You are on page 1of 43

1- INTRODUÇÃO

Um sistema de banco de dados não é nada mais do que um sistema de manutenção de
registros por computador. O próprio banco de dados pode ser considerado uma espécie de
sala de arquivo eletrônica - ou seja, um depósito de um conjunto de arquivos de dados
computadorizados que oferece diversos recursos ao usuário, possibilitando-Ihe a realização
de várias operações, incluindo, entre outras, as seguintes:

- A adição de novos (vazios) arquivos ao banco de dados; A inserção de novos dados nos
arquivos existentes;
- A recuperação de dados dos arquivos existentes; A atualização de dados nos arquivos
existentes; A eliminação de dados nos arquivos éxistentes;
- A renovação permanente de arquivos existentes (vazios ou outros) do banco de dados.

Demonstramos um banco de dados bastante simples, que contém um único arquivo, o arquivo
CELLAR que reúne informações referentes ao conteúdo de uma adega de vinhos.
O Arquivo CELLAR:
BIN WINE PRODUCER YEAR BOTTLES READY COMMENTS
2 Chardonnay Buena Vista 83 1 85
3 Chardonnay Louis Martini 81 5 84
6 Chardonnay Chappellet 82 4 85 Thanksgiving
11 Jo.. Riesling lekel 84 10 86
12 Jo. Riesling Buena Vista 82 1 83 Late Harvest
16 Jo. Riesling Sattui 82 1 83 very dry
21 Fume Blanc Ch. St. Jean 79 4 83 Napa Valley
22 Fume Blanc Robt. Mondavi 78 2 82
25 Wh. Burgundy Mirassou 80 6 82
30 Gewurztraminer Buena Vista 80 3 82
43 Cab. Sauvignon Robt. Mondavi 77 12 87
50 Pinot Noir Mirassou 77 3 85 Harvest
51 Pinot Noir Ch. St. Jean 78 2 86
64 Zinfandel Mirassou 77 9 86 Anniversary
72 Gamay Robt. Mondavi 78 2 83
Demonstramos abaixo um banco de dados bastante simples, que contém um único arquivo, o
arquivo CELLAR que reúne informações referentes ao conteúdo de uma adega de vinhos.

SELECT WINE, BIN, PRODUCER FROM CELLAR
WHERE READY = 85 ;

Abaixo demonstração de um exemplo de uma operação de recuperação neste banco de dados,
assim como os dados (mais corretamente, os resultados) devolvidos através daquela
recuperação.

Resultado (impresso ou na tela):

WINE BIN PRODUCER
Chardonnay 2 Buena Vista
Chardonnay 6 Chappellet
Pinot Noir 50 Mirassou

Alguns outros exemplos de operações no arquivo CELLAR que, na sua maioria, são auto-
explicativas. Os exemplos referentes à adição ou remoção de arquivos do banco de dados.

Inserção de novos dados:
INSERT INTO CELLAR
VALUES (53, 'Pinot Noir', 'Franciscan', 79, 1, 86, 'for Joan’ ) ;

Atualização de dados existentes:
UPDATE CELLAR
SET BOTTLES = 4 WHERE BIN = 3 ;

Eliminação de dados existentes:
DELETE FROM CELLAR WHERE BIN = 2 ;

• Primeiro, por motivos óbvios, os arquivos computadorizados como o CELLAR do
exemplo são chamados mais de tabelas do que de arquivos.
• Segundo, as linhas de tais tabelas podem ser consideradas registros do arquivo (às
vezes chamadas explicitamente de registros lógicos, para distingui-los de outros tipos de
registro . As colunas, da mesma maneira, podem ser consideradas campos destes registros
lógicos.
• Terceiro, as operações SELECT, INSERT, UPDATE e DELETE demonstradas
acima são, de fato, exemplos de instruções de uma linguagem de banco de dados conhecida
como SQL ("Structured Query Language" - Linguagem de Consulta Estruturada). A
SQL (pronunciada normalmente como "sequel") é a linguagem suportada pelos produtos de
banco de dados da IBM,DB2, SQL/DS e QMF, assim como por inúmeros produtos de banco
de dados de outros fabricantes.

2 - O QUE É UM SISTEMA DE BANCO DE DADOS?

O sistema de banco de dados é basicamente um sistema de manutenção de registros
por computador,ou seja, um sistema cujo objetivo global é manter as informações e torná-las
disponíveis quando solicitadas. Trata-se de qualquer informação considera-da como
significativa ao indivíduo ou à organização servida pelo sistema - em outras palavras, que
seja necessária ao processo de tomada de decisão daquele indivíduo/organização. A figura a
seguir (1) abaixo mostra uma visão bastante simplificada de um sistema de banco de dados.
Esta figura pretende demonstrar que um sistema de banco de da-dos envolve quatro
componentes principais: dados, hardware, software e usuários.

Dados
Os sistemas de banco de dados agora estão disponíveis em máquinas que abrangem
desde os pequenos micros até os maiores computadores de grande porte. Os recursos
proporcionados por um determinado sistema são, até certo ponto, definidos pelo tamanho e
pela potência da máquina básica. Os sistemas de grandes máquinas ("grandes sistemas”), em
particular, tendem a ter usuários múltiplos e os das máquinas pequenas ("pequenos sistemas")
a ter usuário único. Um sistema de usuário único é aquele no qual somente um único usuário
pode operar num certo momento; o sistema de usuários múltiplos é aquele em que diversos
usuários podem operar simultaneamente. Na realidade, a distinção é irrelevante: Um dos
objetivos da maioria dos sistemas de usuários múltiplos é precisamente possibilitar a cada
usuário individual comportar-se como se estivesse trabalhando com um sistema de usuário
único. Os problemas especiais dos sistemas de usuários múltiplos são essencialmente internos
do sistema, não visíveis ao usuário.
FIGURA 1 – Representação simplificada de um sistema de banco de dados

Uma outra observação preliminar: Normalmente, convém assumir, para simplificar,
que a totalidade dos dados armazenados no sistema é mantida num único banco de dados;
estaremos adotando esta suposição simplificada, pois não invalida substancialmente
quaisquer das discussões subseqüentes. Na prática, entretanto, pode haver boas razões,
mesmo num sistema pequeno, para que os dados sejam divididos em diversos bancos de
dados distintos. Abordaremos algumas destas razões mais à frente.
Geralmente, pois, os dados no banco de dados - pelo menos num sistema grande - serão não
só integrados como compartilhados. Estes dois aspectos, integração e compartilhamento,
representam a maior vantagem dos sistemas de banco de dados de ambientes "grandes", e
pelo menos a integração também pode ser significa- tiva em ambientes "pequenos" .
Certamente há muitas outras vantagens (que serão discutidas mais tarde), mesmo nos
ambientes ditos pequenos, mas primeiro explicaremos o que significam os termos "integrado"
e "compartilhado" Por "integrado" queremos dizer que o banco de dados pode ser
imaginado como a unificação de diversos arquivos de dados que,de outra forma, seriam
distintos, eliminando-se total ou parcialmente qualquer redundância entre os mesmos. Por
exemplo, um certo banco de dados poderia conter tanto registros de FUNCIO NÁRIOS, com
nome, endereço, departamento, salário etc., como registro de INSCRIÇÃO, representando a
inscrição de funcionários em cursos de treinamento. Suponhamos que, para o processo de
administração de cursos, seja necessário conhecer o departamento de cada aluno inscrito.
Claramente não seria preciso incluir esta informação, redundante, nos registros de
INSCRIÇÃO, uma vez que ela será encontrada nos registros correspondentes aos
FUNCIONÁRIOS.
Por "compartilhado" quer dizer que parcelas isoladas de dados podem ser compartilhadas
por diversos usuários num banco de dados, no sentido de que todos os usuários podem ter
acesso à mesma parcela de dados (e podem usá-los com finalidades diferentes). Como já
mencionado, diferentes usuários podem, inclusive,ter acesso às mesmas partes de dados no
mesmo momento ("acesso concorrente"). Tal compartilhamento (concorrente ou outro) é, em
parte, conseqüência do fato de que o banco de dados é integrado. No exemplo
FUNCIONÁRIO/INSCRIÇÃO acima, a informação sobre departamento nos registros
FUNCIONÁRIO seria compartilhada por usuários do Departamento do Pessoal e usuários do
Departamento de Educação e, como sugerido anteriormente, os dois departamentos, estariam
utilizando as informações para propósitos diferentes.
Outra conseqüência do mesmo fato (de que o banco de dados é integrado) é que qualquer
usuário, em geral, só estará interessado em um subconjunto do banco de dados total; ademais,
os subconjuntos de diferentes usuários irão sobrepor-se de muitas maneiras diferentes. Em
outras palavras, um determinado banco de dados será percebido por usuários diferentes de
várias formas distintas. De fato, mesmo quando dois usuários compartilham o mesmo sub-
conjunto do banco de dados, as visões do mesmo podem diferir consideravelmente a nível
dos detalhes.

Hardware
O Hardware compõe-se dos volumes de memória secundária – discos de cabeça
móvel – nos quais reside o banco de dados, juntamente com os dispositivos associados de
entrada/saída (unidades de disco, nos casos de discos de cabeça móvel), dispositivos de
controle, canais de entrada/saída, e assim por diante. Este livro não se detém muito nos as-
pectos de hardware do sistema, pelas seguintes razões: primeiramente, esses aspectos
formam, por si mesmos, um tópico maior; segundo, os problemas encontrados nesta área não
são peculiares aos sistemas de bancos de dados; terceiro, estes problemas estão extensamente
investigados e documentados.

Software
Entre o banco de dados físico (isto é, os dados armazenados) e os usuários do sistema
encontra-se o software, o gerenciador do banco de dados (o gerenciador DB) ou, mais
comumente, sistema gerenciador de banco de dados (DBMS - [conforme iniciais em inglês -
N.T.]). Todas as solicitações dos usuários de acesso ao banco de dados são manipuladas pelo
DBMS; os recursos esboçados na Seção I.1 referentes à criação de arquivos (ou tabelas),
inserção de dados, recuperação de dados etc. são todos proporcionados pelo DBMS. Outra
função do DBMS é, pois, isolar os usuários do banco de dados dos detalhes a nível de
hardware (como os sistemas de linguagens de programação protegem os programadores de
aplicação dos detalhes a nível de hardware). Em outras palavras, o DBMS faz com que os
usuários tenham uma visão do banco de dados acima do nível do hardware, e suporta as
operações do usuário (como as operações em SQL) que são expressas em termos daquela
visão a nível mais elevado. Discutiremos esta e outras funções do DBMS posteriormente.

Usuários
Consideramos três grandes classes de usuários. Primeiramente, três grandes classes de
usuários, Primeiramente temos o programador de aplicações, responsável pela definição dos
programas de aplicação que utilizam o banco de dados, caracteristicamente em linguagem
como COBOL ou PL/I ou outra linguagem mais moderna; como APL ou Pascal. Estes
programas operam com os dados de todas as formas usuais: recuperação de informações,
criação de novas informações, anulação ou alteração de informações existentes. Todas estas
funções são executadas pela emissão de solicitações apropriadas ac DBMS. Os programas em
si podem ser de aplicações convencionais en lotes ou (cada vez mais) aplicações on-line, cuja
função é suportar un usuário final (vide abaixo) que se comunica com o banco de dados a
partir de um terminal on-line. A segunda classe de usuários, então, é o usuário-final, que
inteta ge com o sistema a partir de um terminal on-line. Um certo usuário final pode ter
acesso ao banco de dados por meio de uma das aplicaçõeson-line, definidas para o mesmo e
mencionadas no parágrafo anterior, ou usar a interface fornecida como parte integrante do
sistema. Tais interfaces também são fornecidas através de aplicações on-line, mas essas
aplicações são embutidas e não definidas para o usuário. A maioria dos sistemas fornece pelo
menos uma aplicação embutida, a saber, um processador de linguagem de consulta interativo,
pelo qual o usuário é capaz de emitir comandos ou instruções de alto nível (como SELECT,
INSERT etc.) ao DBMS. A linguagem SQL, já mencionada diversas vezes, é considerada um
exemplo típico de linguagem de consulta de banco de dados.
Observação: Muitos sistemas também proporcionam interfaces
embutidas adicionais, nas quais os usuários não precisam emitir expressamente os comandos,
como SELECT; operam (por exemplo) escolhendo itens do menu ou preenchendo-os em
formulários. Tais interfaces acionadas por menus ou formulários são normalmente mais
fáceis para as pessoas sem treinamento formal em processamento de dados. As interfaces
acionadas por comando (i.e., linguagens de consulta), ao contrário, necessitam de uma certa
experiência em processamento de dados, embora não muito grande (obviamente não tanto
quanto seria necessário para definir um programa de aplicação em COBOL ou PL/I).
Também neste caso, as interfaces acionadas por comando são provavelmente mais flexíveis
do que as de menu ou formulários, posto que as linguagens de consulta proporcionam certas
funções que não são suportadas por outras interfaces.
A terceira classe de usuários é o administrador do banco de dados ou
DBA.Assim, completamos nossa descrição preliminar dos principais aspectos de um sistema
de banco de dados. Passaremos agora a discuti-los de forma mais detalhada.

3 – DADOS OPERACIONAIS

Um dos primeiros textos didáticos sobre o assunto, de Engles [1.10], refere-se aos dados de
banco de dados como "dados operacionais", distinguindo-os de dados de entrada, dados de
saída e de outros tipos de dados. Damos abaixo uma versão modificada da definição original
de Engles acerca de banco de dados:

• Um banco de dados é uma coleção de dados operacionais armazenados, usados pelos
sistemas de aplicações de uma empresa específica.
Esta definição requer uma explicação. Primeiramente, "empresa" é apenas um termo
genérico e conveniente para designar uma organização comercial, científica, técnica ou de
outra natureza que seja razoavelmente independente. Uma empresa pode ser um único
indivíduo (com um pequeno banco de dados particular), ou uma organização de grande porte
ou similar (com um grande banco de dados compartilhado), ou algo entre esses extremos.
Exemplos de empresas:

• fábricas;
• bancos;
• hospitais;
• universidades;
• departamentos governamentais.

Qualquer empresa deve, necessariamente, manter uma certa quantidade de dados
acerca de suas operações. São estes os "dados operacionais". Os dados operacionais das
empresas acima provavelmente incluiriam o seguinte:
• dados sobre os produtos;
• dados contábeis;
• dados sobre os pacientes;
• dados sobre os estudantes;
• dados de planejamento.

Os "dados operacionais", como mencionado, não incluem os dados de entrada e saída,
seqüência de trabalhos a realizar, resultados temporários ou, ainda, qualquer informação
puramente transitória. Os "dados de entrada" representam informações que entram no sistema
pela primeira vez (a partir do teclado do terminal, leitor de cartões ou dispositivo similar);
tais informações podem provocar a necessidade de uma alteração nos dados operacionais
(para que possam tornar-se parte dos dados operacionais) mas, inicialmente, não fazem parte
do banco de dados em si. Da mesma forma, os "dados de saída" são mensagens e resultados
que procedem do sistema (impressas ou projetadas de outra maneira numa tela de terminal);
novamente, podem derivar dos dados operacionais, sem que sejam consideradas, em si, como
parte do banco de dados. Observações análogas aplicam-se a outras espécies de informações
transitórias.
A título de ilustração do conceito de dados operacionais, vamos considerar o caso de uma
fábrica. A empresa desejará guardar informações sobre os seus projetos; as peças usadas nos
mesmos; os fornecedores dessas peças; os depósitos onde são estocadas; os funcionários que
trabalham nos projetos; e assim por diante. São estas as entidades básicas relativas às
informações a registrar (o termo "entidade" é amplamente usado nos meios de bancos de
dados para denominar qualquer objeto distinto a ser representado no banco de dados).Veja a
Figura 2.

FIGURA 2 – Exemplo de dados operacionais

É importante notar que, além das entidades básicas em si, existirão relacionamentos
interligando-as. São demonstrados pelas setas de ligação. Há, por exemplo, um
relacionamento entre os fornecedores e as peças: cada fornecedor fornece certas peças e, de
modo inverso, cada peça é suprida por certos fornecedores (ou melhor, cada fornecedor
fornece certos tipos de peças, cada tipo de peça é suprido por certos fornecedores). Do
mesmo modo, as peças são usadas em projetos, e inversamente, os projetos utilizam peças; as
peças são armazenadas em depósitos e os depósitos estocam as peças, e assim
sucessivamente. Observa-se que estes relacionamentos são bidirecionais - isto é, podem
ocorrer em ambas as direções. O relacionamento entre funcionário e departamentos, por
exemplo, pode ser utilizado para responder às duas questões seguintes:

l. Dado um funcionário, encontre o departamento correspondente;
2. Dado um departamento, encontre os funcionários correspondentes.
O ponto importante dos relacionamentos como ilustrados acima na figura 2 é que são tanto
uma parte dos dados operacionais como entidades básicas. Conseqüentemente, devem estar
representadas no banco de dados. Consideremos mais à frente as diversas maneiras de fazê-
lo.
A Figura 2 também ilustra outros itens.
1. Embora a maioria dos relacionamentos do diagrama envolva dois tipos de entidade - isto é,
sejam relacionamentos binários -, isto não significa que todos os relacionamentos sejam
necessariamente binários neste sentido. Temos no exemplo um relacionamento que envolve
três tipos de entidade (fornecedores, peças e projetos) - um relacionamento ternário,
interpretado de forma que certos fornecedores forneçam certas peças para certos projetos.
Observe-se que este relacionamento ternário "fornecedores fornecem peças para projetos"
não é, em geral, o equivalente à combinação dos três relacionamentos binários, "fornecedores
fornecem peças", "peças são usadas nos projetos" e "projetos são fornecidos por
fornecedores". A informação, por exemplo, que
a) Smith fornece chaves-inglesas para o projeto Manhattan nos diz mais do que a combinação
b) Smith fornece chaves-inglesas,
c) chaves-inglesas são utilizadas no projeto Manhattan, e
d) o projeto Manhattan é abastecido por Smith

Não podemos (incontestavelmente!) deduzir: a) se conhecemos somente b), c) e d). Mais
explicitamente, se conhecemos b), c) e d), podemos deduzir que Smith fornece chaves-
inglesas para algum projeto (digamos, projeto Jz), que algum fornecedor (digamos,
fornecedor Sx) fornece chaves-inglesas para o projeto Manhattan e, que Smith fornece
alguma peça (digamos, peça Px) para o projeto Manhattan -, mas não podemos realmente
concluir que Sx é Smith ou que Py sejam chaves-inglesas nem que Jz seja o projeto
Manhattan. Conclusões errôneas como esta ilustram o que chamamos de armadilha de
conexão.
2. O diagrama mostra também uma seta que envolve apenas um tipo de entidades (peças). O
relacionamento indica, neste caso, que certas peças incluem outras peças como componentes
imediatos (o chamado relacionamento "lista de materiais que compõem um produto” ) - por
exemplo, um parafuso é componente de uma dobradiça, que também é considerada uma peça
e que, por sua vez, pode ser um componente de uma peça maior, como uma tampa.
Observemos que ainda se trata de um relacionamento binário; como dois tipos de entidades
que se ligam entre si (ou seja, peças e peças) são uma só e a mesma.
3. Em geral, um dado conjunto de tipos de entidades pode enlaçarse em qualquer número de
relacionamentos. No diagrama, projetos e empregados são ligados por duas setas, uma
poderia representar o relacionamento "trabalha no" (o funcionário trabalha no projeto), e
outra o relacionamento "é o gerente de" (o funcionário é o gerente do projeto).
Um relacionamento também pode ser considerado uma entidade. Se tomarmos nossa
definição de entidade "qualquer objeto do qual desejamos registrar informações", então
relacionamento certamente se encaixa na definição. Por exemplo, "a peça P4 está estocada no
depósito W8" é uma entidade sobre a qual gostaríamos de registrar informações - por
exemplo, a quantidade correspondente. Neste livro, pois, estaremos considerando os
relacionamentos simplesmente como um tipo especial de entidade.

4 - POR QUE BANCO DE DADOS?

Por que usar um sistema de banco de dados? Quais são as vantagens? A resposta
depende, até certo ponto, do sistema, se este servirá a um usuário único ou múltiplos - ou,
para ser mais exato, há inúmeras vantagens adicionais no caso de usuários múltiplos.
Consideramos, primeiramente, o caso do usuário único. Referimo-nos novamente ao exemplo
da adega de vinhos, o qual julga-se característico de um banco de dados de usuário único.
Este banco de dados específico é tão pequeno e simples que as vantagens podem não ser
óbvias de imediato. Imaginemos, porém, um banco de dados similar para um grande restau-
rante, com um estoque de talvez milhares de garrafas e com freqüentesalterações; ou uma loja
de bebidas alcoólicas, com um estoque imenso e muita rotatividade. (Embora se trate de um
banco de dados maior, ainda é um sistema de usuário único.).
As vantagens do sistema de banco de dados em relação aos métodos tradicionais,
baseadós em papéis e arquivos ficarão mais evidentes nos seguintes exemplos:

• É compacto: Não há necessidade de arquivos de papéis volumosos.
• É rápido: A máquina pode recuperar e modificar os dados muito mais rapidamente do que o
ser humano. Em especial, as consultas incidentais, repentinas (como, p. ex., "Temos mais
Zinfandel do que Pinot Noir?") são rapidamente respondidas, sem consultas a manuais ou
pesquisas visuais, que consomem muito tempo.
• Importa em menos trabalho braçal: elimina a maior parte do tedioso trabalho manual de
arquivamento. As máquinas sempre executam as tarefas mecânicas melhor do que nós.
• Tem fluxo corrente: disponibilidade de informações certas e atualizadas a qualquer
momento, basta pedir.
As vantagens acima são mais significativas em ambientes de usuários múltiplos onde
o banco de dados é maior e mais complexo do que o de usuário único. Há, neste caso, outra
vantagem dominante, a saber: O sistema do banco de dados proporciona à empresa o
controle centralizado de seus dados operacionais (é uma de suas propriedades mais úteis). Tal
situação contrasta nitidamente com a que vemos na empresa sem sistema de banco de dados,
onde cada aplicação dispõe de seus próprios arquivos - muitas vezes também suas fitas e
discos particulares - de tal forma que os dados operacionais são muito dispersos, diiicultando
o controle sistemático.
Vamos aprofundar o conceito de controle centralizado: implica que (numa empresa
com um sistema de banco de dados) exista uma pessoa identificável detendo a
responsabilidade central sobre os dados operacionais. Esta pessoa é o administrador do banco
de dados (DBA); por enquanto; é suficiente sabermos que o cargo requer a) um alto grau de
capacitação técnica, e b) a capacidade de entender e interpretar as necessidades da empresa a
nível de gerência executiva. Na prática, a função do DBA pode ser desempenhada por um
grupo de pessoas, gerentes e técnicos, ao invés de apenas um indivíduo. Contudo, para
simplificar, partiremos do princípio que o DBA seja na verdade uma única pessoa. É
importante percebermos que a posição do DBA dentro da empresa é (ou deveria ser) de alto
nível gerencial.
Descrevemos a seguir algumas das vantagens que resultam da noções de controle
centralizado:

• Pode reduzir a redundância.

Nos sistemas sem banco de dados, cada aplicação possui seus próprios arquivos. Este fato
costuma provocar uma redundância considerável nos dados armazenados, com o desperdício
de espaço de armazenamento resultante. Por exemplo, uma aplicação de pessoal e uma
aplicação de registros de educação podem ter, ambas, um arquivo contendo informações do
departamento relativo aos funcionários. Como sugerido na Seção 1.2., estes dois arquivos
podem ser integrados, e a redundância eliminada, se o DBA estiver a par das necessidades de
dados de ambas as aplicações - isto é, se o DBA possuir o necessário controle global.
Não pretendemos sugerir que toda a redundância deva necessariamente ser eliminada.
Algumas vezes, existem fortes razões, técnicas ou comerciais, para se manter cópias
múltiplas do mesmo dado. Entretanto sugerimos que a redundância seja cuidadosamente
controlada - isto é, o DBMS deve ter conhecimento da mesma, e assumir a responsabilidade
de "propagar as atualizações" (vide o item abaixo).

• A inconsistência pode ser evitada (até certo ponto).

Conseqüência natural do item anterior. Suponhamos que um certo fato do mundo real
- digamos, o fato de que o funcionário E3 trabalha no departamento D8 - é representado por
duas entradas distintas no banco de dados, e qué o DBMS não tenha conhecimento desta
duplicidade (i.e., a redundância não é controlada). Haverá, então, ocasiões em que as duas
entradas não serão concordes - ou seja, quando apenas uma das duas entradas for atualizada.
Diz-se, então, que o banco de dados é inconsistente. É óbvio que um banco de dados
considerado inconsistente é capaz de fornecer informações incorretas ao usuário.
Se o fato mencionado estiver representado por uma única entrada (isto é, se a
redundância for removida), obviamente tal inconsistência não poderá ocorrer.
Alternativamente, se a redundância não for removida, mas controlada (tornando-se conhecida
do DBMS); então ele poderá garantir que o banco de dados nunca estará inconsistente, como
visto pelo usuário, assegurando que qualquer alteração feita em uma das entradas seja
automaticamente aplicada na outra. Conhece-se este processo como propagação de
atualização - onde (como ocorre em geral) se utiliza o termo "atualização" para cobrir todas
as operações de inserção, anulação e modificação. Observemos, entretanto, que poucos siste-
mas comercialmente disponíveis hoje são capazes de propagar automaticamente as
atualizações; isto é, a maioria dos produtos atuais não suporta a redundância controlada,
exceto em poucos casos especiais.

• Pode compartilhar os dados.

O compartilhamento não significa apenas que as aplicações existentes podem
compartilhar os dados do banco de dados, mas também que novas aplicações podem ser
desenvolvidas para operar sobre os mesmos dados armazenados. Em outras palavras, as
necessidades de dados das novas aplicações podem ser satisfeitas sem a criação de quaisquer
dados adicionais armazenados.
• Pode reforçar os padrões.

O DBA, pelo controle central do banco de dados, pode assegurar que todos os padrões
aplicáveis serão observados na representação dos dados. Os padrões aplicáveis podem incluir
um ou todos, mencionados a seguir: padrões a nível de instalações, departamentos, indústrias,
padrões nacionais ou internacionais. Uma padronização dos formatos dos dados armazenados
é especialmente interessante para facilitar o intercâmbio de dados ou a migração entre
sistemas. Da mesma forma seria desejável a denominação dos dados e a padronização da
documentação para facilitar o compartilhamento e a compreensão dos dados.

• Pode aplicar restrições de segurança.

O DBA, detendo toda a autoridade sobre os dados operacionais, pode assegurar a) que
os únicos meios de acesso ao banco de dados sejam realizados através de certos canais e,
conseqüentemente, b) pode definir os controles de segurança a adotar, sempre que for
empreendido o acesso a determinados dados especiais. Pode estabelecer diferentes controles
para cada tipo de acesso (recuperação, modificação, anulação etc.) e para cada parte da
informação no banco de dados. Observemos, porém, que os dados, sem tais controles de
segurança, podem incorrer num risco maior do que em sistema tradicional de arquivo
(disperso); isto é, a natureza centralizadora do sistema de banco de dados requer, também, um
bom sistema de segurança.

• Pode manter a integridade.

O problema da integridade é assegurar que os dados do banco de dados sejam
corretos. A inconsistência entre duas entradas que pretendem representar o mesmo "fato" é
um exemplo de falta de integridade (vide discussão no item acima); este problema,
certamente, só pode ocorrer se houver redundância nos dados armazenados. Entretanto,
mesmo que ela não exista, o banco de dados ainda pode conter uma informação incorreta. Por
exemplo, estaria registrado que um funcionário trabalhou 400 horas na semana, em vez de 40
horas, ou que o mesmo pertence a um departamento inexistente. O controle centralizado do
banco de dados ajuda a evitar tais problemas - à medida que possam ser evitados -, pois
permite que o DBA defina controles de integridade a realizar sempre que for empreendida
qualquer operação de atualização. (Utilizamos novamente o termo "atualização" em termos
genéricos, a fim de abranger todas as operações de modificação, inserção e anulação).
Chama-se a atenção para o fato de a integridade de dados ser ainda mais importante
em sistemas de banco de dados de usuários múltiplos do que nos ambientes de "arquivos
particulares", precisamente porque o banco de dados é compartilhado. Sem controles
apropriados, um usuário poderia atualizar o banco de dados incorretamente, gerando dados
errados e, assim "infectando" outros usuários. A mencionar, ainda, que a maioria dos
produtos atuais de banco de dados são um tanto fracos no suporte de controles de integridade.

• Pode equilibrar as necessidades conflitantes.

O DBA, tendo conhecimento das necessidades globais da empresa - em oposição às
necessidades de um usuário individual - pode estruturar o sistema, a fim de proporcionar um
serviço geraI que seja "o melhor para a empresa". Por exemplo, pode-se escolher uma
representação para os dados na memória, dando rápido acesso às aplicações mais im-
portantes, em detrimento do desempenho mais fraco de determinadas aplicações.
A maioria das vantagens mencionadas acima é provavelmente bastante óbvia. Entretanto há
necessidade de adicionarmos um outro item à lista, que não é tão óbvio - muito embora tenha
relação com diversos itens anteriores - ou seja, a independência de dados. (Na verdade, é
mais um objetivo dos sístemas de banco de dados do que necessariamente uma vantagem.) O
conceito da independência de dados é tão importante que dedicaremos uma seção
exclusivamente ao mesmo.

5 – ARQUITETURA DE UM BANCO DE DADOS

OS TRÊS NÍVEIS DA ARQUITETURA

A arquitetura divide-se em três níveis gerais: interno, conceitual e externo (Figura 3). Em
termos amplos:

1. o nível interno é o mais próximo ao armazenamento físico - i.e. relaciona-se à forma
como são realmente armazenados os dados;
2. o nível externo é o mais próximo aos usuários - i.e., à forma como os dados são vistos
pelos usuários 7individuais; e
3. o nível conceitual é o "nível de simulação", entre os dois outros. Se o nível externo
diz respeito às visões do usuário individual, o nível conceitual pode ser considerado a
visão do grupo de usuários.
Se o nível externo diz respeito às visões do usuário individual, o nível conceitual pode ser
considerado a visão do grupo de usuários.
Em outras palavras, haverá muitas "visões externas" distintas, cada uma consìstindo em uma
representação mais ou menos abstrata de determinada parte do banco de dados e haverá
precisamente uma "visão conceitual", que corresponde à representação abstrata do banco de
dados em sua totalidade.' (Lembremo-nos que a maioria dos usuários não estará interessada
em todo o banco de dados, mas somente numa parte restrita do mesmo.) Da mesma forma,
haverá exatamente uma "visão interna", representando todo o banco de dados como
armazenado de fato.

FIGURA 3 – Os três níveis da arquitetura

Um exemplo tornará estas idéias mais claras. A figura 4 mostra a visão conceitual de um
simples banco de dados sobre funcionários, a visão interna correspondente e as duas visões
externas correspondentes, uma para um usuário de PL/I e outra para o usuário de COBOL. O
exemplo, na certa, é totalmente hipotético - não pretende simular qualquer sistema real - e
muitos detalhes irrelevantes foram deliberadamente omitidos.
Interpretamos a Figura 4 como segue:
FIGURA 4 – Exemplo dos três níveis

• O banco de dados contém, no nível conceitual, informações referentes ao tipo de entidade
chamada EMPLOYEE. Cada EMPLOYEE tem um EMPLOYEE_NUMBER (seis
caracteres), um DEPARTMENT NUMBER (quatro caracteres) e um SALARY (cinco dígitos
decimais). Os funcionários estão representados, no nível interno, por um tipo de registro
armazenado chamado STORED EMP, com dezoito bytes de comprimento. O STORED_EMP
contém quatro tipos de campos armazenados: um prefixo de seis bytes (contendo,
provavelmente, informações de controle como sinalizadores ou ponteiros, e três campos de
dados correspondendo às três propriedades dos funcionários, Os registros STORED_EMP
são, adicionalmente, indexados no campo CAMPO EMP por um índice chamado EMPX.

• O usuário de PL/I tem uma visão externa do banco de dados, na qual cada fnncionário é
representado por um registro PL/I, contendo dois campos (os números de departamento não
são do interesse deste usuário, e por isto foram omitidos da visão). O tipo de registro é
definido por uma declaração comum de estrutura PL/I, de acordo com as regras normais de
PL/I.

• Do mesmo modo, o usuário de COBOL tem uma visão externa, na qual cada funcionário é
representado por um registro COBOL, contendo, novamente, dois campos (desta vez foi
omitido o de salário). O tipo de registro é definido por um registro cornum COBOL, de
acordo com as regras normais do COBOL.

• Observemos que objetos correspondentes podem ter nomes diferentes em cada nível. O
número do funcionário, por exemplo, é chamado de EMP # na visão da PL/I, e de EMPNO na
visão COBOL, como EMPLOYEE_NUMBER na visão conceitual e como EMP #
(novamente) na visão interna. O sistema certamente deve estar a par das correspondências.
Deve ser informado, por exemplo, que o campo COBOL EMPNO deriva do objeto conceitual
EMPLOYEE_NUMBER que, por sua vez, é representado no nível interno pelo campo
armazenado EMP # . Tais concordâncias, ou mapeamentos, não são mostradas na Figura 4.

Primeiro, o nível conceitual em tal sistema será definitivamente relacional, no sentido
de que os objetos visíveis neste nível serão tabelas relacionais (os operadores também serão
operadores relacionais, i.e., operadores que trabalham com tais tabelas). Segundo, uma
determinada visão externa será igualmente relacional ou algo bem próximo; por exemplo, os
registros PL/I e COBOL podem ser considerados, respectivamente, como as representações
PL/I e COBOL de (uma linha dentro de) uma tabela relacional. Terceiro, o nível interno
certamente não será sempre "relacional", desde que os objetos desse nível não serão
exatamente tabelas relacionais (armazenadas) - ao contrário, serão a mesma espécie de obje-
tos encontrados no nível interno de outros tipos de sistema (a saber, registros armazenados,
ponteiros, índices, acessos hash etc.). De fato, a teoria relacional como tal não tem nada a
dizer sobre o nível interno (repetimos, sobre como o banco de dados aparece para o usuário.
Examinaremos agora mais detalhadamente os três níveis da arquitetura, iniciando com o nível
externo.

