You are on page 1of 8

Disciplina: Tópicos Avançados em Comunicação Professora: Valéria Texto 2 Economia da Colaboração Conteúdo: • • Ambientes Virtuais Bens públicos e bens

digitais

Referências bibliográficas: NIELSEN, Jakob. Participation inequality: encouraging more users to contribute. Disponível em: <hhtp://www.useit.com/alertbox/participa tion_inequality.html>. Acesso em: 13 mar. 2008. SPYER, Juliano. Conectado: o que a internet fez com você e o que você pode fazer com ela. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

1

online. favores etc. Introdução Por que as pessoas oferecem gratuitamente. a economia de doação envolve uma necessidade subentendida de retribuição em algum momento no futuro. lealdade. sem a expectativa de retribuição direta e imediata. comunidade e trocas.No entanto. Os intercâmbios são de bens ou serviços de valor comparável: apoio político. . informações que custam caro fora da rede? Quais são os fatores que favorecem ou dificultam a emergência da cooperação.1. “Na economia de doações.Trocas online acontecem dentro de um modelo econômico conhecido como economia de doação. as trocas de presentes ocorrem geralmente em contextos culturais onde existe uma expectativa de retorno ou de que a dádiva seja passada adiante de alguma maneira. 2 . particularmente em ambientes virtuais? Para Howard Rheingold: .” A Figura 1 mostra uma comparação entre a economia de mercado e a economia de doações. no qual ajuda e informações são oferecidas como favores ou presentes.

Segundo pesquisa feita por Nielsen (2006). No entanto. 3 . enquanto 9% dos usuários realizam uma pequena participação e 1% são responsáveis por quase todas as ações do espaço (Figura 2). . ocorrem da forma desejada. nas comunidades virtuais. . nem sempre as trocas. a economia da colaboração. -O grupo tem uma dívida com ela. por mais que haja a criação de redes sociais. algum outro participante irá ajudá-la quando surgir a necessidade.No futuro. de grupos online. . mas a um grupo.Figura 1 – Economia de mercado x Economia de doações Ambientes virtuais Os ambientes virtuais apresentam algumas especificidades: .A reciprocidade entre dois indivíduos específicos é difícil.Uma pessoa ajuda outra. 90% dos usuários ficam “espiando” (lurkers) e nunca participam. presentes “informais” e aconselhamentos não são dados a indivíduos.Nos ambientes virtuais.

Figura 2 – Porcentagem de participação dos usuários em comunidades virtuais Mas. como foi dito. como vimos na aula sobre mídias sociais e redes sociais que cada vez mais as pessoas estão conectadas e participando na rede (Figura 3). fato é. apesar de boa parte dos participantes das comunidades virtuais ser constituída de lurkers. E o Brasil. não fica atrás. Figura 3 – Comparação da participação dos internautas entre os anos de 2008 e 2009 4 . como mostra a Figura 4 sobre a participação de brasileiros no Twitter.

5 .

Figura 4 – Participação dos brasileiros no Twitter 2. mas nomeado como bem não-rival. Bens públicos e bens digitais Segundo Kollock. esse mesmo princípio aparece.Não é excludente. Possui duas características fundamentais: . bem público refere-se a qualquer coisa que alguém produz e que fica disponível para que todos se beneficiem. 1 Em nossa aula sobre Direito Autoral. independente de ter ou não contribuído para sua existência.Ele é indivisível1 no sentido de que seu consumo por uma pessoa não reduz a sua quantidade disponível para outras. pois qualquer um poderá usufruir dele. 6 . .

2007. o que significa que é possível produzir um número infinito de cópias perfeitas de um pedaço de informação [. Além das motivações que levam as pessoas a participarem. 7 .. Sendo assim.E há vários elementos para o oferecimento desses bens públicos: . 34). . e cada uma dessas características motiva mudanças importantes.. -Identidade– nomes ou apelidos -Karma – comprometimento dos usuários com o grupo -Arquivo de busca – pesquisa para avaliar a contribuição dos usuários quando estes pedem ajuda 2 Termo que denomina internautas que são produtores e consumidores de informação. É um mundo de informação ao invés de objetos físicos.]. ou motivações. O espaço de troca é uma (1) rede (2) de informação (3) digital. Além disso.Motivação – fazer o indivíduo produzir e não somente consumir informação (diminuir a presença dos lurkers e aumentar a de prosumers2).Incentivo moral – percepção de que o que eu faço é importante para o grupo.Prestígio – informação de qualidade = prestígio. .Reciprocidade – ajudo hoje e depois serei ajudado.Incentivo social – laços que unem as pessoas nas comunidades virtuais. essa informação não está produzida em isolamento. os estímulos. finalmente. .” (SPYER. que levariam uma pessoa a participar dessas comunidades e produzir bens digitais seriam: . temos algumas diferenças: “Comunidades online existem em ambientes radicalmente diferentes. E. as comunidades virtuais precisam apresentar algumas funcionalidades que possam medir a reputação dos usuários interessados em receber ajuda no futuro (reciprocidade) e interessados em prestígio. Quando falamos de bem digitais produzidos por comunidades virtuais. − Coordenação – além da produção. um bem público sempre exige o trabalho de coordenação. p. mas em uma rede de atores profundamente entrelaçada. a informação é digital.

-Comentários – troca de informações.Registro de aproveitamento. seus interesses. Agora que conhecemos à Economia da Colaboração. ou seja. o sistema deve dar algum feedback para os usuários como número de pessoas que baixou seu texto. sua participação faz diferença dentro do ambiente. favorece a criação de redes dentro de uma comunidade. ou seja. número de seguidores etc. . Convido-os à assistirem ao filme “Era da Colaboração” (disponível no ambiente da aula) e depois a participarem do fórum da aula. . temos aqueles elementos das comunidades virtuais que auxiliam os interessados em criar vínculos sociais no ambiente virtual: . Bons estudos! Tutor 8 .Participação simplificada – a interface deve ser amigável para estimular as contribuições e a navegação. -Interessados em estímulo moral. Veja a descrição desta atividade na sala EAD da disciplina.Perfil – saber quem é a pessoa. feedback Por fim.