You are on page 1of 8

MÉTODO E TÉCNICA

• • • • • • • • Conceito e método Desenvolvimento histórico do método Escolha e classificação dos métodos Método Indutivo Método Dedutivo Método hipotético-dedutivo Método dialético Métodos específicos das Ciências

A pessoa tem que saber o que fazer e como fazer a atividade que busca soluç ção. solu solução.
“Todas as ciências caracterizamcaracterizam-se pela utilizaç utilização de mé métodos cientí científicos, mas nem todos os ramos de estudo que empregam estes métodos são ciências” ciências” (Lakatos & Marconi, 1991).

.... não há há ciência sem o emprego de métodos cientí científicos.

Conceito de “MÉTODO”
• Conjunto de etapas, ordenadamente dispostas, a serem vencidas na investigação da verdade, no estudo de uma ciência ou para alcançar determinado fim” (Galliano, 1979, p.6); • procedimento racional arbitrário de como atingir determinados resultados (...). Na ciência, os métodos constituem os instrumentos básicos que ordenam de início o pensamento em sistemas, traçam de modo ordenado a forma de proceder do cientista ao longo de um percurso para alcançar um objetivo pré-estabelecido” (Ferrari, 1982, p. 19); • conjunto de atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, permite alcançar o objetivo conhecimentos válidos e verdadeiros -, traçando o caminho a ser seguido, detectando erros e auxiliando as decisões do cientista. (Lakatos & Marconi, 1991).

Conceito de “TÉCNICA”
• “Modo de fazer de forma mais hábil, mais seguro, mais perfeita algum tipo de atividade, arte ou ofício”. (Galliano, 1979, p. 6).

MÉTODO x TÉCNICA
“ Você não alcançará o resultado almejado se não seguir as etapas ordenadamente dispostas: calçar primeiro a meia e depois o sapato (...) seguindo a indispensável seqüência das etapas que deverão ser vencidas, você poderá chegar ao resultado desejado com menor uso de tempo e energia, ou com maior perfeição, se empregar a técnica específica dessa atividade”. (Galliano, 1979, p.6).

Utilizaç Utilização do mé método e da té técnica de modo coerente
Ex.: levantamento de informações a) consultar o bibliotecário; b) verificar os fichários, catálogos e outros documentos; c) identificar o material bibliográfico de interesse; d) retirar da estante; e) desenvolver o processo de leitura exploratória.

• etapas do processo de leitura • da análise do texto • da elaboração de um seminário

1

distinguida de outros afazeres humanos (. • ABRANGÊNCIA : servir de instrumento a todos que tenham as mesmas necessidades e interesses. DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO MÉTODO • Questões básicas: – às forças da natureza. (Kaplan. p..como resultado em forma de conhecimento científico . (compreensão da forma e das leis da natureza). pelo processo de transferência de aprendizagem. uma metodologia deve abordar as ciências sob o ângulo do produto delas .: levantamento de informações a) dirigir diretamente para as estantes.PARCIAL . da realização de experimentos. busca essência imutável do real. c) iniciar a investigação. • Século XVI compreensão das relações entre as causas e a natureza das coisas. 1969. Método de estudo eficiente: • FINALIDADE : desenvolver hábitos de estudo eficiente que não se restrinjam apenas a determinado setor de atividade ou matéria específica. Salomon.como gênese desse próprio conhecimento”.) os métodos incluem procedimentos como os da formação de conceitos e de hipóteses. (Bruyne et al. • Conhecimento mítico caráter sobrenatural • Conhecimento religioso caráter dogmático conhecimento derivado da inspiração divina aceitação sem crítica. DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO MÉTODO (continuaç (continuação) ETAPAS • Conhecimento filosófico investigação racional.29).32). e) caso não encontre. Conceito de METODOLOGIA “ A metodologia é a lógica dos procedimentos científicos em sua gênese e em seu desenvolvimento.GLOBAL. observação científica aliada ao raciocínio teoria da investigação (Bunge. desloca o foco para a explicação da natureza da divindade. • PROCESSAMENTO : ser GLOBAL . retorna a estante para “pesquisar” outras obras. p. não se reduz portanto a uma metrologia ou tecnologia da medida dos fatos científicos.. Para ser fiel a suas promessas. da elaboração de explicações e da predição”. mas hábitos que sejam válidos.Procedimentos inadequados Ex. p. p.. b) retirar uma série de documentos bibliográficos. seguindo assim o princípio geral que rege a própria natureza: o do desenvolvimento “difuso-analítico-sintético” “ A eficiência do estudo depende do mé método.25) 2 . 1977. construção de modelos e de teorias.. – à morte. em qualquer fase de desenvolvimento e escolaridade. através de seus próprios recursos.mas também como processo . podendo aperfeiçoar-se à medida que o indivíduo progride. 1977. para as demais situações e sejam eficientes para o transcurso da vida. 1980.25). d) avalia apenas que o material pertence a uma certa área do conhecimento. os de observação e da medida. “ representa os princípios filosóficos ou lógicos suficientemente específicos a ponto de poderem estar particularmente relacionados com a ciência. mas o mé método depende de quem o aplica” aplica” (Salomon.

verdadeira. • • • • LEIS. Pedro. João . a uma realidade desconhecida por eles revelada. matemático e estatístico.. são mortais. B) passa-se pelo raciocínio. entre essas propriedades ou fenômenos. são homens.impõe-se esta regra já que a ciência é primordialmente quantitativa. Zinco conduz energia. ou O homem Pedro é mortal O homem José é mortal O homem João é mortal. EXEMPLOS: • • • • o corvo 1 é negro. dos fatos às leis ou das leis especiais às leis mais gerais. não contida nas partes examinadas. quando as premissas são verdadeiras. provavelmente. (todo) corvo é negro Cobre conduz energia. universal e necessária.” (Cervo & Bervian.Escolha e classificação dos métodos Depende: • dos objetivos e/ou • da natureza do problema Uso: • exclusivo • conjuntamente métodos diferentes e respectivas técnicas. MÉTODO INDUTIVO • Caracterização: – Induç Indução: ão processo mental que partindo de dados particulares infere-se uma verdade geral ou universal. (c) não perder de vista o aspecto quantitativo dos fatos ou fenômenos . • o argumento fundamenta-se em premissas • levam à conclusões prováveis. zinco e cobalto são metais. Logo.. (Todo) homem é mortal. (todos) os homens são mortais. C) o caminho de passagem vai do especial ao mais geral. José. ao passo que os antecendentes enumeram apenas “alguns” casos verificados. 1978:25). REGRAS E FASES DO MÉTODO INDUTIVO ETAPAS: (A) observação dos fenômenos (B) descoberta da relação entre eles (C) generalização da relação Exemplo: Pedro. ETAPAS QUE ORIENTAM O TRABALHO DE INDUÇÃO: (a) certificar-se de que é verdadeiramente essencial a relação que se pretende generalizar . cobre. (todo) metal conduz energia Conclusões sobre o método INDUTIVO: A) de premissas que encerram informações acerca de casos ou acontecimentos observados. passa-se dessa descoberta à afirmação de uma relação essencial e.evita aproximações entre fenômenos e fatos diferentes. João .. Ora. passa-se para uma conclusão que contém informações sobre casos ou acontecimentos não observados. em conseqüência.. o corvo 2 é negro. D) a extensão dos antecedentes é menor do que a da conclusão. E) quando descoberta uma relação constante entre duas propriedades ou dois fenômenos. o melhor que se pode dizer é que a sua conclusão é. dos indivíduos às espécies. que é generalizada pelo universalizante “todo”. Assim. José. “pode-se afirmar que as premissas de um argumento indutivo correto sustentam ou atribuem certa verossimilhança à sua conclusão. Ora. .evita confusão entre o acidental e o essencial. motivo pelo qual é possível um tratamento objetivo. das espécies ao gênero. dos indícios percebidos.. 3 . (b) assegurar-se de que sejam idênticos os fenômenos ou fatos dos quais se pretende generalizar uma relação . o corvo n é negro. o corvo 3 é negro. Cobalto conduz energia.. cuja semelhança é acidental.

Logo. • Observações repetidas. quarta.temos expectativas e acreditamos que exista certa regularidade nas coisas. é estéril Processo de colecionar coisas já conhecidas NÃO tem influência para o progresso da ciência FORMAS DE INDUÇÃO (cont. Porque em alguns casos é suficiente um só exemplo para realizar uma indução perfeita. aquilo que se pode dizer (afirmar ou negar) dos elementos restantes da mesma categoria. geram em nós a expectativa de certa regularidade no mundo. QUESTÕES sobre a utilizaç utilização da Induç Indução: • Qual a justificativa para as inferências indutivas? . e às vezes de uma só observação. sob vários pontos etc. principalmente. acerca dos quais não se conhece ou se presume uma só exceção. mas não em todos Ex. Urano. quinta. todos estes são dias da semana. Terra. o futuro será como o passado. pressupõe-se que “nascerá” amanhã. terça.: Mercúrio. de alguns casos adequadamente observados (sob circunstâncias diferentes. Saturno. Marte.: se o sol vem “nascendo” há milhões de anos. e por este motivo. sendo que cada um dos elementos inferiores são comprovados pela experiência.). milhares de exemplos coincidentes. • “o que é verdade de muitas partes suficientemente enumeradas de um sujeito.“LEIS” que regem o método: • “nas mesmas circunstâncias.são. Logo todos os planetas não têm brilho próprio. EX. sábado e domingo têm 24 horas. Não leva a novos conhecimentos. – Ex. FundamentaFundamenta-se na causa ou na lei que rege o fenômeno ou fato Análise de um número significativo de casos. Ora. (Aristóteles). “Constância das leis da natureza” natureza” Princí Princípio do Determinismo FORMAS DE INDUÇÃO • COMPLETA ou FORMAL: não induz de alguns casos. Vênus. estes são planetas. é verdade para todo esse sujeito universal”.) • INCOMPLETA ou CIENTÍFICA: não deriva de seus elementos inferiores. mas de todos. as observações feitas no passado. feitas no passado. no que se refere a fatos e fenômenos. sexta. Ora. enquanto em outros. enumerados ou provados pela experiência. DETERMINISMO • Qual a justificativa para a crença de que o futuro será como o passado? . mas permite induzir induzir. todos os dias da semana têm 24 horas. Júpiter.: Segunda. contribuem muito pouco para estabelecer uma proposição universal? 4 . as mesmas causas produzem os mesmos efeitos”. Netuno e Plutão não têm brilho próprio.

nas nas premissas. Logo. a verdadeiras. Então. além da grande quantidade de observações e experiências.104 e 106). é também necessário analisar (e destacar) a possibilidade de variações provocadas por circunstâncias acidentais. a conclusão é conclusão deve ser provavelmente verdadeira. religiosos ou de MÉTODOS DEDUTIVO Argumentos Dedutivos e Indutivos Dedutivo: Todo mamífero tem um coração.: Se uma criança for frustrada. então reagirá através da agressão. – Ora. mas não necessariamente • Toda a informaç informação ou verdadeira. 5 . – Ora. com certeza.baseada em uma amostra não representativa da população. q. • “Negaç Negação do conseqü conseqüente” (modus tollens) – Se p. REGRAS DE INDUÇ INDUÇÃO INCOMPLETA • Os casos particulares devem ser provados e experimentados na quantidade suficiente (e necessária) para que possamos dizer (ou negar) tudo o que será legitimamente afirmado sobre a espécie. em algumas circunstâncias a probabilidade de que isto seja verdade é muito alta. ARGUMENTOS CONDICIONAIS: FORMAS DE ARGUMENTOS DEDUTIVOS • “Afirmaç Afirmação do antecedente” (modus ponens) – Se p. então tinha conhecimento das matérias.p. Então. Ora. menos implicitamente nem implicitamente. • para poder afirmar. José não foi bem nos exames.: Se José for bem nos exames. Se o caso verificado é representativo de todos os casos possíveis. Ora. todos os cães têm um coração. todos eles são igualmente bons.” • “quanto mais representativa a amostra. maior a força indutiva do argumento”. todos os cães têm um coração.q. Ora.: prévia eleitoral DEDUTIVOS x INDUTIVOS • Se todas as premissas • Se todas as premissas são são verdadeiras. então q. – Ex.” (Cohen & Nagel. então q. que a própria natureza da coisa (fato ou fenômeno) é que provoca a sua propriedade (ou ação). – Ex. esta criança sofreu frustração. gênero. conteú fatual da • A conclusão encerra conteúdo conclusão já já estava. Princípios: • “quanto maior a amostra. reagirá com agressão. – Então. – PROBLEMAS DE AMOSTRA: • AMOSTRA INSUFICIENTE dados insuficientes para sustentar a generalização. premissas. José não tinha nenhum conhecimento das matérias. pelo informaç informação que não estava. • Ex. Logo. todos os cães são mamíferos. 1971: II . categoria etc. – Então. não . não .“ nunca podemos estar completamente seguros de que um caso verificado seja uma amostra imparcial de todos os casos possíveis. raciais. p. • AMOSTRA TENDENCIOSA . maior a força indutiva do argumento. Indutivo: Todos os cães que foram observados tinham um coração.: preconceitos nacionalidade. verdadeira. • Ex.

. MÉTODO HIPOTÉ HIPOTÉTICOTICO-DEDUTIVO TEORIATENTATIVA (TT) ELIMINAÇ ELIMINAÇÃO DO ERRO (EE) PROBLEMA (P1) “. (Popper. Logo é certo que ele não era ambicioso”. então teria tomado a coroa.continuaç continuação • Colocaç Colocação do problema: – reconhecimento dos fatos – descoberta do problema – formulação do problema • Teste das hipó hipóteses: – esboço da prova – execução da prova – elaboração dos dados – inferência da conclusão • Construç Construção de um modelo teó teórico: – seleção dos fatores pertinentes – invenção das hipóteses centrais e das suposições auxiliares • Adiç Adição ou introduç introdução das conclusões na teoria: – comparação das conclusões com as predições e retrodições – reajuste do modelo – sugestões para trabalhos posteriores • Deduç Dedução de conseqü conseqüências particulares: – procura de suportes racionais – procura de suportes empíricos 6 .Ex. 1977: 140-1). 1975: 14) ETAPAS do MHD segundo Popper: EXPECTATIVAS ou CONHECIMENTO PRÉ PRÉVIO Conflitos ante expectativas e teorias Proposiç Proposição de POPPER PROBLEMA CONJECTURAS Dedução de conseqüências na forma de proposições passíveis de teste FALSEAMENTO Tentativas de refutação pela observação e experimentação MÉTODO HIPOTÉ HIPOTÉTICOTICO-DEDUTIVO (segundo Bunge) Bunge) MÉTODO HIPOTÉ HIPOTÉTICOTICO-DEDUTIVO (segundo Bunge) Bunge) . Se César fosse ambicioso. Julius Caesar “Ele não tomaria a coroa. Ora. ele não tomou a coroa. NOVOS PROBLEMAS (P2) MC “consiste na escolha de problemas interessantes e na crítica de nossas permanentes tentativas experimentais e provisórias de solucioná-los” (Popper.a ciência começa e termina com problemas”.. César não era ambicioso.: da peça de Shakespeare. Então.

Introducción a la lógica y al método científico.html http://www.rochester. Parte II. S. ao seu grau de abstração. Capítulos 1 e 2. Pede-se que cada aluno escolha um dos seguintes métodos e faça uma apresentação para os demais colegas: – – – – – – – Método Histórico Método Comparativo Método Monográfico Método Estatístico Método Tipológico Método Funcionalista Método Estruturalista 7 . Capítulos 3.html http://www. Parte I. cap. 1971. A lógica da pesquisa científica.com/smvsm. SP: T. POPPER.nsrl. McGraw-Hill. Bibliografia: BUNGE. 1980. SITES NA INTERNET http://www. & NAGEL. Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária.br/~mafkfil/schlick.regent. A.edu/phy_labs/AppendixE/AppendixE.msn.G. 14.html http://sun.html http://teacher.shtml http://www.02 • Método e métodos situam-se em níveis claramente distintos.org/journals/01609335. 1982.edu/acad/schcom/rojc/mdic/md. Queiroz/EDUSP. no que se refere à sua inspiração filosófica.ac.edu/~phildept/Dye/method. à sua finalidade mais ou menos explicativa. Metodologia da pesquisa científica.aol.net/~antiviv/valid.O.html http://www.opengroup.htm http://pioneer.th/~hsoraj/PhilandLogic/WeekThree. – mudança dialética.cfh.com/phbooks/074/074560322X. T. 2 ed.html http://members.A.com/kiekeben/fwd.ucr. 1975.chula. POPPER.html http://www. contradição ou luta dos contrários. FERRARI. M. SP: Habra. unidade polar ou “tudo se relaciona”.biology4kids. K. 1977. 5 e 6.com/topic/120/120730.com/files/studies_scimethod. Epistemologia: curso de atualização.taygeta.niu. negação da negação ou “tudo se transforma”.ufsc.html http://phyun5. Buenos Aires: Amorrortu. V. 4.com/stochastics. M.oingo. 2. S. Método científico: teoria e prática.html Exercício Proposto .html http://www. E. SP. SP: Cultrix. Capítulo 1. 2 ed. K.html http://encarta. 2. – passagem da quantidade à qualidade ou mudança qualitativa.html http://www.jstor.scientificmethod. 1979.edu/~wudka/Physics7/Notes_www/node5.MÉTODO DIALÉTICO • LEIS DA DIALÉ DIALÉTICA: – ação recíproca. – interpretação dos contrários.ultranet. Cap.com/find/Concise. SP: Itatiaia/EDUSP.htm http://www.A. à sua ação nas etapas mais ou menos concretas da investigação e ao momento em que se situam.asp?ti=06AD7000 http://home.com/~jkimball/BiologyPages/S/ScientificMethods. GALLIANO.soci.mira. COHEN.

This document was created with Win2PDF available at http://www. The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only. This page will not be added after purchasing Win2PDF.win2pdf. .com.