6 - O NÍVEL EXTERNO

O nível externo é o nível do usuário individual. Um determinado usuário tanto pode
ser um programador de aplicações como um usuário de terminal on-line - i.e., um usuário
final - de qualquer grau de sofisticação. O DBA é um caso especial importante. (Ao contrário
dos usuários comuns, o DBA terá de se interessar pelos níveis conceitual e interno também.
Cada usuário tem uma linguagem à sua disposição:

• Esta linguagem, para o programador de aplicação, pode ser uma linguagem
convencional de programação, como COBOL ou PL/I, ou uma linguagem de programação
apropriada, específica do sistema em questão (sistemas NOMAD, Rdv/VMS ou dBase II).

• Para o usuário final, pode ser uma linguagem de consulta ou uma linguagem de
propósitos especiais, talvez baseada em formulários ou menu, modelada às necessidades do
usuário e suportada por um programa de aplicação on-line.
Para nossos propósitos, o que importa é sabermos que todas essas linguagens
incluirão uma sublinguagem de dados - ou seja, um subconjunto de toda a linguagem, voltado
para os objetivos e operações do banco de dados. A sublinguagem de dados (DSL) é
embutida na linguagem hospedeira correspondente, a qual proporciona os diversos recursos
não-específicos de banco de dados, tais como variáveis locais (temporárias), operações
computacionais, lógica if-then-else e assim por diante. Um determinado sistema pode supor-
tar múltiplas linguagens hospedeiras e múltiplas sublinguagens de dados.

FIGURA 5 – Sistema de Arquitetura detalhado

Observação: Embora seja conveniente diferenciar, na arquitetura, a sublinguagem de
dados e linguagem hospedeira, as duas, em relação ao usuário, podem ser indistinguíveis. Se
assim for, ou se só puderem ser separadas com dificuldades, dizemos que são "unidades de
maneira firme". Se as linguagens são fáceis e claramente separadas, dizemos que são "unidas
de maneira indefinida". A maioria dos sistemas de hoje suporta apenas a união indefinida.
Um sistema firmemente unido propiciará um conjunto de recursos mais uniforme para o
usuário, mas obviamente requer maior esforço por parte dos projetistas do sistema (o que
poderia explicar o que temos hoje). Entretanto, parece haver um movimento que,
gradualmente, nos levará a dispor, nos próximos anos, de sistemas com união mais firme.
Em princípio, qualquer sublinguagem de dados é rea]mente uma combinação de pelo
menos duas linguagens subordinadas: a linguagem de definição de dados (DDL), que
possibilita a definição ou descrição dos objetos do banco de dados, e a Iinguagem de
manipulação de dados (DML), que suporta a manipu]ação ou processamento desses objetos.
Considerando-se o usuário de PL/I da figura 4, a sublinguagem de dados para aquele usuário
compõe-se dos aspectos de PL/I utilizados para a comunicação com o DBMS. A parte DDL
consiste nas construções declarativas do PL/I necessárias para declarar os objetos do banco
de dados: a própria instrução DECLARE (DCL), certos tipos de dados PL/I, e possivelmente
as extensões especiais para PL/I, para suportar novos objetos que não são tratados pelo PL/I
existente. A parte DML compõe-se das instruções executáveis do PL/I que transferem as
informações de e para o banco de dados - podendo, novamente, incluir novas instruções
especiais. (Observação: Os PL/I atuais de fato não incluem aspectos específicos de banco de
dados. As instruções "DML", por isto, são apenas "CHAMADAS" para o DBMS. Eis por que
sistemas PL/I, como muitos sistemas atuais, só proporcionam uma união muito indefinida
entre a sublinguagem de dados e a hospedeira.)
Voltando à arquitetura: Já mencionamos que o usuário individual, por via de regra, só
vai interessar-se por determinada parte do banco de dados; além disso, a visão que o usuário
terá daquela parcela é, em geral, algo abstrato, em compáração à forma como os dados são
fisicamente armazenados. Em termos ANSI/SPARC, a visão de determinado usuário é uma
visão externa. A visão externa é, portanto, o conteúdo do banco de dados como visto por
determinado usuário (ou seja, para aquele usuário, a visão externa é o banco de dados). Um
usuário do Departamento de Pessoal, por exemplo, pode ver o banco de dados como uma
co]eção de eventos de registros do departamento, e uma coleção de eventos de registros de
empregados (Podendo estar totalmente desinformado das ocorrências de registros de
fornecedores e peças vistas pelos usuários do Departamento de Compras). Portanto, uma
visão externa consiste, em geral, em ocorrências múltiplas, de múltiplos tipos de registro
externo3. Um registro externo não é necessariamente o mesmo que um registro armazenado.
A sublinguagem de dados do usuário é definida em termos de registros externos; por
exemplo, uma operação de "recuperação de registro" da DML irá recuperar um evento de
registro externo, e não uma ocorrência de registro armazenado. Percebemos agora,
conseqüentemente, que o termo "registro lógico" refere-se a um registro externo.
Cada visão externa é definida por meio de um esquema externo, que consiste,
basicamente, em definições para cada um dos vários tipos de registro externo naquela visão
externa. O esquema externo é descrito usando-se a parte DDL da sublinguagem de dados do
usuário. (Denomina-se, assim, a DDL, às vezes, de DDL externa.) O tipo de registro externo
funcionário, por exemp]o, pode ser definido como um campo de seis caracteres, número do
funcionário, mals um campo de cinco dígitos decimals, `salário', e assim por diante. Além
disso, deve haver uma definição do mapeamento entre o esquema externo e o esquema
conceitual fundamental

9 - O NÍVEL CONCEITUAL

A visão conceitual é a representação de todo o conteúdo de informações do banco de
dados, também (como a visão externa) um tanto abstrata quando comparada à forma como os
dados são fisicamente armazenados, que também pode ser bem diferente da maneira como os
dados são vistos por qualquer usuário em particular. A grosso modo, podemos dizer que a
visão conceitual é a visão dos dados "como realmente são", e não como os usuários são
forçados a vê-los devido às restrições (por exemplo) da linguagem ou do hardware utilizados
pelos mesmos.
A visão conceitual consiste em ocorrências múltiplas de tipos múltiplos de registros
conceituais. A mesma pode consistir, por exemplo, em uma série de ocorrências de registros
de departamentos, mais um conjunto de ocorrências de registros de funcionários, ou de
fornecedores de peças ... De um lado, um registro conceitual não é necessariamente o mesmo
do que um registro externo e, de outro, nem o mesmo que um registro armazenado.
A visão conceitual é definida pelo esquema conceitual que inclui definições de todos
os diversos tipos de registros conceitual. O esquema conceitual é escrito através de outra
linguagem de definição de dados, a DDL conceitual. Para que se possa alcançar a
independência de dados, essas definições da DDL conceitual não podem conter quaisquer
considerações sobre a estrutura de armazenamento ou a estratégia de acesso - devem ser
apenas definições das informações. Assim, não pode haver referência ao esquema conceitual
para as representações do campo armazenado, seqüência de registro armazenado, indexação,
acesso hash, ponteiros ou quaisquer outros detalhes de armazenamento/acesso. Se o esquema
conceitual for realmente independente de dados, então os esquemas externos, que são
definidos em termos do esquema conceitual, também serão necessariamente independentes de
dados.
A visão conceitual, então, é a visão do conteúdo total do banco de dados, e o esquema
conceitual é uma definição desta visão. Seria errado, porém, dizer-se que o esquema
conceitual não é nada mais do que um conjunto de definições parecidas com simples
definições de registros como encontrados, por exemplo, num programa COBOL. As
definições no esquema conceitual devem incluir uma grande quantidade de aspectos, como
controles de segurança e de integridade. Algumas autoridades na matéria ainda vão mais
além, e sugerem que o objetivo final do esquema conceítual é descrever toda a empresa - não
somente os dados operacionais, mas também como são usados: como transcorre o fluxo em
cada ponto da empresa, como é usado em cada ponto, como se aplicam a auditoria ou outros
controles em cada ponto, e assim por diante. Enfatizamos, no entanto, que hoje em dia
nenhum sistema realrnente suporta um nível conceitual que se aproxime deste grau de
abrangência; na maioria dos sistemas existentes, o "esquema conceitual" é realmente pouco
mais que uma simples união de todos os esquemas externos e indíviduais, com a provável
adíção de alguns controles de segurança e integridade. Mas tudo indica que os sistemas, no
futuro, serão eventualmente mais sofisticados quanto ao suporte do nível conceitual.
Discutiremos este tópico com mais profundidade no final desse Iívro (víde CapítuIo 25).

10 - O NÍVEL INTERNO

O terceiro nível da arquitetura é o nível interno. A visão interna é uma pequena representação
de todo o banco de dados; consiste em ocorrências múltiplas de tipos múltiplos de registros
internos. O "registro interno" é termo ANSI/SPARC para a estrutura que temos denominado
de registro armazenado (termo que continuaremos a empregar). A visão interna é um tanto
distante do nível físico, uma vez que não trabalha em termos de registros físicos (também
chamados páginas ou blocos), nem de considerações de dispositivos específicos tais como
cilindro ou comprimento de trilha. (A visão interna assume basicamente um espaço de
endereçamento linear e infinifo. Os detalhes de como este espaço de endereçamento é
mapeado até o armazenamento físico são altamente específicos a cada sistema, e
deliberadamente omitidos de arquitetura.)
A visão interna é descrita por meio do esquema interno, que não só define os vários
tipos de registros armazenados como também especifica os índices que existem, como os
campos armazenados são representados, a seqüência física dos registros armazenados, e
assim por diante. O esquema interno é preparado através de uma outra linguagem de defi-
nição de dados - a DDL interna.
Observamos, à parte, que, em certas situações excepcionais, os programas de aplicação - em
particular, as aplicações de natureza "utilitária" podem operar diretamente no nível interno,
ao invés do nível externo. Não é necessário dizer que esta prática não é recomendável;
representa um risco de segurança (posto que o controle de segurança não é observado) e um
risco de integridade (uma vez que os controles de integridade também não são observados), e
o programa, além disso, torna-se dependente de dados, em algumas ocasiões, porém esta
poderá ser a única forma de se obter a função ou a performance nocasária - assim como o
usuário de uma linguagem de programação de alto nível pode, ocasionalmente, precisar
utilizar a linguagem de montagem (assembler) para satisfazer certos objetivos funcionais ou
de desempenho.

11- MAPEAMENTOS

Referindo-nos novamente à Figura 5, observa-se dois níveis de mapeamento na
arquitetura, um entre os níveis externo e conceitual do sistema e um entre os níveis conceitual
e interno. O mapeaniento conceituallinterno define a correspondência entre a visão conceitual
e o banco de dados armazenado; especifica como os registros e campos conceituais são
representados no nível interno. Se a estrutura do üanco de dados armazenado for modificada -
i.e., se for executada uma mudança na definição da estrutura armazenada -, o mapeamento
conceitual/interno também deverá ser modificado de acordo, de forma que o esquema
conceitual permaneça invariável. (O controle destas mudanças é da responsabilidade do
DBA.) Em outras palavras, os efeitos dessas modificações devem ser isolados abaixo do nível
conceitual, de maneira a preservar a independência de dados.
Um mapeamento externo/conceitual define a correspondência entre uma determinada
visão externa e a visão conceitual. As diferenças que podem existir entre estes dois níveis são
similares aquelas que podem existir entre a visão conceitual e o banco de dados armazenado.
Como exemplo, os campos podem ter tipos de dados diferentes, as denominações de campo e
registro podem ser modificadas, campos conceituais múltiplos podem ser combinados num
único campo externo (virtual) etc. Pode haver qualquer número de vis~es externas ao mesmo
tempo; qualquer quantidade de usuários pode compartilhar de uma determinada visão
externa; diferentes visões externas podem sobrepor-se. Alguns sistemas possibilitam que a
definição de uma visão externa seja expressa em termos de outra (de fato, vía mapeamento
externo/externo), ao invés de exigirem sempre uma definição explícita do mapeamento a
nível conceitual - um aspecto muito útil, quando diversas visões externas se relacionam entre
si.

12 - O ADMINISTRADOR DO BANCO DE DADOS

O administrador do banco de dados (DBA), já rnencionado é a pessoa (ou grupo de
pessoas) responsável pelo controle do sistema. As responsabilidades do DBA incluem o
seguinte:
• Decidir o conteúdo de informações do banco de dados

Faz parte do trabalho do DBA decidir exatamente que informação manter no banco de
dados - em outras palavras, deve identificar as entidades do interesse da empresa e a
informação a registrar em relação a estas entidades. Uma vez feito isto, o DBA deve então
definir o conteúdo do banco de dados, descrevendo o esquema conceitual (usando 0 DDL
cònceitual). A forma objeto (compilado) daquele esquema é utilizada pelo DBMS para
responder às solicitações de acesso. A forma (não compilada) atua como documento de
referência para os usuários do sistema.

• Decidir a estrutura de armazenamento e a estratégia de acesso

O DBA também deve decidir como os dados serão representados no banco de dadosb,
e definir esta representação escrevendo a definição da estrutura de armazenamentó (usando a
DDL interna). Além disso, deve definir o mapeamento associado entre os níveis interno e
conceitual. Na prática, tanto a DDL conceitual quanto a DDL interna - mais provavelmente a
primeira - provavelmente incluirão os meios de definição desse mapeamento, mas as duas
funções (a definição do esquema, a definição do mapeamento) devem ser claramente
separadas. Tal como o esquema conceitual, o esquema interno e o mapeamento
correspondente existirão não só na forma-fonte como na forma objeto.

• Servir de elo de ligação com usuários

É função do DBA servir de elo de ligação com os usuários, a fim de garantir a
disponibilidade dos dados de que estes necessitam, e prepar~ - ou auxiliá-los na preparação
dos necessários esquemas externos, utilizando a DDL externa apropriada (como já
mencionamos, um determinado sistema pode suportar diversas DDLs externas e distintas). E,
ainda, também deve ser definido o mapeamento entre qualquer esquema externo e o esquema
conceitual. Na prática, a DDL externa provavelmente incluirá os meios de especificação do
mapeamento, mas o esquema e o mapeamento devem ser claramente separados. Cada esque-
ma externo e o mapeamento correspondente existirão tanto na formafonte como na forma
objeto.

• Definir os controles de segurança e integridade
Os controles de segurança e de integridade, como já mencionado, podem ser
considerados parte do esquema conceitual. A DDL conceitual incluirá os recursos para a
especificação de tais controles.

• Definir a estratégia de reserva e recuperação

A partir do momento em que a empresa começa efetivamente a basear-se em banco de
dados, torna-se dependente do bom funcionamento deste sistema. Na eventualidade de danos
à parte do banco de dados - causados, digamos, por erro humano, ou por falha no hardware,
ou nó sistema operacional de suporte -, é de suma importância fazer retornar os dados
envolvidos com um mínimo de demora e com as menores conseqüências ao restante do
sistema. Por exemplo, os dados que não sofreram danos não deverão ser afetados.' O DBA
deve definir e implementar uma estratégia de recuperação apropriada envolvendo, por exem-
plo, o descarregamento periódico do banco de dados na memória auxiliar de armazenamento
e procedimentos para recarregá-lo, quando necessário.

• Monitorar o desempenho e atender as necessidades de modificações.

O DBA deve organizar o sistema de tal maneira que obtenha "o melhor desempenho
para a empresa"; e efetuar os ajustes adequados quanto às necessidades de modificações.
Como já mencionamos, quaisquer mudanças nos detalhes de armazenamento e acesso devem
ser acompanhadas de mudanças correspondentes na definição do mapeamento, a partir do
nível conceitual, de forma que o esquema conceitual possa permanecer constante.O DBA,
evidentemente, irá precisar de diversos programas utilitários como auxílio às tarefas
precedentes. Estes são uma parte essencial de um sistema de banco de dados prático, embora
não sejam mostrados na Figura 5 da arquitetura. Listamos abaixo alguns exemplos dos
programas utilitários necessários.

• Rotinas de carga (para criar uma versão inicial do banco de dados a partir de um ou mais
arquivos).

• Rotinas de despejo na memória e recuperação (despejar o banco de dados, auxiliar de
armazenamento de dados, e recarregar o banco de dados a partir dessa cópia de segurança).
Observação: As rotinas de carga mencionadas acima consistirão, na prática, no aspecto de
"recuperação" das rotinas de despejo/recuperação na memória. Rotinas de reorganização
(para rearrumar os dados no banco de dados, em vista de diversas razões de desempenho -
por exemplo, agrupar os dados de certa maneira ou regenerar espaço ocupado por dados que
se tornaram obsoletos).

• Rotinas estatísticas (para computar diversos desempenhos estatísticos, tamanhos de
arquivos e distribuição de valores de dados). Rotinas analíticas (para analisar as estatísticas
mencionadas). Uma das ferramentas mais importantes do DBA - de muitas maneiras e, de
fato, o coração de todo o sistema, embora não mostrado na Figura 5 - é o dicionário de dados
(conhecido também como catálogo do sistema). O dicionário de dados pode ser considerado
um banco de dados (mas um banco de dados de sistema, e não propriamente um banco de
dados de usuário). O conteúdo do dicionário pode ser considerado "dados sobre dados" (às
vezes denominado "metadados") - ou seja, descrições de outros objetos no sistema, ao invés
de simples "dados em bruto". Os diversos esquemas e mapeamentos (externo, conceitual
etc.), especialmente, serão fisicamente armazenados, ambos na forma-fonte e na forma
objeto, no dicionário. Um dicionário abrangente também incluirá referências cruzadas das
informações, mostrando, por exemplo, que programas utilizam tal parte do banco de dados,
que departamentos necessitam de tais relatórios, que terminais estão conectados ao sistema, e
assim por diante. O dicionário também pode (e deveria) estar integrado ao banco de dados
que descreve, incluindo, portanto, a sua própria descrição. Deveria ser possível consultar-se o
dicionário, tal como qualquer outro banco de dados, de maneira que fosse possível indicar os
programas e/ou usuários que seriam afetados por eventual mudança no sistema.

13- O SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO BANCO DE DADOS.

O sistema de gerenciamento do banco de dados (DBMS) é o software que manipula
todos os acessos ao banco de dados. De forma conceitual, acontece o seguinte:

1. O usuário emite uma solicitação de acesso, usando uma sublinguagem específica de dados
(por exemplo, SQL).

2. O DBMS intercepta a solicitação e analisa-a.

3. O DBMS, por sua vez, inspeciona os esquemas externos para aquele usuário, o
mapeamento externo/conceitual correspondente, o esquema conceitual, o mapeamento
conceitual/interno e a definição da estrutura de armazenamento.

4. O DBMS executa as operações necessárias no banco de dados armazenado.
Consideramos, por exemplo, o que envolve a recuperação de uma ocorrência
específica de registro externo. Em geral, diversas ocorrências de registro conceitual vão
solicitar campos. Cada ocorrência de registro conceitual, por sua vez, pode solicitar os
campos de diversas ocorrências de registro armazenado. O DBMS, finalmente, precisa, em
primeiro lugar, recuperar todas as ocorrências de registro armazenado solicitadas, depois
construir as ocorrências de registro conceitual solicitadas, e então construir a ocorrência de
registro externo solicitada. Em cada estágio, são necessários tipos de dados ou outras
conversões.
Consideremos, entretanto, que a descrição acima está muito simplificada. A mesma
sugere, especialmente, que todo o processo é interpretativo, o que implica, em geral,
desempenho fraco (improdutividade do tempo de execução). As solicitações de acesso, na
prática, talvez possam ser compiladas antes do tempo de execução.
Podemos caracterizar, de outra maneira, a função do DBMS, ou seja, o mesmo
proporciona a interface de usuário ao sistema de banco de dados. A interface do usuário pode
ser definida como um limite no sistema abaixo do qual tudo é invisível ao usuário. Por
definição, a interface do usuário está no nível externo, há certas situações em que a visão
externa difere de maneira muito significativa da visão conceitual fundamental (a parte
relevante de).

14- COMUNICAÇÕES DE DADOS

Concluímos este capítulo com uma breve menção à comunicação de dados. As
solicitações ao banco de dados a partir de um usuário final são normalmente transmitidas (a
partir do terminal do usuário ~- que pode estar fisicamente longe do sistema - para alguma
aplicação on-line, embutida ou outra, e dali para o DBMS) na forma de mensagens de
comunicação. As respostas ao usuário (do DBMS e da aplicação on-line de volta ao terminal
do usuário) também são transmitidas sob a forma de mensagens. Todas essas transmissões de
mensagens são efetuadas sob a direção de um outro sistema de software, o gerenciador áé
comunicação dos dados (gerenciador DC).
O gerenciador DC não é um componente do DBMS, mas sim um sistema autônomo
em si. Entretanto, posto que gerenciador DC e o DBMS devem trabalhar harmoniosamente,
costumamos considerá-los parceiros de mesmo nível no exercício denominado banco de
dados/sistema de comunicação de dados (sistema DB/DC); o DBMS procura o banco de
dados e o gerenciador DC manipula todas as mensagens para e
As diversas técnicas não devem ser consideradas passíveis de se excluírem mutuamente. Por
exemplo, é perfeitamente possível ter um arquivo armazenado (digamos) tanto com acesso
indexado como com acesso hash ao arquivo baseado no .mesmo campo armazenado, ou com
acesso hash em um campo e um acesso de cadeia de ponteiro em outro.

15 - INDEXAÇÃO
Consideremos a tabela de fornecedores na Figura 6, mais uma vez. Suponhamos a
consulta: "Achar todos os fornecedores da cidade C" (onde C seja um parâmetro). Esta
consulta é importante - i.e., será executada com freqüência e, por isso, deve ser bem
resolvida. Assim, o DBA talvez escolha a representação armazenada mostrada na Fig. 3.10,
onde existem dois arquivos armazenados, um arquivo de fornecedores, e um arquivo de
cidades (provavelmente em diferentes conjuntos de páginas); o arquivo de cidades,
armazenado na seqüência de cidades (porque CITY é uma chave primária, inclui ponteiros
(RIDs) ao arquivo de fornecedores. Para que o DBMS possa achar todos os fornecedores de
Londres (digamos), existem duas estratégias possíveis:
1. Buscar em todo o arquivo de fornecedores, procurando todos os registros cujo valor de ci
dade seja igual a Londres.

FIGURA 6 – Indexação de arquivos de fornecedores em CITY

2. Buscar as entradas de Londres no arquivo de cidades e, para cada uma, acompanhar o
ponteiro ao registro correspondente no arquivo de fornecedores. Se a proporção de
fornecedores de Londres em relação aos outros for pequena, provavelmente a segunda
estratégia seria mais eficaz do que a primeira, porque 1) o DBMS está a par do
seqüenciamento físico do arquivo de cidade (pode parar a busca naquele arquivo, assim que o
mesmo achar uma cidade que suceda Londres na ordem alfabética), e 2) mesmo que tenha de
empreender uma busca em todo o arquivo de cidades, a mesma ainda necessitaria de menos
entradas/saídas, pois o arquivo de cidades é fisicamente menor do que o de fornecedores
(pois os registros são menores).
O arquivo de cidades neste exemplo é tido como um índice para o arquivo de
fornecedores; o arquivo de fornecedores, da mesma forma, é tido como indexado pelo
arquivo de cidades. Um índice é uma espécie especial de arquivo armazenado. Para ser mais
específico, é um arquivo no qual cada entrada (i.e., registro) compõe-se precisamente de dois
valores, um valor de dados e um ponteiro (RID);
o valor de dados é um valor para determinado campo do arquivo indexado, e o
ponteiro identifica um registro daquele arquivo que tenha o valor daquele campo.
A partir deste ponto, passaremos a nos referir ao arquivo de cidades da Figura 6 mais
explicitamente como "o índice CITY". Um ponto da terminologia: Um índice de um campo
de chave primária - por exemplo, um índice no campo S # do arquivo de fornecedores - é
chamado de índice primário. Um índice de qualquer outro campo - por exemplo, o índice
CITY do exemplo - é denominado índice secundário. Como São Usados os Índices.
A vantagem fundamental do índice é que acelera a recuperação. Entretanto há
também uma desvantagem - reduz a velocidade das atualizações. (Como em muitas outras
situações, há uma compensação.) Por âxemplo, cada vez que se adiciona um novo registro
armazenado ao arquivo indexado, uma nova entrada terá de ser acrescentada ao índice.
Consideremos, como exemplo mais expecífico, o que o DBMS deve fatter no índice CITY da
Fig. 6 para mudar o fornecedor S2 de Paris para Londres. A questão que deve ser respondida
quando um campo é considerado como candidato à indexação é: O que seria mais importante,
a recuperação eficiente baseada no valor do campo em questão ou a perda em atualização, em
função da recuperação eficiente?
No restante desta seção, passaremos a concentrar-nos especificamente nas operações
de recuperação.
Os índices podem ser utilizados, essencialmente, de duas maneiras diferentes. Primeiro,
podem ser utilizados para o acesso seqüencial ao árquivo indexado - onde "seqüencial"
significa "na seqüência definida pelos valores do campo indexado". Por exemplo, o índice
CITY no exemplo acima permite que os registros no arquivo de fornecedores sejam
processados na seqüência de cidades. Segundo, os índices também podem ser utilizados para
acesso direto aos registros individuais no arquivo indexado baseado num determinado valor
do campo indexado. A consulta "achar os fornecedores em Londres", discutida ilustra o
segundo caso.
Os dois meios básicos de utilizar um índice podem ser delineados, simplesmente
como:
l. Seqüencial: O índice também pode ser útil nas consultas de limites - por exemplo, "Achar
os fornecedores cuja cidade se encontre em determinado limite do alfabeto" (isto é, inicie-se
com a letra no limite L-R).

2. Direto: O índice também pode ser útil nas consultas de lista - por exemplo, "Achar os
fornecedores cuja cidade se encontre em certa lista específica" (isto é, a lista da cidade de
Londres, Paris e Nova York).
Há, ainda, certas consultas - basicamente, testes de existência - que podem ser respondidas
apenas pelo índice, sem qualquer acesso ao arquivo indexado. Considere como exemplo a
consulta: "Há fornecedores em Atenas?".
A resposta é claramente "sim" se, e apenas se, existir uma entrada para Atenas no
índice CITY.
Um determinado arquivo armazenado pode ter qualquer quantidade de índices. Por exemplo,
o arquivo armazenado de fornecedores pode ter um índice CITY e um índice STATUS
(Figura 7). Estes índices poderiam então ser utilizados para proporcionarem acesso eficiente
aos registros de fornecedores na base de determinados valores para cada ou ambos os índices
CITY e STATUS. Como um exemplo do caso "ambos", consideremos a consulta: "Achar os
fornecedores em Paris com status 30". O índice CITY fornece os RIDs - r2 e r3, digamos -
para os fornecedores de Paris; da mesma maneira, o índice STATUS fornece os RIDs - r3 e
r5, digamos - para os fornecedores de status 30. Deduzimos desses dois conjuntos de RIDs
que o único fornecedor que satisfaz a consulta original é o fornecedor com RID igual a r3 (ou
seja, o fornecedor S3). Somente, então, o DBMS acessa o arquivo de fornecedores em si, a
fim de recuperar o registro desejado.

FIGURA 7 – Indexação de arquivo de fornecedores tanto em CITY como em STATUS

Mais terminologia: Denominam-se os índices, eventualmente, de listas invertidas,
pela seguinte razão: Primeiro um arquivo “normal” – o arquivo de fornecedores das figuras 6
e 7 é considerado como o típico “arquivo normal” – lista, para cada registro, os valores de
campo naquele registro. Por outro lado, o índice lista, para cada valor de campo indexado, os
registros que contêm aquele valor. Mais um termo: Um arquivo com um índice em cada
campo é denominado, eventualmente, de completamente invertido.
Indexação de Combinações de Campos
Também é possível construir um índice baseado nos valores de dois ou mais campos
combinados. Por exemplo, a Fig. 7 mostra um índice para o arquivo de fornecedores,
combinando os campos CITY e STATUS (nesta ordem). O DBMS, com tal índice, pode
responder à consulta discutida acima - "Achar os fornecedores de Paris com status 30" -
numa simples exploração de índice único. Se o índice combinado for recolocado por dois
índices separados, a consulta, então, envolverá duas explorações separadas de índice (como
descrito). Ademais, nesse caso talvez seja difícil decidir quais das duas explorações deve ser
efetuada em primeiro lugar, uma vez que as duas seqüëncias possíveis podem ter
características muito diferentes em desempenho, cuja escolha seria bastante significativa.

FIGURA 8 – Indexação do arquivo de fornecedores na combinação de campo
CITY/STATUS

Observemos que o índice combinado CITY/STATUS também pode servir como
índice para o campo de CITY apenas, desde que todas as entradas para uma determinada
cidade sejam consecutivas dentro do índice combinado. (Entretanto, um outro índice
separado deverá ser feito, caso seja necessária a indexação de STATUS.) Em geral, um índice
para a combinação de campos FI, F2, F3 ..., Fn (nesta ordem) também servirá como índice de
FI apenas, como índice das combinações FlF2 (ou F2F1), como índice da combinação
FIF2F3 (em qualquer ordem), e assim por diante. A quantidade total de índices necessários
para a indexação, deste modo, não é tão grande como pode parecer à primeira vista.
15.1 – INDEXAÇÃO DENSA VERSUS INDEXAÇÃO NÃO DENSA

Como mencionado em diversas ocasiões, o propósito fundamental do índice é acelerar
a recuperação dos dados - mais especificamente, reduzir o número de entradas/saídas em
disco necessárias para a recuperação de determinado registro armazenado. Atinge-se,
basicamente, este propósito por meio de ponteiros; e a partir de agora assumimos que todos
os ponteiros são ponteiros de registro (ou seja, RID's). De fato seria suficiente para este
propósito que estes fossem simples ponteiros de páginas (isto é, números de página).
Realmente, o sistema teria um trabalho adicional para achar um registro numa determinada
página, pois precisaria explorar através das páginas do armazenamento principal, embora a
quantidade de entradas/saídas permanecessem as mesmas.
Levemos a idéia adiante. Lembremo-nos de que qualquer arquivo armazenado tem
uma única seqüência "física", representada pela combinação de 1) seqüência de registros
armazenados em cada página e 2) seqüência de páginas dentro do conjunto de páginas.
Suponhamos que o arquivo de fornecedores seja armazenado tal como a seqüência física
corresponde à seqüência lógica, como definido pelos valores de determinado campo, digamos
o campo de número de fornecedores; em outras palavras, o arquivo de fornecedores (Figura
9) é agrupado naquele campo. Suponhamos, também, que seja necessário um índice naquele
campo. Não há necessidade de que aquele índice inclua uma entrada para cada registro
armazenado no arquivo indexado (isto é, o arquivo de fornecedores, no exemplo). 'Iüdo o que
é necessário é uma entrada para cada página, determinando o número mais alto de fornecedor
na página e o número correspondente da página.
Consideremes, como exemplo, o que é necessário para recuperar o fornecedor S3
utilizando este índice. O sistema primeiramente precisa explorar o índice, procurando a
primeira entrada com o número de fornecedores superior ou igual a S3. O sistema acha a
entrada indexada para o fornecerdor S4, que aponta a página p (digamos), recupera-a e ex-
plora-a no armazenamento principal, à cata do desejado registro armazenado (que neste
exemplo será encontrado rapidamente).
Um índice, como o da Fig. 9, é denominado não-denso, pois não contém uma entrada
para todo registro armazenado no arquivo indexado. (Todos os índices até então discutidos,
pelo contrário, eram índices densos.) Uma das vantagens do índice não-denso é que ocupará
menos armazenamento que o índice denso correspondente, pela óbvia razão de que contém
menos entradas. Em conseqüência, a exploração provavelmente será mais rápida. Como
desvantagem, não possibilitará o desempenho de testes de existência com base no índice
apenas.
Figura 9 – Exemplo de um índice não-denso

Observemos que um determinado arquivo armazenado não pode ter mais do que um
índice não-denso, pois o mesmo baseia-se na (única) seqüência física do arquivo em questão.
Todos os outros índices, necessariamente, devem ser densos.

15.2 - Árvores B

Um tipo de índice particularmente comum e importante é a árvore B. Embora seja
verdade (como já observado) de que não existe uma única estrutura de armazenamento ótima
para todas as aplicações, não há dúvidas de que, se é necessário escolher uma única estrutura,
então a árvore B, de uma variedade ou outra, será escolhida. As árvores B parecem ter o
melhor desempenho. Assim, a maioria dos sistemas relacionais suportam as árvores B como a
principal forma de estrutura de armazenamento, e outros não suportam absolutamente nada, a
não ser estas. Antes que possamos explicar o que é uma árvore B, precisamos discutir uma
noção preliminar, a saber, o índice multinível (ou estruturado em forma de árvore).
Providenciamos um índice em primeiro lugar para remover a necessidade de exploração
física seqüencial do arquivo indexado. Entretanto a exploração física seqüencial ainda é
necessária no índice. Se o arquivo indexado for muito grande, então o índice também terá um
tamanho equivalente, e a exploração seqüencial do índice poderá tomar muito tempo. A
solução para este problema é a mesma: ou seja, tratamos o índice simplesmente como um
arquivo armazenado/regular e construímos um índice para o mesmo (um índice para o
índice). Esta idéia pode ser colocada em prática em tantos níveis quanto necessário (em geral,
três níveis na prática); um arquivo teria de ser muito grande para necessitar de mais do que
três níveis de indexação). Cada nível de índice atua como um índice não-denso para o nível
inferior (deve ser o não-denso, certamente, pois, de outra maneira, não se realizaria nada - o
nível n conteria o mesmo número de entradas como o nível n + 1, e o tempo de exploração
permaneceria o mesmo).
Agora podemos discutir a árvore B. A árvore B é um tipo especial de índice
estruturado na forma de árvore, como descrito num texto de Bayer e McCreight, em 1972
[3.10]. Desde então, diversas variações foram propostas em relação à idéia básica, por Bayer
e outros pesquisadores; como mencionado, as árvores B, de um ou outro modo, são agora
provavelmente a estrutura de armazenamento mais utilizada nos sistemas modernos de banco
de dados (relacionais ou não). Descrevemos a variação realizada por Knuth [3.1].
Mencionamos que a estrutura de índice do "Método de Acesso Virtual ao Armazenamento"
VSAM da IBM [3.12] é muito similar à estrutura de Knuth. Contudo a versão VSAM inclui
características próprias, como a utilização de técnicas (vide Seção 3.7). Na realidade, o
precursor da estrutura VSAM já fora descrito por Chang em 1969 [3.13].
Na variação Knuth, o índice compõe-se de duas partes, o conjunto de seqüências e o conjunto
de índices (terminologia VSAM).
1. O conjunto de seqüências consiste em um índice de nível único aos dados reais; em
geral, é denso, mas pode ser não-denso, se o arquivo indexado for agrupado ao campo
indexado. As entradas no índice são (certamente) agrupadas em páginas, e as páginas são
(certamente) encadeadas, de forma que a ordem lógica representada pelo índice seja obtida
através das entradas em ordem física na primeira página da cadeia, seguida das entradas na
ordem física na segunda página da cadeia, e assim por diante. Desta maneira, o conjunto de
seqüência proporciona um rápido acesso seqüencial aos dados indexados.

2. O conjunto de índices, por sua vez, proporciona um rápido acesso direto ao
conjunto de seqüências (e, conseqüentemente, aos dados). O conjunto de índice é, na
realidade, um índice estruturado em forma de árvore B para o conjunto de seqüências; o
conjunto de índices representa a árvore B. A combinação do conjunto de índices e do
conjunto de seqüências é denominado eventualmente, de "Árvore B-plus" (árvore B+). O
nível superior do conjunto de índices consiste em um único nó (isto é, uma única página, mas
contendo entradas múltiplas de índice, como todos os outros nós). O nó superior é
denominado raiz. A Fig. 10 mostra um exemplo simples. A Fig. 10 se exemplifica da
seguinte forma: Os valores 6, 8, 12 ..., 97, 99 são o campo indexado, digamos, F.
Consideremos o nó superior, que consiste em dois valores F (50 e 82) é três ponteiros (núme-
ros de página). Os registros de dados com F menor ou igual a 50 podem ser achados
(eventualmente) seguindo-se o ponteiro esquerdo a partir deste nó; da mesma forma, os
registros com F, superiores a 50 e menores ou iguais a 82 podem ser achados seguindo-se o
ponteiro do meio; os registros com F superiores a 82 são achados seguindo-se o ponteiro da
direita. Os outros nós do conjunto de índices são interpretados de forma análoga; observemos
que (por exemplo), ao seguirmos o ponteiro direito a partir do primeiro nó ao segundo nível,
chegamos a todos os registros com F superior a 32 e também inferior ou igual a 50 (em
virtude do fato de já termos seguido o ponteiro esquerdo a partir do nó superior).

Figura 10 – Parte de uma árvore B simples

A árvore B (isto é, o conjunto de índices) da Fig. 10 é um tanto fora da realidade, pelas
seguintes razões:

1. Primeiro, nem todos os nós de uma árvore B contêm o mesmo número de dados;
2. Segundo, os mesmos normalmente contêm um certo espaço livre. Em geral, uma árvore B
da ordem n tem ao menos n mas não mais do que 2n de valores de dados em qualquer nó (e
se o mesmo tiver valores k, também tem k + 1 ponteiro). Nenhum valor de dados aparece na
árvore mais do que uma vez. Fornecemos o algoritmo de exploração para o valor especial V
na estrutura;

O algoritmo para a árvore B da ordem n é uma simples generalização.

set N to the root node ;
repeat until N is a sequence-set node ;
Let X, Y be the data values in node N l* X < Y *l ;
if V < = X then set N to the left lower node of N ; if X < V < = Y then set N to the middle lo
wer node of N ;
if V > Y then set N to the right lower node of N ; end repeat ;
if Voccurs in node Nthen exit /* found */ ;
if V does not occur in node N then exit /* not found */ ;
As estruturas de árvore em geral têm um problema, ou seja, tais inserções e eliminações
podem causar o desbalanceamento da árvore. Uma árvore é desbalanceada quando todas as
folhas de nós não se encontram no mesmo nível - isto é, se folhas diferentes de nódulos se
encontram em diferentes distâncias do nó da raiz. Como a pesquisa da árvore envolve um
acesso em disco para cada nó,a pesquisa em árvore desbalanceada pode ter uma duração
imprevisível. A grande vantagem as árvores B é que o algoritmo de inserção/eliminação da
mesma garante que a árvore estará sempre balanceada. (Diz-se que o "B" na designação
"árvore B" significa balanceada por esta razão.) Vamos considerar brevemente a inserção de
um novo valor, digamos V, na árvore de ordem n. O algoritmo como descrito suprime apenas
o conjunto de índices, posto que, como explicado anteriormente, o conjunto de índices é a
própria árvore B; para trabalhar com o conjunto de seqüências também é necessária uma
extensão simples.

• Primeiramente, o algoritmo de pesquisa foi executado para localizar não o nó do conjunto
de seqüências, mas sim aquele nó (digamos N) no nível mais inferior do conjunto de índices,
ao qual V pertence logicamente. Se N contiver espaço livre, V será inserido em N, e o
processo se encerra.

• Caso contrário, o nó N (que deverá conter valores 2n) será fracionado em dois nós, N1 e
N2. S constitui o conjunto ordenado composto de valores originais 2n, mais o novo valor V,
em seqüência lógica.
Os valores n mais baixos do conjunto S serão colocados no nó esquerdo N1, os
valores n mais elevados daquele conjunto serão colocados no nó direito N2, e o valor médio,
digamos W, será deslocado para o nó-fonte de N, digamos P, a fim de servir como valor
separador dos nós N1 e N2. As futuras buscas de valor V', ao alcançarem o nó P, serão
direcionadas ao nó N1, se V' < = W, e para o nó N2, se W < V'.

• Tenta-se, agora, inserir W em P, e o processo se repete.

No pior dos casos, ocorrerá um fracionamento até o topo da árvore; será citado um
novo nó raiz (fonte da antiga raiz que agora estará fracionada em duas; e a árvore crescerá
mais um nível de altura (mas, mesmo assim, continuará balanceada).
O algoritmo de eliminação é essencialmente o inverso do algoritmo de inserção acima
descrito. A modificação de um valor é tratada pela eliminação do antigo valor e pela inserção
do novo valor.
15.3- ACESSO HASH

O acesso hash (também denominado endereçamento-hash) é a técnica que
proporciona um rápido acesso direto ao registro armazenado, baseado num determinado valor
de um certo campo. O campo em questâo é, em geral, mas não necessariamente, a chave
primária. Esta técnica funciona como segue:

• Cada registro armazenado é colocado no banco de dados em uma localização, cujo
endereço (RID, ou talvez apenas um número de página) é computado como função (a função
hash) de algum campo daquele registro (o campo hash). O endereço computado é deno-
minado endereço hash.
• Para armazenar o registro, inicialmente o DBMS computa o endereço hash para o
novo registro e instrui o gerenciador de arquívo no sentido de colocar o regístro naquela
posíção.
• Para recuperar o registro posteriormente, dado o valor do campo hash, o DBMS
desempenha a mesma computação anterior, e instrui o gerenciador de arquivo no sentido de
buscar o registro na posição computada.
Suponhamos, a título de ilustração, que 1) os valores dos números de fornecedores
sejam 5100, S200, S300, S400, S500 (ao invés de Sl, S2, S3, S4 e SS) e, 2) cada registro de
fornecedor armazenado necessite de uma página inteira, e consideremos a função hash:
endereçamento hash (i.e. número de página) =restante da divisão da parte numérica do valor
S # por 13
- exemplo simples de um tipo muito comum da função hash, denominado "divisão/restante".
(Por motivos que fogem ao escopo deste manual, escolhe-se um número primo como divisor
de uma divisão/restante hash, usualmente, como em nosso exemplo). Os números de páginas
para os cinco fornecedores são, então, 9, 5, 1, 10, 6, respectivamente, dando-nos a
representação na figura 11.
Deve ter ficado claro, pela descrição anterior, que o acesso hash difere da indexação,
uma vez que um determinado arquivo armazenado pode ter qualquer quantidade de índices,
mas só pode ter uma estrutura hash.
Dizendo de outra forma: Um arquivo pode ter qualquer quantidade de campos
indexados, mas somente um campo hash.
Além de mostrar como trabalha o acesso hash, o exemplo também demonstra porque
a função hash é necessária. Teoricamente seria possível usar uma função hash "identidade".
Isto é, usar o valor (numérico) da chave primária para qualquer registro armazenado,
diretamente como o endereço hash. Contudo tal técnica normalmente será inadequada na
prática, porque a margem de valores de chave primária possíveis será, em geral, mais ampla
do que a margem de endereços disponíveis. Suponhamos, por exemplo, que os números de
fornecedores tenham, de fato, três dígitos a mais, como no exemplo acima. Haveria então
1000 possibilidades de números distintos de fornecedores, enquanto, de fato, existiriam
apenas cerca de 10 fornecedores. Assim, para evitar uma perda considerável de espaço de
armazenamento, o ideal seria descobrir uma função hash que reduza qualquer valor da faixa
de 000-999 para a faixa 0-9 (digamos). Para permitir um pouco de espaço para o crescimento
futuro, é normal que se aumente a margem em cerca de 20 por cento; foi por isto que
escolhemos uma função que gera valores na faixa de 0-12, e não 0-9, como no exemplo
acima.
O exemplo também ilustra uma das desvantagens do acesso hash: A "seqüência
física" de registros no arquivo armazenado não será certamente a seqüência da chave
primária, nem qualquer outra que tenha qualquer interpretação lógica sensível. (Ademais,
pode haver espaços vazios de tamanhos arbitrários entre os registros consecutivos.) De fato,
em geral a seqüência física de um arquivo armazenado com estrutura hash é (não
invariavelmente) tida como não-representativa de seqüência lógica específica,b assim, via de
regra, arquivo de acesso hash não tem nenhum agrupamento intra-arquivo - o que é de se
lamentar, já que o agrupamento físico, como mencionado neste capítulo, quase sempre seria
do maior interesse.

Figura 11 – Exemplo de uma estrutura Hash

Uma outra desvantagem do acesso hash é a possibilidade de colisões - isto é, de achar dois
registros distintos que indiquem o mesmo endereço. Suponhamos, por exemplo, que o
arquivo de fornecedores (com os fornecedores S100, S200 etc.) também inclua um
fornecedorcom número de fornecedor S1400. Dada a função hash "dividir por 13" discutida
acima, aquele fornecedor colidiria (no endereço hash 9) com o fornecedor S 100.
A função hash, como o exemplo demonstra, é inadequada; elá deve ser aprofundada
na sentido de lidar com o problema de colisão.
Em nosso exemplo original, uma possibilidade seria tratar o restante da divisão por
13, não como um endereço hash em si, mais como ponto de partida para uma busca
seqüencial. Para inserir o fornecedor S1400 (supondo que já existam os fornecedores S100-
S500), vamos à página 9 e buscamos à frente, a partir desta posição, a primeira página livre.
O novo fornecedor será armazenado na página 11. Para depois recuperar este
fornecedor, usaremos um processo similar. Este método de busca linear será adequado se
(como em geral ocorre na prática) os registros múltiplos estiverem armazenados em todas as
páginas. Suponhamos que cada página possa conter n registros armazenados. Então, as
primeiras colisões n em dado endereço hash p serão armazenadas na página p e uma busca
linear através dessas colisões estará totalmente contida nesta página. Entretanto a próxima
colisão - isto é, a de número (n + 1) - deverá ser armazenada em página extra, e será
necessária outra E/S.
Uma outra abordagem ao problema da colisão, talvez mais encontrada na prática,
seria de tratar o resultado a partir da função hash, digamos a, como endereço de
armazenamento, não do registro de dados, mas do "ponto âncora". O ponto âncora no
endereço de armazenamento a é então considerado a cabeça de uma cadeia de ponteiros (uma
cadeia de colisões), unindo todos os registros - ou todas as páginas de registros - que colidem
em a. As colisões dentro de uma determinada cadeia de colisões serão mantidas em uma
seqüência de campo hash, a fim de simplificarem as buscas subseqüentes.

Acesso Hash Extensível

Uma outra desvantagem, além daquela descrita acima, é a seguinte: como o tamanho
do arquivo de acesso hash cresce, o número de colisões também tende a crescer e,
conseqüentemente, o tempo de acesso médio aumenta de modo correspondente (porque se
gasta cada vez mais tempo na busca através dos conjuntos de colisões). O acesso hash exten-
sível é uma variação interessante da técnica básica, qué minoriza este problema. O acesso
hash extensível, de fato, garante que a quantidade necessária de acessos em disco para
localizar um registro específico (isto é, o registro com o valor específico da chave primária)
nunca será maior do que duas e, normalmente, de apenas uma.
Obs.: Os valores do campo hash devem ser únicos no esquema de acesso hash
extensível, onde se encontrarão naturalmente, se aquele campo for, de fato, a chave primária,
como sugerido no início desta seção.
O esquema funciona como segue.

1. A função hash básica é h, e o valor da chave primária de um registro específico r é k. O
acesso hash a k - isto é, avaliando-se h(k).
- produz um valor k', denominado de pseudochave de r. As pseudochaves não são
interpretadas diretamente como endereços; ao contrário, elas conduzem aos locais de
armazenamento de um modo indireto, como descrito abaixo.

2. O arquivo armazenado tem um diretório associado ao mesmo, também, armazenado no
disco. O diretório consiste em um cabeçalho, que contém um valor d, denominado
profundidade do diretório, em conjunto com 2° ponteiros, que são ponteiros para as páginas
de dados, que contêm os registros armazenados reais (registros múltiplos por página). Um
diretório de profundidade d, portanto, pode manejar um tamanho máximo de arquivo de 2d de
páginas de dados distintas.

3. Se consideramos os bits-guia d de uma pseudochave como um inteiro binário sem sinal
algébrico b, então o ponteiro de número i no diretório (1 < = i < = 2~ indica a página que
contém todos os registros para os quais b toma o valor i - 1. Em outras palavras, o primeiro
ponteiro indica a página que contém todos os registros para os quais b é apenas zero, o
segundo ponteiro indica a página onde b é 0 ... Ol, e assim por diante. (Esses 2d ponteiros são
todos distintos, ou seja, existirão menos do que 2d páginas de dados distintos. Vide Fig. 12.)
Deste modo, para que possamos achar o registro que tenha o valor k da chave primária,
achamos k via acesso hash para descobrir a pseudochave K' e tirar os primeiros bits d da
pseudochave; se esses bits tiverem o valor numérico i - 1, vamos até o ponteiro de n° i no
diretório (primeiro acesso em disco) e o seguimos até a página que contém o registro de-
sejado (segundo acesso em disco).
Obs.: O diretório será, na prática, pequeno o suficiente para ser mantido no armazenamento
principal durante a maior parte de tempo, de modo que os "dois" acessos em disco serão
normalmente reduzidos a um só na prática.

4. Cada página de dados também tem um cabeçalho, indicando a profundidade do local p da
mesma (p < = d). Suponhamos, por exemplo, que d seja três e que o primeiro ponteiro no
diretório (o ponteiro 000) aponte para a página onde a profundidade local p seja dois. A
profundidade local dois significa, neste caso, que esta página não só contém todos os
registros com pseudochaves iniciando em 000, mas que a mesma também contém todos os
registros com pseudochaves iniciando em 00 (i.e., aqueles que iniciam com 000 e também
aqueles que iniciam com 001). Em outras palavras, o ponteiro do diretório 001 também
aponta para está página. Vide, novamente, a Fig. 12

5. Suponhamos, em continuação ao exemplo em (3), que a página de dados 000 está cheia, e
que desejamos inserir um novo registro com uma pseudochave que se inicia em 000 (ou 001).

Figura 12

Neste ponto, a página será fracionada em duas; ou seja, adquire-se uma página nova e vazia,
e todos os registros 001 são removidos da página antiga para a nova. O ponteiro 001 no
diretório será modificado para apontar a nova página (o ponteiro 000 continua para a página
antiga). A profundidade local p para cada uma das duas páginas será agora três, e não mais
dois.

6. Continuando o nosso exemplo, suponhamos que a página de dados 000 esteja novamente
cheia e tenha que ser fracionada. O diretório existente não pode manipular tal fracionamento,
porque a profundidade local da página a ser fracionada já é igual à profundidade do diretório.
Assim, "dobramos o diretório"; ou seja, aumentamos d por um e substítuímos cada ponteíro
por um par de ponteiros adjacentes idêntícos. A págína de dados agora pode ser fracionada;
os regístros 0000 continuam na página anterior, e os registros 0001 vão para a nova página; o
primeiro ponteiro no diretório permanece inalterado (i.e., continua a apontar para a página
anterior), o segundo ponteiro é modificado, a fim de apontar para a nova página. Observemos
que a duplicação do diretório é uma operação barata, pois não necessita de acesso às páginas
de dados.

15.4 CADEIAS DE PONTEIROS

Suponhamos, novamente, que a consulta "Achar todos os fornecedores na Cidade C"
seja importante. Uma outra representação armazenada que pode tratar razoavelmente bem
esta consulta - possivelmente melhor do que um índice, embora de forma marginal - utiliza
cadeias de ponteiros. Esta representação é ilustrada na Fig. 3.17. Como se pode ver, a mesma
envolve dois arquivos armazenados, um arquivo de fornecedores e um arquivo de cidades,
quase igual à representação do índice na Fig. 13 (desta vez ambos os arquivos encontram-se,
provavelmente, no mesmo conjunto de páginas. Na representação de cadeias de ponteiros da
Fig. 13, o arquivo de cidades, contudo, não é um índice, mas sim um arquivo-"pai" (ou
fonte), como o mesmo é denominado. O arquivo de fornecedores é denominado conseqüen
temente de arquivo-"filho", e a estrutura em si é um exemplo de uma "organização pai/filho".
A estrutura pai/filho, no exemplo, baseia-se em valores de cidades de fornecedor. O arquivo-pai
(cidade) contém um registro armazenado para cada cidade de fornecedor distinta, indicando o valor de cidade e
atuando como o cabeça da cadeia ou anel de ponteiros que liga todos os registros-filho (fornecedores) aos
fornecedores naquela cidade. Observemos que o
campo cidade como tal foi removido do arquivo de fornecedores. O DBMS, para achar todos
os fornecedores em Londres (digamos), pode pesquisar o arquivo de cidades pela entrada de
Londres e, então, seguir a correspondente cadeia de ponteiros.

FIGURA 13 –Exemplo de uma estrutura pai/filho

A principal vantagem da estrutura pai/filho (cadeia de ponteiros) é que os algoritmos
inserir/anular são mais simples, e podemos ver que mais eficientes do que os algoritmos
correspondentes para índice. Assim, a estrutura, provavelmente, deve ocupar menos
armazenamento do que a estrutura de índices correspondente, porque cada valor da cidade
aparece exatamente uma vez, e não de forma múltipla. As principais desvantagens são as
seguintes:
• A única maneira de acessar o fornecedor de número n de uma determinada cidade é seguir a
cadeia e acessar o I°, 2°, ..., (n - 1) fornecedor também. Se os registros de fornecedor não
forem agrupados de forma adequada, cada acesso envolvendo uma operação de pesquisa, o
tempo que se gasta para acessar o fornecedor de número n pode ser bastante considerável.

• Embora a estrutura possa ser adequada para a consulta "Achar os fornecedores de uma
determinada cidade", a mesma não é de nenhum auxílio - de fato, é um obstáculo - quanto se
trata da consulta oposta "Achar a cidade de determinado fornecedor" (onde o fornecedor
determinado é identificado por um número de fornecedor determinado). Para a última
consulta, nem o acesso hash, nem um índice no arquivo de fornecedores bastará; observemos
que uma estrutura pai/filho, com base nos números dos fonecedores não faria muito sentido
(por que não?). E mesmo se o registro do dado fornecedor fosse localizado, ainda assim seria
necessário seguir-se a cadeia até o registro-pai para descobrir a cidade desejada (a
necessidade deste passo adicional é a nossa justificativa para reivindicar que a estrutura
pai/filho é um obstáculo para esta classe de consultas).
Observemos, ainda, que o arquivo-pai (cidade) necessitará também de um acesso hash ou um
índice, se o mesmo for de um tamanho expressivo. Conseqüentemente, as cadeias de
ponteiros sozinhas não são, na realidade, uma base adequada para uma estrutura de
armazenamento - outros mecanismos, tais como índices, também serão necessários.
• Criar uma estrutura pai/filho para um conjunto existente de registros é uma tarefa
incomum porque as cadeias de ponteiros passam através dos registros armazenados (isto é, os
prefixos dos registros incluem fisicamente os ponteiros relevantes) e, também, porque os
valores do campo relevante são decompostos para fora dos registros-filho e colocados, ao
contrário, nos registros-pai. De fato, tal operação necessitará de uma organização do banco de
dados,pelo menos para a parte relevante do mesmo.
A criação de um novo índice para um conjunto existente de registros, ao contrário, seria
um quesito mais direto. (A criação de um novo acesso hash também implicará
reorganização.)

A estrutura pai-filho básica possibilita diversas variáveis. Por exemplo:

• Os ponteiros podem ser feitos em sentido duplo. A vantagem é que tal variável simplifica o
ajuste de ponteiro necessário para a operação de anulação de um registro-filho.
• Uma outra ampliação seria a inclusão de um ponteiro (um "ponteiro-pai" de cada registro-
filho para o pai correspondente); isto reduziria à quantidade de passagens na cadeia que são
necessárias para se responder à consulta "Achar a cidade para determinado fornecedor"
(observemos, entretanto, que esta ampliação não afeta a necessidade de um acesso hash ou
índice para auxiliar na resposta à consulta).
• Uma outra variável seria não remover o campo do arquivo de fornecedores, mas repetir o
campo nos registros de fornecedores; certas possibilidades de recuperação (por exemplo,
"Achar a cidade do fornecedor S4") torna-se-iam mais eficientes. Observemos, porém, que o
aumento da eficiência não tem nada a ver com a estrutura da cadeia de ponteiros em si - e que
ainda será provavelmente necessário um acesso hash ou índice nos números de fornecedores.
Finalmente, assim como é possível ter quaisquer quantidades de índices em um
determinado arquivo armazenado, também é possível ter quaisquer quantidades de cadeias de
ponteiros em determinado arquivo armazenado. (Ambos também são possíveis, embora
incomuns na prática.) A Fig. 14 mostra uma representação de um arquivo de fornecedores
que envolve duas cadeias de ponteiros distintas e, assim, duas estruturas-pai/filho distintas,
uma com o arquivo de cidade como pai (como na Fig. 13) e uma com o arquivo de status
como pai. O arquivo de fornecedores é o arquivo-filho para ambas as estruturas.

FIGURA 14 – Exemplo de uma organização pai/filho