You are on page 1of 3

Políticos devem ouvir com mais atenção os cidadãos, pondera leitor Leitor Éderson Garin Porto De Porto Alegre

(RS) 1.§ As instituições estatais evoluíram, a sociedade evoluiu, mas as relações mantidas entre si continuam praticamente as mesmas. Vivemos uma era em que as relações interpessoais, assim como as relações entre o Poder Público e o cidadão cada vez mais desenvolvem-se com o apoio da tecnologia da informação. 2.§ No entanto, em que pese a verificada evolução, Estado e indivíduo ainda se relacionam como no medievo, servindo a tecnologia apenas como veículo para manutenção do mesmo modelo de relacionamento. 3.§ A Constituição de 1988 colocou o cidadão no centro do ordenamento jurídico e o bem de todos foi alçado à condição de objetivo fundamental do nosso país. Se o Estado existe para servir o cidadão e buscar a realização dos objetivos inscritos no artigo 3° da Constituição, como explicar que a relação entre Estado e indivíduo seja vista de uma perspectiva verticalizada, de cima para baixo, na qual o Estado sujeita o cidadão aos seus desígnios? 4.§ Dois exemplos ilustram esta relação engessada e submissa: o calvário do atendimento realizado pelo INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) e as marcações de consultas pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Em ambos os casos, a tecnologia antes referida não é utilizada e quando aplicada serve para manter o modelo de relação medieval. 5.§ Não obstante o Estado disponha de recursos tecnológicos e os administradores conheçam os problemas -- nas eleições todos os candidatos sabem como resolver estes problemas, diga-se de passagem --, o ser humano é visto apenas como um número ou, em linguagem mais moderna, como um byte. 6.§ Não se pode admitir que a evolução tecnológica experimentada pela sociedade não seja capaz de aplacar com a espera dos brasileiros por perícia médica para receber benefícios da previdência, assim como não se pode conceber que os hospitais e postos de saúde não consigam gerir, com o uso da tecnologia, as demandas por tratamento médico. 7.§ Se o homem já é capaz de pilotar um veículo não tripulado na Lua, se a medicina já dispõe de tecnologia para operar à distância, não se pode conceber que os gestores públicos não consigam organizar o atendimento num posto de saúde. O que se observa no dia a dia é que os recursos de informática são utilizados para cultivar a mesma forma de relacionamento feudal. Os gestores ficam encastelados e distantes da população, despreocupados em ouvir a população, sujeitando-as às filas reais ou virtuais. 8.§ Propõe-se, pois, menos bytes e mais humanidade. Menos formalidades e mais diálogo. Muitos problemas poderiam ser facilmente resolvidos se o Estado fosse capaz de ouvir, isto é, se tivesse vontade política e treinamento para bem atender a população, estabelecer um diálogo e encaminhar solução aos problemas. 9.§ Por estes motivos é que se espera a construção de uma relação dialógica (fundada no diálogo) entre administração e cidadão, em atenção à dignidade humana, valor fundamental do nosso país. http://www1.folha.uol.com.br/paineldoleitor/meuolhar/1 184352- politicos-devem-ouvir-com-mais-atencao-oscidadaos-ponderaleitor. shtml 1. A expressão que NÃO está relacionada a um período histórico da humanidade é (A) “relacionamento feudal”. (7.§)

