You are on page 1of 11

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROPOSTA INICIAL

Capim Grosso Junho de 2013

Equipe Técnica ii .

pois irá preservar o meio ambiente e gerar renda. Com o advento da Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos. O Programa prevê a realização de Diagnóstico dos Resíduos Sólidos. a caracterização dos resíduos e as formas de destinação e disposição final adotadas.Apresentação A XXXXXXXXXXXXXXX. Bem como os procedimentos operacionais e especificações mínimas a serem adotadas no manejo de resíduos sólidos para a Coleta Seletiva. pautada no desenvolvimento sustentável. o volume. O programa demonstra ser um grande avanço para o município de XXXXX. por conseguinte da gestão dos resíduos sólidos. este Programa vem para atender aos ditames e à nova sistemática trazida pela mesma. iii . e segregação em galpão de triagem. O Programa apresentado a seguir demonstra o quão desafiador é o futuro para a implantação da coleta seletiva e. apresenta o Programa de Coleta Seletiva e Reciclagem. contribuindo para o desenvolvimento social. contendo a origem. incluída a disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos.

Introdução ______________________________________________________________ 5 2. Objetivo do Programa _____________________________________________________ 7 5. Características do município ________________________________________________ 7 4.Sumário Apresentação ______________________________________________________________iii 1. A questão dos Resíduos Sólidos Urbanos – RSU ________________________________ 6 3. Referência Bibliográfica __________________________________________________ 11 4 . O Programa de Coleta Seletiva e Reciclagem __________________________________ 7 6. Considerações Finais ____________________________________________________ 11 7.

Neste cenário a coleta seletiva e reciclagem dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) se apresentam como uma ótima alternativa para a gestão dos resíduos sólidos. pois além de dar uma destinação adequada aos resíduos.PROGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA 1. derivados desse aumento de consumo. número de habitantes poder aquisitivo entre outros critérios. gerando proteção a saúde pública e economia dos recursos naturais. A lei da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (Lei 12. A degradação ambiental traz prejuízos. A maior complexidade refere-se ao destino final dos resíduos sólidos. como e onde destinar os resíduos sem agredir o meio ambiente? Esta é a questão que a sociedade deve responder. preservando o meio ambiente. a coleta seletiva traz benefícios direto à economia do município.305/2012) veio para nortear a gestão de resíduos sólidos na busca de solução do problema em questão. considerado como aspecto essencial e condicionante na sociedade moderna. esta questão tem causado problemas de ordem social e ambiental. Sua composição varia de acordo com aspectos socioeconômicos como hábitos e costumes da população. na grande maioria das vezes irreparáveis ao ecossistema e consequentemente a toda a sociedade. 5 . Introdução É crescente a preocupação com a proteção e conservação do meio ambiente no panorama mundial. com a geração de renda para as pessoas envolvidas na operação que se transforma em consumo local e na geração adicional de tributos. atualmente o problema que vem ganhando destaque é a questão dos resíduos sólidos. com reflexos econômicos para a sociedade em geral. Os resíduos sólidos são materiais heterogêneos resultantes das atividades humanas e da natureza podendo estes ser parcialmente utilizados.

” Neste cenário a coleta seletiva e reciclagem. é sempre importante frisar. se apresentam como alternativa ambientalmente adequada para destinação dos RSU. tiveram destino impróprio. A coleta seletiva foi definida na Lei Federal 12. nos estados sólido ou semissólido. a reciclagem ensina a população não desperdiçar. por consequência. 6. 2010). Cada brasileiro produz. 2011) o Brasil gerou no ano de 2011. aproximadamente.305/2010. para os envolvidos do processo. para o correto entendimento da informação apresentada. devendo ser implantada pelos municípios como forma de encaminhar às ações para a destinação ambientalmente adequada dos RSU. os resíduos sólidos são definidos como: “material. As iniciativas de coleta seletiva ainda são poucas e tímidas. A destinação adequada dos resíduos sólidos é um dos grandes problemas enfrentados nas cidades brasileiras. na Bahia apenas 30. como: “coleta de resíduos sólidos previamente separados de acordo com sua constituição e composição”. se propõe proceder ou se está obrigado a proceder. bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d’água.305/2010 (BRASIL.4 milhões de toneladas deixaram de ser coletadas no ano de 2011 e. com a venda dos materiais recicláveis. mais de 61 milhões de toneladas de RSU. 1. aproximadamente.3% dos municípios tem alguma iniciativa de coleta seletiva. os quais não possuem o conjunto de sistemas e medidas necessários para proteção do meio ambiente contra danos e degradações. Segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos. mas a ver o lixo como algo que pode ser útil e não como ameaça (SCARLATO. além de geração de renda. 1992). os demais RSU coletados são dispostos em aterros controlados e lixões. ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível. A questão dos Resíduos Sólidos Urbanos – RSU Segundo o Panorama dos Resíduos Sólidos 2011 (ABRELPE. que em muitos municípios as atividades praticadas de coleta seletiva não abrangem a totalidade de sua área urbana.9% são recicláveis.223 quilos de lixo por dia. podendo estar restritas à disponibilização de pontos de entrega voluntária ou por meio de cooperativas de 6 . Adotar a reciclagem significa assumir um novo compromisso diante do ambiente. De todo RSU gerado 31.1% dos RSU coletados tendo destinação ambientalmente correta. Quando se analisa a nível estadual este percentual é ainda mais preocupante.2.8% dos RSU vão para aterro sanitário (ABRELPE. 2011). E. objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade. Como proposta de educação ambiental. Lei Federal 12. sendo 58. no nordeste apenas 36. substância. a cuja destinação final se procede. sendo que destes. o aterro sanitário. conservando-o o máximo possível.

