TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA PARAÍBA

PROCESSO TC 05577/00
Inspeção Especial. Câmara Municipal de Juru. Gestão de Pessoal. Pedido de parcelamento de multa – não deferimento. Verificação do cumprimento do item b do Acórdão AC2 TC 778/00 - cumprimento. Arquivamento.

ACÓRDÃO AC1 TC 01308/2013
RELATÓRIO O presente processo cuida de Inspeção Especial referente à gestão de pessoal da Câmara Municipal de Prata, exercício de 1999. Inicialmente, cumpre mencionar que a Resolução RC2 TC 149/02, publicada no DOE de 15/10/2002 (fls. 247/250) aplicou multa de R$ 812,30 ao Sr. Francisco de Sales Pessoa, em virtude do descumprimento da Resolução RC1 TC 142/00. Em 15/01/2008, o Sr. Francisco de Sales Pessoa solicitou o parcelamento da multa que lhe foi aplicada, não tendo apresentados documentos (fls. 361/363). Ademais, também apresentou defesa a esta Corte o Sr. Silvino Alves de Lima, referente ao Acórdão AC2 TC 778/05, item b (fl. 338), que lhe assinou prazo para, na qualidade de Presidente da Câmara Municipal de Juru, restabelecer a legalidade quanto ao não pagamento do 13º salário aos servidores da câmara no exercício de 2009. A Auditoria desta Corte, em Relatório às fls. 374/375, concluiu pelo não conhecimento quanto ao pedido de parcelamento de débito feito pelo Sr. Francisco de Sales Pessoa, uma vez que requerido fora do prazo previsto na Resolução TC nº 05/95, e reitera o entendimento da Corregedoria quanto à aplicação de multa ao ex-presidente da Câmara Municipal de Juru, Sr. Silvino Alves de Lima.
_________________________________________________________________________________
ACAL

Em seguida, os autos tramitaram pelo Ministério Público de Contas que, em Parecer da lavra do Procurador André Carlo Torres Pontes (fls. 376/377), pugnou: 1. No que se refere ao parcelamento da multa requerido pelo Sr. Francisco de Sales Pessoa, preliminarmente pelo seu não conhecimento, em face de sua intempestividade ; e, no mérito, caso lhe seja dado conhecimento, pelo não provimento, ante a incomprovada situação financeira precária do requerente. 2. Quanto à pretensão do Sr. Silvino Alves de Lima, pelo acolhimento da defesa para declarar justificada a determinação contida no Acórdão AC2 TC 778/05, item b.

É o relatório, tendo sido realizadas as notificações de estilo.

VOTO DO RELATOR

Considerando os pronunciamentos do Órgão Auditor e do Parquet Especial, este Relator vota pelo não deferimento do pedido de parcelamento de multa requerido pelo Sr. Francisco de Sales Pessoa. Ademais, destaca que, conforme informa a Auditoria às fls. 375, o Ministério Público Estadual já foi notificado para propositura da competente Ação de Cobrança, nos termos do art. 71, § 4º da Constituição Estadual (fl. 347), configurando, pois, que a jurisdição desta Corte encontra-se esgotada. No tocante ao cumprimento da decisão consubstanciada no item b do Acórdão AC2 TC 778/05, este Relator, acompanhando, in totum, a manifestação do Ministério Público de Contas, vota pelo acolhimento da defesa apresentada pelo Sr. Silvino Alves de Lima para declarar justificada a determinação contida naquele decisum. Determina-se, outrossim, o arquivamento dos presentes autos. É o voto.

_________________________________________________________________________________
ACAL

DECISÃO DA 1ª CÂMARA DO TCE/PB Vistos, relatados e discutidos os autos do PROCESSO TC 05577/00, ACORDAM os MEMBROS da 1a. CÂMARA do TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA PARAÍBA (TCE-PB), à unanimidade, na sessão realizada nesta data, em: 1. Não deferir o pedido de parcelamento de multa requerido pelo Sr. Francisco de Sales Pessoa, no montante de R$ 812,30, decorrente da Resolução RC2 TC 149/02; 2. Declarar cumprida a determinação do item b do Acórdão AC2 TC 778/05; 3. Determinar o arquivamento dos autos.
Publique-se, intime-se, registre-se e cumpra-se. Sala das Sessões do TCE-PB – Plenário Ministro João Agripino. João Pessoa, 23 de maio de 2013.

______________________________________________ Conselheiro Arthur Paredes Cunha Lima Presidente da 1ª Câmara e Relator

______________________________________________ Representante do Ministério Público junto ao Tribunal

_________________________________________________________________________________
ACAL