You are on page 1of 12

Apontamentos de Psicologia

PSICOLOGIA SOCIAL A psicologia social tem como objectivo os processos psicológicos que têm origem no grupo. Desde o nascimento até à morte o ser humano está marcado e marca a sociedade em que se encontra inserido. É difícil entender o comportamento humano sem ser num contexto social, em interacção com os outros. Ser aceite pelos outros, ter um grupo de pertença com afinidades e padrões de comportamento comuns, ocupar um lugar na sociedade são fortes motivações sociais que determinam a vida de cada um. Inerente a este viver na sociedade, o indivíduo submete-se a normas, a padrões de conduta, ao sistema de valores. A necessidade de ser aceite, de se integrar são alguns factores que o levam a submeter-se às diferentes formas de pressão social. É o conjunto dos processos complexos inerentes à interdependência do indivíduo e da sociedade que constitui o objecto da psicologia social. O Homem como ser social: É a capacidade de o ser humano se adaptar ao meio, transformando-o, que o distingue dos outros animais. Enquanto estes são dotados de mecanismos biológicos, por exemplo, que os defendem do frio, o ser humano teve de construir abrigos, produzir roupas que o protegessem das temperaturas extremas e intempéries. Para assegurar a sua sobrevivência, desenvolveu acções sobre o meio e das quais resultou tudo o que nos rodeia. É a fraqueza biológica que obriga o ser humano a intervir no meio, a produzir a cultura. A cultura não se manifesta apenas nas produções materiais: as formas de comportamento, os usos e os costumes, os sistemas de valores, as formas de expressão, as normas políticas, religiosas e morais, a concepção de mundo e de morte, o conjunto dos saberes organizados nas ciências, a organização social constituem a cultura. É na capacidade de o ser humano se adaptar ao meio e de transmitir à gerações seguintes as suas conquistas, é na sua capacidade de aprender que reside a linha que distingue o ser humano do animal. Cultura: Por Míscha Titiev - é a série completa de instrumentos não geneticamente adquiridos pelo ser humano, assim como todas as facetas do comportamento adquiridas após o nascimento. Por Edgar Morin – não é um mero suplemento de que usufruem as sociedades humanas por contraste com as sociedades animais. É ela que institui as regras - normas que organizam a sociedade e governam os comportamentos dos indivíduos; constitui o capital colectivo dos conhecimentos adquiridos, dos saberes práticos aprendidos, das experiências vividas, da memória histórico-mítica, da própria identidade de uma sociedade. Segundo ele ,“O Homem é um ser bio → cultural”. Relatividade cultural: A cultura manifesta-se em todas as sociedades humanas como forma de responder às necessidades dos seres humanos. A fome , a sede, o impulso sexual, a procriação, a comunicação são necessidades básicas cuja realização assume diferentes concretizações ao longo da história e ainda hoje se manifestam de diferentes maneiras em diferentes lugares. Não existe uniformidade na resposta a todas essas necessidades: não há uma cultura, mas várias culturas. Não existe uniformidade nas respostas às várias situações e contextos com que as comunidades humanas se deparam. Podemos assim falar de relatividade cultural: são diversos os modos de sobreviver, viver e conviver. As diferentes culturas reflectem formas específicas como as comunidades humanas, ao longo do tempo e nos diferentes espaços, organizam a vida social. A cultura varia assim no espaço e no tempo. Padrões de culturas: A diversidade cultural manifesta-se em diferentes padrões culturais: o que comemos e quando comemos, o modo como nos cumprimentamos, os hábitos de higiene, as relações

1

na música. de um grupo social. Em todas estas situações a pessoa tem de adoptar novos papéis. conjunto de comportamentos socialmente aceites e considerados indispensáveis à vida em sociedade. as trocas comerciais. A socialização primária assegura “saberes especializados” não tendo esta ultima portanto o caracter de generalidade que caracteriza a primeira. de comunicar e de se relacionar com os outros. que vão ocorrendo ao longo da sua vida: quando inicia ou muda de profissão. na tecnologia. as suas aquisições e mudanças. ou seja. cada cultura relaciona e reinterpreta o seu sistema. formas de estar. no contacto com culturas diferentes A aculturação designa os processos complexos de contacto cultural através dos quais as sociedades ou os grupos sociais assimilam hábitos e valores culturais de outras sociedades ou de outros grupos. os partidos. Geralmente. quando ingressa num grupo cultural ou desportivo. É um processo presente em todas as sociedades humanas. as organizações religiosas. A socialização é um processo contínuo que decorre ao longo de toda a vida e termina quando o indivíduo morre. interiorizar normas e modelos. A socialização secundária compreende o processo de integração do indivíduo nas situações sociais específicas. tratada e vestida são já marcas da cultura em que a criança nasce. Desde que o indivíduo vem ao mundo. normas. as manifestações de afectividade e até a forma de ver e de pensar são condicionados pela cultura em que se está inserido. na arte. o indivíduo não tem consciência da existência dos padrões de cultura.Apontamentos de Psicologia entre pais e filhos. Agentes de socialização: A socialização envolve um processo de aprendizagem que se realiza ao longo da vida através de vários agentes como a família. estando convicto que o seu comportamento exprime tão-só os seus gostos e desejos pessoais. a emigração. as regras de linguagem. É neste período que a criança aprende com os outros. Por outro lado. de conveniente e de inconveniente. de relacionamento. valores. o turismo. Nos nossos dias. Aculturação: As culturas reflectem processos de desenvolvimento da sociedade. socializar-se. Cada cultura. isto é. no vestuário. a escola. rituais. mas não são rejeitados. o modo como ocupamos os tempos livres constituem comportamentos padronizados numa determinada sociedade. É através da socialização que o sujeito apreende e assimila comportamentos. 2 . de higiene. Socialização é o processo de integração do indivíduo numa determinada sociedade. quando tem um filho. a maneira como é lavada. homens e mulheres. Os próprios conceitos de bem e de mal. a deslocação de populações têm proporcionado a transmissão de novos modelos comportamentais na alimentação. na própria língua. o grupo de pares. a partir dos próprios referentes e projectos culturais faz uma selecção. novos modos de agir. seguindo os modelos sociais. Alguns destes modelos comportamentais são fácil e rapidamente assimilados e reintegrados. quando se inscreve num sindicado ou partido político. quando se casa ou divorcia. Socialização primária ocorre na infância. um processo dinâmico. regras. os costumes do ambiente em que nasceu moldam a sua experiência dos factos e a sua conduta. os meios de comunicação social. os meios de comunicação social. Socialização: O processo de inclusão de uma criança na cultura a que pertence inicia-se logo no momento do seu nascimento: o modo como é assistida no parto. interactivo e permanente de integração social Faz-se um distinção entre socialização primária e secundária. Padrão de cultura: conjunto de comportamentos comuns aos membros de uma cultura. É o conjunto de mudanças culturais que se produzem nos modelos originais devido ao contacto contínuo com outros modelos. todas as instituições sociais. os hábitos alimentares.

os ideais da sociedade. Será todo este conjunto de aquisições que irá facilitar a inserção social do indivíduo. A televisão assume um papel particularmente importante. cada vez mais importância no processo de socialização. mais ou menos estruturado. posteriormente imitados e reproduzidos. a linguagem. que lhe manifestam os seus interesses e desejos próprios.  Participam de um sistema de papéis. a publicidade introduzem modelos de comportamento. o grupo de pares vai ter um papel fundamental no processo de socialização e de construção da identidade social. A família é o agente prioritário da socializaçãoTambém é importante o papel da creches e dos jardins-de-infância como agentes de socialização. os valores. grupo de amigos.Apontamentos de Psicologia É no grupo em que nasce – a família – que decorre o processo inicial de integração social: a criança aprende horários alimentares. O processo de socialização não termina com a infância. os hábitos de higiene e outros. Tipos de grupos: Os grupos primários são grupos de pequenas dimensões.. Os meios de comunicação social tornaram-se. com objectivos e interesses comuns cujos elementos estabelecem entre si relações. Os conflitos que ocorrem durante as brincadeiras ou trabalhos darão à criança a consciência da existência dos outros. Nos grupos secundários. os gostos. os sindicatos e o exercito intervêm também intervêm no processo de socialização. As igrejas. as noções éticas básicas. assumindo a escola. sempre que o indivíduo se adapta a uma nova situação e interioriza novos papéis.se pela informalidade e espontaneidade.. face a face. importantes agentes de socialização. Os Grupos: Conceito de Grupo: É uma unidade social. as atitudes. É nestes espaços que a criança exercita desde logo comportamentos e hábitos de trabalho. caracterizados por motivações afectivas. sindicatos. é um conjunto de indivíduos. interagem. que se desenvolvem relações de solidariedade e cooperação e se adquirem sentimentos de mutualidade e também de autonomia. a comunicação e as relações que se estabelecem não são directas. EX: empresas.  Partilham de normas e valores comuns. formados por um maior número de elementos que os grupos primários.  Cooperam para atingir determinado objectivo. É um processo que ocorre ao longo da vida. na sociedade contemporânea. As relações são muito frequentes. por isso. Este processo não ocorre sem dificuldades. os partidos políticos. EX: família. grupos de pessoas de idade aproximada. turma. É no grupo de pares. Na adolescência. A comunicação é directa. Os filmes. as normas de comportamento. interdependência e identidade social.  Reconhecem e são reconhecidas pelos outros como pertencentes ao grupo. as empresa. O relacionamento está marcado pela formalidade e impessoalidade e determinado pelos papéis desempenhados. isto é. partidos políticos… 3 . Os valores. as atitudes. os conhecimentos adquiridos no seio da família visam tornar o indivíduo apto a responder de forma adequada a diferentes situações sociais. Nas sociedades industrializadas. O processo de socialização obriga a que a criança adapte os seus comportamentos biologicamente determinados às práticas culturais do grupo social a que pertence. A escola é a instituição que transmite os conhecimentos científicos e técnicos que irão permitir ao indivíduo exercer um papel no aparelho produtivo. Um conjunto de pessoas constituem um grupo quando estas:  Interagem com frequência. as telenovelas. a escolarização têm-se prolongado. Contudo a escola tem outra função essencial: introduzir as normas sociais. caracterizando.

o grupo participa na discussão da programação do trabalho. Nos grupos com este tipo de líder. sugerindo alternativas. Líder autoritário. também os grupos interagem entre si. aconselhamento técnico ao líder limitada. diferentes comportamentos individuais. Autoritária Permissiva Democrática Há liberdade completa para as As directrizes são debatidas e O líder fixa as directrizes. O líder não intervém na divisão das tarefas. A produtividade é boa e constata-se uma maior satisfação e criatividade no desempenho das tarefas. estimulado e qualquer participação no grupo. diferentes atitudes no interior dos grupos. à medida que se quando necessário. Até há pouco tempo. Assim. para melhor atingir os objectivos definidos. Há tendência para se escolher entre os seus membros um elemento que coordene a actividade colectiva. estrutura. a facilidade de comunicação e até o porte físico seriam factores decisivos para o exercício do poder. de se relacionar com os elementos do grupo. Estilos de liderança: Há diferentes formas de o líder exercer a sua influência e poder. Contudo.toma decisões sem consultar o grupo. integrando-se no grupo. sem decisões grupais ou individuais. para afirmar o próprio grupo. no entanto. determina também o modo de as concretizar. Liderança. sem as impor. a personalidade. organização e normas varia. discute as soluções e decide. sendo as decisões tomadas colectivamente. de frustração. É o grupo que levantas os problemas. não existe uma personalidade-padrão e que muitas das características que se encontram nos líderes estão presentes noutros elementos dos grupos os quais. limitando-se a sua actividade a fornecer informações. Hoje em dia sabe-se que. escolher. Líder permissivo. A liderança é essencial ao grupo e à organização. bem como o desenvolvimento da solidariedade entre os participantes. nunca assumiriam a liderança. fazia parte do senso comum a ideia de que um líder já nascia feito e predestinado para exercer o seu papel. com decididas pelo grupo. nos esforços para a realização de objectivos em determinada situação. surgindo novas perspectivas com os debates. Procura ser objectivo nas apreciações que faz do desempenho dos elementos do grupo e reenvia-lhe sínteses dos processos desenvolvidos. Um bom líder democrático é aquele que é capaz de sentir o que se está passar no grupo sendo capaz de tomar atitudes adequadas para ajudar o grupo a ultrapassar os seus problemas. se a sua intervenção for requerida. Pode fornecer tornam necessárias. quando o grupo não tem capacidade de autoorganização. O líder assume uma atitude de apoio. podem surgir frequentes discussões. Líder democrático.Apontamentos de Psicologia Tal como as pessoas. de atitudes de agressividade. A produtividade é elevada. solicitando A participação do líder no debate é técnicas para a execução das tarefas. Liderança: No interior dos grupos estabelece-se uma divisão de funções e relações de cooperação entre os seus membros. entre outras. participação mínima do líder. 4 . mas a realização das tarefas não é acompanhada de satisfação. apresentando materiais cada um por sua vez. Durante muito tempo pensava-se que um líder teria de ter um conjunto de características pessoais que seriam necessárias e suficientes para exercer o seu papel. há um elemento comum a quase todos os grupos – a existência de um líder. Diferentes estilos de liderança geram diferentes tipos de líder. O tipo de tarefas. com um desempenho das tarefas pouco satisfatório. Além de fixar as tarefas de cada um. de submissão e desinteresse. O grupo esboça as providências e as O líder determina as providências e as técnicas para atingir o alvo. cooperam e influenciamse reciprocamente. e de modo sugerir alternativas para o grupo informações desde que solicitadas. imprevisível para o grupo. passando este a variados ao grupo. a inteligência. uma maior intervenção pessoal. sendo este tipo de liderança gerador de conflitos.é o processo de exercer influencias sobre um indivíduo ou grupo de indivíduos. assistido pelo líder. na divisão das tarefas.funciona como elemento do grupo e só intervém se for solicitado. Não há espaço para a iniciativa pessoal.

Rede em cadeia: na rede em cadeia. o número de mensagens era reduzido e os erros cometidos irrelevantes. Não se pode generalizar para todas as situações um determinado tipo de rede: a opção depende do tipo de tarefas e da representação que os membros têm dessas tarefas. Nas tarefas simples. Redes de comunicação: No interior do grupo. as redes centralizadas são mais eficazes. rede descentralizada. rede centralizada em que cada membro só pode comunicar com o chefe. sendo as mensagens e os erros em maior número. Absoluta companheiro de trabalho. gastava mais tempo a resolver os problemas. O líder é dominador e “pessoal” nos elogios e nas criticas ao trabalho de cada membro O líder não tenta avaliar ou regular o curso dos acontecimentos.Apontamentos de Psicologia Tanto a divisão de tarefas como a O líder determina a tarefa que cada escolha dos companheiros ficam um deve executar e qual o seu totalmente a cargo do grupo. O líder somente comenta as actividades dos membros quando solicitado. estabelecem-se comunicações entre os seus membros. falta de participação do líder. Quando se têm que resolver problemas complexos. As redes de comunicação reproduzem os modelos de transmissão de mensagens que se estabelecem entre os membros de um grupo. resolvia mais rapidamente os problemas. sendo mais fácil a 5 . Rede em estrela: o grupo organizado em estrela. as mensagens transmitidas correm riscos de se perder e/ou deturpar. que detém e controla toda a informação. rede descentralizada. O líder procura ser um membro normal do grupo. Contudo. As novas ideias eram melhor aceites neste tipo de rede do que na rede em estrela. Rede em circulo: o grupo organizado em círculo. A divisão das tarefas fica ao critério do próprio grupo e cada membro tem liberdade de escolher os seus companheiros de trabalho. em que os seus membros podem comunicar livremente entre si. sendo a comunicação mais lenta. Chamamse redes de comunicação os canais e o modo como as pessoas se relacionam no interior de um grupo. O líder é “objectivo” e limitase aos “factos” nas suas criticas e elogios. os participantes neste último tipo de rede apresentavam um maior nível de satisfação na realização dos trabalhos do que do que aqueles que estavam organizados noutro. as redes descentralizadas são mais eficazes.

