CADERNO DE ENCARGOS

RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

FORNECIMENTO DE REFEIÇÇÕES PARA AS ESCOLAS DO 1º CICLO E JARDINS DE INFÂNCIA DO CONCELHO DE ABRANTES

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS PARA FORNECIMENTO DE REFEIÇÇÕES PARA AS ESCOLAS DO 1º CICLO E JARDINS DE INFÂNCIA DO CONCELHO DE ABRANTES

PARTE I CLÁUSULAS JURÍDICAS

Capítulo I Disposições gerais

Cláusula 1ª Objecto O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir no contrato a celebrar na sequência do procedimento pré-contratual que tem por objecto principal a aquisição de serviço de refeições para as escolas de 1º ciclo e jardins de infância do concelho de Abrantes. Cláusula 2ª Contrato 1 ― O contrato é composto pelo respectivo clausulado contratual e os seus anexos. 2 ― O contrato a celebrar integra ainda os seguintes elementos: a) Os suprimentos dos erros e das omissões do Caderno de Encargos identificados pelos concorrentes, desde que esses erros e omissões tenham sido expressamente aceites pelo órgão competente para a decisão de contratar; b) Os esclarecimentos e as rectificações relativos ao Caderno de Encargos; c) O presente Caderno de Encargos; d) A proposta adjudicada; e) Os esclarecimentos sobre a proposta adjudicada prestados pelo adjudicatário. 3 ― Em caso de divergência entre os documentos referidos no número anterior, a respectiva prevalência é determinada pela ordem pela qual aí são indicados. 4 ― Em caso de divergência entre os documentos referidos no n.º 2 e o clausulado do contrato e seus anexos, prevalecem os primeiros, salvo quanto aos ajustamentos propostos de acordo com o disposto no artigo 99.º do Código dos contratos Públicos e aceites pelo adjudicatário nos termos do disposto no artigo 101.º desse mesmo diploma legal.

______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009

2

Cláusula 3ª Prazo O contrato mantém-se em vigor pelo prazo de um ano lectivo, com a possibilidade de prorrogação por mais dois períodos iguais, sem prejuízo das obrigações acessórias que devam perdurar para além da cessação do Contrato.

Capítulo II Obrigações contratuais Secção I Obrigações do prestador de serviços Subsecção I Disposições gerais

Cláusula 4ª Obrigações principais do prestador de serviços 1 ― Sem prejuízo de outras obrigações previstas na legislação aplicável, no Caderno de Encargos ou nas cláusulas contratuais, da celebração do contrato decorrem para o prestador de serviços as seguintes obrigações principais: a) Obrigação de fornecer refeições às escolas e jardins de infância do concelho, consideradas nas Cláusulas Técnicas que constituem a Parte II do presente caderno de encargos; b) Obrigação de confeccionar as refeições, diariamente, numa escola do concelho de Abrantes; c) Obrigação de efectuar o transporte e distribuição diária das refeições para as escolas sem cozinha; d) Obrigação de garantir o empratamento e acondicionamento em recipiente apropriado das refeições transportadas; e) Obrigação de cumprir a base das ementas das refeições: sopa; prato principal + água; prato de dieta (para casos especiais); pão; e sobremesa (doce ou fruta); f) Obrigação de assegurar a colocação do pessoal considerado nas Cláusulas Técnicas que constituem a Parte II do presente caderno de encargos; g) Obrigação de entregar as refeições nas escolas, no próprio dia, no máximo até às 12:30 horas. 2 –A obrigação de fornecer refeições e demais obrigações principais referidas no número anterior que decorrem do contrato para o prestador de serviços devem ser prestadas diariamente, em todos os dias do ano lectivo (inicial e subsequentes nos termos da cláusula 3.ª) em que as escolas estejam a funcionar.

______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009

3

o preço base do procedimento. registos. a recorrer a todos os meios humanos. onde deve constar a agenda prévia para cada reunião. 3 – Sem prejuízo da realização das reuniões de acompanhamento referidas no nº 1 da presente cláusula. transporte.00 €. encargos e despesas cuja responsabilidade não esteja expressamente atribuída ao contraente público. pelo menos com a periodicidade de uma reunião por período lectivo. a que corresponde o preço base de 302. bem como ao estabelecimento do sistema de organização necessário à perfeita e completa execução das tarefas a seu cargo. incluindo as despesas de alojamento.00 € por cada período de vigência anual.3 ― A título acessório. das quais deve ser lavrada acta a assinar por todos os intervenientes na reunião. Cláusula 5ª Forma de prestação do serviço 1 ― Para o acompanhamento da execução do contrato. comunicações. despesas de aquisição. 4 ― Todos os relatórios. actas e demais documentos elaborados pelo prestador de serviços devem ser integralmente redigidos em português. 2 ― As reuniões previstas no número anterior serão precedidas de convocação escrita por parte do Município de Abrantes. bem como pelo cumprimento das demais obrigações constantes do presente Caderno de Encargos o Município de Abrantes deve pagar ao prestador de serviços o preço constante da proposta adjudicada. designadamente.000. acrescido de IVA à taxa legal em vigor. é fixado em 906. bem como quaisquer encargos decorrentes da utilização de marcas registadas. armazenamento e manutenção de meios materiais. materiais e informáticos que sejam necessários e adequados à prestação do serviço. o prestador de serviços fica obrigado a manter. reuniões de coordenação com os representantes do Município de Abrantes. o prestador de serviços fica ainda obrigado. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 4 . 2 ― O preço referido no número anterior inclui todos os custos. Secção II Obrigações do Município de Abrantes Cláusula 6ª Preço base Nos termos e para os efeitos do disposto no art. alimentação e deslocação de meios humanos. Cláusula 7ª Preço contratual 1 ― Pela prestação dos serviços objecto do contrato.000. se este for legalmente devido. o Município de Abrantes poderá. sempre que entender necessário. como parâmetro base do preço contratual.º do CCP. patentes ou licenças. 47. solicitar ao prestador de serviços os esclarecimentos de quaisquer questões relacionadas com o objecto ou a forma da prestação de serviços.

