You are on page 1of 30

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS

ÁLVARO DUARTE DEBORA BERNARDES LUÍSA MANOELA RAONI ADÃO

A mineração de água mineral em Minas Gerais

Belo Horizonte 2013

SUMÁRIO

1 1.1 2 3 3.1 3.2 3.3 3.4 4 4.1 4.2 4.2.1 4.2.2 4.2.3 4.2.4 4.2.5 4.3 5

INTRODUÇÃO ............................................................................................... 1 DEFINIÇÃO DE ÁGUA MINERAL .................................................................. 3 REGIME DE OUTORGA DA ÁGUA MINERAL ............................................. 6 MINERAÇÃO E APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS MINERAIS ................ 10 COMPLEXO INDUSTRIAL ........................................................................... 11 EMBALAGENS............................................................................................. 11 LABORATÓRIO ........................................................................................... 12 A MÃO DE OBRA NA INDÚSTRIA DE ÁGUA MINERAL ............................ 12 PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM MINAS GERAIS ............................ 14 PANORAMA DA PRODUÇÃO ..................................................................... 14 PERFIL DAS PRINCIPAIS EMPRESAS EM MINAS GERAIS ..................... 16 Grupo Edson Queiroz ................................................................................ 16 Nestlé Waters Brasil................................................................................... 16 Spal Industria Brasileira de Bebidas Ltda. ............................................... 17 Grupo Danone ............................................................................................ 17 Hidrobrás .................................................................................................... 17 CIRCUITO DAS ÁGUAS .............................................................................. 18 CONCLUSÃO .............................................................................................. 20

REFÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................................. 21

I

LISTA DE FIGURAS

Figura 1.1 – Representação da quantidade disponível de água na Terra ................... 2 Figura 2.1 – Organograma da concessão de lavra ..................................................... 9 Figura 4.1 – Produção anual de água mineral em Minas Gerais entre 1996 e 2011. 14 Figura 4.2 – Valor da produção de água mineral entre 1996 e 2009 ........................ 15 Figura 4.3 – Evolução do preço médio por litro da água mineral em Minas Gerais .. 15 Figura 4.4 – Exemplos dos vasilhames utilizados ..................................................... 18 Figura 4.5 – Mapa de localização do Circuito das Águas.......................................... 19 Figura 4.6 – Balneário de Hidroterapia de Caxambu ................................................ 19

II

..... 3 Tabela 1.......... 4 Tabela 1........................1 – Número Mínimo de Funcionários na Linha de Envase ........................................2 – Classificação das águas minerais quanto à composição química ............. 1 Tabela 1...........................................4 – Tipologia das águas minerais no Brasil .......................1 – Distribuição de água na terra ........ 13 III ............. 5 Tabela 3................LISTA DE TABELAS Tabela 1......................................................................3 – Classificação das fontes de águas minerais quanto aos gases e à temperatura ....

LISTA DE ABREVIAÇÕES ANVISA CPRM Agência Nacional de Vigilância Sanitária Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais CONFEA Conselho Federal de Engenharia e Agronomia DNPM MS PAE Departamento Nacional de Produção Mineral Ministério da Saúde Plano de Aproveitamento Econômico IV .

O processo de concessão de lavra tem algumas particularidades em relação ao de outros bens minerais. A mudança dos hábitos de consumo da população. com a troca dos refrigerantes e sucos industrializados pela água mineral. Minas Gerais. aliado à grande concorrência no mercado. devido o grande número de empresas produtoras. cria um cenário propicio à ampliação da produção de água mineral em Minas Gerais e no Brasil. Palavras-chave: Água mineral. V . uma vez que a água mineral é também um produto alimentício.RESUMO A indústria de água mineral no estado de Minas Gerais é a quarta maior do Brasil.

The process of mining concession has some particularities in relation to other minerals. together with the fierce competition in the market. since mineral water is also a food product. due to the large number of manufacturing companies creates a scenario propitious to the expansion of mineral water production in Minas Gerais and Brazil. The change in consumption habits of the population. with the exchange of soft drinks and industrialized juices by mineral water.ABSTRACT The mineral water industry in the state of Minas Gerais is the fourth largest in Brazil. Minas Gerais. VI . Keywords: Mineral water.

01 por cento de toda a água na terra (Shiklomanov.04 0.1 INTRODUÇÃO Dentre os recursos naturais necessários ao homem.870.1 mostra a distribuição da água na terra. afetando a quantidade e a qualidade da água disponível.530. Com o progresso cientifico e tecnológico principalmente a partir da metade do século XX.12 1.5 300 176.93 0.007 0. 1993).7 0. Tais mudanças ocasionaram alteração dos ciclos hidrológicos de rios e lagos. Por centenas de anos. Tabela 1.400.0001 Fonte: Water in Crisis: A Guide to the World's Fresh Water Resources.000 12.022 0.007 0. A própria vida humana é impossível sem a água e não existe nenhum outro substituto para ela.001 0.003 Porcentagem da água total 96. a migração da população para os centros urbanos e a expansão dos centros industriais.0008 0.9 11. A quantidade de água disponível para uso humano corresponde a menos de 1 por cento de total a água doce e 0.6 -30.338.4 91 85. houve uma imensa expansão das áreas de cultivo irrigadas.1 -0.03 0.006 0.4 12. 1993 Para uma melhor compreensão da relativa escassez de água potável a Figura 1. geleiras e neve permanente Água subterrânea Doce Salobra Humidade do solo Permafrost Lagos Doce Salina Atmosfera Pantanos Rios Água nos seres vivos Volum e de água (km ³) 1.064.05 0. o impacto que o homem exerceu sobre os recursos hídricos foi insignificante e de caráter local. A Tabela 1.86 -0. o mais importante é água.5 1. e o seu diâmetro de aproximadamente 1 .76 0.000 23.000.013 0.12 Porcentagem da água doce -68.000 24.1 mostra uma comparação do volume de água existente com a Terra.000 10.0002 0.000 16.001 0.26 -0.47 2.74 1. A Maior das esferas representa toda a água na Terra.1 – Distribuição de água na terra Fonte da água Oceanos e mares Calotas polares.

113 quilômetros cúbicos (Perlman.633 milhões de quilômetros cúbicos.1384 km e o seu volume seria de 1. O diâmetro desta esfera é de aproximadamente 56 quilômetros com um volume de 93. 2010). Essa esfera tem um diâmetro de aproximadamente 273 km e o seu volume seria de 10. Figura 1. etc).386 bilhões de quilômetros cúbicos. lagos.1 – Representação da quantidade disponível de água na Terra. A Menor esfera representa a quantidade de água doce disponível em todos os lagos e rios do planeta (a maior parte da água utilizada pelo homem vem destas fontes). A segunda maior esfera representa o total de água doce disponível em todas as formas possíveis (geleiras. Fonte: Woods Hole Oceanographic Institution. rios. 2010 2 .

Teor de radônio entre 10 e 50 unidades Mache por litro. como: [. com características que lhes confiram uma ação medicamentosa. O Código determina ainda em seu art. No Capítulos VII a classificação das águas minerais quanto à composição química é realizada conforme estabelecido na Tabela 1. 1º que: Poderão ser.2 – Classificação das águas minerais quanto à composição química CLASSIFICAÇÃO OLIGOMINERAL RADÍFERAS ALCALINA BICARBONATADA ALCALINO TERROSAS ALCALINO TERROSAS CÁLCICAS ALCALINO TERROSAS MAGNESIANAS SULFATADAS SULFUROSAS NITRATADAS CLORETADAS FERRUGINOSAS FRACAMENTE RADIOATIVAS RADIOATIVAS FORTEMENTE RADIOATIVAS TORIATIVAS CARBOGASOSAS ELEMENTO PREDOMINANTE CARACTERIZAÇÃO Quando apesar de não atingirem os limites estabelecidos no Código de Águas Minerais. a 20°C e 760 mm de Hg de pressão.1.1 DEFINIÇÃO DE ÁGUA MINERAL A água como bem mineral é definida pelo Código de Águas Minerais (Decreto-lei nº 7. 1º. arseníadas. a 20°C e 760 mm de Hg de pressão.841. litinadas etc. possuam inconteste e comprovada ação medicamentosa. Bicarbonato de sódio = ou > 200mg/L Carbonato de cálcio = ou > 120mg/L Cálcio = ou > 48mg/L sob a forma de bicarbonato de cálcio Magnésio = ou > 30mg/L sob a forma de bicarbonato de magnésio SO4= = ou > 100 mg/L Sulfeto = ou > 1mg/L NO3= (de origem mineral) = ou > 100 mg/L Cloreto de sódio = ou > 500mg/L Ferro = ou > 5mg/L Teor de radônio mínimo entre 5 e 10 unidades Mache por litro. Teor de radônio acima de 50 unidades Mache por litro. classificadas como minerais.. a 20°C e 760 mm de Hg de pressão. também. no mínimo. águas que. a 2 unidades Mache por litro. mesmo sem atingir os limites da classificação estabelecida nos Capítulos VII e VIII. gás carbônico livre dissolvido = ou > 200mg/L (> 0. Que possuírem teor em torônio em dissolução equivalente em unidades eletrostáticas.] aquelas provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente captadas que possuem composição química ou propriedades físicas ou físico-químicas distintas das águas comuns. forem classificadas como minerais Quando tiverem radioatividade permanente.01mg/L): iodadas..1 abaixo: Tabela 1. Fonte: DNPM 3 . de 08/08/1945) em seu art.

uma vazão gasosa de 1 litro por minuto com um teor em radônio compreendido entre 5 e 10 unidades Mache. no mínimo. Quanto à Temperatura Quando sua temperatura for inferior a 25°C. Quando sua temperatura estiver compreendida entre 33° e 36°C. com um teor em torônio na emergência equivalente em unidades eletrostáticas a 2 unidades Mache por litro. não atingiram os limites estabelecidos pelo Código de Águas minerais. Quando sua temperatura for superior a 38°C. uma vazão gasosa de 1 litro por minuto. cervejas.No Capítulo VIII classificação das fontes de água mineral além do critério químico é feitas das formas apresentadas na Tabela 1. no mínimo. ocorre através de seu envase ou na utilização como matéria prima de outros produtos industrializados como refrigerantes. Quando sua temperatura estiver compreendida entre 36° e 38°C. a 20°C e 760 mm de Hg de pressão.2 abaixo: Tabela 1. sucos. no mínimo. por litro de gás espontâneo. As que apresentarem. no mínimo. 4 . por litro de gás espontâneo. apesar de serem conceitualmente idênticas às águas minerais. As que apresentarem. as águas potáveis de mesa são aquelas que. As que apresentarem. RADIOATIVAS FORTEMENTE RADIOATIVAS FONTES TORIATIVAS FONTES SULFUROSAS FONTES FRIAS FONTES HIPOTERMAIS FONTES MESOTERMAIS FONTES ISOTERMAIS FONTES HIPERTERMAIS Fonte: DNPM O Art. Quando sua temperatura estiver compreendida entre 25° e 33°C. 3º do Código determina que: Serão denominadas ‘águas potáveis de mesa’ as águas de composição normal provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente captadas que preencham tão-somente as condições de potabilidade para a região. Portanto.3 – Classificação das fontes de águas minerais quanto aos gases e à temperatura CLASSIFICAÇÃO CARACTERIZAÇÃO Quanto aos Gases FRACAMENTE RADIOATIVAS As que apresentarem. uma vazão gasosa de 1 litro por minuto com um teor em radônio superior a 50 unidades Mache. As que possuírem na emergência desprendimentos definidos de gás sulfídrico. a 20°C e 760 mm de Hg de pressão. A exploração e comercialização da água mineral ou potável de mesa no Brasil. uma vazão gasosa de 1 litro por minuto com um teor em radônio compreendido entre 10 e 50 unidades Mache. por litro de gás espontâneo. a 20°C e 760 mm de Hg de pressão. etc.

20% 14.45% 2.10% Fonte: DNPM 5 .20% 16.3 Tabela 1.44% 1.20% 5.66% 1.As águas minerais no Brasil são predominantemente fluoretadas como mostrado na Tabela 1.4 – Tipologia das águas minerais no Brasil Água Mineral Fluoretada Água Mineral de Fonte Hipo/Hipertermal Água Mineral Radioativa de Fonte Fria a Hipo/Hipertermal Água Mineral de Mesa e Oligomineral Água Mineral Alcalino-bicarbonatada Água Mineral Alcalino-terrosa Água Mineral Carbogasosa Outras Águas 48.68% 10.

captadas através de poços ou fontes e nascentes naturais. uma vez que a água mineral envasada é um bem alimentício. As áreas ou perímetros de proteção das águas minerais ou potáveis de mesa.º 274/05 . Decreto-Lei Nº 7. A legislação que rege os principais pontos cabíveis à outorga de água mineral.841. destinamse à proteção da qualidade das águas e tem como objetivo estabelecer os limites dentro dos quais deverá haver restrições de ocupação e de determinados usos que possam vir a comprometer o seu aproveitamento. • Resolução RDC nº 173/2006 ANVISA .Especificações Técnicas para o Aproveitamento de Águas Minerais e Potáveis de Mesa. O Ministério da Saúde (MS) através da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) regulamenta a indústria de envase de água mineral. Portanto. Portaria n. a outorga de água mineral é regida e ditada pelo DNPM.Regulamenta as Áreas de Proteção das Fontes de Águas Minerais.Código de Águas Minerais.2 REGIME DE OUTORGA DA ÁGUA MINERAL Uma vez que qualquer bem mineral é de propriedade da União. • Resolução RDC n.Secretaria de Vigilância Sanitária. • Portaria MS nº 518/04 – Secretaria de Vigilância em Saúde.º 374/09-DNPM . estabelece a Norma de Qualidade da Água para Consumo Humano. Portaria n. suas especificações e exigências são dadas por: • • • • Decreto Lei n° 227. seja no Brasil ou em Minas Gerais. 6 .Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Industrialização e Comercialização de Água Mineral Natural e de Água Natural e a Lista de Verificação das Boas Práticas para Industrialização e Comercialização de Água Mineral Natural e de Água Natural.Código de Mineração. dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Água Mineral e Potável de Mesa. de 28/02/1967 . cabe ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) ceder o direito da retirada de tal bem mineral para o minerador (Titular).º 231/98-DNPM . de 8 de agosto de 1945 .

Concluídos os estudos e cumpridas todas as exigências legais. passível de renovação do título. O conteúdo do Plano de Pesquisa deverá estar de acordo com as Portarias do DNPM . bem como o estudo de viabilidade econômica do empreendimento. especificar se a captação será feita por meio de Caixa ou de Poço Tubular. medições de vazão ou caracterização do aquífero. contendo o Formulário padronizado. juntamente com o Plano de Pesquisa e Planta de localização da área. da captação ao envasamento. na qual será definida a delimitação da poligonal da Área de Proteção da fonte. já analisado e vistoriado por técnico da Superintendência do DNPM. Os trabalhos que seguirão deverão compreender estudos técnicos com vista da elaboração do Relatório Final de Pesquisa. bem como as instalações sanitárias na área requerida e a metodologia a ser adotada no tratamento dos efluentes. O minerador terá o prazo de 1 ano para requerer a Concessão de Lavra. Estando o Plano de Aproveitamento Econômico devidamente analisado e vistoriado por um técnico da Superintendência do DNPM e cumpridas todas as exigências legais. é então aprovado consignando a vazão e a classificação da água. conforme laudo anexado ao processo. 7 . Deverá ser apresentado também o "layout" do sistema de distribuição da água definindo o fluxo do líquido.Assim como qualquer bem mineral (Exceto fósseis e petróleo). Isso se deve ao fato de que não é permitido haver mistura da água de origem mineral com a de origem pluvial. com todas as suas opções. além de mapas e plantas das edificações e das instalações de captação e envase. entre outras informações exigidas pelos decretos para orientar os trabalhos de conhecimento da área.bacteriológicas. é necessário que. no qual se exige o projeto técnico e industrial que define o plano de explotação. será concedida o Alvará de Pesquisa para um prazo de dois anos. seja feito o Requerimento de Autorização de Pesquisa junto ao DNPM.374/09 e 231/98. O Plano de Aproveitamento Econômico deverá especificar o sistema de drenagem das águas pluviais. Após a avaliação do requerimento. o Relatório Final de Pesquisa na sua forma completa. análises físico-químico. O requerimento é acompanhado do Plano de Aproveitamento Econômico (PAE). é concedida então a Outorga da Portaria de Lavra. os estudos hidroquímicos e hidrogeológicos.

o modelo do rótulo da embalagem a ser comercializada deverá ser submetido ao DNPM para análise do cumprimento das exigências legais. no caso. Após a aprovação do rótulo. o titular deverá encaminhar o rótulo ao Ministério da Saúde para nova aprovação.Com tudo devidamente aprovado pelo DNPM. Tendo sido bem sucedida a análise do produto. Minas Gerais. e começar a circular no mercado interno. a fonte de água já poderá entrar em operação. em todas as saídas de linhas de envasamento.2 mostra um Organograma do Sistema de Legalização da Indústria de Água Mineral. que é realizada uma análise bacteriológica completa referente a coleta de amostras representativas de acordo com a Resolução . Somente após todas essas aprovações. A Figura 1. 8 .RDC nº 274/05 – ANVISA.

Figura 2.1 – Organograma da concessão de lavra. 2009 9 . Fonte: CPRM.

No caso de ser tecnicamente inviável o uso da tubulação aérea. Os tubos de canalização levarão a água captada até os reservatórios. e estar em nível superior ao do solo de modo a permitir inspeção visual externa do mesmo. será permitida a sua instalação em calhas fechadas. livre de mofos. ou de outro material específico aprovado pelo DNPM. Das casas de proteção sairão os tubos de canalizações para condução e distribuição da água. As aberturas devem ser ajustadas aos batentes e protegidas com telas milimétricas ou outra barreira para impedir a entrada de animais. notadamente insetos. seguem descritos visam à autorização de outorga do projeto até sua operação. Para as captações de fontes ou de nascentes pontuais e poços deverão ser construídas com tubulação de aço inoxidável polido de grau alimentício. a uma altura mínima 30 cm. para permitir a coleta de amostra. 10 . mesmo material constituinte da caixa armazenadora da água captada. O projeto construtivo do poço ou da fonte. os mesmos deverão ser colocados em nível superior ao do solo. apoiadas sobre suportes de 30 cm. deve ser submetido ao DNPM. segundo Norma Técnica regulamentada pela Portaria nº 374/09 – DNPM. construídos em aço inoxidável polido. A casa de proteção da captação deve ser mantida bem ventilada. ao nível do solo. fendas e umidade. Os reservatórios deverão ser: • Totalmente estanques. ou de outro material inerte que confira proteção adequada. não porosos e laváveis. e deverá conter uma torneira de aço inoxidável de grau alimentício.3 MINERAÇÃO E APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS MINERAIS Os principais procedimentos técnicos que devem ser realizados em uma mineração de água mineral. janelas e portas devem ser de materiais impermeáveis. Uma torneira deverá ser instalada para coleta de amostras no início da tubulação. Paredes internas. juntamente com o cronograma da sua execução. Os locais de captação serão protegidos por casas que deverão ser construídas em alvenaria. estes deverão ser totalmente estanques. de grau alimentício. infiltrações. pisos.

• • • Construídos em aço inoxidável polido. É exigida a análise de todos os equipamentos e utensílios utilizados por amostragem. reservatórios e a entrada da canalização na indústria até a sala de envase. 3. lavagem. Planta baixa das instalações internas e externas. sem alteração das suas 11 . a rede de adução. de grau alimentício. assepsia. pré-lavagem. As máquinas e os equipamentos utilizados no envase de água mineral e potável de mesa. inspeção. O tempo de residência da água mineral ou potável de mesa no reservatório. Estar em nível superior ao do solo de modo a permitir inspeção visual externa do mesmo e. Serem dotados de tampas de vidro. rotulagem e linha de envase e expedição e outras áreas do complexo industrial. suas tubulações. As partes internas dos utensílios e equipamentos que terão contato com a água mineral ou potável de mesa deverão ser construídas em aço inoxidável polido de grau alimentício.2 EMBALAGENS As embalagens utilizadas no envasamento das águas minerais e potáveis de mesa deverão garantir a integridade do produto final. desinfecção.1 COMPLEXO INDUSTRIAL Os projetos industriais devem apresentar plantas de locação planialtimétrica. contendo todos os setores do complexo industrial. mostrando localização de todo o empreendimento e fluxogramas das atividades nas salas de recepção. todas as práticas devem visar minimizar os riscos de contaminação da água. locando as instalações da captação e proteção da fonte. necessária às operações de enxágüe e envase. deverão ser submetidos a processos de higienização e manutenção periódica. não poderá exceder a 03 (três) dias 3. Estas tampas deverão estar protegidas por sobretampas de aço inoxidável para evitar a entrada de luz. de forma a permitir inspeção visual de seu interior.

de um engenheiro de minas ou geólogo para controle e manutenção da captação. 12 . 3.características físicas. tipo Policarbonato.3 LABORATÓRIO Todas as indústrias que envasam águas minerais e potáveis de mesa deverão efetuar análises microbiológicas. contemplando a medição de Condutividade Elétrica. segundo a tecnologia disponível e os laudos das análises deverão ser assinados por profissional legalmente habilitado. PET ou similar. de um técnico de laboratório. de contador e de seguranças. a empresa de água mineral requer a presença de um químico ou outro profissional qualificado na área de alimentos. A Tabela 3. garrafas e copinhos deverão ser fabricados com resinas virgens. a industria de água mineral requer a presença de profissionais capacitados para cada área de atuação da empresa. pH e a Temperatura da água na captação e na Linha de Produção. químicas. em laboratórios próprios. segundo os lotes de produção bem como a análise físico-química diária. Por ser um misto de indústria alimentício-mineradora. microbiológicas e organolépticas. físico-químicas. 1 Informação obtida nas empresas em funcionamento no estado de Minas Gerais. para controle de qualidade do produto final. que assegurem a manutenção das propriedades originais da água.1 ilustra o número mínimo de funcionários por linha de envase 1. de conformidade com a legislação em vigor da ANVISA. 3. Serão aceitos métodos de análise rápida. além de pessoal administrativo. Os garrafões.4 A MÃO DE OBRA NA INDÚSTRIA DE ÁGUA MINERAL Como em qualquer industria.

13 . e os profissionais de química. pela indústria de água mineral ou potável de mesa. perfuração. na parte que se refere à produção. limpeza e manutenção de poços tubulares para exploração de água subterrânea” (Decisão Normativa do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia – CONFEA – nº 59. tecnicamente. geólogos e engenheiros de minas. biologia e de engenharia de alimentos respondem.1 – Número Mínimo de Funcionários na Linha de Envase FUNÇÃO DE OBRA LINHA Garrafão Pessoal de posicionamento na lavadora Pessoal da Enchedora/Operadora Pessoal no Visor Pessoal na rotulagem Empacotadores Montadores de palete Total 2 1 1 2 -3 9 LINHA Copinho -1 --4 -5 LINHA Descartáveis -1 1 1 1 1 5 Fonte: Empresas de água mineral em Minas Gerais A presença de conjunta de profissional na área de alimentos. de 09/05/1997) . padrões de qualidade e saúde dos funcionários. higienização. locação.Tabela 3. é justificada pelo fato de os geólogos e engenheiros de minas serem os únicos profissionais que podem se responsabilizar quanto à execução de “serviços de planejamento. pesquisa.

000 200.1 abaixo: 400. a produção em Minas Gerais estabilizou-se e cresce em um ritmo menor.000 Produção (10³ L) 300. uma vez que ambas as empresas não possuem participação expressiva no mercado de água mineral no Brasil.1 – Produção anual de água mineral em Minas Gerais entre 1996 e 2011. seguida de outras marcas.000 250. tal que corresponde à época de entrada de no mercado brasileiro os chamados refrigerantes de baixa caloria como Aquarius. da Coca-Cola e H 2 O. Após um período de crescimento da produção de água mineral entre os anos de 996 e 2001.1.000 350. deste total Minas Gerais contribuiu com 6% ou 372 milhões de litros.1 PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM MINAS GERAIS PANORAMA DA PRODUÇÃO A produção brasileira de água mineral engarrafada em 2011 foi de 6. da Pepsi.2 está mostrada a evolução do valor da produção de água mineral em Minas Gerais de 1996 a 2009. como mostrado no gráfico da Figura 2. 14 . Fonte: DNPM. Na época o objetivo destas empresas era conquistar uma fatia importante do mercado de águas minerais assim como dos refrigerantes.000 150. 2011 Percebe-se pelo gráfico da Figura 2.000 100. que houve uma queda da produção entre os anos de 2006 e 2008. No gráfico da Figura 2.000 50.4 4.000 0 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Figura 4.2 Bilhões de litros.

00 R$ 120.000.000.3.000.00 R$ 60. Fonte: DNPM.000.000.30 R$ 0.000.00 R$ 20. 2011 A partir de 2004 percebe-se um aumento significativo do preço médio por litro de água mineral envasada em Minas Gerais.20 R$ 0.000. 2012.05 R$ 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 Figura 4.000. Preço médio por litro 15 .25 R$ 0.000.00 R$ 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Figura 4. Fonte: DNPM. a concorrência tanto entre os produtores quanto de outros produtos no segmento de bebidas.000.00 R$ 40.35 R$ 0.00 R$ 80. o frete.000.10 R$ 0.R$ 140.000.000. como exemplificado no gráfico da Figura 2.2 – Valor da produção de água mineral entre 1996 e 2009.00 R$ 100. A definição do preço da água mineral é difícil porque.15 R$ 0. R$ 0.3 – Evolução do preço médio por litro da água mineral em Minas Gerais. deve-se considerar a tradição da marca no mercado. além da variação entre as diversas regiões do Brasil.000.

com fontes no Ceará. uma água adicionada de sais.2 Nestlé Waters Brasil A Nestlé Waters. pequenas e médias empresas (no total são 436 empresas engarrafadoras. Essa empresa plurinacional iniciou suas captações através da compra do grupo francês Perrier.2 PERFIL DAS PRINCIPAIS EMPRESAS EM MINAS GERAIS 4. cerca de 16% do mercado interno. O mercado de águas minerais envasadas no Brasil difere do mercado internacional europeu e norte-americano principalmente pela existência de inúmeras micro. fato que gerou uma importante inovação no mercado interno com aparecimento dessa nova proposta. enquanto no mercado mundial a Nestlé Waters. A pulverização do mercado torna difícil a obtenção de dados sobre o mercado de água mineral não só em Minas Gerais. Coca-Cola Company e Pepsico controlam mais de 50% do mercado.91% de toda a produção nacional (Grupo Edson Queiroz. passou a dedicar seus investimentos no Brasil em 1999. a Nestle Waters Brasil a CPN Mineração (incorporada pelo grupo Danone). responsável por oito marcas na Itália.2. 2010) Em Minas Gerais destacam-se como empresas produtoras a Indaiá Brasil Águas Minerais (do Grupo Edson Queiroz).2. maior acionista do Parque de Águas de São Lourenço. possui 21 fontes de águas minerais instaladas e em funcionamento em 15 estados brasileiros. com as marcas Indaiá e Minalba. Detém. 2013). Atualmente. em 2011. Responsável pelo envase da água Petrópolis no estado do Rio de 16 . que foram responsáveis. assim como em todo o país (DNPM. por 15. a Ingá e a Spal Industria Brasileira de Bebidas. maior grupo de envase de água do mundo. 4. com a grande maioria possuindo somente uma fonte de captação).Dentre as 1024 concessões de lavra de água mineral no Brasil. 4. rapidamente expandindo-se e conquistando o mercado do Brasil. Minas Gerais é o segundo estado em número de concessões (89) atrás somente do estado de São Paulo (268). Danone. 10 na França e oito nos Estados Unidos. na água Pure Life.1 Grupo Edson Queiroz O Grupo Edson Queiroz foi fundado em 1979.

no final de 2007 adquiriu os direitos minerários de ASB Bebidas e Alimentos Ltda.2.2. empresa francesa com sede em Paris. Essas fontes. com a qual pretende aumentar a sua participação no mercado brasileiro. 17 .3 Spal Industria Brasileira de Bebidas Ltda.2. Essa água.5 Hidrobrás Hidrobrás Águas Minerais do Brasil Ltda. em 2011. indiretamente. foram responsáveis.4 Grupo Danone O Grupo Danone. bem como a Estância Hidromineral de Itabirito. em embalagens de 500. mas só no final de 2008 iniciou investimentos em água mineral. com sede no México. 4. Possui também uma rede de mais 200 distribuidores autorizados e exclusivos para as suas duas marcas registradas de água mineral (INGÁ e SUIÁ) cobrindo todo o estado de Minas Gerais e estados vizinhos (Hidrobrás.500 e 5. e desde agosto de 2009 é responsável pelo envase da água mineral Bonafont. utilizando um total de quatro poços. A Nestlé Waters do Brasil.72% do mercado brasileiro (Nestlé Waters Brasil. 4.FEMSA. 4. com a compra da CPN Minerações e investiu na empresa Icoara Ind. é controlada. 2013). 1. não consta ainda nas estatísticas brasileiras de água mineral (Grupo Danone. Por ter iniciado sua produção em 2009.84% de toda a produção nacional (DNPM. envasando água mineral da marca Crystal no município de Mogi das Cruzes (SP). pela joint venture Coca-Cola ... por 5. Suas atividades são realizadas pela Estância Mineral de Itabirito Ltda. no município de Águas de Santa Bárbara (SP). instalada em Jacutinga (MG). empresa de mineração fundada em 1973 realiza a captação da água mineral no Município de Brumadinho. participou em 2011 com 4. 2011).A. está presente no Brasil na área de alimentos com o iogurte Danone desde 1970. A Spal Indústria Brasileira de Bebidas é uma engarrafadora do grupo The Coca Cola Company. de Águas S. 2013). onde envasa a marca Pureza Vital. A Spal. juntas.000 ml. A Hidrobrás tem sede administrativa em Belo Horizonte. vem sendo distribuída em cidades da região do sul de Minas Gerais e do estado de São Paulo. 2013).Janeiro. e Com. proveniente de apenas uma fonte.

6 mostra um balneário de hidroterapia localizado na cidade de Caxambu 18 . está localizado o Circuito das Águas. balneários. Figura 4. conhecido por suas famosas estâncias hidrominerais com propriedades medicinais e terapêuticas. O Circuito Turístico das Águas integra 10 municípios: Baependi.5. A Figura 4. lagos e cachoeiras. Fonte: Grupo Edson Queiroz.4 – Exemplos dos vasilhames utilizados. sendo São Lourenço e Caxambu cidades polos. As cidades contam com diversas fontes. Figura 4. 2013 4.Na Figura 2. São Lourenço. Lambari. Carmo de Minas. Heliodora. Caxambu. Cambuquira. Conceição do Rio Verde.3estão mostrados exemplos dos vasilhames utilizados no brasil. Soledade de Minas e Três Corações.3 CIRCUITO DAS ÁGUAS No sul de Minas Gerais. Campanha.

5 – Mapa de localização do Circuito das Águas. Fonte: Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais.Figura 4. 2012 Figura 4.6 – Balneário de Hidroterapia de Caxambu 19 .

