São Paulo, 17 de Junho.

Ao Exmo. Sr. Governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin Cc.: Ao Ilmo. Secretário da Secretaria de Estado dos Negócios da Segurança Pública, Sr. Fernando Grella Vieira Ref.: Carta de repúdio à atuação da Polícia Militar do Estado de São Paulo

Repudiamos e condenamos as agressões policiais injustificáveis ocorridas nesses últimos dias, durante a manifestação do Movimento Passe Livre, principalmente, na noite desta quinta-feira, 13 de junho. As agressões ocorreram durante um protesto pelas ruas da capital paulista, enquanto os manifestantes lutavam contra o aumento das tarifas do transporte público, bem como pelo direito de livre manifestação e de ir e vir. A passeata, que teve início no Teatro Municipal e seguia de forma totalmente pacífica, com manifestantes distribuindo flores, foi interrompida de maneira desproporcional pela Polícia Militar na Rua da Consolação, na altura da Praça Roosevelt, aonde o protesto iria se encerrar. Truculenta, violenta e despreparada, a polícia formou um cerco e impediu a ocupação da Praça, dando início a agressões com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os jovens que estavam na passeata, atingindo também a população que passava pelo local. Conforme se verificou pelo depoimento de diversos estudantes, que participaram da manifestação, a ação criminosa da PM do Estado de São Paulo colocou em risco a integridade física não apenas dos integrantes da passeata, mas também do povo paulistano. Não é de hoje que a polícia trata com violência e criminaliza os movimentos sociais. Atos isolados de vandalismo, dentro de uma passeata de mais de cinco mil pessoas, não são justificativa para o clima de terror que a PM tem imposto aos legítimos protestos contra o aumento da tarifa na capital paulista.

Diversas pessoas foram presas pelo simples fato de portar vinagre, o que não se enquadra em nenhum tipo penal. Além disso, ocorreram as inconstitucionais prisões para averiguação, demonstrando um total despreparo e desconhecimento por parte da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Por tais circunstâncias, solicitamos ao Sr. Governador e ao Sr. Secretário de Segurança Pública que tomem as necessárias providências para que esta cena não se repita, que apurem os abusos cometidos pela PM e responsabilizem os culpados.

Catarina de Moraes Pellegrino Presidente do Centro Acadêmico João Mendes Jr.

Alexandre Rebelo Ferreira Presidente do Centro Acadêmico XI de Agosto

Giulio Falcochio Proietti Presidente do Centro Acadêmico 22 de Agosto

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful