You are on page 1of 58

mec 012- Processo de Soldagem

Processo de Soldagem

1

Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo – Findes
Lucas Izoton Vieira Presidente

Senai – Departamento Regional do Espírito Santo
Manoel de Souza Pimenta Diretor-gestor Robson Santos Cardoso Diretor-regional Alfredo Abel Tessinari Gerente de Operações e Negócios Fábio Vassallo Mattos Gerente de Educação e Tecnologia Agostinho Miranda Rocha Gerente de Educação Profissional

Equipe técnica
Marcelo Bermudes Gusmão Coordenação Ananias Garcia Batista Elaboração Carlos Alberto Andrade Revisão técnica Roberta Soares Adaptação de linguagem Amanda Correa Freitas Revisão gramatical Tatyana Ferreira Revisão pedagógica Andrelis Scheppa Gurgel Projeto gráfico Jackeline Oliveira Barbosa Paola Lougon Pasolini Diagramação Eugênio Santos Goulart Fernando Emeterio de Oliveira Ilustração Fernanda de Oliveira Brasil Maria Carolina Drago Tatyana Ferreira Vanessa Yee Organização

Metalmecânica Processo de Soldagem
Versão 0

Vitória 2009

© 2009. Senai - Departamento Regional do Espírito Santo Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei nº 9.610, de 19/02/1998. É proibida a reprodução total ou parcial desta publicação, por quaisquer meios, sem autorização prévia do SENAI/ES. Senai/ES Divisão de Educação e Tecnologia - Detec

Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca do Senai-ES

Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP)
SENAI. Departamento Regional do Espírito Santo. Processo de soldagem. / Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Departamento Regional do Espírito Santo. - Vitória : SENAI/ES, 2009. 58 p. : il. Inclui bibliografia. 1. Processo de soldagem. 2.Soldagem. I. Título.

S492p

CDU: 621.791.053

Senai-ES - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional do Espírito Santo Av. Nossa Senhora da Penha, 2053 Ed. Findes - 6º andar CEP: 29056-913 - Vitória - ES Tel: (27) 3334-5600 - Fax: (27) 3334-5772 - http://www.es.senai.br

Apresentação

A busca por especialização profissional é constante. Você, assim como a maioria das pessoas que deseja agregar valor ao currículo, acredita nessa idéia. Por isso, para apoiá-lo na permanente tarefa de se manter atualizado, o Senai-ES apresenta este material, visando a oferecer as informações de que você precisa para ser um profissional competitivo. Todo o conteúdo foi elaborado por especialistas da área e pensado a partir de critérios que levam em conta textos com linguagem leve, gráficos e ilustrações que facilitam o entendimento das informações, além de uma diagramação que privilegia a apresentação agradável ao olhar. Como instituição parceira da indústria na formação de trabalhadores qualificados, o Senai-ES está atento às demandas do setor. A expectativa é tornar acessíveis, por meio deste material, conceitos e informações necessárias ao desenvolvimento dos profissionais, cada vez mais conscientes dos padrões de produtividade e qualidade exigidos pelo mercado.

.

.....................11 Tipos de processos de soldagem ................................................................................................................... 25 Soldagem a arco elétrico MIG/MAG .............17 Soldagem a arco elétrico .................................Sumário Introdução ao processo de soldagem .. 27 Soldagem a arco elétrico TIG ..................................................................................................................................... 43 Descontinuidades mais frequentes nas soldas ........................ 35 Termos usuais aplicados na Soldagem ........... 47 Referências Bibliográficas ................................................................................................................................................................. 15 Soldagem com gás.................. 9 Segurança na soldagem ................................................................................ 31 Soldagem a arco elétrico com eletrodo revestido .. 57 Processo de Soldagem 7 ...................................................

.

Nas caldeirarias em geral as peças são unidas por algum processo de soldagem. ou não. Achou importante? Faça aqui suas anotações. obtendo uma junção que possua propriedades mecânicas compatíveis com sua aplicação. com ou sem adição de material. ou de calor apenas. os principais tipos de soldagem e os termos aplicados no dia a dia de trabalho. Processo de Soldagem 9 .Introdução ao processo de soldagem Soldagem é um conjunto de procedimentos que visam a obtenção de peças pela união de várias outras partes. um material adicional para servir de ligação. nas quais há aplicação de pressão e calor. Por isso. denominado solda. este material de estudo descreve algumas medidas de segurança. Para essa junção utiliza-se.

Processo de Soldagem 10 .

Por isso.Utilize biombos para proteger as pessoas que o rodeiam. queimaduras. gases e fumos nocivos. é preciso que o soldador verifique o ambiente e certifique-se de que há extintores por perto. . Riscos Os riscos mais comuns durante operações de soldagem são: incêndio. Veja. primeiramente. . Antes de iniciar a soldagem. as queimaduras e os respingos. como pólvora e dinamite a fim de evitar danos materiais. o profissional deve ficar atento às normas de segurança. Confira agora com mais detalhes alguns dos riscos mais comuns durante os trabalhos com solda. como óleo. querosene. Caso o calor entre em contato com materiais combustíveis poderá dar início a uma chama. Queimaduras As queimaduras podem ocorrer por causa de peças quentes ou de raios gerados nos arcos elétricos.Não faça soldas em locais nos quais haja materiais de fácil combustão. já que a soldagem pode liberar calor em altíssimas temperaturas. e materiais explosivos. os trabalhadores devem estar atentos para evitar a presença de materiais com riscos de gerar incêndios. tiner. Veja algumas delas: .Use o Equipamento de Proteção Individual (EPI) para evitar danos físicos ou prejuízos à sua saúde. Achou importante? Faça aqui suas anotações. explosões.Segurança na soldagem As operações de soldagem envolvem riscos que se não forem controlados podem causar acidentes e danos aos profissionais envolvidos ou aos equipamentos e instalações. radiação. Processo de Soldagem 11 . entre outros. . cilindros de gás combustíveis devem ser afastados ou protegidos de respingos de solda. Observe os tipos de raios que provocam queimaduras e suas consequências. gasolina. Durante os trabalhos com soldagem.Use sempre material de boa qualidade e em bom estado de conservação. Por exemplo. choques elétricos.

. destruindo as células da pele e podendo causar câncer de pele. Podem causar queimaduras no soldador e incêndios caso caiam sobre material combustível. Raios infravermelhos Entre os danos causados por esse tipo de raio invisível estão: . gerando conjuntivite ou cegueira. É o que você vai conhecer agora. Respingos Além das queimaduras.cansaço nas vistas.Raios ultravioletas Raio invisível que provoca queimaduras graves.catarata. . pequenas gotas de metal fundido que saltam em todas as direções. Podem chegar a temperaturas entre 100º e 1700ºC e seu diâmetro varia próximo a 6 mm. Outra consequência é o ataque severo ao globo ocular. outro grave risco da soldagem são os respingos. Esses riscos são bastante minimizados se o soldador se proteger com o Equipamento de Proteção Individual (EPI) e trabalhar em local que ofereça condições seguras.dores de cabeça frequentes.queimaduras de 1º e 2º graus. Processo de Soldagem 12 . .

o avental. são isolantes térmicos e elétricos. o soldador deve utilizar os EPIs específicos para esse trabalho. A proteção do soldador depende diretamente da escolha da tonalidade dos filtros. Nº 10 para soldagem a arco elétrico com corrente de até 200 ampères. (2) manga de couro. existe uma classificação das lentes.5% da radiação emitida nas soldagens. protegendo o soldador dos raios. leves e resistentes. (3) luva de couro. Processo de Soldagem 13 . Esta deve ser selecionada de acordo com a intensidade da corrente. o equipamento de proteção deve ser feito de alumínio-amianto. Para atividades nas quais a temperatura é muito alta. (4) perneiras de couro (5)sapatos de segurança (6) capacete de proteção (7) óculos de segurança (8) ombreira de segurança 3 4 5 Observe que as luvas. respingos e radiação emitida por arco. 99. dos respingos e da temperatura elevada durante a soldagem. Os óculos de segurança protegem a visão. Veja os principais EPIs para trabalhos com solda: 6 8 7 1 2 (1) avental de couro. lembrando sempre de avaliar seu estado de conservação. Os EPIs oferecem proteção contra calor.EPI Para se proteger dos riscos durante a soldagem. Devem absorver. Veja: Nº 6 para oxicorte e soldagem a gás. no mínimo. enquanto as máscaras. as mangas e as perneiras são feitas de raspas de couro. feitas de material que não pega fogo. material bastante seguro para proteger o trabalhador. São fabricadas em vários modelos e possuem vidros protetores que filtram os raios emitidos pelos arcos. para que os raios infravermelhos e ultravioletas sejam absorvidos quase totalmente. Para isso.

Processo de Soldagem 14 . além das precauções normais. Outros detalhes devem ser observados para garantir a segurança do soldador. conheça os principais processos de soldagem. .Nº 12 para soldagem a arco elétrico com corrente entre 200 e 400 ampères. Nº 14 para soldagem a arco elétrico acima de 400 ampères. ou sem os EPIs. debaixo de chuva.A pintura nas cabines de solda deve ser escura e fosca para evitar a reflexão da luz. Na primeira parte dos estudos. o soldador precisa estar atento aos cabos e isolamentos do porta-eletrodo para evitar choques elétricos. . entre eles estão: . Além da lente escura. você viu que é importante atentar para alguns detalhes relativos à segurança dos profissionais.Os locais devem possuir ventilação e exaustão para que os gases (fumos) liberados pelo eletrodo durante a soldagem não sejam aspirados pelo soldador.Nas soldas de campo. . o profissional deve utilizar em ambos os lados um vidro comum incolor para proteger a lente.O profissional deve evitar trabalhar em locais úmidos. Agora.

Achou importante? Faça aqui suas anotações. Antes. conheça algumas definições de termos usados na soldagem. Soldagem .quando o metal de adição é similar ao metal de base. fusível e própria para unir peças metálicas. Solda homogênea . descritos a seguir. Conceitos O processo de soldagem envolve o conhecimento de diversos termos. que servirão na escolha do processo mais adequado para as peças a serem fabricadas. conheça os principais. Após entender os principais conceitos relacionados aos processos de soldagem. Solda heterogênea – quando o material de adição é diferente do metal de base. São eles: soldagem com gás.técnica empregada para a união de duas ou mais peças metálicas.Tipos de processos de soldagem Você vai ver a seguir alguns tipos de soldagens mais empregados na caldeiraria. Solda autógena – quando o metal base se autofunde. Por exemplo: aço soldado com material de adição de aço. Exemplo: aço soldado com metal de adição latão. Soldabilidade – facilidade com que uma junta soldada é produzida de modo a atender um projeto bem executado. Processo de Soldagem 15 . assegurando que estas não percam suas características físicas e químicas. Solda – substância metálica. O metal do enchimento escoa para dentro da união por meio de uma atração capilar. com arco elétrico MIG e MAG. Estude sobre cada um adiante. sem a necessidade de adição de metal. soldagem a arco elétrico TIG e a arco elétrico com eletrodo revestido. porém. seguido de aplicação de um enchimento metálico em temperatura de fusão inferior à do metal base. Brasagem – processo de união em que as peças se juntam por meio de aquecimento.

Processo de Soldagem 16 .

ou não. Veja a figura a seguir que ilustra o processo. Achou importante? Faça aqui suas anotações.exige soldador hábil.não necessita de energia elétrica.permite o fácil controle da operação.tem baixa taxa de deposição. Oxigênio + Gás combustível Maçarico Cone interno Chama Solda Metal Base Poça de Fusão Metal de Adição O processo de soldagem oxigás apresenta as seguintes vantagens: . metal de adição. com ou sem aplicação de pressão. .apresenta riscos de acidentes com os cilindros de gases.conduz a um superaquecimento. utilizando. .Soldagem com gás A soldagem a gás é definida pela Sociedade Americana de Soldagem (American Welding Society) como um grupo de processos em que a fusão é feita a partir de um aquecimento produzido por chama. .possui baixo custo. . . Processo de Soldagem 17 . Entre as desvantagens destacam-se as seguintes: .

Montagem e equipamento Para o processo de soldagem com gás são necessários alguns equipamentos básicos. constitui-se de um corpo com válvulas reguladoras de vazão do gás e de bicos adequados ao tipo de solda e espessura a soldar. e as mangueiras. que possuem uma válvula reguladora de pressão de trabalho visando a regular a saída do gás. Este. A figura a seguir mostra os componentes com a respectiva posição no conjunto. e misturá-los adequadamente para a combustão. Veja a figura que mostra os componentes da tocha: conexão de acetileno corpo válvula de acetileno misturador bico válvula de oxigênio porca conectora do bico conexão de oxigênio Processo de Soldagem 18 . Cada uma destas unidades possui partes essenciais no controle e utilização de calor necessário para a solda. Tocha ou maçarico A função da tocha ou maçarico de soldagem é disponibilizar quantidades corretas de gás combustível e de oxigênio. por sua vez. que conduzem o gás até o maçarico. entre eles os cilindros de oxigênio e de acetileno. Cilindro de acetileno Maçarico Reguladores de pressão Cilindro de oxigênio Mangueiras Componentes Estude cada um dos componentes do processo de soldagem a gás. O controle do fluxo de gás na tocha é feito com a ajuda de duas válvulas localizadas no punho desta.

O tamanho e o tipo do bico de solda são determinados pelo diâmetro de seu orifício. evitando o risco de superaquecimento. O tipo de bico de solda feito para realizar um trabalho é determinado pelo metal a ser soldado e por sua espessura.e o de baixa pressão ou tipo injetor. Têm diferentes tamanhos e podem ser inteiriços. feitos de ligas à base de cobre. Veja as figuras.Existem dois tipos básicos de maçarico de solda: o de pressão positiva tipo misturador ou média pressão . São. Facilitam e tornam eficiente o trabalho do soldador. isto é de apenas uma peça ou duas. A vantagem do bico de solda de duas peças é que em vez de trocar o bico completo é possível trocar apenas a cabeça ou encaixar uma pequena parte no seu final. elemento que possui alta condutividade térmica e favorece a troca de calor. que pode guiar e direcionar melhor a chama. Oxigênio Bico Mistura dos gases Gás combustível Oxigênio Bico Região de mistura dos gases Gás combustível Bicos Os bicos dos maçaricos de soldas são os locais em que há a mistura de gás interna antes que o maçarico entre em ignição. geralmente. Veja as figuras: Orifício (a) Bico inteiriço Bico removível Orifício (b) Bico removível Processo de Soldagem 19 .

Por último. a neutra ou balanceada. A principal diferença desta para outras chamas é que a temperatura é mais baixa. com propriedades comparáveis ao metal base. a superfície e o comprimento da solda ficarão cheios de poros e o cordão de solda atingirá uma dureza mais alta. bem definido e luminoso. se tornando extremamente frágil devido ao carbono excessivo adicionado a ele. Veja a figura. Acompanhe as principais características de cada uma. não afeta a composição química do metal soldado e produz uma solda de boa aparência. um som característico em forma de assobio e é a mais usada para soldar aços e outros metais. também. aproximadamente. Além da natureza química. e a oxidante. região intermediária (dardo) região externa (penacho) região interna (mistura Ela apresenta um cone interior claro. Possui. caracterizada por ter mais oxigênio que acetileno. o que indica combustão completa. a chama neutra contém duas partes chamadas de cone interior e cobertura exterior. estas chamas também diferem na estrutura e na forma. Estruturalmente. Se o excesso de carbono encontrar a poça de solda fundida. Assim como a Processo de Soldagem 20 . você vai conhecer a chama oxidante. É composta de um cone interior branco muito curto. A chama redutora ou carburante possui três estágios de combustão e não dois como os outros tipos de chama. que quando reduzido indica excesso de oxigênio. Já a chama neutra tem. É muito usada para soldar aços estruturais de baixo carbono e alumínio. a mesma proporção de volume de acetileno para um volume de oxigênio. Este estágio adicional é chamado penacho. A chama redutora é recomendada para soldar aços de alto carbono e ferro fundido. Veja a figura. Normalmente.Tipos de chama Há três tipos básicos de chama que podem ser obtidos com regulagens distintas no maçarico: a chama redutora ou carburante.

entre eles o aço manganês e alguns ferros fundidos. A chama oxidante é usada para soldar ligas à base de cobre e de zinco e alguns metais ferrosos.cobre Fósforo Ferro . 23-35% Cu.prata Aço Aço Aço Aço Tipo de chama Levemente redutora Levemente oxidante Levemente oxidante Neutra Redutora Levemente redutora Neutra Neutra Levemente redutora Levemente redutora Levemente redutora Redutora Levemente redutora Redutora Neutra Fluxo Fluxo de Alumínio Fluxo de Bórax Fluxo de Bórax Fluxo de Flúor Fluxo de Bórax Fluxo de Monel - Levemente redutora Fósforo Levemente Fluxo de Aço redutora inoxídavel Depois de estudar os principais componentes de uma soldagem a gás. É a chama mais quente produzida por uma fonte de gás combustível e oxigênio. A tabela a seguir mostra os metais e os tipos de chama. do tipo ronco ruidoso.chama neutra.cobre “inconel” 76%Ni+ 15% Cr + 9%Fe Ferro . tem um som característico. Essa chama pode oxidar o metal na poça de solda e produzir um cordão de solda com aparência suja.fundido Ferro trabalhado Chumbo “Monel” 60-70%Ni. Metal Alumínio Latão Bronze Cobre Níquel . Processo de Soldagem 21 . Fe.estanho Cobre Níquel . material de adição e fluxo mais adequados para a soldagem.prata Aço baixa liga Aço de alto carbono Aço de baixo carbono Aço de médio carbono Aço inoxidável Material de adição Fósforo Latão amarelo Cobre .fundido Aço Chumbo Fósforo Níquel Níquel . C Níquel Níquel . conheça as técnicas mais utilizadas para essa modalidade de soldagem.

mais calor para o metal fundido do que na soldagem para frente. Direção de soldagem Metal de Adição Solda Metal Base Para materiais mais espessos acima de 5 mm a solda para trás é mais indicada. Na primeira. Na solda para trás a chama aquece todo o metal depositado. Veja a imagem da soldagem para frente. Essa técnica é muito utilizada para metais de baixo ponto de fusão. assim. Na soldagem para frente a chama é direcionada para frente da solda realizada. embora a vareta possa ser movimentada de modo helicoidal. dispensando o movimento de costura. oferecendo. A taxa de fluxo de acetileno na soldagem para trás é normalmente de 120-150 l/ hora para cada mm de espessura trabalhada. dependendo da direção do maçarico de solda: a soldagem para frente e a soldagem para trás. Processo de Soldagem 22 . o que gera calor mais uniforme nas margens e melhor mistura do metal na poça de solda. uma velocidade de solda maior e custo mais baixo quando usada para soldar peças com espessuras abaixo de 5 mm. mas com amplitudes menores que na soldagem para frente. a chama é direcionada para trás contra a solda. a vareta vai à frente da chama enquanto na segunda a vareta segue a chama. A soldagem para trás é mais rápida porque o operador pode manter o cone interior da chama mais concentrado na superfície da poça de solda. A taxa de fluxo de acetileno na solda para frente em aços deve ser de 100-120 // horas para cada mm de espessura da peça.Técnica de soldagem a gás Há duas técnicas básicas de soldagem a gás. A solda para frente fornece altura e largura mais uniformes do cordão de solda. Por meio desta. o que serve para tratar termicamente tanto o metal da solda como a zona termicamente afetada. Observe o movimento da soldagem para trás (a ré).

siga em frente para entender as principais técnicas de soldagem com arco elétrico.Metal de Adição Direção de soldagem Solda Metal Base Agora que você já sabe as principais informações sobre a soldagem a gás. Processo de Soldagem 23 .

Processo de Soldagem 24 .

Achou importante? Faça aqui suas anotações. tem tamanho reduzido e é de fácil controle. Processo de Soldagem 25 . Apresenta baixo custo. TIG (Tungstênio Inerte Gás). Arame tubular e Arco submerso. é facilmente obtido. Existem vários processos de soldagem que utilizam o arco elétrico como fonte de calor.Soldagem a arco elétrico O arco elétrico é uma fonte de calor utilizada em soldagens por fusão. Eletrodo revestido. os principais são: processos MIG (metal gás inerte) e MAG (metal gás ativo). Baseia-se em uma descarga elétrica mantida em meio gasoso.

Processo de Soldagem 26 .

que pode ser semiautomática ou automática. alumínio. Primeiramente. o trabalho com esse tipo de soldagem só foi viabilizado após a 2ª Guerra Mundial. Em seguida. sempre com gás inerte. Foi introduzido no lugar do argônio o CO2. foi realizada a soldagem de magnésio e suas ligas. Achou importante? Faça aqui suas anotações. O fluxo de gás inerte (MIG) e o fluxo de gás ativo e mistura (MAG) fazem a proteção da região de soldagem. Mas. o arco elétrico é mantido entre um eletrodo nu consumível – alimentado continuamente – e uma peça a soldar. Processo de Soldagem 27 . magnésio. Mas. cobre e suas ligas. no início da década de 30. até então. configurando assim o processo MAG. Veja a figura a seguir sobre o esquema do processo MIG/MAG: ALIMENTADOR DE ELETRODO NU CONTROLE DE ALIMENTAÇÃO DO ELETRODO NU PISTOLA FONTE DE (+) ENERGIA ( ) TERRA REFRIGERAÇÃO DA TOCHA BOBINA DO ELETRODO NU RESERVATÓRIO DE GÁS Equipamentos básicos para a soldagem MIG/MAG mostrados esquematicamente Os primeiros trabalhos com soldagem a arco elétrico foram feitos com gás ativo em peças de aço. O processo MIG é adequado para soldagens de aços inoxidáveis.Soldagem a arco elétrico MIG/MAG No processo MIG/MAG de soldagem. os outros metais. sempre de modo parcial ou total. Somente alguns anos depois é que a soldagem dos aços recebeu uma novidade.

controle de penetração e diluição. . CONDUTOR DE CORRENTE ELETRODO NU GÁS DE PROTEÇÃO GÁS DE PROTEÇÃO CORDÃO DE SOLDA TUBO DE CONTATO BOCAL ELETRODO NU POÇA DE FUSÃO METAL-BASE Características gerais A soldagem com arco elétrico MIG/MAG possui vantagens e limitações.penetração de raiz uniforme. .velocidade de soldagem elevada.visibilidade total da poça de fusão.alta densidade de corrente.treinamento do profissional soldador de forma facilitada. .Já o MAG é utilizado em soldagens de aços de baixo carbono e de baixa liga.execução da soldagem em todas as posições. Processo de Soldagem 28 . .facilidade de execução. . que estão descritas adiante. Vantagens: . Observe a figura a seguir.taxa de deposição elevada. . .menos distorções e tensões residuais.processo semiautomático versátil e adaptável à soldagem automática. .ausência de formação de escória (MIG). .processo com baixo teor de hidrogênio (5ppm/100g de metal no caso de eletrodos nus). .alimentação contínua do eletrodo nu. . . .

. principalmente em aços temperáveis. .necessidade de proteção da soldagem contra correntes de ar.operação complexa em locais de acesso difícil.equipamentos mais caros e complexos.Maior velocidade de resfriamento. . . .Limitações: . Veja no quadro a seguir uma descrição de soldagem com arco elétrico. .grande emissão de raios ultravioleta. Processo de Soldagem 29 .necessidade de a bocal da pistola estar próxima do metal base a ser soldado.maiores chances de trincas. .equipamento menos portátil em relação aos do processo com eletrodo revestido. .projeções de gotas de metal líquido durante a soldagem.

Vantagens: Taxa de deposição elevada.5 mm na soldagem automática. Solda com baixo teor de hidrogênio.5 a 1.6 mm Posições de soldagem: todas. Tipos de juntas: todas. Limitações: Bocal Gases: Argônio. Velocidade de resfriamento elevada com possibilidade de trincas. Helio. Facilidade de execução da soldagem. reficador Pistola Cilindro de gases Unidade de alimentação de eletrodo nu Características: Taxa de deposição: 1 a 15 Kg/h Custo equipamento: Cinco a 10 vezes o custo do equipamento de eletrodo revestido. Diluição: 10 a 30%. argônio+oxigênio). Eletrodo nu 0. Espessuras soldadas: 3mm mínima Consumíveis: na soldagem semiautomática e 1. Faixa corrente: 60 a 500 A. Poucas operações de acabamento. Proteção da pele para eviar queimaduras provocadas pela radiação ultravioleta e projeções metálicas Processo de Soldagem 30 . Segurança: Proteção ocular.Tipo de operação: Semiautomática ou automática Equipamentos: Gerador. Dificuldade na soldagem em locais de difícil acesso. CO e misturas ( argônio + CO.

E a soldagem pode ser feita com ou sem metal de adição e ser manual ou automática.Soldagem a arco elétrico TIG O processo TIG utiliza o arco elétrico – mantido entre um eletrodo não consumível de tungstênio e a peça a soldar – como fonte de calor. o processo TIG é mais utilizado em soldagens de ligas de alumínio. de magnésio. A solda produzida é de ótima qualidade. Achou importante? Faça aqui suas anotações. A proteção da região de soldagem é feita por um fluxo de gás inerte. Processo de Soldagem 31 . de titânio e de aços inoxidáveis. Veja seguir a figura que descreve o processo TIG: ELETRODO DE TUNGSTÊNIO BOCAL METAL DE ADIÇÃO PROTEÇÃO GASOSA POÇA DE FUSÃO GÁS DE PROTEÇÃO FONTE DE ENERGIA CORDÃO DE SOLDA ARCO ELÉTRICO Atualmente.

tungstênio na solda. Emissão intensa de radiação ultravioleta. Tipo de operação: Manual ou atomática Equipamentos: Reficador.1 a 50 mm Posições de soldagem: todas Diluição Com metal de adição: 1 a 20% Sem metal de adição: 100% Faixa corrente: 10 a 400 A Vantagens: Produz soldas de alta qualidade. gerador ou transformador Tocha Cilindro de gases com dispositivo para deslocamento. Segurança: Proteção ocular. Proteção da pele para evitar queimaduras pela radiação ultravioleta Processo de Soldagem 32 .3Kg/h Espessuras soldadas: 0. minimiPossibilidade de inclusão de zando a ZAC e distorções. Processo de fácil aprendizagem. deposição Impossibilidade de soldagem em Poça de fusão calma. vantagens e limitações do processo TIG estão reunidas na tabela a seguir. Custo equipamento: 1. Características: Taxa de deposição: 0.5 (manual) a 10 (automático) (soldagem com eletrodo =1) Consumíveis: Varetas Gases de proteção e pureza Eletrodo de tungstênio Limitações: Processo com baixa .taxa de Solda a maioria dos metais e ligas. locais como corrente de ar.2 a 1. Fonte de calor concentrada.Características gerais As características básicas.

Sistemas de refrigeração Possibilita que a água usada pela fonte de energia e pela tocha seja reutilizada em um circuito fechado. REGULADOR DE PRESSÃO E VAZÃO RESERVATÓRIO DE GÁS (d) SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO (c) TOCHA (e) FONTE DE ENERGIA (a) REDE ELÉTRICA METAL-BASE PEDAL UNIDADE DE ALTA FREQUÊNCIA (b) Como você pôde observar na ilustração anterior. Isso depende do metal a ser soldado. Processo de Soldagem 33 . Quando não incluído na fonte de energia. conduz a corrente elétrica e proporciona a proteção gasosa necessária à região circundante do arco elétrico e à poça de fusão. deve ter intensidade regulável e controle de pré e pós-vazão do gás inerte. Reservatório de gás É geralmente cilíndrico e possui reguladores de pressão e de vazão de gás. Fonte de energia É sempre de corrente constante e pode ser um gerador. retificador ou transformador. Leia sobre as características de cada um deles a seguir. o processo de soldagem a arco elétrico TIG conta com alguns equipamentos básicos e necessários.Os equipamentos básicos para a soldagem manual pelo processo TIG são mostrados na figura adiante. Unidade de alta frequência É fundamental para a soldagem em corrente alternada. Tocha TIG É o dispositivo que fixa o eletrodo de tungstênio.

o hélio ou suas misturas. o que corresponde a um ponto de orvalho de 60ºC. Tipo de gás de proteção Os gases mais utilizados na soldagem TIG são o argônio.99%. veja a figura da tocha TIG. Qualquer que seja o gás de proteção. Isso depende da corrente de soldagem utilizada. A seguir.A tocha TIG para soldagem manual pode ser refrigerada por ar ou por água. hélio ou a mistura de ambos depende do tipo de liga e das características da soldagem. sua pureza deve ser de 99. Processo de Soldagem 34 . CAPA DA TOCHA CORPO DA TOCHA INTERRUPTOR PARA INÍCIO DA SOLDAGEM PUNHO PINÇA E CORPO FIXADOR DO ELETRODO BOCAL CABO FLEXÍVEL PARA GÁS E CORRENTE ELÉTRICA O processo de soldagem TIG utiliza gás inerte ou a mistura dos gases que estão citados a seguir. A pureza dos gases de proteção também é importante: a presença de vapor d’água deve ser mantida no valor máximo de 11 ppm (parte por milhão) por volume. A utilização de argônio.

O material de adição. A proteção da poça de fusão é obtida por meio dos gases gerados pela decomposição do revestimento do eletrodo. O calor necessário para a soldagem provém da energia liberada pelo arco formado entre a peça a ser soldada e o referido eletrodo. que é manuseado sem pressão. Este deve ser o menor possível (variando na faixa entre 3 e 4 mm ou ainda entre 0. É versátil em relação a outros processos e encontra uma gama de eletrodos que abrangem a maioria dos aços. ou abertos – sujeitos à ação de ventos –. operacionalidade e características mecânicas e metalúrgicas do metal depositado. evita-se que o metal em fusão absorva oxigênio e nitrogênio. Nesse processo a fusão se dá pela ação do arco elétrico entre a peça e o eletrodo consumível. Nesse caso.Soldagem a arco elétrico com eletrodo revestido É o processo de soldagem mais usado em manutenção.5 e 1. que provocam efeito bastante adverso nas propriedades mecânicas do metal. 35 . provém do metal que compõe o eletrodo. a simplicidade do equipamento necessário e a possibilidade de uso em locais de difícil acesso. Processo de Soldagem Achou importante? Faça aqui suas anotações. são também características importantes. A possibilidade de inúmeras formulações para o revestimento explica a principal característica desse processo: ele tem grande versatilidade para formação de ligas soldáveis. ferros fundidos e inclusive metais não ferrosos.1 do diâmetro da alma do eletrodo) a fim de reduzir a chance de os glóbulos do metal em fusão entrarem em contato com o ar ambiente. Revestimento Direção de soldagem Alma Escória Poça de fusão Arco Metal transferido Proteção Metal de base A distância medida no centro do arco da extremidade do eletrodo até o fundo da cratera é chamada de comprimento do arco. O custo relativamente baixo.

começando pelas dimensões.8 no transformador. d) independente de circuitos elétricos. possibilita a transferência dos elétrons entre o circuito e o meio no qual está inserido.Máquinas de corrente contínua: retificadores. geradores e inversores . Portanto. Além disso. como a penetração. c) mudança de polaridade permite modificar certas características do depósito. agora.Máquinas de corrente alternada: transformadores. Veja algumas vantagens de cada tipo de fonte geradora.6 no retificador). d) máquinas de soldagem com menor exigência por manutenção. Vantagens da corrente contínua a) Melhor uso de eletrodos para ferros fundidos e aços inoxidáveis. c) máquinas de soldagem de menor custo. . algumas características do eletrodo. O eletrodo Este elemento importante da soldagem a arco elétrico é um terminal que conecta o circuito elétrico a uma parte não metálica.5 no gerador e 0. 0. Vantagens da corrente alternada a) Insensibilidade ao sopro magnético (fenômeno de desvio do arco devido a campos magnéticos que atravessam a peça). esta pode ser corrente alternada ou corrente contínua. devido à agitação do banho de fusão. Estude.Fontes de energia A corrente que alimenta o arco elétrico provém de uma fonte geradora. b) maior velocidade de solda (devido. e) menor consumo de energia (η= 0. à inversão do sentido da corrente a todo instante). pois pode ser gerada pelos grupos eletrógenos. possivelmente. Processo de Soldagem 36 .Máquinas mistas: transformadores e retificadores. Os aparelhos que servem de fonte dividem-se em três categorias: . por exemplo. f ) maior refinamento no metal depositado. b) recomendada para soldagem de chapas finas e soldagem fora da posição.

