You are on page 1of 3

Acerca do materialismo vulgar x materialismo histórico na análise poética de Henri Lefebvre

Este é um fragmento da obra Le marxisme, de Henri Lefebvre, publicada originalmente, no ano de 1948, em comemoração aos cem anos do Manifesto do Partido Comunista. Lefebre (1901-1991) foi um filósofo e sociólogo francês muito importante por suas discussões travadas dentro do próprio marxismo e outros movimentos, como o existencialismo. Além disso, possuiu importante atuação militante na França durante a Segunda Guerra Mundial. O trecho a seguir está incluso na Conclusão, em que Lefebvre busca desfazer algumas conclusões "precipitadas" dos adversários do marxismo. Resolvi transcrevê-lo por pensar que, além de cumprir seus objetivos, o autor solve múltiplas questões transformando-as em pérolas...

Lefebvre, Henri. Marxismo; tradução de William Lagos. -- Porto Alegre, RS: L&PM, 2010. p. 106-111.

No campo filosófico O erro mais difundido (voluntariamente ou não) consiste na confusão entre o materialismo histórico (dialético) e o materialismo vulgar (mecanicismo). Este último reduz a natureza à matéria brutalmente definida por suas propriedades mecânicas (volume, densidade, elasticidade, etc.). Reduz os seres da natureza a combinações mecânicas dessas propriedades elementares (combinações de partículas ou de corpúsculos: atomismo). Reduz o pensamento a uma secreção, e a consciência a um epifenômeno dos processos fisiológicos ou físicoquímicos. Reduz o humano às necessidades elementares orgânicas (comer, beber, etc.). Essa redução do complexo ao simples, do superior ao inferior conduz a uma concepção extremamente pobre do mundo e do homem. É necessário observar que essa teoria, há muito tempo ultrapassada pela física, ou melhor ainda, por todas as ciências da natureza, mantém-se ainda em certas ciências humanas ( no behaviorismo, de Watson, no organicismo sociológico de Spencer, de Schaefflé e, sobretudo, de René Worms). Historicamente, este materialismo vulgar foi defendido no século XVIII. Mas desde essa época os grandes materialistas, como Diderot, d'Holbach e Helvécio, esforçaram-se de forma mais ou menos obscura -- mesmo que tenham quase sempre fracassado em obter a solução -para superar o mecanicismo bruto. Algumas vezes, concebiam a natureza como um todo infinitamente complexo, mais do que uma soma ou um conglomerado de partículas isoladas e definidas mecanicamente. Mesmo que isso não tenha sido ainda claro para ele (e que a influência de Lucrécio se encontre em sua obra, tanto quanto a de Spinoza), d'Holbach já enxergava na natureza um “grande todo". Segundo ele, o homem é igualmente um todo, caracterizado por uma essência e uma organização, o que o classifica "em uma ordem e uma classe à parte, na qual difere de todos os animais" pelas propriedades que se descobrem nele, pois "as naturezas particulares" têm suas próprias organizações, mesmo que elas dependam

considerando a imensa natureza como um todo orgânico e vivo.. Isso significaria então que.. ele nasce. Dorval. 1 2 3 D'Holbach. posição vertical etc. e o humano como uma essência. Se o materialismo dos grandes pensadores do século XVIII ultrapassava algumas vezes o materialismo vulgar -. 924. Neste imenso oceano de matéria não existe uma molécula que se assemelhe a outra molécula. tanto aqui como em outros pontos.com muito maior razão o faz o materialismo dialético!.1 De uma forma ainda mais nítida. se desenvolve e talvez se depaupere ou morra. (N. e veremos germinar em suas almas o sentimento de benemerência universal que abraça toda a natureza. ao passo que o materialismo se contenta em estudar os fatos e. 1780. Somente porque o pensamento se tenha afirmado. p..T. de tal maneira que a evolução orgânica parece haver terminado nele e ter se desenvolvido para ele? Por que motivo ele prolonga seu corpo por meio de instrumentos (enquanto que os utensílios dos animais fazem parte integrante do seu corpo)? Como a consciência humana se transforma em possibilidade de ação e dominação sobre a natureza.. Bem antes do que Nietzsche e mais concretamente do que ele."3 A partir de seu materialismo. uma ordem e uma totalidade distintas. o homem "é um ser natural". "Nós explicaremos sempre aos nossos filhos que as leis da humanidade são imutáveis e que ninguém as pode dispensar. o pensamento. para o materialismo dialético. Leva em consideração os dados da biologia. tudo passa. (N. analisar os fatos em seus relacionamentos. a dialética. Marx percebeu o "senso da Terra". p.A. Ele não pode se separar das características da espécie humana: cérebro. isso não nos autoriza a separálos. em latim no original. Seu materialismo trata do homem terrestre e carnal e o aceita tal como é. como a espécie humana juntamente com ela. em suas ligações e em seu devir. No indivíduo e na espécie. mesmo que inseparável do todo -. com suas próprias leis. Diderot escreveu: "Tudo muda. (N. da qual emerge. que já apresentava em certos pontos. a consciência e o espírito humano não existem ou não são nada mais que "epifenômenos"? Absolutamente não! O pensamento é uma realidade. sendo sempre tratado como tal. O sistema da natureza. 11."do sistema geral e da natureza universal" de que fazem parte "e a que tudo quanto existe se encontra necessariamente ligado". mais uma vez. O mundo começa e termina incessantemente. edição de Londres. entre os homens. porque de maneira mais social. cabe à psicologia e à pedagogia estudá-las no indivíduo particular. diz Constance a Dorval na peça O filho natural (Ato IV cena 3). A metafísica pretende resolvê-lo por meio de um decreto absoluto e apresentar uma substância espiritual. em atividade crescente que se afasta cada vez mais da passividade perante a natureza? Encontramos aqui... Para ele. apenas o todo permanece. o pensamento aparece como uma propriedade natural e específica. Rerum novus nascitur ordo 2.A.) O sonho de d'Alembert. Éditions de la Pléiade. Diderot formulou uma doutrina da sociabilidade e da felicidade geral e não uma apologia do egoísmo. o problema geral da antropologia. nunca houve outro modo e jamais haverá outro. Cabe à antropologia geral estudar por meio dos fatos as condições dessa emergência. na multiplicidade de seus aspectos.) "A ordem será formada a partir das coisas mais novas". cresce. a cada instante se encontra em seu começo e em seu fim. ainda que momentaneamente. fortalecido e confirmado através da luta contra a natureza. na escala da espécie humana. da fisiologia e da antropologia. essa é sua inscrição eterna. mãos.) . Tomo I. Precisamente porque é uma realidade. Por que razão o homem prolonga o desenvolvimento orgânico por um desenvolvimento social. você me disse cem vezes que uma alma terna jamais encarava o sistema geral dos seres sensíveis sem lhes desejar energicamente a felicidade e sem dela participar". Um estudo sobre o materialismo de Diderot multiplicaria citações igualmente características. não existe uma molécula que se assemelhe a si mesma por um só instante.

Cessa de conceber estritamente a razão universal como interior ao indivíduo e a apresenta em sua universalidade concreta. o pensamento. contra a espontaneidade -. portanto.e do outro contra as ilusões. contra o instinto bruto. um desenvolvimento cujo caráter é ao mesmo tempo material (condições orgânicas. nem unilateralmente físico. sua totalidade e seu devir. privilegiar esse ou aquele aspecto do homem total e definir o humano através de um único aspecto. como razão humana. Ele os une indissoluvelmente ao reencontrá-los nos fatos e no desenvolvimento do homem. finalmente. O número e a variedade dos metafísicos. das religiões. Cessa de separar a razão da natureza.Todavia. Todavia. ele se resolve pela vitória da razão sobre a ilusão ideológica e também por sua vitória sobre a natureza. O que é. Ainda que o velho cientificismo se contentasse em privilegiar abusivamente essa ou aquela ciência e conceber tudo fisicamente. pelas ciências. vitória que comporta uma reconciliação profunda com esta última. as ideologias. nem fisiológico. A razão somente domina a natureza no homem e ao redor dele através do conhecimento dessa natureza e do reconhecimento de seus próprios laços com ela. Como se formou a razão? Através de uma dupla luta. O materialismo dialético prolonga o antigo racionalismo. das morais e das doutrinas políticas demonstram bastante claramente que existiu no ser humano uma verdadeira função ideológica -. que age e que pensa. mas o ultrapassa. pois a razão somente saiu da natureza no decorrer de um desenvolvimento natural. da magia à imaginação metafísica. pelo que essas ciências descobrem. agora se trata do homem em seu devir. O homem se define pelo conhecimento. do homem que se forma através de seu conhecimento e se conhece por meio de sua formação. ao eliminar-lhe os aspectos limitativos e negativos. da prática e da vida. Mas as ciências não se determinam senão por meio do homem. por exemplo.ou em encarar um somatório dos resultados adquiridos pelas diferentes ciências --. nem histórico. o materialismo dialético coloca no centro de suas preocupações o homem. técnicas e econômicas) e dialético (conflitos múltiplos). o desenvolvimento e a desaparição. a tal ponto real que aparece inicialmente como função da ilusão e como função da verdade. Evita. Revela-se em toda pesquisa que evite metodicamente isolar os fatos uns dos outros e tampouco da totalidade do processo. O que é cada ciência? É o homem tomando consciência da natureza exterior e de sua própria natureza. esse conflito não tem nada de eterno. ou biologicamente -. O materialismo dialético demonstra assim como segue a dialética (estudo dos conflitos e contradições no relacionamento interno dos termos em oposição) e o materialismo. um dos elementos. o homem total? Nem exclusivamente. ou matematicamente. É tudo isso e mais ainda do que a soma desses elementos ou aspectos: é sua unidade. . um dos graus da realidade. nem psicológico. descobrindo um dos aspectos. de um lado contra a natureza ao redor do homem e dentro dele. uma conquista histórica e social do homem. Porém. econômico ou social.uma função social de que também é conveniente estudar o nascimento.