a obrigação considera-se vencida com o fornecimento das refeições pelo prestador de serviços ao abrigo do contrato. 3 ― Ao valor da pena pecuniária prevista no número anterior são deduzidas as importâncias pagas pelo prestador de serviços ao abrigo da alínea a) do n. nomeadamente. 3 ― Em caso de discordância por parte do Município de Abrantes quanto aos valores indicados nas facturas. uma penalidade fixada num valor até 5. de montante a fixar em função da gravidade do incumprimento.000. nos termos da cláusula anterior. nos termos da cláusula seguinte. os respectivos fundamentos. 2 ― Para os efeitos do número anterior. deve(m) ser paga(s) no prazo de 60 dias após a recepção pelo Município de Abrantes das respectivas facturas. as quais só podem ser emitidas após o vencimento da obrigação respectiva. Capítulo III Penalidades contratuais e resolução Cláusula 9ª Penalidades contratuais 1 ― Pelo incumprimento de obrigações emergentes do contrato. o Município de Abrantes pode exigir-lhe uma pena pecuniária de até ao valor do contrato de fornecimento de serviço em falta para o cumprimento integral do contrato. 4 ― Na determinação da gravidade do incumprimento.00 €. 5 ― O Município de Abrantes pode compensar os pagamentos devidos ao abrigo do contrato com as penas pecuniárias devidas nos termos da presente cláusula. o Município de Abrantes tem em conta. relativamente aos serviços cujo atraso na respectiva conclusão tenha determinado a resolução do contrato. o Município de Abrantes pode exigir do prestador de serviços o pagamento de uma pena pecuniária. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 5 . as facturas são pagas através de cheque ou transferência bancária.º 1 será pago em prestações mensais. 4 ― Desde que devidamente emitidas e observado o disposto no n. a sua eventual reiteração. deve este comunicar ao prestador de serviços. por escrito. a duração da infracção. ficando o prestador de serviços obrigado a prestar os esclarecimentos necessários ou proceder à emissão de nova factura corrigida. 2 ― Em caso de resolução do contrato por incumprimento do prestador de serviços. Cláusula 8ª Condições de pagamento 1 ― A(s) quantia(s) devidas pelo Município de Abrantes.3 ― O preço a que se refere o n. acompanhadas dos mapas das refeições efectivamente servidas em todas as escolas no mês a que respeitam.º 1.º 1. o grau de culpa do prestador de serviços e as consequências do incumprimento. nos seguintes termos: a) Pelo incumprimento das obrigações contratuais referidas na cláusula 4ª.

designadamente: a) Circunstâncias que não constituam força maior para os subcontratados do prestador de serviços. na parte em que intervenham. embargos ou bloqueios internacionais. motins e determinações governamentais ou administrativas injuntivas. g) Eventos que estejam ou devam estar cobertos por seguros. designadamente. b) Greves ou conflitos laborais limitados às sociedades do prestador de serviços ou a grupos de sociedades em que este se integre. entendendo-se como tal as circunstâncias que impossibilitem a respectiva realização. se se verificarem os requisitos do número anterior. greves. c) Determinações governamentais. actos de guerra ou terrorismo. ou judiciais de natureza sancionatória ou de outra forma resultantes do incumprimento pelo prestador de serviços de deveres ou ónus que sobre ele recaiam. inundações. Cláusula 10ª Força maior 1 ― Não podem ser impostas penalidades ao prestador de serviços.6 ― As penas pecuniárias previstas na presente cláusula não obstam a que o Município de Abrantes exija uma indemnização pelo dano excedente. f) Avarias nos sistemas informáticos ou mecânicos do prestador de serviços não devidas a sabotagem. 2 ― Podem constituir força maior. a não realização pontual das prestações contratuais a cargo de qualquer das partes que resulte de caso de força maior. alheias à vontade da parte afectada. incêndios. que ela não pudesse conhecer ou prever à data da celebração do contrato e cujos efeitos não lhe fosse razoavelmente exigível contornar ou evitar. nem é havida como incumprimento. epidemias. 4 ― A ocorrência de circunstâncias que possam consubstanciar casos de força maior deve ser imediatamente comunicada à outra parte. e) Incêndios ou inundações com origem nas instalações do prestador de serviços cuja causa. 5 ― A força maior determina a prorrogação dos prazos de cumprimento das obrigações contratuais afectadas pelo período de tempo comprovadamente correspondente ao impedimento resultante da força maior. administrativas. bem como a sociedades ou grupos de sociedades dos seus subcontratados. tremores de terra. 3 ― Não constituem força maior. propagação ou proporções se devam a culpa ou negligência sua ou ao incumprimento de normas de segurança. sabotagens. d) Manifestações populares devidas ao incumprimento pelo prestador de serviços de normas legais. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 6 .

4 ― A caução a que se referem os números anteriores é liberada nos termos do artigo 295. 2 ― O direito de resolução referido no número anterior exerce -se mediante declaração enviada ao prestador de serviços e não determina a repetição das prestações já realizadas. nos termos do Programa do Procedimento. c) Quando o prestador de serviços não cumprir integralmente as condições e obrigações deste caderno de encargos. Capítulo IV Caução e seguros Cláusula 12ª Execução da caução 1 ― A caução prestada para bom e pontual cumprimento das obrigações decorrentes do contrato. pode ser executada pelo contraente público. no caso de o prestador de serviços violar de forma grave ou reiterada qualquer das obrigações que lhe incumbem. contanto que para isso haja motivo.ª Seguros 1 ― É da responsabilidade do prestador de serviços a cobertura. incumprimento definitivo pelo prestador de serviços das obrigações contratuais ou legais. designadamente nos seguintes casos: a) Utilização abusiva ou acentuada deterioração do equipamento. cumprimento defeituoso. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 7 . no prazo de 15 dias após a notificação do Município de Abrantes para esse efeito.º do Código dos Contratos Públicos. b) Prática de actos com dolo negligência que prejudiquem a quantidade ou afectem a qualidade do fornecimento de refeições ou o normal funcionamento dos estabelecimentos de ensino. a título sancionatório.Cláusula 11ª Resolução por parte do contraente público 1 ― Sem prejuízo de outros fundamentos de resolução previstos na lei. 2 ― A resolução do contrato por parte do Município de Abrantes não impede a execução da caução. através de contratos de seguro. Cláusula 13. incluindo o pagamento de penalidades. a menos que tal seja determinado pelo contraente público. de todos os riscos que sejam legalmente obrigados. ou para quaisquer outros efeitos especificamente previstos no contrato ou na lei. material e ou instalações. sem necessidade de prévia decisão judicial ou arbitral. o Município de Abrantes pode resolver o contrato. para satisfação de quaisquer créditos resultantes de mora. 3 ― A execução parcial ou total da caução referida nos números anteriores constitui o prestador de serviços na obrigação de proceder à sua reposição pelo valor existente antes dessa mesma execução.

devendo o prestador de serviços fornecê-la no prazo que lhe for fixado. Capítulo VI Disposições finais Cláusula 15ª Subcontratação e cessão da posição contratual A subcontratação pelo prestador de serviços e a cessão da posição contratual por qualquer das partes depende da autorização da outra. nos termos do Código dos Contratos Públicos. Cláusula 16ª Comunicações e notificações 1 ― Sem prejuízo de poderem ser acordadas outras regras quanto às notificações e comunicações entre as partes do contrato. estas devem ser dirigidas. Cláusula 18ª Legislação aplicável O contrato é regulado pela legislação portuguesa. identificados no contrato. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 8 . Cláusula 17ª Contagem dos prazos Os prazos previstos no contrato são contínuos. para o domicílio ou sede contratual de cada uma. exigir prova documental da celebração dos contratos de seguro referidos no número anterior.2 ― O Município de Abrantes pode. com expressa renúncia a qualquer outro. correndo em sábados. 2 ― Qualquer alteração das informações de contacto constantes do contrato deve ser comunicada à outra parte. sempre que entender conveniente. domingos e dias feriados. Capítulo V Resolução de litígios Cláusula 14ª Foro competente Para resolução de todos os litígios decorrentes do contrato fica estipulada a competência do tribunal administrativo de círculo de Leiria. nos termos do Código dos Contratos Públicos.

I.º médio de alunos Escola/Jardim E.1 + J.1 + J.B.1 + J.I.º 5 Abrantes + J. Tejo J.B.B.I. de Mouriscas E.I.1 + J.1 + J.B.I.I. João Baptista E.1 + J.B. de Arrifana E.1 Dr.B.I. de Martinchel E.º 2 de Tramagal E.1 n.º de refeições a servir diariamente) Tipo de fornecimento Refeições confeccionadas no local Refeições confeccionadas no local Refeições confeccionadas no local Refeições confeccionadas no local Refeições confeccionadas no local Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas Refeições transportadas 250 200 70 100 160 28 33 58 16 28 48 45 35 30 140 70 25 20 52 13 50 TOTAL 1471 ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 9 . António Torrado E.1/J.I. de Alferrarede E. de Rio de Moinhos E.I. Rossio S.1 + J.I.1 + J.B.I.1 + J.B.º 2 de Abrantes E. de Casa Branca E. de Crucifixo E.B.I.B.1 n.B.B.PARTE II CLAUSULAS TÉCNICAS Cláusula 1ª Serviços a prestar Os serviços a prestar.B. de Concavada E. de Amoreira E.1 n. Chainça E. no âmbito do presente Caderno de Encargos. Raul Figueiredo J.º 4 de Abrantes + J. de Alferrarede Velha J. de Pego E.1 + J.I.1 + J. de Casais de Revelhos E.B.B. de Abrançalha de Baixo E.B.B.I. de Carvalhal (este número é apenas uma estimativa do n. incluem o fornecimento de refeições nas escolas que constam do quadro anexo: N. de S.1 + J.I.B.I.I.I.1 n.

para assegurar o bom funcionamento do refeitório.). Mouriscas. pelo que o mesmo terá de ser assegurado pela empresa. Transporte das refeições (quando são entregues já confeccionadas).1/J. higiene e saúde no trabalho. a confecção (feita diariamente numa escola do concelho de Abrantes). que não dispõem de cozinha. Cláusula 5ª Ementas 1. acondicionamento em recipiente apropriado. 4. Pego e Abrantes n. Cláusula 4ª Pessoal a afectar 1. sendo da sua conta os encargos que de tal resultem. conservação e transporte. de Mouriscas o pessoal da cozinha ser do Município. O adjudicatário é ainda obrigado a acautelar. Nas restantes escolas do quadro anterior. 2. As ementas a utilizar nas primeiras quatro semanas de funcionamento deverão ser as apresentadas a concurso. congelados. é ainda necessária mais 1 funcionária a colocar pelo adjudicatário. Chainça. Relativamente a este pessoal. Apesar de na E. 2. de boa qualidade e de acordo com as boas técnicas de confecção. etc. As refeições confeccionadas no local serão feitas nas cozinhas das escolas de António Torrado (Abrantes).º 2. em conformidade com as disposições legais e regulamentares aplicáveis.B.I. a vida e a segurança deste pessoal e a prestar-lhe a assistência médica de que careça por motivo de acidente de trabalho. Cláusula 3ª Elementos da proposta Da proposta deverá constar: Descrição pormenorizada da composição das ementas Confecção dos alimentos nos refeitórios das escolas Descrição dos produtos alimentares a utilizar (frescos. 3.Cláusula 2ª Descrição dos serviços a prestar 1. A Escola António Torrado não tem pessoal da autarquia que assegure o funcionamento do refeitório. transporte e respectiva distribuição das refeições é da responsabilidade da empresa. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 10 . o empratamento. 2. o adjudicatário fica sujeito ao cumprimento das disposições legais e regulamentares em vigor sobre segurança. Devem ser observadas as capitações constantes do Anexo A – Capitações dos Alimentos e o Anexo B – Lista dos Alimentos Autorizados. As refeições objecto do concurso deverão ser fornecidas em perfeito estado de salubridade.

