VAMOS BLOGAR?

- UM CONVITE INUSITADO DE PRODUÇÃO TEXTUAL

Adriana Lemes1

RESUMO:
O trabalho com a leitura e a produção textual na formação docente deve procurar pôr em prática o que é apregoado nas teorias contemporâneas: a utilização da língua (tanto oral quanto escrita) a partir de uma concreta e determinada situação comunicativa, com condições e finalidades específicas, com vistas à produção de um discurso que signifique dizer alguma coisa a alguém, de uma determinada forma, num determinado contexto histórico e em determinadas circunstâncias de interlocução. O presente artigo procura descrever a tentativa de escapar de uma abordagem tradicional dessas esferas do ensino de língua, aliando as novas tecnologias ao processo ensino-aprendizagem. Trata-se do uso de blogs na disciplina de Produção Textual, promovendo a criatividade, a originalidade, o desenvolvimento lingüístico e, sobretudo, a motivação.

Palavras-chave: produção textual; gêneros textuais; blogs.

INTRODUÇÃO

Este artigo apresenta a descrição do trabalho realizado em duas turmas cursantes da disciplina Produção Textual do curso de Pedagogia da Ulbra Campus Guaíba, ministradas pela professora Adriana Lemes, no semestre letivo 2007/2. Como a ementa da referida disciplina previa, basicamente, a produção textual de diferentes tipos de textos, inicialmente foram pensadas diferentes proposições de produções textuais que pudessem motivar os acadêmicos a escreverem textos originais e criativos. A culminância a essa tarefa seria a elaboração de um jornal coletivo cujos textos fossem selecionados e elaborados pelos alunos que, em grupos, responsabilizar-se-iam por uma das diferentes seções que comumente compõe um jornal: política, economia, esporte, gastronomia, meteorologia, classificados, publicidade, cultura etc. A sensação, nessa etapa da programação da disciplina, era a de que carecia de uma formatação mais atual, baseada na perspectiva dos gêneros textuais, tão inserida na contemporânea proposta de ensino de Língua Portuguesa2. Foi assim que surgiu a idéia de inserir, nessa disciplina, o trabalho com blogs textuais, o que inicialmente causou estranhamento e apreensão não só nos/as acadêmicos/as pouco

Licenciada em Letras, Especialista em Ensino de Língua Portuguesa e Mestre em Estudos Culturais em Educação. Docente dos cursos de Letras e Pedagogia da Ulbra Campus Guaíba e do Instituto Superior de Educação Equipe, de Sapucaia do Sul. 2 Proposta dos Parâmetros Curriculares Nacionais – Língua Portuguesa.

1

Seguindo essa evolução. os gêneros antigos não desaparecem. como por exemplo: os gêneros literários (poema. descrição e dissertação ou argumentação e foi por muito tempo praticada nas escolas sob o nome de redação. 1 COMECEMOS POR PARTES. permitindo-os um caráter volúvel. editorial). carta ao leitor. Embora diferentes. o épico e o dramático. sujeitos a mudanças e relações com outros gêneros. Desde a literatura clássica. exclui da prática escolar o exercício autêntico da linguagem. as citações. cada um apresenta uma estrutura básica específica que o caracteriza de acordo com a produção. os de imprensa (entrevista. em virtude dos avanços tecnológicos do mundo contemporâneo. de acordo com suas especificidades e diferenças entre si. As teorias mais recentes sobre os gêneros textuais estão mostrando que essa classificação não dá conta das diferentes práticas sociais da fala e da escrita. os da publicidade (propaganda). há uma preocupação em caracterizar os textos em uma tipologia geral. Devido a sua dinamicidade e variabilidade. Platão e Aristóteles propuseram também subdivisões dos gêneros. que apresentam uma pluralidade de estilos e características de diversos gêneros. em novos gêneros.. cujas características são diferenciadas pelos modos de imitação ou representação da realidade. Aristóteles e Platão apresentam a distinção em três formas genéricas fundamentais: o lírico. Há também os intercalados. por exemplo. os manuscritos. a tragédia e a comédia. uma vez que essa tipologia redacional é vazia de realidade sócio-interacional. selecionam alguns para os 3º e 4º ciclos. os chamados híbridos. tendo como princípios o modo de enunciação. a partir disso.2 inseridos/as no mundo virtual. a concepção de gênero não se limita mais ao estudo da literatura clássica. a epopéia. em função de suas especificações de conteúdo.. (p. uma vez que não são reconhecidas pelos usuários da língua como objetos de interação. como também nos/as já iniciados/as. Na atualidade há uma proliferação de textos que mesclam uma variedade de gêneros.38). como as cartas. Entretanto reconhecer nas unidades textuais apenas essas três formas de produção. uma vez que se trata de uma ferramenta pouco utilizada com finalidade pedagógica. Segundo Todorov. o texto e o contexto em que se encontram. o conceito tradicional de gênero textual compreende a concepção clássica dos gêneros narração. apenas são substituídos por novos gêneros. os de . recepção. São estes: o ditirambo. resultando. texto dramático). Os parâmetros Curriculares Nacionais.

p. encontrada nos diversos textos empíricos. estilo e estrutura esquemática). 2 OS GÊNEROS TEXTUAIS Para Bakthin. São três os elementos principais que caracterizam o gênero: conteúdo temático (assunto. a mensagem transmitida). gêneros são tipos relativamente estáveis de enunciados elaborados nas diferentes esferas sociais de utilização da língua. Essa abordagem teórica. p. profundamente vinculados à vida cultural e social" e acrescenta: "os gêneros contribuem para ordenar e estabilizar as atividades comunicativas do dia-a-dia". seleção vocabular e estrutura de composição utilizadas. relatório de experiências.4). que eles surgem.20) Marcuschi faz a distinção entre gênero. . ao considerar os gêneros textuais. à trilogia clássica que compreende narração." (2002. ele adverte que "os gêneros não são instrumentos estanques e enrijecedores da ação criativa". muito pelo contrário. estruturas frasais. ainda. relacionados com a vida cultural e social. gêneros são "modos de organização da informação que representariam as potencialidades da língua. Para Marcuschi (1996. seminário. Ressalta. que conduz a uma nova prática de tratamento da linguagem na escola. o que é facilmente perceptível ao se considerar a quantidade de gêneros textuais hoje existentes em relação a sociedades anteriores à comunicação escrita. preferências gramaticais).3 divulgação científica ( exposição. descrição e dissertação. O autor. aborda a imprescindibilidade de tratá-los como fenômenos históricos. que abrange categorias determinadas. constructo teórico. Gênero configura uma classe de eventos comunicativos. No entanto. dinâmicos e plásticos". p." O mesmo autor (2002. proliferam-se e modificam-se para atender às necessidades socioculturais e às inovações tecnológicas. as rotinas retóricas ou formas convencionais que o falante tem à sua disposição na língua quando quer organizar o discurso. resumo de verbetes de enciclopédia). e tipo textual. Conhecer determinado gênero significa ser capaz de prever regras de conduta. o plano composicional (estrutura formal dos textos pertencentes ao gênero) e o estilo (leva em conta as questões individuais de seleção e opção: vocabulário. vem em substituição à classificação tradicional. os quais são delimitados por objetivos comunicativos (tema. eles se caracterizam "como eventos textuais altamente maleáveis. forma concretamente realizada.19) concebe os gêneros textuais "como fenômenos históricos.

virtual e mais complexo . de novas formas de linguagem.o ciber ou hiper espaço -. no qual leitor e escritor se encontram diante de novos processos de produção e compreensão textuais. novas estratégias de seleção e distribuição do conteúdo são empregadas e novos recursos lingüísticos são criados para agilizar a transmissão de informações no ambiente virtual. para construir uma ação verbal em situações de comunicação mais complexas e relativamente mais evoluídas. abrangendo assuntos artísticos. mediadas pelo computador.o computador-. Os chamados Gêneros Primários são aqueles que provêm de situações de comunicação verbal espontânea. permitindo a comunicação e a interação entre duas ou mais pessoas. dentro do hipertexto3. para se adaptarem ao meio eletrônico. 4 OS GÊNEROS VIRTUAIS Gêneros virtuais é o nome dado às novas modalidades de gêneros textuais surgidas com a Internet. Conseqüentemente. desvinculam-se da realidade comunicativa imediata. um novo cenário de enunciação. ou seja.proporcionando uma leitura não-linear do mesmo. Esses gêneros modificam os Primários. simplesmente. de um novo código. Devido à extrema heterogeneidade dos gêneros do discurso. de uma nova comunicação hipertextual. Os Gêneros Secundários envolvem uma forma mais elaborada de linguagem. A Internet veio inaugurar uma forma significativa 3 Texto que apresenta referências internas para outros documentos (chamadas de hiperlinks ou. de um novo estilo de ler e escrever (e de "conversar". que passam a ter características mais complexas e elaboradas. E é através da emergência de novos gêneros discursivos e textuais que surgem os gêneros virtuais. políticos. reuniões de amigos. . normalmente a escrita. apenas conservando seu significado no plano de conteúdo do romance. links). que. etc. Seguindo a linha bakthiniana dos Gêneros Primários e Secundários. Bakthin traz como exemplo uma carta ou um diálogo cotidiano da realidade comunicativa. A acelerada evolução da tecnologia de comunicação vem propiciando o surgimento de novos gêneros e a renovação de outros. através do advento da Internet. o que os diferencia é o grau de complexidade e elaboração em que se apresentam. surge. a matéria dos Gêneros Primários e Secundários é a mesma. da vida cotidiana: linguagem oral. etc. Bakthin optou por dividilos em dois tipos: Gêneros Primários (simples) e Gêneros Secundários (complexos).. usando o teclado). construídos em um novo suporte eletrônico .4 3 CLASSIFICANDO OS GÊNEROS.. culturais. diálogos com a família. quando inseridos em um romance.

para partilhar e aprender com eles sobre os gêneros que estão sendo utilizados nos mais variados contextos. pensou-se ser oportuno que o professor em formação estivesse atento ao que acontece na sociedade e à sua volta. sejam eles orais ou escritos. tão presentes no cotidiano da escola. Além disso.5 de comunicação e de uso da linguagem. que. Os principais gêneros virtuais são: os e-mails. do Curso de Pedagogia. 5 BLOGS E TEXTOS. permitindo também a ampliação da concepção de texto. sobre os propósitos comunicativos que os movem e os efeitos pretendidos em cada situação particular. carrega marcas da oralidade e representa um hibridismo entre a modalidade oral e escrita. o texto passa a ser dinâmico e interativo. os chats – ou salas de bate-papo -. Assim. com propriedade e segurança. Foi sob essa perspectiva que organizaramse as atividades da disciplina de Produção Textual. à medida em que a proposição textual seja bem clara e definida. É necessário que o aprendiz possa sentir que realmente está produzindo para um leitor (que não deve ser apenas o professor). eliminando a exclusividade das situações artificiais de produção textual. os weblogs (blogs). no espaço virtual. às suas experiências e às dos alunos. Isso só é conseguido. no segundo semestre letivo de 2007: os gêneros textuais. Acrescenta-se. Foi aí que surgiu a idéia da elaboração de blogs textuais. Nesse sentido. um maior conhecimento do funcionamento dos gêneros textuais torna-se importante tanto para a produção quanto para a compreensão. Tendo em vista que todos os textos se manifestam sempre em um ou em outro gênero textual. objetivando instrumentalizar os/as acadêmicos/as para usos autênticos da linguagem. levando sempre em conta o destinatário. oportunizando a escolha do gênero adequado a cada situação comunicativa e seu uso. a quem serão voltadas as atenções do emissor para alcançar os propósitos comunicativos de cada ação que se concretiza na linguagem verbal. a função do professor passa a ser fornecer ao aluno o conhecimento e a elaboração de diferentes gêneros discursivos/textuais. . as listas de discussão.. em suas experiências de vida inclusive fora do ambiente acadêmico. ou seja. considerando as inovações tecnológicas e textuais já mencionadas. que a Internet possibilitou a criação de um novo espaço para a escrita. ainda.. as mensagens instantâneas. sendo escrito por várias mãos. os fóruns etc. permitindo-lhe empenhar-se na realização consciente de um trabalho lingüístico que realmente tenha sentido para si.

a maior parte dos provedores não cobra taxa para a hospedagem de um blog. Weblog. um espaço privilegiado para a organização de aulas. proporcionando ilimitadas formas de interação. 7 Veja exemplos: http://br. atualização e manutenção dos textos em rede foram – e são – os principais atributos para o sucesso e a difusão dessa chamada ferramenta de autoexpressão. referir-se ao mesmo assunto ou ter sido escritos pela mesma pessoa e.org. Atualmente. Alguns sites têm inovado e usado o blog como um tipo de mídia. Os sistemas de criação e edição de blogs são muito atrativos pelas facilidades que oferecem.6 Blog é abreviação de Weblog.)6. animações) e de som (músicas.htm . podem ser comentados. a convivência de múltiplas semioses. relatórios. bem como podem ser blogs voltados para os conteúdos abordados através da publicações de notícias. onde os alunos escrevem livremente. a exemplo de textos escritos. tornando-se um recurso significativo do processo ensino-aprendizagem7. de imagens (fotos. pesquisas.geocities. Esses posts podem ou não pertencer ao mesmo gênero de escrita.com/info_caxias/oficina_blog. organizando-o de acordo com as necessidades específicas de um grupo (de alunos ou professores). no qual jornalistas postam notícias e comentários da sua área (política. esportes.htm. televisão.br/pj_online/pj_26/blogs. principalmente). servindo como alternativa popular para publicação de textos on-line. onde é possível sistematizar um assunto. desenhos. pois dispensam o conhecimento de HTML5. o que 4 5 Chamadas posts ou postagens. histórias. 6 VAMOS BLOGAR? Conforme anunciado na introdução. A vantagem da primeira turma foi a disponibilização do Laboratório de Informática da Ulbra Campus Guaíba em virtude do período de férias. a proposta de elaboração de blogs causou estranhamento em ambas as turmas. reportagens. além de lidos. Os blogs educativos (ou pedagógicos) constituem. Linguagem específica para criação de páginas na Web. como no presente caso. A ferramenta permite. 6 Ver mais em http://www. A sua aplicação no cotidiano escolar pode ocorrer na forma de blogs pessoais. oficinas. etc. A facilidade para a edição. também. pesquisas. registros de atividades. A maioria dos blogs são miscelâneas onde os blogueiros escrevem com total liberdade.sjsc. debates ou através da criação de textos. ainda. etc. blog ou blogue é um página da Web cujas atualizações4 são organizadas cronologicamente (como um histórico ou diário).

resultando em interessantes produções coletivas. trava-línguas.zip.7 não favoreu a segunda. literatura. o que pode ser percebido nos blogs pessoais cujos endereços encontram-se em anexo. (www. diferentes finalidades. sobre blogs: conceitos. além do orgulho dos/as que apresentavam.br/blogs). Na seqüência. enfim. poemas.uol.. que teve que contar com acessos particulares. foi proposto. 8 Foi escolhido o blog disponibilizado pelo portal UOL. provérbios. além de um tutorial sobre a efetiva elaboração8. foram os gêneros textuais que constituíram os blogs textuais. motivação. sobretudo. O sentimento de superação e gratificação demonstrado pelos/as acadêmicos/as por ocasião da apresentação de seus blogs aos demais colegas foi surpreendente. Para os grupos. Famílias surpresas (principalmente filhos/as que não estão acostumados a verem as mães utilizando recursos e apropriando-se de termos específicos da Web) também foram relatos recorrentes.. cultura. a idéia da elaboração de um “tradicional” jornal coletivo foi adaptada à proposta de autoria coletiva de um blog jornalístico. como se pode constatar em http://prodtextual. tornaramse alvos da leitura e seleção dos/as acadêmicos/as envolvidos/as. educação. trabalhado em aula. piadas. artigos científicos. então. criatividade e. passado o impacto inicial e as manifestações de incapacidades frente ao desafio proposto. quadrinhos. charges. misticismo.com. esporte. gastronomia. receitas. mensagens para colegas e para a professora. inclusive. seguiu-se um trabalho de leitura e produção textual calcado na descoberta. Política.net... dicas para tratamentos de beleza. letras de músicas. De qualquer forma. com estímulo e motivação. foi preparado um material. a resistência inicial foi cedendo espaço a um misto de descoberta. visitas aos mais variados estilos de blogs. comentários de internautas sobre suas produções. Aos poucos. parlendas. Como apoio.. . superação. mensagens altruístas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Fotos. entre outros. orações adivinhas. que cada aluno/a construíssse seu blog com os mais diferentes gêneros textuais. lan houses e/ou uma única aula no Labin do Campus.zip. lazer e entretenimento. ditados populares. tarefa essa que intensificou a motivação para a leitura e produção dos mais variados textos. foram designadas temáticas sobre as quais os componentes deveriam selecionar textos. parábolas. Para começar.net e em http://prodtextualtapes.

zip.net http://eveline.zip. Blogs e as práticas de escrita sobre si na internet.net http://lima-adriana.net http://magdabrum.net http://rm.zip.zip.zip.zip.zip.zip.net http://fefecardozo.net http://luzia. o que ultrapassou em muito a expectativa inicial.net http://verarobalo.zip.net http://jussarafortes. a originalidade e o empenho dos/as alunos/as.zip. Acesso em 24/08/2007.venturella.zip.net http://ll.anjos. Gêneros textuais e ensino. Brasília: INEP-MEC.zip.terres.net http://darleneprado.zip.zip.net http://verarobalo. _________________.net http://mirianalencastro.net http://mg-cesar.zip.simchen.ambus.ribeiro.zip.garciai.net http://gabriellenda.zip. Ângela Paiva et al. Disponível em < http://www. Fabiana.net http://jb-machado.net http://janete-silva.net http://eveline. Martins Fontes.zip.zip.zip.zip.anjos.net http://deizefreitas.pereira.net http://alineschmidt.net http://sandra.zip. Estética da criação verbal.zip.zip.zip.zip.zip.zip.zip.net http://jussara.Gêneros textuais: definição e funcionalidade.net http://cesargoulart. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. 2002 Ministério da Educação e do Desporto.net http://thaiamonteiro.br/nehte/artigos/blogs.net http://cesar. São Paulo.zip.net http://mislenemoraes. ANEXOS Endereços dos blogs textuais: http://arinesloureiro.net REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BAKHTIN.zip.net http://mi.pdf>. KOMESU.zip.zip.zip.net http://eliseteantunes.net http://cdcosta.net http://pb.helena.net http://cleidi.zip.net http://zizivencato. Rio de Janeiro: Lucerna.silva. permitindo que esse tipo de atividade seja realizada com alunos que pertencem a uma geração muito ligada ao computador e que não tem.zip.zip.net http://ab-vieira.zip.zip.zip. por muitas vezes.goulart.net http://rx.net http://vm.net http://ap. M. .zip. L.net http://daiavigolo.net http://patriciariston.zip.net http://ramosterres.lourenco.zip.net http://lima.zip. é válido destacar a motivação. 1996.zip.net http://mi.zip. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental.net http://carollemos.zip.net http://cs.zip. A.zip.zip.pereira.net http://nelibruxel.krause. essa realidade aproveitada na escola de forma criativa e produtiva.net http://mi. Exercícios de compreensão ou copiação nos manuais de ensino de língua? Revista em Aberto.net http://angelantunes.fortes.helena. In: DIONÍSIO. a criatividade.net http://grazieladiasaires. A inserção do/a professor/a em formação (até mesmo o/a que já está em exercício há muitos anos) no mundo virtual com finalidades pedagógicas também pode ser considerado um ganho da disciplina nesse formato. 1992.laurent.net http://franci.net http://fatima.1997.net http://lima.vilanova.zip.zip.net http://alineschmidt.ufpe.net http://apinzon.zip.buchweiz.avila.net http://luzia.buchweiz. MARCUSCHI.net http://valdetelazaroti.8 Além do objetivo da disciplina ter sido atingido plenamente.zip.

9 .