2010

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - "JÚLIO DE MESQUITA FILHO "Faculdade de Ciências e Letras - Campus de Araraquara

[TRAJETÓRIA POPULISTA]
Andréia Roviero¹
Trabalho requerido pela disciplina: Instituições Políticas Brasileiras, ministrada pelo Prof˚ Dr. Carlos Henrique Gileno.

1.Graduanda do terceiro ano de Ciências Sociais, período diurno .

Índice Introdução Os presidentes do período Populista Consolidação da República Populista Política de Massa: Colapso do Populismo Conclusão Fichamento dos Artigos Referências Bibliográficas 3 4 6 7 8 10 17 2 .

Assim o populismo estabeleceu-se em meio ao processo de transição de uma civilização agrária para uma civilização urbano-industrial. favorável à intervenção do Estado na economia (modelo getulista). que defendia a participação do capital na economia brasileira. acentuando o papel do Estado como promotor e coordenador do desenvolvimento nacional. os governos presidenciais dentro desse período adotaram diversos planos e políticas econômicas. desta forma a industrialização brasileira é frente de modificações com os países hegemônicos. seguiram-se depois vinte e um anos do Estado Autocrático. assim o pais estava dividido em duas propostas de desenvolvimento: a nacionalista-industrial. A industrialização. tinham também interesses totalmente divergentes. e a desenvolvimentista . que envolviam os vários segmentos de uma sociedade urbana industrial do século XX. onde nessas acontece rompimentos políticos.Introdução .Populismo no contexto histórico brasileiro: No Brasil dos anos de 1946 – 1964.industrial. econômicos tanto internos quanto externos. E junto a esse contexto deu-se a proliferação dos partidos políticos (pluripartidarismo) refletindo os desencontros. o país viveu sob o signo da democracia populista. A República Populista teve suas características influenciadas pelos acontecimentos internacionais que marcaram o pós-guerra. a classe média e o operariado. e esta fase foi denominada como República liberal. iniciado com o golpe de 1964 e encerrado nas reeleições indiretas de janeiro de 1985. 3 . a partir de 1930 a economia e em geral toda a sociedade brasileiras passam por transformações significativas. a urbanização e a expansão do setor de serviços permitiram o crescimento de novas forças sociais: o empresariado industrial. As massas urbanas foram incorporadas ao processo político e. embora possuíssem algumas aspirações em comuns. com suas aspirações não podiam ser manipuladas por políticos e pelo próprio Estado. dando origem ao populismo. Com o colapso do sistema oligárquico da República velha. E essas novas forças.

cortou relações com a URSS. assim o povo colocou se contra seus opositores impedindo que a UDN elegesse Lacerda presidente. Getúlio suicida se em 27 de agosto de 1954. criou a Petrobrás (empresa nacional estatal que detinha o monopólio sobre a extração e refino do petróleo brasileiro). O que acabou por abalar a liderança de Vargas foi à descoberta de que seu chefe pessoal estaria envolvido na tentativa de assassinato de Carlos Lacerda (líder da UDN e principal opositor de Vargas). que ao ser eleito prometeu um desenvolvimento econômico acelerado. o que provocou o esgotamento das reservas acumuladas pelo Brasil durante a II Guerra Mundial. Vargas sempre procurando intensificar o apoio popular. através da intensificação da industrialização. e classificou o partido comunista com ilegal. sustentado pelo PTB. o presidente nesse período elevou as taxas alfandegárias. O terceiro governo da república populista foi de Juscelino Kubitschek (19561961). criou a Lei de Remessa de Lucros (que limitava o envio de lucros das multinacionais para o exterior).Os Presidentes do Período Populista Com uma política conservadora. a divisão de partidos políticos e suas indecisões possibilitaram a candidatura de Vargas. visando estimular a industrialização. pavimentou vias e construiu hidrelétricas. Eurico Gaspar Dutra (1946-1951). acabou atrapalhando o seu apoio popular. JK estimulou ao máximo a entrada de multinacionais no Brasil. alimentação. O segundo governo de Getúlio Vargas (1951-1954) veio sem a emergência de uma nova liderança política. Em meio às ameaças de seus opositores. a oposição insatisfeita com a volta crescente do nacionalismo. E elaborou um plano denominado SALTE de investimento nacional que priorizava os setores de saúde. o Brasil formou ainda nesse período a OEA (órgão criado para impedir a difusão do comunismo pelo continente americano) consolidando a aliança com os Estados Unidos. após a mobilização popular com a campanha “o petróleo é nosso”. transporte e energia. Em seu governo Dutra abriu as portas à entrada de capitais estrangeiros e reduziu as taxas alfandegárias. dobrou o valor do salário mínimo nesse período. para que isso fosse possível executou vários 4 . algumas forças com o apoio da UND uniram-se conta seu governo.

o resultado foi sua renuncia à presidência.. para assim desconcentrar o crescimento apenas na região sudeste do país. na tentativa de desenvolver o país o que seria feito em 50 anos em 5.. em contraposição aos legalistas que defendiam que a lei fosse cumprida. e seus poderes só foram restabelecidos após dois anos de governo. na reforma 5 . Além da criação do SUDENE. priorizava implantar com seu plano nacional os setores da indústria. o que acarreta em percas de emprego. reforçado isso com suas propostas de reformas de base. Por causa dos crescentes índices de inflação. apoiado pela UND. Deste modo o governo desenvolvimentista de JK gerou altos índices de crescimento econômico.. levando o país a inflação. transporte. Foi em seu governo que o Brasil voltou a reafirmar as relações diplomáticas com os países comunistas. Jânio nesse período passa a perder o apoio popular.. energia.. Jânio cortou vários gastos público... no meio dessa discussão Jango tornou-se presidente sem poderes. os golpistas queriam impedi-lo de assumir o poder. .. pois o primeiro ministro tornou-se o chefe de governo. reduzindo o crescimento econômico. obteve o apoio das elites representadas pela UDN. utilizou se de um discurso moralista e populista.Tais reformas de base consistiam : na reforma agrária (distribuição de terras para desnacionalização da economia e elevação da .. levando a conseqüência de uma fracassada tentativa de recuperar o apoio das elites. deixando os custos de vida mais elevados. pobres)... visando à defesa e o desenvolvimento econômico do CentroOeste.. reeditou se a Lei de Remessa de Lucros acabou por manter a política externa independente de Jânio Quadros.. Em seu governo as taxas alfandegárias foram elevadas. o que de certa forma não aconteceu.. educação e alimentação.. mas tudo alicerçado em uma gigante divida externa que se gerou devido a toda essa abertura de mercado.. na . o que elevou este a perder todo o apoio das elites. Em 1960 foi eleito Jânio da Silva quadros. Tentava através de o discurso populista obter o apoio popular. reforma eleitoral (direito de voto para os analfabetos). mantendo assim relações com países socialistas.. tentando estimular o crescimento no nordeste.. herdeiro político de Getúlio Vargas levou junto com esse titulo os adversários de Vargas. Outra realização de Kubitschek a ser destacada é a construção da nova capital (Brasília)..empréstimos.. O último governo do período populista foi o de João Goulart (1961-1964).

Característica básica do populismo é o contato direto entre as massas urbanas e o líder carismático. .. aliado a uma legislação social e as lideranças carismáticas. primeiro porque no Brasil as classes não se organizavam. Todas essas propostas provocaram fortes reações das elites... O populismo assim se classifica como uma expressão política que se encontra representante tanto na esquerda quanto na direita. teve problemas. não só claro como já relatamos que com a mudança das características sociedade brasileira que se tornava industrial. onde a promessa desse período era: de um Estado forte e personalista. e por esse motivo o modelo anterior chamado getulista instalado estava sofrendo fortes pressões.Assim. a política externa mundial era marcada pela guerra fria.. nas multinacionais (EUA). pois os governos desse período tinham uma base social heterogênea. afastando a ameaça do comunismo e trabalhando em defesa implantação da defesa da democracia e da liberdade. o Estado enquanto defensor dos interesses das classes dominantes. pois o nacionalismo era fortemente pressionado pelos EUA. que instalavam cada vez com mais força sua corrente imperialista de dominação. tanto urbanas quanto nas rurais. O populismo acaba sendo um fenômeno vazio de conteúdos.. Raymundo Faoro coloca que. foi à ampla massificação das camadas 6 .. na reforma tributária (aumentar os impostos sobre os mais ricos e reduzir os impostos sobre os mais pobres). o golpe Militar de 1964 veio aproveitando a conjuntura das insatisfações contra o governo de Jango. e da crescente dos direitos trabalhistas. Consolidação da República Populista Se formos colocar o período referente a republica populista brasileira (19451964). mesmo com elementos básicos para que se concretize. assim o fenômeno populista brasileiro acaba se estabelecendo tardiamente perante aos das outras nações latino americanas. da classe média e da Igreja Católica.. e segundo porque o poder político executava se de forma a visar seus interesses próprios. executado pelos militares que eram apoiados pelas elites e pelos EUA deram um Golpe de Estado.universitária (ampliar o acesso à universidade). políticos carismáticos utilizavam discursos destinados às massas para manipulá-las... que passaram acusar Jango de um governo comunista.

sobre influência do imperialismo americano que tornavase cada vez mais forte. a primeira em 1930 com a mudança de eixo da economia e com a quebra de preço pelo café. que tinha o intuito de ampliar a atividade reformista e dinamizadora. foi possível efetivar determinadas etapas do desenvolvimento industrial” (p. o governo de JK atuou como carro de transição entre o modelo getulista e o modelo pós-ditadura de 1964. Nesse período poder político e militar se une contra o comunismo e a corrupção. Portanto a política de massas se desenvolve em concordância com o modelo de desenvolvimento de Vargas. e a terceira pelo fato da crescente internacionalização brasileira que foram as bases do governo de Juscelino Kubitschek. que desvincula os indivíduos de seus quadros sociais de origem e os reúne na massa. que era implantada com o objetivo de substituir os padrões getulianos. A segunda etapa seria pelo fato das substituições dos modelos de importações propagados por Vargas. Política de Massas: O colapso do Populismo Otávio Ianni coloca que ocorreram três etapas referentes ao desenvolvimento econômico do país. Assim as massas são frutos da consolidação da civilização urbana industrial. desta forma abriu-se espaço para a entrada da industrialização brasileira. pois era essa classe média que vinha sendo intimidada pela massa operária.61). desta forma Ianni coloca que. 7 . mas esta internacionalização sucedeu-se de forma que não eliminou as desigualdade e distorções estruturais. Segundo Ianni. amparada nesse período sempre pelas relações amplificadas com o mundo capitalista. “graças em parte à política de massas. tendo como conseqüência a industrialização. e as bases para instauração do poder militar foram fincadas pela vulnerável classe média. que tinha o intuito de dinamizar a economia nacional. junto ao nacionalismo e a participação do Estado se tornam chave para questões como a do trabalhismo. pela política de massas o Brasil teve uma conotação desenvolvimentista.da sociedade. uma de suas particularidades mais latentes. já que com a crescente industrialização urbana era necessário abrandar as classes trabalhadoras.

acabamos por fim nos adequado contra seus opositores. sendo que na verdade o populismo tem seus pressupostos além da industrialização.. produz e descobre com mais tecnologia.. e venceram as eleições contra liberais e conservadores. ainda que interesses maiores de uma política exterior influenciassem e muito nos caminhos que o país desenhava. e se conseqüente desenvolvimento. neste contexto Jorge Ferreira afirmar que: 8 . Até meados do começo do século XX..Assim não sobram se dúvidas de que o populismo veio com a intenção de combate ao comunismo tentando trabalhar em apoio com o povo. o populismo é um desses períodos que corre este risco. no auge da corrida de quem tem mais... pois em maioria passou a ser um personagem na política-social-economica brasileiro. o colapso do populismo no Brasil para Octavio Ianni.. O mundo encontrava-se em reconstrução depois de uma das piores tragédias humanas o mundo respirava aos ares da quente guerra fria. apenas um período que teve um maior apoio do povo. o Brasil modernizou-se. Quando pensamos em populismo logo nos salta a mente. . remetia a idéia de um Estado preocupado com o povo. pois o nosso país é um local que as elites se formam em distância com os problemas do povo.. ser populista tinha um significado bom. o que antes era bom. devido às alianças carismáticas que este possivelmente teria feito com seus líderes. sendo esta uma modernização necessária a nós enquanto subdesenvolvidos. demonstra que o populismo no país utiliza o viés político-econômico e as relações sociais entre classes para explicar o desenrolar dos fenômenos ocorridos no Brasil no período 1930-1964.... torno-se o inimigo. . Conclusão Ao estudarmos história corremos o risco de passar algumas informações sem dar a devida atenção que estas mereciam.. mas a partir do momento que os chamados populistas começaram a ocupar um espaço maior do que era esperado que estes ocupassem...Desta forma.....Nesse período histórico o aumento do fluxo do êxodo rural muito contribuiu para ampliação do espaço urbano. E este autor não se esquece de reforçar que nesse período o povo não aceita mais apenas decisões tomadas apenas por uma pequena elite. era necessária uma política que tentasse executar essa interlocução. nós adequamos as pressões de uma política externa que necessitava de mercado consumidor e desenvolvimento..

diagnosticaram que os males do país provêm de uma relação desigual.. entre ela esta a que Jorge Ferreira pontua o como. de direita ou de esquerda. e não possuem .. Fichamentos: 9 . armado de eficientes mecanismos repressivos e persuasivos. e sim que na verdade a república populista pode ser apontada como fator que descaracteriza a democracia nacional. cooptar e corromper" (FERREIRA. 'gelatinosa' em algumas leituras. impõe-se um Estado que.. O conceito de populismo assim remete a uma percepção negativa da política.. destituída de reciprocidade e interlocução: a uma sociedade civil incapaz de auto-organização. a categoria popular não serve para caracterizar a democracia brasileira. p. pois esta coloca as massas como subservientes e incapazes de votar. portanto o eleitorado é qualificado como massa que não sabe votar.. e uma classe trabalhadora 'débil'. seria capaz de manipular. 2001. pois o político é insinuado com agente que age em conjunto a sua capacidade de manipular e de enganar o povo. 62)."Liberais e autoritários... As várias fases que o populismo pode ser analisado. discernimento político...

• Depois naquilo que ele chamaria de o ''patronato político brasileiro''  O estamento burocrático tinha tido sua origem no que Weber denominava de ''patrimonialismo''... Era. • Faoro  precursor do uso da abordagem weberiana para entender o Brasil  vai alem da utilização dos conceitos weberianos e da interpretação que deu do sistema político brasileiro – necessidade de examinar o sistema 10 . o isolamento das propriedades rurais  fortalecimento do poder local.TÍTULO: Atualidade de Raymundo Faoro AUTOR: Simon Schwartzman PUBLICAÇÃO: vol.46 – N° 2 LOCAL: Rio de Janeiro N°PÁGINAS DATA: 2003 PALAVRAS-CHAVES: Estamento Burocrático Poder Político Poder Local RESUMO/SÍNTESE: • Tudo deveria acontecer e se explicarmos pela luta de classes. por um grupo social cuja característica era. ou latifundiárias. em termos de Weber. O poder político era exercido em causa própria. exatamente. prestígio e riqueza. que mal se haviam constituído como tal. a de dominar a máquina política e administrativa do país. em contraposição às formas de dominação racionallegal que predominaram nos países capitalistas da Europa Ocidental. uma forma de dominação política tradicional típica de sistemas centralizados que. no Brasil. e o Estado não seria mais do que o executor e defensor dos interesses das classes dominantes. O problema. evoluiria para formas modernas de patrimonialismo burocrático-autoritário. era que as classes nunca se organizavam nem agiam como deveriam. o ''estamento burocrático''. na ausência de um contrapeso de descentralização política. nem àqueles das classes burguesas. • O poder político não era exercido nem para atender aos interesses das classes agrárias. através da qual fazia derivar seus benefícios de poder. • As grandes distâncias.

mas sim. independentemente do sucesso que se possa ter. • • Faoro  história servia para entender a gênese de uma enteléquia. para governar em benefício de todos. • O estamento burocrático continua existindo. os do poder absoluto do estamento burocrático. 11 . diria Weber. e não como simples manifestação dos interesses de classe. D. mas não é o mesmo dos tempos de D. e optando por distintas formas e estilos de vida no âmbito de um conjunto relativamente restrito de alternativas. decorrentes da incapacidade de o Estado exercer o poder que lhe é delegado. Ernesto Geisel e José Sarney. resolvendo dilemas e tensões. democraticamente. • Na experiência brasileira. Weber  ao contrário história não servia somente para identificar a origem de determinados conceitos. há uma ética da responsabilidade  a capacidade do indivíduo de entender o mundo em sua complexidade e de assumir a responsabilidade pelas conseqüências dos seus próprios atos. Pedro II. em boa parte pelo menos. • Se a realidade é imutável. só existem duas opções. • Os problemas do Brasil de hoje não são mais. mas sobretudo para entender como diferentes sociedades e grupos humanos buscam seus caminhos. João VI. no entanto. • Na vida política. o conformismo ou a postura ética de princípios.político nele mesmo. de oposição ao que seja percebido como o mal. Getulio Vargas. as análises de Faoro sobre o papel histórico da tradição patrimonial-burocrática portuguesa e seus prolongamentos no país abrem caminhos importantes de pesquisa.

quando há a presença de um líder dotado de carisma de massas (WEFFORT. relacionados entre si por uma sociabilidade periférica e mecânica. quando há uma perda da representatividade e da exemplaridade da classe dirigente. • Brasil . 2001 Barreiras ao Comunismo Trabalhismo • O populismo necessita de alguns elementos básicos para se concretizar : independente das particularidades das ocorrências. 12 .TÍTULO: As sete vidas do Populismo AUTOR: Ermerson Urizzi Cervi PUBLICAÇÃO: Revista de Sociologia e Política LOCAL: Curitiba PALAVRAS-CHAVES (3 a 5): Populismo Brasileiro RESUMO/SÍNTESE: DATA: Nov.utilização dos termos "populismo" ou "trabalhismo" para melhor identificar o período da história política brasileira que vai de 1946 a 1964 fenômeno populista ser tardio quando comparado a outros países da América Latina. ele surge quando há uma massificação de amplas camadas da sociedade que desvincula os indivíduos de seus quadros sociais de origem e os reúne na massa.populismo: 1946 e 1964 . 1989).

• Quando os populistas passaram a ocupar espaço na política. Populista: aquele que estava próximo do povo. ouvia suas aflições e conseguia compreendê-lo. lembra Jorge Ferreira. • O sentido negativo não diz respeito apenas à figura do político populista. • No início do século XX. mas ao fenômeno como um todo. que tinha o objetivo de combater o perigo do comunismo no continente (CAPELATO. Nas primeiras décadas do século XX. 2001). POPULISMO E HISTÓRIA • O sentido de "populismo": negativo  Os políticos populistas são estigmatizados como enganadores do povo. aliado a uma legislação social e a uma liderança carismática. ser considerado populista no Brasil era um elogio.I. o povo busca alternativas para ver atendidas suas demandas. vencendo as eleições contra liberais e conservadores. • Com o afastamento do risco comunista . • Politicamente o populismo encontrou uma certa funcionalidade em vários países latino-americanos ao servir de alternativa ao risco de uma onda comunista. a presença de lideranças carismáticas marginais às elites políticas tradicionais à frente de Estados fortes passou a interferir de maneira negativa nos interesses dessas 13 . o populismo representava a promessa de um Estado forte e personalista. o conceito começou a receber uma conotação pejorativa. Sentido comum em sociedades nas quais as elites políticas encontram-se distante das massas: onde não há canais de interlocução convencionais.

seria capaz de manipular. impõe-se um Estado que.elites. p. É nesse momento que correntes teóricas passam a acreditar no fim do populismo como alternativa política nacional. a partir dos anos 40 no Brasil. e uma classe trabalhadora 'débil'. II. 2001. Essa liderança carismática. foi uma tendência em culpar o Estado e vitimar a sociedade. defendida por políticos que faziam parte do status quo combatido pelo discurso populista. carregadas de emocionalidade.divididos em duas grandes fases já institucionalizadas. cooptar e corromper" (FERREIRA. As lideranças carismáticas. • Populismo é um fenômeno vazio de conteúdo. que terminará por cristalizar o conceito dominante de populismo no Brasil. o populismo era considerado uma espécie de desvio da evolução "natural" da 14 . as eleições diretas transformaram-se novamente em instrumento de manifestação do descontentamento das massas em relação às elites políticas tradicionais. • Anos 60. ganhando status negativo no senso comum. entre os anos 50 e 60. Na primeira fase de estudos. quando o golpe militar interrompe a chamada "democracia populista". O POPULISMO E AS CIÊNCIAS SOCIAIS NO BRASIL • O populismo no Brasil . Essa renovação de parte da elite política é o que garante ao neopopulismo um caráter democratizante. Foi a partir daí que o conceito de populismo passou a receber uma carga pejorativa na esfera política. 'gelatinosa' em algumas leituras. armado de eficientes mecanismos repressivos e persuasivos. • Assim que as ditaduras militares em toda a América Latina começaram a ceder espaço para as democracias.  O resultado desse processo. marginal ao sistema partidário.afirmar que "liberais e autoritários. diagnosticaram que os males do país provêm de uma relação desigual. • Jorge Ferreira . voltam à cena com suas promessas de solução fácil para todos os problemas "neopopulistas" Não há uma cultura de ascensão realmente democrática de novas lideranças às estruturas partidárias. É assim que o conceito de populismo inicia sua trajetória acadêmica no Brasil. O resultado foi uma satanização dos populistas e de seus adeptos. possibilita uma renovação – sempre parcial – da classe política quando tem sucesso eleitoral. de direita ou de esquerda. destituída de reciprocidade e interlocução: a uma sociedade civil incapaz de auto-organização. que terminou moldando a visão liberal. 62).

que estabelecia como metas a obtenção e ampliação dos 15 .sociedade brasileira em direção ao socialismo e ao enraizamento do sindicalismo operário. • Desvio populista teria acontecido durante o processo de transformação da sociedade tradicional em moderna. ou de economia eminentemente rural em urbana. • Liderança carismática com as massas. • Autores como Gino Germani. passividade e dependência do Estado. ou da substituição de elites políticas em crise por novos dirigentes com capacidade de relacionamento direto com as camadas populares. O resultado foi o surgimento do populismo. instaurado a partir da Revolução de 1930 e que se manifesta de uma dupla forma: como estilo de governo e como política de massas  Surge o "Estado de compromisso". o chamado "Estado de compromisso". POPULISMO OU TRABALHISMO • Mais apropriado seria chamar a democracia brasileira de 1946 a 1964 de "trabalhista" ao invés de "populista". entre elas os sindicatos. • O tema do trabalhismo . • O maior símbolo da democracia trabalhista brasileira é o próprio PTB. Torcuato di Tella e Octávio Ianni consideravam o brasileiro saído da sociedade rural muito individualista abrindo espaço para as relações personalistas e clientelistas do populismo. • O enfoque sobre o comportamento dos trabalhadores urbanos como sendo determinado pela origem rural em um contexto de transição de uma economia tradicional e de participação política restrita para uma economia de mercado com participação política ampliada. • Entre os anos 70 e 80: as características dos indivíduos cederam espaço para fatores como a opressão e manipulação por parte do Estado. III. a partir dos anos trinta.ligado diretamente à análise de um tipo específico de Estado. transformando-os em variáveis explicativas importantes para o sucesso de lideranças populistas. fundado em 1945. • Segunda geração sobre o populismo distanciam-se das da primeira geração Weffort: o populismo é o produto de um longo processo de transformação da sociedade brasileira. faria que as populações urbanas fossem marcadas por individualismo. • Questões do trabalhismo brasileiro dizem respeito diretamente à análise de uma formatação específica do Estado brasileiro e de suas estruturas de relacionamento com a sociedade civil.

garantia de emprego. que foram convertidos em elemento de conciliação de conflitos (PESSANHA & MOREL. Por outro lado. paternalismo e possível autonomia para os trabalhadores brasileiros. trouxe também o reconhecimento público e um espaço de participação dos trabalhadores urbanos organizados. 2001). entre outros (NEVES. adoção de política de qualificação do trabalhador. • O populismo como fenômeno político continua latente nas sociedades modernas. principalmente os sindicatos. apesar da dimensão de exclusão e controle.direitos trabalhistas. que passaram a existir de fato. • Assim como a "democracia populista". 16 . • Os combativos sindicatos urbanos das duas primeiras décadas do século XX cederam espaço a uma estrutura sindical corporativista que passou a atuar no controle e desmobilização do movimento operário. Continua presente na política brasileira. extinção do latifúndio improdutivo e incentivo ao cooperativismo econômico. responsável pelo fenômeno do peleguismo e pela burocratização dos sindicados. 2001). • O Estado trabalhista absorveu em grande parte as demais organizações trabalhistas. Ele reuniu dirigismo. • O populismo não foi vencido pelo desenvolvimento da sociedade. que ainda preserva resquícios da dependência de lideranças fortes e da ausência de instituições formais que possam representar os interesses sociais de maneira impessoal e não clientelista. o corporativismo. o Estado trabalhista foi contraditório.

2001. O. 2003.. (org). L.com/articles/25957/1/Resenha-IANNI-Octavio-O-colapso-dopopulismo-no-Brasil/pagina1. F. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. J. DELGADO. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Textos On Line http://www. IANNI.rep.pdf http://www. Schwartzman. O Colapso do Populismo no Brasil . 46. Rio de Janeiro. estatismo do inicio da década de 1930 ao apogeu do estado Novo. O Brasil Republicano – O tempo Nacional. no 17.webartigos. Atualidade de Raymundo Faoro . 1989.html#ixzz0rhFfWM7D 17 . 1987. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Revista de Sociologia e Política . Rio de Janeiro: Civilização brasileira FERREIRA.As sete vidas do populismo . Volume: 2. 2001. O populismo e sua história – debate e crítica.org. Curitiba. WEFFORT. vol. S. O populismo na política brasileira . 4ª Ed. Urizzi. 2003. E. F. 4ª ed.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FERREIRA.br/pdf/37-1. No 2.

http://www.23pdf.pdf *** 18 .unisinos.ihu.br/uploads/publicacoes/edicoes/1158328342.