You are on page 1of 17

Disponível eletronicamente em www.revista-ped.unifei.edu.br Revista P&D em Engenharia de Produção V. 08 N. 02 (2010) p.

40-56
Recebido em 19/09/2007. Aceito em 22/03/2010 ISSN 1679-5830

CONSIDERAÇÕES SOBRE TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DOS ALIMENTOS FUNCIONAIS
Ana Akemi Ikeda Professora Doutora Universidade de São Paulo Departamento de Administração de Empresas anaikeda@usp.br Alexandre Moraes Especialista Fundação Instituto de Administração mba_mkt@fia.com.br Gustavo Mesquita Especialista Fundação Instituto de Administração mba_mkt@fia.com.br

RESUMO O objetivo deste trabalho é analisar as tendências e oportunidades de produtos no mercado de saúde especificamente os alimentos funcionais e realizar algumas considerações que suscitem uma discussão inicial. Foram investigados e analisados artigos acadêmicos e especializados em alimentos e estudos realizados por organizações de pesquisa; valendo-se também de experiência profissional dos autores deste trabalho. Descobriu-se que existem três tendências principais que influenciariam o mercado de alimentos nos próximos anos: conveniência, saudabilidade e indulgência. A indústria de alimentos já há algum tempo tem explorado e investido nesse negócio. Do ponto de vista de desenvolvimento de novos produtos, uma grande oportunidade é combinar ao menos duas tendências num só produto. Dos produtos lançados até agora os relacionados a melhoria do funcionamento intestinal foi a mais explorada; em oposição os alimentos voltados para beleza ainda são pouco explorados. Apresentam-se, assim, como uma boa oportunidade em termos de inovação em alimentos para o futuro. Palavras-chave: alimentos funcionais; mercado; produto; tendências.

08 N. uma vez que é necessário testar e provar clinicamente os benefícios prometidos (WILSON. The findings include the three tendencies that influence the food market now and in the next years: convenience. market. 2001). SELVANATHAN. p. product. Journals and periodicals articles as well as researches developed by food organizations were explored and analyzed. Entretanto. Among the products already launched until now the ones related to intestinal functioning were more explored. and indulgence. 31): . Keys words: Functional foods. Para isso é feita uma revisão bibliográfica e de dados secundários oriundos de publicações e resultados de pesquisas específicas sobre o assunto. 2006) e como afirma Mintz (2001. Tanto no Brasil quanto no exterior multiplicam-se os fóruns de discussão a respeito de novas descobertas e usos dos alimentos funcionais. é interessante e útil para o pesquisador desse assunto entender suas peculiaridades. 02 (2010) p. Pouco se aborda sobre novas tendências de consumo. 1. os trabalhos acadêmicos que abordam esse assunto são escassas e poucas empresas. On the other hand the ones concerning to beauty are still unexplored. Ao mesmo tempo. The experience of the authors were also considered. KNOOP. INTRODUÇÃO Alimentos funcionais representam uma das tendências mais recentes para o mercado de alimentos. este trabalho procura analisar as principais tendências e oportunidades de produtos no mercado de alimentos funcionais e realizar algumas considerações que suscitem uma discussão inicial. Assim. de fato. LEVY. A RELAÇÃO DO HOMEM COM A COMIDA Muito da literatura de marketing relacionada à saúde e conteúdo de nutrientes focam os rótulos e embalagem (FORD et al. 2. trends. DERBY. this seems a good opportunity in term of food innovation for the future. Thus.. 1999). 2000).40-56 41 REFLETIONS ON TRENDS AND OPPORTUNITIES OF FUNCTIONAL FOODS ABSTRACT The objective of this work is to analyze the main trends and opportunities in the functional foods market and initiate a discussion. Assim. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. In regard of new product development it seems that a favorable opportunity is to put together two tendencies into one product. 18% da renda de consumidores de países desenvolvidos são gastos em alimentos. conseguiram desenvolver e lançar produtos com conceitos relevantes e benefícios funcionais reais. Uma definição simples e prática de alimentos funcionais é “alimento ou ingredientes alimentares que podem fornecer um benefício de saúde além dos tradicionais nutrientes já contidos” (GOLDBERG. ROE. healthiness. O fato dos alimentos funcionais incorporarem – em alguns casos específicos – benefícios ou posicionamentos antes exclusivos de produtos cosméticos e de saúde faz com que o desenvolvimento de alimentos funcionais também herde características do mercado farmacêutico.IKEDA. e para os países em desenvolvimento a porcentagem chega a 30% (SELVANATHAN. 1996. STROOCK. The food industry is already been investing in this business.

2001. (MINTZ. Autonomia de indivíduos: quem ganha ou perde pelas mudanças. de festividades ou da hora do dia. afetado por mudanças sociais. Experiências de saúde: conhecimento e oportunidades.31) Casotti (2004).42 IKEDA. atitudes para e de profissionais ligados à saúde. 40) Motivacional Sustentabilidade . citando Bell e Valentine (1997. A razão simbólica se relaciona ao fato de que o alimento serve como um marco da estação. 2006). facilidades de compra e transporte.40-56 Dificilmente outro comportamento atrai tão rapidamente a atenção de um estranho como a maneira que se come: o quê. que o comportamento relativo à comida tenha sempre nos interessado e documentado a grande diversidade social.Fatores relevantes para mudança de dieta Fatores Estrutural Poder Relevância para mudança de dieta Renda. desde o começo.. A alimentação. Holm (2003) aponta as razões práticas e econômicas. 1994). disponibilidade. quem decide o que é comprado e consumido. Argumenta que há direções concorrentes: de um lado o discurso de nutricionistas e de órgãos oficiais do governo sobre o que consiste a dieta nutricional. as razões práticas e econômicas se relacionam ao fato de que alimentos representam o trabalho e despesas do dia-a-dia. Nas vidas das pessoas a comida faz parte das complexidades da vida cotidiana. gosto culinário e tecnologia disponível (GRIFFITHS. a comida é dependente dos recursos disponíveis e está incorporada nas inúmeras rotinas diárias do ser humano. O alimento é. p. como e com que freqüência. tenham se fascinado pela ampla gama de comportamentos centrados na comida. Também não se espanta que os antropólogos. A produção de alimentos na sociedade ocidental contemporânea é caracterizada pela crescente complexidade e aumento da cadeia de alimentos. um marco da identidade – nacional. assim. apoio familiar. No entanto. 08 N. com grande participação da indústria e ciências no fornecimento de alimentos comparado com o passado (HOUGHTON et al.não é de surpreender. individual. p.. portanto.545). onde. simbólicas e relacionais que estão em jogo.. A razão relacional se refere ao fato de que na vida diária as refeições são uma forma de encontro com as pessoas. cultural. 02 (2010) p. (1995. Quadro 1 . Fonte: Curtice et al. afirma que é possível conhecer e entender as pessoas e sociedades por meio do que elas comem e bebem. O quadro 1 apresenta alguns fatores que podem afetar a mudança de dieta. quais são as barreiras percebidas de mudança. Outra direção é a encontrada em sociedades modernas que relaciona o gosto com a última novidade. O alimento é central nas relações sociais e na família.. p. Tanto as refeições como alimentos específicos carregam significados simbólicos. Segundo ele.. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. Preocupações do consumidor ligadas a alimentos e saúde são características de uma sociedade industrial moderna. o mundo está assistindo a grandes mudanças nos hábitos de consumo alimentar. dietas ligadas à saúde e abordagens com apelo de novidade coexistem com práticas nutricionais e crenças derivadas tanto da cultura culinária tradicional e de apelos da mídia de massa para as pessoas serem magras. Assim. Apoio social.

Para agravar este quadro. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. • • • . A seguir. tuberculose e diarréia. a maioria das crianças até 12 anos já tem mais de uma obturação. o custo de tratamento de doenças relacionadas ao sistema digestivo chega a mais de US$ 90 bilhões por ano. Já no Brasil. A diabetes traz diversas complicações para o indivíduo. Na Europa. entre 40% a 50% da população brasileira está acima do peso. Com as mudanças de hábito de vida. a maioria das causas de morte em todo mundo eram doenças como pneumonia. Segundo dados da OMS este número tende a ser duplicado até 2025. intolerância à lactose e hepatite. 2007). onde boa parte das mortes é causada por maus hábitos. As doenças mais comuns envolvendo a saúde bucal são: cáries. vícios com cigarro e alcoolismo. redução do fluxo salivar. doenças crônicas do fígado. doenças cardiovasculares. e 11% está obesa. 2009). inflamação intestinal. câncer de mama e cólon. agravando o quadro clínico como: doenças cardíacas. As estimativas é que em 2025 a maioria das pessoas com diabetes terá mais de 65 anos.40-56 43 3. por exemplo: diabetes tipo 2. Atualmente. no entanto. provocando mais de 125 mil óbitos todo ano incluindo mortes por câncer neste sistema. Até o século passado. hemorróidas. por exemplo. O mundo tem convivido com diferentes doenças que atualmente são causadas principalmente por: excesso de trabalho. Os tratamentos desse tipo de doença chegam a custar ao governo americano 8% dos gastos com saúde pública. não está sendo acompanhada por um aumento similar na expectativa de saúde da vida. Neste novo cenário. Doenças intestinais: Nos EUA. AIDS e até suicídio (OMS. 2007). pressão sanguínea alta. serão abordadas algumas destas grandes epidemias mundiais e seus impactos (OMS. tornou-se fundamental a necessidade de investimento na qualidade da alimentação funcional para proporcionar uma melhor qualidade de vida e conseqüentemente um melhor envelhecimento à população. infecções e câncer oral. AVC. falta da prática de atividades físicas. constipação. etc. A diabetes tipo 2 é a mais comum delas. As doenças mais comuns são: diverticulite. câncer. impotência e deficiência visual. Esse aumento de vida da população. essas doenças deixaram de ser as grandes causas de morte neste último século sendo substituídas por doenças cardíacas. minimizando os problemas de saúde. • Obesidade: Hoje há mais de 300 milhões de obesos no mundo segundo a OMS. falência renal. AS GRANDES EPIDEMIAS MUNDIAIS O crescente interesse da indústria pelos alimentos funcionais tem uma razão ligada diretamente às atuais necessidades em combater os problemas de saúde vividos pela população mundial. Diabetes: Atualmente há mais de 150 milhões de diabéticos em todo o mundo. Os EUA são o país com maior número de obesos em todo o mundo tem cerca de 40 milhões de pessoas obesas e 3 milhões de obesos mórbidos. Os gastos em serviços dentários nos EUA chegam a US$ 60 bilhões por ano. entre outras. má alimentação. Isso tem levado a consequências como enormes gastos com saúde pública. melhoria do saneamento básico e maior acesso da população aos medicamentos. 02 (2010) p. uma pessoa obesa desenvolve uma série de outras doenças em conseqüência do excesso de peso. o crescimento da população que desenvolve essa doença cresce a cada ano. falta de tempo para atividades extras.IKEDA. 08 N. doenças periodontais. O declínio das taxas de nascimento e aumento da expectativa de vida em várias partes do mundo tem levado a um envelhecimento na população global (STANNER. Saúde bucal: A questão da saúde dental e oral é considerada uma epidemia silenciosa.