Esses limites são normalmente ligados à habilidade do soldador à posição de soldagem. Pensando na produtividade. pois um erro pode gerar defeitos de cordão de difícil controle. óxido de ferro. formadores de escória. carbonato de ferro. já que seu ajuste depende essencialmente do operador e de seu grau de aptidão para lidar com o equipamento. com exceção do aglomerante. o limite máximo teórico dificilmente é atingido. O revestimento é composto por elementos de liga e desoxidantes. talco. mica. materiais fundentes (asbesto. por outro. formato do chanfro e tipo de revestimento. Ângulo em relação à peça O ângulo do eletrodo em relação à peça é normalmente ajustado com o objetivo de equalizar o fluxo térmico entre as partes soldadas e controlar o banho na poça de fusão e o formato do cordão – em particular a capacidade do líquido de molhar as bordas do chanfro (molhabilidade). O objetivo dos eletrodos é aumentar o limite de tempo do arco em aberto. Essas variáveis influenciam as características do arco e os limites de controle da peça fundida. ilmenita. Na prática. O maior diâmetro de eletrodo utilizável é. enquanto o comprimento pode ir de 350 a 470 mm. a corrente de soldagem máxima é limitada pelo aquecimento resistivo. função de fatores como posição de soldagem. feldspato. pois determina a densidade de corrente elétrica por unidade de área de secção transversal. Processo de Soldagem 37 . é de silicato de sódio ou potássio. que.Dimensões Os diâmetros dos eletrodos normalmente variam de 1 a 8 mm. Um dos principais fatores limitantes da faixa útil de corrente de soldagem é o diâmetro do eletrodo. tais como ferro cromo. Funções do revestimento Os eletrodos revestidos apresentam uma alma metálica em volta da qual há um revestimento feito de matérias orgânicas ou minerais de dosagem bem definida. entre outros). geralmente. para que seja possível maximizar a taxa de deposição. ferro manganês. é preciso escolher o maior diâmetro de eletrodo praticável. Eletrodos com dimensões superiores a essas podem ser obtidos sob encomenda. celulose. O ângulo do eletrodo é uma variável importante a considerar. Se por um lado. estabilizadores de arco. entre outros) e materiais que formam uma atmosfera protetora (dolomita. rutilo. pois a operação pode degradar o equipamento. sem causar efeitos significativos sobre as características dos depósitos. a corrente de soldagem mínima utilizável é limitada pela instabilidade do arco quando a densidade de corrente é muito reduzida. Os diversos materiais que compõe o revestimento entram na forma de pó. por sua vez.

Por ter alta higroscopicidade. . Porém.servir de guia às gotas em fusão.facilitar a abertura e estabilizar o arco. neste material você vai aprender sobre os revestimentos básico (baixo hidrogênio).introduzir elementos de liga no material depositado. esse tipo de revestimento pode provocar porosidade e trincas no cordão. que geram um invólucro de gases protetores quando se decompõem no arco.proteger o arco contra o oxigênio e o nitrogênio do ar. Possui. o metal depositado é de elevada pureza.facilitar a soldagem nas diversas posições de trabalho. .Ser um isolante elétrico na soldagem em chanfros estreitos ou de difícil acesso. As propriedades mecânicas do metal depositado são boas. pouco abundante e de rápida solidificação ao eletrodo. O cordão de solda é medíocre e a perda por respingo é elevada.desoxidar o metal de solda. Por isso. Apresenta.reduzir a velocidade de solidificação. as funções do revestimento são: . Tipos de revestimento Em função de sua formulação e do caráter da escória. . Por essa característica. Rutílico: revestimento composto por grande quantidade de rutilo (TiO2). Básico: tem elevada quantidade de carbonato de cálcio. Agora. . . pois o eletrodo com revestimento rutílico é soldável em todas as posições e sua penetração é baixa. .proteger contra a ação da atmosfera. o arco é de alta penetração – característica mais importante desse revestimento. leve e de fácil remoção. boas propriedades mecânicas. o que gera uma escória de caráter básico.Em geral. que proporciona uma escória abundante.permitir a desgazeificação do metal de solda. ainda. Processo de Soldagem 38 . A escória é pouco abundante e apresenta média dificuldade de remoção. pois o eletrodo apresenta soldabilidade em todas as posições. A penetração é média. . a armazenagem do produto deve ser feita com grande cuidado. . Essa classificação varia segundo os pesquisadores e a norma utilizada. os revestimentos dos eletrodos podem ser classificados em diferentes tipos. conheça os três principais tipos de revestimentos. A taxa de deposição é elevada. em caso de umidade. rutílico e celulósico. com baixo teor de enxofre (que gera trincas de solidificação) e com valores baixos de hidrogênio (o que causar trincas a frio). elevada resistência mecânica e à fadiga. . no entanto. porém. Celulósico: possui alto teor de materiais orgânicos combustíveis.

O terceiro (ou quarto) algarismo se refere à posição de soldagem. Leia os procedimentos a seguir para compor essa classificação. O próximo algarismo. a classificação utiliza quatro ou cinco algarismos precedidos da letra E (nesse caso E significa eletrodo revestido para soldagem a arco). CORRENTE. relativas aos diversos tipos de ligas. a classificação AWS coloca um hífen após o último algarismo. Para os aços de baixa liga. Além disso. para os eletrodos de aço carbono. o tipo de arco. com o objetivo de aumentar o rendimento do metal depositado em relação ao tempo de soldagem. A adição de pó de ferro torna o revestimento mais resistente à ação do calor e dificulta a soldagem fora da posição plana. As orientações mencionadas estão ilustradas a seguir.XX COMPOSIÇÃO QUÍMICA ELETRODO (nem sempre utilizada) RESISTÊNCIA A TRAÇÃO POSIÇÃO DE SOLDAGEM REVESTIMENTO. Este é seguido por um conjunto de letras e números. indica o tipo de revestimento.Observe que é comum a incorporação de pó de ferro aos diversos tipos de revestimento. A classificação da AWS (Sociedade Americana de Soldagem) utiliza uma série de números e letras que fornecem informações a respeito do eletrodo. a composição química do metal depositado. o pó de ferro garante também maior volume de líquido na poça de fusão. AWS E XXXXX . Para os eletrodos de aço carbono e aços de baixa liga. o tipo de revestimento. Os dois (ou três) primeiros algarismos se referem à tração mínima exigida do metal depositado. que é o último combinado com o anterior. a penetração e o teor de hidrogênio. a posição de soldagem e o tipo de corrente. Classificação conforme a AWS Os eletrodos são classificados de acordo com as propriedades mecânicas. a taxa de deposição do eletrodo e da corrente de soldagem. POLARIDADE Processo de Soldagem 39 . indicando classes de composição química. que é dada em mil libras por polegada quadrada (ksi). a corrente e a polaridade.

Se for 1.CA CC+. Processo de Soldagem 40 . Se for 2. Classe Composição celulose (C6H10O5) rutilo (TiO2) E6010 ferro .CC-.1% 80% CO 20% CO2 Agora. que define o tipo de revestimento e a corrente.agente fluxante formador de gases agente fluxante formador de escória agente fluxante desoxidante . função e proteção. a soldagem é possível em todas as posições. A seguir.estabilizador do arco agente de deposição carbonato de cálcio 30% fluorita ( CaF2) E7018 ferro manganês silicato de potássio pó de ferro umidade 20% 5% 15% 30% 0.CA CC-. é possível na posição plana e horizontal. principalmente na vertical descendente.CA O penúltimo algarismo define as possibilidades de posições da soldagem. é possível em todas as posições. composição. conheça os códigos de composição química.CC-.CA CC+ CC+.CA CC+.Preste atenção aos dois últimos algarismos de cada eletrodo a seguir.CA CC+. veja exemplos de eletrodos de acordo com classe.ferro-liga aglomerante . Se for 4. porcentagem. ÚLTIMO ALGARISMO Eletrodo EXXX10 EXXX20 EXXXX1 EXXXX2 EXXXX3 EXXXX4 EXXXX5 EXXXX6 EXXXX7 EXXXX8 Tipo de Revestimento Celulósico (Sódio) Ácido Celulósico (Potássio) Rutílico (Sódio) Rutílico (Potássio) Rutílico (Pó de Ferro) Básico (Sódio) Básico (Potássio) Ácido (Pó de Ferro) Básico (Pó de Ferro) Corrente CC+ CCCC+.CA CC-.ferro-liga 40% CO + CO2 formador de escória 20% H2O aglomerante .manganês talco silicato de sódio umidade 35% 15% 5% 15% 25% 5% Função formador de gases Proteção formador de escóriaestabilizador do arco 40% H2 desoxidante .

6% Cr e 1.65% Cr e Mo) B2 Eletrodo de aço cromo-molibidênio (1.4.1. AWS A 5.10% Ni.25% Cr e 0.5% Cr e 1% Mo) B4L Eletrodo de aço cromo-molibidênio (2.00-3.45% Mo) D2 Eletrodo de aço manganês-molibidênio (2.65 Mo) B2L Idem ao acima. Mo<0.05%) D1 Eletrodo de aço manganês-molibidênio (1.5.005%) B3 Eletrodo de aço cromo-molibidênio (2.65 Mo. A seguir estão descritos os termos técnicos que envolvem o dia a dia de trabalho.4-0. Cr<0. Processo de Soldagem 41 . traços V) C1 Eletrodo de aço Níquel (2. Códigos Significado A1 Eletrodo de aço carbono-molibidênio (0.65% Mo) B1 Eletrodo de aço cromo-molibidênio (0.50% Cr e 0.40-0.45% Mo) G Outros tipos de eletrodos de aço baixa liga M Especificações militares americanas Especificações mais importantes Veja as especificações numéricas criadas pela AWS para identificar eletrodos revestidos.15%.00% Mn e 0.75% Ni) C2 Eletrodo de aço Níquel (3.Códigos de composição química (válido para aços ligas) Veja adiante os significados dos códigos de composição química válidos para aços ligas. baixo Carbono) B5 Eletrodo de aço cromo-molibidênio (0. V<0.75% Ni) C3 Eletrodo de aço Níquel (1.11.13.00-2.75% Mn e 0.Eletrodos revestidos para soldagem de aço carbono AWS A 5.Eletrodos revestidos para soldagem de aço carbono e baixa liga AWS A 5.25% Mo.Eletrodos revestidos para soldagem de cobre e suas ligas AWS A 5.6.Eletrodos revestidos para soldagem de aço inoxidável AWS A 5.00-1.Eletrodos revestidos para soldagem de Níquel e suas ligas AWS A 5.Eletrodos e varetas para revestimento por soldagem No início deste estudo você aprendeu alguns conceitos utilizados no processo de soldagem e necessários no aprendizado básico. com baixo teor de Carbono (0.35%.40-0.

Processo de Soldagem 42 .

Juntas de Aresta Juntas em Ângulo Juntas de Topo Juntas sobrepostas Achou importante? Faça aqui suas anotações. de topo e as sobrepostas. Os tipos mais comuns de juntas são de aresta. Os termos mais importantes estão especificados adiante.Termos usuais aplicados na Soldagem A nomenclatura utilizada no trabalho de soldagem é extensa. Veja-as a seguir no quadro ilustrativo. os termos técnicos utilizados em uma região geográfica não são aplicáveis em outras. em ângulo. Processo de Soldagem 43 . Junta: É a região em que duas ou mais partes da peça são unidas pela operação de soldagem. Muitas vezes.

metal de base. O chanfro é desenhado tendo em vista a espessura e os elementos da peça. A zona fundida de uma solda é feita de metal de solda. mistura do metal base (material da peça) com o metal de adição (adicionado na região de solda). Ângulo do Chanfro Ângulo do Bisel Fresta Raio do chanfro Ângulo do Chanfro Ângulo do Bisel Nariz Fresta ou Abertura de raiz Convexidade Fresta da Solda Garganta Reforço Penetração Raiz da Solda Largura do cordão Raiz da Solda Regiões de solda ou zonas A solda conta com diferentes secções ou zonas.Chanfros: São aberturas ou sulcos feitos na superfície das peças que serão unidas pelo processo de soldagem. Estas são a zona fundida. Já a zona termicamente afetada (ZTA) localiza-se próximo à poça de fusão e é afetada em sua estrutura e propriedades pelo aumento de temperatura. V Meio V Duplo V U J Duplo U Duplo J K Reto ou sem chanfro A seguir estão ilustradas algumas das características dimensionais dos chanfros e das soldas de topo e filete. Veja a seguir os tipos de chanfros mais comuns em matéria de soldagem. o processo de soldagem a ser adotado também é levado em consideração antes de se projetar o chanfro. Processo de Soldagem 44 . Além disso. a termicamente afetada e a de ligação.

A posição plana é feita no lado superior de uma junta e a face da solda fica praticamente horizontal. A posição sobrecabeça significa que a soldagem é feita no lado inferior da solda com eixo praticamente horizontal. Veja a seguir uma ilustração que demonstra as regiões de solda ou zonas. que ajuda a conter o metal fundido durante a operação de soldagem. pode-se colocar o mata-junta ou cobre-junta. Nessa posição quem fica aproximadamente horizontal é o eixo da solda. Na parte inferior da solda. enquanto a face fica inclinada.Junta Zona Termicamente Afetada (ZTA) Posição de soldagem É determinada pelas posições da peça e do eixo da solda. Já a posição vertical da soldagem funciona do seguinte modo: o eixo fica aproximadamente vertical e a soldagem pode ocorrer tanto para cima como para baixo. Pode ou não ser removido da peça ao término da soldagem. A posição da soldagem pode ser plana.A zona de ligação é a região da fusão durante a soldagem. horizontal. Zona Fundida (ZF) Zona de Ligação (ZL) Metal de Base (MB) Cobre . enquanto o metal base (MB) é a peça a ser soldada ou cortada. Processo de Soldagem 45 . vertical e de sobrecabeça.

utilizamse gráficos e instrumentos como o clinômetro para essa determinação. Nesse caso.A seguir. estude o conteúdo sobre as descontinuidades em soldas. Processo de Soldagem 46 . não é possível saber a posição exata da realização de uma soldagem. na maioria das vezes. veja diversas posições de modo ilustrado. Posição Planal Filete Plano Posição Horizontal Posição Vertical Posição Sobre-Cabeça Circunferencial Em seguida. Observe que existem limites de ângulos para cada posição e que.