poderão ainda ser servidas considerando 80% das capitações estabelecidas para as demais. respectiva capitação e valor calórico. gelado de leite. b) A ficha técnica deve estar obrigatoriamente arquivada em pasta própria. nos refeitórios escolares. mas tendo que incluir obrigatoriamente legumes crus ou cozidos (adequados à ementa) + Água (a qual poderá ser da rede pública) Prato de dieta (para casos especiais) Pão (bolinha de mistura). Na elaboração das ementas. gelatina. iogurte ou fruta cozida ou assada. c) A ementa deverá ser constituída diariamente por um prato de carne ou de pescado. Na elaboração das ementas. devem ser tomados em conta os seguintes aspectos: a) Os métodos de confecção devem ser variados e adequados a este tipo de fornecimento. nas capitações previstas. bem como a descrição do(s) método(s) de confecção. em dias alternados). duas vezes por semana Com o objectivo de assegurar a variedade das ementas e uma alimentação de qualidade é: Semanalmente obrigatório:  1 prato de carne tipo: bife/costeleta/escalope/carne assada ou estufada fatiada  Um máximo de duas vezes por semana de pratos com carne ou peixe fraccionados  1 prato de aves ou criação  1 prato à base de leguminosas  1 prato de peixe à posta Mensalmente obrigatório:  2 pratos de bacalhau  1 prato à base de ovo. a matéria-prima utilizada. substituindo um de carne 6. com os acompanhamentos básicos da alimentação. 5. para consulta. no que respeita ao prato principal. As refeições. A composição da ementa diária é a seguinte:  1 Sopa de vegetais frescos.      ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 11 .  Prato principal (de carne ou de pescado. 4. b) A ementa apenas pode incluir fritos uma vez em cada duas semanas. no máximo 2 vezes por mês. legumes ou leguminosas. devem ser tomados em conta os seguintes aspectos: a) A ementa deverá ser acompanhada obrigatoriamente pela respectiva ficha técnica que indicará a composição da refeição. tendo por base batata.3. em dias alternados. É permitida canja e sopa de peixe. embalado Sobremesa: fruta variada da época Simultaneamente com a fruta pode ainda haver doce.

Consideram-se instalações do refeitório a cozinha. as instalações específicas. no próprio dia. 3.º 852/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho. 4. sem prévia autorização da entidade adjudicante. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 12 . não podem ser utilizados na composição da ementa. sempre que possível. de 28 de Janeiro. equipamento (fixo e móvel) e outro material existentes nos refeitórios das escolas com cozinha. de qualidade. os corredores e todos os anexos. mantendo-se. refinado. As refeições devem ser entregues nas escolas. engarrafado (só para fritar). a(s) despensa(s). Os fritos devem ser confeccionados exclusivamente com óleo de amendoim. Os óleos de fritura terão que ser testados após cada utilização. Cláusula 6ª Fornecimento e transporte 1. a copa. a matéria-prima da ementa do dia. que garanta a salubridade dos produtos a transportar e que possuam meios de controlo das temperaturas. a sala de refeições. de 29 de Abril e Reg. devendo ser feitos registos dos resultados obtidos. 2. O número de utilizações do óleo de fritar deve ser controlado através de testes rápidos indicadores da qualidade do mesmo. A prestação do serviço deve ser executada em conformidade com todas as cláusulas contratuais e demais legislação aplicável.d) A ementa apenas pode incluir fritos uma vez em cada duas semanas. 7. A escola coloca à disposição do adjudicatário. A ficha com indicação das ementas semanais deve ser afixada em lugar ou lugares bem visíveis para os alunos e pais. e) Quando devidamente justificadas por prescrição médica ou por motivos religiosos. 5. O transporte dos alimentos deverá ser efectuado em recipientes de fácil higienização e que assegurem a manutenção das temperaturas adequadas ao fornecimento de ligação a quente e ao tempo necessário para a entrega do serviço. de modo a garantirem-se as características técnicas gerais das refeições e o adequado fornecimento das mesmas. podem ser servidas ementas alternativas. os sanitários do pessoal. Cláusula 7ª Instalações. no máximo até às 12:30 horas. (CE) n. O transporte das refeições deverá ser efectuado em veículos destinados exclusivamente para este fim e ao tipo de ligação a quente. (CE) n. Equipamento e material 1.º 178/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho. f) Os alimentos que não constam da Lista de Alimentos Autorizados – Anexo B deste caderno de encargos. 2. O fornecimento das refeições deve obedecer as normas constantes do Reg.

O adjudicatário terá que possuir. correndo por sua conta as perdas e danos verificados por dolo ou negligência do seu pessoal. d) A empresa assegura todo o pessoal necessário à confecção e transporte das refeições transportadas. O fornecimento de toalhetes de papel para os tabuleiros. e) Os preços devem ser apresentados por escola atendendo à diversidade de situações. mas não é suficiente e escolas em que a autarquia não tem pessoal. ou seja. conduta e filtros). nos refeitórios das escolas de Chainça. b) A Câmara Municipal tem pessoal efectivo no refeitório de Mouriscas. serão por ele suportados. 7. 4. escolas em que a autarquia tem pessoal. as instalações.B. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 13 . incluindo os danos a terceiros. no entanto a empresa terá que contratar mais 1 funcionária para assegurar o seu bom funcionamento. Abrantes nº 2 e Pego. gás e electricidade. equipamento e instalações cedidos. 6. 5.1’s é da responsabilidade dos agrupamentos de Escolas. escolas em que todo o pessoal é assegurado pela autarquia. Os encargos com os telefones e outros serviços. Cláusula 8ª Proposta de Preços Deverão ser apresentados preços para fornecimento de refeições às escolas que constam na Cláusula 1ª da Parte II do presente Caderno de Encargos considerando que: a) A Câmara Municipal tem pessoal efectivo ou recorre a mão-de-obra de outras entidades. são por conta da escola. com um mínimo de 12 elementos. Câmara Municipal e Juntas de Freguesia. Os encargos com água. Findo o contrato. de guardanapos de papel e o empacotamento de talheres e do pão é obrigatório e da responsabilidade do adjudicatário. O adjudicatário fica responsável pela correcta utilização de todo o material. em cada refeitório. serão restituídos à escola em bom estado de conservação e funcionamento. 1 kit de testes rápidos para controlo da qualidade dos óleos de fritura. Cláusula 7ª Acompanhamento das crianças O acompanhamento das crianças dos Jardins de Infância e das E. bem como a limpeza profunda da chaminé e exaustor (motor.3. o equipamento e outro material. São da sua responsabilidade os custos inerentes à utilização negligente de todo o equipamento posto a sua disposição. c) A empresa terá que contratar todo o pessoal necessário ao funcionamento do Refeitório da Escola António Torrado. eventualmente postos a disposição do adjudicatário. 8.

Sopa (não base) BATATA .Sopa (não base) 20gr CENOURA .Puré .Guarnição Mista 60gr .Sopa BETERRABA .Sopa (não base) 50gr CEBOLA .Guarnição Mista 50gr .Sopa (não base) 20gr CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES 80gr 50gr 50gr 50gr 30gr 30gr 70gr 50gr 270gr 270gr 270gr 200gr 270gr 200gr 90gr Se a batata for nova retira-se à capitação 10% 40gr 60gr 45gr 45gr 50gr 20gr 25gr 20gr 30gr 50gr 50gr 50gr 30gr 50gr 45gr 20gr .Sopa (não base) AGRIÃO .Salada Mista BRÓCOLOS .Fritar .Nos produtos congelados considerar uma margem de 10% nas capitações ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 14 .Arroz 30gr .Salada Mista 30gr .Sopa (base) .Salada 50gr .Salada Mista 30gr .Sopa (não base) 45gr .Salada Mista 45gr CALDO VERDE .Arroz 20gr .Jardineira/caldeirada .Salada Russa .Sopa (não base) 30gr ALHO FRANCÊS .Salada Russa 50gr .Capitações em bruto e em cru .Sopa (base) .Estufados 25gr .Sopa (base) 45gr .Salada 50gr .Jardineira/estufados 50gr .Sopa (não base) ALFACE .Assar .ANEXO A CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 1 – Produtos Hortícolas PRODUTOS ABOBORA .Cozer .

Sopa (não base) COUVE LOMBARDA .Guarnição Base .Jardineira .Arroz .) PRODUTOS COENTROS COGUMELOS COUVE DE BRUXELAS .Guarnição Base .Sopa (não base) FEIJÃO SECO .Salada Mista COURGETTES .Sopa (base) .Guarnição Mista .Sopa (base) CAPITAÇÕES q.Salada russa .Sopa (não base) .Arroz COUVE ROXA .Guarnição Mista .Sopa (não base) COUVE PORTUGUESA .Guarnição+leguminosas/hortícolas .Capitações em bruto e em cru .Arroz .Jardineira .CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 1 – Produtos Hortícolas (cont. 15gr OBSERVAÇÕES 40gr 60gr 50gr 80gr 30gr 120gr 75gr 30gr 30gr 45gr 35gr 100gr 55gr 55gr 55gr 55gr 35gr 50gr 50gr 100gr 50gr 50gr 45gr 20gr 80gr 40gr .Sopa (base) .Guarnição Mista .Guarnição Mista .Nos produtos congelados considerar uma margem de 10% nas capitações ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 15 .Sopa (não base) FAVAS .Guarnição Base FEIJÃO VERDE .b.Guarnição Base ERVILHAS .Sopa (não base) ESPINAFRES .Guarnição Base COUVE FLOR .

Salada .Arroz .CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 1 – Produtos Hortícolas (cont.Salada Mista PIMENTO .Salada Mista .Sopa (não base) HORTELA.Sopa (não base) CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES 50gr 120gr 50gr 80gr 40gr q.Sopa (não base) NABO (Cabeça) .) PRODUTOS GRELOS .Estufados .Nos produtos congelados considerar uma margem de 10% nas capitações ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 16 .Sopa RABANETES .Guarnição Base . JULIANA .b.Salada Mista SALSA TOMATE .Sopa (não base) GRÃO .Guarnição Base . 90gr 25gr 30gr 45gr 45gr 100gr 50gr 25gr 25gr 25gr 35gr 10gr 10gr 5gr 15gr q.Arroz .Caldeirada . 35gr 35gr 60gr 40gr 60gr 30gr .Salada Mista .Salada russa NABIÇA .Salada Mista .Sopa (base) .Guarnição Mista .Sopa (não base) LENTILHAS .Sopa (base) MILHO .Arroz .Sopa (não base) .Guarnição Mista PEPINO .Capitações em bruto e em cru .Guarnição Mista .b.

Guarnição+leguminosas/hortícolas CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES 30gr 80gr 40gr MASSAS .Doce .Sopa sem Hortaliça 75gr 50gr 15gr 20gr .Guarnição Mista .Guarnição Base .Sopa com Hortaliça .Capitações em bruto e em cru ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 17 .Guarnição Base .CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 2 – Guarnições PRODUTOS ARROZ .

Gomes de Sá com 1/2 ovo .Arroz BACALHAU SECO .Sem ovo . 120gr 100gr 130gr 120gr 100gr 100gr 100gr 100gr 220gr 230gr 230gr 180gr 200gr 180gr 220gr 4 Unidades 4 Unidades 3 Espécies no mínimo 4 unidades 170gr 240gr 180gr 180gr 180gr .Salada com maionese .Assar .Cozer sem um ovo .Estufado .Com um ovo cozido ATUM DE CONSERVA .Salada com 1/2 ovo BESUGO CALDEIRADA CARAPAU CHERNE CHOCOS CORVINA DOURADA DOURADINHOS (fabrico industrial) FILETES / LOMBOS LULAS MARUCA MERO PARGO CAPITAÇÕES 60gr OBSERVAÇÕES 3 variedades de peixe 180gr 150gr 120gr 120gr 120gr Os ovos em natureza só podem ser cozidos.Cozer com um ovo .Com batata e um ovo cozido .CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 3 – Peixes (diversas utilizações) PRODUTOS Sopa de Peixe ABRÓTEA / PESCADA (s/cabeca) .Capitações em bruto e em cru .Nos produtos congelados considerar uma margem de 10% nas capitações ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 18 .Pasteis (industriais) .Pataniscas .

Capitações em bruto e em cru .CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 3 – Peixes (diversas utilizações) PRODUTOS CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES PEIXE ESPADA PEIXE VERMELHO PEIXE P/SALADA /ARROZ PESCADA POLVO .Arroz 180gr 180gr 150gr 180gr 230gr 180gr 180gr 180gr .Arroz SALMÃO SOLHA (s/cabeça) TAMBORIL .Nos produtos congelados considerar uma margem de 10% nas capitações ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 19 .

Nos produtos congelados considerar uma margem de 10% nas capitações ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 20 .Bolonhesa 175gr 140gr 175gr 175gr 170gr 170gr 70gr 60gr 160gr 150gr 4 Unidades 2 Unidades Os ovos em natureza só podem ser cozidos.CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 4 – Carne de Vaca (diversas utilizações) PRODUTOS CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES ASSAR BIFE COM OVO BIFE SEM OVO ESCALOPES ESTUFAR SEM OSSO ENROLAR P/COZ.Empadão .Capitações em bruto e em cru . 150gr 150gr 150gr .Rolo de Carne .PORT./ FEIJOADA / RANCHO ARROZ DE CARNES ALMONDEGAS (industriais) HAMBURGUER (industrial) PICADAS .

Farinheira .Chouriço de Carne 170gr 210gr 170gr 170gr 70gr 60gr 10gr 10gr 20gr .PORT.Nos produtos congelados considerar uma margem de 10% nas capitações ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 21 .Chouriço de Carne .CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 5 – Carne de Porco (diversas utilizações) PRODUTOS CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES ASSAR COSTELETAS ESTUFAR FEBRAS P/COZ.Capitações em bruto e em cru .P/Cozido a Portuguesa ./ FEIJOADA / RANCHO P/TORTILHA / ARROZ DE CARNES ENCHIDOS .P/Feijoada / Rancho .

Omoleta 2 unid.Canja .Bife . 2 unid.Bife .Espetada PATO . 1 unid.Assar no forno .P / Tortilha / Arroz de Carnes . Pasteurizados .Coxas . 2 unid.Estufar .Capitações em bruto e em cru .Cozido P/cozido a portuguesa .CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 6 – Aves e Ovos PRODUTOS FRANGO .Para Bras 1 unid. Pasteurizados . Em natureza Pasteurizados Pasteurizados Pasteurizados Pasteurizados CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 7 – Coelho PRODUTOS COELHO . 2 unid.Assar no forno . .Arroz de frango PERU .Mexidos 2 unid.Jardineira .Arroz de pato OVOS . Pasteurizados CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES 230gr 165gr 230gr 230gr 60gr 60gr 50gr 220gr 220gr ¼ de frango 240gr 175gr 240gr 240gr 200gr 270gr 270gr 260gr 1 unid.Escalfados 2 unid.Estufar 260gr .Assar .Arroz 260gr CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES 260gr 260gr .Estufar .Nos produtos congelados considerar uma margem de 10% nas capitações ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 22 .Cozidos 1 unid .Coxas .Estufar .

Wilkings .Satsumas.Clementinas e Monreals .CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS Tabela 8 – Frutos (diversas utilizações) PRODUTOS CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES ALPERCE AMEIXA BANANA CEREJA CITRINOS .Laranjas DAMASCO FIGO KIWI MAÇÃ (frutos grandes) MELÂNCIA MELÃO MORANGO NÊSPERA PERA PESSEGO UVA DE MESA ANANÁS /ABACAXI 150gr 150gr 150gr 150gr Calibre mínimo 30mm Calibre mínimo 30mm 1 unidade Calibre mínimo 17mm 180gr 180gr 180gr 160gr 150gr 150gr 170gr 250gr 250gr 150gr 150gr 170gr 160gr 170gr 170gr 2 unidades 2 unidades 1 unidade Calibre mínimo 30mm 2 unidades 1 unidade de 75mm Calibre mínimo 22mm Calibre mínimo 30mm Calibre mínimo 60mm Calibre mínimo 70mm 1 rodela ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 23 . Tangerinas .

Pá .Vazia sem abas .ANEXO B Alimentos Autorizados 1 .Os hambúrgueres e almôndegas a servir devem apresentar-se sob a forma de produto transformado ultracongelado e com os seguintes ingredientes:  Hambúrgueres: Carne de bovino picada (70%) Proteínas vegetais hidratadas (25%) Fibras vegetais Pão ralado Sal ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 24 .5.Chambão da perna .1.Chambão da perna .ª categoria.Acém comprido .Peito .Acém redondo – sem cobertura 1. de 20 de Dezembro (identificação do animal.Pojadouro .Pá 1.1 .ª categoria. 1.Cachaço 1.Chã de fora .Peças de talho para assar/estufar – carne de 1. sem osso . refrigerada ou congelada.Chã de fora . devidamente rotulada. sem osso .3 .Alcatra 1. sem osso .Chambão da pá . de abate e de desmancha) – apresentada em meia carcaça.5.ª categoria.CARNE DE VACA Proveniente de rês bovina adulta aprovada para consumo público. pais de origem.Peças de talho para cozer – carne de 2.ª categoria. quartos ou peças de talho.Aba descarregada . sem osso .Peças de talho para bifes – carne de 1.Acém comprido .Acém comprido .Rabadilha .4 .Alcatra (excepto ponta da alcatra) .2 .Chã de fora .Chambão da pá .Carne picada 1.Cachaço . limpa (sem gorduras e aponevroses).Peças de talho para guisar – carne de 2. em conformidade com a legislação em vigor – Decreto-Lei nº 323-F/2000.Pá .

Isenção de aponevroses.6.Canelones . ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 25 . bolonhesa. tendo obrigatoriamente de nele ser consumida.Croquetes . em caso algum. a utilização da descascadora de batatas.2. em perfeito estado de higienização e conservação. . na mesma zona. ultracongelados. Não e permitida a preparação da carne picada em simultâneo com outro tipo de carne. para evitar contaminações cruzadas.Isenção de sinais de oxidação.No caso de empadão. não sendo permitida.1. c) A peça de carne que será utilizada para picar deverá obedecer aos parâmetros apresentados no número 1.Rissóis de carne 1. . desde que se verifiquem as seguintes condições: a) A existência de equipamento apropriado e exclusivo para picar carne. b) A zona de preparação da carne picada tem de ser distinta das zonas de preparação de legumes e de peixe.Lasanha .Os pratos a seguir indicados devem ser de fabrico industrial.6.A carne a utilizar poderá ser picada no refeitório.1 – Peças de talho para bifes – e possuir as seguintes características: .Especiarias Aromatizante Taxa de gordura inferior a 15%. mesmo que possua os acessórios destinados para aquele fim.5.Isenção de gorduras. Percentagem de colagéneo nas proteínas de carne inferior a 25%  Almôndegas: Carne de bovino picada (60%) Proteínas vegetais hidratadas (23%) Ovo Tomate Aipo Cebolas Pão ralado Sal Condimento Plantas aromáticas Taxa de gordura inferior a 15% Percentagem de colagéneo nas proteínas de carne inferior a 25% 1. chili e rolo de carne: 1. respeitando a legislação em vigor: .Almofadinhas .Ravioli .

