GRUPO ATR

Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviá Rodoviário de Produtos Perigosos

Eng. Quím. Lisiane Sberse
Março/2009

Introdução
O transporte de produtos perigosos é uma atividade que apresenta inúmeros riscos uma vez que durante as operações, tais produtos estão sujeitos a ação de fatores potencialmente adversos tais como: estado das rodovias, manutenção, volume de tráfego, sinalização, condições atmosféricas, estado de conservação do veículo, experiência do condutor.

Propósito Objetivos
Fornecer subsídios aos gestores com responsabilidade em gestão de riscos, através de orientações e reflexões acerca da legislação e riscos ambientais no transporte rodoviário de produtos perigosos.

para a segurança pública ou para o meio ambiente. hospitalar. etc. comercial.Não Inertes .CONCEITOS PRODUTO PERIGOSO : É toda substância relacionada na Resolução n° 420/04 da ANTT e suas alterações. agrícola. Resíduos Classe I – Perigosos Resíduos Classe II – Não Perigosos . domésticas. oferece risco para a saúde das pessoas.Classe II A . que em virtude de suas características físicoquímicas. RESÍDUO: Resíduos nos estados sólido.Classe II B .Inertes Fonte: ABNT NBR 10004 . semi-sólido ou líquido resultantes de atividades industriais.

petroquímicos. sendo grande parte de produtos perigosos (químicos.Rotas de Transporte de Produtos Perigosos O modal rodoviário é responsável por 62. Fonte: DNIT/ABIQUIM . derivados de petróleo e resíduos perigosos).4% do transporte de carga no Brasil.

ASPECTOS AMBIENTAIS DAS EMERGÊNCIAS QUÍMICAS A GESTÃO DA EMERGÊNCIA DEVE CONTEMPLAR OS RISCOS E IMPACTOS TANTO AO HOMEM COMO AO AMBIENTE .

SUBSTÂNCIAS E PRODUTOS NÃO CLASSIFICADOS PODEM SER PERIGOSOS AO MEIO AMBIENTE E CAUSAR SÉRIOS IMPACTOS AOS ECOSSISTEMAS •Óleos vegetais e animais •Parafina •Resina de poliester •Fertilizantes •Vinhaça •Barrilha (Carbonato de Sódio) Leite Suco de Laranja Detergentes/Surfactantes .

IMPACTOS AMBIENTAIS GERADOS EM : •ECOSSISTEMAS TERRESTRES •ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS •ÁGUA SUBTERRÂNEA .

•Aspectos sociais e econômicos.IMPACTOS AMBIENTAIS AMBIENTES TERRESTRES Dependem de: •Aspectos relativos ao produto. •Aspectos biológicos. •Aspectos físicos e geomorfológicos. .

IMPACTOS AMBIENTAIS AMBIENTES AQUÁTICOS CONTINENTAIS .

Estamos preparados para as conseqüências de um acidente com produtos perigosos em área urbana densamente povoada e em via de intenso fluxo de tráfego? E o que dizer se o evento ocorrer no interior de túnel extenso em momento de tráfego intenso? .

.

.

.

.

.

.

Acidentes no Transporte de Produtos Perigosos As empresas de transporte devem se preparar para realizar adequadamente as suas atividades; As indústrias e expedidores são responsáveis nesse processo; Remediar é muito mais “caro” que prevenir; A questão ambiental é irreversível; A legislação tende a ser cada vez mais restritiva e rigorosa.

Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos

Resolução ANTT420/04

IMDG Code* (MARÍTIMO)

Orange Book
(14 ª edição)

IATA DGR** (AÉREO)

*Código Marítimo Internacional para Produtos Perigosos ** Associação Internacional de Transporte Aéreo – Regulamento para Produtos Perigosos

. tendo em vista a necessidade de circulação deste tipo de carga. ou seja minimizar os riscos representados pelas características desses produtos.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Objetivo A regulamentação do transporte de produtos perigosos tem por objetivo. prevenir e abrandar incidentes que possam ocorrer na sua movimentação.

1. em desacordo com as condições de transporte exigidas na regulamentação específica. Fonte: Resol. constante na documentação de transporte e. sinalizados conforme declaração emitida pelo expedidor. 1. marcados. embalados. 420 ANTT cap.1 . além disso. rotulados.1.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Princípio Ninguém pode oferecer ou aceitar produtos perigosos para transporte se tais não estiverem adequadamente classificados.

Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos NACIONAL Res.2975/08 .

877.º FEPAM 47/98 Aprova o MANIFESTO DE TRANSPORTE DE RESÍDUOS – (MTR) e dá outras providências. DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos ESTADUAL • LEI Nº 7. . Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências • PORTARIA n.

de 12 de fevereiro de 2004 Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos • Classificação de produtos perigosos quanto ao risco que apresentam para fins de transporte.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos RESOLUÇÃO Nº 420. • Procedimentos de expedição . • Relação de Produtos Perigosos .produtos definidos como perigosos. • Instruções de uso e exigências para fabricação e ensaio de embalagens.

Desvaporização de tanques para transporte de produtos classe 3 NBR 13221 . EPI e Extintores de Incêndio NBR 10271 .Manual de Fiscalização MT NBR 7500 .Estabelece normas e procedimentos para a formação de condutores de veículos automotores Decreto 2. 16/04 .Atendimento a emergência com Produtos Perigosos NBR 14095 .063/83 . NBR 7501 .Terminologia no Transporte de PP NBR 7503 – Ficha e Envelope de Emergência – Nova Revisão em vigor desde Dezembro/08 NBR 9735 .Equipamento para Ácido Fluorídrico NBR 12982 .Regulamentação Complementar • • • • • • • • • • • • • • • • Decreto 1.Dispõe sobre multas Portaria 38/98 DENATRAN .Área de Estacionamento para Produtos Perigosos NBR 14619 – Incompatibilidade Química .Penalidades no Mercosul Portaria 349/02 .797 .866/98 .Equipamento para Situação de Emergência.abntnet.Codificação para as multas por infração ao RTRPP Decreto 2.br/consultanacional).com.Transporte de Resíduos Perigosos NBR 14064 .Simbologia de Risco e Manuseio – consulta pública até Abril/09 www.Acordo de Facilitação para o Transporte no Mercosul Resolução CONTRAN n.

• Facilitar o seu reconhecimento. • Comunicar o perigo do conteúdo das embalagens para povos com idiomas diferentes. .Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS ONU – CODIFICAÇÃO NUMÉRICA • Universalizar a identificação de produtos perigosos anexo E e F da Resolução n° 420/04 da ANTT.

Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos NÚMERO DE RISCO • Indicam o tipo e a intensidade do risco. 2 3 4 5 6 7 8 9 Emissão de gás devido à pressão ou à reação química Inflamabilidade de líquido (vapores) e gases. • Formados por dois ou três algarismos • A importância do risco é registrada da esquerda para a direita. 0 indica ausência de risco subsidiário . ou líquidos sujeito a auto-aquecimento Inflamabilidade de sólidos. ou sólidos sujeitos a autoaquecimento Efeito oxidante (favorece incêndio) Toxicidade Radioatividade Corrosividade Risco de violenta reação espontânea Obs.: A letra X antes dos algarismos significa que o produto reage perigosamente com água.

que reage perigosamente com água.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos RELAÇÃO DE ALGUNS CÓDIGOS NUMÉRICOS E RESPECTIVOS SIGNIFICADOS DAS COMBINAÇÕES DOS N° DE RISCO 23: Gás inflamável. * Não usar água exceto com aprovação de um especialista Fonte: Resol. que reage perigosamente com água. tóxica. corrosivo. 239: Gás inflamável.2 . corrosiva. X323: Líquido inflamável. desprendendo gases inflamáveis.* 33: Líquido altamente inflamável. 333: Líquido pirofórico. 3. * 338: Líquido altamente inflamável. X333: Líquido pirofórico. 323: Líquido inflamável. que sofre reação química.3. desprendendo gases inflamáveis. pode conduzir espontaneamente à violenta reação. 568: Substância oxidante.2. 420 ANTT cap.

CONFORME NBR 7500 PAINEL DE SEGURANÇA IDENTIFICA O RISCO DO PRODUTO PERIGOSO (O 2º algarismo representa o risco subsidiário) Número de Risco Hidróxido de Sódio.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos SIMBOLOGIA . solução 80 1824 Número da ONU Dimensões (cm): 30 X 40: Unidades de Transporte 25 X 35: Utilitários (PBT até 3.5 t) borda preta: 10 mm .

Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos CLASSES DOS PRODUTOS PERIGOSOS Classe 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Definição EXPLOSIVO GÁS LIQUIDO INFLAMÁVEIS SÓLIDOS INFLAMÁVEIS E SUBSTÂNCIAS QUE EM CONTATO COM ÁGUA EMITEM GASES INFLAMÁVEIS SUBSTÂNCIAS OXIDANTES E PERÓXIDOS ORGÂNICOS SUBSTÂNCIAS TÓXICAS E INFECTANTES MATERIAIS RADIOATIVOS SUBSTÂNCIAS CORROSIVAS SUBSTÂNCIAS E ARTIGOS PERIGOSOS DIVERSOS .

Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos SIMBOLOGIA . A metade superior do rótulo deve exibir o símbolo de identificação do risco (pictograma) e a metade inferior deve exibir o número da classe ou subclasse. RÓTULO DE RISCO INDICA A CLASSE A QUE O PRODUTO PERTENCE Dimensões (cm): 30 X 30: Unidades de Transporte 25 X 25: Utilitários (PBT até 3.5 t) Embalagem (mínima): 10 X 10 / Moldura: 5 Espessura borda preta: 10 mm .NBR 7500 Rótulo de risco: Os rótulos são divididos em duas metades.

1: substâncias e artigos com risco de explosão em massa. SUBCLASSE 1. SUBCLASSE 1. movimentação e armazenamento de produto CLASSE 1: EXPLOSIVOS SUBCLASSE 1.4: substâncias e artigos que não apresentam risco significativo.6: substâncias sem risco de explosão em massa. SUBCLASSE 1. SUBCLASSE 1. SUBCLASSE 1.NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre.5: substâncias com risco de explosão em massa. manuseio.2: substâncias e artigos com risco de projeção. mas não de explosão em massa. .3: substâncias e artigos com risco de fogo e pequeno risco de explosão ou de projeção.

3: GASES TÓXICOS .NÃO TÓXICOS SUBCLASSE 2. manuseio.NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre.1: GASES INFLAMÁVEIS SUBCLASSE 2.2: GASES NÃO INFLAMÁVEIS. movimentação e armazenamento de produto CLASSE 2: GASES SUBCLASSE 2.

manuseio. movimentação e armazenamento de produto CLASSE 3: LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS .NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre.

SUBSTÂNCIAS QUE. manuseio.3: SUBSTÂNCIAS QUE EMITEM GASES INFLAMÁVEIS QUANDO EM CONTATO COM ÁGUA. EMITEM GASES INFLAMÁVEIS SUBCLASSE 4. . movimentação e armazenamento de produto CLASSE 4: SÓLIDOS INFLAMÁVEIS. AUTO-REAGENTES SUBCLASSE 4. SUBSTÂNCIAS SUJEITAS A COMBUSTÃO ESPONTÂNEA.2: SUBSTÂNCIAS SUJEITAS A COMBUSTÃO ESPONTÂNEA SUBCLASSE 4.1: SÓLIDOS INFLAMÁVEIS. EM CONTATO COM ÁGUA.NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre.

manuseio.NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre.1: SUBSTÂNCIAS OXIDANTES SUBCLASSE 5. movimentação e armazenamento de produto CLASSE 5: SUBSTÂNCIAS OXIDANTES E PERÓXIDOS ORGÂNICO SUBCLASSE 5.2: PERÓXIDOS ORGÂNICOS .

NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre.2: SUBSTÂNCIAS INFECTANTES . movimentação e armazenamento de produto CLASSE 6: SUBSTÂNCIAS TÓXICAS E INFECTANTES SUBCLASSE 6. manuseio.1: SUBSTÂNCIAS TÓXICAS SUBCLASSE 6.

NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre. movimentação e armazenamento de produto CLASSE 7: MATERIAIS RADIOATIVOS Embalagens Unidades de Transporte . manuseio.

NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre. manuseio. movimentação e armazenamento de produto CLASSE 8: SUBSTÂNCIAS CORROSIVAS CLASSE 9: SUBSTÂNCIAS E ARTIGOS PERIGOSOS DIVERSOS .

limpeza e descontaminação. manuseio. os veículos e equipamentos utilizados no transporte de produtos perigosos deverão portar rótulos de risco e painéis de segurança específicos. transporte. de acordo com a norma NBR 7500. movimentação e armazenamento de produto SINALIZAÇÃO – NBR 7500 Durante as operações de carga.NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre. . descarte. transbordo.

c) nas laterais: painel de segurança. Não há indicação de que os rótulos de risco precisem ficar na parte superior da traseira. em uma única unidade de transporte : a) na frente: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista) com o nº de risco e o nº ONU. rótulo de risco principal e rótulo de risco subsidiário (quando houver). movimentação e armazenamento de produto EXEMPLO 1: Transporte de um único produto perigoso a granel. . manuseio. b) na traseira: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista). rótulo de risco principal e rótulo de risco subsidiário (quando houver). colocados do centro para a traseira em local visível.NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre.

c) nas laterais: painel de segurança laranja. ATENÇÃO PARA AS RELAÇÕES DE INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA !!!! . de riscos diferentes. manuseio. a) na frente: painel de segurança laranja do lado esquerdo (lado do motorista) b) na traseira: painel de segurança laranja do lado esquerdo (lado do motorista). colocados do centro para a traseira em local visível. na mesma unidade de transporte.NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre. movimentação e armazenamento de produto EXEMPLO 2: Transporte de carga embalada / fracionada de mais de um produto perigoso.

Tabela de Incompatibilidade Química .

em uma única unidade de transporte. c) nas laterais: painel de segurança com os números de identificação. . b) na traseira: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista) idêntico ao colocado na frente. colocados do centro para a traseira em local visível.NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre. Não há indicação de que os rótulos de risco precisem ficar na parte superior da traseira. rótulo de risco principal e rótulo de risco subsidiário (quando houver). manuseio. a) na frente: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista) com o nº de risco e o nº ONU. movimentação e armazenamento de produto EXEMPLO 3: Transporte de carga fracionada de um único produto perigoso. rótulo de risco principal e rótulo de risco subsidiário (quando houver).

na mesma unidade de transporte. movimentação e armazenamento de produto EXEMPLO 4: Transporte de carga fracionada de produtos diferentes de mesmo risco principal.NBR 7500 – Identificação para o Transporte Terrestre. . manuseio. rótulo de risco principal Não há indicação de que os rótulos de risco precisem ficar na parte superior da traseira. b) na traseira: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista) idêntico ao colocado na frente. a) na frente: painel de segurança do lado esquerdo (lado do motorista) sem os números de risco e ONU (painel laranja). c) nas laterais: painel de segurança idêntico aos colocados na frente e na traseira e rótulo de risco principal colocados do centro para a traseira em local visível.

porém contaminadas. .Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos EMBALAGENS • Embalagens vazias. são consideradas embalagens cheias. sujeitando-se à aplicação de toda a legislação vigente de produtos perigosos. • Embalagens de produtos perigosos devem seguir os Regulamentos de Avaliação da Conformidade (RAC´s) – Inmetro relativos a cada tipo de embalagem.

Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos EMBALAGENS Identificação para o Transporte • • • • • Número da ONU Nome apropriado para embarque Rótulo de Risco Símbolos de manuseio – NBR 7500 Marca de Conformidade .Homologação .

Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos RELAÇÃO NUMÉRICA DE PRODUTOS PERIGOSOS Fonte: Resol.4 . 420 ANTT cap. 3.2.

2 e 6. Grupo de Embalagem III: Substâncias que apresentam baixo risco. segundo o nível de risco que apresentam: Grupo de Embalagem I: Substâncias que apresentam alto risco.1) foram divididos em três grupos para fim de embalagem.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos GRUPOS DE EMBALAGEM Produtos perigosos de todas as classes (exceto Classes 1. .2 e as substâncias autoreagentes da Subclasse 4. Grupo de Embalagem II: Substâncias que apresentam risco médio. Subclasses 5. 2 e 7.

da Relação de Produtos Perigosos. 3.Porte de equipamentos para as situações de emergência . uma das expressões: “quantidade limitada” ou “QUANT. entre outras. conforme a identificação nas colunas. para cada produto: .4 . • O embarque fica isento de algumas exigências regulamentares. Fonte: Resol. 420 ANTT cap.porte de ficha de emergência.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos PRODUTOS PERIGOSOS EM QUANTIDADES ISENTAS • As quantidades limitadas por unidade de transporte ou por embalagens internas são identificadas nas Colunas 8 e 9.porte de rótulo (s) de risco (s) no volume.rótulos de risco e painéis de segurança afixados ao veículo . LTDA”. . • O documento de transporte deve incluir no nome apropriado para embarque. respectivamente.

a partir de 30 de Março de 2009 não serão mais protocolados processos em meio físico. • FEPAM: Licenciamento On-Line executado pelo Responsável Técnico da Transportadora .Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA PARA CIRCULAÇÃO EM VIAS PÚBLICAS Decreto 96044/1988 e Lei Estadual 7877/1988 I – Licença de Operação (LO) para Fontes Móveis de Poluição • O veículo que transporta produtos perigosos deverá ter registro de sua placa na LO da transportadora contratada. .

Nº LO Empreendedor Licenciado para fontes móveis de poluição classes: Telefone empreendedor e do responsável técnico Placas de veículos autorizados .

contendo as seguintes informações: a. Classe/subclasse (principal e subsidiário) do produto . b. Documentação fiscal de embarque do produto transportado. descarregamento. d. Quantidade total do produto. com assinatura.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos II. Número da ONU e Grupo de embalagem. Nome apropriado para embarque. 1644/07.conforme Decreto 96044/88 Resolução 420 ANTT (e alterações). Resolução ANTT nº 420/04 e suas alterações 701/04. identificação e data. Declaração no Documento Fiscal* . transbordo e transporte e atende a legislação em vigor (Decreto 96044/88. e Declaramos que os produtos estão adequadamente acondicionados para suportar os riscos normais das etapas necessárias a uma operação de transporte tais como. carregamento. 2657/08 e 2975/08) . e. c.

420/04 . manifesto de carga ou outro documento que acompanhe a expedição) Fonte: Resol.DOCUMENTO FISCAL Descrição do Produto Perigoso * Documento fiscal para o transporte de produtos perigosos é qualquer documento (declaração de carga.4. nota fiscal.1 .5. conhecimento de transporte.

6. ORGÂNICO N.4 da Resol.E.E. o mesmo deverá constar entre parênteses após a Classe de Risco Principal. •O nome apropriado para embarque deverá ser descrito sem abreviaturas.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos ONU ou UN 2811 SÓLIDO TÓXICO. ANTT 420/04).1 ONU OU UN 2811 •No caso de transporte de resíduos perigosos (exceto resíduos radioativos) o nome apropriado para embarque deve ser precedido da palavra “RESÍDUO”. •Caso haja risco subsidiário (conforme item 3.1 I Nome Apropriado para embarque Classe de risco Grupo de Embalagem SÓLIDO TÓXICO. 6. ORGÂNICO N.2. .

MTR (Manifesto para Transporte de Resíduo): • O gerador do resíduo deve solicitar uma Autorização da FEPAM para emissão de talonário de MTR.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos III.GERADOR 4ª via MTR . .TRANSPORTADORA 3ª via MTR . o gerador deve emitir documento de controle de resíduo (ABNT NBR 13221). • O gerador deve emitir a cada embarque de resíduo perigoso um formulário MTR em 5 vias idênticas: • • • • • 1ª via MTR .STTADE .FEPAM 5ª via MTR .DESTINO 2ª via MTR .GERADOR NA EMISSAO • Quando não houver legislação ambiental específica para o transporte de resíduos perigosos.

Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Modelo de Formulário de MTR .

: (DESCREVER RELAÇÕES DE INCOMPATIBILIDADES DE Aspecto: EPI de Uso Exclusivo da Equipe de Emergência Fogo: Saúde: Meio Ambiente: ACORDO COM A ABNT NBR 14619. este campo deve conter as seguintes informações: Descrição da Classe/Subclasse de Risco Subsidiário (quando houver) a que pertence o produto.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos FICHA DE EMERGÊNCIA LOGO DA EMPRESA Expedidor: Endereço: CEP: Nome Apropriado para Número de risco: XX Embarque (DESCRIÇÃO Número da ONU: XXXX Nº ONU) Classe ou subclasse de risco: X Descrição da classe ou subclasse de risco: X (Nome Comercial) Grupo de Embalagem: IV. CASO HOUVER. Descrever os EPI´s destinados à proteção dos integrantes das equipes de atendimento emergencial. RISCOS EM CASO DE ACIDENTE Vazamento: Fogo: Poluição: Envolvimento de pessoas: Informações ao médico: Observações As instruções ao motorista.. encontram-se descritas exclusivamente no envelope para transporte. CASO HOUVER. em caso de emergência. no informativo em anexo) . LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO A CLASSE DE RISCO SUBSIDIÁRIO. Após a relação dos equipamentos deve ser incluída a seguinte frase: "O EPI do motorista está especificado na ABNT NBR 9735".EX: PRODUTO INCOMPATÍVEL COM A CLASSE DE RISCO X. (Verificar demais informações e sua aplicabilidade. Ficha e Envelope de Emergência (ABNT NBR 7503) Tel Além das informações sobre o aspecto do produto.

• Telefone dos órgãos de meio ambiente estadual (no mínimo ao longo do itinerário). • Telefone de emergência 199 da defesa civil. no seu verso: • Telefone de emergência 193 da corporação de bombeiros. . • Estes telefones de emergência devem constar no verso da ficha de emergência podendo constar também no envelope para transporte. • Telefone de emergência 190 do órgão de policiamento de trânsito. • Telefone de emergência 191 da polícia rodoviária federal.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Verso da ficha (NBR 7503/2005) A ficha deve conter.

. com gramatura mínima de 80 g/m2.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos ESTE ENVELOPE CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES. LEIA-O CUIDADOSAMENTE ANTES DE INCIAR A SUA VIAGEM EM CASO DE EMERGÊNCIA ESTACIONE. SE POSSÍVEL. EM ÁREA VAZIA. AVISE À POLÍCIA (190) AOS BOMBEIROS (193) E AO TELEFONE DE EMERGÊNCIA Nº 0800 01 11 767 ou 0800 70 71 767 45 mm LOGO EMPRESA Endereço da Empresa Telefone Empresa ESTE ENVELOPE CONTÉM: Ficha de emergência Nota fiscal ________________________ 130 mm TRANSPORTADOR NOME DA EMPRESA / ENDEREÇO / TELEFONE 15 mm 250 mm Nota : O envelope deve ser confeccionado por processo Kraft.

.Avisar imediatamente ao transportador.Avisar imediatamente ao(s) órgão(s) ou entidade(s) de trânsito.Usar Equipamento de Proteção Individual (EPI) (conforme ABNT NBR 9735). ao expedidor do produto.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos OUTRAS PROVIDÊNCIAS . . . afastando os curiosos.Isolar a área. assim que chegarem. ao corpo de bombeiros e à polícia. . . .Sinalizar o local do acidente. .Eliminar ou manter afastadas todas as fontes de ignição.Entregar a(s) ficha(s) de emergência aos socorros.

Portaria Inmetro nº197/04 – RTQ 5 – válida até 22/06/2009 V.CIPP . Certificado de Inspeção de veículos para o transporte de produtos perigosos .

CIV .Portaria Inmetro nº457/08 – Revoga a portaria 197/04 Certificado de Inspeção Veicular .

Curso de Movimentação de Produtos Perigosos para o Motorista • Treinamento: estabelecido pela Resolução nº 168/04 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito). • Reciclagem: a cada 5 anos. . • Certificado de treinamento ou registro na CNH.Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos VI.

Decreto nº 3. Outros documentos • Produtos Controlados pelo Exército .665 de 20/11/00 (R105) Guia de Tráfego e Certificado de Registro emitido pelo Ministério da Defesa Produtos Controlados pela Polícia Federal – Entorpecentes – Lei nº 10357 de 27/12/01 e Portaria nº 1274 de 26/08/03 Licença de Funcionamento do Transportador emitida pela Polícia Federal Materiais Radioativos O transporte é autorizado pelo CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear) • • .Regulamentação do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos VII.

luvas de material adequado ao(s) produto(s) transportado(s).NBR 9735 . Pá e enxada de material antifaiscante Martelo de borracha e batoques de madeira para conter vazamentos em embalagens EPI BÁSICO (acondicionados no conjunto de tração): capacete. 3. 9. óculos de segurança para produtos químicos E máscara (VO/GA. chave de fenda ou Phillips. 02 calços de segurança (conhecido como tacos). 6. 2. SO2) . 10. chave de boca (fixa) apropriada para a desconexão de cabo de bateria. CO. 11. 5. 200 metros de corda ou fita. 8. 100. Jogo de ferramentas: alicate universal. definidos pelo fabricante do produto. 7.“perigo afaste-se”. 12. 4. Lona (carga sólida) Almofadas de absorção e tirantes para fixação Lanterna (veículos de transporte de líquidos inflamáveis ou explosivos lanterna antifaiscante). NH3. Dispositivos de sustentação da fita para caminhões com reboque ou semireboque 04 cones (sinalização na rodovia). 50.Conjunto de equipamentos para emergências no transporte rodoviário de produtos perigosos 1. 04 placas autoportantes .

Saúde.FERRAMENTAS Sistema de Avaliação de Segurança. Meio Ambiente e Qualidade Sistema de Gestão certificado pela norma ISO9001 .GESTÃO DE RISCOS .

gov.br www.br www.abtlp.sp.gov.cetesb.abntnet.gov.br www.produtosperigosos.br/consultanacional www.br www.fepam.com.gov.rs.inmetro.org.com.antt.br .Fontes de pesquisa: • • • • • • • www.br www.

br (51) 3450-3793 .GRUPO ATR – Logí Logística e Transportes Agradeço pela atenção !!! Contato: lisiane@atrlog.com.