CIVILIZE-SE.WEBNODE.

COM 1

APOSTILA DO CURSO DE CRIMINOLOGIA E POLÍTICA CRIMINAL– 1º BIM. DO 2º SEM.
O projeto Civilize-se! surgiu com a intenção de auxiliar o operador do Direito, facilitar a busca pelo conhecimento intrínseco ao universo do Direito. Esta apostila, de cunho didático, reúne todas as aulas ministradas no 1º bimestre do 2º semestre do Curso de Criminologia e Política Criminal. O presente material foi cuidadosamente elaborado pelo acadêmico David Maxsuel Lima, com base em exposições orais e pesquisas em meios virtuais e impressos, tais como sites e livros. É preciso ponderar que, nos textos, constam citações dos mais variados autores e, portanto, a obra ora fornecida pelo CIVILIZE-SE! não é exclusivamente produzida pelo idealizador do projeto. Intentamos que os conhecimentos agora disponibilizados sejam de grande valia. CIVILIZE-SE: Porque quem conhece, evolui!

Atenciosamente, David Maxsuel Lima, Idealizador do projeto. civilize-se@hotmail.com 9632-6373

MATERIAL ELABORADO POR DAVID MAXSUEL LIMA

o que faz dessa ciência ímpar é sua orientação crítica. O Direito Penal não problematiza o crime. a criminologia analisa o crime sob um prisma particular. A Criminologia lida com fenômenos oriundos de uma realidade social que de modo algum configuram um conjunto sólido. temos como problemática inicial a dificuldade que existe em se rotulá-la. da vítima e do controle social. código. Criminologia é ciência de caráter subjetivo onde se procura resposta para uma gama de questionamentos suscitados após uma análise do crime. e sim um meio de controle social. e informal. dogmatizado. g. Basta compreender que a Política Criminal não é.CIVILIZE-SE. não é matéria por ela analisada de modo exclusivo. legislação. seu escopo com a intenção de compreendê-lo a partir de diversos ângulos. visto por ele tão somente sob a perspectiva do que está estabelecido. o crime se faz essencial também para o Direito Penal e à Política Criminal. Esse mecanismo de controle do crime se divide em formal. culpado. entendida como toda a ação pública que não está diretamente relacionada ao crime. Seu objeto de estudo. por si só. a fé. v. daquilo imposto pelo Estado. nos limites de sua abrangência.3– Aula 03 – Política Criminal Considerações acerca da criminologia e Política criminal A criminologia tem como propósito aplicar a pacificação social. constrói uma relação do crime com a economia. uma ciência. quando há um controle feito pela sociedade. Percebemos que os mecanismos de controle social formal não são aqueles realizados exclusivamente através de leis e sanções posto que a prevenção. podemos afirmar que esta não é um todo imutável. onde este é tido como típico. caracterizado pelo controle do Estado. sobretudo. mas sim uma ciência inexata acrescida de conclusões que não pretendem fixar-se como verdades absolutas.2 Aula 02 – Objeto de estudo: o crime Criminologia. isto é. analisando. O conceito de crime não pode ser apenas legal para a criminologia. o relativizando. a criminologia o estuda de modo mais amplo. o crime. também se encontra no rol da política criminal. Caracteriza-se por buscar a verificação de suas teses. MATERIAL ELABORADO POR DAVID MAXSUEL LIMA . conceitualizá-la. algumas considerações. No entanto. e conclui que é necessário preveni-lo através de políticas públicas. ou seja.. A criminologia é crítica enquanto o direito penal compreende dogmas.WEBNODE. a cultura. Portanto. da psiquiatria etc. A política criminal parte da percepção de que o crime não se resolve apenas com a lei. da pessoa do infrator. Distinguir Criminologia de outros ramos do conhecimento que dispõem do mesmo objeto de observação não é tarefa que demande aprofundados conhecimentos. o crime a partir da ciência social. No que tange à Criminologia. Criminologia é ciência flexível. Não se buscam conclusões perpétuas. Enquanto o direito penal avalia o crime a partir do dogma. 1. antijurídico. observa. Se compreendermos que a criminologia é um corpo de análises cujas considerações são pautadas. crime em criminologia difere de crime em direito penal.COM 2 CRIMINOLOGIA E POLÍTICA CRIMINAL 1. respostas que são por vezes encontradas após laboriosos estudos de ordem empírica e indutiva.1 Aula 01 – Conceito de Criminologia A criminologia é uma ciência empírica e interdisciplinar que se ocupa do estudo do crime. em verificações e comprovações de ordem empírica. 1.

