You are on page 1of 7

Teoria da Produção Em função da lei da oferta, as empresas estão dispostas a produzir e vender maiores quantidades de um determinado bem, desde

que o seu preço seja alto. Portanto, esta situação gera uma curva de oferta com uma inclinação ascendente, pois devido ao alto valor agregado do produto as empresas estão dispostas a aumentar a produção. Para uma série de questões, o comportamento das empresas é bastante influenciado pela lei da oferta. No entanto, as decisões das empresas referentes a preços e quantidades produzidas dependem das condições peculiares de cada mercado. Independente do porte, todas as empresas incorrem em custos ao produzir seus bens e serviços. Os custos das empresas são determinantes para definição da escala de produção e determinação dos preços. Receita total, custo total e lucro De um modo geral, as empresas buscam a maximização do lucro. O montante que a empresa recebe pela venda de sua produção é denominado de receita total. O montante pago pelos insumos chama-se custo total. A diferença entre a receita total e o custo total define o lucro. Para maximizar o lucro é necessário conhecer de modo mais aprofundado como medir a receita e o custo total. De posse da produção da empresa, a receita total é prontamente disponível, multiplicando-se a produção pelo preço unitário do produto. A avaliação do custo total é mais sutil. O custo de alguma coisa é o que você desiste para obtê-la. Os custos podem ser explícitos (aqueles que exigem o desembolso de dinheiro) ou implícitos (aqueles que não exigem o desembolso de dinheiro). Um custo implícito importante é o custo de oportunidade do capital financeiro investido na atividade. O lucro econômico é a diferença entre receita total e custo total (tanto explícitos como implícitos). O lucro contábil é a receita total menos custo explícito total.

Figura 1. Comparação entre Lucro Econômico e Lucro Contábil.

1

Mudanças marginais descrevem pequenos ajustes incrementais a um plano de ação existente. Esta estratégia é fundamental para entender quantos trabalhadores contratar e sobre quanto produzir. quando o número eleva-se eles tem que compartilhar máquinas e equipamentos.) e quantidade produzida. energia consumida.. 2 . e a função produção se torna mais horizontal. matéria-prima.. O produto marginal decrescente ocorre porque quando há poucos trabalhadores eles têm fácil acesso a equipamentos. Observe que a função produção torna-se menos inclinada à medida que o número de trabalhadores aumenta o que reflete na diminuição do produto marginal. O produto marginal de qualquer insumo no processo de produção é o aumento de quantidade produzida que se obtém de uma unidade adicional do insumo em questão. Um tomador de decisões racional executa uma ação apenas se o benefício marginal da ação passar o custo marginal. A função produção mostra a relação entre o número de trabalhadores e a quantidade produzida. A inclinação da função produção indica o produto marginal. De forma que cada trabalhador contratado contribui menos com o aumento de produção. Figura 2..Função Produção A função produção é a relação entre quantidade de insumos (número de funcionários. Na Figura 2 é mostrado um gráfico típico da função produção. com o aumento do número de trabalhadores o produto marginal diminui.

quando a produção é muito elevada. Invertendo o raciocínio. Este comportamento ocorre porque o produto marginal é decrescente. Os custos totais consideram custos fixos e variáveis. Figura 3. Os custos variáveis se modificam em função da produção. por esta razão. de forma que cada trabalhador adicional acrescenta menos a produção. quando numa produção elevada a curva custo total apresenta uma inclinação íngreme. Custos Fixos e Variáveis Os custos que a empresa incorre mesmo que não produza nada são chamados de custos fixos. Uma produção elevada significa que a unidade apresenta um grande número de trabalhadores. tornando a curva produção horizontal. Na Figura 3 é uma típica representação da curva de custo total. Observe que a inclinação da curva do custo total aumenta com a quantidade produzida. A função custo total relaciona o custo total e a quantidade produzida. cada produto adicional requer muito trabalho e é bastante dispendioso.Curva Custo Total A curva de custo total apresenta a quantidade produzida no eixo horizontal e o custo total no eixo vertical. enquanto que a inclinação da função de produção diminui. 3 .

Na ocasião em que a produção é pequena. Quando a produção é baixa. o custo fixo médio é elevado. o valor encontrado é chamado de custo marginal. Para identificar o custo unitário de produção basta dividir o custo total pela quantidade produzida. custo variável médio (CVM). de forma que o custo variável médio é pequeno. custo fixo médio (CFM) e custo marginal (CMg). esta razão também é denominada como custo total médio. Custos em função a produção. 4 . o número de trabalhadores contratados é baixo.Custo médio e Marginal A diretoria da empresa deve decidir o quanto produzir. portanto para tomar esta decisão é necessário conhecer quanto irá aumentar os custos o acréscimo de produção. isso ocorre porque o produto marginal é decrescente. Figura 4. CMg ascendente em todo intervalo. desta forma. Os custos médios e marginais são úteis para analisar o comportamento das empresas. e se reduz com o aumento da produção. os custos fixos (investimento na compra de equipamentos) devem ser amortizados por um pequeno volume de produção. Para saber quanto custa aumentar o nível de produção é preciso considerar a derivada da curva custo total. o custo marginal aumenta com o aumenta da quantidade produzida. com aumento de produção os custos com insumos e mão de obra aumentam. No gráfico da Figura 4 é apresentada quatro tipos de custos: custo total médio (CTM). De acordo com a Figura 4.