com o intuito de atender a Política de Resíduos Sólidos. dando destinação adequada aos resíduos sólidos. Sendo que todas elas possuem detalhes muito importante. pois se reduz a extração de matéria-prima direto da natureza. Além de solucionar um problema.catadores para a execução dos serviços. O Programa de Coleta Seletiva e Reciclagem A implantação do programa de coleta seletiva e reciclagem englobarão três etapas: 1) Planejamento. 4. A reciclagem é uma forma de reintroduzir o lixo no processo industrial. (ABRELPE. A experiência brasileira demonstra que muitos Programas não se consolidaram por falta de conhecimento prévio adequado de seus mentores sobre o cenário e os atores da ação proposta. 2) Implantação e 3) Manutenção. 3. e reduzir os consumos de energia elétrica e de água. Falharam também ao esperarem adesão total do público e mudanças de hábitos da 7 . geração de emprego e renda. em muitos municípios não é o gestor público que implanta a coleta seletiva. 2011). de maneira que a implantação do sistema traga diversos benefícios ambientais e sociais dentre eles a destinação adequada dos resíduos. e educação ambiental da comunidade. pois uma das principais razões para o sucesso de programas desse tipo é a participação e o envolvimento do maior número de pessoas. analisando sobre tudo questões relacionadas a geração. Características do município Descrição das características gerais do município em questão. 5. Ou seja. Objetivo do Programa O Programa de Coleta Seletiva e Reciclagem tem como o objetivo a implantação da coleta seletiva no Município de XXXXXX. coleta e destinação dos resíduos sólidos. A reciclagem dos resíduos sólidos se apresenta como o grande ganho ambiental e econômico. O primeiro passo é buscar parcerias com as secretarias municipais e sociedade civil organizada que estejam interessadas em contribuir com o programa.

e ainda muitos deles esbarraram na falta de mecanismos ou mercado para escoar os materiais recicláveis coletados (FUNASA.noite para o dia. 8 . 2006).

estabelecer a periodicidade da coleta de acordo com a necessidade do local. onde vai ser estocado o material. higiene e segurança. Projeto de Educação ambiental: deve-se elaborar um projeto de educação ambiental englobando todas as atividades de informação. inclusive os mais difíceis de comercializar. Mapear o mercado dos recicláveis: os preços.ETAPA 1: Planejamento Nesta etapa. identificar os compradores e na região ou instituições que recebam o material que será coletado. pra que estes possam atuar junto à população apresentando o Programa de Coleta Seletiva. buscar parcerias e observar alguns aspectos indispensáveis como:  Conhecer o potencial da região e da comunidade: quantidade e composição gravimétrica dos resíduos gerados. como vai ser o caminho dos recicláveis. desde o local onde é gerado até o local da estocagem e os recursos materiais necessários. Tanto os resíduos gerados na zona urbana quanto na zona rural. 9       . Porém deve-se deixar claro no planejamento operacional quem e como vai fazer a coleta. seus benefícios ambientais e sanitários e apresentar como será prestado o serviço. o fluxo do lixo. Buscar parcerias com a Secretaria Municipal de Saúde: deve ser firmada cooperação. desde a sua produção até o destino. Identificar o local de armazenamento e triagem: deve ser identificada uma área para construção do galpão de triagem e pátio para compostagem fora do centro urbano. sensibilização e mobilização de todos os segmentos envolvidos. possibilitando que os agentes de saúde. para quem vai ser vendido e/ou doado o material. para isso será preciso um trabalho de observação para constatar o volume de cada material e apurar a frequência com que os mesmo serão retirados. Elaborar a parte operacional do Programa: o programa será implantado na zona rural e urbana de XXXXX e devem coletar todos os materiais. de controle de vetores e vigilância sanitária (Programa de Saúde da Família. Buscar parcerias com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social: deve-se buscar parcerias para identificar e quantificar catadores de material reciclável e/ou famílias em vulnerabilidade social para serem inseridas no programa de coleta seletiva como agentes ambientais na triagem do material e demais atividades do galpão de triagem através da formação de uma cooperativa. atendendo as condições necessárias de tamanho. Programa de Combate à Dengue e outros). Com isso obter o envolvimento da população e possibilitar a institucionalização da presença dos catadores. devem-se elaborar um diagnóstico da situação dos resíduos sólidos do município.

