Universidade Federal do Paraná Engenharia Industrial Madeireira Cálculo Diferencial e Integral I Prof.

Guilherme Augusto Pianezzer

Gabarito Primeira Prova
Questões
Questão 1. Mostre, usando o Teorema do Confronto, que

Para demonstrar esse resultado, pode-se partir da seguinte observação:

Um arco de circunferência de raio unitário. Dessa figura, verifica-se que (1) Onde e representam, respectivamente, a área do triângulo formado pelos vértices OAC e pelos vértices OAG e representa a área do setor circular OAC. Assumindo que corresponde a medida do arco AC, sabendo que a área de cada um dos triângulos é dada pelo produto da base pela altura dividido por dois e que área de um setor circular é dado pelo produto da medida do arco pelo quadrado do raio dividido por 2, então a equação (1) se torna ̅̅̅̅ ̅̅̅̅ Como ̅̅̅̅ ̅̅̅̅ , ̅̅̅̅ , ̅̅̅̅ ̅̅̅̅ ̅̅̅̅ ̅̅̅̅

, então reescrevemos (1) como

Ao manipularmos esta expressão, podemos obter

Isso mostra que a função mais, como

satisfaz uma das condições do teorema do confronto. Além do

O teorema do confronto nos permite concluir que

Calcule o seguinte limite:

Este limite pode ser resolvido fazendo mudança de variável. Uma das mudanças possíves é considerar Para esta mudança, quando e Assim,

Questão 2. A concentração de um fármaco na corrente sanguínea de um paciente horas após a injeção é ( ) Em mg/cm³. Qual é a concentração do fármaco neste paciente após 2 horas? Essa concentração é dada por ( ) Qual será a concentração do fármaco a longo prazo? Justifique sua resposta. Para uma análise da concentração do fármaco a longo prazo, deve-se entender o que acontece com ( ) quando , ou seja ( ) ( Como ( ) )

Então ( )

O que indica que a tendência é que o fármaco deixe de estar presente na corrente sanguínea do paciente. Questão 3. A quantidade de oxigênio de um lago dias após despejarem detritos orgânicos é de ( ) Por cento do nível original. Use o teorema do valor intermediário para concluir que houve um instante em que a quantidade de oxigênio no lago foi de 80%. (Dica: Calcule ( ) e ( )) Usando a dica, obtém-se que ( ) ( ) ( ( ) )

Segundo o teorema do valor intermediário, uma função contínua que assume valores, ( ) ( ), em extremos de um intervalo, , também assume qualquer valor ( ) entre ( ) e ( ) para algum entre Ou seja, se uma função contínua teve, em algum momento, uma certa imagem, para que em um outro momento esta função apresente uma outra imagem ela terá que, obrigatoriamente, ter todos os valores intermediários para algum valor do domínio. A função desta questão é contínua, pois funções polinomiais são contínuas e divisão de funções polinomiais (Com denominador diferente de zero, o qual é o caso) também o são. Logo, essa função satisfaz o teorema do valor intermediário e se em um instante a quantidade de oxigênio no lago foi de 100% e em outro instante a quantidade de oxigênio no lago foi de 75%, então houve um instante que a quantidade de oxigênio foi de 80%. Em quais instantes a quantidade de oxigênio foi de 80%? Pergunta-se para qual , ( ) Ao utilizar esta informação na expressão dada, chega-se a uma equação do segundo grau cuja solução é ( √ )

Questão 4. Resolva os seguintes limites, justificando cada técnica utilizada:

Para resolver este limite, fatora-se o numerador ( ( )( ) )

Como este limite é um resultado apresentado na vizinhança de se simplificar este resultado obtendo: ( E √ )

(E não em

), pode-

Para este limite, usa-se a técnica de multiplicação pelo conjugado: (√ ) (√ (√ ) )

Essa multiplicação não altera o resultado do limite por tratar-se de uma multiplicação pelo elemento neutro da multiplicação (O número 1) escrita de uma maneira conveniente. Desenvolvendo: ( (√ ) ) √

Questão 5. Defina função contínua e discuta sob quais condições uma função não é contínua. Uma função é contínua quando satisfaz as seguintes condições: (1) A função é definida para (2) O limite da função existe para (3) O limite da função em é igual o valor da função em Quando umas das situações acima é falsa, a função não é contínua.