1 Acesso/saída pelo campus por ciclofaixa na via recentemente implantada.

3 Ponto de con

m

ito na Avenida Afonso Pena: ciclofaixa passando em frente ao acesso de caminhões a uma indústria. Proposta: sinalização adequada ao caso - ciclofaixa com trecho de coloração vermelha e implantação de tachões.

4C Avenida Pedro Paulo de Souza (trecho 2)

PROGRAMA DE MOBILIDADE URBANA

Coordenadores: Camilo Vladimir de Lima Amaral; Erika Cristine Kneib Bolsistas: Ana Stéfany da Silva Gonzaga; Andressa Álvares; Anderson da Silva; Ávinner Prado; Guilherme Trad; João Paulo Morais; Juliana Cristina de Souza; Larissa Ricardo do Amaral Lopes; Maressa Ramos Sousa; Maria Natália Paulino Araújo Alcântara; Paulo Gustavo de Araújo Perini; Pedro Henrique Monteiro Andrade. Colaboladores: Edward Madureira Brasil; Ana Paula Araujo Rocha de Assis; Andrielle de Queiroz e Silva; José Tosta de Carvalho Filho; Gabriela Silveira; Paulo Roberto Viana; Carla Beatris Ferreira; Fernando Camargo Chapadeiro; Karina Pereira da Cunha Alves; Fernando Rodrigues de Sousa; João Paulo Fonseca Peres; John Moreira Domingos; Júlia Rocha Muller; Livia Ferreira Santana; Lorena Luz Lopes; Michele de Oliveira Sanchez; Roberto Elias de Lima Fernandes; Marco Antonio Delgado Teixeir; Paulo Souza Neto; Luiza Lemos Antunes; Dalilla Alves da Silva; Patrícia Juliana Costa Lemos; Janaína de Holanda Camilo; Raquel Alves Inatomi; Carolina Gontijo Guimarães; Fabíolla Xavier Rocha Ferreira Lima; Alessandro Barbosa; Augusto Cardoso Fernandes; Miguel Fernandes da Silva; Eduardo da Costa Silva; Arildo Rafael Ramos; Renato Marcos da Silva.

4D

Rua Sen. Miguel Rocha Lima

2 Solução padrão para rotatórias: retirando as faixas de travessia
da zona de con ito.

CAMPUS-UNIVERSITÁRIA
Primeira etapa - Parque Mutirama
O Plano Diretor de Goiânia prevê uma série de elementos que regulamentam uma política de mobilidade na cidade, incluindo aspectos relacionados ao uso de bicicletas (incentivo e infraestrutura), e sua integração com outros meios de transporte. Inclui também projetos de ciclovias por grande parte da cidade, porém, que ainda não foram implantados. Apesar da falta de infraestrutura cicloviária, o uso de bicicletas não é insigni cante. Goiânia conta com 1,3 milhões de habitantes; 250 mil bicicletas, segundo o IAB (2008) e quase 885 mil veículos motorizados (DENATRAN, 2011). Segundo a última pesquisa origem destino, cerca de 6% dos deslocamentos urbanos na região metropolitana, acontecem por bicicleta, percentual duas vezes superior à média nacional. Assim, a presente proposta destaca a necessidade de uma infraestrutura cicloviária para Goiânia, para garantir a segurança e qualidade dos deslocamentos por bicicleta. A falta de uma pesquisa origem destino atualizada de Goiânia impede que se tenham dados reais sobre a demanda e sobre a potencialidade de viagens por bicicleta. Tentando sanar esta carência de dados, a presente proposta embasa-se na conexão, pelo modo bicicleta, de duas centralidades na cidade: a Praça Universitária e o Campus II da UFG, na região norte. Ambas constituem grandes polos geradores de viagens, que o potencializaria o uso de modos não motorizados, na busca por uma mobilidade urbana mais sustentável. Prioriza-se a localização da infraestrutura cicloviária em vias coletoras e locais, pois estas permitem uma melhor ambiência urbana, possuem um menor número de veículos motorizados e menores velocidades, favorecendo o uso da bicicleta. Para a proposta, adota-se um misto entre ciclovias, ciclofaixas e vias cicláveis, de modo a viabilizar funcionalmente a proposta sem, no entanto, deixar de priorizar a segurança do ciclista. Inserir e ampliar o transporte por bicicleta na matriz de deslocamentos urbanos além de economicamente viável, é ambientalmente correto (difunde o conceito de mobilidade sustentável), sem considerar a saúde e o bem-estar que a atividade física diária proporciona. Incentivar esse meio é pensar na qualidade de vida da população, assim como proporciona mais mobilidade aos ciclistas e até mesmo aos pedestres, visto que, deixa a cidade mais humana, sociável e auxilia na diminuição da poluição e na preservação do meio ambiente.

proposta SISTEMA CICLOVIÁRIO

4E

Avenida Engenheiro Fuad Rassi

7 Cruzamentos com passagem de veículos pesados e em alta velocidade.

Proposta a: proibição de conversão livre no sentido Avenida Pedro Paulo de Souza para Avenida Perimetral e implantação de semáforo para pedestres e ciclistas. Proposta b: implantação de semáforo com tempo para pedestres e ciclistas no cruzamento da Avenida Independência.

5 Faixa de travessia da ciclovia do Parque Leolídio Di Ramos Caiado para
o canteiro central, mediante sinalização determinada pelo CONTRAN.
Avenida UFG

A30

A32b

AMBIENTAL

BENEFÍCIOS DA CICLOVIA
(DE ACORDO COM OS PRINCÍPIOS DA SUSTENTABILIDADE):

AMBIENTAL
- TRANSPORTE QUE NÃO PRODUZ POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E SONORA; - REDUZ A EMISSÃO DE GASES POLUENTES; - QUALIDADE DO AR; - APROXIMA A SOCIEDADE DAS ÁREAS VERDES; - BAIXO IMPACTO NO MEIO AMBIENTE;

ECONÔMICO
- REDUÇÃO SIGNIFICATIVA DO USO DE TRANSPORTE MOTORIZADO; - TRANSPORTE DE BAIXO CUSTO E DE POUCA MANUTENÇÃO;

SOCIAL
- MEIO SAUDÁVEL DE TRANSPORTE; - PODE GERAR BEM-ESTAR; - POSSUI BAIXO CUSTO SOCIAL; - AUXILIA NA INTEGRAÇÃO E NO CONVÍVIO DA POPULAÇÃO COM A CIDADE; - PROMOVE A INCLUSÃO SOCIAL;

4 Soluções nas vias.
4A Avenida Afonso Pena

SUSTENTABILIDADE

Perimetral

1:750

DESENVOLVIMENTO

SOCIAL

ECONÔMICO

Localização

6 Implantação de ponte metálica exclusiva para travessia
de ciclistas ao lado da ponte existente.

9 Solução para o con

ito do ponto de ônibus com a ciclofaixa de acordo com o Caderno do Programa de implantação de mobilidade por bicicletas (Ministério das Cidades, 2007).

10 Proposta de implantação de paraciclo.

4B Avenida Pedro Paulo de Souza (trecho 1)

N

7

7 5

2 4C 10

2 4C 2

9 10

2

4B

4A 1 2
LEGENDA
CICLOFAIXA CICLOVIA CRUZAMENTO VIAS ALIMENTADORAS

10

3

6 4E 1 4D 10

ÔN

IBU

S

ÔN

IBU

S

7