Anotações do curso Teoria do Estado Contemporâneo AULAS 1 E 2. Teoria Política impregnada de Filosofia política. Período: pós-1945.

Ano: 1971 – publicação de Uma Teoria da Justiça, de John Rawls. Temas clássicos num contexto de sociedade de massas. Estes temas estão envolvidos nas questões normativas, de formatação dos Estados. John Rawls – Uma Teoria da Justiça 1.1 Contexto histórico, filiação filósofica. John Rawls (1921-2002) – filósofo político norte-americano de Harvard. Vida intelectual intensa. Três grandes obras: Uma Teoria da Justiça (1971); Liberalismo Político (1993) – propõe a seguinte questão: como uma sociedade pode ser ao mesmo tempo justa e tolerante? É a resposta do próprio autor a sua primeira obra. Aqui aparece o conceito de pluralismo razoável: como é possível assegurar uma estabilidade política com todas as diversas visões de mundo existentes. Como lidar com sociedades cada vez mais plurais (visões de mundo inúmeras e contraditórias) e que tem de conviver, coexistir. Levadas às últimas consequências, esta é a grande questão da política: como se arranja isso (o pluralismo) de forma institucional; O Direito dos Povos (1999) – debate da justiça no plano da política internacional. O conceito de justiça proposto por Rawls na relação entre países. O tema central de John Rawls é a Justiça. O que está sempre posto para a política é como se formam os arranjos societários. Alguns temas sempre permeiam essa discussão. A justiça é um desses temas. E qual âmbito, interpretação e aplicação de justiça John Rawls propõe? A justiça distributiva (justiça social) é a interpretação proposta. A matriz filosófica de Rawls é o liberalismo. Esse debate (da justiça) vem desde Adam Smith, do liberalismo clássico. Contudo, é importante ressaltar que do ponto de vista científico não podemos considerar todos os liberais da mesma forma. A origem filosófica neste caso é Kant. Filiado (Rawls) ao liberalismo igualitário. Essa

porque a partir disso. por exemplo. mas assalariado. Durante as últimas quatro décadas essa obra estabeleceu as agendas do debate político. minimizar a dor. as instituições serão justas. no acordo entre os indivíduos. A temática central é a justiça e como lidar com as injustiças de nascimento e adquiridas num universo de sociedade livre. Em comunidades políticas de pluralidade de interesses. como estabelecer uma sociedade justa em meio a tudo isso? Essa discussão da justiça é essencial que seja pensada antes de pensar a configuração do Estado. uma vez que a sustentação da sociedade não é feita por trabalho escravo. 1 Maximizar o prazer. A forma de interpretar esse tipo de justiça é essencialmente moderna.3 Problema central Como formatar uma ideia de justiça em sociedades plurais e marcadas por desigualdades. A busca de uma base universalmente aceita de justiça. Tão numeroso quanto o número de indivíduos. pessoas. os conflitos. ou seja. por causa do pluralismo. Não reduz por causa do pluralismo. seguirão as bases estabelecidas na saída. em busca da felicidade do maior número. No entanto. Num contexto tal. instituições. 1. 1. Sistema esse que não evita as tensões. Rawls entende a sociedade como um sistema de cooperação (lembra Aristóteles num resgate ao homem político e social). o quadro que se apresenta é a pluralidade de concepções e a escassez de bens. a cooperação oferece um arranjo razoável.2 Justiça distributiva Tem a ver com a distribuição dos benefícios produzidos pela sociedade. não ficou apenas no âmbito do liberalismo. porque para Rawls não se pode reduzir o arranjo societário num único pressuposto. Pois o entendimento de bem comum é muito diverso. Porém. a distribuição de recursos passa pelo merecimento. Em Aristóteles. Uma Teoria da Justiça (1971) teve o mesmo impacto que a obra de John Stuart Mill no século XIX. Implica necessariamente em um agente distribuidor (que passa pelo Estado).vertente nasce como reação ao utilitarismo1. Põe em causa esse paradigma. Rawls propõe outra coisa. que decorre dos vários entendimentos do que seja o bem. .

4 Ponto de partida da teoria Rawls retoma a teoria do contrato social. Em tal situação. Dessa forma. os homens lançariam mão do MAXIMIN (decisão racional em condições de incerteza). é uma forma de não prejudicar aquele indivíduo que de saída já está numa situação desgraçada. Pelo contrário. etc. Não há lei natural (como se aprendeu com Locke). étnicas. de origem. aqui compreendido. na qual os homens maximizam a posição mínima ou pior possível. Nos termos de Rawls. os homens farão o pacto com maior cautela. O contrato de John Rawls não serve para inaugurar nenhuma sociedade. de gênero.1. um Estado.6 Véu de ignorância Os contratantes estarão na mais absoluta falta de informação a respeito de si mesmos e dos demais. O fundamento disso é resguardar os contratantes de uma situação de desfavorecimento que pode advir das distintas posições sociais dos homens. antes do contrato não há nada. 1. Isto rompe com a tradição do liberalismo político que sempre estabeleceu uma situação pré-Estado. são condições fundamentais de cooperação e associação. tampouco real. racionalmente. 1. O véu retira todas as suas referências passadas. desde o nascimento até as que se adquiriram.5 Estado de natureza A situação original não é natural. o contrato de Rawls é estabelecer um princípio de justiça. É sob esse véu que os homens decidirão sobre os princípios de justiça. O véu de ignorância serve para que os homens não sejam influenciados por suas referências. Está no horizonte uma justiça equitativa . seria o conceito de justiça que balizaria a constituição das demais instituições sociais. ou forma de governo. E por . de maneira distinta. antes de qualquer coisa. Os homens desconhecem suas condições sociais. Para que não haja favorecidos e desfavorecidos. O estado de natureza. E maximizar a pior situação possível. Sequer têm conhecimento de suas habilidades e talentos (físicas e intelectuais). Tal situação é o pressuposto para se pactuar princípios de justiça. sob o véu. posses. é hipotético. O que os contratantes de uma dada sociedade buscariam.

Os homens estariam pactuando condições de igualdade e desigualdade entre eles. A liberdade não é direito natural. Na sociedade liberal de Rawls é considerado injusto que pessoas menos aptas natural e socialmente não desfrutam dos mesmos bens sociais. 1) Princípio de liberdade: tem primado sobre o segundo princípio. é o princípio da diferença. reunião. por um lado têm de estar associadas a cargos e posições abertos a todos segundos as circunstâncias da igualdade equitativa de oportunidades. A distribuição de riqueza e da renda devem atuar no sentido de que os menos favorecidos tenham acesso a elas. mas algo que se compactua. Se não se admitir isso fica difícil admitir as pluralidades. expressão. rendimentos e riqueza: “As desigualdades sociais e econômicas devem satisfazer duas condições (só seria admitida em duas condições). Sua função é a de orientar a distribuição de direitos e deveres. E que não tenham as mesmas oportunidades de perseguir seus planos de vida. O progresso de uns deve operar num sentido de trazer benefícios para todos. Não há barreiras como privilégio que impeçam as pessoas de buscarem seus projetos de vida. . Acesso universal. A maior liberdade compatível com a liberdade dos demais. toda ordenação da sociedade depende desses princípios. associação. de eleger e ser eleito. Passa pela liberdade de pensamento. Nos princípios de justiça de Rawls. “Cada pessoa deve ter um direito igual ao sistema mais extenso de iguais liberdades fundamentais que seja compatível com um sistema similar de liberdades para outras pessoas” (RAWLS). as pessoas escolheriam um arranjo mais equilibrado. que nortearam as estruturas básicas da sociedade. têm de operar no sentido do maior benefício possível dos membros menos favorecidos da sociedade” (RAWLS). integridade das pessoas. por outro.desconhecerem as posses e posições sociais dos outros indivíduos. admite-se a desigualdade. 1.7 Dois princípios de justiça Os homens estabeleceriam dois princípios de justiça. A cautela é uma decisão racional. 2) Oportunidades. Liberdade só pode ser restringida em nome da liberdade.

O contrato entre os membros da sociedade implica que uma geração economize o suficiente para a próxima geração. Tal retificação passa pelo Estado (que segue os princípios de justiça estabelecidos no contrato sob o véu de ignorância). oportunidades. A justiça pensada nestes termos estrutura uma sociedade bem ordenada. Uma sociedade assim é aquela regulada por justiça como equidade.10 Bens sociais primários. respeito mútuo. não o é para outro).11 Primado do justo sobre o bem. Concretamente: liberdade. Não basta igualdade equitativa de oportunidades. mas são normalmente arbitrárias. Compromisso moral para com o futuro. As desigualdades podem ser resultantes de escolhas e não de circunstâncias. Para Rawls. renda. constituem bens fundamentais para qualquer plano de vida.9 Justa poupança. pois depende da formação histórica de tal sociedade (o que tal sociedade premia ou ignora). porque depende das escolhas individuais (o que é prioridade para um. É a partir dos dois princípios de justiças (descritos acima) que haverá distribuição equitativa dos bens sociais primários. a organização e . Constituem os bens que todos necessitam para obtação de tudo aquilo que queremos e podemos alcançar. Bens indispensáveis a qualquer plano de vida. Não importa saber o que é o bem.No princípio de diferença requer que sejam criados mecanismos de correção. As habilidades e talentos são importantes para a sociedade. Ideia de retificação. devem gerar algum tipo de compensação. As principais instituições políticas e sociais se enquadram num esquema de cooperação. Democrática pois acomoda o pluralismo. 1. Corrigir com justiça (distributiva). O senso de justiça dos indivíduos está em sintonia com as instituições.8 Princípio de retificação. Aqui o bem é relativo. 1. As vantagens que alguns indivíduos adquirem. mas em estabelecer o que é o justo. Todos conhecem os princípios de justiça que regem a sociedade. Tais bens dependem da construção societária. Tudo isso com a dimensão da escassez de recursos em vista. 1. a viabilidade política para esses princípios esta contida na ideia de democracia constitucional. mas de retificação distributiva. se não forem por mérito próprio. 1.

automaticamente. Retoma Kant: indivíduos devem ser tratados como um fim em si mesmo. A liberdade é um propósito de vida individual. Foi escrito como um contraposto ao livro de Rawls (Uma Teoria da Justiça). Libertarismo: ideia central é a liberdade pensada nos seguintes termos: o indivíduo deve ser livre para fazer o que bem entender. 2) defesa de que nenhum Estado pode atentar contra a liberdade individual . Filósofo político norte-americano filiado a Harvard.participação das pessoas. pois ao traçarem seus planos de vida terão que arcar com os erros alheios. deve-se defender a liberdade individual. O utilitarismo ignora as questões relativas à justiça distributiva. Neste ponto. O utilitarismo é insuficiente para resolver questões básicas para o equilíbrio de uma sociedade. Liberalismo igualitário vs. Para os libertários norte-americanos.1 Contexto histórico. Estado e Utopia (1974). Nozick vai dizer que isso fere a individualidade do indivíduo. filiação filósofica Robert Nozick (1938 – 2002). não como meios. Nozick contesta Rawls. e pensar em justiça é levar isso em conta. 2. que ao levar em conta a maximização da felicidade de seus membros. deprecia a liberdade. A liberdade para Nozick constitui um imperativo moral. mas se responsabilizar por suas escolhas. a liberdade e a igualdade são irreconciliáveis. Dessa forma. numa ideia coorporativa. AULA 3 2. Esta obra está dividida em três partes fundamentais: 1) justificativa de um Estado mínimo (crítica ao anarquismo).2 Anarquia. Rawls põe os homens como meios. Utilitarismo (o qual Rawls contesta). Algo que contribua para o bem estar geral (maximizar a felicidade do maior número). mas com um Estado mínimo garantidor de segurança. A resolução das liberdades se acomoda na constituição. O problema é considerar iguais os mais diferentes entendimentos do que seja o bem estar. Para ele. se um povo opta pela igualdade. Um fim em si mesmo é fazer o que se quer. Justificativa de um estado mínimo: liberdade extrema. um consenso sobreposto: todos compartilham que essa concepção de justiça só pode se desenvolver num universo de sociedade democrática. deixa de pensar como as desvantagens e benefícios serão distribuídos.

Estado mínimo nas dimensões jurídicas e econômicas. Teoria do contrato (aproxima-se de John Locke. . Estaria fora. 2. desde que a obtenção primeira não tenha violado os direitos de alguém. Exercício de liberdade extremada. 2. neste caso se justifica devido à necessidade de um mecanismo de segurança que salvaguarda a liberdade. Qualquer pessoa tem direito a um bem desde que não tenha infringido os direitos individuais dos outros. Isto representa o Estado mínimo de Nozick. Individualismo metodológico (a interpretação dos fenômenos sociais só pode ser feita ao olhar paras as ações dos indivíduos). Em que medida as pessoas têm direito aos seus bens. o que difere é: ao adquirir algo pelo seu próprio trabalho. 2) justiça na transferência. cedo ou tarde.(contestação a Rawls). Função do Estado: garantir direitos individuais contra o uso indevido da força. contra roubos.3 O livro. 1) Justiça na aquisição. 2. mas se a obtenção de tal bem foi justa. os homens julgam em causa própria. a liberdade do outro. 3) retificação da injustiça.5 Teoria da titularidade (ou do justo título) . Assim estaria resolvida a questão da instabilidade. portanto. violações e o não cumprimento dos contratos. Justiça histórica. não precisa verificar se o mesmo bem está disponível a todos. 2) Justiça na transferência. 3) projeto utópico (projeto do utraliberalismo norteamericano). Não pode violar os direitos individuais.. sem ferir a liberdade de outro). a perspectiva de uma justiça privada. Sem Estado: situação de insegurança entre os homens. Três aspectos fundamentais: 1) justiça na aquisição. qual seja. nasce a partir do surgimento de uma grande associação destinada a manter a segurança dos homens. O Estado. Ou seja. ou seja. para Nozick. No caso de uma herança. Tem a ver com os bens dos indivíduos. a justiça já foi feita e essa herança não pertente a mais ninguém salvo o herdeiro.4 Ideia de justiça. fraudes. Num Estado de Natureza. encontra um limite. O Estado se justifica? Sim. A auto-organização não garante liberdade. A justiça privada resulta em insegurança.

. os três pontos estão relacionados ao primeiro. Harvard (EUA).3) Retificação da injustiça. A diferença entre Rawls e Sen: a distribuição de bens sociais primárias (renda. Ou seja. etc. ela tem uma dimensão histórica. Constrói sua carreira na Inglaterra. Em 1998.6 Utopia Só há prosperidade se aquilo que alguém conquistou de forma justo lhe seja garantido.1 Contexto histório. A noção de justiça de Nozick depende do que aconteceu no passado e não o que se pretende no futuro.) não é o bastante. fruto de roubo. Os três pontos são históricos. Capacidade é liberdade substantiva. deverá ser restituído à vítima. Em larga medida. Sen propõe a teoria do desenvolvimento como liberdade. 1933). recebeu o prêmio Nobel em Economia. filiação filosófica Amartya Sen (n. é preciso que haja igualdade de capacidades. capacidade é a possibilidade de realizar um plano de vida. Oxford e. tem a ver com o projeto de vida de um indivíduo. teórico indiano. A igualdade de renda não implica o fim da desigualdade. A utopia de Nozick passa pelo direito de adquirir propriedade. distributivos. por sua vez. Seu debate com Rawls se dá dentro do liberalismo igualitário. Igualdade de capacidades é o que deve ser promovida pela política distributiva. AULA 4 3. Não dá para pensar desigualdade em único termo. oportunidades. que. se algo foi adquirido de forma injusta. Em termos jurídicos e não. isto decorre da própria diversidade humana. . É como uma “briga em família”. Ou seja. Aqui Nozick faz contraponto com o socialismo real. Justiça tem a ver com a aquisição. 2. Temática inicial: igualdade. Igualdade está relacionada à capacidade de realização. mais tarde. Sua convicção (Sen) é a de que não é possível formar as pessoas em todas as dimensões. que tenha violado a liberdade de alguém. mas com um enfoque diferente. etc. Trilha o caminho de Rawls. Essa capacidade de realização passa pela liberdade que uma pessoa tem para escolher diferentes tipos de vida. A teoria da justiça não pode depender do Estado.

Expansão de liberdades reais depende de outros fatores.2 Cinco formas de expansão das liberdades substantivas 1) Liberdades políticas. 3. Porque a liberdade é posta apenas do ponto de vista jurídico. Duas áreas fundamentais: saúde e educação. liberdade de escolher quem deve governa-lo. Para que o indivíduo realize seu projeto de vida não basta a distribuição dos bens sociais primários (Rawls). 4) Garantias de transparência. ou seja. produção. Liberdade de expressão. Por uma série de questões: saúde. não há garantia que esses bens serão transformados em capacidades a serviço da vida que cada pessoa escolheu para si. o indivíduo tem direito à liberdade. Duas objeções aos bens sociais primários: 1) são inflexíveis (mesma renda para duas pessoas diferentes. troca. 3) Oportunidades sociais. A tarefa do desenvolvimento é remover as principais fontes de privação de liberdades. O desenvolvimento pode ser visto como um processo de liberdades reais que as pessoas desfrutam. condições climáticas. localização de moradia). é preciso a garantia das capacidades de realização. organização. A sinceridade que as pessoas podem esperar. liberdade de fiscalização e crítica ao poder. mas não pode desfruta-la. . A expansão da liberdade é primordial para o desenvolvimento. Realizar seus projetos de vida. a garantia de que a corrupção será inibida. imprensa. Oportunidades que os indivíduos têm para utilizar recursos econômicos com propósitos de consumo. e não está pensando na capacidade de realização. 2) Facilidades econômicas.Sen critica Nozick. Disposição que a sociedade estabelece em áreas que influenciam decisivamente a forma como as pessoas podem viver. O libertário propõe uma liberdade meramente formal. 2) Rawls deslocou a avaliação das desigualdades dos resultados (utilitarismo) para a avaliação das desigualdades de oportunidades (aqui Rawls pôs os bens sociais primários e ignorou o alcance da distribuição). condições de trabalho. associação.

Problema: economia e ética se distanciaram gravemente. Eis uma preocupação com a qualidade de vida e não apenas com a renda da qual as pessoas dispõem. Diálogo com a economia contemporânea. agora a sociedade trabalha para o mercado. morte. sociais e econômicas no sentido de expansão das capacidades. . É preciso uso extensivo do mercado que esteja recheado de disposições políticas. que impeça que as pessoas cheguem em uma condição de miséria.5) Segurança protetora. Sen propõe uma revisão dos critérios para se analisar a desigualdade. Essas cinco disposições têm forte implicações na expansão das capacidades de realização dos planos de vida. O Estado e a sociedade têm papel amplo no fortalecimento e proteção das capacidades humanas. É necessário proporcionar uma rede de segurança social. A equação se inverte: antes o mercado provia a sociedade.