Apesar do crescimento modesto. 20 . entrada dos grandes líderes de produção de água envasada no Brasil e mudança de hábitos da população (com a redução do consumo dos refrigerantes). as perspectivas do setor de água mineral é promissor devido ao crescimento da população.5 CONCLUSÃO No momento atual o setor de águas minerais apresenta um crescimento modesto. Como forma de agregação de valos as empresas iniciaram no Brasil a venda de águas saborizadas. devido aos hábitos alimentares dos brasileiros e a concorrência de refrigerantes de baixa caloria. aumento no número de consumidores (devido à inclusão da água mineral na cesta básica de alguns estados brasileiros). investimentos na fabricação de embalagens de diferentes formatos. refrigerantes. etc. sucos industrializados.

Código de Mineração. p. de 1997-2012. H. 2004. 2010. Ver. Brasília: Departamento Nacional da Produção Mineral do Ministério de Minas e Energia.saude. de 8 de agosto de 1945.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0CC cQFjAA&url=http%3A%2F%2Fportal. Portaria 231. Economia Mineral do Brasil. Legislação Mineral do Brasil. Brasília.gov. U.com. 1984. de 31 de julho de 1998 do Diretor Geral do DNPM. Brasília. Disponível em: < https://www. Decreto-lei nº 7. de 1997-2010. DF.841. Código de Águas Minerais. 7 ago. BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Anuário Mineral Brasileiro. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil..br%2Fportal%2Farquivos%2Fpdf%2 21 .google. Estabelece a Norma de Qualidade da Água para Consumo Humano. Decreto-lei nº 227. de 25 de março de 2004 do Ministério da Saúde. P. Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). 190194. BRASIL. Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). e Dumont.. Ed. Brasília:. Brasília. 1998. Sumário Mineral. In: Bastone. 2004. Estabelece Instruções sobre as Áreas de Proteção de Fontes de Águas Minerais. Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). BRASIL. DF. In: Código de Mineração e Legislação Correlata. DF. In: Pinto.REFÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Brasília. Consolidação da Legislação Mineral e Ambiental. DF. BRASIL.R. Brasília. Ministério de Minas e Energia. BRASIL. 26 mar. BRASIL. 107-122. P. 22-54. DF. Portaria 518. p. de 28 de fevereiro de 1967. 1965. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. p.

anvisa. 299 f. 23 set.br/>.pdf?MOD=AJPERES>. Resolução RDC 173.br/Solo/agua_sub/arquivos/RDC_274_2005. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Água Mineral e Potável de Mesa.cprm. Acesso em: 10 maio 2013. Brasília. DF. Acesso em: 25 maio 2013. 2005. L. Acesso em: 10 maio 2013. Campinas. COMPANHIA DE PESQUISAS DE RECURSOS MINERAIS. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Industrialização e Comercialização de Água Mineral Natural e de Água Natural e a Lista de Verificação das Boas Práticas para Industrialização e Comercialização de Água Mineral Natural e de Água Natural.danone.Fportaria_518_2004.gov. de 13 de setembro de 2006 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 22 . BRASIL.sp.cetesb.gov. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil.com. Acesso em: 24 maio 2013. BRASIL. Brasília. C.Universidade Estadual de Campinas.br/wps/wcm/connect/0a5312004745899c93b3d73fbc4c6735 /RDC+n%C2%BA+173. 2005.pdf>. 2006. Disponível em: <http://www.gov. Tese (Doutorado em ciências) – Instituto de Geociências. Acesso em: 10 maio 2013. Disponível em <http://www. DF. DANONE BRASIL.pdf&ei=o0DMUYGNC6LE0QGfgYF4&usg=AFQjCNFxwe96HyD Fa0p4Ykmo-qKo5MJ_iQ&cad=rja>. de 22 de setembro de 2005 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: <http://portal. 2005. CAETANO. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 14 set. Resolução RDC 274.br/>. Disponível em <www. A Política da Água Mineral: Uma Proposta de Integração para o Estado do Rio de Janeiro.

NESTLÉ WATERS.br/>. World freshwater resources.com.br/circuitos-turisticos/listade-circuitos/989-circuito-turistico-das-aguas->. SHIKLOMANOV. 1993 23 . Disponível em <http://www.edsonqueiroz. SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS.gov. Disponível em <www. Acesso em: 24 maio 2013. Acesso em: 24 maio 2013.com. Paris: UNESCO.aguamineralinga.mg.nestle-waters. I.turismo. HIDROBRÁS. Circuito Turístico das Águas.com/>. Acesso em: 20 maio 2013. A.GRUPO EDSON QUEIROZ. Acesso em: 24 maio 2013. Disponível em <http://www. Disponível em <http://www.br/>.