AS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PEDAGOGIA MODERNA

Características iniciais: individualismo, secularização e formação dos Estados Modernos. Consequências da Reforma Protestante na cultura europeia. O fim da mediação por qualquer autoridade (membros do clero), entre Deus e o cidadão. O ensino formal das línguas locais a fim de obter a livre-interpretação bíblica. Além do estudo formal diário havia a necessidade da aprendizagem de um ofício. Podendo-se fazer um paralelo entre esse período moderno e o atual, comparado com o nosso ensino técnico. Nesse período verifica-se uma mudança na base da formação do cidadão. Antes essa formação limitava-se à família como sua responsável, agora se passa a uma instituição educacional formal tomar parte nessa empreitada. No entanto, há críticas ao ensino da catequese pregada pelo ensino reformado de Lutero, no que tange à falta de criticidade por parte de quem aprende, sobretudo quando se verifica uma simples memorização daquilo que é interpretado pelos professores. Já para Calvino, que influenciará o ensino na Suíça, o ensino formal deveria passar pela catequização, porém a ênfase deveria ser no ensino secular, ou seja, em um ensino para a formação de um cidadão voltada para a formação de uma República laica, portando, uma República independente de orientação religiosa. Tudo que foi exposto acima ia contrário ao que a Igreja Católica pregava. Essa queria continuar mantendo o monopólio do saber, sobretudo o religioso, a fim de continuar o controle social que exerceu por tantos séculos no período medieval. Na Europa esse monopólio foi quebrado, entretanto a descoberta do Novo Mundo a partir de 1500 passou a ser uma luz no fim do túnel para a Igreja. E com a obra do Jesuítas haverá uma reação católica chamada de Contra-Reforma da Igreja Católica. O método empregado pelos Jesuítas advinham da orientação desenvolvida pelo seu “criador” Ignácio de Loyola, que consistia em uma estudo verbal de memorização e repetição.

A EDUCAÇÃO DA CONTRA-REFORMA NO BRASIL No Brasil os Jesuítas tiveram um papel de muita relevância no ensino formal, sem entrar em méritos dos seus resultados. Para nós eles trouxeram além da catequização o ensino como meta. E que por trás disso havia um projeto “civilizador” em relação aos nativos “selvagens”. Obviamente essa é uma visão eurocêntrica de mundo, ou seja, eles (europeus) se enxergavam como civilizados e nós (nativos) como bárbaros. No entanto, hoje sabemos que essa foi uma imposição cultural dos europeus à cultura nativa. Impor seus valores sobre os valores nativos. Chama atenção a exclusão da mulher no processo de catequização, mostrando assim o papel submisso da mulher no mundo moderno.