veja as principais descontinuidades encontradas em operações de soldagem e os cuidados para evitar o surgimento dessas interrupções. a homogeneidade de características físicas. A seguir.Descontinuidades mais frequentes nas soldas A descontinuidade pode ser definida como uma interrupção das estruturas típicas de uma junta soldada. por isso. A soldagem deve ser iniciada na região do chanfro. Ângulo excessivo de reforço Traçado a partir da margem da solda. Ou seja. O excesso de material de solda no acabamento é o causador desse defeito. Observe: Normal Excessivo Deposição insuficiente É a insuficiência de metal na face da solda. Processo de Soldagem 47 . mecânicas ou metalúrgicas sofre alteração. com consequente defeito e necessidade de ações corretivas. A abertura de arco pode provocar uma trinca no material e. o ângulo excessivo de reforço acontece entre o plano da superfície do metal de base e o plano tangente ao reforço da solda. Veja: Achou importante? Faça aqui suas anotações. Abertura de arco É uma imperfeição que ocorre na superfície do metal base ao se abrir o arco elétrico. deve ser evitada.

entre os passes ou na raiz da solda. ou mesmo entre passes da zona fundida. Ver figura a seguir. Confira: Embicamento Falta de fusão Ocorre quando há fusão incompleta entre a zona fundida e o metal base.Desalinhamento Acontece quando as superfícies das peças soldadas – que deveriam estar paralelas – apresentam-se desalinhadas. a b c d Processo de Soldagem 48 . Desalinhamento Embicamento Deformação angular em junta soldada de topo. Essa falta de fusão pode se localizar também na zona de ligação. excedendo à configuração de projeto.

uma junta mal preparada (com ângulo curto de chanfro ou abertura de raiz pequena). É provocada por uma baixa velocidade do processo de soldagem ou por uma corrente excessiva. Observe a imagem: Falta de penetração Inclusão de escória Material não metálico retido na zona fundida. uma corrente de soldagem insuficiente.Falta de penetração Trata-se de insuficiência de metal na raiz de solda. Veja: Mordedura Processo de Soldagem 49 . As causas mais comuns desse tipo de defeito são a manipulação incorreta do eletrodo. Mordedura Depressão no metal base que se estende até a margem da solda. uma velocidade de soldagem muito alta ou o diâmetro de eletrodo muito grande. Provoca efeito indesejável na aparência da solda e enfraquece a junta.

Pode aparecer de modo uniformemente distribuído. porém não alinhados. alinhado ou como porosidade vermiforme.Mordedura na raiz Mordedura localizada na margem da raiz da solda. em grupo.correntes de ar durante a soldagem. . . Aparece à medida que a poça de fusão é deslocada.umidade. fluxo ou gás de proteção úmido.corrente ou tensão de soldagem excessiva. isolado e interno que surge na solda. Poro superficial A porosidade é um conjunto de poros distribuídos de maneira uniforme. quando bolhas de gás ficam aprisionadas pelo metal solidificado. durante a solidificação da solda. Veja a figura a seguir. Confira a figura a seguir. . graxa e ferrugem na região da junta. .contaminações de óleo. Poro É um vazio arredondado. O poro superficial emerge na superfície da solda. As causas mais comuns do aparecimento dos poros são: . Porosidade Processo de Soldagem 50 .eletrodo.

São transferidos durante a soldagem e se aderem à superfície do metal base ou da zona fundida solidificada. geralmente.Reforço excessivo É causado por excesso de material no acabamento da soldagem. por uma alta taxa de deposição. Sobreposição É o excesso de metal da zona fundida que recai sobre o metal base na margem da solda e não se funde no material. Observe a figura a seguir. Ver figura a seguir. Sobreposição Processo de Soldagem 51 . Esse material é o metal da zona fundida. ou seja. É causado. na face da solda. Normal Reforço excessivo Excessivo Respingos Pequenos resquícios esféricos originados do metal de adição.

Primeiro.altos valores de tensão residual.metal de adição não compatível com o metal base. sofre uma fratura – a trinca – na estrutura interna ou externa da solda. As causas mais frequentes das trincas são: .formação de eutéticos de baixo ponto de fusão. . .resfriamento muito rápido da junta soldada. . . .teor elevado de carbono no metal base. o material começa a sofrer tensões e.Solda em ângulo assimétrica Acontece quando a solda apresenta suas linhas (ou pernas) de modo desigual e em desacordo com a configuração proposta. Solda em ângulo. É provocada por uma ruptura local do material. Processo de Soldagem 52 . assimétrica Trinca É a descontinuidade mais grave que pode ocorrer em uma junta soldada.baixa temperatura da peça a ser soldada. na ZTA ou mesmo no metal base.alto teor de hidrogênio no metal depositado. . . Essa trinca pode se localizar também na zona fundida.formatos de cordão não apropriados. em seguida.

na zona de ligação. na região marginal da solda.Trinca longitudinal Trinca praticamente paralela ao eixo longitudinal do cordão de solda. Pode se localizar na zona fundida. Veja a figura a seguir. Veja a figura adiante. c d a b Trinca longitudinal Trinca na margem Trinca que ocorre na geralmente na zona termicamente afetada. na zona termicamente afetada ou no metal base. Processo de Soldagem 53 .

Não se estende à superfície da peça. b a Trinca na raiz Trinca sob cordão Trinca que fica localizada na zona termicamente afetada.Trinca na raiz Inicia-se na raiz da solda e pode se localizar na zona fundida ou na termicamente afetada. Processo de Soldagem 54 .

parte importante dos conhecimentos acerca das caldeiras.Trinca transversal Trinca com direção aproximadamente perpendicular ao eixo longitudinal do cordão de solda. Você chegou ao fim dos estudos sobre as principais características dos processos de soldagem. Processo de Soldagem 55 . Pode se localizar na zona fundida. na zona termicamente afetada ou no metal base.

Processo de Soldagem 56 .

Engenharia de Soldagem e Aplicações. EDEME.. Welding Handbook. S. Tecnologia de Soldagem a Arco Voltaico. P. ABS.2. 1991. 1991. Tecnologia da Soldagem. Miami. . BRANDI. 2000. São Paulo.. TANIGUCHI. F. OKUMURA.. Edgard Blücher.H. WAINER. J. A. São Paulo: Editora Globo. 1987. Belo Horizonte: Esab. São Paulo: LTC. T. 1992.Referências Bibliográficas ALCÂNTARA. W. MARQUES. de. V. Soldagem: Processos e Metalurgia. AMERICAN WELDING SOCIETY. MELLO. Achou importante? Faça aqui suas anotações. QUITES. G. M. TELECURSO 2000. 1982. D. N. Tecnologia da Soldagem. DUTRA. 1979. . E. C. Mecânica: Processo de Fabricação. 8 ed. São Carlos.H. v. C. Processo de Soldagem 57 . Florianópolis. Kearns.

Processo de Soldagem 58 .