You are on page 1of 5
ENGENHARIA AMBIENTAL DIREITO AMBIENTAL O desenvolvimento sustentável na atualidade brasileira Discente: Carla Tiemi Fukumoto Docente: Prof.

ENGENHARIA AMBIENTAL DIREITO AMBIENTAL

O desenvolvimento sustentável na atualidade brasileira

Discente: Carla Tiemi Fukumoto Docente: Prof. Mauro César Martins de Souza

Presidente Prudente - SP

03/2013

O desenvolvimento sustentável na atualidade brasileira

O desenvolvimento sustentável

Os sinais de que o meio ambiente já não está mais suportando as intensas agressões ocasionadas pelo homem, desperta a atenção e o temor da humanidade. O ser humano esquece que, ao prejudicar a natureza esta afetando a si próprio, pois ele é totalmente dependente do meio em que vive para adquirir os suprimentos essenciais para sua sobrevivência. Deste modo, a sociedade entende que precisa moldar as ações em todo o mundo, com maior atenção para as consequências ambientais, utilizando conhecimento e tecnologia para obter harmonia entre o meio ambiente e as necessidades humanas. Neste contexto,na Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas,surgiu o termo desenvolvimento sustentável, queé o desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. Em 1992, a necessidade do desenvolvimento sustentável foi vista e reconhecida em todo o mundo. Na Agenda 21, os governos delinearam um programa detalhado para a ação para afastar o mundo do atual modelo insustentável de crescimento econômico, direcionando para atividades que protejam e renovem os recursos ambientais, no qual o crescimento e o desenvolvimento dependem. A construção de uma sociedade sustentável deve assentar-se num clara estratégia mundial que pode, resumidamente, ser exposta através dos seguintes princípios׃ 1)Respeitar e cuidar da comunidade dos seres vivos 2) Melhorar a qualidade da vida humana 3) Conservar a vitalidade e a diversidade do planeta Terra 4) Minimizar o esgotamento de recursos não renovais 5) Permanecer nos limites da capacidade de suporte do planeta arreT 6) Modificar atitudes e praticas pessoais 7) Permitir que as comunidades cuidem de seu próprio meio ambiente 8) Gerar uma estrutura nacional para a integração de desenvolvimento e conservação 9) Constituir uma aliança global

A realidade brasileira

No Brasil, a questão ambiental começou a despontar no final dos anos 50, assumindo um caráter preservacionista dos recursos naturais e sendo caracterizado pelaarticulação entre dois setores principais: associações ambientalistas civis e agências estataisde meio ambiente. Durante a segunda metade da década de 80, começou a haver umamaior preocupação da opinião pública em relação às questões ambientais. Com o engajamento no conceito de desenvolvimento sustentável, proposto pelo Relatório da Comissão Brundtlan,o movimentoganhou a movimentação do socioambientalismo, das instituições científicas e do setor empresarial (SERRANO e BARBIERI, 2008). Amaioria dos problemas ambientais do Brasil é causada pela dinâmica econômica brasileira e pelas características estruturais nacionais, tais como a existência de esgoto a céuaberto, poluição da água, favelização, aterros clandestinos, ocupação de encostas, enchentes entre outros. No entanto, um problema ambiental de dimensões globais é em relação à sua biodiversidade, uma vez que a economia brasileira se molda na produção agropastoril ocasionando uma pressão para a depleção e extração dos biomas naturais, que os instrumentos legais não estão sendo suficientes para controlar. Dessa forma, considera-se muito relevante a utilização de indicadores desustentabilidade ambiental que possam captar o estado de preservação do meioambiente, emuma perspectiva intergeracional, para o Brasil. OInstituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)construiu indicadores de desenvolvimento sustentável no Brasil, apresentando um conjunto de informações sobre a realidade brasileira, em suas dimensões ambiental, social, econômica e institucional. Assim, informações dos principais temas relacionados ao desenvolvimento sustentável no Brasil são adquiridas para os tomadores de decisões, que definem a orientação política, a capacidade e os esforços realizados com vistas às mudanças necessárias para a implementação do desenvolvimento sustentável. O estudo do IBGE divulgado em 2012 mostrou que o Brasil fez avanços na direção de um desenvolvimento sustentável, mas persiste muitos desafios para atingir o objetivo. O principal avanço apontado foi à diminuição do desmatamento da Amazônia, que foi 77% menor que a de 2004. Porém, 20% da floresta original já foram destruídas e a Mata Atlântica conta somente com 12% da mata nativa.Os outros biomas também foram severamente agredidos: mais da metade da vegetação original do pampa, no Rio

Grande do Sul, não existe mais;no cerrado e na caatinga, a devastação também é grande; no Pantanal, chega a 15%. Como isso, 627 animais estão na lista das espécies extintas ou ameaçadas de extinção emetade corre o risco de desaparecer da natureza a médio prazo.

Portanto, a redução no desmatamento da Amazônia não é acompanhada por mudança no padrão dominante de uso dos recursos. Assim, apesar da contenção da devastação florestal, prevalece entre os agentes econômicos a ideia central de que a produção de commodities (fundamentalmente carne, soja e madeira de baixa qualidade), minérios e energia é a vocação decisiva da região. Além disso, ao mesmo tempo em que se reduz o desmatamento na Amazônia, amplia-se de maneira alarmante a devastação do cerrado e da caatinga. Os indicadores do IBGE também mostram que a emissão de gases de efeito estufa no Brasil ainda cresce, mas em um ritmo mais lento e o consumo de substâncias que destroem a camada de ozônio caiu. Quase toda a população já conta com coleta de lixo, mas um terço dos resíduos ainda é despejado em lugares inadequados. De 2000 a 2008, o número de cidades com coleta seletiva mais que dobrou, mas elas ainda representam menos de 20% do total de municípios. Porém, 20% da população de áreas urbanas ainda não têm acesso à rede de esgoto.

Em relação à energia, o Brasil tem 46% de sua oferta interna de energia provinda de fontes renováveis, sendo a média mundial de 12,9%. Esse desempenho explica-se basicamente pelo etanol e pelo uso da energia hidrelétrica. Não se pode dizer, entretanto que o trunfo da matriz energética brasileira represente por si só uma estratégia de desenvolvimento sustentável, pois não tem sido aproveitado para a construção de avanços industriais norteados pela preocupação explícita em reduzir o uso de materiais e de energia nos processos produtivos. Há os impactos socioambientais da implantação das usinas hidrelétricas, como mostram as manifestações recentes em torno da Usina de Belo Monte, no rio Xingu, no Pará. No que se refere ao etanol, cuja eficiência energética e econômica é incontestável, há problemas sérios com relação tanto a suas áreas de preservação permanente, como, sobretudo, aos impactos de sua expansão no cerrado. O outro biocombustível que entra na matriz energética brasileira, o biodiesel, e que deveria ter, quando seus planos de produção foram concebidos, forte presença da mamona vinda do semi-árido nordestino, hoje é produzido à base de soja (85% da oferta total), cuja eficiência energética é baixa.

Outro problema é que no Brasil, se estimula a matriz de energia com menor preço, mesmo que comprometa o meio ambiente. Como por exemplo, o barateamento das usinas termelétricas, em contraste com a suposta inviabilidade da energia solar ou eólica (ABRAMOVAY, 2010). Portanto, apesar dos avanços brasileiros, o país não se apoia em formas de crescimento econômico voltadas explicitamente o menor uso de energia e de materiais. O Brasil não está diante de uma questão ambiental e sim do desafio de formular uma verdadeira estratégia de desenvolvimento sustentável para conseguir seguir os nove princípios da construção de uma sociedade sustentável.

Referências bibliográficas

ABRAMOVAY,

R.

Desenvolvimento

sustentável:

qual

a

estratégia

para

o

Brasil?,2010 . Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101- 33002010000200006.Acesso em 12 de março de 2013.

As

do

no

Disponível

em:

http://terramagazine.terra.com.br/blogdaamaliasafatle/blog/2012/02/07/as-bases-do-desenvolvimento-

sustentavel-no-brasil/. Acesso em 12 de março de 2013.

Brasil

avança

no

desenvolvimento

sustentável,

mostra

IBGE.

Disponível

mostra-ibge.html. Acesso em 12 de março de 2013.

Indicadores

de

desenvolvimento

sustentável

-

Brasil

2008.

Disponível

O

que

é

desenvolvimento

sustentável?.Disponível

SERRANO, L. M. BARBIERI, F. A.Meio ambiente e desenvolvimento sustentável no Brasil:

umadescrição

de

indicadores

de

sustentabilidade

ambientalaplicáveis

à

realidade

brasileira.Trabalho apresentado no XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, realizado em

Caxambu-

MG,

2008.

Disponível

em:http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2008/docspdf/ABEP2008_1599.pdf.Acesso

em

12

de

março de 2013.

SOUZA, M. C. M. O desenvolvimento sustentável.