ANTROPOLOGIA SOCIAL BRITÂNICA

08/05/2013
-Antropologia britânica até os anos 50 (melanésia, indonésia, etc.) “playground” da antropologia. -Paulo → “Aquilo que se constrói, tem diálogo com o material”. -Melanésia – Parentesco junto com política. -Conflitos teóricos – sociedade / estrutura social / parentesco. --//-MALINOVSKI (pt.1) -Seus escritos não se esgotam -Há um senso comum sobre ele e a imersão do trabalho de campo. Há verdades e inverdades. -Depois de 1920, ele “assume” a antropologia até a volta de Radcliffe-Brown. -”Manual” (notes and queries – feito pelos evolucionistas na década de 50/60) Antes disso, havia a “antropologia de gabinete”. -A partir da “antropologia de varanda”, se defende que os antropólogos precisam ir à campo. -”Extrair do nativo por simpatia”. -Malinovski usa esse manual em sua formação. -Há coisas ligadas à Malinovski que já existiam antes dele. -Extrair coisas da observação do cotidiano foi algo interessante. MALINOVSKI (pt.2) -SEMPRE LER OS ARGONAUTAS -Cria uma ciência onde a história é “descartável”. -A estrutura virará o oposta da história (? conferir nota) -Mantém sua obra mas não cria “alunos”. -Ótimas etnografias. -Transfere o trabalho de campo da varanda para aldeia. -Coloca “tudo” da etnografia. -PIDGIN: Tipo de língua que surge do contato com duas línguas. (“nem uma, nem outra”). -É preciso conhecer a língua do nativo.

. Desenvolve metodologia para história sem fonte. descobrir o que se procura. Processo Social: -A realidade concreta que o antropólogo social está interessado em observar é o processo da vida social. -Clara retomada da história. -Estimular o nativo para. a partir dele. --//-RIVERS -Começa estudando genealogias -Organiza técnicas para trabalhar genealogia e parentesco (a partir da leitura de Morgan). (A entrevista é uma elaboração do cotidiano por parte do nativo). -Começa a dar foco na questão da história. -Uma história que não deixa de ser “especulativa”. -Não há razões para acreditar que classes sociais são decorrentes de colonizações. -Se pergunta como fazer história em sociedades que não tem escrita. (Por isso chama-se “diário”. se torna um difusionista. -Metodologia que permita fazer história em sociedades de tradição oral. -A partir de 1908. Observações: -Aprender a formular perguntas abertas.-Acompanhar a vida cotidiana do nativo para perceber melhor.“Minha concepção de antropologia social constitui estudo teórico comparado das formas de vida social dos povos primitivos”.. -”Forma de vida social” . RADCLIFFE-BROWN Estrutura e Função na Sociedade Primitiva História e Teoria: -Antropologia social como ramo da sociologia comparada. (nota: procurar mas sobre isso) -Ignora o relato mítico enquanto história. -Página 22 dos Argonautas: Fundamental! -É extremamente necessário escrever diário de campo “todos os dias”. há!) -Método indutivo que parte dos dados concretos.

-”Cama” teórica muito forte. Como se mantém a ordem sem a coerção do Estado. mas tal trabalho é sobre tal coisa” (Ex. não natural). -História também é acontecimento do campo (o acontecimento). Religião se relaciona com política. -O estudo deve ser indutivo e comparativo. -Com a vinda de Radcliffe-Brown a demanda dos antropólogos com mais teoria é suprida. → African Political Sistems -Nesta época já se tem uma disciplina constituída (antropologia). mas tal trabalho é apenas sobre política). -A estrutura social é constituída por uma rede continua de relações sociais. -Hoje “Processo Social” é o contrário de estrutura. Será criticado. -R. (é ciência humana. . . → Do conceito de função nas ciências sociais -Os difusionistas não são capazes de ver que cada sociedade tem sua estrutura. (conferir nota). -Instituição é conjunto de normas (regras de conduta). -Quanto maior a sociedade maior a probabilidade da existência de Estado.Brown – Estruturalista mas indutivo. Turner. -Função está colocada com estrutura. -Evans P. GLUCKMAN -Seu aluno de maior destaco é V.“Tudo se relaciona com tudo. -Se alia à história. -Antropologia Política – Vai para outro grupo ver como eles fazem política. -Para Evans-Pritchard o antropólogo é uma ciência de caráter histórico.ESCOLA BRITÂNICA 15/05/2013 -Radcliffe-Brown – Nos textos monográficos há pouco espaço para relativização. -Ponto Durkheimiano. 22/05/2013 EVANS-PRITCHARD -Recupera Malinovski (diário de campo) para levantar problemas de pesquisa.

