Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio

de Janeiro

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Centro de Ciências Humanas e Sociais – CCHS LICENCIATURA EM HISTÓRIA UNIRIO/CEDERJ PRIMEIRA AVALIAÇÃO A DISTÂNCIA - 2013.1 DISCIPLINA: FILOSOFIA E HISTORIA (OBRIGATÓRIA) COORDENAÇÃO: VALERIA WILKE

Nome: ANDRE LUIZ CORREIA Matrícula:13116090140 E-mail:correiaalc@yahoo.com.br Telefone: 35944580 Polo:Duque de Caxias Cidade em que reside: Rio de Janeiro Os dois trechos apresentam visões distintas sobre como se chegar ao conhecimento, bem como originaram as correntes filosóficas do Racionalismo representado por Descartes e do

Por sua vez. ou seja. como também o próprio ato de refletir sobre as coisas. mas pela idéia que possuímos dele.Empirismo por David Hume e John Locke. pois. em outros termos. na representação que fazemos do objeto. Referências bibliográficas 2 . colocaremos no nosso texto as principais características destas duas vertentes filosóficas e. terceiro. foram imprescindíveis para construção de uma realidade Mecanicista. o segundo. o conhecimento adquire uma relação de causa e efeito. Descartes sugere que todo o conhecimento se origina a priori no nosso pensamento. sinteticamente. para consecução desta visão. Por isso. Nesse sentido. Desta forma. consequentemente pelas percepções. E. com isso. num primeiro momento. Consequentemente. devemos estabelecer um nexo causal. bem como a rejeição da idéia de fenômeno. uma vez que estes não nos fornecem uma verdade inquestionável sobre o objeto estudado e. tanto o pensamento matemático (pensamento baseado nas formas perfeitas). o conceito de representação do objeto em nossa mente. indicaremos alguns passos da solução cartesiana acerca do conhecimento e sua contribuição para Modernidade. de acordo com a visão Lockeana. o Racionalismo Cartesiano preconiza que o conhecimento não pode ser obtido através dos sentidos e. Descartes indica que o conhecer se origina de idéias inatas. Para ele. bem como sobre a reflexão deste ao longo do tempo. Portanto. a saber: o primeiro. Sendo assim. desta maneira. este método permitiu alcançar uma premissa imutável e fundamental para se entender o processo de obter o conhecimento verdadeiro das coisas. para os empiristas. Porém. Descartes descarta a experiência como fonte do conhecimento e o sujeito torna-se a fonte primordial de todo o conhecimento. o objeto não é conhecido através da experiência. num primeiro momento. Assim. feito isso. a mente é entendida como uma folha de papel em branco para ser composta tanto através das sensações externas de um objeto. o empirismo indica que a experiência possui papel relevante no processo de conhecer as coisas. Entretanto. para se realizar a representação do objeto em nossa mente. na construção do método lógico-dedutivo para se alcançar o conhecimento realmente verdadeiro. a visão cartesiana legou três princípios básicos para a Modernidade. para os racionalistas. o conhecimento origina-se. o filosofo francês se utiliza. da duvida metódica para tanto questionar todos os saberes. nas sensações e a posteriori na reflexão sobre estas. isto é. não ocorre o questionamento sobre a separação entre a percepção externa do objeto e as operações internas da mente sobre o mesmo. o conhecimento causal fundamentado na noção de causa eficiente e na relação de causa-efeito.

Harval. Rio de Janeiro: Fundação Cecierj.. Historia e Filosofia. 3 .. P. 2012.2. C.Beltrão. v. 2ª ed.