Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód.

do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina, Priscilla Gomes, Raquel Alessandra, Sabrina Prado Rev. 00

Implementação 03/13
Página 1/14

Elaboração Grupo 6

Aprovação Dr. Diogo

1.

RECEPÇÃO

A recepção do paciente é fundamental, nas orientações e coleta de dados. O atendimento bem sucedido garante transmitir ao paciente a credibilidade e confiabilidade do laboratório perante o diagnóstico. É nesta etapa que a recepcionista atribui um questionário a fim de obter dados que complemente o diagnóstico.

1.1

IDENTIFICAR O PACIENTE

Ao comparecer no laboratório, o paciente deve estar munido de uma requisição médica com os exames solicitados. Realizarão um cadastro contendo as seguintes informações básicas:      Nome Completo do Paciente Data de Nascimento/Idade Sexo Endereço/ Telefone Documento Original com Foto

1.2

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES            Nome do Médico/CRM Uso de Medicação Portador de Alguma Patologia Cirurgias Recentes/ Transfusão Sanguínea Ingestão de Bebidas Alcoólicas Fumantes Jejum (Perguntar ao paciente conforme seu grau de interpretação) Peso/Altura (Clearence de Creatinina) Data da Última Menstruação/DUM Esforços Físicos Indicação Clínica

3 HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO O horário de funcionamento do laboratório de segunda-feira a quinta-feira é das 07h00minh às 17h00min e sexta-feira das 07h00min às 16h30min. 00 Implementação 03/13 Página 2/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. uma para paciente e outra para controle interno do laboratório. Todos os dados devem ser preenchidos corretamente em função da sua importância na descrição da clínica do paciente para auxiliar no prognóstico. onde o mesmo contém todas essas informações a serem preenchidas. já a recepção é aberta a todos os públicos. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina. . Priscilla Gomes. comprovando que o paciente está realizando exames no laboratório. Ao final do cadastro será gerado um protocolo munido de número de cadastros. onde o (a) mesmo assina na requisição. Este protocolo deverá ser impresso em duas vias. para garantirmos o bom funcionamento.1. Raquel Alessandra. Esta triagem minimiza os possíveis erros de cadastros. O procedimento só será realizado após passar por uma análise do (a) responsável técnico (a) do setor. sendo o horário de almoço das 12h00minh as 13h00minh. de acordo com regimento interno do laboratório. As dependências internas das clinicas são restritas aos funcionários do setor.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód. 1. Todos devem respeitar as normas. Sabrina Prado Rev.4 ATENDIMENTO AO FUNCIONÁRIO O atendimento ao funcionário será procedido conforme ao descritos na norma 1. Diogo A realização do cadastro é feita em um formulário do programa interno do laboratório. 1.

e nunca a tampa. salvo em casos especiais. 00 Implementação 03/13 Página 3/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. onde são preenchidos nome do paciente e telefone de contato. É importante identificar sempre a parte lateral do frasco. Para agendar é necessário verificar a possibilidade de vaga no livro ata. para coleta de amostras de fezes e urinas. Ainda são passadas ao paciente as instruções cabíveis sobre os exames a serem realizados.5 ATENDIMENTOS AO PÚBLICO O horário de atendimento vigorará de acordo com a norma 1. Entregar os coletores corretos. Para o agendamento o paciente deve estar munido da requisição do médico e documento com foto. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina. A identificação contém as iniciais do nome do paciente e o número de registro do paciente.3.6 AGENDAMENTOS DE PACIENTES O horário de agendamento rege conforme a norma 1. que são utilizados para etiquetar os recipientes de coleta. Diogo 1. 1. Priscilla Gomes. São atendidos 10 pacientes ao dia. Sabrina Prado Rev. principalmente em frascos de urina e fezes para evitar trocas de material.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód. Raquel Alessandra.3. Exemplo: Requisição: 0812 Nome: Raquel Alessandra de Almeida Identificação: RAA – 0812 .7IDENTIFICAÇÃO DA AMOSTRA Cada cadastrado possui um número de identificação. 1. Para as coletas e recebimento de amostra das 07h00minh às 08h30minh e no período vespertino para uso de dosagem pós-prandial das 13h00minh às 14h00minh.

