITUIR SERVIDÕES > não pode. §3º DA LEI) > a lei permite concessão. tampouco expedir decreto expropriatório. na forma da lei. PERMISSÃO ou AUTORIZAÇÃO (artigo 2º.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. um convênio B) RECEBEM SUBVENÇÃO + AUXÍLIOS + CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS e ECONÔMICAS (art. “I”). diretamente ou sob regime de concessão ou permissão. deve possibilidade dos consórcios darem “autorização”.blogspot. o consórcio pode firmar um contrato.com. §3º não deveria se ter falado em “autorização”. não poderá haver autorização. sempre através de licitação. porém.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi A) FORMAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ou até mesmo outro consórcio. se admitir se negar a Acesse: http://materiaisparaconcursos. Porém. > como forma uma pessoa jurídica. decretar que uma área é de interesse social. Considerando que o consórcio é um contrato. entendendo José dos Santos Carvalho Filho que no artigo 2º. 2º. deve os três institutos. E) PODE FAZER CONCESSÃO. caindo em primeira fase. D) PODE EMITIR PAPÉIS de COBRANÇA. permissão e autorização. Fica claro que o artigo 175 da CRFB/88 não tratou da autorização. a prestação de serviços públicos. que é atividade unilateral de interesse meramente privado. Porém o artigo 175 da lei diz que incumbe ao Poder Público.hondey@uol.com/ Contato: chenqs. §1º. mas em prova dissertativa.br 231 .

configura ato de improbidade administrativa. uma vez que não se sabe se essas condutas realmente foram capazes da causar dano ao erário.blogspot.107/05 e Lei de IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA > a Lei 11. deve também haver a fiscalização através do controle administrativo (ou tutela). Maria Sylvia Zanella Di Pietro diz que a lei não poderia ter elencado essas duas hipóteses de consórcio público no artigo 10 da lei 8.429/92 (que trata de atos de improbidade administrativa que causam dano ao erário). conforme afirma a lei. 11 diz que.429/92 (lei de improbidade administrativa). Acesse: http://materiaisparaconcursos.107/05.br 232 . confirmando (segundo a autora) a inutilidade dos dispositivos incluídos pela Lei 11. Além do mais. parágrafo único da lei) > segundo Maria Sylvia Zanella Di Pietro.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof. a lei não pode considerar improbidade administrativa um ato que efetivamente não causa dano ao erário. uma vez que o próprio art.com. g) A Lei 11. tal previsão é desnecessária.107/05 introduziu dois incisos (inciso XIV e inciso XV) no artigo 10 da lei 8.hondey@uol. havendo qualquer ato que viole princípios da administração. além da fiscalização pelo Tribunal de Contas.com/ Contato: chenqs. §9º.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi F) SUJEITOS A FISCALIZAÇÃO (art. Em suma: segundo autora.

utiliza-se o dobro do valor fixado no artigo 23 da Lei 8.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.666/93.com/ Contato: chenqs. que elenca os valores de dispensa de licitação. Havendo dispensa de licitação (hipóteses do artigo 24 da lei 8.hondey@uol. Tendo o consórcio mais de três entres. 13 define quais as cláusulas deve haver nesse contrato Acesse: http://materiaisparaconcursos.blogspot. Caso o consórcio público tenha até três entes.666/93.107/05. Com a Lei 11.666/93. o percentual será de 20% a mais em se tratando de consórcio público. surgiu a figura específica do chamado “contrato de programa” e também o “contrato de rateio”.com.666/93.br 233 . CONTRATO DE PROGRAMA – refere-se à obrigação que se estabelece o ente da administração para o consórcio (o §2º do art. Celso Antônio Bandeira de Mello entende que não há necessidade de licitação com relação aos consórcios. deve-se utilizar como parâmetro o valor do artigo 23 da lei 8. conforme sejam obras ou serviços de engenharia e outros serviços).107/05 e o artigo 23 da lei 8.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi Prevista no artigo 17 da lei 11.

com/ Contato: chenqs.DIREITO ADMINISTRATIVO INTENSIVO II Prof.hondey@uol. CONTRATO DE RATEIO . O objetivo desse contrato de programa é evitar que o ente se aventure a participar do consórcio.é o pressuposto para os entes consorciados transferirem recursos ao consórcio público com base na Lei Complementar 101/2.blogspot.000. não cumprindo com suas obrigações.com. Acesse: http://materiaisparaconcursos.ª Fernanda Marinela e Licínia Rossi de programa).br 234 .