Nesse cenário de grandes epidemias mundiais surgem as grandes tendências do mercado de alimentos que serão apresentadas a seguir. a Europa respondeu por cerca de 40% de todos os lançamentos do mundo. derrame e arritmia. • O Instituto Health Focus Group (2007) realizou um grande estudo para entender o consumidor de alimentos saudáveis.. Nessa pesquisa identificou as maiores preocupações relativas à saúde e suas implicações. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. o stress atinge hoje milhares de pessoas em todo o mundo principalmente nos grandes centros urbanos.1 Tendências Segundo a Mintel Em maio de 2007. O fim das dietas da moda.4 milhões de pessoas morrem todo o ano vítimas dessas doenças. Só nos EUA. 4. Para isso a empresa pesquisou em banco de dados global que monitora o lançamento de novos produtos. colesterol alto. Produtos anti-oxidantes. pressão alta. angina. segundo a Mintel são: • • • • • • • Omega-3 para saúde mental e do coração.40-56 • Doenças cardiovasculares: As doenças cardiovasculares são responsáveis por um terço das mortes em todo o mundo e a causa número um no mundo ocidental.” algum ingrediente nocivo. suas motivações e hábitos de consumo. Funcionalidade do ponto de vista de produtos e embalagem para idosos. 4. apresentando um crescimento no número de lançamentos de 26% de 2004 para 2006. Ásia e América Latina também apresentam crescimentos significativos no mesmo período enquanto a América do Norte apresenta um pequeno recuo no número de novos produtos lançados anualmente. Doenças do sistema nervoso: Considerado o mal do século. As principais doenças são: arteriosclerose. A primeira constatação foi que o lançamento de novos produtos vem se intensificando ano após ano em quase todas as regiões do mundo. Produtos que “não contém. .. Amazônia – produtos e “super-alimentos” do Brasil e Floresta. a empresa Mintel realizou em São Paulo um seminário cujo objetivo era mostrar as principais tendências do mercado de alimentos e bebidas para os próximos anos. a maior preocupação da população é com a questão relativa a doenças cardiovasculares (73% dos entrevistados). No mundo dos executivos. TENDÊNCIAS DO MERCADO DE ALIMENTOS Para levantar as principais tendências do mercado de alimentos foram levantadas informações a partir de uma empresa global de pesquisa de mercado especializada em monitoramento de lançamentos de novos produtos (Mintel) e artigos publicados em periódicos especializados no mercado de Alimentos (Retail Merchandiser. De 2004 a 2006. cerca de 60% deles estão com algum nível de stress preocupante. 1. Outra doença que tem crescido rapidamente é a depressão e vem atingindo principalmente as mulheres de idade madura. Just-Food e Food Management). As seguintes 10 grandes tendências globais.44 IKEDA. ataque acardíaco. 02 (2010) p. Produtos amigos do meio ambiente. No Brasil. 08 N.

o consumo de leite orgânico cresceu 25% enquanto que o de leite comum cresceu 10%. águas engarrafadas e bebidas para atletas. bem como produtos que simplificam tarefas rotineiras geralmente relacionadas ao preparo de uma refeição. os segmentos que prometem crescimentos mais acelerados no futuro são os produtos orgânicos. Além disso. 02 (2010) p. ao analisar as 10 categorias de alimentos que mais cresceram em 2006. os consumidores estão mudando suas prioridades do simples controle de peso para uma visão mais ampla de cuidados com a saúde. os com benefícios funcionais específicos. Esse aumento tem sido causado principalmente pelos chás “prontos-para-beber”. Para a Retail Merchandiser (2007) pode-se esperar as seguintes tendências para os próximos anos: • • • Alimentos e bebidas funcionais: mercado estimado em US$36 bilhões nos EUA em 2006 e projetado em US$60 bilhões em 2009. A conscientização social e ambiental direciona o foco dos fabricantes para produtos socialmente responsáveis. Do ponto de vista prático. 4. De fato. Tecnologias que aumentam a funcionalidade dos produtos.IKEDA. Segundo a Retail Merchandiser. Dentro do conceito “bom-para-você”. Contudo.2 Tendências segundo a Retail Merchandiser Conforme a Retail Merchandiser (2007). embalagens “amigas do meio ambiente”. ainda existe potencial de crescimento significativo para produtos com baixa caloria e pouca gordura dentro das categorias naturalmente mais indulgentes como salgadinhos e sobremesas. 08 N.40-56 45 • • • Produtos para adolescentes. . onde os produtos light são relativamente pouco explorados. Conveniência foi a grande força motriz que impulsionou a inovação nesse mercado. Isso fez com que o os produtos light dessem lugar aos produtos orgânicos e funcionais que apresentam taxas aceleradas de crescimento nos últimos anos. bem estar e conveniência foram os mais freqüentes. o mercado de orgânicos nos Estados Unidos dobrou de tamanho de 2001 a 2006. Embalagens que deixam a vida do consumidor mais fácil. os produtos posicionados com apelos de saudabilidade. os produtos light diminuíram sua taxa de crescimento. O envelhecimento da população impulsiona a demanda por produtos com funcionalidades específicas que ajudam a prevenir ou diminuir problemas relacionados à idade. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. As vendas de produtos naturais e orgânicos têm crescido significativamente nos últimos anos e espera-se crescimentos anuais de dois dígitos até o final da década. em 2006. essa conveniência foi traduzida em produtos prontos para serem consumidos em trânsito (“on the go”) tais com iogurtes e águas engarrafadas. Apesar da preocupação generalizada com a obesidade. os que oferecem nutrição conveniente e os saudáveis para crianças.

São elas: • • • • • • • Conveniência.. O cerne dessa apresentação foi uma lista do que Vierhile considerou as 5 megatendências em alimentos para os próximos anos.. Outras tendências citadas podem ser consideradas subtendências ou especializações. um serviço fornecido pela empresa de pesquisa Datamonitor. 02 (2010) p. é possível identificar como as principais e mais abrangentes: (i) Conveniência.3 Tendências segundo a Just Food Numa série de artigos publicados no periódico inglês Just Food. 08 N.. Dessa forma. Influência étnica.. Mintel Publications (2007) e Retail Merchandiser (2006) . Alimentos customizados.”. a autora Helen Lewis (2007) afirma que existem 7 grandes tendências que vão direcionar o mercado de alimentos no mundo nos próximos 5 anos. o jornalista Mike Buzalka (2006) utilizou informações de uma apresentação realizada por Tom Veirhile. no entanto. 4.46 IKEDA. é possível construir o seguinte agrupamento (Quadro2) que mostra cada tendência e as respectivas derivações ou subtendências.. Bem Estar. Conveniência. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. Quadro 2 – Tendências e subtendências em alimentos Saudabilidade Reforçadas com.. Diretor Executivo do Produscan Online. Sem aditivos/conservantes Fortificados com vitaminas Integrais Funcionais Conveniência Para microondas “on the go” Prontos para comer Prontos para aquecer Só adicione água Indulgência Personalizados Extra sabor Extra textura Extra refrescante Autenticidade Fonte: Adaptado de Lewis (2007a. as quatro diferentes fontes vislumbram as tendências para alimentos de formas diferentes. Indulgência. 100% naturais Orgânicos Não contém. Alimentos que “não contém.. (iii) Indulgência. São Elas: • • • • • Saudabilidade. Autenticidade Conforme observado. Gorduras boas versus gorduras más. (ii) Saudabilidade e.. Premium / Indulgência.4 Tendências em Alimentos Segundo a Food Management Num artigo publicado no periódico inglês Food Management...40-56 4. Com baixo teor de. Saudabilidade.2007b).

quando o governo japonês iniciou um programa de redução de custos de seguro saúde e medicamentos. 5. 08 N. evolução. prevenção ou tratamento de alguma doença ou disfunção. 2000). 2010) considera como alimento funcional “O alimento ou ingrediente que alegar propriedades funcionais ou de saúde pode. 533) afirmam que não há uma definição firme e concordante de alimentos funcionais. há espaço para combinar pelo menos duas das grandes tendências num só produto. As principais conclusões são: • Existem 3 tendências principais que influenciam e provavelmente ainda continuarão influenciando o mercado nos próximos anos: conveniência. Outras tendências citadas são derivações específicas. de 30 de Abril de 1999. Assim. OS ALIMENTOS FUNCIONAIS Nesta seção são mostrados aspectos relevantes e específicos a respeito de alimentos funcionais tais como: origem. foi implantado um programa chamado Foshu (Foods for Specified Health Use comida para uso específico de saúde). Heasman e Melletin (2001) apud Holm (2003.IKEDA. Dentre os principais benefícios gerados por esse tipo de produto. Entretanto.40-56 47 Os alimentos funcionais aparecem com uma subtendência localizada dentro da tendência saudabilidade. os alimentos funcionais prometem benefícios acima e além do valor nutricional básico. para Maynard e Franklin (2003). cumprindo funções específicas no organismo. tendências. pelas Resoluções 18 e 19. artigos publicados em periódicos especializados em alimentos. Tais substâncias têm um efeito definido no bem estar físico. No Brasil. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. o mercado e outras considerações. Do ponto de vista de desenvolvimento de novos produtos.1 Origens e evolução O termo alimento funcional surgiu no Japão por volta de 1980. além de funções nutricionais básicas. Assim. sendo que até agora a subcategoria de funcionais para melhoria do funcionamento intestinal foi a mais explorada. Por exemplo. 02 (2010) p. do estado geral de saúde e retardamento do processo de envelhecimento orgânico (BUTTRISS. onde eram avaliados alimentos que trariam benefícios comprovados à saúde da população. Para Molly (1995) alimentos funcionais é um termo amplo usado para descrever qualquer substância consumida como alimento para auxiliar a prevenção de doenças ou melhorar a saúde. mental ou psicológico da pessoa. destacam-se: reforço dos mecanismos de defesa imunológicos. a partir da análise de dados de institutos de pesquisa internacionais. em especial voltada à população que estava se tornando mais velha e procurou incentivar qualquer metodologia que pudesse melhorar a perspectiva da saúde a longo prazo (BERRY. Os alimentos funcionais representam uma forte tendência. 2002). melhoria das condições físicas e mentais. quando se tratar de . A sub-categoria de “produtos para beleza” é relativamente pouco explorada em alimentos funcionais e se apresenta como uma das maiores oportunidades em termos de inovação em alimentos para o futuro. • • • • 5. saudabilidade e indulgência. p. a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA. combinar saudabilidade com conveniência e/ou saudabilidade com indulgência. identificam-se vários pontos de vista a respeito das tendências que influenciarão o mercado de alimentos nos próximos anos.

por exemplo. Desde os anos 30. vitaminas. pílulas e outras formas que não são tradicionalmente relacionados a alimentos) a produtos funcionais. A pesquisa e desenvolvimento. Para Blades (2000) os alimentos funcionais devem permanecer alimento ou bebida e não pílulas ou cápsulas.40-56 nutriente. Esses ingredientes vinham através de cápsulas a serem ingeridas durante o dia. Figura 1 – Evolução do mercado de alimentos Suplementação Fortificação Funcionalidade 1950 . p. quanto por parte dos consumidores que querem melhorar seus hábitos alimentares. Atualmente. Rodgers (2004. a partir dos anos 50 começaram a surgir com maior força a alimentação através de suplementos alimentares com o objetivo de complementar a necessidade diária de ingredientes que o organismo humano necessita. a japonesa Yakult comercializa a bebida láctea que se tornou sinônimo da empresa e que contém bactérias vivas para estimular e regular o funcionamento do intestino. tomando espaço dos produtos tradicionais e com perspectivas de crescimento muito altas. . há uma variação de produtos relacionados à saúde incluindo os nutracêuticos (produzidos a partir de alimentos. 150). pode-se observar pela Figura 1 a evolução do mercado de alimentos nas últimas décadas. Isso é observado nos investimentos crescentes das empresas nesses produtos. não são exatamente novidade. mas vendidos em pó. 02 (2010) p. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. Argumenta que à parte da medicina tradicional. 08 N.1995 1995 Deficiência Saúde melhorada Redução ou minimização de risco de doenças Fonte: Os Autores Como mostra a Figura 1. entretanto. de acordo com a necessidade recomendada. As grandes multinacionais do setor parecem perceber o grande potencial de consumidores dispostos a consumir e pagar mais por esse tipo de alimento. tanto no sentido técnico quanto em processos. A seguir.1980 1980 . mostra os produtos relacionados à saúde (Figura 2). produzir efeitos metabólicos e ou fisiológicos e ou benéficos à saúde devendo ser seguro para consumo sem supervisão médica” Esses produtos alimentícios com efeitos positivos na saúde. porém requer a colaboração de muitas disciplinas incluindo os campos de alta tecnologia o que ainda os colocam fora de alcance das pequenas empresas (RODGERS. À medida que a tecnologia das indústrias de ingredientes e suplementos alimentares e indústrias de alimentos evoluíram. houve nos anos 80 houve um boom na produção de alimentos com alguma fortificação. O que ocorre atualmente é que esses novos produtos estão deixando os nichos e se transformando em novas oportunidades no mercado de alimentos. minerais ou outras substâncias adicionadas. Este movimento acontece de maneira simultânea em duas frentes: tanto por parte das indústrias que querem adicionar valor e diferenciar os seus produtos.48 IKEDA. fortificados com ingredientes chamados de funcionais que ajudam a reduzir ou minimizar o risco de doenças. 2004). está acontecendo uma mudança na maneira de consumir alimentos no dia a dia.

