You are on page 1of 62

Cristais de enxonfre com aragonita (Itália) Foto: Dusan Slivka (A grande enciclopédia dos Minerais

)

Dra. Maria Judite Garcia MSc. Elza de Fátima Bedani

2011
1

ÍNDICE

AULA 1 – Introdução a Mineralogia, Petrologia e Cristalografia .................. 01 AULA 2 – Propriedades Físicas dos Minerais .................................................. 08 AULA 3 – Propriedades Ópticas dos Minerais ................................................. 13 AULA 4 – Petrologia: Rochas Magmáticas ...................................................... 18 AULA 5 – Rochas Sedimentares ........................................................................ 23 AULA 6 – Rochas Metamórficas ....................................................................... 30 AULA 7 – Geodinâmica Externa ....................................................................... 33 AULA 8 – Geodinâmica Interna ........................................................................ 37 AULA 9 – Vulcanismo e Sismologia .................................................................. 47 AULA 10 – Noções de Cartografia ................................................................... 51 Referências Bibliográficas ................................................................................. 59

2

AULA 1

INTRODUÇÃO À MINERALOGIA, PETROLOGIA E CRISTALOGRAFIA
MINERALOGIA: é o ramo da Geologia que estuda os minerais, sua composição, propriedades, gênese e ocorrência. Mineral: é um corpo homogêneo, formado de um elemento ou composto químico resultante de processos inorgânicos. Possui composição química definida, arranjo atômico interno ordenado e é encontrado naturalmente na crosta terrestre. Geralmente apresenta-se como um sólido, com excessão da água e mercúrio. Ex: Quartzo, Mica, Feldspato, Calcita, Dolomita, Turmalina, Ágata e etc. PETROLOGIA: é o ramo da Geologia que se dedica ao estudo das rochas, sua constituição, textura,origem e classificação. Rochas: são os principais constituintes da crosta terrestre, formam-se a partir de agregados naturais (inorgânicos) de um ou mais minerais, incluindo o vidro vulcânico e podem ser produzidas por organismos (orgânicas). Possuem aspecto heterogêneo. Ex: Basalto, Granito, Arenito, Ardósia, Calcário, Coquina e etc. CRISTALOGRAFIA: trata do estudo dos cristais e das leis que governam seu crescimento, sua forma externa e estrutura interna. Cristal: sólido homogêneo, que possui arranjo atômico interno tridimensional, refletido externamente. Encontra-se limitado por superfícies geralmente planas, lisas, apresentando-se com formas geométricas externas. Sistema Cúbico ou Isométrico: Forma Fundamental: Cubo Ex: Galena, Pirita, Diamante e Magnetita

Cristal de Pirita

1

Cristal de Quartzo 2 .Sistema Cúbico Composto Ex: Fluorita e Magnetita Cristais de Magnetita Cristal de Fluorita Sistema Tetragonal ou Quadrático: Forma Fundamental: prisma reto de base quadrada. Cristais de Cassiterita Sistema Hexagonal: Forma Fundamental: prisma reto de base hexagonal. Ex: Quartzo e Berilo. Ex: Calcopirita e Cassiterita.

Ex: Albita e Cianita . Barita e Aragonita.Sistema Ortorrômbico ou Rômbico: Forma Fundamental: prisma reto de base rômbica. Cristal de Albita Cristal de Cianita 3 . Cristais de Enxofre Sistema Monoclínico: Forma Fundamental: prisma oblíquo de base rômbica: Cristal de Feldspato Cristal de Biotita Sistema Triclínico: Forma Fundamental: Prisma oblíquo de base paralelogrâmica. Ex: Enxofre.

Figura 1: Exemplos de Grupamentos Cristalinos (Acervo LabGeo) 4 . possuem a base levemente côncava. Geôdos: constituem-se de uma massa mineral ôca. que contém um metal e/ou minerais exploráveis economicamente em grande escala. Um dos grupamentos comumente observados são os grupamentos irregulares classificados como Drusas e Geôdos (Figura 1). Assim. Drusas: são quaisquer associações de cristais que atapetam o interior de rochas. ou de uma associação de minerais (rocha). Grafita e hematita. geralmente surgem em grupamentos. atapetada de cristais no seu interior.Sistema Romboédrico ou Trigonal: Forma Fundamental: Romboedro. convexa ou plana. minérios são materiais de grande valor econômico. Ex: Calcita. minerais ou em fendas. Cristal de Calcita MINÉRIOS: trata-se de um mineral. Ex: Hematita: minério de ferro Pirita minério de enxofre e ferro Magnetita: minério de ferro Enxofre: minério de enxofre Bauxita: minério de alumínio Galena: minério de chumbo Apatita: minério de fosfato Fluorita: minério de flúor GRUPAMENTOS CRISTALINOS: os cristais aparecem com pouca freqüência isolados. mais ou menos esférica.

B-Geodo de quartzo branco/hialino (in situ).A B C Figura 2: Geodos de Quartzo nas minas de Ametista/RS/Brasil: A . 2011).Geodos de quartzo e ametista (in situ). C-Geodos de quartzo ametista (parte e contraparte) (Garcia & Bistrichi. 5 .

Âmbar Pérola ESCÓRIAS: Formam-se a partir de resíduos industriais descartáveis. Ex: usinas siderúrgicas. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 3) O que é escória? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 6 .MINERALÓIDE OU SUBSTÂNCIA AMORFA: Qualquer sólido ou líquido que não possui arranjo atômico interno ordenado. usinas de cana-se-açúcar. Carvão e etc. MINERAIS ________________________________ ________________________________ ________________________________ ________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ ROCHAS _______________________________ _______________________________ _______________________________ _______________________________ _______________________________ _______________________________ _______________________________ 2) Defina Mineralóide: identifique quais se encontram presentes em sua bancada. 1ª AULA PRÁTICA 1) Em sua bancada encontram-se presentes rochas e minerais separe-os e identifique-os. de vidro e etc. Ex: Vidro Vulcânico. Pérola. que ocorra naturalmente na crosta terrestre. poderá ser de origem orgânica ou inorgânica. Âmbar.

___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 5) Observe a amostra de Pegmatito. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 7 .4) Diferencie Mineral de Rocha. Quais os minerais que o constituem? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 6) O que é Minério? Quais se encontram presentes em sua bancada? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 7) Cite quais os minerais na forma de cristal. Cite 2 exemplos. Quais são? Explique-os. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 8) Defina cristal. que se encontram presentes em sua bancada. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 9) Em sua bancada existem grupamentos cristalinos.

8 . FRATURA É a maneira pela qual o mineral se rompe. dispostos na ordem de sua dureza crescente. Conchoidal ou Concóide: quando a fratura possui superfícies lisas. paralela aos planos dos átomos. Ex: Quartzo Fibrosa ou Estilhaçada: quando o mineral se rompe. mais duro o mineral. A clivagem depende da estrutura do mineral e ocorre somente. formando superfícies rugosas e Irregulares. curvas. Ex: Turmalina e Magnetita. visto que. Ex: Galena. Depende da estrutura do mineral. Tem-se uma série de dez minerais comuns para servir de escala. semelhantes a superfície interna de uma concha. Feldspato e Calcita. mostrando estilhaços ou fibras.AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS DOS MINERAIS CLIVAGEM É a propriedade que o mineral tem de dividir-se em planos paralelos e lisos entre si. Indistinta: é difícil distinguir-se a face onde se deu a clivagem das regiões simplesmente fraturadas. Desigual ou Irregular: quando o mineral se rompe. Perfeita: ocorre quando se realiza sob ligeira percursão de um martelo. observando-se a facilidade ou dificuldade relativa com que o mineral é riscado por outro. Pode-se dizer que a dureza de um mineral é a sua possibilidade de ser riscado. quanto mais forte as ligações atômicas. Ex: Mica e Gipsita. sem ser ao longo da superfície de clivagem. conhecida por: Escala de Dureza de Mohs. por um estilete ou pela unha. as lâminas destacam-se sob pressão da unha ou de um estilete. Proeminente: a clivagem realiza-se com muita facilidade. Ex: Amianto e Limonita. Berilo e etc. O grau de dureza é determinado. Ex: Apatita. Nem todos os minerais sofrem clivagem. DUREZA É a resistência que uma superfície lisa oferece ao ser riscada.

usando um martelo. Elástico: um mineral que após ter sido encurvado. 9 . esmagado. Quebradiço ou Friável: um mineral que se rompe ou pulveriza facilmente. Ex: Ouro. retorna a sua posição original quando a pressão cessa.Unha Estilete 1 2 3 4 5 Escala de Dureza de Mohs Talco 6 Gipsita 7 Calcita 8 Fluorita 9 Apatita 10 Ortoclásio (feldspato) Quartzo Topázio Coríndon Diamante O ensaio consiste em fazer riscar o mineral com outro mineral. mas não retorna à sua posição original quando a pressão cessa. Ex: Calcita Maleável: um mineral pode ser transformado em lâminas delgadas por percussão. Ex: Mica. reduz-se a pó quando submetido a uma determinada pressão. Séctil: um mineral que pode ser cortado em aparas delgadas com um canivete ou qualquer lâmina. Dúctil: um mineral que se reduz a fios. mas não risca o 8. Ex: Amianto. Prata e Platina. rasgado ou dobrado. Plástico: um mineral que se encurva sem se romper. Ex: Gipsita. Ex: Talco Laminar. Flexibilidade: um mineral ao ser dobrado pode voltar ou não a sua posição original. Ex: o 7 risca o 6. TENACIDADE Consta da resistência que um mineral oferece ao ser rompido.

ou o peso de um volume igual de água. a água possui maior densidade). d= Par _________ Par . b) A forma pela qual os átomos se encontram organizados entre si. A densidade relativa depende de dois fatores: a) A espécie de átomos que é composto. Então. em seguida o mineral é imerso em água (Págua). 2ª AULA PRÁTICA 1) Observe os seguintes minerais e classifique-os quanto a clivagem: a-Feldspato: ________________________________________________________________ b-Mica: ____________________________________________________________________ c-Galena:___________________________________________________________________ d-Quartzo: __________________________________________________________________ e-Calcita: __________________________________________________________________ f-Gipsita:___________________________________________________________________ g-Apatita:___________________________________________________________________ 10 . Par – Págua é igual a perda de peso causada pela imersão na água.Págua Ex: Se um mineral possui 2 de densidade relativa. significa que pesa duas vezes quanto o mesmo de água. A densidade relativa é obtida por meio da Balança de Jolly.DENSIDADE RELATIVA OU PESO ESPECÍFICO É o número que exprime a relação entre o peso de um mineral e de um volume de água igual a 4ºC (nesta temperatura e sob pressão de uma atmosfera. Pesa-se primeiramente o mineral no ar (Par).

