You are on page 1of 256

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

METEOROLOGIA
MCA 105-10

MANUAL DE CÓDIGOS METEOROLÓGICOS

2012

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA
DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

METEOROLOGIA
MCA 105-10

MANUAL DE CÓDIGOS METEOROLÓGICOS

2012

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

PORTARIA DECEA N° 737/NOR3, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011.

Aprova a reedição do Manual sobre Códigos Meteorológicos.

O CHEFE DO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DO DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO, no uso das atribuições que lhe confere o Artigo 1°, inciso III, alínea “g”, da Portaria DECEA Nº 1-T/DGCEA, de 3 de janeiro de 2011, resolve:

Art. 1° Aprovar a reedição Meteorológicos”, que com esta baixa.

do

MCA 105-10

“Manual

de

Códigos

Art. 2° Este Manual entra em vigor em 1º de janeiro de 2012. Art. 3º Revogam-se a Portaria DECEA Nº 74/SDOP, de 18 de dezembro de 2009, publicada no BCA nº 012, de 19 de janeiro de 2010 e a Portaria DECEA Nº 63/SDOP, de 5 de novembro de 2010, publicada no BCA nº 212, de 17 de novembro de 2010.

Brig Ar LUIZ CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA Chefe do Subdepartamento de Operações do DECEA

(Publicada no BCA nº 001, de 2 de janeiro de 2012)

.

de 27 de abril de 2012) . Aprova a modificação do Manual sobre Códigos Meteorológicos. resolve: Art. Brig Ar JOSÉ ALVES CANDEZ NETO Chefe do SDOP (Publicada no BCA nº 082. de 2 de janeiro de 2012. 2º Esta modificação entra em vigor em 1º de maio de 2012. no uso das atribuições que lhe confere o artigo 1°. inciso III. que com esta baixa. alínea “g”.MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO PORTARIA DECEA N° 4/SDOP. O CHEFE DO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DO DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO. Art. da Portaria DECEA nº 1-T/DGCEA. 1º Aprovar a modificação do MCA 105-10 “Manual de Códigos Meteorológicos”. DE 9 DE ABRIL DE 2012.

.

5. de 2 de janeiro de 2012.363 AFTN: SBRJYGYI ADM: PAME FAX: (21) 2585-8300 R.2 (modificado) 51. inserir a portaria e esta folha após a portaria da publicação. de 26 de dezembro de 2011. publicada no Boletim do Comando da Aeronáutica nº 001. 98 ANO 2012 2012 2 CORREÇÃO PÁGINA Pág. é assim modificado: 1 SUBSTITUIÇÃO DE PÁGINAS RETIRAR ANO Pág. GENERAL JUSTO. 98 2012 2012 INSERIR Pág. 4 APROVAÇÃO Portaria DECEA nº 4/SDOP.362 TELEX: 2137113 COMAER BR MANUAL DE CÓDIGOS METEOROLÓGICOS O MCA 105-10.BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DA NAVEGAÇÃO AÉREA AV.: (21) 2585-8300 R. 40 Pág.3. 40 Pág.RJ MCA 105-10 MODIFICAÇÃO SUBSTITUTIVA 1º MAIO 2012 Tel. 98 ITEM 15. aprovado pela Portaria DECEA nº 737/NOR3. . de 9 de abril de 2012. 160 – 2º ANDAR 20021-130 – RIO DE JANEIRO .3 (modificado) ALÍNEA EXEMPLO(S) NOTA(S) 3 ARQUIVO Após substituí-las. 40 Pág.

.

....................................... FM 45-IV IAC........................3 5.. 245 ... ROFOR..... FM 13.......................…................................................................................................................................................. FINALIDADE....................... FM 32-XI PILOT.......................2 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES.............XIV Ext.....................................................................................1 1.......................................................................................................... FM 46-IV IAC FLEET...... RESPONSABILIDADE.......................................... FM 41-IV CODAR..............…................................. FM 16....... GENERALIDADES. FM 36-XI Ext........................................................... TEMP DROP....................................................................................................................... SISTEMA FM...................…........................................................ FM 12-XIV SYNOP......................……......... TABELAS DE USO REGIONAL.............. IDENTIFICAÇÃO DOS CÓDIGOS METEOROLÓGICOS........................................................... ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS DE OBSERVAÇÃO........................................................ FM 18-XII BUOY................................... FM 68-VI HYFOR..XIV Ext........................................... TEMP SHIP................……................................................................... FM 50-XIII WINTEM........................................................................... RADOF..................……… FM 38-XI Ext........... FM 57-IX Ext................................................................................................................................................................................................................................. TEMP MOBIL.............................................XIV SHIP.................................................................. TAF.................................................................. TABELA PARA USO NO SISCEAB............................................…… FM 34-XI PILOT MOBIL......1 5................. 9 9 9 9 9 11 11 11 13 13 13 38 38 53 58 58 58 66 66 66 66 75 76 80 82 89 94 96 103 108 111 113 115 115 132 132 133 241 242 243 243 4 4.................……… FM 54-X Ext...................................... FM 33-XI PILOT SHIP..............................................................................................................................................................…… FM 15.......................... SPECI.........................................................................................................................................…….......…...................................................... ESPECIFICAÇÕES DAS LETRAS OU GRUPO DE LETRAS SIMBÓLICAS..........................................................XIV Ext................................… FM 35-XI Ext. ÂMBITO......................................... FM 42-XI Ext.....................................................................................……........................................2 5......................... TABELAS DE CÓDIGOS....................................... LETRAS OU GRUPOS DE LETRAS SIMBÓLICAS................... TABELAS.....................................................................4 2 2.....................................................................................................................………. METAR......................................................................................................................................................................................................................................... FM 61-IV MAFOR...............................................................................................................1 7 ESCALA BEAUFORT DO VENTO................1 2..... CONCEITUAÇÕES E SIGLAS......….... AMDAR..……..............1 5 5..... CÓDIGOS METEOROLÓGICOS.................................................. FM 51............................................................................................................................................................. FM 44-V ICEAN................................................................................................2 1..........................................3 1................................................................................MCA 105–10 / 2012 SUMÁRIO 1 1...........……… FM 37-XI Ext....................................................................................................3 6 6..................................................................................................... SISTEMA DE NUMERAÇÃO..........................…….................................................. SISTEMA DE INDICATIVOS DE ESTAÇÕES...................................... TEMP.......................................

................................................................................................................................................................................................................................... 247 REFERÊNCIAS............. 249 ...................... 248 ÍNDICE.....................................MCA 105–10 / 2012 8 DISPOSIÇÕES FINAIS..........................................

esta especificação é suficiente para permitir uma transcrição direta dos números.MCA 105-10 / 2012 PREFÁCIO Os códigos meteorológicos são utilizados para o intercâmbio internacional de informações meteorológicas contendo dados observados fornecidos pelo Sistema Global de Observação da Vigilância Meteorológica Mundial (VMM) e de dados processados fornecidos pelo Sistema Global de Processamento de Dados da VMM. acerca dos códigos. Em outros casos. existem códigos regionais destinados apenas para intercâmbios no âmbito de uma determinada região da Organização Meteorológica Mundial (OMM). conforme normas da Organização Meteorológica Mundial (OMM). Os códigos meteorológicos são compostos por um conjunto de números e de letras simbólicas (ou grupos de letras). conforme orientação da OMM. representando elementos meteorológicos ou. Em alguns casos. passam a ser disponibilizados para consulta no Banco OPMET. Além destes códigos internacionais. cujas especificações constam nas Tabelas de Código. para conhecimento de todos os usuários. O “Manual de Códigos Meteorológicos” apresenta os códigos meteorológicos utilizados nas diversas atividades de Meteorologia Aeronáutica do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB). Recomenda-se uma leitura cuidadosa e atenciosa deste Manual. é necessário o uso de “Números do Código”. foram adicionados códigos meteorológicos que. As letras simbólicas (ou grupos de letras) são transcritas em números indicando o valor ou estado dos elementos descritos. Foram definidas especificações para as letras simbólicas para permitir a sua transcrição em números. Nesta reedição. referendadas pela Organização de Aviação Civil Internacional (OACI). quando for o caso. conteúdos e significados de seus números e letras simbólicas. outros elementos geofísicos. SDOP Seção de Normas de Meteorologia Aeronáutica – NOR3 . Esses códigos são também utilizados para o intercâmbio internacional dos referidos dados necessários às aplicações específicas da Meteorologia em diversas atividades.

.

1 FINALIDADE A presente publicação tem por finalidade estabelecer as normas e os procedimentos para a codificação e decodificação de códigos meteorológicos utilizados na Meteorologia Aeronáutica e outros que passam a ser disponibilizados para consulta no Banco OPMET.4.4 CONCEITUAÇÕES E SIGLAS 1. 1. 1.6 H24 Horário de funcionamento operacional contínuo.4 CABECEIRA Início da parte da pista do aeródromo utilizada para o pouso de aeronaves. ponto ou objeto considerado como um ponto. Geralmente.2 ÂMBITO Este Manual aplica-se no âmbito do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB) e entre os usuários da Meteorologia Aeronáutica. 1. altitude geopotencial é definida como um certo nível de pressão que corresponde à altura geopotencial necessária para chegar à determinada pressão.4. 1.1 ACORDO REGIONAL DE NAVEGAÇÃO AÉREA Acordo aprovado pelo Conselho da OACI. Assim. durante as 24 horas do dia.3 ALTITUDE GEOPOTENCIAL Trata-se de um ajuste geométrico que utiliza a variação da gravidade com a latitude e altitude. pode ser considerada como um ajuste de altura pela gravidade. .2 ALTITUDE Distância vertical de um nível.4. 1.3 RESPONSABILIDADE Os Centros e Estações Meteorológicas do SISCEAB são responsáveis pelo conhecimento e cumprimento do estabelecido nesta publicação. 1.4.4. 1.5 INFORME METEOROLÓGICO Divulgação de informações sobre condições meteorológicas observadas referentes a uma determinada hora e localidade.MCA 105-10 / 2012 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.4. 1. medida a partir do nível médio do mar (MSL).

4.4. de uso mundial.10 OBSERVAÇÃO DE AERONAVES Avaliação de uma ou mais variáveis meteorológicas obtidas a partir de uma aeronave em voo.4. . 1. estando separada das outras superfícies análogas por intervalos de pressão específicos.14 SATÉLITE METEOROLÓGICO Satélite artificial que faz observações meteorológicas em volta da Terra. 1. 1.8 NÍVEL DE VOO Superfície de pressão atmosférica constante relacionada à pressão de 1. 1.4.013. 1. transmitindo os dados correspondentes para Estações receptoras apropriadas. 1. que significa indistintamente altura.11 OBSERVAÇÃO DE ALTITUDE Observação meteorológica realizada na atmosfera livre. altitude ou nível de voo. 1.10/250 MCA 105-10 / 2012 1.16 ZONA DE TOQUE Porção da pista.4.4. 1.13 PREVISÃO Divulgação de informações sobre condições meteorológicas previstas para uma determinada hora ou período.4.4. destinada ao primeiro contato das aeronaves com o solo.7 NÍVEL Termo genérico referente à posição vertical de uma aeronave em voo.12 OBSERVAÇÃO METEOROLÓGICA Avaliação ou medida de uma ou mais variáveis meteorológicas.9 OBSERVAÇÃO À SUPERFÍCIE Observação meteorológica realizada de um ponto à superfície da Terra. além da cabeceira. 1.2 hPa (ISA – ICAO Standard Atmosphere – Atmosfera Padrão da ICAO). utilizada para representar e analisar as condições meteorológicas existentes na atmosfera.4. por ocasião do pouso.15 SUPERFÍCIE ISOBÁRICA PADRÃO Superfície isobárica fictícia.4. relacionadas a uma determinada área ou porção de espaço aéreo.

seguida de um número arábico. etc. FM 36-XI Ext.MCA 105-10 / 2012 11/250 2 IDENTIFICAÇÃO DOS CÓDIGOS METEOROLÓGICOS 2. procedente de estação terrestre fixa Informe de vento em altitude. temperatura. Este número é seguido por números romanos que identificam a reunião da Comissão Meteorológica Sinótica (CMS) ou da Comissão de Sistema Básico (CSB) (a partir de 1974).2 SISTEMA FM O Sistema FM de identificação dos códigos é o seguinte: Identificação FM 12-XIV Ext. temperatura. que permite rápida identificação durante sua transmissão. FM 15. METAR. procedente de sonda lançada de balão ou de aeronave Informe de pressão temperatura. FM 35-XI Ext. procedente de estação terrestre Informe de pressão. FM 16. FM 13. umidade e vento em altitude. umidade e vento em altitude. 2. FM 37-XI Ext.XIV Ext. procedente de estação terrestre móvel Informe de ar superior procedente de uma aeronave (que não seja de reconhecimento meteorológico) Informe de aeronave (retransmissão de dados meteorológicos de aeronave) Análise de gelo . Após a realização da referida reunião. FM 38-XI Ext. FM 34-XI Ext. umidade e vento em altitude. Além disto. FM 33-XI Ext. o código aprovado ou modificado recebe o número da mesma. incluído como prefixo simbólico em forma codificada.1 GENERALIDADES Os códigos meteorológicos possuem identificação própria constituída pela abreviatura FM.XIV Ext. na qual tenha sido aprovado o código ou tenha sido efetuada a última modificação em seu conteúdo. um termo é utilizado para descrever a forma simbólica em linguagem corrente. FM 41-IV FM 42-XI Ext. em alguns casos. umidade e vento em altitude. que têm uma numeração de 4 números. procedente de estação terrestre fixa Informe de observação à superfície. consequentemente. procedente de estação marítima Informe de vento em altitude. sendo. procedente de estação marítima Informe meteorológico regular de aeródromo (com ou sem previsão de tendência) Informe meteorológico especial de aeródromo (com ou sem previsão de tendência) Informe de bóia de observação Informe de vento em altitude. procedente de estação terrestre móvel Informe de pressão. procedente de estação marítima Informe de pressão. por exemplo. este termo é denominado “Nome do Código”. SYNOP. FM 18–XII FM 32-XI Ext.XIV Ext. FM 44–V Nome SYNOP SHIP METAR SPECI BUOY PILOT PILOT SHIP PILOT MOBIL TEMP TEMP SHIP TEMP DROP TEMP MOBIL CODAR AMDAR ICEAN Definição Informe de observação à superfície. temperatura. Esta numeração tem o objetivo de distinguir os códigos entre si e de diferenciá-los das “Tabelas de Códigos”.

12/250 MCA 105-10 / 2012 FM 45-IV FM 46-IV FM 50-XIII FM 51-XIV Ext. FM 54-X Ext FM 57–IX Ext. FM 61–IV FM 68–VI IAC IAC FLEET WINTEM TAF ROFOR RADOF MAFOR HYFOR Análises em forma completa Análise em forma abreviada Previsão de vento e temperatura em altitude para a aviação Previsão de aeródromo Previsão de Rota para a Aviação Previsão de trajetória radiológica (tempo definido de chegada e de localização) Previsão para a navegação Previsão hidrológica .

........) (2snTnTnTn) (8NsChshs) (1. procedente de estação marítima SHIP FORMA SIMBÓLICA SEÇÃO 0 MiMiMjMj D..MCA 105-10 / 2012 13/250 3 CÓDIGOS METEOROLÓGICOS FM 12-XIV Ext.. FM 13. SYNOP Informe de observação à superfície.D ** ou A1bwnbnbnb** YYGGiw IIiii* ou 99LaLaLa QcLoLoLoLo** SEÇÃO 1 iRixhVV Nddff (00fff) 1snTTT 2snTdTdTd ou 29UUU 3P0P0P0P0 4PPPP ou 4a3hhh 5appp 6RRRtR 7wwW1W2 ou 7wawaWa1Wa2 8NhCLCMCH 9GGgg SEÇÃO 2 222Dsvs (0ssTwTwTw) (4Pw1Pw1Hw1Hw1) (1PwaPwaHwaHwa) (5Pw2Pw2Hw2Hw2)) ( (2PwPwHwHw) 6IsEsEsRs ou ICING + linguagem clara ciSibiDizi ou linguagem clara ((3dw1dw1dw2dw2) ) (70HwaHwaHwa) (8swTbTbTb) (ICE + ) SEÇÃO 3 333 (0.) (5j1j2j3j4 (j5j6j7j8j9)) SEÇÃO 4 444 N'C'H'H'Ct SEÇÃO 5 555 * ** Grupos para serem desenvolvidos nacionalmente Utilizado apenas no código SYNOP Utilizado apenas no código SHIP . procedente de estação terrestre fixa Informe de observação à superfície...XIV Ext...) (3Ejjj) (4E'sss) (9SpSpspsp) ..) (6RRRtR) (80000 (1snTxTxTx) (7R24R24R24R24) (0..

e c) a mensagem pode ser reduzida ao mínimo havendo casos omissos de alguns grupos.14/250 MCA 105-10 / 2012 NOTA 1: O código SYNOP é utilizado para informes de observações sinóticas à superfície. em ordem crescente de seus indicadores numéricos. incluído por decisão nacional Dados para uso nacional . sinal de chamada do navio/identificador da boia. pertencente a estação marítima ou costeira Dados para intercâmbio regional Dados para uso nacional. dotada de pessoal ou automática. se os dados estiverem disponíveis. NOTA 2: O código SYNOP é identificado pelas letras simbólicas MiMiMjMj = AAXX. e c) o grupo da Seção 4. exceto no que se refere ao seguinte: a) todos os grupos da Seção 0 e os primeiros dois grupos da Seção 1 devem ser sempre incluídos nos informes de qualquer estação de observação à superfície. cada vez que a informação dos mesmos seja considerada insignificante ou quando não se disponha desse conteúdo informativo. O código SHIP é utilizado para a mesma classe de observações. b) pode-se estabelecer especificamente para cada tipo de estação ou para as diferentes necessidades em matéria de dados. porém procedentes de estação marítima. dotada de pessoal ou automática. procedentes de estação terrestre fixa. NOTA 4: O código é constituído por grupos de números dispostos por seções. regra correspondente de inclusão ou omissão de seções ou de grupos entre parênteses. data. hora e localização) e unidades empregadas para velocidade do vento Dados para intercâmbio mundial. que é claramente identificado por um grupo de três números. NOTA 3: O código SHIP é identificado pelas letras simbólicas MiMiMjMj = BBXX. comuns aos códigos SYNOP e SHIP Dados marítimos para intercâmbio mundial. NOTA 6: O código é composto das seguintes seções: Seção 0 1 2 3 4 5 Números Simbólicos 222 333 444 555 Conteúdo Dados de identificação (tipo. NOTA 5: Como resultado do exposto na Nota acima. obtém-se o seguinte: a) a perda acidental de informações de qualquer dos grupos se limita estritamente à informação contida naquele grupo. para nuvens com bases abaixo do nível da estação. b) o primeiro grupo da Seção 2 – 22DsVs deve ser sempre incluído nos informes de estação marítima. NOTA 5: O final do grupo ICE da Seção 2 tem a função de indicador numérico para o último grupo da seção ou para informações equivalentes em linguagem clara.

conforme o caso. deve sempre ser incluído o maior número de grupos de dados coerentes com as condições observadas.1.3. 12...1 Em uma sequência de informes SYNOP..3 UTILIZAÇÃO DAS SEÇÕES 12..1.. bem como sua precisão.. a Seção 1 deve conter. em que: a) iR deve ser codificado como 4. as Seções 0 e 1. sempre que os dados correspondentes estiverem disponíveis..2. com a condição de que todos os informes da sequência compreendam dados tomados à mesma hora e que se tenha utilizada a mesma unidade para codificação dos dados da velocidade do vento.D ou grupo A1bwnbnbnb.1.3. também a Seção 2. pelo menos..3.2. no mínimo. 8 e 9.1 O nome do código SYNOP ou SHIP não deve ser incluído no informe. para estações terrestres móveis. este incluirá também a Seção 2. A identificação da estação marítima deve ser feita no grupo D.6 Nos informes procedentes de navios suplementares... 12.1. 12.1. pelo menos. 12. 8 e 9.3.1.D ou YYGGiw A1bwnbnbnb 12. pelo menos. quando os dados correspondentes estiverem disponíveis. 12. os grupos MiMiMjMj e YYGGiw devem ser incluídos somente na primeira linha do texto..2 UTILIZAÇÃO DOS GRUPOS MiMiMjMj D.1 GENERALIDADES 12.1. A posição é indicada pelos grupos 99LaLaLa QcLoLoLoLo. incluindo a unidade de medida utilizada para a elevação. sempre que os dados correspondentes estiverem disponíveis.. os grupos cujos indicadores são 5. o grupo MiMiMjMj deve ser incluído somente na primeira linha do texto e os seguintes grupos serão incluídos em cada um dos informes: D. a estação terrestre móvel deve incluir o grupo h0h0h0h0im para indicar a elevação da estação.1. 12. 12. os grupos cujos indicadores são 5. e b) ix deve ser codificado como 1 ou 3.2 A identificação da estação terrestre móvel deve ser indicada pelo grupo D. contendo. contendo. . Quando um informe procedente de uma estação costeira terrestre contiver dados marítimos.1.5 As estações meteorológicas oceânicas devem incluir a Seção 3 (além das Seções 0.3.MCA 105-10 / 2012 15/250 12.D. Adicionalmente. Na Seção 2.4 Os informes procedentes de estação marítima devem sempre conter as Seções 0 e 1 e. A identificação e a posição da estação terrestre deve ser feita através do grupo IIiii.3.D** ou A1bwnbnbnb YYGGiw 12.1. 1 e 2). A estação deve indicar sua posição através dos grupos 99LaLaLa QcLoLoLoLo MMMULaULo.2 Em uma sequência de informes SHIP. os grupos iRixhVV Nddff 1snTTT 4PPPP 7wwW1W2 8NhCLCMCH.1.1 Os informes procedentes de estação terrestre fixa ou móvel sempre devem conter.3 As estações terrestres móveis devem incluir a Seção 3 (além das Seções 0 e 1).

6 A hora verdadeira da observação deve ser aquela na qual é feita a leitura do barômetro.3..16/250 MCA 105-10 / 2012 12. h deverá ser codificado como /. particularmente. NOTA 1: A versão da Seção 1 mencionada é considerada de importância a todos os navios que não sejam dotados de instrumentos homologados e aos que são solicitados transmissão de informes de observação. deverá ser utilizada uma barra ( / ) para os referidos décimos. somente na ausência de um sinal de chamada adequado.1. constam os procedimentos abaixo: a) a identificação das estações localizadas no mar.1. 12.4 Nos informes de estações automáticas.D.7 Nos informes procedentes de navios auxiliares. conforme o caso. conforme o caso.1. NOTA: iR e ix devem ser codificados conforme as Tabelas 1819 e 1860. a palavra MOBIL deve ser utilizada para D. a Seção 1 deve conter.5 A estação marítima fixa (que não seja estação meteorológica oceânica ou boia) que seja considerada da mesma categoria das estações terrestres fixas deve indicar sua posição através do grupo IIiii. N = 9 e N = / suprem a omissão dos grupos 6RRRtR.D. respectivamente.1 GRUPO iRixhVV 12.. 12. 7wawaWa1Wa1 e 8NhCLCMCH. das regiões em que o tráfego é respectivamente escasso. sobre uma torre de perfuração ou uma plataforma marítima. Esses navios podem transmitir suas mensagens em linguagem clara. e c) nos informes de estações terrestres móveis. os elementos dos grupos obrigatórios especificados por letras simbólicas são codificados por barras ( / ). e b) ix deve ser codificado como 1 ou 3. no mínimo... se o uso do código for impraticável. 12. N = 0. baseados em que iR.2. torres de perfuração e plataforma de extração de petróleo ou gás. os grupos iRixhVV Nddff 1snTTT 4PPPP 7wwW1W2.1 Este grupo deve ser sempre incluído no informe. caso a estação não esteja equipada para informar os dados correspondentes. em que: a) iR deve ser codificado como 4. ix.1. é indicada pelo grupo A1bwnbnbnb. a palavra SHIP deve ser utilizada para D.1..2.7 IDENTIFICAÇÃO DAS ESTAÇÕES Em relação à identificação das estações. NOTA 3: Se o navio não for dotado de instrumentos homologados que permitam a determinação dos décimos de graus da temperatura do ar e/ou décimos de hectopascais da pressão. . 12.1. 12. b) nos informes de estações marítimas que não sejam boias.2 SEÇÃO 1 12. quando existe ameaça ou prevaleça o mau tempo. conforme o caso. NOTA 2: Se o navio não puder informar dados de nuvens.. e na ausência do sinal de chamada do navio.

1.2. inclusive se a mesma se estende ou abrange toda a abóbada celeste.2. Entretanto.2. 12. 12.5 A nebulosidade total não deve compreender partes resultantes de trilhas de condensação que se dissipam rapidamente.3 Codifica-se N = 0 quando.2. sob os efeitos de tempestade de areia e/ou poeira ou de neve soprada.4 Quando as nuvens forem observadas através de nevoeiro ou fenômeno análogo.5. utilizando-se o número do código CH ou CM apropriado.2. NOTA: No item 12. uma vez que o intervalo de tempo nessas circunstâncias é relativamente curto. se houver.3. "h" deverá ser codificado como uma barra ( / ).2.2 As nuvens Altocumulus translúcidus ou Stratocumulus translúcidus devem ser codificadas utilizando-se N = 7 ou menos (salvo quando as nuvens superiores cobrirem todo o céu) uma vez que sempre há espaços claros neste tipo de formação de nuvem.2. 12.2.2.2. mas o céu estiver completamente visível. .2 Nebulosidade total:"N" 12.2. "h" deverá referir-se à base da nuvem mais baixa observada.2. 12.2.2.2. 12.2.2.3.2. somente o valor médio resultante.2.6 As trilhas de condensação persistentes. através do nevoeiro existente ou outros fenômenos análogos.1. deverá ser codificado em "VV" a menor visibilidade. e deverá ser codificado conforme a Tabela 1600.3. obtido após a descontinuidade deverá ser informado.2.3 Direção e velocidade do vento: "ddff" 12.1 "N" deve indicar o que o observador vê realmente durante a observação e deve ser codificado conforme a Tabela 2700. assim como as massas de nebulosidade resultantes do desenvolvimento de trilhas de condensação. 12.2. Entretanto.1 Quando a visibilidade horizontal não for a mesma em diferentes direções. encontrando-se sob as mesmas condições descritas e o céu não for visível. deve ser utilizada a década 90-99 da Tabela 4377.2.2. deverá estimar-se e codificar-se a cobertura das mesmas como se o fenômeno não existisse.2.2.1 Os valores médios da direção e velocidade do vento durante os 10 minutos que precedem a observação devem ser informados em "ddff".2.2.2. 12.2.1.2.2 Para visibilidade no mar. 12.MCA 105-10 / 2012 17/250 12.2.2 GRUPO Nddff 12. devem ser informadas como nuvens. se distingue o céu azul ou estrelado e não se observa nenhum traço de nuvem.3 Visibilidade:"VV" 12.1 Este grupo deve ser sempre incluído no informe. 12. através do fenômeno. 12.1. utilizando-se a Tabela 4377. quando o período de 10 minutos incluir uma descontinuidade nas características do vento. constam as regras relativas à utilização da Seção 4.2 Base da nuvem mais baixa: "h" Quando a estação encontrar-se encoberta por nevoeiro.

neste caso. incluir-se-á a umidade relativa.2 Grupo 1snTTT Quando os dados referentes à temperatura do ar não estiverem disponíveis. for 99 ou mais: a) ff deverá ser codificado como 99 no grupo Nddff.2.3. utilizando-se as velocidades equivalentes especificadas na escala. que é a que deve ser informada.3. com a finalidade de se obter a velocidade verdadeira do vento. O valor estimado se converterá em nós ou metros por segundo. 2snTdTdTd. 12.2 Quando não estiverem disponíveis os dados referentes à temperatura do ponto de orvalho e à umidade relativa. em regras específicas.3 Grupo 2snTdTdTd 12. devido à inoperância de equipamentos. os referidos dados devem ser obtidos a partir do anemômetro principal do aeródromo ou. em caso inoperância. por exemplo. o grupo deverá ser omitido em sua totalidade ou informado como 2////.3. Todo o possível deve ser feito para transformar a umidade relativa em temperatura do ponto de orvalho.2.3. NOTA: A velocidade aparente do vento. o grupo deverá ser infomado como 2////. NOTA: Como procedimento para o SISCEAB.2 Na falta de instrumentos para medir o vento.1 Os grupos 1snTTT. o grupo deverá ser omitido em sua totalidade ou informado como 1////. mas se dispuser dos dados de umidade relativa. 7). deverá ser corrigida em função do rumo e da velocidade do navio.3. 4a3hhh e 5appp 12. A velocidade resultante é a que se deve indicar em “ff”. 12. 12.2.3 Quando a velocidade do vento. devido à inoperância de equipamentos. em último caso.2. a menos que se determine o contrário.18/250 MCA 105-10 / 2012 NOTA: Como procedimento para o SISCEAB. por exemplo. . a velocidade deverá ser estimada com base nas especificações da Escala Beaufort do Vento (Cap.2. medida a bordo de um navio em movimento. e b) o grupo 00fff deverá ser incluído após o grupo Nddff.3. o grupo deverá ser infomado como 1////. nas unidades indicadas por iw.2.3.2. neste caso. 12. 4PPPP. 12. 12. o grupo 29UUU deverá ser informado no lugar do grupo 2snTdTdTd.2. 2snTdTdTd e 4PPPP devem ser incluídos quando se dispuser de dados correspondentes. e só.2. NOTA: Como procedimento para o SISCEAB.3.3. Essa correção poderá ser efetuada baseada no paralelogramo de velocidade ou por meio de tabelas especiais.2. do anemômetro reserva.1 Quando os dados referentes à temperatura do ponto de orvalho não estiverem disponíveis.3 GRUPOS 1snTTT.

3. em que não seja possível o uso dos números especificados no item anterior.3. NOTA 2: Neste caso.8. além do grupo 3P0P0P0P0 (pressão ao nível da estação).1 Este grupo deve ser incluído para informar a tendência da pressão barométrica a cada 3 horas. ser determinada com base nas amostragens de pressão em intervalos igualmente espaçados que não excedam à uma hora. em metros geopotenciais.5 Grupo 5appp 12.2.700 m superfície isobárica padrão 850 hPa 700 hPa 500 hPa NOTA 1: “a3” deve ser codificado conforme a Tabela 0264.2. nas últimas 24 horas. sendo que.3 Nos informes provenientes de estações automáticas. 12.4. as estações que se encontram a uma altitude igual ou superior a 500 metros.3 A temperatura de referência a ser utilizada no cálculo da pressão ao nível médio do mar (4PPPP) ou da altitude geopotencial de uma dada superfície isobárica (4a3hhh) deve ser a média entre duas temperaturas: a temperatura da superfície na hora da observação e a temperatura de 12 horas passadas. deve ser incluído o grupo 58p24p24p24 ou 59p24p24p24.2 A tendência da pressão barométrica nas últimas 3 horas. ou 4 (pressão atmosférica constante).5.1 A pressão atmosférica ao nível médio do mar deve ser calculada e informada no grupo 4PPPP. 12.5.4. NOTA: Como procedimento para o SISCEAB. o grupo 4PPPP não deve ser informado.2. indicando a altitude geopotencial de uma superfície isobárica padrão. 7 (tendência negativa).300 m (inclusive) 2. NOTA: “a” deve ser codificado conforme a Tabela 0200.3.4 Como procedimento para o SISCEAB. 12. 12. as estações que se encontram a uma altitude inferior a 500 metros devem sempre informar o grupo 4PPPP. “a”.2. tendo como referência o período durante as 3 horas anteriores.2.2.7.3. na Seção 3.4 Grupos 4PPPP e 4a3hhh 12. deve. escolhida conforme a tabela abaixo: altitude da estação 500 m (inclusive) a 2.2.5. 12. conforme o item 12.5.2.3.4.2.3. esse grupo deve ser omitido. devem sempre informar o grupo 4a3hhh. para informar a variação da pressão barométrica.300 m (exclusive) a 3. “a” deve ser codificado como 2 (tendência positiva). .2 Como procedimento para o SISCEAB.3.MCA 105-10 / 2012 19/250 12.3. o grupo 5appp deve ser incluído nos informes procedentes das estações brasileiras situadas ao sul de 20ºS. sempre que possível.3. Para as estações situadas ao norte de 20ºS. 12.4. neste caso.700 m (inclusive) maior que 3.

2.2.2 Consideram-se os ww = 00.5. .3 Nos navios que utilizam o código SHIP e nas estações meteorológicas oceânicas.2. 12.5 GRUPO 6RRRtR 12.2.2. o ww = 17 terá precedência sobre os ww = 20 a 49.2. este grupo deve ser incluído em cada SHIP.4. no grupo 7wwW1W2.4.6. 12. A outra condição de tempo poderá ser informada na Seção 3. 02 e 03 da Tabela 4677 e os W1 e W2 = 0. 12. NOTA: O indicador “iR” deve ser utilizado para informar qual das condições é aplicável.4. 12.5.6. o emprego deste grupo deve ser regido por instruções regionais ou nacionais. 12. 12.4 GRUPO 3P0P0P0P0 Este grupo deve sempre ser incluído nos informes sinóticos das estações terrestres.1 Para dados de precipitação informados a cada 6 horas. ou b) caso seja realizada observação.3 Este grupo deve ser omitido se tanto o tempo presente como o tempo passado: a) estiverem indisponíveis (nenhuma observação realizada).6 GRUPO 7wwW1W2 ou 7wawaWa1Wa2 12.2. 01.5. de acordo com o item 12.8. antes do grupo 4PPPP ou.2.4 O grupo 6RRRtR deve ser omitido da informação: a) quando não houver precipitação durante o período de referência. as estações não devem informar este grupo na Seção 1 e devem seguir o disposto no item 12.2. do grupo 4a3hhh.6. No caso de estações a bordo de navios móveis que efetuem observações de precipitação. dentro dos principais horários padrões.2.5. este grupo deve ser incluído na Seção 3.2. não forem observados fenômenos significativos.6.20/250 MCA 105-10 / 2012 12. NOTA: O indicador “ix” deve ser utilizado para informar qual das condições é aplicável.4 Tempo presente observado em estação meteorológica dotada de pessoal: ww 12.6.2.2. 12. repetidos se necessário. tempo passado ou ambos. deve ser selecionado para o grupo 7wwW1W2 o número mais alto da Tabela 4677.1 Este grupo deve ser incluído apenas quando observados fenômenos importantes relativos ao tempo presente.2.1 Se mais de uma condição de tempo presente for observada. usando-se o grupo 960ww ou 961w1w1. Em qualquer caso.2 Para dados de precipitação informados a cada 3 horas ou outros períodos estipulados por intercâmbio regional. 12.3.5. 12. 1 e 2 da Tabela 4561 como fenômenos sem importância. ou b) quando a quantidade de precipitação não foi medida e os dados não estão disponíveis.2. este grupo deve ser incluído na Seção 1.5 Como procedimento para o SISCEAB.

12.5 ww = 07 e 09 devem ser utilizados segundo instruções nacionais. 12.6. alcançando a velocidade de 22 kt (11 m/s) ou mais.4.8 Para ww = 18. ficando confirmada a sua fase de dissipação no espaço de 10 a 15 minutos seguintes. a restrição à visibilidade horizontal deve ser de 1. pelo menos.7 Para ww = 11 ou 12. Considerar-se-á que a trovoada tenha terminado quando se ouvir o último trovão.2. sejam relâmpagos vistos ou não.6. três estágios da referida escala.000 metros.2 Para ww = 01. e c) 02 .11 Para fins de codificação sinótica. 02 e 03. não há limitação alguma à magnitude de variação de nebulosidade.4.4.ocorre um aumento repentino da velocidade de. . Nestes casos.2.4.4 ww = 05 deve ser utilizado quando a visibilidade horizontal for reduzida predominantemente por litometeoros.4. pelo menos.2. 38 e 39 devem ser utilizados segundo instruções nacionais. 12. sem considerar VV. cada um deles.4. devem ser considerados os seguintes critérios: a) quando a velocidade do vento é medida: .6.4. uma trovoada deve ser considerada sobre a estação a partir do momento em que o primeiro trovão é ouvido. 12. por um minuto.2.2.MCA 105-10 / 2012 21/250 12.6 Para ww = 10.9 ww = 20-29 nunca devem ser utilizados quando for observada precipitação na hora da observação. deve ser utilizado o ww apropriado. 12. 12. 12. 01 e 02 podem ser utilizados.4. por um minuto.6. ww = 00. 37. 12. as especificações são interpretadas assim: a) 00 .6.ocorre um aumento repentino da velocidade de. 16 kt (8 m/s). caso o trovão seja ouvido durante o período normal de observação que precede a hora do informe. quando o céu estiver claro no momento da observação. pelo menos. A trovoada deve ser informada no tempo presente. b) 01 .utilizado quando forem desconhecidas as condições anteriores.3 Quando o fenômeno não é predominantemente formado de gotículas d'água.6. A especificação refere-se apenas à gotículas d'água e cristais de gelo.utilizado quando as nuvens se dissiparem durante a hora precedente.2. e b) quando a Escala Beaufort do Vento é utilizada: . alcançando a força 6 ou mais.10 Para ww = 28. a visibilidade horizontal deve ter sido inferior a 1.12 ww = 36.4.6.utilizado quando o céu estiver claro durante a hora precedente.2.6.6. 12.6. 12. pelo menos. mantendose.000 metros. mantendo-se.6. a visibilidade aparente deve ser inferior a 1.2.000 metros ou mais. A especificação refere-se apenas para restrições à visibilidade ocorridas pela presença de gotículas d’água ou cristais de gelo. haja precipitação na estação ou não.4.4.2.2.2.

4. porém não ocorrem interrupções durante a hora precedente. devem ser observados os seguintes critérios: a) ww = 40 e 41 . parcial ou em bancos. porém com interrupções irregulares durante a hora precedente. porém ocorrem interrupções durante a hora precedente. NOTA: Pancadas são produzidas por nuvens convectivas.6.2.5 Tempo presente observado em estação meteorológica automática: wawa 12.a obstrução à visibilidade horizontal deve ser constituída predominantemente por gotículas d’água ou cristais de gelo. 12. e c) pancada: a intensidade aumenta ou diminui bruscamente.2.6. 12. 12. b) ww = 42 a 49 .2. a menos que existam nuvens estratiformes cobrindo os intervalos entre as nuvens cumuliformes.6. São caracterizadas por início e término súbito e por variações geralmente rápidas e algumas vezes violentas na intensidade da precipitação. sendo os períodos de interrupções sempre menores que os períodos de precipitação. .4.18 Para ww = 98.6.4.2.13 Para a utilização de ww = 40 a 49. 12. sem apresentar características de pancada. deve ser inferior a 1. 12. c) ww = 40 a 47 .2. e d) ww = 48 e 49 .6.a visibilidade horizontal aparente através do nevoeiro ou nevoeiro gelado. 12. moderada e forte são referentes ao tipo de precipitação associada à trovoada. 96.000 metros.a obstrução à visibilidade horizontal deve ser constituída predominantemente por gotículas d’água.16 A intensidade da precipitação deve ser determinada pela intensidade no momento da observação. sendo os períodos de precipitação normalmente menores que os períodos de interrupções.6.2.6.6. sem apresentar características de pancada.6.4.000 metros. b) intermitente: a intensidade aumenta ou diminui lentamente.14 Quando se refere à precipitação.1 Deve ser utilizado o número apropriado mais elevado. Entre as nuvens de pancadas podem ser observadas aberturas.4. As gotas e partículas sólidas são geralmente maiores que aquelas que caem em precipitação que não é do tipo pancada. as intensidades leve. significa "o ponto onde a observação é normalmente realizada".2.5. 97 e 99.2.17 ww = 80 a 90 devem ser utilizados somente quando a precipitação for “em pancadas” e ocorrer no momento da observação. caso ela não tenha sido realmente observada.4.4. a frase “na estação” na Tabela 4677.19 Para ww = 95.2.22/250 MCA 105-10 / 2012 12.15 O caráter da precipitação deve ser codificado conforme o seguinte: a) contínuo: a intensidade aumenta ou diminui muito lentamente.a visibilidade horizontal deve ser inferior a 1. se houve ou não precipitação. o observador deve ter uma margem considerável de liberdade para decidir. 12.

6. e c) 2 horas para observações intermediárias. a visibilidade horizontal deve ter sido inferior a 1. pelo menos. 12. b) 3 horas para as observações de 0300. 12.4 wawa = 04 e 05 devem ser utilizados quando a visibilidade for reduzida predominantemente por litometeoros.utilizado quando o céu estiver claro durante a hora precedente.6. 02 e 03.6.000 metros ou mais.6. b) 01 .6. 01 e 02 podem ser utilizados.6 Tempo passado informado em uma estação dotada de pessoal: W1W2 12.2.9 Para codificação sinótica da trovoada. devem ser observados os procedimentos do item 12. 0900.2. sem considerar VV.1 O período considerado para W1 e W2 deve ser o seguinte: a) 6 horas para as observações de 0000. e c) 02 . 16 kt (8 m/s).5.17.5.5.5.7 wawa = 20 a 26 nunca devem ser utilizados quando for observada precipitação na hora da observação.2. 12.2.2. 0600. cada um deles.2.6.4.2 Para wawa = 01.6 Para wawa = 18.6.10 wawa = 30 a 35 devem ser utilizados quando a visibilidade horizontal for inferior a 1. Deve ser aplicado o disposto na Nota do item 12.5. 12.2. pelo menos. por um minuto.000 metros. não há limitação à magnitude de variação da nebulosidade.6.2. deve ser considerado o seguinte critério: ocorre um aumento repentino da velocidade do vento de.2. 12. sem apresentar características de pancada.6.utilizado quando forem desconhecidas as condições anteriores. 12.5.12 A intensidade da precipitação deve ser determinada pela intensidade no momento da observação. as especificações são interpretadas assim: a) 00 . 12.2.13 wawa = 80 a 89 devem ser utilizados somente quando a precipitação for “em pancadas” e ocorrer no momento da observação.6.6.000 metros. wawa = 00.5.6.6.11.11 O caráter da precipitação deve ser codificado como intermitente se ocorrerem interrupções durante a hora precedente. 12. A especificação refere-se apenas à gotículas d'água e cristais de gelo.5.utilizado quando as nuvens se dissiparem durante a hora precedente.MCA 105-10 / 2012 23/250 12. 12. deve ser utilizado o wawa apropriado. 1500 e 2100 UTC. 12.4. 1200 e 1800 UTC. Nestes casos. mantendo-se.2.5.6.6. 12.5. alcançando a velocidade de 22 kt (11 m/s) ou mais. A especificação refere-se apenas para restrições à visibilidade ocorridas pela presença de gotículas d’água ou cristais de gelo.3 Quando o fenômeno não é predominantemente formado de gotículas d’água.8 Para wawa = 20. 12.2.6.5. .6.2.2. quando o céu estiver claro no momento da observação.5 wawa = 10 deve ser utilizado quando a restrição à visibilidade horizontal for de 1.5.2.2. se realizadas a cada 2 horas.

W1 e W2 devem ser codificados para informar o estado do céu.6. as condições de tempo não se alterarem de modo que se possa selecionar somente um número para o tempo passado.7 Em estações que não operam H24.2.6.6.6. b) 3 horas para observações das 0300.8 Em estações que não operam H24.6. e c) 2 horas para observações intermediárias. 1200 e 1800 UTC.6.2 Deve-se escolher os números para W1 e W2 de maneira que W1W2 juntos com "ww" descrevam.2.4 Se.6. os números utilizados para W1 e W2 deverão descrever as condições de tempo predominantes antes do início da condição de tempo indicada em ww. cujo período abrangente seja de curta duração. deve ser o seguinte: a) 6 horas para observações das 0000. 12. em relação às nuvens. se for o caso.6. 12. para W1 o fenômeno ocorrido no período disponível e para W2 = /. por ocasião da primeira observação sinótica. chuva durante todo o período. 1500 e 2100 UTC.2. da forma mais completa possível. o número seguinte mais elevado.2.7 Tempo passado informado em uma estação automática: Wa1Wa2 12. 12. deve-se utilizar o maior número para W1 e para W2.1.7. .2.6.2.6. 12.3 Quando W1 e W2 forem utilizados em informações horárias (hora em hora) distintas daquelas que se aplicam nas alíneas “a” e “b” do item 12.2. durante o período considerado.2. se realizadas a cada 2 horas.2. por ocasião da primeira observação sinótica. Por exemplo: se durante esse período ocorrer uma mudança total das condições do tempo.2. 12. 12.6.2. deverá ser aplicado o item 12. for conveniente utilizar mais de um número para W1 e W2 para se referir ao tempo passado.6.6. caso o período referente a W1 e W2 corresponda a parte do período em que a estação esteve fechada.2.6.6. Neste caso. então este número deverá ser utilizado tanto para W1 como para W2. as condições do tempo durante o período considerado.5 Se.6. 11 ou 22. deve ser codificado W1W2 = 66. NOTA: Caso haja dados registrados de precipitação passada em parte do período.6.6.6 No caso de ausência de condições de tempo significativas no período considerado.24/250 MCA 105-10 / 2012 12.1 O período considerado para Wa1Wa2.6. deve ser codificado W1W2 = 00. deve ser codificado. 12. deve ser codificado W1W2 = //. 1 e 2). 0600. Por exemplo. 0900. deverá ser codificado para W1 a precipitação ocorrida no período disponível e para W2 = /.6. NOTA: Deve ser considerado todo o conjunto de camadas de nuvens e não apenas as camadas individuais. pela aplicação do item 12. conforme a Tabela 4561 (números 0.6.6.2.2. caso o período referente a W1 e W2 corresponda a um período em que a estação esteve fechada.

b) quando o céu estiver obscurecido por nevoeiro e/ou outro fenômeno meteorológico (N = 9).6.7 GRUPO 8NhCLCMCH 12. de acordo com a capacidade de análise da estação automática. deverá ser codificada em Nh.2 Os números para Wa1Wa2 devem ser selecionados utilizando-se a capacidade máxima da estação automática em discernir o tempo passado e de maneira que Wa1Wa2 juntos com “wawa” descrevam. sendo uma estação com maior capacidade de discernimento. chuva durante todo o período.2.7.MCA 105-10 / 2012 25/250 12. Nh deverá ser codificado como 7 ou menos. ou a observação não for realizada (N = /). b) se não houver nuvens CL.7.2.6.7.2. 12. Se a estação automática possuir maior capacidade de análise.2. por razões que não sejam as citada na alínea “b”.2. mas existirem nuvens CM. e c) se não houver nuvens CL e CM.4 Se.2 Se as nuvens observadas forem de variedade translúcida (Stratocumulus translúcidus para CL ou Altocumulus translúcidus para CM).2 Regras referentes à codificação de N também aplicáveis a Nh 12. somente esta quantidade total. pode-se usar os números de código mais baixos que representem estas condições. mas existirem nuvens CH.7.3 Nos casos em que a estação automática é capaz somente de discernir as condições de tempo básicas. deve ser codificado Wa1Wa2 = 44. Deve-se utilizar o maior número para Wa1 e para Wa2. 12. ou Wa1Wa2 = 66. ou c) quando a cobertura de nuvens não for discernível. 12. 12.2. deve-se usar o maior número que represente mais detalhadamente o fenômeno. 12. então este número deverá ser utilizado tanto para Wa1 como para Wa2. .2. da forma mais completa possível.1 em relação à quantidade total.2. deve ser utilizado o maior número de código para cada tipo básico de fenômeno.7.2.6. durante o período considerado. deve-se proceder da seguinta forma: a) se houver nuvens CL. se a estação automática não é capaz de diferenciar tipos de precipitação.7. o número seguinte mais elevado. Portanto. os números escolhidos para Wa1 e Wa2 deverão descrever as condições de tempo predominantes antes do início da condição de tempo indicada em wawa. 12. Por exemplo.2.7.7. as condições de tempo não se alterarem de modo que se possa ser selecionado somente um número para o tempo passado. Nh deverá ser codificado como 0.2.5 Se durante o período considerado.1 Este grupo deve ser omitido nos seguintes casos: a) quando não houver nuvens (N = 0). conforme observada. as condições de tempo mudarem completamente. somente a quantidade total de nuvens CM deverá ser codificada em Nh.6. as condições do tempo durante o período considerado.

CL = 4. conforme o tipo e a ordem a seguir. .2 Prioridade de codificação das nuvens CM: a) caso haja nuvens AC. para se codificar a referida quantidade em Nh deve ser considerado como se esses fenômenos não existissem. b) caso haja somente nuvens AC: . . codifica-se CM = 7 ou 3. 5. codifica-se CM = 6. 12.3.2.caso CL = 4 e 8 não sejam aplicáveis. codifica-se CL = 8.caso CL = 4 não seja aplicável. 6 e 5 não sejam aplicáveis. . ou . 8.caso CL =9 não seja aplicável.2. .7.4 Se as nuvens estiverem associadas à trilha de condensação. e as prioridades de codificação. 12.CM = 9. codifica-se CM = 4. 8 e 7 não sejam aplicáveis. ou .7.1 Prioridade de codificação das nuvens CL: a) caso haja nuvens CB: .26/250 MCA 105-10 / 2012 12.caso CL = 4.2. As trilhas que se dissipam rapidamente não devem ser incluídas no valor de Nh. ou . codifica-se CL = 1. conforme a predominância.7. 6. a quantidade a ser codificada em Nh deve incluir a quantidade de trilha persistente.2.caso CM = 9. 6 ou 7. codifica-se CM = 7. 8. 5 e 4 não sejam aplicáveis e haja nuvens AC em um só nível. 8.caso CM = 9 não seja aplicável. 5 e 4 não sejam aplicáveis e haja nuvens AC em dois ou mais níveis. 12. 12. conforme seja a maior parte da nuvem AC opaca ou semi-transparente. 8. respectivamente. com ou sem nuvens AS ou NS: .7. .caso CM = 9.2.caso CM = 9. 7.caso CM = 9. codifica-se CL = 2. codificase CM = 7.caso CM = 9.3 Quando as nuvens forem observadas através de nevoeiro ou de fenômeno análogo. respectivamente. .3 A codificação das nuvens CL. codifica-se CM = 5. CM e CH deve ser efetuada conforme as Tabelas 0513. 7 e 6 não sejam aplicáveis.3.7. codifica-se CM = 8. ou .CL = 9. 8 e 2 não sejam aplicáveis. ou . 0515 e 0509.2. ou b) na ausência de nuvens CB: . codifica-se CL = 3.caso CM = 9 e 8 não sejam aplicáveis e haja nuvens AS ou NS. 6.2.

ou c) caso CH = 9 não seja aplicável e não haja nuvens CS: . predominando sobre nuvens CI em forma de filamentos ou ganchos.3. codifica-se CH = 3.caso CH = 4 não seja aplicável e haja nuvens CI densas provenientes de nuvens CB. em torres ou em flocos. codifica-se CH = 1. b) caso CH = 9 não seja aplicável e haja nuvens CS.caso CH = 7.3. codifica-se CM = 2. ou . .1.7.caso haja nuvens NS ou se a maior parte da nuvem AS for opaca. e b) adicionalmente especificado por decisão regional. codifica-se CH = 6. . em torres ou em flocos.caso CH = 4 e 3 não sejam aplicáveis: .com nuvens CI densas.com nuvens CI em forma de filamentos ou ganchos predominando sobre nuvens CI densas. codifica-se CH = 8.na ausência de nuvens NS e se a maior parte da nuvem AS for semitransparente. ou .2. codifica-se CH = 9.caso CH = 7 não seja aplicável.MCA 105-10 / 2012 27/250 c) na ausência de nuvens AC: . ou . . NOTA: a hora real da observação é aquela na qual é feita a leitura do barômetro. . Aplica-se a mesma regra às estações marítimas automáticas.2.1 GRUPO 222Dsvs 12.3 Prioridade de codificação das nuvens CH a) caso haja somente nuvens CC ou estas predominem sobre nuvens CI e CS. codifica-se CM = 1. codifica-se CH = 2.8 GRUPO 9GGgg Este grupo deve ser incluído quando: a) a hora real da observação ultrapassar mais que 10 minutos do horário padrão GG reportado na Seção 0.CH = 4.1 Este grupo deve ser sempre incluído nos informes procedentes de estações marítimas e de navios aos quais foi solicitada a inclusão de Dsvs. com ou sem nuvens CI ou CC: . 12.3.CH = 7. 12.caso CH = 7 e 8 não sejam aplicáveis. ou . codifica-se CH = 5. 8 e 6 não sejam aplicáveis. 12. 12. como procedimento regular.3 SEÇÃO 2 A inclusão dos grupos da Seção 2 nos informes de navios é determinada pelos países que designam os navios.

12. PwaPwa ou HwaHwa.3. deverá ser codificado como 0000.5 metro.4 Devem ser observados os seguintes procedimentos: a) quando o mar estiver calmo (nenhuma onda. para: estação terrestre costeira que realize observação das condições marítimas. o grupo 2PwPwHwHw deverá ser omitido. exceto quando transmitem mensagem de uma área da qual o centro coletor de informações de navios tenha solicitado a inclusão nas mensagens. referentes ao período ou altura das ondas. em unidades de 0. em caráter regular. segundo o caso. e d) nos informes procedentes de estações que não incluam dados instrumentais sobre as ondas.2.2 GRUPO (0ssTwTwTw) Este grupo deve ser incluído nos informes procedentes de estações meteorológicas oceânicas. de informações Dsvs. c) nos informes procedentes de estações que incluam dados instrumentais sobre as ondas.1 A estes grupos. caso não se disponha de dados por qualquer razão. quando não se disponha de dados relativos às ondas por meio de instrumentos.2 e o grupo lPwaPwaHwaHwa deverá ser omitido ou codificado como 1////. e b) 222//. PwaPwa ou HwaHwa. quando os dados estiverem disponíveis. 12. aplicar-se-ão os procedimentos do item 12. 12. a fim de satisfazer as necessidades de Busca e Salvamento. 12. nem marolas) PwaPwaHwaHwa ou PwPwHwHw.3. Se os dados para o período ou para a altura das ondas não estiverem disponíveis.3. deverão ser codificados como //. PwPw deverá ser codificado como 99. caso não se disponha de dados por qualquer razão.3. a altura das ondas não puder ser determinada. b) quando for impossível estimar o período das ondas devido ao mar revolto.3.3.3 GRUPOS (1PwaPwaHwaHwa) (2PwPwHwHw) (70HwaHwaHwa) 12. obtidos por meio de instrumentos.3.2. conforme o caso.3. conforme o caso.3. e navios suplementares ou navios auxiliares. Quando.28/250 MCA 105-10 / 2012 12.3. deve ser utilizado para codificar as ondas provocadas por ventos.3. para estação marítima fixa. . aplica-se o disposto no item 12.2 Este grupo deve ser codificado da seguinte forma: a) 22200. pela mesma razão.1.3. HwHw deverá ser codificado como //.3. Se os dados para o período ou para a altura das ondas não estiverem disponíveis. 12.3 O grupo 2PwPwHwHw. referentes ao período ou altura das ondas. deverão ser codificados como //.2 O grupo 1PwaPwaHwaHwa deve ser utilizado para codificar os dados relativos às ondas.

3 Caso for observado um segundo sistema de ondas: a) a direção. Pw1Pw1 e Hw1Hw1. somente quando se possa distinguir as ondas do mar das ondas ocasionadas pelo vento. 12. 12.4.1 A informação de gelo marítimo e de origem terrestre no código SHIP não substitui a comunicação da presença de gelo marítimo e de icebergs. respectivamente.4 As estações oceânicas devem sempre incluir os dados relativos a ondas.3. 12.3.4 GRUPOS ((3dw1dw1dw2dw2) (4Pw1Pw1Hw1Hw1) (5Pw2Pw2Hw2Hw2)) 12. o período e a altura. através de instrumentos. respectivamente.1 metro. deverão ser informados nos grupos dw1dw1.3. b) HwaHwa não for codificado como //. da leitura de ondas em unidades de 0. esta informação deverá ser precedida pela palavra “ICING”.4. e c) 5Pw2Pw2Hw2Hw2 deverá ser omitido. em seus informes. e c) estação capaz de fazer medições precisas. quando forem encontradas as seguintes condições: a) mar calmo (por exemplo: PwaPwaHwaHwa não for codificado como 0000).5 GRUPO (6IsEsEsRs) Quando o acúmulo de gelo nos navios for informado em linguagem clara.7 GRUPO (ICE + ciSibiDizi ou linguagem clara ) 12.2 Caso for observado um só sistema de ondas: a) a direção. deverão ser informados nos grupos dw2dw2.3. 12.5 O grupo 70HwaHwaHwa dever ser codificado adicionalmente ao grupo 1PwaPwaHwaHwa.4. este grupo deverá ser incluído para informar referido valor. 12. . quando os mesmos estiverem disponíveis. e b) os dados correspondentes ao primeiro sistema de ondas deverão ser informados conforme a alínea “a” do item anterior.3. 12.3.3.4. conforme a Convenção Internacional para a Segurança da Vida Humana no Mar. Pw2Pw2 e Hw2Hw2.6 GRUPO (8swTdTdTb) Quando o bulbo úmido for utilizado para se determinar o valor da temperatura do ponto de orvalho para o informe SHIP.7. b) dw2dw2 deverá ser codificado como //.3.3. 12.3.3. o período e a altura.MCA 105-10 / 2012 29/250 12.1 Estes grupos são utilizados para informam dados da série de ondas.

3. Por esta razão.7.o primeiro nº do código (0) estabelece juntamente com o "0" do código zi e o número do código bi.3. As normas aplicáveis na codificação dos gelos marítimos são as seguintes: a) letra simbólica ci: . e . a seguinte forma: ice edge lat. (com a posição em graus e minutos). long. Entretanto. se o gelo flutuante visto do navio é unicamente gelo de origem terrestre. somente se pode efetuar observação precisa dentro de um campo restrito de observação.3.3 Se uma borda de gelo é cruzada ou avistada entre as horas de observação. 12. é visto que as variações mínimas só têm importância temporária.8 A direção da borda de gelo principal informada deverá ser a parte mais próxima desta borda.3.7.dentro de uma zona de observação dada.2 a 5: a concentração dos gelos marítimos dentro da área de observação é mais ou menos uniforme. mas além do limite da visibilidade. 12.3.5 milha náutica).3. as únicas concentrações e distribuições dos gelos que são previstas codificar são as que correspondem às condições de navegação consideravelmente diferente uma das outras.3. 12. Os números 2 a 9 são divididos em duas seções que seguem: . o grupo deverá ser codificado como 0/bi/0.6 Caso não exista gelo marítimo visível e se utilize o grupo do código unicamente para a notificação do gelo de origem terrestre. somente deverão ser reportados se o navio estiver próximo ao gelo (a menos de 0. 12. por exemplo: 0/2/0 significa 6 a 10 blocos de gelo à vista.5 Se o navio estiver em um canal aberto de largura maior que uma milha náutica. deve-se acrescentar. ou .7 Ao codificar-se a concentração ou distribuição de gelo marítimo (letra de código ci).4 Se o navio estiver em mar aberto informando uma borda de gelo. 12.30/250 MCA 105-10 / 2012 12. .7.7. for observado gelo marítimo e/ou de origem terrestre. a concentração ci e o estágio de formação si. a menos que seja pedido ao navio que notifique as condições relativas ao gelo por meio de um grupo especial de gelo marítimo. em linguagem clara. na hora da observação.7. a situação do gelo deverá ser codificada: ci = 1 e Di = 0.7. 12. Se o navio encontrar gelo rígido no limite do gelo. deverá ser codificada ci = 1 e Di = 9. mas nenhum gelo marítimo. deverá ser notificada a condição que é mais importante para a navegação.2 O grupo ciSibiDizi deve ser informado sempre que. da posição do navio.6 a 9: há diferenças pronunciadas na concentração ou na distribuição dos gelos. a concentração e a distribuição dos gelos podem ir até quase infinito.7.

este código apresenta uma escala crescente dos perigos à navegação. em mar aberto. especialmente com mar agitado. 12. e) letra simbólica zi: .concentração e Si . Através dos números do código. Se a concentração é.5 milhas náuticas do iceberg. o gelo não terá praticamente efeito sobre a navegação.3 Outros grupos podem ser desenvolvidos a nível regional. .1 A inclusão dos grupos com indicadores de 1 a 9 é decidida regionalmente. Por esta razão.5 milhas náuticas do iceberg está orientado em uma direção perpendicular à indicada. a mais de 0. a fim de atender às necessidades que não possam ser satisfeitas pelos grupos existentes. e qualquer uma das condições representadas pelos números de 1 a 9 da Tabela 5239 facilita a interpretação das indicações fornecidas pelas duas tabelas de código (ci . mais próxima do navio. c) letra simbólica bi: .4. poder-se-á ver imediatamente se o navio se encontra no gelo ou a menos de 0. da resistência que opõe o gelo marítimo à penetração e à evolução recente das condições de aumento ou diminuição da camada.4. como aquela que se encontra à parte do iceberg. torna-se difícil observar visualmente ou por radar.2 A forma simbólica do grupo com indicador 0 (zero) deve ser desenvolvida a nível regional. por exemplo 8/10.4.4 SEÇÃO 3 12. os números 4 e 5 representam condições mais perigosas que os números de 1 a 3.a finalidade deste elemento é: .facilitar uma estimativa qualitativa em função das possibilidades do navio navegar no gelo. bem como as regras para sua inclusão na Seção 3. as condições serão difíceis e será necessário reduzir a velocidade e alterar frequentemente o rumo. e . entretanto se o gelo antigo predomina.em sua codificação não há nada previsto para determinar a distância em que o navio se encontra do iceberg. 12.MCA 105-10 / 2012 31/250 b) letra simbólica Si: .como os pequenos icebergs e pedaços deles são menores e mais baixos na água que os blocos grandes.para qualquer concentração dada. 12. d) letra simbólica Di: . Se o navio se encontra em águas livres. utilizados para notificar a concentração e a fase de formação do gelo. Quem recebe a informação interpreta a direção indicada. e . as especificações correspondem à dificuldade crescente para a navegação.fase de formação).definir se o navio encontra-se no gelo à deriva ou se o gelo flutuante (marítimo e/ou de origem terrestre) é visível do ponto do navio.

as estações não devem utilizar este grupo. 12.7.2 Quando for utilizado o grupo 5j1j2j3j4.4.6 GRUPO (4E'sss) 12.1 Expressão simbólica 12. 12. 12. radiação de ondas longas. 12.7. 55407. . o grupo suplementar j5j6j7j8j9 deverá ser adicionado para informar: radiação solar líquida. gelo e todas as outras formas de precipitação sólida sobre o solo no momento da observação.4.4. 553//. radiação solar global. 55408.1 Este grupo é disponibilizado apenas para intercâmbio regional e sua inclusão depende de decisão nacional.2 Como procedimento para o SISCEAB.4. sempre que o grupo j5j6j7j8j9 for requerido para informar dados de radiação.5. as estações não devem utilizar este grupo.2 A medição inclui neve.4. e b) 2snTnTnTn . NOTA: Se a duração da insolação não estiver disponível.4.1 Este grupo é disponibilizado apenas para intercâmbio regional e sua inclusão depende de decisão nacional. b) 54g0sndT: mudanças em dados de temperatura no período coberto por W1W2.4. deverá ser informada a espessura média correspondente a uma área representativa.4 GRUPOS (1snTxTxTx) e (2snTnTnTn) Como procedimento para o SISCEAB.4 Como procedimento para o SISCEAB. radiação solar difundida.4. 55507 ou 55508. uma ou mais das seguintes expressões simbólicas deverão ser adotadas para informar os seguintes dados: a) 5EEEiE: quantidade diária de evaporação ou evapotranspiração.7 GRUPO ((5j1j2j3j4 (j5j6j7j8j9)) 12.4.7.3 Quando a espessura não for uniforme.6. 12.1 Quando o grupo 5j1j2j3j4 for utilizado na forma 55j2j3j4.4. se os dados estiverem disponíveis.4.6. radiação solar líquida de ondas curtas ou radiação solar direta. 12.4.4.utilizado para informar a temperatura máxima do dia e deve ser incluído no informe das 0000 UTC.32/250 MCA 105-10 / 2012 12. radiação de ondas curtas.utilizado para informar a temperatura mínima da noite e deve ser incluído no informe das 1200 UTC.5. o grupo deverá ser reportado como uma das formas: 55///.1. O grupo deverá ser repetido tantas vezes quanto necessário.5 GRUPO (3Ejjj) 12.6. as estações devem incluir este grupo somente na Seção 3 e conforme o seguinte: a) 1snTxTxTx . 12.6. 12.1.

que informa radiação solar direta durante as últimas 24 horas. conforme o item 12.7.MCA 105-10 / 2012 33/250 c) 55SSS: horas diárias de insolação. que informa radiação solar direta durante a hora anterior.7.4.7. f) 55408: indica o grupo suplementar 4FFFF. por decisão regional. em J/cm2.4 Duração da insolação e dados de radiação 12.2.3 Variação de Temperatura Para a variação de temperatura ser reportada.4. h) 55508: indica o grupo suplementar 5F24F24F24F24.3 Quando o grupo 5j1j2j3j4 estiver na forma 553SS.2. em décimos de milímetro. 1200 ou 1800 UTC. o(s) grupo(s) suplementar(es) j5FFFF deverá ser informado por uma ou mais das seguintes formas: . k) 58p24p24p24: variação positiva ou nula na pressão de superfície das últimas 24 horas. d) 553SS: duração da insolação na última hora. 12. i) 56DLDMDH: dados sobre direção do movimento das nuvens. em J/cm2.5. em décimos de hora. 12.4. que informa radiação de ondas curtas durante a hora anterior.2 Na forma 55SSS.4.4. NOTA: A indicação desta informação se limitará. 0600 ou 1200 UTC. g) 55507: indica o grupo suplementar 5F24F24F24F24.1 SSS deve ser utilizada para informar a insolação diária. 12.4. que informa radiação de ondas curtas durante as últimas 24 horas. conforme o item 12. 12. em kJ/m2. ser divulgado por todas as estações capazes de confeccioná-lo e incluí-lo num dos seguintes horários: 0000.4.7. em horas e décimos de hora.4.5. durante as 24 horas precedentes em um dos seguintes informes: 0000. em kJ/m2. e) 55407: indica o grupo suplementar 4FFFF. SS (no grupo 553SS) deve ser utilizada para informar a duração da insolação da hora passada.4.3. por acordo regional ou nacional.3.7.7. deverá ser de 5ºC ou mais e ocorrer num período inferior a 30 minutos durante o período coberto por W1W2.4.2. j) 57CDaec: dados sobre direção e elevação das nuvens. 12. este grupo deve.2 Evaporação ou evapotranspiração diária 12. para as estações situadas numa ilha ou outras estações isoladas.4.1 A expressão 5EEEiE deve ser utilizada para informar a evaporação ou evapotranspiração diária.7.2.7.4.2 EEE deve indicar a quantidade de evaporação ou evapotranspiração. 12. e l) 59p24p24p24: para informar variação negativa na pressão de superfície nas últimas 24 horas. 0600.4.

em J/cm2. num dos seguintes horários: 0000.4. durante a hora precedente.34/250 MCA 105-10 / 2012 a) j5 = 0: FFFF = radiação positiva líquida durante a hora anterior. o grupo 5appp não deve ser utilizado na Seção 1. e g) j5 = 6: FFFF = radiação de ondas curtas durante a hora anterior. para informar a variação da pressão à superfície.4 Quando o grupo 5j1j2j3j4 estiver na forma 55SSS. 12. .4. em J/cm2.7. Neste caso. 1200 ou 1800 UTC. deriva e ângulo de elevação das nuvens serão solicitadas das estações terrestres e dos navios meteorológicos fixos. em relação aos grupos do item 12. conforme as alíneas “k” e “l” do item 12. f) j5 = 5: F24F24F24F24 = radiação ascendente de ondas longas durante as 24 horas precedentes.5 As informações de direção. em kJ/m2. em kJ/m2. principalmente nos trópicos.4. em J/cm2. em kJ/m2.4. em J/cm2. b) j5 = 1: FFFF = radiação negativa líquida durante a hora anterior. em kJ/m2. d) j5 = 3: FFFF = radiação solar difundida durante a hora anterior. o(s) grupo(s) suplementar(es) j5F24F24F24F24 deverá ser informado por uma ou mais das seguintes formas: a) j5 = 0: F24F24F24F24 = radiação positiva líquida durante as 24 horas precedentes.7.7. as estações somente devem utilizar o grupo 5j1j2j3j4 nas formas 58p24p24p24 ou 59p24p24p24. 12.4. em J/cm2. na Seção 3.7. em kJ/m2.1. c) j5 = 2: FFFF = radiação solar total durante a hora anterior. durante as 24 horas precedentes. d) j5 = 3: F24F24F24F24 = radiação solar difundida durante as 24 horas precedentes. 0600.6 Como procedimento para o SISCEAB.7. e g) j5 = 6: F24F24F24F24 = radiação de ondas curtas durante as 24 horas precedentes. 12.4.4.7.2. em J/cm2. em J/cm2. F24F24F24F24 deverá indicar o valor absoluto da quantidade de radiação solar ou terrestre apropriada em J/cm2. em kJ/m2. nas últimas 24 horas. em kJ/m2. b) j5 = 1: F24F24F24F24 = radiação negativa líquida durante as 24 horas precedentes. c) j5 = 2: F24F24F24F24 = radiação solar total durante as 24 horas precedentes.5 FFFF deverá indicar o valor absoluto da quantidade de radiação solar ou terrestre apropriada. e) j5 = 4: F24F24F24F24 = radiação descendente de ondas longas durante as 24 horas precedentes. f) j5 = 5: FFFF = radiação ascendente de ondas longas durante a hora anterior. e) j5 = 4: FFFF = radiação descendente de ondas longas durante a hora anterior. 12.4. em kJ/m2.

e b) tR = 4. às 0000. A regulamentação regional quanto ao seu uso ainda não foi desenvolvida. deve ser informada a quantidade de precipitação das 1200 UTC do dia anterior (exclusive) às 1200 UTC do dia em questão (inclusive).4. A seleção das camadas que serão informadas deverá ser feita conforme o seguinte: a) a camada mais baixa. deve-se acrescentar um grupo referindo-se exclusivamente à nuvem CB. (quando observadas e não informadas nas camadas anteriores). . b) a camada imediatamente superior – quantidade: 3/8 ou mais (Ns = 3 ou mais).2 Como procedimento para o SISCEAB. o número total de grupos utilizados poderá ser de quatro.1 Este grupo deve ser repetido conforme o número de diferentes camadas de nuvens.9 GRUPO (7R24R24R24R24) 12.4.1 Como procedimento para o SISCEAB. 0600. O número de grupos não deve exceder de três.8. Se nuvens CB forem observadas.10.10 GRUPO (8NsChshs) 12. nos respectivos horários.às 1800 UTC. conforme o seguinte: a) tR = 1. .4.às 1200 UTC. .às 0000 UTC. 12. .4.MCA 105-10 / 2012 35/250 12. c) a camada imediatamente superior – quantidade: 5/8 ou mais (Ns = 5 ou mais). independente de quantidade (Ns = l ou mais). exceto na presença de nuvens CB.10. 1200 e 1800 UTC).às 0600 UTC. 12. deve ser informada a quantidade de precipitação das 1800 UTC (exclusive) às 0000 UTC (inclusive).4. 12.4. . 12.9.2 RRR deve ser utilizado para informar a quantidade de precipitação registrada durante o período indicado em tR.8 GRUPO (6RRRtR) 12.4.4. deve ser informada a quantidade de precipitação das 0000 UTC (exclusive) às 0600 UTC (inclusive). deve ser informada a quantidade de precipitação das 1200 UTC (exclusive) às 1800 UTC (inclusive). às 1200 UTC. e d) nuvens CB. as estações não devem utilizar este grupo. as estações devem incluir este grupo somente na Seção 3 e apenas nos informes dos horários padrões principais (0000. precipitação das 24 horas precedentes.1 Este grupo deve ser utilizado para informar a quantidade total de precipitação durante as 24 horas precedentes à hora da observação.9. 12.8.4.2 A ordem de informação do grupo deverá ser de níveis inferiores para os superiores. 0600 e 1800 UTC. precipitação das 6 horas precedentes.

5.5. e b) se estes tipos incluírem nuvem CB.10. 12. 12. o grupo 8 não deverá ser utilizado. as quantidades de nuvens de cada camada.4. como se nenhuma outra existisse.10.2.2 Como procedimento para o SISCEAB. Ns deve ser correspondente ao total de nuvens com bases no mesmo nível.2.4.11 GRUPO (9SpSpspsp) 12.5.1 A inclusão desta seção é determinada a nível nacional. 12. Se o total de tipos restantes (excluindo CB) com bases em mesmo nível.4. o grupo 8 não deverá ser utilizado. 12. com C informado como 9 e Ns como a quantidade de CB. se existirem dois ou mais tipo de nuvens em igual quantidade.4 Quando o céu estiver claro (N = 0).4.4.2 Esta seção deve ser utilizada somente para informar as nuvens cujos topos encontramse a um nível inferior ao da estação.4.3 Para determinar as camadas ou massas de nuvens para cada nível a serem indicados no grupo 8. 12. a seleção de "C" e Ns ocorrerá conforme os seguintes critérios: a) se estes tipos não incluírem nuvem CB. for maior que o especificado em 12. 12. levando em consideração a evolução do céu.4.4.4. o grupo 8 deverá ser informado 89/hshs. Quando não se efetuar observação das nuvens (N = / ).10.2.36/250 MCA 105-10 / 2012 12.2. Neste caso: .11.7 São aplicáveis os itens 12.8 Como procedimento para o SISCEAB.2. em que hshs será a visibilidade vertical.11.6.10.1O uso deste grupo e as especificações para informações suplementares são especificadas na Tabela 3778. desde que a estação permaneça fora das nuvens o bastante para permitir observar os seus vários aspectos.10.4.5 SEÇÃO 4 12.2. então C deverá ser relativo ao tipo de nuvem que representar a maior quantidade ou.10. As nuvens coexistentes cujas bases se encontram acima do nível da estação são informadas no grupo 8NhCLCMCH da Seção 1.3 a 12. outro grupo deverá ser informado com C selecionado de acordo com a alínea “a” e Ns relativo à quantidade total restante (excluindo CB). 12. nos diversos níveis. o observador deve estimar. as estações não devem utilizar este grupo. NOTA: A visibilidade vertical é o alcance visual vertical através do céu obscurecido.1.4.10.10. 12.1. as estações não devem utilizar este grupo. então um grupo deverá ser utilizado para descrever somente este tipo. deverá ser informado o de maior valor para C.3 As nuvens CL com bases abaixo e topos acima da estação devem ser informadas no grupo 8NhCLCMCH e na Seção 4. 12. 12.6 Quando dois ou mais tipos de nuvens ocorrerem com bases no mesmo nível e este nível for um dos que devam ser informados de acordo com o item 12.5 Quando o céu estiver obscurecido (N = 9).

5. Ct deverá ser codificado como 9 nos grupos que indicam a camada de nuvens densa e. Ct deve ser codificado conforme a Tabela 0552. se apresentarem em vários níveis diferentes. 12.5. H'H' deverá ser codificado como //.6.1 e a Seção 4 deverá ser omitida.2.MCA 105-10 / 2012 37/250 a) Nh conforme N' e CL conforme C'.6 SEÇÃO 5 12.5 Quando duas ou mais camadas de nuvens cujas bases se acham a um nível abaixo da Estação.2. as estações não devem utilizar esta seção.10 Como procedimento para o SISCEAB. 12. 12.7 O topo das trilhas de condensação persistentes.5. enquanto que h deve ser codificado como /. e d) outras nuvens CL presentes com bases acima do nível da Estação serão informadas em linguagem clara. serão utilizados dois ou vários grupos N'C'H'H'Ct. serão considerados como ocupados por nuvens. serão codificadas utilizando-se o número do código apropriado para Ct.8 São aplicáveis os itens 12.1 a 12. b) se a superfície superior das nuvens.6.2.1 A utilização desta seção. serão informadas num segundo grupo N'C'H'H'Ct. puderem ser observadas. 12.9 Os espaços ocupados por montanhas. identificados por números denominados indicadores numéricos. deve ser aplicado o item 12.4 Se a Estação estiver quase sempre envolta em nuvens. assim como a camada de nebulosidade que evidentemente tenha se desenvolvido a partir de tais trilhas de condensação.2.5. a forma simbólica de grupos e as especificações das letras simbólicas serão determinadas por decisão nacional.2. 12. .2. com topos acima do nível da estação. deve ser informada através do H'H'.2. 12. c) outras nuvens CL presentes com topos abaixo do nível da Estação.7.5.2 Deve ser dada preferência aos grupos de cinco números simbólicos. 12. as estações não devem utilizar esta seção.6.3 Como procedimento para o SISCEAB.6.5. 12.5. 12. Se a superfície superior não puder ser observada. 12. no grupo restante. depois do grupo N'C'H'H'Ct.6 As trilhas de condensação que se dissipam rápido não serão informadas na Seção 4. emergindo de camadas de nuvens.

SPECI é o nome do código para informe meteorológico especial de aeródromo. Nas regras seguintes. Os grupos podem ser repetidos.. NOTA 3: Os grupos contêm um número não uniforme de caracteres.. SPECI Informe meteorológico especial de aeródromo (com ou sem previsão de tendência) FORMA SIMBÓLICA METAR ou SPECI KT ou MPS COR CCCC YYGGggZ AUTO dddffGfmfm dndndnVdxdxdx VVVV ou CAVOK T'T'/T'dT'd VNVNVNVNDV RDRDR/VRVRVRVRi ou RDRDR/VRVRVRVRVVRVRVRVRi w'w' NsNsNshshshs ou VVhshshs ou NSC ou NCD QPHPHPHPH REw'w' WS RDRDR ou WS ALL RWY KT ou MPS (WTsTs/SS’) (RDRDR/ERCReReRBRBR) NsNsNshshshs ou VVhshshs ou NSC (TTTTT ou NOSIG) (RMK . . NOTA 2: A abreviatura COR deve ser utilizada para o caso de correção do informe..38/250 MCA 105-10 / 2012 FM 15-XIV Ext. Os informes METAR e SPECI podem ter uma previsão de tendência anexada.) TTGGgg dddffGfmfm VVVV ou CAVOK w'w' ou NSW NOTA 1: METAR é o nome do código para informe meteorológico regular de aeródromo. ou a extensão de um grupo. são dadas instruções detalhadas para cada grupo. o grupo correspondente. Quando um elemento ou fenômeno não ocorre.. é omitido do informe. Os grupos entre parênteses são utilizados de acordo com decisões regionais ou nacionais. NOTA 5: Os critérios para emissão de informes SPECI são especificados no MCA 105-2.. NOTA 4: O código possui uma seção contendo a previsão de tendência identificada por um indicador de mudança (TTTTT = BECMG ou TEMPO. conforme o caso) ou pela abreviatura NOSIG (No Significant Change). METAR Informe meteorológico regular de aeródromo (com ou sem previsão de tendência) FM 16-XIV Ext.. conforme as instruções detalhadas inerentes a cada um.

Nos informes SPECI.MCA 105-10 / 2012 39/250 15.5. o intervalo de tempo. 15. 15. nestas circunstâncias. durante os 10 minutos imediatamente precedentes à observação. por exemplo.3. 15. sem intervenção humana. É um requisito da OACI que todos os elementos especificados sejam informados. Valores de direção do vento inferiores a 100º devem ser precedidos por 0 (zero) e vento na direção do norte verdadeiro deve ser informado como 360. sem espaço.1 O nome do código METAR ou SPECI deve ser incluído no início de cada informe individual.3 GRUPO YYGGggZ 15. em graus. No entanto. No entanto. quatro para o grupo de visibilidade. diminuição da altura da base das nuvens e melhora na visibilidade). Valores de velocidade vento inferiores a 10 unidades serão precedidos por 0 (zero). pelas abreviaturas KT ou MPS. se durante o período de 10 minutos houver descontinuidade significativa nas características do vento.2 Quando o agravamento de uma variável meteorológica vier acompanhado da melhora de outra variável (por exemplo.1 O dia do mês e a hora da observação. da letra indicadora Z. arredondada para a dezena de graus mais próxima à direção de onde sopra o vento e a velocidade média do vento. assim. . conforme o caso. somente os dados posteriores a referida descontinuidade deverão ser utilizados para se obter a velocidade média do vento e os valores máximos de rajadas. duas para o grupo de tempo presente e de três a seis para o grupo de nuvens.1. indicando que o informe contém observações totalmente automatizadas. o número de barras depende do número de letras simbólicas empregados na codificação do grupo em questão.1 GENERALIDADES 15. para especificar a unidade de medida da velocidade do vento. devem ser incluídos em cada informe METAR individual. sem espaço. 15. a direção média do vento e variações da direção.1 A direção média verdadeira. deve ser emitido apenas um informe SPECI. este grupo indicará o dia e a hora de ocorrência da(s) mudança(s) que justifica(m) a emissão do informe. em horas e minutos UTC seguidos.3. 15. no grupo em que ele deveria ter sido codificado. devem ser informadas em dddff seguidas. se algum elemento não puder ser observado. deve ser substituído por um número apropriado de barras.2 Este grupo deve ser incluído em cada informe SPECI individual. 15.4 AUTO A abreviatura AUTO deve ser inserida antes do grupo de vento.1.5 GRUPOS dddffGfmfm KT ou MPS dndndnVdxdxdx 15.2 GRUPO CCCC A identificação da Estação em cada informe individual deve ser por meio do indicador de localidade da OACI. será reduzido proporcionalmente.

ou for impossível se determinar uma única direção do vento. durante os 10 minutos precedentes à observação. no sentido horário. ou mudança de 10 kt ou mais na velocidade com. e a velocidade média for inferior a 3 kt. 15. antes ou depois da mudança. Se a visibilidade horizontal não for a mesma em diferentes direções.3 Se. 15. referente a um dos pontos cardeais e colaterais. 15. pela abreviatura KT.6.6 Para velocidades do vento de 100 kt ou mais. NOTA: Visibilidade predominante é o maior valor de visibilidade. seguida.5.5 Se. porém inferior a 180º.5. Estas áreas podem compreender setores contíguos ou não. entre as quais o vento tenha variado.5. imediatamente após dddff. sem espaço. o grupo VVVV deverá ser utilizado para informar a visibilidade mínima.1 O grupo VVVV deve ser utilizado para informar a visibilidade horizontal predominante. a velocidade máxima do vento excede a velocidade média em 10 kt ou mais. NOTA 2: O Brasil adotou o nó (KT) como unidade de medida da velocidade do vento. 15.6 GRUPOS VVVV VNVNVNVNDV 15. e a velocidade média for de 3 kt ou mais. pelo menos.4 “Vento calmo” deve ser codificado como 00000 seguido imediatamente.2 Se. o grupo VNVNVNVNDV deverá ser adicionalmente utilizado para informar a visibilidade mínima e sua direção geral em relação ao aeródromo.6. de 9 de abril de 2012. Se for observada visibilidade mínima em mais de uma direção. variando rapidamente. NOTA: Recomenda-se que os sistemas de medição do vento sejam de tal modo que as rajadas máximas representem uma média de três segundos. e a visibilidade predominante não puder ser determinada. sem espaço. as duas direções extremas observadas. durante os 10 minutos precedentes à observação.2 Quando a visibilidade horizontal não for a mesma em diferentes direções e quando a visibilidade mínima for diferente da visibilidade predominante e inferior a 1. a variação total da direção do vento for de 60º ou mais. a metade do círculo do horizonte ou. 2 minutos de duração. devem ser informadas em dndndnVdxdxdx. com velocidade de 10 kt ou mais. durante os 10 minutos precedentes à observação. 15. o DV deve representar a direção mais importante para as operações. este grupo não deve ser incluído. 15. Caso contrário.500 metros. (NR) – Portaria DECEA nº 4/SDOP. Caso contrário. respectivamente. a metade da superfície do aeródromo. essa velocidade máxima deve ser informada em Gfmfm.40/250 MCA 105-10 / 2012 NOTA 1: KT e MPS são abreviaturas padrões da OACI para nós e metros/segundo. ddd também deve ser codificado como VRB. porém inferior a 180º. 15. ou inferior a 50% da predominante e inferior a 5. pela abreviatura KT. sem indicação da direção. pelo menos. NOTA 3: Descontinuidade significativa ocorre quando há uma mudança repentina e sustentada na direção do vento de 30º ou mais. o grupo Gfmfm não deve ser incluído. com qualquer valor de velocidade média.5. que cubra.5. pelo menos. os grupos ff e fmfm devem ser precedidos da letra P (plus) e informados como P99KT. a variação total da direção do vento for de 60º ou mais. ddd deve ser codificado como VRB.000 metros. observado conforme sua definição. . Se a variação total da direção do vento for de 180° ou mais.

o intervalo de tempo. somente os valores posteriores à referida descontinuidade devem ser utilizados para se obter os valores médios de RVR e as respectivas variações.3 O designador de cada pista para a qual o RVR é informado deve ser indicado por DRDR. que esteja disponível para pouso e para a qual o RVR é determinado. NOTA: Todo valor observado que não se enquadre à escala utilizada deve ser arredondado para o valor imediatamente inferior da tabela. NOTA: Descontinuidade significativa ocorre quando há uma mudança repentina e sustentada no RVR durante. nos 10 minutos imediatamente precedentes à observação. até o máximo de quatro. C ou R.000 a 9.000 metros.7. . no caso de uma ou mais pistas disponíveis para pouso. pista paralela esquerda. rápido início ou término de tempestade de neve). Quando mais de um grupo for informado.000 m para valores de 5.1 Os valores de RVR informados devem ser representativos da zona de toque da(s) pista(s) em uso. até o máximo de quatro.7.3 A visibilidade deve ser informada.2 Os grupos devem ser repetidos. respectivamente. as letras L. pelo designador de pistas DRDR. nestas circunstâncias. deve sempre preceder os informes RVR. c) incrementos de 1.1 Durante os períodos em que a visibilidade horizontal ou o alcance visual na pista (RVR). No entanto. b) incrementos de 100 m para valores de 800 a 5. 15. será reduzido proporcionalmente.7.2 O valor médio do RVR. dois minutos.7 GRUPOS 15. a ordem de codificação deverá ser do RVR de valor menor (mais restritivo) para o maior. 15. Portanto.MCA 105-10 / 2012 41/250 15. central ou direita. Pistas paralelas devem ser distinguidas adicionando-se a DRDR. for inferior a 2. A letra indicadora R seguida imediatamente.4 VALOR MÉDIO E TENDÊNCIA DO RVR VRVRVRVRi 15. quando necessário.7.7.4. em metros.7. A(s) letra(s) deve(m) ser adicionada(s) à DRDR. conforme normas da OACI para designação de pistas. se durante esse período houver descontinuidade significativa nos valores do RVR (por exemplo. pelo menos. deve ser informado em VRVRVRVR.000 m. um ou mais grupos deverão ser incluídos no informe. sem espaço. que indicarão. conforme o seguinte: a) incrementos de 50 m até o valor de 800 m. RDRDR/VRVRVRVRi ou RDRDR/VRVRVRVRVVRVRVRVRi 15. 15. 15. para informar valores do RVR para cada pista. entrada repentina de nevoeiro.4.6. e d) 9999 para indicar 10 km ou mais.000 m.

em um minuto) deverão ser informados. e significativos para as operações aéreas.4.7 O RVR deve ser informado. se o RVR é avaliado como inferior a 50 m. até o máximo de três. deverá ser indicado i = N. i deverá ser omitido.8.7.7. Assim. deverão ser aplicados os seguintes procedimentos: a) quando o RVR for superior ao valor máximo que pode ser determinado pelo sistema.3. deve ser informado como M0050.4. no qual VRVRVRVR deverá ser o maior valor que o referido sistema pode determinar.8 GRUPO w’w’ 15. e b) quando o RVR for inferior ao valor mínimo que pode ser determinado pelo sistema. . 15. 15. deve ser informado como P2000. do valor médio em mais de 50 metros ou mais de 20% (o que for maior).7. conforme a Tabela 4678. os valores (média mínima e média máxima. e c) incrementos de 100 m para valores acima de 800 m.3 Se os valores de RVR.8. em que a média durante dos primeiros 5 minutos varie em 100 metros ou mais em relação à média dos outros 5 minutos.7. em RDRDR/VRVRVRVRVVRVRVRVRi. em vez do valor médio de 10 minutos. NOTA: Todo valor observado que não se enquadre à escala utilizada deve ser arredondado para o valor imediatamente inferior da tabela. 15. devem ser utilizados para informar todos os fenômenos meteorológicos de tempo presente observados. no aeródromo e/ou na sua vizinhança. Se não forem observadas tendências significativas. nos 10 minutos imediatamente precedentes à observação. Se não for possível se determinar a tendência. nos 10 minutos imediatamente precedentes à observação.6 e a tendência.000 m.6 Quando os valores do RVR estiverem fora do intervalo de medição do sistema utilizado para observação. variarem significativamente. b) incrementos de 50 m para valores de 400 a 800 m. deverá ser indicado i = U para valores crescentes e i = D para valores decrescentes do RVR. respectivamente. mostrarem uma tendência ascendente ou descendente.5 Se os valores de RVR. o grupo w’w’ deve ser omitido do informe. o grupo VRVRVRVR deverá ser precedido pela letra P. o grupo VRVRVRVR deverá ser precedido pela letra M.7. NOTA: Os indicadores de intensidade e abreviaturas apropriadas (Tabela 4678) devem ser combinados em grupos de 2 a 9 caracteres para indicar os fenômenos de tempo presente. se o RVR é avaliado como superior a 2.2 Se o tempo presente observado não puder ser informado utilizando-se a Tabela 4678. no qual VRVRVRVR deverá ser o menor valor que o referido sistema pode determinar. em metros. 15. Os valores extremos do RVR devem ser informados conforme o item 15. Assim. 15. em um minuto.42/250 MCA 105-10 / 2012 15. conforme o item 15. conforme o seguinte: a) incrementos de 25 m até o valor de 400 m.7.1 Um ou mais grupos w’w’.

esta deve ser indicada pelo sinal apropriado (ver Tabela 4678). algumas vezes. com grandes variações na intensidade da precipitação. no qual o tipo predominante de precipitação deverá ser informado em primeiro lugar.MCA 105-10 / 2012 43/250 15. sem espaço. A abreviatura UP pode ser combinada. precipitação associada a pancadas e/ou trovoadas. de precipitação. ou nenhum.4 A intensidade deve ser indicada somente para precipitação. Em tal grupo. sem espaço. TS deverá ser seguido imediatamente.7 O qualificador SH deve ser utilizado para indicar precipitação “em pancadas”. sempre que forem ouvidos trovões ou detectados raios e relâmpagos no aeródromo. 15. podem ser observadas aberturas. as abreviaturas apropriadas deverão ser combinadas em um único grupo. . o qualificador de intensidade ou de proximidade (conforme o caso). se necessário. a menos que nuvens estratiformes preencham os espaços entre as nuvens cumuliformes. conforme o caso. Se a intensidade do fenômeno informado é leve ou forte. Entre as pancadas. sem espaço. a abreviatura do fenômeno meteorológico observado ou suas combinações. NOTA: Pancadas são produzidas por nuvens convectivas. b) logo após. 15. grupos w’w’ separados deverão ser incluídos no informe. se mais de uma forma de precipitação for observada. 15.5 A intensidade dos fenômenos de tempo presente deve ser determinada no momento da observação. No entanto. SH e TS. acompanhada.8. Quando associado ao qualificador VC. 15. por abreviaturas para indicar qualquer precipitação observada. Caracterizam-se por início e término súbitos. deverá ser utilizado somente TS. tempestades de poeira ou de areia.8. e c) logo após. a abreviatura do descritor (se for o caso).3 Cada grupo w’w’ deve ser composto da seguinte forma: a) primeiramente. com os seguintes descritores: FZ. NOTA 1: Trovoada é a sucessão de descargas elétricas e trovões. Quando não for observada qualquer precipitação associada. NOTA: Quando for utilizado sistema automático de observação e o tipo de precipitação não puder ser detectado pelo referido sistema. conforme a Tabela 4678.8.8. a abreviatura UP (Unknown Precipitation) deverá ser utilizada para a precipitação.8. nos 10 minutos imediatamente precedentes à observação.8 O qualificador TS deve ser utilizado para informar ocorrência de trovoada.6 Se mais de um fenômeno de tempo significativo for observado. geralmente rápidos e. deve ser utilizado um único qualificativo de intensidade. 15. As gotas d'água e partículas sólidas que caem em uma pancada são geralmente maiores que as de outro tipo de precipitação. geralmente.8. Se a intensidade do fenômeno é moderada. nenhum indicador deve ser incluído no grupo. nuvens funil. Quando for o caso. não deverão ser especificados o tipo e a intensidade da precipitação. referente à precipitação total.

SS. Para w’w’ = BR ser informado. a visibilidade horizontal predominante deve ser de 1. NOTA 2: Ponto de referência do aeródromo é definido como a localização geográfica de um aeródromo.8.13 As abreviaturas FU.8. Para w’w’ = IC ser informado.9 O qualificador FZ deve ser utilizado para indicar gotas d’água ou precipitação superresfriadas. a partir do momento que o primeiro trovão é ouvido ou os primeiros raios e relâmpagos são detectados. a visibilidade horizontal predominante deve ser menor que 1. DU e SA (exceto DRSA) devem ser utilizadas somente quando a obstrução à visibilidade consistir predominantemente de litometeoros e a visibilidade horizontal predominante tenha se reduzido a 5. BLSN e VA. 15. em consequência do fenômeno informado. BLSA. 15. FG.8. PO. A abreviatura GS deve ser utilizada para indicar granizos pequenos (diâmetro inferiores a 5 mm) e/ou pelotas de neve.000 metros. NOTA 1: Todo nevoeiro constituído predominantemente por gotas d’água à temperaturas inferiores a 0ºC deve ser informado como nevoeiro congelante (FZFG). independente de qualquer forma de precipitação que seja observada no aeródromo.000 metros ou mais.10 O qualificador VC deve ser utilizado para indicar os seguintes fenômenos de tempo significativos observados na vizinhança do aeródromo: TS. esteja depositando escarcha ou não.000 metros ou menos.12 A abreviatura IC deve ser utilizada para indicar cristais de gelo.44/250 MCA 105-10 / 2012 NOTA 2: A trovoada deve ser considerada “no aeródromo”. BLDU.11 A abreviatura GR deve ser utilizada para indicar granizo.000 metros ou menos. sem os qualificadores MI. PR ou VC.000 metros. Deve ser considerado que a trovoada que tenha cessado. FC. 15. HZ. SH. até o limite de 5.8. .15 A abreviatura FG deve ser utilizada quando a obstrução à visibilidade consistir de gotículas d'água ou cristais de gelo (nevoeiro ou nevoeiro congelante). a visibilidade horizontal predominante deve estar reduzida por esse fenômeno a 5. 15. DS. 15.14 A abreviatura BR deve ser utilizada quando a obstrução à visibilidade consistir de gotículas d’água ou cristais de gelo. BC.8. Para w’w’ = FG ser informado. a partir do momento em que as referidas condições tenham sido observadas pela última vez até o final de 10 minutos posteriores. 15. inclusive. NOTA 3: Trovoada na vizinhança (VCTS) deverá ser informada mesmo que nuvem(ns) CB associada(s) esteja(m) a mais de 16 km.8. 15. somente se o diâmetro dos granizos maiores observados for de 5 mm ou mais. NOTA 2: Não deve ser especificado se a precipitação super-resfriada é do tipo pancada ou não.8. NOTA 1: Esses fenômenos devem ser indicados com o qualificador VC somente quando observados entre 8 km e 16 km do ponto de referência do aeródromo.

NOTA 2: BCFG deverá ser utilizado somente quando a visibilidade em partes do aeródromo for de 1. através da camada de nevoeiro.17 A abreviatura VCFG deve ser utilizada para informar qualquer tipo de nevoeiro observado na vizinhança do aeródromo.8. a visibilidade aparente no banco de nevoeiro deve ser menor que 1. nenhuma restrição à visibilidade vertical e o uso da abreviatura CAVOK não for apropriado. quando for o caso.9.9.1 A quantidade NsNsNs deve ser informada como poucas nuvens (1 a 2 oitavos). 15.1.000 metros ou mais e.9 GRUPOS 15.8.000 metros.9. respectivamente. Quando for o caso. independente dos valores de visibilidade predominante ou mínima. bancos de nevoeiro e nevoeiro cobrindo parte do aeródromo.19 A abreviatura SQ deve ser utilizada para informar tempestades quando for observado um aumento brusco na velocidade do vento de.1.9. a visibilidade a dois metros acima do solo deve ser de 1. NOTA 1: BCFG e PRFG devem sempre ser informados. 15.MCA 105-10 / 2012 45/250 15. a visibilidade mínima informada em VNVNVNVNDv deverá ser menor que 1. quando o nevoeiro estiver próximo ao ponto de observação.8.000 metros e o nevoeiro deve se estender até dois metros acima do nível do solo.1.16 Para w’w’ = MIFG ser informado. 15. por um minuto.18 As abreviaturas BCFG e PRFG devem ser utilizadas para informar. 16 kt e esta atingir 22 kt ou mais.1. NsNsNshshshs ou VVhshshs ou NSC ou NCD 15.1 QUANTIDADE E ALTURA DAS NUVENS NsNsNshshshs 15. deverá ser utilizada a abreviatura NSC (Nil Significant Cloud). pela altura da base hshshs.000 metros. as abreviaturas FEW. ou nuvens com altura da base abaixo da altitude mínima de setor mais elevada. permanecendo. utilizandose.500 metros (5. ainda.000 pés). deverá ser informado o tipo das nuvens. sem espaço.1 As informações de nuvens devem conter a quantidade e a altura da base das mesmas até o limite de 3.2 Se não houver nuvens de significado operacional. deve ser menor que 1. pelo menos.000 metros ou mais e a visibilidade aparente. BKN ou OVC seguidas. . destes valores o maior. NOTA 1: Nuvem de significado operacional é aquela com altura da base abaixo de 1. 15.000 pés). em qualquer altura. 15. nublado (5 a 7 oitavos) ou encoberto (8 oitavos). nuvens esparsas (3 a 4 oitavos).8.000 metros (10.1. SCT. nuvens CB ou TCU. pelo menos. respectivamente.

que devem ser informadas. mas suas quantidades e alturas da base não puderem ser observadas. exceto quando forem observadas nuvens convectivas significativas.000 metros (10.9.6 Quando nuvens CB ou TCU forem detectadas por sistema automático de observação. deverá ser codificado como //////CB. em condições de emergência.2 A quantidade de cada camada de nuvens deve ser determinada como se as outras nuvens não existissem. juntamente com o respectivo tipo.1 Os tipos de nuvens devem ser informados somente para as nuvens convectivas significativas a seguir: a) cumulonimbus (CB).1. NOTA: Os grupos devem ser informados do nível mais baixo para o mais alto. que cubra 3/8 ou mais.6. 15. NOTA: Todo valor observado que não se enquadre à escala utilizada deverá ser arredondado para o valor imediatamente inferior da escala. Deve ser informada como FEW.3 O grupo de nuvens deve ser repetido para informar diferentes camadas de nebulosidade.1. conforme o caso.1. BKN ou OVC.9.1.000 pés). provendo-se uma separação mínima de 300 metros (1.9. e b) cumulus congestus de grande extensão vertical (TCU). 15. mas não for possível se determinar a quantidade e a altura da base de nuvens CB. 15.9. conforme o caso. e d) grupos adicionais: nuvens CB e/ou TCU quando forem observadas e não tiverem sido informadas em nenhum dos grupos anteriores.000 pés) acima de todos os obstáculos localizados dentro um setor circular de 46 km (25 NM) de raio centrado no auxílio rádio à navegação. que cubra 5/8 ou mais. c) 3º grupo: a próxima camada individual seguinte em altura.1. BKN ou OVC.3.5 A altura da base das nuvens deve ser informada em centenas de pés (ft). SCT. A contração TCU do termo “towering cumulus” é uma abreviatura da OACI utilizada na Meteorologia Aeronáutica para descrever esta nuvem. conforme o caso. O número de grupos não deve ser superior a três. Deve ser informada como BKN ou OVC. 15.1. de qualquer quantidade.1. 15.1 Quando forem ouvidos trovões ou detectados raios e relâmpagos.9. Deve ser informada como SCT.9.46/250 MCA 105-10 / 2012 NOTA 2: Altitude mínima de setor é definida como a menor altitude que pode ser utilizada. em virtude de céu obscurecido ou céu encoberto por camada de nuvens muito baixa. deverá ser utilizada a abreviatura NCD (No Cloud Detected). 15. 15. utilizando-se incrementos de 30 metros (100 pés) até 3.9. b) 2º grupo: a próxima camada individual seguinte em altura. estas informações deverão ser substituídas por //////.4 A seleção das camadas de nuvens a serem informadas deve ser feita conforme os seguintes critérios: a) 1º grupo: a camada individual mais baixa.1.9. .1. 15.3 Quando for utilizado um sistema automático de observação e as nuvens não puderem ser detectadas por este sistema.

tempo presente e nuvens ou visibilidade vertical quando ocorrerem. . As nuvens convectivas significativas.0.11 GRUPO T'T'/T'dT'd 15. as seguintes condições: a) visibilidade: 10 km ou mais.5ºC deve ser informado M00.9.9ºC deve ser informado M09 e . no qual hshshs é a visibilidade vertical em incrementos de 30 metros (100 pés) até o limite de 600 metros (2. conforme o caso. 15. ao grupo de nebulosidade. o grupo deverá ser codificado como VV///. devem ser identificadas com a adição das abreviaturas CB ou TCU. + 9ºC deve ser informado 09. o tipo de nuvem deverá ser informado somente como CB e a quantidade de nuvens deverá ser codificada como a soma das quantidades de nuvens CB e TCU.1 As temperaturas do ar e do ponto de orvalho observadas devem ser arredondadas para o grau Celsius inteiro mais próximo e informadas em T'T'/T'dT'd.7 Os tipos de nuvens que não sejam convectivas significativas não devem ser identificados. e c) nenhum fenômeno meteorológico significativo (ver Tabela 4678). Quando um sistema automático de observação for utilizado e o tipo de nuvem não puder ser detectado pelo sistema. alcance visual na pista.9. 15.9. que significa menos. quando observadas. sem espaço. b) nenhuma nuvem de significado operacional.10 CAVOK A abreviatura CAVOK deverá substituir os grupos relativos à visibilidade horizontal.11.9.1. com bases comuns. Por exemplo.9. 15. NOTA: Visibilidade vertical é definida como o alcance visual vertical dentro de um meio obscurecedor.3 Valores arredondados a graus inteiros de menos 9ºC a mais 9ºC (. . 15. o tipo de nuvem em cada grupo de nuvens deverá ser substituído por ///.5ºC devem ser arredondados para o grau Celsius inteiro imediatamente superior. 15. Por exemplo.11. em todo o horizonte.9ºC à + 9ºC) devem ser precedidos de zero.11. 15.1 Quando o céu estiver obscurecido e as informações sobre a visibilidade vertical estiverem disponíveis.2.000 pés). NOTA: Quando uma camada individual for composta por nuvens CB e TCU. 15. simultaneamente.2. no momento da observação. NOTA: Todo valor observado que não se enquadre à escala utilizada deve ser arredondado para o valor imediatamente inferior da tabela.2 VISIBILIDADE VERTICAL VVhshshs 15.MCA 105-10 / 2012 47/250 15.2 A visibilidade vertical deve ser informada em centenas de pés (ft). 15.2 Valores observados que envolvam valores de 0.2.3 Quando as informações sobre a visibilidade vertical não estiverem disponíveis.11.4 Valores inferiores a 0ºC devem ser imediatamente precedidos pela letra M. deverá ser informado o grupo VVhshshs.

12 GRUPO QPHPHPHPH 15. o estado da pista.REw’w’ As informações sobre fenômenos de tempo recente. 15. quando for o caso.48/250 MCA 105-10 / 2012 15. temperatura da superfície do mar.12. e) trovoada.2 FENÔMENO DE TEMPO RECENTE . 15. mas não na hora da observação: a) precipitação congelante. devem ser codificadas utilizando-se o grupo composto pelas letras indicadoras RE seguidas. f) nuvem(ns) funil (tornado ou tromba d’água). informações disponíveis de cortante do vento nos níveis inferiores. com os seguintes descritores: FZ.1 O valor de QNH medido deve ser arredondado para o hectopascal inteiro imediatamente inferior e informado em PHPHPHPH precedido. pelas abreviaturas apropriadas. QNH 995.13.13. até o máximo de 3 grupos.000 hPa deve ser precedido por 0 (zero).6 deve ser informado Q0995. Por exemplo. .1 Para divulgação internacional. se necessário. se os seguintes fenômenos de tempo forem observados durante o período transcorrido desde o último informe regular (inclusive) ou durante a última hora. 15. por Acordo Regional de Navegação Aérea.8 (sem a indicação da intensidade do fenômeno de tempo recente) e a Tabela 4678. A abreviatura REUP pode ser combinada. sem espaço. que é a unidade de medida prescrita pela OACI para pressão. conforme o item 15. 15. a abreviatura REUP deverá ser utilizada para informar precipitação recente. c) neve soprada. b) precipitação moderada ou forte (inclusive pancadas). a seção sobre informações suplementares deve ser utilizada somente para informações sobre fenômeno de tempo recente de significado operacional. pela letra indicadora Q.12.2 Valor inferior a 1. SH e TS. estado do mar e.13 INFORMAÇÕES SUPLEMENTARES GRUPOS REw’w’ WS RDRDR ou WS ALL RWY (WTsTs/SS’) (RDRDRERCReReRBRBR) 15. e g) cinzas vulcânicas.3O primeiro dígito após a letra indicadora Q igual a 0 ou 1 indica que o valor do QNH está em hectopascal (hPa).12. de ambos o período mais breve. sem espaço. NOTA: Quando for utilizado sistema automático de observação e o tipo de precipitação não puder ser detectado pelo referido sistema. d) tempestade de poeira ou tempestade de areia.

estes deverão ser informados.3.6 ESTADO DA PISTA (RDRDR/ERCReReRBRBR) 15.3 O grupo de estado da pista deve ser substituído pela abreviatura SNOCLO quando o aeródromo estiver fechado devido a grande quantidade de neve depositada. tempo presente. deve ser aplicado o item 15. respectivamente.2 O estado do mar deve ser informado de acordo com a Tabela 3700.3 CORTANTE DO VENTO WS RDRDR ou WS ALL RWY 15.6.13. 0519. o indicador de extensão de pista coberta CR.14 PREVISÃO DE TENDÊNCIA 15.3. significativa para as operações aéreas.2 Se a cortante do vento ao longo das trajetórias e entre os níveis citados no item anterior afetar todas as pistas do aeródromo. NOTA 2: O Brasil não adota o uso deste grupo.13. 15.13.3.MCA 105-10 / 2012 49/250 15. .13.13. devem ser incluídas. a profundidade do depósito eReR e o coeficiente de atrito/frenagem BRBR devem ser informados de acordo com as Tabelas 0919. deve ser utilizado o grupo WS ALL RWY. 1079 e 0366. NOTA: Quanto ao designador de pista DRDR.5 TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DO MAR E ESTADO DO MAR (WTsTs/SS’) 15.13. for esperada que aconteça em uma ou mais das variáveis observadas – vento.2 Quando uma mudança. repetido se necessário. 15. utilizando-se o grupo WS RDRDR.13. 15.6.1 Quando incluídas nos informes METAR ou SPECI. 15. 15. 15.1 A temperatura da superfície do mar deve ser informada conforme o item 15. detritos tiverem deixado de existir.2 O indicador de depósito na pista ER.14.5.14.11. nuvens ou visibilidade vertical – deverá ser utilizado um dos seguintes indicadores de mudança para TTTTT: BECMG ou TEMPO. 15. as previsões de tendência devem ser em forma codificada. devem ser informadas quando disponíveis e se as circunstâncias locais justificarem ou for reportada por alguma aeronave. fornecida por autoridade aeroportuária responsável.600 pés).7.13. segundo os critérios aplicáveis às mudanças significativas.6.1 Informações sobre a existência de cortante do vento ao longo das trajetórias de decolagem ou de aproximação entre o nível da pista e 500 metros (1.13.13.3. deve ser aplicado o item 15. NOTA: O Brasil não adota o uso deste grupo. Se numa única pista ou em todas as pistas de um aeródromo. visibilidade horizontal. substituindo-se os últimos seis dígitos do grupo por CLRD//. NOTA 1: Quanto ao designador de pista DRDR.1 Por Acordo Regional de Navegação Aérea. as informações sobre o estado da pista. 15.7.5.

quando relacionado com TL.5 Mudanças nas condições meteorológicas que alcançam ou ultrapassam os limites especificados como critérios para previsões de tendência deverão ser indicadas conforme o seguinte: a) quando a mudança for prevista começar e terminar.BECMG seguido somente por TL e seu grupo horário associado.14.3 O grupo GGgg precedido.BECMG seguido por AT e seu grupo horário associado.BECMG seguido por FM e TL. com seus grupos horários associados. Exemplo: BECMG FM1100 d) quando for possível especificar a hora determinada que a mudança ocorrerá dentro do período de previsão de tendência: . Exemplo: Período de previsão de tendência das 1000 às 1200 UTC BECMG FM1030 TL1130 b) quando a mudança for prevista começar a partir do início do período de previsão de tendência e terminar antes do final do referido período: .BECMG seguido somente por FM e seu grupo horário associado. indicando o começo da mudança. . Exemplo: BECMG TL1100 c) quando a mudança for prevista para começar durante o período de previsão de tendência e terminar no final desse período: .por 2400. e Exemplo: BECMG AT1100 e) quando as mudanças forem previstas acontecerem à meia noite (UTC). indicando o término da mudança. 15. 15. quando relacionado com FM ou AT.14. ou a hora (AT) em que a(s) condição(ões) prevista(s) específica(s) é(são) esperada(s). por um dos indicadores TT = FM (a partir de). integralmente.4 O indicador BECMG deverá ser utilizado para descrever mudanças esperadas das condições meteorológicas que alcançam ou ultrapassam os limites especificados como critérios num regime regular ou irregular. e . respectivamente. conforme o caso. TL (até) ou AT (hora precisa). dentro do período de previsão de tendência: .50/250 MCA 105-10 / 2012 NOTA: Quando possível. o início (FM) ou o fim (TL) de uma mudança prevista. indicando a hora da mudança. sem espaço. 15. o horário deverá ser indicado: . valores correspondentes aos mínimos operacionais locais deverão ser selecionados para informar as mudanças.14.por 0000. deve ser utilizado para informar. indicando o começo e o término da mudança.

todos os grupos de nuvens.14. ou quando a mudança for prevista ocorrer dentro do período. que alcançam ou ultrapassam os limites especificados como critérios para previsões de tendência. incluindo a(s) camada(s) significativa(s) que não se prevê mudanças.MCA 105-10 / 2012 51/250 15. deverão ser indicados conforme o seguinte: a) quando o período de flutuações temporárias for previsto começar e terminar. em seu conjunto. deverão ser informados.11 Para inclusão de dados de vento.14. com seus grupos horários associados. no caso de mudanças significativas da nebulosidade. deverá ser informada somente pelo indicador BECMG (FM e TL ou AT e seus grupos horários associados deverão ser omitidos). mas existir incerteza quanto à hora da mudança (esta poderia acontecer pouco tempo após o início do período ou perto do meio ou no final do período).5. Exemplo: Período de previsão de tendência das 1000 às 1200 UTC TEMPO FL1030 TL1130 b) quando o período de flutuações temporárias for previsto começar a partir do início do período de previsão de tendência e terminar antes do final do referido período: .7 O indicador TEMPO deverá ser utilizado para descrever flutuações temporárias previstas das condições meteorológicas que alcancem ou ultrapassem os limites especificados e tenham uma duração inferior a uma hora em cada caso e. e Exemplo: TEMPO TL1130 c) quando o período de flutuações temporárias for previsto começar durante o período de previsão de tendência e terminar no final desse período: . deverá ser aplicado o disposto no item 15. somente deverá(ão) ser incluído(s) o(s) grupo(s) referente(s) à(s) variável(is) prevista(s) mudar(em) significativamente.9 Quando o período de flutuações temporárias for previsto começar desde o início do período e terminar quando finalizar este período.14. indicando o término das flutuações.6 Quando a mudança for prevista começar no início do período de previsão de tendência e estar concluída até o final deste período. 15. as flutuações temporárias deverão ser indicadas somente pelo indicador TEMPO (FM ou TL e seus grupos horários associados deverão ser omitidos). 15. 15.14.8 Períodos de flutuações temporárias das condições meteorológicas. indicando o começo das flutuações. respectivamente.14.6. integralmente.TEMPO seguido somente por FM e seu grupo horário associado.TEMPO seguido somente por TL e seu grupo horário associado. . 15. dentro do período de previsão de tendência: .10 Após os grupos TTTTT TTGGgg.14.TEMPO seguido por FM e TL. Exemplo: TEMPO FM1030 15. abranja menos da metade do período de previsão durante o qual se espera que ocorram as flutuações. No entanto. indicando o início e o término das flutuações.

trovoadas (com precipitação)..14 Quando nuvens de significado operacional não forem previstas e o uso da abreviatura CAVOK não for apropriado deverá ser utilizada a abreviatura NSC (Nil Significant Cloud).cristais de gelo. ... sopradas pelo vento.14.nevoeiro congelante. . . de forma que a mudança de tal grandeza devesse ser informada.14.14.trovoadas (sem precipitação).15 Quando nenhuma das variáveis mencionadas no item 15..) A abreviatura RMK indica o início de um grupo incluído por decisão nacional. e .poeira.tempestade de poeira.52/250 MCA 105-10 / 2012 15...12 for esperado mudar significativamente.precipitação moderada ou forte (inclusive pancadas). areia ou neve. ..nuvem(ns) funil (tornado ou tromba d’água). 15..outros fenômenos meteorológicos da Tabela 4678.. . .. e b) começo ou término dos seguintes fenômenos meteorológicos: .. . utilizando-se as abreviaturas apropriadas de acordo com o item 15.. término ou mudança de intensidade dos seguintes fenômenos meteorológicos: .12 A inclusão do tempo significativo previsto w’w’. e . 15.tempestade de areia.8. areia ou neve.15 GRUPO (RMK.. deve ser utilizada a abreviatura NSW (Nil Significant Weather) em lugar do grupo w'w'.precipitação congelante. .14. que indicará condições meteorológicas que não ultrapassam nem alcançam os limites especificados como critério.poeira. .. conforme acordo entre os Serviços de Meteorologia Aeronáutica e de Tráfego Aéreo.14. 15. 15.. . deve ser somente para informar: a) começo.13 Para informar o término de fenômeno de tempo significativo w’w’. baixa flutuante.tempestades. deverá ser utilizada a abreviatura NOSIG.