(B) “filas reais ou virtuais”. (7.§) (C) “relação medieval”. (4.§) (D) “medievo”. (2.§) (E) “encastelados”. (7.§) 2. Os fragmentos a seguir foram extraídos do texto e alterados quanto à colocação dos pronomes em destaque. Analise-os quanto à colocação pronominal e assinale a alternativa correta. I. “...as relações entre o Poder Público e o cidadão cada vez mais se desenvolvem com o apoio...” (1.§) II. “No entanto, em que pese a verificada evolução, Estado e indivíduo ainda relacionam-se como no medievo...” (2.§) III. “Não pode-se admitir que a evolução tecnológica experimentada pela sociedade não seja capaz de aplacar...” (6.§) IV. “O que observa-se no dia a dia é que os recursos de informática são utilizados para cultivar...” (7.§) V. “Se propõe, pois, menos bytes e mais humanidade.” (8.§) (A) Apenas I e II estão corretas. (B) Apenas II e III estão corretas. (C) Apenas III e IV estão incorretas. (D) Apenas IV e V estão corretas. (E) I, II, III, IV e V estão incorretas. 3. “Por estes motivos é que se espera a construção de uma relação dialógica (fundada no diálogo) entre administração e cidadão, em atenção à dignidade humana, valor fundamental do nosso país. (9.§) A expressão “por estes motivos” estabelece, no fragmento, uma relação de (A) condição. (B) causa. (C) conclusão. (D) concessão. (E) consecução. 4. “Não obstante o Estado disponha de recursos tecnológicos e os administradores conheçam os problemas -- nas eleições todos os candidatos sabem como resolver estes problemas, diga-se de passagem --, o ser humano é visto apenas como um número ou, em linguagem mais moderna, como um byte.” (5.§) Sem prejuízo para o conteúdo veiculado, a expressão “não obstante” pode ser substituída por (A) Porque. (B) Visto que. (C) Embora. (D) Como. (E) Para que. 5. O fragmento que constitui, no texto, uma oração reduzida é (A) “ser facilmente resolvidos”. (8.§) (B) “verificada evolução”. (2.§) (C) “ficam encastelados”. (7.§) (D) “quando aplicada”. (4.§) (E) “perspectiva verticalizada”. (3.§) 6. De acordo com o autor do texto, (A) o Poder Público não está tão evoluído quanto as instituições estatais. (B) a sociedade evoluiu tanto quanto as instituições estatais. (C) as relações interpessoais evoluíram mais que as instituições estatais. (D) o uso da tecnologia não melhora o atendimento médico ao público. (E) a tecnologia da informação dá total apoio às relações interpessoais. 7. A expressão pois, empregada no início do 8.§,

(A) introduz a causa dos problemas apresentados pelo autor do texto quanto à saúde brasileira. (B) propõe uma condição para que os problemas da saúde brasileira sejam bem resolvidos. (C) ressalta as consequências advindas da má administração da saúde pública brasileira. (D) expõe o contraste entre o avanço da tecnologia e o péssimo atendimento na saúde. (E) apresenta a conclusão a que chegou o autor do texto para os problemas por ele apresentados. 8. Assinale a expressão destacada que NÃO apresenta seu sentido correto entre parênteses. (A) “...as relações interpessoais, assim como as relações entre o Poder Público e o cidadão cada vez...” (1.§) (conclusão) (B) “...o ser humano é visto apenas como um número ou, em linguagem mais moderna, como um byte”. (5.§) (alternância) C) “Muitos problemas poderiam ser facilmente resolvidos se o Estado fosse capaz de ouvir...” (8.§) (condição) (D) “No entanto, em que pese a verificada evolução, Estado e indivíduo ainda se relacionam...” (2.§) (contraste) (E) “As instituições estatais evoluíram, a sociedade evoluiu, mas as relações mantidas entre si continuam...” (1.§) (contraste) 9. A expressão que, no contexto, NÃO funciona sintaticamente como adjunto adverbial de tempo é (A) “ainda” (2.§) (B) “antes” (4.§) (C) “já” (7.§) (D) “no dia a dia” (7.§) (E) “de 1988” (3.§) 10. Assinale a expressão que está escrita corretamente. (A) Distânciamento (B) Previdênte (C) Medievalístico (D) Indivídualmente (E) Saúdavel TREINANDO COLOCAÇÃO PRONOMINAL PRÓCLISE  PALAVRAS OU EXPRESSÕES NEGATIVAS; Não te afastes de mim. Nunca nos revelou sua verdadeira identidade.  ADVÉRBIOS NÃO SEGUIDOS DE VÍRGULA; Agora se negam a depor. Depois me dirigi ao balcão de informações. Havendo vírgula depois do advérbio, usa-se a ênclise. A vírgula anula a próclise: (Não, disse-me ele, não me deve mais nada.)  PRONOMES RELATIVOS, INDEFINIDOS, DEMONSTRATIVOS E INTERROGATIVOS; Apresentaram-se duas pessoas que se identificaram com rapidez. Poucos se negaram ao trabalho. Quem te acompanhou aqui? Os pronomes pessoais retos não são obrigatoriamente atrativos a menos que venham antecedidos de uma outra palavra atrativa.(Ele lhe obedece ou Ele obedece-lhe/Você disse que eu obedeço.)  CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS; Soube que me dariam a autorização. Ainda que me digam a verdade, não darei crédito algum.  GERÚNDIO PRECEDIDO DE EM Em se tratando de brigas familiares, não me meto.  ORAÇÕES OPTATIVAS com sujeito antes do verbo; Deus lhe pague, moço!

Bons ventos o levem!  INFINITIVO PESSOAL precedido de preposição; Por se acharem infalíveis, caíram no ridículo. ÊNCLISE  VERBO INICIANDO PERÍODO; Vão-se os anéis e fiquem os dedos.  IMPERATIVO AFIRMATIVO; Às dez horas recolham-se todos nas próprias casas.  GERÚNDIO não precedido de “em” ou de palavra atrativa; Recusou o convite, fazendo-se de ocupado.  INFINITIVO IMPESSOAL; Não era minha intenção magoar-te. Com o infinitivo impessoal precedido de preposição, ocorre tanto a ênclise quanto a próclise. ( Tive medo de incomodar-te ou Tive medo de te incomodar) MESÓCLISE  VERBO NO FUTURO DO PRESENTE OU FUTURO DO PRETÉRITO, caso não venha precedido de partícula atrativa. Convencê-lo-ei a aceitar Dar-te-ia a oportunidade, se pedisse. Obs.: Com o futuro do presente ou futuro do pretérito não ocorre ênclise nunca. É errado: ( Diria-se que os tempos são outros.) 1. ( ( ( ( ( (Santa Casa – SP) Os técnicos ………… bem para o jogo, mas, …………contra nova derrota, pediam que treinasse mais. A ) o haviam preparado _ se tentando precaver B ) haviam preparado-o _ se tentando precaver C ) haviam preparado-o _ tentando precaver-se D ) haviam-no preparado _ se tentando precaver E ) haviam-no preparado _ tentando precaver-se (Cesgranrio – RJ) Indique a estrutura verbal que contraria a norma culta: A ) Ter-me-ão elogiado. B ) Tinha me lembrado. C ) Teria-me lembrado. D ) Termo-nos esquecido. E ) Tenho-me alegrado. (Epcar - MG) Em qual das frases abaixo não se coloca corretamente o pronome átono? Tudo me era completamente indiferente. Ela não me deixou concluir a frase. Este casamento não deve realizar-se. Sentíamo-nos contentes como se nos tivéssemos presenteado. Ninguém havia lembrado-me de fazer reservas antecipadamente. (Ministério da Fazenda – Auditor fiscal) Nas proposições abaixo, a construção que fere a norma gramatical é Efetuem-se sucessivamente as reduções do estimulo fiscal em várias etapas. Aplica-se a presente instrução aos desembarques aduaneiros efetivados a partir de 1º de janeiro de 1980. Não mais justifica-se tanto atraso. Tais rendimentos devem sujeitar-se ao imposto de renda. (Técnico do Tesouro Nacional) Assinale a frase incorreta quanto à colocação do pronome átono: Nunca mais encontrei o colega que me emprestou o livro. Retiramo-nos do salão, deixando-os sós.

2. ( ( ( ( (

3. (a) (b) (c) (d) (e) 4. a) b) c) d) 5. a) b)

c) d) e) 6. ( ( ( ( (

Não quero magoar-te porém não posso deixar de te dizer a verdade. Válter apresentou-se ontem a seu novo chefe. Faça boa viagem! Deus proteja-te!

e)

“(...) provocou a maior revolução (...)” (L. 35) – provocou-lhe.

14. (CESGRANRIO - 2011 – Petrobrás) Leia as frases abaixo. I – Convém que entregue o relatório o mais rápido possível. (me) II – Amanhã, anunciarei as novas rotinas do setor. (lhes) III – Sentindo ofendido, retirou-se do plenário. (se) IV – Quem informará as suas novas designações? (lhe) A exigência da próclise ocorre APENAS nas frases a) I e II. b) I e III. c) I e IV. d) II e III. e) III e IV. 15. (CESGRANRIO - 2008 – TRANSPETRO) Observe os pronomes oblíquos destacados no texto abaixo. Como já se sabia, o ser humano adapta- se rapidamente a novas condições de vida. O que a pesquisa da felicidade nos ensinou foi o fato de a nossa capacidade de adaptação ser ainda maior do que se imaginava. Acostumamo-nos a quase tudo e há coisas das quais nunca nos enfadamos. Segundo a norma culta, é possível inverter a colocação do pronome apenas em a) sabia-se. b) se adapta. c) imaginava-se. d) Nos acostumamos. e) enfadamo-nos. 16. (CESGRANRIO - 2011 – Petrobrás) A colocação do pronome átono destacado está INCORRETA em: a) Quando se tem dúvida, é necessário refletir mais a respeito. b) Tudo se disse e nada ficou acordado. c) Disse que, por vezes, temos equivocado-nos nesse assunto. d) Alguém nos informará o valor do prêmio. e) Não devemos preocupar-nos tanto com ela.

(Ministério do Exército – CFS) Assinale a colocação inaceitável A ) “Maria Oliva convidou-o”. B ) “Se abre a porta da caleça por dentro”. C ) “Situar-se-ia Órfeu numa galieira”. D ) “D. Pedro II o convidou”. E ) “O cinema foi um recurso de leitura”. (Banespa – SP) Assinale a alternativa em que o uso de mesóclise é incorreto: A ) Nunca sujeitar-me-ei a tal exigência. B ) Dir-se-ia que ela tem menos de quarenta anos. C ) Convencê-lo-ei, se puder. D ) Dize-me com quem andas, dir-te-ei quem és. E ) Perdoar-te-ia mil vezes, se preciso fosse.

7. ( ( ( ( (

8. (Banco do Brasil) Pronome mal colocado: ( A ) Lá, disseram-me que entrasse logo. ( B ) Aqui me disseram que saísse. ( C ) Posso ir, se me convidarem. ( D ) Irei, se quiserem-me. ( E ) Estou pronto. Chamem-me. 9. (LONDRINA) Tanto...........que não...........para o novo projeto, que........a apresentá-lo durante a reunião. ( A ) dissemos-lhe _ convocasse-nos _ se recusou. ( B ) dissemos-lhe _ nos convocasse _ se recusou. ( C ) dissemos-lhe _ convocasse-nos _ recusou-se. ( D ) lhe dissemos _ nos convocasse _ se recusou. ( E ) lhe dissemos _ nos convocasse _ recusou-se. 10. (MACKENZIE) Assinale a incorreta: ( A ) Nunca se ouviu falar dele. ( B ) Apelidar-te-ei de "formoso". ( C ) Me impuseram severo castigos. ( D ) Largaste-me só e desamparado. ( E ) Apressa-te porque já é dia. 11. (MARINGÁ) O oblíquo o coloca-se proclítico nos períodos abaixo, exceto em: a) Deus..........livre.......de um tropeço na prova! b) Como .........achou.......ontem? c)Não quis o rapaz aqui, ..........mandei.......embora. d)Talvez...........encontre.........na outra sa-la. e)Nada...........perturba...........nas provas. 12. (CESGRANRIO - 2011 - FINEP) Em que sentença o pronome assinalado está empregado de acordo com a norma-padrão? a) O professor vai convidar-lhe para o meu primeiro recital. b) b) Na vida, só se pode concordar com si mesmo. c) Nós nunca se lembramos dos endereços eletrônicos de todos os amigos. d) Um amigo pediu para mim indicar uma boa escola de música. e) O fato de ela aprender piano depois dos 50 anos não surpreendeu. 13. (CESGRANRIO - 2011 – TRANSPETRO ) O termo destacado na sentença é substituído corretamente pelo pronome da expressão ao lado, de acordo com a normapadrão em: a) “A Internet não usa papel (...)” (L. 4) – não o usa. b) “(...) faz isso com o imediatismo do telefone.” (L. 8) – faz-lo como imediatismo do telefone. c) “(...) permitia às pessoas (...)” (L. 18) – Permita-as. d) “(...) em que reinava a Rainha Vitória (...)” (L. 34) – Em que reinava-a.