Bife de porco Refrigerado ou congelado. desde que tenham a parte óssea com os músculos correspondentes. número do centro de abate. nome da firma fornecedora. de acordo com o regulamento da inspecção sanitária dos animais de talho e respectivas carnes. refrigeradas ou congeladas provenientes de reses abatidas para consumo público. . penugens ou canudos e desprovido de cabeça. 4 .1 . O peso médio das carcaças limpas deve oscilar entre 5 e 8 kg.6.CARNE DE COELHO Carcaças provenientes de matadouros oficialmente aprovados. subprodutos e despojos. Devem revelar sinais evidentes de uma perfeita e boa preparação. pescoço. 2.Costeletas Deverão obedecer as seguintes características: .3 . a carne picada a utilizar terá de ser proveniente de um fornecedor licenciado e possuir as características de um produto pré-embalado.1.No caso de não existirem as condições mencionadas nas alíneas a) e b) do número anterior.CARNE DE PERU 5.CARNE DE PORCO 2. 2. lombo e pé em percentagem equitativa. Em estado refrigerado ou congelado.Serem provenientes de porcos abatidos nos termos da legislação em vigor. respeitando sempre os parâmetros indicados na alínea c) do número anterior. Cada carcaça deverá ter uma etiqueta com a identificação do produto.Terem corte por processo estandardizado.Assar Perna limpa Pá limpa 2. vísceras e segmentos abaixo da linha tibio-metatarsica. isento de penas.2.Pernas ou pás Limpas. A cloaca e a porção terminal do intestino não devem fazer parte da carcaça. ou manual correcto.Peru inteiro Devera revelar sinais evidentes de uma sangria perfeita e boa preparação. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 26 . 3 . proveniente de perna limpa. .2 .Serem seleccionadas do cachaço. data da preparação e aprovação sanitária. 5 .1 .4 .CARNE DE CARNEIRO E/OU BORREGO Só pernas e pás limpas provenientes de ovinos adultos (nunca caprinos). 2 .

Apresentação: unidades de 100gr no mínimo. devidamente fragmentadas e adicionadas de aditivos legalmente autorizados. vísceras e segmentos abaixo da linha tibio-metatarsica (patas).Bifes de peru Obtidos exclusivamente por corte dos músculos peitorais. isento de fécula. Cada carcaça deverá ter uma etiqueta com a identificação do produto. 20% de toucinho. penugens ou canudos. O peso médio unitário das carcaças limpas e de 3Kg. devidamente rotulado.Chouriço de carne Constituído exclusivamente por carne e gordura de porco refrigerada. número do centro de abate. isentas de penas.2 . data da preparação e aprovação sanitária. peso unitário médio e de 1Kg. em proporções de carne entre 80% para o tipo “extra” e 70% para o tipo “corrente”. em boas condições de saúde. pescoço. com margem de tolerância de 5%. devidamente rotulado. penugens ou canudos. A cloaca e porção terminal do intestino não devem fazer parte da carcaça.1 . Em estado refrigerado ou congelado.PATO Carcaças provenientes de aves abatidas.Coxas de peru Correspondem aos músculos da coxa e respectivo suporte ósseo. perfurados por eixo metálico com características antioxidantes ou de madeira. pescoço. 8% de pimento verde e 4% de cebola verde. data da preparação e aprovação sanitária. em matadouros oficialmente aprovados. 8. Em estado refrigerado ou congelado. 5. isentas de penas. vísceras e segmentos abaixo da linha tibio-metatarsica (patas). desprovidas de cabeça.5. com margens de tolerância de 5%.PRODUTOS DE SALSICHARIA 8.3 . em matadouros oficialmente aprovados. Apresentam-se no estado refrigerado ou congelado. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 27 . em boas condições de saúde. nome da firma fornecedora. sem fragmentos de ossos ou cartilagens. 6 . sempre como tara perdida. A cloaca e porção terminal do intestino não devem fazer parte da carcaça. Constituídas por 68% de carne de peru. que nunca deverá ser inferior a 72 horas. nome da firma fornecedora.FRANGO Carcaças provenientes de aves abatidas. desprovidas de cabeça. Cada carcaça deverá ter uma etiqueta com a identificação do produto. Devem revelar sinais evidentes de uma perfeita e boa preparação. refrigeradas ou congeladas e devidamente rotuladas. número do centro de abate. isenta de gorduras e aponevroses. Em forma de ferradura ou em “rosário”. Devem revelar sinais evidentes de uma perfeita e boa preparação.4 .Espetadas de peru Pedaços regulares de cerca de 3 a 4cm. gordura entre 20% para o tipo “extra” e 30% para o tipo “corrente”. Apresentam-se no estado refrigerado ou congelado. devendo assumir o aspecto laminado. com sinais evidentes de cura perfeita. 5. seccionados superiormente ao nível da articulação coxo-femural e inferiormente a 2 cm acima da articulação tíbio-társica. Frescas. 7 .

envolvido em película plástica impermeável a água e ao vapor de água. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 28 .O número do centro de inspecção e classificação. gema e clara.OVOS a) Ovo pasteurizado (aplicação geral) – ovo inteiro.8.Tipo. adicionadas de certos condimentos e aditivos legalmente autorizados (sal.5 a 5. constituído por gorduras de porco frescas ou refrigeradas.5 . vinho branco.Designação do produto.2 . com peso de 3.Alheira Enchido corado pelo fumo. desentalado.5Kg e isento de fécula. 8. . 8. pimenta. Não podem permanecer nas caixas de transporte.4 . Podem ser de uma ou mais marcas distintas. devendo ficar bem visível o seu prazo de validade. pão regional transmontano de trigo e azeite de Trás-os-Montes DOP. .Todos estes produtos deverão possuir rótulos com as seguintes indicações: .A marca da empresa ou marca comercial. colorau.Farinheira Enchido corado pelo fumo. Os ovos pasteurizados devem estar armazenados à temperatura indicada pelo fabricante. desossado e sem courato. aderindo totalmente ao fiambre ou “ensacado” em embalagens de matéria inócua aprovada legalmente e fechadas com previa extracção do ar. 8. Em forma de ferradura.Nome do fabricante. .O nome. O peso deve oscilar entre os 170 e 200gr.Localidade e origem do fabricante.O número correspondente a semana de inspecção e classificação.3 .Modo de conservação. . alho e colorau.Fiambre Da perna ou da pá. indicando: .Durabilidade mínima. . . obtido a partir de carne de porco fresca.Categoria. . etc. 8. de comprimento não superior a 35cm.Data de fabrico / lote. b) Ovo em natureza só cozido. .Ingredientes. . Em forma de ferradura.Presunto “Presunto limpo”. . Os pedaços de carne têm de ser perceptíveis.6 . a firma ou a denominação social e domicílio do centro de inspecção e classificação. 9 . condimentado com sal. . de comprimento de cerca de 30cm e com um diâmetro de 2cm. picadas em proporção não inferior a 60% e por farinha de trigo de 1ª qualidade.Classe. Ovos de galinha de categoria A e classe igual ou superior a 4 (NP 175/1986). .).

de modo a que no interior das massas musculares a temperatura seja igual ou inferior a – 18ºC. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 29 .º 5).BACALHAU SECO Do tipo crescido. mero. sendo proibido armazenar qualquer lata depois de aberta. com um mínimo de 5 variedades. pregado. ultracongelados. 12 . como. em latas individuais ou de 2 quilos. peixe-espada branco. lulas. b) Congelado – quando submetido a temperatura da ordem dos -35ºC. nunca perto de produtos que lhes possam transmitir cheiros. c) Grelhar: Solha.2 . com ou sem cabeça. carapau.PESCADO 10. e) Caldeirada: mistura de várias espécies. fragmentadas em pedaços. cherne. dentro das suas caixas de transporte. abrótea e bacalhau.º 3. b) Assar: Pargo legítimo e mulato. por exemplo. 10%.1 . devem ter um rótulo que não seja inutilizado no acto de abertura da embalagem. pargo legítimo. carapau. cherne. carapau. c) Em filetes – quando o pescado e submetido a filetagem. b) Em postas – quando seccionado em postas mais ou menos perpendiculares a coluna vertebral: as postas podem ser abertas ou fechadas. o bacalhau seco. 10. f) Arroz: polvo.Conservação: a) Refrigerado. contendo as indicações citadas anteriormente. em letras perfeitamente legíveis e visíveis. bacalhau. Os ovos devem ser armazenados. de corvina.3. em azeite ou agua. fruta. d) Fritar: Solha. polvo. de pampo e de rabeta. lulas.PASTÉIS DE BACALHAU Devem ser de fabrico industrial. filetes de pescada. pregado. salmão e dourada. corvina.Espécie de pescado e fins culinários: a) Cozer: Pescada (de n. 10.º 3 a n. fragmentadas em pedaços. pescadinhas. de utilização imediata. peixe vermelho. mero. etc. bacalhau. peixe-espada branco. a percentagem de vidrado para os filetes não pode ultrapassar os 30% e a do peixe inteiro ou em postas. pescada n. em local bem ventilado. 10 . besugo. respeitando a legislação em vigor. consoante a região anatómica de onde provem. maruca. mesmo que contenham ovos acondicionados em embalagens pequenas. dourada. tamboril. 13 . 11 .Tipos de apresentação: a) Inteiro eviscerado. com um mínimo de três variedades. cherne. bacalhau e mistura de varias espécies. chocos e bacalhau.As embalagens grandes (mais de 30 ovos).ATUM Atum em pedaços. corvina.

ª qualidade 16 .BATATA Os tubérculos tipo redondo não devem ter diâmetro inferior a 40mm.ERVAS AROMATICAS Frescas.Lentilhas .OLEO VEGETAL REFINADO Óleo de amendoim. 23 .LEGUMES E HORTALICAS Frescos. de qualidade. . congeladas ou desidratadas.FARINHA DE TRIGO De 1ª qualidade. 21 .ARROZ Do tipo agulha (do tipo carolino apenas para a confecção de arroz doce). os de tipo alongado não devem ter o diâmetro inferior a 35mm. congelados ou desidratados. não é permitida a armazenagem destes produtos.MASSAS ALIMENTICIAS Massas de 1.BATATA DESIDRATADA Em embalagens individuais não superiores a dois quilos. 18 .PRODUTOS DESIDRATADOS E LIOFILIZADOS Depois de aberta a embalagem. refinado. ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 30 .Grão . devidamente rotulada Margarina industrial isenta de ácidos gordos trans 25 . 22 .Favas (frescas ou congeladas) .Feijão . 24 . 19 . 20 . em embalagens não superiores a um quilo.AZEITE FINO/ BANHA / MARGARINA . frescas ou congeladas) 17 . 15 .LEGUMINOSAS SECAS De boa qualidade.SALADAS No caso de saladas cruas é obrigatória a utilização de processos de desinfecção adequados.Azeite Virgem Extra Banha pré-embalada.14 .Ervilhas (descascadas.

28 . em quantidade não inferior a 150ml.SAL Higienizado. sendo proibida a sua armazenagem depois de abertas. peso liquida 125gr .6gr .TOMATE PELADO Em latas de 1Kg ou superior.15% de centeio .Levedura ______________________________________________________________________________________________ Caderno de Encargos – Refeições 2009 31 .PÃO DE MISTURA O pão deve possuir a seguinte composição: .LEITE Ultrapasteurizado. 30 – IOGURTE . 27 .4% de sal .Valor nutritivo médio por 100gr: . em sacos de plástico de 1Kg. 29 . em embalagens de litro.0.Proteínas: 3.Agua . de utilização imediata.Iogurte de aromas.NATAS 32 .6gr .Cálcio: 152mgr 31 .GELADO DE LEITE Constituído por leite pasteurizado ou ultra pasteurizado. por dose.5gr . gordo e meio gordo.26 .Gordura: 1.Hidratos de carbono: 9.35% de farinha 65 .Valor energético: 66 Kcal (280 Kj) .35% de farinha 200 .