Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Instituto de Matemática e Estatística
Disciplina: Álgebra Linear
Professora: Priscilla Fonseca de Abreu


Aula 11 e 13(29/09 e 06/10)


3.4 Base e Dimensão de um Espaço Vetorial

3.4.1 Definição

Seja um conjunto finito B contido no espaço vetorial V. Diz-se que B é uma base do
espaço vetorial V quando B é um conjunto linearmente independente e se B gera V, isto é,
[B]=V.
Se um espaço vetorial V possui uma base com n vetores, dizemos que V tem dimensão
n e que V é um espaço vetorial n-dimensional. Em particular, a dimensão do espaço nulo {0
v
} é
zero. Não há base para o espaço nulo.
Dizemos que V tem dimensão finita se existe um número finito de vetores que geram
V; caso contrário dizemos que V tem dimensão finita.
A notação utilizada para determinar que um espaço vetorial possui dimensão n é dim V
= n.

3.4.2 Exemplos

1) B = {(1,1), (-1,0)} é base de R
2
.
De fato:

- B é LI, pois
a(1,1) + b(-1,0) = (0,0) => (a-b, a) = (0,0) => 0
0
0
= = ¬
¹
´
¦
=
= ÷
b a
a
b a


- B gera R
2
, pois : ) , (
2
R y x e ¬
x y b y a
a y
b a x
a b a b a y x ÷ = = ¬
¹
´
¦
=
÷ =
¬ ÷ = ÷ + = , ) , ( ) 0 , 1 ( ) 1 , 1 ( ) , (
Assim, podemos escrever que:

(x,y)=y(1,1)+(y-x)(-1,0),

Ou seja, todo vetor de R
2
é uma combinação linear dos vetores de B.

Toda base de R
2
é formada por três vetores LI’s de R
2
. Logo, dim R
2
= 2.

2) C = {(-1,0,1), (2,3,0), (1,2,3)} é uma base de R
3
. Toda base de R
3
é formada por
três vetores LI’s de R
3
. Logo, dim R
3
= 3.
3) Um vetor qualquer
3
) , , ( R z y x e pode ser escrito como (x,y,z) = x(1,0,0) +
y(0,1,0) + z(0,0,1). Assim, { (1,0,0), (0,1,0), (0,0,1) } gera o R
3
, ou seja, [(1,0,0),
(0,1,0), (0,0,1)] = R
3
. Além disso, esse conjunto é LI.
Logo, { (1,0,0), (0,1,0), (0,0,1) } é uma base do R
3
, denominada a base canônica
do R
3
.

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Matemática e Estatística
Disciplina: Álgebra Linear
Professora: Priscilla Fonseca de Abreu





3.4.3 Teoremas:

Teorema: Seja V um espaço vetorial com dim V = n. Então:

1) Qualquer conjunto LI de V contém no máximo n vetores.
2) Qualquer conjunto LI de V, com exatamente n vetores, formará uma base de V.
3) Qualquer conjunto LI de V pode ser completado de modo a formar uma base de V.
4) Qualquer conjunto gerador de V contém no mínimo n vetores.
5) Qualquer conjunto gerador de V, com exatamente n vetores, é uma base de V.
6) Qualquer conjunto gerador de V pode ser reduzido a uma base de V.

Teorema: Seja U um subespaço de um espaço vetorial V que tem dimensão n. Então
n U dim s . Se dim U = n, então U = V.

Teorema: Se U e W são subespaços de um espaço vetorial V que tem dimensão finita,
então V dim U dim s e V dim W dim s . Além disso,
) ( ) ( W U dim W dim U dim W U dim · ÷ + = + .

Observe que se V é a soma direta de U e W, ou seja, W U V © = , então dim(U +W) =
dim U + dim W.


Corolário: Sejam { u
1
, u
2
, ..., u
m
} e {v
1
, v
2
, ..., v
n
} duas bases de um espaço vetorial V.
Temos que m = n.

Exemplos: Encontre uma base para os espaços vetoriais a seguir:

1)
¦
¦
)
¦
¦
`
¹
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
e
(
(
(
(
¸
(

¸

÷
= R b a
a
b
b
a
W , ;

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Matemática e Estatística
Disciplina: Álgebra Linear
Professora: Priscilla Fonseca de Abreu


Como
(
(
(
(
¸
(

¸

÷
+
(
(
(
(
¸
(

¸

=
(
(
(
(
¸
(

¸

÷
0
1
1
0
1
0
0
1
b a
a
b
b
a
, temos que W
1
= [u,v], onde u=
(
(
(
(
¸
(

¸

1
0
0
1
e v =
(
(
(
(
¸
(

¸

÷
0
1
1
0
.

Tendo em vista que o conjunto {u,v} é L.I., o mesmo também é uma base para W.

1) V = {a + bx –bx
2
+ax
3
}

Como a + bx –bx
2
+ax
3
= a (1 + x
3
) + b (x – x
2
), temos que V = [u(x), t(x)], onde u(x) = 1 + x
3

e v(x) = (x – x
2
).
Tendo em vista que o conjunto { u(x), t(x)} é L.I., o mesmo também é uma base para V.


Exercícios

1) Verifique se os conjuntos abaixo formam uma base de V:

a) V= R
3
; S = {(1,1,1), (1,2,3), (2,1,1)}
b) V= R
3
; S = { (1,1,2), (1,2,5), (5,3,4)}
c) V= M
2x2
;
)
`
¹
¹
´
¦
(
¸
(

¸

÷
(
¸
(

¸
÷
(
¸
(

¸

=
1 0
1 1
,
0 1
1 0
,
1 1
0 1
S

2) Determine uma base e a dimensão dos seguintes subespaços de R
3
:
a. } 2 | ) , , {(
3
y z e y x R z y x S = = e =
b. } 0 2 | ) , , {(
3
= ÷ + e = z y x R z y x T
c. } 0 0 | ) , , {(
3
= = + e = y e z x R z y x U

3) Determine uma base para
)
`
¹
¹
´
¦
(
¸
(

¸

÷
=
a b
b a
S .


3.4 Coordenadas de um Vetor em relação a uma Base Ordenada

Seja V um espaço vetorial n-dimensional. Ao se escolher uma base para o espaço vetorial
V está adotando-se um sistema referencial no qual pode-se expressar qualquer vetor de V.
Seja B = { v
1
, v
2
, ..., v
n
} uma base de V. Então, todo vetor V ve se exprime de forma única
como combinação linear dos vetores de B.

n n
v k v k v k v + + + = ...
2 2 1 1


Onde 9 e
n
k k k ,..., ,
2 1
são denominadas as coordenadas do vetor v em relação à base
ordenada B.

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Matemática e Estatística
Disciplina: Álgebra Linear
Professora: Priscilla Fonseca de Abreu


Notação: | |
|
|
|
|
|
.
|

\
|
=
n
B
k
k
k
v
...
2
1
.

Toda vez que a expressão “coordenadas em relação a uma base” é utilizada, uma base
ordenada está sendo considerada.

Exemplos:

Considere V = R
2
.

Seja B = {(1,0), (0,1)}
(4,3) pode ser escrito como: (4,3) = 4(1,0) + 3(0,1).
Portanto, ( ) | |
(
¸
(

¸

=
3
4
3 , 4
B
.

Se B’ = {(1,1), (0,1)}, então:
(4,3) = x(1,1) + y(0,1)

1 4
3
4
÷ = = ¬
¹
´
¦
= +
=
y e x
y x
x
.

Logo, ( ) | |
(
¸
(

¸

÷
=
1
4
3 , 4
' B
.

É importante notar que a ordem dos elementos de uma base também influi na matriz
das coordenadas de um vetor em relação a esta base. Por exemplo, se tivermos:

B
1
= {(1,0), (0,1)} e B
2
= {(0,1), (1,0)}, então

( ) | |
(
¸
(

¸

=
3
4
3 , 4
1
B
, mas ( ) | |
(
¸
(

¸

=
4
3
3 , 4
2
B
.

Com base nisso, ao considerarmos uma base B = { v
1
, v
2
, ..., v
n
}, estará sempre
subentendido que a base seja ordenada, ou seja, que os vetores estão ordenados na
ordem em que aparecem.

Exercícios

1) Quais são as coordenadas de x = (1, 0, 0 ) em relação à base B = {(1,1,1), (-1,1,0),
(1,0,-1)} ?

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Matemática e Estatística
Disciplina: Álgebra Linear
Professora: Priscilla Fonseca de Abreu


2) Sendo A ={(-3,-1), (2,0)} uma base para o R
2
e | |
|
|
.
|

\
|
=
5
1
A
v , encontre:
a. As coordenadas de v na base canônica.
b. As coordenadas de v na base B = {(2,1), (1,5)}.

3) Encontre as coordenadas do vetor
2 2
3 0
2 1
x
M v e
|
|
.
|

\
|
= em
.
0 0
3 0
,
2 1
0 0
,
0 1
1 0
,
1 2
2 1
)
`
¹
¹
´
¦
|
|
.
|

\
|
|
|
.
|

\
|
÷
|
|
.
|

\
|
÷
|
|
.
|

\
|
= B