mas depois as curvas se cruzam. O CMT é a soma do custo médio fixo (CMF) e custo médio variável (CMV). A escala de produção eficiente da empresa ocorre no ponto de mínimo da curva do CMT. Como pode ser visto na Figura 4. Em baixos níveis de produção. Como as parcelas que compõe o CMT variam em sentidos contrários. Sempre que o custo marginal for superior ao CMT. quanto a produção é alta. Esta situação é representada nos gráficos na Figura 5. Esta característica leva ao fato de que no ponto onde a curva de custo marginal cruza a curva de custo médio total. e o aumento no número de funcionários gera um pequeno custo marginal. Com aumento de produção o custo fixo diminui com a distribuição entre a produção de forma que CMF sempre se reduz com a elevação da produção. gerando linhas de produção. a curva do custo médio total apresenta um formato de U (um ponto de mínimo) com a produção. Curvas de Custos Típicas Nem sempre o custo marginal é ascendente em todos os níveis de produção. o ponto de interseção ocorre no ponto de mínimo do CMT. O CMV tende a aumentar com a produção por causa do produto marginal decrescente. o custo marginal cai imediatamente a contratação do primeiro funcionário. o custo marginal irá amentar com uma maior quantidade produzida. O segundo e terceiro funcionário podem formar uma equipe de trabalhadores e dividir as atividades aumentando a produtividade. sempre quando o custo marginal é menor do que o custo médio total. 5 .Para uma produção baixa os equipamentos podem estar ociosos. de forma que o custo total médio está em queda. o custo médio total aumentará para maiores produções. por esta razão. o acréscimo de um funcionário aumenta pouca a produção (pois os equipamentos devem ser compartilhados) de modo que o custo marginal é elevado. o CMT estará em queda com aumento da produção. CMg ascendente somente após determinado nível de produção. no entanto. Muito frequentemente. Custos em função a produção. A partir de um determinado nível de produção. o custo marginal é inferior ao custo médio. Figura 5. A curva do custo médio total (CMT) tem a forma de um U. o custo marginal aumenta mais do que o custo total médio. o CMT é mínimo.

Os pontos da escala eficiente da empresa no curto prazo forma a curva em U de longo prazo. sendo muito mais plana em comparação com a curva de curto prazo. Por exemplo. em curto prazo. quando se eleva é dito que ocorre deseconomia de escala. Economia e deseconomia de escala Quando a curva de custo total médio de longo prazo diminui com o aumento de produção pode-se dizer que economia em escala.Custos de Curto e Longo Prazos Os custos de uma empresa podem depender do horizonte de tempo considerado. pode ocorrer um aumento de CMT no curto prazo. mas em longo prazo pode-se alcançar a escala eficiente de produção. Quando uma empresa muda seu nível de produção. uma empresa em ampla expansão pode considerar que o custo de abertura de novas fábricas (e. este comportamento significa que as empresas têm flexibilidade maior no longo prazo. seja pela construção de mais unidades. ajusta o porte de sua fábrica à quantidade produzida. Em longo prazo as empresas podem escolher a curva de operação de curto prazo mais conveniente. por aquisição de equipamentos ou modificações no processo. somente pode-se operar com curvas que escolheram no passado. Custos total médio de curto e médio prazos. 6 . A região intermediária de patamar é chamada de retorno constante de escala. Figura 6. À medida que a empresa se move ao longo da curva de longo prazo. Na Figura 6 estão representadas as curvas de CMT de curto prazo. eventualmente. no entanto. juntamente com a curva de CMT de longo prazo. fechamento das antigas) como custo variável no longo prazo.

Gregory Mankiw. Obviamente. economias de escalas surgem quando os maiores níveis de produção possibilitam especialização dos trabalhadores. ou ganho de mercado (pois o produto torna-se conhecido). a falta de coordenação pode levar um descompasso de produção entre diversas etapas do processo. as curvas de custos de uma empresa não relevam que decisão a empresa tomará. 7 . mas elas são um componente importante na tomada de decisões.De um modo geral. Deseconomias de escala ocorrem quando a corporação é tão vasta que é muito difícil administrá-las com eficiência. Tópicos para apresentação: Introdução à Economia. editora Cengage Learning. pg 267-285. N. 3ª edição.