2 O mercado de alimentos funcionais A Euromonitor (2007) estima que em 2005. existem cinco segmentos de mercado onde pode-se encontrar alimentos funcionais: bebidas. Atualmente. produtos a base de soja que ajudam a prevenir osteoporose. como também grandes multinacionais do mercado de alimentos e cosméticos. Quadro 3 – Número de lançamentos de alimentos funcionais por funcionalidade Funcionalidade Benefício de beleza Saúde dos ossos Sistema nervoso Cardiovascular Digestivo Sistema imunológico Outros TOTAL 2002 7 7 22 56 66 38 346 542 2003 6 7 14 74 70 39 364 574 2004 9 15 20 103 134 70 605 956 2005 14 16 62 154 269 89 518 1122 2006 28 48 66 247 674 116 540 1719 Fonte: Mintel International Group (2007) O crescimento e o desenvolvimento do mercado de alimentos funcionais. No Brasil. 5. 2007): • • Um mercado relativamente jovem. p. O Quadro 3 mostra a quantidade de lançamentos de alimentos funcionais por funcionalidade. ZABINDEN. pães que reduzem triglicérides e combatem a osteoporose. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. . produtos lácteos. estes novos produtos responderam por pelo menos US$ 600 milhões nesse mesmo ano e o conjunto deles já chega a representar 15% do total do mercado de alimentos. O conjunto de alimentos diet & light e funcionais representa cerca de 6% da produção nacional da indústria de alimentação. com alto potencial de crescimento e diversificação. 08 N. No Brasil.IKEDA. 150). fazendo parte da alimentação diária. produtos de confeitaria. A constante manutenção da imagem de segurança e alta qualidade dos produtos. o mercado mundial de alimentos funcionais movimentou cerca de US$ 60 bilhões na Europa. produtos de panificação e cereais matinais. Isso mostra que já há atualmente uma grande base de consumidores dispostos a consumir com maior freqüência esses produtos. água com substâncias que induzem o auto bronzeamento. Esse aumento na quantidade de lançamentos se dá porque indústrias desse segmento têm se movimentado rapidamente nesse sentido.40-56 Figura 2 – Tipos de produtos relacionados à saúde 49 Alimentos Refeições Funcionais Alimentos Funcionais Suplementos de dieta Nutracêuticos Medicina Complexidade/preço Fonte: Rodgers (2004. já estão registrados cerca de 130 alimentos dessa categoria. iogurtes e bebidas que auxilia o funcionamento do intestino. chocolates para a redução do colesterol. composto por consumidores mais exigentes e informados. Estados Unidos e Ásia. MESQUITA. 02 (2010) p. apresentam as seguintes características (MORAES. Hoje já é possível encontrar uma diversidade de alimentos funcionais: margarinas e leites que diminuem o colesterol e protegem contra problemas cardíacos.

Buscam nesses alimentos um auxílio para o controle de um problema existente. também crescente. Por exemplo. (ii) custos de tratamento de saúde oscilantes associados com doenças crônicas advindas do envelhecimento. Para garantir esta comunicação eficaz é preciso ser direto e objetivo com relação ao benefício. Já com relação aos consumidores de hoje. Sarkar (2007. 1994). p. assegurar melhor saúde no futuro. A necessidade de apoio científico. 08 N. mostrando através de maneira clara a eficácia do produto através de pesquisas realizadas com o mesmo. Sarkar (2007. p. Regulamentação. (ix) evidências científicas nos benefícios de saúde de certos ingredientes. legislação e descobertas científicas. que prove os benefícios alegados. Ou seja. estes estão buscando cada vez mais o autoconhecimento. estes produtos devem vir sempre com uma comunicação e proposta clara para que os consumidores saibam corretamente o que estão comprando. Querem alimentos para suas necessidades específicas. Apesar de dirigirem suas forças para uma alimentação saudável e funcional.se bem. (iv) mudanças nos regulamentos realcionados aos alimentos. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. (v) . A constante manutenção da imagem de segurança e alta qualidade dos produtos. um alimento antes de tudo tem que ser gostoso e prazeroso. (vi) desenvolvimento de novas descobertas científicas em alimentos e/ou componentes alimentares para otimizar a saúde. (iv) melhorar o gerenciamento de perda de peso. tem total conhecimento sobre estes problemas. 62) complementa afirmando que se nota uma inclinação em direção aos alimentos funcionais e os fatores responsáveis pela consciência do consumidor são principalmente: (i) adultos conscientes da saúde e movimentos com cuidado próprio. Trata-se de um perfil de consumidor bem informado. em um mercado. informação de produtos para direcionar a uma alimentação adequada e ações preventivas para uma melhor qualidade de vida. com idade madura. Milner (2000) aponta que o aumento de interesse em alimentos funcionais está relacionado aos custos de tratamento de saúde. os alimentos funcionais são formulados para melhorar o raciocínio ou desempenho atlético. de alimentos funcionais produzidos em sistemas agro ecológicos. Pode-se classificar os consumidores segundo suas motivações de consumo como mostra a Figura 3 a seguir: São sete grandes motivações que levam a consumir alimentos funcionais. do órgão de legislação e do consumidor. com porções individuais. (vii) novas tecnologias em processamento de alimentos. sabor ainda é o grande motivador de compra. (ii) melhorar a saúde em geral. (iii) melhorar a memória.40-56 • • • A necessidade de uma comunicação eficiente e honesta com o consumidor. 16.50 IKEDA. Eles ainda sentem falta de um alimento saudável que seja gostoso. justificando o preço diferenciado destes produtos. sentir-se bem e parecer. p. 02 (2010) p. e (x) procura por novas oportunidades para adicionar valor a produtos existentes e para aumentar os lucros. melhorar a saúde diariamente. (viii) mudanças nas demandas do consumidor e nas atitudes sociais. segura e eticamente correta. 163) complementa lembrando que o consumo de alimentos funcionais pode (i) reduzir o risco cardiovascular. alteração de humor. Cada um tem uma necessidade e ingredientes que precisam ser consumido. cada uma com razões específicas. ou mesmo melhorar o desejo sexual (WOLF. que foi ou está sendo afetado por algum problema de saúde. energia para o dia a dia. (v) oportunidade de marketing. Tudo isso acaba implicando em mudanças nos hábitos de vida e consumo desse público. ajudarão a construir a confiança de consumidores e produtores em uma cadeia de alimentos mais saudável. varejo e distribuição. (iii) avanços da tecnologia particularmente genômicos nutricionais. A constante preocupação com os fatores mencionados deve ser motivação para uma crescente confiança do governo. controle e comunicação baseados em um alto padrão de pesquisa científica. prevenção contra o câncer. Por isso.

redução da pressão arterial.(vi) reduzir a osteoporose. (ix). corpo e espírito Crescimento e desenvolvimento contínuo Aparência e controle do peso Sentir-se bem Simplicidade Redução de riscos Comprometimento da melhora Saúde geral Qualidade de vida Auto estima Curtição Pureza Fonte: MORAES. 2007 5. melhorar a saúde do feto.IKEDA.3 As tendências em alimentos funcionais Pode-se dividir o mercado de alimentos funcionais em 6 segmentos de acordo com sua funcionalidade específica apresentada. (viii) reduzir o tempo de reação. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. MESQUITA. 08 N. como mostra a Figura 4. ZEBINDEN. (vii) melhorar a saúde mental. . 02 (2010) p.40-56 51 reduzir o risco de doenças em geral. a seguir: Figura 4 – Segmentos do mercado de alimentos funcionais por funcionalidade Alimentos Funcionais Saúde do coração Saúde do sistema digestivo Saúde do sistema nervoso Saúde da pele Saúde do sistema muscular esquelético Controle do peso Fonte: Adaptado de Health Focus Group (2006) • Saúde do coração: Neste segmento estão todos os alimentos que contêm ingredientes que de alguma maneira colaboram para a melhoria do sistema cardiovascular como redução do colesterol. diminuição do risco de infarto do miocárdio entre outras. Figura 3 – Principais motivações de compra de alimentos funcionais Nutrição funcional Prevenção Desempenho Bem estar Crescimento Cosmético Prazer Natural Gerenciamento da saúde Melhora da saúde Equilíbrio da mente.

Quando estes chegam ao intestino acabam funcionando como alimentos para as bactérias boa que habitam no órgão. 216) Faith Popcorn (2002). têm sido desenvolvidos alimentos com a finalidade principal de melhorar e regular o funcionamento digestivo. Para isso são usados ingredientes chamados de pré-bióticos e pro-bióticos. chegando até o intestino e promovendo o mesmo benefício. p. é um equívoco pensar que os produtos funcionais possuem as mesmas . 5. • • • • Gray. 08 N. apesar das semelhanças. Quadro 4 .40-56 • Saúde do sistema digestivo: Atualmente. Saúde da pele: Este é um segmento que apresenta o maior número de divisões.ambas consomem muito tempo e grandes investimentos. Cyracos. Controle do peso: Os alimentos para controle do peso apresentam características de reduzir a absorção de certas substâncias principalmente gordura e promover a aceleração do metabolismo aumentando a queima de calorias.Tendências que estimulam a demanda de alimentos funcionais Tendências do consumidor Envelhecimento da população Demanda por serviços de saúde Conscientização da relação dieta/saúde Pró-atividade em relação a saúde Implicações Aumento da expectativa de vida Aumento do peso econômico Aumento da demanda por alimentos mais saudáveis. a analista de tendências afirma que as pessoas ficam nervosas com muitos fármacos e que os alimentos inspiram mais confiança. sempre encanta às pessoas saberem que um alimento que sempre lhes agradou consumir também é bom para sua saúde e os alimentos funcionais cumprem bem esse papel. os maiores benefícios apresentados no mercado alimentício têm sido para reduzir o stress. Em sua opinião. aumentando a quantidade desses seres-vivos e promovendo o bom funcionamento do intestino. Foram descobertas diferentes substâncias que ingeridas podem gerar os seguintes benefícios: (i) ajudar a prevenir os sinais da idade retardando o aparecimento de rugas. (v) barreira contra doenças. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. 02 (2010) p. Os pré-bióticos geralmente são fibras e carboidratos que não são digeridos pelo nosso organismo. (iv) melhoria da estrutura.52 IKEDA. ARMSTRONG e FARLEY (2003. elasticidade e hidratação. (iii) regulação imune. Saúde do sistema muscular e esquelético: Os alimentos deste segmento apresentam funcionalidades de regeneração e desenvolvimento muscular e manutenção de ossos e juntas (tendões). Aumento de interesse em produtos que podem reduzir os sintomas de envelhecimento Aumento da demanda por produtos que previnem doenças Fonte: GRAY. são as bactérias vivas que durante o processo de digestão não são mortas. Já os pro-bióticos. bem estar e estimular a atividade cerebral através de ingredientes como Lactium. (ii)proteção contra a radiação UV. Saúde do sistema nervoso: Quando se trata de sistema nervoso. Armstrong e Farley (2003) apontam as principais tendências que estimulam a demanda de alimentos funcionais e suas implicações (Quadro 4). Entretanto.4 Principais considerações sobre os alimentos funcionais Pesquisas realizadas pelas indústrias alimentícias para lançar um alimento funcional guardam semelhanças com as dos laboratórios farmacêuticos na busca por novos medicamentos . Sunteanine e Cafeína.

MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. Scholderer. conveniência e preço apropriado. Deve também propiciar sabor. indústrias de ingredientes e também indústrias de cosméticos para unir os conhecimentos para o desenvolvimento destes novos produtos tornando o processo mais rápido e economizando nos custos envolvidos em pessoas. Regulamentação mais clara por parte do governo. Diminuição ou eliminação da confusão sobre o que realmente constitui um alimento funcional. (ii) o benefício de saúde tem de ser bem comunicado. Associar funcionalidade com prazer. O desenvolvimento de um novo produto envolve profissionais e cientistas de diversas áreas aplicando metodologias e testes para que sejam comprovados clinicamente os efeitos das substâncias testadas aplicadas nos alimentos. Além disso. 6. mas por si só não é garantia de sucesso. 08 N. Identificar o melhor balanço dos recursos a serem investidos: interno e externo (terceirizar para parceiros). Grandes indústrias de alimentos têm feito parcerias com laboratórios farmacêuticos. as autoridades necessitam regulamentar as alegações dos produtos específicos e que devem ser satisfeitas1 e talvez combinar com informações reativas à dieta. A saúde é um fator fundamental que determina a qualidade de recursos humanos de um país. Para ele.mas não fazem milagres.40-56 53 capacidades curativas de um remédio ou que podem substituir um tratamento médico. 02 (2010) p. Sem tais recursos um país não tem chances de . seja através de apelos de saúde facilmente compreensíveis ou pelo uso de um ingrediente ativo que seja prontamente entendido como o cálcio. (iii) o produto deve ser competitivo em todas as plataformas e não somente realçar os benefícios de saúde. principalmente em relação aos reclames de saúde atribuídos ao produto nos anúncios. devem ajudar a promover: • • • Mudanças das atitudes do consumidor determinarão sua longevidade ou permanência como bem de consumo. Benkouider (2003) aponta as principais forças necessárias para o sucesso dos alimentos funcionais: (i) o benefício tem que atingir o mercado de massa e endereçar questões gerais de bem estar.IKEDA. e isso deve ser levado em consideração como parte das atividades de disseminação da informação. Lambert (2003) lembram que qualquer alimento funcional será apenas um componente do que constitui uma dieta saudável. os departamentos de marketing em conjunto com o departamento de pesquisa e desenvolvimento têm os seguintes desafios para desenvolver e lançar um novo produto funcional: • • • Diferenciar via formulação (Funcionalidade técnica e nutricional de ingredientes/custo adequado). testes e pesquisas que devem ser realizadas. Considerando esse contexto. Eles são eficientes na prevenção de determinados males ou quando usados por pessoas com leves disfunções . Holm (2003) ressalta que tanto os produtores e varejistas de alimentos terão um importante papel a desempenhar na tentativa de equilibrar a comercialização dos alimentos funcionais com os esforços para promover dietas de saúde. CONCLUSÃO A experiência de países desenvolvidos sugere que vale a pena passar por etapas para desenvolver produtos o mercado de saúde. A funcionalidade pode permitir altas margens. Frewer.

n. 2000. Como a maioria das fontes é estrangeira. Euromonitor International.euromonitor. 02 (2010) p. 2. 30. 2003. p. 639-640. portanto. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. pois a pirâmide etária está paulatinamente se invertendo com uma massa de pessoas mais idosas e menos jovens. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. QJM: An International Journal of Medicine. À medida que as pessoas ficam mais preocupadas com o que ingerem. Mabel. pode haver algum viés ao aplicar essas conclusões diretamente no Brasil. informações educativas por meio de comunicação eficaz e que sejam facilmente acessíveis nas prateleiras.54 IKEDA. p. Biologic.br/ >. 7. n.com/articles. Colin.anvisa. E se os consumidores não conseguem perceber os benefícios as empresas e organizações precisam mostrar a eles. as conclusões aqui apresentadas não podem ser generalizadas. Nutrition & Food Science. 08 N. 8.40-56 desfrutar dos benefícios de um rápido crescimento (RUDAWSKA. apesar de se encontrar indícios muito fortes. recomenda-se sua continuação através das seguintes sugestões para pesquisas futuras: (i) quantificação do potencial de mercado no Brasil para alimentos funcionais e suas subcategorias. Functional foods or nutraceuticals. v. .aspx?folder=Functional_foo_fad_or_future&print=tru e>. 2006. existe uma grande oportunidade para os fabricantes de produtos voltados para alimentos funcionais para grupos de consumo específicos cujas necessidades sejam identificadas. Assim. Somente o desenvolvimento de alimentos funcionais por si só não são suficientes para sua adoção. Acesso em 17 de março de 2010. 95. BUZALKA. Disponível em: < http://portal. Hot Products 2006. n. (ii) comportamento do consumidor e sua influência no desenvolvimento do mercado de alimentos funcionais no Brasil. REFERÊNCIAS ANVISA. Torna-se relevante lembrar a famosa frase de Lévi-Strauss (1991) “somos o que comemos”. Food Management. Sep. Mike. BLADES.gov. 73-75. LIMITAÇÕES DO TRABALHO Este trabalho tem um caráter exploratório e foi baseada na literatura e observações de especialistas do mercado de alimentos funcionais. Foram utilizadas pesquisas de dados secundários para avaliar os aspectos citados nesse trabalho. que tem que vir acompanhado de preços acessíveis. 41. RECOMENDAÇÕES DE PESQUISAS FUTURAS Em função das limitações deste trabalho intrínsecas ao seu objetivo e metodologia. 2001). Os alimentos funcionais podem ajudar a prevenção de doenças ou mesmo retardá-las com uma vida mais saudável. Christiana. 9. Functional food – fad or future? 17 Dec. 28-31. O Brasil pode se servir do exemplo do Japão com relação aos alimentos funcionais. Disponível em: <http://www. Acesso em 27 de agosto de 2007. Alegações de propriedade funcional aprovadas. BENKOUINDER. 1. Functional foods. p. v. Jan. v. 2002. elas se também se interessam por empresas que vendem e preparam os alimentos consumidos. BERRY.

39-40. p. 1. RINGOLD. Ray A. n. p. p. 105. Journal of Agricultural and Environmental Ethics. Health. Mai/2006. CASOTTI. 2000. Sharon T. Management Development Review. Acesso em 05 março de 2007a. 2003. 2.. M. 7. 2004. SCHOLDERER. p. Lynn. British Food Journal. Food health policies and ethics: lay perspectives on functional foods. The Functional Food Revolution. aesthetics and health in food consumption: an exploratory study in Brazil.com/Portal/Statistics. Anusree. 16-27. Linda. GOLDBERG.. v. KNOOP. v. Risk & Society. 20. HOUGHTON. 1991. 25. Letícia. LYNN J. Journal of Marketing Management. 7. p. KLEEF. 531-544. 08 N. Consumer perceptions of the effectiveness of food risk management practices: a cross-cultural study.euromonitor. Acesso em 20 junho de 2007b. n. GRAY. 5/6. HEASMAN.umi. 8. 33. Bromsgroove. p. 2. n. FREWER. 2000.. MAYNARD. v. Disponível em <http://proquest. Ellen Van. v. 1. Can Consumers Interpret Nutrition Information in the Presence of a Health Claim? A Laboratory Investigation. v.com/pqdweb>. Ann. Heather. n. J. 1995. 1. 5. Just-Food. 20-23. v. McKIE. LEWIS. HONISS. Review of Agricultural Economics.IKEDA. Nigel. n. 1654-1659. Laure Mougeot. MILNER. MELLETIN. 2003. Opportunities and constraints in the functional food market. GRIFFITHS. FREWER. STITTI. LÉVI-STRAUSS.focushealthgroup. Nutrition & Food Science. J. 2000. Harvard Business School Cases. Services. Considering research. Consumer acceptance of functional foods: issues for the future. Gene. 165-183. JACK. JustFood. MITRA. v. 16. 376p.>. Bromsgroove.umi. 714-731. 1-15. FORD. practice and policy issues. Spring 1996. LANDMAN.com/pqdweb. Promise of Functional Foods. p. v. Debra Jones. 97.40-56 55 BUTTRISS. O Cru e o Cozido. EUROMONITOR.com>. p. Disponível em < www. STROOCK. A. Mai/2007. 213-218. 2007. Francis. FRANKLIN. Bulletin. J. Gillian. Functional Foods as a Value-Added Strategy: The Commercial Potential of “Cancer-Fighting” Dairy Products. 10. The ‘magnificant seven’ food trends to 2012: Management Briefing. Julie R. n. 2001. Is Britain ready for foshu? Nutritional. n.. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. p. p. Claude. Sean. v. HOLM. LAMBERT. p. Uncertainty and Change in the food sector. p. Acesso em de agosto de 2007. n. Jennifer. The ‘magnificant seven’ food trends to 2013: Management Briefing. 59 -161. Fall/Winter2003. healthy profits? Sterling: Earthscan Publication Ltd. ARMSTRONG. Lisa. v. 316-332. John.. n.aspx>. CURTICE. Helen. American Journal of Clinical Nutrition. Gary T. Journal of Public Policy & Marketing. Disponível em: <http://www. Functional foods: the US perspective. Dec. Lotte. British Food Journal. Acesso em 27 de agosto de 2007. Leigh J.15.portal. June 2006. Manoj. 2003. HEALTH FOCUS GROUP. Conflicts between pleasure. ROWE. Carin-Isabel. São Paulo: Brasiliense. ______. 1994. HASTAK. Disponível em <http://proquest. 02 (2010) p. . 545-557. FARLEY. Healthy people. Joachim. 4. v. 71. n. 25.

British Food Journal. 2001.56 IKEDA.gnpd. A. n. 37. 11. 4. OMS. 156p. 495-500. S. 2007. 2004. 56-60. May/Jun. Gustavo. Svetlana. Food Service Techonology. 149-158. v. Alison. v. 160-167. www. Christopher. Nutrition & Food Service. v. v. 38. S. MINTZ. 2006 in Review. 1994. n. out. Global new product trends and their impact on Latin America. n. Alimentos funcionais: o futuro do mercado de alimentos. Tim. n. 103. O Relatório Popcorn. RUDAWSKA. E. Comida e antropologia: uma breve revisão. São Paulo. v. Mariana. Faith. 7. ROE. 47. n. Conferência de Alimentos e Bebidas funcionais. 6/1/95. IQPC. 1567-1584. n. Disponível em: <http://www. p. Mar/2007. WILSON. p. Wordl Health Organization. A Taste of Tomorrow’s Food. v. 413p. mar. MBA Marketing T 21. n.. Brenda M. Healthy ageing: the role of nutrition. Functional foods as self-care and complementary medicine. v. 2002. 13. 2007. POPCORN. 4. 2009.Industries on a Collision Course. fev. 2007. New trends in food consumption in Poland versus Western countries. Value adding with functional meals. 239-242. 89-105. The Impact of Health Claims on Consumer Search and Product Evaluation Outcomes: Results from FDA Experimental Data. 31-43. 2007. July 2009. Brian. MORAES & MESQUISTA/ Revista P&D Engenharia de Produção V. . Nursing & Residential Care. 11. 105. The role of nutrition in maintaining good health in later life. 5. SELVANATHAN.com. v. 3. DERBY. RODGERS. Nursing & Residential Care. MESQUITA. Applied Economics. n. tobacco an beverages: a cross-country analysis. p. 10.xls>. STANNER. MOLLY. WOLF. S. Spence. The Futurist . v. 2001. n. 14. Organização Mundial da Saúde. p. Consumption patterns of food. Oct. Acesso em: 05 mar. MORAES. 16–20. São Paulo: Campus. 16. Fundação Instituto de Administração. p. LEVY. São Paulo. 12. 02 (2010) p. SHEPHERD. Seminário. n. RETAIL MERCHANDISER. Retail Merchandiser. 08 N. Alan S. New York. p. 2006. 2001. Revista Brasileira de Ciências Sociais. 28. WHO Statistical Information System (WHOSIS). 2007. ZEBINDEN.1. p. Trabalho de Conclusão de Curso. Disponível em http://proquest..umi. 44.com/pqdweb. 3. p. Alexandre. Sidney W. p. SARKAR. 2007 MINTEL PUBLICATIONS. Programa de Educação Continuada. SELVANATHAN. 18.40-56 MINTEL INTERNATIONAL GROUP. Spring 1999. n. v. What are functional foods? Restaurants & Institutions. Iga. Journal of Public Policy & Marketing.int/whosis/whostat/EN_WHS09_Tables. 7.who. Acesso em 17 de março de 2010. v. Food and Pharmaceuticals . p. Pharmaceutical Technology Europe.