Interacção Grupal: Na definição de grupo chamámos a atenção para a interdependência entre os seus membros. Conformismo e Inconformismo: Por conformismo sabe-se que é o processo que leva um indivíduo a modificar o seu comportamento. Existem pressões sociais mais ou menos explícitas para a conformidade social. O conjunto de processos que envolvem as trocas entre os membros de um grupo varia segundo a dimensão do grupo. é considerada independente. O aumento do número de elementos do grupo implica um aumento considerável do número de interacções. Um grupo não é um somatório de pessoas. Há concessões recíprocas. a vida em grupo implica obediência às suas normas formais e informais. as suas atitudes. A sua não aceitação por um elemento pode conduzir a atitudes de repreensão. Na vida dos grupos e das organizações podem coexistir os dois tipo de rede. repressão e até rejeição. os distinguem de outros. à marginalização e à aplicação de sanções. 6 . A interacção implica que os sujeitos ajam uns sobre os outros. Mesmo face a tarefas claras e inequívocas. é nos grupos que emergem os modelos e se exercitam os papeis sociais. um conjunto de indivíduos interdependentes que estabelecem entre si ralações dinâmicas. a qual se reflecte no processo de interacção grupal: um comportamento de um elemento afecta o comportamento e acção dos outros componentes do grupo e vice-versa. Aliás. Os indivíduos modelam o seu comportamento segundo as normas e os valores dos grupos a que pertencem: na família. A dinâmica de grupo centrase no presente. A recusa ou transgressão conduz ao isolamento social.Apontamentos de Psicologia adaptação às mudanças. O conceito de interacção grupal implica a influência mútua dos comportamentos. sendo a troca social favorecida. o passado só tem importância pelas marcas existentes no que se está a passar naquele momento. a pessoa mostra inconformidade. Grupo com 2 elementos 1 relação Grupo com 3 elementos 3 relações Grupo com 4 elementos 6 relações Grupo com 6 elementos 10 relações Todos os grupos têm uma dinâmica própria. onde predomina a cooperação. Para estudar o comportamento de um grupo não nos podemos limitar a analisar características individuais dos elementos que o compõem. segundo o número de interacções que se podem estabelecer. embora reconhecendo essas expectativas. Diz-se que uma pessoa é conformista quando se comporta em sintonia com as expectativas do grupo. age de forma oposta. mas sim uma totalidade dinâmica. Influência no grupo: A influência é uma dimensão da interacção que se estabelece no interior do grupo pelo facto de se estar junto do outro. O comportamento do grupo e dos seus elementos seria explicado pela interdependência das forças em jogo num determinado momento. nos grupos de lazer… É nos grupos que se realizam as aprendizagens. no grupo de trabalho. o que passa pela adopção de condutas expressões linguísticas próprias que ganham dimensão no grupo e que. O número de relações que se estabelecem no interior do grupo aumenta com a sua dimensão. Se um grupo é constituído por duas pessoas estabelece-se uma relação em que se desenvolvem interacções pessoais. os indivíduos tendem a conformar-se com a norma do grupo. por influência ou pressão do grupo. ou seja. Quando. na escola.

Se o indivíduo não cumpre as normas prescritas para o seu papel. na hierarquia social. Pessoas com baixa auto-estima. É o conjunto das posições sociais que vai determinar o estatuto. apresentam mais frequentemente comportamentos conformistas. dos colegas. esperar dos alunos. Nos grupos coesos há. A unanimidade de opiniões do grupo Factores pessoais como a auto estima. O esquema reflecte esta situação: Membro de família Professora A Membro de um sindicado Militante de um partido Sócia de um clube O estatuto profissional (professora) da pessoa A permite-lhe. A noção de papel social aparece ligada à de estatuto. dos funcionários e dos encarregados de educação um conjunto de comportamentos. pode sofrer sanções negativas. maior tendência para atitudes conformistas por parte dos seus membros. Factores mais relevantes que explicam as razões que levam as pessoas a conformarem-se:    A dimensão do grupo. Os estatutos e os papéis sociais: Pode-se definir papel social como o conjunto de comportamentos que o indivíduo apresenta como membro de uma sociedade. isto é. O estatuto permite esperar um conjunto de comportamentos por parte dos outros. EX: os adolescentes apresentam comportamentos inconformistas relativamente ao grupo familiar e apresentam grande conformismo no interior dos grupos de jovens a que pertencem. que podem ir da critica à punição formal ou mesmo até à marginalização. com menos confiança. a posição que o indivíduo ocupa num grupo. Alunos Colegas A 7 . não corresponder às expectativas dos outros. O indivíduo tem tanto estatutos quantos os grupos sociais a que pertence. Estatuto Social: Cada um de nós ocupa uma posição nos diferentes grupos sociais a que pertence. A distinção entre conformismo e inconformismo não nos pode conduzir à concepção de que existem pessoas totalmente conformadas ou totalmente inconformadas. Pessoas com elevado auto-estima tendem a manifestar independência nas suas posições.Apontamentos de Psicologia O inconformismo designa a atitude de não seguir o que está socialmente estabelecido.

na nossa sociedade. A distinção entre estatutos atribuídos e adquiridos é artificial. A idade. Porque se parte do pressuposto de que o homem e mulher têm características psicológicas diferentes. aptidões. empresários. A pertença de género. diferenciam-se os papeis desempenhados por cada um dos géneros. Minorias étnicas . biologicamente determinadas. É geralmente atribuído um estatuto inferior à mulher. esperamos que ela se comporte de determinado modo. a cada um dos quais correspondem expectativas de comportamentos por parte dos outros. na prática os dois tipos de estatutos estão interligados. o indivíduo desempenha diversos papeis que são condicionados pelos esquemas sociais. O estatuto de mãe. Nas sociedades industrializadas. Convém não esquecer que o nível de instrução da família a que a pessoa pertence. personalidade e vontade da pessoa contribuíram para a aquisição do seu estatuto. gestor. Na Índia. O estatuto de um adolescente. determina o estatuto e a atribuição de papéis. os velhos são marginalizados pelo sistema social. A pessoa possui também estatutos atribuídos. os estatutos atribuídos a um indivíduo – ser do género masculino. à mulher cabem estatutos mais precários e com menor reconhecimento social. Ao participar em diferentes grupos sociais. Estatuto adquirido e atribuído: São estatutos adquiridos aqueles que a pessoa possui tendo contribuindo para a sua obtenção. Se estivermos doentes e recorrermos a um hospital. é muito indefinido. Neste exemplo. Papel Social: A cada estatuto corresponde um papel social. pois. de um clube mostra que uma pessoa tem múltiplos estatutos. têm um estatuto inferior ao dos outros cidadãos em diferentes países. onde exerce funções especificas. Desde que saibamos a posição que a pessoa ocupa. os estatutos e os papéis são determinados pela idade. temos expectativas relativamente ao comportamento do médico. O papel é o conjunto de comportamentos esperados de um indivíduo com um determinado estatuto. segundo os modelos sociais. à velhice corresponde uma baixa de estatuto. devem ser desempenhadas por homens: cirurgião. numa organização. A etnia é um exemplo de estatuto atribuído. Em muitas sociedades. esperamos que ele se comporte de determinada maneira. impondo modelos de papéis sociais e sexuais. bem como a sua classe social facilitam ou dificultam a aquisição de estatutos socialmente mais valorizados. as capacidades. a etnia e o género sexual são exemplos de estatutos atribuídos que escapam ao controlo do indivíduo. Determinadas profissões. branco e jovem adulto – são pré-requisitos para poder adquirir um estatuto socialmente mais valorizado. o conjunto de estatutos que o indivíduo tem sem nada ter feito para os adquirir. Sabendo a posição que um pessoa ocupa num grupo. de membro de um sindicato.Apontamentos de Psicologia Funcionários Encarregados de educação O estatuto vem a ser o conjunto de comportamentos com que legitimamente o indivíduo pode contar da parte dos outros. onde está estabelecido um sistema de castas. esperando-se diferentes comportamentos nos diferentes estádios de desenvolvimento: uma criança tem um estatuto diferente do de um adulto. Nos diferentes contextos a pessoa terá de condicionar o seu comportamento aos modelos sociais. socialmente mais valorizadas. Nas diferentes sociedades. Mas se dias depois o encontrarmos num contexto diferente com certeza que a inter-relação será diferente 8 . o estatuto social é determinado pelo nascimento. afastados do processo produtivo.

por lei. de tal forma institucionalizados que os seus membros sabem quais as reacções que um seu comportamento poderá provocar expectativa de conduta. As atitudes: Atitude é uma tendência. que pode também ocorrer quando uma pessoa ocupa um lugar de direcção numa empresa e é despromovido. respondendo assim às expectativas sociais. Por exemplo: o encarregado de uma secção de uma fábrica tem de simultaneamente. um conflito intrapapéis: a satisfação das expectativas relativas a um papel implica a incapacidade de responder às expectativas do outro. de uma forma positiva ou negativa. Ao optar. se o papel de membro de uma comunidade religiosa é o mais importante. Cria-se. atitudes. um valor. para responder a um objecto. simultaneamente. os papéis sociais prescrevem todo um conjunto de comportamentos. Em determinadas situações e momentos. sofrendo as consequências. o que pode gerar conflitos. O conflito entre papéis pode também surgir quando. então. Todas as sociedades possuem padrões de comportamento próprios.Apontamentos de Psicologia O desempenho do papel é avaliado de acordo com as expectativas. o conflito desaparece. crenças e representações sociais relativas à noção deste papel. Conflitos: Cada pessoa desempenha ao mesmo tempo vários papéis. Conjunto de comportamentos que os outros esperam de um indivíduo tendo em conta a sua posição no grupo. podem não ser possíveis comportamentos compatíveis entre dois ou mais papéis. responder às exigências do papel A e do papel B. Numa dada sociedade. um grupo social. As vezes podem viver-se conflitos de papéis. assegurar o nível de produção definido pela administração e. optará por não cumprir a lei. POR EXEMPLO: uma pessoa pode pertencer a um grupo religioso que interdite os seus membros a usar armas A e ser obrigado. proporcionar condições para que os seus subordinados apreciem o trabalho. De notar que o papel resulta da interacção entre expectativas sociais e a personalidade do sujeito. Ao mesmo tempo. uma coisa. um emigrante tem um papel social no seu país e vai ocupar outra posição social no país que o acolhe. A S B O sujeito S tem que. têm um carácter normativo. pessoa ou situação. a incorporar-se no exército B. A atitude implica disposição mais ou menos constante que orienta o indivíduo a reagir de determinado modo a um objecto que pode ser: uma pessoa. uma predisposição. Um papel pode exigir mais de um comportamento. Estatuto Papel Conjunto de comportamentos que um indivíduo espera da parte dos outros tendo em conta a sua posição no grupo. A isto chama-se descontinuidade de papéis. O conhecimento do sistema de papéis permite e implica o ajustamento dos comportamentos. o que pode gerar conflitos. Fala-se de conflitos intrapapel. uma instituição. um conceito… 9 .

Mudança de atitudes: A mudança de atitudes depende basicamente de novas informações e/ou afecto relativos ao objecto. Quando as atitudes são partilhadas pelos grupos a que um indivíduo pertence e pelas pessoas com quem se relaciona. Manifestam-se através de expressões verbais ou não-verbais. mas um conjunto de predisposições. Expressões linguísticas. um acontecimento. As atitudes permitem que o sujeito organize e classifique os objectos do meio. Componentes das atitudes: Componente cognitiva – inclui um conjunto de ideias. É através do comportamento manifestado pelo indivíduo que podemos inferir das atitudes. A atitude determina reacções semelhantes sempre que se verifiquem situações em que determinado objecto está implicado. Está ligada ao sistema de valores. os pares. na formação das atitudes. juízos. são adquiridas no processo de integração do indivíduo na sociedade. gostos. Durante a infância . Os meios de comunicação social. Formação e desenvolvimento das atitudes: As atitudes não nascem connosco. Outra fonte importante no desenvolvimento das atitudes é a educação formal e informal que decorre na instituição escolar. sendo menor a probabilidade de mudança nos anos seguintes. É sobretudo a partir da adolescência que assume grande importância. bem com os conhecimentos e as necessidades. contribuindo para a estabilidade da personalidade das pessoas. também contribuem para a formação das atitudes. bem como do grupo sociocultural. São facilitadoras da adaptação à realidade. de comportamentos. Será entre o fim da adolescência e os 30 anos que as atitudes toam a sua forma “final”. Se conhecermos a atitude de uma pessoa. Influencia o processo de desenvolvimento das atitudes face às relações interpessoais. Estes são a primeira fonte das crenças das crianças. dado o seu carácter relativamente permanente O indivíduo considera que as suas atitudes são correctas. A imitação. um conceito. 10 . através da aquisição de determinados objectos. como a adesão a um grupo. o reforço e a gratificação dos pais. É também mais fácil modificar-se uma atitude relativa a pessoas. de opiniões. compreender e até prever alguns aspectos do seu comportamento. será possível descrever. as atitudes são moldadas pelos pais. por isso. dado que estas não são objectivamente observáveis. À medida que a criança cresce.a atitude é um potencial para reagir de determinado modo a um objecto. este considera-as naturalmente verdadeiras. Componente comportamental – predispõe a pessoa a comportar-se de determinado modo. É constituída pelo conjunto de reacções de um sujeito relativamente ao objecto da atitude. gestos são adoptados pelas pessoas através de processos de imitação e identificação.Apontamentos de Psicologia Não se pode confundir atitude com comportamento . objectos que não fazem parte da experiência própria e imediata do sujeito. devem ser aceites como tal. Não constitui uma reacção isolada. sendo a sua dimensão emocional. pare e professores. face a um determinado assunto. Componente afectiva – a pessoa desenvolve sentimentos positivos ou negativos relativamente ao objecto. Mas a forma como o indivíduo reage a essas informações varia em função das atitudes em causa: é mais fácil mudar-se a atitude relativamente a um objecto sobre o qual se tem um sentimento fraco ou sobre o qual se tem pouca informação. Uma experiência traumática possibilita a formação ou modificação das atitudes. esta influência diminui. crenças sobre um objecto. A crença refere-se à informação que aceitamos sobre uma situação. situações. a identificação. É o que acreditamos como verdadeiro acerca do objecto. são determinantes na formação das atitudes. reacções que se desencadeiam em determinadas situações.

É uma técnica de papel e lápis. É uma disposição adquirida cujo o objectivo é o estabelecimento de uma diferenciação social. 11 . São assimiladas sem que o indivíduo tenha consciência. No processo de formação de estereótipos relativamente a grupos sociais há uma relação entre o tipo de interacção que se estabelece entre os grupos. a comportarem-se de determinada maneira. os preconceitos são aprendidos.Apontamentos de Psicologia A propaganda e a publicidade têm por objectivo influenciar as nossas atitudes e comportamentos. Estereótipos e Preconceitos: Os estereótipos são ideias feitas que resultam generalizações e/ou de especificações. se comportam do mesmo modo ou têm as mesmas características. Se os grupos têm uma relação de competição entre si. indicadores que sejam relevantes para atitude que vai ser medida. Para isso. apresentando-se como verdades indiscutíveis. Baseiam-se no pressuposto de que se podem medir através das opiniões. comportamentos que conduzem à discriminação. Uma das escalas mais utilizadas foi desenvolvida por Lickert. de um grupo. manifestando a intensidade do seu acordo ou desacordo. em que se pede ao inquirido que analise o que pensa sobre um determinado assunto. Organizações estatais e instituições não governamentais promovem campanhas que visam a sensibilização do público no sentido da mudança de atitudes. Se a relação é de cooperação. Medida das atitudes: As escalas de atitudes constituem um das técnicas utilizadas para medir a qualidade. referindo-se muitas vezes a realidade ou grupo com quem o indivíduo nunca contactou. É um mecanismo de defesa para protecção da auto-imagem.. Muita vezes as pessoas que estereotipam as outras fazem-no para satisfazer a sua necessidade de estatuto de superioridade. a tendência é dominar um estereótipo negativo. Designa um atitude que deriva de pré-julgamentos e que conduz os sujeitos a avaliarem. O apelo ao medo é também utilizado como forma de persuasão. à segregação. na maior parte das vezes de forma negativa. São transmitidas mensagens que visam persuadir as pessoas a formar uma atitude. isto é. O preconceito é um conceito formado antecipadamente e sem fundamento sérios ou razoável. tendentes a considerar que todos os membros de um agrupamento social. o grau de intensidade e a direcção das atitudes. É um conjunto de crenças que nos leva a classificar pessoas ou grupos sociais. é necessário encontrar indicadores adequados . Estas ideias simplificadas são transmitidas como “ideias feitas” pelo meio cultural e social. pessoas ou grupos sociais. a tendência é para dominar um estereótipo positivo. Adquiridos no processo de socialização.

Apontamentos de Psicologia O preconceito pode surgir para fornecer uma explicação para uma determinada situação social. 12 .