há uma justificativa e. todos os setores encaminharão os mapas de trabalho à sala de laudos. data da análise e os resultados. com data. contendo o nome do paciente. Nestas fichas constam a identificação numérica. e para respaldo são passados para ata de cada setor. o paciente é informado no mais curto prazo possível. Ao finalizar os exames. Estes mesmos são arquivados por um período de 5 anos. em ordem alfabética. número de registro. Priscilla Gomes. o laboratório informa ao médico assistente e/ou ao responsável pelo paciente. onde estes deverão ser digitados pelo funcionário responsável pela recepção. em caixas arquivadoras que receberão identificação externa e serão arquivados em local seguro. o nome e a idade do paciente e em alguns casos observações necessárias. sempre que possível.8 IDENTIFICAÇÃO DOS EXAMES A SEREM REALIZADOS No laboratório as amostras são registradas em fichas internas de seus respectivos setores. 1. Em caso de laudo que possa oferecer perigo iminente à vida do paciente. se por algum motivo isto não for possível. e o número do registro no conselho profissional. os responsáveis pelos setores liberam as fichas que serão encaminhadas a recepção que posteriormente serão digitados os resultados.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina. .9EMISSÃO DOS LAUDOS DOS EXAMES LABORATORIAIS Ao final da rotina laboratorial. Raquel Alessandra. em seguida as amostras e as fichas serão encaminhadas para os devidos setores. Os mapas de trabalho contendo os resultados serão arquivados juntamente com pedido médico. Sabrina Prado Rev. 00 Implementação 03/13 Página 4/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. O laudo é datado e assinado por profissional legalmente habilitado com o seu nome completo legível. Diogo 1. Os laudos estão disponíveis no prazo acertado com o paciente. A digitação dos laudos é realizada no programa interno.

uroanálise. com documento com foto. . Para coleta de sangue. somente o paciente poderá pegar os resultados. e documento com foto. imunologia. 00 Implementação 03/13 Página 5/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. Para a entrega dos resultados os pacientes deverão estar munidos do protocolo que lhe foi cedido no dia da coleta. Em caso da perca do protocolo. microbiologia e parasitologia. vamos citar apenas os mais comuns:  Jejum de 12 horas Lipidograma. bioquímica. ORIENTAÇÃO DE COLETA Segue abaixo orientações necessárias a serem repassadas aos pacientes em relação à coleta de alguns exames. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina. a lista de exames é grande. os mesmos serão encaminhados a recepcionista que fará uma atenciosa conferência.1 SANGUE  Jejum O paciente deverá ficar sem ingerir nenhum alimento em um determinado tempo. Em caso do paciente não poder comparecer ao laboratório. Sabrina Prado Rev. 2. 2. deve se entregar o protocolo e um documento a terceiros que irão buscar os resultados. Raquel Alessandra. exigido de acordo com exame a ser realizado.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód. Os laudos deverão ser entregues na seguinte ordem: hematologia.10 ENTREGA DE RESULTADO Após a assinatura dos laudos. colesterol total e fracionado. Diogo 1. antes de serem entregues aos pacientes. Priscilla Gomes.

para diagnosticar o diabetes. Paratormônio. sendo que o mesmo deverá estar dentro do padrão exigido . Sabrina Prado Rev. na maioria dos casos.  Jejum não obrigatório: Quando solicitados como urgentes pelo médico.  Jejum de 08 horas Ácido Úrico.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód. Fosfatases. é colhido sangue em jejum para verificar a taxa padrão de açúcar (glicose) no sangue. Transferrina. até no máximo 13h de jejum. Este exame é usado.  Curva Glicêmica (Teste oral de tolerância a glicose) A Curva glicêmica serve para medir a capacidade do organismo de processar uma quantidade excessiva de glicose (condição conhecida como hiperglicemia) em um determinado tempo. 00 Implementação 03/13 Página 6/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. por exemplo: Hemograma e Coagulograma dispensam o jejum alimentar. Glicemia de Jejum. o ideal quando possível é manter um jejum mínimo de 2 horas após a ingestão de alimentos. Raquel Alessandra. Ferro Sérico. Procedimento: Primeiro. entre outros.  Crianças muito pequenas: É recomendável coletar o sangue antes da próxima mamada. A variação de tempo é de acordo com pedido médico. Creatinina. Capacidade de Ligação. Hormônios. porém a rotina é de até 2 horas. em virtude de alterações metabólicas. Curva Glicêmica. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina. Amilase. Diogo Não será permitido o extrapolamento de jejum. VDRL. Priscilla Gomes. Cálcio. Gama GT. Orientar o paciente quanto ao tempo necessário que o mesmo permanecerá no laboratório. Teste de Tolerância à Glicose. Fósforo. porém.

colhendo então o jato médio. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina. salvo com autorização do médico por escrito. salvo em casos de pedido de urgência. Sabrina Prado Rev. a critério médico. O primeiro jato de urina deve ser desprezado. tomando cuidado para que não encoste a boca do frasco na vagina. Com prepúcio afastado. Em algumas situações.2 URINA As urinas devem ser colhidas de preferência a primeira do dia ou com retenção urinária de 04 horas. a pessoa ingere uma espécie de xarope contendo glicose e uma nova coleta de sangue é realizada duas horas após a ingestão. Os lábios devem ser separados durante a micção. enxágua com água e seca com toalhas limpas (não foi utilizada. refrigerar para transporte.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód. . levar imediatamente o material ao laboratório. de preferência passar um ferro antes de usar). despreze o primeiro jato. enxaguar completamente com água e secar com toalha limpas (não foi utilizada. 00 Implementação 03/13 Página 7/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. Mulheres: Fazer uma boa higienização da genitália (vagina) com água e sabão e enxaguar completamente com água. secando com uma toalha limpa (não foi utilizada. Em seguida. não encostar o coletor no pênis. de preferência passar um ferro antes de usar). Colocar o coletor próprio para criança. a coleta do sangue poderá ser feita em intervalos de tempo maiores ou menores. OBS: As urinas devem ser encaminhadas imediatamente ao laboratório. de preferência passar um ferro antes de usar). Diogo até no máximo 126 mg /dl valores acima não são realizado o teste. Raquel Alessandra. 2. Criança: Lavar a genitália da criança (pênis ou vagina) com água e sabão. Aguarde até 30mim se a criança não urinar fazer todo procedimento novamente colocando um novo coletor até que a mesma urine. colhendo o segundo jato ou jato médio. Homens: Lavar o pênis e o prepúcio com água e sabão. Priscilla Gomes. em casos de demora acima de 30 nós.

e secar com toalha de papel.3 ESPERMOGRAMA  Abstinência sexual de 3 a 5 dias (paciente não deve ejacular neste período). com água e sabão. tendo o cuidado de colocar a tampa para cima e não tocar no interior do frasco. Fazer higienização local.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód.  Urinar antes de realizar a coleta. Despreza a primeira urina do dia e marque à hora (de preferência as 07h00min h). Importante: A coleta ideal é realizada no laboratório. tendo o cuidado para não perder material. Diogo Urina de 24h: Forneça ao paciente o coletor apropriado caso laboratório não tenha instruir o paciente a comprar um coletor próprio para coleta de urina de 24h. É material esterilizado. Refrigerar durante a coleta e levar ao laboratório acompanhado de peso e altura. A primeira urina do dia deverá ser colhida.  Abrir o frasco.  Coletar diretamente no coletor. desprezando toda a micção no vaso. em casos de impedimentos físicos e/ou . Raquel Alessandra.  Lavar muito bem as mãos e os genitais com água e sabonete. caso perca parte do volume a coleta deve ser interrompido e iniciar uma nova coleta. secar. pois a mesma faz parte o exame. Priscilla Gomes. Orientar bem o paciente da importância do volume.  A amostra deve ser obtida por manipulação auto-erótica (este é o único modo de obter uma amostra correta). identificar com o nome completo e marcar o horário exato da coleta. e colher todo volume da urina dentro do mesmo coletor. NOTA: Não será recebido material em frasco desapropriado. principalmente o primeiro jato. ou seja. 00 Implementação 03/13 Página 8/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. 2.  Fechar rapidamente o coletor. até às 07h00min do dia seguinte. até completar as 24h. Sabrina Prado Rev. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina.

A boa hidratação facilita a coleta. é a mais concentrada e.4 ESCARRO 2. O escarro ideal é obtido após tosse profunda. esta amostra deverá ser enviada ao laboratório dentro de um prazo máximo de 10 minutos. Raquel Alessandra. antes do início do tratamento peito”. é aquele que vem do “fundo do  A amostra coletada pela manhã. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina.1 ANTES DE PROCEDER A COLETA. (principalmente antibióticos). Sabrina Prado Rev. é preferível não efetuar a coleta. 2. antes da coleta. Não colete saliva em lugar ou junto do escarro. . 00 Implementação 03/13 Página 9/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. Os exames de bacterioscopia. ao acordar. sempre que possível. Evite. Citologia e Clamídia no esperma e pacientes vasectomizados não precisam de abstinência sexual. Priscilla Gomes. é preferível coletar cada uma em dias diferentes. colher secreção do nariz.4.  Caso não esteja eliminando escarro no dia da coleta. também. Devem-se ingerir bastantes líquidos desde a noite anterior.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód.  Inalar vapor úmido.  Caso o médico tenha solicitado mais de uma amostra. portanto a adequada para o exame. Diogo emocionais poderá ser realizada na residência. Após o recolhimento. pode ser útil (por ex: inalando o vapor do banho). por autorização do responsável técnico do laboratório. É BOM SABER:  A amostra de escarro deve ser coletada.

com o seu nome e data e hora da coleta.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód. 2. imediatamente após a coleta.  Havendo pouca secreção. Diogo  4. massagear a uretra. tirando a tampa e colocando-a virada para cima.5 SECREÇÃO URETRAL  De preferência coletar pela manhã. Identifique o frasco. fornecido pelo laboratório. antes de urinar. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina. nem enxágües com flúor. Priscilla Gomes.  Tussa profundamente e colete o escarro diretamente dentro do frasco.  Se abundante. para reduzir a contaminação com a flora bucal. girar lentamente. Não toque o frasco ou a tampa por dentro. Abra o frasco. Procure não contaminar o lado de fora do recipiente com escarro. 2.2 PASSO A PASSO PARA A COLETA DO ESCARRO:  Antes de coletar. Introduzir o swab pelo meato uretral. desprezar a porção inicial da secreção eliminada. antes do uso de qualquer produto tópico e da administração de antimicrobianos sistêmicos.  O escarro deve ser coletado em frasco estéril. algumas vezes. procurando esfregá-lo na uretra.2.  Tampe bem o frasco. Sabrina Prado Rev. Não use pasta de dentes. introduzindo-o até o fundo na geléia. . enxágüe a boca com bastante água. Retirar o swab e colocá-lo no tubo com meio de transporte. longitudinalmente. Raquel Alessandra.6 SECREÇÃO DE OROFARINGE A coleta deverá ser feita de preferência pela manhã. antes da ingestão de alimentos líquidos e/ou sólidos. 00 Implementação 03/13 Página 10/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. pelo lado de fora. Encaminhe o material coletado o mais rapidamente possível ao laboratório.

00 Implementação 03/13 Página 11/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. que prejudicam o isolamento dos patogênicos.1 Coleta da Amostra  Coletar o material purulento localizado na parte mais profunda da ferida.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód. Outro cuidado importante é evitar que o swab toque a língua. Quando a punção com agulha não for possível. aspirado com seringa e agulha. Observações: 1. 2. utilizandose.  Swabs (menos recomendados) serão utilizados quando os procedimentos acima citados não forem possíveis. aspirar o material somente com seringa tipo insulina. antes da coleta do material.7 FERIDAS. o material das margens da lesão e a parte mais profunda do sítio escolhido são mais representativos e possuem maior viabilidade de microrganismos. ABSCESSOS E EXUDATOS PURULENTOS Instruir o paciente a não lavar o local com sabonete que contenha hidratante e não usar hidratante. Raquel Alessandra. . 2. sem pus ou material necrótico. Diogo COLETA: Orientar a coleta para as áreas hiperemiadas. pois uma amostra destas áreas inviabiliza o isolamento de germes patogênicos. A descontaminação da superfície das lesões ou abscessos abertos. 2. Sabrina Prado Rev. Não coletar o pus emergente. A cultura de lesões secas e crostas não são recomendadas. Priscilla Gomes. pois a saliva é rica em micróbios da microbiota normal. a menos que a obtenção de exsudato não seja possível. de preferência. 3.7. é crítica para interpretação do resultado. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina.

Sinovial.  Não tomar banho no dia da coleta. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina. A recepcionista deve estar sempre atenta quanto ao tempo de coleta deste material.9 COLETA PARA MICOLOGICO  O paciente não deve estar em uso de antifúngicos de uso tópico ou oral nos últimos três dias que antecedem o exame.8 LIQUIDOS CORPORAIS Líquidos corporais (Líquor.  Esmalte (retirar e voltar após no mínimo 72 horas para a coleta). líq. Pleural. o mesmo possui prazo máximo de 30 mim para ser enviado ao laboratório. 2. Unha com limpeza em manicure e pedicura (aguardar 15 dias). Líq. Diogo 2. Ascítico) são coletados pelo médico em procedimentos cirúrgicos. . Priscilla Gomes.9. Sabrina Prado Rev. 2. tomando cuidado para não sangrar. deve aguardar no mínimo 15 dias para que se realize a coleta ou conforme orientação do médico. Não pode ser refrigerado. Caso não possa suspender o tratamento. informar a suspeita médica para direcionar melhor a pesquisa. líq.  Sempre que possível.1 Coleta da Amostra Fazer uma descamação da área afetada com uma lâmina de bisturi.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód.  Após o uso destes medicamentos.  Orientar o paciente a lavar e secar os pés no dia anterior à coleta e ir ao laboratório com calçado fechado. informar as medicações usadas nesse período.  Não lavar o couro cabeludo ou região da barba no dia da coleta. líq. Raquel Alessandra. 00 Implementação 03/13 Página 12/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. Cervical.

arrancar alguns fios de cabelo com raiz.  Não usar purgativo. pus ou sangue (se existir).  Leve imediatamente a amostra ao laboratório.  Absolutamente contra-indicada à coleta na água do vaso sanitário.  Se o paciente eliminar outro material (por exemplo: verme ou parte do mesmo) não deve ser colocado junto com o material fecal (colocar em outro recipiente limpo). recolher as fezes da fralda logo após a evacuação.  Procurar porções que contenham muco. Se tiver prisão de ventre.  Evitar coletar as fezes no período menstrual.  Admite-se a coleta sobre a fralda descartável nova.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód. 2. fornecido pelo laboratório. Priscilla Gomes. Se a coleta tiver sido feita à noite. além da descamação. guarde o material na geladeira (não congelar).  Sangue Oculto: Verificar dieta necessária. 00 Implementação 03/13 Página 13/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr.  Em caso de criança. 2. . Sabrina Prado Rev. Diogo No couro cabeludo.10 FEZES  Evacuar em local bem limpo e seco.1 Exames:  Cultura: Colher a amostra em recipiente estéril. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina.  Coprologia Funcional: Verificar dieta necessária.  Pode ser coletada qualquer evacuação do dia.  Parasitológico: Colher a amostra em frasco comum. Raquel Alessandra. usar supositório de glicerina.10.  Parasitológico com MIF: Colher a amostra em frasco com conservantes.

corticoides.2 DIETA PARA EXAME SANGUE OCULTO NAS FEZES O paciente deve obedecer a uma dieta prévia 3 dias antes e no dia da coleta das fezes. soja. 1. Seguir a dieta sugerida abaixo.. do Documento Normas e condutas-001 Revisão Miria Divina. beterraba. Raquel Alessandra. Caso utilizar avisar na entrega do material. .Não tomar medicamentos que contenham ferro e nem alimentos que contenha ferro.Não comer carne vermelha. 3. Ex.Procedimento Operacional Padrão POPRecepção Cód. 2 . lentilhas. ervilhas.Não deve ser colhido em período menstrual. Priscilla Gomes.10. antiinflamatórios. (aspirinas. ou preparações contendo os mesmos. como fenilbutazona. Após a coleta levar o material ao laboratório. Sabrina Prado Rev. entre outros). indometacina etc.: feijão. Diogo 2. grão-de-bico e milho. Medicamentos irritantes não devem ser usados durante o período de teste exemplos. SUBSTÂNCIAS QUE INTERFEREM: Há alguns medicamentos orais como a aspirina e o ferro. 00 Implementação 03/13 Página 14/14 Elaboração Grupo 6 Aprovação Dr. cenoura e abóbora.