......... NOTA 2: O código BUOY é identificado pelas letras simbólicas MiMiMjMj = ZZYY.MCA 105-10 / 2012 53/250 FM 18–XII BUOY Informe de bóia de observação FORMA SIMBÓLICA SEÇÃO 0 MiMiMjMj A1bwnbnbnb LoLoLoLoLoLo YYMMJ (6QIQtQA/) 2snTdTdTd SEÇÃO 1 (111QdQx 0ddff 1snTTT ou 29UUU 4PPPP SEÇÃO 2 SEÇÃO 3 (222QdQx (333Qd1Qd2 0snTwTwTw (8887k2 5appp) 1PwaPwaHwaHwa 2z0z0z0z0 ........ 3TnTnTnTn d 0d 0c 0c 0c 0 ........ 4SnSnSnSn) 3P0P0P0P0 GGggiw QcLaLaLaLaLa NOTA 1: BUOY é o nome do código para informe de bóia de observação... 2znznznzn 20PwaPwaPwa 3T0T0T0T0 ..... dndncncncn)) (QcLaLaLaLaLa SEÇÃO 4 (444 (1QPQ2QTWQ4) (2QNQLQAQz) ou (YYMMJ GGgg/) (3ZhZhZhZh 4ZcZcZcZc) (5BtBtXtXt) (6AhAhAhAN) (7VBVBdBdB) (8ViViViVi) (9/ZdZdZd)) SEÇÃO 5 (555 Grupos para serem desenvolvidos nacionalmente) LoLoLoLoLoLo) 21HwaHwaHwa) 4S0S0S0S0 ... NOTA 3: O grupo 9/ZdZdZd deve ser utilizado para o caso de bóias implantadas com âncoras flutuantes e somente neste caso... 2znznznzn (66k69k3 2z0z0z0z0 ................ NOTA 4: O código é composto das seguintes seções: .

18. deve ser adicionado 500 ao número (nbnbnb) original.3 Deve ser registrado junto à OMM os números sequenciais atribuídos às estações individuais implantadas e respectivas posições geográficas pelos seus responsáveis. exceto o grupo 6QlQtQA/.3. QI e QA se aplicam à posição 18. No caso de bóia à deriva. . os grupos devem ser codificados como QcLaLaLa// LoLoLoLo//.2.2.2 Cada informe BUOY individual deve conter o grupo de identificação MiMiMjMj.1 GENERALIDADES O nome do código BUOY não deve ser incluído no informe. 18.2. A1bw corresponde à zona marítima em que a bóia foi implantada.3.3 GRUPO A1bwnbnbnb 18. Quando a posição for em décimos de grau.2.3 SEÇÃO 1 18.3.5 GRUPO (6QIQtQA/) e Qt à hora.1 Apenas os números sequenciais de bóia (nbnbnb) de 001 a 499 devem ser atribuídos.4 GRUPO QcLaLaLaLaLa LoLoLoLoLoLo A posição deve ser informada em décimos. incluindo dados de controle de qualidade Dados para uso nacional 18.2 SEÇÃO 0 18. 18.2 Normalmente.1 Todos os grupos da Seção 0 são obrigatórios.2. quando os dados estiverem disponíveis. os grupos devem ser codificados como QcLaLaLaLa/ LoLoLoLoLo/. Quando a posição for em centésimos de grau. 18. centésimos ou milésimos de grau.1 Cada um dos grupos na Seção 1 deve ser incluído para todos os parâmetros que forem medidos.54/250 MCA 105-10 / 2012 Seção 0 1 2 3 4 5 Números simbólicos 111 222 333 444 555 Conteúdo Identificação.3. dependendo da capacidade do sistema de posicionamento.3. salinidade e correntes em profundidades selecionadas Informações sobre engenharia e parâmetros técnicos. e devem ser incluídos em cada informe. mesmo se nenhum outro dado for relatado.2 Quando os dados estiverem ausentes para todos os grupos.2. 18. 18. 18. hora e dados de posição Dados meteorológicos e outros não marinhos Dados da superfície marinha Temperaturas. a seção deverá ser omitida do informe.2.2. QIQtQA são indicadores de controle de qualidade. 18.

18. 18.6 SEÇÃO 4 18.3.1 Qd é um indicador de controle de qualidade para a seção. identificada pelo grupo 8887k2. os dados deverão ser codificados utilizando-se a forma geral 3TnTnTn/. 18.3 GRUPO 222QdQx) Aplica-se o disposto no item 18. deve ser utilizada para informes atuais em profundidades selecionadas.3.4 SEÇÃO 2 18.4.3 Se mais de um grupo de dados tiver o valor de controle de qualidade maior que 1. A primeira parte. Uma ou ambas as partes deve(m) ser transmitida(s).1 Cada um dos grupos na Seção 2 deve ser incluído para todos os parâmetros que forem medidos. 18.2 As temperaturas devem ser informadas em centésimos de grau Celsius. a seção deverá ser omitida do informe. Qd deverá ser codificado com esse valor e Qx indicará a posição deste grupo dentro da seção.5. Qd deverá ser codificado com esse valor e Qx deverá ser codificado como 9.MCA 105-10 / 2012 55/250 18.5. Quando a precisão for limitada a décimos de grau.3.1 Grupos adicionais a esta seção devem ser incluídos se os dados estiverem disponíveis ou forem requridos. quando os dados estiverem disponíveis.3. 18. 18.3 GRUPO 333Qd1Qd2 Qd1Qd2 são dois indicadores de controle de qualidade. Se todos os grupos de dados tiverem o mesmo valor de controle de qualidade.3. 18.3. 18. Qd deverá informar o maior valor e Qx deverá ser codificado como 9.5 SEÇÃO 3 18. Qd1 é utilizado para indicar a qualidade do perfil da temperatura e da salinidade e Qd2 é utilizado para indicar a qualidade do perfil da velocidade atual e de direção.2 Se apenas um grupo de dados na seção tiver o valor de controle de qualidade diferente de 1.2 Quando os dados estiverem ausentes para todos os grupos. identificada pelo grupo 66k69k3.3.3.1 A Seção 3 é composta de duas partes.6. . 18.3 GRUPO 111QdQx 18. deve ser utilizada para informar temperaturas e/ou salinidade em profundidades selecionadas.3.4.4. dependendo da disponibilidade dos dados de temperatura e/ou salinidade para a primeira parte e os dados atuais para a segunda parte.5. A segunda parte.

6. .6. 18.6. conforme o seguinte: a) b) c) grupo 2QNQLQAQZ ausente: os grupos acima não devem ser codificados. QL = 1: somente os grupos YYMMJ GGgg/ devem ser codificados. QL e QA são indicadores da qualidade do local. Deve ser utilizada a mesma codificação da Seção 0. uma operação geral satisfatória.10 GRUPO (5BtBtXtXt) Este grupo deve ser omitido se as informações do tipo de bóia e de âncora flutuante não estiverem disponíveis. a pressão nos grupos (QcLaLaLaLaLa LoLoLoLoLoLo) e (YYMMJ GGgg/) é orientada pelo de QL. seguidos do grupo 7VBVBdBdB.6. Se este grupo estiver presente.6.6. e QL = 2: somente os grupos QcLaLaLaLaLa LoLoLoLoLoLo devem ser codificados. 18. é obrigatória a inclusão do grupo (4ZcZcZcZc). QZ indica se as profundidades sondadas ou não. Deve ser utilizada a mesma codificação da Seção 0.4 Na Seção 4. QTW e Q4 = 0.7 GRUPOS (YYMMJ GGgg/) Estes grupos fornecem a hora exata da última posição conhecida e devem ser informados somente quando QL = 1. informadas na Seção 3.6 GRUPO (LoLoLoLoLoLo) Este grupo deve ser informado somente quando QL = 2.6. 18.56/250 MCA 105-10 / 2012 18. são corrigidas utilizando-se a pressão hidrostática. 18. Sua ausência indicará. 18.8 GRUPO (3ZhZhZhZh) Pressão hidrostática da extremidade inferior do cabo.9 GRUPO (4ZcZcZcZc) Comprimento do cabo em metros. 18. o grupo correspondente não deverá ser informado.5 GRUPO (QcLaLaLaLaLa) Este grupo deve ser informado somente quando QL = 2.3 GRUPO (2QNQLQAQZ) QN corresponde à qualidade da transmissão via satélite. 18.2 GRUPO (1QPQ2QTWQ4) Quando QP.6.6. Q2. 18. portanto. A pressão deve ser expressa em unidades de kPa (quilopascal).

6.11 GRUPO (6AhAhAhAN) 18. 18.3 O valor de 999 deve ser utilizado para informar que a altura do anemômetro é artificialmente corrigida para 10 metros por aplicação de fórmula.13. 18. 18.13.1 Este grupo deve ser omitido se a bóia não estiver informando o vento ou se as informações não estiverem disponíveis tanto para a altura como para o tipo do anemômetro. que deve ser expressa em decímetros. 18. Para bóias ancoradas.2 O equivalente físico para o valor de ViViViVi deve ser diferente para cada bóia.6.1 O número de grupos (8ViViViVi) não pode exceder a três. o nível da estação é considerado como sendo o nível do mar.6. Para valores desconhecidos. 18. deve ser codificado como ///.11.11. .2 AhAhAh é a altura do anemômetro acima do nível da estação.11.6.6.MCA 105-10 / 2012 57/250 18.13 GRUPO (8ViViViVi) 18.6.6.6.12 GRUPO (7VBVBdBdB) Este grupo deve ser informado somente quando QL = 1.

procedente de estação marítima FM 34-XI Ext. procedente de estação terrestre móvel FORMA SIMBÓLICA PARTE A SEÇÃO 1 MiMiMjMj D. SEÇÃO 2 44nP1P1 ou 55nP1P1 77PmPmPm ou 66PmPmPm ou 7HmHmHmHm ou 6HmHmHmHm ou 77999 SEÇÃO 3 dmdmfmfmfm (4vbvbvava) dmdmfmfmfm (4vbvbvava) PARTE B SEÇÃO 1 MiMiMjMj D. PILOT FM 33-XI Ext. MMMULaULo** ddfff ….. PILOT MOBIL Informe de vento em altitude. ddfff h0h0h0h0im*** ddfff …....... h0h0h0h0im*** etc. ddfff SEÇÃO 4 9 ou 8 …. PILOT SHIP Informe de vento em altitude.D** IIiii * ou 99LaLaLa ddfff YYGGa4 QcLoLoLoLo ddfff MMMULaULo** …...D** IIiii * ou 99LaLaLa tnu1u2u3 YYGGa4 QcLoLoLoLo ddfff …... procedente de estação terrestre fixa Informe de vento em altitude.....58/250 MCA 105-10 / 2012 FM 32-XI Ext.. dndnfnfnfn ... nnnnPnPnPn d 0d 0f 0f 0f 0 d 1d 1f 1f 1f 1 .. 9 ou 8 ou 21212 tnu1u2u3 ddfff n0n0P0P0P0 n1n1P1P1P1 .

. porém procedentes de estação marítima e estação terrestre móvel... nnnnPnPnPn d 1d 1f 1f 1f 1 . Os códigos PILOT SHIP e PILOT MOBIL são utilizados para a mesma classe de informe. respectivamente... dndnfnfnfn * Utilizado apenas no código PILOT ** Utilizado apenas nos códigos PILOT SHIP e PILOT MOBIL *** Utilizado apenas no PILOT MOBIL NOTA 1: O código PILOT é utilizado para informe de vento em altitude.D** IIiii * ou 99LaLaLa tnu1u2u3 YYGGa4 QcLoLoLoLo ddfff MMMULaULo** ddfff h0h0h0h0im*** ddfff SEÇÃO 4 9 (ou 1) ou 8 ….MCA 105-10 / 2012 59/250 PARTE C SEÇÃO 1 MiMiMjMj D.... procedente de estação terrestre fixa. h0h0h0h0im*** etc. ddfff n1n1P1P1P1 .D** IIiii * ou 99LaLaLa ddfff YYGGa4 QcLoLoLoLo ddfff MMMULaULo** …... . tnu1u2u3 ddfff ….. 9 (ou 1) ou 8 ou 21212 …. ddfff …. SEÇÃO 2 44nP1P1 ou 55nP1P1 77PmPmPm ou 66PmPmPm ou 7HmHmHmHm ou 6HmHmHmHm ou 77999 SEÇÃO 3 dmdmfmfmfm (4vbvbvava) dmdmfmfmfm (4vbvbvava) PARTE D SEÇÃO 1 MiMiMjMj D.........

. deve ser aplicado o disposto no item 32. as seguintes seções: SEÇÃO 5 51515 52525 .... 66 ou 77 8.. ainda podem ser acrescentadas. com altitudes indicadas em unidades geopotenciais ou unidades de pressão Grupos para serem desenvolvidos regionalmente 4 5 6 Grupos para serem desenvolvidos nacionalmente NOTA 6: Em caso de inoperância e/ou impossibilidade de realização da sondagem em Estações do SISCEAB... NOTA 3: O código é constituído de 4 partes. além das seções previstas.. 59595 61616 62626 . 7. .. o PILOT SHIP por MiMi = QQ e o PILOT MOBIL por MiMi = EE.. 69696 Grupos para serem desenvolvidos regionalmente SEÇÃO 6 Grupos para serem desenvolvidos nacionalmente NOTA 5: O código é composto das seguintes seções: Seção 1 2 3 Números simbólicos 44 ou 55 6... 59595 61616 62626 .5. 69696 Conteúdo Dados de identificação e posição Dados para as superfícies isobáricas padrões Dados relativos ao(s) nível(is) de vento máximo.. com altitudes indicadas em unidades de pressão ou dezenas de metros geopotenciais e dados para a cortante do vento Dados relativos a níveis fixos regionais e/ou níveis significativos... como segue: PARTE A B C D MjMj AA BB CC DD Superfícies isobáricas da superfície até 100 hPa acima de 100 hpa NOTA 4: Em cada Parte. 9 (ou 1) ou 21212 51515 52525 . que podem ser informadas separadamente. conforme forem desenvolvidas.60/250 MCA 105-10 / 2012 NOTA 2: O código PILOT é identificado pelas letras simbólicas MiMi = PP..

500. como correção do informe. não devem ser descumpridas. usando-se geopotenciais aproximados para as superfícies isobáricas padrões.2. 150 e 100 hPa. Neste caso. a estação terrestre móvel deverá incluir o grupo h0h0h0h0im para indicar a altitude da estação (incluindo as unidades de altitude) e a precisão da elevação.2 SEÇÃO 2 – SUPERFÍCIES ISOBÁRICAS PADRÕES 32. sempre que disponíveis. 32.4 As instruções relativas às Partes A e B. 32.2. 32.2. O indicador 55 deve ser utilizado para o informe de dados de ventos de altitudes aproximadas às superfícies isobáricas padrões. e por meio dos grupos 99LaLaLa QcLoLoLoLo MMMULaULo. o indicador 55 deverá ser utilizado para substituir o indicador 44.4 O indicador 44 deve ser utilizado quando as superfícies isobáricas são localizadas por meio de equipamentos de pressão.1 Os nomes dos códigos PILOT.2.1.2 Quando não se tenham efetuado medidas de pressão.1 A Seção 2 deve conter dados. conforme o caso. PILOT SHIP e PILOT MOBIL não devem ser incluídos nos informes.2 PARTES A E C 32. . na Parte A. não mais que 3 grupos de vento devem seguir o grupo 44nP1P1 ou 55nP1P1. para estações terrestres fixas. 32. e às Partes C e D. referentes aos dados acima de 100 hPa. referentes aos dados disponíveis até 100 hPa.1.3 As Partes C e D devem conter dados.2. 250. Estes deverão ser repetidos tantas vezes quantas forem necessárias. Quando o elemento de pressão falhar durante a ascensão.2.2 As Partes A e B devem conter dados. 400. relativos às superfícies isobáricas padrões de 850.1 SEÇÃO 1 – IDENTIFICAÇÃO E POSIÇÃO A identificação de uma estação marítima ou de uma estação terrestre móvel deve ser indicada pelo grupo D. utilizando-se um grupo de dados ou grupo de barras ( ///// )..2.D.2.5 No informe. A estação de observação terá sua posição indicada por meio do grupo IIiii. sempre que disponíveis.2. 32. na Parte C.1 GENERALIDADES 32. 50. os dados não incluídos deverão ser informados separadamente. e as superfícies isobáricas padrões de 70.3 Todas as superfícies isobáricas padrões alcançadas durante a sondagem devem ser informadas na Seção 2. 32.. Adicionalmente. Por exemplo: se os dados abaixo ou até 100 hPa não forem incluídos nas Partes A ou B. somente para os níveis até 100 hPa. os dados de vento deverão ser informados. para que se continue reportando as superfícies isobáricas padrões. somente para os níveis acima de 100 hPa.2. 32. 32.MCA 105-10 / 2012 61/250 32. 200. em ordem crescente de altitude.2. 32.. para as estações marítimas ou estações terrestres móveis.2.1. não deverão ser incluídos nas Partes C ou D. 30 20 e 10 hPa. 300. 700.1.

iniciando-se pelo nível mais baixo.1 Quando ocorrer um vento máximo e seu nível for determinado por meio de pressão. obtido pelos métodos recomendados e não considerando a curva original da velocidade do vento.4. 77PmPmPm. 10 m/s.2. 32.2. 66PmPmPm. isto é.5 Quando nenhum vento máximo for observado ou não informado.4 Indicadores Numéricos 32.2. um nível de vento máximo: a) deve ser determinado considerando-se a lista de níveis significativos para velocidade do vento.62/250 MCA 105-10 / 2012 32. 6HmHmHmHm. e d) o nível mais alto atingido pela sondagem também deve ser informado. 32.3.2.2.3 SEÇÃO 3 – NÍVEL(IS) DE VENTO MÁXIMO E CORTANTE VERTICAL DO VENTO 32.3. e a velocidade do vento nesse nível seja a maior de toda a sondagem.3.2 Quando ocorrer um vento máximo e sua altitude for expressa em dezenas de metros geopotenciais.2. o grupo 77999 deverá ser informado na Seção 3. 32.4. o indicador 77 deverá ser utilizado no 1º grupo da Seção 3.2. os dados relativos para cada nível deverão ser informados repetindo-se a Seção 3. 32.2. isto é. o indicador 7 deverá ser utilizado no 1º grupo da Seção 3.3. isto é.3.3. NOTA: Nível de vento máximo é definido como o nível onde a velocidade do vento é maior que a observada imediatamente abaixo ou acima desse nível.3.4. 32.2. esses níveis deverão ser informados do seguinte modo: a) o nível de maior vento máximo deve ser informado primeiramente. desde que: sejam satisfeitos os critérios estabelecidos no item 32.3 Quando for observado mais de um nível de vento máximo. o indicador 6 deverá ser utilizado no 1º grupo da Seção 3.4. isto é.2. pelo menos.3 Quando o vento de maior velocidade ocorrer no topo da sondagem e seu nível for determinado por meio de pressão. c) os níveis de vento máximo com velocidades iguais devem ser codificados sucessivamente.2 Quando ocorrer mais de um nível de vento máximo.1. e b) deve estar localizado acima da superfície isobárica de 500 hPa e corresponder a uma velocidade superior a 30 m/s. . 32. 32. b) os outros níveis devem ser classificados em ordem decrescente de velocidade e informados somente se suas velocidades excederem a velocidade mínima de dois níveis adjacentes em.4 Quando o vento de maior velocidade ocorrer no topo da sondagem e sua altitude for expressa em dezenas de metros geopotenciais. o indicador 66 deverá ser utilizado no 1º grupo da Seção 3. 7HmHmHmHm.2.3.3.1 Para fins de codificação.3.4.

os desvios da linearidade de valores. devem ser observados o seguinte: a) as curvas de direção e velocidade (em função do logaritmo da pressão ou altitude) podem ser reproduzidas com características mais proeminentes.1. é conveniente considerar que os valores derivados de um informe PILOT apresentam duas ordens de valores diferentes. fica implícito que será informado com uma resolução de ± 10 para a direção e ± 5 m/s para a velocidade.1. e qualquer vento. 32.MCA 105-10 / 2012 63/250 32.3 PARTE B E D 32. nos níveis significativos. nenhum outro nível significativo necessita ser informado. Em cada camada. são informados com resolução de 5º para a direção e 1 m/s para a velocidade. separadamente. que se ajustem melhor às práticas nacionais: a) o nível de superfície e o nível mais alto atingido constituem. dividem a sondagem em duas camadas. modificam a distribuição da camada e o método é aplicado novamente.1 Níveis Significativos 32.2. respectivamente. Para isto.1. Se não há desvios na direção de mais de 10º e na velocidade de mais de 5 m/s. no que concerne à sua exatidão: os ventos. por sua vez. 32.2 Para atender ao critério anterior.3. devem ser também considerados.3. 10º para a direção e 5 m/s. Quando um parâmetro se desvia dos limites de desvio acima.1 Os níveis significativos. O desvio da linearidade de valores interpolados entre os dois níveis é considerado. devem ser informados para possibilitar a reconstrução do perfil do vento com precisão suficiente para seu uso prático. b) as curvas podem ser reproduzidas com precisão de. Para fins de análise. e c) o número de níveis significativos informados seja o mínimo estritamente necessário.3.1.3. Os processos utilizados na alínea “a” acima devem ser utilizados em outros níveis significativos. .1 SEÇÃO 4 – NÍVEIS FIXOS REGIONAIS E/OU NÍVEIS SIGNIFICATIVOS 32. podendo-se usar outros de resultados equivalentes. em geral. até que algum nível esteja aproximado dos valores especificados acima.1. o nível de maior desvio torna-se um nível significativo suplementar para ambos os parâmetros.5 Grupo (4vbvbvava) Este grupo deve ser incluído somente se os dados relativos à cortante vertical do vento forem computados e seja requerida sua inclusão no informe. o primeiro e o último nível significativo. para a velocidade. no mínimo. assim introduzidos. e b) os níveis significativos suplementares. obtido por interpolação em um nível situado entre dois níveis significativos. recomenda-se o método de aproximações sucessivas. Estes níveis suplementares.3. interpolados entre a base e o topo.

o indicador 1 deverá ser utilizado para especificar que o valor de 30. 4.3. com aproximação.1.3.100.1 Os níveis fixos indicados na Seção 4 devem ser determinados por decisão regional.000 e 8. cada altitude deve ser informada em unidades geopotenciais. inclusive. Os dados devem ser incluídos como válidos. em qualquer caso. 32.3. da superfície até 29. 32. u1 deve ser codificado como / e os valores apropriados devem ser informados em tn. no mínimo. as altitudes que constituírem uma melhor referência de aproximação das superfícies isobáricas padrões devem ser determinadas.2 Quando as altitudes dos níveis fixos regionais e/ou níveis significativos for informada em incrementos de 500 metros.64/250 MCA 105-10 / 2012 32.3.3. em unidades geopotenciais ou unidades de pressão.3 Para indicar que o primeiro grupo de vento refere-se ao nível da Estação.1. para a inclusão dos dados de vento dos níveis significativos. 32. 600.3 PARTE C Em relação à Seção 2. 32.1. u2 e u3.1 Quando as altitudes dos níveis fixos regionais e/ou níveis significativos for informada em incrementos de 300 metros. os grupos de dados relativos aos níveis fixos e aos níveis significativos das sondagens devem aparecer em ordem de altitudes crescentes.2. 2. Acima deste nível.1.4. para as superfícies isobáricas padrões: .3. 32.3 SEÇÃO 6 – GRUPOS NACIONAIS A inclusão dos grupos da Seção 6 será determinada por decisão nacional.3.3.2 Na Seção 4.3. 32.3.3.1 PARTE A Em relação à Seção 2. 2.4. 32.2 Níveis Fixos 32.4 Altitudes As altitudes dos níveis fixos regionais e níveis significativos deverão ser informadas.1.1.3.2 PARTE B Em relação à Seção 4.3. 6.3 Indicadores Numéricos 32.700 metros. 32.4 PROCEDIMENTO REGIONAL .4. as seguintes altitudes devem ser utilizadas. 32. 300. para as seguintes altitudes: superfície. o indicador 8 deverá ser utilizado na Seção 4.200.1.2 SEÇÃO 5 – GRUPOS REGIONAIS A inclusão dos grupos da Seção 5 será determinada por decisão regional.2. 32.400.000 metros foi acrescentado à altura indicada por tnu1u2u3.1.REGIÃO III (AMÉRICA DO SUL) 32.100 m. deverá ser utilizado o indicador 9 na Seção 4. Somente uma das unidades deve ser utilizada na codificação do informe. 900.

MCA 105-10 / 2012

65/250

superfície isobárica padrão (hPa) 70 50 30 20 10

Altitude (m) 18.300 20.700 23.700 26.400 30.900

32.4.4 PARTE D Em relação à Seção 4, para inclusão de dados de vento nos níveis geopotenciais, devem ser incluídos como válidos todos os níveis em incrementos de 3.000 metros, iniciando-se em 33.000 metros, atentando-se que não coincidam com um dos níveis significativos informados. NOTA: As altitudes de 33.000 metros e acima devem ser codificadas usando as unidades de 500 metros, isto é, a altitude de 33.000 metros será codificada como 8661/ e as altitudes de 36.000 e 39.000 metros serão codificadas como 8728/, etc.

32.4.5 As Partes A, B, C e D dos códigos PILOT, PILOT SHIP e PILOT MOBIL devem ser incluídas nos informes para intercâmbio internacional. 32.5 PROCEDIMENTO PARA O SISCEAB 32.5.1 Nos casos de inoperância e/ou impossibilidade de realização da sondagem, deve ser informada a “forma reduzida” do código PILOT. 32.5.2 A “forma reduzida” do código PILOT deve ser informada conforme o exemplo abaixo: Exemplo: PPAA 80120 83899 44/// 77999 PPBB 80120 83899 90/// 33012 51515 10157 32.5.3 Com base na forma simbólica, decodifica-se o exemplo acima da seguinte forma: a) Parte A: - PPAA 80120 83899: identificação, dia e indicador de unidade de medida do vento, hora, indicador do tipo de equipamento utilizado e posição; - 44///: dados de vento para as superfícies isobáricas padrões; e - 77999: ausência de vento máximo; e b) Parte B: - PPBB 80120 83899: identificação, dia e indicador de unidade de medida do vento, hora, indicador do tipo de equipamento utilizado e posição; - 90///: dados de vento para a superfície e níveis fixos regionais; - 33012: direção e velocidade do vento à superfície; e - 51515 10157: indicador e grupo adicional (101AdfAdf) para informar as razões da ausência de informe ou informe incompleto. AdfAdf deve ser codificado conforme a Tabela 421.

66/250

MCA 105-10 / 2012

FM 35-XI Ext. FM 36-XI Ext. FM 37-XI Ext. FM 38-XI Ext.

TEMP TEMP SHIP TEMP DROP

Informe de pressão, temperatura, umidade e vento em altitude, procedente de estação terrestre Informe de pressão, temperatura, umidade e vento em altitude, procedente de estação marítima Informe de pressão, temperatura, umidade e vento em altitude, procedente de sonda lançada de balão ou de aeronave

TEMP MOBIL Informe de pressão temperatura, umidade e vento em altitude, procedente de estação terrestre móvel

FORMA SIMBÓLICA PARTE A
SEÇÃO 1 MiMiMjMj D....D** IIiii * ou 99LaLaLa T0T0Ta0D0D0 T1T1Ta1D1D1 ..... TnTnTanDnDn TtTtTatDtDt YYGGId

QcLoLoLoLo d 0d 0f 0f 0f 0 d 1d 1f 1f 1f 1 ..... dndnfnfnfn dtdtftftft

MMMULaULo***

h0h0h0h0im****

SEÇÃO 2

99P0P0P0 P1P1h1h1h1 ..... PnPnhnhnhn 88PtPtPt ou 88999 77PmPmPm ou 66PmPmPm ou 77999 31313

SEÇÃO 3

SEÇÃO 4

dmdmfmfmfm

(4vbvbvava)

SEÇÃO 7

srrarasasa

8GGgg

(9snTwTwTw)

PARTE B
SEÇÃO 1 MiMiMjMj D....D** IIiii * ou 99LaLaLa T0T0Ta0D0D0 T1T1Ta1D1D1 ..... TnTnTanDnDn n0n0P0P0P0 n1n1P1P1P1 ..... nnnnPnPnPn d 0d 0f 0f 0f 0 d 1d 1f 1f 1f 1 ..... dndnfnfnfn YYGG/

QcLoLoLoLo

MMMULaULo***

h0h0h0h0im****

SEÇÃO 5

n0n0P0P0P0 n1n1P1P1P1 ..... nnnnPnPnPn 21212

SEÇÃO 6

MCA 105-10 / 2012

67/250

SEÇÃO 7 SEÇÃO 8

31313 41414

srrarasasa NhCLhCMCH

8GGgg

(9snTwTwTw)

PARTE C
SEÇÃO 1 MiMiMjMj D....D** IIiii * ou 99LaLaLa T1T1Ta1D1D1 ..... TnTnTanDnDn TtTtTatDtDt YYGGId

QcLoLoLoLo d 1d 1f 1f 1f 1 ..... dndnfnfnfn dtdtftftft

MMMULaULo***

h0h0h0h0im****

SEÇÃO 2

P1P1h1h1h1 ..... PnPnhnhnhn 88PtPtPt ou 88999 77PmPmPm ou 66PmPmPm ou 77999 31313

SEÇÃO 3

SEÇÃO 4

dmdmfmfmfm

(4vbvbvava)

SEÇÃO 7

srrarasasa

8GGgg

(9snTwTwTw)

PARTE D
SEÇÃO 1 MiMiMjMj D....D** IIiii * ou 99LaLaLa T1T1Ta1D1D1 ..... TnTnTanDnDn n1n1P1P1P1 ..... nnnnPnPnPn srrarasasa d 1d 1f 1f 1f 1 ..... dndnfnfnfn 8GGgg (9snTwTwTw) YYGG/

QcLoLoLoLo

MMMULaULo***

h0h0h0h0im****

SEÇÃO 5

n1n1P1P1P1 ..... nnnnPnPnPn 21212

SEÇÃO 6

SEÇÃO 7 * ** *** ****

31313

Utilizado apenas no código TEMP Utilizado apenas nos códigos TEMP SHIP e TEMP MOBIL Utilizado apenas nos códigos TEMP SHIP, TEMP DROP e TEMP MOBIL Utilizado apenas no código TEMP MOBIL

NOTA 1: O código TEMP é utilizado para informe de pressão, temperatura, umidade e vento em altitude, procedente de estação terrestre fixa. Os códigos TEMP SHIP, TEMP DROP e TEMP MOBIL são utilizados para a mesma classe de informe, porém procedentes de estação marítima, de sonda lançada de balão ou de aeronave e estação terrestre móvel, respectivamente.

68/250

MCA 105-10 / 2012

NOTA 2: O código TEMP é identificado pelas letras simbólicas MiMi = TT; o TEMP SHIP por MiMi = UU; o TEMP DROP por MiMi = XX; e o TEMP MOBIL por MiMi = II. NOTA 3: O código é constituído de 4 partes, que podem ser informadas separadamente, como segue:
PARTE A B C D MjMj AA BB CC DD Superfícies isobáricas da superfície até 100 hPa acima de 100 hpa

NOTA 4: Em cada Parte, além das seções previstas, ainda podem ser acrescentadas, conforme forem desenvolvidas, as seguintes seções:
SEÇÃO 9 51515 52525 ..... 59595 61616 62626 ..... 69696

Grupos para serem desenvolvidos regionalmente

SEÇÃO 10

Grupos para serem desenvolvidos nacionalmente

NOTA 5: O código é composto das seguintes seções:
Seção 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Números simbólicos 88 66 ou 77 21212 31313 41414 51515 52525 ..... 59595 61616 62626 ..... 69696 Conteúdo Dados de identificação e posição Dados para as superfícies isobáricas padrões Dados para o(s) nível(is) da(s) tropopausa(s) Dados relativos ao(s) nível(is) de vento máximo e dados para a cortante vertical do vento Dados relativos aos níveis significativos, referentes à temperatura e/ou umidade relativa Dados relativos aos níveis significativos, referentes ao vento Dados da temperatura da superfície do mar e sistema de sondagem Dados de nuvens Grupos para serem desenvolvidos regionalmente

10

Grupos para serem desenvolvidos nacionalmente

NOTA 6: Em caso de inoperância e/ou impossibilidade de realização da sondagem em Estações do SISCEAB, deve ser aplicado o disposto no item 35.5.

MCA 105-10 / 2012

69/250

35.1 GENERALIDADES 35.1.1 Os nomes dos códigos TEMP, TEMP SHIP, TEMP DROP e TEMP MOBIL não devem ser incluídos nos informes. 35.1.2 As partes A e B devem conter dados, sempre que disponíveis, somente para os níveis até 100 hPa. 35.1.3 As partes C e D devem conter dados, sempre que disponíveis, somente para os níveis acima de 100 hPa. 35.1.4 As instruções relativas às Partes A e B, referentes aos dados disponíveis até 100 hPa, e às Partes C e D, referentes aos dados acima de 100 hPa, não devem ser descumpridas. Por exemplo: se os dados abaixo ou até 100 hPa não forem incluídos nas Partes A ou B, conforme o caso, não deverão ser incluídos nas Partes C ou D. Neste caso, os dados não incluídos deverão ser informados separadamente, como correção do informe. 35.1.5 Quando, durante uma sondagem, os dados de pressão não puderem mais ser obtidos e somente os dados de vento estiverem disponíveis, estes últimos não deverão ser incluídos nos informes TEMP, TEMP SHIP ou TEMP MOBIL. NOTA: Neste caso, os referidos dados de vento devem ser incluídos nos informes PILOT, PILOT SHIP ou PILOT MOBIL.

35.1.6 Somente os dados de vento obtidos em uma radiossondagem devem ser incluídos nos informes TEMP, TEMP SHIP ou TEMP MOBIL. Dados de vento obtidos por meios diferentes do radiossonda não devem ser incluídos nos referidos informes. 35.1.7 Somente os dados de vento obtidos em uma sondagem descendente devem ser incluídos no informe TEMP DROP. Dados de vento obtidos por meios diferentes daquele tipo de sondagem não devem ser incluídos no referido informe. 35.2 PARTES A E C 35.2.1 SEÇÃO 1 – IDENTIFICAÇÃO E POSIÇÃO A identificação de uma estação marítima ou de uma estação terrestre móvel deve ser indicada pelo grupo D....D. A estação de observação terá sua posição indicada por meio do grupo IIiii, para estações terrestres fixas, e por meio dos grupos 99LaLaLa QcLoLoLoLo MMMULaULo, para as estações marítimas, aeronaves ou balões dirigíveis e estações terrestres móveis. Adicionalmente, a estação terrestre móvel deverá incluir o grupo h0h0h0h0im para indicar a altitude da estação (incluindo as unidades de altitude) e a precisão da elevação. 35.2.2 SEÇÃO 2 – SUPERFÍCIES ISOBÁRICAS PADRÕES 35.2.2.1 A Seção 2 deve conter dados, em ordem crescente de altitude, relativos ao nível da superfície e as superfícies isobáricas padrões de 1.000, 925, 850, 700, 500, 400, 300, 250, 200, 150 e 100 hPa, na Parte A, e as superfícies isobáricas padrões de 70, 50, 30, 20 e 10 hPa, na Parte C.

70/250 MCA 105-10 / 2012 35.2. cada uma delas deverá ser informada repetindo-se a Seção 3.2. e a diferença de pressão acima for inferior a 25 hPa.2. o grupo de vento deverá ser omitido para todos estes níveis e o id deverá ser codificado de acordo. . e - b) para cálculo do geopotencial. 35. como indica o código. a extrapolação deve ser realizada utilizando-se somente dois pontos da curva da sondagem no diagrama SKEW T LOG P: o primeiro ponto é a pressão no último nível da sondagem.2.3.2 Quando o geopotencial de uma superfície isobárica padrão estiver abaixo da altitude da estação.2.2 Quando não forem observados dados da tropopausa. e b) quando os dados do vento não estiverem disponíveis para uma superfície isobárica padrão e também para todas as superfícies isobáricas padrões subsequentes até o término da sondagem. o grupo de temperatura e umidade do ar para aquela superfície deverá ser incluído no informe. a diferença entre a pressão no último nível da sondagem e a superfície isobárica padrão a ser extrapolada. e somente para este fim. 35. NOTA: Para este item. deverão ser seguidos os procedimentos abaixo: a) quando os dados do vento não estiverem disponíveis para uma ou mais superfícies isobáricas padrões.3.3. ou seja.2. representado por /////.4 Sempre que for necessário extrapolar uma sondagem para calcular o geopotencial de uma superfície isobárica padrão. 35.3 SEÇÃO 3 – NÍVEL(IS) DA(S) TROPOPAUSA(S) 35.2.1 Quando mais de uma tropopausa for observada. Os grupos de vento para estes níveis deverão ser incluídos conforme o valor especificado por Id. Se os dados de vento não estiverem disponíveis para todos os níveis.4.2. mas que são conhecidos para outras superfícies isobáricas padrões acima e abaixo do nível dos dados omissos. 35. o grupo de vento deverá ser incluído para cada nível. as seguintes regras devem ser aplicadas: a) a extrapolação somente é admissível se: a diferença entre a pressão no último nível da sondagem e a superfície isobárica considerada não exceder da quarta parte da pressão de referência daquela superfície.1 Quando mais que um nível de vento máximo for observado. devem ser aplicados os critérios contidos no item 32.2.2.3 Quando os dados do vento estiverem disponíveis para todos os níveis.4 SEÇÃO 4 – NÍVEL(IS) DE VENTO MÁXIMO E CORTANTE VERTICAL DO VENTO 35. cada um deles deverá ser informado repetindo-se a Seção 4. o grupo 88999 deverá ser informado para a Seção 3. e o outro é a pressão resultante da soma desta pressão e a diferença da pressão mencionada na alínea “a”.2.2. o(s) grupo(s) de vento (dndnfnfnfn) deverão ser codificados como /////. 35.

1.2 e 35.3.3.1.1 Se.3.1 SEÇÃO 5 . b) um nível entre 110 e 100 hPa. NOTA: Entende-se “topo da sondagem do vento” como o nível mais elevado que se dispõe de dados de vento.4.5ºC ou variação na umidade relativa de. e que a base da camada ocorra abaixo do nível de 300 hPa ou da primeira tropopausa.2. os critérios forem satisfeitos para quaisquer das variáveis.3 O indicador 77 deve ser utilizado quando os níveis referentes a dados de um ou vários níveis de vento máximo não coincidirem com o “topo da sondagem do vento”.1. 35. no mínimo. na determinação de níveis significativos referentes à temperatura e/ou umidade relativa. deverão ser informados naquele nível.MCA 105-10 / 2012 71/250 35. 20 hPa de espessura.2 O nível mais alto para a qual a temperatura do ponto de orvalho é informada deve ser um dos níveis selecionados de acordo com os itens 35. em um determinada altitude. o que for mais elevado. devem possibilitar a reconstrução dos perfis de temperatura do ar e umidade relativa dentro dos limites do critério especificado.4. o grupo 77999 deverá ser informado para a Seção 4.4 Grupo (4vbvbvava) Este grupo deve ser incluído somente se os dados relativos à cortante vertical do vento forem computados e seja requerida a sua inclusão no informe. se disponíveis.3. c) bases e topos de camadas de inversões e camadas isotérmicas que tenham.2 Os seguintes níveis devem ser incluídos como “níveis significativos obrigatórios”: a) nível de superfície e o nível mais alto da sondagem.3. .2 Quando não for(em) observado(s) nível(is) de vento máximo. 35.NÍVEIS SIGNIFICATIVOS DE TEMPERATURA E/OU UMIDADE RELATIVA 35. o que for mais elevado. 35. 20% e que a base da camada ocorra abaixo do nível de 300 hPa ou da primeira tropopausa. no mínimo.1. 35.3 Os níveis significativos informados.2.3. por si só. ou nível de referência da aeronave e nível final para sondagem descendente.3.2. os respectivos dados.1 Os dados de ponto de orvalho devem ser derivados em função da relação entre a pressão de saturação do vapor d’água e a temperatura do ar. Esses dados não devem ser informados se a temperatura do ar estiver fora dos incrementos estabelecidos para a aplicação da função e um parâmetro menor poderá ser utilizado como prática nacional. 35. 35.1.1.3. no mínimo. e d) bases e topos de camadas de inversões caracterizadas por variação de temperatura de. 35.3.3 PARTES B e D 35.1.1.1.1. 2. O indicador 66 deverá ser utilizado quando os dados do topo da sondagem corresponderem à maior velocidade de vento observada em toda a sondagem.4.

o primeiro nível acima de 100 hPa deve ser numerado como 11. Na Parte D. uma camada sem dados deve ser indicada pela informação dos níveis limites e por um grupo de barras ( ///// ) para informar os dados não diponíveis. o segundo 22 e assim por diante até o 99.1.6 até a primeira tropopausa e deve ser determinado pelo método de seleção de níveis adicionais.1. os referidos topos das camadas de inversão deverão estar a tal nível que nenhuma camada de inversão. 35.1. espessa ou fina.3 Os níveis a serem incluídos como “níveis adicionais”. com prioridade para representar o perfil da temperatura. . O critério de 15% se refere a uma quantidade de umidade relativa e não a uma porcentagem do valor observado. 35. o valor interpolado variará entre 35 e 65%. o primeiro nível 11. podem ser compreendidas por várias camadas de inversões de pouca espessura isoladas por estritas camadas de temperatura como intervalo.6 Nas Partes B e D. citadas nas alíneas “c” e “d”. b) níveis necessários para garantir que a umidade relativa obtida por interpolação linear entre níveis significativos adjacentes não se desvie de 15% do valor da umidade relativa observada. 22 etc. 35. nos 20 hPa além do nível. mas com aplicação de critérios rígidos. no mínimo. Esses níveis devem ser tais que a pressão num nível significativo dividido pela pressão do nível significativo precedente seja maior que o nível anterior em 0. Os grupos de níveis limites e de níveis de dados não disponíveis devem ser identificados com números “nn’ apropriados. 35. Para permitir esta situação. 22 etc. Os níveis limites são os níveis mais próximos da base e do topo da camada que está sendo observada. recomeçando como 11. desde que a camada tenha.5 Na Parte B. recomeçando como 11. os níveis significativos sucessivos devem ser numerados como 00 (nível de superfície).3. o segundo nível 22 e assim por diante até o 99. Os níveis limites não precisam satisfazer os critérios para “níveis significativos’.1.4 Quando um nível significativo (relativo à temperatura do ar e/ou umidade relativa) e uma superfície isobárica padrão forem coincidentes. conforme o caso). 20 hPa de espessura.72/250 MCA 105-10 / 2012 NOTA: As camadas de inversões. O código 00 para o nível n0n0 na parte B nunca deve ser utilizado para indicar outro nível diferente do nível de superfície. São os seguintes níveis: a) níveis necessários para garantir que a temperatura obtida pela interpolação linear (no diagrama SKEW T LOG P ou similar) entre níveis significativos adjacentes não se desvie da temperatura observada em mais de 1ºC.3. devem ser selecionados na ordem apresentada a seguir. ou por mais de 2ºC sobre esse mesmo nível. Sempre que possível. e c) níveis necessários para limitar o erro de interpolação nos outros diagramas que não o SKEW T LOG P. por exemplo: quando o valor observado for de 50%. estes níveis adicionais devem ser os níveis atuais onde ocorram notáveis mudanças do lapse rate da temperatura do ar. qualquer que seja o primeiro alcançado. pelo menos. deva acontecer.3. abaixo do primeiro nível significativo informado acima do nível de 300 hPa ou da primeira tropopausa. os dados para estes níveis deverão ser informados nas Partes A e B (ou C e D.3.

3.7.3.3.1 Esta seção é obrigatória e deve ser sempre informada. 35. .4 PROCEDIMENTO REGIONAL – REGIÃO III (AMÉRICA DO SUL) As Partes A.2. 35.2 SEÇÃO 6 – NÍVEIS SIGNIFICATIVOS DO VENTO 35.4.MCA 105-10 / 2012 73/250 Exemplo: 33P3P3P3 44/// 55P5P5P5 T3T3Ta3D3D3 ///// T5T5Ta5D5D5 NOTA: Os níveis 33 e 55 são níveis limites e o 44 indica que faltam os dados da camada compreendida entre esses níveis limites.2. CL. 35. 35. h.3 SEÇÃO 7 . B.3. 35.3.3.INDICAÇÃO DO SISTEMA DE SONDAGEM. constam no item 32.1 Os níveis significativos devem ser selecionados de modo que se possa reconstruir o perfil do vento com precisão suficiente para uso prático. C e D dos códigos TEMP.3.1 Nos informes TEMP.4.2 Nh. STATUS DO SISTEMA.3.3.4 SEÇÃO 8 – NUVENS 35.1.3.1.3 (CL. TEMP SHIP e TEMP MOBIL. esta seção deve ser utilizada para informar dados de nuvens. 35.3. 35.2 (Nh).7. HORA DE LANÇAMENTO. 35. CM e CH devem ser codificados conforme os respectivos itens do código SYNOP: 12.3.3.4.2 Os grupos srrarasasa e 8GGgg são obrigatórios para os informes TEMP. RADIOSSONDA. GRUPOS DE TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DO MAR 35. considerando as mudanças observadas na direção e velocidade do vento.6 SEÇÃO 10 – GRUPOS NACIONAIS A inclusão dos grupos da Seção 10 será determinada por decisão nacional. TEMP DROP e TEMP MOBIL devem ser incluídas nos informes para intercâmbio internacional.2.2.3. 35. TEMP SHIP.3.3. TEMP SHIP. 35. 35.3.3 Esta seção não deve ser incluída no informe TEMP DROP. TEMP DROP e TEMP MOBIL.2.2 Os critérios para seleção dos níveis significativos. 12. CM e CH).2 (h) e 12. o grupo 9snTwTwTw também deve ser incluído.3 No informe TEMP SHIP.5 SEÇÃO 9 – GRUPOS REGIONAIS A inclusão dos grupos da Seção 9 será determinada por decisão regional.

temperatura e vento do nível da superfície.1 Nos casos de inoperância e/ou impossibilidade de realização da sondagem.88999: ausência de tropopausa. decodifica-se o exemplo acima da seguinte forma: a) Parte A: .41414 892//: indicador do grupo de nuvens e dados das mesmas. e b) Parte B: . e . . . AdfAdf deve ser codificado conforme a Tabela 421.TTAA 8012/ 83899: identificação.99014 19206 33012: dados de pressão.3 Com base na forma simbólica. 35.TTBB 8012/ 83899: identificação.5. e . dia e indicador de unidade de medida do vento.74/250 MCA 105-10 / 2012 35. . hora.5. . indicador dos dados de vento e posição.77999: ausência de vento máximo. . indicador dos dados de vento e posição.5 PROCEDIMENTO PARA O SISCEAB 35.5. dia e indicador de unidade de medida do vento.2 A “forma reduzida” do código TEMP deve ser informada conforme o exemplo abaixo: Exemplo: TTAA 8012/ 83899 99014 19206 33012 88999 77999 TTBB 8012/ 83899 00014 19206 41414 892// 51515 10157 35. hora. deve ser informada a “forma reduzida” do código TEMP.51515 10157: indicador e grupo adicional (101AdfAdf) para informar as razões da ausência de informe ou informe incompleto.00014 19206: dados de pressão e temperatura do nível da superfície.

não sendo repetido em nenhum informe da sequência.1. 41. 41.2 Em uma sequência de informes CODAR. (49LaLaLa (6HHHH) 99LaLaLa QcLoLoLoLo) QcLoLoLoLo ….. o grupo MiMiMjMj deve ser incluído somente na primeira linha do texto. ddfff) PaPaPaBzSh TTTansnm NOTA 1: O código CODAR é utilizado para informe de observação em altitude. deve referir-se-á à posição dada no início do informe.1 GENERALIDADES 41..1 Se os valores de vento instantâneo e médio estiverem disponíveis.2. 41.2. as posições em que foram medidos devem ser incluídas imediatamente antes do grupo ddfff correspondente. procedente de aeronave (que não seja de reconhecimento meteorológico).2 DADOS DE VENTO 41. . NOTA 2: O código CODAR é identificado pelas letras simbólicas MiMiMjMj = LLXX. Se mais ventos instantâneos forem reportados.3 No caso de vento médio.1 O nome do código CODAR não deve ser incluído no informe. a posição do ponto médio do setor sobre o qual tenha sido calculado deve sempre ser incluída imediatamente antes do grupo ddfff correspondente.. 41. o de vento instantâneo deve sempre ser o primeiro a ser informado.MCA 105-10 / 2012 75/250 FM 41-IV CODAR Informe de observação em altitude procedente de aeronave (que não seja de reconhecimento meteorológico) FORMA SIMBÓLICA MiMiMjMj YYGGg (40LaLaLa (41LaLaLa …. 41.2 Se somente um vento instantâneo for informado.1. QcLoLoLoLo QcLoLoLoLo ddfff ddfff) ….2.

. em intervalos de tempo ou quando o vento máximo é encontrado. os mesmos devem ser codificados como barra (/). 42.2. para conveniência dos usuários. não sendo repetido em nenhum dos informes da sequência.1 O AMDAR deve incluir a Seção 2. 42.3 FREQUÊNCIA DAS OBSERVAÇÕES A frequência das observações varia de acordo com a fase de voo. assim como os valores observados de temperatura e vento.1. contendo.4 Quando os dados não estiverem disponíveis.2 INFORME DOS GRUPOS DE DADOS 42. 42. 42. 42. a identificação da aeronave.1.1. o indicador da fase de voo..2. e devem ser incluídas nos informes individuais..2.1.1 GENERALIDADES Em uma sequência de informes AMDAR.76/250 MCA 105-10 / 2012 FM 42-XI Ext.2 O AMDAR proveniente de um sistema ASDAR deve conter somente a Seção 2.1. NOTA 2: As observações são realizadas em níveis específicos. . sua localização geográfica e data-hora da observação.IA SSTdTdTd ou UUU F h dh dh d LaLaLaLaA ddd/fff VGfgfgfg LoLoLoLoLoB TBBA YYGGgg Ss1s2s3 ShhIhIhI NOTA 1: O código AMDAR é utilizado para informe meteorológico automático procedente de aeronave. 42.1. o conteúdo da Seção 1 (o nome AMDAR e o grupo YYGG) deve ser incluído somente na primeira linha do texto. no mínimo. NOTA 3: Os dados transmitidos de aeronaves devem ser codificados em código binário e convertidos em um formato parecido com AIREP.2. AMDAR Informe de aeronave (retransmissão de dados meteorológicos de aeronave) FORMA SIMBÓLICA SEÇÃO 1 SEÇÃO 2 AMDAR i pi pi p SSTATATA SEÇÃO 3 333 YYGG IA. a plataforma de coleta de dados não adquirir corretamente os dados ou em casos de erros de paridade..3 O AMDAR proveniente de um sistema ACARS deve conter as Seções 2 e 3.

1 Observações durante a subida Durante a subida. 42.1.1.1.exceder em 10 nós ou mais a velocidade do vento da observação regular posterior. a sequência temporal deve ser reiniciada a partir da retomada do nível de voo. 42.for superior a 60 nós.MCA 105-10 / 2012 77/250 42.1. quinze segundos da fase de voo nivelado. da seguinte forma: a) o primeiro nível deve ser o mais próximo múltiplo de 10 hPa.2 O vento mais alto encontrado deve ser informado quando a aeronave estiver em voo nivelado a um nível de pressão inferior a 600 hPa.2. o primeiro nível a ser relatado deverá ser 1010hPa. após decorridos. Por exemplo.exceder em 10 nós ou mais a velocidade do vento da observação regular anterior. as observações devem ser realizadas quando a aeronave passar por certos níveis de pressão. da seguinte forma a) a velocidade do vento deve ser disponibilizada em intervalos de um segundo. 42.3 Observações durante a descida Durante a descida.3. da seguinte forma: a) o primeiro nível deve ser o mais próximo múltiplo de 50 hPa. e d) as observações devem continuar em intervalos de 50 hPa até que a subida seja concluída. pelo menos. b) as observações subsequentes devem ser em intervalos de sete minutos.3.2. conforme o seguinte: a) a primeira observação deve ser no primeiro minuto. complementadas por observações realizadas em intervalos de 10 hPa. e b) a velocidade do vento máximo deve ser informada somente se: . b) as observações seguintes devem ser em intervalos de 50 hPa até se atingir o nível de pressão de 700hPa.3. e . c) o décimo primeiro nível deve ser o primeiro múltiplo de 50 hPa menor que o décimo nível.1. pressão inferior à pressão na descolagem. as observações devem ser realizadas quando a aeronave passar por certos níveis de pressão. b) as próximas nove observações devem ser em intervalos de 10 hPa. pressão superior à pressão na última observação antes da descida. e c) se as observações forem interrompidas devido a instabilidade no voo. .1 As observações regulares durante o voo nivelado devem ser realizadas em intervalos de tempo.2 Observações durante o voo nivelado 42. c) a partir de 700 hPa. .3. se a pressão na decolagem for 1012hPa. as observações devem ser em intervalos de 50 hPa.3.

78/250 MCA 105-10 / 2012 42.2. A temperatura deve ser indicada por S3.1.3.2.7 A observação durante a fase instável de voo deve ser indicada por UNS.3.1. 42. 42.2. 42.2.2.1 Temperatura Cada observação deve incluir a temperatura do ar para a altitude de pressão dada. os dados da temperatura do ponto de orvalho ou da umidade relativa do ar para a referida altitude de pressão deverão ser incluídos.3.1 Este grupo deve ser utilizado em um informe AMDAR proveniente de um sistema ACARS para informar a altitude de pressão. e o tipo de observação (regular ou de vento máximo).1.2 Os informes até o nível de 700 hPa.2.2 Vento Cada observação deve incluir o valor do vento observado.3.3 A observação regular em voo nivelado deve ser indicada por LVR. 42.1.1.1 INDICADOR DE FASE DE DE VOO ipipip 42.2.2.2.1. .2 DADOS METEOROLÓGICOS 42. 42. 42.2.2. conforme o item 42.2. são considerados acima do aeródromo. seguidas de um dígito de valor para a turbulência.2. A direção deve ser informada em relação ao norte verdadeiro e em graus inteiros. A velocidade deve ser informada em nós.1. 42.6 A observação durante a descida deve ser indicada por DES.5 A observação durante a subida deve ser indicada por ASC. 42. 42.3 Turbulência Cada observação proveniente de um sistema ASDAR deve incluir um informe de turbulência indicado pelas letras indicadoras TB. 42. Quando observados.1.2.2 SEÇÃO 2 42.2 Sempre que um limite predeterminado for excedido.1 GRUPO Fhdhdhd 42.1. a fase de voo deverá ser considerada como instável.1. Alturas acima de 700 hPa são incluídas de acordo com a atmosfera padrão da OACI.2. inclusive.3 SEÇÃO 3 42. 42.1 Um indicador deve ser incluído em cada informe para indicar a fase de voo. com a altura proveniente do valor do QNH e da elevação do aeródromo em questão.4 O vento máximo encontrado em voo nivelado deve ser indicado por LVW.

3.5 m/s leve 4.5 a 9 m/s forte > 9 m/s severa .3. do seguinte modo: Ude severidade < 2 m/s zero 2 a 4.2 GRUPO VGfgfgfg 42.1 Este grupo deve ser utilizado em um informe AMDAR proveniente de um sistema ACARS para informar o máximo de rajadas verticais.2 A severidade da turbulência pode ser relacionada aproximadamente a valores derivados de rajadas equivalentes.3. 42.2.MCA 105-10 / 2012 79/250 42.

.... 0YYGcGc 0YYGcGc QcLaLaLaLa ....1 GENERALIDADES 44. 3 e/ou 4 não podem ser informadas separadamente.) LoLoLoLoLo ...) (2YsYsGsGs) (2YsYsGsGs) LoLoLoLoLo .............. 44.1 O nome do código ICEAN deve sempre aparecer como prefixo para análise codificada individual ou prognóstico...... deve constar no código a análise ou prognóstico em sequência no sentido horário.... 44...3 Cada análise ou prognóstico deve ser terminado com o grupo 19191. (3FeCeS3C3) (7WtDwtEms) LoLoLoLoLo ...... QcLaLaLaLa ..2 Quando a posição do grupo delinear uma área fechada... NOTA 2: Este código é identificado pela palavra ICEAN..1. 44. (4FqCqS4C4) (8aIDriri) QcLaLaLaLa QcLaLaLaLa 000GpGp SEÇÃO 3 SEÇÃO 4 NOTA 1: ICEAN é o nome do código que descreve as condições atuais ou previstas de gelo...80/250 MCA 105-10 / 2012 FM 44–V ICEAN Análise de gelo FORMA SIMBÓLICA SEÇÃO 1 (Preâmbulo 1) ou (Preâmbulo 2) SEÇÃO 2 ICEAN 20002 75557 (44111 QcLaLaLaLa CFpCpS1C1 (5FuCuS5C5) (9nGnGnBnB)) (4422K LoLoLoLoLo (4433K LoLoLoLoLo 19191 33399 33399 6LiLiiLjLi LoLoLoLoLo (2FsCsS2C2) (6T1T2ReRh) QcLaLaLaLa .1.......1. NOTA 3: O código é composto das seguintes seções: Seção 1 2 3 4 Números simbólicos 20002 ou 75557 44111 4422 4433 Conteúdo Grupos de identificação e do tempo Descrição das condições de gelo Áreas com navegabilidade definida Faixa recomendada NOTA 4: As Seções 2..... A primeira posição do grupo(s) deve ser repetida como a última posição para completar o fechamento da área..... ....

3.2 SEÇÃO 1 44.4.2 O preâmbulo apropriado deve ser incluído toda vez que a análise ou prognóstico for preparado a partir de um gráfico diferente.5. 44.3. além de dados convencionais. 44. a Seção 3 deverá ser omitida. 44.4.3 Quando.1 Quando a informação sobre a navegabilidade de uma área não estiver disponível ou não precisar ser incluída. 44.3 Todos os grupos do 2FsCsS2C2 ao 9nGnGnBnB devem ser incluídos.1 A Seção 2 deve ser omitida da análise ou prognóstico que contenha apenas informações sobre a navegabilidade. Se o grupo LaLaLoLok for utilizado.2 Se a obstrução à navegação variar ao longo da faixa recomendada. 44. 44. 44.5 SEÇÃO 4 44. esta seção deverá ser repetida quantas vezes forem necessárias para delinear os contornos ao longo da faixa recomendada.1 O primeiro preâmbulo deve ser utilizado para iniciar a análise de gelo. O segundo preâmbulo deve ser utilizado para iniciar um prognóstico de gelo.3. 44. informações de satélite forem utilizadas para preparar análise ou prognóstico. conforme necessário.3 Se uma faixa recomendada for dividida em contornos. 44. o grupo 33399 no preâmbulo deve ser substituído pelo grupo 33300 para posições no hemisfério norte e pelo grupo 33311 para posições no hemisfério sul.2 Esta seção deve ser repetida quantas vezes forem necessárias para descrever as condições de gelo em toda a área coberta pela análise ou prognóstico. 44.2.2.4 SEÇÃO 3 44.3 SEÇÃO 2 44. para descrever mais detalhadamente as condições de gelo indicadas pelos grupos anteriores 6LiLiLjLj ao CFpCpS1C1.5.5. a Seção 4 deverá ser omitida.4 As posições devem ser dadas em graus e minutos ou utilizando-se o grupo LaLaLoLok que apresenta a posição com a aproximação de meio grau.2. O grupo 9nGnGnBnB deve ser utilizado para fornecer informações sobre os icebergs adicionais conforme indicado no grupo 6LiLiLjLj.2 Esta seção deve ser repetida quantas vezes forem necessárias para descrever as condições de navegação em toda a área coberta pela análise ou prognóstico. a posição do último ponto do contorno anterior deve ser repetida para coincidir com a posição do primeiro ponto do novo contorno. a data e a hora das informações de satélite devem ser indicadas por meio do grupo 2YsYsGsGs. 44.4 Informações sobre icebergs devem ser incluídas quando disponíveis.2.MCA 105-10 / 2012 81/250 44. .1 Quando as informações sobre faixas de navegação não forem incluídas. 44.3.

.... 8hthchaha .. ... . .. SEÇÃO 2 99922 4e1uuu ..... ...... yyyyy ... ..... ........... 9hthchaha 7hthchaha .. ........ ….82/250 MCA 105-10 / 2012 FM 45-IV IAC Análise em forma completa FORMA SIMBÓLICA PREÂMBULOS 10001 ou 10001 ou 65556 ou 65556 333x1x1 333x1x1 333x1x1 333x1x1 0YYGcGc 0YYGcGc 0YYGcGc 0YYGcGc 8x2x2x28 000GpGp 000GpGp 8x2x2x28 00x3x3x3 00x3x3x3 SEÇÃO 0 99900 (9NNSS) ....... (mdsdsfsfs) .. .... (mdsdsfsfs) ... (00C100) .... 8PtPcPP ou ..... yyyyy ….. ... SEÇÃO 3 99933 33MhMsMt ....... (00C100)) .. yyyyy ......... (mdsdsfsfs) ... ….... Subseção 0-1 (000gpgp 9PtPcPP ou ou 7PtPcPP ou ... (00C100) ….... yyyyy yyyyy ...... (mdsdsfsfs) ............ …................ (00C100) . (00C100) …. SEÇÃO 1 99911 (9NNSS) . 66FtFiFc .... yyyyy yyyyy . .. yyyyy yyyyy ........... …... ..... yyyyy …. Subseção 1-1 (000gpgp 69FtFiFc ou 67FtFiFc . (00C100)) ..

...... yyyyy yyyyy (mdsdsfsfs) ….... 8NHtHtHt 6NHtHtHt …. …. …. (00C100) …. (55TtTiTc) ….... (00C100) ….....MCA 105-10 / 2012 83/250 SEÇÃO 4 99944 989wei ou 988ww ou 987wsws .... (00C100) (00C100) SEÇÃO 9 99999 4e1uuu (00000 (....... yyyyy yyyyy .. .. (00C100) Subseção 10-1 (000gpgp (9dwdwPwPw) ....) SEÇÃO 7 99977 (000gpgp) yyyyy …. ….... . 5ddff …... 2ddff …......... …. (mdsdsfsfs) (00C100) …. yyyyy . (9CHbHbHb ou (7CHbHbHb yyyyy …. …. …. (mdsdsfsfs) …..... SEÇÃO 8 99988 9ijHjHjHj e/ou 9ijPsPsPs e/ou 4e1uuu yyyyy yyyyy yyyyy djdjfjfjfj djdjfjfjfj yyyyy yyyyy yyyyy . (5555Ti) …...) ... (00C100) ... …....... (9dwdwPwPw) ... …..) …...... (00C100) …... (00C100)) ...... SEÇÃO 5 99955 (9NNSS) . ........... ….. (555PP) ….. …... SEÇÃO 6 99966 2CsS1S2Z1 .... …...... 4ddff …. .... …. (42uuu) 42uuu . 3ddff …. yyyyy …. …..... . yyyyy . 7ddff ….... …. .. …........... yyyyy …. djdjfjfjfj djdjfjfjfj ..... 1ddff …. ... ….) SEÇÃO 10 88800 77e2uu (9dwdwPwPw) 79e2uu ou 76e2uu yyyyy (9dwdwPwPw) yyyyy ... 8ddff ….. …..

1 e 10 contém uma subseção que pode ser utilizada quando forem requeridas informações mais detalhadas sobre as posições anteriores e futuras. .. .. das frentes ou das ondas.. precedida do grupo 000gpgp correspondente. NOTA 2: O código é composto dos seguintes preâmbulos alternativos e seções.. sempre que for necessário incluir informações referentes às condições meteorológicas passadas e futuras. 44777 NOTA 1: IAC é o nome do código que compreende o conjunto de códigos internacionais de análise. A subseção deve ser repetida.... dos sistemas de pressão. Considerando que a seção refere-se à hora indicada no preâmbulo... que não podem ser informadas sem o preâmbulo correspondente: Preâmbulos alternativos 1ª linha 2 ª linha 3 ª linha 4 ª linha Números simbólicos 99900 99911 99922 99933 99944 99955 99966 99977 99988 99999 88800 88822 77744 Utilização Análise de superfície Análise que não seja de superfície Prognóstico de superfície Prognóstico que não seja de superfície Seção 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Conteúdo Sistemas de pressão ou sistema de isoípsas Sistemas frontais Valores das isopletas Particularidades das massas de ar Condições meteorológicas Sistemas tropicais Sistemas de nuvens Ventos em altitude Características da corrente de jato Características da tropopausa Temperatura do mar e direção e período das ondas Cortante do vento vertical Grupos de vocabulários NOTA 3: As Seções 0.84/250 MCA 105-10 / 2012 SEÇÃO 11 88822 44vvv ou 444vv yyyyy yyyyy yyyyy yyyyy .. SEÇÃO 12 77744 19191 .. a hora anterior ou futura referida à respectiva subseção deverá ser informada no grupo 000gpgp.grupos de vocabulários. juntamente com as características.... ou também da temperatura da superfície do mar......

pelo grupo 444vv. 45. O grupo 4e1uuu indica o valor da isóbara ou isoípsa descrita em todos os grupos yyyyy. Normalmente. a direção e o período das ondas para cada um dos pontos que descrevem a isoterma da superfície do mar. NOTA 6: A Seção 7 permite codificar o perfil vertical do vento das superfícies isobáricas padrões selecionadas em cada grupo de posição yyyyy e. esta seção é utilizada somente para ventos cuja velocidade excede a 60 kt (30 m/s). a hora indicada no preâmbulo ou a hora posterior informada no grupo 000gpgp.MCA 105-10 / 2012 85/250 NOTA 4: As Seções 0 a 11 e Subseções descrevem delineações.2. e para cada tipo diferente. Os grupos de posição de cada série de grupos podem ser seguidos de informações adicionais (mdsdsfsfs e 00C100). NOTA 11: A Seção 12 permite adicionar informações em linguagem clara. Cada grupo 9dwdwPwPw refere-se ao grupo yyyyy que vem a seguir. 45. por meio dos grupos de posição yyyyy. Ao longo da isóbara ou isoípsa. dependendo do valor selecionado para ij.000 metros utilizando-se o grupo 44vvv e em kt/300 metros. também. tanto para o nível do mar ou qualquer outro nível. a seção é composta de uma sucessão regular de grupos. Quando a temperatura muda ao longo da isopleta da tropopausa. NOTA 10: A Seção 11 permite codificar a cortante do vento vertical em kt/1. que seguem até o próximo grupo 4e1uuu. em que cada grupo que dá o novo valor do parâmetro ou elemento considerado. por meio dos grupos com os indicadores numéricos 7 e 6. e as condições prognosticadas. o grupo 00000 deve ser incluído. relativas ao deslocamento de um sistema ou de uma frente ou ao grau de confiabilidade aplicável à informação dada nos grupos precedentes. por meio dos grupos com os indicadores numéricos 8 e 9. Deste modo. uuu indica a temperatura em graus Celsius inteiros.1 GENERALIDADES O nome do código IAC não deve ser incluído nas análises ou prognósticos codificados. cada um dos grupos 42uuu indica a temperatura dos pontos informados nos seguidos grupos yyyyy. . No grupo 42uuu. NOTA 9: A Seção 10 permite indicar.1 O preâmbulo apropriado deve ser incluído cada vez que a análise ou prognóstico é realizado a partir de cartas diferentes. segundo as especificações do código. NOTA 7: A Seção 8 permite codificar os dados de vento observados ou prognosticados para um número de posições ao longo do eixo da corrente de jato ou ao longo da linha de velocidade do vento máximo sobre as cartas das superfícies isobáricas que se encontram imediatamente acima ou abaixo do eixo da corrente de jato.2 PREÂMBULO 45. dos valores de um determinado parâmetro ou estado de um elemento. opcionalmente. seguido do grupo 42uuu e os grupos yyyyy. NOTA 5: A Seção 6 permite indicar as condições meteorológicas observadas. NOTA 8: A Seção 9 permite codificar os dados da temperatura da tropopausa em relação às isopletas do nível da tropopausa.

2.3. nas regiões equatoriais.2 Cada análise ou prognóstico deve terminar com o grupo 19191.). 45. para se obter a hora anterior.2. 45.86/250 MCA 105-10 / 2012 45. com La e Lo indicando. as latitudes sul de 0ºS até 30ºS deverão ser indicadas pela subtração de 100 unidades (Exemplo: 13ºS = 87. 45. devem ser utilizados: a) os grupos 9PtPcPP ou 9hthchaha na Subseção 0-1. NOTA 1: Nestes casos. NOTA: Os grupos de números simbólicos são destinados para uso em centros de análises onde diferentes seções ou parte delas podem ser preparadas em horas distintas e serem informadas em ordem variável. ou c) o grupo 79e2uu na subseção 10-1.1 Os grupos de posição yyyyy devem ser dados na forma especificada por x1x1.3.1 Para indicar as posições e as características de um sistema ou conjunto de parâmetros. b) o grupo 69FtFiFc da Subseção 1-1. conforme as seguintes condições descritas na Tabela 4892: a) x2x2x2 = 555.3. 45.2. o grupo 000LaLo deverá ser adicionado após o grupo QLaLaLoLo apropriado.3. 45.3.3 Quando.2 Quando o método de indicação de posição for mudado dentro de uma análise.2. o grupo 00s200 deverá preceder o grupo iiiD1s1 que ele modifica.2. anterior a do preâmbulo.3. 45. 45. 29ºS = 71 etc. a mudança deve ser indicada pela inserção do grupo 333x1x1.3.3.1 Cada seção deve ser identificada pelo seu grupo de números simbólicos. o grupo 85558 deve ser seguido por dois grupos 00x3x3x3. as posições forem dadas na forma LaLaLoLok e o grupo 33322 (para 333x1x1) for utilizado. cada uma das partes deverá constituir uma seção e ser precedida do grupo correspondente de números simbólicos.5 Quando as posições forem dadas na forma iiiD1s1 e a distância indicada em s1 for de 110 km ou mais. em uma hora determinada. as horas indicadas em gpgp devem ser subtraídas da hora dada no preâmbulo. exceto nos casos do item a seguir. conforme o caso.2. respectivamente.3. os décimos de graus de latitude e longitude. o grupo 86668 deve ser seguido do grupo 81118 ou do grupo 82228. .3. 1 E 10 45.2 GRUPOS DE POSIÇÃO 45.4 Quando as posições forem dadas na forma QLaLaLoLo e for desejada maior precisão da localização dos pontos.3 SUBSEÇÕES DAS SEÇÕES 0. onde s2 deverá indicar as centenas de quilômetros que devem ser adicionados ao valor dado em s1. 45. e b) x2x2x2 = 666.3 SEÇÕES 45.3 Os grupos adicionais devem ser incluídos nos preâmbulos.2. Se o mesmo tipo de dados constar em duas partes separadas do informe.

4. 3.o número de nós que exceder de 100 deve ser indicado em ff. As horas dadas em gpgp devem ser adicionadas à hora dada em GcGc para especificar a hora da previsão de ventos. 500.o grupo 00200 deve ser incluído após o grupo para a qual se refere. NOTA 1: Nestes casos.MCA 105-10 / 2012 87/250 NOTA 2: A subseção pode ser repetida quantas vezes forem necessárias para informar as várias posições do sistema ou parâmetros. para se obter a hora anterior.6.6. 45. e . após a hora do preâmbulo. e .3. respectivamente. b) o grupo 67FtFiFc na Subseção 1-1. para descrever as condições prognosticadas. mas que não excedam a 199 nós.2 As velocidades do vento de 100 nós ou mais devem ser codificadas como segue: a) velocidades de 100 nós ou mais. 700.3.2 Para indicar as posições e características de um sistema ou conjunto de parâmetros. 45. NOTA 2: A subseção pode ser repetida quantas vezes forem necessárias para informar as posições futuras do sistema ou parâmetros. 7.1 Os dados de vento para as superfícies isobáricas padrões de 850. 400.4 SEÇÃO 3 – MASSA DE AR O grupo 33MhMsMt deve ser seguido por um 2º grupo 33MhMsMt quando for necessário indicar que duas massas estão envolvidas e começaram a se mesclar ou que uma delas encontra-se em estado de transição e adquirindo novas características. 45. ou uma seleção destas superfícies.o número de nós que exceder de 200 deve ser indicado em ff. devem ser codificadas da seguinte maneira: . devem ser indicadas pelos grupos ddff que se iniciam. 1. 45. 2.3. ou c) o grupo 76e2uu na Subseção 10-1.3. e .5 SEÇÃO 6 – NUVENS Os grupos com indicadores numéricos 9 e 8 devem ser utilizados para descrever as condições existentes e os grupos com indicadores 7 e 6. 45.3. as horas indicadas em gpgp devem ser adicionada à hora dada no preâmbulo. 200 e 100 hPa. 300.deve ser somado 50 a dd.6 SEÇÃO 7 – VENTOS EM ALTITUDE 45. devem ser codificadas da seguinte maneira: .3.3. devem ser utilizados: a) os grupos 7PtPcPP ou 7hthchaha na Subseção 0-1. mas que não excedam a 299 nós. 5. com os indicadores numéricos 8. b) velocidades do vento de 200 nós ou mais.

devem ser codificadas da seguinte maneira: . mas que não excedam a 399 nós.o grupo 00300 deve ser incluído após o grupo para a qual se refere.o número de nós que exceder de 300 deve ser indicado em ff. e a análise ou prognóstico codificado deve ser encerrado com o grupo 19191. 45.4 GRUPOS ADICIONAIS E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Se seções complementares adicionais das análises codificadas forem utilizadas para satisfazer necessidades nacionais. e .88/250 MCA 105-10 / 2012 c) velocidades do vento de 300 nós ou mais. . a correção deverá ser iniciada pelos grupos 11133 0YYGcGc. As correções que seguem. devem ser precedidas dos grupos indicadores das seções que correspondam. deverá ser aplicada a forma do código na medida do possível e essas seções deverão ser adicionadas ao final da análise ou prognóstico codificado ou deverão ser informadas separadamente.5 CORREÇÃO Quando for necessário informar uma correção de análise ou prognóstico. 45.

.... SEÇÃO 3 (Reservada) SEÇÃO 4 987wsws QLaLaLoLo QLaLaLoLo …. . .... SEÇÃO 5 99955 (55TtTiTc) (555PP) QLaLaLoLo QLaLaLoLo …. mdsdsfsfs SEÇÃO 6 88800 77e2uu (9dwdwPwPw) QLaLaLoLo (9dwdwPwPw) QLaLaLoLo (00C100) . mdsdsfsfs ) SEÇÃO 2 99922 44PPP QLaLaLoLo QLaLaLoLo ….. mdsdsfsfs Subseção 0-1 ........ mdsdsfsfs Subseção 1-1 .... mdsdsfsfs ) SEÇÃO 1 99911 66FtFiFc (000gpgp QLaLaLoLo 69FtFiFc ou 67FtFiFc QLaLaLoLo QLaLaLoLo QLaLaLoLo ......MCA 105-10 / 2012 89/250 FM 46-IV IAC FLEET Análise em forma abreviada FORMA SIMBÓLICA PREÂMBULOS 10001 ou 65556 33388 33388 0YYGcGc 0YYGcGc 000GpGp SEÇÃO 0 99900 8PtPcPP (000gpgp QLaLaLoLo 9PtPcPP ou 7PtPcPP 8hthchaha QLaLaLoLo QLaLaLoLo ...

Deste modo.. relativas ao grau de confiabilidade aplicável à informação dada nos grupos precedentes. NOTA 5: As Seções 0 a 6 e Subseções descrevem delineações.... NOTA 4: As Seções 0. sempre que for necessário incluir informações referentes às condições meteorológicas passadas e futuras.. em consequência.. na hora indicada no preâmbulo. . ondas e temperatura da superfície do mar. frentes..... Essas subseções são identificadas pelo grupo 000gpgp. em que cada grupo que dá o novo valor do parâmetro ou elemento considerado. a seção é composta de uma sucessão regular de grupos. Os grupos de posição de cada série de grupos devem ser seguidos do grupo mdsdsfsfs e do grupo opcional 00C100....... NOTA 2: O código é composto dos seguintes preâmbulos alternativos e seções: Preâmbulos alternativos 1ª linha 2 ª linha Números simbólicos 99900 99911 99922 99933 99944 99955 88800 77744 Análise de superfície Prognóstico de superfície Utilização Seção 0 1 2 3 4 5 6 7 Conteúdo Sistemas de pressão Sistemas frontais Valores das isóbaras (Reservada) Condições meteorológicas Sistemas tropicais Temperatura do mar e direção e período das ondas Grupos de vocabulários NOTA 3: Cada seção pode ser omitida ou repetida quantas vezes forem necessárias. dos valores de um determinado parâmetro ou estado de um elemento... (00C100)) SEÇÃO 7 77744 19191 ..90/250 MCA 105-10 / 2012 Subseção 6-1 (000gpgp 79e2uu ou 76e2uu (9dwdwPwPw) (9dwdwPwPw) QLaLaLoLo QLaLaLoLo (9dwdwPwPw) (9dwdwPwPw) QLaLaLoLo QLaLaLoLo . dos sistemas ou parâmetros. por meio dos grupos de posição QLaLaLoLo. Cada uma destas seções contém uma subseção que pode ser utilizada quando forem requeridas informações mais detalhadas sobre as posições anteriores e futuras. 44777 NOTA 1: IAC FLEET é o nome do código abreviado que compreende o conjunto de códigos internacionais de análise.grupos de vocabulários. . 1 e 6 fornecem informações detalhadas sobre os sistemas de pressão. podem ser repetidas dentro da seção. juntamente com as características.

a direção e o período das ondas para cada um dos pontos que descrevem a isoterma da superfície do mar.4 GRUPOS DE POSIÇÃO 46. cada uma das partes deverá constituir uma seção e ser precedida do grupo correspondente de números simbólicos.1 GENERALIDADES O nome do código IAC FLEET não deve ser incluído nas análises ou prognósticos codificados. 46.1 Quando o grupo 33388 for utilizado no preâmbulo.2 PREÂMBULO 46. no sentido anticiclônico ordem de ocorrência. no sentido ciclônico.2 Cada análise ou prognóstico deve terminar com o grupo 19191. 4 e 5.MCA 105-10 / 2012 91/250 NOTA 6: A utilização da Seção 5 não impede a aplicação de outras seções da mesma área geral.3 Nas seções 0.2 Quando as posições forem dadas na forma QLaLaLoLo e for desejada maior precisão da localização dos pontos. os décimos de graus de latitude e longitude. segundo o sistema tropical que mais se assemelhe 46. NOTA 7: A Seção 6 permite indicar. respectivamente. 46. Cada grupo 9dwdwPwPw refere-se ao grupo QLaLaLoLo que vem a seguir. 2. opcionalmente. 1.1 O preâmbulo apropriado deve ser incluído cada vez que a análise ou prognóstico é realizado a partir de cartas diferentes para cada tipo diferente. tanto quanto possível. de oeste para este mesma ordem dos sistemas de pressão ou informação frontal. 46. o grupo 000LaLo deverá ser adicionado após o grupo QLaLaLoLo apropriado. com La e Lo indicando.2. os grupos de posição devem ser dados na forma QLaLaLoLo para todas as seções incluídas. 46.2. quando aplicáveis.3. de oeste para este ordem sucessiva. a ordem dos dados deve ser da seguinte maneira: Seção 0 1 2 4 5 Ordem dos dados ordem de ocorrência. . de oeste para este os pontos de uma isóbara que circundam uma baixa devem ser dados em primeiro e progressivamente. 46. NOTA 8: A Seção 7 permite adicionar informações em linguagem clara. 46.4.3. Os que circundam uma alta devem ser dados no final e progressivamente.3 SEÇÕES 46. as seções devem ser informadas na ordem numérica apresentada na forma simbólica.2 Quando incluídas. 46.4.1 Cada seção deve ser identificada pelo seu grupo de números simbólicos.3. Se o mesmo tipo de dados constar em duas partes separadas do informe.

1 E 6 46. 1 ou 5.4.4 Quando.3 Quando as posições forem dadas para o meio grau mais próximo de latitude e longitude. em uma hora determinada. 46. anterior a do preâmbulo. deverão ser subdivididos em segmentos pela repetição dos grupos 66FtFiFc ou 55TtTiTc. quando necessário. as posições forem dadas na forma LaLaLoLok e o grupo 33322 (para 333x1x1) for utilizado. este grupo deverá ser codificado como 10000.92/250 MCA 105-10 / 2012 46. 46. NOTA 1: Nestes casos. deve ser utilizado no lugar do grupo 33388 no preâmbulo. a partir da última posição dada.). as horas indicadas em gpgp devem ser subtraídas da hora dada no preâmbulo. 46. .5. 29ºS = 71 etc. segundo o caso.1 Para indicar as posições e as características de um sistema ou conjunto de parâmetros. conforme o caso.4. o grupo 33300.5 O grupo de posição na Seção 0 deve ser repetido. NOTA 2: A subseção pode ser repetida quantas vezes forem necessárias para informar as várias posições do sistema ou parâmetros.6. para se obter a hora anterior.3 Quando os sistemas das Seções 1 e 5 forem dados. 46. nas regiões equatoriais. as latitudes sul de 0ºS até 30ºS deverão ser indicadas pela subtração de 100 unidades (Exemplo: 13ºS = 87.5.4.5. devem ser utilizados: a) os grupos 9PtPcPP na Subseção 0-1. O primeiro ponto e a pressão (quando informados na Seção 5) referem-se ao vórtice do sistema. 46.4 Esse grupo deve sempre indicar o movimento do sistema ou frente. Quando o sistema for estacionário. a frente ou sistema de frentes.6 Se os sistemas das Seções 0 e 5 forem prolongados.4. dois ou mais pontos de posição devem ser informados para localizar o eixo do referido sistema. 46.6 SUBSEÇÕES DAS SEÇÕES 0. b) o grupo 69FtFiFc da Subseção 1-1.5. 2. Nas Seções 1.1 O grupo de movimento (mdsdsfsfs) deve ser dado para cada sistema das Seções 0. o grupo LaLaLoLok deve ser substituído pelo grupo QLaLaLoLo em todas as seções incluídas. o grupo deverá referir-se ao eixo do sistema. 4 e 5 devem ser informados somente uma vez. 46. Quando dois ou mais grupos de movimento forem necessários para informar o movimento. Nestes casos. ou c) o grupo 79e2uu na subseção 6-1. o grupo referir-se-á à parte central do tipo indicado. 46. 33311 ou 33322.2 Quando os sistemas das Seções 0 e 5 forem prolongados.5 GRUPOS DE MOVIMENTO 46.

a correção deverá ser iniciada pelos grupos 11133 0YYGcGc. após a hora do preâmbulo. b) o grupo 67FtFiFc na Subseção 1-1.8. as horas indicadas em gpgp devem ser adicionada à hora dada no preâmbulo. deverá ser aplicada a forma do código na medida do possível e essas seções deverão ser adicionadas ao final da análise ou prognóstico codificado ou deverão ser informadas separadamente. 46. devem ser precedidas dos grupos indicadores das seções que correspondam.9 CORREÇÃO Quando for necessário informar uma correção de análise ou prognóstico. . 46. ou c) o grupo 76e2uu na Subseção 6-1. 46. e a análise ou prognóstico codificado deve ser encerrado com o grupo 19191. NOTA 1: Nestes casos.8 GRUPOS ADICIONAIS E INFORMAÇÃO SUPLEMENTAR 46. NOTA 2: A subseção pode ser repetida quantas vezes forem necessárias para informar as posições futuras do sistema ou parâmetros. na posição especificada pelo grupo QLaLaLoLo que segue. respectivamente. 46. As correções que seguem.6.2 Para indicar as posições e características de um sistema ou conjunto de parâmetros.2 Se seções complementares adicionais forem utilizadas para satisfazer necessidades nacionais. para se obter a hora anterior.MCA 105-10 / 2012 93/250 46. devem ser utilizados: a) os grupos 7PtPcPP ou 7hthchaha na Subseção 0-1. o grupo 9dwdwPwPw deve informar a direção e período das ondas.8.1 Os vocabulários codificados devem ser precedidos e terminados por 77744 e 44777.7 SEÇÃO 6 Quando for incluído.

............. ....... ........ NOTA 3: O código é identificado pela palavra WINTEM...... …... . …. ... ddfffSTT ntntnt) nmnmnmdmdmfmfmfm) ddfffSTT ddfffSTT ….. ntntnt) nmnmnmdmdmfmfmfm) ddfffSTT ddfffSTT ….. ddfffSTT ntntnt nmnmnmdmdmfmfmfm ddfffSTT ddfffSTT …..94/250 MCA 105-10 / 2012 FM 50-XIII WINTEM Previsão de vento e temperatura em altitude para a aviação FORMA SIMBÓLICA SEÇÃO 0 SEÇÃO 1 WINTEM La1La1la1A (TROP (MAXW Fn1n1n1 Fn2n2n2 …. ..... ..... Fnknknk La2La2la2A (TROP (MAXW Fn1n1n1 Fn2n2n2 …... …..... ddfffSTT ….. ... Fnknknk ….. . ddfffSTT ….. . .. nível do vento máximo e níveis de voo especificados .. ntntnt nmnmnmdmdmfmfmfm ddfffSTT ddfffSTT …... . . Fnknknk YFYFGFGFgFgF Lo1Lo1Lo1lo1B ntntnt nmnmnmdmdmfmfmfm ddfffSTT ddfffSTT …....... ddfffSTT ..... LoiLoiLoiloiB ntntnt) nmnmnmdmdmfmfmfm) ddfffSTT ddfffSTT …. .. . ddfffSTT KMH ou KT ou MPS Lo2Lo2Lo2lo2B ntntnt nmnmnmdmdmfmfmfm ddfffSTT ddfffSTT …. ... .... NOTA 2: Os dados da previsão são válidos nos pontos de uma grade geográfica retangular. . LajLajlajA (TROP (MAXW Fn1n1n1 Fn2n2n2 …. ddfffSTT NOTA 1: WINTEM é o nome do código utilizado para fornecer previsões de vento e temperatura em altitude para a aviação.. .. ….. . ddfffSTT ntntnt nmnmnmdmdmfmfmfm ddfffSTT ddfffSTT ….. ntntnt nmnmnmdmdmfmfmfm ddfffSTT ddfffSTT …. ddfffSTT ….... NOTA 4: O código é composto das seguintes seções: Seção 0 1 Conteúdo identificação e hora de validade dos dados da previsão coordenadas dos pontos da grade e grupos de dados da altura da tropopausa.

1 O nome do código WINTEM deve ser sempre incluído no informe.3.2. o informe deverá ser dividido em partes.2 O grupo YFYFGFGFgFgF deve ser imediatamente seguido.3.2 SEÇÃO 0 50.3. 50.3. 50. NOTA: Não há limites para inclusão de grupos de latitude no informe. 50.3. para que seja atendido o previsto no item anterior. conforme o caso. 50. b) nível de vento máximo.9 O número dos níveis de voo especificados para inclusão no informe deve ser determinado pelos centros.1 Os grupos desta Seção constituem a primeira linha da mensagem.3 Os grupos de longitude devem ser incluídos somente na primeira linha da Seção 1 e devem ser ordenados da esquerda para a direita. KT ou MPS. pelas abreviaturas KMH.1.6 Sempre que houver necessidade de inclusão de mais de 7 grupos de longitude na primeira linha da Seção 1.1 A grade geográfica utilizada deve ser retangular. partindo do ponto de latitude mais ao norte da grade.MCA 105-10 / 2012 95/250 50. 50.7 Os dados associados aos pontos da grade devem ser incluídos na seguinte ordem: a) altura da tropopausa.2 Quando em forma impressa.1.3.5 O número máximo de grupos de longitude incluídos na primeira linha da Seção 1 não deve exceder a 7. seus limites devem ser delimitados por meio de dois meridianos e dois paralelos. com espaço.3 SEÇÃO 1 50. em ordem decrescente. o formato do WINTEM deve apresentar características de uma tabela de dados de leitura direta. ou seja.3. 50. . 50. 50. baseado em requisitos operacionais.8 A altura da tropopausa e/ou dados do nível do vento máximo devem ser omitidos sempre que não forem requeridos com propósitos operacionais. para especificar a unidade de medida da velocidade do vento. 50.2.3. em uma sequência regular. que contenha dados da previsão. 50. e c) níveis de voo especificados. deve sempre se referir a um ponto de grade determinado pela: a) latitude incluída na linha precedente mais próxima do grupo de dados.2 Os grupos de latitude devem sempre ser incluídos no início da linha e seguidos pelos outros.1 GENERALIDADES 50. 50. 50.4 O enésimo grupo de uma determinada linha.3. e b) enésima longitude incluída na primeira linha da Seção 1. numa sequência contínua.

. quando a hora de ocorrência ou mudança de uma variável é incluída na previsão.1. TAF Previsão de aeródromo FORMA SIMBÓLICA TAF ou TAF AMD ou TAF COR CCCC YYGGggZ Y1Y1G1G1/Y2Y2G2G2 dddffGfmfm KT ou MPS VVVV ou CAVOK w'w' NsNsNshshshs ou VVhshshs ou NSC (TXTFTF/YFYFGFGFZ TNTFTF/YFYFGFGFZ) PROBC2C2 ou PROBC2C2 TTTTT YYGG/YeYeGeGe ou TTTTT ou TTYYGGgg RMK … dddffGfmfm KT ou MPS w'w' VVVV ou ou NSW CAVOK NsNsNshshshs ou VVhshshs ou NSC NOTA 1: TAF é o nome do código para uma previsão de aeródromo. 51. NOTA 5: A abreviatura COR deve ser utilizada para o caso de correção da previsão. NOTA 2: Devido à variabilidade das variáveis meteorológicas no espaço e no tempo.1 GENERALIDADES 51.1. às limitações das técnicas de previsão e às limitações causadas por algumas definições. NOTA 4: A abreviatura AMD deve ser incluída. o valor específico de qualquer variável incluído na previsão deve ser entendido pelos usuários como a melhor probabilidade de ocorrência ou mudança da variável que é esperada durante o período da previsão. Similarmente. NOTA 3: Previsões de Aeródromo são tratadas no MCA 105-12.2 O grupo YYGGggZ deve ser incluído em cada previsão individual para informar a data e hora da confecção da previsão. esta hora deve ser entendida como a mais provável. para emenda da previsão.1 O nome do código TAF deve ser incluído no início de cada previsão de aeródromo individual. quando for o caso. 51.96/250 MCA 105-10 / 2012 FM 51-XIII Ext.

.1. caso não se espere que se diferenciem significativamente dos valores precedentes incluídos na previsão codificada.3 A descrição das condições previstas deve conter.3. e no caso de mudança significativa da nebulosidade. 51. fenômenos meteorológicos e nebulosidade ou visibilidade vertical.MCA 105-10 / 2012 97/250 51. inclusive a(s) camada(s) significativa(s) para a(s) qual(is) não são previstas mudanças.2 Se forem esperadas mudanças significativas em uma ou mais variáveis meteorológicas durante o período da previsão ou de uma parte independente.1 A direção média e a velocidade média do vento previsto devem ser informadas em dddff seguidas. no caso de mudança significativa da visibilidade.2 “Vento calmo” previsto deve ser codificado como 00000 seguido.1.2 Quando o conteúdo da previsão contida em um TAF for aplicável a mais de um aeródromo.4.1 Após os grupos TTTTT YYGG/YeYeGeGe.1. respectivamente. utilizando-se o grupo indicador TTYYGGgg na forma FMYYGGgg. deverão ser difundidas previsões separadas para cada um dos aeródromos em questão.2 GRUPO CCCC 51. 51. pelo menos.1 Devem ser utilizados os indicadores de localidade da OACI. ddd deverá ser codificado como VRB quando for previsto que a direção do vento sofrerá variação total de 60º ou mais. todos os grupos de nuvens devem ser informados. sem espaço. sem espaço. Entretanto. conforme o caso. 51.3 No caso de variação prevista da direção do vento. e a velocidade média do vento será inferior a 3 kt.3 GRUPO dddffGfmfm KT ou MPS 51. 51.5 Os grupos w’w’ e/ou NsNsNshshshs ou VVhshshs devem ser omitidos se a(s) variável(is) correspondente(s) prevista(s) não for(em) significativa(s) ou não for(em) prevista(s) ocorrer(em).1. pela abreviatura KT.1.5. visibilidade. Cada grupo de mudança deve ser seguido pelas descrições das variáveis meteorológicas previstas se modificarem.4. com qualquer valor de velocidade média.3.1 O período de previsão pode ser dividido em duas ou mais partes independentes. 51.2. ddd também deverá ser codificado como VRB. ou quando for impossível a previsão de uma única direção do vento. algumas variáveis devem ser omitidas. pelas abreviaturas KT ou MPS. 51.3. 51. Se a variação prevista for de 180º ou mais. NOTA 1: KT e MPS são abreviaturas padrões da OACI para nós e metros/segundo. Uma descrição completa das condições prevalecentes previstas deve ser incluída no início da previsão ou nas partes independentes dadas por FMYYGGgg. um ou mais grupos TTTTT YYGG/YeYeGeGe deverá(ão) ser adicionado(s) após a descrição completa das condições prevalecentes anteriores. 51. porém inferior a 180º. de 9 de abril de 2012. deve ser informado também o fenômeno previsto que causará agravamento.2. 51. informações sobre vento.4 A previsão deve cobrir o período entre Y1Y1G1G1 e Y2Y2G2G2. 51. NOTA 2: O Brasil adotou o nó (KT) como unidade de medida da velocidade do vento. (NR) – Portaria DECEA nº 4/SDOP.1. Somente um grupo CCCC deve ser incluído em cada previsão codificada. de acordo com o item a seguir.

precipitação moderada ou forte (inclusive pancadas).8. e b) a ocorrência ou término dos seguintes fenômenos meteorológicos: . imediatamente após dddff.000 m para valores de 5.1 O grupo VVVV deve ser utilizado para informar a visibilidade horizontal predominante prevista.poeira.1 A inclusão do grupo w’w’ para informar o tempo significativo previsto. baixa flutuante. . depois de um grupo de mudança. . NOTA: Se.98/250 MCA 105-10 / 2012 51.5 GRUPO w’w’ 51.trovoadas (com precipitação). os grupos ff e fmfm devem ser precedidos da letra P (plus) e informados como P99KT.000 m. sopradas pelo vento.tempestade de areia.4.000 a 9.3. e d) 9999 para indicar 10 km ou mais. b) incrementos de 100 m para valores de 800 a 5.5. 51. deve ser somente para informar: a) ocorrência. término ou mudança de intensidade dos seguintes fenômenos meteorológicos: . .precipitação congelante.4 Quando for previsto que a velocidade máxima do vento excederá a velocidade média em 10 kt ou mais. . . Se a visibilidade horizontal for prevista não ser a mesma em diferentes direções e a visibilidade predominante não puder ser prevista.tempestade de poeira.4. essa velocidade máxima deverá ser informada em Gfmfm. c) incrementos de 1.cristais de gelo. em metros. o vento for informado novamente. o grupo VVVV deverá ser utilizado para informar a visibilidade mínima prevista. NOTA: Todo valor previsto que não se enquadre à escala utilizada deve ser arredondado para o valor imediatamente inferior da tabela. 51. areia ou neve.4 GRUPO VVVV 51. deverão ser seguidos estes mesmos critérios para se determinar se o grupo Gfmfm deverá ou não ser incluído. 51. e .nevoeiro congelante.3. areia ou neve.2 A visibilidade prevista deve ser informada. . 51.poeira. conforme o seguinte: a) incrementos de 50 m até o valor de 800 m. .5 Para velocidades do vento previsto de 100 kt ou mais. utilizando-se as abreviaturas apropriadas de acordo com o item 15.000 m.

6. em qualquer altura.1. outros fenômenos indicados na Tabela 4678 que sejam previstos causar mudanças significativas na visibilidade. 51.1.1.tempestades. Deve ser informada como SCT.1. b) 2º grupo: a próxima camada individual seguinte em altura.500 metros (5. que cubra 3/8 ou mais. nublado (5 a 7 oitavos) ou encoberto (8 oitavos). BKN ou OVC conforme o caso.1. ou c) nuvens com altura da base abaixo da altitude mínima de setor mais elevada. .2 NsNsNs deve ser utilizado para informar a quantidade total de nuvens que seja prevista para o nível informado em hshshs. SCT.MCA 105-10 / 2012 99/250 . NsNsNshshshs ou VVhshshs ou NSC 51. conforme acordo entre os Serviços de Meteorologia Aeronáutica e de Tráfego Aéreo NOTA: Devem ser incluídos também.1 QUANTIDADE E ALTURA DAS NUVENS NsNsNshshshs 51.trovoadas (sem precipitação). conforme o caso.6. 51. Deve ser informada como FEW.6.2 Para informar o término de fenômeno de tempo significativo w’w’. e .000 pés). nuvens esparsas (3 a 4 oitavos).4 A seleção das camadas de nuvens previstas a serem informadas deve ser feita conforme os seguintes critérios: a) 1º grupo: a camada individual mais baixa. O número de grupos não deve ser superior a três.outros fenômenos meteorológicos da Tabela 4678.1 A quantidade NsNsNs deve ser informada como poucas nuvens (1 a 2 oitavos). como tempo significativo previsto w'w'. 51. 51.3 O grupo de nuvens deve ser repetido para informar diferentes camadas de nebulosidade previstas.6. BKN ou OVC.1. pela altura da base hshshs.5. que devem ser informadas. . as abreviaturas FEW. . juntamente com o respectivo tipo. b) nuvens CB ou TCU. deve ser utilizada a abreviatura NSW (Nil Significant Weather) em lugar do grupo w’w’.6 GRUPO 51.7). utilizandose. 51. exceto quando forem previstas nuvens CB e/ou TCU.6. de qualquer quantidade. respectivamente. sem espaço.nuvem(ns) funil (tornado ou tromba d’água).1 As informações de nuvens previstas devem ser limitadas às nuvens de significado operacional que são: a) nuvens com altura da base abaixo de 1. destes valores o maior (conforme a Nota do item 51. BKN ou OVC seguidas.6. SCT.

conforme o caso.1. a quantidade deve ser informada como a soma das quantidades de nuvens CB e TCU e o tipo deve ser informado como CB. sem espaço. Nuvens CB e TCU previstas devem ser informadas utilizando-se a adição da abreviatura CB ou TCU no grupo de nuvens. simultaneamente. NOTA: Visibilidade vertical é definida como o alcance visual vertical dentro de um meio obscurecedor. e c) nenhum fenômeno meteorológico significativo (ver Tabela 4678).2 A visibilidade vertical deve ser informada em centenas de pés (ft). 51.3 Quando não forem previstas nuvens de significado operacional e o uso da abreviatura CAVOK não for apropriado. No caso de nuvens CB e TCU previstas com a mesma altura das bases.1 Quando for previsto o céu ficar obscurecido e as nuvens não possam ser previstas. 51. Deve ser informada como BKN ou OVC. b) nenhuma nuvem de significado operacional. 51. utilizando-se incrementos de 30 metros (100 pés).1. sendo possível a previsão da visibilidade vertical. NOTA: Os grupos devem ser informados do nível mais baixo para o mais alto.6. NOTA: Todo valor observado que não se enquadre à escala utilizada deve ser arredondado para o valor imediatamente inferior da tabela. 51. 51. . que cubra 5/8 ou mais.6 Os tipos de nuvens previstas que não sejam CB ou TCU não devem ser informados. as seguintes condições: a) visibilidade: 10 km ou mais.2.6.100/250 MCA 105-10 / 2012 c) 3º grupo: a próxima camada individual seguinte em altura. 51.6. deverá ser informado o grupo VVhshshs no lugar do grupo NsNsNshshshs.6. e d) grupos adicionais: nuvens CB e/ou TCU quando forem previstas e não tiverem sido informadas em nenhum dos grupos anteriores.6.6.000 pés).2 VISIBILIDADE VERTICAL VVhshshs 51.7 CAVOK A abreviatura CAVOK deverá substituir os grupos relativos à visibilidade horizontal prevista.5 A altura da base das nuvens previstas deve ser informada em centenas de pés (ft).2. em todo o horizonte. deverá ser utilizada a abreviatura NSC (Nil Significant Cloud). tempo previsto e nuvens prevsitas ou visibilidade vertical prevista quando for previsto ocorrerem. NOTA: Todo valor previsto que não se enquadre à escala utilizada deverá ser arredondado para o valor imediatamente inferior da escala. no qual hshshs é a visibilidade vertical prevista em incrementos de 30 metros (100 pés) até o limite de 600 metros (2. Por exemplo: SCT030CB e FEW022TCU.

nas condições meteorológicas previstas.MCA 105-10 / 2012 101/250 51.3 Os grupos de mudança TTTTT YYGG/YeYeGeGe na forma BECMG YYGG/YeYeGeGe devem ser utilizados para indicar mudanças nas condições meteorológicas previstas ocorrerem.3. 51.4 Os grupos de mudança TTTTT YYGG/YeYeGeGe na forma TEMPO YYGG/YeYeGeGe devem ser utilizados para indicar flutuações temporárias. Quando FMYYGGgg é utilizado.5. durante o período da previsão (Y1Y1G1G1 a Y2Y2G2G2). Tais grupos não devem ser incluídos até que todos os grupos necessários para descrever os elementos previstos para o período Y1Y1G1G1 a Y2Y2G2G2 ou YYGGgg tenham sido dados.1 Se as modificações das condições previstas forem esperadas durar uma hora ou mais. todas as condições previstas antes deste grupo são substituídas pelas condições previstas indicadas após o grupo. variando em um intervalo regular ou irregular de tempo específico.8. menos que a metade do período indicado em YYGG/YeYeGeGe.1 Estes grupos devem ser utilizados quando.3.8. neste caso.8 GRUPOS TTTTT YYGG/YeYeGeGe ou TTYYGGgg 51.8. frequentes ou não.8.3 As condições previstas descritas após os grupos BECMG YYGG/YeYeGeGe são aquelas esperadas prevalecerem de YeYeGeGe até o fim do período da previsão.8.8. a partir daquelas previsões anteriores a YYGG ou YYGGgg. .3.1. em alguma hora intermediária YYGGgg ou durante o período YYGG a YeYeGeGe. ou seja. a não ser que nova mudança seja esperada. no total. 51.3. os grupos BECMG YYGG/YeYeGeGe ou FMYYGGgg devem ser utilizados no início e no fim do período.4.1 A duração do período YYGG a YeYeGeGe normalmente não deve exceder de duas horas e em nenhum caso pode exceder de quatro horas. 51.8. 51. deve ser considerada como válida e remanescente a descrição das condições meteorológicas para o período da previsão. 51.2 O grupo indicador de hora TTYYGGgg na forma FMYYGGgg (from YYGGgg) deve ser utilizado para indicar o início de uma parte independente da previsão informada em YYGGgg.2 ou 51. no período de YYGG a YeYeGeGe. Se uma condição não for descrita nos grupos posteriores aos grupos de mudanças. YeYe deve informar a data antes da meia-noite e GeGe deve ser informado como 24.8. NOTA: Se o fim do período de previsão for meia-noite. 51. 51. de acordo com o item 51. um outro grupo de mudança BECMG YYGG/YeYeGeGe ou FMYYGGgg deve ser utilizado.8. for prevista uma mudança em alguma(s) ou em todas as condições meteorológicas previstas. durante o qual as condições são esperadas terminar.2 Os grupos de mudanças devem ser seguidos pela descrição de todas as condições meteorológicas para as quais foi feita a previsão de mudança.8. com duração de menos de uma hora em cada situação e. devem ser aplicados os itens 51.

12 GRUPO RMK A abreviatura RMK indica o início de um grupo incluído por decisão nacional. 51. somente uma possível variação nas condições previstas deverá ser indicada. A subdivisão do período previsto por FMYYGGgg deve ser utilizada para evitar previsões muito complexas nos casos em que muitas mudanças significativas forem esperadas acontecer durante o período da previsão. duas temperaturas máximas e duas temperaturas mínimas. . Neste caso. devem ser utilizados somente os valores de 30 e 40 para indicar probabilidades de 30% e 40%.1 Para indicar a probabilidade de ocorrência de um valor alternativo de uma variável prevista.1 Este grupo deve ser utilizado para informar a previsão de temperaturas máximas e mínimas para a hora indicada em YFYFGFGFZ.1. ou seja.9. temperaturas abaixo de 0ºC (zero grau Celsius) devem ser precedidas pela letra M (minus). Até quatro temperaturas devem ser incluídas.3 O grupo PROBC2C2 não deve ser utilizado em combinação com os grupos BECMG ou FMYYGGgg. TEMPO ou FM. Para C2C2. sem espaço. Quando a probabilidade for de 50% ou mais. seguido de um trigrama que indica o código do previsor que confeccionou o referido TAF.11 EMENDA À PREVISÃO DE AERÓDROMO Uma emenda de previsão de aeródromo deve ser codificada com a identificação TAF AMD no lugar de TAF e deve cobrir o restante do período de validez do TAF original.10. deve ser evitada a sobreposição de períodos de mudanças.2 Temperaturas entre –9ºC e 9ºC devem ser precedidas por 0 (zero).9 GRUPOS PROBC2C2 YYGG/YeYeGeGe 51. respectivamente. Durante o período de validez do TAF. 51.8. com as respectivas datas e horas.9. conforme o caso. 51. seguidos.2 O estabelecimento de uma probabilidade também pode relacionar-se à ocorrência de flutuações temporárias. a utilização de indicadores de mudanças deve ser mínima e cuidadosamente considerada.1 Uma probabilidade menor que 30% de mudança dos valores previstos não justifica o uso do grupo PROB. durante um período definido de tempo. 51.2 Para se manter previsões claras e sem ambiguidades. conforme a ordem de ocorrência.10 GRUPO (TXTFTF/YFYFGFGFZ TNTFTF/YFYFGFGFZ) 51. dentro do período de validez do TAF.10.9.9. os grupos PROBC2C2 YYGG/YeYeGeGe devem preceder imediatamente o valor alternativo. 51.3 Como procedimento para o SISCEAB. este grupo deve ser utilizado para. que deve indicar os valores das referidas temperaturas. 51. o grupo PROBC2C2 deve preceder imediatamente os grupos TEMPO YYGG/YeYeGeGe (por exemplo: PROB30 TEMPO 2922/3001). ela deverá ser informada utilizando-se BECMG. 51.10.102/250 MCA 105-10 / 2012 51.4. Devem ser utilizados os indicadores TX para a temperatura máxima prevista e TN para a temperatura mínima prevista. 51. por TFTF. informar a temperatura máxima e a temperatura mínima previstas. Particularmente. 51.

. às limitações das técnicas de previsão e às limitações causadas por algumas definições. o valor específico de qualquer variável incluído na previsão deve ser entendido pelos usuários como a melhor probabilidade de ocorrência ou mudança da variável que é esperada durante o período da previsão. preparada para uma rota entre dois aeródromos específicos.MCA 105-10 / 2012 103/250 FM 54-X Ext. 3 e 4 não podem ser informadas separadamente. e previsão em rota Dados relativos à corrente de jato (opcional) Dados relativos ao vento máximo e à cortante vertical do vento (opcional) Fenômenos complementares NOTA 4: As Seções 2. Similarmente. ROFOR Previsão em rota para a aviação FORMA SIMBÓLICA SEÇÃO 1 ROFOR (YYGGggZ) Y1Y1G1G1G2G2 KMH ou KT ou MPS CCCC NsNsNshshshs dhdhfhfhfh) 0i2zzz 7hthththfhfhf (2h'ph'pTpTp) CCCC (VVVV) 5BhBhBhBtL (QLaLaLoLo) (w1w1w1) (4hxhxhxThTh 6IchihihitL SEÇÃO 2 (11111 QLaLaLoLo h'jh'jfjfjfj) SEÇÃO 3 (22222 h'mh'mfmfmfm (dmdmvv)) SEÇÃO 4 9i3nnn NOTA 1: ROFOR é o nome do código para uma previsão para a aviação. esta hora deve ser entendida como a mais provável. NOTA 3: O código é composto das seguintes seções: Seção 1 2 3 4 Números simbólicos 11111 22222 Conteúdo Grupos de identificação e hora. NOTA 2: Devido à variabilidade das variáveis meteorológicas no espaço e no tempo. quando a hora de ocorrência ou mudança de uma variável é incluída na previsão.

1.7.1 Este grupo deve ser omitido quando a visibilidade não for prevista.1. 54.1 Grupo (VVVV) 54.1.7.6.1.3 O grupo 0i2zzz deve ser utilizado no início da previsão para cada seção ou ponto. NOTA: O grupo YYGGggZ informa a data e hora da confecção da previsão. 54.1.1. Áreas de 5 graus (i2 = 5) podem ser combinadas. 54. inclusive) e descrevendo detalhes das condições esperadas dentro do período de validez ao longo de cada seção.4. deve ser utilizado um dos seguintes métodos: a) dividindo-se a rota em seções (i2 = 0 a 5. 54.2 A previsão deve ser iniciada a partir do aeródromo de partida indicado pelo primeiro grupo CCCC.1.1. se necessário.3 e 51.1 SEÇÃO 1 54.2 Deve ser aplicado o item 51.4 Devem ser aplicados os itens 51. seguido do grupo YYGGggZ. KT e MPS são abreviaturas padrões da OACI para quilômetros/hora.4.104/250 MCA 105-10 / 2012 54. KT ou MPS. se as condições de tempo forem suficientemente uniformes. 54.1.1.1.1. nós e metros/segundo.7.1. grupos QLaLaLoLo deverão ser incluídos entre os grupos CCCC para identificar um número suficiente de pontos adicionais. NOTA: KMH. para fornecer um quadro satisfatório das várias condições de tempo e de vento esperados ao longo da rota.2 A previsão é considerada válida entre as horas G1G1 e G2G2 para todos os pontos ou em todas as seções ao longo da rota.1 A rota para a qual a previsão é confeccionada deve ser identificada pelos indicadores de localidades da OACI (CCCC) dos aeródromos.1. respectivamente. ou seja.6. 54. conforme o caso. em cada extremidade da rota. Um número suficiente de pontos deve ser escolhido.6 DESIGNAÇÃO DE ROTAS 54.7 ELEMENTOS DA PREVISÃO 54. 54.1. inclusive) e prevendo as condições para estes pontos.3 O grupo Y1Y1G1G1G2G2 deve ser seguido pelas abreviaturas KMH. Quando for desejável especificar a rota com maiores detalhes.1.6. 54. .1 O nome do código ROFOR deve sempre aparecer como prefixo para previsão em rota codificada individual.5 Na descrição das condições prevsitas.1. e b) selecionando uma série de pontos ao longo da rota (i2 = 6 a 9. 54.

e o segundo grupo 7 deve ser informado como 7///hfhfhf.7.1.1.1 ao 51. 54.7. 54. mas somente uma isoterma de 0ºC é prevista.7.7. e) fortes ondas orográficas.1.1 Se necessário.5.4. grupo 7.4 Grupo 7hthththfhfhf 54. sem espaços.2.3.1. suas abreviaturas deverão ser adicionadas e imediatamente seguidas do grupo w1w1w1.7.4 Se um grupo de nuvens e duas isotermas de 0ºC são previstas.7. f) tempestades de areia ou de poeira em área extensa. os grupos de nuvens e o grupo 7hthththfhfhf devem ser usados aos pares para cada camada. c) granizo.2 Quando a isoterma de 0ºC for prevista.1.4. grupo de nuvens. esse grupo deverá ser informado como 7///hfhfhf. da base e do topo de várias camadas são previstas.1. conforme o item 54.6.7. mas não houver previsão para topo de nuvens.1.7. acima do nível médio do mar.1. e o segundo grupo 7 deve ser informado como 7hththt///.4.1.1 Quando as alturas. este grupo deve ser repetido quantas vezes necessárias para informar mais de um tipo ou mais de uma camada de gelo. grupo 7. quando for utilizada a Tabela 4691.2 Grupo (w1w1w1) 54.7. grupo 7.7. esse grupo deve ser repetido e a base da camada informada no segundo grupo deve coincidir com o topo da camada informada no grupo anterior.1.700 metros.5 Grupo 6IchihihitL 54.2 Se a espessura da camada de qualquer tipo de gelo é superior a 2. d) trovoada.1 Por Acordo Regional de Navegação Aérea. a ordem dos grupos deve ser: grupos de nuvens.1. b) linha severa de trovoadas.7. 54.3 Se dois grupos de nuvens são informados. . a ordem dos grupos deve ser: grupo de nuvens.4. 54. 54. 54.1. grupo 7.1 Este grupo deve ser utilizado quando alguns dos seguintes fenômenos são previstos: a) ciclones tropicais.1.2.1. 54.4. ou g) chuva congelante.6. 54.7.1.7.1.3 Grupo NsNsNshshshs Devem ser aplicados os itens 51.5.MCA 105-10 / 2012 105/250 54.

4 SEÇÃO 4 – GRUPO 9i3nnn 54.2 Os grupos 951//. 54.7. 54.1.1.5 Grupo 5BhBhBhBtL A esse grupo. quando necessários. 92FtLaLa. 54. para o período de G1G1 a GG.7.106/250 MCA 105-10 / 2012 54. 952LaLa.1. .2. 54. O grupo de mudanças 96GGGp ou 97GGGp deve ser incluído quando forem previstas mudanças de alguns ou de todos os elementos previstos em horário intermediário GG.2. O tipo de condições meteorológicas. o grupo de mudanças não deve ser incluído até que todos os grupos de dados necessários para descrever os elementos previstos no período G1G1 a GG sejam informados.6 Grupo (2h'ph'pTpTp) Este grupo deve ser omitido quando a tropopausa não for prevista.6 Grupo (4hxhxhxThTh dhdhfhfhfh) Estes grupos devem sempre ser utilizados juntos e repetidos para cada nível para o qual a temperatura e o vento são previstos.4.2 Os grupos QLaLaLoLo h'jh'jfjfjfj devem ser repetidos quantas vezes necessárias para informar a posição da corrente de jato e o vento a ser encontrado ao longo do eixo da corrente de jato presente.1.4.1.3.4. O grupo de mudança deve ser seguido pela descrição de todos os elementos previstos durante o período de GG a Gp.1 Quando o vento máximo for previsto e não houver previsão da cortante vertical do vento. 54.7. para informar mudanças ao longo da rota. durante a passagem da frente. as condições descritas nos grupos de dados que o segue deverão ser consideradas válidas. o último grupo da seção deverá ser codificado como dmdm//. 953LaLa. esse elemento será considerado como inalterado. junto com a posição ou hora da passagem. 54.7. se necessário. 93FtLoLo e 94FtGG devem ser utilizados somente para informar o tipo de frente. 54. 54. Quando necessário. relativo à previsão de turbulência.5. devem sempre ser informados no final da parte principal da mensagem.1 e 51. Quando o grupo 96GGGp for utilizado. 954LoLo e 955LoLo ou a terminologia alternativa em linguagem clara correspondente (Tabela 1864) devem ser utilizados. o grupo h'mh'mfmfmfm deverá ser omitido e o grupo dmdmvv codificado como //vv. numa extensa área ou através de diversas zonas.3 SEÇÃO 3 54. um segundo grupo de mudança deverá ser utilizado.2 SEÇÃO 2 54. Assim. devem ser aplicados os mesmos critérios do itens 54. deve ser informado separadamente. 93FtLoLo e 94FtGG.3 Uma previsão deve cobrir o período de G1G1 a G2G2. depois do fim do período Gp. referente às condições após o horário GG. 54.7.2 Quando somente informações sobre a cortante vertical do vento estiverem disponíveis.3. Quando um elemento não for descrito no grupo que segue o grupo de mudança.1 A Seção 2 será omitida quando a corrente de jato não for prevista.2.1 Os grupos 91P2P2P2.5. Os grupos 92FtLaLa.

. 54.2 Esse grupo.4.6. 54.4 GRUPO 96GGGp 54.1 Esse grupo. iniciado em GG. 3 ou 4. Os grupos 9999C2 99GGGp devem ser informados logo após o elemento previsto e deve ser seguido imediatamente pelo valor alternativo. 54.1 Esse grupo deve ser utilizado para informar a probabilidade de ocorrência de um valor alternativo de um elemento previsto ou a ocorrência de flutuações temporárias. para condições meteorológicas previstas durarem menos de uma hora em cada situação e.3 Quando usado para informar a probabilidade de ocorrências de flutuações temporárias. deve ser utilizado para informar mudanças nas condições meteorológicas previstas ocorrerem em num intervalo de tempo regular ou irregular em uma hora não especificada no período iniciado em GG e indicado por Gp.4. cujo valor alternativo de um elemento da previsão possa ocorrer. 2. deve ser utilizado para informar flutuações temporárias frequentes ou não. 54. Quando a probabilidade for de 50% ou mais.4 O grupo 9999C2 não deve ser utilizado em combinação com o grupo 96GGGp.4. A duração do período Gp normalmente não deve exceder de duas horas e nunca poderá exceder de quatro horas. 5.4. é especificada na Tabela 1864. o grupo 9999C2 deverá ser seguido imediatamente por um grupo horário 99GGGp.2 Quando usado para informar a probabilidade de ocorrência de um valor alternativo de um elemento previsto. para a cobertura total.8 A linguagem clara abreviada equivalente utilizada para o grupo 9i3nnn.4.6. o período de previsão deverá ser dividido.4.4. 54.4. 4.4. com Gp = 0 (zero). Se for necessário Gp maior que GG e o período for maior que nove horas. 54. com Gp = 1.4. 54. 54. o grupo 9999C2 deverá preceder imediatamente o grupo 97GGGp. deve ser utilizado para informar o início de uma parte independente da previsão informada em GG.6.5 EMENDA DE PREVISÃO EM ROTA Uma emenda de previsão em rota deve ser codificada com a identificação ROFOR AMD no lugar de ROFOR e deve cobrir o restante do período de validez do ROFOR original. ela deverá ser informada utilizando-se o grupo 96GGGp apropriado. 54. NOTA: Uma probabilidade menor que 30% de mudança dos valores previstos não justifica o uso do grupo 9999C2.7 O grupo 99GGGp utilizado em combinação com o grupo 9999C2 indicam o período Gp.MCA 105-10 / 2012 107/250 54.6 GRUPO 9999C2 54. 8 ou 9. todas as condições previstas antes do grupo 96GG0 são substituídas pelas condições constantes do grupo seguinte. menos da metade do período dado em Gp. Neste caso.4. 2.4. conforme Acordo Regional de Navegação Aérea.5 GRUPO 97GGGp Esse grupo. com Gp = 1.6. 7. 6.4. 3.

. hora e local) para o qual a previsão de trajetória esteja associada Definição dos horários de chegada da contaminação radiológica e a localização da trajetória.. YjYjGjGjgjgj (5nnnIS) Y1Y1G1G1g1g1 izsnsisisp) Y2Y2G2G2g2g2 izsnsisisp) ... índice de estabilidade e categoria para cada local 0 — 1 111jj 2 222jj * Incluídas somente em um informe proveniente de estação terrestre fixa... NOTA 2: O código é composto das seguintes seções: Seção Números simbólicos Conteúdo Indicações do órgão que originou a previsão e a hora de confecção..... (hmhmhmhm NOTA 1: RADOF é o nome do código utilizado para fornecer previsões de trajetória radiológica para definir a hora prevista de chegada e localização... .. YjYjGjGjgjgj izsnsisisp) La1La1La1La1A 6XXXsnaa La2La2La2La2A ........ a hora inicial de análises/previsões utilizadas para produzir a trajetória....... 111jj Y1Y1G1G1g1g1 (5nnnIS) Y2Y2G2G2g2g2 ..................108/250 MCA 105-10 / 2012 FM 57–IX Ext.D** LoLoLoLoLoB SEÇÃO 0 RADOF F1F2YrYrGrGr AAMMJJJ hrhrhrhrih Y0Y0G0G0 YaYaGaGagaga Y1Y1G1G1GpGp LaLaLaLaA SEÇÃO 1 11101 11102 .. período de validez dos dados de previsão e identificação do incidente (atividades ou instalações envolvidas. 222jj (hmhmhmhm (hmhmhmhm ............ . LojLojLojLojLojB h 1h 1h 1h 1 h 2h 2h 2h 2 ............ . LojLojLojLojLojB (7XXXsnaa) Lo1Lo1Lo1Lo1Lo1B Lo2Lo2Lo2Lo2Lo2B ........ ** Incluídas somente em um informe proveniente de estação marítima ou terrestre móvel.... LajLajLajLajA 6XXXsnaa La1La1La1La1A La2La2La2La2A ................ hjhjhjhj SEÇÃO 2 22201 22202 ......... RADOF Previsão de trajetória radiológica (tempo definido de chegada e de localização) FORMA SIMBÓLICA IIiii* ou D........ previsão da quantidade radiológicas associada e dados sobre a substância radioativa e referida concentração na camada da superfície para cada local Definição de horários e localização da trajetória..... LajLajLajLajA Lo1Lo1Lo1Lo1Lo1B (7XXXsnaa) Lo2Lo2Lo2Lo2Lo2B .............. associados a altura de mistura. ........ ....

2. 57. devido a densidade das informações conforme o item 57. a Seção 1 deve adicionar. respectivamente. o grupo 6XXXsnaa para informar a quantidade radiológica esperada para a hora e posição previstas. os grupos 5nnnIS e 6XXXsnaa para informar a massa do isótopo. pelo menos.1. 57.3 UTILIZAÇÃO DAS SEÇÕES 57.2.5.2 Quando em forma impressa.1.3. para definir a hora e a localização da trajetória.1 Os grupos dessa seção devem constituir a primeira linha do texto da mensagem.1 Previsões de trajetórias radiológicas devem sempre conter. 57.2 Em previsões de trajetória radiológica de dose gama no ar. incluindo o beta total. o grupo 7XXXsnaa também deve ser incluído para informar a concentração da substância radioativa (atividade beta total) na camada da superfície. que deve ser seguido do grupo data-hora de emissão da previsão (YrYrGrGr) e do grupo data-hora inicial de análises/previsões utilizadas para produzir a trajetória (Y0Y0G0G0). a quantidade radiológica esperada para a hora e posição previstas.3 Em previsões de trajetória radiológica de concentração no ar de isótopos.3.1.4 Quando dados relevantes encontram-se disponíveis.3.1. além dos cinco primeiros grupos. em Becquerel por metro cúbico (Bq/m3). 57. o RADOF deve apresentar as características de uma tabela de dados de leitura direta. em becquerel por metro cúbico (Bq/m3).1 O nome do código RADOF deve sempre ser incluído no início da mensagem. 57.3 GRUPO Y1Y1G1G1GpGp A previsão de trajetória deve cobrir o período que se inicia em Y1Y1G1G1 e termina em GpGp. a Seção 2 deve ser incluída para informar a altura de mistura e/ou índice de estabilidade e categoria. a Seção 1 deve adicionar.1. em millisieverts (mSv). a Seção 0 e os cinco primeiros grupos da Seção 1.1.2. 57.1. 57.1.3.2 GRUPOS F1F2YrYrGrGr Y0Y0G0G0 O órgão que originou a previsão deve ser informado em F1F2.MCA 105-10 / 2012 109/250 57. além dos cinco primeiros grupos. se apropriado. o nome do elemento.1 GENERALIDADES 57. 57. 57.3.5 Quando dados relevantes de previsão encontram-se disponíveis.3. .1. NOTA: As sequências horárias e as posições dos pontos previstos incluídas na Seção 2 não são necessariamente as mesmas incluídas na Seção 1.2 SEÇÃO 0 57.

caso necessário. NOTA: A fim de manter as características para uma leitura direta. em graus e minutos. sp deve ser codificado conforme a Tabela 3847. 57. 57.2 Dados sobre a altura de mistura (hmhmhmhm) e/ou índice de estabilidade e categoria (izsnsisisp) devem ser incluídos na linha de dados mesmo após os grupos de posição.110/250 MCA 105-10 / 2012 IIiii* 57.3. o valor de previsão é informado em sisi modificado por sn para o sinal do valor. . e a altura acima do nível médio do mar. hora e localização) para o qual a previsão de trajetória esteja associada. nesse caso.3 A linha de dados contendo grupos relevantes das posições deve ser repetida para diferentes trajetórias previstas de posições. D** AAMMJJJ YaYaGaGagaga LaLaLaLaA LoLoLoLoLoB hrhrhrhrih Esses grupos devem ser incluídos para identificar o incidente (atividades ou instalações envolvidas. a hora prevista de chegada de contaminação e o grupo de previsão de posição devem ser incluídos como os quatro primeiros grupos nas linhas seguintes do texto da mensagem. substituídos por espaços em branco. 57. conforme necessário. 57. 57.4 A linha de dados contendo grupos relevantes das posições deve ser repetida para diferentes trajetórias previstas de posições. . NOTA: Deve ser aplicado o item 57.3. seguidos pelos grupos de posição.1 O indicador do grupo (111jj). os grupos 5nnnIS e 6XXXsnaa devem ser repetidos.4.3. quando relevante e precedida pela massa do isótopo e o nome do elemento (5nnnIS). seguida de dados sobre a concentração de substância radioativa na camada da superfície (7XXXsnaa) devem ser incluídos na mesma linha de dados.4 SEÇÃO 2 57.4 GRUPOS ou D . em metros).1 Quando os dados relevantes estiverem disponíveis. NOTA: O número sequencial jj = 01 a 99 indica a(s) linha(s) de dado(s) da próxima previsão de posição de determinado ponto.3.4. devem ser incluídos como os cinco primeiros grupos nas linhas subsequentes do texto da mensagem. o indicador do grupo (222jj). 57. a hora prevista para a chegada da contaminação (YjYjGjGjgjgj) e os grupos de previsão de posição (LajLajLajLajA LojLojLojLojLojB hjhjhjhj latitude e longitude.1.3 Se vários isótopos estiverem previstos para a mesma hora e posição. caso necessário. 57.2 A previsão de quantidade radiológica (6XXXsnaa).3.4.2. .3 SEÇÃO 1 57. os grupos de tempo e posição não devem ser repetidos e sim. O iz deve ser codificado conforme a Tabela 1859.

Se o fenômeno está previsto para ocorrer ocasionalmente no mesmo período. 61.3.1 Este grupo deve indicar a área marítima a que se refere a previsão ou conjunto de previsões. 61.2 Se o nome geográfico para a região da previsão for utilizado em vez do indicador AAAam.2 GRUPO YYG1G1/ Este grupo deve ser utilizado para informar a data (dia do mês) e a hora (UTC) do início do período para o qual é válida a previsão ou um conjunto de previsões. O grupo não deve ser repetido.2 GRUPO 1GDFmWm Este grupo deve informar o período de tempo coberto pela previsão. deve ser inserido no lugar desse grupo. 61.1. 61.1 Estes grupos devem ser repetidos quantas vezes necessárias para descrever mudanças na previsão das condições meteorológicas em uma determinada área. no qual G = 1 a 8. farão referência à previsão meteorológica com início na hora informada no grupo YYG1G1/ e continuando durante o período informado em G. 61. 61.4.4. a direção e a força do vento previsto e a previsão das condições meteorológicas. e os dois grupos adicionais seguintes.1 GENERALIDADES 61.3.2 O grupo 1GDFmWm.4 GRUPO 1GDFmWm (2VSTxTn) (3DKPwHwHw) 61. Os grupos 1GDFmWm (G = 1 a 8) subsequentes deverão informar o período em que as condições são previstas persistir começando ao final do período coberto pelo grupo precedente 1GDFmWm (G = 1-8).1 O nome do código MAFOR deve sempre aparecer como prefixo para previsão para navegação codificada individual.1. 61. 61.MCA 105-10 / 2012 111/250 FM 61–IV MAFOR Previsão para navegação FORMA SIMBÓLICA MAFOR YYG1G1/ 0AAAam 1GDFmWm (2VSTxTn) (3DKPwHwHw) NOTA: MAFOR é o nome do código utilizado para uma previsão para navegação.2 O nome do código deve ser incluído na primeira linha do texto de uma sequência de previsões MAFOR. o conjunto de 1GDFmWm (2VSTxTn) (3DKPwHwHw) (G = 1 a 8) deve ser seguido por um grupo 1GDFmWm (G = 9). Previsões individuais codificadas não devem conter o nome do código. considerando a necessidade de utilização mínima no número de grupos utilizados. quando utilizados. . mesmo quando houver previsões de várias áreas (AAA) em uma mensagem.3 GRUPO 0AAAam 61.4.

o período e a altura das ondas previstas.2 Quando as ondas de várias direções forem previstas.4.4. 61.112/250 MCA 105-10 / 2012 61.4. estado do mar e as temperaturas do ar extremas. deverá ser informada a direção de onde vem a onda de período mais longo. 61.4 GRUPO (3DKPwHwHw) 61. .4.3 GRUPO (2VSTxTn) Este grupo é opcional e deve informar a previsão de visibilidade.4.1 Este grupo é opcional e deve informar a direção.4.

1..... data-hora de ocorrência ou data-hora de início e final do período para o qual a previsão é válida Previsão de gelo e datas de início e final do período para o qual a previsão é válida NOTA 3: Os grupos entre parênteses são opcionais e podem ou não ser incluídos na previsão.......MCA 105-10 / 2012 113/250 FM 68–VI HYFOR Previsão hidrológica FORMA SIMBÓLICA SEÇÃO 1 SEÇÃO 2 SEÇÃO 3 SEÇÃO 4 HYFOR 22 33 66 (000ACi) BBiHiHiH M1Y1Y1G1G1 ... o grupo 000ACi pode ser omitido.. Para o intercâmbio internacional....... 68.... FHQ1Q1Q1eQ . 1PiM1Y1Y1 FHQ2Q2Q2eQ . 2PiM2Y2Y2 NOTA 1: HYFOR é o nome do código para informar previsões hidrológicas.1................. e b) para divulgação nacional. devem ser utilizados os grupos 000ACi BBiHiHiH....1 GENERALIDADES 68.... conforme o caso: a) (000ACi) – utilizado quando a previsão é destinada para as necessidades nacionais.....1 O nome do código HYFOR deve sempre aparecer como prefixo para previsão hidrológica codificada individual... data-hora de ocorrência ou data-hora de início e final do período para o qual a previsão é válida Previsão de descarga... M1Y1Y1G1G1 ... (M2Y2Y2G2G2) . e b) (M2Y2Y2G2G2) .. 68.. .. (M2Y2Y2G2G2) .....2 O grupo identificador 000ACi deve ser incluído na primeira linha do texto de uma sequência de previsões HYFOR oriundas de estações de observação hidrológica situadas na mesma região e país........ 68.. .........1... NOTA 2: O código é composto das seguintes seções: Seção 1 2 3 4 Números simbólicos 22 33 66 Conteúdo Nome de código e identificação da estação Período da previsão........utilizado somente quando a previsão se aplica a um determinado período.. sua inclusão é obrigatória.........3 A identificação das estações de observação hidrológica deve ser da seguinte forma: a) para divulgação internacional. FHHs1H s1H s1H s1 FHHs2H s2H s2H s2 ..

para FH = 8 ou 9. o grupo indicador da seção deverá ser omitido. o grupo BBiHiHiH deve ser precedido pelo grupo 000ACi na primeira linha do informe. . 3 e 4. devem ser utilizados os grupos M1Y1Y1G1G1 e M2Y2Y2G2G2 para definir o início e o fim do período para o qual a previsão é válida. a localização da estação deve sempre ser informada pelo grupo BBiHiHiH.5 Quando as previsões para uma seção específica não forem informadas. 3. incluída ou não em uma sequência. em que BB é o indicador internacional da bacia e iHiHiH é o número de identificação da estação.2. 6 ou 7.114/250 MCA 105-10 / 2012 68.1. os grupos devem ser dispostos em ordem crescente de números para FH e Pi. 5. 68. O primeiro grupo deve indicar o menor e o segundo deve indicar os limites máximos do valor de previsão.2. Se for para divulgação internacional.2 Nas Seções 2 e 3. 68.2 SEÇÕES 68.1. 4. 68. 68.2. Para FH = 1. o valor de previsão da variável (nível ou descarga) é dado por dois grupos sucessivos.1 Nas Seções 2.4 Em cada previsão individual.3 Nas Seções 2 e 3. 2. um grupo M1Y1Y1G1G1 somente deve ser utilizado para informar a data da previsão.

1 ESPECIFICAÇÕES DAS LETRAS OU GRUPO DE LETRAS SIMBÓLICAS A Miragem (Tabela 0101) (SYNOP e SHIP) Direção de latitude (N = Norte. PILOT SHIP. máximo na direção Da (Tabela 0163) (SYNOP e SHIP) Atividades ou instalações envolvidas em incidentes (Tabela 0177) (RADOF) Área marítima (MAFOR) Razões de informe incompleto (Tabela 421) (PILOT. TEMP SHIP. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Altura do anemômetro em decímetros (BUOY) Característica da tendência da pressão barométrica durante as 3 horas precedentes à hora da observação (Tabela 0200) (SYNOP. torres de perfuração de petróleo ou plataformas marítimas (Tabela 0161) (SHIP e BUOY) Obscurecimento diurno. TEMP SHIP. PILOT MOBIL.Região II) (HYFOR) AN A1 A3 AA AAA AdfAdf AhAhAh a aI am a3 a4 aa B BA BZ bi BB B RB R B tB t bw C Tipo de anemômetro (Tabela 0114) (BUOY) Área da Região da OMM na qual foram implementadas boias. SHIP. SHIP. Altostratus e Nimbostratus (Tabela 0515) (SYNOP. Stratus.MCA 105-10 / 2012 115/250 4 LETRAS OU GRUPO DE LETRAS SIMBÓLICAS 4. TEMP. TEMP e TEMP SHIP) Nuvens do gênero Stratocumulus. SHIP e BUOY) Tendência de comportamento do gelo (Tabela 0210) (ICEAN) Parte da área marítima (Tabela 0244) (MAFOR) Superfície isobárica padrão para a qual o geopotencial é informado (Tabela 0264) (SYNOP) Tipo de equipamento utilizado para medição (Tabela 0265) (PILOT. Cumulus e Cumulonimbus (Tabela 0513) (SYNOP. TEMP e TEMP SHIP) . PILOT MOBIL. TEMP e TEMP SHIP) Nuvens do gênero Altocumulus. Cirrocumulus e Cirrostratus (Tabela 0509) (SYNOP. WINTEM e RADOF) Turbulência (Tabela 0300) (ROFOR) Turbulência (Tabela 0302) (AMDAR) Turbulência em alto nível (Tabela 0359) (CODAR) Gelo de origem terrestre (Tabela 0439) (SYNOP e SHIP) Indicador internacional para a bacia em uma determinada Região da OMM (A) (HYFOR) Coeficiente de atrito/Ação de frenagem (Tabela 0366) (METAR e SPECI) Tipo de bóia (Tabela 0370) (BUOY) Subárea pertencente a àrea indicada por A1 (Tabela 0161) (SHIP e BUOY) Gênero de nuvens (Tabela 0500) (SYNOP e SHIP) Concentração total de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Gênero da camada predominante de nuvens (Tabela 0500) (IAC) CH CL CM Nuvens do gênero Cirrus. PILOT SHIP. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Expoente decimal de quantidade radiológica ou descarga (RADOF) Direção da longitude (AMDAR. S = Sul) (AMDAR e RADOF) Região da OMM onde se localiza a estação de observação hidrológica (1-Região I. SHIP. 2. TEMP.

em profundidades selecionadas e/ou significativas com início na superfície do mar (BUOY) cncncn D Direção (verdadeira) de onde sopra o vento à superfície (Tabela 0700) (MAFOR) Direção (verdadeira) para onde o gelo se afastou nas últimas 12 horas (Tabela 0700) (ICEAN) DH DK DL DM Da Direção (verdadeira) de onde as nuvens CH se deslocam (Tabela 0700) (SYNOP e SHIP) Direção (verdadeira) de onde a expansão se move (Tabela 0700) (MAFOR) Direção (verdadeira) de onde as nuvens CL se deslocam (Tabela 0700) (SYNOP e SHIP) Direção (verdadeira) de onde as nuvens CM se deslocam (Tabela 0700) (SYNOP e SHIP) Direção (verdadeira) na qual são observadas nuvens orográficas ou nuvens com desenvolvimento vertical (Tabela 0700) (SYNOP e SHIP) Direção (verdadeira) na qual o fenômeno indicado é observado ou as condições especificadas no mesmo grupo são informadas (Tabela 0700) (SYNOP e SHIP) Di Dp Rumo (verdadeiro) da borda principal do gelo (Tabela 0739) (SYNOP e SHIP) Direção (verdadeira) de onde o fenômeno informado se desloca (Tabela 0700) (SYNOP e SHIP) ......... Extensão de cobertura da pista (Tabela 0519) (METAR e SPECI) Nuvens especiais (Tabela 0521) (SYNOP e SHIP) Natureza das nuvens de desenvolvimento vertical (Tabela 0531) (SYNOP e SHIP) Coloração e/ou convergência de nuvens associadas a distúrbios tropicais (Tabela 0533) (SYNOP e SHIP) Concentração da forma terciária de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Indicador do país para cada bacia (BB) em que a estação de observação hidrológica é situada (HYFOR) Concentração da forma predominante de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Concentração da forma quaternária de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Concentração da forma secundária de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Sistema de nuvens (Tabela 0551) (IAC) Descrição do topo das nuvens cujas bases estão abaixo do nível da estação (Tabela 0552) (SYNOP) Concentração da forma quinária de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Concentração do estágio predominante de desenvolvimento de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Grau de confiança (Tabela 0562) (IAC e IAC FLEET) Concentração do estágio secundário de desenvolvimento de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Probabilidade......116/250 MCA 105-10 / 2012 CR CS Ca Cc Ce Ci Cp Cq Cs Ct Cu C1 C2 C3 C4 C5 C’ C 2C 2 CCCC c 0c 0c 0 c 1c 1c 1 . SPECI.. em cm/s.. TAF e ROFOR) Velocidade da corrente. em dezenas de porcentagem (ROFOR) Concentração do estágio terciário de desenvolvimento de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Concentração do estágio quaternário de desenvolvimento de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Concentração do estágio quinário de desenvolvimento de gelo (Tabela 0501) (ICEAN) Gênero de nuvens cujas bases estão abaixo do nível da estação (Tabela 0500) (SYNOP) Probabilidade em porcentagem arredondada para múltiplos de 10 (TAF) Indicador de localidade da OACI (METAR..

em dezenas de graus. dBdB dhdh djdj dmdm Direção da bóia à deriva.) (METAR e SPECI) Direção (verdadeira) da característica da água dada em Wt (Tabela 0755) (ICEAN) Direção (verdadeira) da posição do ponto da estação (Tabela 0700) (IAC) Número da pista para a qual se refere o RVR dado por VRVRVRVR (METAR e SPECI) Depressão do ponto de orvalho no nível da tropopausa (Tabela 0777) (TEMP. em dezenas de graus. de onde sopra ou soprará o vento (METAR.. aplicável ao ponto da grade (Tabela 0877) (WINTEM e CODAR). iniciando com o nível da estação (Tabela 0777) (TEMP. de onde o vento irá soprar na altitude indicada em hxhxhx (Tabela 0877) (ROFOR) Direção (verdadeira). BUOY e IAC). dada por uma ou duas letras indicadoras dos pontos cardeais ou colaterais (N. TEMP SHIP...MCA 105-10 / 2012 117/250 Ds Dv Dw D1 D RD R D tD t D 0D 0 D 1D 1 . SHIP. em dezenas de graus. composto por 3 ou mais caracteres alfanuméricos (SHIP) Indicativo de chamada. PILOT SHIP.D dT dc dd Direção (verdadeira) do deslocamento resultante do navio durante as 3 horas precedentes à hora da observação (Tabela 0700) (SHIP) Direção da observação. de onde sopra o vento máximo (PILOT. composto por 3 ou mais caracteres alfanuméricos (RADOF) Quantidade de mudança de temperatura (Tabela 0822) (SYNOP e SHIP) Duração e caráter da precipitação dada por RRR (Tabela 0833) (SYNOP e SHIP) Direção (verdadeira). de onde vêm as ondas (Tabela 0877) (IAC e IAC FLEET) Direção (verdadeira).. em dezenas de graus. TEMP SHIP. em graus inteiros. de onde sopra ou soprará o vento.. para onde se move o sistema ou a frente (Tabela 0877) (IAC e IAC FLEET) Direção (verdadeira). TEMP SHIP. em dezenas de graus. em dezenas de graus. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Sinal de chamada dos navios. de onde sopra ou soprará o vento (Tabela 0877) (Tabela 0878) (SYNOP. em dezenas de graus. de onde soprará o vento máximo no nível de voo indicado em nmnmnm (Tabela 0877) (WINTEM e ROFOR) dsds dtdt dwdw dw1dw1 dw2dw2 d0d0 d1d1 . DnDn D. de onde sopra o vento nos níveis especificados. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Depressão do ponto de orvalho nas superfícies isobáricas padrões ou nos níveis significativos. em graus arredondados para a dezena de graus mais próxima. em dezenas de graus. PILOT SHIP. TEMP SHIP.. TEMP SHIP. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Direção (verdadeira).. . iniciando com o nível de superfície (PILOT.. etc. de onde sopra o vento (AMDAR) . TEMP. em dezenas de graus. de onde vem a série de ondas (Tabela 0877) (SYNOP e SHIP) Direção (verdadeira). expressa em dezenas de graus. em dezenas de graus. em dezenas de graus. de onde sopra o vento da corrente de jato (Tabela 0877) (IAC) Direção (verdadeira). de onde sopra o vento no nível da tropopausa (TEMP. PILOT MOBIL. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Direção (verdadeira). TEMP. na última posição conhecida dada nos grupos YYMMJ GGgg/ (BUOY) Direção (verdadeira).. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Direção (verdadeira). NE. Direção (verdadeira) prevista. PILOT MOBIL.. SPECI e TAF) Direção (verdadeira). dndn ddd Direção (verdadeira).

em kt ou m/s (METAR. IAC FLEET e ROFOR) Forma quinária de gelo (Tabela 1135) (ICEAN) Força máxima do vento. PILOT SHIP. durante as 24 horas precedentes (SYNOP e SHIP) Ângulo de elevação do topo da nuvem indicada por C (Tabela 1004) (SYNOP e SHIP) Tipo de isopleta e unidades de valor uuu (Tabela 1062) (IAC) Tipo de isopleta e unidades de valor uu (Tabela 1063) (IAC e IAC FLEET) Ângulo de elevação do topo do fenômeno sobre o horizonte (Tabela 1004) (SYNOP e SHIP) Profundidade do depósito (Tabela 1079) (METAR e SPECI) Tipo de previsão (Tabela 1109) (HYFOR) Característica da frente (Tabela 1133) (IAC e IAC FLEET) Forma terciária de gelo (Tabela 1135) (ICEAN) Intensidade da frente (Tabela 1139) (IAC e IAC FLEET) Previsão do vento à superfície (Tabela 1144) (MAFOR) Forma predominante de gelo (Tabela 1135) (ICEAN) Forma quaternária de gelo (Tabela 1135) (ICEAN) Forma secundária de gelo (Tabela 1135) (ICEAN) Tipo de frente (Tabela 1152) (IAC. PILOT MOBIL e CODAR) Velocidade do vento previsto. em kt ou m/s (METAR. em m/s ou kt (PILOT. em quilojoules/metro quadrado/hora (SYNOP e SHIP) Velocidade do vento. em kt. em dezenas de milímetros. no ponto de grade correspondente (WINTEM) Velocidade do vento. informada com referência ao norte verdadeiro e arredondada para a dezena de graus mais próxima (METAR e SPECI) Estado do solo sem neve ou camada de gelo mensurável (Tabela 0901) (SYNOP) ER Depósitos na pista (Tabela 0919) (METAR e SPECI) Elevação sobre o horizonte da base da bigorna do Cumulonimbus ou do limite superior de outro fenômeno (Tabela 0938) (SYNOP e SHIP) Estado do solo com neve ou camada de gelo mensurável (Tabela 0975) (SYNOP) Espessura do acúmulo de gelo sobre os navios. na Escala Beaufort do Vento (SYNOP e SHIP) Identificação do órgão originador (RADOF) Quantidade de radiação. do sistema. informada com referência ao norte verdadeiro e arredondada para a dezena de graus mais próxima (METAR e SPECI) Direção horária extrema da variação do vento. em kt. SPECI e TAF) Velocidade. SHIP e BUOY) Velocidade do vento. no período coberto por W1W2. em centímetros (SYNOP e SHIP) Quantidade de evaporação ou evapotranspiração. frente ou área (IAC e IAC FLEET) Velocidade do vento. em unidades indicadas por iw. SPECI e TAF) Velocidade do vento em kt (IAC) E Eh E’ EsEs EEE eC e1 e2 e’ e Re R FH Fc Fe Fi Fm Fp Fq Fs Ft Fu Fx F 1F 2 FFFF ff fmfm f sf s fff Velocidade máxima do vento. no nível dado em hIhIhI (AMDAR) .118/250 MCA 105-10 / 2012 dndndn dxdxdx Direção anti-horária extrema da variação do vento. em nós. de 99 unidades ou mais (SYNOP e SHIP) Velocidade do vento. em unidades indicadas por iw (SYNOP.

no nível da tropopausa (TEMP. aproximada para a hora cheia UTC mais próxima. em m/s ou kt. arredondada para a hora UTC mais próxima (TAF) Hora real da observação. em unidades indicadas por ij (IAC) Velocidade do vento. definindo a hora de início do período coberto pela previsão (HYFOR) GrGr GsGs G1G1 G2G2 Hora do término do período coberto pela previsão. arredondado para uma hora inteira UTC mais próxima (TAF) Horas a serem somadas a GcGc para se obter a hora para a qual a previsão é válida (ICEAN. ROFOR e MAFOR) Hora. aproximada para a hora cheia UTC mais próxima.. aproximada para a hora cheia UTC mais próxima. PILOT SHIP. em km/h. aproximada para a hora cheia UTC mais próxima (ROFOR) GFGF GcGc GeGe GpGp Hora de validez do prognóstico de temperatura. IAC e IAC FLEET) Período coberto pela previsão. PILOT MOBIL. especificando o início do período coberto pela previsão (RADOF) Hora. em horas cheias UTC (TAF. TEMP. PILOT SHIP.MCA 105-10 / 2012 119/250 f gf gf g fhfhfh f jf jf j fmfmfm Derivada máxima equivalente à rajada vertical. PILOT MOBIL. níveis especificados. kt ou m/s. aproximada para a hora cheia UTC mais próxima (RADOF) Hora real. TEMP SHIP. TEMP. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Velocidade do vento. TEMP. PILOT MOBIL. em m/s ou kt (PILOT. em km/h. kt ou m/s. TEMP SHIP. em m/s ou kt. ao nível determinado por hxhxhx (ROFOR) Velocidade do vento da corrente de jato. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Hora real do primeiro informe. no nível indicado por nmnmnm (WINTEM) Velocidade do vento. fnfnfn G Gp GG Velocidade do vento. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Velocidade do vento máximo.. aproximada para a hora cheia UTC mais próxima (AMDAR) Hora real de início da previsão. definindo o final do período coberto pela previsão (HYFOR) GGg Hora da observação. em km/h. em horas e décimos de minutos UTC (CODAR) . TEMP DROP e TEMP MOBIL) Período coberto pela previsão (Tabela 1300) (MAFOR) Período para a próxima hora cheia (ROFOR) Hora real da observação. aproximada para a hora cheia UTC mais próxima. kt ou m/s. no núcleo do jato (ROFOR) Velocidade do vento máximo. em horas cheias UTC (TAF e ROFOR) Hora. TEMP SHIP. ao nível determinado em h'mh'm (ROFOR) f tf tf t f 0f 0f 0 f 1f 1f 1 . aproximada para a hora cheia UTC mais próxima (SYNOP. em horas inteiras (RADOF) Hora de divulgação da previsão. SHIP. TEMP SHIP. dos dados de satélite usados para preparar a carta (ICEAN) Hora inicial do período da previsão. em km/h. aproximada para a hora cheia UTC mais próxima. em décimos de m/s (AMDAR) Velocidade do vento. PILOT SHIP. do fim do período que começou em GG. IAC e IAC FLEET) Hora prevista. kt ou m/s. iniciando com o nível da estação (PILOT. PILOT. para a qual a carta foi preparada (ICEAN.

em unidades de 0. acima do solo (codificado 99 para 99 m ou mais) (SYNOP e SHIP) Altura da base da nuvem. em centímetros (HYFOR) Altura da base da nuvem mais baixa.5 metro (MAFOR) Altura das ondas. em horas e minutos UTC (SYNOP. entre a hora da observação e a hora da variação do vento médio máximo ou da variação da temperatura (SYNOP e SHIP) Horas a serem somadas (ou subtraídas de) à hora do preâmbulo para se obter a hora específica das informações complementares (IAC e IAC FLEET) Altura das vagas do vento. SHIP e BUOY) Valor da altitude reduzida à próxima superfície isobárica padrão. em metros.120/250 MCA 105-10 / 2012 GGgg Hora da observação. em unidades de 0. em hora e minutos UTC. TEMP SHIP. gFgF é sempre igual a 00 (WINTEM) Hora do acidente. em centímetros (HYFOR) Limite superior da fase da previsão. cujo gênero é informado em C (Tabela 1677) (SYNOP e SHIP) G2G2g2g2 HwHw HwaHwa Hw1Hw1 Hw2Hw2 H’H’ HbHbHb H jH jH j H jH jH j HwaHwaHwa HHHH HmHmHmHm Hs1Hs1Hs1Hs1 Hs2Hs2Hs2Hs2 h hc ht hghg hshs . em unidades de 0.1 metro (SYNOP. na qual a mensagem WINTEM é válida. TAF e ROFOR) Hora. em UTC.. obtidas por meio de instrumentos.. SHIP e BUOY) Altura das ondas provocadas por ventos. de onde o diâmetro do depósito é observado. em centenas de metros (SYNOP) Altitude da base da nuvem. expressa nas mesmas unidades que HwHw (SYNOP e SHIP) Altitude da superfície superior das nuvens informadas em C’. em horas e minutos UTC.5 metro (SYNOP e SHIP) Altura das vagas previstas. PILOT SHIP e PILOT MOBIL) Limite inferior da fase da previsão. em dezenas de metros geopotenciais (PILOT. SPECI. nas mesmas unidades de HwHw (SYNOP. em horas. SHIP. em hora e minutos UTC (RADOF) Hora. TEMP. TEMP SHIP e TEMP MOBIL) Caráter do sistema topográfico (Tabela 3133) (IAC) Tipo do sistema topográfico (Tabela 3152) (IAC) Altura. acima da superfície (Tabela 1600) (SYNOP. em dezenas de metros (CODAR) Altitude do nível do vento máximo. TEMP MOBIL e AMDAR) Horas e minutos UTC do início ou do final de uma mudança na previsão. seguido da letra Z (METAR. SHIP. SPECI. da previsão de chegada da contaminação radiológica para a localização específica (RADOF) Período. em unidades indicadas em ij (IAC) Altitude do topo das nuvens. METAR. BUOY. em centenas de metros (IAC) Altura das ondas. TEMP. em centenas de metros (IAC) Geopotencial da corrente de jato. obtidas por meio de instrumentos. GjGjgjgj go gpgp 1 1 1 1 Hora da observação ou previsão. ou a hora específica em que as condições previstas são esperadas (METAR e SPECI) GGggZ GFGFgFgF GaGagaga GGgg .

.. TEMP SHIP.. TEMP SHIP e TEMP DROP) ou dezenas de hectopascal (Parte C do TEMP.. SPECI. em metros (RADOF) Tipo de formação de gelo previsto acumular nas partes externas da aeronave (Tabela 1733) (ROFOR) Indicador utilizado para especificar as centenas de hectopascal (Parte A do TEMP. omitindose o dígito do milhar (SYNOP) Altura do nível inferior da turbulência (Tabela 1690) (ROFOR) Altitude pressão. conforme indicado em im (PILOT MOBIL e TEMP MOBIL) Altura acima do nível médio do mar. conforme indicado em ih (RADOF) Elevação de uma estação móvel terrestre. hjhjhjhj Ic Id Altura do topo das nuvens baixas ou altura da camada de nuvens mais baixas ou nevoeiro (Tabela 1677) (SYNOP e SHIP) Altitude do nível da tropopausa (ROFOR) Altitude do nível da corrente de jato (ROFOR) Altitude do nível do vento máximo (ROFOR) Geopotencial da superfície isobárica padrão dada por a3.. PILOT. observada ou prevista (Tabela 1690) (METAR. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Altura de mistura... hnhnhn hmhmhmhm hrhrhrhr h0h0h0h0 h1h1h1h1 h2h2h2h2 . TEMP SHIP. TEMP e RADOF) Caracteres de identificação internacional de elementos isótopos (RADOF) Identificação da aeronave (AMDAR) Tendência dos valores de RVR (METAR e SPECI) Intensidade ou característica das condições de tempo dadas em we (Tabela 1800) (IAC) Indicador do tipo de instrumento utilizado para medir a evaporação ou tipo de plantação baseada para informar a evapotranspiração (Tabela 1806) (SYNOP e SHIP) Is II IS IA. em metros geopotenciais. TEMP SHIP e TEMP DROP). TAF e ROFOR) Altitude da camada de nuvens (Tabela 1690) (ROFOR) Altitude da referida temperatura e vento (Tabela 1690) (ROFOR) Geopotencial das superfícies isobáricas padrões P1P1. em metros ou dezenas de pés. em centenas de pés (AMDAR) Altitude da isoterma de 0ºC (Tabela 1690) (ROFOR) Altura do nível inferior da camada de gelo (Tabela 1690) (ROFOR) Altura da base da camada de nuvens ou visibilidade vertical. P2P2.. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Acúmulo de gelo sobre os navios (Tabela 1751) (SYNOP e SHIP) Número do bloco (SYNOP..IA i iE . em centenas de pés (AMDAR) Nível de voo..MCA 105-10 / 2012 121/250 htht h’ph’p h’jh’j h’mh’m hhh hBhBhB hIhIhI hdhdhd hfhfhf hihihi hshshs hththt hxhxhx h1h1h1 h2h2h2 ... PnPn em metros e dezenas de metros geopotenciais (TEMP. da pressão relativa à última superfície isobárica padrão.. em metros ou pés. que faz uma observação de ar superior..... para a qual os dados de vento são informados (Tabela 1734) (TEMP. em metros (RADOF) Elevação de uma estação de observação à superfície ou altitude pressão de uma estação transportada pelo ar.

em graus inteiros (ICEAN. TEMP. IAC. em UTC (BUOY) Centenas. TEMP MOBIL e CODAR) Coordenadas da latitude dos pontos de grade. em décimos de graus (SHIP. SHIP e BUOY) Indicador do tipo de operação da estação e de dados de tempo presente e passado (Tabela 1860) (SYNOP e SHIP) Índice de estabilidade (Tabela 1859) (RADOF) Intensidade do fenômeno (Tabela 1861) (SYNOP e SHIP) Indicador do tipo de zona (Tabela 1863) (ROFOR) Indicador para fenômenos complementares (Tabela 1864) (ROFOR) Número da estação (SYNOP.. LajLajlaj Indicador para inclusão ou omissão de dados de precipitação (Tabela 1819) (SYNOP e SHIP) Indicador do sinal e unidades de elevação/altitude (Tabela 1840) (RADOF) Indicador das unidades de velocidade do vento e altura ou pressão no nível da corrente de jato (Tabela 1841) (IAC) Indicador da origem e de unidades da velocidade do vento (Tabela 1855) (SYNOP. IAC FLEET e ROFOR) Tipo de linha ou recurso descrito (ICEAN) Longitude. em graus inteiros (ICEAN. dezenas e unidades para o ano. IAC. em UTC (RADOF) Indicador de informações suplementares (Tabela 2061) (SYNOP e SHIP) Número sequencial que indica as linhas de dados para a previsão subseqüente de pontos de posição (RADOF) Informações suplementares para desenvolvimento regional (SYNOP) Especificações relativas às informações suplementares (Tabela 2061) (SYNOP e SHIP) Grupos suplementares que seguem o grupo 5j1j2j3j4 (Tabela 2061) (SYNOP e SHIP) Efeito do gelo na navegação (Tabela 2100) (ICEAN) Indicador de meios-graus de latitude e longitude (Tabela 2200) (ICEAN.. IAC e RADOF) Indicador da fase do voo e tipo de observação (AMDAR) Dígito para o ano. TEMP SHIP. PILOT SHIP. IAC FLEET e ROFOR) Latitude.122/250 MCA 105-10 / 2012 iR ih ij iw ix iz i0 i2 i3 iii ipipip J JJJ j1 jj jjj j 2j 3j 4 j 5j 6j 7j 8j 9 K k k2 k3 k6 La Lo LaLa LiLi LjLj LoLo LaLaLa La1La1la1 La2La2la2 . PILOT. em que laj representa os décimos de graus da latitude (laj = 0 ou 5) (WINTEM) . IAC e IAC FLEET) Método de medida de salinidade (Tabela 2263) (BUOY) Duração e hora da medida (Tabela 2264) (BUOY) Método de remoção da velocidade para a medida (Tabela 2267) (BUOY) Décimos de grau da latitude (IAC e IAC FLEET) Décimos de grau da longitude (IAC e IAC FLEET) Latitude. PILOT MOBIL. TEMP DROP.

LoiLoiLoiloi LaLaLaLaLa Lo Lo Lo Lo Lo 1 1 1 1 1 Latitude. TEMP. TEMP SHIP.. SHIP. redemoinhos. TEMP SHIP. TEMP MOBIL e CODAR) Coordenadas da longitude dos pontos de grade. SHIP. TEMP SHIP. PILOT MOBIL.. SHIP e IAC) Quantidade total de nuvens CL presentes ou. PILOT MOBIL... em décimos de graus (SHIP. em graus e minutos (RADOF) Longitude. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Movimento (Tabela 2600) (IAC e IAC FLEET) Estágio de derretimento (Tabela 2650) (ICEAN) Cobertura total de nuvens (Tabela 2700) (SYNOP. SHIP. de nuvens CM presentes (Tabela 2700) (SYNOP. ICEAN e RADOF) 1 1 1 1 La2La2La2La2 Coordenadas da latitude da previsão dos pontos de contaminação radiológica. tornados. TEMP DROP. cujo gênero é indicado por C (Tabela 2700) (SYNOP e SHIP) Trilhas de condensação (Tabela 2752) (SYNOP e SHIP) Condições das nuvens observadas de um nível alto (Tabela 2754) (SYNOP e SHIP) L o2L o2L o2L o2L o2 . LojLojLojLojLoj LoLoLoLoLoLo Mh Ms Mt Mw M1 M2 MM MiMi MjMj MMM m ms N Nh Nm Ns Nt Nv .. correspondente à posição do navio na hora da observação (Tabela 2590) (PILOT SHIP.. PILOT SHIP. se não houver. TEMP MOBIL e CODAR) Número do quadrado de Marsden. PILOT SHIP. em milhares de graus (BUOY) Caráter da massa de ar (Tabela 2538) (IAC) Região de origem da massa de ar (Tabela 2551) (IAC) Caráter termodinâmico da massa de ar (Tabela 2552) (IAC) Tromba(s) d’água. PILOT. PILOT. redemoinhos de poeira (Tabela 2555) (SYNOP e SHIP) Mês em que se inicia o período coberto pela previsão (Tabela 2562) (HYFOR) Mês em que termina o período coberto pela previsão (Tabela 2562) (HYFOR) Mês do ano (UTC) (BUOY e RADOF) Letras identificadoras do informe (Tabela 2582) (SYNOP. TEMP MOBIL e CODAR) Letras identificadoras de parte do informe (Tabela 2582) (SYNOP. LajLajLajLaj LoLoLoLo Lo1Lo1Lo1lo1 Lo2Lo2Lo2lo2 . TEMP DROP. em graus e minutos (RADOF) Longitude. em milhares de graus (BUOY) Coordenadas da longitude da previsão dos pontos de contaminação radiológica. PILOT SHIP. TEMP DROP. TEMP. PILOT MOBIL. PILOT MOBIL. em graus e minutos (AMDAR. TEMP SHIP e TEMP MOBIL) Condições das nuvens sobre montanhas e desfiladeiros (Tabela 2745) (SYNOP e SHIP) Quantidade da camada de nuvens individuais.MCA 105-10 / 2012 123/250 LaLaLaLa La La La La . TEMP SHIP. em que lo1 representa os décimos de graus da longitude (lo1 = 0 ou 5) (WINTEM) Latitude.

. em segundos (IAC e IAC FLEET) Período das ondas. PILOT MOBIL. PILOT SHIP e PILOT MOBIL) Número do(s) vento(s) médio(s) informado(s) (CODAR) Número do(s) vento(s) instantâneo(s) informado(s) (CODAR) Evolução das nuvens (Tabela 2863) (SYNOP e SHIP) Evolução das nuvens observadas de uma estação em um nível alto (Tabela 2864) (SYNOP e SHIP) Unidade em milímetros ou dezenas e unidades de hectopascais (codificado 99 para 99 unidades ou mais) (SYNOP e SHIP) Número de icebergs dentro da área (Tabela 2877) (ICEAN) Número de pedaços de icebergs dentro da área (Tabela 2877) (ICEAN) Número do nível. TAF e ROFOR) Número de superfícies isobáricas consecutivas. SPECI. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Massa do isótopo (RADOF) Especificações relativas ao fenômeno complementar (ROFOR) Tipo e número de série da boia (SHIP e BUOY) Número do nível de voo do vento máximo (WINTEM) Número do nível de voo da tropopausa (WINTEM) nm ns n3 n4 nn nBnB nGnG n0n0 n1n1 .124/250 MCA 105-10 / 2012 N' NN N sN sN s n Quantidade das nuvens. em segundos (SYNOP e SHIP) Pressão da superfície isobárica padrão mais baixa. PILOT SHIP e PILOT MOBIL) . relativa à altitude. TEMP. em segundos (SYNOP. nknknk Pc Pi Pt Pw PP PwPw PwaPwa Pw1Pw1 Pw2Pw2 P 1P 1 Números do nível de voo para os níveis especificados (WINTEM) Caráter do sistema de pressão (Tabela 3133) (IAC e IAC FLEET) Previsão de gelo (Tabela 3139) (HYFOR) Tipo do sistema de pressão (Tabela 3152) (IAC e IAC FLEET) Período das ondas (Tabela 3155) (MAFOR) Pressão em uma superfície de nível constante. nnnn nnn nbnbnb nmnmnm ntntnt n1n1n1 n2n2n2 ... iniciando com a superfície isobárica especificada em P1P1 (PILOT. PILOT SHIP. TEMP SHIP. em segundos (SYNOP e SHIP) Período das ondas. iniciando com o nível da estação (PILOT. cujas bases encontram-se abaixo do nível da estação (Tabela 2700) (SYNOP) Número de identificação de uma frente ou sistema (IAC) Quantidade de nuvens (METAR. obtido por meio de instrumentos. em hectopascal inteiro (IAC e IAC FLEET) Período das ondas do vento. para a qual os dados de vento são informados (PILOT. SHIP e BUOY) Período da extensão das ondas. para as quais os dados de vento são informados..

PnPnPn P 2P 2P 2 PPPP P HP HP HP H P 0P 0P 0P 0 ppp p24p24p24 Pressão reduzida ao nível médio do mar. em décimos de hectopascal (SYNOP e BUOY) Valor de tendência da pressão ao nível da estação. PILOT SHIP. BUOY. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Pressão. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Q QA QL QN QP QTW Qc Qd Qd1 Qd2 Ql Qt Qx Qz Q2 Q4 . TEMP. TEMP SHIP. obtido por meio de instrumentos. em hectopascal (CODAR) Pressão no nível do vento máximo (PILOT. SHIP e BUOY) Valor do QNH.. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Pressão da superfície de pressão padrão constante da qual é informada a linha de velocidade máxima do vento (IAC) Pressão no nível da tropopausa (TEMP. durante as 3 horas precedentes à hora da observação. TEMP. em hectopascal inteiro (IAC FLEET) Pressão no nível em que a aeronave está voando. TEMP SHIP. TEMP SHIP. em hectopascal inteiro (ROFOR) Pressão ao nível médio do mar. TEMP SHIP. CODAR e ICEAN) Indicador do controle de qualidade (Tabela 3334) (BUOY) Indicador do controle de qualidade para temperatura e salinidade (Tabela 3334) (BUOY) Indicador do controle de qualidade para corrente (Tabela 3334) (BUOY) Indicador do controle de qualidade para posição (Tabela 3334) (BUOY) Indicador do controle de qualidade para hora (Tabela 3334) (BUOY) Indicador de posição do grupo (BUOY) Indicador de correção de profundidade (Tabela 3318) (BUOY) Qualidade do parâmetro de limpeza (Tabela 3363) (BUOY) Qualidade da medida de temperatura do ar (Tabela 3363) (BUOY) Pressão nos níveis especificados (PILOT. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Período das ondas.. em décimos de hectopascal (SYNOP e SHIP) Octante do globo (Tabela 3300) (IAC. IAC FLEET e ROFOR) Localização da classe de qualidade (Tabela 3302) (BUOY) Qualidade de localização (Tabela 3311) (BUOY) Qualidade de transmissão da bóia (Tabela 3313) (BUOY) Qualidade da medida de pressão (Tabela 3315) (BUOY) Qualidade da medida de temperatura da água na superfície do mar (Tabela 3319) (BUOY) Quadrante do globo (Tabela 3333) (SHIP. em hectopascais inteiros (METAR e SPECI) Pressão ao nível da estação. TEMP DROP. PILOT MOBIL.. SHIP e BUOY) Valor da variação da pressão durante as últimas 24 horas. em décimos de hectopascal (SYNOP. em décimos de segundo (BUOY) Pressão das superfícies isobáricas padrões (TEMP. PILOT SHIP. PnPn PPP P aP aP a PmPmPm P sP sP s P tP tP t PwaPwaPwa PoPoPo P 1P 1P 1 .MCA 105-10 / 2012 125/250 P 1P 1 P 2P 2 . PILOT SHIP. TEMP MOBIL. TEMP SHIP. em décimos de hectopascal (SYNOP. PILOT MOBIL..

em décimos de hora (SYNOP e SHIP) Sinal da temperatura (AMDAR) Seção da frente ou sistema de pressão referente a NN (IAC) . em dm3/s (HYFOR) Os primeiros três dígitos dos valores da previsão de descarga – limite superior. terminando na hora da observação. indicado por tR (Tabela 3590) (SYNOP e SHIP) Quantidade total de precipitação. em décimos de milímetros (SYNOP) Radiossonda/sistema de sondagem utilizado (Tabela 3685) (TEMP. SHIP e MAFOR) Tipo de temperatura e dados de altura (Tabela 3738) (CODAR) Sinal da altitude pressão (AMDAR) Estágio de desenvolvimento (Tabela 3739) (SYNOP e SHIP) Geada ou precipitação com coloração (Tabela 3761) (SYNOP e SHIP) Estágio predominante de desenvolvimento do gelo (Tabela 3763) (ICEAN) Natureza da zona separada pelas linhas formadas pelos pontos dados no grupo 2CsS1S2Z1 – à direita da linha (Tabela 3762) (IAC) Re Rh Rs Rt RR RRR R24R24R24R24 r ar a riri S Sh Si S0 S1 S2 Estágio secundário de desenvolvimento do gelo (Tabela 3763) (ICEAN) Natureza da zona separada pelas linhas formadas pelos pontos dados no grupo 2CsS1S2Z1 dentro da linha (Tabela 3762) (IAC) S3 S4 S5 S6 S7 S8 S’ S′7 S′8 SS Estágio terciário de desenvolvimento do gelo (Tabela 3763) (ICEAN) Estágio quaternário de desenvolvimento do gelo (Tabela 3763) (ICEAN) Estágio quinário de desenvolvimento do gelo (Tabela 3763) (ICEAN) Tipos de depósito congelado (Tabela 3764) (SYNOP e SHIP) Caráter da cobertura de neve (Tabela 3765) (SYNOP e SHIP) Fenômeno de tempestade de neve (neve levantada pelo vento) (Tabela 3766) (SYNOP e SHIP) Estado da superfície da água em área de aquatizagem (Tabela 3700) (SYNOP e SHIP) Situação da cobertura de neve (Tabela 3775) (SYNOP e SHIP) Evolução dos montículos de neve (Tabela 3776) (SYNOP e SHIP) Duração da insolação na hora precedente. em dm3/s (HYFOR) Extensão de todas as cristas (Tabela 0501) (ICEAN) Altura máxima das cristas (Tabela 3538) (ICEAN) Velocidade do acúmulo de gelo sobre os navios (Tabela 3551) (SYNOP e SHIP) Hora na qual a precipitação dada em RRR começou ou terminou (Tabela 3552) (SYNOP e SHIP) Quantidade de precipitação ou equivalente em água de precipitação sólida.126/250 MCA 105-10 / 2012 Q1Q1Q1 Q2Q2Q2 Os primeiros três dígitos dos valores da previsão de descarga – limite inferior. durante o período de 24 horas. TEMP SHIP e TEMP MOBIL) Distância percorrida pelo gelo durante o período de 12 horas (ICEAN) Estado do mar (Tabela 3700) (SYNOP. ou diâmetro de depósito sólido (Tabela 3570) (SYNOP e SHIP) Quantidade de precipitação caída durante o período que precede à hora da observação.

TEMP SHIP. TEMP SHIP e TEMP MOBIL) Valor da previsão do índice de estabilidade no ponto de posição (RADOF) Profundidade total da neve (Tabela 3889) (SYNOP) Valor aproximado. TEMP SHIP e TEMP MOBIL) Tipo do sistema de navegação (Tabela 3866) (AMDAR) Distância do ponto de posição em relação à estação. em décimos. em que TT = AT (hora precisa). SHIP. e sinal da temperatura do ar nos níveis especificados.. Tan Tc Ti Tn Tt Tw Tx T1 T2 TT . no respectivo ponto de grade (WINTEM) sp sq sr s1 s2 s3 ss sasa sisi sss Ta Tat Tao Ta1 . em décimos.. que precedem. sem espaço.MCA 105-10 / 2012 127/250 SSS SoSoSoSo S1S1S1S1 . em horas e décimos de hora (SYNOP e SHIP) Salinidade. SPECI e TAF) Temperatura prevista. em décimos. iniciando pelo nível da estação (Tabela 3931) (TEMP. em centenas de milhar por cento. em ºC inteiros. associada a gelo claro ou escarcha (Tabela 3955) (SYNOP e SHIP) Temperatura máxima do ar (Tabela 3956) (MAFOR) Topografia da maior extensão (Tabela 3962) (ICEAN) Topografia da segunda maior extensão (Tabela 3962) (ICEAN) Letras indicadoras. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Características do sistema tropical (Tabela 3933) (IAC e IAC FLEET) Intensidade do sistema tropical (Tabela 3939 e 3940) (IAC e IAC FLEET) Temperatura mínima do ar (Tabela 3956) (MAFOR) Tipo de circulação tropical (Tabela 3952) (IAC e IAC FLEET) Variação da temperatura durante o período coberto por W1W2... SnSnSnSn SPSPspsp sn Duração da insolação. e sinal da temperatura do ar no nível dado em PaPaPa (Tabela 3931) (CODAR) Valor aproximado. em dezenas de quilômetros (IAC) Tipo do sistema usado (Tabela 3867) (AMDAR) Centenas de quilômetros adicionadas em s1 (IAC) Precisão de temperatura (Tabela 3868) (AMDAR) Profundidade da neve recém caída (Tabela 3870) (SYNOP e SHIP) Técnica de rastreamento/status do sistema utilizado (Tabela 3872) (TEMP. BUOY e TEMP SHIP) Sinal do expoente (Tabela 3845) (RADOF) Categoria de estabilidade (Tabela 3847) (RADOF) Natureza e/ou tipo da tempestade (Tabela 3848) (SYNOP e SHIP) Correção da radiação solar e infravermelha (Tabela 3849) (TEMP. em qualquer profundidade significativa ou selecionada a partir da superfície do mar (BUOY) Informações suplementares (Tabela 3778) (SYNOP e SHIP) Sinal dos dados e indicador de umidade relativa (Tabela 3845) (SYNOP. TEMP SHIP. FM (a partir de) ou TL (até) (METAR. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Valor aproximado. o grupo horário. e sinal da temperatura do ar no nível da tropopausa (Tabela 3931) (TEMP.

exceto quando UUU for igual a 100% (SYNOP.128/250 MCA 105-10 / 2012 TFTF TPTP ThTh TtTt TvTv ToTo T1T1 . PILOT MOBIL. PILOT SHIP e PILOT MOBIL) . em ºC inteiros (METAR e SPECI) Temperatura do ponto de orvalho. na altura dada em hxhxhx (ROFOR) Temperatura do ar. conforme o caso. TEMP SHIP. SPECI e TAF) Espessura do gelo predominante (Tabela 4006) (ICEAN) Espessura da camada (Tabela 4013) (ROFOR) Duração do período de referência para a quantidade de precipitação. cujo sinal é dado em sn ou. para o primeiro grupo de dados que segue (PILOT. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Temperatura do ar. SHIP e BUOY) Temperatura do ar. cujo sinal é dado em sn (SYNOP. conforme o caso.. em ºC inteiros (SYNOP e SHIP) Números das unidades e dezenas de valor não arredondado da temperatura do ar. sendo o primeiro número representado por 0 (zero). em centenas de ºC. TnTn T’T’ T’dT’d TTT TATATA TdTdTd TnTnTn TwTwTw TxTxTx ToToToTo T1T1T1T1 . em décimos de ºC. SHIP. SHIP. em SS (SYNOP. TEMP SHIP. no nível dado em h’Ph’P (ROFOR) Temperatura do ar. cujo sinal é dado em sn (SYNOP e SHIP) Temperatura da superfície do mar.. BUOY e TEMP SHIP) Temperatura máxima.. em ºC inteiros. TnTnTnTn TTTTT tE tL tR tn tw tt ULa ULo U vU v UUU u1 Temperatura prevista. SHIP. cujo sinal é dado em sn (SYNOP e SHIP) Temperaturas. cujo sinal é dado em sn (SYNOP.. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Número das unidades na longitude informada (PILOT SHIP. nos níveis especificados. terminando na hora do informe (Tabela 4019) (SYNOP e SHIP) Número das dezenas da altitude. em décimos de ºC. TEMP SHIP. em ºC inteiros (METAR e SPECI) Temperatura do ar. no nível da tropopausa (TEMP. em ºC inteiros. TEMP SHIP. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Variação na umidade relativa. expressa em unidades de 300 ou 500 metros. AMDAR) Temperatura mínima. no nível dado em hIhIhI (AMDAR) Temperatura do ponto de orvalho. PILOT SHIP e PILOT MOBIL) Período do início de um fenômeno antes da hora da observação (Tabela 4055) (SYNOP e SHIP) Período anterior à observação ou duração do fenômeno (Tabela 4077) (SYNOP e SHIP) Número das unidades na latitude informada (PILOT SHIP. PILOT MOBIL. em décimos de ºC. em porcentagem. em ºC inteiros (TAF) Temperatura do ar. em décimos de ºC. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Variação da temperatura do ar. em décimos de ºC. em ºC inteiros. em ºC inteiros. em qualquer profundidade significativa ou selecionada a partir da superfície do mar (BUOY) Indicadores de mudança nas previsões de tendência e nas previsões de aeródromo (METAR. iniciando com o nível da estação (TEMP. expressa em unidades de 300 ou 500 metros. BUOY e AMDAR) Número das unidades da altitude. BUOY e. em décimos de ºC. em porcentagem (SYNOP e SHIP) Umidade relativa do ar. na qual se referem os grupos de dados que seguem (PILOT.

PILOT SHIP. TEMP. em kt. para o terceiro grupo de dados que segue (PILOT. PILOT SHIP e PILOT MOBIL) Valores das isopletas. PILOT SHIP e PILOT MOBIL) Número das unidades da altitude. expressa em unidades de 300 ou 500 metros. a cada 300 metros (IAC e ROFOR) Valor absoluto da diferença vetorial entre o vento máximo e o vento que está soprando a 1 km acima do nível do vento máximo. em unidades indicadas por YY (PILOT. em cm/s. cujas unidades são dadas em e1 (IAC) Previsão da visibilidade à superfície (Tabela 4300) (MAFOR) Variação da visibilidade durante a hora precedente à observação (Tabela 4332) (SYNOP e SHIP) Visibilidade na direção do mar (a partir de uma estação costeira) (Tabela 4300) (SYNOP e SHIP) Visibilidade sobre a água em área de aquatizagem (Tabela 4300) (SYNOP e SHIP) Visibilidade horizontal na superfície (Tabela 4377) (SYNOP e SHIP) Velocidade da bóia à deriva.000 metros (IAC) vbvb vvv Wa1 Wa2 Wm Wt W1 W2 we ww wawa wsws Tempo passado informado por uma estação automática (Tabela 4531) (SYNOP e SHIP) Tempo previsto (Tabela 4544) (MAFOR) Tipo de abertura no gelo (Tabela 4552) (ICEAN) Tempo passado (Tabela 4561) (SYNOP e SHIP) Tempo (Tabela 4635) (IAC) Tempo presente informado por uma estação meteorológica dotada de pessoal (Tabela 4677) (SYNOP. SPECI. METAR. PILOT MOBIL. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Valor absoluto da diferença vetorial entre o vento máximo e o vento que está soprando a 1 km abaixo do vento máximo. expressa em unidades de 300 ou 500 metros. em unidades indicadas por YY (PILOT. em metros (METAR e SPECI) Infomações sobre o status mecânico da bóia (BUOY) Visibilidade horizontal mínima na superfície. na última posição conhecida dada nos grupos YYMMJ GGgg/ (BUOY) Visibilidade na direção do mar (Tabela 4377) (SYNOP e SHIP) Visibilidade horizontal predominante na superfície. TEMP SHIP. para o segundo grupo de dados que segue (PILOT. TEMP. em metros (METAR. em metros (METAR e SPECI) Velocidade dianteira do fenômeno (Tabela 4448) (SYNOP e SHIP) Velocidade média resultante do deslocamento do navio nas 3 horas precedentes à hora da observação (Tabela 4451) (SHIP) Cortante vertical do vento. TEMP SHIP. TAF e ROFOR) RVR. a cada 1. SHIP. PILOT MOBIL. PILOT SHIP. em kt. TEMP DROP e TEMP MOBIL) Cortante vertical do vento.MCA 105-10 / 2012 129/250 u2 u3 uu uuu V Vb Vs V’s VV V BV B V sV s VVVV V RV RV RV R ViViViVi V NV NV NV N vp vs vv v av a Número das unidades da latitude. SPECI e IAC) Tempo presente informado por uma estação automática (Tabela 4680) (SYNOP e SHIP) Tempo significativo (Tabela 4683) (IAC e IAC FLEET) . cujas unidades são dadas em e2 (IAC e ICA FLEET) Valores das isopletas.

TEMP DROP e TEMP MOBIL e CODAR. Quando as velocidades são dadas em metros por segundo. em metros (BUOY) Comprimento do cabo. em metros (BUOY) Pressão hidrostática na parte inferior do cabo. IAC e IAC FLEET) Dia do mês (UTC) que indica a data que a previsão foi confeccionada (TAF) Dia do mês (UTC) que indica a data do início do período de validez de uma previsão ou de um período de mudanças na previsão (TAF) Nos PILOT. TEMP MOBIL. PILOT. em kPa (BUOY) . TEMP. CODAR e AMDAR) Dia do mês (UTC) que indica o início do período de validez da previsão ou conjunto de previsões (ROFOR e MAFOR) Dia do mês (UTC) que indica a data da observação para a qual a carta é preparada (ICEAN. soma-se 50 a YY. SHIP. ROFOR. TEMP DROP. YY não deve ser modificado. SPECI e TAF) Tempo previsto (Tabela 4691) (ROFOR) Tipo de queda (Tabela 4780) (BUOY) Os três dígitos mais significativos da quantidade radiológica ou da quantidade de liberação Formato dos grupos de posição (Tabela 4887) (IAC) Tipo de análise (Tabela 4892) (IAC) Valor designador da carta ou análise (Tabela 4892) (IAC) Dia do mês (UTC). BUOY. PILOT MOBIL. YY é utilizado para indicar a unidade de velocidade do vento. TEMP. PILOT MOBIL. PILOT SHIP. Quando as velocidades do vento são dadas em nós. w’w’ w1w1w1 X tX t XXX x1x1 x2x2x2 x3x3x3 YY Y FY F Y aY a Y eY e Y rY r Y sY s Y 0Y 0 Y 1Y 1 Y 2Y 2 yyyyy Z0 Z1 ZZ ZdZdZd ZcZcZcZc ZhZhZhZh Dia do mês (UTC) para o qual a mensagem é válida (WINTEM) Dia do mês (UTC) para o qual é prevista a temperatura (TAF) Dia do acidente (RADOF) Dia do mês (UTC) do término da mudança prevista (TAF) Dia de divulgação da previsão (RADOF) Dia do mês (UTC) da observação dos dados de satélite utilizados na preparação da carta (ICEAN) Dia da análise/previsão utilizada para produção da trajetória (RADOF) Dia do mês (UTC) indicando o início do período de validez da previsão (TAF. RADOF e HYFOR) Dia do mês (UTC) indicando o término do período de validez da previsão (TAF e HYFOR) Grupos de posição indicados pelo grupo 333x1x1 (IAC) Fenômenos óticos (Tabela 5161) (SYNOP e SHIP) Natureza da evolução da zona S2 (Tabela 5162) (IAC) Número da zona meteorológica por 5 graus de latitude ou longitude (Tabela 5177) (ROFOR) Comprimento do cabo ao qual está ligada a queda.130/250 MCA 105-10 / 2012 w1w1 Fenômeno de tempo presente não especificado na Tabela 4677 ou especificação do fenômeno de tempo presente adicioado ao grupo 7wwW1W2 (Tabela 4687) (SYNOP e SHIP) Tempo significativo presente e previsto (Tabela 4678) (METAR. TEMP SHIP. PILOT SHIP. TEMP SHIP. em cujo transcurso se situa a hora verdadeira da observação (SYNOP. além de indicador do dia do mês.

. . localização ou intensidade do fenômeno (Tabela 4077) (SYNOP e SHIP) Especificação da zona (Tabela 1863) (ROFOR) Profunidades selecionadas e/ou significativas. A quantidade de barras oblíquas depende da quantidade de letras simbólicas para as quais não há dados para codificar.. a partir da superfície do mar (BUOY) Dados omissos.. Situação do gelo presente e tendência das condições durante as 3 horas precedentes (Tabela 5239) (SYNOP e SHIP) Variação. znznznzn / // /// //// . em metros.MCA 105-10 / 2012 131/250 zi zz zzz zozozozo z 1z 1z 1z 1 ..

Em alguns casos.3 As Tabelas de Códigos são numeradas.1 Quando se codifica um informe. . 51 para Z e 52 para z. . xxx ou formas similares. tais como XA0 ou xA0. as especificações das letras ou grupo de letras simbólicas é suficiente para permitir uma transcrição direta em números. a um número par: 01 para A.71 a 99 . e derivados.1 SISTEMA DE NUMERAÇÃO 5.2 As Tabelas de Códigos são utilizadas para decodificar os informes. GG ou PPP.1. XXX.b. As letras maiúsculas são dadas a um número ímpar e as minúsculas. 5.para tabelas correspondentes aos símbolos das formas Xa a Xz. ..00 a 01 .para tabelas correspondentes aos símbolos das formas XA a XZ. estes valores são obtidos por meio de uma tabela especial de codificação. xa a xz. São as Tabelas de Códigos. tais como Xa0 ou xa0.31 a 60 .1. 03 para B. em ordem alfabética. as letras ou grupo de letras simbólicas são substituídos por números. XX. xbxb. por exemplo. 5. Em outros casos. dispostas na ordem alfabética das letras ou grupo de letras simbólicas correspondentes. xA a xZ. e derivados. X0X0X0. . 02 para a. x0x0x0. xx. referente a cada elemento. 04 para b. análises ou previsões recebidas. sendo n um número qualquer. mensagem ou previsão. de 0100 até 5299.02 a 30 .para tabelas correspondentes aos símbolos das formas X’.para tabelas correspondentes aos símbolos das formas X0 a Xn ou x0 a xn. e .. tornando disponíveis as informações contidas nos mesmos.1. x’. os quais especificam o valor ou o estado do elemento correspondente.para tabelas correspondentes a um símbolo composto de apenas uma letra (por exemplo: X ou x).61 a 70 .. b) Os dois últimos números são atribuídos conforme o seguinte esquema: . Cada uma contém um número de 4 números. Esses números são atribuídos de acordo com o seguinte sistema: a) Os dois primeiros números representam o número da letra principal do símbolo. tais como XbX.132/250 MCA 105-10 / 2012 5 TABELAS DE CÓDIGOS 5. .

Tabela 0114 AN – Tipo de anemômetro Nº Cód 0 1 2 / Rotor de concha Rotor de hélice Observação do vento por meio de ruídos Valor indisponível .2 TABELAS Tabela 0101 A – Miragem Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 Sem especificação Imagem de objeto distante emergente Imagem de objeto distante Imagem invertida de objeto distante Complexa. embora astronomicamente abaixo do horizonte Lua visível. embora astronomicamente abaixa do horizonte NOTA : Quando o reconhecimento dos objetos tornar-se difícil. serão aplicáveis os números 4. 5 ou 6.MCA 105-10 / 2012 133/250 5. imagens múltiplas de objeto distante (sendo algumas delas invertidas) Sol e lua vistos apreciavelmente distorcidos Sol visível. imagens múltiplas de objeto distante (imagens não invertidas) Complexa.

Área da Região da OMM na qual foram implementadas boias.134/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0161 A1 . ruim Obscurecimento diurno.Subárea pertencente à área indicada por A1 Tabela 0163 A3 – Obscurecimento diurno. muito ruim Obscurecimento diurno. torres de perfuração ou plataformas marítimas bw . total . máximo na direção Da Nº Cód 0 1 2 Obscurecimento diurno.

19 20 21 22 23 .29 30 31 Reator nuclear no solo Reator nuclear no mar Reator nuclear no espaço Instalações de combustível nuclear Instalações de gestão de resíduos radioativos Transporte de combustível nuclear ou resíduos radioativos Armazenamento de combustível nuclear ou resíduos radioativos Fabricação de rádio-isótopos Uso de rádio-isótopos Armazenamento de rádio-isótopos Eliminação de rádio-isótopos Transporte de rádio-isótopos Uso de rádio-isótopos para geração de energia Reservados Incêndio em fábrica de produtos químicos tóxicos Transporte de produtos químicos tóxicos Produtos químicos tóxicos em um rio Reservados Outros Indisponível .MCA 105-10 / 2012 135/250 Tabela 0177 AA – Atividades ou instalações envolvidas em incidentes Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 .

ver o item 12.3. ou Subindo e depois subindo mais lentamente Subindo (regular ou irregularmente)* Descendo (ou estacionária) e depois subindo.2.5.3. ou Subindo e depois subindo mais rapidamente Estacionária* Descendo e depois subindo Descendo e depois estacionária. ou Descendo e depois descendo mais lentamente Descendo (regular ou irregularmente)* Subindo (ou estacionária) e depois descendo. ou Descendo e depois descendo mais rapidamente mais baixa que 3 horas antes mesmo valor que 3 horas antes mesmo valor ou mais baixa que 3 horas antes mais alta que 3 horas antes diferença do valor da pressão atual em relação à pressão de 3 horas antes mesmo valor ou mais alta que 3 horas antes * Para informes de estações automáticas. Tabela 0210 aI – Tendência de comportamento do gelo Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Nenhuma mudança Melhoria da situação para navegação Piora da situação para navegação Rompendo-se Em abertura ou afastamento Aumentando Em congelamento Flutuante Sob pressão Em parafuso Indeterminada ou desconhecida .136/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0200 a – Característica da tendência da pressão barométrica durante as 3 horas precedentes à hora da observação Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 tendência Subindo e depois descendo Subindo e depois estacionária.

Superfície isobárica padrão para a qual o geopotencial é informado Nº Cód 1 2 5 7 8 1.Tipo de equipamento utilizado para medição Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Instrumento de pressão associado com equipamento medidor de vento Teodolito ótico Radioteodolito Radar Instrumento de pressão associado com equipamento medidor de vento. mas o elemento de pressão falha durante a ascensão VLF – Omega Loran – C Perfilador de Vento Navegação de Satélite Reservado .MCA 105-10 / 2012 137/250 Tabela 0244 am – Parte da área marítima Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Área total de AAA Quadrante NE da área AAA Metade oriental da área AAA Quadrante SE da área AAA Metade sul da área AAA Quadrante SW da área AAA Metade ocidental da área AAA Quadrante NW da área AAA Metade norte da área AAA Restante da área AAA Tabela 0264 a3 .000 hPa 925 hPa 500 hPa 700 hPa 850 hPa Tabela 0265 a4 .

frequente Tabela 0302 BA . mas não incluindo 0. frequente Turbulência forte em nuvens. frequente Turbulência forte em ar claro. ocasional Turbulência forte em ar claro.138/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0300 B .5 g Moderada (aceleração de 0.Turbulência Nº Cód 0 1 2 3 Nenhuma (aceleração menor que 0. ocasional Turbulência moderada em ar claro. ocasional Turbulência moderada em nuvens.15 g) Leve (aceleração de 0.5 a 1 g) Severa (aceleração maior que 1 g) . frequente Turbulência moderada em nuvens. ocasional Turbulência forte em nuvens.15 g.Turbulência Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Nenhuma Turbulência leve Turbulência moderada em ar claro.

MCA 105-10 / 2012 139/250 Tabela 0359 BZ – Turbulência em alto nível Nº Cód 0 1 2 Nenhuma Moderada Severa Tabela 0366 BRBR – Coeficiente de atrito/Ação de frenagem Nº Cód 00 01 88 89 90 91 92 93 94 95 96-98 99 // Coeficiente de atrito 0...90 Ação de frenagem ruim Ação de frenagem média/ruim Ação de frenagem média Ação de frenagem média/boa Ação de frenagem boa Reservado Instável Condição de frenagem não informada e/ou pista não operacional .88 Coeficiente de atrito 0..89 Coeficiente de atrito 0.... Coeficiente de atrito 0.00 Coeficiente de atrito 0.01 .

07 08 09 10 11 12 13 – 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 .62 // À deriva Padrão Lagrangian Padrão FGGE (que não seja bóia meteorológica) Medição do vento .140/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0370 BtBt – Tipo de bóia Nº Cód 00 01 02 03 04 05 .FGGE (que não seja bóia meteorológica) Gelo flutuante Reservados Não especificado – flutuante na superfície SOFAR ALACE MARVOR RAFOS Reservados Não especificad0 .bóia amarrada Perdida Disco de 3 metros Disco de 10 a 12 metros Série ODAS 30 ATLAS TRITON Reservado Unidirecional Direcional ARGO flutuante na superfície Reservados Indisponível .

nenhum pedaço de iceberg ou pelotas de gelo 6 a 10 blocos de gelo. tempestade de poeira.Gelo de origem terrestre Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Nenhum gelo de origem terrestre 1 a 5 blocos de gelo. areia ou outros fenômenos análogos . nenhum pedaço de iceberg ou pelotas de gelo 11 a 20 blocos de gelo.MCA 105-10 / 2012 141/250 Tabela 0439 bi . nenhum bloco de gelo Mais de 10 pequenos icebergs e pelotas de gelo. névoa. nenhum bloco de gelo 1 a 5 blocos de gelo com pequenos icebergs e pelotas de gelo 6 a 10 blocos de gelo com pequenos icebergs e pelotas de gelo 11 a 20 blocos de gelo com pequenos icebergs e pelotas de gelo Mais de 20 blocos de gelo com pequenos icebergs e pelotas de gelo Codificação impossível devido a obscuridade. nenhum pedaço de iceberg ou pelotas de gelo Até 10 pequenos icebergs e pelotas de gelo inclusive. falta de visibilidade e pelo fato de que somente os gelos marinhos são visíveis Tabela 0500 C – Gênero de nuvens C – Gênero da camada predominante de nuvens C’ – Gênero de nuvens cujas bases estão abaixo do nível da estação Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Cirrus Cirrocumulus Cirrostratus Altocumulus Altostratus Nimbostratus Stratocumulus Stratus Cumulus Cumulonimbus Ci Cc Cs Ac As Ns Sc St Cu Cb As nuvens não são observadas devido à obscuridade.

Concentração da forma quinaria de gelo C1 .Concentração do estágio quaternário de desenvolvimento de gelo C5 .Concentração do estágio predominante de desenvolvimento de gelo C2 .142/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0501 C – Concentração total de gelo Ce .Concentração da forma terciária de gelo Cp .Concentração do estágio quinário de desenvolvimento de gelo Re .Extensão de todas as cristas Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Menos de 1/10 1/10 2/10 a 3/10 4/10 5/10 6/10 7/10 a 8/10 9/10 10/10 com aberturas 10/10 sem aberturas Menos de 1/8 1/8 2/8 3/8 4/8 5/8 6/8 7/8 8/8 com aberturas 8/8 sem aberturas .Concentração da forma secundária de gelo Cu .Concentração do estágio secundário de desenvolvimento de gelo C3 .Concentração do estágio terciário de desenvolvimento de gelo C4 .Concentração da forma predominante de gelo Cq .Concentração da forma quaternária de gelo Cs .

ou pela presença de uma camada contínua de nuvens baixas especificações detalhadas Ausência de Cirrus. parecem ser resíduos da parte superior de um Cumulonimbus. ou 9 Cirrocumulus predominantes entre as nuvens CH Nuvens CH não visíveis por obscuridade. estão invadindo progressivamente o céu. nevoeiro. ou somente Cirrostratus. ou somente Cirrostratus. mas o véu contínuo não se estende a mais de 45º acima do horizonte Cirrus (muitas vezes em faixas convergindo para um ponto ou dois pontos opostos no horizonte) e Cirrostratus. o véu contínuo se estende a mais de 45º acima do horizonte.MCA 105-10 / 2012 143/250 Tabela 0509 CH . ou mais frequentemente pela presença de nuvens baixas 2 4 5 6 7 8 / . ou Cirrus com protuberâncias em forma de pequenas torres ou muralhas. poeira ou areia soprada. ou outros fenômenos análogos. que são resíduos de partes superiores de Cumulonimbus Cirrus na forma de ganchos ou em filamentos. em ambos os casos. geralmente tornam-se mais espessos no conjunto. Cirrocumulus ou Cirrostratus Cirrus em forma de filamentos. ou ambos. muitas vezes em forma de bigornas. não invadindo progressivamente o céu Cirrus spissatus. e geralmente tornando-se mais densos no conjunto. ou ambos. ou Cirrus castellanus. estão invadindo progressivamente o céu. às vezes. ou somente Cirrostratus.Nuvens do gênero Cirrus. poeira ou areia soprada. às vezes. invadindo progressivamente o céu. sendo Cirrocumulus a nuvem predominante Cirrus. ou outros fenômenos análogos. geralmente tornam-se mais espessos no conjunto. e geralmente tornando-se mais densos no conjunto. às vezes uncinus. fibras ou ganchos. em bancos ou feixes emaranhados. ou ambos. que geralmente não aumentam e. Cirrocumulus e Cirrostratus não visíveis devido à obscuridade. Cirrus floccus Cirrus spissatus cumulonimbogenitus 3 Cirrus uncinus ou fibratus. geralmente tornando-se mais densos no conjunto Cirrus (muitas vezes em faixas convergindo para um ponto ou dois pontos opostos no horizonte) e Cirrostratus. invadindo progressivamente o céu. que geralmente não aumentam e. sem cobrir totalmente o céu Cirrostratus cobrindo completamente o céu Cirrostratus não invadindo progressivamente e nem cobrindo completamente o céu Cirrocumulus somente. invadindo progressivamente o céu. ou Cirrus com aparência de tufos cumuliformes Cirrus densos. invadindo progressivamente o céu. em bancos ou feixes emaranhados. sem que o céu esteja completamente encoberto Véu de Cirrostratus cobrindo completamente a abóbada celeste Cirrostratus não invadindo progressivamente o céu e sem cobrir completamente a abóbada celeste Cirrocumulus somente. o véu contínuo ultrapassa 45º acima do horizonte. ou somente Cirrostratus. não invadindo progressivamente o céu Cirrus densos. Cirrocumulus e Cirrostratus Nº Cód 0 1 especificações Ausência de nuvens CH Cirrus fibratus. ou Cirrocumulus acompanhados por Cirrus ou Cirrostratus. geralmente tornam-se mais espessos no conjunto Cirrus (muitas vezes em faixas) e Cirrostratus. em ambos os casos. parecem ser resíduos da parte superior de um Cumulonimbus. mas o véu contínuo não atinge 45º acima do horizonte Cirrus (muitas vezes em faixas) e Cirrostratus. nevoeiro.

todos com bases no mesmo nível especificações detalhadas Ausência de Stratocumulus. mas não acompanhado de Stratus fractus de mau tempo* Stratus fractus de mau tempo* ou Cumulus fractus de mau tempo*. Cumulus. geralmente abaixo de Altostratus ou Nimbostratus Cumulus e Stratocumulus que não sejam formados pela expansão de Cumulus. pelo menos parcialmente. ou outros fenômenos análogos 2 Cumulonimbus calvus. muitas vezes em forma de bigorna.144/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0513 CL . não apresentam contornos definidos. com as bases em níveis diferentes Cumulonimbus capillatus (muitas vezes em forma de bigorna). Stratocumulus ou Stratus podem também estar presentes Stratocumulus formados pela expansão de Cumulus. poeira ou areia soprada. Stratocumulus ou Stratus 3 sem 4 5 6 Stratocumulus cumulogenitus Stratocumulus que não sejam Stratocumulus cumulogenitus Stratus nebulosus ou fractus que não sejam de mau tempo* ou ambos Stratus fractus ou Cumulus fractus de mau tempo* ou ambos (pannus). poeira ou areia soprada. Cumulus e Cumulonimbus não visíveis devido à obscuridade. Cumulus podem também estar presentes Stratocumulus que não sejam resultantes da expansão de Cumulus Stratus em lençol ou camada. acompanhados ou não por outros Cumulus ou por Stratocumulus. mais ou menos contínua. Cumulus. Stratocumulus. com ou sem Cumulonimbus calvus. nevoeiro. Stratus. ou outros fenômenos análogos 7 8 9 / * refere-se as condições que predominam durante as precipitações ou imediatamente antes ou depois delas . Stratus ou pannus Nuvens CL não visíveis por obscuridade. cujos topos. Stratus ou pannus Stratocumulos. com ou sem Cumulus (humilis ou fractus) ou Stratocumulus. ou ambos Cumulus de moderado ou de grande desenvolvimento vertical. Stratocumulus. cuja parte superior é claramente fibrosa (cirriforme). ou ambos (pannus). mas que são nitidamente fibrosos (cirriforme) e não têm a forma de bigorna. Stratus. acompanhado ou não por Cumulonimbus sem bigorna ou sem parte superior fibrosa. ou ambos Cumulus mediocris ou congestus. ou ambos. a base do Cumulus está em nível diferente da base do Stratocumulus Cumulonimbus. todos com suas bases no mesmo nível Cumulonimbus. com ou Cumulus. Cumulus e Cumulonimbus Nº Cód 0 1 especificações Ausência de nuvens CL Cumulus humilis ou fractus que não sejam de mau tempo*. ou em faixa esgarçada.Nuvens do gênero Stratocumulus. Cumulus ou Cumulonimbus Cumulus com pequeno desenvolvimento vertical e parecendo achatados ou Cumulus espalhados que não sejam de mau tempo*. geralmente abaixo de Altostratus ou Nimbostratus Cumulus e Stratocumulus que não sejam Stratocumulus cumulogenitus. por Cumulus. geralmente com protuberância em forma de cúpulas ou torres. Stratus. nevoeiro.

ou Altocumulus com Altostratus ou Nimbostratus Altocumulus castellanus. ou 2 Nimbostratus Altocumulus translucidus em um só nível 3 Altocumulus translucidus (muitas vezes lenticulares) em bancos. não invadindo progressivamente o céu. nevoeiro. mudando continuamente de aparência e ocorrendo em um ou mais níveis Altocumulus translucidus em faixas. Altostratus ou Altostratus.MCA 105-10 / 2012 145/250 Tabela 0515 CM . ou uma ou mais camadas de Altocumulus translucidus ou opacus. poeira ou areia soprada. geralmente com partes opacas. nevoeiro. geralmente em vários níveis Altocumulus. ou outros fenômenos análogos. poeira ou areia soprada. ou camada opaca de Altocumulus. invadindo progressivamente o céu. as nuvens ocorrem em um ou mais níveis e os seus elementos mudam constantemente de aparência Altocumulus semitransparente em faixas. ou pela presença de uma camada contínua de nuvens baixas Altocumulus com protuberâncias em forma de pequenas torres ou muralhas. em uma ou várias camadas claramente contínuas (semitransparente ou opaca). ou Altocumulus com aparência de tufos cumuliformes Altocumulus em um céu de aspecto caótico. ou Altocumulus. cuja maior parte é semitransparente. estes Altocumulus geralmente tornam-se mais espessos no conjunto Altocumulus cumulogenitus cumulonimbogenitus) (ou especificações Ausência de nuvens CM Altostratus translucidus especificações detalhadas Ausência de Nimbostratus Altocumulus. ou mais frequentemente pela presença de nuvens baixas 9 / . estes Altocumulus geralmente tornam-se mais densos no conjunto Altocumulus resultantes da expansão de Cumulus (ou Cumulonimbus) Altocumulus em duas ou mais camadas. e não invadindo progressivamente o céu. ou Altocumulus opacus em uma camada. o sol ou a lua podem ser fracamente visíveis. através desta parte. ou Nimbostratus Altocumulus. ou Altocumulus Nimbostratus juntamente com Altostratus ou 4 5 6 7 Altocumulus translucidus ou opacus em duas ou mais camadas. ou outros fenômenos análogos. geralmente em vários níveis Nuvens CM não visíveis por obscuridade. vários elementos da nuvem se alteram lentamente e estão todos no mesmo nível Altocumulus em bancos (muitas vezes em forma de peixes ou amêndoas). como através de um vidro fosco Altostratus. Altostratus e Nimbostratus não visíveis devido à obscuridade. Altostratus e Nimbostratus Nº Cód 0 1 Altostratus opacus. cuja maior parte é semitransparente.Nuvens do gênero Altocumulus. cuja maior parte é suficientemente densa para esconder o sol ou a lua. ou 8 Altocumulus floccus Altocumulus de céu caótico. não invadindo progressivamente o céu. cuja maior parte é semitransparente. invadindo progressivamente o céu.

Extensão de cobertura da pista Nº Cód 1 2 3-4 5 6-8 9 / Menos de 10% da pista coberta 11 a 25% da pista coberta Reservado 26 a 50% da pista coberta Reservado 51 a 100% da pista coberta Não informado Tabela 0521 CS .Natureza das nuvens de desenvolvimento vertical Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 Cumulus humilis e/ou mediocris (isoladas) Cumulus humilis e/ou mediocris (numerosas) Cumulus congestus (isoladas) Cumulus congestus (numerosas) Cumulonimbus (isoladas) Cumulonimbus (numerosas) Cumulus e Cumulonimbus (isoladas) Cumulus e Cumulonimbus (numerosas) .146/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0519 CR .Nuvens especiais Nº Cód 1 2 3 4 5 Nuvens Nacaradas Nuvens Noctilucentes Nuvens provenientes de cachoeiras Nuvens provenientes de incêndios Nuvens provenientes de erupções vulcânicas Tabela 0531 Ca .

MCA 105-10 / 2012 147/250 Tabela 0533 Cc .Coloração e/ou convergência de nuvens associadas a distúrbios tropicais Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 8 Ligeira coloração das nuvens no alvorecer Coloração vermelha intensa das nuvens no alvorecer Ligeira coloração das nuvens ao entardecer Coloração vermelha intensa das nuvens ao entardecer Convergência de nuvens CH num ponto abaixo de 45º (em formação ou aumentando) Convergência de nuvens CH num ponto acima de 45º (em formação ou aumentando) Convergência de nuvens CH num ponto abaixo de 45º (em dissipação ou diminuindo) Convergência de nuvens CH num ponto acima de 45º (em dissipação ou diminuindo) Tabela 0551 Cs – Sistema de nuvens Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Tipo trovoada Tipo depressão Tipo depressão intensa Depressão com neve Depressão com setor quente Depressão com extremidade nevoenta Altocumulus Altocumulus com zona lateral Altocumulus com extremidade nevoenta .

148/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0552 Ct .Descrição do topo das nuvens cujas bases estão abaixo do nível da estação Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Nuvens isoladas ou fragmentos de nuvens Nuvens contínuas (topos achatados) Nuvens fragmentadas – pequenas aberturas (topos achatados) Nuvens fragmentadas – grandes aberturas (topos achatados) Nuvens contínuas (topos ondulados) Nuvens fragmentadas – pequenas aberturas (topos ondulados) Nuvens fragmentadas – grandes aberturas (topos ondulados) Ondulações contínuas ou quase contínuas com nuvens em forma de torres acima do topo da camada Grupos de ondulações com nuvens em forma de torres acima do topo da camada Duas ou mais camadas em diferentes níveis Tabela 0562 C1 – Grau de confiança Nº Cód 0 2 5 8 Sem especificação Confiável Duvidoso Muito duvidoso .

Direção (verdadeira) de onde o fenômeno informado se desloca Ds .Direção (verdadeira) de onde as nuvens CM se deslocam Da . ou estacionário ou sem nuvens (para DH.Direção (verdadeira) na qual o fenômeno indicado é observado ou as condições especificadas no mesmo grupo são informadas Dp .Direção (verdadeira) de onde as nuvens CH se deslocam DK . DL e DM) NE E SE S SW W NW N Desconhecida ou nuvens invisíveis (DH. ou desconhecidas (para Ds) Informe procedente de uma estação terrestre costeira ou deslocamento do navio (Ds) .Direção (verdadeira) na qual são observadas nuvens orográficas ou nuvens com desenvolvimento vertical Da .Direção (verdadeira) para onde o gelo se afastou nas últimas 12 horas DH .Direção (verdadeira) de onde sopra o vento à superfície D . DL e DM).MCA 105-10 / 2012 149/250 Tabela 0700 D .Direção (verdadeira) de onde as nuvens CL se deslocam DM .Direção (verdadeira) do deslocamento resultante do navio durante as 3 horas precedentes à hora da observação D1 .Direção (verdadeira) de onde a expansão se move DL .Direção (verdadeira) da posição do ponto da estação Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Estacionária (para Ds).

150/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0739 Di . devido à obscuridade.Rumo (verdadeiro) da borda principal do gelo Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Navio em canal costeiro ou em canal com aberturas Borda principal do gelo em direção ao NE Borda principal do gelo em direção ao E Borda principal do gelo em direção ao SE Borda principal do gelo em direção ao S Borda principal do gelo em direção ao SW Borda principal do gelo em direção ao W Borda principal do gelo em direção ao NW Borda principal do gelo em direção ao N Não determinado (navio no gelo) Impossibilidade de informar. falta de visibilidade ou pelo fato de que somente os gelos de origem terrestre são visíveis Tabela 0755 Dw – Direção (verdadeiro) da característica da água dada em Wt Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 / Sem orientação Eixo maior orientado NE-SW Orientado E-W Orientado SE-NW Orientado N-S Paralelo a costa E Paralelo a costa S Paraleleo a costa W Paraleleo a costa N Indeterminada ou desconhecida .

1 2.5 1.2 1.0 4.1 0.6 0.0 2.9 3.8 2.9 Nº Cód 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 ºC 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 Nº Cód 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 ºC 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 Depressão do ponto de orvalho nas superfícies isobáricas padrões ou nos níveis significativos.8 1. em dois números D tD t D 0D 0 D 1D 1 .2 3.9 4.8 4.6 2.4 0.9 1.3 2. DnDn Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 // ºC 0.4 Nº Cód 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 ºC 2.3 1.5 0.MCA 105-10 / 2012 151/250 Tabela 0777 Depressão do ponto de orvalho.0 3.8 0.1 3.4 4..1 4.7 1.2 0.2 2.6 4.2 4.7 4.7 2.0 0.6 3.5 3.9 2.5 2.4 1.8 3.3 0.7 0. iniciando com o nível da estação Depressão do ponto de orvalho no nível tropopausa Não há dados de umidade disponíveis .3 4.6 1.5 4.7 3.1 1.4 3.3 3..0 1.

152/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0822 dT – Quantidade de mudança de temperatura Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 ∆T = 10ºC ∆T = 11ºC ∆T = 12ºC ∆T = 13ºC ∆T = 14ºC ou mais ∆T = 5ºC ∆T = 6ºC ∆T = 7ºC ∆T = 8ºC ∆T = 9ºC Tabela 0833 dc – Duração e caráter da precipitação dada por RRR Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 9 menos de 1 hora de 1 a 3 horas de 3 a 6 horas mais de 6 horas menos de 1 hora de 1 a 3 horas de 3 a 6 horas mais de 6 horas Desconhecido Ocorreram dois ou mais períodos de precipitação durante o período coberto por W1W2 Ocorreu somente um período de precipitação durante o período coberto por W1W2 .

144º 145º .334º 335º . em dezenas de graus.194º 195º . em dezenas de graus.244º 245º .034º 035º .. de onde sopra o vento da corrente de jato Direção (verdadeira).044º 045º . de onde soprará o vento máximo no nível de voo indicado em nmnmnm dsds dtdt dwdw dw1dw1 dw2dw2 d0d0 d1d1 .324º 325º .314º 315º .294º 295º . codificada em dois números dd Direção (verdadeira). de onde sopra o vento nos níveis especificados.344º 345º . de onde sopra o vento no nível da tropopausa Direção (verdadeira).024º 025º .MCA 105-10 / 2012 153/250 Tabela 0877 Direção. de onde sopra ou soprará o vento. em dezenas de graus.164º 165º .054º 055º . em dezenas de graus. iniciando com o nível de superfície Direção (verdadeira).264º 265º .174º 175º .014º 015º .304º 305º .094º 095º .184º 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 99 185º . em dezenas de graus. em dezenas de graus.234º 235º . em dezenas de graus.064º 065º .004º Variável ou ondas confusas. de onde sopra o vento máximo Direção (verdadeira).074º 075º . de onde o vento irá soprar na altitude indicada em hxhxhx Direção (verdadeira). de onde vêm as ondas Direção (verdadeira).224º 225º . em dezenas de graus.204º 205º .154º 155º . direção indeterminada Nº Cód Direção (verdadeira).084º 085º .104º 105º .114º 115º . de onde sopra ou soprará o vento Direção (verdadeira) prevista. dndn Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Calmo (sem ondas) 005º .274º 275º . em relação ao Norte verdadeiro.354º 355º .214º 215º . aplicável ao ponto da grade dhdh djdj dmdm Direção (verdadeira). de onde vem a série de ondas . em dezenas de graus. para onde se move o sistema ou a frente Direção (verdadeira). em dezenas de graus.134º 135º .284º 285º .124º 125º . em dezenas de graus..254º 255º .

025ºW 025ºW .075ºW 075ºW .065ºW 065ºW .125ºW 125ºW . que cobre completamente o solo Solo extremamente seco com fendas 0. 7. à área de grande extensão.115ºW 115ºW . que não cobre completamente o solo Camada de poeira fina ou areia.175ºW 175ºW . deve ser escolhido o número mais alto que possa ser aplicado.155ºW 155ºW .005ºW Nº Cód Tabela 0901 E – Estado do solo sem neve ou camada de gelo mensurável Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 NOTA 1: NOTA 2: Solo seco (sem fenda e sem quantidade apreciável de poeira ou areia solta) Solo úmido Solo molhado (água represada em grandes ou pequenos charcos.035ºE 035ºE .015ºW 015ºW .105ºE 105ºE . seca em suspensão. 8 e 9. 2 e 4 são aplicáveis à superfície descoberta. em dezenas de graus.154/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0878 dd – Direção (verdadeira). 5.015ºE 015ºE .005ºE 005ºE .125ºE 125ºE .115ºE 115ºE . que cobre completamente o solo Camada média de poeira ou areia.055ºE 055ºE .045ºE 045ºE .065ºE 065ºE .155ºE 155ºE . 6.105ºW 105ºW . 1.145ºE 145ºE .165ºW 165ºW .135ºW 135ºW .085ºW 085ºW .145ºW 145ºW .075ºE 075ºE . e 3.045ºW 045ºW . Em todos os casos.035ºW 035ºW .095ºW 095ºW .025ºE 025ºE .135ºE 135ºE .055ºW 055ºW .175ºE 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 175ºE .165ºE 165ºE . . sobre a superfície) Solo inundado Solo gelado Gelo transparente sobre o solo Poeira ou areia seca em suspensão. de onde sopra ou soprará o vento nas estações situadas a menos de 1º do Polo Norte Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Calmo 005ºW .095ºE 095ºE . seca em suspensão.085ºE 085ºE .

MCA 105-10 / 2012 155/250 Tabela 0919 ER – Depósitos na pista Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Limpa e seca Úmida Molhada e com poças Geada e cobertura de geada (normalmente menos de 1 mm) Neve seca Neve molhada Neve semiderretida Gelo Neve compactada Congelada com sulcos ou ondulações Tipo de depósito não relatado (devido a pista estar em processo de limpeza) Tabela 0938 Eh – Elevação sobre o horizonte da base da bigorna do Cumulonimbus ou do limite superior de outro fenômeno Nº Cód 1 3 7 Muito abaixo do horizonte Menor que 30º acima do horizonte Maior que 30º acima do horizonte .

solta e cobrindo completamente o solo Camada não uniforme de neve seca. mas não o solo totalmente coberto Camada uniforme de neve compacta ou úmida cobrindo o solo totalmente Camada não uniforme de neve compacta ou úmida cobrindo totalmente o solo Neve seca. . solta. solta e cobrindo completamente o solo Neve cobrindo completamente o solo. deve ser informado o número mais alto aplicável. NOTA 2: Em todos os casos. cobrindo menos da metade do solo Neve seca. NOTA 3: Toda vez que se fizer referência a gelo. isto também incluirá as precipitações sólidas que diferem da neve.156/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 0975 E’ – Estado do solo com neve ou camada de gelo mensurável Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Solo coberto predominantemente por gelo Neve compacta ou úmida (com ou sem gelo) cobrindo menos da metade do solo Neve compacta ou úmida (com ou sem gelo) cobrindo pelo menos metade do solo. cobrindo pelo menos a metade do solo (mas não completamente) Camada uniforme de neve seca. amontoamento importante de neve NOTA 1: Estas definições se referem a uma área representativa aberta. solta.

A ilustração a seguir. uns 15º. e a longitude da parte superior do seu indicador. a separação da mão (espaço) entre a extremidade do polegar e o indicador deve ser de uns 30º. uns 9º. mostra o dito método: Para se estimar um ângulo de elevação a uma distância de 30 cm de afastamento do olho do observador. a longitude total de seu indicador. A espessura de dois dedos é de uns 6º. .MCA 105-10 / 2012 157/250 Tabela 1004 eC – Ângulo de elevação do topo da nuvem indicada por C e’ – Ângulo de elevação do topo do fenômeno sobre o horizonte Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Os topo das nuvens não são visíveis 45º ou mais 30º aproximadamente 20º aproximadamente 15º aproximadamente 12º aproximadamente 9º aproximadamente 7º aproximadamente 6º aproximadamente Inferior a 5º NOTA: O ângulo de elevação pode ser estimado por um método simples e prático.

uuu em Kelvin inteiros Isóbara e Isalóbara. uuu como número identificador Para o nº0. uu ºC inteiros . uuu em ºC inteiros (para valores negativos. uu em segundos Temperatura do mar. uuu deve ser informado em centenas de mgp. Tabela 1063 e2 – Tipo de isopleta e unidades de valor uu Nº Cód 0 1 2 3 4 9 Altura da onda do mar. soma-se 500) Isoterma. em análise da tropopausa. soma-se 500) Temperatura potencial.158/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 1062 e1 – Tipo de isopleta e unidades de valor uuu Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 NOTA: Isoípsa relativa ou absoluta. uuu em décimos de grama/kilograma Pressão de saturação do vapor d’água. uuu em dezenas de mgp (sem o algarismo do milhar) Ponto de orvalho. uu em dezenas de graus Período da onda. uuu hPa inteiros (sem o algarismo do milhar) Razão de mistura. uu em metros Direção da onda. uuu em ºC inteiros (para valores negativos. uu em metros Altura da onda (tipo indeterminado). uuu em unidades de porcentagem Velocidade do vento. uuu em kt Linha de corrente. uuu em hPa inteiros (sem o algarismo do milhar) Umidade relativa. uu em metros Crescimento da altura da onda do mar.

. Profundidade do depósito não significativa para a operação ou não mensurável. Tabela 1109 FH – Tipo de previsão Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Tipo de previsão Previsão do estágio máximo ou descarga Previsão de estágio mínimo ou descarga Previsão de descarga máxima diária ou de estágio médio máxima diária Previsão de descarga diária mínima ou de estágio médio mínimo diário Previsão estágio médio diário ou descarga Previsão de estágio máximo ou descarga (acima da inundação) Previsão de estágio médio ou derscarga média Previsão de estágio ou descarga Previsão de estágio específico ou descarga (acima da inundação) Nº do grupo indicador datahora ou período 2 2 2 2 2 2 2 1 1 .. neve eminente ou desobstrução da pista.MCA 105-10 / 2012 159/250 Tabela 1079 eReR – Profundidade do depósito Nº Cód 00 01 02 03 . mas com profundidade não relatada. gelo. 89 mm 90 mm Reservado 10 cm 15 cm 20 cm 25 cm 30 cm 35 cm 40 cm ou mais Pista ou pistas inoperantes devido à neve. neve semiderretida... 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 // Menos que 1 mm 1 mm 2 mm 3 mm .

160/250

MCA 105-10 / 2012

Tabela 1133 Fc – Característica da frente
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Sem especificação Zona de atividade frontal, dissipando-se Zona de atividade frontal, com pouca mudança Zona de atividade frontal, aumentando Intertropical Em formação ou existência suposta Quase estacionária Com ondulações Difusa Posição duvidosa

Tabela 1135 Fe – Forma terciária de gelo Fp – Forma predominante de gelo Fq – Forma quaternária de gelo Fs – Forma secundária de gelo Fu – Forma quinária de gelo
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Sem gelo Gelo originário da terra Gelo em forma de bolo Gelo em forma de bolo pequeno Gelo em blocos pequenos (20 a 100 m de diâmetro) Gelo em blocos médios (100 a 500 m de diâmetro) Gelo em blocos grandes (500 a 2.000 m de diâmetro) Gelo em blocos extensos (2 a 10 km de diâmetro) Gelo em blocos gigantes (mais de 10 km de diâmetro) Gelo rápido Forma indeterminada ou desconhecida

MCA 105-10 / 2012

161/250

Tabela 1139 Fi – Intensidade da frente
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Sem especificação Fraca, diminuindo (incluindo frontólise) Fraca, variação pequena ou nula Fraca, intensificando-se (incluindo frontogênese) Moderada, diminuindo Moderada, variação pequena ou nula Moderada, intensificando-se Forte, diminuindo Forte, variação pequena ou nula Forte, intensificando-se

Tabela 1144 Fm - Previsão do vento à superfície
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Nº Beaufort 0a3

162/250

MCA 105-10 / 2012

Tabela 1152 Ft – Tipo de frente
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Frente quase estacionária na superfície Frente quase estacionária em altitude Frente quente na superfície Frente quente em altitude Frente fria na superfície Frente fria em altitude Frente oclusa Linha de instabilidade Frente intertropical Linha de convergência

Tabela 1300 G – Período coberto pela previsão
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Synopsis das condições meteorológicas no início da previsão 3 horas 6 horas 9 horas 12 horas 18 horas 24 horas 48 horas 72 horas Ocasional

MCA 105-10 / 2012

163/250

Tabela 1600 h – Altura da base da nuvem mais baixa, acima da superfície
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / 0 a 50 m 50 a 100 m 100 a 200 m 200 a 300 m 300 a 600 m 600 a 1.000 m 1.000 a 1.500 m 1.500 a 2.000 m 2.000 a 2.500 m 2.500 m ou mais, ou ausência de nuvens A altura da base das nuvens é desconhecida, ou a base das nuvens está num nível mais baixo e o topo num nível mais alto que o da estação Altura igual a um dos limites de duas gamas deve ser indicada pelo número da gama mais alta. Por exemplo: uma altura de 600 m deverá ser codificada como 5. Devido à limitação dos equipamentos das estações automáticas para medir altura da base das nuvens, o número empregado para “h” pode ter um dos significados abaixo: a) valor real da altura da base situa-se na gama dos valores indicados; b) valor real da altura da base situa-se na gama de valores indicados, porém não pode ser determinado, devido as limitações dos instrumentos; ou c) não existem nuvens na vertical da estação.

NOTA 1: NOTA 2:

164/250

MCA 105-10 / 2012

Tabela 1677 hshs – Altura da base da nuvem, cujo gênero é informado em C htht – Altura do topo das nuvens baixas ou altura da camada de nuvens mais baixa ou nevoeiro
Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 < 30 m 30 m 60 m 90 m 120 m 150 m 180 m 210 m 240 m 270 m 300 m 330 m 360 m 390 m 420 m 450 m 480 m 510 m 540 m 570 m 600 m 630 m 660 m 690 m 720 m Nº Cód 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 750 m 780 m 810 m 840 m 870 m 900 m 930 m 960 m 990 m 1.020 m 1.050 m 1.080 m 1.110 m 1.140 m 1.170 m 1.200 m 1.230 m 1.260 m 1.290 m 1.320 m 1.350 m 1.380 m 1.410 m 1.440 m 1.470 m Nº Cód 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 1.800 m 2.100 m 2.400 m 2.700 m 3.000 m 3.300 m 3.600 m 3.900 m 4.200 m 4.500 m 4.800 m 5.100 m 5.400 m 5.700 m 6.000 m 6.300 m 6.600 m 6.900 m 7.200 m Não utilizados 1.500 m Nº Cód 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 7.500 m 7.800 m 8.100 m 8.400 m 8.700 m 9.000 m 10.500 m 12.000 m 13.500 m 15.000 m 16.500 m 18.000 m 19.500 m 21.000 m > 21.000 m < 50 m 50 a 100 m 100 a 200 m 200 a 300 m 300 a 600 m 600 a 1.000 m 1.000 a 1.500 m 1.500 a 2.000 m 2.000 a 2.500 m 2.500 m ou mais, ou ausência de nuvens

NOTA:

Se o valor observado estiver compreendido entre duas alturas dadas na tabela, deverá ser utilizado o número que indique a menor altura, exceto para os números de 90 a 99; nesta década, uma altura exatamente igual ao limite de duas gamas de valores, será indicada pelo número da gama mais alta. Por exemplo: uma altura de 600 m será codificada 95.

Altura do nível inferior da turbulência hfhfhf – Altitude da isoterma de 0ºC hihihi .970 m 3.300 m 3. 099 100 110 120 etc.Altura do nível inferior da camada de gelo hshshs .000 m 3. Nº Cód 011 etc.MCA 105-10 / 2012 165/250 Tabela 1690 hBhBhB .700 m 30. observada ou prevista hththt – Altitude da camada de nuvens hxhxhx – Altitude da referida temperatura e vento Nº Cód 000 001 002 003 004 005 006 007 008 009 010 NOTA: < 30 m 30 m 60 m 90 m 120 m 150 m 180 m 210 m 240 m 270 m 300 m Se o valor estiver entre dois valores na tabela. 29. 990 999 330 m etc.Altura da base da camada de nuvens ou visibilidade vertical.600 m etc. 2.000 m ou mais Tabela 1733 Ic – Tipo de formação de gelo previsto acumular nas partes externas da aeronave Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Não há congelamento Congelamento leve Congelamento leve nas nuvens Congelamento leve nas precipitações Congelamento moderado Congelamento moderado nas nuvens Congelamento moderado nas precipitações Congelamento forte Congelamento forte nas nuvens Congelamento forte nas precipitações . codifica-se o número correspondente a altura mais baixa.

da pressão da última superfície isobárica padrão. para a qual os dados de vento são informados Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 / 700 hPa 850 hPa 925 hPa 1000 hPa O grupo de vento é incluído até e inclusive os seguintes níveis: Parte A 100 hPa ou 150 hPa* 200 hPa ou 250 hPa** 300 hPa 400 hPa 500 hPa 10 hPa 20 hPa 30 hPa 50 hPa 70 hPa Parte C Grupo não incluído para nenhuma superfície isobárica padrão * Deve ser também incluído para o nível de 100 hPa e codificado como barras (/////). Tabela 1751 Is – Acúmulo de gelo sobre os navios Nº Cód 1 2 3 4 5 Gelo proveniente do oceano Gelo proveniente de nevoeiro Gelo proveniente do oceano e de nevoeiro Gelo proveniente da chuva Gelo proveniente do oceano e da chuva .166/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 1734 Id – Indicador utilizado para as centenas de hectopascal (Parte A) ou dezenas de hectopascal (Parte C). exceto quando 150 hPa for a superfície isobárica padrão mais alta alcançada pela sondagem. ** Deve ser também incluído para o nível de 200 hPa e codificado como barras (/////). exceto quando 250 hPa for a superfície isobárica padrão mais alta alcançada pela sondagem.

MCA 105-10 / 2012

167/250

Tabela 1800 i = Intensidade ou característica das condições de tempo dadas em we
Altura da base das nuvens significativas (m) < 50 50-99 Camada de neve (cm) Ausente Poucas chuvas Chuvas esparsas, porém numerosas Chuvas muito numerosas Pouca neve Neve esparsa, porém numerosa Neve muito numerosa Pouca chuva e neve misturadas Chuva e neve esparsas, porém numerosas Chuva e neve muito numerosas Até 2

Nº Cód

Visibilidade (m) < 50 50-199

Nº Beaufort 10 11

Congelamento

Turbulência

Tormentas

0 1

Não especificado Leve nas nuvens Moderado nas nuvens Forte nas nuvens Leve na preciptação Moderado na precipitação Forte na preciptação Leve nas nuvens Mode rada nas nuvens Forte nas nuvens Leve em ar claro Moderada em ar claro Forte em ar claro -

2

100-199

200-499

12

Até 5

3 4

200-299 300-599

500-999 1000-1999

3 4

Até 10 Até 15

5

600-999

2000-3999

5

Até 25

6

1000-1499

4000-9999

6

Até 50

7

1500-1999

10000-19999

7

Até 100

8

2000-2499

20000-49999

8

-

-

Até 200

9

2500 ou mais, ou sem nuvens

50000 ou mais

9

-

-

200 ou mais

168/250

MCA 105-10 / 2012

Tabela 1806 iE – Indicador do tipo de instrumento utilizado para medir a evaporação ou tipo de plantação baseada para informar a evapotranspiração
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Evaporímetro USA open pan (sem cobertura) Evaporímetro USA open pan (coberto por malha) Evaporímetro GGI 3000 (mergulhado) Tanque 20 m Outros Arroz Trigo Milho Sorgo Outras plantações Evapotranspiração
2

Evaporação

Tabela 1819 iR – Indicador para inclusão ou omissão de dados de precipitação
Nº Cód 0 1 2 3 4 Seção 1 Seção 3 Nenhuma seção Nenhuma seção Seção Seções 1 e 3 Incluído Incluído Omitido (quantidade de precipitação é igual a zero) Omitido (quantidade de precipitação não disponível) Grupo 6RRRtR Incluído em ambas as seções

Tabela 1840 ih – Indicador de sinal e unidades de elevação/altitude
Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 8 Elevação no nível do mar ou acima, em metros Elevação no nível do mar ou acima, em pés Elevação abaixo do nível do mar, em metros Elevação abaixo do nível do mar, em pés Altitude da aeronave, em dezenas de metros Altitude da aeronave, em dezenas de pés Altitude negativa da aeronave, em dezenas de metros Altitude negativa da aeronave, em dezenas de pés

MCA 105-10 / 2012

169/250

Tabela 1841 ij –Indicador das unidades da velocidade do vento e altura ou pressão na corrente de jato
Nº Cód 0 1 2 4 5 6 Vento em m/s Vento em km/h Vento em kt Vento em m/s Vento em km/h Vento em kt Pressão em hPa inteiros Geopotencial do núcleo da corrente de jato, em centenas de mgp

Tabela 1855 iw – Indicador da origem e de unidades da velocidade do vento
Nº Cód 0 1 3 4 Velocidade do vento estimada, em m/s Velocidade do vento medida no anemômetro, em m/s Velocidade do vento estimada, em kt Velocidade do vento medida no anemômetro, em kt

Tabela 1859 iz – Índice de estabilidade
Nº Cód 0 1 2 3 4 5-9 Não disponível Total totals Showalter KO Faust Reservados

170/250

MCA 105-10 / 2012

Tabela 1860 ix – Indicador do tipo de operação da estação e de dados de tempo presente e passado
Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 Tipo de operação da estação Dotada de pessoal Dotada de pessoal Dotada de pessoal Automática Automática Automática Automática Incluído Omitido (nenhum fenômeno significativo a informar) Omitido (nenhuma observação, dados não disponíveis) Incluído, usando-se as Tabelas 4677 e 4561 Omitido (nenhum fenômeno significativo a informar) Omitido (nenhuma observação, dados não disponíveis) Incluído, usando-se as Tabelas 4680 e 4531 Grupo 7wwW1W2 ou 7wawaWa1Wa2

NOTA: Estações dotadas de pessoal usam apenas o grupo 7wwW1W2 e indicador ix=1, 2 e 3. Estações automáticas normalmente usam o grupo 7wawaWa1Wa2 e indicador ix=5, 6 e 7. Contudo, quando a estação automática é capaz de operar automaticamente com as Tabelas 4677 e 4561, deverão ser usados o grupo 7wwW1W2 e o indicador ix=4.

Tabela 1861 i0 – Intensidade do fenômeno
Nº Cód 0 1 2 Leve Moderada Forte ou severa

Tabela 1863 i2 – Indicador do tipo de zona zzz – Especificação da zona
0i2zzz 00000 01QLaLa 02QLoLo 04nnn 050ZZ 06QLaLa 07QLoLo 09nnn Até o ponto de retorno no 1º grupo QLaLaLoLo entre os indicativos no início da mensagem Até a latitude LaLa Até a longitude LoLo Até o ponto distante de nnn quilômetros do ponto precedente Para a área de 5 graus identificada na zona dos números Na latitude LaLa Na longitude LoLo Num ponto distante de nnn quilômetros do ponto precedente

MCA 105-10 / 2012

171/250

Tabela 1864 i3 – Indicador para fenômenos complementares nnn – Especificações relativas ao fenômeno complementar
9i3nnn 91P2P2P2 92FtLaLa 93FtLoLo 94FtGG 951// 952LaLa 953LaLa 954LoLo 955LoLo 96GGGp Pressão mais baixa prevista ao nível médio do mar Tipo de frente e sua posição (rota da aeronave aproximadamente N-S) Tipo de frente e sua posição (rota da aeronave aproximadamente E-W) Tipo de frente e hora da passagem Mudança gradual ao longo da rota (somente ROFOR) Mudança na latitude LaLa norte ao longo da rota (somente ROFOR) Mudança na latitude LaLa sul ao longo da rota (somente ROFOR) Mudança na longitude LoLo leste ao longo da rota(somente ROFOR) Mudança na longitude LoLo oeste ao longo da rota(somente ROFOR) Gp = 0: uma parte independente da previsão inicia em GG.Todas as condições anteriores são substituídas. Gp = 1 a 4: mudança regular ou irregular em hora não específica dentro do período iniciado em GG e indicado por Gp 97GGGp 9999C2 Flutuações temporárias frequentes ou não, dentro do período indicado por Gp Quando em combinação com 99GGGp: probabilidade C2 de ocorrência de um valor alternativo, em dezenas de percentuais. Quando em combinação com 97GGGp: probabilidade C2 de ocorrência de flutuação temporária, em dezenas de percentuais.

2 Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Tipo de radiação solar terrestre (apenas 2 a 6 são utilizados) Centenas radiação terrestre da Dezenas radiação terrestre da Unidades radiação terrestre da j5 Sinal da radiação solar total j6 Milhares da radiação total j7 Centenas da radiação total j8 Dezenas da radiação total j9 Unidades da radiação total Milhares da radiação terrestre .172/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 2061 j1 – Indicador de informações suplementares j2j3j4 – Especificações relativas às informações suplementares j5j6j7j8j9 – Grupos suplementares que seguem o grupo 5j1j2j3j4 Nº Cód 0 1 2 3 Período entre a hora Indicador de da observação e a mudança nos dados hora da mudança de de temperatura temperatura Indicador do período Dezenas da duração de insolação* de insolação Indicador da direção Direção de onde as do movimento das nuvens CL se nuvens deslocam Tipos de nuvens Indicador da direção orográficas ou de e altura das nuvens desenvolvimento vertical Indicador de mudança de pressão Dezenas da mudança à superfície (8 de de pressão positiva a zero e 9.7. ver o item 12.4.4. negativa) Sinal da mudança de temperatura Unidades da duração de insolação Direção de onde as nuvens CM se deslocam Direção de onde vêm essas nuvens Dezenas da Unidades da evaporação ou evaporação ou evapotranspiração evapotranspiração Décimos da evaporação ou evapotranspiração j1 j2 j3 j4 Tipo de instrumento utilizado para medir a evaporação ou tipo de plantação a evapotranspiração é informada Variação da mudança de temperatura Décimos da duração de insolação Direção de onde as nuvens CH se deslocam Ângulo de elevação do topo dessas nuvens 4 5 6 7 8 9 Unidades da mudança de pressão Décimos da mudança de pressão * No caso de j1=5.

020% Em certo setor de precisão.99º ou Longitude Este 100º-180º Longitude Este 0º .020% Análise de amostras . maior que 0. menor que 0.99º ou Longitude Oeste 100º-180º Tabela 2263 k2 – Método de medida de salinidade Nº Cód 0 1 2 3 Não medida Em certo setor de precisão.MCA 105-10 / 2012 173/250 Tabela 2100 K – Efeito do gelo na navegação Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Navegação livre Navegação pouco impedida Navegação difícil para navios pequenos e ligeiramente impedida para navios maiores Navegação difícil para navios maiores Navegação muito difícil para os navios maiores Navegação possível para navios maiores apenas com auxílio de quebra-gelo Canais abertos no gelo sólido Navegação temporariamente fechada Navegação fechada Condições desconhecidas Tabela 2200 k – Indicador de meios-graus de latitude e longitude Nº Cód 0 1 2 3 4* 5 6 7 8 9* Nenhuma modificação em LaLaLoLo Somar ½ grau a LaLa Somar ½ grau a LoLo Somar ½ grau a LaLa e LoLo Graus inteiros Nenhuma modificação em LaLaLoLo Somar ½ grau a LaLa Somar ½ grau a LoLo Somar ½ grau a LaLa e LoLo Graus inteiros Longitude Oeste 0º .

1.Caráter da massa de ar Nº Cód 0 1 2 Não especificada ou indeterminada Continental (c ) Marítima (m) . 2 e 6 são usados também para bóias. mas no máximo 6 minutos Média de mais de 6 minutos. mas no máximo 12 minutos Instantâneo Média de 3 minutos ou menos Média de mais de 3 minutos. mas no máximo 12 minutos Vetor ou método Doppler não utilizado Entre H-2 e H-1 Entre H-1 e H Tabela 2267 k6 – Método de remoção da velocidade para a medida Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7-9 NOTA: Movimento do navio removido pela média Movimento do navio removido por compensação de movimento Movimento do navio não removido Movimento do navio removido pela média Movimento do navio removido por compensação de movimento Movimento do navio não removido Método Doppler não utilizado Reservados Os valores 0. mas no máximo 6 minutos Média de mais de 6 minutos.174/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 2264 k3 – Duração e hora da medida Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Instantâneo Média de 3 minutos ou menos Média de mais de 3 minutos. velocidade removida por navegação velocidade removida por rastreamento de fundo Tabela 2538 Mh.

de intensidade severa . redemoinhos. com a massa de ar descrita no 2º grupo Tabela 2555 Mw – Tromba(s) d’água. a massa de ar informada no 1º grupo é “Transitória” ou está em “Conversão” para massa de ar. a massa de ar informada no 1º grupo está acima da descrita no 2º grupo Se não for seguido por outro grupo 33MhMsMt. de intensidade leve Redemoinhos de poeira. tornados.MCA 105-10 / 2012 175/250 Tabela 2551 Ms. caso contrário. redemoinhos de poeira Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Tromba d’água dentro dos 3 km da estação Tromba d’água além dos 3 km da estação Nuvens de tornado dentro dos 3 km da estação Nuvens de tornado além dos 3 km da estação Redemoinhos de intensidade leve Redemoinhos de intensidade moderada Redemoinhos de intensidade severa Redemoinhos de poeira.Região de origem da massa de ar Nº Cód 0 1 2 3 4 5 Não especificada ou indeterminada Ártica (A) Polar (P) Tropical (T) Equatorial (E) Superior (S) Tabela 2552 Mt – Caráter termodinâmico da massa de ar Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Não especificado Indeterminado Frio (k) Quente (w) Indeterminado Frio (k) Quente (w) Indeterminado Frio (k) Quente (w) Se for seguido por outro grupo 33MhMsMt. de intensidade moderada Redemoinhos de poeira. significa que está misturada. significa que há somente uma massa de ar presente. descrita no 2º grupo Se for seguido por outro grupo 33MhMsMt.

176/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 2562 M1 – Mês em que se inicia o período coberto pela previsão M2 – Mês em que termina o período coberto pela previsão Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Mês em curso 1º mês após o mês em curso 2º mês após o mês em curso 3º mês após o mês em curso 4º mês após o mês em curso 5º mês após o mês em curso 6º mês após o mês em curso 7º mês após o mês em curso 8º mês após o mês em curso 9º mês após o mês em curso Tabela 2582 MiMi – Letras identificadoras do informe MjMj – Letras identificadoras de parte do informe MiMi Código SYNOP SHIP PILOT PILOT SHIP PILOT MOBIL TEMP TEMP SHIP TEMP DROP TEMP MOBIL II EE TT UU XX PP QQ Estação terrestre AA BB AA AA AA AA AA AA AA BB BB BB BB BB BB BB CC CC CC CC CC CC CC DD DD DD DD DD DD DD Estação marítima Aeronave Parte A Parte B MjMj Parte C Parte D S/D XX XX .

correspondente à posição do navio na hora da observação .MCA 105-10 / 2012 177/250 Tabela 2590 MMM – Número do quadrado de Marsden.

178/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 2590 MMM – Número do quadrado de Marsden. é utilizado o seguinte: . correspondente à posição do navio na hora da observação (continuação) Para zonas polares.

2) Para um navio localizado em 40. correspondendo à posição do navio. 00 no quadrado 467 e 09 no quadrado 468. Exemplos: 1) Para um navio localizado em 42.0ºS e 120.3ºN e 30. então. a posição é codificada como segue: Qc = 3. no quadrado 148. no qual o navio está localizado na hora da observação. 99 no quadrado 432.0ºW. o número utilizado para informar Qc deverá ser tomado em consideração para determinar o número do quadrado Marsden de dez graus respectivo. MMM deve ser. O navio se encontra no limite entre os quadrados de Marsden 147 e 148. 432.0ºE.MCA 105-10 / 2012 179/250 Tabela 2590 MMM – Número do quadrado de Marsden. LoLoLoLo = 0300 ULaULo = 20. codificado como 148. LaLaLa = 423. codificado 467. O navio se encontra no ponto de interseção dos quadrados de Marsden 431. que corresponde a posição do navio. O respectivo esquema anexo (Qc = 3) mostra que o quadrado de um grau. assim como no Equador. o número a ser codificado em MMM é o número do quadrado no qual se encontra a subdivisão de um grau cujo número é ULaULo. a posição é codificada como segue: Qc = 7. . 467 e 468. que corresponde à posição do navio. ULaULo é o número da subdivisão de um grau do quadrado de Marsden em dezenas de graus. Quando o navio ocupa uma posição limite entre dois ou quatro quadrados de Marsden de dezenas de graus. será 29 no quadrado 147 e 20. LoLoLoLo = 1200 ULaULo = 00. correspondente à posição do navio na hora da observação (continuação) NOTA: O número a ser codificado em ULaULo no grupo MMMULaULo é obtido combinando-se o segundo número La e o terceiro número Lo na posição informada (LaLaLa QcLoLoLoLo). será 90 no quadrado 431. O respectivo esquema anexo (Qc = 7) mostra que o quadrado de um grau. tal com definido acima. MMM deve ser. Quando o navio se encontra no meridiano de 0º ou 180º. então. LaLaLa = 400.

correspondente à posição do navio na hora da observação (continuação) Subdivisões dos quadrados de dez graus de Marsden em quadrado de um grau para os oito octantes (Q) do globo .180/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 2590 MMM – Número do quadrado de Marsden.

sem poças Gelo Rotten Poças recongeladas Indeterminada ou desconhecida .MCA 105-10 / 2012 181/250 Tabela 2600 m – Movimento Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Não especificado Estacionário Pequena mudança Tornando-se estacionário Retardando-se Curvando-se para a esquerda Recurvando-se Acelerando-se Curvando-se para a direita Esperando-se que se recurve Tabela 2650 ms – Estágio de derretimento Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Sem derretimento Gelo descolorado Gelo Flooded Poucas poças Muitas poças Poças com poucos furos descongelados Poças com muitos furos descongelados Furos descongelados.

nevoeiro. cujo gênero é indicado por C N’ – Quantidade das nuvens. tempestade de neve. porém desfiladeiros livres e encostas livres ou cobertas Montanhas geralmente cobertas. porém alguns picos livres e encostas. desfiladeiros e encostas cobertas Montanhas não podem ser vistas devido à escuridão. somente pequenas quantidades de nuvens Montanhas parcialmente cobertas por nuvens esparsas (mais da metade dos picos não podem ser mais vistos) Toda encosta coberta. mas não 8/8 8/8 0 1/10 ou menos.182/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 2700 N – Cobertura total de nuvens Nh . cujas bases encontram-se abaixo do nível da estação Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / 0 1/8 ou menos. se não houver. totais ou parcialmente. mas uma contínua parede de nuvens do outro lado Nuvens baixas sobre as montanhas. mas não 10/10 10/10 Céu obscurecido por nevoeiro e/ou outro fenômeno meteorológico A cobertura de nuvens não é discernível por razões diferentes de nevoeiro ou outros fenômenos meteorológicos. ou a observação não é realizada. mas não zero 2/8 3/8 4/8 5/8 6/8 7/8 ou mais. precipitação. Tabela 2745 Nm – Condições das nuvens sobre montanhas e desfiladeiros Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Todas as montanhas abertas. . picos parcialmente cobertos por trilhas de precipitação ou nuvens Todos os picos cobertos. mas todas as encostas das montanhas livres (somente poucas nuvens nas encostas) Nuvens baixas sobre as montanhas. etc. picos e desfiladeiros livres Montanhas abertas do lado do observador (somente pequenas quantidades de nuvens presentes). cobertas Todos os picos.Quantidade total de nuvens CL presentes ou. de nuvens CM presentes Ns – Quantidade da camada de nuvens individuais. mas não zero 2/10 – 3/10 4/10 5/10 6/10 7/10 – 8/10 9/10 ou mais.

obscurecendo a vista para baixo Tabela 2863 n3 – Evolução das nuvens Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Sem mudança Cumulificação Elevação lenta Elevação rápida Elevação e estratificação Descida lenta Descida rápida Estratificação Estratificação e descida Mudança rápida . clara acima Bancos de nevoeiro Camada fina de nevoeiro Camada espessa de nevoeiro Algumas nuvens isoladas Nuvens isoladas e nevoeiro baixo Muitas nuvens isoladas Mar de nuvens Visibilidade ruim.MCA 105-10 / 2012 183/250 Tabela 2752 Nt – Trilhas de condensação Nº Cód 5 6 7 8 9 Trilhas de condensação não persistentes Trilhas de condensação persistentes cobrindo menos de 1/8 do céu Trilhas de condensação persistentes cobrindo 1/8 do céu Trilhas de condensação persistentes cobrindo 2/8 do céu Trilhas de condensação persistentes cobrindo 3/8 ou mais do céu Tabela 2754 Nv – Condições das nuvens observadas de um nível alto Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Ausência de nuvens ou névoa Névoa.

184/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 2864 n4 – Evolução das nuvens observadas de uma estação em um nível alto Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Sem mudança Descida e elevação Descida Elevação Descida e abaixamento Subida e elevação Abaixamento Subida Subida e abaixamento Nevoeiro intermitente na estação Tabela 2877 nBnB – Número de icebergs dentro da área nGnG – Número de pedaços de icebergs dentro da área Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 Nenhum 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Nº Cód 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 99 15 16 17 18 19 1-9 10-19 20-29 30-39 40-49 50-99 100-199 200-499 500 ou mais Impossibilidade de contagem .

mas sem desaparecer Subida geral de pressão (ou de geopotencial) Queda geral de pressão (ou geopotencial) Posição duvidosa Tabela 3139 Pi – Previsão de gelo Nº Cód 0 1 2 3 Aparecimento de gelo flutuante Congelamento em rios.MCA 105-10 / 2012 185/250 Tabela 3133 Pc – Caráter do sistema de pressão hc – Caráter do sistema topográfico Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Não especificado BAIXA enchendo-se ou ALTA debilitando-se Pequena variação BAIXA aprofundando-se ou ALTA intensificando-se Evolução complexa Em formação ou existência provável (ciclogênese ou anticiclogênese) Enchendo-se ou debilitando-se. lagos ou reservatórios Gelo quebrando em rios. lagos ou reservatórios Desaparecimento de gelo .

186/250

MCA 105-10 / 2012

Tabela 3152 Pt – Tipo do sistema de pressão ht – Tipo do sistema topográfico
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 BAIXA (ciclone) complexa BAIXA BAIXA secundária Cavado Onda ALTA (anticiclone) Área de pressão uniforme (ou geopotencial) Crista Col Ciclone Tropical

Tabela 3155 Pw – Período das ondas
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / 10 segundos 11 segundos 12 segundos 13 segundos 14 segundos ou mais 5 segundos ou menos 6 segundos 7 segundos 8 segundos 9 segundos Calmo ou período não determinado

MCA 105-10 / 2012

187/250

Tabela 3300 Q – Octante do globo
Nº Cód 0 1 2 3 5 6 7 8 Longitude 0 a 90º W 90º a 180º W 180º a 90º E 90º a 0º E 0º a 90º W 90º a 180º W 180º a 90º E 90º a 0º E
N 0º Meridiano de Greenwich

Hemisfério

Norte

Sul

180º

90º

90º

180º

1 Equador W 6

0

3

2 E

5

8

7

180º

90º

0º S

90º

180º

Tabela 3302 QA – Localização da classe de qualidade
Nº Cód 0 1 2 3 / Raio igual ou maior que 1.500 m Raio menor que 1.500 m e igual ou maior que 500 m Raio menor que 500 m e igual ou maior que 250 m Raio menor que 250 m Localização não diponível

188/250

MCA 105-10 / 2012

Tabela 3311 QL – Qualidade de localização
Nº Cód 0 1 2 O valor transmitido no início do informe é confiável Os valores do início do informe são os últimos conhecidos Qualidade duvidosa

Tabela 3313 QN – Qualidade de transmissão da bóia
Nº Cód 0 1 Boa qualidade (vários informes idênticos foram recebidos) Qualidade duvidosa (não há informes idênticos)

Tabela 3315 QP – Qualidade da medida de pressão
Nº Cód 0 1 Valor dentro dos limites especificados Valor fora dos limites especificados

Tabela 3318 Qz – Indicador de correção de profundidade
Nº Cód 0 1 2 Profundidade não corrigida Profundidade corrigida Não disponível

MCA 105-10 / 2012

189/250

Tabela 3319 QTW – Qualidade da medida de temperatura da água da superfície do mar
Nº Cód 0 1 Valor dentro dos limites especificados Valor fora dos limites especificados

Tabela 3333 Qc – Quadrante do globo
Nº Cód 1 3 5 7 Latitude Norte Sul Sul Norte Longitude Este Este Oeste Oeste

Equador

NOTA: Os seguintes casos ficam a critério do observador: O navio encontra-se no meridiano de Greenwich ou de 180º (LoLoLoLo = 0000 ou 1800, respectivamente): Qc = 1 ou 7 (Hemisfério Norte) Qc = 3 ou 5 (Hemisfério Sul) O navio encontra-se no Equador (LaLaLa = 000): Qc = 1 ou 3 (Longitude Este) Qc = 5 ou 7 (Longitude Oeste)

Meridiano de Greenwich

190/250

MCA 105-10 / 2012

Tabela 3334 Qd – Indicador do controle de qualidade Qd1 – Indicador do controle de qualidade para temperatura e salinidade Qd2 – Indicador do controle de qualidade para corrente Ql – Indicador do controle de qualidade para posição Qt – Indicador do controle de qualidade para hora
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 Dados não verificados Dados bons Dados inconsistentes Dados duvidosos Dados errados Dados alterados

Tabela 3363 Q2 – Qualidade do parâmetro de limpeza Q4 – Qualidade da medida de temperatura
Nº Cód 0 1 Valor dentro dos limites especificados Valor fora dos limites especificados

Tabela 3538 Rh – Altura máxima das cristas
Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / gelo leve 1m 2m 3m 4m 5m 6m 7m 8m 9 m ou mais Indeterminado ou desconhecido

MCA 105-10 / 2012 191/250 Tabela 3551 Rs – Velocidade do acúmulo de gelo sobre os navios Nº Cód 0 1 2 3 4 Gelo não se acumulando Gelo acumulando-se lentamente Gelo acumulando-se rapidamente Gelo fundindo-se ou desmoronando-se lentamente Gelo fundindo-se ou desmoronando-se rapidamente Tabela 3552 Rt – Hora na qual a precipitação dada em RRR começou ou terminou Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Menos de 1 hora antes da hora da observação 1 a 2 horas antes da hora da observação 2 a 3 horas antes da hora da observação 3 a 4 horas antes da hora da observação 4 a 5 horas antes da hora da observação 5 a 6 horas antes da hora da observação 6 a 12 horas antes da hora da observação Mais de 12 horas antes da hora observação Desconhecida .

6 PRP não mensurável Maior que 400mm Impossível se medir . ou diâmetro de depósito sólido Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 mm 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Nº Cód 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 mm 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 60 70 80 90 100 110 120 130 140 150 160 170 Nº Cód 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 mm 180 190 200 210 220 230 240 250 260 270 280 290 300 310 320 330 340 350 360 370 380 390 400 0.1 0.5 0.192/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3570 RR – Quantidade de precipitação ou equivalente em água de precipitação sólida.3 0.4 0.2 0.

1 mm 0.: transponder) Nenhum radiossonda – sensor passivo de temperatura/umidade Nenhum radiossonda – sensor ativo de temperatura/umidade Nenhum radiossonda .2 mm 0.: refletor) Nenhum radiossonda . Space Data Division.9 mm Tabela 3685 rara – Radiossonda/sistema de sondagem utilizado Nº Cód 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 Nenhum radiossonda . . (reservado) Nenhum radiossonda/sistema de sondagem não especificado ou desconhecido VIZ Tipo A VIZ Tipo B RS SDC Astor VIZ MARK I microssonda Companhia EEC Tipo 23 Elin Graw G Nº Cód 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 VIZ–B2 Vaisala RS80-57H AVK-RF95 GRAW DFM-97 Meisei RS-016 M2K2 M2K2-P AVK-BAR Modem M2K2-R 1680 MHz RDF Vaisala RS80/MicroCora Vaisala RS80/Loran/Digicora I.5 mm 0. 988 mm 989 mm ou mais Nº Cód 990 991 992 993 994 995 996 997 998 999 Traços 0.3 mm 0.8 mm 0. 988 989 Não utilizado 1 mm 2 mm etc. . . .alvo passivo (Ex.MCA 105-10 / 2012 193/250 Tabela 3590 RRR – Quantidade de precipitação caída durante o período que precede à hora da observação. indicado por tR Nº Cód 000 001 002 etc.4 mm 0. type 909-11XX VIZ transponder radiosonde 1499–520 Vaisala RS80/Autosonde .alvo ativo (Ex. (reservado) Nenhum radiossonda/ .sonda rádio-acústica Nenhum radiossonda/ .7 mm 0.6 mm 0. II ou Marwin Vaisala RS80/PCCora Vaisala RS80/Star Orbital Sciences Corporation. transponder radiosonde.

II ou Marwin Vaisala RS92/Digicora III Vaisala RS92/Autosonde Sippican MK2 GPS/STAR Sippican MK2 GPS/W9000 Sippican MARK II Sippican MARK IIA Sippican MARK II com chip de temperatura. pressão e elemento carbono Sippican MARK IIA com chip de temperatura.sem pressão Radiossonda descendente Reservado para atribuição de radiossondas com sondas incompletas Reservado para atribuição de radiossondas com sondas incompletas Reservado para atribuição de radiossondas com sondas incompletas .somente pressão Radiossonda e transponder .somente pressão Radiossonda e radar-refletor .somente pressão Radiossonda e transponder . pressão e elemento carbono MARL-A-MRZ MARL-A-BAR Radiossonda não especificado ou desconhecido Radiossonda .sem pressão Radiossonda e radar-refletor . II ou Marwin Vaisala RS90/PC–CORA Vaisala RS90/Autosonde Vaisala RS90/Star AVK-MRZ-ARMA AVK-RF95-ARMA GEOLINK GPSonde GL98 Vaisala RS90/Digicora III Vaisala RS92/Digicora I.194/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3685 rara – Radiossonda/sistema de sondagem utilizado (continuação) Nº Cód 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 Reservado para atribuição de radiossondas Graw M60 Indian Met Service MK3 VIZ Jin Yang MARK I microssonda Meisei RS2-80 Mesural FMO 1950ª Mesural FMO 1945ª Mesural MH73A Meteolabor Basora AVK-MRZ Meteorit Marz3-1 Meteorit Marz2-2 Oki RS2-80 VIZ/Valcom tipo A Shanghai Radio UK Met Office MK3 Vinohrady Vaisala RS18 Vaisala RS21 Vaisala RS80 VIZ LOCATE Loran-C Sprenger E076 Sprenger E084 Sprenger E085 Sprenger E086 AIR IS-4A-1680 AIR IS-4A-1680X RS MSS AIR IS – 4A – 403 Meisei RS2-91 Valcom VIZ MARK II GRAW DFM-90 Nº Cód 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 Vaisala RS80/Digicora III AVK-MRZ-UAP AVK-BAR-UAP Vaisala RS92/Star Vaisala RS90/Loran/Digicora I.

5 a 1.5 0. ângulos entre ondas e ventos. Tabela 3738 Sh – Tipo de temperatura e dados de altura Nº Cód 0 2 4 6 Temperatura observada e valor D positivo Temperatura observada e valor D negativo Temperatura observada e valor D não informado Temperatura e altura reduzidas à mais próxima superfície isobárica padrão . Enquanto a prioridade deve ser dada aos termos descritivos. ondas. resultantes de vários fatores.5 a 4 4a6 6a9 9 a 14 Acima de 14 Altura* em metros NOTA 1: *Estes valores se referem a ondas bem desenvolvidas provocadas por ventos em mar aberto. estes valores de alturas podem ser utilizados como guias pelo observador quando informar o estado total de agitação do mar. etc.MCA 105-10 / 2012 195/250 Tabela 3700 S – Estado do mar S’ – Estado da superfície da água em área de aquatizagem Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Termos descritivos Calmo (vítreo) Calmo (enrugado) Liso (ondulado) Leve Moderado Agitado Muito agitado Alto Muito alto Fenomenal 0 0 a 0.25 1. Exemplo: Uma altura de 4 m deverá ser codificada como 5. tais como: vento. NOTA 2: O limite exato das alturas deverá ser reportado pelo número mais baixo do código.1 a 0. correntes.25 a 2.1 0.5 2.

distante da extremidade do gelo Tabela 3761 S0 – Geada ou precipitação com coloração Nº Cód 0 1 2 3 Geada em superfícies horizontais Geada em superfícies horizontais e verticais Precipitação contendo areia ou poeira desértica Precipitação contendo cinza vulcânica . com menos de 10 cm de espessura Gelo jovem (gelo cinza. com pouco gelo mais delgado (mais jovem) do primeiro ano Gelo médio e grosso do primeiro ano.196/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3739 Si – Estágio de desenvolvimento Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Somente gelo novo (gelo granulado. gelo pastoso ou neve pastosa) “Nilas” ou crosta de gelo.5 milha náutica. gelo cinza-branco). falta de visibilidade ou porque somente são visíveis os gelos de origem terrestre ou por razão do navio encontrar-se a mais de 0. gelo escorregadio. com algum gelo novo e/ou gelo jovem Exclusivamente gelo fino do primeiro ano (30 a 70 cm de espessura) Predominantemente gelo médio do primeiro ano (70 a 120 cm de espessura) e gelo grosso do primeiro ano (> 120 cm de espessura). com 10 a 30 cm de espessura Gelo novo e/ ou gelo jovem predominante. com algum gelo do primeiro ano Predominantemente gelo fino do primeiro ano. com algum gelo velho (geralmente mais de 2 m de espessura) Predominantemente gelo velho Codificação impossível devido a escuridão. exclusivamente Predominantemente gelo médio e grosso do primeiro ano.

grosso Gelo de segundo ano Gelo de vários anos Indeterminado ou desconhecido .MCA 105-10 / 2012 197/250 Tabela 3762 S1.médio Gelo de primeiro ano .fino Gelo de primeiro ano .Natureza da zona separada pelas linhas formadas pelos pontos dados no grupo 2CsS1S2Z1 (S1 é a área à direita da linha e S2 é a área dentro da linha) Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Céu claro ou parcialmente nublado Céu nublado ou muito nublado Zona anterior ou lateral Zona Central Zona posterior Zona de trovoada Nevoeiro Zona de ligação Instabilidade Stratus (abaixo de 800 metros) ou Stratocumulus Tabela 3763 S1 – Estágio predominante de desenvolvimento do gelo S2 – Estágio secundário de desenvolvimento do gelo S3 – Estágio terciário de desenvolvimento do gelo S4 – Estágio quaternário de desenvolvimento do gelo S5 – Estágio quinário de desenvolvimento do gelo Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Sem estágio de desenvolvimento Gelo novo Gelo em casca Gelo cinzento Gelo cinza-branco Gelo de primeiro ano . S2 .

com superfície endurecida Neve firme. impossível determinar se há neve. leve ou moderada. sem precipitação Neve soprada. leve ou moderada. leve ou moderada. neve fresca Neve fresca soprada em movimento Neve fresca compacta Neve velha. solta Neve velha. com precipitação de neve Neve soprada e levantada pelo vento. com superfície endurecida Neve úmida. etc) Pelotas de gelo Tabela 3765 S7 – Caráter da cobertura de neve Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 Leve. com superfície endurecida Tabela 3766 S8 – Fenômeno de tempestade de neve (neve levantada pelo vento) Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Névoa de neve Neve levantada pelo vento. firme Neve velha. forte. sem precipitação Neve levantada pelo vento. com ou sem precipitação de neve Neve levantada pelo vento. precipitando ou não . forte. forte. úmida Neve solta. forte. ou escarcha e neve molhada congelando.198/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3764 S6 – Tipos de depósito congelado Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 Gelo vítreo Escarcha Sincelo Neve depositada Neve molhada depositada Depósito de neve molhada congelando Depósitos compostos (gelo vítreo. forte. impossível determinar se há neve. com precipitação de neve Neve soprada. leve ou moderada. com precipitação de neve Neve soprada. com precipitação de neve Neve soprada. precipitando ou não Neve soprada e levantada pelo vento. escarcha.

montículos acentuados Cobertura de neve muito irregular. solo não compactado. pequenos montículos Cobertura de neve muito irregular. montículos acentuados Tabela 3776 S’8 – Evolução dos montículos de neve Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 Montículos de neve terminando antes da hora da observação Intensidade diminuindo Sem mudanças Intensidade aumentando Permanece.MCA 105-10 / 2012 199/250 Tabela 3775 S’7 – Situação da cobertura de neve Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 Cobertura de neve uniforme. pequenos montículos Cobertura de neve moderadamente irregular. montículos acentuados Cobertura de neve muito irregular. independente da interrupção durar menos que 30 minutos Amontoado de neve transformando-se em montículos junto ao solo Montículos junto ao solo transformando-se em amontoamento de neve Montículos de neve começando outra vez. sem formar montículos Cobertura de neve uniforme. pequenos montículos Cobertura de neve moderadamente irregular. solo congelado. solo congelado. solo congelado. estado do solo desconhecido. situação do solo desconhecida. solo não compactado. sem formar montículos Cobertura de neve uniforme. depois de uma interrupção maior que 30 minutos . sem formar montículos Cobertura de neve moderadamente irregular. solo não compactado. estado do solo desconhecido.

deverão ser utilizados dois grupos do mesmo modo como na Seção 1.200/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3778 SPSPSpSp – Informações Suplementares NOTA: O grupo 9SPSPSpSp é utilizado para fornecer informações (adicionais) sobre certos fenômenos que ocorrem na hora da observação e/ou durante o período coberto por ww ou W1W2. seriam codificados dois grupos: 91099 00135. ou durante os 10 minutos precedentes à hora da observação indicada pelo 904tt NOTA 1: Quando a velocidade do vento atingir ou exceder 99 nós (ou como indicado em iw). localização ou intensidade do fenômeno de tempo informado em ww no grupo 7wwW1W2 Hora de término do fenômeno de tempo informado em ww no grupo 7wwW1W2 Hora de início do fenômeno de tempo informado no grupo posterior a 9SPSPSpSp Variação. informado em ww no grupo 7wwW1W2 Duração do fenômeno de tempo não persistente ou hora de início do fenômeno de tempo persistente. terminando na hora da observação.Vento e tormenta 910ff 911ff 912ff 913ff 914ff 915ff 916ff 917ff 918sqDp 919MwDa Rajada de maior intensidade ocorrida nos 10 minutos que precedem a observação Rajada de maior intensidade Médias das velocidades mais altas Velocidade média do vento Médias das velocidades menores Direção do vento Mudança pronunciada da direção do vento no sentido horário (mudança de rumo à direita) Mudança pronunciada da direção do vento no sentido anti-horário (giro à esquerda) Natureza e/ou tipo da tormenta e direção de onde ela se aproxima da estação Tromba (s) d’água.Hora e Variação 900tt 900zz 901tt 902tt 902zz 903tt 904tt 905tt 906tt 907tt 908 909Rtdc Hora de início do fenômeno de tempo informado em ww no grupo 7wwW1W2 Variação. remoinhos. informado pelo grupo posterior a 9SPSPSpSp Duração do período de referência. para informar uma rajada de 135 kt durante os 10 minutos que precedem à observação. localização ou intensidade do fenômeno de tempo informado no grupo posterior a 9SPSPSpSp Hora do término do fenômeno de tempo informado no grupo precedente a 9SPSPSpSp Hora de ocorrência do fenômeno de tempo informado no grupo posterior a 9SPSPSpSp Duração do fenômeno de tempo não persistente ou hora de início do fenômeno de tempo persistente. tornados. A referente hora ou período podem ser indicados pela inclusão de um ou mais grupos horários (década 00-09). do fenômeno de tempo informado no grupo posterior a 9SPSPSpSp Não é utilizado Hora em que a precipitação dada por RRR começou ou terminou e característica da precipitação Década 10 a 19 . quando apropriados. Por exemplo. Década 00 a 09 . a não ser que um período diferente seja indicado em 907tt. . remoinhos de poeira durante o período coberto por W1W2 no grupo 7wwW1W2.

NOTA 3: Uma mudança significativa na velocidade do vento e/ou na direção será informada por dois grupos 913ff e/ou 915dd dando a velocidade e/ou direção anterior e posterior à mudança.MCA 105-10 / 2012 201/250 Tabela 3778 SPSPSpSp – Informações Suplementares (continuação) NOTA 2: A velocidade média do vento. em metros. a não ser que um período diferente seja indicado em 907tt Diâmetro máximo das pedras de granizo Equivalente em água ou precipitação sólida no solo Diâmetro do gelo claro depositado Diâmetro do gelo opaco depositado Diâmetro do gelo composto depositado Diâmetro da neve molhada depositada Razão de acúmulo de gelo claro na superfície em mm/h Altura sobre o solo. Variação da velocidade e/ou direção e ventos variáveis não serão normalmente reportados. referida nos grupos 912ff e 914ff. entende se um súbito início ou término de vento forte ou súbita mudança na velocidade e/ou direção de um vento forte.Estado do mar. Década 20 a 29 .Quantidade de precipitação ou depósito 930RR 931ss 932RR 933RR 934RR 935RR 936RR 937RR 938nn 939hghg 939nn Quantidade de precipitação Espessura da neve recém-caída Durante o período coberto por W1W2 no grupo 7wwW1W2. no intervalo de 10 minutos do período coberto por W1W2 ou conforme indicação do grupo horário precedente. congelamento e cobertura de neve 920SFx 921SFx 922S’V’s 923S’S 924SVs 925TwTw 926Soio 927S6Tw 928S7S’7 929S8S’8 Estado do mar e força máxima do vento (Fx menor ou igual a 9 Beaufort) Estado do mar e força máxima do vento (Fx maior que 9 Beaufort) Estado da superfície da água e visibilidade na área de pouso Estado da superfície da água na área de pouso e estado do mar aberto Estado do mar e visibilidade na direção do mar (desde uma estação costeira) Temperatura da água durante a temporada de banho Geada congelada ou precipitação colorida Deposição congelada Característica e regularidade da cobertura de neve Montículos de neve Década 30 a 39 . em mm na hora da observação . é definida como a velocidade média do vento instantâneo. por mudança significativa. onde o diâmetro do depósito informado em grupo precedente a 9SPSPSpSp é observado Diâmetro máximo das pedras de granizo. nem mudança gradual da velocidade e/ou direção do vento forte. A hora da mudança será dada pelo grupo 906tt precedendo o grupo 913ff e/ou 915dd.

Condições das nuvens sobre montanhas e desfiladeiros ou nos vales ou planícies. observadas de um nível alto 950Nmn3 951Nvn4 952 . informado no grupo precedente 9SPSPSpSp Aumento da velocidade e direção de onde as nuvens se movem. observadas de uma estação em nível alto Não utilizados Localização da máxima concentração de nuvens.202/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3778 SPSPSpSp – Informações Suplementares (continuação) NOTA: O diâmetro do depósito é dado pela maior distância ao longo do eixo de uma seção transversal menos o diâmetro da régua (ver figura a seguir).Nuvens 940Cn3 941CDp 942CDa 943CLDp 944CLDa 945htht 946CcDa 947Ce’ 948CoDa 949CaDa Evolução das nuvens Direção de onde as nuvens se deslocam Localização da máxima concentração de nuvens Direção de onde as nuvens de níveis baixos se deslocam Localização da máxima concentração de nuvens de níveis baixos Altura do topo das nuvens mais baixas ou altura da camada de nuvens mais baixas ou nevoeiro Direção da coloração e/ou convergência de nuvens associadas a distúrbios tropicais Elevação das nuvens Nuvens orográficas Nuvens de desenvolvimento vertical Década 50 a 59 . D = Diâmetro do gelo claro ou escarcha depositada T = Espessura do gelo claro ou escarcha depositada d = Diâmetro da régua Década 40 a 49 . informado no grupo precedente 9SPSPSpSp . névoa úmida ou nuvens baixas em vales e planícies.957 958EhDa 959vpDp Condições das nuvens sobre montanhas e desfiladeiros Nevoeiro.

direção Da Década 70 a 79 . mas não na hora da observação e informado por ww = 20-29 no grupo 7wwW1W2 Amplificação do fenômeno de tempo durante a hora precedente.Localização e deslocamento do fenômeno 970EhDa 971EhDa 972EhDa 973EhDa 974EhDa 975vpDp 976vpDp 977vpDp 978vpDp 979vpDp Localização da maior concentração do fenômeno informado em ww no grupo 7wwW1W2 Localização da maior concentração do fenômeno informado em ww no grupo 960ww Localização da maior concentração do fenômeno informado em w1w1 no grupo 961w1w1 Localização da maior concentração do fenômeno informado em W1 no grupo 7wwW1W2 Localização da maior concentração do fenômeno informado em W2 no grupo 7wwW1W2 Aumento da velocidade e direção de onde se move o fenômeno informado em ww no grupo 7wwW1W2 Aumento da velocidade e direção de onde se move o fenômeno informado em ww no grupo 960ww Aumento da velocidade e direção de onde se move o fenômeno informado em w1w1 no grupo 961w1w1 Aumento da velocidade e direção de onde se move o fenômeno informado em W1 no grupo 7wwW1W2 Aumento da velocidade e direção de onde se move o fenômeno informado em W2 no grupo 7wwW1W2 962ww 963w1w1 964ww 965w1w1 966ww 967w1w1 968 9696Da 9697Da 9698Da . direção Da Neve na estação. não associada à trovoada à distância. direção Da Aguaceiro na estação. mas não na hora da observação e informado por ww = 20-29 no grupo 7wwW1W2 Amplificação do fenômeno de tempo durante o período coberto por W1W2 e informado por W1 e/ou W2 no grupo 7wwW1W2 Amplificação do fenômeno de tempo durante o período coberto por W1W2 e informado por W1 e/ou W2 no grupo 7wwW1W2 Fenômeno de tempo ocorrendo na hora ou durante o período indicado pelo(s) grupos(s) horário(s) associado(s) a 9SPSPSpSp Fenômeno de tempo ocorrendo na hora ou durante o período indicado pelo(s) grupos(s) horário(s) associado(s) a 9SPSPSpSp Não é utilizado Chuva na estação. não associada à trovoada à distância.MCA 105-10 / 2012 203/250 Tabela 3778 SPSPSpSp – Informações Suplementares (continuação) Década 60 a 69 . ou amplificação do fenômeno de tempo presente informado em ww no grupo 7wwW1W2 Amplificação do fenômeno de tempo durante a hora precedente. não associada à trovoada à distância.Tempo presente e tempo passado 960ww 961w1w1 Fenômeno de tempo presente observado simultaneamente com e/ou adicionalmente ao fenômeno de tempo informado em ww no grupo 7wwW1W2 Fenômeno de tempo presente observado simultaneamente com e/ou adicionalmente ao fenômeno de tempo informado em ww no grupo 7wwW1W2.

em % Os grupos 996TvTv. 996TvTv 997TvTv 998UvUv 999UvUv NOTA: . a não ser que de outra forma. em % Súbita queda da umidade relativa. em ºC Súbita elevação da umidade relativa.Visibilidade 980VsVs 981VV 982VV 983VV 984VV 985VV 986VV 987VV 988VV 989VbDa Visibilidade na direção do mar Visibilidade para NE Visibilidade para E Visibilidade para SE Visibilidade para S Visibilidade para SW Visibilidade para W Visibilidade para NW Visibilidade para N Variação da visibilidade durante a hora precedente à observação e direção da qual esta variação foi observada Década 90 a 99 . 998UvUv e 999UvUv não devem ser utilizados para informar as mudanças diurnas normais na temperatura ou umidade. indicado pelo (s) grupo (s) horário (s) associado (s) 9SPSPSpSp. 997TvTv.204/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3778 SPSPSpSp – Informações Suplementares (continuação) Década 80 a 89 . em décimos e unidades de hectopascal Súbita elevação de temperatura.Fenômenos óticos e outros 990Z0i0 991ADa 99190 992Nttw 993CSDa 994A3Da 995nn Fenômenos óticos Miragem Fogo de Sant’Elmo Trilhas de condensação Nuvens especiais Escuridão diurna Menor pressão atmosférica reduzida ao nível médio do mar durante o período coberto por W1W2. em ºC Súbita queda de temperatura.

MCA 105-10 / 2012 205/250 Tabela 3845 sn . Tabela 3847 Sp – Categoria de estabilidade Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Não avaliada A A-B B B-C C D E F G Tabela 3848 sq – Natureza e/ou tipo da tempestade Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Vento calmo ou leve seguido de tempestade Vento calmo ou leve seguido de uma sucessão de tempestades Rajada forte seguida de uma tempestade Rajada forte seguida de uma sucessão de tempestades Tempestade seguida de rajada forte Rajada forte generalizada com tempestade nos intervalos Tempestade aproximando-se da estação Linha de tempestades Tempestade com areia ou poeira soprada ou em suspensão Linha de tempestade com areia ou poeira soprada ou em suspensão .Sinal do expoente Nº Cód 0 1 9 Positivo ou zero Negativo Seguem dados de umidade relativa NOTA : Os números 2 a 8 não são utilizados.Sinal dos dados e indicador de umidade relativa sn .

mas não operacional) ASDAR (ACARS também disponível e operacional) ACARS ACARS (ASDAR também disponível.0ºC) Alta (precisão próxima de 1. mas não operacional) ACARS (ASDAR também disponível e operacional) Tabela 3868 S3 – Precisão de temperatura Nº Cód 0 1 Baixa (precisão próxima de 2.206/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3849 sr – Correção da radiação solar e infravermelha Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 Sem correção CIMO solar corrigido e CIMO infravermelho corrigido CIMO solar corrigido e infravermelho corrigido Apenas CIMO solar corrigido Solar e infravermelho corrigidos automaticamente pelo sistema de radiossondagem Solar corrigido automaticamente pelo sistema de radiossondagem Solar e infravermelho corrigidos como especificado pelo país Solar corrigido como especificado pelo país Tabela 3866 S1 – Tipo do sistema de navegação Nº Cód 0 1 Sistema de navegação inercial OMEGA Tabela 3867 S2 – Tipo do sistema usado Nº Cód 0 1 2 3 4 5 ASDAR ASDAR (ACARS também disponível.0ºC) .

000 mm Impossível de se medir .MCA 105-10 / 2012 207/250 Tabela 3870 ss – Profundidade da neve recém caída Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 mm 000 010 020 030 040 050 060 070 080 090 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 200 210 220 230 240 250 260 270 280 290 300 310 320 330 Nº Cód 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 mm 340 350 360 370 380 390 400 410 420 430 440 450 460 470 480 490 500 510 520 530 540 550 600 700 800 900 1000 1100 1200 1300 1400 1500 1600 1700 Nº Cód 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 mm 1800 1900 2000 2100 2200 2300 2400 2500 2600 2700 2800 2900 3000 3100 3200 3300 3400 3500 3600 3700 3800 3900 4000 1 2 3 4 5 6 Menos que 1 mm Mais que 4.

996 cm Menos que 0. descontínua Medição impossível ou imprecisa .5 cm Cobertura da neve. 996 997 998 999 Não utilizado 1 cm etc.208/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3872 sasa – Técnica de rastreamento/status do sistema utilizado Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 a 18 19 20 a 29 30 a 39 40 a 49 50 a 59 60 a 69 70 71 a 98 99 Sem detector de vento Automático com detector ótico direcional auxiliar Automático com detector rádio direcional auxiliar Automático com regulação auxiliar do alcance Não utilizado Automático com frequências VLF-Omega múltiplas Automática Loran-C de cadeia cruzada Automático com perfilador auxiliar do vento Navegação automática por satélite Reservado Técnica de rastreamento não especificada Sistemas de navio Sistemas de sondagens Instalações de lançamento Sistema de aquisição de dados Comunicações Todos os sistemas em operações normal Resservado Status do sistema e seus componentes não especificados Tabela 3889 sss – Profundidade total da neve Nº Cód 000 001 etc.

Tan ... e sinal da temperatura do ar no nível dado em PaPaPa Tat . e sinal da temperatura do ar no nível da tropopausa Ta0 Ta1 . em décimos.MCA 105-10 / 2012 209/250 Tabela 3931 Ta . em décimos.Valor aproximado.Valor aproximado.Valor aproximado. e sinal da temperatura do ar nos níveis especificados. em décimos. iniciando pelo nível da estação Nº Cód décimos da temperatura do ar observada temperatura positiva 0 2 4 6 8 1 3 5 7 9 0 ou 1 2 ou 3 4 ou 5 6 ou 7 8 ou 9 temperatura negativa 0 ou 1 2 ou 3 4 ou 5 6 ou 7 8 ou 9 Tabela 3933 Tc – Características do sistema tropical Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Não especificado Difuso Bem definido Quase estacionário Existência certa Existência incerta Formação suspeita Posição correta Posição incorreta Movimento duvidoso .

7-36.6 32.2-20.9 37.8 13. diminuindo Forte. diminuindo Fraca.0-10. pequena ou nenhuma mudança Forte.5-32.0-41.8-24.4 28. aumentando Moderada. pequena ou nenhuma mudança Fraca.5 ou mais 8.9-17. aumentando Tabela 3940 Ti – Intensidade do sistema tropical (Tt = 9) Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Nº Beaufort 10 11 12 12 12 5 6 7 8 9 Velocidade média (kt) 48-55 56-63 64-71 72-80 81 ou mais 17-21 22-27 28-33 34-40 41-47 Velocidade média (m/s) 24. aumentando Forte.4 Velocidade média (km/h) 89-102 103-117 118-133 134-149 150 ou mais 29-38 39-49 50-61 62-74 75-88 .4 41.1 17. pequena ou nenhuma mudança Moderada.8-13.210/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3939 Ti – Intensidade do sistema tropical (Tt = 0-8) Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Não especificada Fraca.7 20. diminuindo Moderada.7 10.5-28.

oscilações de temperatura cruzando 0ºC Variação irregular. associada a gelo claro ou escarcha Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Temperatura estacionária Temperatura caindo.MCA 105-10 / 2012 211/250 Tabela 3952 Tt – Tipo de circulação tropical Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Zona de convergência intertropical Linha de cortante do vento Linha ou zona de convergência Eixo de cinturão de calmarias equatoriais (doldruns) Cavado na corrente dos ventos de Oeste Cavado na corrente dos ventos de Este Zona de BAIXA Zona de descontinuidade da velocidade do vento Linha ou zona de divergência Circulação ciclônica tropical Tabela 3955 Tw – Variação da temperatura durante o período coberto por W1W2. oscilações de temperatura sem cruzar 0ºC Variação da temperatura não observada Situações não descritas Variação da temperatura desconhecida devido a falta de termógrafo . sem chegar abaixo de 0ºC Temperatura subindo. sem chegar acima de 0ºC Temperatura caindo para valores abaixo de 0ºC Temperatura subindo para valores acima de 0ºC Variação irregular.

212/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 3956 Tn – Temperatura mínima do ar Tx – Temperatura máxima do ar Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Menor que -10 De -10 a -5 De -5 a -1 Próxima a 0ºC (aproximadamente ± 1) De 1 a 5 De 5 a 10 De 10 a 20 De 20 a 30 Maior que 30 Temperatura não prevista em ºC Tabela 3962 T1 – Topografia da maior extensão T2 – Topografia da segunda maior extensão Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Gelo leve Gelo numeroso Gelo muito numeroso Cristas Cumes novos Cumes encharcados Cumes muito encharcados Cumes velhos Cumes consolidados Camada durável de gelo Indeterminada ou desconhecida .

200 m 1.100 m 2.500 m 1.MCA 105-10 / 2012 213/250 Tabela 4006 tE – Espessura do gelo predominante Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / menor que 5 5 a 9 cm 10 a 19 cm 20 a 29 cm 30 a 39 cm 40 a 59 cm 60 a 89 cm 90 a 149 cm 150 a 249 cm 250 cm ou mais Indeterminada ou desconhecida Tabela 4013 tL – Espessura da camada Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Até o topo da nuvem 300 m 600 m 900 m 1.700 m .400 m 2.800 m 2.

tR deverá ser codificado 0. Tabela 4055 tw – Período do início de um fenômeno antes da hora da observação Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 a 30 min 30 min a 1 h 1 h a 1 h 30 min 1 h 30 min a 2 h 2h a 2 h 30 min 2 h 30 min a 3 h 3 h a 3 h 30 min 3 h 30 min a 4 h 4 a 5 horas 5 a 6 horas .214/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4019 tR – Duração do período de referência para a quantidade de precipitação. terminando na hora do informe Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 8 9 NOTA: Precipitação total durante as 6 horas precedentes à observação Precipitação total durante as 12 horas precedentes à observação Precipitação total durante as 18 horas precedentes à observação Precipitação total durante as 24 horas precedentes à observação Precipitação total durante 1 hora precedente à observação Precipitação total durante as 2 horas precedentes à observação Precipitação total durante as 3 horas precedentes à observação Precipitação total durante as 9 horas precedentes à observação Precipitação total durante as 15 horas precedentes à observação Se a duração do período não for coberta por esta Tabela ou o período não terminar na hora do informe.

denso NOTA 1: 00 a 69 utilizados somente para tt. mortal. à distância Visto à distância Informado nas vizinhanças. Diminuindo. subitamente Muito pesado. mas não na estação No alto. mas não na estação Aproximando-se da estação Afastando-se da estação Passando pela estação. estável em intensidade. severo. muito severo. relativo à localização do fenômeno em relação a estação (76 a 86). muito abaixo do normal Leve. muito fraco. mas não distante Em todas as direções Em todas as direções. quando a duração de um fenômeno for informado. aumentou aumentando em intensidade. localização ou intensidade do fenômeno Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Na observação 0 h 6 min 0 h 12 min 0 h 18 min 0 h 24 min 0 h 30 min 0 h 36 min 0 h 42 min 0 h 48 min 0 h 54 min 1h 1 h 6 min 1 h 12 min 1 h 18 min 1 h 24 min 1 h 30 min 1 h 36 min 1 h 42 min 1 h 48 min 1 h 54 min 2h 2 h 6 min 2 h 12 min 2 h 18 min 2 h 24 min 2 h 30 min 2 h 36 min 2 h 42 min 2 h 48 min 2 h 54 min 3h 3 h 6 min 3 h 12 min 3 h 18 min Nº Cód 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 3 h 24 min 3 h 30 min 3 h 36 min 3 h 42 min 3 h 48 min 3 h 54 min 4h 4 h 6 min 4 h 12 min 4 h 18 min 4 h 24 min 4 h 30 min 4 h 36 min 4 h 42 min 4 h 48 min 4 h 54 min 5h 5 h 6 min 5 h 12 min 5 h 18 min 5 h 24 min 5 h 30 min 5 h 36 min 5 h 42 min 5 h 48 min 5 h 54 min 6h 6a7h 7a8h 8a9h 9 a 10 h 10 a 11 h 11 a 12 h Nº Cód 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 12 a 18 h Mais que 18 h Tempo desconhecido Começou durante a observação Terminou durante a observação Começou e terminou durante a observação Mudou consideravelmente durante a observação Começou após a observação Terminou após a observação Na estação Na estação. NOTA 2: 70 a 75 utilizados para combinar intervalos de tempo e variação. para o período entre o início e o término. em intervalos Estável. bom. variável Contínuo. ocasionalmente Intermitente. NOTA 3: 76 a 99 utilizados exclusivamente para zz. continuamente Muito leve. e intensidade (95 a 99). abaixo do normal. relativo a hora da observação ou.MCA 105-10 / 2012 215/250 Tabela 4077 tt – Período anterior à observação ou duração do fenômeno zz – Variação. sem mudança significativa Aumentando. diminuiu Flutuante. normal. mas não perto do solo Próximo ao solo. espessura gradualmente média. variação (87 a 94). brando Pesado. intermitentemente Frequente. grosso. relativos ao horário real que os elementos foram observados. fraco. fino. acima do normal. diminuindo em intensidade. mas não no alto Ocasional. frequentemente. pobre Moderado. .

ou lua ou estrelas à noite .216/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4300 V – Previsão da visibilidade à superfície Vs – Visibilidade na direção do mar (a partir de uma estação costeira) V’s – Visibilidade sobre a água em área de aquatizagem Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 menor que 50 m 50 a 200 m 200 a 500 m 500 a 1.000 m 1 a 2 km 2 a 4 km 4 a 10 km 10 a 20 km 20 a 50 km 50 km ou mais Tabela 4332 Vb – Variação da visibilidade durante a hora precedente à observação Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Visibilidade não variou (sol* visível) Visibilidade não variou (sol* não visível) Visibilidade aumentou (sol* visível) Visibilidade aumentou (sol* não visível) Visibilidade diminuiu (sol* visível) Visibilidade diminuiu (sol* não visível) Nevoeiro vindo da direção Da Nevoeiro levantou-se sem se dissipar Nevoeiro dispersou-se Fragmentos de nevoeiro ou bancos Sem considerar a direção Na direção de Da * Ou o céu (se o sol estiver baixo).

5 0.6 2.4 0.9 4 4.1 2.3 1.5 1 2 4 10 20 50 ou mais .4 3.4 1.05 0.3 0.5 3.8 3.05 0.1 0.1 3.8 4.6 4.9 2 2.Visibilidade na direção do mar Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 km <0.9 Nº Cód 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 Não utilizados km 5 Nº Cód 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 km 25 26 27 28 29 30 35 40 45 50 55 60 65 70 >70 <0.7 0.7 4.2 2.9 3 3.1 0.3 3.4 4.6 3.7 3.2 0.2 4.1 1.2 3.1 4.7 2.5 1.4 Nº Cód 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 km 2.7 1.6 0.8 2.Visibilidade horizontal na superfície VsVs .8 1.5 4.MCA 105-10 / 2012 217/250 Tabela 4377 VV .5 2.3 2.6 1.2 1.3 4.8 0.2 0.9 1 1.

218/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4448 Vp – Velocidade dianteira do fenômeno Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Menor que 5 kt 5 a 14 kt 15 a 24 kt 25 a 34 kt 35 a 44 kt 45 a 54 kt 55 a 64 kt 65 a 74 kt 75 a 84 kt 85 kt ou mais Menor que 9 km/h 10 a 25 km/h 26 a 44 km/h 45 a 62 km/h 63 a 81 km/h 82 a 100 km/h 101 a 118 km/h 119 a 137 km/h 138 a 155 km/h 156 km/h ou mais Menor que 2 m/s 3 a 7 m/s 8 a 12 m/s 13 a 17 m/s 18 a 22 m/s 23 a 27 m/s 28 a 32 m/s 33 a 38 m/s 39 a 43 m/s 44 m/s ou mais Tabela 4451 vs .Velocidade média resultante do deslocamento do navio nas 3 horas precedentes à hora da observação Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / 0 1-5 6-10 11-15 16-20 21-25 26-30 31-35 36-40 maior que 40 kt 0 1-10 11-19 20-28 29-37 38-47 48-56 57-65 66-75 maior que 75 km/h Não aplicável ou não codificado .

Tempo previsto Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Visibilidade moderada a boa (maior que 5 km) Risco de acúmulo de gelo sobre superestruturas (temperatura do ar entre 0 e -5°C) Forte risco de acúmulo de gelo sobre as superestruturas (temperatura do ar abaixo de -5°C) Névoa úmida (visibilidade 1-5 km) Nevoeiro (visibilidade menor que 1 km) Chuvisco Chuva Neve ou chuva e neve Tormenta com ou sem pancadas Trovoadas . visibilidade reduzida NEVOEIRO PRECIPITAÇÃO Chuvisco Chuva Neve ou pelotas de gelo Pancadas ou precipitação intermitente Trovoada As referidas descrições são para acomodar os diferentes tipos de capacidade de discriminação das estações automáticas. Nas estações que tiverem apenas a capacidade sensorial básica. Em estações com maior capacidade deve-se usar as descrições mais detalhadas (números mais altos). Tabela 4544 Wm .Tempo passado informado por uma estação automática Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 NOTA: Nenhum tempo significativo observado VISIBILIDADE REDUZIDA Fenômenos soprados. pode-se usar os números mais baixos e as descrições genéricas (letras maiúsculas).MCA 105-10 / 2012 219/250 Tabela 4531 Wa1 e Wa2 .

durante parte do período considerado e. tempestade de poeira ou neve soprada Nevoeiro. com ou sem precipitação . ou chuva e neve misturadas Pancada(s) Trovoada(s). metade ou menos. durante todo o período considerado Tempestade de areia.220/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4552 Wt – Tipo de abertura no gelo Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Sem aberturas Rachaduras Fratura muito pequenas (0-49 m) Fratura pequena (50-199 m) Fratura média (200-499 m) Fratura grande (500 m ou mais) Falha pequena Falha média Falha grande Água entre os blocos Indeterminada ou desconhecida Tabela 4561 W1 e W2 . nevoeiro gelado ou névoa seca espessa (visibilidade menor que 1.000 metros) Chuvisco Chuva Neve. durante o restante do período Nuvens cobrindo mais da metade do céu. durante todo o período considerado Nuvens cobrindo mais da metade do céu.Tempo passado Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Nuvens cobrindo metade ou menos do céu.

i = 0) .MCA 105-10 / 2012 221/250 Tabela 4635 We .Tempo Nº Cód 1 2 3 4 5 6 7 8 Altura da base das nuvens significativas Visibilidade Força do vento Formação de gelo Turbulência Tormenta Cobertura de neve Saturação (área de umidade relativa de 100%.

Na terra. na hora da observação. sua espessura não é superior a 2 metros e no mar. durante a hora precedente ou na hora da observação. exceto fotometeoro) Desenvolvimento de nuvens não observado ou não pode ser observado Nuvens geralmente se dissipando ou tornando-se menos desenvolvidas Estado do céu. mas sem redemoinho(s) de poeira ou de areia bem definido(s). areia ou fumaça) Visibilidade reduzida por fumaça. na estação ou na vizinhança. atingindo o solo ou a superfície do mar. na estação. suspensa no ar.Sem precipitação na estação na hora da observação ww = 00 a 19 Sem precipitação. por exemplo. poeira. estimada estar até um raio de 5 km (inclusive) da estação. mas trovões não são ouvidos Precipitação à vista. não levantada pelo vento. a 10 metros Camada fina de nevoeiro ou de nevoeiro gelado. porém não atingindo o solo ou a superfície do mar Precipitação à vista. e sem tempestade de poeira ou de areia à vista. mas sem precipitação na hora da observação Forte aguaceiro com trovoadas e ventos fortes. durante a hora precedente ou na hora da observação Nuvem(ns) funil (tornado ou tromba d’água).222/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4677 ww . ou no caso de navios. porém distante. sua espessura não é superior a 2 metros e no mar. nevoeiro. a 10 metros Relâmpago visível. à vista ou na Estação. em bancos. durante a última hora ww = 04 a 09 (névoa seca. de queimadas ou incêndios florestais. durante a hora precedente ou na hora da observação 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 . mais o menos contínua. invariável Nuvens geralmente em formação ou em desenvolvimento mudança característica do estado do céu. borrifos do mar em suspensão Redemoinho(s) de poeira ou de areia bem definido(s) à vista. tempestade de poeira. tempestade de areia. Na terra. mas não nela Trovoada. na hora da observação Poeira ou areia levantada pelo vento na estação ou na vizinhança. de origem industrial ou de cinzas vulcânicas Névoa seca Poeira em grande área extensa. na estação ou na vizinhança. atingindo o solo ou a superfície do mar.Tempo presente informado por uma estação meteorológica dotada de pessoal ww = 00 a 49 . na hora da observação ou. à vista ou na Estação. ou na estação. mas sem tempestade de poeira ou de areia Tempestade de poeira ou de areia à vista na hora da observação. estimada estar a mais de 5 km da estação Precipitação à vista. no conjunto. exceto para 09 e 17. durante a hora precedente Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 07 ww = 00 a 03 (nenhum meteoro. na estação. nevoeiro gelado (exceto para 11 e 12). durante a hora precedente Névoa úmida Camada fina de nevoeiro ou de nevoeiro gelado. ou seja. neve soprada baixa ou em suspensão na estação.

começando ou aumentando durante a hora precedente Neve flutuando. sem mudança apreciável durante a hora precedente Tempestade de poeira ou tempestade de areia.Tempo presente informado por uma estação meteorológica dotada de pessoal (continuação) ww = 20 a 29 Precipitação. mas não na hora da observação 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 Chuvisco (não congelante) ou grãos de neve Chuva (não congelante) Neve Chuva e neve. começando ou aumentando durante a hora precedente Tempestade de poeira ou tempestade de areia. geralmente baixa (abaixo do nível dos olhos) Neve flutuando. ou de chuva e neve Pancada(s) de granizo*. tempestade de areia. neve soprada ou em suspensão 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Tempestade de poeira ou tempestade de areia. forte. forte. geralmente alta (acima do nível dos olhos) Não em pancadas . leve ou moderada. sem mudança apreciável durante a hora precedente Tempestade de poeira ou tempestade de areia. geralmente baixa (abaixo do nível dos olhos) Neve soprada.MCA 105-10 / 2012 223/250 Tabela 4677 ww . leve ou moderada. forte. forte. leve ou moderada. diminuindo durante a hora precedente Tempestade de poeira ou tempestade de areia. nevoeiro. leve ou moderada. granizo pequeno ou grãos de neve ww = 30 a 39 Tempestade de poeira. leve ou moderada. forte. geralmente alta (acima do nível dos olhos) Neve soprada. nevoeiro gelado ou trovoada na estação durante a hora precedente. diminuindo durante a hora precedente Tempestade de poeira ou tempestade de areia. ou grãos de gelo Chuvisco congelante ou chuva congelante Pancada(s) de chuva Pancada(s) de neve. ou de chuva e granizo* Nevoeiro ou nevoeiro gelado Trovoada (com ou sem precipitação) * Granizo.

leve na hora da observação Chuvisco. não congelante. leve Chuvisco e chuva. contínuo. contínuo. com céu invisível 41 42 43 44 45 46 47 48 49 ww = 50 a 99 . com céu visível Nevoeiro ou nevoeiro gelado. com céu invisível Nevoeiro. moderado na hora da observação Chuvisco. sem mudança apreciável durante a hora precedente.Precipitação na estação na hora da observação ww = 50 a 59 Chuvisco 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 Chuvisco. não congelante. com céu visível Nevoeiro ou nevoeiro gelado. com céu visível Nevoeiro ou nevoeiro gelado. forte (denso) na hora da observação Chuvisco. depositando escarcha. começou ou tornou-se mais denso durante a hora precedente. não congelante. tornou-se menos denso durante a hora precedente. com céu invisível Nevoeiro ou nevoeiro gelado. moderado na hora da observação Chuvisco. começou ou tornou-se mais denso durante a hora precedente. moderado ou forte (denso) Chuvisco e chuva. sem mudança apreciável durante a hora precedente. não congelante. forte (denso) na hora da observação Chuvisco. congelante. com céu visível Nevoeiro. não congelante. intermitente. em bancos Nevoeiro ou nevoeiro gelado. moderado ou forte . mas não na estação durante a hora precedente. intermitente. intermitente. não congelante. com céu invisível Nevoeiro ou nevoeiro gelado. depositando escarcha. congelante. leve Chuvisco. o nevoeiro ou nevoeiro gelado se estende a um nível superior ao do observador Nevoeiro ou nevoeiro gelado.Tempo presente informado por uma estação meteorológica dotada de pessoal (continuação) ww = 40 a 49 Nevoeiro ou nevoeiro gelado na hora da observação 40 Nevoeiro ou nevoeiro gelado à distância na hora da observação. leve na hora da observação Chuvisco.224/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4677 ww . tornou-se menos denso durante a hora precedente. contínuo.

leve Chuva ou chuvisco e neve. não congelante. moderada na hora da observação Queda de flocos de neve. intermitente. moderada na hora da observação Chuva. forte na hora da observação Agulhas de gelo (com ou sem nevoeiro) Grãos de neve (com ou sem nevoeiro) Cristais de neve estrelados. leve na hora da observação Queda de flocos de neve. contínua. moderada na hora da observação Chuva. forte na hora da observação Chuva.Tempo presente informado por uma estação meteorológica dotada de pessoal (continuação) ww = 60 a 69 Chuva 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 Chuva. moderada ou forte Chuva ou chuvisco e neve. não congelante. intermitente. contínua. leve na hora da observação Chuva. não em pancadas 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 Queda de flocos de neve. contínua. isolados (com ou sem nevoeiro) Grãos de gelo . forte na hora da observação Queda de flocos de neve. não congelante. moderado ou forte ww = 70 a 79 Precipitação sólida. intermitente. forte na hora da observação Chuva. não congelante.MCA 105-10 / 2012 225/250 Tabela 4677 ww . não congelante. leve Chuva. intermitente. intermitente. leve na hora da observação Queda de flocos de neve. contínua. não congelante. congelante. contínua. contínua. intermitente. moderada na hora da observação Queda de flocos de neve. congelante. leve na hora da observação Chuva.

forte. na hora da observação * Granizo. na hora da observação. mas não na hora da observação Queda leve de neve. com granizo*. constam as especificações quanto à codificação do caráter da precipitação.15. leve ou moderada. mas com chuva e/ou neve na hora da observação Trovoada. não associada(s) com trovão. com ou sem chuva ou chuva e neve misturadas. mas com chuva e/ou neve na hora da observação Trovoada combinada com tempestade de poeira ou de areia. moderada(s) ou forte(s) Chuva leve na hora da observação.226/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4677 ww . sem granizo*. granizo pequeno ou grãos de neve NOTA : No item 12. com granizo*. leve(s) Pancada(s) de chuva. moderada(s) ou forte(s) Pancada(s) de grãos de neve ou granizo pequeno.4. mas não na hora da observação Chuva moderada ou forte na hora da observação. ou chuva e neve misturadas ou granizo*. leve(s) Pancada(s) de chuva e neve misturadas. na hora da observação. com ocorrência de Trovoada na hora recente. mas não na hora da observação Queda moderada ou forte de neve. . na hora da observação Trovoada. leve(s) Pancada(s) de granizo*. com ou sem chuva ou chuva e neve misturadas.2.6. moderada(s) ou forte(s) Pancada(s) de chuva. com ocorrência de Trovoada na hora recente. muito forte(s) Pancada(s) de chuva e neve misturadas. com ou sem chuva ou chuva e neve misturadas. sem granizo*. leve(s) Pancada(s) de neve. com ou sem chuva ou chuva e neve misturadas. moderada(s) ou forte(s) Pancada(s) de neve. com ocorrência de Trovoada na hora recente. com ocorrência de Trovoada na hora recente. precipitação com trovoada na hora da observação ou precipitação com trovoada recente 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 Pancada(s) de chuva. na hora da observação Trovoada. leve(s) Pancada(s) de grãos de neve ou granizo pequeno. ou chuva e neve misturadas ou granizo*. forte. não associada(s) com trovão. moderada(s) ou forte(s) Pancada(s) de granizo*. mas não na hora da observação Trovoada. leve ou moderada.Tempo presente informado por uma estação meteorológica dotada de pessoal (continuação) ww = 80 a 99 Precipitação em pancadas.

Não mais que um descritor deve ser incluído no grupo w’w’. tempestade de poeira ou tempestade de areia e nuvens funil. por exemplo: +SNRA. na ordem das colunas. A intensidade deve ser indicada somente para precipitação. Como exemplo temos: +SHRA (pancada(s) de chuva forte). BC e PR devem ser utilizados somente em combinações com FG. o tipo predominante de precipitação deve ser informado primeiramente. NOTA 1: NOTA 2: NOTA 3: Aplicam-se as regras contidas no item 15. que contém a intensidade. os mesmos devem ser informados em grupos w’w’ separados. a codificação deve ser combinada.8. Caso ocorra mais de uma forma de precipitação. por exemplo: MIFG. que não sejam as combinações de precipitação. BCFG e PRFG. referente ao uso do grupo w’w’. precipitação associada à pancadas e/ou trovoadas. Caso ocorra mais de um fenômeno observado. por exemplo: -DZ FG. seguida da descrição e pelo fenômeno de tempo. Os descritores MI. NOTA 4: NOTA 5: NOTA 6: Tabela 4678 .MCA 105-10 / 2012 227/250 Tabela 4678 w'w' – Tempo significativo presente e previsto QUALIFICADOR Intensidade ou Proximidade 1 Leve Moderada (sem sinal) Forte (bem desenvolvido para redemoinhos de poeira/areia e nuvens funil) Na vizinhança MI BC FENÔMENO DE TEMPO Precipitação 3 DZ RA Chuvisco Chuva BR FG Descritor 2 Baixo Bancos Obscurecedor 4 Névoa úmida Nevoeiro PO SQ Outros 5 Poeira/areia em redemoinhos Tempestades + PR Parcial (cobrindo parte do aeródromo) Flutuante baixo Soprada Pancada(s) Trovoada Congelante SN Neve FU Fumaça FC Nuvem(ns) funil (tornado ou tromba d’água) VC DR BL SH TS FZ SG IC PL GR GS Grãos de neve Cristais de gelo Pelotas de gelo Granizo Granizo pequeno e/ou pelotas de neve VA DU SA HZ Cinzas vulcânicas Poeira em área extensa Areia Névoa seca SS DS Tempestade de areia Tempestade de poeira Os grupos w'w' devem ser construídos considerando-se as colunas de 1 a 5 da tabela acima em sequência. por exemplo: -FZDZ.

GS e GR. BLSN e VA. a uma altura de dois metros ou mais acima do solo. DS. DZ e RA. SN. Os descritores DR e BL devem ser utilizados somente em combinações com as abreviaturas DU. . somente BLSN deverá ser informado. para indicar precipitação do tipo pancada na hora da observação. areia ou neve levantadas pelo vento a menos de dois metros acima do solo. SN. Quando neve soprada for observada com queda de neve das nuvens. para indicar trovoada com precipitação no aeródromo. ambos os fenômenos deverão ser informados. SH. BLDU. GS e GR. SN BLSN. por exemplo: FZFG. devido a neve soprada. o observador não puder determinar se a neve também está ou não caindo das nuvens. NOTA 8: NOTA 9: NOTA 10: O descritor TS. SS. PO. deve ser utilizado apenas em combinações com uma ou mais das abreviaturas RA. se não for utilizado isoladamente para indicar ocorrência de trovoada no aeródromo. por exemplo: TSSNGS. NOTA 12: O qualificador de proximidade VC deve ser utilizado somente em combinações com as abreviaturas TS. NOTA 11: O descritor FZ deve ser utilizado somente em combinações com as abreviaturas FG. FC. O descritor SH deve ser utilizado somente em combinações com uma ou mais das abreviaturas RA. por exemplo: SHSN. SA e SN. O descritor BL (soprada) deve ser utilizado para indicar poeira. por exemplo.228/250 MCA 105-10 / 2012 w'w' – Tempo significativo presente e previsto (continuação) NOTA 7: O descritor DR (flutuante baixo) deve ser utilizado para poeira. FZDZ e FZRA. BLSA. Quando. por exemplo: BLSN. FG. sem que haja precipitação. areia ou neve levantadas pelo vento.

depositando escarcha Reservado . ou poeira em suspensão no ar. ou poeira em suspensão no ar. em bancos Nevoeiro ou nevoeiro gelado. 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 a 39 Nevoeiro PRECIPITAÇÃO Chuvisco (não congelante) ou grãos de neve Chuva (não congelante) Neve Chuvisco congelante ou chuva congelante Trovoada (com ou sem precipitação) NEVE OU AREIA SOPRADAS OU LEVANTADAS PELO VENTO Neve ou areia sopradas ou levantadas pelo vento. mas não na hora da observação. sem mudança apreciável durante a hora passada Nevoeiro ou nevoeiro gelado. visibilidade igual ou maior que 1 km Névoa seca ou fumaça.MCA 105-10 / 2012 229/250 Tabela 4680 wawa – Tempo presente informado por uma estação automática Nº Cód 00 01 02 03 04 05 06 a 09 10 11 12 13 a 17 18 19 Não observado tempo significativo Nuvens geralmente em dissipação ou tornando-se menos desenvolvidas durante a hora passada Estado do céu. nevoeiro (ou nevoeiro gelado) ou trovoada na estação durante a hora precedente. inalterado durante a hora passada Nuvens geralmente em formação ou desenvolvendo-se durante a hora passada Névoa seca ou fumaça. visibilidade igual ou maior que 1 km Neve ou areia sopradas ou levantadas pelo vento. visibilidade menor que 1 km Reservado Névoa úmida Agulhas de gelo Relâmpago à distância Reservado Tempestades Reservado wawa = 20 a 26 são utilizados para informar precipitação. tornou-se menos denso durante a hora passada Nevoeiro ou nevoeiro gelado. em geral. visibilidade menor que 1 km NEVOEIRO Nevoeiro ou nevoeiro gelado. começou e tornou-se mais denso durante a hora passada Nevoeiro.

moderada Chuva. forte Chuva (ou chuvisco) e neve. não congelante. congelante. leve Chuvisco e chuva. congelante. moderada ou forte Reservado . não congelante. forte Precipitação congelante. moderado Chuvisco. congelante. moderado ou forte Reservado CHUVA Chuva. não congelante. congelante. congelante. leve ou moderada Precipitação líquida. moderado Chuvisco. forte Chuva. leve Chuva (ou chuvisco) e neve. leve ou moderada Precipitação congelante. leve ou moderada Precipitação sólida. forte Chuvisco. leve Chuva. leve Chuvisco. não congelante. leve Chuva.230/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4680 wawa – Tempo presente reportado por uma estação automática (continuação) 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 PRECIPITAÇÃO Precipitação. forte Reservado CHUVISCO Chuvisco. forte Chuvisco e chuva. forte Precipitação sólida. leve ou moderada Precipitação forte Precipitação líquida. leve Chuvisco. congelante. moderada Chuva. não congelante. não congelante.

com pancadas de chuva e/ou pancadas de neve Trovoada. com granizo Reservado Tornado . com pancadas de chuva e/ou pancadas de neve Trovoada. violenta Pancada(s) de neve ou neve intermitente. leve ou moderada. forte. leve Pancada(s) de chuva ou chuva intermitente. forte Grãos de neve Cristais de gelo Reservado PANCADA(S) ou PRECIPITAÇÃO INTERMITENTE Pancada(s) de chuva ou chuva intermitente. leve ou moderada. forte. moderado Pelotas de gelo. forte Reservado Granizo TROVOADA Trovoada. forte Pelotas de gelo. leve ou moderada. sem precipitação Trovoada. leve Neve. moderada Pancada(s) de neve ou neve intermitente. forte. leve Pelotas de gelo. sem precipitação Trovoada. com granizo Trovoada. moderada Neve.MCA 105-10 / 2012 231/250 Tabela 4680 wawa – Tempo presente reportado por uma estação automática (continuação) 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 a 98 99 NEVE Neve. leve Pancada(s) de neve ou neve intermitente. forte Pancada(s) de chuva ou chuva intermitente. moderada Pancada(s) de chuva ou chuva intermitente.

uma estação capaz de analisar a quantidade.232/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4680 wawa – Tempo presente informado por uma estação automática (continuação) NOTA 1: Esta tabela inclui termos em vários níveis para cobrir estações simples e as mais complexas. Por exemplo. embora sem tipo. congelando) e a quantidade. usaria wawa = 43 a 48. Já aquelas capazes de analisar também o tipo (líquido. NOTA 2: Os termos genéricos para as condições de tempo (por exemplo: nevoeiro. ventos e trovões Área de pancadas fortes Área de trovoadas . mas sem quantificar. sólido. chuvisco) são para uso das estações capazes de determinar somente o tipo de tempo.Tempo significativo Nº Cód 00 11 22 33 44 55 66 77 88 99 Área de ondas provocadas por ventos fortes Área de ventos fortes (Nº Beaufort 6 e 7) Área de nuvens médias Área de nuvens baixas Área de pouca visibilidade Área de ventanias (Nº Beaufort 8 ou mais) Área de precipitação contínua Área de tormentas com chuva forte. sem mais informações. usaria apenas a dezena apropriada (por exemplo: 50 para chuvisco e 60 para chuva). Tabela 4683 wsws . Aquelas capazes de informar os tipos reais de precipitação (Exemplo: chuvisco ou chuva). NOTA 3: Os números genéricos para precipitação (40 a 48) são organizados em ordem crescente de complexidade. Esses termos são apresentados em letras maiúsculas. Numa outra situação. usaria wawa = 41 ou 42. uma estação simples que analise apenas presença ou ausência de precipitação usaria o wawa = 40.

com temperatura abaixo de 0ºC Não utilizados Neve soprada. visibilidade menor que 1 km Borrifo soprado na estação Poeira (ou areia) levantada pelo vento Muralha de poeira ou areia à distância Névoa de neve Resplendor branco Não utilizado Raio. impossível de determinar se a neve está em queda ou não . da nuvem para a superfície Não utilizados Trovoada sem precipitação Não utilizado Nuvem tornado na estação ou nos limites visuais da estação. durante a hora precedente ou na hora da observação Depósito de Cinzas Vulcânicas Depósito de poeira ou areia Depósito de orvalho Depósito de neve molhada Depósito de escarcha leve Depósito de escarcha pesada Depósito de geada Depósito de gelo claro Depósito de crosta de gelo Não utilizado Tempestade de poeira ou de areia.MCA 105-10 / 2012 233/250 Tabela 4687 w1w1 – Fenômeno de tempo presente não especificado na Tabela 4677 ou especificação do fenômeno de tempo presente adicionado ao grupo 7wwW1W2 Nº Cód 00-03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14-16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31-38 39 Não utilizados Cinzas Vulcânicas suspensas no ar Não utilizado Névoa de poeira densa.

0 a 31.0 mm/h Chuva. índice de precipitação de 2. visibilidade de 30 a 60 m Nevoeiro denso.59 mm/h Chuvisco.19 mm/h Chuvisco.40 a 0.10 a 0. índice de precipitação de 0.234/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4687 w1w1 – Fenômeno de tempo presente não especificado na Tabela 4677 ou especificação do fenômeno de tempo presente adicionado ao grupo 7wwW1W2 (continuação) Nº Cód 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68-69 Não utilizado Nevoeiro no mar Nevoeiro em vales Nevoeiro de vapor Ártico ou Antártico Nevoeiro de vapor (mar.0 a 15.0 a 1. índice de precipitação de 64 mm/h ou mais Não utilizados .10 mm/h Chuvisco.19 mm/h Chuvisco.9 mm/h Chuva.79 mm/h Chuvisco. índice de precipitação de 3. índice de precipitação de 4. índice de precipitação de 8.40 mm/h ou mais Não utilizado Chuvisco e neve (ww = 68 ou 69) Chuva. índice de precipitação de 0.0 a 3. índice de precipitação de 1.0 a 7. índice de precipitação de 6.60 a 3. visibilidade menor que 30 m Chuvisco. índice de precipitação menor que 0. índice de precipitação de 0.0 a 63.39 mm/h Chuvisco.20 a 0.9 mm/h Chuva.80 a 1. índice de precipitação de 0.9 mm/h Chuva. visibilidade de 60 a 90 m Nevoeiro denso.9 mm/h Chuva. lago ou rio) Nevoeiro de vapor (terra) Nevoeiro sobre cobertura de gelo ou neve Nevoeiro denso. índice de precipitação de 16.9 mm/h Chuva.39 mm/h Chuvisco. índice de precipitação de 32.20 a 6. índice de precipitação de 1. índice de precipitação menor que 1.9 mm/h Chuva.

87 e 88 a 99) Granizo. 27. índice de precipitação de 8.9 cm/h Neve. índice de precipitação de 16. 68. 68. com chuva (ww = 26. com chuva (ww = 26. 87 e 88 a 99) Granizo. 87 e 88 a 99) Pelotas de neve ou granizo pequeno (ww = 26. índice de precipitação de 2. 69. 87 e 88 a 99) Pelotas de neve ou granizo pequeno.0 a 7. 68.0 a 3.9 cm/h Neve. 69. 27.9 cm/h Neve.0 a 15. 68. 27. 87 e 88 a 99) Neve (ww = 26. 69. 69. 87 e 88 a 99) Pelotas de neve ou granizo pequeno. índice de precipitação de 4. com neve (ww = 26. índice de precipitação de 32. 87 e 88 a 99) Granizo (ww = 26.9 cm/h Neve. com chuva e neve misturadas (ww = 26. com neve (ww = 26.0 a 63. 69. 27.0 a 1. 69. 87 e 88 a 99) Pelotas de neve ou granizo pequeno. índice de precipitação de 1. 69. 27. com chuva e neve misturadas (ww = 26. 27.0 a 31. 68. 27. 69. índice de precipitação de 64 cm/h ou mais Precipitação de neve ou cristais de gelo em céu claro Neve molhada. 27. índice de precipitação menor que 1.9 cm/h Neve. congelante ao contato Chuva (ww = 87 a 99) Chuva congelante (ww = 80 a 82) Chuva e neve misturadas (ww = 26. 68. 69. 68. 87 e 88 a 99) Pancada(s) ou trovoada sobre o mar Pancada(s) ou trovoada sobre montanhas Não utilizados . 68. 68. 27. 68.9 cm/h Neve. 27.MCA 105-10 / 2012 235/250 Tabela 4687 w1w1 – Fenômeno de tempo presente não especificado na Tabela 4677 ou especificação do fenômeno de tempo presente adicionado ao grupo 7wwW1W2 (continuação) Nº Cód 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 a 99 Neve. 87 e 88 a 99) Granizo. 69.0 cm/h Neve.

236/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 4691 w1w1w1 – Tempo previsto Nº Cód 111 222 333 444 555 666 777 888 Abreviatura TS TRS LSQ HAIL MTW SAND DUST FZR Especificação Trovoada Ciclone tropical Linha de tempestade severa Granizo Ondas orográficas acentuadas Tempestade extensa de areia Tempestade extensa de poeira Chuva congelante Tabela 4780 XtXt – Tipo de queda Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6-30 // Não especificada Holey TRISTAR Persiana Páraquedas Âncora não-lagrange Reservado Não disponível Tabela 4887 x1x1 – Formato dos grupos de posição Nº Cód 00 11 22 66 88 Posições na forma LaLaLoLok (hemisfério Norte) Posições na forma LaLaLoLok (hemisfério Sul) Posições na forma LaLaLoLok (equatorial) Posições na forma iiiD1s1 Posições na forma QLaLaLoLo .

descarga em coroa Brilho crepuscular Brilho crepuscular nas montanhas (Alpenglühen) Miragem Luz zodiacal .MCA 105-10 / 2012 237/250 Tabela 4892 x2x2x2 – Tipo de análise x3x3x3 – Valor designador da carta ou análise Nº Cód 000 111 222 333 444 555 x2x2x2 Análise da corrente de jato Carta de nível constante Superfície isobárica (pressão constante) Carta isentrópica Carta de corte vertical Carta de topografia relativa Dezenas de mgp x3x3x3 – hPa inteiros (exceto carta de 1000 hpa. inferior e superior.Fenômenos óticos Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Espectro de Broken Arco-íris Halo solar ou lunar Parélios ou Antélios Coluna luminosa solar Coroa. o grupo 86668 deve ser seguido pelo grupo 81118 ou 82228. Tabela 5161 Z0 . em hPa inteiros Em hectopascais inteiros ou em dezenas de metros geopotenciais ºC inteiros (soma-se 500 aos valores negativos) Em hectopascais inteiros x3x3x3 é indicado por /// – 666 777 888 999 /// NOTA: Carta de variações da pressão ou do geopotencial Carta de isoterma Análise de linhas de correntes Análise da tropopausa Análise dos ventos de altitude Quando x2x2x2 = 666. para indicar se a carta é de nível constante ou de pressão constante. x3x3x3 = 000) Kelvin inteiros – Seguido por dois grupos 00x3x3x3 indicando as superfícies isobáricas padrões. respectivamente.

sem aumentar de intensidade Estendendo-se e aumentando de intensidade Retida por evolução do terreno Debilitando-se no avanço Debilitando-se na posição Desintegrando-se ou dissipando-se rapidamente Dissipando-se nos vales Dissipando-se nas elevações .238/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 5162 Z1 – Natureza da evolução da zona S2 Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Sem variação Aumentando de intensidade. sem se estender Estendendo-se.

Número da zona meteorológica por 5 graus de latitude ou longitude ZONAS ESTE-OESTE Nº ZONA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 000° 005° 010° 015° 020° 025° 030° 035° 040° 045° 050° 055° 060° 065° 070° 075° 080° 085° 090° 095° 100° 105° 110° 115° 120° 125° 130° 135° 140° 145° 150° 155° 160° 165° 170° 175° Longitude Este 005° 010° 015° 020° 025° 030° 035° 040° 045° 050° 055° 060° 065° 070° 075° 080° 085° 090° 095° 100° 105° 110° 115° 120° 125° 130° 135° 140° 145° 150° 155° 160° 165° 170° 175° 180° 180° 175° 170° 165° 160° 155° 150° 145° 140° 135° 130° 125° 120° 115° 110° 105° 100° 095° 090° 085° 080° 075° 070° 065° 060° 055° 050° 045° 040° 035° 030° 025° 020° 015° 010° 005° Longitude Oeste 175° 170° 165° 160° 155° 150° 145° 140° 135° 130° 125° 120° 115° 110° 105° 100° 095° 090° 085° 080° 075° 070° 065° 060° 055° 050° 045° 040° 035° 030° 025° 020° 015° 010° 005° 000° ZONAS NORTE-SUL Nº ZONA 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 Latitude 90°N 85°N 80°N 75°N 70°N 65°N 60°N 55°N 50°N 45°N 40°N 35°N 30°N 25°N 20°N 15°N 10°N 05°N 00° 05°S 10°S 15°S 20°S 25°S 30°S 35°S 40°S 45°S 50°S 55°S 60°S 65°S 70°S 75°S 80°S 85°S 85°N 80°N 75°N 70°N 65°N 60°N 55°N 50°N 45°N 40°N 35°N 30°N 25°N 20°N 15°N 10°N 05°N 00° 05°S 10°S 15°S 20°S 25°S 30°S 35°S 40°S 45°S 50°S 55°S 60°S 65°S 70°S 75°S 80°S 85°S 90°S .MCA 105-10 / 2012 239/250 Tabela 5177 ZZ .

condições piorando Navio em gelo de difícil penetração. condições piorando.240/250 MCA 105-10 / 2012 Tabela 5239 zi . condições piorando. condições sem mudança Navio em gelo de difícil penetração. condições melhorando Navio em gelo facilmente penetrável. navio cercado Impossível informar devido à escuridão ou deficiência de visibilidade . condições piorando. condições melhorando Navio em gelo de difícil penetração. gelo sob pressão leve Navio em gelo de difícil penetração.Situação do gelo presente e tendência das condições durante as 3 horas precedentes Nº Cód 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 / Navio em mar aberto com gelo flutuante à vista Navio em gelo facilmente penetrável. gelo em formação e blocos de gelo juntos Navio em gelo de difícil penetração. gelo sob pressão moderada ou forte Navio em gelo de difícil penetração. condições piorando. condições sem mudança Navio em gelo facilmente penetrável.

000 13.3 TABELAS DE USO REGIONAL Tabela 342 DsDs – Direção em relação à estação Nº Cód 00 02 04 06 08 10 12 14 16 18 20 22 Na estação NNE NE ENE E ESE SE SSE S SSW SW WSW Nº Cód 24 26 28 30 32 33 34 35 36 37 38 39 W WNW NW NNW N Variável Desconhecida Em diversas direções Em diversas direções. 210 cm: 90199.). será informado em nn do último grupo da série. 20. 130.200 ou 12. 9. 12 13 etc. 105 cm: 90198. 120. um nº determinado de grupos 9SpSpnn será utilizado. etc.000 2. 1. 990 ou mais. 90110. seria codificada 90199.000 99 ou mais. 90100.300 ou 13.000 Valor (dependendo do número do código geral. . 90105. informar-se-á 99 em nn e a quantidade que exceder a 100 (ou 200..000 * Quando o valor a ser codificado for mais que 99. 9.MCA 105-10 / 2012 241/250 5. isto é. 1. etc. com uma espessura de 100 cm. no primeiro grupo (ou grupos).000 ou mais 12. etc. 98 99* 98. ou 99. Exemplo: Uma camada de neve caída durante as 6 horas passadas. utilizado) zero ou menor que 1 1. mas não na estação Nas proximidades do mar Nas proximidades dos vales Nas proximidades de morros ou montanhas Tabela 368 nn . 980. 200 ou 2. 10. 100 ou 1.Unidade de valor específico Nº Cód 00 01 02 etc.900 ou mais.800 ou 98.

4 TABELA PARA USO NO SISCEAB Tabela 421 AdfAdf – Razões de informe incompleto Nº Cód 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 Informe não apresentado Falha no equipamento de superfície Observação atrasada Falha de energia elétrica Condições de tempo desfavoráveis Abaixo da altitude máxima (menos de 500 metros acima do solo) Balão vazando Sondagem não autorizada neste período Alerta Sondagem não se estendeu acima do nível de 400 hPa Balão forçado a descer devido a formação de gelo Balão forçado a descer devido a precipitação Interferência atmosférica Interferência local Sinais enfraquecendo-se durante a ascenção Sinais fracos desde o início da sondagem Manutenção preventiva Falha no equipamento de voo (transmissores.) Razões diferentes das listadas acima . complementos etc. balão.242/250 MCA 105-10 / 2012 5.

por acordo regional.1 ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS DE OBSERVAÇÃO 6.1. 6. Este grupo identifica a estação meteorológica em que foi realizada a observação. . Os números indicativos das estações são atribuídos conforme o seguinte: Região I África 60000-69998 20001-20099 20200-21998 23001-25998 28001-32998 Região II Ásia 35001-36998 38001-39998 40350-48599 48800-49998 50001-59998 Região III Região IV Região V América do Sul América do Norte e América Central Sudoeste do Pacífico 80001-88998 70001-79998 48600-48799 90001-98998 00001-19998 20100-20199 22001-22998 Região VI Europa 26001-27998 33001-34998 37001-37998 40001-40349 Antártica 89001-89998 6. 6.1.1.MCA 105-10 / 2012 243/250 6 SISTEMA DE INDICATIVOS DE ESTAÇÕES 6.1 O número indicativo de estação na forma IIiii é incluído nos informes de observações meteorológicas realizadas nas estações meteorológicas terrestres ou a bordo de navios que utilizam os códigos de estações terrestres.4 O número dos blocos é distribuído para o serviço dentro de cada Região.2 O referido número é composto do número do bloco (II) e pelo número da estação (iii).1.3 O número do bloco define a área em que se situa a referida estação.

exceto o 89. 6.1. .1. com a inclusão do sinal de chamada de 4 letras dos navios. permitindo a identificação do navio. sempre que possível. “y” é designada de acordo com a latitude da estação. em 1957. 89124 indica uma estação situada entre 120° e 130° W e 89654 se refere a uma estação situada entre 150° e 160° E. etc.5 Os números de estação (iii) correspondentes a um número de bloco comum (II). com esse mesmo propósito. os navios selecionados e suplementares serão identificados pelo nome do navio ou mediante números especiais.1. por exemplo. Estes sinais de chamada devem tanmbém ser incluídos em todos os informes coletivos procedentes de navios suplementares. tendo em conta que seu valor aumenta para o Sul. e o primeiro número de (iii) aumenta de Norte para Sul. um ou vários graus de latitude.1.6 O número indicativos das estações da Antártica são atribuídos de acordo com o seguinte sistema: cada estação possui um número internacional 89xxy. os números das estações que se encontram dentro de cada parte aumentam de Oeste para Este. 6. recomenda-se que informações adicionais sejam indicadas no informe. 6. 6. tomam-se as providências necessárias para a identificação da aeronave no primeiro grupo da mensagem meteorológica.244/250 MCA 105-10 / 2012 6.9 Os navios ou aeronaves que realizam observações meteorológicas indicam sua posição através de coordenadas geográficas por meio de grupos de posição no código apropriado. Esta informação será dada. NOTA: Em caso de aeronaves de transportes. para que um serviço ou centro meteorológico possa acompanhar e reconhecer os informes sucessivos de um determinado navio. Nos casos em que não for possível incluir os sinais de chamada. Para as longitudes Este. Quando possível.7 As estações situadas na Antártica e as que haviam sido designadas com um número antes da introdução deste sistema. conservam os indicativos que lhes foram atribuídos. em que “xx’ indica o meridiano múltiplo de 10º mais próximo e imediatamente inferior a longitude da estação.1. por exemplo. adiciona-se 50. 77777. geralmente são atribuídos de forma que a área coberta por esse bloco (II) seja dividida em partes horizontais. Entretanto.8 Não são atribuídos às estações meteorológicas indicativos com números repetidos (por exemplo: 55555.) ou que terminem em 000 ou 999.

em metros* - Nº Beaufort 0 1 Viração 1-3 0.2 (0.5 (7. apresentando espumas dispersas de aspecto vítreo Pequenas ondas.5-7. das bordas das cristas começam a desprender-se borrifos em forma de redemoinhos.7 62-74 Quebram-se os galhos das árvores.3) 3 Brisa suave 7-10 3.6-3.1 (0. cujas cristas começam a quebrar.5) 5 Brisa fresca 17-21 8.4-5. aumentam os borrifos O mar engrossa. são ouvidos assobios do vento nos fios. o velame das embarcações alcança ótima inclinação 0.2 km/h <1 terra Calmo.5) .8 39-49 As velas das embarcações enrolam-se em camadas. fumaças sobem verticalmente Direção do vento mostrada por fumaça.MCA 105-10 / 2012 245/250 7 ESCALA BEAUFORT DO VENTO Velocidade equivalente a altura de 10 m acima de um terreno plano aberto kt Calmo <1 m/s 0-0.4 12-19 0.5) 6 Brisa forte 22-27 10. porém mais pronunciadas. as cristas de espumas brancas estendemse em toda partes. espumas brancas frequentes Ondas moderadas com formas mais pronunciadas. a pesca exige precauções 3 (4) 7 Ventania 28-33 13. as cristas não quebram Ondas maiores. guarda-chuvas são utilizados com dificuldade Termo Características mar Como um espelho litoral Calmo Provável altura das ondas.3-1. a espuma é arrastada em nuvens brancas na direção do vento As embarcações de pesca deixam pequenos rastros O vento infla o velame das embarcações que navegam a velocidade de 1 a 2 kt Embarcações começam a se inclinar e navegam a velocidade de 3 a 4 kt Brisa eficaz. geralmente não se anda contra o vento Todas as embarcações dirigem-se ao porto mais próximo 5.5) 8 Temporal 34-40 17.6 (1) 4 Brisa moderada 11-16 5. mas sem cristas Pequenas ondas.0-10.2-20. tornando-se maiores. mas não por pás eólicas O vento é sentido na face.9 20-28 1 (1. aquelas em alto mar buscam um lugar seguro 4 (5. pequenos ramos são movidos Pequenas árvores se movem.5 1-5 Pequenas ondas são formadas. formam-se pequenas ondas nos lagos artificiais Os ramos maiores das árvores se movem. é incoveniente andar contra o vento As embarcações permanecem no porto. pequenas bandeiras são estendidas Poeira e papéis pequenos são levantados.1) 2 Brisa leve 4-6 1.8-13.3 6-11 0. a espuma branca procedente da quebra das cristas começa a ser arrastada na direção do vento Ondas altas moderadas.9-17.7 29-38 As embarcações encurtam as velas 2 (2.1 50-61 Árvores inteiras se movem. movem-se as folhas das árvores e as pás eólicas Folhas e pequenos galhos em constante movimento. com abundância de espumas e eventuais borrifos Ondas grandes começam a se formar.

a espuma se aglomera em grandes bancos e se arrasta em forma espessa na direção do vento.5-28. a superfície do mar torna-se branca. no conjunto.6 103-117 Observada muito raramente no continente.5 (16) 12 Furacão ≥ 64 ≥ 32. a visibilidade é reduzida Ondas grandes. as cristas das ondas começam a tombar. espumas densas arrastadas na direção do vento. O ar fica cheio de espuma de borrifos. que se estende na direção do vento.4 75-88 Ocorrem pequenos danos nos edifícios. o mar fica completamente coberto de bancos de espuma branca.246/250 MCA 105-10 / 2012 Nº Beaufort Termo Velocidade equivalente a altura de 10 m acima de um terreno plano aberto kt m/s km/h terra Características mar Ondas altas. a visibilidade é dificultada por borrifos Ondas muito altas. chaminés e telhas são removidas  7 (10) 10 Tempestade 48-55 24. em metros* 9 Temporal forte 41-47 20. . com grandes cristas. a visibilidade fica muito reduzida.8-24. a visibilidade é muito reduzida litoral Provável altura das ondas. árvores são arrancadas e ocasionam danos consideráveis nos edifícios  9 (12. os navios de pequeno e médio porte podem perder-se de vista.4 89-102 Raramente ocorre no continente.5) 11 Tempestade violenta 56-63 28. ocasiona grandes danos ___ 11. o tombo do mar fica intenso. o mar fica completamente branco devido aos bancos de espuma.7 ≥ 118 __ __ 14 (--) * Valores entre parênteses indicam a altura máxima provável das ondas.5-32.

Sr.3 Os casos não previstos neste Manual serão submetidos ao Exmo. 8.mil. ou acessando o link b) dos telefones: (21) 2117-7294. de 19 de janeiro de 2010. Publicações Aeronáuticas. de 17 de novembro de 2010. publicada no BCA nº 212. por meio: a) do endereço eletrônico www. 8. . 2117-7295 e 2117-7219 (fax).br. de 1º de janeiro de 2010. acessando o link específico da publicação.MCA 105-10 / 2012 247/250 8 DISPOSIÇÕES FINAIS 8.intraer/ ou http://publicacoes.4 As sugestões para o contínuo aperfeiçoamento desta publicação devem ser enviadas ao DECEA.gov.1 Este Manual entrará em vigor a partir de 0000 UTC do dia 1º de janeiro de 2012. 8.5 Esta publicação poderá ser adquirida mediante solicitação ao Parque de Material de Eletrônica da Aeronáutica do Rio de Janeiro (PAME-RJ).pame. de 5 de novembro de 2010. por meio dos endereços eletrônicos http://publicacoes.aer. 8.br/. de 18 de dezembro de 2009. aprovada pela Portaria DECEA Nº 63/SDOP. publicada no BCA nº 012. e a modificação de 18 de novembro de 2010.decea. aprovado pela Portaria DECEA Nº 74/SDOP. Chefe do Subdepartamento de Operações do Departamento de Controle do Espaço Aéreo.decea.2 Este Manual substitui o MCA 105-10.

[Montreal]. Normas e Métodos Recomendados Internacionais. WMO Nº306. OACI. de 18 de novembro de 2010. . Atlas Internacional de Nuvens: Volume I. WMO Nº407. Manual de Códigos – Códigos Internacionais: Volume I. ______. Anexo 3. 2010. Serviço Meteorológico para a Navegação Aérea Internacional.248/250 MCA 105-10 / 2012 REFERÊNCIAS CANADÁ. 1975. OMM. [Genebra]. incluída a Emenda 75. SUÍÇA. [Genebra]. 2010. 17ª edição.1.

58 RADOF. 247 PRELIMINARES. 108 ROFOR. 13 CONCEITUAÇÕES E SIGLAS.MCA 105-10 / 2012 249/250 ÍNDICE ÂMBITO. 9 SHIP. 243 DE NUMERAÇÃO. 113 IAC. 133 DE CÓDIGOS. 103 REFERÊNCIAS. 58 PILOT MOBIL. 66 . 132 FM. 82 IAC FLEET. 38 SYNOP. 9 DISPOSIÇÕES FINAIS. 242 TAF. 96 TEMP. 58 PILOT SHIP. 89 ICEAN. 115 MAFOR. 115 ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS DE OBSERVAÇÃO. 53 CODAR. 13 SISTEMA DE INDICATIVOS DE ESTAÇÕES. 9 AMDAR. 80 IDENTIFICAÇÃO DOS CÓDIGOS METEOROLÓGICOS. 111 METAR. 11 HYFOR. 9 GENERALIDADES. 11 LETRAS OU GRUPOS DE LETRAS SIMBÓLICAS. 248 RESPONSABILIDADE. 241 PARA USO NO SISCEAB. 245 ESPECIFICAÇÕES DAS LETRAS OU GRUPO DE LETRAS SIMBÓLICAS. 243 FINALIDADE. 75 CÓDIGOS METEOROLÓGICOS. 132 DE USO REGIONAL. 9 ESCALA BEAUFORT DO VENTO. 13 TABELAS. 76 BUOY. 11 SPECI. 38 PILOT.

66 TEMP SHIP. 66 TEMP MOBIL.250/250 MCA 105-10 / 2012 TEMP DROP. 66 WINTEM. 94 .