entendidos como ilícitos pelo código penal. o CPP. mais que mero aborrecimento. como.5 Aula 05 – Escola Humanista e Escola Positiva Temos que o Direito Penal é uma maneira de executar a vontade de um grupo social. Natureza aflitiva – ou seja. Escola Positiva Advoga que o fenômeno do crime não é algo simples. Para o Direito Penal. As penas devem ser proporcionais aos delitos. o que incentiva a pesquisa cientifica. algo que exerça certa aflição social com razão de ser disciplinado pelo Direito Penal. Temos. Muito embora. onde nasce a lei. o seu infrator deve ser punido nos limites da lei. são as chamadas Escolas Humanista e Clássica. isto é. MATERIAL ELABORADO POR DAVID MAXSUEL LIMA 3 . Como exemplo temos os CDs piratas que. 2º. A problemática consiste na impossibilidade de aferir a principal tese da escola Clássica: o livre-arbítrio – não há cientificidade. Consta que o individuo tem o poder de dirigir a própria vida. não aflitivos. antes dela surgir. não é efetivamente recriminado pelo corpo social 1. já o Sistema Penal engloba o todo. Assim. por exemplo. defende que o ser humano é dotado de livre-arbítrio. isto é. Certeza de que a punição inibe o crime. O Direito Penal compreende a legislação. é definido como fato negativo de incidência massiva na população. penas desproporcionais. O equivoco atribuído a essa escola foi de ter crido que o crime advém da natureza do criminoso. sob o prisma Clássico. são três os aspectos intrínsecos à Escola Clássica: 1. o delito é o fato típico antijurídico e culpável. à ideia de pecado. isto é. Incidência massiva – Não pode ser um fato isolado.4– Aula 04 – O crime ou Delito O crime. 4º. em meados do século XVIII. de natureza aflitiva dotado de persistência espaço-temporal que tenha um inequívoco consenso acerca de sua origem. Inequívoco consenso quanto à efetividade da intervenção penal – Não se pode inserir no rol penal fatos isolados. Crenças nos poderes do ser humano. e que o que leva a pessoa a não cometer o delito é a certeza de que será punida. ou delito. 3. 1. preocupado em zelar por tais interesses. quem a criou. Persistência espaço-temporal – é necessário que não seja aflitivo apenas para um grupo. com o crime ligado à religião. 3º. Césare Beccaria.CIVILIZE-SE. É diferente de determinado fenômeno que em apenas determinado local causa desconforto. criando a figura do criminoso nato. não o que a lei admite como tal. Com os iluministas essa perspectiva é contestada. A primeira escola a estudar o crime numa perspectiva cientifica foi a escola Positiva. já existia um modo de se interpretar o fenômeno do crime. Não há discussão quanto à origem do fato.WEBNODE. portanto. Ponderamos que a legislação penal extravasa o Código Penal. Assim. entre outros iluministas. há uma crença nos poderes do ser humano. persistindo no espaço e no tempo. 2. nasce para proteger os interesses daquele que está à frente do Estado. identifica o que é crime.COM A criminologia não analisa o crime como conceito legal. autor de Dos delitos e Das penas. mas sim como ato puro. É preciso compreender ainda que nem tudo que é considerado crime para o direito penal sofre igual julgamento pela sociedade. Caso tenha sido perpetrado. Há subsunção do fato à norma penal. seu processo de criação. os elementos do delito para a criminologia são: 1º.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful