UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZAONAS INSTITUTO DE CIENCIAS SOCIAIS, EDUCAÇAO E ZOOTECNIA

IMPORTÂNCIA DA BIOCLIMATOLOGIA NA SUÍNOCULTURA

ABRIL DE 2010 PARINTINS – AMAZONAS JÚLIO CÉSAR,

ABRIL DE 2010 PARINTINS – AMAZONAS . ministrado pelo Profº MSc.UZIEL SUWA IMPORTÂNCIA DA BIOCLIMATOLOGIA NA SUÍNOCULTURA Trabalho apresentado para obtenção de nota parcial da disciplina Bioclimatologia do curso de Zootecnia. Diego Mota da Universidade Federal do Amazonas.

além da disponibilidade de energia para esta finalidade. a adaptação e o estresse também determinam o ganho em tecido cárneo. e o impacto deste novo panorama climático sobre sua produção. as condições das instalações e a adaptação dos animais determinam o quanto da energia da dieta será utilizada para a demanda térmica do animal.INTRODUÇÃO A bioclimatologia vem alcançando o seu espaço dentre as pesquisas em produção animal. o nível de alimentação. As condições ambientais na produção de suínos têm um importante impacto sobre a eficiência de produção e composição de carcaça. O peso corporal. a idade. a sucessão das estações seca e chuvosa do Planalto Central distinguem-se da quase regularidade das chuvas na região Sul). objeto de estudo da bioclimatologia animal. grandes secas. Neste aspecto. . inundações e ondas de calor que vêm ameaçando diretamente a vida na terra. Esta ciência tem mostrado sua importância pelas pesquisas de adaptação dos animais à ocorrência destes acontecimentos. surgimento de fenômenos meteorológicos. se torna fácil entender a importância do estudo da influência do clima sobre os animais. quente e úmida contrastasta-se com o Nordeste semiárido. Considerando que poucos países são tão dependentes das variações de tempo e do clima quanto o Brasil (a Amazônia. como. pois surgem novas questões referentes ao aquecimento global.

cuja amplitude. constante para qualquer temperatura.AMBIENTE TÉRMICO O desempenho de suínos é influenciado pela variabilidade do clima.9 a 39. pois à medida que eles adquirem maior camada de gordura subcutânea. ultrapassa os limites das condições de conforto animal. O efeito que a temperatura exerce sobre os animais pode ser modificado por umidade relativa. é imprescindível para auxiliar na manutenção da homeotermia. Desta maneira. teoricamente. o que é agravado pela pequena camada de gordura subcutânea e pelas poucas reservas corporais de glicogênio. ACONDIOCIONAMENTO TÉRMICO Os suínos são classificados como homeotérmicos ou animais de sangue quente. a utilização de índices bioclimáticos na suinocultura permite uma avaliação mais precisa da situação ambiental. principalmente por causa do seu incompleto desenvolvimento hipotalâmico. em que predominam dias quentes.É importante lembrar que o ambiente térmico envolve a interação de um complexo de fatores que interagem para determinar a magnitude dos processos de troca de calor entre o animal e o ambiente. Os suínos são muito sensíveis a condições climáticas adversas. o suíno é uma espécie animal sensível à diversidade climática brasileira. os leitões recém-nascidos são mais afetados pelo seu deficiente controle termorregulatório. o ideal seria tentar descrever o impacto do ambiente térmico em termos de temperatura efetiva. expressa o efeito total combinado dos elementos do clima e ambiente (como temperatura. A faixa de temperatura no qual acontece o mínimo desperdício de energia é chamada de zona termoneutra. Já em climas quentes. Em condições de extremo frio a perda de calor é alta. até alcançar um equilíbrio mínimo. radiação térmica e superfícies de contato. A habilidade de leitões recém-nascidos para regular sua temperatura corporal é limitada. A zona de conforto térmico pode ser considerada como a faixa de temperatura ambiente na qual o esforço termorregulatório é mínimo. O conceito de conforto térmico tem sido definido como a faixa de temperatura ambiente. respectivamente. principalmente a hipotermia é uma das principais causas de mortalidade de leitões recém-nascidos. a energia disponível para o seu crescimento é mínima. Do ponto de vista etológico e fisiológico. À medida que a temperatura aumenta. Nesta faixa de temperatura não há sensação de frio ou calor. a quantidade de calor trocada pelo animal diminui. e se o animal é mantido numa mesma dieta energética. Deste modo. Em climas frios. Nos leitões recém-nascidos o controle da temperatura ambiental com o uso de escamoteadores e fontes de aquecimento. dentro da qual a taxa metabólica está em seu nível mínimo. torna-se inábeis para dissipar o calor corporal. que. Eles mantêm a temperatura corporal dentro de uma pequena faixa comumente observada. que pode variar de 37. precipitação. quanto em climas quentes. e o . Os limites superior e inferior são chamados de temperatura crítica superior e inferior. radiação e vento) sobre o balanço térmico animal. além de permitir a comparação de resultados zootécnicos obtidos com animais mantidos em diferentes regiões. em determinadas estações do ano. Devemos ter sempre em mente que qualquer problema de controle da temperatura corporal. vento. tanto em climas frios. os suínos adultos são mais afetados. umidade. Os leitões de menor peso corporal são mais afetados pela maior superfície de exposição em relação à sua massa corporal.9 ºC.

O suíno difere de outros animais domésticos por possuir pelagem relativamente esparsa (ou nula. como animais homeotérmicos. d) Temperatura e tipo de piso: A temperatura e o tipo de cama utilizada poderão influenciar a troca de calor animal-ambiente. principalmente quando grande quantidade de água fria é consumida no período de inverno. sendo responsável pelo sistema nervoso autônomo (simpático e parassimpático). a queda na temperatura corporal promoverá ativação nos mecanismos fisiológicos de conservação de calor como diminuição da freqüência respiratória. que é acionado quando o ambiente externo apresenta situações desfavoráveis. acionando mecanismos responsáveis pela dissipação do calor corpóreo extra. que coordena as respostas fisiológicas ao ambiente adverso. . Quando eles são submetidos a um ambiente com temperatura inferior à temperatura corporal. possuem um sistema de controle do ambiente interno. a) Nível de alimentação: Quanto maior for o consumo de alimento. É importante enfatizar que as temperaturas críticas superior e inferior são influenciadas por vários fatores.desempenho do animal é otimizado. como aumento do ritmo respiratório. individual ou em grupo. modificando conseqüentemente. O hipotálamo é o principal centro controlador da temperatura corporal dos animais. vasoconstrição periferal. como ocorre em algumas raças de origem tropical) e depender da camada subterrânea de tecido adiposo para o seu isolamento térmico. piloereção etc. Há dois tipos de termorreceptores. processo normal quando tomadas como base as leis físicas de transferência de calor. vasodilatação periferal etc. ocorre dissipação do seu corpo para o ambiente. _ Em situações de frio. RESPOSTAS COMPORTAMENTAIS As respostas comportamentais físicas e químicas são desencadeadas por diferentes espécies animais. Essas situações são percebidas pelos termorreceptores periféricos (células localizadas na pele) e analisadas por mecanismos neurais. Quando a temperatura efetiva ambiental eleva-se acima do limite superior da zona de conforto térmico o animal realiza alterações na postura corporal. possibilitando-o suportar temperaturas efetivas ambientais mais baixas b) Manejo dos animais: O tipo de alojamento. como. as temperaturas críticas dos leitões. menor será a temperatura crítica inferior em função do calor fornecido ao animal pelo alimento. no sentido de manutenção da temperatura corporal. TERMORREGULAÇÃO Os suínos. receptores para o frio e receptores para o calor: _ Quando ocorre um aumento da temperatura corporal. que tomam a decisão adequada e ativam os agentes específicos. poderá influenciar a dissipação de calor do animal para o ambiente c) Temperatura do alimento: A temperatura da ração e da água consumida pode ter efeito. de modo que tal reação possibilite maior dissipação de calor para o ambiente. aumentando sua superfície de exposição. pelas quais se pode concluir que há tendência ao equilíbrio. os receptores de calor reagem.

maior eficiência de utilização da energia pode ser verificada nesse ambiente. o animal utiliza suas reações físicas para a manutenção da homeotermia. aumento no consumo de alimentos e piloereção. como aumento do ritmo respiratório. a evaporação através da pele depende de respostas comportamentais. . Desta forma. os suínos aumentam o consumo de ração. grande parte dos nutrientes ingeridos será direcionada para mantença e o restante (menor quantidade) será utilizado para o crescimento. uma vez que os suínos utilizam o incremento calórico dos alimentos para manutenção da temperatura corporal. De maneira geral. a ausência de pelagem favorece a absorção da radiação solar. o que promove maior dissipação de calor pelo processo evaporativo. Em climas quentes. estas são funcionais. o animal demanda mecanismos internos de termorregulação. com o objetivo de diminuir o calor produzido pelas reações metabólicas do processo de digestão. uma vez que promove redução na temperatura retal e os animais que ingerem mais água. eles reduzem o consumo de ração. Em ambiente frio. não respondendo à exposição dos animais ao calor. a ser dissipada para o ambiente. da homeotermia. Todavia. e apesar de os suínos possuírem glândulas sudoríparas. Consumo de Água O animal pode perder quase toda a sua gordura e metade da proteína corporal. Persistindo a queda na temperatura. com funções específicas.sendo bastante importante no processo de termorregulação. Outra importante resposta comportamental utilizada por suínos expostos ao calor seria a diminuição no consumo de alimentos. a água deve ser considerada como alimento essencial. o animal poderá. propiciando maior produção de calor. porém. Desta maneira. O aumento de água auxilia na manutenção da homeotermia. Resposta inversa ocorre quando os suínos são mantidos em altas temperaturas. aumentar a atividade do músculo esquelético (tremor). como envolver-se em lama ou água. a taxa de eficiência e o ganho de peso dos suínos. O grande consumo de calor na passagem do estado líquido para o gasoso faz com que a água retire calor do organismo. mantendo a temperatura corporal adequada. Em período de verão. Consumo de Ração O ambiente térmico influencia o consumo de ração. No entanto. Com o decréscimo da temperatura efetiva. se perder 10% da água corporal irá sucumbir. ultrapassando a zona de calor intenso. conseqüentemente. Estas reações seriam. têm maior capacidade de ingestão de ração. agrupamento dos animais para minimizar a superfície de exposição corporal. maior será o consumo de água pelos animais. abaixo do limite inferior da zona de conforto térmico. por exemplo. provocando. involuntariamente. assim. quanto mais alta a temperatura ambiente. como forma de diminuir a produção de calor gerado pelos processos metabólicos e. alteração de sua postura diante do vento. numa tentativa de atender à necessidade de mantença que fica aumentada em função da maior demanda de energia exigida para manutenção. A água consome grande quantidade de calor (alto calor específico). e ainda manter-se vivo. que deverá ser dissipado para o ambiente.Com a elevação da temperatura. modificação na composição de sua carcaça.

ao otimizar a utilização dos alimentos que o suíno ingere. nos quais a evaporação da umidade do aparelho respiratório é o mecanismo primário utilizado pelos animais para dissipar o excesso de calor corporal em um ambiente quente. a temperatura retal atinge o equilíbrio mais lentamente do que em muitos outros locais (por ex. Os diferentes regimes nutricionais. eles ficam estressados não só pela temperatura corporal. sendo boa indicadora de um verdadeiro estado estacionário. os produtores têm grande preocupação com a queda na produtividade animal. algumas técnicas compatíveis com cada caso. é melhor medir a temperatura corporal. já tornaram-se evidentes. Dessa maneira. dentre eles estão a idade. a alimentação e digestão. Além disto. conseqüentemente. pela inserção de um termômetro no reto. . Temperatura Retal Um indicador da temperatura corporal profunda é mais rapidamente obtido em animais.RESPOSTAS FISIOLÓGICAS Muitos fatores podem causar variações “normais” na temperatura corporal dos homeotérmicos. a temperatura ambiente. Porém. Do ponto de vista prático. provocam diversificação nas respostas dos mesmos. associados às variações ambientais. afetando conseqüentemente sua eficiência e composição de ganho de peso. As variações térmicas do ambiente no qual um suíno é mantido influencia seu consumo de alimentos. as quais poderão ser empregadas no sentido de favorecer a adaptação do animal ao meio ambiente e. que são processos metabólicos que requerem energia. é importante estabelecer níveis adequados para cada fase do ciclo de produção. há necessidade de determinar os limites das condições ambientais. a medida da temperatura retal dos animais às 9 e 15 horas é amplamente utilizada em pesquisas relacionadas à Bioclimatologia Animal. para adaptar o suprimento disponível às necessidades energéticas dos animais. Freqüência Respiratória Quando os suínos são expostos a temperaturas adversas. conservar seu desempenho produtivo. vasos centrais). . às quais os suínos estão sujeitos. Desta forma. relacionada a determinado ambiente considerado adverso. além de ingestão de água. o sexo. PRÁTICAS PARA AMENIZAR O ESTRESSE TÉRMICO EM SUÍNOS Atualmente. nos quais o gasto de energia seja mínimo. nos diferentes ambientes. Embora a temperatura retal não represente sempre uma média da temperatura corporal profunda. como também pela complexidade dos processos dissipadores de calor (no calor) e processos geradores de calor (no frio). com a evolução das pesquisas na área de nutrição e bioclimatologia.

. Desta maneira. para que não se tornem um problema na criação. O estudo de efeitos do ambiente é de grande importância nas diferentes fases do ciclo de produções de suínos às condições climáticas brasileiras para melhor garantir o alto desempenho de uma suinocultura. as instalações devem ser minuciosamente projetadas. permitindo adequado desenvolvimento dos animais.CONSIDERAÇÕES FINAIS Com o aumento no grau de confinamento dos suínos. respeitando os fatores bioclimatológicos. o ambiente modificou-se para completamente artificial.

São Paulo. M. MÜLLER.Nobel. 1981. . 1999.B. José Ferraz. José Ferraz. 1989. Rev.REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS HANNAS. GAITAM. Ed. 1999. EMBRAPA – CNPSA. Suínnocultura: Tecnologia Moderada. Porto Alegre. Santa Catarina. Sulina. atual.I. J. P. Noções Básicas Sobre Nutrição e Alimentação de Suínos. GODINHO. 3 ed. In: Ambiência E Qualidade na Produção Industrial De Suínos. A. Bioclimatologia aplicada aos animais domésticos. G. 1985. São Paulo: Nobel. GODINHO. Suinocultura: Tecnologia e Viabilidade Econômica. Formação e Manejo de Pastagem. Aspectos fisiológicos e a produção de suínos em clima quente.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful