You are on page 1of 17

Curso a Distânc ia

:

Programa de Excelência

MÓDULO ÉTICA PROFISSIONA L Arquiteto Jaime Pusch Castro - 2010

1

tanto um projeto como sua execução em si.html E a bibliografia recomendada: http://creaweb. Ambas afetam de forma decisiva a concepção e execução de uma edificação. Acesse o currículo: http://creaweb. Não fica de fora desta apreciação o ato de projetar ou executar edifícios. além de ter todas as 2 .br/pro-crea/arquivosAula/curso11/modulo1/aula2/cv_jaime_puch.crea-pr. Há duas ciências que tratam das relações humanas.br/pro-crea/arquivosAula/curso11/modulo1/aula2/a1_bibliografia. bem como entender qual deve ser o comportamento de um profissional quando se deparar com situações comuns do nosso cotidiano.org. quer seja ela a norma ética ou a jurídica.org. mas torna-se cada vez mais importante em nosso mundo competitivo. A parametrização e o controle da conduta humana se dá pela norma. seja das pessoas entre si e destas com as coisas: o Direito e a Ética.crea-pr. É importante entendermos alguns conceitos para o desenvolvimento do assunto. Vale lembrar que esse assunto dificilmente é abordado nos cursos de graduação. que é bem interessante. Assim.html Serão abordados os seguintes assuntos em nosso curso:     que é ética que é responsabilidade que é deontologia Reflexões e informações importantes Abordaremos neste módulo a visão da ética e da responsabilidade do profissional no campo da edificação. Este material foi elaborado pelo Arquiteto Jaime Pusch.MÓDULO ÉTICA PROFISSIONAL As informações contidas nesse estudo nos possibilitarão a familiarização com esse tema. frente ao seu produto e ante as suas relações humanas e laborais.

lugar de se viver ( ethé ).. O QUE É ÉTICA A Ética se apresenta como um nicho do conhecimento humano no campo da Filosofia .características técnicas. controle. Ética . buscando estabelecer os liames das inter-relações do homem. Moral . vamos compreender o que é ÉTICA. traduzia a idéia de morada. mas com ela não se confunde. passando a ter a conotação de conduta. tais como planificação. A Ética é intimamente ligada à Moral. Procura conceituar valores morais. preceito. Seu significado traduz a ampla idéia de uso. ação perceptível e apreciável que modernamente ainda se conserva. comportamento. Primitivamente. em sentido amplo. conservando uma certa similaridade com o conceito latino posterior de Moral. enquanto a Moral investiga os valores espirituais manifestos pelo indivíduo. Etimologicamente. Debruça suas atenções sobre este universo do pensamento humano. Com o tempo. etc. moris.parte da Filosofia que trata dos valores espirituais do homem. modo de vestir-se. Ocupa-se a Ética. após. direito. Para complementar esse raciocínio. Mas Aristóteles tem um entendimento mais específico: é o modo-de-ser e o caráter do indivíduo.parte da Filosofia que trata da conduta humana em sociedade. condutas e diretrizes comportamentais para o homem. a palavra Ética deriva do grego antigo éthos. estado das coisas. passou a definir a personalidade formal de cada um no processo de 3 . não pode se esquecer das relações humanas tratadas no Direito e na Ética. da conduta humana perante o ser e seu semelhante. costume. a palavra evolui de um significado material para um espiritual. a sua atitude de raiz psíquica. Trata-se de um ramo das ciências humanas que tem por alvo o elemento humano sempre em mutação. desejo. passou a ter o sentido daquilo que o homem traz dentro de si. Nesta fase. Moral deriva do latim mos.

a sociedade. mas novos laços éticos serão verificados e só estão presentes entre os elementos deste grupo. normalizada ética ou juridicamente. por dever de consciência. lingüísticas e assim ao infinito. pela característica comum da sua especialização produtiva. são geradoras de obrigações. identificamos um subconjunto que é o universo profissional. Além da ética geral. ÉTICA PROFISSIONAL Podemos selecionar. Quando estabelecida uma relação regida por um pacto. será observável uma ética específica. No plano ético. pode-se dar também pela qualidade da inserção do indivíduo no processo econômico. Obrigação: relação pela qual alguém deve dar. vem como conseqüência uma ou mais obrigações para as partes. segundo uma qualidade comum. destacando grupos segundo suas peculiaridades étnicas. Assim. continuam a se verificar. fazer ou se abster de fazer algo para outrem. culturais. O QUE É RESPONSABILIDADE As relações interpessoais. quer sejam de um indivíduo para com outro. onde todos os seus componentes possuem uma característica identificadora similar que é sua profissão . As ligações éticas desses indivíduos para com o grupo maior. a obrigação é exigível pelo ditame moral. Para o nosso caso. temos nesse grupo engenheiros e arquitetos projetistas u executores de edifícios. geográficas. desde que seu objeto 4 . para com a sociedade ou para com o estado.assimilação dos valores espirituais comungados com o coletivo. a obrigação é exigível por força de lei. Já no plano jurídico. Da mesma forma. um subsistema do grande sistema social.

realizado o dever de moto próprio pelo devedor.ação voluntária de pagamento da prestação de uma obrigação. cessa sem nenhuma sanção. Este dever é tutelado pelo poder judiciário. O devedor responde pelo descumprimento da prestação e o expõe à sanção da lei.os sujeitos. de pagar tributos. tornando-se inadimplente de sua obrigação. de caráter jurídico. que é o objeto. Objetivo . • Recíproca . Dever . de prestar serviço militar. de votar. O vínculo. a coisa ou a ação que configura a materialidade da obrigação. a prestação. instrumento do Estado para dizer o direito (jurisdição). de fazer uma doação prometida.que é a própria essência. 5 . No caso de obrigações recíprocas temos o devedor (aquele que tem o dever de obrigação) e o credor ( aquele que tem o direito de receber a prestação). é o motor do cumprimento da obrigação do devedor ao credor. Dever: É o cerne da obrigação. As obrigações têm três elementos: Subjetivo . A obrigação quando cumprida voluntariamente. Vínculo . ou seja. ele gera o direito ao credor de exigi-la e solicitar a tutela jurídica para o cumprimento da obrigação. a razão de ser da obrigação. Uma obrigação pode ser: • Unilateral – É a obrigação do pai em manter o filho. permutar..Comprar e vender.seja lícito e possível. que gera obrigações simultâneas a ambos os sujeitos. É condição sine qua non para a responsabilidade o descumprimento de um dever. as pessoas envolvidas na obrigação. Responsabilidade: Quando o devedor não cumpre o dever. prestar um serviço sob remuneração. possui dois aspectos a saber: dever e responsabilidade.

chama-se dolo. Como vimos. O autor do ato ilícito é então também responsável pela obrigação. Na sua prática profissional está implícita a obrigação de bem usá-los. Qualquer profissional qualificado e habilitado para o exercício de profissão regulamentada é detentor de uma gama de conhecimentos técnicos.Responsabilidade . No mundo ético. a conduta reprovada pela lei é a danosa e exclui da licitude toda a ação que possa causar dano à pessoa ou à sociedade e seus bens. Culpa . Além da lei e da manifestação da vontade das partes. outra fonte de obrigação é o ato ilícito. O descuido da conduta técnica com qualquer procedimento de seu domínio intelectual gera descumprimento de dever de ofício e o torna responsável técnico pelas conseqüências. É culpado aquele que. imperícia. É um dever seu a aplicação das melhores soluções técnicas para a consecução de seus serviços e obras.é a condição do sujeito que em descumprimento de dever expõe-se à reparação coercitiva. negligência ou imprudência realiza conduta que causa dano e quando assumida por vontade para produzir o resultado do ato ilícito. tanto quanto o inadimplente de dever. artísticos e científicos.é a responsabilidade decorrente da não prestação de 6 . Responsabilidade técnica .vontade consciente de produzir resultado ilícito. a conduta humana é balizada pela norma.elemento subjetivo do ato ilícito onde o agente é responsabilizado pelo dano causado. por vontade. A culpa é o descumprimento do dever ou o ato ilícito causado por indivíduo. Dolo . mas de condutas reprováveis moralmente. Ato ilícito . por ação ou omissão. não é próprio falar-se de ato ilícito. O autor do ato ilícito responde pelo dano causado por sua conduta e tem a obrigação de repará-lo e submete-se à sanção que a lei determinar .conduta contrária à norma que viola direito ou produz dano ao terceiro. Já no jurídico.

O indivíduo. além de recomendando atitudes e vedando condutas reprováveis. a Moral e o Direito podem estabelecer diretrizes concretas de comportamento do homem? Esta questão remete à normativa de condutas. Em cada momento o profissional se deparará com normas. ontos – ser. apontando para o que deve ser feito. a toda a sociedade. sobre a sua conduta necessária. assume deveres de ordem profissional específica. seu grupo social específico e a sociedade. A palavra foi criada por Jeremy Bentham a partir de radicais gregos: déon + ontos + logos (deon – dever. podemos ensaiar o grande princípio da ética profissional: O exercício de uma profissão é voltado para a satisfação dos interesses do homem e da sociedade. Deontologia . Do grego. que estarão. Neste aspecto. O subsistema profissional tem inter-relações internas.ciência do campo da ética que estuda os sistemas de moral. logos . Este é o objeto da Deontologia. Considerando os preceitos da ética. A importância da Deontologia fica evidente quando visamos chegar ao sistema de normas profissionais e aos deveres do profissional ante seu labor.conhecimento). O que é deontologia? Na prática. à padronagem de procedimentos. além dos deveres morais e jurídicos impostos a comunidade. É o campo da Filosofia que volta sua atenção sobre os deveres do homem. temos o radical déiontos. tratando do dever. que significa necessidade. podemos montar um quadro de deveres e estabelece-los em três ordens: 7 . ao estabelecimento de parâmetros. limites e modos de fazer. e é parte integrante e interage com o sistema social. Deontologia profissional . um problema surge: Como a Ética. O que faz ou deixa-se de fazer na prática profissional afeta a todo o conjunto de indivíduos.dever de arte. A partir desta consideração. ofício ou profissão técnica que cause lesão a direito ou dano a terceiro. o circuito ético interno da profissão reflete e tem interesse para a comunidade social em geral.

técnicas e métodos que fazem o conteúdo de seu ofício. Esse domínio o distingue do leigo a quem presta uma utilidade. tanto no plano individual como no social. o campo prático de saber que lhe titula. na teoria e na prática. A convicção de prestação de 8 . Seu objetivo é servir à humanidade.Primeira – Os deveres para com o usuário. Sem prazer.o profissional deve conhecer todos os fundamentos científicos.  Dedicação . beneficiário ou consumidor (deveres com a sociedade). Sem vocação. com os beneficiários do processo. talvez eficaz. O profissional é um agente da profissão . com os demais agentes de produção. Deveres profissionais fundamentais:  Conhecimento . Antes de submetê-lo à apreciação de terceiros ele deve apreciá-lo. Nem por isso tais deveres seriam divisíveis em três grupos deontológicos distintos. é o fator qualificador do profissional. mas não apresentará superação.  Identidade .  Serviço . o produto não trará a marca da personalidade do produtor.a profissão é um instrumento de serviço da humanidade. não terá expressão como arte. Sua colocação nas estruturas de produção faz de sua atividade não só fonte de seu sustento como seu mister maior. A ostentação de um título profissional obriga a aplicação do tempo e do intelecto do profissional com prioridade à sua profissão. mesmo sendo a profissão a fonte de sustento do indivíduo. Segunda – Os deveres com os demais agentes da produção. bem como. a atividade escolhida não será fonte de prazer. A qualidade será meramente formal. o cuidado com a própria ferramenta intelectual. mas devem ser observados tanto no trato com a profissão.  Autocrítica . Terceira – Os deveres com a própria profissão. os outros profissionais e os colegas (deveres de classe).o primeiro avaliador do trabalho de um profissional é ele próprio .profissional e profissão são elementos de um corpo único. A formação intelectual adequada e continuada.a especialidade a que se propõe é prioritária no cotidiano do profissional. O homem que ostenta um título profissional representa a própria profissão em seu contexto cultural e em sua dinâmica histórica.

a especialização por si só aponta na melhor qualidade de um produto em relação à não-especialização. sem complacência submetido ao crivo próprio. evitando exorbitâncias.uma utilidade em seus aspectos múltiplos . otimizar os resultados. deve agir com o máximo denodo e destreza . 9 . seu dever é ser competitivo.  Perícia . O especialista tem o dever de produzir um serviço que almeje progressivamente a melhoria de qualidade do seu produto e do seu meio. imprudências e erros. O profissional é apenas um elemento deste complexo cultural. perícia. Tais conhecimentos. Competência é procurar oferecer produtos e serviços melhores que os correntemente ofertados. imperícias. mesmo que as circunstâncias legais ou contratuais sejam complacentes. Competência é superar as marcas anteriormente ou usualmente conseguidas. artísticos deve ser. são limitados. Em um mundo com tendências liberalizantes.entenda-se competência não só no sentido vulgar de habilidade. são compartilhados pelos membros de sua classe. A prática da autocrítica impede de o profissional ir além dos seus limites pessoais.  Sociabilidade . a sua classe profissional. A reflexão sobre seu próprio trabalho é fator motivador da busca da melhoria pessoal e do incremento de qualidade em seu serviço. porém. não devendo ir além destes limites.pressupõe-se que o especialista é perito em sua especialidade. científicos. O resultado do serviço do profissional necessariamente é melhor que o do não-profissional. metodológicos. competir é um dever.  Competência . Numa perspectiva histórica. estes conhecimentos são o produto do acúmulo do trabalho de milhares de homens e mulheres que nos antecederam. Entende o pensamento liberal que a livre competitividade promove o desenvolvimento. Competência é. minimizando os recursos.não se pode esquecer que o profissional faz parte de pelo menos dois grupos sociais: a sociedade e o grupo de sua especialidade. além de serem um patrimônio de toda a humanidade.  Qualidade . O profissional é perito no que sabe. Dentro de seus limites intelectuais. técnicos. Competência é a capacidade de competir. Os conhecimentos de sua profissão. vindos desde tempos imemoriais. mais que um direito. Se o profissional é um agente de desenvolvimento. destreza. Muitos deles. Ele é detentor dos conhecimentos necessários ao desempenho de seu ofício. não raramente.

Ele deve primar pelos deveres fundamentais da profissão que são: Conhecimento. todo profissional tem como competência fazer projetos e executar obras. Agora que já compreendemos os fundamentos da moral e da ética e seus desdobramentos. Tanto atribuição como a capacidade impõe fronteiras à primariamente livre e ilimitada ação que a pessoa. tem para ir ao seu meio e agir. Identidade. Perícia. A Deontologia (do grego deon – dever. É seu dever compor e participar tanto de sua sociedade como de sua classe com espírito cooperativo. vamos analisar e fazer uma reflexão sobre como ocorrem na nossa sociedade. Competência e Sociabilidade. Ser projetista ou executor em sua modalidade é uma forma de atribuição natural. desenvolto e integrado.ser. Por força de resoluções do CONFEA.embora o represente pessoalmente. Serviço. ontos . Primeiramente. no exercício de uma profissão. tentemos deixar clara a diferença entre atribuição e capacidade 10 . A postura social do indivíduo deve superar seu egoísmo. logos – conhecimento) nos mostra que o profissional tem deveres com a sociedade. Qualidade. REFLEXÃO E INFORMAÇÕES IMPORTANTES Atribuição e capacidade de projetar. amparadas em legislação federal. Autocrítica. com a sua classe e profissão. Dedicação.

Estar habilitado é preencher os requisitos formais da regulamentação da profissão. II. contrato. dentro das atribuições legais. E os resultados só podem ser atingidos se empregarmos toda nossa capacidade de realização naquilo a que nos dedicamos. emprego. Um outro conceito interessante para esta reflexão é o que diz que não deve o profissional“aceitar trabalho. Isto quer dizer que temos compromisso com os resultados. desde a concepção de um projeto de edifício. Assim como. destacando de acordo com a sua criatividade Genérica e abstrata Individualizada e verificada na prática Este aparente conflito conceitual entre o que posso fazer e o que me deixam fazer se resolve pela via ética. como no de ter o poder pessoal de resolução. Estar preparado tanto no sentido de ter sido educado para tal. no entanto. econômicos e ambientais do trabalho que realizam” (CEP.10. função ou tarefa para os quais não tenha a devida qualificação” (CEP. através do emprego da capacidade individual. É necessário. Qualificação é exatamente estar preparado e habilitado para o exercício de uma profissão. É um postulado ético que as nossas profissões se caracterizam pelos “resultados sociais. assumir uma conduta razoável atendendo aos próprios limites. se limitarmos nossa dedicação dentro dos parâmetros exigidos em lei. A profissão se realiza pelo alcance dos resultados propostos. entre eles. 4º). art. art. ‘a'). a observância das atribuições profissionais de sua modalidade. No efetivo exercício ético profissional não só é suficiente o gozo das 11 .Atribuição Faculdade de fazer Limitação externa do profissional Lei impõe limite Nivela a todos pela média Capacidade Poder de fazer Limitação que tem dentro de si Habilidade e conhecimento impõe limite Individualiza o profissional. até sua realização e uso final.

a Polícia Militar com sua vigilância da ordem pública. O poder de polícia emerge da tensão entre a autoridade da administração pública e a liberdade individual. O Município com suas posturas. com poder de polícia sobre a prática formal específica das profissões convergentes para o projeto edilício. O poder de polícia não é arbitrário. devendo ser exercido dentro do princípio da legalidade. as instituições de saúde pública. etc. impondo normas de conduta formal ao indivíduo. Neste complexo destaca-se o CREA. Cada órgão público é dotado de autoridade sobre uma determinada esfera de competência. 12 . os organismos de preservação ambiental. Em nosso universo profissional diversos são os organismos da administração que detêm o poder de polícia sobre nossa atuação. Seu objetivo é fazer valer a supremacia do interesse coletivo sobre o do indivíduo. Os órgãos públicos exercem esse poder de defesa dos interesses da sociedade e do Estado. Assunto do Direito Administrativo que se torna interessante para o posicionamento do profissional ante a administração pública. Regulação e controle da atividade projetiva e executiva Poder de polícia.faculdades delegadas pelas atribuições profissionais. Ato da administração pública no exercício de seu poder de polícia que fira a esfera de direitos subjetivos é passível de exame pelo Poder Judiciário. Ainda que o instituto do poder de polícia vise a proteção e a incolumidade social. A lei dispõe sobre a competência do órgão como forma de limitar sua ação autoritária em defesa da coletividade. como é necessária real capacidade de desempenho de suas tarefas . os direitos individuais devem ser respeitados.

Mais que existente. restaurando o seu estado primitivo de indene através da indenização No Campo Penal. arte ou ofício.Deve existir um objetivo. mas também o bem pessoal. o objeto deve ser lícito. É o resultado de conduta que muda. • A capacidade contratual . O bem a que se refere à lei tem alcance não só a bem material ( patrimonial ). resguardar. é a destruição. moral ou estético (extra-patrimonial). contratos verbais não instrumentados são possíveis.Deve haver um contratante e um contratado. Contrato Define-se contrato como "o acordo de vontades para o fim de adquirir. O dano ocorre em duas condições: provocado na esfera jurídica de terceiro e ser resultante de ato ilícito. eis que este é o assento documental formal do acordo de vontades. mesmo porque. possível e determinado. A conseqüência do ato é a obrigação civil de repará-lo. dano é tipificado como crime. 13 . • A forma . Se decorrente de procedimento próprio de profissão. A pessoa que lhe deu causa. modificar ou extinguir direitos".Certos tipos de contrato são executados segundo uma forma legal e deve ser a prescrita ou não proibida em lei. dano é o prejuízo ou a perda de um bem juridicamente protegido. culposa ou dolosamente. responde pelo dano. inutilização ou deterioração de coisa alheia. No Direito Penal. mas regulado em lei. No Direito Civil. num bem de terceiro. O agente causador do dano é por ele responsável. O ato contratual não deve ser confundido com seu instrumento. cabendo penalidade administrativa. surge o responsável técnico. respondendo o autor com a pena a ele cominada. É um ato jurídico privado.Dano: Há dois conceitos de dano.Os sujeitos contratantes devem ser capazes para sua realização • O objeto . A validade de um contrato exige certos requisitos: • As partes . o seu estado de indene (in + dene = sem dano ).

São os chamados bens incorpóreos ou imateriais. um projeto é de propriedade do profissional que o elabora. qual seja. o solo. científica. artística ou aqueles da tecnologia que objetivam invenção. Os direitos de autoria. sendo o edifício acessório patrimonial do principal que é o imóvel. Em última análise. Constitucionalmente. nos vem à mente a idéia de bens imobiliários (terra. há um limitador para o direito de propriedade. Aos bens decorrentes da produção literária. O cliente tem o direito contratual de sua realização no plano de sua propriedade material. a idéia de sua concepção. Já a literatura. o interesse social. É uma forma de direito dominial que se origina da geração. de marcas e de invenção são o vínculo de domínio do autor com a produção intelectual. Um livro que você tenha em mãos é sua propriedade. Um edifício é propriedade do cliente que o mandou executar. Estes limites se encontram na legislação ordinária. enquanto livro-objeto. desenho ou modelo industrial.Propriedade intelectual Quando falamos em propriedade. estabelece-se a relação de propriedade intelectual com seu criador. Direito de construir Construir é conseqüência lógica do direito de propriedade. este conceito se torna importante na relação com o cliente. suas plantações. É forma de fruição da propriedade imobiliária. a criação das idéias que ele transmite são propriedade do autor. o desenvolvimento tecnológico para sua realização são propriedades intelectuais do profissional. na forma dos direitos 14 . Para os profissionais de nossa esfera projetiva. Estes bens são materiais. objetos móveis palpáveis). da criação de bem incorpóreo. Mas. edificações. Há outra gama de bens não materiais que sujeitam-se à relação de propriedade que no entanto não são palpáveis.

na prestação de serviços públicos. É selecionado o que apresentar melhor preenchimento de requisitos. a matéria de conteúdo a ser examinada é definida e a igualdade de condições entre os candidatos é assegurada. que condicionam sua execução. o profissional é selecionado por concurso público.Profissional pessoalmente desempenha atividade técnica permanente. estar atento aos interesses dos vizinhos e às determinações administrativas. em 15 . Uma difere da outra pela forma de acesso. Convocado por edital. quer seja ele Federal. as regras são preestabelecidas. do Legislativo ou do Judiciário. ao servir seu cliente proprietário e titular deste direito. havendo ainda a eventual obrigação de indenização por danos. a prestação se dá por via contratual. Antecedem à prática construtiva certas faculdades dos vizinhos e do interesse coletivo. Concursos e licitações A administração pública vale-se. Oferecem-se oportunidades para os profissionais de engenharia e de arquitetura e de todas as outras profissões de prestarem serviços ao poder público. O projetista pode ser responsabilizado se der causa ao fato ilícito. No vínculo como empregado público. dispostos em regras administrativas.de vizinhança e na regulamentação administrativa. Na modalidade de serviços eventuais. A administração é sempre um potencial consumidor de serviços profissionais. Autônomo ou empresa . quer seja do Executivo. Em ambos os casos. seleciona-se por licitação. ou na prestação eventual de serviços. O projetista da edificação deve. Há duas formas de prestação de serviços à administração: Funcionário público . da prerrogativa de contratar profissionais para desenvolverem tarefas como agentes da administração. ao embargo e até ao confisco e à demolição compulsória.Presta serviço específico sem vínculo empregatício. o mais capaz. Estadual ou Municipal. Nesta forma de acesso. As penalidades pela transgressão vão desde multas pecuniárias.

De qualquer forma. O juiz tem a prerrogativa de julgar e. Processualmente. No caso de engenheiros e arquitetos.A pessoa é designada pela autoridade para o desempenho de determinada função em caráter pessoal. profissão ou ofício. é responsável pelos danos a que der causa. além das responsabilidades civis e criminais. destacando-se melhor preço e técnica. Há. a prestação de serviços técnicos à administração se dá pela competição com igualdade de condições. Têm função política e são sempre desempenhadas em caráter precário. Sujeita-se. normalmente com dano . decorrente de incúria com norma ou preceito de arte. além das penalidades previstas na lei civil e penal . quando há um descompasso entre o que se quer fazer e o que efetivamente acontece no mundo real. Ocorre quando o agente. no entanto. Os concursos de projetos para obras de maior repercussão atendem à formalidade licitatória. pessoa habilitada para determinada prática. Nomeação direta . os chamados cargos em confiança ou comissionados. como leigo na questão técnica. além das reparações indenizatórias e da submissão a penas criminais. Quem pratica ato viciado. age com dolo. É um vício de vontade aparente no resultado. só pode se dar mediante perícia técnica elaborada por profissionais que tenham o domínio de conteúdo da questão. quando praticado erro técnico. tem o agente ainda a responsabilidade técnica. seleciona-se o que oferecer melhores condições de execução do objeto desejado.tudo semelhante ao concurso. Erro técnico: Juridicamente o erro é um vício da vontade consistente na percepção falsa da realidade. negligência ou imperícia. imprudência. vale-se da perícia como meio de prova. patrimonial ou extrapatrimonial. No erro técnico. mediante erro. às sanções administrativas. um dispositivo legal que prevê dispensa de licitação para serviços de pequena monta ou de que só haja um profissional disponível para prestá-lo. responde ante o órgão 16 . O erro técnico se manifesta por resultado diverso do esperado.

Dentro do Direito Civil. 17 . O serviço técnico tem o mesmo enfoque que qualquer outro serviço à luz do Código de Defesa do Consumidor . mediante remuneração. O consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatária final. ao prestar serviços ou fornecer bens de sua produção técnica é encarregado de obrigações face ao consumidor. é decorrente de inobservância executiva de alguma prescrição contida nele. o erro técnico pode ser apreciado e penalizado pelo CREA.administrativo que tiver poder de polícia sobre a prática de sua profissão. desde que haja legislação específica que contemple a ocorrência em questão. Os serviços são quaisquer atividades fornecidas ao mercado de consumo. o bom profissional sempre será distinguido não somente pelas suas qualidades técnicas e criatividade. Direito do consumidor A Constituição Federal de 1988 consagra o cidadão como consumidor de bens e serviços e titular de direitos específicos nesta especial relação econômica. materiais ou imateriais. Neste caso. a matéria é já objeto de codificação distinta. Os produtos são quaisquer bens móveis ou imóveis.Verifica-se que aqueles postulados que já tínhamos como sendo do compromisso ético destas profissões. finalizamos o módulo de ETICA e RESPONSABILIDADE. o profissional é consumidor e titular destes direitos. E assim. Como pudemos constatar ao longo desse estudo. que no final das contas são o seu maior patrimônio. O erro técnico. em especial seus clientes. Como cidadão. exceto as de caráter trabalhista (lei específica). aqui é norma legal de cumprimento coercitivo. se não tem origem no projeto. mas também pela ética e por sua responsabilidade com toda a sociedade e. Mas.