Planejamento do Funcionamento do Galpão: Deve-se planejar juntamente com as pessoas envolvidas no programa como será o funcionamento interno do galpão. Apresentar o mercado dos recicláveis. sua importância e benefícios.       10 . observando alguns aspectos indispensáveis como:  Construção do galpão de armazenamento e triagem em local adequado: o galpão de ser planejado de forma a atomizar o fluxo de entrada e saída dos resíduos. como prensa e balança. Projeto de Educação ambiental: desenvolver as atividades proposta no referido projeto. quantidade de pessoas necessárias e função de cada pessoa. Buscar parceria das Associações de Produtores Rurais: As associações funcionam como multiplicadores para a divulgação do projeto e obter o envolvimento da população rural. E como podem participar do programa de coleta seletiva. Palestra informativa para as Associações de Moradores: Apresentar o Programa de coleta seletiva e reciclagem. Treinamento para os agentes de Saúde: Apresentar o Programa de coleta seletiva e reciclagem. Desconstruir a ideia de lixo e construir a ideia de material reciclável.  ETAPA 2: Implantação Nesta fase deve-se colocar em prática tudo o que foi planejado na fase anterior. E como podem ser inseridas no programa de coleta seletiva incentivando a formação de uma cooperativa. além de instalar os equipamentos. Palestra informativa para os catadores e as famílias que participarão do programa: Apresentar o conceito e a importância do cooperativismo. Apresentar o Programa de coleta seletiva e reciclagem. Desconstruir a ideia de lixo e construir a ideia de material reciclável. horário. sua importância e benefícios. Buscar parcerias e convênios com Órgãos e Entidades de ensino e pesquisa: estes tipos de parcerias possibilitam o aperfeiçoamento do programa. Para que estes possam atuar junto à população. Desconstruir a ideia de lixo e construir a ideia de material reciclável. disposição de equipamentos. sua importância e benefícios. Visitar outras cooperativas: identificar as dificuldades enfrentadas e trocar experiências.

11 . FUNASA 2006. Importante salientar que. nos tópicos planejamento. A coleta seletiva se apresenta como importante instrumento de gestão. pois além de solucionar um problema ambiental. Buscar parcerias e convênios com Órgãos e Entidades de ensino e pesquisa: Estimular trabalhos de extensão promovidos pelas instituições conveniadas. Também deve-se fazer as atividades contínuas de informação. Sérgio de Almeida. RODRIGUES. sociedade e educação. cons. 1ª Reimpressão – Brasília. de uma maneira geral. Francisco Capuano. Acesso em: 12 de junho de 2012. 1992. a dificuldade encontrada pelos municípios em gerir os seus resíduos. da venda e/ou doação dos materiais. se possível até setorizado. o levantamento das quantidades coletadas. Do nicho ao lixo: ambiente. sensibilização e incentivos e o balanço do andamento e resultado do programa 6. haja visto. – Série meio ambiente (p. FUNASA. implantação e manutenção serão detalhados com estimativas de custos.wordpress. Considerações Finais Programas de coleta seletiva estão cada vez mais importantes na sociedade atual. Ver. PONTIN. 7. 3ª Ed. São Paulo: Atual. Disponível em: < http://ecoturmaunip. gera também um impacto social positivo através da geração de renda e trabalho para pessoas de baixa renda.com/fichamentos/scarlato-francisco-capuano-do-nicho-aolixo-ambiente-sociedade-e-educacao/>. Manual de saneamento. Referência Bibliográfica SCARLATO. 2-109). este material se apresenta como um resumo do que deverá constar no projeto de coleta seletiva voltado para o município. ETAPA 3: Manutenção Essa etapa consiste em fazer o acompanhamento e gerenciamento da coleta. Joel Arnaldo. em que na versão final todos os itens citados anteriormente. do armazenamento. como os catadores.