You are on page 1of 8

Introdução

No âmbito da disciplina de Filosofia 10º ano, foi-nos proposto trabalhar o tema: “O estatuto moral dos animais não humanos”, cujo tema incide com o capítulo 7: “Temas/Problemas do Mundo Contemporâneo”. Ao longo da história da humanidade os animais têm sido utilizados para muitos fins como a alimentação, na teste a vários produtos para cosméticos, de para e experimentação investigação científica, testes vacinas

farmacêuticos, para a satisfação humana em espectáculos (circos, touradas, jardins zoológicos) e para vestuário. Isto não é motivo de orgulho pois tratamolos com desprezo e como meras coisas ao nosso dispor. É suposto serem os melhores amigos do Homem, mas muitas vezes não são tratados como tal. Diariamente os animais são espancados, atirados de pontes, afogados, queimados, mutilados para rituais satânicos e até violados. Partilhamos o planeta com os outros animais e as nossas acções têm um enorme impacto na vida destes seres. Com um pequeno esforço da nossa parte podemos poupar o sofrimento a muitos animais. Em qualquer lugar do mundo estão animais a sofrer neste momento, muitas vezes em silêncio e nós podemos, e devemos fazer alguma coisa para o impedir. É altura de fazer passar a “lei do mais” forte a história e basearmos as nossas acções naética e na justiça. Respeitar os animais significa não os sujeitar a sofrimento desnecessário; significa deixá-los viver de acordo com as suas necessidades e os seus instintos naturais. A questão dos direitos dos animais é um caso particular do problema dos direitos da natureza em geral. Ao submetermos os animais aos nossos interesses e necessidades, infligimoslhes grande sofrimento. Por isso, este é um tema actualmente debatido em todo o mundo. Actualmente, os filósofos começaram a dar mais atenção ao problema de saber como devemos tratar os animais não humanos. Agora debatemo-nos com a questão: “Será que os animais não são dignos de consideração moral?”, bem é esta e outras questões como “Será justo ter animais de estimação guardados em casa?”, tentaremos desenvolver ao longo deste trabalho, e também falar como evoluiram as prespectivas dos

Os seus príncipais defensores foram: Aristóteles (348-322 a. Charles Darwin (1809 – 1882) foi outro grande defensor desta prespectiva tradicional. seres não humanos descendemos de animais. . que é um mecanismo que produz a evolução das espécies sem ter em vista qualquer propósito ou finalidade. Kant defende que o tratamento cruel nos animais em benefícios da ciência é aceite pois tem um objectivolouvável.C. os que achavam que os animais não tinham estatuto moral. os humanos. que é a aquisição de conhecimento em nome da humanidade. S. Kant reconhece também que os animais não humanos não se assemelham a nós em aspectos importantes e apsar de não termos quaisquer deveres directos em relação aos animais é errado inflingir dor e sofrimento neles. Deveres indirectos: O ser humano tem deveres indirectos para com os animais. é aceitável. Kant afirmava que os animais não têm consciência de si e existem apenas como meio para um fim. Como por exemplo. Tomás de Aquino (1225-1276) e Immanuel Kant (1724-1804). isto é tanto nós. segundo a qual os animais foram cuidados para o nosso benefício. por exemplo um cão que foi sempre fiel ao dono. Embora não tenhamos propriamente deveres em relação aos animais não humanos de certas maneiras.filosofos. Esta prespectiva baseia-se numa visão teleológica.). A perspectiva tradicional Segundo esta prespectiva os animais não humanos não têm estatuto moral. tratar cruelmente os animais quando isso nos pode trazer benefícios. Na sua teoria afirma que os seres não humanos não foram criados para o nosso benefício. Segundo a perspectiva tradicional. o dono deverá mante-lo até morrer como uma forma de recompensa (dever indirecto). Kant menciona que a principal razão pela qual não devemos maltratar os animais é que poderá nos levar a maltratar também os outros seres. e os que achavam que sim. Pour outro lado Kant condena os maus todos aos animais quando são feitos por pura diversão. Especismo Defende que só os seres humanos têm importância moral. seres humanos como eles. ambos são resulatdo da selecção natural.

Dizer que a nossa vida tem mais valor e interesse do qe a vida dos animais. OU seja. assume que o especismo é um erro. deve haver uma igualdade entre direitos de animais e direitos dos humanos. pois ao mata-los e a consumi-lhos estamos a violar os seus direitos.Para quem defende que os animais não humanos têm qualquer posição moral. mas existem seres humanos que também não as possuem (deficientes. dizem-nos que também é errado matar os animais para a alimentarmo-nos deles. A crítica que surge a este filósofo é o facto de não conseguirmos melhorar o nosso bem-estar sem trazer consequências para os animais não humanos. Mesmo que os animais não tenham direitos não temos o direito de os maltratar. para divertimento. é considerado especismo. Na perspectiva dos direitos Tom Regan rejeita o especismo. Como o homem é um animal racional. Logo os animais têm de ser respeitados. como nos produtos cosméticos. Prespectiva contemporânea O filósofo utilitarista Peter Singer não rejeita o especismo e defende que temos que avaliar as consequências das nossas acções através do pensamento imparcial do bem-estar de todos independentemente da espécie. mas mesmo assim não são desrespeitados. . Por exemplo há testes que fazem nos animais que são perfeitamente dispensáveis. defendendo então que os animais não humanos têm os mesmo direitos que os humanos e que os animais não humanos não podem ser mortos ou maltratados para trazer felicidade geral. Este diz que temos o dever moral de tratar com respeito todos os indivíduos com vida. daí não se devem desrespeitar os animais. Peter Singer defende que os animais devem ter os mesmos direitos que os humanos. Os animais não têm grandes capacidades. independentemente de ser racional ou não. ou seja estamos a usar os animais como meros meios para atingir um fim que e o divertimento em ver um animal sofrer. criou-se na sociedade a ideia de que estamos num estatuto moral superior ao dos animais. Os defensores desta perspectiva. Singer concorda que só e permitido o uso de animais na ciência em casos destinados a tratar ou curar doenças graves. Tom Regan foi importante neste assunto. etc). de poder ou satisfação no caso de algum louco. em que os animais por vezes morrem ou ficam em grande sofrimento.

forçados a um comportamento não natural e a terem de praticar actos que se revelam extremamente dolorosos. no meio de tanta magia. acabamos por esquecer que os animais usados são prisioneiros. Como centros de recuperação. o problemaé que muitos os fecham e calam a boca quando é mais preciso. o mais importante é bater palmas e gritar “Bravo!” ao sofrimento do mesmo. mal tratando-os.Sofrimento O ser vivo apenas deve temer uma coisa: o sofrimento. também sofrem. a dor. agulhas electrificadas. uma diversão com equilibristas. palhaços e animais selvagens que desempenham série de habilidades. Espectáculos Desde que o Homem descobriu que com a força conseguia manipular os animais. Circos Estes actos de malvadez estão de forma inegável aos olhos de todos. No entanto. é submetido a treinos extremos onde chicotes. A partir da sua entrada num circo. o animai deixa de ser livre. Os Grandes Felinos são acorrentados e uma corda é-lhes envolvida no pescoço para provocar uma sensação de tensão devido ao sufoco e aos ursos é-lhes queimadas as patas dianteiras de forma a adquirir a postura essencial à tarefa que têm de desempenhar Jardins Zoológicos Muitas famílias visitam zoos mas esquecem-se que estes não são mais do que meros espaços de aprisionamento e sofrimento animal. correntes. pois ficam sempre localizados dentro dos grandes centros populacionais. O único objectivo é o bem-estar humano. Então por que praticar a violência e maus-tratos nos outros se isso causa sofrimento? Os animais também sentem. completamente incompreensíveis para tal espécie. começou a utiliza-los em vários espaços de lazer onde os direitos destes são brutalmente violados. são usadas para os obrigar a isso mesmo. os zoos não são a melhor escolha. Os circos são normalmente conhecidos por serem espectáculos fantásticos. O seu papel nesta mesma recuperação é bastante questionável pois com o aparecimento dos zoos . entre outras ferramentas. apenas a felicidade e entretenimento humano contam. não importa se se com isso o próprio animal morra.

a reprodução é monitorizada para que sejam preferidos os animais mais lentos. o que implica que fiquem sem uma das suas principais defesas o que cria dor e castração psicológica. os cavalos utilizados nos espectáculos sofrem inúmeros ferimentos. administradas drogas hipnóticas. Luta de cães As lutas de cães são eventos bárbaros que revelam mais uma faceta do ser humano violento. simples e previsíveis. os cornos dos animais são cortados. ou seja. podia igualmente perder a vida. tranquilizantes e substâncias paralisadoras. Nos nossos dias. usa-os como simples treino de pontaria ou como forma . Antes do espectáculo são. Touradas A manipulação começa na criação dos touros. cruel e insensível. Caça O Homem é o único animal que mata por prazer e sem que essa pratica seja moralmente condenada. A tortura por que os touros passam não começa nem acaba na arena. A procura de um campeão começa nas ninhadas onde são escolhidos apenas aqueles que revelem desde início alguma agressividade. que é o objectivo do próprio evento. E não são os touros os únicos animais a sofrer nas arenas. o homem não caça. Estes animais tornam-se autênticas máquinas de matar que não recuam perante qualquer perigo. quando vão ser utilizados em touradas. Os combates são levados ao extremo da resistência dos animais e terminam quase sempre com a morte de um deles. Mais tarde. Na arena são utilizados vários utensílios como espadas e punhais que perfuram a carne do touro causando a sua morte. o homem mata e fá-lo sem o mínimo respeito pelos animais.muitas espécies entraram em perigo de extinção devido à caça excessiva precisamente para poderem estar enjaulados e serem aí objectos de museu. sendo os restantes muitas vezes mortos para evitar gastos excessivos na sua criação. muitas vezes. Desde os princípios da humanidade que o homem caça para sobreviver mas antigamente isso era feito de uma maneira que honrava as características do animal pois o homem podia incluir-se na cadeia alimentar. como seria natural segundo o seu instinto animal de protecção.

"Tenho pena de mulheres que continuam a comprar casacos de peles. semanas em agonia antes de finalmente morrerem e muitos chegam a roer os seus próprios membros na tentativa de se salvarem. o HIV…mas os resultados continuam sem aparecer. Algumas experimentações permitiram conceber vacinas que salvaram muitas vidas humanas. Experimentação animal O Homem deve sempre um espírito curioso o que levou à vontade de descobrir coisas acerca do mundo vivo no qual habita tendo como objecto de experimentação animais vivos. medicamentos. mas outras consistiram simplesmente para verificar a cor de um bâton ou de cremes de beleza que custaram mais de 200 milhões de sacrifícios. por que continuar a procurar a curar do cancro em ratos? Se se propuséssemos a testar em voluntários humanos teríamos provavelmente melhores resultados. Testa na esperança de encontrar a cura para o cancro. em animais. Muitos são apanhados em vão pois não servem para a respectiva indústria. Os animais passam dias. diabetes. pois nelas faltam dois dos mais importantes requisitos para uma mulher: Coração e Sensibilidade". Peles A caça com armadilhas é um dos métodos de captura de animais com a finalidade de aproveitar a sua pele e pêlo. Testa produtos cosméticos. produtos alimentares. Jane Meadows (Actriz) Indústria alimentar . Existem métodos eficazes de testar a nível de cultura de células e órgãos in vitro. No entanto. genético e bioquímico a diferença é grande e perfeitamente conhecida. fazer estudos em cadáveres humanos. para assim dar aos amigos uma ideia da sua superioridade e valentia. Então. de higiene. Isto todo por que o corpo humano pode ter parecenças a nível estrutural e orgânico. de escapar. mas a nível celular. simulações computacionais e estudos epidemiológicos nas populações. estes ou são caros ou desapropriados para elaborar extensos relatórios que justificam investimentos e carreiras. desinfectantes.de obter uma boa foto ao lado dos seus despojos. É por puro egoísmo e covardia.

. um “amigo dos animais”. sem nunca se ter questionado ou reflectido de forma profunda sobre os seus passos. O vegetarianismo é uma área onde todos e cada um de nós pode fazer a diferença de cada vez que se senta para comer. Apenas uma onda de activismo poderá acordar a sociedade e despertá-la para a cruel realidade em que vivem estes animais. Sempre que o Homem se senta para comer toma uma decisão sobre quem é no mundo. Escrever. sempre dispostas e prontas a dar o seu testemunho. criticar. segue o caminho que sempre conheceu. é uma forma de bem estar com a vida excluindo todas as formas de exploração e crueldade contra os outros animais. não chega. todos são precisos.A indústria alimentar é uma das que consegue provocar maior sofrimento. Existem muitas associações. e que suporte este tipo de práticas onde se transformam animais em produtos alimentares. caudas sem quaisquer anestesias. Os animais são enviados ainda a espernear e a gritar através do processo de esfolamento. utilizando-os diariamente como fonte de rendimento. milhares de pessoas inscritas em listas de conversação. Para que isto aconteça todos contam. em ignorância. e existe o ser humano que. onde o movimento livre é um desejo inconcebível. mas o que falta é activismo. Por que não modificar os nossos hábitos alimentares? Não há qualquer desculpa para uma pessoa que se considere um ser humano ético. comentar. Se soubessem o sofrimento dos animais que vivem em jaulas minúsculas. Vegetarianismo A forma mais directa de contacto com membros de outras espécies é à hora das refeições quando os comemos. onde a morte é o destino de todos a qualquer momento… Existe o ser humano que se aproveita de forma vergonhosa do sofrimento destes animais. Activismo O problema é a inércia dos portugueses no que diz respeito aos direitos dos animais. São-lhes cortados os órgãos genitais. são-lhes aplicadas queimaduras de 3º grau e os dentes são arrancados juntamente com pedaços de carne. Os vegetarianos escolhem viver de uma forma menos cruel e caridosa em relação aos outros animais sendo totalmente contra a sua morte ou qualquer tipo de exploração animal. O Vegetarianismo é muito para além de uma mera questão de dieta.

Pedro. Paula. pp:115 a 167 . MURCHO Desidério. Espero que a leitura do mesmo tenha servido para te fazer pensar e concluir se vale mesmo a pena continuar com todo este sofrimento e para constatar que os animais tem tanto direito como nós à vida. Lisboa. É um tema que nos interessa pois para nós o sofrimento que proporcionamos aos animais é desnecessário visto existir alternativas para as peles. sejamos humanos uma vez na vida. Didáctica Editora.html www.Conclusão A realização deste trabalho não foi difícil pois para além de possuir excelentes meios de informação (Internet e manual da disciplina) tivemos uma grande força de vontade e empenho para o realizar. TEIXEIRA.pt ALMEIDA.didacticaeditores.com/portal/direitos-dos-animais/ www. Não os vamos descriminar por serem de uma espécie inferior. “A Arte de Pensar”. Célia. alimentação e divertimento e pelo facto de estes sentirem como nós. MATEUS.mundodosanimais. Bibliografia http://www.com/hlafollettedireitosdosanimaiseerrosdoshumanos.html.criticanarede. GALVÃO. 1ª edição. 2007.com/html/fil_animaisefilosofia. Aires.filedu. http://www.