Topázio: __________________________ h. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 7) Como podem ser classificados dois fragmentos inorgânicos. com as mesmas.Fluorita: __________________________ i.2) Observando os minerais abaixo.Galena: ____________________________ 4) Baseando-se na Escala de Dureza de Mohs. com as mesmas propriedades físicas e cores diferentes? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 11 . qual é a dureza e o mineral que risca o Quartzo mas não risca o Coridon? ___________________________________________________________________________ 5) Assinale os verdadeiros minerais: ( ( ( ( ) Hematita ) Pegmatito ) Carvão ) Quartzo ( ( ( ( ) Âmbar ) Mica ) Feldspato ) Areia 6) Relacione os minérios presentes em sua bancada.Talco: ____________________________ g. homogêneos. classifique-os quanto a fratura: a-Quartzo:__________________________________________________________________ b-Turmalina:________________________________________________________________ c-Amianto:_________________________________________________________________ d-Magnetita:________________________________________________________________ e-Galena:___________________________________________________________________ 3) Teste a dureza dos seguintes minerais: a-Quartzo:___________________________ b-Feldspato: _________________________ c-Calcita:____________________________ d-Mica:_____________________________ e-Gipsita:___________________________ f.Apatita: ___________________________ j.

se submetido a uma pressão. quando a pressão cessa. ___________________________________________________________________________ Ex: ______________________________________ c) Quando um mineral se rompe ou pulveriza facilmente. não retornando à sua posição original.8) Responda: a) Quando um mineral é cortado em lâminas com um canivete ___________________________________________________________________________ Ex: ______________________________ b) Propriedade onde o mineral é curvado sem se romper. ___________________________________________________________________________ Ex: ______________________________________ 12 .

Baseia-se na cor do pó deixado pelo mineral. Depende da absorção seletiva da luz que é refletida ou transmitida pelo mineral. Ex: Enxofre (amarelo). verde. Terroso: lembra terra. 13 . preta. assim minerais com dureza superior não deixam traço. Ex: Gipsita. deve-se ao elevado índice de refração do mineral. geralmente são claros e transmitem a luz através de suas bordas delgadas. roxo. Ex: Mica Muscovita Gorduroso: aparência de estar coberto com uma camada de óleo. Não metálico: engloba todos os minerais sem aparência metálica. TRAÇO Propriedade que o mineral possui de deixar um traço sobre uma superfície despolida de porcelana. Resinoso: aparência de resina endurecida.AULA 3 PROPRIEDADES ÓPTICAS DOS MINERAIS BRILHO Consta da aparência geral da superfície de um mineral a luz refletida. Ex: Quartzo (branco. Malaquita. Graxo: possui aspecto de graxa. a porcelana. Nacarado: possui a aparência iridescente da madrepérola. Ex: Grafita. Adamantino: brilho igual ao diamante. amarelo). seu traço é dito incolor. Alocromáticos: minerais que possuem cores variadas na composição química ou devido a impurezas diversas. A cor do traço só varia se o mineral estiver em processo de decomposição. marrom. roxo. Sedoso: lembra seda. transparente. riscam. Calcopirita (amarelo latão). sendo o resultado de um agregado paralelo de fibras finas. Galena. róseo. Fluorita. Talco e Gipsita. Ex: Granada e Malaquita. Amianto e etc. Idiocromáticos: minerais que possuem cor constante. Rutilo. Ex: Feldspato. Ceroso: Cera. Hematita e etc. COR Deve ser sempre observada numa fratura recente. Ex: Bauxita e Caulim. Metálico: possui a aparência brilhante de um metal. Ex: Calcedônia . Vítreo: brilho semelhante ao vidro. dependendo apenas da constituição química. Corindon e Diamante. Perláceo: lembra pérola. Malaquita (verde). etc. Ex: Enxofre. Calcita etc. Ex: Pirita. verde) Dolomita. A dureza da placa de porcelana é aproximadamente 7. Ex: Anglesita. Esfarelita e etc. Calcita e etc. Galena (cinza). Mica (branca. Ex: Quartzo.

Salgado. Grafita Frio. Ex: Enxofre Fétido: alguns tipos de carbonato de cálcio que constituem os calcários. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS Os minerais magnéticos são compostos de ferro e no seu estado natural são atraídos por um imã. Ex: Epsomita ODOR: sente-se quando o mineral é umidecido. Ex: Minerais de argila. Ex: Bórax Amargo. o que varia muito.Ex: Hematita: traço castanho-avermelhado. 14 . Fluorita: branco. aquecido. Fusibilidade: é a propriedade que os minerais têm de fundir-se pelo calor. Ex: Amianto Untuoso. TATO: é a sensação que o mineral causa ao tato. Enxofre: incolor / amarelado. Ex: Talco. Argiloso (cheiro de moringa). Podem ser: Fortemente magnéticos Ex: magnetita Moderadamente magnéticos Ex: hematita Fracamente magnéticos Ex: Turmalina PROPRIEDADES TÉRMICAS Condutibilidade: consta da distribuição de calor no mineral de partícula a partícula. Sulforoso. Ex: Minerais de argila molhados. OUTRAS PROPRIEDADES DOS MINERAIS PROPRIEDADES ORGANOLÉPTICAS SABOR: apenas possuem gosto os minerais solúveis em água. Ex: Quartzo Pegajoso. ficcionado ou atacado por ácidos. Ex: Halita Doce. Ex: Enxofre Suave. Áspero.

preservando. no entanto. MINERAIS Diamante Grafita Pirita Marcassita Calcita Aragonita COMPOSIÇÃO QUÍMICA C C FeS2 FeS2 CaCO3 CaCO3 SISTEMA CRISTALINO Cúbico Hexagonal Cúbico Rômbico Romboédrico Rômbico Isomorfismo: ocorre quando minerais de composição química diferente. cristalizam no mesmo sistema. de forma a modificar sua estrutura interna. MINERAL ORIGINAL Pirita Magnetita Hematita Pirrotita COMPOSIÇÃO QUÍMICA Fes2 Fe2O Fe 2O2 Fe2O3 Fe3S6 MINERAL RESULTANTE Limonita Limonita Limonita Limonita COMPOSIÇÃO QUÍMICA 2Fe2O3 3H 2O 2Fe2O3 3H 2O 2Fe2O3 3H 2O 2Fe2O3 3H 2O SISTEMA CRISTALINO Cúbico Cúbico Hexagonal Hexagonal 3ª AULA PRÁTICA 1) Observe o brilho dos seguintes minerais: Quartzo:_______________________________ Enxofre:_______________________________ Hematita: _____________________________ Feldspato:_____________________________ Mica:_________________________________ Talco:________________________________ 2) Teste o traço dos seguintes minerais: Quartzo:____________________________ Enxofre:____________________________ Hematita:___________________________ Galena:_____________________________ Pirita: ______________________________ Feldspato:___________________________ Calcita:______________________________ Grafita:______________________________ Talco:_______________________________ Fluorita:_____________________________ Amianto:___________________________ Gipsita: ____________________________ Granada: __________________________ Bauxita: ____________________________ Fluorita: ____________________________ Grafita: _____________________________ 15 . sua forma externa. da geometria do arranjo atômico interno e da natureza das forças elétricas que mantém os átomos unidos.PROPRIEDADES QUÍMICAS Esta propriedade depende da composição química. MINERAIS Calcita Dolomita Magnesita COMPOSIÇÃO QUÍMICA CaCO3 CaMg(CO3)2 MgCO3 SISTEMA CRISTALINO Romboédrico Romboédrico Romboédrico Pseudomorfismo ou falsa-forma: quando o mineral se altera. mas análoga. Polimorfismo: ocorre quando minerais diferentes possuem a mesma composição química e o arranjo atômico interno diferente.

3) Quais os minerais idiocromáticos presentes em sua bancada? MINERAL/COR _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ 4) E os minerais alocromáticos? MINERAL/COR _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ MINERAL/COR _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ MINERAL/COR _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ 5) Assinale quais são os minérios dentre os materiais relacionados: ( ( ( ( ( ) Hematita ) Quartzo ) Pirita ) Bauxita ) Feldspato ( ( ( ( ( ) Calcita ) Fluorita ) Galena ) Enxofre ) Magnetita 6) Cite a Escala de Dureza de Mohs: 1)___________________________________ 2)___________________________________ 3)___________________________________ 4)___________________________________ 5)___________________________________ 7) Teste os minerais abaixo quanto ao tato: a) Enxofre: ___________________ b) Calcita: ____________________ c) Grafita: ____________________ d) Talco: ______________________ e) Quartzo: ___________________ f)Fluorita:_____________________ 6)_____________________________ 7)_____________________________ 8)_____________________________ 9)_____________________________ 10)____________________________ 16 .

1.( b.) Dolomita Cor: _______________________ Clivagem: _____________________ Traço: _____________________ Fratura: _______________________ Brilho: _____________________ Dureza: _______________________ a.O que se observa quando submetido ao efeito do HCl? Por que? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 10.3) Quartzo Cor: ___________________________ Clivagem: ______________________ Traço: _________________________ Fratura: ________________________ Brilho: __________________________Dureza: _________________________ 17 . quanto às propriedades químicas: a) Calcita e Dolomita:_________________________________________________ b) Dolomita e Quartzo:________________________________________________ c) Calcita e Aragonita: _______________________________________________ d) Grafita e Diamante: _______________________________________________ e) Marcassita e Aragonita: _____________________________________________ f) Calcita e Magnesita: ________________________________________________ 10) Analise as propriedades químicas: 10. quais são os magnéticos: a.( ) Magnetita ) Feldspato ) Areia Monazita d.8) Assinale dos exemplares abaixo.( f-( ) Hematita ) Calcita ) Pirita 9) Classifique os minerais abaixo.2) Talco Cor: ______________ ___________ Clivagem: _______________________ Traço: ________________________ Fratura: _________________________ Brilho: ________________________ Dureza: _________________________ 10.( e.( c.

AULA 4 PETROLOGIA PETROLOGIA: é o ramo da geologia que trata do estudo das rochas. Efusivas ou Vulcânicas Intrusivas Hipoabissais Intrusivas ou Plutônicas Rochas Sedimentares: Clásticas Coerentes Clásticas Incoerentes Origem Química Origem Orgânica Rochas Metamórficas 18 . DIVISÕES: Rochas Magmáticas ou Ígneas: Extrusivas. muitas vezes com aspecto heterogêneo. ROCHAS: são os principais constituintes da crosta terrestre. sua constituição. origem e classificação. textura. de origem inorgânica e orgânica.

Diorito e Gabro. Forma 95% das rochas intrusivas ou plutônicas. ROCHAS MAGMÁTICAS INTRUSIVAS OU PLUTÔNICAS São massas ígneas. não possui viscosidade (mais líquido). Sienito. que se resfria no interior ou na superfície da crosta terrestre. A pressão interna sobe como conseqüência do aumento relativo dos voláteis. Neck. Facólito. mesmo com o resfriamento contínuo ocorre ebulição e num determinado momento. Magma Básico ou Basáltico: é pobre em silicatos. Plutonismo: é a consolidação do magma no interior da crosta terrestre. tornando-os visíveis a olho nú. Ex: Lacólito. o resíduo magmático vai-se enriquecendo de elementos voláteis que não conseguem escapar. originando as rochas intrusivas ou plutônicas. Ex: Dique. o que possibilita o desenvolvimento dos grãos de minerais. Ex: Granito. proveniente do interior do planeta. Stock. dandose o escape dos voláteis. Lopólito. que solidificam no interior da crosta terrestre. possuem resfriamento lento. sendo umas mais ou menos voláteis. Batólito. Magma Ácido ou Granítico: é rico em silicatos. 19 . Apófise. Forma 98% das rochas vulcânicas e efusivas. as paredes não resistem mais à pressão dos gases.ROCHAS MAGMÁTICA OU ÍGNEAS ORIGEM: resultam do magma. RESFRIAMENTO: a medida que ocorre a cristalização (solidificação). Plutons: são corpos de rochas magmáticas consolidados no interior da crosta> Formas Concordantes: que concordam com as camadas pré-existentes. LOCALIZAÇÃO: aproximadamente a 30 km de profundidade. encontrando-se a uma temperatura maior. MAGMA: trata-se de uma mistura complexa de substâncias no estado de fusão. possui grande viscosidade e encontra-se a uma temperatura menor. por se encontrarem fechados e comprimidos. Formas Discordantes: que discordam das camadas pré-existentes. rompem-se.

ROCHAS MAGMÁTICAS INTRUSIVAS HIPOABISSAIS
São massas ígneas com granulação grosseira, encontram-se associadas a intrusões plutônicas, portanto, formam-se no interior da crosta terrestre, próximo à superfície. Possuem resfriamento lento, possibilitando o desenvolvimento considerável dos grãos dos minerais. Ex: Pegmatito.

ROCHAS MAGMÁTICAS EXTRUSIVAS OU VULCÂNICAS
Resultam das massas ígneas que atingem o exterior (superfície terrestre). Possuem resfriamento rápido, impossibilitando o desenvolvimento dos grãos dos minerais, tornando-os microscópicos. Ex: Basalto, Púmice e Vidro Vulcânico (Obsidiana). Vulcanismo: ocorre quando o magma rompe a superfície terrestre, se derrama e resfria rapidamente em contato com ar atmosférico. FATORES DE CLASSIFICAÇÃO COMPOSIÇÃO QUÍMICA E/ OU COR: Leucocráticas ou Ácidas: possuem mais de 65% de sílica, que corresponde aos minerais félsicos (claros), e 35% de minerais máficos (escuros). São em geral rochas claras, predominando: quartzo, feldspato e muscovita. Mesocráticas ou Neutras: possuem de 65-55% de sílica, as quantidades de minerais félsicos e máficos são iguais, evidenciando cores intermediárias (cinza e verde). Melanocráticas ou Básicas: possuem menos de 45% de sílica, que corresponde a mais de 60% de minerais máficos e menos de 30% de minerais félsicos. Possuem cores escuras (negra, cinza-chumbo e verde escuro), predominam biotita, piroxênios e anfibólios. COMPOSIÇÃO MINERALÓGICA: Minerais Essenciais: definem e caracterizam as rochas magmáticas, sendo apenas dois ou três para cada tipo de rocha. Os principais minerais essenciais são: feldspato, quartzo, anfibólio, piroxênio, olivina, muscovita, biotita e nefelina. Minerais Acessórios: não são obrigatórios para a classificação da rocha, podem estar presentes ou não. Os principais são: Pirita, Turmalina, Apatita, Magnetita, Fluorita, Granada, Zircão e etc.

20

TEXTURA: Refere-se as dimensões, forma, e arranjo dos minerais constituintes das rochas. Textura Fanerítica: os grãos dos minerais possuem diâmetro superior a 5mm (grãos grossos) ou 1 - 5 mm (grãos médios). a) Equigranular ou Granular: com dimensões aproximadamente iguais. b) Porfirítico: com dimensões diferentes, alguns grãos são maiores (fenocristais). Textura Microfanerítica: os grãos dos minerais apresentam diâmetro inferior a 1 mm. Textura Afanítica ou Afírica: os grãos dos minerais não são observados a olho nú. a) Afanítica Porfirítica: rocha afanítica com alguns grãos visíveis a olho nu. Textura Vítrea: o resfriamento é tão rápido que impossibilita a cristalização. Textura Vesicular ou Traqueóide: resulta da ação de gases que se propagam dentro da massa viscosa, sendo expulsos com o resfriamento, originando assim cavidades. Textura Pegmatítica: quando os grãos dos minerais apresentam diâmetro acima de 2 cm.

21

4ª AULA PRÁTICA

1) Baseando-se na amostra de Granito, responda: 1.1. Classifique-o quanto a sua gênese. Justifique sua resposta. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 1.2. Quais os minerais essenciais observados? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 1.3. E os acessórios? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 2) Observe a amostra de Basalto e responda: 2.1. Classifique-a quanto a sua gênese. Justifique sua resposta. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 2.2. Classifique-a quanto a textura: ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 3) Explique a formação do Pegmatito, e sua classificação quanto a gênese. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4) Relacione as rochas magmáticas presentes em sua bancada: ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________

22

23 . formando camadas ou estratos que se distinguem entre si pelas diferenças de espessura. em parte. as partículas individuais são geralmente modificadas no tamanho. que acarreta na conseqüente destruição da rocha. o mais extenso e duradouro é o marinho. Caracterizam-se em geral por um arranjo paralelo das partículas constituintes. que resulta do atrito e do impacto repetido das partículas.AULA 5 ROCHAS SEDIMENTARES OU ESTRATIGRÁFICAS CONCEITOS: as rochas sedimentares são o resultado da deposição subaquática de detritos (exceto as areias do deserto). onde os minerais estáveis ao ambiente diagenético se cristalizam novamente. muitos minerais podem alterar-se ou serem completamente destruídos. granulometria e cor. FORMAÇÃO: Destruição: a rocha matriz. na forma e no arredondamento. assim como pela precipitação de soluções aquosas de ambiente e pela associação de organismos. A velocidade de erosão determina. pela abrasão e fratura. pelo peso das camadas suprajacentes. Autigênese: é o processo. Deposição: de todos os ambientes. metamórficas e até mesmo sedimentares). Substituição: ocorre quando os minerais originais são substituídos por minerais autígenos. sol. a quantidade de sedimentos fornecida às áreas de deposição. umas às outras. Entre a rocha matriz e a rocha sedimentar final. que são decompostos e erodidos de rochas pré-existentes (magmáticas. Durante o transporte efetivo. umas contra as outras e contra o leito da rocha. Diagênese ou Litificação: os processos diagenéticos atuam após a deposição. Transporte: os detritos decompostos são erodidos e transportados pelo vento e água da chuva e rios. Cimentação: ocorre pela precipitação de material novo nos espaços entre os grânulos originais. transformando-os num agregado consolidado (Figura 2). Estes processos modificam a textura e a composição dos sedimentos. umidade. chuva. onde se depositaram a maioria dos sedimentos antigos e a grande massa de sedimentos modernos. sendo adicionados ao depósito original. geradora (pré-existente) sofre o processo de intemperismo através do vento. muitas vezes originados por recristalização dos precipitados químicos originais. etc. variação de temperatura. As etapas do processo são: Compactação: as partículas sólidas são comprimidas. compactando e cimentando os sedimentos inconsolidados.

ferruginoso. Classificação segundo Wentworth (1922): Matação: diâmetro acima de 256 mm Cascalho: diâmetro de 256-64 mm Seixo Rolado: diâmetro de 64-2 mm Areia: diâmetro de 2. ferruginoso. ROCHAS SEDIMENTARES CLÁSTICAS INCOERENTES São rochas onde os detritos encontram-se desagregados (soltos). ligando o arcabouço e a matriz.Figura 3: Seqüência Sedimentar.062-0. argiloso e etc. Cimento: preenche os espaços intergranulares. O cimento pode ser: silicoso. Matriz: partículas de material detríticos com granulação menor.0. 1999). calcífero. 062 mm Silte: diâmetro de 0.Parque Nacional Ichigualasco – Argentina (Foto: Garcia & Bistrichi. Pode ser: carbonático. silicose e etc. seixos rolados e areia). Componentes das rochas: Arcabouço: são os grãos de natureza detrítica (cascalhos. 24 . possuem diferentes tamanhos de grãos.004 mm ROCHAS SEDIMENTARES CLÁSTICAS COERENTES São rochas que possuem os detritos ligados por um cimento ou simplesmente compactados.

cascalhos ou matacões. Brechas: o arcabouço constitui-se de grãos angulosos. mas morrem organismos (vegetais e animais). misturando-se com as partículas de argila que se depositam. 25 . Argilitos: partículas finíssimas de minerais de argila. formando placas. Varvitos ou Ritmitos: formam varves de siltito e folhelho. que é claro e possui maior granulometria. Durante as chuvas de outono deposita-se o siltito.Tipos de Rochas: Conglomerados: o arcabouço constitui-se de seixos rolados. que entram em decomposição na primavera. Figura 4: Varvito (Parque do Varvito. Devido ao intemperismo do verão. originando a camada que possui a cor escura e deposita-se em menor quantidade (Figura 3). No inverno com o congelamento não ocorre deposição. possuem origem glacio-lacustre (lagos glaciais alimentados por geleiras). Folhelhos: constituem-se de partículas de argila que se depositam por decantação e dispõe-se em planos paralelos.Itu/SP) Foto: Acervo LabGeo Tillitos: são de origem glacial. sua deposição obedece ao ciclo estacional. deposita-se em menor quantidade. Arenitos: o arcabouço constitui-se de areias. que se depositam por decantação em ambientes calmos. constituem-se de partículas pequenas diversas. Siltitos: são partículas de silte ligadas por um cimento argiloso.

que se depositam por evaporação. condições de temperatura. Ocorrem em locais com limitada circulação de água e clima seco. Margas. onde a evaporação é superior a precipitação. Magnesita (Figuras 5 e 6) Figura 6: Evaporitos (Parque Pan de Azucar – Chile) Foto: Garcia & Bistrichi. alumínio e manganês. protegidas contra os restos de influência continental.Chapada Diamantina Foto: Siqueira (2007) Rochas Silicosas: formam-se pela precipitação de sílica (SiO2). 2001 Rochas Ferruginosas: constituídas por óxidos e hidróxidos de ferro. 2000 . Ex: Limonitas. Ex: Gipsita. Rochas Salinas (Evaporitos): são depósitos salinos formados a partir da evaporação da água. 26 .ROCHAS SEDIMENTARES DE ORIGEM QUÍMICA OU AUTIGÊNICA Formam-se a partir de soluções químicas. Halita. precipitação. Figura 7: Evaporitos (Laguna Verde. Estes sedimentos formam-se em áreas que se encontram.Chile Foto: Garcia & Bistrichi. Figura 5: Estalactites . Rochas Carbonáticas: formam-se pela precipitação de carbonato de cálcio (Figura 4) Ex: Calcários. estalactites. Anidrita. Incluem regiões principalmente de águas rasas e quentes. estalagmites e etc. diferentes tipos de pH e etc.

Coquinas: acúmulo de conchas substituídas por sílica (Figura 8). o teor de carbono varia de 75-90%. lagos e deltas. c) Hulha ou Carvão Betuminosos: carvão negro encontrado nas formações Paleozóicas. Rochas Silicosas: Diatomitos: acúmulo de diatomácias (Figura 7). a) Turfa: estágio inicial do carvão.ROCHAS SEDIMENTARES DE ORIGEM BIOGÊNICA OU ORGÂNICA Formam-se partir do acúmulo de vegetais ou atividades de animais em ambientes calmos. mas não permanece nessa rocha geradora. contendo matéria orgânica. transformando-se em hidrocarbonetos (combinação de moléculas de carbono e hidrogênio). essa massa de restos orgânicos vão entrando em reação química. Rochas Oleígenas: Folhelho Pirobetuminoso: rocha de granulação fina. é armazenado numa rocha porosa (rocha armazenadora). Sob a pressão das camadas de rochas superiores. Rochas Carbonosas: Carvão: forma-se por processos bioquímicos e geoquímicos resultantes do acúmulo de restos de vegetais em regiões pantanosas. que se depositam em grandes quantidades no fundo de mares. d) Antracito: carvão negro encontrado nas formações Paleozóicas o teor de carbono varia de 90 a 95%. de onde podem ser extraídas quantidades apreciáveis de óleo. Formam-se em rochas como o folhelho.Chile Foto: Garcia & Bistrichi. 2000 27 . Petróleo: formam-se a partir de restos de vegetais e animais. 2001 Figura 9: Coquinas – Coquimbo . Figura 8: Diatomitos – Argentina Foto: Garcia & Bistrichi. a cor varia de âmbar a negro. sob a ação do calor e do tempo. o teor do carbono varia de 55-65%. b) Linhito: encontrado nas formações Mesozóicas. o teor de carbono varia de 65-75%. O petróleo pode apresentar-se no estado líquido e semi-sólido. pode subir até encontrar uma camada impermeável.

5ª AULA PRÁTICA 1) Defina Rochas Sedimentares: ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 2) Classifique-as quanto à sua gênese.Rochas Fosfáticas: Guano: excrementos de animais sobre as rochas. Coquinas: acúmulo de conchas. 1998 Rochas Carbonáticas: Calcários: pelo acúmulo de conchas.Classifique-a quanto à sua gênese. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 3. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 3) Observe a amostra de Varvito e responda: 3.Vina del Mar .Chile Foto: Garcia & Bistrichi. são substituídos pelo fosfato (Figura 9).2.1. e precipitação de CaC03 por organismos.Quais as rochas que o formam? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 28 . Figura 10: Formação de Guano .

3.Em que ambiente se forma? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4) Estabeleça diferenças e semelhanças entre o Conglomerado e a Brecha..3.7 .1.Qual a natureza do arcabouço? ___________________________________________________________________________ 5.4.1.Sedimentares clásticas incoerentes: ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 6.2.3. .6 .e do cimento? ___________________________________________________________________________ 6) Relacione as seguintes rochas presentes em sua bancada: 6. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 5) Observe a amostra de Conglomerado e responda: 5.Magmáticas Extrusivas: __________________________________________________________________________________________ 29 .3 .2 .Da matriz? ___________________________________________________________________________ 5.Sedimentares de origem química: ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 6. .Sedimentares de origem orgânica: ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 6.Magmáticas Intrusivas Hipoabissais: ___________________________________________________________________________ 6.5 . .Magmáticas Intrusivas ou Plutônicas: ___________________________________________________________________________ 6.Sedimentares clásticas coerentes: ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 6.

: CaCO3 + MgCl2 CaMg (CO3)2 + CaCl 2 calcita água do mar mármore dolomítico TEXTURA: é a forma como aparecem dispostos os grãos dos minerais. Itabirito.: Quartzito e Mármore. Filito. Micaxisto. Recristalização Isoquímica: não ocorre mudança na composição química. Migmatito e Milonito. Ardósia. Gnaisse. Ex. pressão. fortes atritos e agentes voláteis. A temperatura. Granular: os minerais encontram-se em grãos.AULA 6 ROCHAS METAMÓRFICAS ORIGEM: formam-se a partir de rochas pré-existentes (magmáticas e sedimentares). 30 . que são submetidas a determinados processos geológicos. Dinamometamorfismo: resulta da ação conjunta da temperatura e pressão de forma intensa e brusca em dobramentos da crosta. Xistosa: os grãos dos minerais encontram-se alongados e achatados. Ardósia.: Gnaisse e Itabirito. Gnáissica: os minerais encontram-se alternados em faixas de estrutura xistosa e granular. onde todas as transformações ocorrem no estado sólido sem passar pelo estado de fusão. Itacolomito. Mármore. as rochas pré-existentes se transformam. TIPOS DE ROCHAS: Quartzito. são os principais fatores que agem no metamorfismo.: Areia de Quartzo Arenito Quartzito Recristalização Aloquímica: ocorre mudança na composição química. Ex. METAMORFISMO: é o processo pelo qual. RECRISTALIZAÇÃO: é o processo em que se formam ou não novos minerais. Ex. Ex. Ex. Micaxisto e filito. Metamorfismo de Contato ou Termal: ocorre devido a aproximação ou contato com o magma.

2.6ª AULA PRÁTICA 1) Explique o metamorfismo de contato.5. Rochas Magmáticas ou Plutônicas ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4.4. Rochas Magmáticas Extrusivas ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4. Rochas Sedimentares Clásticas Incoerentes ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 31 . Rochas Sedimentares Clásticas Coerentes ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4. ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 2) Qual a textura das rochas metamórficas abaixo: Gnaisse:_____________________________ Quartzito:_________________________ Ardósia:______________________________ Micaxisto:________________________ Mármore:_____________________________ Itabirito: _________________________ 3) O que é recristalização? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4) Relacione os seguintes materiais presentes em sua bancada.1. Rochas Magmáticas Hipoabissais ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4. para melhor fixação: 4.3.

6. Rochas Metamórficas ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4.11.4.9.12. Minerais ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4.10.7.8. Cristais ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4.Minérios ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4. Mineralóides ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 32 . Rochas Sedimentares de Origem Orgânica ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4. Rochas Sedimentares de Origem Química ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4.

FATORES QUE INFLUENCIAM NOS PROCESSOS: • • • • • • • • fatores climáticos: ventos. temperatura. 33 . que aumenta cada vez mais com o crescimento dos cristais. exercem uma força expansiva. EROSÃO: é o processo de remoção e transporte do material que constitui o manto do intemperismo. concentrando os sais na superfície ou nas fendas das rochas. Assim os sais são transportados para a superfície. que ocasionam a decomposição das rochas e minerais. precipitação. visto que o índice de precipitação é baixíssimo e a evaporação é alta. Este efeito sendo repetitivo acaba quebrando as rochas mecanicamente. pelo movimento de iluviação (água sobe dos lençóis freáticos por capilaridade). cloretos. acarretando na desagregação das rochas. quando cristalizam formam as Eflorescências. Os sais se concentram nas fendas das rochas e se cristalizam aumentam seu volume. nitratos e carbonatos). radiação solar e etc atividades biológicas e cobertura vegetal tipo de solo ou substrato rochoso longitude e latitude altitude tipo de relevo (declividade e comprimento de rampa) correntes aquáticas ação antrópica entre outros INTEMPERISMO FÍSICO (destruição das rochas mecanicamente) Cristalização de sais: em regiões de clima árido ou semi-árido. É característico de regiões frias. formando o manto de intemperismo ou regolito. Assim a água congelada inclusa nas fendas das rochas. Os sais (sulfatos. Congelação ou Gelividade: a água ao congelar-se expande em 9% seu volume. os sais não são removidos pela água da chuva. exercendo uma força expansiva.AULA 7 GEODINÂMICA EXTERNA (Processos de dinâmica superficial) INTEMPERISMO: é o conjunto de processos operantes na superfície terrestre (agentes atmosféricos e biológicos).

Algas. O ácido carbônico na água. Erosão Antrópica ou Agente Físico-Biológico: a pressão do crescimento das raízes vegetais pode provocar a desagregação das rochas. Marmitamento: a rocha é destruída pelo turbilhar da água. provocam a formação de uma camada fina de regolito. Quando os orifícios são grandes denominam-se de caldeirões e os pequenos marmitas. ou originado da respiração das raízes de plantas e da decomposição dos resíduos orgânicos do solo. Se o CO2 escapar da água o carbonato de cálcio volta a precipitar-se. os primeiros são resultantes do metabolismo de bactérias. H2O) Ex. desde que existam pequenas fendas. quando se fixam em rochas. favorecendo a fixação de plantas de maior porte. quando atinge os calcários (CaCO3) dissolve-se. Líquens e Musgos. que com o passar do tempo aumenta. dando origem às estalactites e estalagmites em cavernas calcárias. A desagregação dá-se na forma de escamas ou lâminas concêntricas com a superfície (como uma cebola).Esfoliação Esferoidal: a variação de temperatura diária (durante o dia as rochas dilatam-se com o calor e a noite contraem-se com o frio). passando pelo amarelo. Os elementos mais suscetíveis de oxidação durante o intemperismo são: Carbono. Fósforo. Gipsita (CaSO4 . H2O) Feldspato (2KalSi3O8) Caulim (Al2Si2O5(OH)4 + 2KOH + 4SiO2) Decomposição Químico-Biológica: a ação química dos organismos é muito variada. castanho. movendo seixos que vão desgastando a rocha. Ca(HCO3) 2 CaCO3 + H2CO3 Calcita Ácido Carbônico Bicarbonato de Cálcio Hidratação e Hidrólise: determinados minerais podem adicionar moléculas de água à sua composição. que pode ser proveniente da atmosfera devido à quantidade de poluentes (derivados de combustíveis fósseis). Ferro. Nitrogênio. quanto inorgânicos. A cor dos minerais é modificada. acarreta na destruição da rocha. acarretando na formação de orifícios. INTEMPERISMO QUÍMICO (reação química entre a rocha e soluções aquosas) Oxidação: pode ser provocado tanto por agentes orgânicos.: Anidrida (CaSO4) Hematita (Fe2O3) Limonita (Fe2O3 . Ex: Hematita (Fe2O3) + (H2O) Limonita (Fe2O3 H2O) Dissolução ou Carbonatação: o CO2 (gás carbônico) contido na água forma pequenas quantidades de ácido carbônico. Manganês. formando novos minerais. 34 . laranja e vermelho.

MOVIMENTOS DE MASSA: movimentos relacionados a encostas com declividades. podem ser caracterizadas como corridas de lama (solo e alto teor de água). rolamento ou desplacamento de blocos. 35 • • • • . SUBSIDÊNCIA OU COLAPSO: pode ocorrer naturalmente como processos de dissolução de carbonatos. Escorregamentos: são movimentos rápidos de solo ou rocha. EROSÃO LAMINAR: remoção progressiva e uniforme da superfície do solo. Afetam horizontes superficiais de solo ou de rocha alterada e fraturada e são observados através de indícios indiretos como encurvamento de arvores. mudanças de cursos d’água. barramentos e etc. Movimento de blocos rochosos: desprendimento de fragmentos rochosos resultando em queda livre de material grosseiro. De acordo com o material e sua geometria. cujo o centro de gravidade se desloca sempre para baixo e para fora da encosta. deslocamentos de muros e outras estruturas e pequenos degraus na encosta. os escorregamentos recebem denominações diferenciadas: escorregamentos translacionais ou planares (relacionados as foliações das rochas). Pode ser de processos naturais como transporte pelo vento. que passam a ravinas e terminam por originar as voçorocas ou boçorocas. marés e correntes marinhas. escorregamentos circulares ou rotacionais (possuem superfícies de deslizamentos curvas) e escorregamentos em cunha (através de estruturas planares). EROSÃO LINEAR: concentração de linhas de fluxo originando os sulcos. pode ser do tipo queda. corridas de terra (solo e menor teor de água) e corridas de detritos (com material mais grosseiro. escoamento de água superficial ou erodido das margens de canais fluviais. Erosão acelerada ou antrópica: processo auxiliado pela ação do homem colocando o ambiente em desequilíbrio. tombamento. • • • Rastejos: Movimento lento descendente e contínuo em relevo com declividade.PROCESSOS DE EROSÃO Erosão natural ou geológica: processo que ocorre naturalmente em equilíbrio com o ambiente. esse processo podem ser acelerado pelas atividades antrópicas como atividades agrícolas. ASSOREAMENTO: acúmulo de sedimentos em meio aquoso. INUNDAÇÃO: extravasamento da água de um rio (enchente) para suas laterais (planície de inundação). geralmente com direções e volumes bem definidos. Corridas: movimentos de massa com grandes dimensões e com escoamento rápido devido a uma dinâmica hídrica. acomodações de terrenos por peso ou por planos de fraqueza e falhamentos ou podem ser acelerados por ações antrópicas como bombeamento de águas subterrâneas. PROCESSOS COSTEIROS: dinâmica de energia de água que modificam e recortam a linha de costa através das ondas. cercas. fragmentos de rocha).

Outros Fatores: • Biostasia: em regiões arborizadas a vegetação atua como fixação da parte insolúvel. A extensão. cálcio. dependem da combinação em que os fatores de gênese se encontram. num corte vertical que vai da superfície até o material que se deu origem ao solo. retiram do solo 15 elementos essenciais à vida: Macronutrientes: nitrogênio. Solo: último grau de decomposição das rochas. assim como os processos e fenômeno que nele ocorrem. cobre. que se sucedem em profundidade. oxigênio e gás carbônico. tempo de formação. DESCRIÇÃO DO SOLO: Perfil do Solo: é o conjunto de horizontes. rocha original. molibidênio. físicos (Figuras 14 e 15). Edafologia: do grego. magnésio e enxofre (absorvidos em grandes quantidades). níquel. potássio. Funções ecológicas A pedosfera funciona como as fundações ou alicerces da vida em ecossistemas terrestres. fósforo. ferro. etc. mais ou menos paralelas à superfície. Representa o ambiente natural de crescimento e desenvolvimento das plantas. cobalto e zinco (usados em quantidades menores). organismos. Micronutrientes: boro. cloro. • Resistasia: se a vegetação desaparece. 36 . pedon = solo ou terreno e logos = conhecimento. Fatores que influenciam na Formação do Solo: clima. que se formam sob a ação de um conjunto de fenômenos biológicos. manganês. que estuda a origem e o desenvolvimento do solo. a erosão intensificada leva os produtos residuais. relevo. As plantas além de consumirem água.PEDOLOGIA Pedologia: do grego. Horizonte: são camadas de aspecto e constituição diferentes. intensidade e grandeza das transformações. edafos = chão ou terreno e logos = conhecimento (estudo). surge então a quebra no equilíbrio entre a cobertura vegetal e os processos de intemperismo. Assim existe o equilíbrio entre a cobertura vegetal e os processos de intemperismo. Ciência que estuda a camada superficial do solo e a sua capacidade de produção agrícola.

0 8.6 14.000 ºC 700 Mesosfera 11.900 Gutenberg Ferro (90%) Níquel (08%) Silício metálico e enxofre (2%) Ferro (90%) Níquel (08%) Silício metálico e enxofre (2%) 3.000 ºC 5. Manto e Núcleo (Figura 10).com) Velocidade das ondas em km/s P S Camadas Profundidade (km) 0 Descontinuidades Constituição Litológica Granito (Silício e Alumínio) Densidade Temperatura C R O S T A L I T O S F E R A Camada Superior (Sial) Camada inferior (Sima) 40 Mohorovicic (Moho) 15 Conrad 5.8 13.rbrebello.0 1.3 2.000 ºC Núcleo Externo (Líquido) 5.7 800 Cº Basalto (Silício e magnésio) 6.150 Núcleo Interno (Sólido) 6.8 3.5.3 4. Figura 11: Estrutura interna do Globo Terrestre (http://www.0 5.000 Cº A S T E Manto N Superior O S F E R A Manto Inferior 8.1 4.7 3.370 Wiechert 8.AULA 8 GEODINÂMICA INTERNA (Processos de dinâmica interna do Planeta Terra) A ESTRUTURA DO INTERIOR DO GLOBO TERRESTRE O Planeta Terra divide-se em 3 camadas principais: Crosta.3 Zona de baixa velocidade 100 Peridolito com ferro 210 e Sulfetos * meteoritos Repetti Piroxênios Pteridolitos Rochas ultramáficas.6 3.5 7.5 3.000 ºC Tabela 1: Estrutura Geral do Globo Terrestre 37 .5 9 4.wordpress.7 3. Sulfetos e óxidos 2.3 2.0 8.1 11 11.0 4.2 14 .

b) Em áreas estáveis. possui uma temperatura de 64 ºC (desconsiderando a refrigeração artificial da mina). mais partículas do próprio núcleo do átomo e energia. Ex. que é obtido pelo grau geotérmico e pela condutibilidade térmica das rochas. com perda de elétrons. Fatores que influenciam: a) Em regiões afetadas por vulcanismo recente. o grau geotérmico é menor. na forma da radiação. a desintegração radioativa. A temperatura média anual da superfície é de 18 ºC. devido à maior proximidade com o magma. isso acontece devido a mudança do número atômico.18 ºC = 46 ºC 2500 m ÷ 46 ºC = 54. o grau geotérmico é maior. há outros que levam milhares de anos. Qual o grau geotérmico da mina? Superfície T = 18 ºC 64 ºC . PRODUÇÃO DE CALOR PELA RADIOATIVIDADE A quantidade de calor produzida pelos diferentes elementos é controlada pela sua abundância e pela velocidade de desintegração.: Regiões com rochas antigas (Complexo Brasileiro) c) A superfície terrestre tem uma perda anual de calor de ± 75 cal / cm2. alguns elementos se transformam em segundo.3 m a temperatura aumenta 1 ºC. O valor aumenta em torno de 30 metros. Cálculo do grau geotérmico: A mina de Morro Velho.3 m/ºC 2500 m 65ºC Resposta: A cada 54. d) A terra já estaria completamente consolidada e fria. Através da radioatividade é possível determinar o tempo gasto para ocorrer a transformação de um elemento em outro. Grau Geotérmico: é o número de metros necessários descer em profundidade. com base no teor de elementos radioativos das rochas (Urânio.CALOR NO INTERIOR DO PLANETA A temperatura do interior do planeta aumenta com a profundidade. como por exemplo. se à reserva térmica inicial não fosse sempre adicionado o calor proveniente de outras fontes. com aproximadamente 2500 metros de profundidade. de 10 a 30 metros é influenciada pela média anual da superfície terrestre. assim existe uma compensação da perda térmica. para que ocorra o aumento de 1ºC. uma vez que não haverá muita diferença entre as temperaturas. tectonicamente inativas. Tório e Potássio). 38 .

39 .Chumbo) b) Método do K/Ar (Potássio . este método.Argônio) c) Método do Rb/Sr (Rubídio – Estrôncio) d) Método do Sm/Nd (Samário – Neudíneo) Idade Radiométrica: o átomo radioativo original (pai) quando se desintegra transforma-se em um nuclídio-filho. O tempo de vida de um átomo “pai” radioativo em um dado sistema não pode ser especificado. existem elementos que se transformam em outros em frações de segundo. entretanto. São estes que interessam à Geocronologia (determinação da idade) Métodos de Datação Radiométrica: consta da datação de rochas e minerais.6 x 109 anos desintegração U238 Átomo “Pai” 1 grama Urânio 238 0. referido como radiogênico. levam milhares de anos para se transformar. ou seja. utilizando métodos radioativos.Datação do passado geológico antigo: a) Método do U/Pb (Urânio . Cada nuclídeo possui uma meia-vida única. outros. na radioatividade.Meia Vida: é o tempo de desintegração da metade de um átomo “pai” radioativo em um sistema A (nuclídeo-filho). onde metade será igual à massa original (pai) e a outra metade transforma-se em outra (nuclídeo-filho).5 gramas + Pb + He 0. na propriedade que possuem os minerais radioativos de se desintegrarem periodicamente através da emissão de partículas e/ou radiações. em teoria é infinito. Ex: A meia-vida do Urânio é de 4. .43 gramas DATAÇÃO ABSOLUTA Baseia-se.07 gramas 0. Na natureza.

Ex: Poços de Caldas: 60 Ma. e 80 Ma. . Métodos Biocronológicos: trata-se da datação relativa com base em elementos paleontológicos. madeira. elevação pós-glacial do mar.000 anos e tem sido utilizado na datação do recuo das últimas capas de gelo continentais. é necessário conhecer a quantidade de atomos persistentes do nuclídio radioativo (P). data somente até 40. carvão. Sua meia vida é de 5. a quantidade de átomos do nuclídio radiogênico (F) e a constante de desintegração. Este são encontrados nas rochas sedimentares e em alguns tipos de rochas metamórficas (as derivadas das sedimentares). emite um próton e se transforma em Carbono 14 (C14).730 anos.7 Ga. o tempo geológico foi dividido em intervalos diversos.Para calcular a idade de formação de uma rocha (idade radiométrica). é inversamente proporcional à meia . turfa. um átomo de Nitrogênio 14 absorve um nêutron. mudanças na circulação ocêanica. Tais subdivisões ainda se mantêm só que agora se conhece a amplitude cronológica absoluta das mesmas. era. ossos. roupagem de múmia e sambaquis. Na reação.Datação do passado geológico recente Método do Carbono 14 (C14): É um isótopo radioativo raro que ocorre naturalmente na atmosfera em plantas e animais. épocas e idades. Dá-se o nome de escala do tempo geológico.vida do nuclídio-pai. folhas. Fernando de Noronha: 12 Ma. períodos. que é rapidamente incorporado ao dióxido de carbono sendo assimilado por plantas no ciclo do carbono. ao arranjo das unidades geocronológicas por ordem de idade. manuscritos. ascensão da civilização humana. nos fósseis. Outros métodos: Tório 230. os quais em ordem decrescente de importância hierárquica recebem a qualificação de éon. Esta última é específica para cada processo radioativo. sou seja. que sofreram metamorfismo pouco intenso. como um co-produto de bombardeamento de raios cósmicos. Depósitos de Ferro de Minas Gerais: 2. Termoluminescência DATAÇÃO RELATIVA (Escala do Tempo Geológico) Tempo Geológico: consta do tempo decorrido desde o final da fase formativa da Terra até os nossos dias. Antes da descoberta dos métodos de datação absoluta (radiometria). Tório 230 / Protactínio 231. Itatiaia: 65 Ma. 40 . constituindo as unidades geocronológicas. É criado na atmosfera (16 km acima da superfície terrestre).

41 .

g . d .E.R. 2 . glaciações e desertos. 7 . determinou a idade de muitas rochas Pré-Cambrianas na África e na América do Sul. Runcorn. supondo-se que os continentes ter-se-iam movido em relação aos polos magnéticos. No período Proterozóico inferior formaram-se algumas áreas continentais denominadas de Arctica. No período Proterozoico médio uniram-se a Arctica e a Baltica formando o continente Nena que por sua vez.Homologia Geográfica: comparação dos contornos dos continentes.Alfred Wegener (Meteorologista alemão). Bullard . e .P. no Proterozóico superior. demonstraram que as diferentes direções de magnetização das rochas antigas. Baltica e Atlantica.Fisiografia dos fundos oceânicos. juntando e novamente se fragmentando (Ciclo de Wilson).Comparação das margens Leste (E) do Brasil com a Oeste (W) da África. que se rompeu. que vivia em lagos de influência marinha. formado a configuração atual dos continentes. os continentes foram se formando. ocorre um répitl do Permiano. América do Sul. Suess. durante o período Arqueano. 6 . M. As primeiras áreas continentais originaram o continente UR. enquanto que as mais jovens encontram-se mais próximas. sustentando a idéia de que o Hemisfério Sul era um só continente: O Gondwana. 3. S. 5. incluíndo tipos de rochas. “Mesosaurus”. Hurley. Dietz denominou “expansão dos pisos oceânicos” à movimentação dos continentes. M. b .Associação da Assembléia Paleobiogeográfica do continente do Gondwana. as rochas mais velhas das cadeias mesoceânicas estão muito afastadas da fossa tectônica. Índia e outros continentes do Hemisfério Sul. que os uniu dentro de um único continente que denominou de Gondwana. notando semelhança ao longo das costas destes continentes. 9 .P.A datação de rochas na costa da África e América do Sul. formulou a hipótese de que toda a superfície da Terra já constituíra um só super-continente PANGEA.R. poderiam-se reunir em um modelo estável.DERIVA CONTINENTAL CONCEPÇÕES INICIAIS a . 4 . paleoclima.A ocorrência do peixe Pirarucu somente no Brasil e na África. os continentes com seus contornos. paleomagnetismo. Ao longo do Tempo Geológico. f . sugeriram que um sistema de cordilheiras centro-oceânicas se estendiam através de todos os oceânos do mundo. S. indicam a mesma idade. formulou a hipótese de que. B.Francis Bacon (Filósofo inglês). FATOS QUE COMPROVAM A TEORIA 1 . Hospero & S.Somente na África e na América do Sul. notou também uma correspondência íntima entre as formações geológicas das terras do Hemisfério Sul. Blackett . Heazen. 8 . se encaixavam como peças de um quebra-cabeças e estariam se afastando uns dos outros.As cadeias mesoceânicas acompanham as sinuosidades dos continentes. C. c . fósseis. século XVII. Ewing & B. e para o Hemisfério Norte Laurásia. se uniu ao Atlantica e ao UR formando o supercontinente 42 .Encontra-se uma seqüência similar das camadas de idades Triássica na África. E. K.

Austrália-Antártida. Ainda neste período o Rodinia se fragmentou em três continentes: E Gondwana.Gondwana (Atlantica e outras placas da África) e Laurásia (Kazakistão. N . resultando novamente em dois continentes: o Gondwana e a Laurásia e entre eles o mar de Thethys. W .China e outras placas que formavam a Ásia).Gondwana e W Gondwana formando o continente Gondwana. e entre estes se instalou o Atlântico Norte. a India chocou-se com a Ásia. No final deste período a América do Sul e a África começaram a se fragmentar e separam-se definitivamente no periodo Cretáceo.Rodinia. rodeado pelo mar Pantalassa. formando a Cordilheira do Himalaia e a América do Sul ligou-se à América do Norte pelo Istmo do Panamá. 43 . No final do período Permiano. o Pangea. No período Carbonífero os continentes Gondwana e Laurásia uniram-se e formaram o segundo Supercontinente. período Cambriano. África-América do Sul. este supercontinente iniciou nova fragmentação que se concretizou no periodo Triássico. No Início do Paleozóico. Ainda neste período o Gondwana se dividiu em 4 continentes. No período Terciário separouse a Antártida da Austrália. S .China. uniram-se E . India e Madagascar. Durante o período Jurássico o continente Laurásia se dividiu e originou dois outros continentes: América do Norte e Eurásia (Europa e Ásia).

Tal convecção é auxiliada pelo movimento de rotação terrestre e colabora com o movimento de afastamento. para a astenosfera. que constituem o piso oceânico. (Figura 25) Oceano Pacífico B Oceano Atlântico + D + + Améric a do Sul H G H ÁFRICA ASTENOSFERA I C I I MESOSFERA 44 . A placa mais densa é empurrada para baixo (piso oceânico). empurrando as placas. o material erodido do continente é depositado nesta bacia. originando assim movimentos de convecção da Mesosfera (mais quente) para a Astenosfera (menos quente) Correntes de Convecção “I”. este pressiona as paredes da fossa provocando uma força expansiva e conseqüentemente o afastamento das placas ao longo das Cadeias Mesoceânicas. originando as Cadeias Mesoceânicas “H”. Ex. Assim sempre que o material magmático sai. formando montanhas (Ex. que é mais quente e tem uma pressão maior em relação a Astenosfera. assim como ocorreu atividades plutônicas. se acumula na própria fossa tectônica. onde. favorecendo o aumento da pressão que provoca a saída de material magmático pelas Fossas Tectônicas “G”. vulcânicas e sísmicas com dobramentos e falhamentos além da formação de montanhas. O movimento do material magmático é caracterizado por diferenças de temperatura e pressão entre a Mesosfera. enquanto a placa mais leve (continente) é empurrada para cima. Parte desse material é expelido e o restante. O resultado do choque é a formação de uma bacia profunda “E”.TECTÔNICA DE PLACAS MECANISMO DAS PLACAS O choque entre uma placa continental Margem Divergente “A” (América do Sul) e uma placa Oceânica Margem Convergente “B” (Oceano Pacífico). Na astenosfera “C” ocorre a reabsorção dos materiais pesados. Na Zona de Benioff (onde o piso oceânico mergulha na Astenosfera) o material é reincorporado ao magma. resultou na destruição das bordas de ambas as placas.: Andes. devido a um resfriamento rápido. O local de reabsorção denomina-se Zona de Subdução “D”.: Andes).