-”Há uma estrutura de relações sociais”. unicamente pelo aspecto linguístico. (Não existe verdadeiramente). --//-LEACH -O modelo é inconsistente -”A realidade é a manipulação do modelo de acordo com os interesses”. Cada uma é composta por clãs. onde há um “equilíbrio” temporário. -Além da divisão em clãs. -”Há um conflito controlado pela estrutura social”. -Faz um recorte sincrônico no tempo. (O objeto é o Estado Nacional). -O modelo estrutural está na cabeça das pessoas. -Traz eventos concretos. o mito é “usado” de acordo com os interesses de quem o conta.-Utiliza como objeto a “unidade nacional”. -”Há separação mas com relação de interdependência”. (as resistências e tensões entre os grupos devem ser considerados). -Inclui o contato mas não deixa de fazer análise da estrutura. cada fratria está dividia em duas classes matrimoniais. . (o problema são as relações entre negros e brancos). -Classes matrimoniais são organizações que regulamentam os casamentos. (Grupos de indivíduos possuidores do mesmo totem). -Para ele. -Não se define um grupo (étnico. --//-DURKHEIM → Formas primitivas de classificação Austrália -Tribos se dividem em duas fratrias. -Usa desenho para representar as posições do local. -Sistemas sociais são inconscientes. -”Há uma comunidade com uma estrutura”. -A tensão é inerente aos sistemas sociais. (São manipuláveis). etc).

Toda ela está dividida de acordo com a denominação das fratrias. tem o mesmo principio. Clã do Corvo Clã da Serpente 05/06/2013 DURKHEIM -Jamais partir de função para entender fenômenos sociais. -Para a escola. religião é “problema” de classificação. . Estudando uma desvendam-se as outras. -Se o corpo social vai se dividindo o mundo vai se dividindo (ler no texto). -Evolucionismo enquanto “método”. -As classes matrimoniais não afetaram a cosmologia.Clã da Ema CLASSE MATRIMONIAL A FRATRIA I CLASSE MATRIMONIAL B Clã do Cavalo Clã do Boi CLASSE MATRIMONIAL A' FRATRIA II CLASSE MATRIMONIAL B' Clã da Siriema -O conúbio é permitido entre as classes designadas pelas mesmas letras. (ler no texto). A divisão em fratrias é considerada “lei universal da natureza”. -A religião diz respeito à teoria do conhecimento. -Estão criticando Kant (razão humana. “natureza humana”). -Todas as relações são iguais. A + A' / B + B' -A classificação das coisas reproduz a classificação dos homens. -Demonstra que o modo como pensamos é gerado em situações sociais. -A origem do simbolismo é social. -”O pensamento não é universal”. -Esta divisão também é aplicada à natureza. -(Durkheim posto como evolucionistas. Sociedades ainda não complexificadas). animais. -Critica a psicologia. -A cultura não está “colada” nos indivíduos. -Há clãs compostos por totens vegetais e outros.

Dor de cabeça e nozes. -Pensamento mágico. mas não só isso. -A magia não é individual (o grupo todo precisa acreditar).-Estudar religião. O feiticeiro do mau. -Religião não se trata de “místico” ou “divindades”. é atribuir a alguém um “poder”. -Qualquer parte do “santo” contém todo o santo. -O mágico não é técnico. rito mágico é simpático. . -A magia é atribuída à pessoa. folha que treme e abaixa a febre). mas entender-lhes o ponto de vista (Frase do Paulo). -O mágico também acredita no sistema mágico (por isso não é charlatão). Pequenas ações cotidianas que reforçam a excepcionalidade. 12/06/2013 MAUSS -Detalhar agente. → Texto da Magia -Magia simpática existe. (ler o texto). com base também neste texto. -Se o indivíduo obedece o fato social. -Durkheim desenvolve posteriormente. Duas classes opostas: sagrado e profano. mas alguns não são (Mauss). é devido à autoridade moral. é sempre uma atribuição virtual. Ex. ato e representação (modo de fazer antropologia distante do americano). -O fundamento da crença se constrói pouco a pouco. -Há um consenso social acerca da excepcionalidade do mágico. -A magia se configura como algo fora do comum (no ato). -Cap VII é um “contraponto” ao Durkheim do senso comum. -Os desviantes reforçam o estabelecido. -O poder do mágico é gerado pelo grupo. paulatinamente. A história da religião é a história do conhecimento. -Tempo e espaço são construções sociais. toda a santidade. (similar anula o similar. -Religião é um todo formado por partes. -Para Frazer. -Mauss fez 700 resenhas em 14 anos. -Procurar não “julgar” os interlocutores. se estuda o conhecimento.

-O “mana” é uma categoria do pensamento humano (como tempo e espaço). -Do estudo de um caso é capaz de explicar todos. -Considera linguística uma ciência mais avançada. -A noção de “fato social total”. -O texto funciona bem para análises políticas. -Fato empírico serve para atingir estruturas profundas. -O “mana” no fundo é de origem social. Mauss deve a Malinovski (fazer a leitura). -Quer ver determinantes mais profundas. -Contrário à escola britânica. -Kula é um comércio que é um fato social total. (!!! frase da aula).. -Aprender com os “primitivos” a reciprocidade. -Forma: característica formal dos fenômenos sociais. → Ensaio sobre a Dádiva -Texto sobre direito comparado (?!) -Deve haver um tempo entre o dar e o retribuir para não “acabar” co a relação. -Propõe uma etnologia que escape do domínio da descrição. -O empírico é enganador. -Descobrir determinantes matemáticas do comportamento humano. → Noção de estrutura -Aspectos formais. Descobrir modelos. -O texto trata da lógica de que “há uma 'obrigação' instituída na troca de presentes”. . -Ciência pura.-O oposto haje sobre o oposto. --//-- 19/06/2013 LÉVI-STRAUSS -Fontes de pensamento heterogêneas. -Contato com linguística marca sua obra.

-O inconsciente não é falseável.Strauss. apenas um caso é suficiente.Brown a ciência da natureza. modo de pensamento. -Os modelos vão servir para todo tipo de sociedade. ela está em todo lugar. -Foucault tem proximidade com L. -Lacan trabalha a partir de Strauss. O que interessa são os modelos inconscientes.B.-Pegar realidade empírica para construir modelos. -O mínimo conjunto a partir de qual se consegue entender o sistema (átomo do parentesco). -O valor da palavra depende do valor das outras. -Acha bom em R. -Defende outros “tipos de história” sem nexos causais. -Seja mecânico ou estatístico.Brown foi a posição empirista. -Há um consciente lógico do qual as pessoas não tem noção. modelo é outra. -Definição não depende dos fatos empíricos. → Observação e experimentação -Fato é uma coisa. -O modelo consciente serve à pratica. -As estruturas elementares também operam nas sociedades complexas. -A estrutura torna manifesta a própria estrutura (melhorar compreensão da nota). 50 -Pensamento universalista de base. -Ler pg.) -Para entender a relação (pai-tio materno-filho) é preciso olhar também outras relações: só se entende o valor de um dos elementos do sistema a partir de outros elementos do mesmo sistema. -Confusão entre relação e atitude (em R. -O erro de R. → Estrutura e Medida -Importa maneiras de pensar. . (verificar a frase). -Estrutura oferece caráter de sistema. -É Saussureano. -Se a estrutura existe.

-O pensamento “primitivo” não é ilógico nem pré-lógico. -O tipo de casamento das sociedades primitivas leva à relação entre famílias permanentemente e a criação de regras. sempre haverá a estrutura básica. experimenta-se emoção (?). -A teoria da dádiva: o vinculo com o tio materno é pelo vinculo da reciprocidade. -Quando se tem a estrutura inconsciente manifesta na frente. -A arte como sobrevivência do pensamento selvagem entre nós. -Os primitivos se voltam ao concreto. é para criar conhecimento (intelectual). (Parece ao mesmo tempo natural e cultural). -É uma ciência tão acabada quanto as outras mas que operam em outra lógica.Strauss.-Parentesco é algo fundamental em antropologia. -Se há pensamento selvagem. . É lógico mas diferente do nosso. Verificar nota). Parentesco e estrutura se relacionam a partir da teoria. (importante) -Os mitos concedem uma visão privilegiada da estrutura. -Família não é religião. “natureza é universal. cultura está na sociedade”. -O mito é uma maneira de pensar e ordenar os elementos que estão ao redor. -O fundamento da família e a troca. -O mito é um objeto que presta-se proximamente ao objetivo estruturalista. (Estética. -O mito é objeto principal de L. etc. -Ficar fechado no núcleo familiar leva o grupo a se destruir. -Há uma atitude de catalogação concreta. -Proibição do incesto está em todos os grupos. É o primeiro objeto que Strauss pega para estudar a estrutura. -Os “primitivos” não abstraem porque tem uma lógica diferente da nossa. -Faz-se por uma manifestação (? verificar) -Oposições. -Não importa qual mito se tome. (Prim ?!?). -A cultura se faz a partir de regras que os grupos estipularam entre si. (confirmar nota).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful