You are on page 1of 10

ESTRUTURA DA PERSONALIDADE (Bergeret) • A noção de estrutura de personalidade corresponde a um estado psíquico constituído pelos elementos psíquicos fundamentais (bases

constantes), fixados em um conjunto estável e definitivo, sobre as quais se estabelece o funcionamento psíquico de um sujeito. • A estrutura de base da personalidade corresponde a um arranjo estável e definitivo dos seguintes elemetos psíquicos fundamentais: o mecanismos de defesa, o um modo seletivo de relação de objeto, o um certo grau de evolução libidinal o pontos de Fixação da Libido o um certo grau de evolução do ego, o uma atitude frente a realidade, o um uso bastante invariado dos processos primário e secundário. • Para Freud, no desenvolvimento psicossexual, quando o funcionamento psíquico de um indivíduo houvesse estabelecido um grau de organização equivalente a um arranjo dos mecanismos psíquicos fundamentais não haveria mais variação possível. • Freud considera personalidade: três estrutuas de base da

• Assim. e o sujeito de estrutura psicótica senão uma psicose. o as circunstâncias de vida do sujeito na sua vida adulta. a estrutura da personaldiade seguirá as linhas preestabelecidas pelos elementos psíquicos fundamentais que a constitue. Freud indica que ao desompensar-se (quebrar-se). • As duas primeiras séries compõem a disposição da cada ser humano. sua estruturação neurótica ou psicótica. mas não são determinantes a priori de qualquer .o Estrutura Neurótica. o as experiências dos primeiros cinco anos de vida. o Estrutura Psicótica o Estrutura Perversa. As Séries Complementares • Freud estabelece três séries complementares como fatores coadjuvantes na etiologia do adoecimento psíquico: o a disposição constitucional. um sujeito de estrutura neurótica não poderá desenvolver senão uma neurose. • Usando a metáfora do princípio de cristal.

• de levar satisfatoriamente em conta a realidade. • Quando um sujeito (independente da estrutura: .distúrbio que a pessoa possa vir a ter. na sua relação dialética com a disposição. o normal seria um sujeito não teria encontrado. em seu caminho: o dificuldades internas e externas superiores a seu equipamento afetivo hereditário e adquirido. O NORMAL • Para Freud. tem que ocorre uma frustração (privação libidinal) na atualidade da vida do indivíduo que coloque em movimento uma regressão a organizações da libido a que se haviam renunciado na infância. o E as suas faculdades defensivas e adaptativas permitiriam um arranjo (acomodamento) tanto em um plano pessoal como em um plano social: • de suas necessidades pulsionais. e é fundamental na formação dos sintomas. • a terceira série complementar está relacionada com os acidentes e acontecimentos que a vida oferece. o Para que surja um sintoma. • de seus processos primário e secundário.

As relações com os pais e também as relações com todos os membros do contexto social e educativo são fundamentais. organizado e não adoece. 2. a traumas afetivos.neurótica ou psicótica) não está submetido a provas interiores ou exteriores demasiado fortes. Gênese da estrutura base da Personalidade • De uma forma geral.  Progressivamente o psiquismo organiza-se. o Eu começa a se distingue do Não-Eu. segundo um arranjo dos seus elementos . a evolução psíquica do sujeito em direção a uma estrutura de personalidade estável processa-se da seguinte forma: 1. a frustrações ou a conflitos demasiado intensos. ele se mantém estável.  O Eu vai tentando controlar as dificuldades criadas tanto pela realidade como pelas pulsões. o estado inicial da criança é de indiferenciação psicossomática  Pouco a pouco.  As defesas começam a organizar-se de forma cada vez mais estável.

o atitude frente a realidade. • grau de evolução do ego. o principais mecanismos de defesa. A linhagem estrutural psicótica . o modo de expressão habitual do sintoma. (pré-organização 3. o de um certo grau de evolução libidinal • Pontos de Fixação da Libido • modo de relação de objeto.psíquicos fundamentais neurótica ou psicótica). chega-se a uma verdadeira estrutura da personalidade que já não se poderá modificar. AS ESTRUTURAS DE BASE • A tentativa de classificação psicanalítica das estruturas mentais está centrada em quatro fatores: o natureza da angústia latente. o uso bastante invariado dos processos primário e secundário.Em um terceiro momento.

o frieza afetiva. o O conflito leva a uma negação da realidade que tenham-se tornado demasiado frustrante. na morte por estilhaçamento. originando-se essencialmente do pólo materno. • Sérias fixações durante a fase oral ou durante a primeira parte da fase anal (expulsiva). o Mãe autoritária. o A angústia está centrada na fragmentação. • O conflito subjacente é causado pelas necessidades pulsionais em face à realidade. o uma impossibilidade. o atitude simbiótica. • A estrutura psicótica corresponde a uma falência da organização narcísica primária. encontra-se de saída fragmentado. . de se constituir como objeto distinto da "mãe". para a criança.• Tem no início frustrações muito precoces. ou então enfraquecida. o O ego jamais está completo. necessidade de total dependência de seu filho em relação a ela. • A atividade sintética do ego encontra-se abolida nos casos extremos.. na destruição.

tornarse indispensável para a manutenção da vida por meio da reconstrução de uma nova realidade.o Quanto mais o sujeito de estrutura psicótica se encontrar ameaçada. mais prevalecerá nele o processo primário. • Os principais mecanismos de defesa psicóticos são: o Negação da realidade. o O processo primário leva o funcionamento mental a sair do controle da realidade para tender à alucinação dos desejos. ESTRUTURA NEURÓTICA • Primeira etapa: pré-estruturação: o sem frustrações precoces demasiado . o Clivagem do eu – duas atitudes contraditórias no ego. outra. em detrimento do funcionamento sob o processo secundário. uma que consiste em recusar a realidade. em aceitá-la (dois mundos: o real e o delirante). com a negação da realidade. o O delírio. o Projeção – modo de defesa primário pelo qual o sujeito projeta num outro sujeito ou num objeto desejos que provêm dele.

o sem fixações pré-genitais demasiadamente severas. • A angústia específica das organizações neuróticas refere-se à castração. o acesso à triangulação genital. • O ego está completo na estrutura neurótica. • O conflito neurótico situa-se entre o superego e as pulsões e desenrola-se no interior do ego.  Na estrutura histérica de conversão: temor de ver realizar-se uma atuação .  Na estrutura obsessiva: temor da descoberta dos pensamentos e desejos eróticos e agressivos.  Na estrutura histérica de angústia: medo de que o pensamento se realize.  O segundo subestágio anal (retentivo) e o estágio fálico são superados sem grandes dificuldades.  o Édipo começa a pré-organizar a futura estrutura sob o primado do genital.intensas.

em caso de acidente mórbido. o outros mecanismos podem vir em auxílio deste recalcamento conforme as variedades neuróticas: Na estrutura obsessiva: isolamento. A estrutura histérica Recalcamento de angústia: conversão: • O princípio do prazer sempre fica mais ou menos submetido ao controle do princípio de realidade. • A defesa neurótica característica é o recalcamento (Verdrãngung). • A regressão neurótica. • A relação de objeto neurótica realiza-se segundo um modo plenamente genital e objetal. diz respeito à libido mais que ao ego. . • A regressão neurótica jamais atinge o nível das regressões pré-genitais das estruturas psicóticas. deslocamento. anulação. formação reativa. Na estrutura histérica de deslocamento.interditada. a evitação.

Quadro 2. Desenvolvimento da libido e nosologia .