qualquer que seja. Nesta observação é importante assumir o nível do mar como sendo fixo e invariável (nível de base). sem perturbar localmente a disposição e a estrutura geológica das formações que compõem os blocos afetados por estes movimentos. O fenômeno de levantamento ou rebaixamento do nível marinho chama-se eustasia. na epirogênese pode-se observar. pois nas elevações continentais. OROGÊNESE A orogênese é um movimento que se caracteriza sobretudo por resultar em formação de montanhas. RESULTADO DOS MOVIMENTOS Uma vez formada uma rocha. Os movimentos orogenéticos são relativamente mais que os epirogenéticos e. Em geral. Assim quando ocorre a glaciação. porém sempre à custa de movimentação vertical. astenosfera. seus resultados podem ser observados em muitos locais do planeta. podem ocorrer mudanças nas condições iniciais. O plano de ajustamento dá-se a cerca de 50 Km de profundidade (Teorias de Airy e Pratt) EPIROGÊNESE X EUSTASIA Caracteriza-se por movimentos no sentido vertical de vastas áreas continentais. A retenção de água sob forma de extensas geleiras continentais resultam num abaixamento no nível do mar. Por outro lado. 45 . com as suas características de textura e estrutura próprias do ambiente em que se formou. Outros fatores. a libertação da água pelo degelo a partir das geleiras produz uma sensível elevação do nível do mar. a definição original de epirogênese tem sido aos poucos modificada.MOVIMENTOS TECTÔNICOS ISOSTASIA Dá-se o nome de isostasia. principalmente no passado geológico. quando se manifestam. tais como vulcanismo e erosão também podem proporcionar o aparecimento de montanhas. o nível do mar baixa e se afasta do continente (regressão marinha). já no desgelo. na forma de grandes falhamentos e/ou dobramentos. simultaneamente. o nível do mar se eleva e avança sobre o continente (transgressão marinha). Apesar da grande lentidão dos movimentos epirogenéticos (milhares de anos). obedecendo ao princípio de Arquimedes. geralmente deformam as camadas de rochas. Estas mudanças vão imprimir novos caracteres que poderão mascarar ou mesmo destruir os preexistentes. estruturas do tipo arqueamentos e rupturas são verificadas. Na realidade. o levantamento de certas partes dos continentes acompanhados de abaixamentos de outras partes. ao equilíbrio dos blocos continentais e oceânicos siálicos que flutuam num substrato mais denso.

temperatura. As dobras por sua vez são os melhores exemplos de deformação plástica (feições ducteis). ao longo do qual não se deu nenhum deslocamento das partes separadas. descontinuidade / presença de fluidos. As diaclases são trincas ou planos que tendem a separar em duas partes (ou até mais) um bloco de rocha primitivamente unico. Normalmente. A amplitude deste deslocamento pode ser de milímetro até muitas centenas de metros. A ação mecânica deve atuar lenta e demoradamente. afetam as rochas que oferecem pouca resistência aos esforços aplicados. Já as falhas são fraturas nas quais ocorre um deslocamento perceptível das partes. 2001 Figura 13: Falhas em depósitos quaternários – Chile Foto: Garcia & Bistrichi.Toda estrutura está sujeita a mudanças. o que se dá ao longo do plano de fratura. pois. 2000 46 . isotropia/ anisotropia. caso contrário dar-se-ia a ruptura ao invés da torção (Figuras 11 e 12). Esta passagem constitui a que se chama de deformação. Os fatores que influem na deformação e comportamento dos materiais naturais são: homogenidade / heterogenidade. Figura 12: Dobras em depósitos sedimentares – Chile Foto: Garcia & Bistrichi. passando de um estado inical para um final. pressão e tempo de atuação dos esforços.

VULCANISMO: É a ascensão de material magmático do interior da terra até à superfície terrestre. Localiza-se na Astenosfera (manto superior). PLÚTONS: São os corpos de rochas magmáticas consolidadas em regiões profundas da crosta. Lapólito e Facólito.Derramamento de lava de modo explosivo . ATIVIDADE DO TIPO RÍTMICA OU ESTROMBOLIANO Exemplo: Vulcão Stromboli (Ilhas Lipai. Apófise. Lacólito. Em profundidade situa-se a câmara magmática. b) formas discordantes: São corpos intrusivos que não dependem de estratificação da rocha encaixante. Um vulcão possui um Edifício Vulcânico denominado de estrato-vulcão.Formação de fendas . originando as rochas plutônicas ou intrusivas. estas constituem a maior parte do magma.Norte da Sicília) ATIVIDADE DO TIPO VULCANIANA Exemplo: Vulcão Vesúvio (Itália) 47 . Neck. PLUTONISMO: A consolidação do magma ocorre no interior da crosta terrestre. A montanha é formada pelo acúmulo de fragmentos intercalados de lavas. A Cratera consta da boca afunilada que se forma pela explosão e verifica-se no início da atividade de certos vulcões.Alternância de derrames de lavas e formação de material piroclástico. Batólito e Stock. e com um elevado ponto de fusão. A abertura afunilada é a cratera que se comunica com o exterior. sendo umas mais ou menos voláteis. que é adutora do material vulcânico.Tremores de terra . por ação do Plutonismo. partindo dela a chaminé.Explosão de gases e cinzas . silicatos diversos e alguns óxidos) no estado de fusão. pois a cortam discordantemente. Os principais tipos destas formas são: Dique.AULA 9 VULCANISMO O MAGMA: É uma mistura complexa de substâncias (sílica. TIPOS DE ATIVIDADES VULCÂNICAS ATIVIDADES INÍCIAIS: . Os principais tipos destas formas são: Sil. Os Plútons podem ocorrer de duas formas: a) formas concordantes: Formam-se quando a intrusão magmática intromete-se entre os planos de estratificação da rocha encaixante em concordância.

48 . blocos. bombas. viscosidade e quantidade de gases. ácido clorídrico. cujo comportamento após o derrame decorre do tipo de composição química. LÍQUIDO: A matéria líquida é representada pela lava. Ocorrem em regiões de vulcanismo moderno e são considerados como atividades finais do vulcanismo. cinzas e correntes de lama. dióxido de carbono. sulfetos. Mauna Loa. hidróxido de enxofre. pressão. Os materiais piroclásticos são: tufo vulcânico. cloretos voláteis. temperatura. mas ocorrem outros gases como hidrogênio. lapilli. etc. O vapor d’água é o mais comum.200ºC. As Lavas são produtos sob a forma líquida ou fluida parcialmente desgaseificadas.ATIVIDADE DO TIPO HAVAIANA Exemplo: Vulcões Kilauea . havendo grande regularidade nos intervalos de repouso. fluor. lavas básicas e pillow-lava ou lava almofadada. GÊISERES: São fontes quentes que expelem água intermitantemente. são prevenientes de grandes profundidades e atingem a superfície com temperaturas entre 600 e 1. SÓLIDO: Constam de fragmentos originados das rochas encaixantes que formam o cone vulcânico e geralmente são lançadas durante as explosões vulcânicas ou do próprio magma semi-solidificado ou consolidado. oxigênio. Mouna Keia (Havaí) ATIVIDADE DE FISSURA OU ERUPÇÃO LINEAR OU DO TIPO ISLÂNDICO Exemplo: Vulcão Eldaja e Laki (Islândia) ATIVIDADE OU TIPO PALEANO Exemplo: Vulcão Mont Pelé (Martinica) ATIVIDADE DO TIPO SUBMARINA Exemplo: Arquipélago dos Açores MATERIAIS PRODUZIDOS PELAS ATIVIDADES VULCÂNICAS GASOSO: As exalações vulcânicas são formadas por gases produzidos pelas condições físico-químicas do vulcão. Os principais tipos de lavas são: lavas ácidas. composição da lava e estado de selinidade das atividades.

longitudinais. suas causas.onde o sismo apresenta a sua maior intensidade e ocorre a liberação de grande quantidade de energia. são locais e atectônicos. as ondas sísmicas originadas no foco ou hipocentro. SISMO OU TERREMOTO: Trata-se de uma vibração na superfície terrestre. O colapso de parte do edifício vulcânico pode provocar abalos. em gráficos. São mais rápidas nos pisos oceânicos que nos continentes e ocasionam as maiores destruições na superfície terrestre.SISMOLOGIA É o ramo da Geofísica que estuda os abalos sísmicos (terremotos). A velocidade das ondas sísmicas varia diretamente com a rigidez das rochas e inversamente com a densidade. situadas no interior do planeta a profundidades variáveis. situada acima do hipocentro. propagam-se em profundidade e chegam em primeiro lugar ao epicentro. chegam em segundo lugar e caracterizam por não se propagarem em meios fluidos. FOCO OU HIPOCENTRO: Consta do local no interior do planeta onde se originam as ondas sísmicas. conseqüências e previsões. Ondas L ou Longae: são ondas superficiais. que se originam a partir das ondas P e S. ONDAS SÍSMICAS: No interior do planeta ocorrem perturbações que atingem a superfície terrestre através das ondas sísmicas. MAREMOTOS OU TSUNAMIS: Os sismos cujos os epicentros se localizam em áreas oceânicas originam freqüentemente ondas gigantescas que se deslocam a grandes velocidades arrasando as regiões costeiras quando as atinge. 49 . pela dissolução de rochas através de águas subterrâneas. CAUSAS DOS SISMOS CAUSAS ATECTÔNICAS: Desmoronamentos Internos Superficiais provocam sismos de pouca intensidade. Ondas S ou Secundae: ondas transversais com menor velocidade que as ondas P e propagam-se em profundidade. SISMÓGRAFOS: São aparelhos que detectam e registram de modo contínuo. devido ao vazio formado pela saída de grande quantidade de lava. A maioria localiza-se a menos de 50 Km de profundidade. Ondas P ou Primae: são ondas rápidas. originando os terremotos (sismos). formando caldeiras de abatimento. EPICENTRO: Consta do local na superfície terrestre. Exemplos: Podem ser provocados pelo desmoronamento do teto de cavernas profundas. produzida por forças naturais.

com focos e epicentros em regiões sujeitas a vulcanismo recente. Os movimentos tectônicos profundos provocam a maioria dos sismos. cujos focos se encontram ao longo da Zona de Benioff. São provocados por explosões internas. Os abalos sentidos em São Paulo (Av. dobramentos e falhamentos. acarretam na formação de falhas por esforços preferenciais que atuam sobre as rochas nas áreas de instabilidade tectônica. que se originam devido à força com que os gases e o magma se deslocam até à superfície terrestre. Como os focos estão próximos à superfície terrestre. com levantamentos. sendo que 42 % se localizam na orla do Pacifíco “círculo do fogo”. CAUSAS TECTÔNICAS: São responsáveis pelos grandes sismos. pelo próprio peso. CAUSAS VULCÂNICAS: As atividades vulcânicas podem originar sismos locais de pequena intensidade. 50 . como em locais onde existem camadas espessas de argila. onde ocorre o acúmulo de energia devido as forças tectônicas das placas (convergente e divergente). tectonicamente instáveis. Paulista) e a oscilação sentida nos últimos andares dos prédios. A causa principal dos grandes sismos (os mais catastróficos). Geralmente as erupções vulcânicas são antecedidas por sismos. colapsos ou acomodações verificadas nos vazios resultantes da explosão vulcânica.Acomodação de sedimentos. que é uma rocha lisa e escorregadia.

Portanto. Km hm dam 0 m 0 dm 0 cm b) Escala Gráfica: permite medir as distâncias nos mapas. onde se inclui a aplicação de princípios de escalas. onde cada divisão corresponde a certo número de metros ou quilômetros.000 onde cada 1cm equivale a 30 Km. foi reduzida. Indica quantas vezes a realidade que estamos representando no papel. mostrando a relação com as dimensões do terreno.000) ou proporção (1:100.: Escala Numérica: 1:3. dependendo da escala. conforme representação abaixo: 1 0 0 .000). É uma reta dividida em partes iguais. Os valores são apresentados numa razão (1 / 100.000. 1 cm 30 0 30 60 90 Km 51 .AULA 10 NOÇÕES DE CARTOGRAFIA ESCALAS NUMÉRICAS E GRÁFICAS Escalas de mapas: a representação total ou parcial da superfície terrestre é feita através de cartas ou mapas topográficos.000 cm no terreno. a) Escala Numérica: é a forma fracionária de indicação. ou seja 1 Km. onde cada 1 cm do papel equivale a 100. a escala é o quociente entre as distâncias medidas sobre o mapa e as correspondentes distâncias reais sobre o terreno. representamos gráficamente da seguinte forma. Escala: é uma relação matemática que indica quantas vezes as dimensões reais do terreno são maiores que as dimensões representadas na carta. Ex.

1:100. onde cada segmento represente 10 Km.1:45_____________________________________________________________________ 2) Construa uma escala gráfica correspondente à escala 1:13 Km.000 _______________________________________________________________ h . 1cm 1 0 1 2 3 Km 52 .500__________________________________________________________________ m .1:1.1:5.000______________________________________________________________ e .1:10.1:100____________________________________________________________________ l .EXERCÍCIOS 1) Interprete a transforme em escala numérica (m e Km) as unidades de comprimento abaixo: a .000.000.1:14.000 _________________________________________________________________ g .000 _____________________________________________________________ c .000_________________________________________________________________ f .000_________________________________________________________________ k .1:50:000________________________________________________________________ b .1:500 ___________________________________________________________________ i .000.1:75.000. transforme-a em escala numérica.1:15.000________________________________________________________________ o .1:980.000________________________________________________________________ d .000 construa uma escala gráfica em quilômetros.1:800. 4) Dada a escala gráfica abaixo. 3) Dada a escala numérica de 1:500.000_________________________________________________________ n .1:2.000________________________________________________________________ j .1:600.

c) As dimensões do Laboratório são: • 5 metros de largura • 10 metros de comprimento • 4 metros de janela • 80 centímetros de porta 53 .5) Desenhe uma planta do Laboratório seguindo as seguintes instruções: a) Escala numérica: 1:100 b) Represente na planta a posição exata das portas e janelas.

6) Desenhe outra planta na escala 1:200. utilizando as mesmas medidas do exercício anterior: 7) Qual a diferença entre as duas plantas? Qual a escala maior? O que você conclui? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ________________________________________________________ 54 .

As altitudes dos pontos são chamadas cotas. representadas nos mapas topográficos. e é por meio delas que se distiguem as elevações das depressões.CURVAS DE NÍVEL OU ISÓPACAS: são linhas que unem pontos de mesma altitude. em metros. As cotas podem ser determinadas através do nível do mar ou qualquer outro nível de referência. Fornecem a idéia da conformação altimétrica ou relevo da superfície terrestre. a) Equidistância: _____________________ 900 b) Relevo:_______________________ 1. EXERCÍCIOS 1) O que são Curvas de Nível? O que representam? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 2) Calcular a Equidistância das Curvas de Nível e traçar os perfis topográficos nas figuras abaixo usando a escala vertical 1:100. EQÜIDISTÂNCIA: é a distância vertical entre as curvas de nível.300 A B 55 .

B) Utilizando a escala vertical de 1:5000 a) Equidistância: _____________________ b) Relevo:______________________ 1500 1.100 A B 56 .

000 a) Equidistância: ______________________ b) Relevo:_____________________ 400 400 100 A B 57 .C) Utilizando a escala vertical de 1:10.

000 a) Equidistância:____________________ 100 200 300 400 500 300 200 100 b) Relevo:___________________________ 300 200 400500 400 300 200 100 300 400 500 400 58 .D) Utilizando a escala vertical de 1:100.

Elementos de Mineralogia e Petrologia. Geologia Aplicada à Engenharia . . HOWIE.Fundação Calouste Gulbenkian – Lisboa. J. Minerales y Rocas . 14-DANA. LEHMAN. S. J. 12-CLARKE. . 1964. 20-GARCIA. Apostila – Universidade Guarulhos. Editora Nacional . 18-FONT-ALTABA. A. M.Mariega Editores Editorial Limusa . J.F. Vamos Compreender a Terra Editora Almedina . Estrutura da Terra . 1982. C.M.W.Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa. BOLSANELLO. L. F. Dicionário de Mineralogia . P. 1962. 9 -BRINKMANN.Editora Edgard Bluncher Ltda. W. 59 .RJ. B. R. & AMARAL. 1982.BRIAN. Noções de Mineralogia e Geologia .Una Guía de Identificación Ediciones Omega S. Geologia para Ingenieros Geotécnicos . V.Série de Textos Básicos de Geociências Editora Edgard Blücher Ltda e EDUSP . 1962. J. 1981.P. A. 1992.F. R. 21-GASS.. J. I.Editora Sagra .Livros Técnicos e Científicos . uma Introdução . J.J. P. & LOWE. S. Lab. Estudo e Classificação das Rochas por Exame Macroscópico Fundação Calouste Gulbenkian . Rochas do Brasil Livros Técnicos e Científicos Editora S. Recursos Minerais da Terra.Editora USP . A.J.Porto Alegre .SP. 1983. A.Porto Alegre – RS.1975. 1990. 8. Manual de Mineralogia ..Barcelona. 1980.Série de Textos Básicos de Geociências . A. 19-FRANCO. J. 4 -BOLSANELLO. 16-EICHER.S. 139p. 7 -BRANCO. Geologia Geral .M. 10 -CHESTERMAN. 1984.. 1978. de Geociências.R. 1987. R. Catálogo das Rochas Ornamentais do Estado de São Paulo . C. S. 1975.. L.. 1983.México. . Materiais de Construção-Livros Técnicos e Científicos S. . 1965. 6 -BRANCO.Editora Sagra . Tempo Geológico . C. 5 -BORGES. 11-CHIOSSI. A. 1979. K.SP.Livros Irradiantes S..1990. 2-AUBOUIN. ZUSSMAN. Minerais e Sua Pesquisa .A. R.SP.A. 23-HARVEY. Geologia.Editora Edgard Blücher Ltda e EDUSP .Lisboa. Elementos de Cristalografia .Coimbra. N. S.S.Escola Politécnica . .SP.A. P.A.BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR 1-ABREU. 24-HOCHLEITNER. 1983. Recursos Minerais do Brasil .São Paulo.Editora Edgard Blücher Ltda . R. Objeto e Métodos Editora Almedina -Coimbra. L. P. 22-GASS..A. 13-COSTA. 26-LEINZ.Ediciones Jover S.Editora Edgard Blücher Ltda e EDUSP .E. SMITH.Fundação Calouste Gulbenkian . J. 1970.Editora do Brasil S.A.Barcelona. 15-DEER.A.RJ. G. Minerais Constituíntes das Rochas..2ª Ed. 1985. & PAQUET. WILSON. .IPT. 1986.R. .SP. D.The Audubon Society . LEPREVOST. J. Petrologia . 1972.Lisboa. Glossário Gemológico . 1982.Vol. 1973.P. Field Guide to North American Rocks and Minerals .New York. 25-INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS .Cia.M.São Paulo.SP. H. S. . R. I e II -SP. S.3ª Ed.S. Atlas de Mineralogia .Barcelona. . Geologia Geral . 3-BIGARELLA.Ediciones Omega. I. BROUSSE. 17-FALCÃO-BAUER. G.

A.Van Nostrand Reinhold Company New York.A. K. 2000. V.Editora Edgard Blücher Ltda e EDUSP .E. 1970. J.Madrid. & CAMPOS.SP. Minerali y Rocce .M. T.Golden Press . TOLEDO. W. . P. & FUSTER.New York. Téc. 30-MITCHELL. 41-SUGUIO. 1985. CRESPI. 1957. S. Rocks and Minerals . 60 .Editora Paraninfo S.Arnoldo Mondadori Editore. J.SP. J.SP.A.).ZIM. S. . 34-SCHUMANN. Dicionário de Geologia Sedimentar.Indústria e Comércio S. 39-SUGUIO.W. SHAFFER. 32-POPP.Livros Técnicos e Científicos Editora S. M.. 1973. 1978.. & SANDSTROM. 40-SUGUIO.Geologia Geral-Livros Técnicos e Científicos-Editora Rio.Editora McGraw Editora do Brasil Ltda .1998.Gemas do Mundo-Livro. W.S. J. F.Editora Edgard Blücher Ltda e EDUSP-SP. H. 35-SCHUMANN.A. 1982. 1217p. Editora Nacional . R. 42-TEIXEIRA. Geologia para Engenheiros Civis . Geologia Sedimentar. e Comércio S.Editora Edgard Blücher Ltda e EDUSP . 31-MOTTANA. 37-SORRELL. 28-LEPREVOST. A. B.RJ.27-LEINZ. 1979. Bertrand Brasil.Série de Textos Básicos de Geociências .New York.. 38-SUGUIO. A. Introdução à Sedimentologia . 29-MELENDEZ.RJ. K. J. 2003. R. 1973.A. 33-RODRIGUES. Rochas Sedimentares . 1978.R. G.SP. K. . . Dictionary of Rocks .S. 1977.. 1980. Geologia . 1998. Oficina de Textos (Ed.. 36-SKINNER. C. Recursos Minerais da Terra . 1985.Editora Edgard Blücher Ltda. F.SP. R. FAIRCHILD. 5ª Edição..H.Ed. B.M. TAIOLI. Guia para determinação de Minerais . Rochas e Minerais .A guide to field identification . C.C..Cia. 399p. A. G. K. Rocks and Minerals .RJ. Minerais para a Indústria . Decifrando a Terra.Golden Press .R.. 1976.Livro Técnico S. LIBORIO. PERLMAN.Ind. 557P 43.A.