You are on page 1of 164

www.LEISMUNICIPAIS.com.

br - Informação legal em tempo real

Página 1 de 164

LEI COMPLEMENTAR Nº 163, de 12 de dezembro de 2006.

"DISPÕE SOBRE O PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL".

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIO DO SUL, Faço saber a todos os habitantes deste município, que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei Complementar, que institui o Plano Diretor para o município de Rio do Sul e dá outras providências.

TÍTULO I DIRETRIZES URBANÍSTICAS PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art. 1º - Esta Lei, com fundamento na Constituição da República Federativa do Brasil, em especial no exercício das competências estabelecidas pelos seus artigos 30, 182 e 183, na Lei Federal nº 10.257, de 10 de julho de 2001, Estatuto da Cidade, na Constituição do Estado de Santa Catarina e na Lei Orgânica do Município de Rio do Sul - SC, dispõe sobre o Plano Diretor, estabelecendo as normas, os princípios básicos e as diretrizes para sua implantação. Art. 2º - O Desenvolvimento Urbano e o Ordenamento Territorial do Município de Rio do Sul será regido por esta Lei Complementar e pelas Leis Complementares de Uso do Solo, das Edificações, Parcelamento do Solo e Posturas, que juntas compõem o seu Plano Diretor Físico-Territorial. Art. 3º - Para os efeitos desta Lei, o território do município fica dividido em: I - área Rural - área ainda não ocupada ou não destinada para fins de ocupação de atividades urbanas, admitindo-se, porém, atividades de caráter rural e seus congêneres; II - área Urbana - área descrita e contida dentro dos limites do Perímetro Urbano, destinada prioritariamente às atividades de caráter urbano, em especial as residenciais, comerciais e industriais. Art. 4º - O Plano Diretor Físico-Territorial do Município de Rio do Sul é composto dos seguintes códigos: que fixa os objetivos gerais, as diretrizes e estratégias para o I - Código de Diretrizes Urbanísticas (LC 54/2.000), 54 desenvolvimento urbano do município. II - Código de Edificações (LC 7 /95), que regulamenta as construções, especialmente com vistas à sua habitabilidade, segurança e conforto ambiental. III - Código de Parcelamento do Solo ( LC 8/95), que regula e fixa diretrizes para o fracionamento do solo urbano. IV - Código de Uso do Solo (LC 10/95), que estabelece o zoneamento territorial do município, segundo os usos 10 predominantes, e estabelece os índices de ocupação de acordo com a capacidade de infra-estrutura urbana existente e as características ambientais e sócio-econômicas.; V - Código de Posturas ( LC 9/95), que regulamenta as ações dos munícipes com vistas ao convívio comunitário, à salubridade e segurança pública.

CAPÍTULO II DAS POLÍTICAS E DIRETRIZES DE DESENVOLVIMENTO SEÇÃO I DAS DIRETRIZES URBANÍSTICAS

Art. 5º - A presente Lei tem como meta ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais do município e da propriedade urbana, mediante a implementação das diretrizes especificadas nos artigos 6 a 25 desta lei complementar, e ainda: I - a garantia do desenvolvimento do município pautado no equilíbrio entre o crescimento demográfico-econômico e a garantia do bem-estar da população urbana e rural; II - o estabelecimento de processo contínuo, integrado e participativo de planejamento e gestão entre o governo municipal e a comunidade; III - a instituição das regiões administrativas - as Unidades de Planejamento - e a participação de outras entidades não governamentais, como parâmetro de acessibilidade aos programas, serviços, infra-estrutura e equipamentos urbanos; IV - a elevação da qualidade de vida da população, particularmente no que se refere à saúde, à educação, às condições habitacionais, à infra-estrutura e aos serviços públicos, de forma a promover a inclusão social, reduzindo as desigualdades sociais; V - a prevenção contra distorções e especulação da propriedade urbana, de modo a assegurar o cumprimento da função social da propriedade e da cidade;

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 2 de 164

VI - a promoção da justa distribuição dos benefícios e ônus decorrentes das obras e serviços de infra-estrutura urbana; VII - o equilíbrio entre a organização espacial, a sustentabilidade ambiental e o desenvolvimento sócio-econômico; VIII - a elevação da qualidade do ambiente urbano, por meio da preservação, proteção e recuperação do meio ambiente e do patrimônio cultural e paisagístico; IX - a promoção da comunicação ampla para construção e manutenção de bancos de dados, cadastros urbanos, parâmetros e indicadores, que permitam o monitoramento e a avaliação sistemática do desenvolvimento urbano e rural, garantindo plena acessibilidade desses dados a todo cidadão.

SEÇÃO II DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

Art. 6º - São diretrizes do Uso e Ocupação do Solo para o município de Rio do Sul: I - estabelecer critérios de ocupação e utilização do solo no município, tendo em vista o equilíbrio e a coexistência das relações do homem com o meio ambiente, garantindo às presentes e futuras gerações o direito ao meio ambiente equilibrado e à vida em uma cidade com desenvolvimento sustentável; II - Promover, através de um regime urbanístico adequado, a qualidade de valores estéticos, paisagísticos, naturais, culturais e próprios da região do Alto Vale do Itajaí, e em particular da sede do município; III - Prever e controlar densidades demográficas e de ocupação do solo urbano, como medida para a gestão do bem-estar público e da oferta de serviços públicos, de equipamentos urbanos e comunitários, adequados aos interesses e necessidades da população e às características locais, visando um crescimento ordenado; IV - Compatibilizar usos e atividades diferenciadas, complementares entre si, dentro de determinadas frações do espaço urbano; V - Impedir a ocupação de locais inadequados, que coloquem em risco os recursos naturais e a segurança da população; VI - Evitar o crescimento desordenado do município, integrando as atividades de caráter urbano e as rurais, tendo em vista o desenvolvimento sócio-econômico, evitando a retenção especulativa de imóveis urbanos, os assim chamados vazios urbanos, geradores de alto custo de urbanização; VII - Assegurar e orientar a ocupação efetiva e o adensamento populacional das áreas urbanizadas, assim como as áreas prioritárias para urbanização, de forma a racionalizar os recursos disponíveis para infra-estrutura; VIII - Consolidar o município de Rio do Sul como centro polarizador do Alto Vale do Itajaí; IX - Proporcionar em toda zona urbana os espaços necessários para instalação de equipamentos comunitários básicos com maior eficácia social e maior eficiência econômica para atender a população atual e futura; X - Compatibilizar e coordenar objetivos e ações municipais com os objetivos e ações estaduais e federais; XI - Compatibilizar a ocupação das edificações sobre lotes urbanos de forma a não se prejudicarem entre si; XII - Incentivar aproveitamento; o adensamento das regiões bem servidas de infra-estrutura e equipamentos para otimizar o seu

XIII - Facilitar a convivência com as cheias dos rios através da expansão da cidade para regiões livres de enchentes e/ou pela verticalização controlada de algumas áreas já consolidadas através de limitações à ocupação nas áreas mais baixas; XIV - Proteger, preservar e recuperar o meio ambiente, em especial as margens dos cursos d`água que cortam o município e os topos de morros e locais de acentuada declividade, adequando a sua ocupação ao estabelecido na legislação federal pertinente, evitando qualquer forma de degradação ambiental; XV - Criar centros de bairros incentivando atendimento local e descentralizado, visando equilibrar a distribuição do comércio e da prestação de serviços à comunidade, bem como a instalação de equipamentos urbanos e comunitários; XVI - Incentivar a atividade turística no município, através da implantação das ações previstas no Plano de Desenvolvimento Turístico de Rio do Sul, elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo e suas assessorias; XVII - Priorizar o uso e a ocupação do solo na Área Rural do município para atividades destinadas à agricultura, silvicultura, pecuária e agroindústrias, bem como sua utilização para atividades destinadas ao lazer, recreação e de conservação e preservação da natureza; XVIII - Permitir a regularização de parcelamentos do solo consolidados até o ano de 1996, com prazos definidos, nas zonas IND e EXP, desde que amplamente comprovados, obedecendo a critérios pré-estabelecidos a serem definidos quando da revisão total do plano diretor; XIX - Propor e aprovar a delimitação das localidades rurais (mapa e lei) de acordo com a identidade local, utilizando limites físicos facilmente identificados e seguindo orientações dos moradores mais antigos.

SUBSEÇÃO I DO ZONEAMENTO

Art. 7º - O Uso e a Ocupação do Solo no Perímetro Urbano e Rural de Rio do Sul, conforme definido pela Lei de Zoneamento, está subdividido para fins de planejamento urbano em zonas e subzonas.

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 3 de 164

Art. 8º - Os limites entre as diversas zonas poderão sofrer ajustes quando verificada a conveniência de tal procedimento com vistas a obter: I - maior precisão de limites; II - melhor adequação do zoneamento aos fatores biofísicos condicionantes, para as divisões dos imóveis, ao sistema viário e para as atividades implantadas. Parágrafo Único - Os ajustes de limites a que se refere este artigo serão efetuados pelo órgão municipal de Planejamento, através da Comissão Permanente do Plano Diretor e depois de ouvido o Conselho do Plano Diretor, e será instituído através de Lei.

SUBSEÇÃO II DOS ÍNDICES URBANÍSTICOS

Art. 9º - Os índices máximos e mínimos serão fixados para cada zona e subzona de acordo com o Quadro de Índices Urbanísticos, estabelecidos pela Lei Complementar de Uso do Solo. Parágrafo Único - Os limites de aproveitamento dos lotes são determinados pela aplicação simultânea dos seguintes índices urbanísticos: I - índice de aproveitamento; II - gabarito; III - afastamentos; IV - taxa de ocupação.

SEÇÃO III DAS ÁREAS DE RISCO DE OCUPAÇÃO DO SOLO

Art. 10º - São diretrizes das Áreas de Risco de Ocupação do Solo para o município de Rio do Sul: I - Localizar no plano diretor e mapa de zoneamento as áreas de risco de ocupação já identificadas pela Defesa Civil do município, como forma de estabelecer um critério diferenciado de tratamento dessas áreas, restringindo a sua ocupação; II - Estabelecer normas especiais de uso e ocupação do solo para proteção de áreas sujeitas à instabilidade geológica localizadas em mapa de zoneamento através de manchas, sendo assim permitida a sua ocupação através de laudo técnico geológico, identificando e atualizando novos eventos; III - Estabelecer normas especiais de uso e ocupação do solo principalmente em áreas de cotas baixas sujeitas a cheias periódicas; IV - Realizar um estudo altimétrico mais detalhado para determinação e cotas de referência mais adequadas, pois a cota de referência atual que é 334,08m, já foi diagnosticada incompatível com as cotas das divisas intermunicipais; V - Promover o estudo aprofundado do levantamento das áreas de risco, bem como a organização de banco de dados e de mapas temáticos relacionados com ameaças, vulnerabilidades e riscos; VI - Desenvolver metodologias de avaliação de risco de desastres pela Secretaria de Planejamento (SEPLAN) e Defesa Civil (COMDEC); VII - Eliminar ou reduzir o risco por meio da implantação de medidas estruturais ou sobre a conseqüência (removendo os moradores das áreas de risco); VIII - Aplicar um controle efetivo da forma de uso e ocupação do solo por meio de fiscalização e de diretrizes técnicas que possibilitem a ocupação adequada e segura de áreas suscetíveis à riscos geológicos e hidrológicos; IX - Elaborar e operar planos preventivos de defesa civil, buscando um convívio com as situações de risco dentro de níveis razoáveis de segurança; X - Criar e gerir o fundo municipal de defesa civil.

SUBSEÇÃO I DAS ÁREAS INUNDÁVEIS DO MUNICÍPIO

Art. 11 - A demarcação das áreas inundáveis objetiva medidas preventivas para ações de planejamento urbano-ambiental e também de segurança pública. Parágrafo Único - Cabe ao órgão municipal de Defesa Civil a definição das áreas inundáveis e das respectivas cotas de inundações. Art. 12 - As áreas sujeitas à inundação deverão ter a sua ocupação para fins urbanos controlada, evitando seu uso para fins habitacionais, salvo se medidas urbanísticas ou arquitetônicas sejam adotadas para minimizar o impacto da cheia, respeitada a legislação federal e estadual pertinentes. Art. 13 - Ao ser determinada a área inundável, deverão ser observadas as referências de níveis (RN s) estabelecidas na Lei Complementar de Parcelamento do Solo.

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

V . XV . 16 . com incentivo para a coleta seletiva.Criar uma política de zoneamento escolar em conjunto com a rede estadual para diminuir o alto custo do transporte escolar e de escolas desativadas com espaço adequado para o desenvolvimento de projetos educacionais para as comunidades rurais.br/cgi-local/form_vig.Adequar e ampliar os espaços físicos dos Centros Educacionais (CE) e Centros Educacionais Infantis (CEI) Municipais existentes. IV .com.Criar novos espaços públicos para lazer. em parceria com a Polícia Militar. XIV .Equipamentos da Assistência Social.Viabilizar mecanismos para ampliação.leismunicipais. sendo assim definidos: I . 14 .Ampliar o sistema e coleta de lixo. XVII .LEISMUNICIPAIS. Parágrafo Único . II . XVI . IX . a intensificação do sistema de segurança pública. XII . XIII .Equipamentos de Esporte e Lazer públicos.Implantar sistema de tratamento de esgoto (rede de esgoto). VII .Buscar mecanismos para a ampliação da rede de abastecimento de água.Incentivar uma parceria entre a Secretaria de Educação e Fundação de Desportos para abertura das unidades educacionais para a prática de esportes pela comunidade. XVIII .Buscar mecanismos para ampliar e implementar a rede de telefonia (convencional e ADSL) em toda a extensão do município (área urbana e rural).www.Manter e ampliar a rede de drenagem pluvial no município. para prevenção contra estiagem. III .Equipamentos de Segurança Social. devendo.Criar uma política de controle da qualidade da água fluvial nas divisas intermunicipais. VI .Consideram-se equipamentos urbanos aqueles voltados para o bem-estar da população e caracterizados como de interesse público.As construções caracterizadas como de interesse público serão analisadas pelo órgão municipal de Planejamento e autorizadas com base em parecer técnico referente à sua localização e funcionamento. IV .Promover e apoiar a melhoria da acessibilidade das pessoas com deficiência.Equipamentos de Saúde pública.Implantar programa de manutenção e limpeza dos espaços públicos. II .com. III . VII .São diretrizes do Sistema Viário para o município de Rio do Sul: I .br . SUBSEÇÃO I DOS EQUIPAMENTOS URBANOS Art.Equipamentos de uso institucional público.Implantar programas para a manutenção e reserva de águas pluviais. X . restrição de mobilidade e idosos nas calçadas do município.Equipamentos da Habitação. SEÇÃO V DO SISTEMA VIÁRIO Art. da Criança e do Adolescente. V .Equipamentos da Defesa Civil.pl 02/09/2011 . manutenção e adequação da rede de iluminação pública no município. que exigem tratamento especial para efeitos de localização e construção.Criar parcerias público/privadas para a atualização e implementação dos acervos bibliográficos das unidades escolares municipais.Otimizar e adequar o Centro Agropecuário (Albertina) para atendimento às comunidades rurais.Ampliar e melhorar a rede de saúde pública existente para viabilizar a extensão do atendimento médico e odontológico. VIII . XI . http://www. vias públicas e passeios. no entanto.Equipamentos de Educação da rede pública.São diretrizes da Infra-Estrutura para o município de Rio do Sul: I .Fiscalizar e adequar o sistema de tratamento de efluentes (fossa e filtro) das edificações existentes. 15 . respeitar a Lei Complementar de Uso do Solo e de Edificações.Informação legal em tempo real Página 4 de 164 SEÇÃO IV DA INFRA-ESTRUTURA Art.Articular. VI . VIII . recreação e práticas esportivas.

Prever no plano diretor.pl 02/09/2011 .Articular.Rever e atualizar (caso constatada a necessidade) a hierarquização do sistema viário.Promover políticas de mobilidade urbana e valorização do transporte coletivo e não-motorizado. na faixa de domínio da BR 470.Promover e apoiar a implantação de sistemas cicloviários. III . IV . medidas para o controle de velocidade.O órgão municipal de Planejamento deverá definir. VIII . padronizar e equipar as calçadas com mobiliário urbano (quando possível).Padronizar e melhorar os abrigos de ônibus.Promover melhorias e pavimentação das ruas do município.Articular juntamente ao DNIT a viabilização de execução de travessias em desnível e ampliação e melhoramento das vias marginais (com acessos controlados). estudando principalmente. manutenção e melhoria das calçadas e passeios.Prever mecanismos no plano diretor que exijam a construção.Incentivar a realização de convênios entre a prefeitura e os órgãos executivos rodoviários (DNIT e DEINFRA) para o tratamento em conjunto nas rodovias que atravessam o município.Ordenar a circulação de veículos de transporte de carga.Informação legal em tempo real Página 5 de 164 II .Desenvolver modelos alternativos de financiamentos. segura e eficiente circulação de pessoas e veículos. de maneira racional e segura. além da instalação de novos abrigos em locais apropriados. XXII . XV .Elaborar e executar programas de educação e segurança para o trânsito. VII .Vias de Pedestres. através de um Plano Viário Municipal. XXIII .br/cgi-local/form_vig.Prever a execução de mais pontes sobre os Rios Itajaí do Sul.LEISMUNICIPAIS.Vias de Trânsito Rápido. bem como a localização das novas pontes de travessia dos rios que cortam a Área Urbana do município. as vias deverão ser hierarquizadas da seguinte forma: I . III .Dar condições de tráfego às vias de todas as localidades do município. levando em consideração as características do local. inclusive através de parceria público/privada para execução das melhorias necessárias relativas ao transporte coletivo e objetivando o barateamento das tarifas. IV . inclusive com ônus ao empreendedor.Ciclovias. em conjunto com o Estado.Prever mecanismos que melhorem a segurança no trânsito. Distrito Federal e outros municípios. XI . XIX . 18 . de forma a assegurar a acessibilidade e a humanização da paisagem urbana. possibilitando a rápida.com. considerando calçadas e passeios. XIII . VI . facilitando a integração da população residente.br . novas vias de circulação urbana.leismunicipais. V . em conjunto com órgãos e entidades responsáveis pela segurança pública.com.Para efeito de Planejamento do Sistema Viário Municipal. VI . SUBSEÇÃO I DO PLANO VIÁRIO Art.www.Vias Arteriais.Vias Locais.Hierarquizar as vias urbanas segundo sua destinação de uso.Disciplinar a utilização e ocupação do sistema viário pelas empresas prestadoras de serviço público (CASAN. SEÇÃO VI DA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL http://www. II .Prever rotas alternativas para o escoamento do trânsito inclusive para o caso de enchentes. XVII . principalmente indicativas de ruas e turismo. XVI .Vias Coletoras. compatíveis com a normatização aprovada pela ABNT e estabelecer um plano de priorização para a execução dessas obras.Adaptar. V . XII . X . CELESC). XVIII . 17 . Itajaí d Oeste e Itajaí-Açú. a adequação do sistema viário municipal ao longo da BR-470 e que serão dimensionadas de acordo com a melhor técnica da Engenharia de Tráfego. XX . XXI . IX . XIV .Promover a melhoria nas condições físicas e de sinalização do sistema viário. quando couber. Art.Promover o desenvolvimento do transporte coletivo com vistas à melhoria da qualidade e eficiência dos serviços (ampliação dos horários e itinerários). incorporando recursos de beneficiários indiretos no seu financiamento. fontes alternativas de custeio dos serviços de transporte coletivo. mecanismos (adaptação do sistema viário e de transporte) que minimizem os efeitos negativos decorrentes da implantação de empreendimentos considerados pólos geradores de tráfego.

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 6 de 164

Art. 19 - São diretrizes da Preservação Ambiental para o município de Rio do Sul: I - Construir uma Política Municipal de Meio Ambiente, com o envolvimento do Poder Público e de representantes dos diversos segmentos sociais atuantes e interessados nas questões ambientais; II - Elaborar um plano de arborização urbana focado nas particularidades das vias públicas e nos interesses da coletividade; III - Investir em sistema de coleta de esgoto residencial e comercial através de estações de tratamento, bem como fiscalização atuante; IV - Identificar, diagnosticar e adequar os sistemas de tratamento de efluentes industriais, estabelecendo prazos para adequação e punições àqueles que por ventura, não venham a atender os dispositivos legais; V - Priorizar a concepção e implementação de projetos de educação ambiental junto aos estabelecimentos de ensino, bem como a realização de campanhas informativas e educativas junto à comunidade local; VI - Criar, manter e investir em projetos referentes a unidades de conservação; VII - Manter as áreas de preservação já localizadas no mapa de zoneamento e plano diretor atual, cabendo o fomento de projetos que viabilizem práticas compatíveis com a finalidade a qual cada unidade se destina, contando com o estreito envolvimento entre Poder Público, comunidade acadêmica (corpo docente e discente) e demais instituições de ensino, entidades civis organizadas; VIII - Investir em fiscalização de atividades potencialmente poluidoras, tanto na área urbana quanto na área rural, contemplando assessoria técnica aos agricultores relativa ao turismo rural, turismo de aventura, turismo ecológico, incentivo ao plantio direto e à agricultura orgânica, à diversificação da produção agrícola, saneamento básico na área rural (priorizando coleta convencional, coleta seletiva e sistema de tratamento de esgoto em unidades habitacionais); IX - Criar e fortalecer as associações de produtores rurais e demais entidades afins, incluindo como prioridade a sensibilização dos proprietários rurais em relação às questões ambientais locais; X - Integrar os serviços de coleta e destino final de resíduos sólidos domiciliares e comerciais, bem como os serviços de coleta seletiva; XI - Cadastrar e fiscalizar a coleta e o destino final de resíduos perigosos (classe I) e inertes (classe IIB), mesmo sendo de responsabilidade do gerador (princípio poluidor/pagador); XII - Criar mecanismos de proteção dos recursos hídricos a nível regional, visando qualidade da água, tendo como unidade básica o conceito de bacia hidrográfica; XIII - Desenvolver ações que estejam em consonância com a Política Nacional de Recursos Hídricos.

SUBSEÇÃO I DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Art. 20 - Todas as ações contempladas nesta Lei têm como pressuposto a sustentabilidade ambiental, de acordo com o artigo 225 da Constituição da República, com o objetivo de assegurar ao Município de Rio do Sul os recursos naturais básicos necessários à qualidade de vida das gerações atuais e futuras. Art. 21 - É dever do Município, da Câmara Municipal e da comunidade zelar pela proteção ambiental em todo o território do Município, de acordo com as disposições da Legislação que rege a matéria.

SEÇÃO VII DAS QUESTÕES SÓCIO-ECONÔMICAS CULTURAIS

Art. 22 - São diretrizes do tema Sócio-Econômico Cultural para o município de Rio do Sul: I - Promover encontros, seminários arquitetônico, artístico e natural); e discussões sobre a cultura rio-sulense em geral (patrimônio histórico,

II - Ampliar a divulgação e conscientização de todos os eventos culturais e turísticos realizados no município, e sua importância para o desenvolvimento cultural do município; III - Disponibilizar e incentivar a promoção de cursos e oficinas para as comunidades rurais e programas para o desenvolvimento de culturas e tradições locais; IV - Viabilizar a disseminação da cultura em todo o território municipal através de parcerias público-privadas; V - Objetivar a sustentabilidade da comunidade através da educação, capacitação e busca de recursos aos governos federal, estadual, municipal ou iniciativa privada; VI - Fortalecer, estimular e incorporar a habilidade da comunidade rural em manter e utilizar os conhecimentos tradicionais que sejam relevantes para a atividade do turismo rural, como o artesanato, a agricultura, o folclore, a culinária e demais atividades que utilizam os recursos locais de forma sustentável; VII - Incentivar o desenvolvimento do turismo rural e o projeto de rotas turísticas, de forma a integrar as comunidades com potencial turístico, promovendo melhor conscientização da preservação ambiental e sustentabilidade das comunidades rurais; VIII - Apoiar os projetos turísticos existentes na Valada São Paulo e Bairro Bela Aliança, com o objetivo de utilizar e valorizar a infra-estrutura e organização comunitária;

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 7 de 164

IX - Melhorar a infra-estrutura das localidades rurais ou com características rurais, sem descaracterização das mesmas, como forma de incentivo ao turismo e a fixação do homem ao campo; X - Promover a sensibilização e conscientização da população quanto à necessidade de preservação e valorização dos bens móveis e imóveis e locais de interesse do patrimônio histórico, arquitetônico, cultural e natural; XI - Completar o inventário arquitetônico existente, incluíndo todas as edificações com interesse de preservação e classificá-lo segundo prioridades de preservação seguindo critérios como: importância histórica e arquitetônica, entorno do imóvel, estado de conservação; XII - Identificar, mapear e divulgar os núcleos históricos, edificações isoladas ou grupos de edificações a serem preservadas a fim de promover a criação de uma política de preservação do patrimônio municipal; XIII - Limitar a verticalização no entorno dos "Núcleos Históricos" ou de edificações tombadas ou com interesse em tombamento de forma a garantir a harmonia com seu entorno; XIV - Criar mecanismos de incentivo à preservação do patrimônio arquitetônico através de instrumentos do estatuto da cidade a serem previstos no Plano Diretor; XV - Evitar que a área rural perca suas características, indicando ao agricultor a cultura ideal para cada localidade, através de um levantamento da realidade e potencialidades das áreas rurais, a ser realizado pela Secretaria da Agricultura.

SUBSEÇÃO I DA HABITAÇÃO E ASSISTÊNCIA SOCIAL

Art. 23 - São diretrizes do subtema Habitação e Assistência Social: I - Mapear as áreas disponíveis e potenciais para a instalação de consideração a proximidade de equipamentos urbanos mínimos necessários; habitações de interesse social, levando em

II - Urbanizar os assentamentos e loteamentos precários existentes promovendo a regularização fundiária quando possível; III - Planejar, executar e avaliar as ações assistenciais e de moradia, possibilitando a garantia de acesso dos munícipes aos programas, projetos, serviços, benefícios que compõem a política pública de Assistência Social e de Habitação de Interesse Social; IV - Identificar e manter atualizado o déficit habitacional do município visando atender a demanda; V - Mensurar o impacto dos programas, projetos e serviços assistenciais da população e grau de satisfação; VI - Elaborar projetos habitacionais que contemplem a vulnerabilidade e diferenças sociais; VII - Reabilitar áreas urbanas com a ocupação de imóveis públicos que estejam desativados para a ocupação de moradias de interesse social.

SUBSEÇÃO II DA PROTEÇÃO AO PATRIMÔNIO HISTÓRICO, CULTURAL, NATURAL E ARQUITETÔNICO

Art. 24 - A proteção e a conservação do patrimônio histórico, cultural, natural e arquitetônico do município é um dever do Poder Público e da coletividade, pois se trata de bens comuns de interesse coletivo. Art. 25 - O Poder Público Municipal deverá, através de sua livre iniciativa, elaborar planos, programas e projetos que visem a preservação e a conservação dos bens de real valor histórico, através de incentivos fiscais instituídos por Lei. Parágrafo Único - O Município poderá estabelecer em legislação própria, uma política de Transferência do Potencial Construtivo ou a utilização do instituto do Solo Criado, com vistas a incentivar a preservação do patrimônio histórico.

SEÇÃO VIII DA ÁREA RURAL

Art. 26 - O uso e a ocupação do solo na Área Rural do município deverá respeitar o disposto na legislação do Código de Uso do Solo e Código de Edificações, sendo prioridade o seu uso para atividades destinadas à agricultura, silvicultura, pecuária e agroindústrias, bem como ser utilizada para atividades destinadas ao lazer, de recreação, de conservação e preservação da natureza.

SEÇÃO IX DA ÁREA URBANA

Art. 27 - A Área Urbana do município é a descrita pela Lei do Perímetro Urbano e Limites de Bairros, devendo ser alterado somente em casos de comprovada necessidade, após estudos dos impactos da sua alteração em relação ao entorno e ao meio ambiente do município, e somente se fatos de relevância econômica, social e urbanística assim o exigirem.

CAPÍTULO III DOS INSTRUMENTOS DE POLÍTICA MUNICIPAL

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 8 de 164

Art. 28 - Consideram-se instrumentos da política municipal, que reger-se-ão por legislação própria, quando for o caso, observando, no que couber, o disposto nesta lei: I - Instrumentos de planejamento: a) Plano plurianual; b) Lei de diretrizes orçamentárias; c) Lei de orçamento anual; d) Lei de uso e ocupação do solo; e) Lei de parcelamento do solo; f) Lei de edificações; g) Lei de posturas; h) Lei de sistema de circulação; i) Planos de desenvolvimento econômico e social; j) Planos, programas e projetos setoriais; l) Programas e projetos especiais de urbanização; m) Instituição de unidades de conservação; n) Instituição de unidades de preservação de bens de interesse do patrimônio histórico, arquitetônico, cultural e paisagístico; o) Demais legislações que tenham compatibilidade com o Plano Diretor. II - Instrumentos jurídicos e urbanísticos: a) b) c) d) e) f) g) h) i) j) l) m) n) o) Parcelamento, edificação ou utilização compulsórios; IPTU progressivo no tempo; Desapropriação com pagamento em títulos da dívida pública; Zonas especiais de interesse social; Outorga onerosa do direito de construir; Transferência do direito de construir; Operações urbanas consorciadas; Consórcio imobiliário; Direito de preempção; Direito de superfície; Estudo prévio de impacto de vizinhança (EIV); Tombamento; Desapropriação; Usucapião;

III - Instrumentos de regularização fundiária: a) b) c) d) Zonas especiais de interesse social; Usucapião especial, coletiva e individual de imóvel urbano; Concessão de uso especial para fins de moradia; Concessão de direito real de uso.

IV - Instrumentos tributários e financeiros: a) b) c) d) Tributos municipais diversos; Tarifas e preços públicos; Incentivos e benefícios fiscais; Dação de imóvel em pagamento da dívida.

V - Instrumentos jurídico-administrativos: a) b) c) d) e) f) Servidão administrativa e limitações administrativas; Concessão, permissão ou autorização de uso de bens públicos municipais; Contratos de concessão dos serviços públicos urbanos; Convênios e acordos técnicos, operacionais e de cooperação institucional; Termo administrativo de ajustamento de conduta; Doação de imóveis em pagamento da dívida.

VI - Instrumentos de democratização da gestão municipal: a) b) c) d) e) f) g) h) i) Conselho Municipal do Plano Diretor; Debates, audiências e consultas públicas; Conferências; Conselhos; Gestão orçamentária participativa; Estudo de impacto de vizinhança; Iniciativa popular de projeto de lei; Referendo; Plebiscito.

Parágrafo Único - Outros instrumentos de desenvolvimento, não mencionados nesta Lei, poderão ser utilizados, desde que atendam ao disposto no Plano Diretor e demais Legislações e normas do Município.

CAPÍTULO IV DO PARCELAMENTO, EDIFICAÇÃO OU UTILIZAÇÃO COMPULSÓRIOS

Art. 29 - O parcelamento, a edificação e a utilização compulsória do solo urbano visam, complementarmente, garantir o cumprimento da função social da cidade e da propriedade, por meio da indução da ocupação de áreas não edificadas e não utilizadas, onde for considerada prioritária, na forma de Lei específica que disporá sobre a matéria. Art. 30 - A implementação do parcelamento, da edificação e da utilização compulsória do solo urbano objetiva:

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

para garantir o cumprimento da função social da cidade e da propriedade urbana nos termos deste Plano Diretor. sob pena de parcelamento. IV . 33 .leismunicipais.Combater o processo de periferização.IPTU Progressivo.Por servidor do órgão competente do Executivo. edificação ou utilização compulsória.com. edificação ou utilização compulsória. SEÇÃO II DA DESAPROPRIAÇÃO SANÇÃO COM TÍTULOS DA DÍVIDA PÚBLICA Art. posterior à data da notificação. 36 .com.A definição dos critérios de classificação de imóvel subutilizado será definida em lei específica dentro do prazo estabelecido no artigo 86 desta lei.Os proprietários notificados deverão.A desapropriação com títulos da dívida pública visa aplicar uma sanção ao proprietário do imóvel urbano.Inibir a expansão urbana nas áreas não dotadas de infra-estrutura e ambientalmente frágeis. http://www. edificação ou utilização adequada.Combater o processo de periferização. com pagamento de títulos da dívida pública. II . no prazo máximo de 18 meses.33 desta Lei. 37 . sem que o proprietário tenha cumprido a obrigação de parcelamento.Inibir o processo de retenção especulativa de imóvel urbano. subutilizado ou não utilizado.br/cgi-local/form_vig. § 1º . por ato inter vivos ou causa mortis. Art. III .LEISMUNICIPAIS. por três vezes.br .Por edital quando frustrada.Aumentar a oferta de lotes urbanizados nas regiões já consolidadas da malha urbana de Rio do Sul.Em caso de descumprimento do art.Combater o processo de periferização. subutilizado. onde o Plano Diretor considerar prioritário. iguais e sucessivas. Art. que promova seu adequado aproveitamento. § 1º . com prazo de resgate de até dez anos.Promover a reforma urbana. III . 32 . Art. Art.Cumprimento da função social da cidade e da propriedade por meio da indução da ocupação de áreas vazias ou subutilizadas.É vedada a concessão de isenções ou de anistias relativas à tributação progressiva de que trata este artigo. sem interrupção de quaisquer prazos aos herdeiros ou sucessores.O valor da alíquota a ser aplicada a cada ano será definida em lei específica nos prazos estabelecidos no artigo 86 desta lei. III . 31 . objetiva: I .Informação legal em tempo real Página 9 de 164 I . § 2º .O valor real da indenização não computará expectativas de ganhos. a edificação e a utilização compulsória serão aplicados em áreas centrais dotadas de infraestrutura a serem delimitadas quando da revisão e adequação total da legislação urbanística no prazo estabelecido no artigo 86 desta lei. por carta pessoal registrada com aviso de recebimento. II . 34 . 38 . tendo como objetivos: I . a tentativa de notificação. os quais deverão ter sua emissão previamente aprovada pelo Senado Federal. lucros cessantes e juros compensatórios.Otimizar a ocupação nas regiões da cidade dotadas de infra-estrutura e equipamentos urbanos. que resulte na sua subutilização ou não utilização.A transmissão do imóvel.É facultado ao Poder Público Municipal. II .O parcelamento.pl 02/09/2011 . Art.É dever do Poder Público Municipal exigir do proprietário do imóvel urbano não edificado.Aumentar a oferta de lotes urbanizados nas regiões já consolidadas da malha urbana de Rio do Sul. V . V . II .Os imóveis sujeitos ao parcelamento compulsório terão seus critérios de classificação definidos em lei específica e serão identificados e seus proprietários notificados: I . que resulte na sua sub-utilização ou não utilização. § 2º . 35 . Parágrafo Único . não edificado. assegurados o valor real da indenização e os juros legais. e não utilizado.O IPTU Progressivo no Tempo deverá ser aplicado em áreas a serem delimitadas quando da revisão e adequação total da legislação urbanística nos prazos estabelecidos no artigo 86 desta lei. decorridos cinco anos de cobrança do IPTU progressivo.Combater a retenção especulativa de imóvel urbano.www. a partir do recebimento da notificação apresentar o projeto à aprovação e no prazo máximo de 24 meses finalizar a execução. em parcelas anuais.A aplicação do IPTU Progressivo no tempo. o pagamento do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana Progressivo no Tempo .Fazer cumprir o disposto no capítulo que trata do parcelamento. IV . transfere as obrigações de parcelamento. Art. § 1º . deverá o Poder Público Municipal exigir do proprietário do solo urbano não parcelado. SEÇÃO I DO IPTU PROGRESSIVO NO TEMPO Art. edificação ou utilização previstas neste artigo. proceder à desapropriação do imóvel.Inibir o processo de retenção especulativa de imóvel urbano.

O Direito de Preempção confere ao Poder Executivo Municipal a preferência para a aquisição de imóvel urbano.Áreas "non aedificandi".Ordenamento e direcionamento da expansão urbana. 43 . SEÇÃO III DO DIREITO DE PREEMPÇÃO Art. 44 . caso se verifique possibilidade de impacto não suportável pela infra-estrutura ou o risco de comprometimento do meio ambiente e da paisagem urbana. de acordo com critérios e procedimentos definidos em legislação própria. objeto de alienação onerosa entre particulares e será exercido sempre que o Município necessitar de áreas para: I .A outorga onerosa e a alteração de uso poderão ocorrer nas áreas a serem definidas em lei específica no prazo estabelecido no artigo 86 desta lei. para o adquirente de imóvel.O aproveitamento do imóvel poderá ser efetivado diretamente pelo Poder Público Municipal ou por meio de alienação ou concessão a terceiros.Ficam mantidas.O Poder Executivo poderá outorgar onerosamente o direito de construir mediante contrapartida do beneficiário. Art. o devido procedimento licitatório.Lei municipal específica delimitará as áreas em que incidirá o instrumento no prazo estabelecido no artigo 87 desta lei. § 5º .Regularização fundiária.Os casos passíveis de isenção do pagamento da outorga. § 1º .br . Art.Criação de unidades de conservação ou proteção de outras áreas de interesse ambiental. de conformidade com o art. 40 .Criação de espaço público de lazer e áreas verdes. II . Art.Os títulos de que trata este artigo não terão poder liberatório para pagamento de tributos.A concessão da Outorga Onerosa do Direito de Construir poderá ser negada pelo Conselho Municipal do Plano Diretor após parecer da Comissão Permanente do Plano Diretor.com.Áreas de Risco. V . Art. nas: I . a ser criada no prazo estabelecido no artigo 86 desta lei. III .Proteção de áreas de interesse histórico. manifeste por escrito seu interesse em comprá-lo. possa construir acima do índice de aproveitamento básico até o limite estabelecido pelo índice de aproveitamento máximo permitido para a zona onde está localizado o imóvel.A fórmula de cálculo. determinando no mínimo: I . contado a partir do pagamento do imóvel. § 4º .pl 02/09/2011 .O Município procederá ao adequado aproveitamento do imóvel no prazo máximo de cinco anos.Entende-se como outorga onerosa do direito de construir a faculdade concedida ao proprietário de imóvel. § 2º . cultural ou paisagístico. § 3º .Implantação de equipamento urbano e comunitário.www. II . 45 .Os recursos auferidos com a adoção da outorga onerosa do direito de construir irão para o Fundo Municipal de Desenvolvimento Urbano e serão aplicados com as finalidades previstas nos incisos I a VIII do artigo 39.com. 41 .O Município deverá publicar em jornal de grande circulação ou notificar via carta registrada com aviso de recebimento a preferência na aquisição do imóvel. Art.leismunicipais.257 de 10 de julho de 2001.Constituição de reserva fundiária. IV . edificação ou utilização previstas nesta Lei.Zonas de Preservação (P1. IV . IV . mediante escritura pública e dentro dos parâmetros determinados em legislação própria. VII . II .Os procedimentos administrativos necessários.br/cgi-local/form_vig.O proprietário deverá notificar sua intenção de alienar o imóvel.Informação legal em tempo real Página 10 de 164 § 2º . observando-se. VIII .Fica proibida a outorga onerosa do direito de construir e da alteração de uso. para que este.A contrapartida.A outorga onerosa do direito de construir só será autorizado pelo Poder Executivo Municipal se o imóvel http://www. 39 . para que o Município no prazo máximo de trinta dias. III .LEISMUNICIPAIS. III . nestes casos. 42 . VI .Áreas de Preservação Permanente. P2 e PE). SEÇÃO IV DA OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR Art. Parágrafo Único .Execução de programas e projetos habitacionais de interesse social. as mesmas obrigações de parcelamento. mediante contrapartida.27 da Lei Federal 10. Parágrafo Único .

base de cálculo e demais critérios necessários à aplicação da Transferência de Potencial Construtivo serão definidos em lei específica observando-se o índice de aproveitamento máximo permitido na zona para onde ele for transferido e a equivalência de valor de mercado dos imóveis. VI . social ou cultural. SEÇÃO VI DAS OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Art. 50 . com a participação dos proprietários. com o objetivo de alcançar.A lei específica que aprovar a operação urbana consorciada poderá prever a emissão pelo Município de quantidade determinada de certificados de potencial adicional de construção. VII . e pelas demais legislações urbanísticas.O direito de transferir o potencial construtivo só será autorizado pelo Poder Executivo Municipal se o imóvel gerador deste direito estiver livre e desembaraçado de qualquer ônus. transformações urbanísticas estruturais. até o limite fixado http://www.A modificação de índices e características de parcelamento.Preservação.Implantação de equipamentos urbanos e comunitários. Art.com.Contrapartida a ser exigida dos proprietários.leismunicipais. V .Forma de controle da operação.Compreende-se como operação urbana consorciada o conjunto de intervenções e medidas. considerando o impacto ambiental delas decorrentes. Art. II .Programa básico de ocupação da área.A partir da aprovação da lei específica de que trata o caput. Art. Parágrafo Único . Art. usuários permanentes e investidores privados. 46 . III .Finalidades da operação. 52 . quando o imóvel for considerado de interesse histórico. ou alienar mediante escritura pública o direito de construir. reformas ou ampliações executadas em desacordo com a legislação vigente.www. melhorias sociais e a valorização ambiental. bem como alterações de normas edilícias.O volume construtivo. Art. § 2º . II .Da lei específica que aprovar a operação urbana consorciada constará o plano de operação urbana consorciada.pl 02/09/2011 . SEÇÃO V DA TRANSFERÊNCIA DE POTENCIAL CONSTRUTIVO Art. III . 53 . no mínimo: I . 51 .Informação legal em tempo real Página 11 de 164 gerador deste direito estiver livre e desembaraçado de qualquer ônus.A regularização de construções.O impacto da outorga onerosa do direito de construir deverá ser controlado.Os certificados de potencial adicional de construção serão livremente negociados. § 1º . em uma área.br .Poderão ser previstas nas operações urbanas consorciadas. obrigatoriamente compartilhado com representação da sociedade civil. o certificado de potencial adicional será utilizado no pagamento da área de construção que supere os padrões estabelecidos pela legislação de uso e ocupação do solo. para fins previstos nos incisos I ao III do caput deste artigo. § 2º . ou parte dele. a exercer em outro local. permanentemente.Programa de atendimento econômico e social para a população diretamente afetada pela operação. urbanização de áreas ocupadas por população de baixa renda e habitação de interesse social.Os recursos obtidos pelo Poder Público municipal exclusivamente na própria operação urbana consorciada. usuários permanentes e investidores privados em função da utilização dos benefícios previstos nesta Lei. 49 . mas conversíveis em direito de construir unicamente na área objeto da operação.com. são nulas as licenças e autorizações a cargo do Poder Público municipal expedidas em desacordo com o plano de operação urbana consorciada. 47 .Definição da área a ser atingida. Art.O impacto da transferência de potencial construtivo deverá ser controlado permanentemente pela Comissão Permanente do Plano Diretor. § 1º . contendo.Servir a programas de regularização fundiária.Apresentado pedido de licença para construir. ambiental. pelo órgão municipal de Planejamento Urbano.Estudo prévio de impacto de vizinhança. através da Comissão Permanente do Plano Diretor. 48 . moradores. que serão alienados em leilão ou utilizados diretamente no pagamento das obras necessárias à própria operação.O Poder Executivo Municipal poderá autorizar o proprietário de imóvel. entre outras medidas: I .LEISMUNICIPAIS. paisagístico. na forma do inciso VI deste artigo serão aplicados § 2º . coordenadas pelo Poder Executivo Municipal.br/cgi-local/form_vig. II . quando o referido imóvel for necessário para fins de: I . § 1º . IV .A mesma faculdade poderá ser concedida ao proprietário que doar ao Poder Público seu imóvel.O direito de construir do proprietário de imóvel é limitado aos índices urbanísticos estabelecidos na lei de Uso e Ocupação do Solo. uso e ocupação do solo e subsolo. privado ou público.

ao empreendedor. 55 .A extinção do direito de superfície será averbada no cartório de registro de imóveis. mediante escritura pública registrada no cartório de registro de imóveis.Extingue-se o direito de superfície: I . proporcionalmente à sua parcela de ocupação efetiva. Art. § 2º . e após encaminhar ao Conselho Municipal do Plano Diretor para sua apreciação. § 2º . 54 . 60 . obedecidos os termos do contrato respectivo.pl 02/09/2011 . Art. II . Art. Art. Art. o Direito de Superfície do solo.Antes do termo final do contrato. § 1º . por solicitação do Poder Executivo Municipal à empreendimentos e atividade públicas ou privadas que interferirem na qualidade de vida da população residente ou usuária da área e suas proximidades. IV .Pelo descumprimento das obrigações contratuais assumidas pelo superficiário. para exploração por parte das concessionárias de serviços públicos. http://www.br .Caberá a aprovação ao Órgão Municipal competente. 57 .A aprovação do empreendimento ficará condicionada à assinatura de Termo de Compromisso pelo interessado.As exigências previstas no caput deverão ser proporcionais ao porte e ao impacto do empreendimento.Equipamentos urbanos e comunitários. e o proprietário. em arcar integralmente com as despesas decorrentes das obras e serviços necessários à minimização dos impactos decorrentes da implantação do empreendimento e às demais exigências apontadas pelo Poder Executivo Municipal. 59 . no mínimo.Ventilação e iluminação. III . na forma estabelecida no contrato respectivo. como condição para aprovação do projeto. o subsolo ou o espaço aéreo relativo ao terreno.LEISMUNICIPAIS. deverá solicitar. o proprietário recuperará o pleno domínio do terreno. § 5º . § 4º . VII .br/cgi-local/form_vig. extinguir-se-á o direito de superfície se o superficiário der ao terreno destinação diversa daquela para a qual for concedida. SEÇÃO VII DO DIREITO DE SUPERFÍCIE Art.O direito de superfície abrange o direito de utilizar o solo. nas áreas públicas integrantes do seu patrimônio. § 2º . mediante contratos especificamente fixados para tanto.O Poder Público Municipal poderá conceder.Extinto o direito de superfície. onerosamente. quando houver impacto.O direito de superfície pode ser transferido a terceiros.Os empreendimentos de que se tratam este artigo serão definidos em lei específica no prazo estabelecido no artigo 86 desta lei. incluindo a análise. antes da finalização do empreendimento. subsolo ou espaço aéreo.Uso e ocupação do solo.Valorização imobiliária. VI . independentemente de indenização. com os encargos e tributos sobre a área objeto da concessão do direito de superfície. § 1º . será executado pelo empreendedor. em igualdade de condições à oferta de terceiros. § 1º . § 1º .Pelo advento do termo.Informação legal em tempo real Página 12 de 164 pela lei específica que aprovar a operação urbana consorciada. das seguintes questões: I . salvo disposição em contrário do contrato respectivo.O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV). para eliminar ou minimizar impactos negativos a serem gerados pelo empreendimento. após apreciação dos demais órgãos relacionados ao assunto motivo do EIV.O proprietário urbano poderá conceder a outrem o direito de superfície do seu terreno. 56 . § 2º . II . bem como das acessões e benfeitorias introduzidas no imóvel. atendida a legislação urbanística. ainda.O Poder Executivo Municipal. 58 .Em caso de alienação do terreno. terão direito de preferência.Paisagem urbana e patrimônio natural e cultural. V .Adensamento populacional.O superficiário responderá integralmente pelos encargos e tributos que incidirem sobre a propriedade superficiária.com.Geração de tráfego e demanda de transporte. por tempo determinado ou indeterminado. os seus direitos transmitem-se a seus herdeiros.A concessão do direito de superfície poderá ser gratuita ou onerosa.Por morte do superficiário.leismunicipais. a execução ou melhorias na infra-estrutura urbana e de equipamentos comunitários.www. o superficiário respectivamente. ou do direito de superfície. se as partes não houverem estipulado o contrário no respectivo contrato. § 3º . SEÇÃO VIII DO ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA Art. através da Comissão Permanente do Plano Diretor.com. arcando.

Na ação de usucapião especial urbana é obrigatória a intervenção do Ministério Público. § 3º . 62 .o possuidor.Para os efeitos deste artigo. a associação de moradores da comunidade. CAPÍTULO VI DO PLANEJAMENTO E GESTÃO PARTICIPATIVA SEÇÃO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA Art. discordantes ou ausentes. de pleno direito.O Poder Executivo Municipal.Para fins desta Lei. § 3º .O direito de que trata este artigo não será reconhecido ao mesmo possuidor mais de uma vez. isoladamente ou em litisconsórcio originário ou superveniente. mediante sentença. Art. por cinco anos. adquirir-lhe-á o domínio. Art.Na sentença. contanto que ambas sejam contínuas. http://www.com. § 5º .Entende-se por gestão democrática a participação da população e de associações representativas dos vários segmentos da comunidade nos processos de planejamento. 63 . salvo hipótese de acordo escrito entre os condôminos. em estado de composse.como substituto processual. acrescentar sua posse à de seu antecessor. por cinco anos. § 4º . no caso de execução de urbanização posterior à constituição do condomínio.O condomínio especial constituído é indivisível. no mínimo. regularmente constituída. consideram-se instrumentos de regularização fundiária aqueles destinados a legalizar ocupações populacionais em desconformidade com a lei. ocupadas por população de baixa renda para sua moradia. Art. a qual servirá de título para registro no cartório de registro de imóveis. independentemente do estado civil. deverá realizar audiência pública com os moradores da área afetada de conformidade com legislação própria. Parágrafo Único . salvo deliberação favorável tomada por. Conferências e Audiências Públicas em consonância com o planejamento territorial municipal contínuo que se realizará através de uma comissão permanente. dois terços dos condôminos. são susceptíveis de serem usucapidas coletivamente. desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural. III . ininterruptamente e sem oposição. desde que explicitamente autorizada pelos representados. CAPÍTULO V DOS INSTRUMENTOS DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA Art. § 1º . para o fim de contar o prazo exigido por este artigo.pl 02/09/2011 . desde que já resida no imóvel por ocasião da abertura da sucessão. 64 . 66 . SEÇÃO I DA USUCAPIÃO ESPECIAL DE IMÓVEL URBANO Art. onde não for possível identificar os terrenos ocupados por cada possuidor. tomada de decisão e controle das ações públicas por meio de espaços institucionalizados onde o Poder Público constituído delega o seu direito de decisão.www. Art. com personalidade jurídica. II . § 2º . no endereço eletrônico do Município. § 2º .As deliberações relativas à administração do condomínio especial serão tomadas por maioria de votos dos condôminos presentes.LEISMUNICIPAIS.br .os possuidores.com.O possuidor pode. utilizando-a para sua moradia ou de sua família. § 1º .A elaboração do EIV não substitui o licenciamento ambiental requerido nos termos da legislação ambiental. 67 . ininterruptamente e sem oposição.Informação legal em tempo real Página 13 de 164 § 3º . desde que os possuidores não sejam proprietários de outro imóvel urbano ou rural. 68 . o juiz atribuirá igual fração ideal de terreno a cada possuidor. o herdeiro legítimo continua.A participação da população na gestão municipal será assegurada pelo Poder Público através de instrumentos de democratização como o Conselho do Plano Diretor.A usucapião especial coletiva de imóvel urbano será declarada pelo juiz. inclusive perante o cartório de registro de imóveis.As áreas urbanas com mais de duzentos e cinqüenta metros quadrados. 61 .O título de domínio será conferido ao homem ou à mulher. 65 .leismunicipais.br/cgi-local/form_vig. estabelecendo frações ideais diferenciadas. não sendo passível de extinção. para qualquer interessado.Dar-se-á obrigatória publicidade aos documentos integrantes do EIV. obrigando também os demais. § 1º .O Certificado de Conclusão da Obra e/ou o Alvará de Funcionamento só serão emitidos mediante comprovação do cumprimento do termo de compromisso. § 2º . antes da decisão sobre o projeto. que ficarão disponíveis para consulta pública. a posse de seu antecessor. ou a ambos. Art. independentemente da dimensão do terreno que cada um ocupe.São partes legítimas para a propositura da ação de usucapião especial urbana: I .O autor terá os benefícios da justiça e da assistência judiciária gratuita.Aquele que possuir como sua área ou edificação urbana de até duzentos e cinqüenta metros quadrados.

propor nos casos de divergência da Lei ou omissão grave.assessorar os poderes Executivo e Legislativo Municipais. responder a solicitações de estudo e alterações nas legislações urbanísticas num prazo de 30 dias. 69 . Urbanismo e Meio Ambiente e na Secretaria da Fazenda.Assessor do Plano Diretor. e funcionará com o objetivo principal de manter em debate as questões e problemáticas relativas ao planejamento territorial do município. Art.Este instrumento deverá ser utilizado. IV . 70 . de Edificações. aberta a toda população. SEÇÃO III DAS CONFERÊNCIAS PÚBLICAS Art. VI . Art. necessariamente.reunir-se no mínimo duas vezes ao mês.leismunicipais.As Conferências terão por objetivo a mobilização do Governo Municipal e da sociedade civil.deliberar em caráter extraordinário quando necessário.br . critérios e formas de incrementar o desenvolvimento sócio-econômico do município. Art.cuidar de maneira ampla de tudo que diga respeito ao desenvolvimento urbano e as Leis a ele relacionadas.A Audiência Pública é um instituto de participação administrativa. para a discussão de assuntos e temas relativos a questões que resultarão em alterações na legislação urbanística e onde serão estabelecidas as metas e prioridades para o município.LEISMUNICIPAIS. 73 . de forma justa e igualitária. 72 .representante do Departamento Meio Ambiente.Arquitetos e engenheiros que compõem o quadro de funcionários da Secretaria de Planejamento. que será chamado de Comissão Permanente do Plano Diretor. III . 76 . VI . Art. § 1º . SEÇÃO IV DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Art. assim como manter atualizadas as leis que compõem o Plano Diretor.analisar e emitir parecer sobre os Estudos de Impacto de Vizinhança (EIV) encaminhados à Comissão.advogado da Procuradoria Jurídica do Município. com antecedência mínima de trinta dias da data da realização da respectiva audiência pública. VII . a complementação e/ou alteração da legislação urbanística. 74 .Ainda que com caráter não deliberativo.representante do Departamento de Fiscalização.com.www. com base no Plano Diretor. II . 75 . V .representante do Departamento de Urbanismo.As intervenções realizadas em audiência pública serão registradas por escrito e gravadas para acesso e divulgação http://www.A Comissão Permanente do Plano Diretor será formada por técnicos da área de Planejamento Urbano. 77 .br/cgi-local/form_vig. em assuntos relativos ao Plano Diretor.Informação legal em tempo real Página 14 de 164 SEÇÃO II DA COMISSÃO PERMANENTE DO PLANO DIRETOR Art. para a informação e capacitação da população em geral para o debate que deverá acontecer sempre quando ocorrer uma grande revisão do Plano Diretor. e sugerir ao Executivo Municipal as medidas que torne eficaz a sua execução.representante da Divisão de Trânsito. as audiências públicas implicam no dever de motivação do administrador quando da tomada das decisões em face dos debates e indagações realizados. IV . III . VII .A Comissão Permanente do Plano Diretor deverá seguir a seguinte composição: I . do seu acompanhamento e aperfeiçoamento. preferências e opções que possam conduzir o Poder Público a uma decisão de maior aceitação consensual. 71 .São atribuições gerais da Comissão Permanente do Plano Diretor: I . II .com. formalmente disciplinada em lei.emitir parecer sobre a política de desenvolvimento urbano.O Poder Público deverá instituir um setor exclusivo para tratar das questões relativas ao Plano Diretor. além de um advogado da Procuradoria Jurídica da Prefeitura Municipal de Rio do Sul. encaminhando as sugestões para o órgão municipal de Planejamento. Urbanismo e Meio Ambiente. inclusive por meio eletrônico.pl 02/09/2011 . visando à legitimidade da ação administrativa. Art. lotados na Secretaria de Planejamento. quando as tendências do crescimento urbano demonstrarem sua necessidade. de Parcelamento do Solo e de Posturas. e que estabelecerá através da complementação permanente da Legislação Urbanística. VIII .Serão realizadas Audiências Públicas nos processos de implantação de empreendimentos ou atividades de significativo impacto urbanístico ou ambiental com efeitos potencialmente danosos em seu entorno. § 2º . Art.propor atualização nesta Lei Complementar e nas Leis Complementares de Uso do Solo.Todos os documentos relativos ao tema da audiência pública serão colocados à disposição de qualquer interessado para exame e extração de cópias. V . em caráter ordinário. por meio da qual se exerce o direito de expor tendências.

VII . 78 .AEAVI.01 (um) representante indicado pela Associação Comercial e Industrial de Rio do Sul . indicado pela Sub-Seção de Rio do Sul .AEAVI.01 (um) representante da Comissão de Defesa Civil. uma cópia da lavratura da Ata de Realização da Audiência. como membro nato. como membro e presidente nato. XXII .Subseção de Rio do Sul.AMAVI.www.01 (um) representante indicado pelo Conselho Regional de Corretores de imóveis .Informação legal em tempo real Página 15 de 164 públicos.01 (um) representante indicado pela Ordem dos Advogados do Brasil . indicado por seu secretário. XIII . X . Art.01 (um) representante indicado pela Fundação de Amparo Tecnológico do Meio Ambiente .O mandato dos conselheiros será de 2 (dois) anos.01 (um) representante indicado pela Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí . VI .01 (um) representante da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Empreendedorismo.FATMA. http://www.01 (um) representante indicado pelo Conselho Regional de Corretores de imóveis .Compete aos órgãos ou entidades identificadas nos incisos I a XIV do presente artigo. 79 . em especial desta revisão.01 (um) representante do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural. XII .01 (um) representante indicado pela Associação de Preservação do Meio Ambiente do Alto Vale do Itajaí .APREMAVI. necessariamente. XIII . III . indicado por seu secretário.UNIDAVI. VI . como membro e Presidente nato.O Secretário Municipal de Planejamento.01 (um) representante indicado pela União das Associações de Bairros .01 (um) representante dos Coordenadores de Cursos indicado pela Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí. em suas faltas ou impedimentos. IX . XI .ACIRS. observando-se a seguinte composição: I . 80 O Conselho Consultivo do Plano Diretor será constituído de 14 (quatorze) membros. Art.O Assessor do Plano Diretor. XIX . XVI . XVII .leismunicipais. X . Arquitetos e Agrônomos . XIV . Parágrafo Único . devendo o Conselho respectivo ao tema. indicado por seu secretário. tendo como incumbência assessorar o Poder Público na definição das políticas de planejamento urbano e ambiental.OAB.01 (um) representante da Secretaria Municipal de Planejamento.com.Cada entidade tem direito a indicar um representante suplente para cada membro titular. XX . IX .01 (um) representante da Câmara de Diretores Lojistas .O Assessor do Plano Diretor.01 (um) representante indicado pela Associação Comercial e Industrial de Rio do Sul . permitida a recondução. Urbanismo e Meio Ambiente.01 (um) representante da Ordem do Advogados do Brasil. V . reter para seu acervo. e será precedida por Conferências Públicas. como condição prévia da sua alteração.CRECI.01 (um) representante indicado pela Procuradoria Jurídica do Poder Executivo Municipal.EPAGRI.O Conselho Consultivo do Plano Diretor será constituído de 23 (vinte e três) membros observando-se a seguinte composição: (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 I . IV .. (Redação dada pela Lei Complementar nº 228/2011) 228 SUBSEÇÃO I DAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO CONSELHO Art. XI .com. VII .Fica criado através desta Lei.pl 02/09/2011 .CDL. SEÇÃO V DO CONSELHO DO PLANO DIRETOR Art. II . e não serão remunerados para as funções previstas nesta Lei Complementar.O Secretário Municipal de Planejamento. sendo 1 (um) ligado a área de Urbanismo e/ou Projetos e 01 (um) ligado a área de Meio Ambiente. XIV . (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007). VIII . indicado pelo titular da pasta.br/cgi-local/form_vig.UNIDAVI.CRECI.01 (um) representante dos Coordenadores de Cursos indicado pela Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí.01 (um) representante da Polícia de proteção Ambiental.Este instrumento deverá ser utilizado.01 (um) representante indicado pela Procuradoria Jurídica do Município.LEISMUNICIPAIS. para substituir o titular apenas em suas faltas ou impedimentos. XVIII . 81 .01 (um) representante indicado pela Associação de Engenheiros.01 (um) representante da Secretaria Municipal de Educação. 172 Parágrafo Único . XXI .br . II .OAB .02 (dois) representantes da Secretaria Municipal de Planejamento.01 (um) representante indicado pela Associação dos municípios do Alto Vale do Itajaí-AMAVI.ACIRS. VIII . III . indicados por seu secretário.UAB.01 (um) representante do DNIT.01 (um) representante da Secretaria Municipal de Agricultura. Art. XII . Urbanismo e Meio Ambiente. Urbanismo e Meio Ambiente. XV . o Conselho Consultivo do Plano Diretor. Arquitetos e Agrônomos . para aprovar grandes revisões na legislação urbanística.01 (um) representante da Comissão de Defesa Civil.01 (um) representante da Câmara de Diretores Lojistas . 80 .CDL.01 (um) representante da Secretaria Municipal de Saúde.01 (um) representante do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural. Urbanismo e Meio Ambiente. indicado por seu secretário. indicar um suplente para substituir o titular.01 (um) representante indicado pela Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina . V . como membro nato.01 (um) representante indicado pela Associação de Engenheiros. IV .

formulando sugestões quando necessárias.com. calcular. para o órgão municipal de Planejamento. Art. primeiramente à Comissão Permanente do Plano Diretor que após analisar e emitir parecer encaminhará.Informação legal em tempo real Página 16 de 164 Art. Art. 82 . na forma da lei. pelo menos a cada cinco anos. com base no Plano Diretor. SEÇÃO VI DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. efetuada por particulares. sendo sempre convocado pelo seu presidente ou por 2/3 (dois terços) de seus membros. Art. reforma ou ampliação.assessorar os poderes Executivo e Legislativo Municipais.requerimento do interessado.apreciar as propostas de complementação e/ou alteração da legislação urbanística. Art.apresentação da carteira profissional expedida ou vistada pelo CREA da região. 95 . 88 .Este título da presente Lei Complementar. II . 89 . ampliações.cuidar de maneira ampla de tudo que diga respeito ao desenvolvimento urbano e as Leis a ele relacionadas. Parágrafo Único .Fica revogada a Lei Complementar nº 54 de 06 de dezembro de 2. respeitando-se os seus respectivos mandatos. III .Caberá ao Prefeito Municipal a nomeação dos membros titulares e suplentes do Conselho Consultivo do Plano Diretor.O Conselho reunir-se-á tantas vezes quantas forem necessárias para seu bom funcionamento.LEISMUNICIPAIS. 90 . 85 . deverá englobar o território do município como um todo e terá um prazo para finalização de 18 meses a partir da data de publicação desta lei.prova de inscrição na Municipalidade para pagamento dos tributos devidos ao município.leismunicipais. em assuntos relativos ao Plano Diretor.br/cgi-local/form_vig. 84 . 94 . e deverá ser totalmente revisto. parte integrante do Plano Diretor Físico-Territorial. num prazo máximo de 30 dias. deverá sempre ser comunicada antecipadamente.São normas complementares deste código.A Prefeitura colocará à disposição do Conselho. especificar. avaliar e executar obras no município de Rio do Sul aqueles devidamente registrados no CREA e matriculados na municipalidade. V . 92 . III . quer por parte do Poder Executivo ou do Poder Legislativo. no prazo de até 30 (trinta) dias. II . Art.000 e as demais disposições em contrário.opinar sobre assuntos em que a legislação urbanística seja omissa. o órgão municipal de Planejamento oferecerá parecer à autoridade superior. 87 .Ao Conselho Consultivo do Plano Diretor caberá: I . são adotadas as definições do glossário que segue nesta lei.São condições necessárias para matrícula junto à Prefeitura Municipal: I .Na falta de resposta no prazo previsto no item I. Art. SEÇÃO I DA RESPONSABILIDADE TÉCNICA Art. recursos humanos e materiais necessários à realização de seus trabalhos. Art. VI . Art.com. http://www. 93 . reformas e construções no município de Rio do Sul.emitir parecer sobre a política de desenvolvimento urbano. as legislações estaduais e federais pertinentes à matéria. TÍTULO II NORMAS RELATIVAS A EDIFICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 83 . Art. reconstrução.Para efeito deste código. VII . obedecidas as normas Federais e Estaduais relativas à matéria. Art. e demais proposições encaminhadas pela Comissão Permanente do Plano Diretor. IV .Fica mantida a atual composição do Conselho.Toda construção. desde que o Conselho seja previamente convocado.pl 02/09/2011 . 86 . orientar.A iniciativa de modificar a legislação urbanística do município.A revisão do Plano Diretor atual para adequação ao Estatuto da Cidade.br .oferecer parecer sobre solicitação formulada pelo chefe do Poder Executivo ou Comissão Permanente do Plano Diretor.www. entidades ou órgãos públicos no município de Rio do Sul é regulada por esta Lei Complementar. dentro dos limites do município de Rio do Sul. 91 . ao Conselho para apreciação. e sugerir ao Executivo Municipal as medidas que torne eficaz a sua execução.São considerados profissionais legalmente habilitados para projetar.orientar e representar a comunidade contra atos particulares individualizados ou de grupos que venham contra os interesses do bem estar comum da população. estabelece normas de projetos.

A fiscalização é de competência da Secretaria da Fazenda. Balanço sobre o térreo . excluídas as paredes.Associação Brasileira de Normas Técnicas. § 2º .Pavimento no topo do edifício. 96 .Construção em ripas. sala de espera. Área Útil . além da prumada das paredes. ANP . Átrio . Caixa de Escada . 97 . Aclividade . desde que com afastamento à edificação existente inferior a 3. além dos requisitos dos itens I e III. SEÇÃO III DAS DEFINIÇÕES Art.Distância entre a construção e os limites do respectivo lote.Avanço da edificação acima do térreo sobre os alinhamentos ou recuos previstos. que se dispõe sobre as fundações. de uma só água à entrada de um prédio.Para efeito da presente Lei Complementar. tem como objetivos: I .00 m. salubridade e conforto das edificações de interesse para a comunidade. Balcão . Caixilho .Informação legal em tempo real Página 17 de 164 § 1º . cuja área não poderá exceder a 30% da área do pavimento inferior. Alinhamento .LEISMUNICIPAIS.local destinado a armazenamento de roupas e afins em residências.Tratando-se de firma coletiva. Art. podendo ser: a) frontal. são adotadas as seguintes definições: ABNT . canos ou estacas com o objetivo de sustentar vegetação. Caramanchão . de um só lado. madeira.A parte de uma esquadria onde se fixam os vidros.Compartimento que antecede a uma sala. Brise . e de outro. http://www.br/cgi-local/form_vig. Baldrame . Ante-sala .Cobertura saliente. em esteio. Ampliação .Obra provisória destinada a sustentação de operários e materiais durante a execução de obra. c) fundos.Espaço livre destinado a ampliação do passeio ou logradouro.Espaço ocupado por uma escada. pilares ou colunas ou em balanço. CLOSET .Conjunto de placas ou chapa de material variável que se põe nas fachadas expostas ao sol para evitar o aquecimento excessivo dos ambientes sem prejudicar a ventilação e a iluminação.Alteração no sentido de tornar maior a construção. amarrando-as. pedra ou similar.com. Área de Recuo . b) lateral.www.orientar os projetos e a execução de edificações no município.Prolongamento do telhado.assegurar a observância de padrões mínimos de segurança. SEÇÃO II DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SUBSEÇÃO I DOS OBJETIVOS Art. Andaime . Afastamento . desde o pavimento inferior até o último pavimento.Documento expedido pela Prefeitura que autoriza a execução de obras sujeitas a sua fiscalização.Superfície utilizável de uma edificação.Caixa sifonada cuja finalidade é a captação das águas pluviais.Unidade autônoma de moradia. na parede deste.Diferença altimétrica entre dois pontos em que o 2º ponto está acima do ponto de referência. II .Pátio interno. Ático .Agência Nacional do Petróleo. Boca de lobo . apoiada. higiene.Linha divisória legal entre lote e logradouro público. de acesso a uma edificação. .Viga de concreto. Alvará de Construção . exigir-se-á a prova de sua constituição no registro público competente e no CREA da região.Esta Lei Complementar referente a Edificações.br .com.Anotação de Responsabilidade Técnica. além da apresentação da Carteira Profissional de seus responsáveis técnicos.pl 02/09/2011 .leismunicipais. e entre lote e confrontantes.Varanda ou sacada guarnecida de peitoril. Beiral . Apartamento . Alpendre .

Garagem ligada diretamente a circulação interna de veículos.Raiado. que autoriza a ocupação de uma edificação. Garagem livre . Habite-se .Violação da Lei. destinada ao tratamento de esgotos.Construção constituída por uma cobertura fechada total ou parcialmente.Esboço preliminar de um projeto.com. CREA . Edícula . Dependência de Uso Privativo . Feira de Exposição . Estacionamento .Máquina que executa o transporte em altura de pessoas e ou mercadorias.Área de ventilação interna ao corpo de uma edificação. CNP .local geralmente coberto onde se expõem produtos.Conselho Regional de Engenharia. Edifício Garagem . Infração . É calculado pela seguinte fórmula: http://www.local ao ar livre que funciona com objetivo de facilitar aos produtores a exposição e venda de sua produção.Cada uma das divisões de uma edificação. que no desenho produz efeitos de sombra ou meio-tom.Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes.Índice que determina a área máxima de construção permitida quando multiplicado pela área do terreno. Demolição . pelo menos em três de suas faces por meio de paredes ou tapumes. Compartimento . Fundações . do comércio e outros derivados.LEISMUNICIPAIS. deitar por terra qualquer construção.br/cgi-local/form_vig. Hall . ou apoio para a mão.br . expedido pela Prefeitura.Documento. cuja meio filtrante mantém-se afogado. Garagem bloqueada . Hachura .Ato Administrativo que determina a paralisação de uma obra.É a vedação de proteção contra quedas. lavabos).Denominação genérica para compartimento acessório da habitação. Construtor .Construção destinada ao estacionamento de veículos. Arquitetura e Agronomia.Parte da construção destinada a distribuir as cargas de edificação sobre um terreno. a realização de qualquer obra. Escala . Embargo . da pecuária.Local onde há exposição permanente de produtos das mais variadas origens e finalidades Filtro anaeróbio .Informação legal em tempo real Página 18 de 164 CLT .pl 02/09/2011 .Peça ao longo e ao lado de uma escada. Consulta Prévia de Viabilidade . não podendo servir para uso residencial.Conjunto de dependências da edificação que poderão ser utilizadas em comum por todos ou por parte dos titulares de direito das unidades de moradia. Declividade . DEINFRA .É.Elevação das paredes e elementos externos de uma edificação. Fossa séptica . Guarda Corpo . Feira Livre .www. Duto de Ventilação . Galpão . destinado a ventilar somente compartimentos de utilização transitória (banheiros.Unidade de tratamento biológico do efluente da fossa séptica de fluxo ascendente em condições anaeróbias. DNIT .Departamento Estadual de Infra-Estrutura. da indústria.com. separado da edificação principal. de origem agrícola. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Corrimão . Índice de Aproveitamento .Responsável técnico ou empresa responsável pela execução da obra ou serviço.É o número máximo de pavimentos permitidos em uma edificação.Conjunto de dependências de uma unidade de moradia.Consolidação das Leis do Trabalho.Conselho Nacional do Petróleo. Feira de Exposições Permanente .Diferença altimétrica entre dois pontos em que o 2º ponto está abaixo do ponto de referência.Consulta à Prefeitura.Dependência de uma edificação que serve de ligação entre outros compartimentos.Espaço delimitado para estacionar um ou mais veículos.Deitar abaixo. cuja utilização é reservada aos respectivos titulares de direito. Construção .Relação entre as dimensões do desenho e a do que ele representa. Elevador . Dependência de Uso Comum . utilizado para fins comerciais. que serve de resguardo. de quem sobe ou desce. Croquis . Fachada .leismunicipais. visando parecer de viabilidade ou não da ação pretendida.Unidade de sedimentação e digestão de fluxo horizontal. Gabarito .Garagem ligada a circulação de veículos através de outra garagem. de modo geral.

Lavabo .Parte do logradouro público destinado ao trânsito de pedestres. Reforma . álcool etílico hidratado e óleos lubrificantes. Lindeiro . Jirau . Posto de Abastecimento .Cuba para lavar as mãos. oferece ainda serviços de lavagens. não necessariamente separada da sala/quarto.br/cgi-local/form_vig. Parapeito .pl 02/09/2011 .com.Profissional habilitado pelo CREA.Peça de pedra ou de concreto que separa em desnível o passeio da pista de rolamento.Dispositivo destinado a proteger as edificações contra os efeitos dos raios.Parede sem abertura. Jusante . Profundidade de um Compartimento .Instalação sanitária composta de lavatório e vaso sanitário.É a vedação de proteção de sacadas. para escoamento automático do excesso de água.É a distância entre a face que dispõe de abertura à face oposta. Mezanino . Prisma Interno de Iluminação e Ventilação . Playground .Toda parcela de território de propriedade pública e de uso comum da população. reformar. Prisma Externo de Iluminação e Ventilação . Pára-raios .É o estabelecimento que.Tubo de descarga colocado nos depósitos de água.Piso ao nível da rua. com água encanada e esgoto pluvial. AL = área do lote.Conjunto ou sistema de penas impostas pela Lei.. pias. aparelhado com brinquedos e/ou equipamentos de ginástica. Posto de Serviço . qualquer obra em parte ou no todo.Poço de Iluminação .Local destinado à recreação infantil. de uma edificação.LEISMUNICIPAIS.Piso intermediário dividindo compartimento existente com área até 1/4 da área do compartimento.Espaço destinado a comercialização de produtos. Pé-Direito . lubrificações de veículos e outros serviços correlatos. de combustíveis minerais.Cobertura em balanço sobre o logradouro.Faixa de reserva destinada à futura ampliação do logradouro público. Montante .leismunicipais. Lavatório . Loja .Para o lado em cujo sentido correm as águas. AC = área construída. da nascente para a foz. que sobe da foz para a nascente.Unidade residencial formada de banheiro. Patamar . Ladrão .É o estabelecimento que se destina à venda no varejo.Limítrofe. Lote .Área interna na edificação.Para a direção da nascente de um rio. Responsável Técnico . sem alteração da área total construída e do padrão construtivo. além de exercer as atividades previstas para Posto de Abastecimento e Posto de Serviço. Parede Cega .Conjunto de compartimentos situados no mesmo nível. Pavimento Térreo .com.Informação legal em tempo real Página 19 de 164 IA = AC/AL . banheiro.Pequeno compartimento de apoio aos serviços de copa de cada pavimento nas edificações comerciais.br .www. Reconstrução . responsável pela elaboração do projeto. além de exercer as atividades previstas para Posto de Abastecimento. Marquise . execução da obra ou serviço. Logradouro Público . etc.Onde: IA = índice de aproveitamento.Distância vertical perpendicular entre o piso e o forro de um compartimento.Porção de terreno com testada para logradouro público. oferece também áreas destinadas à guarda de veículos.Superfície intermediária entre dois lances de escada. Meio-Fio .Construir de novo. Posto Garagem .Área destinada a iluminação e ventilação de compartimentos quando localizada na face externa das edificações. no mesmo lugar e na forma primitiva. http://www. Pavimento .Obra que altere a edificação em parte essencial por supressão. Recuo . Kit . acréscimo ou modificação.Piso intermediário de um pavimento de pé direito duplo com área não superior a 50% (cinqüenta por cento) da área do piso inferior. destinada a iluminação e ventilação de compartimentos de utilização transitória.É o estabelecimento que. Penalidade . sala/quarto e pequena cozinha. Kitchenette ou Quitinete . Passeio .

modificação. com ou sem cobertura. de tratamento do efluente da fossa séptica.aprovação de projetos (alvará de construção).Diligência efetuada por funcionários habilitados para verificar determinadas condições das obras. III .Superfície coberta e sem paredes em todas as faces.pl 02/09/2011 .Informação legal em tempo real Página 20 de 164 Sacada . Sobreloja .Poço destinado a receber o efluente da fossa séptica e a facilitar sua infiltração subterrânea. É calculada pela seguinte fórmula: TO = AP/AL. Unidade de Moradia .É a divisão da área urbana em zonas de uso diferenciado. Telheiro . por filtração biológica. serão precedidas dos seguintes processos administrativos: I . ocupando área máxima de 50% do piso imediatamente inferior.consulta prévia de viabilidade.incluem-se no disposto neste artigo. § 2º .Unidade complementar constituída da tubulação e leito filtrante. http://www.Pavimento situado acima do pavimento térreo.Espaço destinado a prestação de serviço.leismunicipais.Vedação provisória usada durante a construção.Espécie de alpendre à frente e/ou em volta de uma edificação.com.Unidade Fiscal Municipal. através de tubulação convenientemente instalada e a permitir sua infiltração em camadas superficiais do terreno. III e IV poderão ser requeridos simultaneamente devendo. o uso pretendido e quais as normas a serem seguidas e respeitadas. Vestíbulo .Conjunto de compartimentos de uso privativo de uma família. § 1º . os cortes. que também devem seguir as determinações deste código e do Código de Posturas.br . no caso de edifícios coincide com apartamento.preenchimento de formulário próprio no qual o requerente indicará a localização do terreno.LEISMUNICIPAIS.br/cgi-local/form_vig.Onde: TO = taxa de ocupação (expressa em porcentagem).É a linha que separa o logradouro público da propriedade particular. II .Construção em balanço que avança da fachada de uma parede. acréscimo. UFM .Sala de entrada da edificação onde se encontra o hall e a circulação principal. Taxa de Ocupação . Saguão . aterros e terraplanagens destinados a obras ou loteamentos e explorações de jazidas.Espaço entre a porta e o acesso a escada. os projetos estarem de acordo com todas as exigências desta Lei Complementar. Terraço . Sumidouro . reforma ou demais obras civis a serem executadas no município de Rio do Sul.Espaço descoberto sobre edifício ou ao nível de um pavimento desse. SUBSEÇÃO I DA CONSULTA PRÉVIA DE VIABILIDADE Art. Valas de Infiltração . CAPÍTULO II DAS DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS SEÇÃO I DA CONSULTA PRÉVIA DE VIABILIDADE. Testada . escavações. 99 .licenciamentos da obra (habite-se). e se dará através de: I . Valas de Filtração .Valas destinadas a receber o efluente da fossa séptica. AL = área do lote. com acesso exclusivo pela loja. Zoneamento .Todas as obras de construção. Vistoria .índice que determina o valor máximo de ocupação considerando a projeção da edificação sobre o lote. neste caso.emissão de parecer posicionando a Prefeitura frente a ação e o uso pretendido. no interior de edificações.www. Varanda .A consulta Prévia de Viabilidade configura pedido de informação sobre a possibilidade de ser admitida a construção.análise de projetos.com.A aprovação e licenciamento da obra de que tratam os Incisos II. DO PROJETO E DO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO Art. IV . Sala Comercial . AP = área de projeção da edificação. 98 . II . Tapume .

matrícula atualizada do terreno. b) as dimensões das divisas do lote e os afastamentos e recuos da edificação quando exigidas. VIII .Os Projetos necessários para a obra e a ART deverão ser apresentados conforme estabelecido pelo CREA. b) indicação do lote na quadra (amarração com a respectiva distância à rua mais próxima) e a identificação dos respectivos vizinhos. e. § 1º . d) os traços indicativos dos cortes longitudinais e transversais. desde que sejam de atribuição de análise deverão apresentar juntamente com os demais documentos e o projeto arquitetônico em 04 (quaro) petição preenchido (formulário este entregue pela prefeitura juntamente com a resposta da consulta preenchido pelo requerente) e obedecer além das leis em vigor a RDC 50 de 21 de fevereiro de 2002.consulta de viabilidade deferida.planta de situação do lote onde se fará a edificação na escala maior ou igual a 1:2000 (um para dois mil) onde constarão: a) orientação do Norte.Para aprovação do Projeto Arquitetônico todas as pranchas relacionadas nos incisos anteriores deverão ser apresentadas em no mínimo 3 (três) vias. e os profissionais deverão estar devidamente inscritos no cadastro de contribuintes do município. que são as seguintes: I .fotocópia do carnê do IPTU.O prazo poderá ser prorrogado por mais 6 (seis) meses a pedido da parte interessada. ser consultado previamente o órgão competente da Prefeitura. 100 . e perfis do telhado.www.com. § 2º .Após a Consulta Prévia de Viabilidade.cortes longitudinais e transversais na mesma escala da planta baixa. II . http://www.Nos casos de Projetos para construção de edificações de grandes proporções.cópia da matrícula imobiliária expedida pelo Cartório de Registro de Imóveis e Hipotecas.A Prefeitura indicará as legislações que fundamentarão o parecer.Em todas as peças gráficas nos incisos IV.com. canais ou outros elementos que possam orientar a decisão das autoridades municipais. § 1º . § 5º . VI . observando sempre legislação vigente na data da prorrogação. X .pl 02/09/2011 . peitoris. configurando rios.planta de locação na escala maior ou igual a 1:200 (um para duzentos) onde constarão: a) projeção da edificação dentro de um lote. a) Em hipótese alguma a referida autorização a que alude o inciso X deste artigo. altura das janelas. § 3º . § 2º .leismunicipais.Em se tratando da prefeitura.LEISMUNICIPAIS. VII . III . também a sua autorização ou do usufrutuário. c) relação contendo a área do lote. autorizando a construção na área total do terreno. contendo em todas as folhas carimbos de aprovação e as rubricas dos funcionários responsáveis pela aprovação. estes vias. se o requerente não for proprietário.Terá validade por 6 (seis) meses. com a indicação dos elementos necessários à compreensão do Projeto como pé-direito. IV . quando da solicitação do habite-se. o formulário de de viabilidade. incluindo as já existentes.Quando no lote ou edificação for prevista a implantação de área destinada a playground. o requerente apresentará documentação necessária para aprovação dos Projetos. na escala 1:50 ou 1:75 conforme a necessidade de apresentação de cada projeto.elevação das fachadas voltadas para as vias públicas na mesma escala da planta baixa. § 4º . VI. índice de aproveitamento e a taxa de ocupação. § 4º . b) a finalidade de cada compartimento. IV . IX . contendo: a) as dimensões e áreas de todos os compartimentos inclusive dimensões dos vãos de iluminação. V. e VII deverão constar as especificações dos materiais utilizados. importará em desmembramento do terreno.br .br/cgi-local/form_vig. as escalas mencionadas poderão ser alteradas devendo. SUBSEÇÃO II DA ANÁLISE DE PROJETOS Art. contudo.projetos Complementares.A Consulta Prévia de Viabilidade será emitida num prazo máximo de 10 (dez) dias úteis. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 XI .Informação legal em tempo real Página 21 de 164 III . § 3º . c) indicação das espessuras das paredes e dimensões internas e externas totais da obra. área de projeção de cada unidade. que para isso deverá obedecer à lei pertinente.planta de cobertura com indicação dos caimentos na escala que se fizer necessário para a compreensão do Projeto. uma das quais será arquivada no órgão competente da Prefeitura e as outras serão devolvidas ao requerente após a aprovação. V .Projeto assinado pelo proprietário ou representante legal. deverá ser apresentada ART de projeto e execução de acordo com a norma NBR 14350-1. garagens e áreas de estacionamento.planta baixa de cada pavimento não repetido. a ser da construção de estabelecimentos de interesse de saúde. com firma devidamente reconhecida por tabelião.

Deverá constar do Alvará de Construção: a) b) c) d) e) f) nome do proprietário. (Redação dada pela Lei Complementar nº 197/2009) 197 Parágrafo Único . caixa de gordura.São Projetos Complementares. SEÇÃO II DO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO Art. V . SUBSEÇÃO III DOS PROJETOS COMPLEMENTARES Art.detalhamento do sistema de tratamento de efluentes (caixa de inspeção.O Projeto de Segurança e Prevenção Contra Incêndios deverá atender legislação pertinente e ser aprovado pela unidade local do Corpo de Bombeiros. 101 . VI . 108 .O Projeto Estrutural não merecerá análise da Prefeitura. Elétrico. assim como qualquer outra indicação que for julgada necessária. sendo exigida tão somente a entrega da respectiva ART de projeto e execução devidamente registrada junto ao CREA/SC.com.O projeto Hidro Sanitário (hidraúlico e sanitário) deverá ser apresentado em 03 (vias) vias.origem do abastecimento de água (poço artesiano ou concessionária de água). nome e assinatura do responsável da Prefeitura.O Projeto de uma construção será examinado em função de sua utilização lógica e não apenas pela sua denominação em planta. I . número da inscrição do cadastro imobiliário. conforme padrão estabelecido pela Norma de Segurança Contra Incêndio do Corpo de Bombeiros (criado pela LC 068 de 2001). se os mesmos estiverem de acordo com a legislação pertinente.destino final dos dejetos. deverão apresentar no projeto arquitetônico a previsão de abrigo de gás no lado externo da mesma. § 1º . para atendimento desta Lei Complementar.leismunicipais. Inciso I . os Projetos Hidro-Sanitário. profissional responsável pelo(s) Projeto(s) e pela execução da obra devidamente inscrito nos órgãos competentes. II . 104 .Informação legal em tempo real Página 22 de 164 Art.com. 103 .www. número do protocolo solicitando aprovação do projeto. local da obra. (Revogado pela Lei Complementar nº 197/2009) 197 INCISO II DO PROJETO ELÉTRICO Art. prescrição sumária da obra. III . normas estabelecidas pela CELESC (CENTRAIS ELÉTRICAS DE SANTA CATARINA)..Após a análise dos elementos fornecidos e.As residências unifamiliares. 105 . 102 .Do Projeto Hidro-Sanitário Art. § 2º . 104 .reservatório de água com volume adequado à edificação.projeto de retenção de águas pluviais.Deverá ser apresentado projeto hidro-sanitário completo (hidráulico e sanitário) com memória de cálculo e detalhamento do sistema de tratamento. 107 . Parágrafo Único . contendo os seguintes itens: I .LEISMUNICIPAIS.br/cgi-local/form_vig. finalidade e natureza.O Projeto Hidro-Sanitário será apresentado em 02 (duas) vias de acordo com as normas técnicas estabelecidas pela ABNT e atender o que dispõe o Código Sanitário Municipal bem como o Regulamento dos Serviços de Água e Esgoto Sanitário da CASAN e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). com indicação da área construída.br .memoria de cálculo para o dimensionamento do reservatório de água e sistema de tratamento estabelecidas pela ABTN.pl 02/09/2011 . Art. tanque séptico e filtro anaeróbico). IV . deverá ser apresentado o atestado de aprovação de projeto do Corpo de Bombeiros. quando couber. Estrutural e de Prevenção Contra Incêndios. a Prefeitura aprovará o Projeto e fornecerá ao requerente o Alvará de Construção.deverá ser apresentada ART de projeto e execução do projeto elétrico para liberação do alvará. Art.Para liberação do alvará de construção. SUBSEÇÃO IV DO PROJETO DE SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Art.O Projeto Hidro-Sanitário será exigido para toda a edificação servida com água. 106 . http://www. INCISO III DO PROJETO ESTRUTURAL Art.A instalação elétrica obedecerá às normas da ABNT.

Art.quadro de áreas com os seguintes itens: área do lote. SEÇÃO III DAS NORMAS TÉCNICAS SUBSEÇÃO I DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO Art. Art. 111 .Considera-se prescrito o Alvará de Construção que após ser iniciada.Se a obra não for iniciada dentro do prazo de 12 (doze) meses. será necessário numerá-las em ordem crescente. e) data. conforme Seção II. 112 .Nos Projetos de reforma. áreas ocupadas pela edificação já existente (se houver).obras de reparos em fachadas quando não compreenderem a alteração das linhas arquitetônicas.7 cm.br/cgi-local/form_vig. Art. estrutural.Informação legal em tempo real Página 23 de 164 g) número da matrícula do imóvel. o interessado deverá requerer nova aprovação. II . as partes a construir.br . ampliação ou reconstrução as peças gráficas serão apresentadas: I .com. taxa de ocupação e índice de aproveitamento. com dimensões mínimas de 17. g) nome do desenhista. § 1º . Parágrafo Único .A fim de comprovar o licenciamento da obra para efeito de fiscalização.O Alvará de Construção será válido pelo prazo de 36 (trinta e seis) meses. uma obra será considerada iniciada a partir do início da execução das suas fundações (alterada pela LC 25 de 1997). cortes elevações. áreas ocupadas pela nova construção. § 2º . reduzidas as margens.Ficarão suspensos os alvarás de construção das obras que não tenham sido iniciadas até a data de publicação desta Lei Complementar e que esteja com seu prazo de validade vencido.LEISMUNICIPAIS. a contar da data de entrada do requerimento no Protocolo da Prefeitura ou da última chamada para esclarecimento. h) no caso de vários desenhos de um Projeto que não caibam em uma única folha. desde que o(s) Projeto(s) apresentado(s) esteja(m) em condições de aprovação.É dispensável a apresentação de Projeto e requerimento para expedição de Alvará de Construção. § 4º . 115 .A construção dentro das especificações desta Lei Complementar. mas sem Alvará de Construção.0 cm x 29.www.com. etc.leismunicipais.0 cm de altura. b) referência da folha (planta.5 cm (orelha) para fixação em pastas. § 3º . c) tipo de Projeto (arquitetônico. Art.). http://www. tomando-se por tamanho padrão um retângulo de 21. hidro-sanitário. 110 . Art. Art. o Alvará de Construção deverá ser mantido no local da obra.5 cm de largura e 27. reforma ou ampliação. do Capítulo II deste Título. 109 . III . discriminadas por pavimento ou edículas.5 cm de largura e 15. sem dispensa de multa correspondente. do autor do Projeto e do responsável técnico pela execução da obra sendo estes últimos.Os Projetos somente serão aceitos quando legíveis e de acordo com as normas usuais de desenho arquitetônico. 114 . se houver alteração no Projeto. as partes conservadas.A Prefeitura terá o prazo máximo de 30 (trinta) dias para a análise. II . h) existência ou não de playground. f) escala.7 cm de altura (tamanho A4). com indicação dos números dos Registros no CREA. será desenhado quadro-legenda com 17. 113 . para: I . o Alvará perderá sua validade. que deverão ser demolidos logo após o término das obras.pl 02/09/2011 .em cheio. etc. II . reconstrução. sendo apresentadas em cópias dobradas.Para efeito deste.em hachurado.construção de pequenos barracões provisórios destinados a depósito de materiais durante a construção de edificações.No canto inferior direito da(s) folha(s) do Projeto. (tamanho A4). d) indicação do nome e assinatura do requerente. a obra sofrer interrupção superior a 12 (doze) meses. juntamente com o(s) Projeto(s) aprovado(s) e respectivas ART`s. contados da data de sua expedição.As folhas do Projeto deverão seguir as normas da ABNT quanto aos tamanhos escolhidos. do Projeto e expedição do Alvará de Construção.).selo ocupando o extremo inferior especificando: a) natureza e destino da obra. elétrico.espaço reservado à Prefeitura e demais órgãos competentes para aprovação. está sujeita as penalidades previstas em Lei. § 1º . Art.Depois de aprovado o(s) Projeto(s) e expedido o Alvará de Construção. § 3º . 116 . onde constarão: I . com número ímpar de dobras tendo margem de 1 cm (um centímetro)em toda periferia da folha exceto na margem lateral esquerda a qual será de 2. § 2º . estabelecidas pela ABNT.A prescrição do Alvará de Construção implica em novo requerimento do mesmo.A construção fora das especificações do Plano Diretor está sujeita a demolição por ato do Executivo Municipal podendo ser concedido um prazo de até 90 (noventa) dias para sua legalização. observações e anotações.

para vistoriar a obra e para expedir o Habite-se. e desde que as áreas comuns estejam concluídas.Os fiscais da Prefeitura terão ingresso a todas as obras mediante a apresentação de prova de identidade. prevenção de incêndio (quando for o caso) e demais instalações necessárias. § 1º . oferecendo condições de habitabilidade possua: I . SUBSEÇÃO II DAS MODIFICAÇÕES DOS PROJETOS APROVADOS Art. através do requerimento do Habite-se.A Prefeitura fiscalizará as diversas obras requeridas. SUBSEÇÃO III DO HABITE-SE Art.O Habite-se é solicitado pelo proprietário à Prefeitura. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 228/2011) 228 Art. modificação ou acréscimo. a autorização para utilização das partes concluídas de uma obra em andamento desde que atendido o que segue: I .quando se tratar de edificação constituída de unidades autônomas. juntamente com a numeração. Parágrafo Único . II . http://www. tem o prazo de 20 (vinte) dias úteis. III .Terminada a obra de construção. 120 . (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 228/2011) 228 Art.piso de madeira. assim como para alteração do destino de qualquer compartimento constante do mesmo. (Redação dada pela Lei Complementar nº 228/2011) 228 III .em pontilhado. § 3º Entende-se como obra executada aquela que.com.A aprovação do Projeto modificativo será anotada no "Alvará de Construção" se anteriormente aprovado.fechamento das aberturas externas. elétricas.Poderá ser concedido o Habite-se parcial. 119 .A Prefeitura tem um prazo de 20 (vinte) dias úteis. 121 . sejam elas comerciais ou residenciais. SUBSEÇÃO IV DAS VISTORIAS Art. para a liberação do habite-se. deverá ser apresentada a respectiva ART de projeto e execução. (Redação dada pela Lei Complementar nº 228/2011) 228 § 4º .www. em perfeito funcionamento. § 2º .O requerimento solicitando aprovação do Projeto modificativo deverá ser acompanhado de cópia do Projeto anteriormente aprovado e quando já expedido também do respectivo "Alvará de Construção".br .Nenhuma edificação poderá ser ocupada sem que seja procedida a vistoria da Prefeitura e expedido o respectivo Habite-se. § 3º . § 1º .quando se tratar de prédio composto de parte comercial e parte residencial e houver utilização independente destas partes.Para modificações em Projeto. (Redação dada pela Lei Complementar nº 228/2011) 228 § 5º O órgão público municipal. IV . deverá ser pedida pelo proprietário ou responsável pela execução a sua aceitação. II .que não haja perigo para o público ou para os habitantes da edificação. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 228/2011) 228 V .O Habite-se só será expedido quando a edificação apresentar condições de habitabilidade estando em funcionamento as instalações hidro-sanitárias. e independentemente de qualquer outra formalidade. § 2º .br/cgi-local/form_vig.A Prefeitura só fornecerá Habite-se à obras regularizadas através de aprovação de Projeto e alvará de construção.LEISMUNICIPAIS. a fim de que as mesmas estejam de acordo com disposições desta Lei Complementar. 117 . § 1º .instalação elétrica.Informação legal em tempo real Página 24 de 164 III . 118 . através de requerimento assinado por este. hidrossanitária e preventiva contra incêndios ( se for o caso).leismunicipais. ou seja. que será devolvido ao requerente juntamente com o Projeto. II .com. cerâmica ou concreto. de acordo com a NBR 14350-1. desde que as áreas comuns estejam concluídas. § 4º O habite-se da construção só poderá ser concedido pela autoridade competente após comprovada a execução das obras de acordo com os projetos arquitetônico e complementares aprovados.pl 02/09/2011 . demais Leis pertinentes e de acordo com os Projetos aprovados.quando se tratar de edificação composta de parte comercial e parte residencial e houver utilização independente destas partes. para vistoriar a obra e expedir o habite-se juntamente com a numeração do imóvel. será necessário a aprovação de Projeto modificativo. podendo o habite-se ser por unidade. através de seus agentes.quando se tratar de edificações construídas no interior de um mesmo lote.revogado pela LC 079 de 2002.Quando no alvará constar a existência de playground. acompanhado da respectiva certidão de Vistoria Sanitária. as partes a demolir.

inspecionar bens e papeis de qualquer natureza. conforme o caso. o responsável técnico e/ou proprietário será notificado. § 1º . Art. SUBSEÇÃO VII DA LICENÇA PARA DEMOLIÇÃO VOLUNTÁRIA Art. 127 . acrescidas da taxa de 20% (vinte por cento) de administração. § 1º .É dispensada a licença para demolição de muros de fechamento com até 3. não assumindo a Prefeitura. observadas as formalidades legais.pl 02/09/2011 . depois de decorridos mais 180 (cento e oitenta) dias. qualquer responsabilidade.A comunicação de baixa de responsabilidade poderá ser feita conjuntamente com a assunção do novo responsável técnico. § 3º .LEISMUNICIPAIS. providenciará todas as medidas necessárias e possíveis para garantir a segurança dos operários e do público. verificadas as irregularidades previstas na Subseção IV da Seção Única do Capítulo V desta Lei Complementar. obedecendo ao que dispõe a presente Lei Complementar. 129 . http://www. em conseqüência da aprovação. 125 .se o prazo do artigo anterior a partir da data de vigência desta Lei Complementar.Realizada a vistoria será intimado o interessado para dentro de 03 (três) dias úteis sob pena de embargo e/ou multa. a qual só será concedida após vistoria procedida pela Prefeitura e se nenhuma infração for verificada. desde que o interessado e os dois responsáveis técnicos assinem conjuntamente.A vistoria para expedição da Certidão de Vistoria Sanitária deverá ser solicitada pelo proprietário via protocolo. por meio de muro ou tapume dotado de portão de entrada. Art. na data da vigência desta Lei Complementar. fazer a demolição ou as modificações necessárias para regularizar a situação da obra.Qualquer edificação que esteja a juízo do departamento competente da Prefeitura. cálculos e demais detalhes que julgar necessário. e pela execução da obra. Art.Esta placa está isenta de qualquer tributação. SUBSEÇÃO VI DA RESPONSABILIDADE TÉCNICA Art. Art. Parágrafo Único . Art. ameaçada de desabamento deverá ser demolida pelo proprietário e este recusando-se a fazê-lo.00 m (três metros) de altura. desde que constituam objeto da presente legislação.Só poderão ser inscritos na Prefeitura. títulos e número de registro no CREA.Por ocasião da vistoria. o órgão competente da Prefeitura poderá exigir que lhe sejam exibidos as plantas. junto ao Departamento de Meio Ambiente da Secretaria de Planejamento. nas dimensões exigidas pelas normas legais. 131.com.com. deverá ser feito o fechamento do terreno no alinhamento. (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 SUBSEÇÃO V DAS OBRAS PARALISADAS Art. deverão colocar em lugar apropriado uma placa com a indicação dos seus nomes. os profissionais devidamente registrados no CREA. orientar. de acordo com as disposições desta Lei Complementar e obrigado a regularizar o Projeto. ampliada. a fim de verificar se a construção oferece perigo e promover as providências julgadas convenientes. Urbanismo e Meio Ambiente enquanto os elementos que compõe o quadro sanitário e que possibilitem perfeita identificação das soluções propostas no projeto.Deverá ser exigido a construção de tapumes e outros elementos. que de acordo com a Prefeitura sejam necessários.No caso de se verificar a paralisação de uma obra por mais de 180 (cento e oitenta) dias. deverá comunicar por escrito à Prefeitura essa pretensão.Para efeito desta Lei Complementar somente profissionais habilitados. Parágrafo Único .www. § 4º . Art.Em qualquer demolição o profissional responsável ou o proprietário.leismunicipais. se for constatado que a edificação foi construída. Parágrafo Único . só poderá ser executada mediante licença expedida pela Prefeitura. Art.br . será feito pelo órgão competente da Prefeitura. 124 .Informação legal em tempo real Página 25 de 164 § 2º . administrar e executar obras no Município. 123 . devidamente inscritos e quites com a Prefeitura e órgãos competentes poderão projetar. 122 . 128 . apresentar novo responsável técnico o qual deverá satisfazer as condições desta Lei Complementar e assinar também a comunicação a ser dirigida para a Prefeitura. reconstruída ou reformada em desacordo com o Projeto aprovado. 126 .A responsabilidade pelos Projetos cabe exclusivamente aos profissionais que tiverem assinado como seus responsáveis.Se no decurso da obra o responsável técnico quiser dar baixa da responsabilidade assumida por ocasião da aprovação do Projeto.As disposições desta Seção serão aplicadas também às construções que já se encontram paralisadas. § 2º . Parágrafo Único . Art.No caso de continuar paralisada a construção.Em qualquer período da execução da obra. caso as alterações possam ser aprovadas.A demolição de qualquer edificação.Os funcionários investidos em função fiscalizadora poderão. nos termos do Capítulo V desta Lei Complementar que trata das Penalidades. o exame do local.br/cgi-local/form_vig.Poderá ser cancelada a inscrição de profissionais (Pessoa Física ou Jurídica). a fim de garantir a segurança dos vizinhos e pedestres. a Prefeitura executará a demolição cobrando do mesmo por despesas correspondentes. 130 . § 2º . contando.As penalidades impostas aos profissionais de engenharia e arquitetura pelo CREA serão observadas pela Prefeitura no que lhe couber. 132 .Os profissionais responsáveis pelo Projeto. das benfeitorias do logradouro e propriedades vizinhas.

edificações residenciais multifamiliares. CAPÍTULO III DA CLASSIFICAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES SEÇÃO I DAS GENERALIDADES Art.Quando num lote houver 2 (duas) ou mais edificações.Consideram-se residências geminadas. Art.não residenciais. com um ou vários acessos às circulações ao nível do pavimento de acesso. será assinado pelo profissional responsável juntamente com o proprietário.Uma residência será considerada isolada quando sozinha ocupar o interior de um lote. II . uma construção é caracterizada pela exigência do conjunto de elementos construtivos contínuos em suas três dimensões. só poderá ser desmembrado quando cada unidade tiver dimensões http://www. estabelecer horário dentro do qual uma demolição deva ou possa ser executada. 133 .A prefeitura poderá.pl 02/09/2011 . subdividem-se em: I .Informação legal em tempo real Página 26 de 164 § 5º . 138 .Dentro de um lote. uma construção ou edificação é considerada contígua a uma ou mais divisas.Para fins desta Lei Complementar. SUBSEÇÃO I DAS EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS UNIFAMILIARES Art. 135 .Dentro de um lote. § 6º .isoladas.com. o responsável ficará sujeito às multas previstas nesta Lei Complementar.No pedido de licença para a demolição deverá constar o prazo de duração dos trabalhos. 140 .geminadas. conforme suas utilizações. continuamente.O lote das residências geminadas. 141 .edificações residenciais unifamiliares. que. o volume edificado no nível de qualquer piso.leismunicipais. SEÇÃO II DAS CLASSIFICAÇÕES DOS TIPOS DE EDIFICAÇÕES Art. quando a área livre deixar de contornar. INCISO I DAS EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ISOLADAS Art. INCISO II DAS EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS GEMINADAS Art. Art. III . § 8º . II . quando o prazo será prorrogado automaticamente pelo tempo do evento. podendo ser: I . e que se enquadre nas tabelas pertinentes e constantes nesta lei. duas unidades de residências contíguas. formar-se-á o "Grupamento de Edificações". poderá ser residencial ou não residencial. e/ou multifamiliar. § 7º . sempre que julgar conveniente. II .Caso a demolição não fique concluída dentro do prazo prorrogado.com.As edificações residenciais segundo o tipo.residenciais.O requerimento em que for solicitada a licença para uma demolição. em torno do volume edificado é contínua em qualquer que seja o nível do piso considerado. Parágrafo Único .Uma edificação será considerada unifamiliar quando nela existir uma única residência.br/cgi-local/form_vig. uma construção ou edificação é considerada isolada das divisas quando a área livre. Art. III .edificações de uso diverso.br . o qual poderá ser prorrogado atendendo solicitação justificada do interessado e a juízo da Prefeitura. as edificações classificam-se em: I . que possam usar uma parede comum em alvenaria.Conforme a utilização a que se destinam. 137 . SEÇÃO III DAS EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS Art. alcançando até a altura da cobertura. 139 .LEISMUNICIPAIS.Edificações residenciais de Interesse Social(acrescentado pela LC 134/2005). salvo os casos fortuitos e de força maior.www. 134 . 136 .

residências em série.edificação residencial multifamiliar transitória. 2. as situadas ao longo de logradouros públicos.residências em série (transversais ao alinhamento frontal): II .com. no mínimo 20. 142 .5. transversais ao alinhamento predial. quando as edificações estiverem situadas em ambos os lados do corredor de acesso com até 20 (vinte) edificações. em regime de condomínio. que exijam a abertura de corredor de acesso.a testada do lote terá.3 . INCISO I DAS EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES PERMANENTES http://www.8.Em cada 20 (vinte) unidades haverá área igual ao dobro da área de projeção de uma moradia. terão área livre mínima igual a projeção da moradia.O lote das residências geminadas.4 .00 m (cinco metros).00 m (doze metros) quando as edificações estiverem situadas em ambos os lados do corredor de acesso com mais de 20 (vinte) edificações.Informação legal em tempo real Página 27 de 164 mínimas de lote estabelecidas pela Lei Complementar de Parcelamento do Solo Urbano e as residências. geminadas ou não. transversais ao alinhamento predial. (paralelas ao alinhamento frontal): I .3 . em série. exclusiva de cada unidade de 5. 1.00 m (doze metros) quando as edificações estiverem situadas em ambos os lados do corredor de acesso com mais de 20 (vinte) edificações. quando as edificações estiverem situadas em um só lado do corredor de acesso com até 10 (dez) edificações. aquelas cuja disposição seja transversal ao alinhamento predial. quando as edificações estiverem situadas em um só lado do corredor de acesso com mais de 10 (dez) e até 20 (vinte) edificações. § 1º .8. 1.2 . paralelas ao alinhamento frontal as situadas ao longo de logradouros públicos. 1 . deverão obedecer as seguintes condições: 1 .00 m (oito metros). II . isoladamente. em regime de condomínio.pl 02/09/2011 .00 m (vinte metros). as quais não poderão ser em número superior a 20 (vinte) unidades de moradia ou a extensão superior a 100 (cem) metros.00 m (oito metros).residências transversais em série: (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 a) consideram-se residências em série.www. podendo ser: I .1 . em série. III . em regime de condomínio.o acesso se fará por um corredor com a largura de no mínimo: 2.00 m (seis metros). não podendo ser superior a 20 (vinte) o número de unidades no mesmo alinhamento.6. totalmente ou parcialmente geminadas.LEISMUNICIPAIS. (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 § 2º . 143 . (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 b) as residências em série.o acesso se fará por um corredor com a largura de no mínimo: 1. (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 Art. isoladamente. as quais não poderão ser em número superior a 20 (vinte) unidades de moradia ou a extensão superior a 100 (cem) metros.quando houver mais de 20 (vinte) moradias no mesmo alinhamento. 2. (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 II .br . 2.edificações residenciais coletivas.5. em regime de condomínio. só poderá ser desmembrado quando cada unidade tiver dimensões mínimas de lote estabelecidas pelo Título IV . destinada a "playground" de uso comum. 3 . quando as edificações estiverem situadas em ambos os lados do corredor de acesso com até 20 (vinte) edificações. geminadas ou não. aquelas cuja disposição exija a abertura de corredor de acesso. terão a testada mínima. § 1º . a) consideram-se as residências transversais em série.4 .leismunicipais. (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 2 . SUBSEÇÃO II DAS EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES Art.As residências de que trata o "caput" deste artigo.00 (cinco metros) e área livre mínima igual a projeção da moradia. quando as edificações estiverem situadas em um só lado do corredor de acesso com até 10 (dez) edificações. estejam de acordo com esta Lei Complementar.00 m (doze metros).br/cgi-local/form_vig.12.As residências de que trata o "caput" deste artigo.com.12.00 m (seis metros). totalmente ou parcialmente geminadas. Parágrafo Único . será feito um bolsão de retorno com diâmetro inscrito mínimo de 12.residências paralelas em série: (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 a) consideram-se residências em série.1 .As residências geminadas subdividem-se em: I .Normas Relativas ao Parcelamento de Solo e as residências.edificação residencial multifamiliar permanente.2 . 1.Uma edificação será considerada multifamiliar quando existirem na mesma edificação duas ou mais unidades residenciais. estejam de acordo com esta Lei Complementar e a Lei Complementar de Uso do Solo.6. a) consideram-se as residências paralelas ao alinhamento frontal. não podendo ser superior a 20 (vinte) o número de unidades contíguas no mesmo alinhamento.00 m (cinco metros). quando as edificações estiverem situadas em um só lado do corredor de acesso com mais de 10 (dez) e até 20 (vinte) edificações.

conjunto Vertical 2: Quando tratar-se de apartamento com área unitária de até 150. (Revogado pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 Art. VI .conjunto Horizontal 2: Quando tratar-se de residência com área de até 150. II . 152 . I . de acordo com as normas exigidas pelo Corpo de Bombeiros e disposições desta Lei Complementar.local para coleta interna de lixo em recinto fechado.conjunto Vertical 2: Quando tratar-se de apartamento com área unitária superior a 150.00 m² (cento e cinqüenta metros quadrados). V . sendo o limite mínimo de 4. d) obrigatoriedade de nela inscrever uma circunferência com raio mínimo de 2.conjunto Horizontal 1: Quando tratar-se de residência com área de até 150.Os conjuntos residenciais de que trata esta seção deverão observar o que dispõe esta Lei Complementar sobre estacionamento de áreas residenciais.00 m² (quarenta metros quadrados). (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 III .00 m² (cento e cinqüenta metros quadrados). não podendo o seu dimensionamento ser feito por adição de áreas parciais isoladas. 149 . IV .50 m (Dois metros e cinqüenta centímetros). 144 .local para caixa de correspondência. http://www. de acordo com o abaixo previsto: a) proporção mínima de 6. INCISO II DAS EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES TRANSITÓRIAS Art.Os Conjuntos Verticais subdividem-se em: I . obedecendo normas da Empresa Brasileira de Correios.00 m² (cento e cinqüenta metros quadrados). 146 . centrais de gás e isolados das passagens de veículos. Art. em local centralizado. (Revogado pela Lei Art.00 m² (quarenta metros quadrados). (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 II . V .00 m² (seis metros quadrados) por unidade de moradia. (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 III . não podendo ter área inferior a 40. 147 .equipamentos para extinção de incêndio.br/cgi-local/form_vig.00 m² (quatro metros quadrados).compartimento para rouparia e guarda de utensílios de limpeza em cada pavimento.00 m² (cento e cinqüenta metros quadrados).00 m² (quarenta metros quadrados). (Revogado pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 Art. II .Os Conjuntos Horizontais subdividem-se em: I .Entende-se por edificações residenciais multifamiliares transitórias as edificações destinadas a albergues.br .São considerados conjuntos quando compostos de mais de 5 (cinco) unidades de moradia.hall de recepção com serviço de portaria.conjunto Horizontal 2: Quando tratar-se de residência com área superior a 150.LEISMUNICIPAIS. Art. 145 . comunicação e sala de estar. III . Art. Art.leismunicipais.00 m² (quarenta metros quadrados) cada uma. I . exceto se as áreas parciais tiverem no mínimo 40. VI .conjunto Vertical 1: Quando tratar-se de apartamento com área unitária de até 150.5% (meio por cento) da área total construída.portaria com área equivalente a 0. II . c) obrigatoriedade de existir uma porção coberta de no mínimo 20% (vinte por cento) da sua superfície até o limite máximo de 50% (cinqüenta por cento).São consideradas nestes casos os edifícios de apartamentos (conjuntos horizontais e conjuntos verticais) e edificações residenciais geminadas com mais de 05 moradias.Além de 100 Complementar nº 214/2010 214 (cem) unidades residenciais deverá ser reservada área pré-escolar.conjunto Vertical 3: Quando tratar-se de apartamento com área unitária superior a 150. porém fora do passeio. pousadas.conjunto Horizontal 3: Quando tratar-se de residência com área superior a 150. hotéis. II .com.pl 02/09/2011 . 148 . pensões.acesso e condições de utilização especial de pelo menos uma unidade de dormitório para usuários de cadeira de rodas. conforme item VI do artigo 144 desta Lei Complementar. motéis. devendo ser respeitada a regulamentação do Corpo de Bombeiros.www. 151 .área de recreação proporcional ao número de compartimentos.conjunto Vertical 1: Quando tratar-se de apartamento com área unitária de até 40.00 m² (cento e cinqüenta metros quadrados).00 m² (cento e cinqüenta metros quadrados).00 m² (cento e cinqüenta metros quadrados). III .conjunto Horizontal 1: Quando tratar-se de residência com área de até 40.A largura dos acessos internos será determinada em função do número de residências que irá servir e será definido pela Prefeitura.compartimento próprio para administração.Os conjuntos deverão possuir área de recreação. sendo que existirão sempre como partes comuns obrigatórias: I .Informação legal em tempo real Página 28 de 164 Art.entrada de serviço independente da entrada de hóspedes. 150 . para deposição do lixo visando o aguardo da coleta. exceto as geminadas.equipamentos de extinção de incêndio segundo normas do Corpo de Bombeiros. IV . e) facilidade de acesso através de partes comuns afastadas dos depósitos de lixo. b) indispensável continuidade.com. e estes precisam ter sempre: I .local no alinhamento frontal.00 m² (cento e cinqüenta metros quadrados). (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 II .

00| 2.As unidades habitacionais inseridas em conjuntos populares ou isoladas não poderão ter área privativa superior ao que segue: I . 154 . Parágrafo Único .40| 2. salões de refeições.40| http://www. bem como estacionamento de veículos.ART (Anotação de Responsabilidade Técnica). Códigos do Município. desde que não edificado.projeto hidro-sanitário. (m)| |==========================|========|========|========| |1º Dormitório | 10. IX .LEISMUNICIPAIS. sanitários comuns.Aprovação do Corpo de Bombeiros.ter instalações sanitárias.br . X . § 3º . cozinhas.Os que não possuírem imóveis ou.50 m (um metro e cinqüenta centímetros). II . orfanatos ou estabelecimentos hospitalares. III . FATMA e IBAMA quando necessário.Os que possuírem apenas um único imóvel. deverão possuir lavatório com água corrente.Informação legal em tempo real Página 29 de 164 VII .Edificações residenciais multifamiliares coletivas são aquelas nas quais as atividades residenciais se desenvolvem em compartimentos de utilização coletiva como dormitórios.projeto arquitetônico. (m)|Min.ter piso e paredes de copas. III . XI . Os quartos que não tiverem instalações sanitárias privativas. Art.leismunicipais. II . segundo capítulo específico desta Lei Complementar que trata dos estacionamentos.A Secretaria de Planejamento poderá aprovar projetos de habitação popular desde que os mesmos estejam vinculados a um programa de ação social ou projeto social aprovado por um órgão público. um chuveiro e um lavatório para cada grupo de 04 (quatro) quartos por pavimento. Art. do Capítulo III desta Lei Complementar.consulta de viabilidade. devidamente separados por sexo.40| |--------------------------|--------|--------|--------| |2º Dormitório/Demais | 7.40.Para obtenção do alvará de licença de construção de habitação popular o interessado deverá apresentar à Prefeitura Municipal todos os documentos abaixo descriminados I .A adaptação de qualquer edificação para sua utilização como hotel e motel terá que atender integralmente todos os dispositivos da presente Lei Complementar. até a altura mínima de 1.00| 2. para depósito de lixo.ter vestiário e instalações sanitárias privativos para o pessoal de serviço. na proporção mínima de um vaso sanitário.todas as demais exigências contidas no Código Sanitário do Estado e no Código Sanitário do Município.40| 2. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 § 1º .local fechado interno ao alinhamento frontal. no mínimo.br/cgi-local/form_vig. 156 . 156 .com. INCISO III DAS EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS COLETIVAS Art.título de propriedade do terreno e/ou Contrato de Compra e Venda de vidamente registrado em cartório extrajudicial competente. VIII . § 2º . V . (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art. § 4º . as seguintes dimensões: _____________________________________________________ | | Área |Dimensão| Altura | | |Min (m²)|Min.Projeto Social aprovado por órgão público competente e VII .A .Somente poderão ser beneficiados: I .B . asilos. VI . pensionatos. 155 .Os compartimentos obedecerão. revestidos com material lavável e impermeável.00m² (setenta metros quadrados) quando com três dormitórios.00m² (cinqüenta e cinco metros quadrados) quando com dois dormitórios.Uma edificação residencial será considerada de Interesse Social quando for destinada ao uso residencial e estiver vinculada a programas sociais públicos. podendo ser: internatos. Estado e legislações específicas. SUBSEÇÃO III DAS EDIFICAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL Art.O dimensionamento dos compartimentos deverão observar a Subseção XI da Seção V.55.pl 02/09/2011 . inciso I. 153 .00m² (quarenta metros quadrados) quando com um dormitório.Deverá ser previsto local para embarque e desembarque de usuários. dispensas e instalações sanitárias de uso comum. e desde que atendam aos demais requisitos exigidos pela presente Lei Complementar. II . e tiverem como objetivo diminuírem o déficit habitacional. IV .70.www.com.

pl 02/09/2011 . III . devendo também atender as exigências contidas nos Códigos Sanitários do Estado e do Município e outras legislações específicas.40| |--------------------------|--------|--------|--------| |Sala | 10.quando os elevadores se situarem no mesmo lado do hall diâmetro mínimo de 2. observará: I .As edificações destinadas ao comércio e prestação de serviços em geral deverão ter pé-direito mínimo de 3.40| |--------------------------|--------|--------|--------| |Circulação | | 0.00| 2.Sempre que houver possibilidade de um espaço ser ampliado o pé direito atenderá ao dimensionamento previsto para o maior espaço.60| 2.40| |__________________________|________|________|________| (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 § 5º . 159 .00| 1.30| 2.00| 1.50m (cinqüenta centímetros) do solo.com. (m)|Min.leismunicipais. II .As edificações de madeira deverão satisfazer. III . além do previsto nos parágrafos anteriores do presente artigo.as paredes das instalações sanitárias e cozinhas deverão ser de alvenaria reves tidas até a altura de 1. negócios e atividades profissionais são as lojas e salas sendo que: I . 158 .40| |--------------------------|--------|--------|--------| |Cozinha | 4.20| 2.40| |--------------------------|--------|--------|--------| |Circulação | | 0. Parágrafo Único .90| 2.40| |--------------------------|--------|--------|--------| |Cozinha | 4.40| |--------------------------|--------|--------|--------| |Sala | 9.LEISMUNICIPAIS.br .10| 1.40| |--------------------------|--------|--------|--------| |A.altura máxima de 7.quando houver um só elevador.40| 2.entende-se por loja o espaço destinado a comercialização de produtos.Informação legal em tempo real Página 30 de 164 |--------------------------|--------|--------|--------| |Banheiro | 2. (m)| |==========================|========|========|========| |1º Dormitório | 9.As unidades destinadas a comércio.40| 2.50 m (dois metros e cinqüenta centímetros). Art. IV .40| 2. Art. terão obrigatoriamente marquise quando no alinhamento definidas em seção especial desta Lei Complementar.número máximo 2 (dois) pavimentos.60| 2.00 m² (doze metros quadrados) e diâmetro mínimo de 3.O hall das edificações comerciais. Serviço | 2.40| |--------------------------|--------|--------|--------| |A. somente com autorização do órgão público responsável pelo programa social descrito no inciso VI do § 1º do presente artigo. II .O alvará de construção poderá ser emitido em nome do empreendedor ou em nome do beneficiário. 157 . no mínimo. II . no mínimo 12.40| |--------------------------|--------|--------|--------| |2º Dormitório/Demais | 7.70| 1. 160 .Afastamento mínimo de 4. § 6º . V . SEÇÃO IV DAS EDIFICAÇÕES NÃO RESIDENCIAIS SUBSEÇÃO I DAS EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Art.br/cgi-local/form_vig.40| |--------------------------|--------|--------|--------| |Banheiro | 2.20| 2.10| 1. as seguintes dimensões: _____________________________________________________ | | Área |Dimensão| Altura | | |Min (m²)|Min.repousarão sobre baldrame de alvenaria com altura mínima de 0.As edificações destinadas a comércio.70| 1. ao seguinte: I .50m (um metro e cinqüenta centímetros) com material impermeável ou pintura com barra a óleo.com. http://www.00m (sete metros). neste último caso.entende-se por sala o espaço destinado a prestação de serviços.00| 2.30| 2.40| 2.00 m (três metros). Art.www.00m (quatro metros) de qualquer outra edificação ou divisa.a área do hall aumentada em 30% (trinta por cento) por elevador excedente.Os compartimentos obedecerão.90| 2. Serviço | 2.50| 2.40| |__________________________|________|________|________| (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 § 4º . negócios ou atividades profissionais além dos demais dispositivos desta Lei Complementar.00| 2.00 m.

50 m (três metros e cinqüenta centímetros). Parágrafo Único . II .Informação legal em tempo real Página 31 de 164 Art. Art. 173 .Nas farmácias.As edificações destinadas a indústrias em geral.Os compartimentos sanitários destinados ao público deverão obedecer as seguintes condições: a) para o sexo feminino. deverão: I . 170 . mercados e lojas de departamento deverão atender às exigências específicas. III . curativos e aplicação de injeção.Nas edificações onde houver produção de ruídos intensos. 168 .www.com. coberta ou não. e demais dependências destinadas aos empregados.leismunicipais. Art.br/cgi-local/form_vig. 162 . fábricas e oficinas.As salas de refeições não poderão ter ligação direta com os compartimentos sanitários.ser de material incombustível.ter acessos e saídas devidamente sinalizados e sem barreiras visuais. em áreas de até 50. estabelecidas nesta Lei Complementar para cada uma de suas seções.acima de 75. 161. aviamentos de receitas. 163 . 01 (um) mictório e 01 (um) lavatório. 172 . 165 . LANCHONETES E SIMILARES Art. Art. III .local para depósito do lixo no interior do lote.Ter dispositivo de prevenção contra incêndio de conformidade com as determinações desta Lei Complementar. b) para o sexo masculino.br .As edificações destinadas a oficinas mecânicas deverão obedecer às seguintes condições: I .As galerias comerciais. inclusive nas partes inferiores dos mezaninos.00 m² (trezentos metros quadrados) de área acrescida. Art. lavável e impermeável. Art. deverão: I . II . 166 .Para cada área adicional de 50. de conformidade com as IV . VII .pl 02/09/2011 .00 m² (setenta e cinco metros quadrados) da área total é obrigatório a construção de sanitários separados para os dois sexos.50 m (um metro e cinqüenta centímetros) deverão ser revestidos com material liso.Os supermercados. as disposições da Subseção I desta Seção.ter área. 164 .00 m² (cinqüenta metros quadrados) 01 (um) vaso sanitário.áreas laterais fechadas com muros.com.o hall de elevadores que se ligar às galerias não deverá interferir na circulação das mesmas. BARES. peixarias e estabelecimentos congêneres deverão dispor de um banheiro composto de vaso sanitário e lavatório sendo que este deverá ser na proporção de um por unidade.Os açougues. tolerando-se o emprego de madeira ou outro material combustível apenas nas esquadrias e estruturas de cobertura. 171 .prevenção de incêndio. os pisos e as paredes até 1. Art.Todas as unidades das edificações comerciais deverão ter sanitário: I . CAFÉS. manipulação ou depósito de alimentos. Art. capaz de comportar os veículos em reparo. SUBSEÇÃO III DAS OFICINAS MECÂNICAS Art.quando se tratar de um conjunto de lojas ou salas em um mesmo pavimento. além das disposições da presente Lei Complementar que lhes forem aplicáveis. VI . 169 . Art.Nos locais onde houver preparo.00 m² (cinqüenta metros quadrados) deverão acrescer-se os implementos das alíneas "a" e "b" deste artigo. estes deverão ser tecnicamente isolados não podendo haver propagação de ruídos para o exterior. http://www. na proporção de um sanitário para cada sexo a cada 300.LEISMUNICIPAIS. V . em áreas de até 50.ter compartimentos sanitários determinações desta Lei Complementar. os compartimentos destinados à guarda de drogas. SUBSEÇÃO IV DAS INDÚSTRIAS Art. resistente. lavável e impermeável até a altura de 1.50 m (três metros e cinqüenta centímetros). resistente. Art.00 m² (cinqüenta metros quadrados) 01 (um) vaso sanitário e 01 (um) lavatório.ter pé-direito mínimo de 3.50 m (um metro e cinqüenta centímetros). os pisos e as paredes deverão ter revestimento com material liso.ter largura compatível com exigências da Lei Complementar de Uso do Solo. no que couber. poderá ser feito um agrupamento de instalações sanitárias observados o item "I" deste artigo. II .ter pé-direito mínimo de 3. 167 . SUBSEÇÃO II DOS RESTAURANTES.As edificações tratadas nesta seção deverão observar.

00 m² (setenta e cinco metros quadrados).ter dispositivo de prevenção contra incêndio de conformidade com as determinações desta Lei Complementar e regulamentação do Corpo de Bombeiros.obedecer os seguintes requisitos quanto ao pé-direito: a) 3. V . Parágrafo Único .50 m (um metro e cinqüenta centímetros) pelo menos. c) 4.O sistema de tratamento proposto. bem como material descritivo.30 m (um metro e trinta centímetros) da parede da edificação vizinha. só poderão fazê-los após tratamento a jusante do ponto de captação pública da água. sólido e/ou gasosos com carga considerada poluente.LEISMUNICIPAIS. a distribuição por sexo ser proporcional ao número de funcionários. § 3º .todas as unidades das edificações industriais deverão possuir instalações sanitárias. 177 . exceto para os casos definidos no Anexo 04 do presente Título desta Lei Complementar. § 6º . estiver entre 25.As indústrias que lançarem seus efluentes industriais em rios. quando a área do compartimento não exceder a 25. II .Toda indústria já instalada em que for constatado o lançamento de efluente líquido. SEÇÃO V DAS EDIFICAÇÕES DE USOS DIVERSOS Art.Os resíduos sólidos serão transportados para local designado pelo órgão de limpeza pública do Município. entretanto. os mesmos deverão localizarse em lugar convenientemente separados. mediante apresentação da licença ambiental prévia. Art. IV . ribeirões ou mananciais de captação. estadual e federal vigente.As novas unidades industriais a serem edificadas serão isoladas da vizinhança através de um cinturão verde constituído por árvores e arbustos. III .00 m² (vinte e cinco metros quadrados) a 75. http://www. podendo. IV .parques de diversões. Art.com.As edificações de que trata esta seção nunca poderão ser construídas nos limites laterais.50 m (um metro cinqüenta centímetros) da extrema.www. § 1º . ditados pelos órgãos competentes. químicas e biológicas agressivas. III .uma distância mínima de 1.uma distância mínima de 1. quando apresentarem características físicas. § 5º .00 m (quatro metros) quando a área do compartimento for superior a 75. Deverão sempre estar recuadas pelo menos 1. § 7º . Art.Os fornos.As edificações destinadas ao uso industrial terão tratamento especial para os efluentes líquidos e gasosos.00 m (um metro) do teto sendo esta distância aumentada para 1. Art.A Prefeitura poderá negar aprovação se entender que o sistema será inoperante.com. b) 3. 180 .Nas indústrias a serem instaladas e nas indústrias existentes que passem a possuir lançamento de efluentes industriais. quando houver pavimento superposto.circos e feiras de exposições. fogões ou quaisquer outros aparelhos onde se produza ou concentre calor deverão ser dotados de isolamento térmico. caldeiras. estufas.depósito de armazenagem. planta e relatório de eficiência deverão ser apresentados ao órgão Estadual ou Federal competente para análise e aprovação.br . Art. Art.Os despejos deverão ser emitidos em regime de vazão constante. principalmente durante o período de funcionamento da indústria.A construção de residência em lotes industriais não altera seu uso que é preferencialmente industrial.00 m² (vinte e cinco metros quadrados). II . § 4º . deverá apresentar dentro do prazo estipulado pela Prefeitura uma solução aos órgãos competentes que satisfaça a condição infringida.Informação legal em tempo real Página 32 de 164 II . atendendo em quantidade ao que estabelece esta Lei Complementar. admitindo-se: I .00 m (um metro) das paredes da própria edificação e 1. 178 . de acordo com as normas específicas relativas a segurança na utilização de inflamáveis líquidos ou gasosos. este deverá ser feito a montante de captação de água da própria indústria quando ambos se derem em cursos d`água. 181 . 175 . máquinas. Art. 179 . 176 . obrigando-se as indústrias a esgotarem seus efluentes líquidos e/ou gasosos dentro dos padrões exigidos pela legislação municipal.quando seus compartimentos forem destinados à manipulação ou depósito de inflamáveis. § 2º .00 m (três metros).Enquadram-se neste Capítulo as edificações destinadas a: I .pl 02/09/2011 .A quantidade de aparelhos sanitários poderá ser dimensionada de acordo com normas as normas da CIPA desde que comprovado o número de funcionários através de uma declaração com firma reconhecida. cabendo ao morador da residência total adaptação ao uso industrial preferencial.br/cgi-local/form_vig.leismunicipais.00 m² (setenta e cinco metros quadrados). 174 .50 m (três metros e cinqüenta centímetros) quando a área do compartimento.O tratamento de efluentes industriais mencionados neste artigo deverá estar instalado antes das industrias novas começarem a operar e poderá ser comum a mais de uma indústria.depósito de explosivos. e posteriormente a aprovação da Prefeitura.Os afastamentos deverão obedecer ao quadro de Índices Urbanísticos.

ser inferior a 3.pl 02/09/2011 .10 m (dois metros e dez centímetros). 186 . vãos de "entrada" e de "saída" independentes.Os locais para armazenagem de inflamáveis ou explosivos deverão estar protegidos com pára-raios de construção adequada.abatedouros. II . todavia.br .com.00 m (um metro) para cada 100 (cem) pessoas.equipamentos comunitários.haverá obrigatoriamente. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 XI . que em contato com a água de enchentes possam causar danos a saúde pública deverão estar acima da cota de 342. VIII .Os locais para armazenagem de materiais explosivos. § 1º . ser inferior a 2. III . 182 . segundo levantamento aerofotogramétrico da Prefeitura.A armação e montagem de circos e feiras de exposições.Qualquer depósito de armazenagem deverá ser devidamente murado no alinhamento do logradouro com altura mínima de 2.piscinas públicas. VI .a soma total da largura desses vãos de entrada e saída será proporcional a 1.cemitérios. todavia. Art. estes deverão satisfazer todas as condições estabelecidas nesta Lei Complementar. Art. SUBSEÇÃO II DOS DEPÓSITOS DE ARMAZENAGEM Art. SUBSEÇÃO I DOS DEPÓSITOS DE EXPLOSIVOS Art. Parágrafo Único .Todas diferentes edificações deverão observar as exigências quanto a estacionamento especificadas nesta Lei Complementar e legislação específica. todavia.a capacidade máxima de público.A armação e montagem de parques de diversões atenderão às seguintes condições: I . ser inferior a 3. § 2º .Informação legal em tempo real Página 33 de 164 V . não podendo. X . VII .a largura dos vãos de entrada e saída será proporcional a 1. atenderão às seguintes condições: I . SUBSEÇÃO IV DOS CIRCOS E DAS FEIRAS DE EXPOSIÇÕES Art. II . V . cada um.equipamentos urbanos e playground.O profissional responsável deverá estar cadastrado na Prefeitura.feira de exposição permanente. não podendo.00 m (três metros) cada uma.haverá obrigatoriedade de vãos de "entrada" e "saída" independentes.o material dos equipamentos será incombustível. III .nenhum equipamento ou instalação de qualquer ordem poderá colocar em perigo os funcionários e o público. da parte elétrica e da prevenção de incêndios para evitar riscos a população. SUBSEÇÃO III DOS PARQUES DE DIVERSÕES Art. por metro quadrado e espaço destinado a espectadores.a largura das passagens de circulação será proporcional a 1. a juízo da autoridade competente.00 m (dois metros).Quando os depósitos de armazenagem se utilizarem galpões. as normas dos órgãos Federais e Estaduais competentes.00 m (três metros).www. permitida no interior dos parques de diversões. IV .00 m (trezentos e quarenta e dois metros). IX .feiras livres. 183 . 187 . 185 .leismunicipais.os equipamentos devem estar em perfeito estado de conservação e funcionamento. VII . § 1º .com.00 m (um metro) para cada 100 (cem) pessoas não podendo. 184 .Os parques de diversões só serão liberados para funcionamento após vistoria do que determina este artigo.LEISMUNICIPAIS. será proporcional a duas pessoas sentadas. VI .ter compartimentos sanitários de acordo com esta Lei Complementar. químicos e outros.Os interessados deverão apresentar ART da estrutura metálica quando houver.br/cgi-local/form_vig. § 2º . http://www.00 m (um metro) para cada 500 (quinhentas) pessoas.As edificações para depósito de explosivos e munições obedecerão as normas estabelecidas em regulamentação própria do Ministério do Exército e para inflamáveis.

a capacidade máxima de espectadores permitida será proporcional a duas pessoas sentadas.A área edificada do abatedouro deverá corresponder à área livre e ser proporcional a quantidade de animais mortos. Art.10m (dois metros e dez centímetros).Os abatedouros deverão ser providos de local específico destinado a pré-lavação dos caminhões utilizados em suas atividades. vão de acesso.No Projeto e construção de piscinas públicas. 10 II . SUBSEÇÃO VIII DAS PISCINAS PÚBLICAS Art.a circulação entre os boxes ou "stand" terá largura mínima de 2.50m (dois metros e cinqüenta centímetros) para extensão de até 15.distribuição e circulação satisfatória de água. VI . SUBSEÇÃO VI DAS FEIRAS DE EXPOSIÇÃO PERMANENTE Art. III . Seção IV do Capítulo III em seus artigos 157 a 166.www.As barracas serão conforme modelo estabelecido pela Prefeitura. Art. esta deverá ter um acréscimo de área de no mínimo 18. para atendimento ao público.Deverá haver sanitários masculino e feminino. Art. com 2 (dois) vasos sanitários e um lavatório cada um. quando se tratar de local fixo.as dimensões mínimas de: área. Parágrafo Único . Art. 195 . etc.Serão exigidos sanitários e vestiários na proporção estabelecida pela Subseção I.br .Informação legal em tempo real Página 34 de 164 IV . Art. instalados internamente em edificações e dispostos na forma de blocos ou conjuntos. sendo esta largura acrescida em 10% a cada fração de 5.ter compartimentos sanitários de acordo com esta Lei Complementar. III .facilidade de limpeza.leismunicipais. SUBSEÇÃO VII DOS ABATEDOUROS Art. SUBSEÇÃO V DAS FEIRAS LIVRES Art.impedimento de refluxo das águas de piscinas para a rede de abastecimento e quando houver calhas.00m (quinze metros).existência Complementar. far-se-á conforme os Artigos 183 a 185 desta Lei Complementar. 197 . de sanitários e vestiários masculinos e femininos na proporção conforme artigo 161 desta Lei http://www.LEISMUNICIPAIS.00m² (dezoito metros quadrados). acima dos 15.com. 193 .com. V . 189 . IV .Toda carga e descarga de animais bem como manutenção dos mesmos deverá acontecer dentro dos limites do lote. IV . destas para o interior da piscina. V .A Prefeitura determinara datas e locais para realização de Feiras Livres.Ficam compreendidos os boxes e "stand" de feiras e exposições.a existência de sanitário masculino e feminino. pé direito. VI . serão observadas condições que assegurem: I . desta Lei Complementar. separados por paredes divisórias leves. 194 . 196 . 198 . contendo obrigatoriamente: I . destinada ao uso público.00m (cinco metros). 190 .As edificações destinadas a abatedouros deverão enquadrar-se também nas disposições da Lei Complementar de Posturas e do Código Sanitário do Município. de cada box ou stand deverão seguir a tabela I do artigo 278 desta Lei Complementar. VII . Art. para o limite de até 10 (dez) boxes e "stand" e mais um vaso para cada fração de 10.instalação completa de tratamento de água (correção do Ph e desinfecção). artistas e do público. 191 .00m (quinze metros). II .pl 02/09/2011 .para cada extensão de 15.00m (quinze metros) de circulação. 192 .A altura mínima das divisórias deverá ser de 2. Art. por metro quadrado de espaço destinado a espectadores.br/cgi-local/form_vig. 188 .Todo o espaço deverá ser revestido com cerâmica no piso e parede.a segurança de seus funcionários.ducha para banho anterior ao de piscina.os circos só serão liberados para funcionamento após vistoria.

INCISO II DAS SALAS DE AULA. (Redação dada pela Lei Complementar nº 228/2011) 228 Art.com.00 m²(cinqüenta e seis metros quadrados) e as dimensões mínimas 7. 199 .00 m³ (quatro metros cúbicos) por aluno.50m2 (um metro e cinquenta centímetros quadrados).Toda pessoa responsável pela construção. IV . sem saliências contundentes. quando existirem. correspondendo a cada aluno área não inferior a 1. 207 . 207 As edificações destinadas a estabelecimentos escolares de qualquer natureza. sala-ambiente. SALAS AMBIENTE E AUDITÓRIOS Art.00 m (sete metros) e 8.Quando as aberturas estiverem situadas entre os rumos nordeste e noroeste deverão ser providas de elementos quebra-sol.capela mortuária. nem situadas na face da edificação que faça ângulo menor que 45 (quarenta e cinco graus) com a direção leste-oeste. exceto quando o beiral avançar 1. Parágrafo Único .br .30m² (um metro e trinta centímetros quadrados).00 m de postos de combustíveis. deverá ser construído ou instalado respeitando a norma NBR 14350-1. SUBSEÇÃO X DOS EQUIPAMENTOS URBANOS Art. Art.existência de lava-pés. circulação. http://www.torneira para procedimentos de limpeza.Informação legal em tempo real Página 35 de 164 VII . 209 .A distância será em linha reta entre os pontos extremos mais próximos. física e biologia. especialmente de química. 205 .com. 200 . Parágrafo Único .LEISMUNICIPAIS.As piscinas destinadas a aprendizado mesmo que de particulares estão sujeitas ao que especifica o artigo anterior. Parágrafo Único .pl 02/09/2011 . correspondendo a cada aluno área não inferior a 1. pintadas em cores claras e foscas.sanitários masculino e feminino.local para a administração. deverão ser adotadas soluções de ventilação cruzada.00 m (oito metros). deverão seguir as normas da ABNT.As salas ambientes.leismunicipais. instalações e mobiliários de material inócuo. Art. renovação e filtração do ar.Os equipamentos urbanos deverão ser construídos atendendo normas técnicas da ABNT. V . Art. Art. biblioteca e similares não tenham suas aberturas externas voltadas para o sul. Parágrafo Único . de acordo com os cursos a que se destinarem. Art. revestimentos.00 m (um metro) no mínimo.O não cumprimento do que especifica este artigo implica na não liberação do alvará de funcionamento. (criado pela LC 108/2003) SUBSEÇÃO XI DOS EQUIPAMENTOS COMUNITÁRIOS INCISO I DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES Art. deverão dispor de salas destinadas às salas de aulas que comportarão no máximo 40 (quarenta) alunos. 203 .Qualquer equipamento de diversão público ou privado do tipo playground. deverá fazê-la de forma que as salas de aula.Todo estabelecimento de ensino deverá ter as paredes internas e externas lisas. III .A área dos cemitérios deverá ser toda murada sendo ainda exigido: I . 206 . deverão as mesmas possuir dispositivos apropriados para refrigeração. 208 .Todo ambiente de ensino deverá proporcionar volume de ar equivalente a 4. de leitura. deverão dispor de salas destinadas às aulas que comportarão no máximo 40 (quarenta) alunos. sendo que a área mínima não poderá ser inferior a 56. sem solução de continuidade ou de superfície aguda cortante. reconstrução e/ou reforma de edificações destinadas ao ensino no que diz respeito a orientação da construção. 202 .br/cgi-local/form_vig. Art.Somente serão aprovados projetos para a construção de estabelecimentos escolares se localizados no mínimo a 200.Todo estabelecimento de ensino deverá ter seus equipamentos.Na existência de salas destinadas à aula prática.local para culto. SUBSEÇÃO IX DOS CEMITÉRIOS Art. II . 201 . Parágrafo Único .www. 204 .Quando o volume de ar por aluno for abaixo deste valor.As edificações destinadas a estabelecimentos escolares de qualquer natureza. Art.

i) terão iluminação natural.00 m (três metros) com o mínimo. deverá atender às seguintes condições em relação às instalações sanitárias: I . piso revestido com material antiderrapante e adequado à sua finalidade. balaústre ou corrimão com altura de 0.ter paredes revestidas de material liso. para vestiários e sanitários.O acesso nos estabelecimentos de ensino deverá ser facilitado para deficientes físicos.85 m (oitenta e cinco centímetros).50 m (um metro e cinqüenta centímetros). predominando a unilateral esquerda. IV . IV . 500 (quinhentos) lux. § 1º . II . será sempre natural. mediante rampas ou planos inclinados de materiais especiais. para setor administrativo. de no mínimo 1.ter. 100 (cem) lux. com números de degraus não superior a 10 (dez).60 m (sessenta centímetros). reformar ou ampliar edificações destinadas ao ensino público ou privado de qualquer natureza. passagem livre com altura não inferior a 2. http://www. esta deverá corresponder a 23% (vinte e três por cento) de área do piso. quadros ou telas de projeção. separados um dos outros.50 m (um metro e cinqüenta centímetros) para corredores e passagens de uso coletivo.Todo estabelecimento de ensino deverá possuir acesso para pessoas portadoras de deficiência conforme NBR 9050 e atender às seguintes condições em relação à área de circulação geral: I . na proporção de 1 (um) para cada 40 (quarenta) alunos. forma de cuba ou calha.quanto aos corredores: a) largura mínima de 1. c) acréscimo de 0.80 m² (oitenta centímetros quadrados) por pessoa. largura mínima de 1.As aberturas nas paredes para iluminação natural.com. b) as portas de salas-ambientes deverão ser duplas com a largura total não inferior a 1. h) terão corrimão intermediário para escadas com largura superior a 2.quanto às escadas: a) terão passagem livre com altura não inferior a 2. sendo os seguintes níveis de iluminação considerados suficientes: para salas de aulas 300 (trezentos) lux. III .50 m (dois metros e cinqüenta centímetros). caso seja instalado armário ou vestiário. c) as aberturas de entrada e saída deverão ter largura mínima de 3.pl 02/09/2011 . 213 .LEISMUNICIPAIS.quanto às portas: a) as portas de comunicação dos ambientes com as circulações deverão ter largura mínima de 0. devem corresponder a uma área total mínima que atinja 20% (vinte por cento) da área do ambiente.00 m (três metros). b) nas áreas de circulação que servem as salas de aula deverá haver um acréscimo na largura de 0. para todos os espectadores.Os auditórios dos estabelecimentos de ensino terão área útil não inferior a 0. INCISO IV DAS INSTALAÇÕES SANITÁRIAS Art.com. tipo ou finalidade. quando necessário.serão separadas por sexo. devendo ser previstos elementos que evitem o ofuscamento.Quando houver necessidade de iluminação zenital. 210 . laboratório e sala-ambiente.Toda pessoa para construir. devendo ser aumentado sempre que as condições de iluminação natural assim o exigirem. os mictórios.85 m (oitenta e cinco centímetros).O pé direito mínimo das salas de aula em geral. impermeável e resistente até a altura de no mínimo 2.Informação legal em tempo real Página 36 de 164 Art. f) terão seus lances retos. não ultrapassando as subdivisões de 1. 100 (cem) lux. II . Art. para biblioteca.40 m (um metro e quarenta centímetros). e) terão corrimão com altura de 0. d) terão o piso revestido com material adequado à sua finalidade. em qualquer ponto de 2. adaptar. Art. por uma distância de 0. 212 . até o máximo de 3.quanto às rampas: a) b) c) d) e) f) serão terão terão terão terão terão construídas de material resistente e incombustível. § 2º .leismunicipais. e para áreas de circulação. INCISO III DAS CONDIÇÕES DE CIRCULAÇÃO Art.50 m (um metro e cinqüenta centímetros).br . Parágrafo Único .20 m (vinte centímetros) por sala. b) terão largura mínima de 1. nunca poderá ser inferior a 3.00 m (dois metros). III . incluindo vigas ou luminárias. g) terão patamares planos entre os andares.16 m (dezesseis centímetros) e profundidade mínima de 0.00 m (dois metros). direta ou indireta.br/cgi-local/form_vig.50 m (dois metros e cinqüenta centímetros).50 m (três metros e cinqüenta centímetros). com acessos independentes. 250 (duzentos e cinqüenta) lux. 214 .27 m (vinte e sete centímetros).www. declividade não superior a 15% (quinze por cento) do seu comprimento. c) terão os degraus altura máxima de 0.50 m (um metro e cinqüenta centímetros) de largura. não se dispensando a iluminação artificial para as condições climatológicas peculiares e para aulas noturnas.A iluminação das salas de aula em geral.90 m (noventa centímetros).50 m (cinqüenta centímetros) por lado utilizado. 211 . observando-se ventilação adequada e perfeita visibilidade da mesa. reconstruir.50 m (um metro e cinqüenta centímetros). a no mínimo 1 (um) para cada 20 (vinte) alunos e 1 (um) lavatório para cada 40 (quarenta) alunos.00 m (dois metros).ser dotada de bacios sanitárias em número correspondente. j) não apresentarão trechos em leques.

deverá ser instalado bebedouros de guarda protetora na proporção mínima de 1 (um) para cada 50 (cinqüenta) alunos ou fração por turno.ter zonas sombreadas e ensolaradas e protegidas de ventos frios. INCISO V DAS COZINHAS. no mínimo. IV . impermeável e lavável.a potabilidade da água deverá ser examinada a cada 6 (seis) meses. parques infantis e congêneres: I . além de atender às disposições do Decreto 24. deverá obedecer ao seguinte: I . exceto os descartáveis. não http://www.pl 02/09/2011 .ter área descoberta para recreio e esporte com 3. Comerciais e Agropecuários.LEISMUNICIPAIS. VIII . DOS REFEITÓRIOS.Nos estabelecimentos de ensino escolar é obrigatório a existência de local coberto para recreio. cisternas ou poços.As escolas ao ar livre. podendo ser dispensado em casos de cobertura que ofereça proteção suficiente. feita pela autoridade de saúde competente.ter pisos impermeáveis e resistentes. 216 .25 m (um metro e vinte e cinco centímetros) de comprimento ou o equivalente em área para larguras maiores. deverá obedecer ao seguinte: I . e Alimentos e Bebidas. Art. IV .nos bebedouros. a extremidade do local de suprimento de água deverá estar acima do nível de transbordamento do receptáculo.os "Box" sanitários deverão ter largura mínima de 0. DAS LANCHONETES E CONGÊNERES Art. INCISO VI DOS LOCAIS DE ESPORTE E LAZER Art. com área mínima igual a soma das áreas das salas de aula. obedecendo também às especificações contidas no regulamento referente a locais de lazer.60 m (sessenta centímetros) e suspensa dos pisos deixando vãos livres de 0. liso. reformar ou ampliar edificações destinadas ao ensino público ou privado de qualquer natureza. II .com. II . esporte. d) ventilação e iluminação de acordo com as normas fixadas no presente regulamento. com área mínima de 1/3 (um terço) da soma das áreas das salas de aula e descoberto.Todo estabelecimento de ensino deverá atender as seguintes condições em relação a locais de recreio. proprietária de/ou responsável por estabelecimento de ensino na parte correspondente a cozinhas.www. adaptar. VI . e a utilização de copos ou vasilhames. sendo que nos internatos a disponibilidade mínima será de 150 l (cento e cinqüenta litros) de água por aluno/dia e nos semi-internatos será de 100 l (cem litros) por aluno/dia. mediante análise de amostras. b) forro de material adequado. III .as caixas de água.50 m (três metros e cinqüenta centímetros) de altura. f) lavatórios. de alimentos altamente cariogênicos. INCISO VII DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA Art.00 m (dois metros) de altura. Parágrafo Único .Informação legal em tempo real Página 37 de 164 V .00 m² (cinco metros quadrados) por aluno e/ou quadra cimentada de 20. além de atender as disposições regulamentares dos decretos que dispõe sobre Estabelecimentos Industriais. resistente e impermeável.apresentar dispensa anexa à cozinha com paredes e pisos revestidos de material impermeável.apresentar.ter área coberta para educação física e festividades com dimensões mínimas de 10. tipo ou finalidade na parte correspondente a abastecimento de água. 215 .00 m (vinte metros) por 30. parques infantis e congêneres obedecerão às exigências deste regulamento no que lhes forem aplicáveis.00 m (trinta metros). sendo vedado sua localização em instalações sanitárias. DAS CANTINAS.Toda pessoa para construir. quando for previsto a prática de esportes ou educação física. 217 . as condições: a) paredes revestidas com material liso.00 m² (três metros quadrados) a 5.ter chuveiros na proporção de 1 (um) chuveiro para cada 5 (cinco) alunos do grupo que utiliza os vestiários simultaneamente.981 de 14/03/85.30 m (trinta centímetros).ter condições de ventilação permanente. V . c) piso revestido com material resistente. VII . e) água potável.80 m (oitenta centímetros) por 1. III . g) não haver comunicação direta da cozinha com instalações sanitárias e com locais insalubres ou perigosos.com.proibir a venda. até o mínimo de 2.disponibilidade mínima de 50 l (cinqüenta litros) de água por aluno/dia. II . na cozinha. nas cantinas escolares.Toda pessoa.ter quadras orientadas para norte-sul.br/cgi-local/form_vig. na parte superior.00 m (dez metros) de largura e 3.15 m (quinze centímetros) de altura na parte inferior e 0. refeitórios.leismunicipais. reservatórios. visando a promoção da saúde oral. lavável. deverão ser revestidos de material impermeável inócuo. resistente. lavável e aberturas com telas protetoras. lanchonetes e congêneres. 218 . III .br . com portas de largura não inferior a 0. cantinas.

que deverão obedecer às seguintes condições: a) as escadas deverão ter largura mínima de 1.00 m² o sanitário masculino.quando o local de reunião ou salas de espetáculos estiver situado em pavimento que não seja térreo serão necessárias duas escadas no mínimo. quando não houverem lugares fixos.As edificações destinadas a auditórios. teatros. INCISO IX DAS CASAS DE ESPETÁCULO Art. b) sempre que a altura a vencer for superior a 2. considerando a lotação máxima. laboratório clínico. CAPÍTULO IV DAS EDIFICAÇÕES Art. cuja análise é de atribuição do município. IV . estabelecidas no Inciso II. terão largura mínima de 2. um lavatório e um mictório para cada 100 (cem) lugares.Toda pessoa. templos religiosos e similares.br/cgi-local/form_vig.quando não houver serviço público de coleta de lixo. com as seguintes proporções mínimas: a) para b) para c) para 1. estes deverão ter a capacidade de 50 l (cinqüenta litros) por aluno/dia. permanecendo cobertas. intra-hospitalar. de fácil limpeza.isolada do hospital. estabelecimentos de atenção odontológica: universidades. lares. de seis em seis meses.www. III . na parte correspondente à disposição de esgoto e de lixo. um vaso sanitário e um lavatório para cada 100 (cem) lugares. um vaso sanitário. estabelecimento para adultos em situação de risco ou portadores de necessidades especiais: albergues.quando não existir rede coletora de esgoto e a solução indicada pela autoridade de saúde for a utilização de fossas sépticas. para salas de até 100 (cem) lugares. posto de coleta. deverão atender as seguintes disposições: I . clínica ou consultório médico com vacinação.haverá obrigatoriamente sala de espera cuja área mínima.as portas deverão ter a mesma largura dos corredores. proprietária de/ou responsável por estabelecimento de ensino público ou privado. Seção I. os projetos deverão seguir as recomendações da RDC 50 de 21 de fevereiro de 2002 e serem apresentados em 04 (quatro) vias para expedição do alvará de construção: a) b) c) d) e) f) g) h) i) j) de l) laboratório clínico. abrigos. INCISO VIII DA DISPOSIÇÃO DO ESGOTO E DO LIXO Art.20 cm² (vinte centímetros quadrados) por pessoa. V . Capítulo IV. posto de coleta. casa de apoio. a destinação do mesmo deverá ser feita em condições que não tragam malefícios ou inconvenientes à saúde e o bem-estar público. c) as escadas não poderão ser desenvolvidas em caracol.Construção. serviços de fisioterapia.br . observadas. os quais terão profundidade de 1. ginásios de esportes.00 m (dois metros) o qual terá um acréscimo de 1 cm (um centímetros) a cada grupo de 10 (dez) pessoas excedentes a lotação de 150 (cento e cinqüenta) lugares. Estas larguras mínimas serão acrescidas de 10 cm (dez centímetros) por fração de 50 lugares. deverá ser de 0. tipo ou finalidade.leismunicipais. III . entretanto.80 m (dois metros e oitenta centímetros). II . devendo ser submetidas à limpeza e desinfecção. o sanitário feminino. abrigo. ampliação ou reforma de edifícios públicos ou privados destinados ao uso coletivo deverão ser http://www. efeito de cálculo do número de pessoas serão consideradas. VI . Subseção IX. os corredores de acesso e escoamento.ter instalações sanitárias separadas para cada sexo.50 m (um metro e cinqüenta centímetros). recipientes coletores de lixo. além de atender às disposições regulamentares específicas sobre ambiente deverá obedecer ao seguinte: I . 222 . sendo que. casas apoio.LEISMUNICIPAIS. terão nos seus corredores longitudinais e transversais largura mínima de 1. devem ter patamares. consultórios e laboratórios de próteses. e nos pátios e locais de recreio. protegidas e vedadas contra contaminação de qualquer natureza. salões de baile. a proporção de (um metro quadrado) por pessoa.as escadas poderão ser substituídas por rampas com no máximo 12% (doze por cento) de declividade. com tampa.com. 220 . referente a área efetivamente destinada as mesmas. e ser acrescidas de 10 cm (dez centímetros) por fração de 50 (cinqüenta) lugares excedentes. 221 . de qualquer natureza. casa lar. SUBSEÇÃO XII DOS ESTABELECIMENTOS DE INTERESSE EM SAÚDE Art.Informação legal em tempo real Página 38 de 164 corrosível. extra-hospitalar.nas salas de aula deverá haver cestos coletores de papéis. estabelecimentos de atenção à criança e ao adolescente: orfanato. lavanderia de roupas de uso hospitalar . intra-hospitalar.Para os seguintes estabelecimentos de interesse de saúde.pl 02/09/2011 . extra-hospitalar. cinemas.as circulações internas à sala de espetáculos de até 100 (cem) lugares. II . casas.com. clínicas. no mínimo. 219 .20 m (um metro e vinte centímetros). as demais exigências para escadas. estabelecimento de atenção ao idoso.50 m (um metro e cinqüenta centímetros). cobertos ou descobertos.

Os materiais de construção. Art. a Prefeitura poderá exigir análise e ensaios comprobatórios de sua adequacidade. será precedido de Projetos específicos. aterros e terraplenagens.com. de terra poderá integrar o Projeto arquitetônico desde que sejam atendidas as § 2º .quadro com quantitativos em m³ (metros cúbicos).br . Deverão ser observados. IV . de acordo com a Lei Nº 10. deverão ter contenção vegetal. seu emprego e técnica de utilização deverão satisfazer as especificações e normas oficiais da ABNT. 227 . III . 223 . 225 . 229 . em laboratório de comprovada idoneidade técnica. 226 . estabilização ou sustentação das respectivas terras ou de terceiros se colocadas em riscos. pedras. por meio de obras e medidas de precaução contra erosão do solo. b) o bota-fora dos materiais escavados deve ser realizado com destino a locais a critério da Prefeitura. pelo menos.www. IV . SUBSEÇÃO II DO PREPARO DO TERRENO .os edifícios deverão dispor.Os cortes e aterros que resultarem inclinação de até 30% (trinta por cento) em relação a horizontal.Para efeito desta Lei Complementar consideram-se "Materiais Incombustíveis": o concreto simples ou armado. 228 .Informação legal em tempo real Página 39 de 164 executadas de modo que sejam ou se tornem acessíveis às pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. peças metálicas. § 2º . Art.Todo movimento de terra tais como cortes. detritos e lixo para as valas. indicando orientação. III . tijolos.pelo menos um dos itinerários que comuniquem horizontal e verticalmente todas as dependências e serviços do edifício.Aos cortes corresponderão patamares horizontais na proporção de 2/1. c) obras de contenção indispensáveis à segurança ou à regularização de encostas. deverão ser reservadas vagas próximas dos acessos de circulação de pedestres. para veículos que transportem pessoas portadoras de deficiência. deverá cumprir os requisitos de acessibilidade de que trata esta lei. Escala 1/200 (um para duzentos). executado por profissional habilitado. Art. Escala 1/200 (um para duzentos).com. concreto armado ou gabião. serão obrigatórias as seguintes precauções: a) evitar que as terras ou outros materiais alcancem o passeio ou o leito do logradouro. edificações.Os cortes e aterros que resultarem inclinação superior a 30% (trinta por cento).00 m (três metros). Escala 1/500 (um por quinhentos).O Projeto do movimento determinações desta Seção. b) embasamento com pavimento exclusivamente destinado a estacionamento ou guarda de veículos. Art. escoamento de materiais. pública ou particular. sem o expresso consentimento da Prefeitura e o descumprimento deste parágrafo. § 4º . § 1º . cursos d`água. postes e demais elementos físicos no raio de 10. e logradouros públicos. entre si e com o exterior. sarjetas e canalizações.planta do terreno com altimetria indicando movimentos projetados.É expressamente vedado executar qualquer tipo de terraplenagem.planta de situação do terreno. sem causar quaisquer prejuízos a terceiros. os seguintes requisitos de acessibilidade. c) adoção de providências que se façam necessárias para a sustentação dos prédios vizinhos limítrofes.pl 02/09/2011 . distribuindo-se seus equipamentos e acessórios de maneira que possam ser utilizados por pessoa portadora de deficiência ou mobilidade reduzida. Art. materiais cerâmicos ou de fibrocimento e outros cuja incombustibilidade seja reconhecida pelas especificações da ABNT.00 m (dez metros) ao redor da área do movimento projetado. SEÇÃO I DAS EDIFICAÇÕES EM GERAL SUBSEÇÃO I DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Art. de um banheiro acessível.pelo menos um dos acessos ao interior da edificação deverá estar livre de barreiras arquitetônicas e de obstáculos que impeçam ou dificultem a acessibilidade de pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida.br/cgi-local/form_vig.leismunicipais.nas áreas destinadas a garagem ou estacionamento de uso público. será autuado e notificado tanto o proprietário do imóvel. escavações.Os movimentos de terra observarão ainda o seguinte: § 1º . serão objeto de contenção de engenharia com cortina de pedra. II . em qualquer ponto. II . 224 . § 3º . árvores de grande porte. como o proprietário do equipamento.perfil do terreno indicando os movimentos projetados.DAS ESCAVAÇÕES DE SUSTENTAÇÕES DE TERRA Art. constituído do seguinte: I .098 de 2000: I .LEISMUNICIPAIS. desmoronamento de terras. exceto quando necessariamente comprovados para execução de: a) garagens embutidas ou semi-embutidas.No caso de materiais cuja aplicação não esteja definitivamente consagrada pelo uso. devidamente cadastrado nos órgãos competentes.Os proprietários de terrenos ficam obrigados a fixação. sendo que sua execução deverá ser acompanhada por http://www.Os cortes e aterros superiores a 30% (trinta por cento) não terão altura contínua superior a 3. pelo menos.Na execução do preparo do terreno e escavações. dos movimentos projetados. devidamente sinalizadas.

242. Parágrafo Único . SUBSEÇÃO III DAS FUNDAÇÕES Art. tolerando-se pisos de madeira ou similar em edificações http://www.As paredes cegas que constituírem divisões entre habitações distintas.O projeto e a execução de uma estrutura obedecerá as normas da ABNT.É expressamente proibida a abertura de ruas quando não previstas pelo Plano Diretor ou não pertencerem a projetos de loteamentos aprovados pela Prefeitura. os mesmos índices de resistência. conforme o caso.A responsabilidade das obras efetuadas por máquinas de terraplenagem é exclusiva do proprietário do imóvel. no mínimo. SUBSEÇÃO IV DAS ESTRUTURAS Art. para os diferentes tipos de material utilizado. 243 . quando executadas em alvenaria comum deverão ter espessura mínima de: I .O projeto aprovado pela Prefeitura deverá obrigatoriamente ser mantido na obra. Parágrafo Único .com.O Projeto e execução de uma fundação deverão ser observados os artigos 102 a 110 desta Lei Complementar.interna . no mínimo o estabelecido no Artigo 278 desta Lei Complementar.externa . 234 .O forro das edificações unifamiliares caso não seja em plano horizontal. PISO E ENTREPISO Art.As espessuras poderão ser alteradas quando forem utilizados materiais de natureza diversa. § 5º . 237 .10 cm (dez centímetros). corte ou aterro deverão ser submetido a aprovação da Prefeitura. deverão ter licenciamento anual da Prefeitura para operarem no município.Quando forem empregadas paredes auto-portantes em uma edificação. 231 .A movimentação dos materiais e equipamentos necessários à execução de uma estrutura deverá ser sempre feita dentro do espaço aéreo delimitado pelas divisas do lote. quando se tratar de parede de madeira ou tijolo a vista tratado. isolamento térmico e acústico.Os entrepisos das edificações serão incombustíveis. impermeabilidade. Art. de que trata esta seção.www. a Prefeitura definirá a solução mais adequada.pl 02/09/2011 . terá como altura média. 238 .Na impossibilidade do cumprimento do disposto neste artigo. 235 . (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art. 241.LEISMUNICIPAIS. 236 . desde que possuam comprovadamente.br .Informação legal em tempo real Página 40 de 164 profissional competente da área. ou estejam nas divisas do lote deverão ter no mínimo 0. Art.Deverá ser observado ainda a Lei Complementar de Parcelamento do Solo nos artigos que dispõe sobre o assunto. Parágrafo Único . quando este for realizado em desacordo com a aprovação do projeto. em se tratando de parede de concreto que haja recebido tratamento de impermeabilidade. Art. 239 . SUBSEÇÃO V DAS PAREDES Art.20 cm (vinte centímetros) de espessura.As pessoas físicas ou jurídicas.leismunicipais.A prefeitura deverá instituir multa e cassar o licenciamento da terraplenagem. 232 . Art.com.Em nenhum caso os cortes e aterros ficarão a descoberto. Parágrafo Único .As paredes.Os Projetos de terraplenagem. porém a altura da parte mais baixa não será inferior ou menor que 2. Art. Art. ou em lote de terceiros quando por eles autorizado. INCISO ÚNICO DAS PAREDES CEGAS Art. 244 . 233 . 240 .br/cgi-local/form_vig. SUBSEÇÃO VI DO FORRO. 230 . quando convenientemente justificado no Projeto. quando se tratar de outro material adequado para divisórias. Art.10m (dois metros e dez centímetros). serão obedecidas as respectivas normas da ABNT. bem como o dá pessoa física ou jurídica que estiver realizando o serviço.Todas as paredes das edificações serão revestidas internamente de emboço e reboco.O revestimento será dispensado: a) b) c) d) e) quando a alvenaria for convenientemente rejuntada e receber cuidadoso acabamento. Art.15 cm (quinze centímetros). Art. II .

00 m² (mil metros quadrados). unifamiliares e isolados das divisas do lote.00 m² (quinhentos e um metros quadrados) a 750.3) 3.50 m (dois metros e cinqüenta centímetros). o dimensionamento das escadas deverá atender ao fluxo de circulação de cada nível contíguo (superior ou inferior) de maneira que no nível de saída do logradouro haja sempre um somatório de fluxos correspondentes à lotação total. INCISO II DA CIRCULAÇÃO DE NÍVEIS DIFERENTES Art. haverá um acréscimo de 10 cm (dez centímetros) na largura para cada metro ou fração.4) 4. SUBSEÇÃO VII DAS COBERTURAS Art. a largura livre deverá corresponder a 1 cm (um centímetro) por pessoa da lotação prevista para os compartimentos. não sendo permitido o deságüe sobre os lotes vizinhos ou sobre o passeio. SUBSEÇÃO IX DAS CIRCULAÇÕES INCISO I DAS CIRCULAÇÕES EM UM MESMO NÍVEL Art. § 1º . c) acesso aos locais de reunião. haverá um acréscimo de 05 cm (cinco centímetros) na largura.50 m (dois metros e cinqüenta centímetros) para área de 500.LEISMUNICIPAIS.00 m (dez metros). c. SUBSEÇÃO VIII DAS PORTAS Art.Quando de uso coletivo.Quando de uso privativo a largura mínima será de 0. deverá obedecer a largura mínima de: c.Os elementos de circulação que estabelecem a ligação de dois ou mais níveis consecutivos são: I .ter largura mínima de 2. 247 . para cada metro ou fração de excesso.com.50 m (três metros e cinqüenta centímetros) para área de 751. c.largura mínima de 1.20 m (um metro e vinte centímetros) para uma extensão de 15.00 m (quatro metros) para áreas acima de 1.00 m² (setecentos e cinqüenta metros quadrados).00 m (quinze metros). (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 c.rampas. II . III .2) 3. para cada metro ou fração de excesso.br/cgi-local/form_vig.20 m (um metro e vinte centímetros).00 m² (setecentos e cinqüenta e um metros quadrados) a 1. 248 .escadas. excedido esse comprimento haverá um acréscimo de 10 cm (dez centímetros) na largura.As portas de acesso a gabinetes sanitários e banheiros.As coberturas das edificações serão construídas em materiais que permitam uma perfeita impermeabilização. d) nos hotéis e motéis a largura mínima será de 1. 250 . exceto para as atividades específicas detalhadas na própria seção: I .br .largura mínima de 90 cm (noventa centímetros) para uma extensão máxima de 10. Excedido esse comprimento.00 m² (mil metros quadrados).50 m (um metro e cinqüenta centímetros) para cada mil pessoas e nunca inferior a 2.Os corredores de utilização coletiva terão as seguintes dimensões mínimas: a) uso Residencial . terão largura suficiente para o escoamento dos compartimentos ou setores da edificação a que se dá acesso. b) uso Comercial .o lance extremo que se comunicar com a saída deverá estar orientado na direção desta.00 m (quinze metros).000.pl 02/09/2011 .As portas de acesso às edificações. b) nas edificações destinadas a locais de reunião.com.escadas Rolantes. II . e) as galerias de lojas comerciais terão a largura mínima de 3.00 m (dois metros).1) 2.80 m (oitenta centímetros). 246 . essa largura será aumentada de 10% (dez por cento). Art. 249 .Informação legal em tempo real Página 41 de 164 de até 2 (dois) pavimentos.00 m (dez metros). terão largura mínima de 60 cm (sessenta centímetros).00 m (três metros) para área de 501. ou fração de excesso.000. respeitando o mínimo de 1.00 m (três metros) para cada extensão de no máximo 15.leismunicipais.As escadas deverão obedecer as seguintes normas: a) as escadas para uso coletivo terão largura mínima livre de 1. Parágrafo Único .As águas pluviais provenientes das coberturas serão esgotadas dentro dos limites do lote. http://www. para cada 5. Excedido este comprimento.00 m²(quinhentos metros quadrados). d) nos estádios as escadas das circulações dos diferentes níveis deverão ter largura mínima de 1.Os pisos deverão ser convenientemente tratados.00 m (cinco metros). bem como as passagens ou corredores. c) as escadas de acesso às localidades elevadas nas edificações que se destinam a locais de reunião deverão atender as seguintes normas: 1 .20 m (um metro e vinte centímetros) e deverão ser construídas com material incombustível. 245 .www. Art.50 m (um metro e cinqüenta centímetros) para cada extensão de 10. 2 . obedecendo a especificação técnica do Projeto.

SUBSEÇÃO XII DAS MARQUISES E SALIÊNCIAS Art. com 45 cm (quarenta e cinco centímetros) de prolongamento nas extremidades. c) as rampas de acesso para veículos deverão ter seu início conforme anexo 04 da presente Lei. § 3º . SUBSEÇÃO XI DAS CHAMINÉS Art. l) as escadas de uso comum ou coletivo terão obrigatoriamente corrimão (mesmo entre paredes) de ambos os lados.10 m (dois metros e dez centímetros).somente serão fixados pela sua face inferior. salvo casos onde a largura do passeio for maior ou igual a 3. casa de máquinas. deverão estas. na fachada das edificações obedecerá as seguintes condições: I . 2 .um saguão ou patamar de escada independente do hall de distribuição.40 m (dois metros e quarenta centímetros) e deixar com essa mesma altura o espaço que ficar sob sua projeção no piso do compartimento onde for construído. II . h) nas escadas circulares deverá ficar assegurada uma faixa de 1. b) ocupar área de no máximo 50% (cinqüenta por cento) da área do compartimento a que serve.leismunicipais. e) a parte externa da rampa deverá ter acabamento de piso 5 cm (cinco centímetros) mais elevado.No emprego de rampas. respectivamente. na qual os pisos dos degraus terão as profundidades mínimas de 20 cm (vinte centímetros) e 40 cm (quarenta centímetros) nos bordos internos e externos. 253 .iluminação natural ou sistema de emergência para alimentação da iluminação artificial na caixa de escada.A altura de chaminés de edificações não residenciais. d) as rampas deverão possuir largura mínima de 1. § 1º . sempre que o número de degraus consecutivos exceder de 16 (dezesseis) será obrigatório intercalar um patamar com a extensão mínima de 0. b) as rampas de acesso para pedestres. 3 . aplicam-se as dimensionamento e especificações de materiais fixadas para as escadas.Nas edificações em que forem assentadas escadas rolantes. caso as edificações sejam construídas no alinhamento do lote. bem como as de uso nitidamente secundário e eventual. mezaninos. quando satisfazer as seguintes condições: a) não prejudicar as condições de iluminação e ventilação do compartimento onde for construído e cuja área será adicionada para efeito de cálculo dos vãos de iluminação e ventilação a área do pavimento inferior (considerando-se o mezanino como compartimento habitável). f) as rampas deverão observar todas as exigências das normas pertinentes ao Corpo de Bombeiros. de prestação de serviços e multifamiliares. pequenos depósitos e casas de máquinas.www.br/cgi-local/form_vig. acima da borda do piso dos degraus.Independente da exigência do parágrafo anterior ou no caso da impossibilidade de seu cumprimento deverá ser obrigatória a instalação de aparelho fumívoro conveniente.75cm (setenta e cinco centímetros) de avanço em relação à prumada da fachada onde se localizar.20 m (um metro e vinte centímetros) e possuir corrimão dos dois lados. f) o dimensionamento dos degraus será feito de acordo com a fórmula 2E + P = 0.A construção de mezaninos só será permitida. não incomodem a vizinhança. obrigatoriamente.pl 02/09/2011 . obedecendo os requisitos seguintes: 1 .A construção de marquises. diferenciadas em função do número de pavimentos da edificação.20 m (um metro e vinte centímetros) de largura. g) nas escadas de uso coletivo. em substituição às escadas da edificação. adegas. SUBSEÇÃO X DOS MEZANINOS Art.a face interna do balanço deverá ocupar um avanço de no máximo 2/3 (dois terços) da largura do passeio e no mínimo de 0.00 m (cinco metros) do ponto mais alto das coberturas existentes num raio de 50.A chaminé de qualquer natureza.80 m (oitenta centímetros) e com a mesma largura do degrau.com.00m (cinqüenta metros). não poderá ser inferior a 5. § 2º . quando externas e se excederem a 6% (seis por cento) terão piso revestido com material antiderrapante.63/0.64. onde "E" é altura ou espelho de degrau. http://www. d) terem escada fixa de acesso e parapeito. o "P" a profundidade do piso obedecendo aos seguintes limites: altura máxima de 18 cm (dezoito centímetros) e profundidade mínima de 27 cm (vinte e sete centímetros). em uma edificação terá altura suficiente para que o fumo. j) as escadas deverão oferecer passagem livre com altura nunca inferior a 2.estarão afastados das paredes. situada entre 75 cm (setenta e cinco centímetros) e 80 cm (oitenta centímetros). sobrelojas ou antepisos de uma mesma unidade residencial.manter-se-ão a uma altura constante. 252 . dentro de uma unidade familiar. c) ter altura mínima de 2. i) as escadas do tipo "marinheiro". para edificações comerciais.terão largura mínima de 6 cm (seis centímetros).00 m (três metros). 2 . além das seguintes normas: mesmas exigências ao a) as rampas poderão apresentar inclinação máxima de 25% (vinte e cinco por cento) para uso de veículos e de 15% (quinze por cento) para uso de pedestres. no mínimo 4 cm (quatro centímetros). 251 . 4 .com.serem em balanço. quando deverá ter largura mínima de 1/3 (um terço) da largura do passeio. § 2º .Informação legal em tempo real Página 42 de 164 e) as escadas de uso privativo.br . n) as escadas deverão ainda observar todas as exigências das normas pertinentes ao Corpo de Bombeiros. m) os edifícios com 04 (quatro) ou mais pavimentos deverão dispor de: 1 . "caracol" ou "leque" só serão acessos a torres. obedecer à Norma NB-38 da ABNT. poderão ter sua largura reduzida para um mínimo de 80 cm (oitenta centímetros). a fuligem ou resíduos que possam expelir. como as de adega.LEISMUNICIPAIS.

§ 1º . Art. 256 .Será obrigatória a construção de marquises em toda a fachada nos seguintes casos: I .Os anúncios e letreiros sobre as marquises somente serão licenciados mediante prévia autorização do http://www. desde que a diferença não seja superior a 0. onde: AV = Avanço da edificação sobre o passeio.Os recuos das edificações deverão estar de acordo com o disposto na Lei Complementar de Uso do Solo e ainda no que especifica a proposta do Sistema Viário. 259 . Parágrafo Único .br .nos edifícios de uso comercial cujo pavimento térreo tenha essa destinação. de acordo com o critério a ser estabelecido pela Prefeitura. atenda às dimensões mínimas estabelecidas nesta Lei Complementar. b) com a visão de monumento histórico. VI . quando construídos no alinhamento predial.ter altura mínima de 2.Não será permitida a colocação de balcões ou vitrines nos halls de entrada e circulações. 257 .50cm (cinqüenta centímetros) das existentes e as projetadas.com.www. de modo a evitar qualquer solução de descontinuidade entre as diversas marquises contíguas.pl 02/09/2011 . quando no alinhamento ou dele recuado menos de 4. 254 . SUBSEÇÃO XIV DAS VITRINES E MOSTRUÁRIOS Art.nas ruas para pedestres as projeções máximas e mínimas poderão obedecer a outros parâmetros.br/cgi-local/form_vig. Parágrafo Único .Deverão ainda ser observadas normas da CELESC.1. SUBSEÇÃO XIII DOS RECUOS E AVANÇOS Art. se: I . II . quando construídos no alinhamento.As fachadas dos edifícios.Deverão ser obedecidas normas estabelecidas pela CELESC. 262 .Nos pavimentos térreos construídos no alinhamento será permitido o uso transitório de toldos protetores localizados nas extremidades das marquises. aonde não houver recuo frontal.A colocação de anúncios e letreiros só será feita mediante prévia licença da Prefeitura e não poderá interferir: a) sinalização de tráfego. II .em qualquer edificação de mais de 1 (um) pavimento a ser construída nos logradouros de uso predominante comercial.com. III . Art. o pavimento térreo deverá ser de forma chanfrada ou semicircular respeitando o raio interno de concordância prevista entre as vias. Art.A instalação de vitrines e mostruários só serão permitidas quando não advenha prejuízo para ventilação e iluminação dos locais em que sejam integrados e não perturbem a circulação do público. podendo a Prefeitura indicar a cota adequada.Nenhuma edificação será construída avançando sobre o passeio quer no térreo. assim como não ocultarão placas de nomenclatura ou numeração.20 m (dois metros e vinte centímetros).não prejudicarão a arborização e iluminação pública. 261 .Os elementos mencionados no caput deste artigo poderão projetar-se além do alinhamento predial a distância máxima de 60 cm (sessenta centímetros). poderão ter floreiras. desde que abaixo de sua extremidade inferior deixe espaço livre com altura mínima de 2. IV .leismunicipais.o escoamento das águas pluviais for exclusivamente dentro dos limites do lote através de condutores embutidos e encaminhados à sarjeta sob o passeio. 255 .00 m (quatro metros). AV = L .permitirão o escoamento das águas pluviais exclusivamente para dentro dos limites do lote através de condutores e encaminhados à sarjeta sob o passeio. 260 . Art.90 m.Informação legal em tempo real Página 43 de 164 III . 258 . SUBSEÇÃO XV DOS ANÚNCIOS E LETREIROS Art.serem construídas em toda a extensão da quadra. Parágrafo Único .LEISMUNICIPAIS. § 2º .Entende-se por marquise somente o avanço da laje ou elemento construtivo equivalente que cubra a parte do passeio e não do avanço do corpo da edificação (podendo sobre as mesmas ser locadas floreiras e/ou vitrinas para exposição comercial). ou nos outros pavimentos. em função das marquises existentes na mesma face da quadra. Art.80m (dois metros e oitenta centímetros) acima do nível do passeio. Art. caixas para ar condicionado e brises.Os edifícios construídos nos cruzamentos dos logradouros públicos.estiverem acima da marquise. Art. 263 . c) com a visão de locais de interesse paisagístico. V .A abertura de vão para vitrine e mostruário em fachadas ou paredes de áreas de circulação horizontal será permitida desde que o espaço livre dessas circulações em toda a sua altura.

269 . estes deverão ser dotados de guarda-corpo com altura de 1.www. para edifícios de três pavimentos ou mais. reforma. d) quando executado formando galerias para circulação de pedestres. II .Os tapumes deverão apresentar perfeitas condições de segurança em seus diversos elementos e garantir efetiva proteção às árvores. Art. este tendo inclinação aproximada de 135 (cento e trinta e cinco graus).O tapume deverá ser mantido enquanto perdurem as obras que possa afetar a segurança dos pedestres que utilizam dos passeios dos logradouros. sem prejuízo de fiscalização pela Prefeitura.Após o término das obras ou no caso de sua paralisação por prazo superior a 06 (seis) meses.Durante a execução da obra será obrigatória a colocação de andaime de proteção do tipo "bandeja. 274 . § 1º . tv. 270 .compartimento de utilização transitória.Para efeito da presente Lei Complementar.leismunicipais.00 m (um metro).As "bandejas-salva-vidas" constarão de um estrado horizontal de 1. nem exceder a 2. III . pelo construtor. Art. 268 . § 2º . SUBSEÇÃO XVI DOS TAPUMES. IV .São compartimentos de permanência prolongada noturna os dormitórios. Art.Será obrigatória a colocação de tapumes sempre que se executem obras de construção.Os compartimentos são classificados em: I .50m (cinqüenta centímetros) de distância do meio-fio. 271 .00m (dois metros).salvavidas". todos os edifícios com mais de 02 (dois) pavimentos.20 (um metro e vinte centímetros) de largura mínima com guarda-corpo até a altura e 1. 272. ANDAIMES E TELAS DE PROTEÇÃO Art. Art.Os andaimes terão de garantir condições de segurança de trabalho para os operários de acordo com a legislação federal que trata deste assunto.O tapume de que trata este artigo deverá atender às seguintes normas: a) a faixa compreendida pelo tapume não poderá ter largura superior à metade da largura do passeio (não computada á área de canteiro quando existir). alínea "a".Para as obras de construção. 265 . 273 . http://www.Será obrigatório o uso de tela de proteção para construções acima de 02 (dois) pavimentos. Art.Nas edificações afastadas mais de 3.00m (três metros) em relação ao alinhamento de logradouro. os tapumes deverão ser recuados até o alinhamento e os andaimes retirados. Art. 266 . a critério da Prefeitura e obrigatoriamente.00m (três metros) e terá bom acabamento. § 2º . Art. postos e outros dispositivos existentes sem prejuízo da completa eficiência de tais aparelhos. o destino dos compartimentos não será considerado apenas pela denominação em planta. SUBSEÇÃO XVII DOS COMPARTIMENTOS INCISO I DA CLASSIFICAÇÃO Art.compartimento de utilização especial. a fim de ser verificada sua eficiência e segurança. música. § 1º . o tapume não poderá ocupar o passeio.Enquadram-se nesta exigência todas as obras que ofereçam perigo aos transeuntes. deste artigo. respeitada sempre a norma contida no parágrafo 3º.São compartimentos de permanência prolongada diurna: . Art. 264 .LEISMUNICIPAIS.Os tapumes deverão ser periodicamente vistoriados. desde que os limites destes compartimentos fiquem contidos até 0.com.pl 02/09/2011 . como complemento da instalação do canteiro da obra. quando construídas no alinhamento e/ou nas suas divisas. 267 . ampliação ou demolição nos lotes voltados para as vias públicas. serão mediante prévio entendimento com o órgão competente em matéria de trânsitos transferidas para o tapume e fixadas de forma a serem bem visíveis.salas de jantar.br . Art.00m (três metros) não há obrigatoriedade de colocação de tapume. c) a sua altura não poderá ser inferior a 3.20 m (um metro e vinte centímetros). § 2º . elevações. § 3º .Informação legal em tempo real Página 44 de 164 condomínio do prédio respectivo ou proprietário. aparelhos de iluminação pública.compartimento de permanência prolongada noturna. será permitida a existência de compartimentos superpostos. mas também pela sua finalidade lógica decorrente da sua disposição no Projeto.br/cgi-local/form_vig.compartimento de permanência prolongada diurna. reparos e demolições de muros até 3. em relação ao estrado horizontal. § 1º . b) quando for construído em esquinas de logradouros as placas existentes indicadoras do tráfego de veículos e outras de interesse público. estar.com.No caso de emprego de andaimes mecânicos suspensos.

. ou forro inclinado. total e simultaneamente.Informação legal em tempo real Página 45 de 164 . 278 .garagens. INCISO II DOS REQUISITOS MÍNIMOS Art. . com paredes que cheguem até o teto será permitida quando os compartimentos resultantes atenderem.escada.leismunicipais. Art. será aquela tomada pela média da altura máxima e mínima. a todas as normas desta Lei Complementar no que lhes forem aplicáveis.área de piso.Os compartimentos obedecerão no mínimo a: TABELA 1.saguão.00| 2. . .São compartimentos de utilização transitória: . V .vãos de acesso.00| 2. Art. .br .lavanderia.pl 02/09/2011 . .40| 2.Dimensões dos compartimentos _________________________________________________________________ | DIMENSÕES MÍNIMAS DOS COMPARTIMENTOS UTILIZAÇÃO PROLONGADA | |----------------------+------+---------------+------+------------| | Compartimentos | Área |Dimensão Mínima|Altura| Largura | | | (m²) | (m) | (m) |dos vãos (m)| |======================|======|===============|======|============| |1º dormitório ou único| 11. Parágrafo Único . IV .LEISMUNICIPAIS.cozinhas e copas.com. .40| 2. 277 .Os compartimentos obedecerão aos limites mínimos para os seguintes elementos da construção: I .largura.altura.60| 0.A subdivisão do compartimento.80| |----------------------|------|---------------|------|------------| |2º dormitório | 9. são Art.despensas.00| 2. III .80| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Os demais | 7.espaço para churrasqueiras.www. que não poderá ser inferior ao estabelecido nesta Lei Complementar. 276 . quando houver rebaixamento de forro. § 4º . .varandas/sacadas. para cada tipo de utilização e referidos neste artigo.locais para lixo. . II . .vão de iluminação e ventilação. escritórios.leitura.60| 0.Os limites mínimos dimensionados estabelecidos nas tabelas desta subseção.corredores e passagens. 275 .60| 0.depósitos de uso doméstico. pela sua destinação especifica não se enquadrem nas demais classificações.80| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Sala | 11.com.biblioteca. .halls.São compartimentos de utilização especial aqueles que.casas de máquinas. .40| 2. .40| 2.00| 2. .dormitório de empregados.br/cgi-local/form_vig.60| 0.sanitários.80| |----------------------|------|---------------|------|------------| http://www. § 3º .salas de espera.A dimensão estabelecida como altura mínima de um compartimento. . .

40| 0.00| 2.70| 1.60| |-------------------------|------|--------|------|--------| |Área de serviço | 2. II .40| 0. § 3º .20| 0.Os compartimentos de permanência transitória.40| 0.80| |-------------------------|------|--------|------|--------| |Garagens | 12. terraços e casas de máquinas o piso em cimento.com.40| 0.20| 0. Parágrafo Único .00| 2. 281 . através de prisma de iluminação e ventilação externo ou não.50| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Closet | 1.70| |-------------------------|------|--------|------|--------| |Circulações | | 0.00| 3.40| 0.60| |-------------------------|------|--------|------|--------| |Lavabo | 1.www. banheiros.Os compartimentos de permanência prolongada noturna e diurna.40| 0. definidos nos Artigos 275 a 277 desta Lei Complementar.leismunicipais.com. b) será permitido nas garagens.40| 2. cozinhas e despensas.60| 2.25| 1.00| 1. SUBSEÇÃO XVIII DA VENTILAÇÃO E ILUMINAÇÃO Art. § 4º . 279 .80| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Banheiro | 3.Dimensões dos compartimentos provisórios _________________________________________________________________ | DIMENSÕES MÍNIMAS DOS COMPARTIMENTOS UTILIZAÇÃO TRÂNSITÓRIA | |----------------------+------+---------------+------+------------| | Compartimentos | Área |Dimensão Mínima|Altura| Largura | | | (m²) | (m) | (m) |dos vãos (m)| |======================|======|===============|======|============| |Cozinha | 4. revestido de material impermeável com as características de impermeabilização dos azulejos ou ladrilhos cerâmicos.40| 0.40| 0.80| 2.Todos os compartimentos deverão ter comunicação com o exterior podendo ser: I .Dimensões dos compartimentos provisórios DIMENSÕES MÍNIMAS DOS COMPARTIMENTOS UTILIZAÇÃO TRANSITÓRIA _________________________________________________________ | Compartimentos | Área |Dimensão|Altura|Largura | | | (m²) | (m) | (m) |vãos (m)| |=========================|======|========|======|========| |Cozinha | 4.Os banheiros e instalações sanitárias não poderão ter comunicação direta com copas. instalações sanitárias e locais para despejo de lixo terão paredes até a altura mínima de 1. § 2º .pl 02/09/2011 .90| 2.80| |______________________|______|_______________|______|____________| (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 TABELA 2.90| 2.40| 1.60| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Lavabo | 1.indireta: onde a ventilação ou iluminação acontece através de um outro compartimento.60| 2.00| 1.50 m (um metro e cinqüenta centímetros) e o piso.40| 0.As circulações de que trata este artigo referem-se ao uso interno das unidades residenciais.br .00| 1.30| 2.Excetuam-se deste artigo as cozinhas e ventilação de forma indireta.30| 2.70| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Circulações | | 0. duto mecânico ou prisma de iluminação e ventilação interno.35| 0.40| 0.60| 0.50| 2.40| 2.50| 2.80| 2.00| 3. Art.50| 2.00| 2.40| 2. duto.60| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Área de serviço | 2. que poderão receber iluminação e Art.00| 2.Quanto ao revestimento destes compartimentos deverá ser observado o que segue: a) as cozinhas. despensa ou depósitos.00| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Salas comerciais | 18.80| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Garagens | 12. deverão possuir vãos de iluminação e ventilação de forma direta.80| 2.30| 2.50| |-------------------------|------|--------|------|--------| |Closet | | 1.40| 0. através de uma área de serviço. devidamente impermeabilizado.80| 2.br/cgi-local/form_vig.60| |_________________________|______|________|______|________| (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 § 1º .60| | |______________________|______|_______________|______|____________| TABELA 2.00| 0. quarto de empregada.40| 0.direta onde a ventilação e a iluminação acontecem diretamente com o exterior.LEISMUNICIPAIS.40| 2.Os dormitórios não poderão ter comunicação direta com cozinha. lavatórios.25| 1.80| 2.80| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Boxes e stand | 15. 280 . definidos no parágrafo 3º do Artigo 183 desta Lei Complementar.80| |----------------------|------|---------------|------|------------| |Sobreloja | 12. http://www.80| |-------------------------|------|--------|------|--------| |Banheiro | 2.Informação legal em tempo real Página 46 de 164 |Lojas | 25.20| 2.

90 | |----------|----------------------|---------------------| |Até 9 |3.70 x 1.com.leismunicipais. (alterado pela LC 25 de 1997) III .br . externas da edificação e divisa ou divisas do lote e linha de afastamento (quando este existir).10 |1.10 | |----------|----------------------|---------------------| |Até 11 |3. § 2º . 284 .As dimensões da seção horizontal dos prismas a que se refere este artigo terão que ser constantes em toda altura da edificação. válido somente para garagens.50 x 1. Art.Para as seções horizontais dos prismas externos de iluminação e ventilação.As dimensões mínimas da tabela deste artigo são válidas para as alturas de compartimentos de até 3.75 x 2.80 |1. ILUMINAÇÃO|PRISMA INT. III . II .Os prismas externos de iluminação e ventilação terão suas faces verticais definidas: a) b) c) d) pelas pelas pelas pelas paredes paredes paredes paredes externas da edificação.As seções horizontais mínimas dos prismas a que se refere este capítulo.LEISMUNICIPAIS.25 x 7. 287 . de eficiência comprovada e controlada.00m (três metros) para cada metro de acréscimo na altura do compartimento. V .10 |1. atendimento de 1/6 (um sexto) de área a ventilar e iluminar do compartimento a que serve.60 |1.20m (vinte centímetros) da mesma maneira.90 x 2.90 x 2.80 |1.60 |1. externas da edificação e divisa ou divisas do lote.75 x 5.Quando a ventilação e iluminação se der de forma indireta deverá ser observado: I . válido somente para banheiros e lavabos.80 x 2.Informação legal em tempo real Página 47 de 164 poderão receber ventilação e iluminação de forma indireta.quando duto mecânico.10 |1.quando duto. (alterado pela LC 25 de 1997) Art. por pavimentos 0. serão proporcionais ao número de pavimentos conforme tabela: _______________________________________________________ |NÚMERO DE|PRISMA EXT. depósitos. Art. 285 .50 | |----------|----------------------|---------------------| |Até 3 |1.Para prismas internos de iluminação e ventilação esses acréscimos serão de 0. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 http://www.80 | |----------|----------------------|---------------------| |Até 7 |2. da edificação e linha de afastamento (quando existir).www.pl 02/09/2011 .50 x 1. Art.50 x 7.10 |1. § 3º . Art.00 x 7. Quando essas alturas forem superiores a 3.cinemas.00 x 2. inscrição de um círculo livre de no mínimo 70 cm (setenta centímetros) em seu interior.50 x 5. banheiros e lavabos.70 x 1.auditórios e centros de convenção.com. acima do 12º (décimo segundo) pavimento. VI .quando compartimento de utilização transitória. as dimensões mínimas estabelecidas neste artigo serão aumentadas de 10% (dez por cento).10 |1. II .60 |1.salas de exposições. 288 .80 |1. com equipamentos mecânicos de renovação de ar com capacidade suficiente para renovação de ar do ambiente: I .20 | |__________|______________________|_____________________| § 1º .70 x 1. 283 .90 | |----------|----------------------|---------------------| |Até 8 |3. Art.boates e salões de danças. LUMINAÇÃO| |PAVIMENTOS| E VENTILAÇÃO (ml) | E VENTILAÇÃO (ml) | |==========|======================|=====================| |Até 2 |1.80 x 2.50 x 1.70 | |----------|----------------------|---------------------| |Até 6 |2.50m (cinqüenta centímetros).Os seguintes compartimentos de permanência prolongada poderão se comunicar com o exterior através de dutos horizontais ou verticais.70 | |----------|----------------------|---------------------| |Até 5 |2.25 x 5.teatros.00m (três metros).00 x 7.60 | |----------|----------------------|---------------------| |Até 4 |2. 286 .br/cgi-local/form_vig.50 x 2. 282 . as suas dimensões.O vão de iluminação e ventilação de forma direta representará 1/6 (um sexto) da área do compartimento para utilização prolongada e 1/8 (um oitavo) da área do compartimento de utilização transitória. Art.00 | |----------|----------------------|---------------------| |Até 10 |3.80 x 1.Os compartimentos especiais terão sua áreas de iluminação e ventilação definidos pela Prefeitura.10 | |----------|----------------------|---------------------| |Até 12 |4.salas de espera.75 x 7. IV . serão acrescidas.

III .100 litros/dia por compartimento habitável. 290 . 289 . é aceito o direito real de servidão recíproca de áreas comuns contíguas às divisas.Para os efeitos de aplicação do que dispõe este capítulo. SUBSEÇÃO XIX DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA Art. 291 .escolas com internatos .garagens . Parágrafo Único .pl 02/09/2011 . corresponderá sempre a mais uma vaga.250 litros/dia por leito. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art.br .Informação legal em tempo real Página 48 de 164 VII .www.Nas edificações em mais de uma unidade independente.proporcionais as áreas edificadas.Quando houver área coletiva para iluminar e ventilar edificações de uma quadra.bancos e lojas comerciais. teatros e auditórios . 294 .Os motores e ou bombas de recalque não poderão emanar ruídos que prejudiquem.120 litros/dia por aluno.unidade residencial . III . de 60% (sessenta por cento) e 40% (quarenta por cento) do volume total calculado.2 litros/dia por lugar. VIII . 295 . Art. 296 . Art.A comunhão de áreas para a formação de prismas de iluminação e ventilação ou de ventilação fica subordinada à concordância mútua dos proprietários dos lotes contíguos.Os espaços destinados a garagens ou estacionamentos não poderão sofrer modificações de uso. IV . que tiverem reservatórios de água comum. Art. estabelecida por escritura pública ou termo de obrigações assinado na Secreta ria de Planejamento. embarque e desembarque. Parágrafo Único .No caso de existir diferença de nível entre os lotes.estabelecimentos hospitalares . se fará obrigatoriamente através de partes comuns.Os locais para estacionamento serão: I .cinemas. VI .com. carga e descarga conforme anexos desta Lei Complementar. II .com. também conhecidos como cisternas. Parágrafo Único .unidade de comércio. II . o número de vagas exigidas será igual á soma das vagas necessárias para cada uso e atividade. essa área será considerada para os efeitos do que dispõe este capítulo. o acesso à mesma e ao sistema de controle de distribuição. Art.unidades industriais em geral . negócios e atividades profissionais . uma ou outra devidamente registrada no Registro Geral de Imóveis da respectiva circunscrição. 298 . Art.120 litros/dia por hóspede. SEÇÃO II DAS ÁREAS DE ESTACIONAMENTO SUBSEÇÃO I DOS ESTACIONAMENTOS Art.Na zona urbana serão destinados locais para estacionamento.Quando instalados reservatórios inferior e superior o volume de cada um será. a comunhão a que se refere o parágrafo anterior será considerada a partir do nível do mais alto. IX .50 litros/dia por veículos. Art.6 litros/dia por metro quadrado de área útil. 300 .00 m² (cinqüenta metros quadrados) de área construída.escolas externatos .A fração excedente a 50. principalmente no horário noturno populações vizinhas. Art. VII . 297 . no cálculo exigido para vaga de estacionamento.LEISMUNICIPAIS.6 litros/dia por metro quadrado de área útil. Art. respectivamente.Toda edificação deverá possuir pelo menos um reservatório de água próprio.As cisternas deverão ser construídas com paredes impermeabilizadas e com todas as demais condições para evitar a contaminação da água.cobertos ou descobertos. V . 292 .Quando no mesmo terreno coexistirem usos e atividades diferentes. sem lavanderia .Os reservatórios de água serão dimensionados pela estimativa de consumo mínimo de água por edificação conforme sua utilização e deverá obedecer aos índices da tabela abaixo: I .leismunicipais. desde que respeitado o Artigo 573 do Código Civil. § 2º . http://www. 299 . § 1º . ou em terreno confrontante ao lote mediante vinculação (averbação nas matrículas) deste espaço com a edificação objeto da construção.no interior do lote.hotéis sem cozinha.br/cgi-local/form_vig.50 litros/dia por aluno.As edificações terão reservatório inferior quando as condições de abastecimento do órgão distribuidor forem insuficientes para que a água atinja o reservatório superior e também para as edificações de 4 (quatro) ou mais pavimentos.

Não serão computados para o cálculo do índice de aproveitamento máximo as áreas ocupadas pelas garagens.as vagas serão do tipo livre. Parágrafo Único . VII . 309 . descarga e manobra de veículos na forma da tabela do Artigo 220. industrial e comercial.diante de edificações de uso público. VI .00 m (três metros) e o mínimo de 02 (dois) vãos ou um vão com 5. 303 . http://www. com largura mínima de 2. II . conforme tabela dos artigos 219 e 220 desta Lei Complementar. Art.quando houver mais de um pavimento.A Prefeitura poderá instituir multa aos casos de desobediência a este artigo. As disposições deste artigo aplicam-se quando a capacidade máxima for de até (dois) veículos.As exigências relativas a estacionamento de automóveis não se aplicam: I .ter vão de entrada com a largura mínima de 3.ter pé direito mínimo livre de 2. 307 . X .Serão reservadas áreas para embarque e desembarque: I . Art. quando existir apenas 1 (uma) entrada e rampas de 3. 308 .as paredes que as delimitarem serão incombustíveis. XI . deverão ter afastamento mínimo de 5.as escadarias deverão ser construídas dentro dos terrenos. Observar anexo 1 quando tratar-se de estacionamento em ângulo. SUBSEÇÃO III DAS CARGAS. 302 .20m (um metro e vinte centímetros) do alinhamento e as rampas de acesso poderão ser iniciadas junto ao alinhamento. V . § 2º .A descontinuidade do passeio público será submetido a aprovação da Prefeitura. conforme anexo 04.Não haverá comprometimento do sistema viário existente com áreas para carga e descarga.ter vagas de estacionamento para cada veículo locado em planta e numeradas.Para as construções existentes e em desacordo com as normas desta Lei Complementar a Prefeitura definirá locais e horários adequados. SUBSEÇÃO II DOS LOCAIS DE EMBARQUE E DESEMBARQUE Art.a lotes lindeiros a logradouros públicos onde seja vedado o livre trânsito de automóveis ou a construção de garagens. IV . 310 .ter sistema de sinalização ligado ao sistema de iluminação de emergência aprovado pelo Corpo de Bombeiros. Art. será obrigatória uma interligação para pedestres isolada dos veículos.00 m (cinco metros) de largura.Nos casos de acréscimo em edificações existentes o cálculo da reserva de estacionamento ou guarda de veículos considerará a área de acréscimo quando este aumento representar de unidades residenciais ou comerciais. quando comportarem mais de 50 (cinqüenta) veículos. III .As áreas de estacionamento descoberto deverão obedecer aos mesmos critérios definidos para as áreas cobertas e deverão ainda ser arborizadas na proporção de uma árvore para cada duas vagas.Os casos não mencionados serão tratados por analogia aos usos previstos.a lotes com frente inferior a 8. para fins privativos. § 1º . só poderão ser construídos no alinhamento frontal quando a rampa de acesso for superior a 15% (quinze por cento). VIII .00 m (oito metros) e desde que situados na área Mista Central.os pisos serão dotados de sistema que permita um perfeito escoamento das águas da superfície.00m (três metros) de largura.LEISMUNICIPAIS. Art.leismunicipais.ter sistema de ventilação permanente representando 1/8 (um oitavo) da área do piso.br/cgi-local/form_vig. 220 Art.00m (cinco metros) do meio fio.estes deverão ser resolvidos quando necessário sempre dentro do lote. iniciando-se a 1. Art. Art. 306 .40m (dois metros e quarenta centímetros) e comprimento mínimo de 5. segundo anexo 03.Informação legal em tempo real Página 49 de 164 Parágrafo Único .www.pl 02/09/2011 .O portão de acesso às garagens para edifícios multifamiliares ou mistos.quando se tratar de apartamento de zelador de edificação multifamiliar permanente. 305 . III .Os locais cobertos para estacionamento ou guarda de veículos. (neste item poderá ser incluída a porta de acesso). II . Art. sendo que as vagas só poderão ser bloqueadas quando pertencerem a mesma unidade residencial.não possuírem abertura para divisas laterais e fundos quando ocuparem as referidas divisas.As edificações para fins comerciais e industriais reservarão área para carga.As dependências destinadas a estacionamento de veículos deverão atender as seguintes exigências: I . II .00m (cinco metros).com. DESCARGA E MANOBRAS DE VEÍCULOS Art. unidade residencial unifamiliar. 301 .com. 304 .20 m (dois metros e vinte centímetros). IX .br .

br . observar usos de acordo com tabela do Código de Uso do Solo (LC 10/95). | | |--------------|--------------------------------------| | |Conjunto |01 (uma) vaga para cada unidade | | |Horizontal 2 | | | |--------------|--------------------------------------| | |Conjunto |02 (duas) vagas para cada unidade | | |Horizontal |01 (uma ) vaga de visitante para cada| | | |03 (três) unidades. | | |--------------|--------------------------------------| | |Conjunto |01 (uma) vaga para cada 5 (cinco) uni-| | |Horizontal 1 |dades.(*1)| | |Vertical 3 |01 (uma) vaga para visitante para cada| | | |03 (três) unidades. | | | |01 (uma) vaga para embarque e desem-| | | |barque | | | |01 (uma) vaga para carga e descarga.Para o atendimento do que dispõe este artigo será considerado 01 (uma) vaga a área correspondente a 2.www.Informação legal em tempo real Página 50 de 164 SUBSEÇÃO IV DO ESTACIONAMENTO Art. | | |--------------|--------------------------------------| | |Conjunto |01 (uma) vaga para cada 5 (cinco) uni-| | |Vertical 1 |dades.40m X 5. | |-------------------|--------------|--------------------------------------| |Residencial Multi-| |01 (uma) vaga de estacionamento para| |familiar Temporário| |ônibus. _______________________________________________________________________________________ | | Uso | Número de vagas | |====================|==================|===============================================| |Residencial Multifa-|Residencial Unifa-|01 (uma) vaga de unidade. 311 . | | |--------------|--------------------------------------| | |a) Hotel |01 (uma) vaga para cada apartamento | | | |01 (uma) vaga para cada 03 (três) dor-| | | |mitórios quando não for apartamento. 312 .00 m²| | | |(cem metros quadrados) de área cons-| | | |truída.leismunicipais. | |___________________|______________|______________________________________| *1 .quando tratar| | |Unifamiliar |de edificação com mais de 100. | | |------------------|-----------------------------------------------| | |Conjunto Horizon-|02 (duas) vagas para cada unidade | | |tal 2 |01 (uma ) vaga de visitante para cada 05(cinco)| | | |unidades.br/cgi-local/form_vig.| | | |(*2) | | |--------------|--------------------------------------| | |b) Motel |01 (uma) vaga por apartamento | | | |--------------------------------------| | | |01 (uma) vaga para carga e descarga.Para definição do número de vagas através das tabelas seguintes. | | |------------------|-----------------------------------------------| | |Conjunto Vertical|01 (uma) vaga para cada unidade e | | |1 |01 (uma)vaga para visitantes para cada 5(cinco)| http://www.pl 02/09/2011 . | | |Vertical 2 |01 (uma) vaga para visitante para cada| | | |5 (cinco) apartamentos. | | | |01 (uma) vaga de embarque e desembar-| | | |que.00 m² (cem metros qua-| | | |drados) de área construída. | | |--------------|--------------------------------------| | |Conjunto |02 (duas) vagas para cada unidade.As garagens poderão ser do tipo bloqueada desde que com manobrista. | | |tal 1 |01 (uma ) vaga de visitante para cada 03 (três)| | | |unidades.com. _________________________________________________________________________ |Residencial Multi-| Uso | Número de vagas | |familiar Permanente|--------------|--------------------------------------| | |Residencial |01 (uma) vaga de unidade. 10 INCISO I DO ESTACIONAMENTO EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS Art. | | |--------------|--------------------------------------| | |Conjunto |01 (uma) vaga para cada unidade. quando tratar de edi-| |miliar Permanente |miliar |ficação com mais de 100.00m (dois metros e quarenta centímetros e cinco metros respectivamente).com.LEISMUNICIPAIS.A Segunda vaga poderá ser tipo bloqueada *2 . | | |------------------|-----------------------------------------------| | |Residencial Multi-|01 (uma) vaga por unidade | | |familiar e Intere-|01 (uma) vaga para visitantes para cada 15 uni-| | |sse Social |dades | | |------------------|-----------------------------------------------| | |Conjunto Horizon-|01 (uma) vaga para cada unidade.

00 m² (cem metros qua-| | |drados) de área construída. | | |01 (uma) vaga para táxi (*2) | | |01 (uma) vaga para cada 50.00 m² (cem metros qua-| | |drados) de área construída.Informação legal em tempo real Página 51 de 164 | | |unidades.or-|ambulância | | |fanatos ou estabe-|01 (uma) vaga para embarque e desembarque | | |lecimentos hospi-|01 (uma) vaga para cada 5 (cinco) leitos | | |talares | | |____________________|__________________|_______________________________________________| (Redação dada pela Lei Complementar INCISO II DO ESTACIONAMENTO EM EDIFICAÇÕES NÃO RESIDENCIAIS Art. (*1) | | |2 |01 (uma) vaga para visitante para cada 05 (cin-| | | |co) unidades. | |--------------------|------------------|-----------------------------------------------| |Residencial Multifa-|a) Hotéis.00 m²(cem metros quadra-| | |dos) de área construída e no mínimo 01 (uma) vaga| | |para carga e descarga. 01 |01 (uma) vaga para cada 100.br .LEISMUNICIPAIS.pl 02/09/2011 .00 m² (quinze metros qua-| |e centros co-|drados) de área de venda | |merciais) |01 (uma) vaga para usuário de cadeira de roda | | |02 (duas) vagas para embarque e desembarque. sendo uma para portadores de necessi-| | | |dades especiais | | |------------------|-----------------------------------------------| | |Conjunto Vertical|02 (duas) vagas para cada unidade.00 m² (cem metros quadrados) de área construída: ____________________________________________________________________ | USO SERVIÇO | NÚMERO DE VAGAS | |===============|====================================================| |Serv.www.00 m² (cinqüenta metros| | |quadrados).00 m² (cem metros qua-| | |drados) de área construída com no mínimo 03 (três)| | |vagas./SERV. | |---------------|----------------------------------------------------| |Com. *1 | |---------------|----------------------------------------------------| |Serv. 02 |01 (uma) vaga para cada 100. | |---------------|----------------------------------------------------| |Com. 06 |02 (duas) vagas para carga e descarga | |(apenas para |02 (duas) vagas para táxi (*2) | |shopping center|01 (uma) vaga para cada 15. | |--------------------|------------------|-----------------------------------------------| |Residencial Coletivo|Internatos.00 m² (cem metros qua-| | |drados) de área construída. a área de estacionamento será calculada na proporção de 1 (uma) vaga de garagem livre para cada 100.com.com. 03 |01 (uma) vaga para carga e descarga. | |---------------|----------------------------------------------------| |Com. 03 |01 (uma) vaga para cada 100.00 m² (dez metros quadra-| | |dos) para salão de refeições. | |_______________|____________________________________________________| ____________________________________________________________________ |USO COM. alber-|01 (uma) vaga para cada apartamento | |miliar Temporário |gues e pousadas |01 (uma) vaga para cada 03 (três) dormitórios| | | |quando não for apartamento. 05 |Suprimido | |---------------|----------------------------------------------------| |Serv. | |---------------|----------------------------------------------------| |Serv. 05 |01 (uma) vaga para carga e descarga. 05 |Suprimido | |_______________|____________________________________________________| (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 ____________________________________________________________________ | USO COMERCIAL | NÚMERO DE VAGAS | |===============|====================================================| |Com. | | |01 (uma) vaga para cada 10. 04 |01 (uma) vaga para carga e descarga. (*2) | | | |01 )uma) vaga para embarque e desembarque | | |------------------|-----------------------------------------------| | |b) Motel |01 (uma) vaga por apartamento | | | |01 (uma) vaga para carga e descarga. 01 |01 (uma) vaga para cada unidade. | NÚMERO DE VAGAS | http://www. | |---------------|----------------------------------------------------| |Serv.00 m² (cinqüenta metros| | |quadrados) de área construída. | |---------------|----------------------------------------------------| |Com. | |---------------|----------------------------------------------------| |Com. asilos.br/cgi-local/form_vig. 313 . pensi-|01 (uma) vaga para estacionamento de ônibus ou| | |onatos. 04 |Suprimido | |---------------|----------------------------------------------------| |Serv.Nas edificações não residenciais não contempladas pela tabela. sendo uma destinada a portadores| | | |de necessidades especiais | | | |01 (uma) vaga de embarque e desembarque. | | |01 (uma) vaga para cada 100. | | |01 (uma) vaga para cada 50. 02 |01 (uma) vaga para cada 100.leismunicipais.

02 |02 (duas) vagas para carga e descarga.00 m² (cem metros qua-| | |drados) de área construída. 04 |03 (três) vagas para carga e descarga. | | |01 (uma) vaga para embarque e desembarque | |_______________|____________________________________________________| ____________________________________________________________________ | USO SAÚDE | NÚMERO DE VAGAS | |===============|====================================================| |Hospitais |03 (três) vagas para ambulância | | |02 (duas) vagas pata táxi | | |02 (duas) vagas para embarque e desembarque.00 m² (vinte e cinco me-| |e Cursinhos |tros quadrados) de área construída. | |---------------|----------------------------------------------------| |Pré-escolar e|02 (duas) vagas de embarque e desembarque. mínimo 05| |1º Grau |(cinco) vagas.leismunicipais.LEISMUNICIPAIS. | |_______________|____________________________________________________| ____________________________________________________________________ |USO INDUSTRIAL| NÚMERO DE VAGAS | |===============|====================================================| |Ind. | | |Estacionamento para bicicletas. | | |01 (uma) vaga para cada 100.br . | |_______________|____________________________________________________| *1 . C |02 (duas) vagas para carga e descarga | | |02 (duas) vagas para embarque e desembarque. EQUIPAMENTOS COMUNITÁRIOS ____________________________________________________________________ | USO EDUCAÇÃO | NÚMERO DE VAGAS | |===============|====================================================| |Creches e Jar-|01 (uma) vaga para cada 100. Serv.com.pl 02/09/2011 .br/cgi-local/form_vig. Serv.Quando se tratar de supermercado.00 m² (cinqüenta metros| |sições |quadrados) de área edif. mínimo de 05 (cinco) va-| | |gas.Será exigido somente quando ultrapassar 50. | |---------------|----------------------------------------------------| |Ind. mínimo 30(trinta) vagas. 03 |03 (três) vagas para carga e descarga. | | |01 (uma) vaga/leito até 50 (cinqüenta) leitos. Serv. | |---------------|----------------------------------------------------| |Com. B |01 (uma) vaga para carga e descarga | | |01 (uma) vaga para embarque e desembarque. | |---------------|----------------------------------------------------| |Com. | | |Estacionamento para motos e bicicletas.00 m² (cem metros qua-| |dins de Infânc.|drados) de área construída. | |---------------|----------------------------------------------------| |Com. | | |01 (uma) vaga para cada 100. Supletivos|01 (uma) vaga para cada 25. | | |Estacionamento para motos | |---------------|----------------------------------------------------| |01 |(uma vaga de estacionamento para cada 50. *2 .00 m²| | |(cem metros quadrados) de área construída.| |nalizantes |01 (uma) vaga para embarque e desembarque | |---------------|----------------------------------------------------| |Cursos Superio-|01 (uma) vaga para embarque e desembarque | |res. mínimo 10(dez) vagas. | | |03 (três) vagas para táxi | | |02 (duas) vagas para carga e descarga | | |02 (duas) vagas para embarque e desembarque | |---------------|----------------------------------------------------| http://www. | | |02 (duas) vagas para embarque e desembarque.00 m²(cem metros quadra-| | |dos) de terreno. | | |01 (uma) vaga /1 1/2 (um e meio) leito entre 50(cin-| | |qüenta) e 200 (duzentos) leitos | |_______________|____________________________________________________| ____________________________________________________________________ | USO VISITAÇÃO | NÚMERO DE VAGAS | |===============|====================================================| |Parque de Expo-|01 (uma) vaga para cada 50.www. | | |01 (uma) vaga para cada 50.Informação legal em tempo real Página 52 de 164 |===============|====================================================| |Com. mínimo 05 (cinco) vagas. A |01 (uma) vaga de estacionamento para cada 100.. mínimo 05| | |(cinco) vagas. Serv.00 m²(cinqüenta metros *quadrados) de área total construída. mínimo 10 (dez)| | |vagas. | |_______________|____________________________________________________| ____________________________________________________________________ | USO | NÚMERO DE VAGAS | |===============|====================================================| |Assistência So-|01 (uma) vaga para cada 100. | |---------------|----------------------------------------------------| |2º Grau e Cur-|01 (uma) vaga para cada 50.mínimo 03 (três)| | |vagas.00 m² (cin-| | |qüenta metros quadrados). mínimo 05| | |(cinco) vagas.00 m² (cinqüenta metros| | |quadrados de área construída). no mínimo 05 (cinco) vagas).00 m² (cinqüenta metros| |sos Profissio-|quadrados) de área construída.com. 01 |01 (uma) vaga para carga e descarga. | |---------------|----------------------------------------------------| |Ind.00 m² (cem metros qua-| |cial |drados.

quando possuírem mais de 04 (quatro) pavimentos. IX . em que haja circulação interna desses veículos. | |_______________|____________________________________________________| ____________________________________________________________________ | USO CULTURA | NÚMERO DE VAGAS | |===============|====================================================| |Museu. INCISO IV DOS EDIFÍCIOS GARAGEM Art.quando providos de rampas ou de elevadores simples de veículos.00 m (cinco metros) ou mais em relação ao alinhamento do logradouro. passagens e circulação. 315 . mínimo 20 (vinte) vagas | |---------------|----------------------------------------------------| |Cemitério |01 (uma) vaga para cada 500. § 2º . Art.a entrada será localizada antes dos serviços de controle e recepção e terá de ser reservada área destinada à acumulação de veículos correspondente a 5% (cinco por cento) no mínimo.00 m (três metros) cada um. II .pé direito mínimo livre de 2.00 m (seis metros). mantida esta largura para dentro do afastamento até 2.a entrada e saída deverão ser feitas por dois vãos. este deverá respeitar o artigo 632 desta Lei Complementar.00 m² (cem metros quadrados) de área construída.Os casos omissos nas tabelas deste artigo.00 m² (vinte metros qua-| |is de Culto |drados) de área de culto. X . a área de estacionamento será na proporção de 02 (duas) vagas de garagem livre ou estacionamento para cada 100.50 m (dois metros e cinqüenta centímetros) para cada lado do eixo da pista de saída. um elevador com capacidade mínima para cinco passageiros. no mínimo 2. | |---------------|----------------------------------------------------| |Igrejas e loca-|01 (uma) vaga para cada 20.br . pelo menos.00 m² (cinco mil metros quadrados) de uso comercial ou misto. onde o zoneamento permite a edificação no alinhamento. As pistas de circulação nesse caso deverão ter largura mínima de 3. a saída será feita por vão que meça.compartimentos para administração e espera. 316 . | | |01 (uma) vaga para cada 250. deverão obedecer a proporção de 01 (uma) vaga para cada 100. XI . http://www.20 m (dois metros e vinte centímetros).00 m² (duzentos e cin-| | |qüenta metros quadrados) de área construída.LEISMUNICIPAIS.com. as indicações gráficas referentes às localizações de cada veículo e dos esquemas de circulação das áreas necessárias aos locais de estacionamento.Os edifícios garagem visam o interesse mercantil e para sua instalação deverão possuir: I . mínimo| | |15 (quinze) vagas. terá de haver no pavimento de acesso passagem para pedestres. as rampas.quando houver vãos de entrada e saída voltados cada um para logradouros diferentes. deverão ter além da escada. V .leismunicipais. ou ao que for estabelecido pela Prefeitura. em todos os pavimentos.br/cgi-local/form_vig. III .com. VII . tolerando-se a existência de um único vão com largura mínima de 6. VIII . no mínimo.Quando se tratar de construção com área superior a 5.50 m (dois metros e cinqüenta centímetros) no mínimo. 314 .instalações sanitárias independentes para empregados e usuários. mínimo de 10| |al Comunitário |(dez) vagas. deverá haver.Nos usos e atividades que necessitem de estacionamento frontal dentro do imóvel. |01 (uma) vaga para embarque e desembarque.000. | | |01 (uma) vaga para embarque e desembarque.00 m (três metros) quando de mão única ou 5. com largura mínima de 3. mínimo 15| |Biblioteca |(quinze) vagas. IV . VI . Estão dispensados desta exigência os edifícios garagem afastados de 5.Informação legal em tempo real Página 53 de 164 |Camping |01 (uma vaga por barraca. da área total de vagas. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 INCISO III DO ESTACIONAMENTO DAS EDIFICAÇÕES ESPECIAIS E DE USO DIVERSO Art. mínimo 20 (vinte) vagas. sendo o mínimo de 10 (dez)| | |vagas.vestiário.00 m² (cem metros quadrados).para segurança de visibilidade dos pedestres que transitam pelo passeio do logradouro.00 m (cinco metros) quando de mão dupla.00 m² (quinhentos metros| | |quadrados) de terreno. | | |01 (uma) vaga para táxi | |---------------|----------------------------------------------------| |Centro Paroqui-|01 (uma) vaga para carga e descarga.nos projetos terão de constar obrigatoriamente.www.Nas edificações de uso especial ou diverso o estacionamento será definido pela Prefeitura que poderá suprimir ou aditar regras. vãos de ventilação para o exterior na proporção mínima de 1/8 (um oitavo) da área do piso. ou 3.pl 02/09/2011 .00m (três metros) se utilizar sistema de sinalização ligado ao sistema de iluminação de emergência aprovado pelo Corpo de Bombeiros. Teatro. | |---------------|----------------------------------------------------| |Recrecionais |01 (uma) vaga para embarque e desembarque | |_______________|____________________________________________________| § 1º .

posto garagem. 45 ou 90 (trinta. para postos de abastecimento de veículos além das normas que forem aplicáveis por esta Lei Complementar. pneus. três metros e cinqüenta centímetros ou cinco metros) quando os locais de estacionamento formarem. 324 .Comércio de: a) b) c) d) e) acessórios e peças de pequeno porte e fácil reposição. Parágrafo Único . serão observadas as concernentes a legislação sobre inflamáveis e no que couber.00m (quatro metros) do alinhamento do logradouro público ou de qualquer ponto das divisas laterais e de fundos dos lotes observadas as exigências de recuos maiores contidas no TÍTULO IV desta Lei. estudadas as características peculiares a cada caso. Art.leismunicipais. 4.00 m.Abastecimento de combustíveis. no mínimo. prestação de serviços de borracheiro. além das normas que lhes forem aplicáveis por esta Lei Complementar. XIV . e normas do DNC. serão observadas as concernentes à legislação sobre inflamáveis.outros serviços correlatos. utilização relacionada com higiene e segurança dos veículos.Troca de óleos lubrificantes. jornais. II . de conformidade com esta Lei Complementar e exigências do CNP. para a construção de postos será concedida pela Prefeitura. serão permitidos os seguintes: I . sorveteria e restaurante. de acordo com o Código Sanitário vigente. II .postos de serviços. SEÇÃO III DOS POSTOS DE SERVIÇOS E ABASTECIMENTO SUBSEÇÃO I DAS NORMAS PARA CONSTRUÇÃO E LICENCIAMENTO Art. 3. ressalvando-se as instalações destinadas a segurança e zeladoria. Art.Serão permitidas atividades comerciais junto aos postos de serviços e abastecimento. 325 .Aos postos de abastecimento serão permitidos as seguintes atividades: I . SUBSEÇÃO II DAS INSTALAÇÕES http://www.Aos postos de serviços. Art.locais de estacionamento para cada carro.A autorização com prazo pré-estabelecido. 319.00 m (cinco metros). em relação ao mesmo.Os postos de serviços e abastecimento.Nas edificações para postos de abastecimento de veículos.com. Art.Aos postos garagens. III . 323 . 317 . lanchonete. II .As instalações de postos situados em áreas inundáveis deverão obedecer legislações especiais no que se refere a evitar vazamentos e a segurança da vizinhança. Art. além das atividades previstas no artigo anterior.com. 322 .LEISMUNICIPAIS. Art.Informação legal em tempo real Página 54 de 164 XII . revistas. 321 .br . Art. XIII . em áreas apropriadas e com equipamentos adequados.pl 02/09/2011 . dos projetos e alvarás de obras e localização.00 m (três metros. 327 . além das atividades previstas nos artigos 323 e 324 deste capítulo serão permitidos os seguintes: (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 I . roteiro turístico.Os postos de serviços e abastecimento deverão dispor de equipamentos contra incêndio. de veículos só poderão ser instalados em edificações destinadas exclusivamente para esse fim.Nas edificações.São estabelecimentos de comércio varejista de combustíveis e serviços correlatos: I .www.a capacidade máxima de estacionamento terá de constar obrigatoriamente. câmara de ar.não será permitido residências em edifício garagem. II .postos de abastecimento. ângulos de 30. 320 . XV .guarda de veículos.50 m ou 5.40m (dois metros e quarenta centímetros) e comprimento mínimo de 5.lojas para exposição. com largura mínima de 2. Art.br/cgi-local/form_vig.As instalações de abastecimento deverão distar. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art. 326 . quarenta e cinco ou noventa) graus respectivamente.lavagem e lubrificação de veículos. III . mapa. as referentes aos regulamentos de despejo industrial. 318 .o corredor de circulação deverá ter a largura mínima 3.

Os estacionamentos de comércio varejista de combustível. III . Parágrafo Único .A limpeza.em lugar visível do estabelecimento. deverão ainda ter um compartimento sanitário independente para cada sexo.LEISMUNICIPAIS.00 m (quatro metros) de distância do alinhamento da rua. II . com exceção das partes reservadas ao acesso e a saída dos veículos. combustível e serviços correlatos obedecerão as prescrições fixadas pela ABNT. asfalto. metálicos.os reservatórios serão subterrâneos. 331 . e mais as seguintes: a) os tanques serão metálicos e instalados subterraneamente com afastamento mínimo de 5.Quando o recinto de serviços não for fechado.br . escoamento das áreas de lavagem para os logradouros públicos. separadas das destinadas aos usuários. d) o tanque metálico subterrâneo. Art.00m (seis metros) das divisas laterais e 8.rua possuir largura mínima de 12.As instalações para depósito de combustível de pessoas jurídicas que o tenham para consumo próprio deverão observar as disposições definidas por este capítulo. Art.perfeitas condições de funcionamento.espaço para instalação de telefone público. de modo a impedir que a poeira e as águas sejam levadas para o logradouro ou neste se acumulem. § 1º .www. e 5. IV .As instalações para limpeza de carros. álcool etílico hidratado e serviços correlatos. 333 . paralelepípedo ou similar. mapas e informações turísticas do município. são obrigados a manter: I .00m (oito metros) da via pública. e) ter um filtro de areia destinado a reter óleos e graxas provenientes da lavagem de veículos. lubrificação e serviços correlatos não poderão ficar a menos de 4. as colunas de suporte da cobertura não poderão ficar a menos de 4.Os postos de serviços e de abastecimento de veículos possuirão compartimento para uso dos empregados com chuveiros e instalações sanitárias. VIII . incluindo passeio.000 l (trinta mil litros) e mínima de 10.sistema de iluminação dirigida. SUBSEÇÃO III DA LOCALIZAÇÃO Art. Parágrafo Único . para atender aos usuários. Art. devendo ainda. 328. Art. 330 . VI .00 m (cinco metros) na área de abastecimento. hermeticamente fechados. atendendo convenientemente o público usuário consumidor.00 m (quatro metros) de afastamento dos prédios vizinhos. antes de serem lançadas na rede geral.As instalações nos estabelecimentos de comércio varejista de combustíveis minerais. 172 de 04 de setembro de 2007). X . Art.área coberta. poderá ter capacidade unitária inferior a 10.00 m (quatro metros) das divisas deverão os mesmos estarem em recintos cobertos e fechados nessas divisas.extintores e demais equipamentos de incêndio.suprimento de ar e água.Se o pátio for coberto. destinado exclusivamente a armazenar óleo lubrificante usado.a área não edificada dos postos será pavimentada em concreto.Somente serão aprovados projetos para a construção de estabelecimentos de comércio varejista de combustíveis e serviços na área urbana se atendidas as seguintes exigências: I . lavagem e lubrificação de veículos devem ser feitas em boxes isolados.Os postos situados na BR-470 e SC-302. 335 . 332 . higiene e limpeza do estabelecimento.00 m (dois metros) de qualquer parede de edificação. o alinhamento dos logradouros deverá ser avivado por uma mureta com altura mínima de 30 cm (trinta centímetros).Os equipamentos para abastecimento deverão atender as seguintes condições: I . observadas as prescrições dos órgãos competentes. 2. álcool etílico hidratado. distar. com pé direito superior a 5. Art. os quais deverão ficar inteiramente livres. tendo IX . (Redação alterada pela Lei Complementar 172.00 m (cinco metros) do alinhamento da via pública e das divisas dos vizinhos.leismunicipais. cuja cobertura se prolongará até as instalações administrativas. As águas de superfície serão conduzidas para caixas de decantação separadas das galerias. Art. não computado no cálculo de armazenagem máxima. VII . foco de luz voltado exclusivamente para baixo e com luminárias protegidas lateralmente para evitar o ofuscamento dos motoristas e não perturbar os moradores das adjacências. o certificado de aferição fornecido pelo Instituto Nacional de Pesos e Medidas (INPM).As instalações nos estabelecimentos de comércio varejista de combustíveis minerais e serviços correlatos obedecerão às prescrições fixadas pela ABNT.000 l (dez mil litros) respeitadas as demais condições deste artigo.000 l (dez mil litros). c) a capacidade máxima instalada não poderá ultrapassar 120. localizado antes do lançamento no coletor de esgoto.pl 02/09/2011 .000 l (cento e vinte mil litros). b) os tanques terão capacidade unitária máxima de 30.00 m (doze metros).em local visível.Quando os serviços de lavagem e lubrificação estiverem localizados a menos de 4. 336 . 329 . no mínimo. 334 . II . V .Informação legal em tempo real Página 55 de 164 Art. http://www.00 m (cinco metros) da via pública e divisas laterais.com.br/cgi-local/form_vig.as bombas deverão ficar recuadas no mínimo 6.área para estacionamento de veículos segundo Seção que trata deste artigo.com. § 2º .

sob pena de cassação da licença para localização e funcionamento do estabelecimento. aplicada em dobro em caso de reincidência. obedecidas as seguintes condições: I . quando localizados em rodovias federais ou estaduais mediante ainda parecer do DNIT.O rebaixamento dos meios-fios para o acesso aos postos será executado mediante alvará a ser expedido pela Prefeitura. terão o prazo de 6 (seis) meses para adaptarem -se ao que determina este artigo.Se a multa revelar-se inócua para fazer cessar a infração. Art. tanto para via principal quanto para a secundária. 337 . Art. das seções III e IV deste capítulo. nem pertencerem a cruzamentos definido pelo uso como conflitante.em postos de abastecimento situados nas esquinas poderá haver mais um trecho de 8. este terá uma mureta com 30 cm (trinta centímetros) de altura para evitar a passagem de veículos sobre o passeio. de telecomunicações em gerais e outras antenas transmissoras de radiação eletromagnética.não causar congestionamento. VII .Não haverá sob hipótese alguma.em postos de abastecimento de meio de quadra. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 § 1º .00 m (oito metros) de meio-fio rebaixado.Não será concedido alvará de licença para as atividades mencionadas nesta Lei Complementar sem que o requerente tenha o seu projeto de edificação aprovado pela Prefeitura.se localizados na BR 470 e SC 302 terão que ter trevo ou estar interligado com via marginal.cabe a Prefeitura a definição de aspectos que possam gerar dúvidas.00m (oito metros) cada um. (Redação dada pela Lei Complementar nº 220/2010) 220 II . (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 VI . clubes. SUBSEÇÃO IV DO MEIO FIO E PASSEIOS Art.Informação legal em tempo real Página 56 de 164 I . § 2º . de gás. Nesta situação deverá haver passeio e faixa de travessia para pedestres. III . desde que haja uma distância de 5. para os postos localizados as margens da BR 470 e SC 302. rebaixamento de meio-fio nas curvas de concordância e a mais de um metro de cada curva. 338 . § 2º . de antenas transmissoras de rádio.00m (trinta metros) de testada. hospitais.As instalações de águas pluviais.leismunicipais. VIII . a data da publicação desta Lei Complementar. Art.As transgressões às exigências prescritas nesta subseção sujeitarão os infratores à multa de 3 (três) UFM (Unidade Fiscal Municipal) por infração.pl 02/09/2011 . creches.As instalações elétricas. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 V . igrejas. o rebaixamento será feito em dois trechos de no máximo 8. de elevadores.www. deverão estar de acordo com as normas de especificações da ABNT e serão reguladas por leis próprias.área de projeção da edificação não deverá ser inferior a 250. SUBSEÇÃO V DO ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO Art.Os postos existentes.LEISMUNICIPAIS. de antenas coletivas. observarão as determinações contidas nas subseções I. exceto o definido na Seção IV deste capítulo. § 1º . II .raios. de proteção contra incêndio. 341 . SEÇÃO IV DAS INSTALAÇÕES EM GERAL Art. bem como elaborar a análise justificativa de sua decisão. de hidráulico-sanitárias. de pára . § 1º . incluindo passeio.br/cgi-local/form_vig. 340 .00 m (dez metros).00 m (cinco metros) um do outro.00 m² (dois mil metros quadrados). 339 .área do terreno não inferior a 2.com.para terrenos de esquina possuírem no mínimo 30. na data de publicação desta.rua possuir largura mínima de 10. junto as divisas laterais do terreno. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 IV .br . (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 http://www. televisão.000. 342 . aos estabelecimentos em funcionamento. asilos. de telefonia celular. II.00m trinta metros) de testada.00 m (duzentos metros) de: a) b) c) d) e) escolas.as distâncias serão em linhas retas entre os pontos extremos mais próximos. de depósito de lixo.com. III e IV.00 m² (duzentos e cinqüenta metros quadrados) e nem superior a 50% (cinqüenta por cento) da área do terreno.Quando não houver muros no alinhamento do lote.para terrenos em meio de quadra possuírem no mínimo 30.Não se aplicam as normas estabelecidas na presente Lei Complementar.distar no mínimo 200. o órgão competente poderá efetuar cassação de licença para localização do estabelecimento. Art. 343 .

Art. não podendo estes aparelhos ter comunicação com as tubulações dos vasos ou mictórios. § 1º .pl 02/09/2011 .br .Será obrigatório o uso de tubo de ventilação nos vasos sanitários e mictórios. para indicação da medida correta no que se refere a tratamento de dejetos.Encontram-se definidos no Capítulo I. Art.Em edificações com mais de um pavimento. § 2º . deverão obedecer. 346 . (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 SUBSEÇÃO I DAS INSTALAÇÕES DE ÁGUAS PLUVIAIS Art. Parágrafo Único .Os condutores nas fachadas lindeiras à via pública serão embutidos até a altura mínima de 2.sumidouro. referentes as instalações previstas neste artigo. Art.Toda unidade residencial deverá possuir. cancelável a qualquer momento pela Prefeitura. IV .br/cgi-local/form_vig. as normas técnicas exigidas pela concessionária local.Os ramais de esgoto dos pavimentos superiores e de tubo de queda deverão ser de material impermeável resistente e com paredes internas lisas.vala de filtração. no mínimo. caso haja qualquer prejuízo ou inconveniência.Os vasos sanitários e mictórios serão providos de dispositivos de lavagem para sua perfeita limpeza.Nas edificações construídas no alinhamento. III .com. os ramais de esgoto serão ligados à rede principal por canalização vertical (tubo de queda). não sendo permitido o emprego de manilhas cerâmicas. Art. bem como as entradas e tomadas. 352 . Parágrafo Único . que receberá as águas servidas dos lavatórios. manilhas cerâmicas ou material equivalente. que deverão ser ligados à rede pública passando por tratamento preliminar conforme artigo anterior. 347 . servir-se dessa rede. Parágrafo Único .Todas as edificações em obrigatoriamente.outra alternativa tecnicamente aceita e de conhecimento científico quanto a rendimento e confecção. após aprovação pela Prefeitura. 345 . bidês.Deverá ser elaborado teste de percolação do solo visando definir a capacidade de absorção do mesmo nas diferentes regiões da área urbana. II . um lavatório e uma pia de cozinha. Seção III desta Lei Complementar as definições dos termos a que se refere este artigo.Em casos especiais de inconveniência ou impossibilidade de conduzir as águas para as galerias de águas pluviais. quando existirem nas respectivas ruas. 351 . as águas pluviais provenientes de telhado. um chuveiro.50 m (dois metros e cinqüenta centímetros).Nos lotes devidamente registrados no Registro Imobiliário e cujas vias públicas já são patrimônio do município.As dimensões das instalações prediais.leismunicipais.O escoamento de águas pluviais do lote edificado para a sarjeta será feito em canalização construída sob o passeio.Não será permitida a ligação de condutores de águas pluviais à rede de esgotos. SUBSEÇÃO II DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICO-SANITÁRIAS Art. Art. § 3º . 353 . 349 .Todos os aparelhos sanitários deverão ter superfície lisa e serem facilmente laváveis. naquilo que couber. a edificação deverá ser dotada de fossa séptica cujo efluente será lançado em poço absorvente (sumidouro) ou outra forma de tratamento mais adequado.Informação legal em tempo real Página 57 de 164 § 2º . as despesas com escoamento pluvial correrão por conta da Prefeitura Municipal. Art. levando-se em conta a capacidade de absorção do solo e o nível do lençol freático.LEISMUNICIPAIS. balcões e marquises deverão ser captadas por meio de calhas e condutores.filtro anaeróbio. V .com.Será exigido fossa séptica sendo que o efluente poderá ser tratado através de: I .www. de esquema gráfico apresentado pelo interessado.Todos os encanamentos de esgoto em contato com o solo deverão ser feitos com PVC. 354 .A ligação será concedida a título provisório. banheiras e chuveiros. acima do nível do passeio. lotes com frente para logradouros que possuam rede de esgoto deverão. 344 . http://www.Quando a rua não possuir rede de esgoto.As despesas com a execução da ligação às galerias pluviais correrão integralmente por conta do interessado. Art. Parágrafo Único . 350 . Parágrafo Único . 348 .vala de infiltração. com diâmetro mínimo de 2" (duas polegadas). § 4º . Art. Parágrafo Único . essas águas poderão ser conduzidas para outro local adequado.Os compartimentos sanitários terão uma caixa auto-sifonada provido de inspeção. um vaso sanitário. Art.

onde houver rede de esgoto. a edificação deverá possuir poço adequado para seu abastecimento.00m² (três metros quadrados). não sendo permitido o deságüe sobre os lotes vizinhos ou no passeio público. 355 .O lixo proveniente das edificações deverá ser eliminado conforme os seguintes processos: I . § 1º . Art. deverá ser provido de elevadores.com. a entrada de água no reservatório.O depósito coletor geral deverá ter área mínima de 3.00 m (seis metros). 357 . conforme comprovado pela apresentação do cálculo de capacidade de tráfego.A declividade mínima dos ramais de esgoto será de 3% (três por cento).As águas provenientes das coberturas e dos aparelhos de ar condicionado serão esgotadas dentro dos limites do lote. e estar de acordo com as normas da ABNT.O número de elevadores de cada prédio e sua capacidade deverá obedecer o anexo 06 (seis) desta Lei Complementar. Art.torneira de bóia que regule. Art. com no mínimo 0. http://www.br/cgi-local/form_vig. II . 362 . III . Art. § 1º . 360 . as áreas de acesso aos mesmos devem estar interligadas em todos os pavimentos. Art.incineração. Art. 365 . § 2º .Não será considerado para efeito desta seção o último pavimento. interno ao lote.canalização de descarga para limpeza periódica do reservatório. Art.Quando a edificação possuir mais de um elevador. sempre considerando a distância mínima recomendável de poços de abastecimento de água da própria residência como também de outras unidades.O subsolo deve ser servido. Art.www.Nos locais onde não houver coleta de lixo pela Prefeitura cada residência deverá apresentar uma solução individual para o lixo. devidamente protegido contra as infiltrações de águas servidas. 367 .Não será permitida a ligação de canalização de esgoto ou de água servidas às sarjetas ou galerias de águas pluviais. onde o mesmo deverá permanecer até o momento da apresentação à coleta. § 2º .Nas edificações multifamiliares e mistas (com prestação de serviços) haverá local para depósito de lixo situado no térreo ou no subsolo para acondicionamento geral. quando este caracterizar uma única unidade residencial juntamente com o penúltimo.Informação legal em tempo real Página 58 de 164 Art.extravasor (ladrão) com diâmetro superior.coleta. SUBSEÇÃO III DAS INSTALAÇÕES DE ELEVADORES Art.O térreo contará como 2 (dois) pavimentos quando seu pé-direito for superior a 6. 369 . Art.Os resíduos sólidos depois de recolhidos serão depositados em locais indicados pela Prefeitura. no que se refere ao isolamento dos resíduos e contaminação das águas subterrâneas. Parágrafo Único . 356 . 363 .br . SUBSEÇÃO IV DAS INSTALAÇÕES PARA DEPÓSITO DE LIXO Art.25 m² (zero vírgula vinte e cinco decímetros quadrados) por edificação unifamiliar. ou em reentrâncias criadas para este fim. 359 .cobertura que não permita a poluição da água. ao do tubo alimentar. IV . ou quando for destinado a servir de moradia de zelador ou serviços de prédio ou área de lazer. Parágrafo Único . 358 .As lixeiras deverão ser colocadas sempre dentro do lote no alinhamento.Poderá a Prefeitura mediante análise aditar áreas para este fim. 368 .Será exigido elevador em edifício garagem sempre que ele for constituído de térreo com mais de 3 (três) lajes.As edificações deverão prever local para armazenamento de lixo no alinhamento. Parágrafo Único .Os reservatórios deverão possuir: I .LEISMUNICIPAIS. contados o pavimento térreo e mais 3 (três) acima deste. 364 . § 2º .Somente será dado o desconto referido no parágrafo anterior a um nível de subsolo.Qualquer edifício que contenha um número maior que 4 (quatro) pavimentos. 366 .O local deverá ter dimensão compatível com a área construída. Art. Art.com.leismunicipais.pl 02/09/2011 . II . Art. automaticamente.Excluem-se desta exigência os elevadores digitados através de senha. § 1º . mas não entra no cômputo geral.Quando a rua não tiver rede de água.Não será permitido a colocação de lixeira sobre os passeios públicos. 361 . com descarga em ponto visível para a imediata verificação de defeito da torneira de bóia.

. Parágrafo Único .....130 e ao profissional responsável..............260 e ao profissional responsável............. 373 ........... as seguintes multas vinculadas a Unidade Fiscal Municipal ................................... motéis......Multa em UFM a) pelo falseamento de medidas............. autor do projeto e ao proprietário......26 e ao profissional responsável.... serão punidas com as seguintes penas: I ... II .26 http://www........................................130 e ao autor do projeto.......UFM vigente: Tipo de Infração.......As infrações contra as disposições desta Lei Complementar.... III ..260 e) pela execução de obra em desacordo com o projeto aprovado: ao proprietário...130 b) pelo viciamento do projeto aprovado.......... Parágrafo Único ...demolição...130 ao profissional responsável ........520 e ao profissional responsável........260 f) pela falta de projeto aprovado e docum................. 370 .. conforme o caso. exigidos no local da obra: ao proprietário.Será ainda obrigatória a definição de locais para depósito de lixo nas edificações: I .............. introduzindo-lhe alteração de qualquer espécie: ao proprietário ......260 c) pelo início de execução de obra sem licença: ao proprietário.......260 g) pela inobservância das prescrições sobre andaimes e tapumes: ao proprietário....LEISMUNICIPAIS.Pelas infrações as disposições desta Lei Complementar serão aplicadas ao construtor ou profissional responsável pelas obras....260 e ao autor do projeto......................... III ...com.........pl 02/09/2011 .leismunicipais................ cotas e demais indicações do projeto: ao proprietário ...www..hotéis...... Art....................br ...A Prefeitura dependendo do porte poderá exigir condições especiais para tal depósito.........260 l) concluída reconstrução ou reforma se não foi requerida vistoria: ao proprietário........embargo da obra...........hospitalares...................................................260 e ao profissional responsável...130 h) pela paralisação da obra sem comunicação a prefeitura: ao proprietário......industriais........ 372 ..............260 d) pelo início de obras sem os dados oficiais de alinhamento e nivelamento: ao proprietário....... II ...........260 e ao profissional responsável........................interdição do prédio ou dependência.........260 e ao profissional responsável............ 371 ..multa........................... IV ...........................260 ao profissional responsável..... CAPÍTULO V DAS INFRAÇÕES SEÇÃO ÚNICA DAS PENALIDADES Art....26 i) pela desobediência ao embargo municipal: ao proprietário.O procedimento legal para verificação das infrações e aplicação das penalidades é o regulado na legislação municipal de postura.........Informação legal em tempo real Página 59 de 164 Art......br/cgi-local/form_vig. SUBSEÇÃO I DAS MULTAS Art.................aplicação de uma das penas previstas neste artigo..520 j) pela ocupação do prédio sem que a prefeitura tenha fornecido o Habite-se: ao proprietário..com.26 e ao profissional responsável...... não prejudica a de outra se cabível..............

.construção clandestina.Ocorrendo qualquer das infrações especificadas neste artigo..Se ocorrer decurso do prazo ou o descumprimento do embargo comunicado ao infrator através da Notificação de Embargo....A Notificação de Embargo será levada ao conhecimento do infrator-proprietário e/ou responsável técnico para que assine........br/cgi-local/form_vig... III .. reconstruída ou ampliada em desacordo com os termos do Alvará de Construção.não comparecendo o proprietário ou seu representante. e se recusar a isso.. para regularização no prazo que lhe for determinado..... quando: I .. o que o proprietário deve fazer para evitar a demolição e o prazo para isso for julgado conveniente. SUBSEÇÃO III DA DEMOLIÇÃO Art.. far-se-á intimação por edital com prazo de 10 (dez) dias... § 5º .após vencido o prazo estabelecido pela Lei. a comissão fará os exames que julgar necessário.Lavrado o Auto de Infração e comunicado o infrator. 377 . a comissão fará rápido exame de construção.. perante a legislação vigente.A comissão procederá do seguinte modo: I . mandará fazer nova intimação ao proprietário.. § 2º ..obra julgada em risco. § 4º . serão apanhadas as assinaturas de duas testemunhas.Em caso de não regularização da obra no prazo estabelecido.. far-se-á cobrança judicial. ou se o proprietário não atender a segunda intimação. inciso III.. ou sem as respectivas cotas ou com desrespeito ao projeto aprovado. por falta de recurso..construção que ameace ruína e que o proprietário não desmanchar ou não possa reparar.......com. Parágrafo Único . (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art. Art. não sendo ele encontrado... quando o proprietário não tomar as providências que forem necessárias a sua segurança. com perigo para o pessoal que a execute.se for construída. prosseguir a obra sem a necessária prorrogação do prazo: ao proprietário. para adequação: ao proprietário de imóvel ou à entidade proprietária do imóvel... (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Parágrafo Único . dentro de 30 (trinta) dias úteis.Será imposta a pena de demolição.O embargo só será levantado após o cumprimento das exigências da Prefeitura.Na reincidência a multa será aplicada em dobro.130 n) pela inobservância dos itens relativos a playground... IV . ficando a obra embargada até que isso aconteça..... serão embargadas. devendo constar no mesmo o que for verificado. II . II .pl 02/09/2011 . este a partir da data da comunicação deverá efetuar o recolhimento da multa......LEISMUNICIPAIS. e. ou sem alvará de licença. III . em conformidade com o artigo 378.se não for observado o alinhamento. designados pelo prefeito e pertencentes ou não ao quadro de funcionários da Prefeitura. após o embargo seguir-se-á demolição total ou parcial da mesma.260 (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art.130 e ao profissional responsável. Art..com.O pagamento da multa não isenta o infrator da responsabilidade de regularizar a situação da obra. e a qualquer dispositivo desta Lei Complementar.....A demolição será precedida de vistoria por uma comissão de 3 (três) engenheiros e arquitetos. findo os quais se não atender. II .. 374 . o encarregado da Fiscalização lavrará o Auto de Infração. se verificar que a vistoria pode ser adiada.Considera-se reincidência para duplicação da multa..Informação legal em tempo real Página 60 de 164 m) quando vencido o prazo de licenciamento. 375 .br .construção feita sem observância no alinhamento ou nivelamento fornecido pela Prefeitura. SUBSEÇÃO II DO EMBARGO Art.leismunicipais.Obras em andamento.não podendo fazer adiamento. o encarregado pela fiscalização comunicará o infrator através de Notificação de Embargo... entendendo-se por tal a que for feita sem prévia aprovação do projeto. fazendo intimar o proprietário para assistir a mesma.. 376 ... ou para as pessoas e edificações vizinhas. nos seguintes casos: I .Se não houver alternativa de regularização da obra. § 1º ..estiver em risco a sua estabilidade... será aplicada a pena de demolição. 378 . sejam elas construções ou reformas....estiverem sendo executadas sem o respectivo alvará. Parágrafo Único .. emitido pela Prefeitura.www... decorrentes do que especifica esta Lei Complementar.... ou por disposição regulamentar. outra infração da mesma natureza. § 3º .. III .. IV .designará dia e hora para vistoria. nos seus elementos essenciais. concluídos os tais dará seu laudo dentro de 3 (três) dias. 379 . desta lei. total ou parcial.... salvo http://www.

II .São partes integrantes desta Lei Complementar os seguintes anexos: I . acompanhado. devidamente acompanhado dos documentos pertinentes.Cientificado o proprietário do resultado da vistoria e feita a devida intimação.Se não forem cumpridas as decisões do laudo. ouvida a Procuradoria Municipal. após vistoria efetuada pelo órgão competente. serão estudados e julgados pela Assessoria de Planejamento. ou elementos das peças de resistência previamente aprovados pela Prefeitura. seguir-se-ão as providências administrativas.Os casos omissos na presente Lei Complementar.no caso de ruína eminente. que forem enquadrados nas seguintes circunstâncias: (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 I . VI . 387 .com. regulamenta a aprovação do http://www. a vistoria será feita logo. III .A interdição prevista no artigo anterior será imposta por escrito.não obedecerem aos projetos previamente aprovados. este tomará. pela imprensa local.anexo 05: Meio-fio. Art. com impedimento de sua ocupação.com. Art. desta Lei Complementar. a Lei Complementar nº 7 de 11 de dezembro de 1995 e demais disposições em contrário.a cópia do laudo e intimação do proprietário serão entregues mediante recibo.Este Título III. e se não for encontrado ou recusar recebê-los. II .Informação legal em tempo real Página 61 de 164 caso de urgência. parte integrante do Plano Diretor.anexo 06: Da tabela dos elevadores. aquele. se não puder ser encontrado de pronto.Ficam revogadas a Lei Municipal nº 2. residenciais e mistas. quando oferecer iminente perigo de caráter público. IV . Art. o município as providências cabíveis. serão publicados em resumo. TÍTULO III CÓDIGO DE PARCELAMENTO DO SOLO URBANO DE RIO DO SUL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. Art. e aos moradores do prédio. III . 380 .Um prédio ou qualquer de suas dependências poderá ser interditado em qualquer tempo. observando-se as Leis. faltas que venham a comprometer a segurança da obra. deverá comunicar ao CREA. IV .anexo 02: Dos estacionamento em ângulo de 45 graus. serão adotadas as medidas judiciais cabíveis. e afixados no lugar de costume.030 de 26/02/88.alterem as especificações indicadas no projeto ou as dimensões. Parágrafo Único . IV .br/cgi-local/form_vig. por 3 (três) vezes.leismunicipais. serão corrigidos mensalmente. da intimação para o cumprimento das decisões nela contidas. nem superior a 90 (noventa) dias. 382 . 386 .www. se for alugado. Art.cometerem por imperícia.A Prefeitura. VI .prosseguirem a execução de obra embargada pela Prefeitura. CAPITULO VI DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. esse prazo não poderá ser inferior a 3 (três) dias. ampliando ou reduzindo as dimensões indicadas nas plantas e cortes. 385 . SUBSEÇÃO IV DAS SANÇÕES Art.LEISMUNICIPAIS. V .anexo 03: Do embarque e desembarque. para que ordene a demolição. o nome dos responsáveis técnicos (pessoa física ou jurídica).Os valores constantes na presente Lei Complementar. nos termos do artigo anterior. de conformidade com o índice de correção fornecido pelo Governo Federal. levando-se ao conhecimento do prefeito as conclusões do laudo. Decretos e Regulamentos Especiais. Art. 383 .iniciarem qualquer obra sem o necessário Alvará de Construção. 381 . V . dispensando-se a presença do proprietário.br .anexo 04: Do afastamento de acessos em edificações comerciais. 388 . 384 .Não atendido a interdição e não interposto recurso ou indeferido. 389 . (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 VI . V . Art.anexo 01: Dos estacionamento em ângulo reto.hajam incorrido em 03 (três) multas por infração cometida na mesma obra.pl 02/09/2011 .do laudo se dará cópia para o proprietário. após ouvido o Conselho Permanente do Plano Diretor.

Afastamento . referente ao Parcelamento do Solo de Rio do Sul. Aclividade .e a Lei Estadual nº 6.É a área ocupada pelas vias de circulação. parques e bosques. que somente poderá sofrer ação modificadora por interesse público ou social. Área rural . segundo destinação de uso. a ocupação efetiva e o adensamento populacional das áreas urbanizadas.Deverão ser observadas Leis Estaduais e Federais aplicáveis à matéria.leismunicipais. http://www. Alinhamento .garantir melhor qualidade de vida individual e coletiva.assegurar e orientar.prolongamento de área que parte do lote urbano para acessar a via pública.Atividade que envolve a determinação das partes constituintes de um todo. Área urbanizada . artigo 2º.Informação legal em tempo real Página 62 de 164 Parcelamento do Solo.875 de 29/01/99 .com. praças. c) fundos. tem como objetivos: I .orientar os projetos de Parcelamento do Solo.A linha limítrofe entre o terreno de propriedade particular e a via ou logradouro público. Análise .com.O Parcelamento do Solo poderá ser feito mediante loteamento.771.www.Compreende as áreas caracterizadas pela contigüidade das edificações e pela existência de equipamentos públicos. Área total dos lotes . Estas áreas.Atividade que envolve a tomada de decisão ou posição entre alternativas tecnicamente controversas ou que decorem de aspectos subjetivos. buscando sua natureza e / ou avaliar seus aspectos técnicos. Acesso particular . com fins de melhoria ambiental. estética e ecológica.adaptar o máximo possível os parcelamentos à topografia local.alterada pela Lei 10.compatibilizar a hierarquia viária proposta com a hierarquia existente. assim como as áreas de expansão urbana. Área de domínio público . excluído as áreas urbanas e de Urbanização Controlada. § 3º . desmembramento.br/cgi-local/form_vig. são adotadas as seguintes definições: ABNT . jardins.pl 02/09/2011 . IV . desmembramento ou remembramento.Os termos referidos no parágrafo anterior encontram-se definidos no artigo 391 desta Lei Complementar. Área rural . SEÇÃO II DAS DEFINIÇÕES Art.957 de 23/11/98. urbanos e comunitários. b) lateral.50 m (três metros e cinqüenta centímetros) de largura para uso residencial e 8.LEISMUNICIPAIS. VIII . em especial a Lei Federal nº 6. § 2º .hierarquizar as vias urbanas. ruas. excluído as áreas urbanas e de expansão urbana. Arbitramento . Esta regulamentada na Lei 4. V .Associação Brasileira de Normas Técnicas.063 de 24/05/82 .Toda área do município. Área Verde: área com predomínio da vegetação arbórea. não computado a área remanescente.Distância da edificação aos limites do lote. Área Non Aedificandi: definida pela Lei Federal 6.Esta Lei Complementar. como sendo a que não é permitido construir. 391 .br .Para efeito de aplicação da presente Lei Complementar.adaptar os parcelamentos propostos aos parcelamentos existentes. § 1º . III .766 de 19/12/79 . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Área de Preservação: área em que não pode sofrer qualquer ação modificadora da forma natural. nunca inferior 3. Alvará . II . de forma a racionalizar os recursos disponíveis para infra-estrutura.alterada pela Lei 9.Área abrangida pelo loteamento não computado a área remanescente.É a resultante da diferença entre a área do parcelamento e a área de domínio público. podendo ser: a) frontal. em nenhum caso poderão ter acesso restrito.Documento de título precário que autoriza atividades sujeitas à fiscalização da prefeitura. recreação e circulação.Diferença altimétrica entre dois pontos em que o consecutivo está acima do ponto de referência. VII .Toda área do município. Área total do parcelamento . 390 .0m (oito metros) para uso industrial.remembramento e condomínios. SEÇÃO I DOS OBJETIVOS Art. avenidas.assegurar a observância de padrões mínimos referentes ao tamanho dos lotes. VI . destinados às funções urbanas de habitação.766.

b) criar condições adversas às atividades sociais e econômicas. segurança e assistência social.Departamento Nacional de Infra-estrutura e Transportes. DNPM . de um direito ou de um empreendimento. Normalmente em nível mais elevada. que exercem o direito simultaneamente. lazer. com objetivo técnico.Valor que exprime a altitude positiva ou negativa de um ponto ou uma curva em relação ao nível de referência.Cota determinada em 334.pl 02/09/2011 . pontos e manchas. Vedado uso de outras cores. área verde.com.Área destinada a ajardinamento junto ou não das calçadas públicos. rede de gás canalizado e equipamentos de coleta e armazenagem de lixo. constituída por passeio (destinado a pedestres). Desmembramento .LEISMUNICIPAIS. em que o sujeito do direito não é um indivíduo. Deverá ser apresentado obrigatoriamente na cor preta. Calçada: parte da via pública vedada a trânsito de veículos.Departamento Estadual de Infra-estrutura.Companhia Catarinense de Águas e Saneamento. à fauna e outros recursos naturais. Avaliação: Atividade que envolve a determinação técnica do valor qualitativo ou monetário de um bem.Uma ou mais ruas destinadas à circulação ou utilização pública. Declividade . DNIT.Ato administrativo que determina a paralisação de uma obra. químicas e biológicas do meio ambiente.Informação legal em tempo real Página 63 de 164 Arruamento . Consulta de viabilidade . condições ou requisitos de materiais. regulamentada pelo Código de Trânsito Brasileiro. a segurança e o bem estar da população.Questionamento a autoridade competente para realização de ações referentes a parcelamento.É a alteração das propriedades físicas. http://www. Canteiro . Condomínio: ou co-propriedade é a forma anormal da propriedade. saúde. excepcionalmente com ciclovia (destinada a ciclistas) e faixa de arborização. . Definidos pela lei 6. Caução .Divisão de Trânsito de Rio do Sul. mobiliário urbano.Obra de infra-estrutura ou melhoramento feito num determinado local que não pode ser removida sem ser destruída.Depósito de valores ou bens aceitos para tornar efetiva a responsabilidade de um ato. sinalização e outros fins. Balão de retorno . Estacionamento .É a subdivisão da área em lotes destinados a edificação. Cota emergencial . gasosa ou combinação de elementos produzidos por atividades humanas ou delas decorrentes em níveis capazes de direta ou indiretamente: a) prejudicar a saúde. Art. Desenho técnico: atividade que implica em representação de formas sobre uma superfície. que o exerça com exclusão dos outros. AR .São os equipamentos públicos de educação.atividade que implica em representação de formas sobre uma superfície. que por ser facilmente alagável é chamada de emergencial.br .com. são dois ou mais sujeitos. Detalhamento . rede telefônica. CASAN . cultura. rede de coleta de água pluvial. Arquitetura e Agronomia. DEINFRA .São os equipamentos públicos de abastecimento de água. desenvolvendo o projeto de detalhes necessário a materialização de partes de um projeto. Especificação: Atividade que envolve a fixação das características. Equipamentos urbanos .Alargamento nos logradouros sem saída. órgão responsável pela aplicação do Código de Trânsito Brasileiro nas vias do município. c) ocasionar danos relevantes à flora. causada por qualquer forma de energia ou substância sólida. CREA .Aviso de Recebimento. rede.Centrais Elétricas de Santa Catarina. com aproveitamento do sistema viário existente sem abertura. coleta e tratamento de esgoto.leismunicipais.www. CELESC .Espaço reservado para um ou mais veículos. Degradação ambiental . prolongamento ou modificação de vias públicas existentes.Anotação de Responsabilidade Técnica. Benfeitoria .Diferença altimétrica entre dois pontos em que o consecutivo está abaixo do ponto de referência. Auto de infração . Equipamentos comunitários . o qual já definiu as características gerais da obra ou serviço Embargo . Cota altimétrica . Caminho: percurso dentro de um imóvel para trânsito de pessoas ou veículos.Departamento Nacional de Produção Mineral. DITURS .Conselho Regional de Engenharia. para manobras de retorno de veículos. equipamentos e técnicas de execução a serem empregadas em obra ou serviço técnico.766.08m em relação ao nível do mar. rede de energia elétrica.br/cgi-local/form_vig. por meio de linhas.É o instrumento por meio do qual a autoridade penaliza a violação de disposições da legislação.

que faz frente para as vias de circulação. no fundo de um vale. Pista de rolamento .Área de terreno onde não será permitida construção. adequando-se aos recursos disponíveis e as alternativas que conduzem à viabilidade da decisão.leismunicipais. é em geral. visando à consecução de um objetivo ou meta. Remembramento . Sumidouro . produto. destinado à parada ou estacionamento de veículos.Conjunto ou sistema de penas impostas pela legislação.Porção mínima permitida de terreno líquido como resultado de processo de parcelamento representado em metros quadrados. NDA .Documento que prova a posse legítima da propriedade. Loteamento clandestino .Área destinada a condutores de dejetos. num dado prazo.Loteamento feito sem prévia aprovação ou em desacordo com o projeto. por cuja infração já tenha sido autuado ou punido.Nível de Degradação Ambiental. Ocupação Reversível ou Provisória . Pode ser classificado em: a) pequeno (A). Título de declaração de propriedade . Perímetro Urbano . obras ou serviços técnicos num determinado período de tempo.Linha sinuosa.br/cgi-local/form_vig. Referência de Nível (RN) . modificação ou prolongamento de vias de circulação e logradouros. Levantamento: Atividade que envolve a observação.br .Território de propriedade pública e de uso comum da população.É quem violar o preceito das Leis. aquela desmontável ou removível sem destruição ou dano aos seus elementos constituintes.Entende-se por ocupação reversível ou provisória. Parcelamentos populares . construído com o nome da RN.com.Linha que delimita a área urbana da área rural. pela qual as águas correm. a mensuração e /ou a quantificação de dados de natureza técnica necessários à execução de serviços técnicos ou obra. Filtro Anaeróbio .Parte da via pública destinada ao tráfego e ao estacionamento de veículos. a altitude e o nome do órgão responsável. Penalidade . através de princípios técnicos e científicos. Fração Ideal: Parte de um todo pertencente proporcionalmente a um condômino.Porção de terreno com testada para via pública ou servido por acesso particular. Projeto: Atividade necessária à materialização dos meios. Gleba .Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima.Unidade de sedimentação e digestão de fluxo horizontal. com a finalidade de examinar ou verificar se sua execução obedece às especificações e prazos estabelecidos e ao projeto.Parte da via ou logradouro destinado à circulação de pedestres.Poço destinado a receber o efluente da fossa séptica e a facilitar sua infiltração subterrânea. Talvegue .Faixa de reserva destinada à futura ampliação da via ou para preservar a privacidade. Fossa Séptica . Recuos . expedido pelo Cartório de inferiores ao http://www.Unidade de tratamento biológico do efluente da fossa séptica de fluxo ascendente em condições anaeróbias. destinada ao tratamento de esgotos domésticos. Mensuração: Atividade que evolve a apuração de quantitativos de determinado fenômeno. Reincidente . e que divide os planos em duas encostas.A junção de duas ou mais áreas formando um novo lote. Planejamento: Atividade que envolve a formulação sistematização de um conjunto de decisões devidamente integrantes. Fiscalização: Atividade que envolve o controle e a inspeção sistemática da obra ou serviço.Subdivisão de gleba em lotes destinados a edificações.É a medida da parte do terreno representada em metros.Ponto de controle vertical estabelecido num objeto (marco) de caráter permanente.São considerados populares os parcelamentos comercializados por valores praticados no mercado e em condições de pagamentos facilitados. cuja altitude foi determinada acima ou abaixo de um DATUM (nível do mar). com abertura.pl 02/09/2011 . cujo meio filtrante mantém-se afogado.LEISMUNICIPAIS. Lote .www. natural ou artificial.É a área de terreno delimitada por vias subdividida ou não em lotes e seus limites. estabelecido pela FATMA. expressa em objetivos e metas e que explicita os meios disponíveis e /ou necessários para alcançá-los.com.Informação legal em tempo real Página 64 de 164 Faixa "Non Aedificandi" . Faixa Sanitária . Testada . b) médio (B). Incorporação: atividade exercida com o intuito de promover e realizar a construção. c) alto (C). Logradouro Público . ou à circulação de pedestres. (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 Passeio . Quadra . Lote mínimo . conforme avaliação da Prefeitura. para alienação total ou parcial de edificações ou conjunto de edificações compostas por unidades autônomas. Loteamento .Porção de terreno considerada. RFFSA .

) c) pontes. . 394 .Acessibilidade Urbana. j) rede de energia elétrica para todos os lotes. com sobre largura da seção tipo em pelo menos 1. industrial.LEISMUNICIPAIS.É condição necessária à aprovação de qualquer arruamento ou lote-amento.com. contemplando as exigências da Lei 10. a execução pelo interessado. balaustradas e a realização de qualquer outra obra necessária ou servidão pública para esses lugares. distante 50cm do alinhamento do lote. além da subbase será executada base de areia de 15cm de espessura.Divisão da área urbana segundo seu uso.0m. Vistoria . Parágrafo Único .A Prefeitura cobrará do loteador tudo quanto tiver que despender com equipamentos urbanos ou expropriações para regularizar o loteamento promovido à sua revelia ou executado em desacordo com as normas de aprovação. podendo ser residencial. além da sub-base. 395 . com uma das arestas abaulada. para extinção de comunhão de bens ou qualquer outro título. 393 . e um revestimento asfáltico com uma capa mínima de 4cm. remembramentos e condomínios realizados para venda ou melhor aproveitamento de imóveis. delimitado no mapa de zoneamento da Lei Complementar de Uso do Solo. paralelepípedos ou similares. comercial. podendo a Prefeitura exigir. Zoneamento . calçadas.Via de circulação onde é proibido o trânsito de veículos. com baixa densidade destinada à expansão urbana. cujos processos submetidos a métodos adequados de controle e tratamento de efluentes não causem incômodos sensíveis às demais atividades urbanas.com. delimitado no mapa de zoneamento da Lei Complementar de Uso do Solo. Unidade Autônoma: parte privativa de um condomínio.. É composta de: pista de rolamento. com FCK=25MPa) ou pedra granito nas dimensões mínimas de 100cm x 30cm x 15cm. de todas as obras de terraplenagem. Art.Área pertencente ao espaço urbano. k) rede de iluminação pública. Via de circulação . Delimitado no mapa de zoneamento da Lei Complementar de Uso do Solo.www. com resistência mínima de 30MPa.. Delimitado no mapa de zoneamento da Lei Complementar de Uso do Solo. de captação e de redução de velocidade onde for necessário. h) sinalização viária. 392 . e afins. pontes. a construção de mirantes. belvederes. Delimitada na planta de zoneamento da Lei Complementar de Uso do Solo. para aceitação do projeto. e) meio-fio: em concreto (extrusado ou pré-moldado. salvo nos casos previstos pela Lei Complementar de Uso do Solo. Zona mista .br/cgi-local/form_vig.098/2000 . Art. Art. paisagística e ambiental.O loteador deverá executar as seguintes obras por sua conta. muros de arrimo. UFM . Delimitado no mapa de zoneamento da Lei Complementar de Uso do Solo.Nos projetos de arruamentos e loteamentos que afetem ponto panorâmico ou aspecto paisagístico.pl 02/09/2011 .O disposto na presente Lei Complementar.Atividade que envolve a constatação de um fato. veículos e animais. Visa dar a cada região a utilização mais adequada em função do sistema viário. Via de circulação de pedestre . no mínimo. 396 .para as vias pavimentadas com lajotas. g) alçadas com uma camada superficial de pedra britada nº 2 de granito ou basalto com no mínimo de 7 cm (sete centímetros) de espessura. (Acrescido pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Zona industrial . como também os inventários. sem a indagação das causas que o motivaram. i) demarcação dos lotes com marcos em madeira (5 x 5 x 50 cm) e as quadras em concreto (10 x 10 x 30cm ).Área pertencente ao espaço urbano.para vias pavimentadas com asfalto. Art. CAPÍTULO II DAS NORMAS GERAIS Art. http://www. bem como de outros serviços exigidos por esta Lei Complementar. canteiro central e ilhas. sob o passeio nos dois lados.Unidade Fiscal Municipal (Base de cálculo para cobrança de tributos municipais).É um bem de uso da população destinado ao trânsito de pessoas. Zona de Urbanização Controlada . ou que venham se constituírem em ônus para o Município. n) quaisquer outras obras necessárias a utilização plena do loteamento. f) pavimentação das pistas: f1 . m) espera de ligação de esgoto a rede pública. d) drenagem pluvial: tubulações com diâmetro mínimo de 40cm nos dois lados da via e caixas de passagem. sem ônus para a Prefeitura.leismunicipais. obriga não só os loteamentos. será executada base de brita corrida de 15cm.Área destinada à utilização mista. com baixa densidade destinada à expansão urbana. b) contenções (muros de arrimos. f2 . mediante exame circunstanciado e descrição minuciosa dos elementos que o constituem. deverão ser adotadas as medidas necessárias e convenientes à sua defesa.Zona destinada à função habitação. acostamento. Zona de expansão urbana .Informação legal em tempo real Página 65 de 164 Registros de Imóveis.br . Delimitado na Lei Complementar de Uso do Solo. topografia e a infra-estrutura existente através da criação de zonas de uso e adensamento diferenciados. possuindo travejamento a cada 20m para vias com mais de 15% de declividade.Zona que se destina à instalação preferencialmente industrial. para que o município aceite o loteamento: a) terraplenagem. desmembramentos. serviços.Zona destinada à preservação ecológica. Zona de preservação permanente .Não serão aceitos planos de arruamento e loteamento de terrenos que acarretem desapropriação a custo da municipalidade. l) rede de água potável. institucional e Zona residencial .

br . urbanos. Art. 398 . § 1º . CAPÍTULO IV DOS REQUISITOS URBANÍSTICOS DOS LOTEAMENTOS Art. conforme Lei 6. excluída a alínea "i". em função de sua localização. sem que previamente saneados. salvo a área desmembrada constituir-se em lote com dimensões mínimas para o zoneamento em que se encontra e a área remanescente atender as exigências do Código de Edificações para vagas de estacionamento.Em terrenos que tenham sidos aterrados com material nocivo a saúde pública. 400 . II . para evitar excessivo número de lotes e o conseqüente aumento do investimento sub-utilizado em obras de infra-estrutura e custeio de serviços. este deverá estar distante das fontes de contaminação (em especial a representada pelas fossas sépticas). 406 .A Prefeitura poderá limitar a aprovação de parcelamento da terra. salvo consentimento do credor. Art.00 m² (quinze mil metros quadrados). Art. destinada ao domínio público para fins de: equipamentos comunitários. Art. destino e uso. dentro de um mesmo lote.www. a critério do órgão estadual competente e anuência da Prefeitura. vias de circulação e área verde. 402 .Em imóvel com averbação de ônus.Deverá constar no modelo de Contrato de Compra e Venda apresentado como parte integrante dos documentos para aprovação que o adquirente não poderá edificar até que sejam executadas na integralidade todas estas obras. uma percentagem de no mínimo 35% (trinta e cinco por cento) da gleba a lotear.Informação legal em tempo real Página 66 de 164 § 1º .Nos mananciais de captação de água. harmonizando-se com a topografia e conforme exigência desta Lei Complementar. caso em que a percentagem poderá ser reduzida até 25% http://www.Serão caucionados tantos lotes quanto forem necessários e suficientes para garantia das obras de responsabilidade do loteador. Art. Art.pl 02/09/2011 .Não será permitido o Parcelamento do Solo: I . § 3º Onde houver inclinações superiores a 55º (cinqüenta e cinco graus = 143% cento e quarenta e três por cento) será considerada área de preservação.Os parcelamentos deverão ser elaborados de modo a se obter conjuntos urbanos com a melhor disposição para os logradouros públicos e para os lotes.A alteração de titularidade não altera as obrigações com as legislações urbanísticas e de preservação ambiental. qualquer que seja o caso de abertura de logradouros por iniciativa particular. até a sua correção. Parágrafo Único . 399 .Fica sempre a critério da Prefeitura. Art. mencionado no artigo 396.A capacidade mínima do sistema deve atender com folga aos lotes propostos e ser aprovada pela CASAN.Em terrenos onde for necessária a preservação para o sistema de controle da erosão do solo. 401 .A construção de mais de uma edificação autônoma.Imóveis com averbação ou que conste em projeto de edificação área de estacionamento.Os loteamentos não poderão receber denominação igual à utilizada para identificar outros setores da cidade. mediante apresentação de laudo técnico expedido por profissional habilitado vinculado ao departamento competente no tocante à infra-estrutura urbana.Somente será admitido o Parcelamento do Solo em zonas urbanas definidas pela Lei do Perímetro Urbano estabelecido na Lei Complementar de Uso do Solo.br/cgi-local/form_vig. não podendo sofrer qualquer ação modificadora da forma natural.O proprietário da área cederá ao município.Os cursos d`água não poderão ser aterrados ou tubulados sem aprovação de projeto pela Prefeitura.Em subzona de preservação (P1) nas faixas "non aedificandi" ou naquelas onde a poluição impeça condições sanitárias suportáveis. 397 .Deverão ser tomadas todas as providências possíveis pelo loteador durante a execução das obras de alteração do perfil natural do terreno para evitar a erosão.Em terrenos situados em fundos de vale. ou loteamentos deverão prejudicar o escoamento natural das águas nas Art. sem ônus para este. VI . 404 . 403 . independente de sua zona de localização ou categoria. III .Em nenhum caso os arruamentos respectivas bacias hidrográficas.No perímetro rural o parcelamento de solo será através do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INCRA. VII .LEISMUNICIPAIS.leismunicipais.Poderá haver redução da percentagem quando se tratar de loteamentos destinados ao uso industrial cujos lotes forem maiores do que 15. mediante parecer dos Conselhos do Plano Diretor e do Meio Ambiente. exceto a pavimentação. IV . Parágrafo Único . a aceitação ou recusa integral de anteprojeto ou de qualquer de seus detalhes.000. bem como o surgimento de situações que caracterizam degradação ambiental.766. V .com.Quando no loteamento for usado um sistema de abastecimento hidráulico próprio. A avaliação de custos das obras e os valores dos lotes serão feitos pelo Município. § 2º . excluída a área remanescente. § 2º . § 4º . CAPÍTULO III DAS ÁREAS PARCELÁVEIS E NÃO PARCELÁVEIS Art.com. no que couber. § 1º . essenciais para escoamento das águas e abastecimento público. não constitui desmembramento e este só será admitido como tal se daí resultarem lotes edificáveis de acordo com esta Lei Complementar. 405 .

A Consulta de Viabilidade será mediante apresentação de requerimento de consulta de viabilidade. sob sua inteira responsabilidade e sem qualquer ônus para a municipalidade. sendo que as obras de infraestrutura só serão executadas após assinatura de termo de compromisso entre as partes.com. II . SUBSEÇÃO I DA CONSULTA DE VIABILIDADE Art. 412 .implique em aumento destas áreas.leismunicipais.desmembramento e remembramento.00 m² (duzentos e quarenta metros quadrados) com testada mínima de 10m.consulta de viabilidade. no mínimo 10% (dez por cento) será destinado para área verde e 10% (dez por cento) para área de lazer e equipamentos. o projeto definitivo do loteamento.Os projetos de loteamentos. Meio Ambiente e de Trânsito.É facultado. III .A área correspondente à faixa "non aedificandi" poderá ser cedida ao município no ato de aprovação do loteamento. II . serão precedidos independentemente uma das outras. 407 .a ampliação se verifique no próprio bairro ou num bairro limítrofe. das seguintes etapas legais: I .br/cgi-local/form_vig. Art. ao custo da infraestrutura oferecida pela Prefeitura.Visando aprovação os parcelamentos dividem-se em: I . Art.LEISMUNICIPAIS. § 3º .anteprojeto. 410 .Quando se tratar de parcelamento popular poderá haver redução nas exigências das Normas Técnicas desta Lei Complementar sendo que: I . conforme avaliação da Secretaria de Planejamento. reservado à Prefeitura o direito de na análise considerar os prazos somados.A venda dos lotes populares só poderá ser efetuada para pessoas físicas comprovadamente carentes conforme triagem da Prefeitura. II . CAPÍTULO V DA APROVAÇÃO DOS PROJETOS DE PARCELAMENTOS Art.a localização deste deverá obedecer ao mapa de zoneamento definida na Lei Complementar de Uso do Solo.o município poderá permutar a implantação da infra-estrutura. Parágrafo Único . http://www.Não serão aprovados novos projetos de parcelamentos de requerente que possuir processo de parcelamento irregular. a comercialização de lotes nos parcelamentos considerados populares. desde que provido de acesso.A Prefeitura indicará a legislação que deverá ser cumprida.Não será permitida a venda de mais de um lote por pessoa física. mediante pareceres favoráveis da Divisão de Urbanismo. § 5º . III . 409 . acompanhada de certidão de matrícula atualizada do imóvel. Art.As áreas verdes poderão ser autorizadas à permuta pelo Poder Executivo Municipal com anuência do Órgão Estadual de Meio Ambiente.Além das normas já estabelecidas. por lotes equivalentes em valor. § 2º . ao interessado. Não será exigido desta área o percentual de 35% (trinta e cinco por cento) para fins públicos. Urbanismo e Meio Ambiente.pl 02/09/2011 .projeto definitivo.Da área destinada ao município nos processos de loteamento.loteamento.br .O número máximo de lotes permitidos em um loteamento popular será de 200 (duzentos). 411 . § 4º . § 3º . SEÇÃO I DOS LOTEAMENTOS Art.com. bem como ser aprovada pela Secretaria de Planejamento.Condomínio.Informação legal em tempo real Página 67 de 164 (vinte e cinco por cento). § 1º .A área a ser reservada será determinada pela Prefeitura por ocasião da Consulta de Viabilidade.A área de Preservação Permanente não será considerada no computo da área total a ser loteada. podendo ser considerada em até 10% (dez por cento) no cômputo da percentagem mínima dos 35% (trinta e cinco por cento) exigida por esta Lei Complementar. II . § 4º . deverão atender ainda as normas instituídas por Decreto do Poder Executivo. § 1º . 408 . § 2º .o lote mínimo poderá ter a área reduzida para até 240. apresentar de uma só vez e de forma global. III .www. desde que sejam onerados e que: I .

414 . etc. áreas ocupadas pela edificação já existente. até o talvegue ou divisor mais próximo. Vedadas cotas com valores arbitrários. plani-altimétrico. SUBSEÇÃO III DO ANTEPROJETO DE LOTEAMENTO Art. § 2º . 413 . ou obtidos por meio eletrônico. h) no caso de vários desenhos de um Projeto que não caibam em uma única folha. com número ímpar de dobras tendo margem de 1cm (um centímetro) em toda periferia da folha exceto na margem lateral esquerda a qual será de 2. obrigatoriamente na cor preta. locação exata das áreas destinadas à recreação e usos institucionais e outras indicações de interesse. o interessado apresentará os seguintes elementos: I .). do autor do Projeto e do responsável técnico pela execução da obra sendo estes últimos. deverá o proprietário apresentar planta que englobe a totalidade do terreno. sendo apresentadas em cópias dobradas.A Consulta de Viabilidade será emitida num prazo máximo de 10 (dez) dias úteis e o parecer terá validade de 6 (seis) meses. c) tipo de Projeto (drenagem. área sujeita a inundações.com.selo ocupando o extremo inferior especificando: a) natureza e destino do parcelamento.br . onde couber.planta do imóvel. 415 . § 3º . b) referência da folha (planta. b) os arruamentos adjacentes a todo o perímetro.Cumpridas as etapas da subseção anterior e havendo viabilidade da implantação do loteamento. detalhes. etc. observações e anotações. g) indicação do norte magnético.www. d) divisas da propriedade perfeitamente definidas. além da normatização da ABNT. ou maiores exigências para perfeita fidedignidade à topografia e a interpretação do projeto. tomando-se por tamanho padrão um retângulo de 21. será desenhado quadro-legenda com 17.matrícula atualizada do imóvel junto ao Cartório de Registro de Imóveis e Hipoteca.7cm. § 3º . perfis. exceto detalhes em escala conveniente.planta de situação do terreno. enviar uma cópia da referida solicitação ao órgão ambiental competente para conhecimento dos fatos. será necessário numerá-las em ordem crescente. SUBSEÇÃO II DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO Art. Todas as cotas deverão ser referenciadas a valores oficiais. § 1º .LEISMUNICIPAIS. observando sempre a legislação vigente na data da prorrogação. contendo. assinada pelo proprietário ou seu representante legal e por profissional registrado no CREA. obrigatoriamente na cor preta. c) localização de cursos d`água.No canto inferior direito da(s) folha(s) do Projeto. II .pl 02/09/2011 .Sobre o selo não são permitidos desenhos.com. com indicação dos números dos Registros no CREA e endereço. na escala de 1:500 (um por quinhentos).espaço reservado à Prefeitura e demais órgãos competentes para aprovação.As plantas referidas neste artigo. f) escala. § 2º . III .).0cm x 29.5cm (orelha) para fixação em pastas. II . monumentos naturais ou artificiais e outras informações de interesse. onde constarão: I . Art. vegetação expressiva. do Meio Ambiente e de Trânsito para emitir parecer favorável a implantação do mesmo.5cm de largura e 27. i) nível de enchente. reduzidas às margens. No caso de solicitação de Licença Ambiental Prévia (LAP). os equipamentos urbanos e comunitários da área a ser loteada. f) o tipo de uso predominante a que o loteamento se destina.7cm de altura (tamanho A4).br/cgi-local/form_vig. http://www. e) data. g) nome do desenhista.Para loteamentos é obrigatório Vistoria Técnica "in loco" da Diretoria de Urbanismo.leismunicipais. § 1º . bem como todas as demais plantas no processo de loteamento. Parágrafo Único . d) indicação do nome e assinatura do requerente. h) intenções em relação a terraplenagem de ruas e ou lotes.Quando o loteamento não abranger toda a área do imóvel.Os Projetos somente serão aceitos quando legíveis e de acordo com as normas usuais de desenho estabelecidas pela ABNT. e) subdivisão em quadras e lotes com as respectivas dimensões e numerações. no mínimo: a) os dados de medição topográfica do terreno com curvas de nível de metro em metro. arruamento projetado.O prazo poderá ser prorrogado por mais 6 (seis) meses a pedido da parte interessada. em no mínimo 2 (duas) vias.Informação legal em tempo real Página 68 de 164 § 2º .espaço reservado para a colocação da área do lote. (tamanho A4). bosques.O levantamento altimétrico será estendido além dos limites do imóvel a ser loteado. III .As folhas do Projeto deverão seguir as normas da ABNT quanto aos tamanhos escolhidos. geométrico. as construções existentes no terreno a ser loteado.

aprovado pela CELESC.LEISMUNICIPAIS. gravam os lotes ou edificações. http://www. não computados o tempo despendido na prestação de esclarecimentos pela parte interessada.indicações de marcos de alinhamento e nivelamento localizados nos ângulos ou curvas das vias projetadas e amarradas à referência de nível existente ou identificável. de faixas non aedificandi.Deverá ser apresentado o modelo do Contrato de Compra e Venda.indicação das servidões e restrições especiais que. c) área pública: c. IV . b) área total dos lotes.projeto de rede de esgoto sanitário ou de tratamento individual. XI . b) se com abastecimento próprio.1.as faixas "non aedificandi". VI .projeto completo da rede de distribuição de água sendo: a) se ligado à rede da CASAN. II . exceto a pavimentação e aceitas pelo Município . com as respectivas numerações e dimensões. em resumo sendo: a) área total do parcelamento. aprovado por esta.área destinada à circulação.projeto de sistema de drenagem. III . Art. cordas.a indicação das áreas que perfazem. VII . no mínimo 35% (trinta e cinco por cento) da área total loteada e que passarão ao domínio do município.projeto de rede de energia elétrica. após o qual deverá ser solicitada nova consulta de viabilidade. VIII . com os cálculos respectivos e classe dos materiais a serem empregados. VI . projetadas ou previstas que compõe o sistema viário básico da cidade. XV .sistema viário local e respectiva hierarquia. eventualmente. II . organizará o projeto definitivo composto de no mínimo 4 (quatro) vias. válida para a(s) zona(s) na qual está situado o imóvel.A terraplenagem deverá contemplar uma sobre largura de pelo menos um metro na seção tipo da via. Meio Ambiente e Trânsito. com raios.áreas verdes.O prazo máximo para estudos e despacho será de 30 (trinta) dias corridos.leismunicipais. que deverá ter a anuência da Divisão de Transito. § 2º .Aprovado o anteprojeto. SUBSEÇÃO IV DO PROJETO DEFINITIVO DE LOTEAMENTO Art. complementando com as seguintes informações: I .afastamentos exigidos. para aprovação pela Prefeitura. III .dimensões lineares e angulares do projeto. das áreas livres de uso público e das áreas verdes. tanto em corte como aterro. XII .relação dos equipamentos urbanos que serão projetados e executados pelo interessado. XVI . V . pontos de tangência e ângulos centrais das vias e cotas do projeto.perfis longitudinais e transversais de todas as vias e praças.curvas de nível. XIII . 417 . e outros elementos notáveis. atuais e projetadas.projeto da rede coletora das águas pluviais. § 1º . § 5º .O despacho vigorará pelo prazo máximo de 1 (um) ano. se for o caso.com. com eqüidistância de 1. orientado pela planta devolvida.Deverá ser apresentada a Licença Ambiental Prévia (LAP) por órgão estadual competente.as vias de circulação existentes.www.00 m (um metro). o requerente. § 4º .br/cgi-local/form_vig.Informação legal em tempo real Página 69 de 164 § 4º . X .subdivisão das quadras em lotes.Havendo aprovação do anteprojeto o órgão municipal competente indicará na própria planta: I . relacionadas com o loteamento pretendido. IV .memorial descritivo e justificativo do projeto.localização aproximada dos terrenos destinados a equipamentos urbanos e comunitários.pl 02/09/2011 . determinadas por esta Lei Complementar. 416 . § 3º . no logradouro. a serem respeitadas. onde contemple a proibição ao adquirente de edificar até que todas as obras de responsabilidade do loteador estejam executadas.2.Para fins de análise do anteprojeto deverá ser realizada vistoria técnica pelo Departamento de Urbanismo. e outras informações.com.as faixas sanitárias destinadas ao escoamento das águas pluviais. IX .a fixação das zonas e subzonas de usos predominantes de acordo com a Lei Complementar de Uso do Solo. XIV . devidamente cotados.br .projeto de pavimentação. segundo normas da ABNT. V . c.

http://www. 419 .cronograma físico financeiro das obras do loteamento. § 1º .LEISMUNICIPAIS. § 1º . 421 . as ações previstas no cronograma relativas ao artigo 396. o projeto a que se refere o inciso XIII.br/cgi-local/form_vig. filtro anaeróbico e sumidouro. § 3º . com a anuência do órgão competente da municipalidade e destino final dos efluentes. e no prazo por ela fixado. § 2º .O ato de matrícula de loteamento no Cartório de Registro de Imóveis importa na transferência ao patrimônio público das áreas previstas no projeto aprovado. b) as restrições previstas nesta Lei Complementar. V .3. 420 . Art. deverão ser apresentados documentos comprobatórios da boa eficiência dos serviços executados. Urbanismo e Meio Ambiente e Conselho do Plano Diretor.não promover a venda de lotes antes de aprovar e registrar o loteamento no Registro de Imóveis. prorrogáveis a critério da Prefeitura. b) as condições urbanísticas do loteamento e as limitações que incidem nos lotes e suas construções. o Município poderá conceder licença para edificar sobre os mesmos.caucionamento de áreas implantação do loteamento. XVIII . a Prefeitura concederá Alvará de Licença.br .De posse do Alvará de Licença o proprietário fará sua matrícula no Cartório de Registro de Imóveis e no cadastro imobiliário do município. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 XVII . SUBSEÇÃO V DAS MODIFICAÇÕES DOS PROJETOS APROVADOS Art. a satisfação de exigências ditadas em legislação federal.Aprovado o projeto de loteamento o interessado assinará Termo de Compromisso em que se obrigará: I . quando for o caso.Não caberá à Prefeitura qualquer responsabilidade pela diferença de medidas dos lotes ou quadras que o interessado venha a encontrar. XXI .Não existindo rede de esgoto. será necessária a aprovação de Projeto modificativo. 422 . caso seja indeferida. XIX . XX .Os projetos de loteamentos poderão ser modificados desde que a proposta dos loteadores e adquirentes seja aprovada pela Prefeitura. além de outras cláusulas. estadual e municipal pertinentes. deste artigo.Projeto de sinalização viária.pl 02/09/2011 . Art. em relação aos loteamentos aprovados. expedidos pelos órgãos competentes. 423 . § 3º . II . com suas características e distinção. ou outros bens suficientes.áreas destinadas a equipamentos comunitários.com.Somente após a matrícula dos novos lotes no Cartório de Registro de Imóveis. § 3º .A prorrogação será requerida pelo interessado a Secretaria de Planejamento.outras informações se desejado ou solicitado. mediante ampla justificativa do atraso ocorrido.leismunicipais. no ato do registro do loteamento.anexar modelo do contrato de compra e venda.www. III .Na entrega do loteamento ao município.A aprovação do projeto definitivo ficará ainda condicionada. em especial as obrigações pela execução dos serviços a cargo do Vendedor respondendo solidariamente os compromis-sários compradores ou adquirentes na proporção da área de seus lotes. conterá: a) a descrição sucinta do loteamento. para cobertura dos custos de § 1º .facilitar a fiscalização permanente da Prefeitura durante a execução de obras e serviços. IV .O loteador deverá comunicar por escrito aos órgãos competentes.Informação legal em tempo real Página 70 de 164 c. pelo menos em toda a extensão do respectivo logradouro. para implantação do loteamento onde constarão todas as condições cujo prazo de execução não excederá a 2 (dois) anos. § 2º .proposta para aprovação parcelada do loteamento. c) a indicação dos espaços livres e das áreas destinadas a equipamentos urbanos e comunitários que passarão ao domínio público.Serão possíveis 2 (duas) prorrogações no máximo.executar sem ônus para a Prefeitura.indicação de muros de arrimos quando necessários. assim como para alteração do destino de qualquer compartimento constante do mesmo. a Prefeitura aplicará a multa no valor de 10(dez) UFM por dia útil de atraso. § 4º .O memorial do inciso XV. além das já constantes das normas de planejamento do município. o início das obras de infra-estrutura para fins de fiscalização. a critério da Prefeitura. bem como o modo de se estabelecer às conexões necessárias à sua utilização.Os taludes em corte no gabarito 2:3 (horizontal: vertical) e em aterros 3:2 (horizontal: vertical).Assinado o Termo de Compromisso. Art.Para modificações em Projeto. Art. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art. § 2º . contemplará solução para fossa séptica. d) a indicação dos equipamentos urbanos e comunitários e dos serviços públicos ou de utilidade pública já existentes no loteamento e adjacências.com. 418 . contendo: a) a condição de que só poderão receber construções depois de executadas as obras determinadas no artigo 396. que. num prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias.

LEISMUNICIPAIS.dimensões lineares e angulares.. SEÇÃO III PARCELAMENTO EM CONDOMÍNIO Art. Obrigatoriamente na cor preta.O prazo máximo para aprovação do projeto de desmembramento ou remembramento será de 30 (trinta) dias úteis.Todas as peças gráficas e demais documentos exigidos terão a(s) assinatura(s) do(s) proprietário(s) e responsável técnico registrado no CREA dentro das especificações da ABNT. após o qual deverá ser reiniciado o processo. 428 .memorial descritivo. VI . válida para a(s) zona (s) na qual está situado o imóvel.50m (um metro e cinqüenta centímetros) para cada lado e pista com 7m (sete metros). VIII . Art. VII . com respectivas áreas.O despacho vigorará pelo prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias. contendo as seguintes indicações: I . ou curvas de nível de metro em metro. Art. determinadas por esta Lei Complementar. 424 . 430 .Depois de examinada e aceita a documentação..tipo de uso predominante no local.Visando a aprovação de processo de desmembramento ou remembramento o interessado deverá solicitar consulta de viabilidade. 427 .áreas e testadas mínimas.) para o zoneamento em que se situam. tipo de construção e ocupação.Quando o lote desmembrado não se constituir num lote mínimo fica obrigatória a sua vinculação a outro lote. d) caixa para correio.com. II ..Informação legal em tempo real Página 71 de 164 Parágrafo Único .pl 02/09/2011 . 426 .www.A aprovação dos projetos referentes a esta seção só serão permitidas quando: I . acompanhado da planta e da matrícula atualizada do imóvel a ser desmembrado ou remembrado na escala 1:500 (um por quinhentos). ainda que edificado. será concedida "Licença de Desmembramento e Remembramento" para matrícula no Cartório de Registro de Imóveis e no Cadastro Imobiliário do Município num prazo de 180 (cento e oitenta) dias. Parágrafo Único . III .os lotes desmembrados tiverem as dimensões mínimas exigidas e testadas voltadas para a via pública.O Cartório de Registro de Imóveis só poderá registrar o desmembramento ou remembramento com unificação desejada mediante regularização da área restante. não computados o tempo despendido na prestação de esclarecimentos pela parte interessada. acrescido de: a) obrigatoriamente a pavimentação de acessos e calçadas b) acessos internos serão constituídos por bolsão conforme artigo 448 e especificações abaixo: (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 b1) para até 5 (cinco) unidades autônomas: largura mínima de 6m (seis metros). com as vias existentes e loteamento próximo. http://www. 429 . (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 b2) de 6 (seis) unidades autônomas: largura mínima de 8m (oito metros). f) lixeira na entrada. Parágrafo Único . SEÇÃO II DO PROJETO DE DESMEMBRAMENTO E REMEMBRAMENTO Art. e) interfone. sendo que neste último caso deverá constar em matrícula a unificação pretendida.Cumpridas as etapas do artigo anterior e havendo viabilidade do desmembramento ou remembramento o interessado fará o pedido de desmembramento ou remembramento mediante requerimento a Prefeitura. em três vias Art. 425 . e as mesmas formalidades para sua aprovação e recebimento. compreender uma área mínima que possa se constituir em lote independente. Art. Parágrafo Único .perfis do terreno.É vedada a utilização de deflexões intencionais de no mínimo 50% (cinqüenta por cento) da profundidade do lote paralelo a testada do mesmo. que informará as exigências urbanísticas para o parcelamento em conformidade ao zoneamento da gleba. devendo cumprir com as regulamentações de lotes (dimensões mínimas. declividade. Parágrafo Único .com.A consulta de viabilidade se dará conforme esta Lei Complementar.br .divisão ou agrupamento de lotes pretendido.br/cgi-local/form_vig. III . tendo obrigatoriamente passeio de um lado com 1m (um metro) de largura. sendo que os passeios deverão ter largura mínima de 1m (um metro) para cada lado e pista com 6m (seis metros).O parcelamento de solo em forma de condomínio equipara-se a loteamento para fins de enquadramento jurídico. portanto sujeitos a aprovação das obras obrigatórias pelo empreendedor na forma do artigo 396 desta Lei. IV . áreas.leismunicipais. V . informando área.a parte restante do lote. Art.O requerimento solicitando aprovação do Projeto modificativo deverá ser acompanhado de cópia do Projeto anteriormente aprovado e quando já expedido também do respectivo "Alvará de Parcelamento de Solo".situação do imóvel. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 c) portão de fechamento de acesso. II . (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 b3) acima de 10 (dez) unidades autônomas: largura mínima de 1.indicação das edificações existentes.

CAPÍTULO VII DAS NORMAS TÉCNICAS SEÇÃO I DAS NORMAS GERAIS Art. às normas de boa vizinhança. a qualquer logradouro público nomes de pessoas vivas ou de organizações ou associações.A aprovação dos projetos de construção e emissão do respectivo alvará. Art. com exclusividade de sua unidade autônoma. Art.Informação legal em tempo real Página 72 de 164 g) para mais de dez unidades autônomas deverá ser demarcada área verde correspondente a 10% do total da gleba parcelada . umas e outros.Faculta-se ao loteador encaminhar a Câmara de Vereadores sugestão para denominação destas novas ruas.A parcela liberada deverá estar com todas as obras concluídas. alterada pela Lei Municipal nº 3513 de 21/06/00 e pela Lei Municipal nº 3673 de 24/10/01. § 1º . 440 . Parágrafo Único . observando-se ainda os preceitos da Lei Municipal nº 1776 de 29/06/83. alterada pela Lei Municipal nº 3461 de 20/12/99. liberando a caução correspondente. fiscalizará a execução do loteamento para verificar o cumprimento do projeto e do cronograma físico. Art. 439 .A aprovação do parcelamento não implica em nenhuma responsabilidade por parte do Poder Público quanto a eventuais divergências referentes às dimensões de quadras e lotes. a requerimento do loteador. caso não tenham sido realizadas as obras e os serviços exigidos para o loteamento.pl 02/09/2011 . depósito a seu favor de prestações devidas por adquirentes.leismunicipais.A Prefeitura por seu setor competente.80m e máxima de 3.Não sendo bastante. 432 .br . para fiscalização própria dos serviços executados.Qualquer alteração ou cancelamento parcial do loteamento registrado dependerá de acordo entre o loteador e os adquirentes de lotes atingidos pela alteração.Prevista a liberação parcelada do loteamento a Prefeitura procederá na forma do artigo anterior.LEISMUNICIPAIS.Esgotados os prazos previstos. requererá em juízo.591 e suas alterações. Art. Parágrafo Único .com. bem como de qualquer outro setor da cidade. 435 . § 2º . Parágrafo Único . onde conste que não será permitido edificar até plena conclusão das obras obrigatórias. Parágrafo Único . (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 j) Memorial descritivo. Art. § 2º . será regulada pelo Código de Edificações do Município. expedido com deferimento simultâneo pela Divisão de Urbanismo. e a liberação da obra executada através do habite-se.Mediante Lei própria. notificando o loteador quanto a existência de irregularidades na execução do projeto ou no atraso do cumprimento do cronograma. Art. reger-se-ão pela lei 4.br/cgi-local/form_vig.www.Cada condômino tem o direito de usar e fruir. a Prefeitura fará a nomenclatura oficial dos logradouros públicos e afixará as placas indicativas em lugar conveniente. nem obstáculo ou embaraço ao bom uso das mesmas partes por todos. II . manifestando-se: I .com. CAPÍTULO VI DA APROVAÇÃO DO LOTEAMENTO Art.No recebimento do loteamento a Prefeitura liberará a caução procedida. quanto a direito de terceiros em relação a áreas arruadas ou loteadas nem para quaisquer indenizações decorrentes de despesas para acertar o traçado de ruas que não obedeçam os arruamentos limítrofes mais antigos ou as disposições das Leis do Plano Diretor. http://www.0m. Art. 436 . 434 .Concluído o loteamento.O loteador não poderá efetuar vendas por qualquer instrumento antes de registrar no Cartório de Registro de Imóveis o parcelamento aprovado pelo Município. o projeto será examinado no todo ou na parte alterada observando as disposições desta Lei Complementar e aquelas constantes do decreto de aprovação expedindose então o novo alvará. i) muro no perímetro externo do condomínio com altura mínima de 1. 437 . e poderá usar as partes e coisas comuns de maneira a não causar dano ou incômodo aos demais condôminos ou moradores.Sob nenhum pretexto será dado. a Prefeitura procederá a vistoria. § 3º . 438 . no Município de Rio do Sul. condicionados. Art.Não será permitido denominação assemelhada de arruamentos ou loteamentos.O condomínio é isento da obrigação de ceder 35% da área ao município para fins públicos. § 1º . 431 . bem como a aprovação da Prefeitura. Meio Ambiente e de Transito.O loteador deverá manter um profissional habilitado da forma da Lei.pela realização de ações apontadas na vistoria.As incorporações imobiliárias.Quando houver mudança substancial do projeto do loteamento. a Prefeitura executa-los-á e promoverá a ação competente para adjudicar ao seu patrimônio os lotes caucionados que se constituirão em bem público do município.pela aprovação através de laudo próprio. h) cópia do Termo de compromisso registrado em cartório. e deverão ser matriculados no Cartório de Registro de Imóveis em complemento ao projeto original. segundo suas conveniências e interesses. 433 . Parágrafo Único . e demais legislação pertinente.

. em extensão inferior a 100m(cem metros).No acesso particular: I .No balão de retorno dever-se-á obedecer a continuidade dos passeios ao longo da via. 446 .. deverão atender ao TITULO II Desta Lei e demais exigências legais. 445 . Art..As vias de circulação só poderão terminar nas divisas da gleba a lotear.. § 2º ..igual ou maior a: 20..00m (oito metros) para uso industrial. quando seu prolongamento estiver previsto na estrutura viária da Lei Complementar de Uso do Solo ou proposta da municipalidade. II ..altura de corte/aterro junto a divisas dos lotes superior a 3.volume de corte/aterro superior a 500. a ser arbitrada por fiscal de Obras.00 m (duzentos metros).arterial.para lotes onde terão edificações unifamiliares. VI . deverão atender ao TITULO II Desta Lei e demais exigências legais. longitudinais e dimensionamento das ruas serão definidas conforme hierarquização viária. Art. http://www...Deverão apresentar projetos com ART os serviços de terraplenagem que importarem em: I .LEISMUNICIPAIS.constituirá crime contra a ordem pública o descumprimento a este artigo. 442 . 444 .. Parágrafo Único .Informação legal em tempo real Página 73 de 164 Art. III .Os lotes para fins industriais e outros capazes de poluir as águas ou a atmosfera deverão obedecer as normas de controle de poluição ditadas pelos órgãos Estadual e/ou Federal competentes. informando o uso ao qual se destina..No balão de retorno permite-se acesso a lotes ou prolongamentos de vias limitado a 4 (quatro) lotes.. 441 .a infra-estrutura será de responsabilidade do proprietário do lote a que serve... devendo ser especificado em projeto e em memorial descritivo.o sistema viário não servirá para futuros desmembramentos e/ou loteamentos.00m(um metro) tanto para corte como aterro.. e dependerá de aprovação prévia da Prefeitura.. § 3º . ressalvada a hipótese de permuta.. 447 . Art... sujeito a averiguação do histórico dos registros pelo órgão competente.br/cgi-local/form_vig.Quando a rua sofrer serviços de terraplenagem a diferença entre o nível da rua e o nível do lote em qualquer ponto de sua testada não poderá ser superior a 2.local .www..para lotes onde terão edificações unifamiliares.. serão determinadas pelo órgão competente as condições que devem ser adotadas em cada caso.secundária. Parágrafo Único .. propondo ruas de diferentes dimensionamentos.. (Redação dada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 IV . (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 V . sujeito a sanções previstas nos Códigos Civil e Penal. 450 .Quando não houver previsão de continuidade da estrutura viária pela Lei Complementar de Uso do Solo esta deverá terminar com balão de retorno segundo anexo 02 que integra esta Lei Complementar.igual ou maior a: 30. em comprimento a 200.00m (um metro) IV . Art. definida pela Lei Complementar do Uso do Solo. não computando área de acesso.. atendendo apenas a um lote e sua área não será computada no tamanho mínimo do lote previsto para a zona em que se situa.Para loteamentos industriais o dimensionamento das vias deverá ser maior ou igual a 12.Os bens de domínio público..50m (três metros e cinqüenta centímetros) de largura para uso residencial unifamiliar e 8. Deverá ser executado na terraplenagem uma sobre largura de 1. Art.principal. somente perderão esta qualidade.br .A Prefeitura definirá no projeto de loteamento uma hierarquização viária própria.pl 02/09/2011 . porquanto persistir a irregularidade.. o acesso particular com dimensão mínima de 3.Para as ruas ou trechos de ruas em que se tenha a vencer diferença de nível apreciável e não permitido em rampa.00 m (dez metros).com... 449 .leismunicipais.00 m (doze metros)..00 m (doze metros). II ..0 m (dois metros)..00 m (vinte metros).... § 2º . podendo ser: I .. com testada mínima de acordo com o zoneamento... Art.. mediante Lei que lhe indique a nova destinação. IV ... 443 .00 m³ (quinhentos metros cúbicos).com. SEÇÃO II DAS VIAS DE CIRCULAÇÃO Art..o lote atendido deverá ter área 20% (vinte por cento) superior a exigida para a zona em que se situe.00 m (três metros) de altura...000 (mil UFM).00 m (trinta metros)..As vias que terminarem com um balão de retorno não poderão exceder..os lotes para uso industrial deverão prever pelo menos uma calçada em nível elevado +14cm (mais quatorze centímetros) em pelo menos um lado com largura mínima de 1.. III . Art. II . § 1º .. 448 .igual ou maior a: 10.igual ou maior a: 12.. bem como a multa diária no valor de 50 (cinqüenta UFM) a 1.Em casos específicos. § 1º .A abertura de qualquer via ou logradouro público deverá obedecer às normas desta Lei Complementar.Na área urbana as seções transversais.. Art. em caráter excepcional.o acesso particular será permitido somente uma vez para cada imóvel.

459 . devendo a partir desta inclinação serem utilizadas escadas. 463 . Art.se a área destinada a rua for indenizada pelo município o(s) proprietário(s) quando for parcelar cederá ao município área mínima de 35% (trinta e cinco por cento) previstos no artigo 406. em número mínimo correspondente a uma muda para cada 160.0m(seis metros) de intersecção em rodovias.A concordância dos alinhamentos de dois logradouros projetados entre si ou existentes será feita por curva de raio ou tangente mínima de 3.00m (quarenta metros).Quando a Prefeitura abrir ruas projetadas ou previstas na Lei Complementar do Uso do Solo. § 3º .As vias projetadas e previstas.00m (três metros) para o sistema viário local e 6. 452 .00 m (cem metros). Art. § 1º . deverão ser ligadas por tangente de comprimento mínimo de 30. as quadras normais não poderão ter comprimento ou largura superior a 200.br/cgi-local/form_vig. 456 . projetadas ou previstas e harmonizar-se com a topografia local. b) as curvas reversas evitadas no possível e se existentes.Os loteamentos com testada para as rodovias BR-470 e SC-302 deverão ter licença e acessos previamente concedidos e aprovados pelo DNIT ou DEINFRA. 462 . dando-se preferência a espécies florestais nativas.www. sob pena de serem indeferidos.As vias do loteamento deverão articular-se com as vias adjacentes oficiais.Na elaboração do projeto das vias públicas deverão ser observadas: a) ângulo de intersecção igual ou superior a 60o (sessenta graus).O plantio obedecerá às normas e indicações do Departamento de Meio Ambiente.Na execução de loteamento é obrigatório o plantio de mudas de árvores. 458 . antes de sua denominação oficial. SEÇÃO III DAS QUADRAS Art. Art. Art.com.Informação legal em tempo real Página 74 de 164 Art. ainda que pela sua função e características possa ser considerada de categoria inferior.Os acessos de que trata este artigo deverão ser sinalizados.LEISMUNICIPAIS. em áreas livres mesmo tratando-se de desmembramento. e deverão ser observadas quando da aprovação de um projeto de parcelamento. 455 .Na área urbana.Nos cruzamentos das vias os alinhamentos deverão corresponder a largura mínima das calçadas.A identificação das vias e logradouros públicos. 457 . Art. 465 . salvo quando para incorporar no traçado do Sistema Viário existente desde que não ultrapasse o dobro desta exigência e determinado pela Secretaria de Planejamento.Projeto de arborização descriminará o número de mudas de árvores a serem plantadas nas calçadas com largura mínima de 2. existentes.A divisão das vias de circulação em pistas de rolamento e calçadas deverá obedecer ao dimensionamento proposto na Lei Complementar de Uso do Solo ou definidos pela Secretaria de Planejamento.5% (meio por cento). 464 .com. estão definidas na Lei Complementar do Uso do Solo. com extensão não superior à 100. Art.As vias destinadas a pedestres deverão possuir largura mínima de 4. conforme o ângulo de intersecção das mesmas.se a área destinada a rua for doada esta será passível de dedução da área mínima de 35% (trinta e cinco por cento) previstos no artigo 406. serão os taludes. Art. e terem tratamento paisagístico adequado conforme normas estabelecidas pelo DNIT ou DEINFRA.pl 02/09/2011 . 453 . Art. e a declividade mínima não poderá ser inferior à 0. sendo obrigatória a colocação de tutor. Art. só poderá ser feita por meio de letras.A largura de uma via que constituir prolongamento de outra já existente ou constante de plano já aprovado pela Prefeitura.leismunicipais.00m (trinta metros). 451 . 460 . podendo atingir até 25% (vinte e cinco por cento) em trechos localizados.00m (dois). Parágrafo Único . não poderá ser inferior à largura desta. junto ao trecho aberto será: I . amarrilhos e protetores padronizados. Parágrafo Único . Art. para assegurar a continuidade do sistema viário geral da cidade.As mudas de árvore a que refere este artigo devem ter pelo menos 1. em corte 2 horizontal e 3 vertical e em aterro 3 horizontal e 2 vertical. Art. a relação com o proprietário para efeitos de parcelamento.00m (um metro) de altura. 461 . SEÇÃO IV DA ARBORIZAÇÃO Art.00 m (quatro metros) e rampa máxima de 10% (dez por cento). II .00 m (duzentos metros) ou inferior a 40. SEÇÃO V DOS LOTES http://www.Nas vias de circulação cujo leito não esteja ao mesmo nível dos terrenos marginais.br . 454 . § 2º .Todo projeto de loteamento deverá incorporar no seu traçado viário os trechos que a Prefeitura indicar. Art. nos jardins e em outras áreas adequadas.A declividade máxima permitida nas vias de circulação será de 20% (vinte por cento).00m² (cento e sessenta metros quadrados) ou fração da área total destinada ao loteamento.

00 m|900.00 m| 80. respeitando a largura mínima prevista do art. Industrial e Preservação Controlada (P2).pl 02/09/2011 .00 m²| |-----------|-------|------------|---------| |30% a 45% |25.os imóveis com testada para as ruas descritas nos incisos deste parágrafo poderão ter seu lote mínimo reduzido para 500.00 metros para lotes com declividade de 21% a 29% e 30. exceto na Urbanização Controlada (tabela 02).com. TABELA 01 __________________________________________ |Aclividade |Testada|Profundidade| Área | |Declividade|Mínima | Mínima | Mínima | |===========|=======|============|=========| |Até 20% |12.com. respeitando a testada mínima de 17.00 m| 50.Para casos de desmembramentos.O lote mínimo para subzona Ind e Urbanização Controlada deverá obedecer a tabela 02.00 m| 50. IV .O lote mínimo para subzona Ind e Expansão Urbana.br/cgi-local/form_vig. 467 . III . as medidas da testada e profundidades mínimas poderão ser invertidas desde que mantida a área mínima e conforme parecer favorável do órgão municipal de planejamento.00 m²| |-----------|-------|------------|-----------| |21% a 29% |45.00 metros para lotes com declividade entre 30% e 45%.00 m|3. 468 . 468 .leismunicipais.00 m²| |-----------|-------|------------|---------| |30% a 45% |25. 23.00 m| 30.00 m|900.00 m|1. 444 ao art.00 m| 20.00 m| 30.00 m| 60.00 m|300.00 m|5.00 m²| |-----------|-------|------------|-----------| |30% a 45% |60.Alfredo Swaroswsky (Bela Aliança). exceto nas sub-zonas Expansão Urbana.00 m²| |-----------|-------|------------|---------| |21% a 29% |15.000.br .LEISMUNICIPAIS.00 m| 20.00 m²| |-----------|-------|------------|---------| |21% a 29% |15. 461: I . Parágrafo Único .00 m²| |___________|_______|____________|___________| (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art.O tamanho mínimo dos lotes deverão obedecer a Tabela 01.000.000.000. O parcelamento será permitido desde que seja reservada área de acesso à Área Remanescente. 467 .00 m|450. Art.www.00 metros para lotes com declividade até 20%. http://www.00 m²| |___________|_______|____________|_________| (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Art.Expedicionário Aleandro Stédille (Valada Itoupava). 466 .00 m| 20. TABELA 01 __________________________________________ |Aclividade |Testada|Profundidade| Área | |Declividade| Mínima| Mínima | Mínima | |===========|=======|============|=========| |Até 20% |12.Prefeito Luiz Adelar Soldatelli (Valada São Paulo).A área e testada mínima dos lotes será calculada em função da aclividade ou declividade máxima predominante no lote.500.00 m| 20. deverá obedecer a tabela 02.00 m|1. TABELA 02 ____________________________________________ |Aclividade |Testada|Profundidade| Área | |Declividade|Mínima | Mínima | Mínima | |===========|=======|============|===========| |Até 20% |30.00 m|5.Júlio Schlupp (Bela Aliança).00 m².00 m| 80. TABELA 02 ____________________________________________ |Aclividade |Testada|Profundidade| Área | |Declividade| Mínima| Mínima | Mínima | |===========|=======|============|===========| |Até 20% |30.00 m|3. independente das rampas dos logradouros.00 m²| |-----------|-------|------------|-----------| |21% a 29% |45. II .O tamanho mínimo dos lotes deverão obedecer à tabela 01.00 m|300.Informação legal em tempo real Página 75 de 164 Art.00 m|450.500.00 m²| |___________|_______|____________|___________| Parágrafo Único .00 m²| |-----------|-------|------------|-----------| |30% a 45% |60.00 m²| |___________|_______|____________|_________| (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art.00 m| 60.

As medidas das faixas para rios e ribeirões.Os lotes de esquina terão uma de suas testadas acrescidas em 30% (trinta por cento) e suas áreas mínimas acrescidas em 20% (vinte por cento) em relação ao mínimo exigido para a zona em que se localiza. 477 .Rua Gustav Hasse (Bairro Bela Aliança) (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 Art.leismunicipais.00 m (quatro metros) em relação aos terrenos limítrofes.com. V . conforme a tabela abaixo: __________________________________________________ |Área da Bacia Hidrográfica| Faixa de Preservação | | (Hectares) | Permanente a partir | | |de cada margem (metros)| |==========================|=======================| |Até 10 |5 | |--------------------------|-----------------------| |10 a 20 |7 | |--------------------------|-----------------------| |20 a 40 |10 | http://www. conforme declaração da CELESC: IV .00 m| 60. Art. Art. 472 . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 VIII . exceto o Calçadão Osni José Gonçalves.Nenhum lote terá como testadas principais vias de circulação exclusiva para pedestres.LEISMUNICIPAIS. sendo que.(Revogado pela Lei Complementar 172.sob as linhas de alta tensão. III . Art. 172 de 04 de setembro de 2007).O lote mínimo nas sub-zonas P2. 471 .br .Informação legal em tempo real Página 76 de 164 V . salvo quando for possível a implantação inscrita de um lote.00 m|3. 478 .com.00 m|5. (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 Art. Art.00 m|7. II .É de inteira responsabilidade do descaracterizador das condições naturais dos lotes.www. os danos causados aos vizinhos decorrentes de sua interferência. Art.Estrada Valada Albertina. de acordo com as tabelas e dimensões em relação ao zoneamento local. 470 .Os lotes serão identificados por meio de números. TABELA 03 ____________________________________________ |Aclividade |Testada|Profundidade| Área | |Declividade| Mínima| Mínima | Mínima | |===========|=======|============|===========| |Até 20% |30. Art.faixa paralela a Faixa de Domínio da BR 470 com 15. para cada lado.500. 473 . 474 . Estas faixas serão proporcionais a bacia hidrográfica contribuinte. desde que para fins de unificação e remembramento.Os lotes de forma irregular terão sua profundidade mínima de acordo com as tabelas e dimensionadas em relação ao eixo perpendicular da metade de sua testada.(Revogado pela Lei Complementar 172.00 m²| |___________|_______|____________|___________| (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 Art. VI . Parágrafo Único . 469 .000. desde que com aprovação de uso pela Prefeitura.Este artigo não se aplica a ruas existentes por ocasião da aprovação da presente Lei Complementar.Para locação de equipamentos urbanos e serviços públicos será permitido o Parcelamento do Solo com áreas inferiores às fixadas por esta Lei Complementar.Rua dos Vereadores (Valada Itoupava). SEÇÃO VI DAS FAIXAS "NON AEDIFICANDI" Art.00 m| 80.000. deverá obedecer a tabela 03.Nos fundos dos vales e talvegues será obrigatória à reserva de faixas sanitárias para escoamento de águas pluviais e de rede de esgotos.a fração cedida para o raio de concordância .Rua João Ledra (Taboão).00 m²| |-----------|-------|------------|-----------| |30% a 45% |60. os serviços de escora de taludes em corte deverão ter gabarito de 2 horizontal e 3 vertical e em aterro de 3 horizontal e 2 vertical.Será permitido o Parcelamento do Solo de imóveis com testada para as vias de pedestres.Não serão computados na área mínima do lote as faixas "non aedificandi" e de preservação permanente.pl 02/09/2011 .00 m²| |-----------|-------|------------|-----------| |21% a 29% |45. definidas nesta Lei Complementar e nos lotes de esquina.br/cgi-local/form_vig. que venham a ser transformadas pelo Poder Público em vias exclusivas para pedestres (calçadões). e VII . § 1º .00 m| 50. 476 .Para efeito desta Lei Complementar consideram-se como faixas "non aedificandi" o que segue: I . os muros não poderão sob hipótese alguma atingir altura superior a 4. 172 de 04 de setembro de 2007). § 2º . 475 .00 m (quinze metros) de largura. atendendo às exigências mínimas do zoneamento ao qual se localiza. deverão obedecer às determinações conforme ANEXO 01.A topografia natural dos lotes deverá ser mantida sempre que possível.

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 77 de 164

|--------------------------|-----------------------| |40 a 80 |15 | |__________________________|_______________________| (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172

VI - Nos arruamentos dos terrenos marginais a cursos d`água, será exigido em cada margem uma faixa "non aedificandi" definida nesta Lei Complementar, exceto os de interesse do município. VII - Para efeito desta Lei Complementar consideram-se como faixas "non aedificandi" o que segue: a) toda área abaixo da cota emergencial, sendo definida em 334,08m acima do nível do mar; b) faixa paralela a estrada Blumenau (trecho compreendido entre a Travessa Paulo Ledra e Rua João Ledra com a extensão de 14,50m a partir do eixo para cada lado; c) faixa paralela a Estrada Blumenau e Rua Conselheiro Willy Hering com a extensão de 10,00m a partir do eixo para cada lado; d) faixa paralela a Travessa Paulo Ledra, trecho entre a Av Oscar Barcelos e ponte Ministro Mário Andreazza com extensão de 20,00m, sendo que 8,50m a partir do eixo para o lado esquerdo e 11,50cm a partir do eixo para o lado direito (considerando-se como lado direito o da esquina com a rua Dom Bosco); e) faixa de 15,00m paralela para a Avenida Gov Ivo Silveira partindo do eixo para cada lado; f) faixa paralela a Estrada da Madeira e rua Clemente Demarch de 10,00m a partir do eixo para cada lado; g) faixa de domínio da RFFSA em toda área existente no município. Parágrafo Único - A cota emergencial 334,08m acima do nível do mar definida no item I, servirá como marco inicial de referência para cumprimento do inciso V. Art. 479 - As faixas "non aedificandi" são de posse do proprietário do terreno, podendo este utilizá-la desde que não com edificação. § 1º - Na faixa "non aedificandi" é vedada qualquer edificação. § 2º - As faixas "non aedificandi" poderão ser isentas de imposto territorial, mediante requerimento interessada, com respectivo levantamento topográfico elaborado por profissional habilitado na forma da lei. da parte

SEÇÃO VII DAS REFERÊNCIAS DE NÍVEIS

Art. 480 - Todos os Parcelamentos do Solo deverão estar amarrados em relação aos marcos de referência estabelecidos na cidade segundo levantamento realizado pela Prefeitura. Parágrafo Único - São considerados os seguintes marcos bem como suas cotas:

_______________________________________________________________ |Nº| Local | Cota | |==|===================================================|========| |01|Escola Willy Hering (pilar na entrada) | 334,441| |--|---------------------------------------------------|--------| |02|Escola Barra Itoupava (lado esquerdo do prédio) | 335,862| |--|---------------------------------------------------|--------| |03|Escola Luis Ledra -Taboão(lado esquerdo na entrada)| 335,383| |--|---------------------------------------------------|--------| |04|Ponte Ribeirão Itoupava (lado direito cabeceira) | 348,845| |--|---------------------------------------------------|--------| |05|Cabeceira da Ponte Ivo Silveira (lado esquerdo sen-| 339,768| | |tido centro/trevo) | | |--|---------------------------------------------------|--------| |06|UNIDAVI (lado direito da entrada) | 339,395| |--|---------------------------------------------------|--------| |07|CSU Boa Vista (parte mais alta do prédio) | 458,598| |--|---------------------------------------------------|--------| |08|Igreja Bairro Canoas (lado da porta) | 336,337| |--|---------------------------------------------------|--------| |09|Igreja da Rua XV de Novembro(lado direito escadar.)| 342,166| |--|---------------------------------------------------|--------| |10|Igreja Fundo Canoas ( lado direito da Torre) | 347,394| |--|---------------------------------------------------|--------| |11|Igreja Barra do Trombudo (lado esquerdo do prédio) | 338,569| |--|---------------------------------------------------|--------| |12|SENAI (lado do mastro da bandeira) | 337,383| |__|___________________________________________________|________|

SEÇÃO VIII DAS OBRAS E SERVIÇOS EXIGIDOS

Art. 481 - Nenhum loteamento poderá prejudicar o escoamento natural das águas nas respectivas bacias hidrográficas. As obras para drenagem superficial deverão ser executadas obrigatoriamente nas vias públicas ou em faixas reservadas para esse fim. Art. 482 - Os cursos d`água não poderão ser aterrados ou tubulados sem projeto aprovado pela Prefeitura com Licença Ambiental Prévia. Deverão ser apresentados como documentos: projetos, memorial de cálculo e ART de projeto e execução.

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 78 de 164

§ 1º - Para a modificação das tubulações fica facultado a apresentação da Licença Ambiental Prévia, apresentando os demais documentos supracitados. § 2º - Quando o projeto influenciar a extrema do imóvel, será necessário inclusive a assinatura dos extremantes reconhecida em cartório. § 3º - Desde o início dos projetos até a implantação total da drenagem, ficará a encargo do proprietário sem que haja ônus ao município. § 4º - A Secretaria de Planejamento, através da análise do projeto, poderá solicitar modificação no projeto apresentado ou até mesmo indeferi-lo, com argumentos fundamentados. ao proprietário qualquer

§ 5º - A faixa "non aedificandi" será obtida através de um "trapézio" que é diretamente proporcional ao diâmetro do tubo, sendo que nunca será inferior a 3,50 m (três metros e cinqüenta centímetros), apresentado no ANEXO 03. Art. 482 A - A faixa de terras sobre a qual estiverem instaladas tubulações ou galerias de águas pluviais ou de cursos d´água naturais desviados para propriedade particular pelo Poder Público Municipal não será considerada "non aedificandi" desde que, concomitante: I - Seja editada, pelo Poder Público Municipal, Lei Complementar que reconheça esta condição. II - Esteja caracterizada a viabilidade técnica de edificação com garantia do acesso a rede pública pluvial, que será analisada pela Secretaria de Planejamento e Urbanismo e Meio Ambiente com base no projeto arquitetônico e no projeto estrutural apresentado a ser executado. III - O proprietário do imóvel renuncie o seu direito à indenização decorrente da servidão de passagem de tubulação instituída com limitação de uso, pela supressão do impedimento administrativo de edificar aquela faixa em questão. (Redação acrescida pela Lei Complementar 184/2008) 184 Art. 483 - O poder executivo poderá baixar normas e especificações adicionais para a execução dos serviços e obras exigidos por esta Lei Complementar.

CAPÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS

Art. 484 - Fica sujeito à multa correspondente a 1.000 (mil) UFM, aplicada por Fiscal de Obras, todo aquele que, a partir da data da publicação da presente Lei Complementar, efetuar parcelamento do solo sem prévia autorização da Prefeitura. § 1º - A reincidência específica da infração acarretará ao responsável pela obra, multa no valor do dobro da inicial. § 2º - O pagamento da multa não eximirá o responsável do cumprimento das disposições da presente Lei Complementar. Art. 485 - Não serão fornecidos Alvarás de Licença para construção, reforma ou demolição, em lotes resultantes de parcelamentos não aprovados pela Prefeitura. Art. 486 - Nenhum benefício do poder municipal será estendido a terrenos parcelados sem a prévia aprovação da Prefeitura, mormente os que concernem a revestimento, pavimentação ou melhoria das vias públicas, canalização de rios, córregos ou valeteamentos, limpeza urbana, serviços de coleta de lixo, de iluminação, serviços de transportes coletivos, emplacamento de logradouros ou numeração predial. Art. 487 - O parcelamento constituído sem autorização municipal implicará na notificação para pagamento de multa prevista nesta Lei Complementar e fixação de prazo para regularização da situação do imóvel, ficando proibida a continuação dos trabalhos. Parágrafo Único - Para o cumprimento do auto de infração poderá ser solicitado, se necessário, o auxílio das autoridades judiciais e policiais do Estado. Art. 488 - São passíveis de punição a bem do serviço público, os servidores da Prefeitura que, direta ou indiretamente, fraudando o espírito da presente Lei Complementar, concedam ou contribuam para que sejam concedidos licenças, alvarás, certidões, declarações ou laudos técnicos irregulares ou falsos. Art. 489 - Nas desapropriações, não se indenizarão irregulares e os lotes serão considerados como glebas. as benfeitorias ou construções realizadas em parcelamentos

Art. 490- Os parcelamentos matriculados ou não no Cartório de Registro de Imóveis, sem a aprovação da Prefeitura em época anterior a presente Lei Complementar e que já tenham sido alienados ou compromissados a terceiros, no todo ou em parte, serão examinados pela Secretaria de Planejamento, Urbanismo e Meio Ambiente, a qual verificará se os mesmos possuem condições mínimas para serem aprovados, principalmente no que concerne à situação e localização das vias públicas e dimensões de lotes. § 1º - O proprietário apresentará mapa e histórico demonstrando a situação do parcelamento. § 2º - A Secretaria de Planejamento, Urbanismo e Meio Ambiente, procederá a estudos para adaptações, dentro das possibilidades, às normas da presente Lei Complementar. § 3º - O parecer emitido pela Secretaria de Planejamento, Urbanismo e Meio Ambiente, será examinado pela Procuradoria Jurídica, e se aprovado, expedirá o alvará de licença, fixando todas as exigências acordadas. § 4º - O proprietário deverá exercer as condições deste artigo no prazo de 6 (seis) meses após a aprovação desta Lei Complementar. Art. 491 - Nos loteamentos, antes do início de qualquer obra, deverá ser afixada, em local visível na entrada, placa contendo nome do loteamento, do proprietário, da empresa ou responsável técnico, número e data do ato da Prefeitura que aprovou a obra e, antes do início da venda dos lotes, o número do registro do Cartório de Registro de Imóveis.

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 79 de 164

Art. 492 - Os proprietários de loteamentos, existentes até o início da vigência da presente Lei Complementar, e que não preencham os seus requisitos, deverão apresentar o respectivo projeto para ser analisado pela Prefeitura, através de seu setor competente. Art. 493 - Os valores constantes na presente Lei Complementar serão corrigidos mensalmente, de conformidade com a variação percentual da Unidade Fiscal Municipal (UFM). Art. 494 - Fica revogada a Lei Complementar nº 8/95, suas alterações e todas as demais disposições em contrário.

TÍTULO IV CÓDIGO DE USO DO SOLO CAPÍTULO ÚNICO DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art. 495 - O Uso e Ocupação do Solo do Município de Rio do Sul será regido por esta Lei Complementar e pelas Leis Complementares de Edificações, Posturas, de Diretrizes Urbanísticas e Parcelamento do Solo.

SEÇÃO I DOS OBJETIVOS

Art. 496 - A presente Lei Complementar referente ao Uso e Ocupação do Solo, tem como objetivos: I - estabelecer critérios de ocupação e utilização do solo do município de Rio do Sul, tendo em vista o equilíbrio e a coexistência das relações do homem com o meio ambiente e das atividades que os permeia; II - promover, através de um regime urbanístico adequado, a qualidade de valores estético-paisagístico-naturais ou culturais próprios da região e do município; III - prever e controlar densidades demográficas e de ocupação do solo urbano, como medida para a gestão do bem estar público e da oferta de serviços públicos, compatibilizados, com um crescimento ordenado; IV - compatibilizar usos e atividades diferenciadas, complementares entre si, dentro de determinadas frações do espaço urbano; V - impedir a ocupação de locais inadequados que coloquem em risco os recursos naturais e a segurança da população; VI - evitar o crescimento desordenado e os chamados vazios urbanos, geradores de alto custo de urbanização; VII - assegurar e orientar a ocupação efetiva e o adensamento populacional das áreas urbanizadas, assim como as áreas prioritárias para urbanização, de forma a racionalizar os recursos disponíveis para infra-estrutura; VIII - proporcionar em toda zona urbana os espaços necessários para instalação de equipamentos comunitários básicos com maior eficácia social e maior eficiência econômica para atender a população atual e futura; IX - compatibilizar e coordenar objetivos e ações municipais com os objetivos e ações estaduais e federais; X - compatibilizar a ocupação das edificações sobre lotes urbanos de forma que não se prejudiquem; XI - hierarquizar as vias urbanas segundo sua destinação de uso possibilitando a rápida e eficiente circulação de pessoas e veículos, facilitando a integração da população residente; XII - intensificar o adensamento das regiões bem servidas de infra-estrutura e equipamentos para otimizar o seu aproveitamento; XIII - facilitar a convivência com as cheias dos rios através da expansão da cidade para regiões livres de enchentes ou pela verticalização controlada de algumas áreas já consolidadas através de limitações à ocupação nas áreas mais baixas; XIV - proteger o meio ambiente e com ele o ser humano, de qualquer forma de degradação ambiental; XV - criação de subcentros nos bairros incentivando atendimento local e descentralizado.

SEÇÃO II DAS DEFINIÇÕES

Art. 497 - Para efeito de aplicação da presente Lei Complementar, são adotadas as seguintes definições: ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Academia - Espaços destinados a lazer, ginástica e aprendizado. Acesso particular - prolongamento de área que parte do lote urbano para acessar a via pública, nunca inferior a 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros) de largura para uso residencial e 8,0m(oito metros) para uso industrial. Aclividade - Diferença altimétrica entre dois pontos em que o 2º ponto esta acima do ponto de referência. Afastamento - Distância entre o extremo da construção e as divisas dos lotes podendo ser: frontais, laterais e fundos. Alinhamento - A linha divisória entre o terreno de propriedade particular e a via ou logradouro público.

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

Arquitetura e Agronomia. excluídas as áreas urbanas e de Urbanização Controlada. CREA .Aviso de Recebimento.Obra feita sem prévia aprovação do projeto ou sem alvará de licença.Departamento Estadual de Infra-Estrutura. órgão extinto. Declividade . método este que utiliza princípios de engenharia para confinar os resíduos sólidos a menor área possível e reduzi-los ao menor volume permissível.Conselho Regional de Engenharia. Área rural . Normalmente em nível mais elevado. prolongamento ou modificação de vias existentes. também entendido como shopping center quando de grande porte.Documento expedido pela Prefeitura que autoriza a execução de obra sujeita a sua fiscalização. está abaixo do ponto de referência.Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes.Diferença altimétrica entre dois pontos em que o segundo ponto. constituída de passeio (destinado a pedestres) excepcionalmente com ciclovia(destinada a ciclistas) e faixa de arborização.br/cgi-local/form_vig.com. composto por um conjunto de lojas ou salas. a segurança e o bem estar da população. e funcionamento Documento expedido pela Prefeitura que autoriza o funcionamento de uma Ampliação .pl 02/09/2011 . Conservação . que é facilmente alagável. . desde que com afastamento à edificação existente inferior a 3. causada por qualquer forma de energia ou substância sólida.Linha de projeção de um ângulo de 70 (setenta graus) medido a partir do eixo da via até o ponto mais elevado da fachada. Degradação ambiental . sucedido pela Secretaria de Desenvolvimento Regional. minimizando os impactos ambientais. NB-843.Área coberta contendo apenas as colunas de sustentação de uma edificação. Alvará de localização determinada atividade. Cota emergencial . b) criar condições adversas às atividades sociais e econômicas.Áreas destinadas a espaços comerciais.leismunicipais. acima da cota emergencial constante do levantamento do órgão local de defesa civil. DNIT . Área construída . Centro comercial .Ato administrativo que corresponde ao Habite-se. Construção clandestina .Cota determinada em 334.Obra de infra-estrutura ou melhoramento feito num determinado local. Canteiro .Técnica de disposição de resíduos sólidos urbanos no solo.Área sujeita a inundação.A soma das áreas dos pisos utilizáveis cobertos ou não.parte da via pública vedada a trânsito de veículos. excluídas as áreas urbanas e de expansão urbana.Obra de reparo.00 m. Auto de infração . Divertimento público . c) ocasionar danos relevantes à flora. cobrindo-os com uma camada de terra na conclusão de cada jornada de trabalho. Art. DEINFRA .Anotação de Responsabilidade Técnica.Departamento Nacional de Produção Mineral.08 m (trezentos e trinta e quatro metros e oito centímetros) em relação ao nível no mar. Consulta de viabilidade .São os realizados em vias públicas. Área rural .com.Informação legal em tempo real Página 80 de 164 Alvará de construção .br . mobiliária urbano. com aproveitamento do sistema viário existente sem abertura.Alargamento dos logradouros sem saída (becos) para manobras de veículos. químicas e biológicas do meio ambiente. gasosa ou combinação de elementos produzidos por atividades humanas ou delas decorrentes em níveis capazes de direta ou indiretamente: a) prejudicar a saúde.www. Aterro sanitário de resíduos sólidos urbanos . DNOS .É o instrumento por meio do qual a autoridade apura a violação das disposições das Leis e Decretos Municipais. Aprovação da obra .Departamento Nacional de Obras e Saneamento. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Área sob pilotis . sem causar danos a saúde pública e a sua segurança. de todos os pavimentos de uma edificação. Área útil . à fauna e outros recursos naturais. AR . ou a intervalos menores se for necessário. não importando em acréscimo de área construída.É a alteração das propriedades físicas.Toda área do município.LEISMUNICIPAIS.Área que corresponde a área utilizável de uma edificação. excluindo-se a área ocupada com paredes e estruturas. ou em recintos fechados de livre acesso ao público.Questionamento a autoridade competente para a realização de ações referente ao Uso do Solo. Cota inundável de cheia máxima .Toda área do município. Benfeitoria . DNPM . Calçada . Cone de sombreamento . http://www. Balão de retorno .Alteração no sentido de tornar maior a construção. Desmembramento .Área destinada a ajardinamento junto ou não com os passeios públicos.É a subdivisão da área em lotes destinados a edificação. sinalização e outros fins. visando apenas conservar o valor de uma construção ao longo do tempo.

saúde. caça e minas. Garagem . Filtro Anaeróbio . um comércio. rede e coleta de esgoto. Especificação . Fossa Séptica .leismunicipais. bens ou equipamentos. Galeria . pequena cozinha. .Unidade de tratamento biológico do efluente da fossa séptica de fluxo ascendente em condições anaeróbias.Subdivisão de gleba em lotes destinados à edificações. . lazer.pólvora e algodão-pólvora. equipamentos públicos ou de utilidade pública.fulminatos. Habite-se . de abrangência nacional. segurança e assistência social.Construção destinada ao estacionamento de veículos. a estabilidade das construções próximas ou quando houver prejuízo a higiene e a saúde pública. destinada ao tratamento de esgotos.www. bens de terceiros. estabelecido pela FATMA.CELESC. http://www. Kitchenette/Kitinete . Equipamentos comunitários . Loja . Embargo . área do lote.com. Obra de ampliação . modificação ou prolongamento de vias e logradouros.Toda parcela de território de propriedade pública e de uso comum da população.nitroglicerina seus componentes e derivados.Nível de degradação ambiental. Loteamento . cultura.Informação legal em tempo real Página 81 de 164 Edifício garagem .Índice que determina a área máxima de construção permitida quando multiplicado pela área do terreno. É calculado pela seguinte fórmula: IA IA AC AL = = = = AC/AL Onde: índice de aproveitamento. Interdição . rede de energia elétrica. com abertura.com. Equipamentos urbanos .LEISMUNICIPAIS. C-alto.Espaço destinado a compra e venda de mercadorias. B-médio.Determinação de paralisação imediata de uma obra quando constatada ausência ou desobediência ao projeto aprovado ou risco de estabilidade com perigo para pessoas. .Aumento da área construída de edificação existente.Área de terreno onde não é permitida a construção. forminatos e congêneres. rede de gás canalizado e equipamentos de coleta e armazenagem de lixo.br .Porção de terreno com testada para via pública ou servido de acesso particular. EMBRATUR . além da circulação de pessoas.Consideram-se explosivos: .Material elaborado pelo CODIComitê de Distribuição. utilizado para fins comerciais. não necessariamente separada da sala. Se classifica em: A-pequeno.br/cgi-local/form_vig.Unidade residencial formado de sala. Estacionamento . representado em metros quadrados. Explosivos . banheiro. Lote mínimo .Permissão fornecida por autoridade competente para utilização da edificação após a sua conclusão. área verde.espoleta e estopins. rede de coleta de água pluvial.fogos de artifício.Altura máxima de uma edificação expressa em números de pavimentos. quarto ou conjugados.Construção destinada ao estacionamento veículos. Faixa "Non Aedificandi" . cloros.São os equipamentos públicos de abastecimento de água.Área destinada a condutores de dejetos. Faixa sanitária . rede telefônica. data março/90 .cartuchos de guerra. Guia de arborização (Coexistência dos Sistemas Elétricos de Distribuição e Arborização) .Espaço delimitado para estacionar um ou mais veículos. NDA .Descrição dos materiais e serviços indicados em projeto. . Lote . .Unidade de sedimentação e digestão de fluxo horizontal.Corredor interno de um edifício que faz ou não ligação entre duas ruas e que comporte. área construída. CRECI .pl 02/09/2011 .Empresa Brasileira de Turismo. Índice de aproveitamento . Logradouro .Conselho Regional de Corretores Imobiliários.São os equipamentos públicos de educação. Gabarito .Determinação da proibição de uso de parte ou da totalidade de uma área ou edificação quando constituir ameaça a segurança de pessoas.Porção mínima permitida de terreno líquido como resultado de processos de parcelamento (loteamento ou desmembramento) e remembramento. cuja meio filtrante mantém-se afogado.

Lotes não edificados servidos de infra-estrutura urbana. Sumidouro . Pista de rolamento . Visa dar a cada região a utilização mais adequada em função do sistema viário. Zoneamento . 498 .Os limites do perímetro urbano de Rio do Sul ficam definidos conforme anexo 01 . Parcelamento e Uso do Solo Urbano.leismunicipais. RFFSA .Uso indevido para a área proposta.Informação legal em tempo real Página 82 de 164 Obra de reparo .É a medida da parte do terreno representada em metros que faz frente para as vias de circulação.É quem violar o preceito das Leis. por cuja infração já tenha sido autuado e punido. Parede cega .Parte da via pública destinada a circulação e estacionamento de veículos.com. substituição dos materiais de acabamento ou remanejamento de estrutura. Uso Inadequado . Edificações. AL = área do lote.com. seguindo pela margem direita deste rio até encontrar o http://www.Entende-se por Perímetro Urbano a linha que separa a área do município destinada a atividades urbanas. Reincidente .É toda aquela que faculta a interligação das funções: habitação.A junção de dois ou mais lotes formando um novo lote.Parte da via de circulação ou logradouro destinado a circulação de pessoas. É calculada pela seguinte fórmula: TO = AP/AL . Passeio . UFM . Uso Tolerado . Parágrafo Único .www. Definido no anexo 03 desta Lei Complementar.Conjunto de Leis definidas pelas Leis Complementares de Posturas. trabalho e recreação. visando a adaptação de novo uso. AP = área de projeção da edificação.br .br/cgi-local/form_vig.índice que determina o valor máximo de ocupação considerando a projeção da edificação sobre o lote.Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima. acesso indireto. topografia e a infra-estrutura existente através da criação de zonas de uso e adensamento diferenciados. com a área destinada a atividades rurais.Mapa do Perímetro Urbano e Limites de Bairros. Remembramento . Penalidade .Vedação provisória feita em tábuas ou material similar para proteção de obras. ou aumentando seu valor locativo. Taxa de Ocupação . Via de circulação .Vaga de garagem ligada ao acesso de veículos somente através de outra vaga.Poço destinado a receber o efluente da fossa séptica e a facilitar sua infiltração subterrânea. desde que a face superior da laje de cobertura não ultrapasse a altura máxima de 1. Subsolo .Faixa de reserva indenizável destinada a futura ampliação do logradouro. no Rio Trombudo.Forma de uso previsto para a área em que se localiza. Perímetro urbano .Revista. Sala comercial .Pavimento não habitável.LEISMUNICIPAIS. parte integrante desta Lei. CAPÍTULO II DO ZONEAMENTO SEÇÃO I DA ÁREA URBANA Art.Espaço destinado a prestação de serviços comerciais. Vazio Urbano . inspeção por pessoa habilitada para tal.Conjunto ou sistema de penas impostas pela legislação.Melhoria em construção existente. Uso Permitido .Parede construída sem qualquer tipo de abertura.Onde: TO = taxa de ocupação (expressa em porcentagem). Vistoria . Plano Diretor . acima do nível do meio fio da(s) via(s) de acesso.Linha que separa a área urbana da área rural.Divisão da área urbana segundo seu uso. Testada .Unidade Fiscal Municipal. Recuos . Tapume . no ponto médio da(s) fachada(s) frontal(is).20m (um metro e vinte centímetros). Vaga bloqueada .pl 02/09/2011 . que deverá ser somada aos afastamentos exigidos.Permitido somente se ouvidas autoridades urbanísticas e com exigências extremamente rigorosas. mediante alteração da posição dos cômodos. e de acordo com a delimitação dos seguintes pontos: (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 DO PONTO 00 AO PONTO 01 Parte da divisa intermunicipal com Agronômica.

000.00 m (trezentos e cinqüenta metros) da intersecção com a Rua João Marchi.00 m (quatrocentos metros) da intersecção com a Estrada Boa Esperança. DO PONTO 08 AO PONTO 09 Partindo do ponto 8. seguindo o Ribeirão Cobras até atingir o ponto 17. situado a 200. DO PONTO 06 AO PONTO 07 Partindo do ponto 06. situado a 1. seguindo uma faixa de 700. distante 1. distante 700. DO PONTO 05 AO PONTO 06 Partindo do ponto 05. distante 1. situado na Rua Eugênio Marchi e a 350. seguindo uma faixa paralela de 200. DO PONTO 11 AO PONTO 12 Partindo do ponto 11. DO PONTO 17 AO PONTO 18 Partindo do ponto 17.leismunicipais.000.000.00 m (um mil metros) da Estrada Boa Esperança. seguindo uma faixa de 400. situado na intersecção do prolongamento da Estrada Braço das Cobras. DO PONTO 10 AO PONTO 11 Partindo do ponto 10.com.00 m (trezentos metros) paralela a Rua João Marchi até atingir o ponto 16. seguindo a direção norte até atingir o ponto 8.000.00 m (setecentos metros) da Estrada São Bento. 10 seguindo uma faixa paralela a BR-470 de 1.br . distante 200.00 m (um mil metros) até encontrar o ponto 11. conhecida também como Rua Rosseti. distante 400. DO PONTO 02 AO PONTO 03 Partindo do ponto 02.00 m (duzentos metros) da Rua dos Vereadores. seguindo uma faixa paralela a Rua dos Vereadores de 200. DO PONTO 01 AO PONTO 02 Partindo da foz do Rio Trombudo. situado na intersecção da Rua Alfredo Viebrantz com a Estrada Boa Esperança.000.br/cgi-local/form_vig. localizado no Ribeirão Cobras. seguindo em linha reta.000. cruzando o Rio Itajaí do Oeste e seguindo pela divisa intermunicipal com Laurentino até atingir o ponto 02. na sua foz.00 m (um mil metros) da BR-470.00 m (um mil metros) paralela a BR-470. na Estrada Braço Canoas. compreendendo os lotes que lhe derem testada. seguindo uma linha reta em direção ao ponto 05. segue uma faixa de 300. contornando os fundos do Loteamento COHAB 2 até atingir o ponto 15. DO PONTO 12 AO PONTO 13 Partindo do ponto 12. DO PONTO 13 AO PONTO 14 Partindo do ponto 13. 10 situado a 1. até encontrar o ponto 06. compreendendo http://www. situado a uma distância de 200.00 m (um mil e quinhentos metros) do ponto anterior e a 1. seguindo a direção leste até atingir o ponto 9 .00 m (duzentos metros) da intersecção da Rua dos Vereadores com a Estrada Itoupava.00 m (duzentos metros) a Estrada Itoupava até encontrar o ponto 14 distante 1.00 m (dois mil metros) do ponto anterior. na divisa intermunicipal.LEISMUNICIPAIS.350.www.00 m (setecentos metros) do eixo da BR-470. cruzando a Rua Prefeito Luiz Soldatelli e seguindo pela Rua Rosseti. DO PONTO 16 AO PONTO 17 Partindo do ponto 16.00 m (quatrocentos metros) paralela a Estrada Boa Esperança até atingir o ponto 7.00 m (um mil metros) do eixo da BR-470. em linha reta. com o referido Ribeirão. DO PONTO 09 AO PONTO 10 Partindo do ponto 9.00 m (duzentos metros) da referida intersecção.00 m (setecentos metros) paralela a BR-470 até encontrar o ponto 03.pl 02/09/2011 .00 m (duzentos metros) até encontrar o ponto 12.00 m (um mil trezentos e cinqüenta metros) do ponto anterior. DO PONTO 04 AO PONTO 05 Partindo do ponto 04. DO PONTO 15 AO PONTO 16 Partindo do ponto 15. distante 700.500.Informação legal em tempo real Página 83 de 164 ponto 01. seguindo uma linha reta pela Rua Alfredo Viebrantz.000.com. situado a 2. DO PONTO 14 AO PONTO 15 Seguindo uma faixa de 1. DO PONTO 07 AO PONTO 08 Partindo do ponto 7 .00 m (um mil metros) da BR-470. seguindo a direção sul até atingir o ponto 10. DO PONTO 03 AO PONTO 04 Partindo do ponto 03. seguindo em linha reta pelo limite estabelecido pelo Loteamento Miranda até encontrar o ponto 04. cruzando a intersecção da Rua dos Vereadores com a Estrada Itoupava até atingir o ponto 13.

seguindo uma faixa de 200.00m (setecentos metros) do eixo da Rua Conselheiro Willy Hering. (Redação dada pela Lei 25 Complementar nº 214/2010) 214 DO PONTO 24 B AO PONTO 24 C Partindo do ponto 24 B. até atingir o ponto 20. cruzando o Rio Itajaí-Açu e a Rua Conselheiro Willy Hering até encontrar o ponto 24. DO PONTO 18 AO PONTO 19 Partindo do ponto 18.00 m (cento e cinqüenta metros). situado a 200. 25 seguindo uma linha reta até a intersecção das Ruas Gustav Hasse e Otto Klug (incluindo os lotes que lhe derem testada). situado a 200.00m (quinhentos metros) ao eixo da Rua Conselheiro Willy Hering até o ponto 24 C. DO PONTO 19 AO PONTO 20 Partindo do ponto 19. DO PONTO 22 AO PONTO 23 Partindo do ponto 22. seguindo pela divisa intermunicipal.00m (duzentos metros) do eixo da Rua Júlio Schlupp.00 m (duzentos metros) da Rua Prefeito Luiz Soldatelli.00m (cinqüenta metros) a leste do eixo da Rua Ernesto Michelson até o ponto 24 B situado a 500.00m (duzentos metros) aos eixos das Ruas Júlio Schlupp e Gustavo Hasse até atingir o ponto 25. seguindo por uma faixa paralela de 200. seguindo em linha reta na direção sul até atingir o ponto 19.00 m (duzentos metros) a Rua Prefeito Luiz Soldatelli até atingir o ponto 21. seguindo uma faixa paralela de 200.00m (quinhentos metros) após a Rua Otto Klug.Informação legal em tempo real Página 84 de 164 todos os lotes que lhe derem testada.00 m (cem metros) na direção oeste.00m (duzentos metros) da interseção da Rua Gustavo Hasse com a Travessa Otto Klug. DO PONTO 20 AO PONTO 21 Partindo do ponto 20. situado a 150.00 m (duzentos metros) as Ruas Gustavo Hasse e Alfredo Swarowski até atingir o ponto 27.com. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 DO PONTO 24 A AO PONTO 25 Partindo do ponto 24 A. situado a 200. 25 situado a 200. até alcançar a distância de 200.00 m (duzentos metros) da intersecção com a Rua Gustav Hasse.00m (duzentos metros) ao eixo das Ruas Júlio Schlupp e Gustavo Hasse até atingir o ponto 25. (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 DO PONTO 24 A AO PONTO 24 B Partindo do ponto 24 A. situado a 200.00m (cinqüenta metros) a leste do eixo da rua Ernesto Michelson.leismunicipais. pela divisa municipal com Lontras. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 DO PONTO 24 AO PONTO 24 A Partindo do ponto 24. DO PONTO 21 AO PONTO 22 Partindo do ponto 21. seguindo pela última até atingir o ponto 26. cruzando o Rio Itajaí-Açú e a Estrada Blumenau até encontrar o ponto 24. seguindo uma faixa paralela de 50. 25 seguindo uma linha reta perpendicular a Rua Gustavo Hasse. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 DO PONTO 24 C AO PONTO 25 Partindo do ponto 24 C.00 m (oitocentos e cinqüenta metros) da Estrada Blumenau. seguindo uma faixa de 200. seguindo uma faixa paralela de 500.www. seguindo uma faixa paralela de 200.com. situado a 1000. situado à 50.00m (quinhentos metros) após a Rua Otto Klug (lado leste) (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205 DO PONTO 25 AO PONTO 26 Partindo do ponto 25.pl 02/09/2011 .00 m (um mil metros) paralela a BR-470 até atingir o ponto 22.00m (duzentos metros) ao eixo das Ruas Júlio Schlupp e Gustavo Hasse até atingir o ponto 25. (Acrescido pela Lei Complementar nº 107/2004) DO PONTO 24 C AO PONTO 25 Partindo do ponto 24 C.00m (duzentos metros) do lado oposto ao eixo desta.00 m (trezentos metros) da Rua Prefeito Luiz Soldatelli. segue uma faixa paralela de 700. paralela a Rua Rosseti numa faixa de 150.00 m (duzentos metros) da Rua Alfredo Swarowski e a 850.00 m (duzentos metros) da Estrada Blumenau. 500. situado a 700.00m (duzentos metros) de distância da mesma e 500. seguindo uma faixa paralela de 200. situado na divisa intermunicipal com Lontras. (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 DO PONTO 24 AO PONTO 24 A Partindo do ponto 24. na divisa intermunicipal com Lontras. DO PONTO 23 AO PONTO 24 Partindo do ponto 23. situado a 200. seguindo pela divisa intermunicipal. (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205 DO PONTO 26 AO PONTO 27 Partindo do ponto 26. seguindo uma linha reta de 100. a 200. situado a 200. DO PONTO 25 AO PONTO 26 Partindo do ponto 25.00 m (um mil metros) distante da BR-470. situado a 300.br/cgi-local/form_vig. até atingir o ponto 18.00m (duzentos metros) a leste do eixo da Rua Júlio Schlupp.00m (quinhentos metros) do eixo da Rua Conselheiro Willy Hering.br . seguindo uma faixa de 1000. seguindo a divisa intermunicipal com Lontras até o eixo da BR-470. http://www. 25 situado perpendicularmente a Rua Gustavo Hasse.00m (setecentros metros) ao eixo da Rua Conselheiro Willy Hering até o ponto 24 A.00 m (cento e cinqüenta metros) da Rua Rosseti.00m (duzentos metros) ao eixo da Rua Conselheiro Willy Hering até o ponto 24 A. DO PONTO 23 AO PONTO 24 Partindo do ponto 23.LEISMUNICIPAIS.

no limite intermunicipal com Aurora. no prolongamento da Rua Porto Seguro. prolongando-se até o ponto 33. seguindo pela margem direita do Rio Itajaí do Sul até o ponto 41. DO PONTO 33 AO PONTO 34 Partindo do ponto 33. seguindo uma linha reta até encontrar o ponto 28. situado a 450. 29 um curso d água situado 700.Informação legal em tempo real Página 85 de 164 DO PONTO 27 AO PONTO 28 Partindo do ponto 27. seguindo em linha reta. DO PONTO 34 AO PONTO 35 Partindo do ponto 34. DO PONTO 31 AO PONTO 32 Partindo do ponto 31.00 (cento e cinquenta) metros.br/cgi-local/form_vig. seguindo em linha reta até atingir o ponto 33. do eixo da Estrada dos Quintinos. seguindo por uma faixa paralela de 800.00 m (cento e cinqüenta metros) a Estrada dos Quintinos até o ponto 29.00m (trezentos metros) da Rua João Ledra. no prolongamento da Rua Guilherme Laubenstein. situado na margem direita do Rio Itajaí do Sul. situado no limite do referido Loteamento e a 500. DO PONTO 39 AO PONTO 40 Partindo do ponto 39. DO PONTO 35 AO PONTO 36 Partindo do ponto 35. no prolongamento do limite esquerdo do terreno da Escola Isolada Ribeirão Quintino. cruzando o Rio Itajaí do Sul e Estrada do Bom Fim até encontrar o ponto 42.www. no limite da Granja Fachini. cruzando o Ribeirão Taboão na Rua Evaldo Volkmann até atingir o ponto 35. seguindo numa faixa paralela de 300. 42 situado a 400. em linha reta. seguindo em direção oeste até atingir o ponto 37. seguindo pelo limite de fundos do Loteamento Mutirão Habitacional Altos da Rua XV de Novembro até atingir o ponto 38. situado no limite intermunicipal com Aurora. DO PONTO 30 AO PONTO 31 Partindo do ponto 30. seguindo em linha reta na direção oeste.br . DO PONTO 38 AO PONTO 39 Partindo do ponto 38.00 m (setecentos metros) ao sul da Escola Isolada Ribeirão Quintino. DO PONTO 36 AO PONTO 37 Partindo do ponto 36. DO PONTO 43 AO PONTO 44 Partindo do ponto 43. situado na intersecção do prolongamento da Rua Tocantins com o limite do desmembramento de Luiz Bianchet.00 m (trezentos metros) da Rua João Ledra e distante 1. situado a 300.00 m (cento e cinqüenta metros) da Estrada dos Quintinos.00 m (quatrocentos e cinqüenta metros) da intersecção das Ruas Chile e Guilherme Laubenstein.00 m (trezentos metros) as Ruas Evaldo Volkmann e João Ledra até atingir o ponto 36.LEISMUNICIPAIS.com. DO PONTO 29 AO PONTO 30 Partindo do ponto 29.00 m (trezentos metros) da referida Rua. situado no limite do Loteamento Mutirão Habitacional Altos da Rua XV de Novembro.00 m (cento e cinqüenta metros) a Estrada dos Quintinos até o ponto 31. (Redação alterada pela Lei Complementar nº 119/2004) 119 DO PONTO 28 AO PONTO 29 Partindo do ponto 28. distante 300. situado no final da Rua João Stolf.00 m (quinhentos metros) da SC-302.00 m (um mil duzentos e cinqüenta metros). DO PONTO 32 AO PONTO 33 Partindo do ponto 32. seguindo em linha reta na direção oeste. 29 seguindo pelo curso d água até atingir o limite da parcela de Norberto Frahm e o seu prolongamento situado a 150. do ponto anterior.00 m (trezentos metros) da referida Rua. situado a 300.00 m (trezentos metros) paralela as Ruas João Ledra e Evaldo Volkmann até o ponto 34. situado a 800 metros do eixo da Estrada Blumenau e a 150.250. cruzando a SC-302 até o ponto 40. situado na margem direita do Rio Itajaí do Sul. seguindo com uma faixa de 300. DO PONTO 42 AO PONTO 43 Partindo do ponto 42.leismunicipais. no talvegue existente no limite da Confecções Leal. situado a 300. seguindo em linha reta até atingir o ponto 32.00 m (quinhentos metros) a SC-302 até o ponto 39.pl 02/09/2011 . DO PONTO 40 AO PONTO 41 Partindo do ponto 40.com. seguindo por uma faixa paralela de 500. DO PONTO 37 AO PONTO 38 Partindo do ponto 37. seguindo uma faixa paralela de 150. seguindo uma faixa paralela de 150. 42 seguindo em uma linha reta passando pelo limite do Loteamento Panorama até encontrar o ponto 43. DO PONTO 41 AO PONTO 42 Partindo do ponto 41.00 m (oitocentos metros) a Estrada das Madeiras e Clemente http://www.00 m (quatrocentos metros) da Estrada Bom Fim.

Imaruí. com 200. conforme Anexo 01 .Com o Bairro Barragem por uma faixa de 50. Gravataí. seguindo intermunicipal com Agronômica.Com o LESTE . Guanabara.00 m (trezentos metros) da Rua João Ledra.00 m (duzentos metros) de comprimento. LESTE .br . BAIRRO BOA VISTA NORTE . seguindo por uma faixa paralela de 150.Açu. OESTE .www. passa a ser a seguinte: BAIRRO ALBERTINA NORTE . Porto Seguro e Geremias Medeiros. situado no divisor d água da divisa SEÇÃO II DOS BAIRROS Art. o limite do Perímetro Urbano e a divisa intermunicipal de Rio do Sul com Lontras. DO PONTO 44 AO PONTO 45 Partindo do ponto 44. 499 . São José. com 200. LESTE .Ruas Bom Sucesso.Com a BR-470.Com o Rio Itajaí do Sul. seguindo pelo prolongamento da Rua Bom Sucesso até a Rua São José a uma distância de 300.Com SUL .00 m (trezentos metros) da Rua Geremias Medeiros. 2 .00 m (trezentos metros) a Rua João Ledra. até encontrar o ponto 47 DO PONTO 47 AO PONTO 48 Partindo do ponto 47. parte da Rua Humaitá.Com o Bairro Laranjeiras. BAIRRO BREMER http://www.Pela Ladeira Paraná.00 m (cento e oitenta metros) paralela a Rua Guanabara até a intersecção com a Rua Porto Seguro. DO PONTO 49 AO 00 Partindo do ponto 49.Ruas Humaitá (trecho entre Ladeira Paraná até o prolongamento da Rua Bom Sucesso).Pelo limite de fundos do Loteamento Mutirão Habitacional Altos da Rua XV de Novembro e do prolongamento da Rua Porto Seguro até uma distância de 300. Ruas Gravataí. OESTE .00 m (duzentos metros) de comprimento.Com OESTE .leismunicipais. SUL . na divisa dos terrenos da Metalciclo com Armando Mazzi e Ingomar Bachmann com Augusto Mihe.Informação legal em tempo real Página 86 de 164 Demarch até encontrar o ponto 44. em linha reta até encontrar o ponto 48.Com a divisa intermunicipal de Rio do Sul com Agronômica. situado a 150. SUL .00 m (cento e cinqüenta metros) do eixo do lado posto da mesma rua. BAIRRO BARRAGEM NORTE . DO PONTO 45 AO PONTO 46 Partindo do ponto 45.00 m (trezentos metros) do prolongamento da Rua Geremias Medeiros. a delimitação dos bairros no município de Rio do Sul. BAIRRO BARRA ITOUPAVA NORTE . até encontrar o ponto 45. pelo talvegue existente antes do Mutirão Habitacional Altos da Rua XV de Novembro.Com o limite do Perímetro Urbano.00 m (cento e cinqüenta metros) a Rua Patrício Noveleto. SUL .00 m (cinqüenta metros) paralela e além da Rua Emilio Adami.Com o limite do Perímetro Urbano. pelo talvegue existente antes da Rua Otto Wetzstein e seu prolongamento até o Perímetro Urbano. LESTE . seguindo por uma faixa paralela de 150.br/cgi-local/form_vig. por uma faixa de 50.Com o Rio Itajaí do Oeste. seguindo numa faixa de 180.00 m (cinqüenta metros) paralela e anterior a Rua Emilio Adami. SUL .LEISMUNICIPAIS. OESTE . seguindo por uma linha reta perpendicular à Rua Patrício Noveleto até encontrar o ponto 46. excluir deste bairro os lotes que lhe derem testada. situado a 150.Com o Rio Itajaí-Açu. DO PONTO 46 AO PONTO 47 Partindo do ponto 46.com. SUL .Para efeitos de planejamento municipal.00 m (cento e cinqüenta metros) do eixo da Rua Patrício Noveleto.Partindo da Ladeira Paraná e Rua Goiânia. BAIRRO BARRA DO TROMBUDO NORTE . OESTE . BAIRRO BELA NORTE . seguindo pela divisa intermunicipal com Agronômica até encontrar a intersecção com a Rua Clemente Demarch.00 (cento e cinqüenta metros) a Rua Patrício Noveleto. LESTE .Com o Bairro Budag. seguindo pela divisa intermunicipal até o ponto de origem 00.Com o limite do Perímetro Urbano.pl 02/09/2011 .Com o Bairro Canta Galo pelo prolongamento da Estrada dos Vereadores até o Rio Itajaí. Imaruí e Petrolândia. pelo talvegue existente no encontro da Estrada Navegantes com a BR-470.Com o Bairro Barra do Trombudo. limite do Perímetro Urbano.com. Petrolândia e Ladeira Paraná. DO PONTO 48 AO PONTO 49 Partindo do ponto 48. até uma distância anterior de 300.Mapa do Perímetro Urbano e Limites de Bairros desta Lei Complementar.Uma faixa paralela de 300.Com o limite do Perímetro Urbano. OBS: 1 .Com o Bairro Navegantes. Goiânia. LESTE . o Bairro Bremer.Com ALIANÇA o Rio Itajaí-Açu. OESTE .Com os Rios Trombudo e Itajaí do Oeste. incluir neste bairro os lotes que lhe derem testada.

br/cgi-local/form_vig. http://www. LESTE . pelo talvegue existente após a Rua Otto Wetzstein. seguindo por um afluente até a sua nascente e partindo em linha reta até o ponto P07 do Perímetro Urbano. 2 .leismunicipais.Com o Rio Itajaí-Açú. do Oeste e com o Bairro Budag pela Praça Nicolau Heckmann Júnior e seu prolongamento até o Rio Itajaí do Oeste e Rua João Conrado Stoll. incluir neste bairro os lotes que lhe derem testada. LESTE . OBS: 1 . Rua Humaitá (trecho compreendido entre as Ruas Euclides da Cunha e Ladeira Paraná). pelas Ruas Caetano Cé e Imaruí até a intersecção com Rua Humaitá.00 m (cento e oitenta metros) anterior a Rua Guanabara). com os Bairros Eugênio Schneider e Boa Vista por parte da Rua Humaitá.Com o Bairro Jardim América.Com o Bairro Barragem. Alves.Rua Humaitá.00 m distante da Rua São Bento).Com o Bairro Sumaré por parte da Rua João Conrado Stoll. OBS: 1 . Rua Pedro Moretto (trecho do prolongamento da Rua Castro Alves até uma distância de 180. SUL .00 m (cem metros) paralela a Estrada São Bento. OBS: 1 . Alves e parte da Rua Eugênio Schneider. pelo talvegue existente no ponto onde a Rua Dom Pedro II encontra a BR-470. Eleonora Budag. Rua Castro Alves e Ladeira Manoel P.Com os Bairros Canoas e Progresso.com. do Sul.Com Com o .00 m a partir do eixo da BR-470).Com o Bairro Progresso por uma faixa paralela de 400. OBS: 1 . SUL . OESTE .Com o Rio Itajaí-Açu. Bairro Taboão pelo limite do Loteamento de Luiz Bianchet e o limite do Perímetro Urbano.Com os rios Itajaí Açu.Com o Bairro Santana. Bairro Barra Itoupava e com o Rio Itajaí-Açu.Ruas Mário Dalponte e Eleonora Budag. 2 . Rua Imaruí. Rua Abrahn Lincoln e a Avenida Aristiliano Ramos. SUL . seguindo em linha reta até a intersecção da Ladeira Fortaleza com a Rua Castro Alves. BAIRRO EUGÊNIO SCHNEIDER NORTE .Alameda Bela Aliança (trecho compreendendo o seu prolongamento até o Rio Itajaí Açu e a Rua Abrahn Lincoln).Com o Bairro Centro pela Rua Humaitá. BAIRRO FUNDO CANOAS NORTE . seu prolongamento para o Rio Itajaí do Oeste e Rua João Conrado Stoll e com o Bairro Sumaré através das Ruas Mário Dalponte.Com o limite do Perímetro Urbano. o Bairro Bela Aliança.Com o Bairro Centro pela Rua Euclides da Cunha até a intersecção da Ladeira Manoel P.br . Ladeira Fortaleza e Praça Nicolau Heckmann Júnior. com o Bairro Eugênio Schneider pela Rua Euclides da Cunha até a intersecção da Rua Eugênio Schneider e Ladeira Manoel P. Rua Goiânia.Com o limite do Perímetro Urbano e o talvegue existente após as instalações da CELESC.Com o Bairro Boa Vista. com o Bairro Laranjeiras pela Rua Pedro Moretto e seu prolongamento até o Rio Itajaí do Sul. Rua Eugênio Schneider.Alameda Aristiliano Ramos (trecho entre a Rua Abrahn Lincoln e Rua Caetano Cé). Rua Abrahn Lincoln (trecho entre Avenida Aristiliano Ramos e Alameda Bela Aliança).Rua João Hoffmann.Com o limite do Perímetro Urbano. Rua Pedro Moretto. OESTE . excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada.pl 02/09/2011 .Com . OESTE . OBS: 1 . Rua Euclides da Cunha. seguindo numa faixa de 180. pela Rua João Conrado Stoll e o limite do Perímetro Urbano. por parte do Ribeirão Canoas até a intersecção com a Rua João Hoffmann.00 m (quatrocentos metros) a BR-470. Alves. incluir neste bairro todos os lotes que lhe derem testada. seguindo pela mesma até a intersecção com o Ribeirão Canoas.Com o Rio Itajaí do Oeste. pela Ladeira Paraná e Rua Goiânia. LESTE .Com o Bairro Pamplona.Com o Bairro Valada Itoupava. seguindo por seu afluente até a nascente e partindo em linha reta até o ponto P07 do limite do Perímetro Urbano. cruzando a Rua Papa João XXIII. Rua Eugênio Schneider (trecho entre a Ladeira Manoel P.Com o limite do Perímetro Urbano. BAIRRO CANOAS NORTE .Com o Bairro Laranjeiras.Rua dos Vereadores (trecho de 650. OESTE . Ladeira Paraná.LEISMUNICIPAIS. LESTE . entre o talvegue existente após a Rua Palhoça até a intersecção das Ruas Benedito Novo. seguindo pela última e seu prolongamento até a Rua Pedro Moretto. por parte da Rua dos Vereadores.www.Com o Bairro Progresso com uma faixa anterior de 100.Com o Rio Itajaí-Açu. Rua Euclides da Cunha.Rua João Conrado Stoll e Praça Nicolau Heckmann Júnior.Com o Rio Itajaí do Oeste. OBS: 1 . SUL . a partir daí segue em linha reta até a intersecção da Ladeira Fortaleza com a Rua Castro Alves. passando pelo limite de fundos do Loteamento Florestal Schroeder até o limite do Perímetro Urbano. excluir todos os lotes que lhe derem testada. LESTE .Com o Bairro Centro passando pela Praça Nicolau Heckmann Júnior.Informação legal em tempo real Página 87 de 164 NORTE SUL LESTE OESTE . excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada.Estrada do Acre.Rua Palhoça. OESTE . 2 . incluir todos os lotes que lhe derem testada.BR-470 (trecho entre a Estrada Floresta e o Ribeirão Canoas) e Estrada Floresta. Rua João Conrado Stoll (trecho entre a Praça Nicolau Heckmann Júnior e a Rua Rui Barbosa). seguindo pela mesma e seu prolongamento até a Rua Pedro Moretto. parte da BR-470 e o Bairro Canta Galo pelo Ribeirão Canoas. Rua Caetano Cé. excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada. BAIRRO CENTRO NORTE . Alves e Rua Castro Alves. OESTE . 2 . BAIRRO BUDAG NORTE . Ladeira Manoel P. SUL . excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada.com. seguindo pela Rua Palhoça e o talvegue existente próximo a referida Rua Palhoça. cruzando a mesma. Estrada da Floresta e São Bento.00 m (cento e oitenta metros) paralela a Rua Guanabara até o talvegue existente entre a Rua Pedro Moretto e a Estrada do Acre. incluir neste bairro os lotes que lhe derem testada. Alves até a Rua Amazonas) e Ladeira Fortaleza. incluir neste bairro todos os lotes que lhe derem testada. SUL . pelo talvegue existente entre as Ruas Pedro Moretto e Estrada do Acre. BAIRRO CANTA GALO NORTE . o Bairro Taboão pelo Ribeirão Taboão. 2 . com o seu prolongamento até o Perímetro Urbano.Rua Papa João XXIII (trecho de 100. por parte da Alameda Bela Aliança. passando pelo limite de fundos do terreno do Asilo do Velhos até atingir a intersecção da Estrada Boa Esperança com a Rua João Hoffmann. excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada. LESTE .Com o Bairro Sumaré.

Com o Bairro Canoas pelo talvegue (existente no ponto onde a Rua Dom Pedro II encontra a BR-470). por uma linha que parte da intersecção da rua Prefeito Luis Soldatelli com a BR 470. LESTE .Através de parte da Rua dos Vereadores.Com a BR-470.Com o Bairro Boa Vista. http://www. OESTE . até o talvegue existente após as instalações das Centrais Elétricas de Santa Catarina . excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada. SUL .Com o Rio Itajaí-Açu e com o Bairro Centro. LESTE .Com o limite do Perímetro Urbano.Com o Rio Itajaí-Açu. SUL . OESTE . OBS: Rua Ambrósio Semioni.Com o Rio Itajaí do Sul.Com a BR-470. SUL .00 m a Estrada São José. OESTE . BAIRRO LARANJEIRAS NORTE . seguindo numa faixa paralela de 200. SUL . seguindo em direção Norte até o limite do Perímetro Urbano. excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada BAIRRO SUMARÉ NORTE .Com o limite do Perímetro Urbano e o limite intermunicipal com Lontras.Com a BR-470. LESTE . BAIRRO VALADA SÃO PAULO NORTE . OESTE . LESTE . SUL .Com o Bairro Rainha.www. excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada. parte do Ribeirão Taboão e limite do Loteamento de Luiz Bianchet.Com o Bairro Boa Vista.Com o Rio Itajaí-Açu. BAIRRO JARDIM AMÉRICA NORTE .Com o Bairro Fundo Canoas.Rua Botuverá.Com o Bairro Valada São Paulo pelo Ribeirão Cobras. SUL .Com o Rio Itajaí do Sul.Com o Bairro Valada Itoupava.Com o Rio Itajaí-Açu. pela Rua Ambrósio Semioni e seu prolongamento até o limite do Perímetro Urbano. pela Rua Ambrósio Semioni (incluir todos os lotes que lhe derem testada). LESTE .Com o Bairro Albertina.Com o limite do Perímetro Urbano e com o Bairro Boa Vista numa distância de 300.Com o Bairro Canta Galo. BAIRRO PROGRESSO NORTE . excluir os lotes que lhe derem testada.Com o Bairro Centro. OESTE .Com o Bairro Jardim América por parte da Avenida Aristiliano Ramos e com o Rio Itajaí-Açu.Com o Rio Itajaí do Oeste. SUL .00 m (cento e oitenta metros) paralela a Rua Guanabara até a intersecção com a Rua Porto Seguro (incluir os lotes que lhe derem testada) contornando os limites do Loteamento Mutirão Habitacional Altos da Rua XV de Novembro. Rua Paulo Ledra. OBS: 1 .Com o Rio Itajaí do Oeste e divisa intermunicipal com Laurentino. seguindo em direção ao limite do Perímetro Urbano. OESTE . Avenida Aristiliano Ramos (trecho entre a Rua Caetano Cé e Rua Paulo Ledra).Com a BR-470.pl 02/09/2011 . LESTE .Com o Bairro Santa Rita. OESTE .Com o Bairro Canoas. BAIRRO RAINHA NORTE .00 m anterior a Rua Guanabara). BAIRRO PAMPLONA NORTE .com. LESTE . excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada.00 m (trezentos metros) além do prolongamento da Rua Geremias Medeiros.Com o Rio Itajaí-Açu.Com o limite do Perímetro Urbano e divisa intermunicipal com Laurentino. SUL .Com o limite do Perímetro Urbano.br/cgi-local/form_vig.com. 2 . Rua Vitório Beling.Com o Bairro Taboão. LESTE . BAIRRO NAVEGANTES NORTE . OESTE .Rua João Hoffmann e Estrada Boa Esperança (trecho entre Rua João Hoffmann e a linha do Perímetro Urbano). pelo Ribeirão Cobras. LESTE . OESTE . BAIRRO TABOÃO NORTE . SUL . Pamplona e com o limite do Perímetro Urbano.Com o Bairro Barra Itoupava pelo talvegue existente na intersecção da Estrada Navegantes com a BR-470. LESTE .Travessa Conselheiro. seguindo até o limite do Perímetro Urbano. BAIRRO VALADA ITOUPAVA NORTE .CELESC. até o Bairro Boa Vista. incluir neste bairro todos os lotes que lhe derem testada. SUL . pela Travessa Paulo Ledra.Com os bairros Centro e Budag.leismunicipais. OESTE . por uma linha imaginária entre as Ruas Botuverá e Travessa Conselheiro. Estrada São José.br . seguindo pela Rua Palhoça e o talvegue existente após a referida Rua.Com a divisa do Perímetro Urbano.Com o limite do Perímetro Urbano.Com o limite do Perímetro Urbano.Informação legal em tempo real Página 88 de 164 2 . SUL . incluir neste bairro todos os lotes que lhe derem testada. OBS: Rua Palhoça. BAIRRO SANTA RITA NORTE .Com o limite do Perímetro Urbano. OESTE . Becos S/D 119 e 120.Com o Bairro Centro e com Bairro Santana por parte da Alameda Aristiliano Ramos.Com a divisa intermunicipal de Lontras. BAIRRO SANTANA NORTE . LESTE .Com a Rua Pedro Moretto (trecho entre o Rio Itajaí do Sul e o prolongamento da mesma até uma distância de 180. LESTE . OBS: Alameda Aristiliano Ramos (trecho entre Rua Caetano Cé e Travessa Paulo Ledra) e Travessa Paulo Ledra.Com o Bairro Santana.LEISMUNICIPAIS.Com o Bairro Budag e com o limite do Perímetro Urbano. SUL .Com os bairros Canoas.Com os Bairros Navegantes e Valada São Paulo. com uma faixa de 180.Com o limite do Bairro Santana e Bairro Boa Vista.

Pela BR-470.Com o Bairro Canta Galo pelo prolongamento do eixo da Rua Severino Lenzi até o Rio Itajaí-Açu.Pelo limite do Perímetro Urbano na divisa intermunicipal de Rio do Sul com Agronômica. SUDESTE .Pelo Rio Itajaí-Açu.Pelo limite do Perímetro Urbano. P25. BAIRRO BOA VISTA NORTE . Na Rua Zulnei Petris. onde o ribeirão sem denominação (que corre do lado sul da Rua Guilherme Witt) encontra o mesmo. OESTE .Pelo limite do Perímetro Urbano. P45. sendo que os lotes com nº s 286 e 287 ficam pertencendo ao Bairro Barragem e o de nº 276 ao Bairro Budag.Pelo eixo da Rua Emílio Adami e seu prolongamento até o Rio Itajaí do Oeste. no trecho entre o prolongamento do eixo da Rua Emílio Adami até o prolongamento do eixo da Rua Otto Wetzstein. parte integrante da presente Lei Complementar. P24b. P24c.br/cgi-local/form_vig. Já quando o prolongamento cruzar a Rua Zulnei Petris. no prolongamento do eixo da Rua Otto Wetzstein.Informação legal em tempo real Página 89 de 164 OESTE . e a partir deste ponto seguindo pelo Ribeirão até o Rio Itajaí-Açú.Pelo eixo da Rua Emílio Adami. Ao cruzar Estrada da Madeira o lote de Nº 3222 pertence ao Bairro Barragem. BAIRRO BARRAGEM NORTE . A partir deste último segue em direção ao P28. BAIRRO BELA ALIANÇA NORTE .www. da divisa com Aurora até o Ribeirão que corre ao lado da Rua Guilherme Witt. do seu prolongamento ao Rio Itajaí do Oeste até o limite do Perímetro Urbano. LESTE . OBS: Rua Emílio Adami: excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada (pertencem ao Bairro Barragem). seguindo então pelo seu eixo até retornar para o eixo da Rua Humaitá. enquanto o de Nº 3224 pertence à Barra do Trombudo. Sul e Oeste) até retornar ao ponto inicial da descrição. OBS: Rua Emílio Adami: incluir neste bairro todos os lotes que lhe derem testada. do ponto rb17 até a divisa intermunicipal com Lontras (ponto rb15). no trecho entre o Ribeirão Itoupava e o prolongamento do eixo da Rua Severino Lenzi. BAIRRO BARRA DO TROMBUDO NORTE . pela divisa intermunicipal com Aurora. seguindo sentido horário (Norte. Leste. OBS: Excluir deste Bairro os lotes que possuam testadas para a Rua Otto Wetzstein (Pertencem ao Bairro Budag). BAIRRO BARRA ITOUPAVA NORTE . do ponto rb49 até a Rua Emílio Adami. P26 e P27. LESTE .Pelo limite do Perímetro Urbano. SUL .Pelo limite do Perímetro Urbano. na Rua Félix Deeke Júnior este prolongamento irá cruzá-la no ponto rb47.Pelo limite do Perímetro Urbano. SUL . Antes desta rua sem denominação é o bairro Budag.com. LESTE . seguindo por este ribeirão até o ponto rb31. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 205/2010) 205 Dos Bairros BAIRRO ALBERTINA NORTE .Com o Bairro Santa Rita e com o limite do Perímetro Urbano. OESTE . Segue então sentido Leste pelo eixo da Rua Humaitá até o encontro com a Rua Osvaldo Geiser. localizado no limite do perímetro urbano. expressa no Anexo 07.LEISMUNICIPAIS.leismunicipais. seguindo por um pequeno trecho desta até a Ladeira Paraná (pelos eixos das vias). partindo do ponto P24 e seguindo os pontos P24a.Inicia no Rio Itajaí do Oeste.Pelo Rio Itajaí do Oeste. § 1º A descrição das linhas divisórias se inicia pelo setor norte de cada bairro. partindo do ponto rb31 até a divisa intermunicipal com Aurora.Em linha reta sentido Norte-Sul.pl 02/09/2011 . e os lotes que ficarem após esta rua pertencem ao bairro Barragem. continuando por este eixo e seu prolongamento no sentido oposto até o limite do Perímetro Urbano. o lote de Nº 112 pertence ao Bairro Budag. Ao cruzar Estrada da Madeira o lote de Nº 3222 pertence ao Bairro Barragem. SUL . a divisão do bairro irá coincidir com o encontro desta rua com a rua sem denominação (ponto rb48). com Datum SAD 69. partindo do ponto rb16 e seguindo até o Rio Itajaí-Açu (ponto rb17).Pelo Rio Itajaí do Sul. P47 e P48. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 205/2010) 205 § 2º As coordenadas geográficas apresentadas estão em formato UTM. enquanto o de Nº 3224 pertence à Barra do Trombudo. seguindo os pontos P44. OESTE . da Rua Severino Lenzi até o Ribeirão Itoupava.Pelos Rios Trombudo (do P00 ao P01 do limite do Perímetro Urbano) e Itajaí do Oeste (do P01 ao prolongamento do eixo da Rua Emílio Adami). OESTE . continuando por esta última até a Rua Humaitá. Na outra extremidade do eixo.Inicia no cruzamento da Rua Goiânia com a Rua Curitiba. SUL . P46.Pelo Rio Itajaí-Açu. OESTE . LESTE . e os pontos de referência para as divisas dos bairros estão descritas como rb01 até rb49 em tabela própria. enquanto o de Nº 101 pertence ao Bairro Barragem.com. no trecho entre o Rio Itajaí-Açu (ponto rb15) e o ponto P24. do encontro deste com o eixo da Rua Emílio Adami. http://www. porém somente até o ponto rb16.br . do Título IV.Pelo limite do Perímetro Urbano e divisa intermunicipal com Lontras.Esta linha inicia no Rio Itajaí do Sul.

do prolongamento do eixo da Rua Otto Wetzstein até o encontro com o Rio Itajaí do Sul.www. Segue então pelo limite do perímetro (sentido Sudoeste) até encontrar o prolongamento do eixo da Rua Otto Wetzstein (ponto rb49). OESTE . OESTE . partindo sentido montante a partir do Rio Itajaí-Açu até a intersecção com a Rua João Hoffmann (Ponte Francisco Bondavalli).Pelo Ribeirão Canoas. seguindo pelo eixo desta até encontrar o eixo da Rua Roberto Kock no ponto rb39. no trecho entre a Rua André Largura e o Rio Itajaí-Açu. seguindo sentido Sul até o ponto rb27. segue rumo nordeste até o ponto rb35. Continua por este eixo sentido leste até encontrar o ponto rb25. P30. situado no limite do Perímetro Urbano. que corresponde à intersecção desta linha com o prolongamento do eixo da Rua Bom Abrigo. a divisa segue pelo eixo da Rua André Largura. partindo do Rio Itajaí-Açu no ponto rb17 e seguindo até o ponto rb16. Após este ponto. a divisão do bairro irá coincidir com o encontro desta rua com a rua sem denominação (ponto rb48). os lotes acima do nº 230.Pelo limite do Perímetro Urbano seguindo os pontos: P08. a linha segue com azimute sul até o ponto rb46.leismunicipais. Ladeira Paraná e Rua Gabriel Maveski. até encontrar o eixo da Rua Helmuth Skowasch no ponto rb41. seguindo pelo último afluente do lado esquerdo (sentido montante) até o ponto rb10. no trecho entre o Ribeirão Taboão e o ponto rb17.Por uma linha reta sentido Norte-Sul. Na Rua Félix Deeke Júnior. OBS: 1 . sendo que o lote com nº 101 fica pertencendo ao Bairro Barragem. seguindo pelo eixo da Guanabara até a Rua Botânico Kuhlmann. e continuando pelo eixo desta via e seu prolongamento até o Rio Itajaí-Açu.Pelo Rio Itajaí. este prolongamento irá cruzá-la no ponto rb47. SUDESTE . P29. porém terminando no ponto rb12. partindo do ponto rb25. continuando na estrada de acesso ao Pico da Bandeira até o ponto rb26. seguindo rumo Norte pelo eixo da mesma até o seu final (ponto rb34).Parte da intersecção entre as ruas Guanabara e Sergipe.Pelo Ribeirão Canoas.Pelo Rio Itajaí-Açú. cruzando a Rua Santos (no ponto rb37) até a Rua 12 de Outubro (ponto rb36). incluindo o mesmo. partindo do encontro dos rios até a Ponte dos Arcos. seguindo sentido jusante até o Rio http://www. OBS: Rua Otto Wetzstein: incluir neste Bairro os lotes que lhe derem testada. Segue então pelo eixo desta última até o ponto rb38. iniciando na intersecção deste ribeirão com a BR-470. finalizando no ponto P08.com.Pelo divisor de águas. localizado na intersecção do divisor de águas com o prolongamento do eixo da Rua Sergipe. e a partir daí segue com azimute Oeste até o limite do Perímetro Urbano.Informação legal em tempo real Página 90 de 164 Segue então por este eixo. SUL . Já quando o prolongamento cruzar a Rua Zulnei Petris. Após o P10 a divisa segue o Perímetro Urbano em direção ao P11.Açu. sentido oeste. localizado na Rua Gabriel Maveski.br .LEISMUNICIPAIS. seguindo sentido Oeste até encontrar o Ribeirão Taboão (ponto rb19). OBS: incluir neste bairro os lotes que derem testada para a Rua Severino Lenzi. chegando no ponto rb09 (entre os pontos P07 e P08 da linha do limite do Perímetro Urbano). localizado no divisor de águas. seguindo os pontos P28. sentido Sul. seguindo com azimute Sul até encontrar o final da Rua Severino Lenzi no ponto rb11. além da Rua Goiânia. pelo eixo da Rua João Conrado Stoll até o cruzamento com a Rua Mário Dalponte.Pelo eixo da Rua Sergipe (partindo da Rua Guanabara) e seu prolongamento até o divisor de águas no ponto rb27. A partir deste último ponto.Excluir deste bairro os lotes que derem testada para a Rua Sergipe (pertencem ao Bairro Laranjeiras) BAIRRO BREMER NORTE . SUL .Pelo Rio Itajaí do Oeste.com. OBS: 1) Ruas Prof João Conrado Stol. A partir deste ponto. partindo do ponto citado acima e seguindo sentido montante até o encontro com o Ribeirão Canoas. OBS: Rua André Largura: excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada no trecho em questão (pertencem ao Bairro Taboão). Segue então pelo eixo da Rua Goiânia até a Rua Curitiba. A partir do ponto localizado na Rua 12 de Outubro. partindo do ponto rb16. da Rua Curitiba. encontrando o prolongamento da Rua Curt Schroeder.pl 02/09/2011 .Pelo Ribeirão Taboão. Deste ponto segue rumo Noroeste até a esquina da Rua Pará com a Rua Goiânia (ponto rb33). sendo que os lotes com nº s 286 e 287 ficam pertencendo ao Bairro Barragem. OESTE . enquanto o lote de nº 276 pertence ao Bairro Budag. enquanto na Rua 12 de Outrubro o último lote a pertencer ao Bairro Eugênio Schneider é o de nº 230 (ao Leste deste estão no Bairro Boa Vista). BAIRRO BUDAG NORTE . continuando em linha reta pelo prolongamento do eixo desta rua até o ponto rb42.Pelo Rio Itajaí-Açu. 2 . LESTE . BAIRRO CANTA GALO NORTE . BAIRRO CANOAS NORTE . OBS: Incluir neste bairro os lotes que possuam testadas para a Rua Osvaldo Gêiser. LESTE . OESTE .Incluir no Bairro Boa Vista: lotes que possuam testadas para o trecho acima mensurado da Rua Guanabara. A partir deste ponto a divisa segue rumo Norte. A divisa segue então com o Bairro Sumaré.Inicia no ponto rb49 (encontro do prolongamento do eixo da Rua Otto Wetzstein com o limite do Perímetro Urbano).br/cgi-local/form_vig. Ladeira Paraná e os trechos acima mensurados das Ruas Humaitá e Curitiba.Partindo do ponto rb12. SUL . LESTE . Mário Dalponte e Eleonora Budag: incluir neste bairro os lotes que lhe derem testada. Segue então com azimute Norte até o ponto rb24. Segue então pelo eixo da Rua Eleonora Budag. segue em linha reta até o encontro dos eixos das Ruas Jacob Johann Dick e Eleonora Budag (ponto rb40).Pelo limite do Perímetro Urbano. Na Rua Santos. P09 e P10. seguindo pelo eixo desta via e seus prolongamentos até encontrar o Rio Itajaí do Oeste. P31 e P32. enquanto o lote de Nº 112 pertence ao Bairro Budag. (ponto rb37) estão no Bairro Boa Vista.

Nesta última rua. Segue então por um pequeno trecho da Oscar Barcelos para então seguir pelo eixo da Ladeira Joaquim Nabuco. da Silva.br/cgi-local/form_vig. além da Travessa Luiz Piazera e das ruas Machado de Assis e 15 de Abril: incluir neste Bairro todos os lotes que lhe derem testada. Segue então pelo eixo desta última até a Rua Pedro Moretto. 2) incluir neste bairro os lotes com testada para o trecho mencionado da Rua Botânico Kuhlmann. Rua Gabriel Maveski e trechos mencionados das ruas Guanabara e Curitiba (pertencem ao Bairro Boa Vista). até o ponto rb10 localizado no último afluente do lado esquerdo do Ribeirão Canoas. OESTE . 7 de Setembro. localizado no final da Rua Gabriel Maveski. OBS: No trecho acima mencionado da Rua Imaruí. o limite segue pelo eixo desta última até a Rua Caetano Cé. OBS: 1) Trecho acima mencionado da Rua Humaitá e Rua Euclides da Cunha: excluir deste bairro os lotes que lhe derem testada.Pela Estrada do Acre. do seu início até o encontro com a Ladeira Paraná. Neste trecho. continuando pelo eixo desta até o seu final (ponto rb33). BAIRRO FUNDO CANOAS NORTE . no trecho entre as Ruas Maranhão e Marechal Deodoro. e em seguida pelo eixo da Rua Coelho Neto no trecho entre as Ruas Machado de Assis e 15 de Abril.A partir da intersecção da Rua Washington Luiz com a Avenida Oscar Barcelos. seguindo pelo eixo da Travessa até a Avenida Oscar Barcelos.br . LESTE .leismunicipais.Pelo eixo da Rua Humaitá. seguindo em linha reta até a Rodovia BR-470 no ponto rb02. e seguindo pelo eixo desta (sentido Oeste) até a Rua Goiânia. encontrando a Rua Pará. BAIRRO EUGÊNIO SCHNEIDER NORTE . A partir do P07 segue com azimute Norte até o ponto rb09. Após este ponto. SUDESTE . LESTE . na Ponte Viriato Alves Garcia.Segue pelo eixo da Ladeira Paraná.Parte do ponto rb10. pegando um pequeno trecho da Rua Marechal Deodoro até a Rua dos Caçadores.LEISMUNICIPAIS. A divisa segue então pelo eixo desta rua no trecho entre a Rua Dom Bosco e a Alameda Aristiliano Ramos. no trecho entre o prolongamento do eixo da Rua Pedro Moretto e a Ponte Viriato Alves Garcia. além da Rua Caetano Cé: excluir deste bairro todos os lotes que lhe derem testada (pertencem ao Bairro Santana). a linha continua pelo eixo da Rua Euclides da Cunha até encontrar a Rua Humaitá OBS: 1) Trechos descritos da Avenida Oscar Barcelos e Ruas dos Caçadores e Marechal Deodoro.Informação legal em tempo real Página 91 de 164 Itajaí-Açú. sentido sudeste. abaixo deste pertencem ao Eugênio Schneider. LESTE . seguindo sentido jusante http://www. Segue então pelo eixo da Rua 7 de Setembro (sentido Norte) até a Travessa Luiz Piazera. Após esta ladeira. além dos trechos das ruas Marechal Deodoro. 2) Trecho acima mencionado da Avenida Oscar Barcelos. continuando pelo eixo da Rua Washington Luiz entre a Alameda e a Avenida Oscar Barcelos. até o ponto rb34. no trecho entre as Ruas Guanabara e dos Caçadores.Com o limite do Perímetro Urbano.com.Inicia no Rio Itajaí do Oeste. A divisa segue então pelo eixo da Rua Botânico Kuhlmann até encontrar a Rua Guanabara. os últimos lotes desta rua pertencentes a este bairro são os de Nº s 240 e 241. da Travessa Waldemiro C. Em seguida pelo eixo da Rua Marechal Deodoro (entre a Rua dos Caçadores e a Travessa Waldemiro Cândido da Silva).Inicia no eixo central do Rio Itajaí-Açú. continuando pelo eixo desta ladeira até encontrar a Avenida Oscar Barcelos. seguindo pelo eixo desta última até a intersecção com a Rua 7 de Setembro. além da Ladeira Joaquim Nabuco e Travessa Waldemiro Cândido da Silva: excluir deste bairro os lotes que lhe derem testada.Ao chegar a Rua Humaitá. dos pontos P06 ao P07.com. seguindo pela mesma e continuando pela Rua Dom Bosco até a Rua Ângelo Tomio. a divisa segue pelo eixo desta (sentido oeste) até a Rua Euclides da Cunha.Com o Rio Itajaí-Oeste. o último lote a pertencer ao bairro Boa Vista é o de Nº 252. Após este ponto segue em linha reta (azimute leste). Após este ponto segue pelo eixo da BR-470 até a intersecção com o Ribeirão Canoas. 2) Rua Euclides da Cunha: Incluir neste bairro os lotes que lhe derem testada. continuando pelo eixo desta e seu prolongamento até o Rio Itajaí do Sul. seguindo pelo eixo da Rua Machado de Assis. do Ribeirão Canoas até o Encontro dos Rios. ao cruzar a Rua Santos no ponto rb37. até a Rua Curitiba. A partir deste ponto. seguindo sentido montante do Encontro dos Rios até o ponto rb01. Dom Bosco. BAIRRO CENTRO NORTE .Pelo Rio Itajaí-Açú.Pelo eixo da Rua dos Caçadores. seguindo pelo eixo desta última (sentido Sul) até a Estrada do Acre. OBS: Excluir deste bairro os lotes com testada para o trecho acima mensurado da Estrada do Acre (pertencem ao Bairro Laranjeiras) OESTE . a divisa segue em linha reta com azimute Sul até a Rua Botânico Kuhlmann (ponto rb38). localizado no último afluente do lado esquerdo do Ribeirão Canoas. e em seguida pelo eixo desta até a esquina com a Ladeira Joaquim Nabuco. continuando pelo eixo desta até encontrar a Rua Imaruí. A partir deste ponto a divisa segue em linha reta. Caçadores e Pedro Moretto: incluir neste bairro os lotes que lhe derem testada. OBS: Incluir neste bairro os lotes que derem testada para o trecho descrito da Rua Humaitá. O último lote da Rua 12 de Outubro pertencente a este bairro é o de Nº 230. Rua Goiânia. Segue então por um pequeno trecho desta avenida até a Travessa Waldemiro Cândido da Silva. LESTE .Pelo Rio Itajaí do Sul. seguindo pelo eixo desta e seu prolongamento até o ponto rb35.www. OESTE . a partir da Rua Humaitá. seguindo pelo eixo desta rua sentido oeste até o cruzamento com a Rua Humaitá. segue em linha reta (sentido Sudoeste) até o ponto rb36 localizado na Rua 12 de Outubro. Ângelo Tomio. OBS: Nos trechos acima mencionados das ruas Coelho Neto. SUL .pl 02/09/2011 . OBS: 1) excluir deste bairro: lotes com testada para a Ladeira Paraná. SUL . no ponto rb01.

para seguir pela mesma até a Ponte Viriato Alves Garcia. localizado na ponte da Rua Guilherme Witt. A partir deste ponto segue sentido jusante pelo ribeirão até encontrar o Rio Itajaí-Açu (rb32). segue pelo eixo desta estrada por mais 1.Pelo Rio Itajaí do Oeste. SUL . localizado na Estrada São Bento (126 metros após a Rua Túlio Cezar Macedo). da Ponte Viriato Alves Garcia até a Ponte Ministro Mário Andreazza.Pelo Ribeirão Itoupava.Parte do limite do Perímetro Urbano. OESTE . localizado no final da Rua João Pedro Marcelino.Partindo da Ponte Mário Andreazza. sentido sudoeste. seguindo pelo limite acompanhando os pontos P04. no trecho entre a BR-470 e o Rio Itajaí-Açu. seguindo pelo divisor de águas até o limite do Perímetro Urbano (ponto rb28). Segue então por um pequeno trecho desta última via (sentido Norte) até a Rua Machado de Assis.Segue pelo eixo da Av. Segue então pela Rua dos Caçadores (sentido Sul) até o cruzamento com a Estrada do Acre.440m até o ponto rb05. BAIRRO PAMPLONA NORTE . O limite continua pela Rua Dom Bosco. do ponto rb32 seguindo sentido jusante até a Ponte dos Arcos.Pelo Rio Itajaí-Açú. partindo da Rua Ângelo Tomio e continuando pela Travessa Luiz Piazera até a Rua 7 de Setembro. e em seguida em linha reta com azimute Sul até o ponto rb30. OESTE . Oscar Barcelos (pertencem ao Bairro Santana) 2) Trechos mensurados das ruas Ângelo Tomio. Oscar Barcelos e a Rua Dom Bosco. seguindo por esta última sentido Sul até a Rua 15 de Abril. do P02 até o ponto rb04. seguindo pelo prolongamento da Rua Roberto Henrique Wagner até o seu fim.Pelo o Rio Itajaí-Açu. e segue sentido Oeste até o ponto rb29. LESTE . Após a ponte a divisa segue o eixo da Rua João Hoffmann em direção da Estrada Boa Esperança. OBS: Estrada São Bento: excluir deste bairro os lotes que derem testada para o trecho mensurado (pertencem ao Bairro Progresso) OESTE .leismunicipais. LESTE . até o ponto rb07 e em seguida também em linha reta até o ponto de coordenadas rb06.www. no trecho entre a BR-470 e o Rio Itajaí-Açu. no encontro com o Rio Trombudo). OBS: Rua Pedro Moretto: excluir deste bairro os lotes que lhe derem testada (pertencem ao Bairro Centro) OBS2: Trecho mencionado da Rua dos Caçadores e estrada do Acre: incluir neste bairro os lotes que lhe derem testada. até encontrar a mesma no ponto rb08.Inicia no ponto rb27. seguindo pelo eixo desta até o seu final na Rua Guanabara.com. além das ruas 15 de Abril e Machado de Assis e da Travessa Luiz Piazera: excluir deste bairro o os lotes que lhe derem testada (pertencem ao Bairro Centro) BAIRRO LARANJEIRAS NORTE . OBS: Rua João Hoffmann: incluir neste bairro os lotes que lhe derem testada. BAIRRO NAVEGANTES NORTE . seguindo pelo eixo da Travessa Paulo Ledra até a Avenida Oscar Barcelos. Segue então pelo eixo desta última entre a Av.Pela BR-470. no trecho entre a Rua Paulo Ledra até a Rua Ângelo Tomio. OBS: incluir neste bairro os lotes que derem testada para a Rua Roberto Henrique Wagner. LESTE . LESTE . OBS: excluir deste bairro os lotes que derem testada para a Travessa Paulo Ledra (pertencem ao Bairro Santana).Pelo Ribeirão Cobras. BAIRRO JARDIM AMÉRICA NOROESTE . Dom Bosco. OBS3: Excluir deste bairro os lotes que derem testada para este trecho da Rua Guanabara (pertencem ao Bairro Boa Vista) OBS4: Incluir neste bairro os lotes que derem testada para a Rua Sergipe. 7 de Setembro e Coelho Neto. no trecho entre os Ribeirões Itoupava e Cobras.Partindo do ponto rb06. SUL . do ponto rb01 seguindo sentido montante até a divisa intermunicipal com Laurentino (P01.Pelo limite do Perímetro Urbano. localizado no limite do Perímetro Urbano.pl 02/09/2011 . seguindo pelo eixo desta última e seu prolongamento sentido Leste até o divisor de águas (ponto rb27).br/cgi-local/form_vig. Após este ponto a linha segue em linha reta até Rio Itajaí do Oeste no ponto rb01. OBS: 1) Excluir deste bairro os lotes que derem testada para o trecho mencionado da Av. do ponto rb04. segue pelo eixo da BR (sentido Sudoeste) até o ponto rb02. no trecho entre a Estrada do Acre e a Rua Sergipe.Parte do encontro do divisor de águas com o limite do Perímetro Urbano (rb28). onde irá prosseguir até o encontro com a Rua Coelho Neto. A partir deste ponto segue em linha reta. que corresponde ao prolongamento do eixo da Rua Roberto Henrique Wagner. seguindo por este eixo até a intersecção com a Rua dos Caçadores. SUL . A linha segue então pela Rua Guanabara. Oscar Barcelos (sentido sudoeste).LEISMUNICIPAIS. SUL .Do ponto de coordenadas rb05. localizado no limite do Perímetro Urbano. no trecho entre os Ribeirões Itoupava e Cobras.Inicia no prolongamento do eixo da Rua Pedro Moretto até o Rio Itajaí-Açu. localizado na Estrada São Bento (126 metros após a Rua Túlio Cezar Macedo). A partir deste último ponto. SUL .com. http://www. e a partir daí em linha reta até a Rodovia BR-470 no ponto rb03.Informação legal em tempo real Página 92 de 164 até a Ponte Francisco Bondavalli.br .Pelo Rio Itajaí do Sul. P05 até o P06.

br/cgi-local/form_vig. Segue então em linha reta (sentido nordeste) até o ponto rb07. Segue então pelo eixo da Rodovia no trecho entre o Ribeirão Cobras e a Rua Prefeiro Luiz Adelar Soldatelli.440m até o ponto rb06. OBS: Rua Professor Conrado Stoll: excluir deste bairro os lotes que lhe derem testada (pertencem ao Bairro Budag). no trecho entre o Ribeirão Canoas e o trevo de acesso ao Bairro Canoas (ponto rb03). OESTE . A divisa continua por esta rua até retornar para a Rua Humaitá. o último lote a pertencer ao Bairro Progresso é o de nº 495. http://www. seguindo pelo eixo da última (sentido leste) até encontrar o Rio Itajaí do Sul sob a Ponte dos Arcos.Pelo Rio Itajaí-Açu. LESTE . seguindo sentido montante até o Ribeirão Cobras. LESTE . no lado do Rio Itajaí-Açu o lote de nº 2148 fica pertencendo ao Bairro Taboão. a linha segue com azimute Oeste até o ponto rb43. LESTE . do encontro Rio Trombudo com o Itajaí do Oeste (P01) até o P02 do Perímetro Urbano. Na Estrada da Boa Esperança. seguindo em Deste ponto segue em linha reta com azimute Oeste até o ponto curso d`água que desce da escarpa ao lado esquerdo da estrada. até o seu final.Partindo da intersecção entre a Rua Caetano Cé e a Avenida Oscar Barcelos.com. LESTE . seguindo pelo mesmo (sentido jusante) até o ponto rb20. BAIRRO SANTANA NORTE . para então seguir pelo eixo desta (sentido Norte) até a Avenida Oscar Barcelos OBS: No trecho acima mencionado da Rua Imaruí.Partindo da Rua Humaitá. e em seguida em linha reta com azimute Sul até rb26). SUL .Pela divisa intermunicipal com Lontras seguindo os pontos P22 e P23. a divisa segue em linha reta (com azimute Norte) até encontrar a divisa do Perímetro Urbano no ponto rb14. a divisa segue pelo eixo da Rua Imaruí até encontrar a Rua Caetano Cé. SUL .Informação legal em tempo real Página 93 de 164 OESTE . localizado no encontro da Estrada São José com um Segue então (sentido Sul) pelo eixo da Estrada São José encontrar a estrada de acesso ao Pico da Bandeira (ponto OBS: excluir deste bairro os lotes que derem testada para o trecho em questão da Estrada São José (pertencem ao Bairro Taboão). A partir do ponto de intersecção desta última rua com a BR-470.LEISMUNICIPAIS. localizado na Estrada Boa Esperança. no ponto rb45.Partindo do encontro das ruas Mário Dalponte e Professor João Conrado Stoll. Segue por este córrego. da Ponte dos Arcos seguindo sentido montante até o ponto rb45. Já do outro lado da Estrada Blumenau. seguindo por seu eixo sentido Rua Humaitá. Ao cruzar a Estrada Blumenau.Partindo da Rodovia BR-470 no trevo de acesso ao Bairro Canoas (ponto rb03) e seguindo pelo eixo da Rua Roberto Henrique Wagner. Segue então pela linha do Perímetro (P03 até a intersecção com o eixo da Estrada São Bento no ponto rb05). OBS: Ruas Humaitá e Oswaldo Gêiser.com.Parte do Rio Itajaí-Açu. Após este ponto.Partindo do encontro do Ribeirão Cobras com o Itajaí-Açu. localizado na Estrada São Bento (a 126m da Rua Túlio Cezar Macedo). Continua então pelo prolongamento deste eixo até encontrar o limite do Perímetro Urbano no ponto rb04. da divisa intermunicipal com Lontras (rb15). seguindo pelo eixo da última no trecho entre a Caetano Cé e a Travessa Paulo Ledra. para então continuar até o encontro com a Rua Imaruí. rb23. até o mesmo cruzar a estrada do Bomfim no ponto rb44.leismunicipais. e em seguida também em linha reta até o ponto de coordenadas rb08. OBS: 1) excluir deste bairro os lotes com testada para a Rua João Hoffmann (pertencem ao Bairro Fundo Canoas) 2) Incluir neste bairro os lotes que derem testada para o trecho mensurado da Estrada São Bento.Do encontro do limite do Perímetro Urbano com o eixo da Estrada São Bento (rb05).Com o Rio Itajaí do Sul. BAIRRO RAINHA NORTE .pl 02/09/2011 . enquanto o lote a sua direita pertence ao Bairro Santana.Inicia na Estrada Blumenau no ponto rb21.br . BAIRRO SUMARÉ NORTE . do ponto rb14 até o P22. SUL . Após o P23 a linha segue em direção P24. SUL . do ponto rb26. sentido montante.Pela divisa do Perímetro Urbano. a linha continua pelo eixo da Rua João Hoffmann até a Ponte Francisco Bondavalli. seguindo sentido montante pelo Ribeirão Cobras até este cruzar a Rodovia BR-470. BAIRRO PROGRESSO NORTE . OBS: excluir deste bairro os lotes com testada para a Rua Roberto Henrique Wagner (pertencem ao Bairro Pamplona). assim como os lotes que derem testada para a Travessa Paulo Ledra. seguindo esta via por 1.www. Deste ponto segue em linha reta até encontrar a Estrada Blumenau no ponto rb21.Com a e divisa intermunicipal com Laurentino.Pelo eixo da Rodovia BR-470. enquanto o lote ao seu lado esquerdo fica pertencendo ao Bairro Santana. OBS: 1) Incluir neste bairro os lotes que derem testada para o trecho da Avenida Oscar Barcelos localizado entre a Rua Ângelo Tomio e a Travessa Paulo Ledra. OESTE . porém termina ao cruzar o Rio Itajaí-Açu no ponto rb15.Pelo Ribeirão Canoas. o lote que faz esquina com a Rua Vitório Beling fica pertencendo ao Bairro Taboão.Pela estrada do Pico da Bandeira. A partir deste ponto. linha reta com azimute Sul até encontrar o ponto rb22. além do trecho da estrada de acesso ao Pico da Bandeira: excluir deste bairro os lotes que derem testada para o trecho em questão (pertencem ao Bairro Boa Vista) OESTE . onde um córrego sem denominação encontra o mesmo. Segue então pela Paulo Ledra até encontrar o Rio Itajaí-Açu. no trecho entre a Ponte Francisco Bondavalli e a Rodovia BR-470. e continuando pelo eixo desta última até o encontro com a Rua Oswaldo Geiser. além da Rua Caetano Cé: incluir neste bairro os lotes que lhe derem testada.

Por toda a extensão do eixo da Rua Severino Lenzi.Parte do ponto rb14. Segue então pelo eixo da Rua Helmuth Skowasch e seu prolongamento até o eixo da Rua Eleonora Budag (rb41). SUL . seguindo sentido Norte por este divisor até encontrar o ponto rb25. P19. LESTE . Segue então por este prolongamento de eixo até o ponto rb24. enquanto o lote ao seu lado esquerdo fica pertencendo ao Bairro Santana. SUL . Já do outro lado da Estrada Blumenau.Informação legal em tempo real Página 94 de 164 OESTE . até encontrar a Estrada Blumenau no ponto rb21. BAIRRO VALADA ITOUPAVA NORTE . até o Rio Itajaí-Açú (no ponto rb20).Parte do limite do Perímetro Urbano no encontro do eixo da Rua André Largura (ponto rb18). LESTE . BAIRRO TABOÃO NORTE .Pelo Rio Itajaí-Açu. do ponto rb13 (correspondente ao encontro do prolongamento do eixo da Rua Ambrósio Semioni com o limite do Perímetro Urbano).www. no trecho entre o P16 e a Rodovia BR-470. porém finalizando no divisor de águas (no ponto rb28).Pelo eixo da Rodovia BR-470. BAIRRO VALADA SÃO PAULO NORTE . no trecho entre a Rua Prefeito Luiz Adelar Soldatelli e o Ribeirão Cobras.Pelo eixo da Rua Ambrósio Semioni e seu prolongamento até o limite do Perímetro Urbano no ponto rb13. BAIRRO SANTA RITA NORTE . OESTE .com. Ao cruzar a Estrada Blumenau. que corresponde ao encontro do prolongamento do eixo da Rua Ambrósio Semioni com o limite do Perímetro Urbano. o lote que faz esquina com a Rua Vitório Beling fica pertencendo ao Bairro Taboão.Pelo limite do Perímetro Urbano. seguindo por este ribeirão (sentido montante) até o limite do Perímetro Urbano no ponto P16.Pelo limite do Perímetro Urbano iniciando no ponto P17 e seguindo pelos pontos P18.Partindo do ponto rb43.com.Pelo eixo da Rua Ambrósio Semioni e seu prolongamento partindo do limite do Perímetro Urbano (ponto rb13). contornando os pontos P12. Segue então em direção ao P22. Art. Em seguida continua com azimute Leste até o ponto rb22. A partir deste ponto segue em linha reta até o ponto rb39. LESTE . P13 e P14. (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205 Art. Segue então pelo eixo da Rua André Largura (sentido leste) até o limite do Perímetro Urbano no ponto rb18. que corresponde ao encontro dos prolongamentos dos eixos das ruas Curt Schroeder e Helmuth Skowasch. OBS: Excluir deste bairro os lotes que derem testada para a Rua Ambrósio Semioni (pertencem ao Bairro Santa Rita) SUL . SUL . seguindo em linha reta com azimute Sul até o ponto de intersecção da Rodovia BR-470 com a Rua Prefeito Luiz Adelar Soldatelli. OESTE . OBS: Incluir neste bairro os lotes que derem testada para o trecho mencionado da Rua André Largura.Pelo Ribeirão Cobras. LESTE . e a partir do seu final (rb11) continua em linha reta com azimute Norte até o limite do Perímetro Urbano (rb12).470. P35 e P36. porém terminando no ponto rb14. localizado no encontro da Estrada São José com um curso d`água que desce a escarpa do lado esquerdo da estrada. porém finaliza no ponto rb13. OBS: Rua Ambrósio Semioni: incluir neste bairro todos os lotes que lhe derem testada.br/cgi-local/form_vig. Segue então pelo eixo desta última até encontrar a Rua Professor João Conrado Stoll. enquanto o lote a sua direita pertence ao Bairro Santana. P20 e P21. a divisa segue em linha reta com azimute Norte até o ponto rb46.Pela BR-470.Os bairros não deverão ter denominações iguais as existentes nos demais setores da cidade. Neste ponto a divisa toma o rumo Norte.leismunicipais.Pelo limite do Perímetro Urbano. entre os pontos P34. até o encontro com a Rodovia BR-470. localizado no limite do Perímetro Urbano. 500 . suas testadas pertencerão aos bairros que fazem limites com a mesma. seguindo pelo eixo da Rua Eleonora Budag até o seu final (rb40). que corresponde a intersecção do divisor de águas com o prolongamento do eixo da Rua Bom Abrigo (Santana).Pelo limite do Perímetro Urbano. passando pelos pontos P11 e P12. no trecho entre o ponto rb20 e o Ribeirão Taboão.br .pl 02/09/2011 . Continua então seguindo com azimute Norte até o ponto rb42.Pelo limite do Perímetro Urbano. OBS: excluir deste bairro os lotes que derem testada para a Rua Severino Lenzi (pertencem ao Bairro Canta Galo). no lado do Rio Itajaí-Açu o lote de nº 2148 fica pertencendo ao Bairro Taboão. OBS: Estrada São José: incluir neste bairro os lotes que derem testada para o trecho em questão. seguindo os pontos P15 e P16. Segue então pelo limite do Perímetro Urbano. Continua então pelo eixo desta rua até o ponto rb23. no trecho entre a Rua Ambrósio Semioni e a Rua Severino Lenzi. 501 . sendo que após este ponto a linha continua com azimute Norte até encontrar o final da Rua São José. OESTE .Pela Rodovia BR-470.LEISMUNICIPAIS. e a partir daí em linha reta (sentido noroeste).Quando o limite entre bairros for a BR . seguindo por este ribeirão (sentido montante) até a Rua André Largura no ponto rb19. entre os pontos P16 e P17. http://www. Segue então por parte da linha que leva ao P37. localizado no divisor de águas no limite do Perímetro Urbano. localizado no final da Rua Mário Dalponte. OESTE . no trecho entre o Ribeirão Cobras e a Rua Ambrósio Semioni. OBS: Ruas Mário Dalponte e Eleonora Budag: excluir deste bairro os lotes que lhe derem testada (pertencem ao Bairro Budag). Segue então em direção ao P15.Parte do ponto rb28. localizado no limite do Perímetro Urbano entre os pontos P21 e P22. seguindo o limite do Perímetro Urbano até os pontos P33 e P34.

Misto Diversificado 1 | | |---------------------------------------| | |MD2 .Residencial Predominante 1| | |--------------------------------| | |RP2 .Quando um terreno for atingido por mais de uma zona.Preservação Especial | |----------------------|---------------------------------------| |Expansão Urbana (EXP) |EXPr .melhor adequação do zoneamento aos fatores biofísicos condicionantes.O Perímetro Urbano de Rio do Sul conforme mapa de zoneamento.Preservação Permanente | | |---------------------------------------| | |P2 .br/cgi-local/form_vig.maior precisão de limites.Os limites entre as procedimento com vistas a obter: I .Misto Central | | |---------------------------------------| | |MD1 . os índices urbanísticos serão calculados proporcionalmente aos índices de cada parcela do terreno. Art.Preservação Especial | |---------------------------|--------------------------------| |Urbanização Controlada |UC .Informação legal em tempo real Página 95 de 164 SEÇÃO III DO PERÍMETRO URBANO Art. II .leismunicipais.Preservação Controlada | | |--------------------------------| | |PE .Residencial Predominante 3 | |----------------------|---------------------------------------| |Misto (M) |MC .2 .Residencial Predominante 2 | | |---------------------------------------| | |RP3 .Preservação Permanente | | |--------------------------------| | |P2 . podendo a área permitida na parcela de menor índice de aproveitamento ser edificada cumulativamente na parcela do terreno de maior índice de aproveitamento e sendo as áreas não edificáveis consideradas com índice de aproveitamento igual a zero.www. diversas zonas poderão sofrer ajustes quando verificada a conveniência de tal http://www.Preservação Controlada | | |---------------------------------------| | |PE .Residencial Exclusivo | | |--------------------------------| | |RP1 .Misto Diversificado 2 | | |--------------------------------| | |MD3 .1 .Industrial Predominante 2 | |----------------------|---------------------------------------| |Preservação (P) |P1 . ao sistema viário.Industrial Predominante 1 | | |---------------------------------------| | |Ind.Expansão Residencial | | |---------------------------------------| | |EXPm .Urbanização Controlada | |___________________________|________________________________| (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Art. parte integrante desta Lei Complementar fica subdividido nas seguintes zonas e subzonas: ______________________________________________________________ | ZONA | SUBZONA | |======================|=======================================| |Residencial (R) |RE .com.Misto Diversificado 3 | |----------------------|---------------------------------------| |Industrial (Ind) |Ind.pl 02/09/2011 .Residencial Predominante 2| | |--------------------------------| | |RP3 .Misto Diversificado 2 | | |---------------------------------------| | |MD3 .Expansão Mista | |______________________|_______________________________________| (Redação alterada pela Lei Complementar nº 172/2007) 172 ____________________________________________________________ | ZONA | SUBZONA | |===========================|================================| |Residencial (R) |RE .br . 504 .Residencial Predominante 3| |---------------------------|--------------------------------| |Misto (M) |MC . 502 . à divisões dos imóveis.Industrial Predominante | |---------------------------|--------------------------------| |Preservação (P) |P1 .Residencial Exclusivo | | |---------------------------------------| | |RP1 .LEISMUNICIPAIS.Misto Diversificado 3 | |---------------------------|--------------------------------| |Industrial (Ind) |IND .Misto Central | | |--------------------------------| | |MD1 .Residencial Predominante 1 | | |---------------------------------------| | |RP2 . 503 .com.Misto Diversificado 1 | | |--------------------------------| | |MD2 . e a atividades implantadas.

RP2 e RP3) e possuem as seguintes delimitações: Subzona Residencial Exclusiva (RE): I .Pela Rua Adolfo Buhr (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).RE (BAIRRO CENTRO . OESTE . 2 e 3 (RP1.00 m (cinqüenta metros) a partir da Rua Ana Neri (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). II .1): NORTE . LESTE . I .LEISMUNICIPAIS. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 II . LESTE .Pela Av.br/cgi-local/form_vig.Fica definida como zona Residencial a zona destinada a função habitacional permanente.Pela Ladeira Paraná e Ruas Curitiba e Goiânia (excluindo todos os lotes que lhe derem testada). onde podem ser tolerados outros usos desde que não prejudiquem a atividade residencial.Pela Rua dos Caçadores (excluindo todos os lotes que lhe derem testada).RE (BAIRRO CENTRO .: no trecho entre o prolongamento da Rua Tiradentes e Ladeira Paraná.2): NORTE .RE (BAIRRO CENTRO . 505 . onde podem ser tolerados outros usos que não prejudiquem a residencial.RE (BAIRRO EUGÊNIO SCHNEIDER): NORTE . Amazonas.Pela Rua Caetano Cé. no limite com o Bairro Santana. no limite com o Bairro Santana. Oscar Barcelos e Rua Monte Castelo (excluindo os lotes que lhe derem testada) e a Rua Ana Neri (excluindo os lotes que lhe derem testada). Parágrafo Único .Pela Rua Tiradentes (incluindo todos os lotes que lhe derem testada) e o seu prolongamento até a Rua Humaitá. continuando pelo prolongamento das Ruas Manaus. OESTE .Pela intersecção da Rua Olavio Bilac com a Rua Castro Alves (incluindo os lotes que lhe derem testada).Informação legal em tempo real Página 96 de 164 Parágrafo Único . (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 SUL .2): NORTE .Pelo limite com o Bairro Eugênio Schneider. até o limite com o Bairro Boa Vista. excluir todos os lotes que lhe derem testada. LESTE .Pela Rua Tiradentes (incluindo todos os lotes que lhe derem testada) e o seu prolongamento até a Rua Humaitá. 506 . ouvido o conselho do Plano Diretor e instituído por Lei.pl 02/09/2011 . Eugênio Schneider. LESTE .Pela Rua Caetano Cé. efetuados pela Assessoria de CAPÍTULO III DA DELIMITAÇÃO DAS ZONAS SEÇÃO I DAS ZONAS RESIDENCIAIS Art. Oscar Barcelos e Rua Monte Castelo (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) e uma faixa paralela de 50. LESTE . incluir todos os lotes que lhe derem testada no trecho entre a Ladeira Paraná e a Rua Caetano Cé (no limite com o Bairro Boa Vista).Os ajustes de limites a que se refere o artigo anterior serão Planejamento da Prefeitura. OESTE .Pelo limite da subzona MC.Pela Rua Humaitá.Pela Rua Adolfo Buhr e o seu prolongamento até a Rua Botânico Kuhlmann.Pelo limite com o Bairro Pref.Pela intersecção da Rua Olavo Bilac com a Rua Castro Alves (incluindo os lotes que lhe derem testada).1): NORTE .Pela Rua Marechal Deodoro (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) e seu prolongamento até a Rua Euclides da Cunha.Pela Rua Adolfo Buhr (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).Subdividem-se nas subzonas: Subzonas Residencial Exclusiva (RE) e Residencial Predominante (RP).RE (BAIRRO CENTRO . NORTE .Pela Rua Humaitá (excluindo os lotes que lhe derem testada). Obs.Pela Rua Euclides da Cunha (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) e o limite com o Bairro Centro.leismunicipais. Parágrafo Único . Pref.com.br .Fica definida como Zona Residencial as áreas destinadas prioritariamente à função habitacional permanente.Pela Rua dos Caçadores (excluindo todos os lotes que lhe derem testada). OESTE .com. OESTE . http://www. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 III . SUL .Pela Av.www. Eugênio Schneider e Botânico Kuhlmann (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). (alterado pela LC 29 de 1998) SUL . no limite com o Bairro Boa Vista. SUL . SUL .Subdividem-se nas subzonas: Residencial Exclusiva (RE) e Residencial Predominante 1. Art.

no limite com o Bairro Santana.Pelo limite com o a comunidade Bom Fim e subzona MD3. SUL . considerando-a subzona MC. OESTE . LESTE .RP1 (BAIRRO BARRAGEM): NORTE . SUL .limite com o perímetro urbano e com o Bairro Budag.RE (BAIRRO SANTANA): NORTE . (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 LESTE .leismunicipais.Pelo limite com o Bairro Boa Vista. João Conrado Stoll (excluindo todos os lotes que lhe derem testada).A partir da Rua Ana Neri (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pela Rua Prof.RE (BAIRRO EUGÊNIO SCHNEIDER): NORTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 http://www.Pelo limite do Perímetro Urbano. SUL .pelo limite com o Bairro Barragem e pela zona IND.Pelo limite do Perímetro Urbano e divisa com o Bairro Budag. seguindo pelo limite de fundos do Loteamento Parque Florestal Schroeder e pelas Ruas Eleonora Budag e Mário Dalponte (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). seguindo pela Rua Justina de Barba Ledra e prolongamento da Rua Eufrázia Tomio (incluindo os lotes que lhes derem testada). (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 SUL .pelo limite com a divisa intermunicipal com o município de Agronômica.RP1 (BAIRRO BARRA DO TROMBUDO): NORTE .br/cgi-local/form_vig.limite com o Bairro Barra do Trombudo. LESTE .Pela Rua Caetano Cé. seguindo pela Rua Santos até o limite com o Bairro Boa Vista (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pela Rua Humaitá (excluindo todos os lotes que lhe derem testada).limite com o perímetro urbano e com a zona IND. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 IV .LEISMUNICIPAIS. iniciando no limite do Perímetro Urbano até o limite com a subzona MD2. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 V . OESTE . no limite com o Bairro Centro. LESTE .Por uma faixa paralela de 50.RE (BAIRRO SUMARÉ): NORTE .RE (BAIRRO SUMARÉ): NORTE .Pelo limite com o Bairro Centro. OESTE .Pela subzona MD2.pl 02/09/2011 .Pela Rua Caetano Cé.www. SUL .00 m (cinqüenta metros) a partir da Rua Ana Neri (excluindo todos os lotes que lhe derem testada). LESTE .RE (BAIRRO SANTANA): NORTE .com.Por uma faixa paralela de 50. LESTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 II .Pelo limite do Perímetro Urbano.Pelo limite com o Bairro Bom Fim e subzona MD3. no limite com a subzona MD2.Limite com o Bairro Boa Vista. no limite com o Bairro Centro.Pela subzona MD3. SUL . OESTE .Pelo limite com o Bairro Centro e Rua Castro Alves (incluindo os lotes que lhe derem testada). OESTE . III .pela zona IND do mesmo bairro e pelo perímetro urbano.br . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Subzona Residencial Predominante 1 (RP1): I . IV . V .com. SUL .00 m (cinqüenta metros) a Rua Ruy Barbosa. NORTE . SUL .Pelas Ruas Washington Luiz.Pelo limite com o a subzona MD3. OESTE .Informação legal em tempo real Página 97 de 164 OBS: Exceto os lotes que derem testada para a Rua Eugênio Schneider.limite com subzona MD3.Pela Rua Adolfo Buhr e o seu prolongamento até a Rua Botânico Kuhlmann (incluindo os lotes que lhe derem testada). OESTE .pela subzona MD3. Justina de Barba Ledra e prolongamento da Rua Eufrázia Tomio (incluindo todos os lotes que lhes derem testada). LESTE .Pelas Ruas Washington Luiz (excluindo os lotes que lhe derem testada).

SUL . SUL .www. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 VI .Pela subzona MD3. http://www. Eugênio Schneider e Laranjeiras.RP1 (BAIRRO BARRAGEM . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 VII .Pelo limite com o Bairro Bela Aliança.Pela Rua Pedro Moretto.RP1 (BAIRRO BELA ALIANÇA): 1 NORTE .Pela subzona MD3. Curitiba. SUL . SUL .RP1 (BAIRRO BELA ALIANÇA): NORTE .Pelo limite do Perímetro Urbano e contornos do Loteamento Mutirão Habitacional Altos da Rua XV de Novembro.2) NORTE .Pelo Rio Itajaí Açu. SUL . OESTE .Informação legal em tempo real Página 98 de 164 II .Pela Rua Clemente Demarchi. excluindo as subzonas MD2 e MD3.com.pl 02/09/2011 . LESTE .RP1 (BAIRRO BOA VISTA): NORTE .Pelo limite com o Bairro Bremer.Limite com o Bairro Budag. LESTE .Pela subzona MD3.br .Pelo Rio Itajaí Açu. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 VII .Pela Rua Pedro Frankenderger (incluindo os lotes que lhe derem testada). LESTE . Humaitá (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).Pelo Rio Itajaí do Oeste.com.Pela Rua Humaitá (incluindo os lotes que lhe derem testada) e prolongamento da Rua Eufrázia Tomio (excluindo os lotes que lhe derem testada) e limite com o Bairro Santana.RP1 (BAIRRO BARRA DO TROMBUDO .leismunicipais. OESTE .RP1 (BAIRRO BUDAG): Toda a área do bairro. SUL . LESTE .Pelo Rio Itajaí-Açu. LESTE . . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 V . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 IV . . OESTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 IV .Limite com o Bairro Barra do Trombudo. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 V . LESTE .Pelo Rio Itajaí Açu. OESTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 VI . OESTE .RP1 (BAIRRO BREMER): NORTE .Pelo Rio Itajaí Açu.Pela subzona P2.Pelo limite do perímetro Urbano.Pela Estrada da Madeira.Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Lontras.Pelas Ruas Goiânia.Pelo limite com os Bairros Pref. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 III .2): NORTE .Pelo Rio Itajaí Açu.Pela Rua Clemente Demarch (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo limite com o Bairro Taboão. OESTE .LEISMUNICIPAIS.RP1 (BAIRRO BELA ALIANÇA): 2 NORTE SUL LESTE OESTE . no limite com o Bairro Laranjeiras. SUL . Eugênio Schneider. LESTE . Ladeira Paraná.RP1 (BAIRRO BOA VISTA): NORTE . OESTE .Pelo limite com o Bairro Pref.Pela subzona MD3.Pela Rua Adolfo Buhr (excluindo todos os lotes que lhe derem testada).br/cgi-local/form_vig.Pela Rua Pedro Avelino dos Santos.Pelo Rio Itajaí do Oeste.RP1 (BAIRRO CENTRO): NORTE . Pela subzona MD3. (excluindo os lotes que lhe derem testada).

(Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 X .leismunicipais. seguindo pela Rua Santos e Rua São Paulo (incluindo os lotes que lhe derem testada) seguindo pela Rua Petrópolis. LESTE . OESTE . P1. excluindo as subzonas RP3. EUGÊNIO SCHNEIDER .2): NORTE . Pelo prolongamento da Rua Eufrázia Tomio (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo Rio Itajaí Açu. João Conrrado Stoll. SUL . LESTE . OESTE . LESTE .Pelo Rio Itajaí Açu e limite com o Bairro Rainha. pela Rua Santos (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pela subzona P2. Pela Rua SD que liga a rua Petrópolis até o Beco Ponta Grossa. SUL . OESTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 IX .Pelo limite com o Bairro Boa Vista.Pela subzona RE. excluindo a subzona MD3.Pela Rua Euclides da Cunha (excluindo os lotes que lhe derem testada) e divisa da subzona MC. OESTE .Pela Estrada da Madeira.2): NORTE .Pela subzona MD2. LESTE . EUGÊNIO SCHNEIDER .br/cgi-local/form_vig. (excluindo os lotes que lhe derem testada). (excluindo os lotes que lhe derem testada) e pelas Ruas Victor Meirelles e Prof. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 XII . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XIV . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XIII .RP1 (BAIRRO NAVEGANTES): NORTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 XII . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 X . LESTE . OESTE .com. excluindo a zona IND e a subzona P1.RP1 (BAIRRO EUGÊNIO SCHNEIDER): Toda a área do bairro.Pela subzona MD3.Pelo Rio Itajaí do Oeste. excluindo a subzona RE.RP1 (BAIRRO PROGRESSO): Toda a área do bairro. SUL .1): NORTE . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XI .Pelo limite com o Bairro Barragem.RP1 (BAIRRO BUDAG .Pelo limite do Perímetro Urbano.Pela Rua Pref.br .Pelo limite com o Bairro Laranjeiras.Pelo Rio Itajaí do Oeste.RP1 (BAIRRO PREF. SUL .Pelo limite com o Bairro Laranjeiras e Bairro Eugênio Schneider.RP1 (BAIRRO BUDAG): NORTE .Pela Rua Botânico Kullman (incluindo os lotes que lhe derem testada) e limite da subzona RP1. OESTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 IX .Pela Rua Humaitá (excluindo os lotes que lhe derem testada) e limite da subzona MD3.Pela zona IND.Pelo limite do perímetro urbano e limite com o Bairro Laranjeiras.RP1 (BAIRRO PREF.com.RP1 (BAIRRO PAMPLONA): Toda a área do bairro. MD3 e zona IND.Pelo Rio Itajaí Açu e limite com o Bairro Barra Itoupava. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 VIII . MD3 e o Loteamento Industrial CODISC (zona IND).pl 02/09/2011 .Pela divisa com Bairro Centro. LESTE .LEISMUNICIPAIS.RP1 (BAIRRO LARANJEIRAS): Toda área do bairro. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 XIII .www. Eugênio Schneider (incluindo os lotes que lhe derem testada) e limite da subzona RP1. seguindo pelo Beco Ponta Grossa até o Beco SD (excluindo os lotes que lhe derem testada). excluindo as subzonas RP3.Pela Rua Adolfo Buhr e seu prolongamento até a Rua Botânico Kuhlmann.Informação legal em tempo real Página 99 de 164 SUL .RP1 (BAIRRO RAINHA): http://www. SUL .RP1 (BAIRRO FUNDO CANOAS): Toda a área do bairro.

Pelo Rio Itajaí Açu.Pelo limite do perímetro urbano. SUL .RP1 (BAIRRO TABOÃO . OESTE . SUL . seguindo pela Rua XV de Novembro (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo limite do Bairro Progresso e Canoas.br .Pelo limite com o Bairro Bremer.Informação legal em tempo real Página 100 de 164 NORTE .Pelo limite com o Bairro Taboão.2): NORTE .Pelo limite com o Bairro Boa Vista e a subzona P2.Pelo limite do Perímetro Urbano.leismunicipais. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XVI .P Bairro Albertina. LESTE .br/cgi-local/form_vig.Pela subzona RE. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 XVII .www. OESTE . OESTE .Pela Rua dos Caçadores (excluindo os lotes que lhe derem testada). SUL . SUL .Pela Rua dos Caçadores (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo limite do do Perímetro Urbano.Pelo Rio Itajaí Açu. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XVII .RP1 (BAIRRO PAMPLONA): NORTE .RP1 (BAIRRO TABOÃO .Pela subzona MD3.Pelo limite do Perímetro Urbano.Pelo limite com o Bairro Pref.RP1 (BAIRRO LARANJEIRAS): NORTE . LESTE . OESTE .Pelo limite com o Bairro Boa Vista OESTE .Pelo Rio Itajaí Açu. http://www.Pelo Ribeirão das Cobras.Pelo Rio Itajaí Açu. até a interseção com a Rua Maranhão.RP1 (BAIRRO SANTA RITA): NORTE .Pela Rua Teodoro Morastoni (excluindo todos os lotes que lhe derem testada).RP1 (BAIRRO SANTANA): NORTE .Pelo limite com o Bairro Boa Vista OESTE . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XV . até a interseção com a Rua Maranhão.Pela zona EXP e subzona P2.Pelo Ribeirão Canoas. SUL . seguindo pela Rua XV de Novembro (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pela subzona MD3. P2 e IND (BR 470).Pelo limite com o Bairro Canta Galo.Pela divisa da subzona P1.com. LESTE .Pela subzona P2.Pela subzona IND. LESTE .P Bairro Albertina.LEISMUNICIPAIS. LESTE .Pelo limite com o Bairro Santana e subzona P2. SUL .RP1 (BAIRRO LARANJEIRAS): NORTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 XIV .RP1 (BAIRRO FUNDO CANOAS . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 XVI . LESTE . SUL . LESTE .1): NORTE .Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Laurentino (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XVIII .pl 02/09/2011 .Pela subzona MD3. OESTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 XVI . LESTE .1): NORTE . LESTE . OESTE .Pela subzona MD1. Eugênio Schneider e Bairro Centro. SUL .Pelo limite com o Bairro Pref. SUL .com. Eugênio Schneider e Bairro Centro.

Pela subzona MD3. Pela Estrada da Madeira.Pelo Ribeirão Cobras.Pela subzona MD3.Até o limite da Escola Isolada Barra Ribeirão Cobras Norte e limite do Perímetro Urbano. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XX .RP1 (BAIRRO BARRA DO TROMBUDO .Pelo limite com os Bairros Pamplona.RP1 (BAIRRO VALADA SÃO PAULO . LESTE .1): NORTE SUL OESTE LESTE . SUL . .Pelo Perímetro Urbano e limite intermunicipal de Rio do Sul com Lontras. LESTE .Informação legal em tempo real Página 101 de 164 OESTE . Pela zona IND.RP1 (BAIRRO PROGRESSO): NORTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 XVIII .Pela subzona MD3. SD 21 do lado par.br/cgi-local/form_vig. Canoas e BR 470 excluindo uma faixa paralela de 100.Pela BR 470.RP1 (BAIRRO RAINHA .RP1 (BAIRRO BARRAGEM .1): NORTE SUL LESTE OESTE .1): NORTE .Pelo Rio Itajaí Açú. (excluindo os lotes que lhe derem testada).2): SUL .Pelo limite com o Bairro Valada São Paulo.Limite com o Bairro Budag.RP1 .Pela subzona MD3.RP1 (BAIRRO BARRAGEM . o Bairro Barra do Trombudo.Até o limite da Escola Isolada Barra Ribeirão Cobras Norte e limite do Perímetro Urbano.Pelo limite com o Bairro Fundo Canoas. seguindo pela Rua Teodoro Morastoni do lado par. . III . NORTE .Pelo Ribeirão Cobras.Pelo Rio Itajaí Açú.Pelo Rio Itajaí Açú.RP1 (BAIRRO VALADA SÃO PAULO .www.Pelo limite do Perímetro Urbano.limite com .limite com subzona MD3.leismunicipais.Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Lontras OESTE . OESTE .Pelo limite com o Perímetro Urbano. SUL . SUL .Pela Trav.2): NORTE . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XXV . OESTE .Pelo Ribeirão Cobras. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 XIX . LESTE .Pelo Rio Itajaí Açu.Pela Estrada Boa Esperança excluindo uma faixa paralela de 400.Pelo Ribeirão Cobras e intersecção do prolongamento do ponto 16 com a faixa paralela de 75m a oeste da Rua Pref. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XIX .2): NORTE . LESTE .br . SUL .2): NORTE SUL LESTE OESTE .RP1 (BAIRRO VALADA SÃO PAULO .Pelo limite com o Bairro Rainha (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 XXVI .1): http://www. OESTE . o perímetro urbano e com o Bairro Budag.00m (quatrocentos metros) seguindo pela Rua Benedito Novo e Estrada da Floresta (excluindo os lotes que lhe derem testada) e subzona P1.1): NORTE .com. LESTE .Pelo Rio Itajaí do Oeste. LESTE .RP1 (BAIRRO VALADA SÃO PAULO .00m (cem metros).Pela zona IND.Pelo Ribeirão Cobras.(BAIRRO RAINHA . SUL .limite com limite com o .LEISMUNICIPAIS. OESTE . excluindo os lotes que derem testada.Pela subzona MD3. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Subzona Residencial Predominante 1 (RP1) I . . .pl 02/09/2011 .Pelo Ribeirão Cobras (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 XX . OESTE . perímetro urbano e com a zona IND. II . Luiz Adelar Soldatelli.com.

LESTE .pelo limite com a divisa intermunicipal com o município de Agronômica e subzona MD3.Pelo Rio Itajaí Açu.Pela subzona MD3.br .Pela Rua Pedro Moretto.Pela subzona MD3.Pelo Rio Itajaí do Oeste.Pela Rua Pedro Frankenberger (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pela Rua Humaitá (incluindo os lotes que lhe derem testada) e prolongamento da Rua Eufrázia Tomio (excluindo os lotes que lhe derem testada) e limite com o Bairro Santana.Pelo Rio Itajaí Açu. Pela subzona MD3.2): NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo limite com o Bairro Laranjeiras e Bairro Eugênio Schneider. XII .2): NORTE .Pela Rua Euclides da Cunha (excluindo os lotes que lhe derem testada) e divisa da subzona MC.Pela subzona P2. seguindo pelo Beco Ponta Grossa até o Beco SD (excluindo os lotes que lhe derem testada). OESTE .Pelo limite do perímetro urbano e limite com o Bairro Laranjeiras.Pelo Rio Itajaí do Oeste. . SUL .Pelo limite do Perímetro Urbano. OESTE .Pelo Rio Itajaí Açu.1): NORTE SUL LESTE OESTE .com.Informação legal em tempo real Página 102 de 164 NORTE SUL LESTE OESTE . VIII .RP1 (BAIRRO BUDAG .pelo limite com o Bairro Barragem e pela zona IND. . .pl 02/09/2011 .Pela Rua Pedro Avelino dos Santos. .Pela Estrada da Madeira.Pelas Ruas Princeza Izabel e Rinaldo Mezadri e seu prolongamento até o Ribeirão Canoas (excluindo os lotes que lhe derem testada). Eugênio Schneider (incluindo os lotes que lhe derem testada) e limite da subzona RE. LESTE .www. http://www. Pela subzona MD3. . . SUL . 172 de 04 de setembro de 2007). VII . Pela subzona MD3.Pela Rua Botânico Kullman (incluindo os lotes que lhe derem testada) e limite da subzona RE.Pela subzona MD2. .Pelo Rio Itajaí do Oeste.2) NORTE SUL LESTE OESTE . X . (Redação alterada pela Lei Complementar 172. SUL . .Pela subzona P1. Pelo prolongamento da Rua Eufrázia Tomio (excluindo os lotes que lhe derem testada). .Pelo limite com o Bairro Barragem.RP1 (BAIRRO EUGÊNIO SCHNEIDER . João Conrrado Stoll.RP1 (BAIRRO BOA VISTA): NORTE . Pela Rua SD que liga a rua Petrópolis até o Beco Ponta Grossa. no limite com o Bairro Laranjeiras. LESTE . .Pelo limite do perímetro Urbano.Pelo limite com o Bairro Taboão.LEISMUNICIPAIS.Pela subzona RE. IX . SUL . . .1): NORTE SUL LESTE OESTE .pela subzona MD3. pela zona IND do mesmo bairro e pelo perímetro urbano. . VI . OESTE . Eugênio Schneider. XIII . no limite com o Bairro Canta Galo e seu prolongamento até o Rio Itajaí Açú.Pelo limite com o Bairro Pref. IV .RP1 (BAIRRO BUDAG .Pelo Pelo Rio Itajaí Açú.2): NORTE .RP1 (BAIRRO BELA ALIANÇA . SUL .RP1 (BAIRRO BREMER): NORTE SUL LESTE OESTE . XI . Pela Rua Clemente Demarch (excluindo os lotes que lhe derem testada).RP1 (BAIRRO CANOAS): NORTE .RP1 (BAIRRO CENTRO): NORTE . Pela subzona MD3.Pelo limite com o Bairro Laranjeiras. pela Rua Santos (incluindo os lotes que lhe derem testada).br/cgi-local/form_vig. Pela Rua Pref.Pela Rua Humaitá (excluindo os lotes que lhe derem testada) e limite da subzona MD3. LESTE .Pela Rua Adolfo Buhr (excluindo todos os lotes que lhe derem testada). V .RP1 (BAIRRO BARRA DO TROMBUDO .RP1 (BAIRRO BELA ALIANÇA . (excluindo os lotes que lhe derem testada) e pelas Ruas Victor Meirelles e Prof. XIV .1): NORTE SUL LESTE OESTE .com.Pela Rua Fernando Silva (excluíndo os lotes que lhe derem testada). seguindo pela Rua Santos e Rua São Paulo (incluindo os lotes que lhe derem testada) seguindo pela Rua Petrópolis.leismunicipais. .Pelo Rio Itajaí-Açu.Pelo Ribeirão Canoas.Pelo Rio Itajaí Açu. (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pela Rua Adolfo Buhr (excluindo os lotes que lhe derem testada) e seu prolongamento até a Rua Botânico Kuhlmann.RP1 (BAIRRO EUGÊNIO SCHNEIDER . OESTE .

Pela divisa com Bairro Centro.Pelo limite Pelo Ribeirão .Pelo limite do Perímetro Urbano.Pela subzona RE.2): NORTE SUL LESTE OESTE . SUL . .RP1 . LESTE .Pelo limite com o Bairro Valada São Paulo. P2.Pelo limite com o Bairro Boa Vista OESTE .Pela Estrada Boa Esperança excluindo uma faixa paralela de 400. (Redação dada pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 SUL .RP1 (BAIRRO RAINHA . limite com a subzona RP2 até o limite com o Bairro Progresso.Pelo limite com o Bairro Bairro Albertina. XVIII .RP1 (BAIRRO LARANJEIRAS): NORTE .Pelo limite com o Bairro Santana e subzona P2. . XXIV .leismunicipais.Informação legal em tempo real Página 103 de 164 LESTE . XVII . . Pelo Rio Itajaí Açú.RP1 (BAIRRO SANTA RITA): NORTE SUL LESTE OESTE . Pela BR 470.Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Laurentino XIX . SUL .com.2): NORTE SUL LESTE OESTE . SD 21 do lado par. Pela zona UC e subzona P2. NORTE .1): NORTE SUL LESTE OESTE .1): NORTE SUL LESTE OESTE .(BAIRRO RAINHA .Pelo limite com o Bairro Progresso. . até a interseção com a Rua Maranhão.Pelo limite com o Bairro Fundo Canoas. seguindo pela Rua Teodoro Morastoni do lado par. . OESTE .Pela Trav. OESTE .Pela subzona MD3.RP1 (BAIRRO VALADA SÃO PAULO .Pelo limite do do Perímetro Urbano. OESTE . pelo Loteamento Industrial CODISC (zona IND).Pela subzona P2. com o Bairro Canta Galo. XXIII .br/cgi-local/form_vig.Pela subzona MD1. .Pelo limite com o Perímetro Urbano. .Pelo Rio Itajaí Açú. Pelo limite com o Bairro Boa Vista e a subzona P2.LEISMUNICIPAIS. .Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Lontras . do Perímetro Urbano.1): NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo limite do Perímetro Urbano. LESTE .1): http://www.Pelo limite com o Bairro Bremer. XXVI .RP1 (BAIRRO SANTANA): NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo limite .Pelo Rio Itajaí Açu. XX . .Pelo limite com o Bairro Eugênio Schneider e Bairro Centro. seguindo pela Rua XV de Novembro (excluindo os lotes que lhe derem testada).00m (quatrocentos metros) seguindo pela Rua Benedito Novo e Estrada da Floresta (excluindo os lotes que lhe derem testada) e subzona P1. XXV .Pelo Rio Itajaí Açú e lado par da Rua Willand Kurt. .Pelo limite com o Bairro Pamplona e zona IND.Pelo limite com o Bairro Boa Vista.RP1 (BAIRRO TABOÃO .br . LESTE .RP1 (BAIRRO FUNDO CANOAS .Pelo limite do Perímetro Urbano.Pela Rua dos Caçadores (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo limite do perímetro urbano.Pelo limite com o Bairro Taboão. Canoas.Pela subzona MD3.www. Pela subzona MD3.Pela Estrada Boa Esperança (excluindo os lotes que lhe derem testada) seguindo pela Rua das Industrias (excluindo os lotes que lhe derem testada) e limite com a subzona RP2 ate o limite com o Bairro Progresso.Pelo limite do Perímetro Urbano. Pela divisa da subzona P1.pl 02/09/2011 .com.RP1 (BAIRRO FUNDO CANOAS . IND e BR 470. .RP1 (BAIRRO PAMPLONA): NORTE SUL LESTE OESTE .2): NORTE . XV .Pela Estrada Boa Esperança (excluindo os lotes que lhe derem testada). .RP1 (BAIRRO PROGRESSO): NORTE .Pelo Rio Itajaí Açu. Pela zona IND.Pelo Ribeirão Cobras. XVI . .Pelo limite do Bairro Progresso e Canoas. XXI . XXII .RP1 (BAIRRO TABOÃO . excluindo os lotes que derem testada.

. até a interseção da faixa de 100 m (cem metros) paralela a Rua Alfredo Schwarowski.RP2 (BAIRRO JARDIM AMÉRICA): NORTE .Pela subzona MD3. LESTE .Pela subzona MD3 até o limite com o município de Lontras.br/cgi-local/form_vig. Luiz Adelar Soldatelli.Pelo limite do Perímetro Urbano e com o Bairro Bela Aliança. OESTE .Pelo limite do Perímetro Urbano.Pelo limite do Loteamento Industrial CODISC (zona IND) (Redação dada pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 IV . (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 V .www.Pela subzona MD3.Pelo Ribeirão Cobras e intersecção do prolongamento do ponto 16 com a faixa paralela de 75m a oeste da Rua Pref. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) (alterado pela LC 186 124/2004) RP2 (BAIRRO BELA ALIANÇA) NORTE: Pela zona MD3 da Bela Aliança até o limite com o município de Lontras. Pela zona IND. Pela zona UC. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 OESTE . SUL .Pelo Rio Itajaí Açu.Até o limite da Escola Isolada Barra Ribeirão Cobras Norte e limite do Perímetro Urbano. OESTE .Pela subzona P1.pl 02/09/2011 .RP1 (BAIRRO VALADA SÃO PAULO . LESTE . OESTE . (Redação dada pela Lei Complementar nº 214/2010) 214 III .Pelo limite com o Bairro Bremer e zona UC. até a intersecção com a faixa paralela de 400.RP2 (BAIRRO FUNDO CANOAS): NORTE . . XVII .00 m (trezentos metros) ao sul da Escola Isolada Ribeirão Quintino.Por uma faixa paralela de 400.Pelo talvegue situado 300. OESTE . .Pela subzona MD3.Pelo limite do Perímetro Urbano e com o Bairro Taboão. SUL .2): NORTE . OESTE .LEISMUNICIPAIS. LESTE: Pelo limite intermunicipal com Lontras.RP2 (BAIRRO PROGRESSO): NORTE .com.Pela Rua das Industrias (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo Rio Itajaí Açu. SUL . seguindo pela Rua SD (incluindo sos lotes que lhe derem testada) até encontrar o ponto 30 seguindo o perímetro urbano. LESTE .Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Lontras e limite do perímetro urbano dado pelos pontos 24.Pelo Ribeirão Cobras.Pelo Ribeirão Cobras.. I .Pelo limite com o Bairro Fundo Canoas. (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 Subzona Residencial Predominante 2 (RP2): I .Por uma faixa paralela de 400m a partir da Estrada Boa Esperança.Pelo limite do Perímetro Urbano dado pelos pontos 26 e 27 e uma faixa de 500 metros paralela a Rua Conselheiro Williy Hering.M.Pela subzona MD3 e limite com o Bairro Bremer. do fim da zona MD3 até o ponto P24. seguindo por este eixo (incluindo os lotes que lhe derem testada) e em seguida até o ponto P27.00m. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 II . OESTE: Pela zona RP2 do bairro Bremer. OESTE .Pela subzona MD3.Informação legal em tempo real Página 104 de 164 NORTE SUL OESTE LESTE .00m (quatrocentos metros) a partir da Estrada Boa Esperança. até o limite com o Bairro Bremer.RP2 (BAIRRO BELA ALIANÇA): NORTE . LESTE .RP2 (BAIRRO BREMER): NORTE .Pelo limite com o Bairro Progresso e subzona MD3.leismunicipais. 25. SUL . Após o P24A o limite segue sentido Oeste por uma faixa paralela de 500m (quinhentos metros) a Rua Conselheiro Willy Hering. ao sul da Estrada Boa Esperança. até a intersecção da faixa de 100m (cem metros) paralela a Rua Alfredo Schwarowski.br .RP2 (BAIRRO TABOÃO): NORTE SUL LESTE OESTE . seguindo por esta faixa sentido sul até o prolongamento do eixo do Beco O. SUL . seguindo pela Rua Benedito Novo e trecho da Estrada da Floresta (incluindo os lotes que lhe derem testada). . LESTE . 25 26.com. SUL: Partindo do ponto 24.RP3 (BAIRRO BELA ALIANÇA): http://www.Pelo limite com o Bairro Rainha.Pela Alameda Bela Aliança (incluindo todos os lotes que lhe derem testada) e seu prolongamento até o Rio Itajaí Açu. (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 Subzona Residencial Predominante 3 (RP3): I .Pela subzona MD3.Pelo Rio Itajaí Açu. seguindo pelo limite do perímetro urbano até o ponto P24A. LESTE .Pela subzona MD3. pelo limite do Perímetro Urbano e divisa com o Bairro Taboão. SUL . Após o P27 a linha segue pela divisa do perímetro urbano em direção ao P28.

RP3 (BAIRRO TABOÃO): NORTE .Por uma faixa paralela de 400. SUL . pelo limite do Perímetro Urbano e divisa com o Bairro Taboão.pl 02/09/2011 . OESTE .Pelo limite com o Bairro Bremer e zona EXP. LESTE . LESTE .Pela subzona MD3.RP3 (BAIRRO FUNDO CANOAS): NORTE .Subdividem-se nas subzonas: Mista Central (MC) e Mista Diversificada 1. SUL .00 m (quatrocentos metros) a partir da Estrada Boa Esperança. Parágrafo Único . 2 e 3 (MD1. seguindo pela Rua Benedito Novo e trecho da Estrada Floresta (incluindo todos os lotes que lhe derem testada.Pelo limite do Perímetro Urbano e com o Bairro Taboão.Pela Rua Marechal Deodoro (incluindo todos os lotes que lhe derem testada) e seu prolongamento até a Rua Euclides da Cunha (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).RP3 (BAIRRO BREMER): NORTE .com.Pela Alameda Bela Aliança (excluindo todos os lotes que lhe derem testada).leismunicipais. OESTE .Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Lontras e limite do perímetro urbano dado pelos pontos 24A e 24B OESTE .Por uma faixa paralela de 400.Pelo limite do Perímetro Urbano. SUL . II . http://www.br . seguindo pela Rua Humaitá (excluindo todos os lotes que lhe derem testada).Pela subzona MD3.Pelo limite do Perímetro Urbano.MC (BAIRRO CENTRO): NORTE .Pela subzona MD3. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 IV . OESTE .Pela subzona MD3 SUL .www. LESTE .Pela subzona P1.Pelo limite do Perímetro Urbano dado pelos pontos 24B e 24C e zona EXP.Pelo limite do Perímetro Urbano e com o Bairro Bela Aliança.Pelo limite com o Bairro Fundo Canoas.Pelo limite do Loteamento Industrial CODISC (zona IND).RP3 (BAIRRO PROGRESSO): NORTE . OESTE . II . as áreas destinadas prioritariamente para as funções de comércio e da prestação de serviços. podendo-se admitir outros usos. SUL . 507 . LESTE .Pelo talvegue situado 300. LESTE .Pela zona EXP.Fica definida como Zona Mista. OESTE .LEISMUNICIPAIS. III .RP3 (BAIRRO TABOÃO): NORTE .Pela subzona MD3 e limite com o Bairro Bremer. SUL .00 m (quatrocentos metros) a partir da Estrada Boa Esperança.Informação legal em tempo real Página 105 de 164 NORTE .Pela subzona MD3 e limite com o Bairro Bremer. SUL .Pelo limite com o Bairro Progresso e subzona MD3.Pela subzona MD3.Pela Rua Abrahn Lincoln (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) e seu prolongamento até a Rua Oscar Barcelos (excluindo todos os lotes que lhe derem testada). (Revogada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 SEÇÃO II DAS ZONAS MISTAS Art. seguindo por esta até encontrar a Rua Tiradentes (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) e seu prolongamento até a Rua Humaitá.Pela zona UC. LESTE .br/cgi-local/form_vig.com. LESTE . V .Pela subzona MD3.00 m (trezentos metros) ao sul da Escola Isolada Ribeirão Quintino. MD2 e MD3) e possuem as seguintes delimitações: ZONA MISTA Subzona Mista Central (MC): I . conforme definido por esta Lei Complementar.

LESTE . LESTE . Subzona Mista Diversificada 1 (MD1): I . OESTE . sendo: NORTE . II .MD1 (BAIRRO CENTRO): NORTE . SUL .MD2 (BAIRRO CANOAS): Em todos os seu limites territoriais.Pela Rua Guabiruba (incluindo todos os lotes que lhe derem testada) OESTE .Pela Rua Abrahn Lincoln (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).00 m (cinqüenta metros) a partir da Rua Ana Neri (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). Avenida Oscar Barcelos e Estrada Blumenau (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).pl 02/09/2011 .MD1 (BAIRRO JARDIM AMÉRICA): NORTE .br . SUL . de Negredo (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).Pelo Limite com o Bairro Budag.Pelo prolongamento da Rua Abrahn Lincoln até a Rua Oscar Barcelos (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). II . http://www.Pelos Rios Itajaí Açu e do Sul.MD2 (BAIRRO BUDAG): NORTE .Por uma faixa paralela de 50.Pelo Rio Itajaí do Sul. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 Subzona Mista Diversificada 3 (MD3): I .com. com prolongamentos até a Rua Victor Meirelles e por parte da Rua Hans Stadek (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).Pelo limite com o Bairro Jardim América.Pelo Rio Itajaí do Oeste e pelas Ruas Marconi e Basílio C.MD2 (BAIRRO CANTA GALO): Observada a taxa de ocupação máxima em 80% ( oitenta por cento). LESTE .00 m (cinqüenta metros) a Rua Augusta Deecke (incluindo todos os lotes que lhe derem testada) e pela Praça Pedro de Albuquerque.Pelo limite com o Bairro Centro.MD3 (BAIRRO ALBERTINA): NORTE .com.Informação legal em tempo real Página 106 de 164 OESTE .00 m (cinquenta metros) a partir das Ruas Victor Meirelles e Prof. Subzona Mista Diversificada 2 (MD2): I . SUL . Rodrigues Alves. OESTE .Por uma faixa paralela de 50. III . LESTE . SUL .Pelo limite com o Bairro Centro.00m (cinqüenta metros) a partir das Ruas Ana Neri.MD1 (BAIRRO SANTANA): NORTE .leismunicipais.Por uma faixa paralela de 50.Pelo limite com o Bairro Jardim América e Rio Itajaí Açu.Pelo limite com o Bairro Santana.Pelos limites com os Bairros Centro e Santana. SUL . OESTE . João Conrado Stoll (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). III .Pelas Ruas Oscar Barcelos e Monte Castelo (incluindo todos os lotes que lhe derem testada) e uma faixa paralela de 50.www. OESTE .Pelo limite com a zona P2.Iniciando no limite com o Bairro Laranjeiras e pela subzona RP1. LESTE .Pelo limite territorial do bairro.br/cgi-local/form_vig.00m (cinquenta metros) a partir da Rua Prof.MD2 (BAIRRO CENTRO): NORTE .Pelo limite com o Bairro Santana.Pelo limite territorial do bairro.Pelo Rio Itajaí do Oeste. considera-se zona MC.Por uma faixa paralela de 50. SUL . LESTE . IV . OESTE . João Conrado Stoll. observada a taxa de ocupação máxima em 80% (oitenta por cento).Pela Alameda Bela Aliança (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) e seu prolongamento até o Rio Itajaí Açu.LEISMUNICIPAIS. Obs: os lotes que derem testada para a Rua Eugênio Schneider.Pelo limite territorial do bairro.

1): Por uma faixa paralela de 50. IV . X . OESTE .Por uma faixa paralela de 250.00 m (cinqüenta metros) a partir da Estrada das Madeiras e Rua Clemente Demarch (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).pl 02/09/2011 . OESTE .Pela subzona MD2.Pelo limite do perímetro urbano.00 m (cinqüenta metros) a partir da Rua dos Caçadores.com.Pelo limite com o Bairro Barragem.MD3 (BAIRRO LARANJEIRAS): NORTE .br .MD3 (BAIRRO TABOÃO .Pelo Rio Itajaí Açu.00m (cem metros) a partir da (SC-302). V .00 m (cinqüenta metros) a partir da Estrada Blumenau (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). II . incluindo todos os lotes que lhe derem testada (limites com os Bairros Santana e Bremer).Pela Estrada São Bento (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).00 m (duzentos e cinqüenta metros) a partir da Estrada Boa Esperança.Por uma faixa paralela de 50.MD3 (BAIRRO CENTRO): NORTE .00 m (cinqüenta metros) a partir das Ruas dos Caçadores. por uma faixa paralela de 100. XI .00 m (cinqüenta metros) a partir da Estrada Blumenau e a Rua Willy Hering (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). IX .Por uma faixa paralela de 50. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 VIII .00 m a partir dos eixos da Estrada Boa Esperança e BR-470 (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).br/cgi-local/form_vig. LESTE . LESTE .Pela Rua Marechal Deodoro (excluindo todos os lotes que lhe derem testada).Pelo Rio Itajaí do Sul.00 m (cinqüenta metros) a partir da Estrada das Madeiras (incluindo todos os lotes que derem testada). SUL .Por uma faixa paralela de 50.00 m (cinqüenta metros) a partir da Estrada das Madeiras (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).MD3 (BAIRRO BUDAG): NORTE .Pelo limite com o Bairro Taboão. SUL . http://www. VII .00 m (cinqüenta metros) a partir da Estrada das Madeiras (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). SUL .www.Pelo limite do perímetro urbano LESTE . OESTE . OESTE .Pela Rua Guabiruba (excluindo todos os lotes que lhe derem testada).Por uma faixa paralela de 50. III . OESTE .leismunicipais. LESTE . LESTE . SUL .Pelo limite com o Bairro Albertina.MD3 (BAIRRO BARRAGEM): Por uma faixa paralela de 50.LEISMUNICIPAIS. Otto Ern e Rua XV de Novembro.Informação legal em tempo real Página 107 de 164 SUL .00 m (cinqüenta metros) a partir da Estrada Blumenau (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).MD3 (BAIRRO BELA ALIANÇA): Por uma faixa paralela de 50.Pelo limite com o Bairro Canta Galo e zona IND.com.Por uma faixa paralela de 50. OESTE . SUL .00 m (cinqüenta metros) a partir da Estrada Blumenau.Por uma faixa paralela de 50.Pelo limite com o Bairro Centro.Pelo Rio Itajaí do Sul.MD3 (BAIRRO PROGRESSO): NORTE . VI .MD3 (BAIRRO BARRA DO TROMBUDO): Por uma faixa paralela de 50.MD3 (BAIRRO SANTANA): NORTE . LESTE .Pelo limite do perímetro urbano.Pelo limite com o Bairro Laranjeiras.MD3 (BAIRRO BREMER): Por uma faixa paralela de 50.

Luiz Soldatelli e Ribeirão Cobras. incluindo todos os lotes que lhe derem testada (limites na Estrada Blumenau e zona EXP). seguindo pela Rua Humaitá (excluindo os lotes que lhe derem testada).MC (BAIRRO CENTRO): NORTE . OESTE .Pelo limite com o Bairro Jardim América.Pelo limite com OESTE .MD3 (BAIRRO TABOÃO .MD3 (BAIRRO BARRA DA ITOUPAVA) Toda área do bairro. os Bairros Centro e Santana.00 m (cinqüenta metros) a partir da Rua João Ledra. seguindo por esta até encontrar a Rua Tiradentes (excluindo os lotes que lhe derem testada).Por uma faixa paralela de 50. OESTE . Subzona Mista Diversificada 1 (MD1): I . SUL .pl 02/09/2011 . EUGÊNIO SCHNEIDER): NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo Rio Itajaí do Oeste.MD1 (BAIRRO JARDIM AMÉRICA): NORTE .Pela Alameda Bela Aliança (excluindo os lotes que lhe derem testada).com. Lincoln e Alameda Bela Aliança e seu prolongamento até o Rio Itajaí Açú (incluindo os lotes que PE6 . Eugênio Schneider (incluindo os lotes que lhe derem testada). http://www.Pelo limite da Escola Isolada Barra Ribeirão Cobras Norte. SUL .Pelos Rios Itajaí Açu e do Sul.Pela zona IND.com. .Informação legal em tempo real Página 108 de 164 XII . Subzona Mista Diversificada 2 (MD2): I . LESTE .Pela Euclides da Cunha (incluindo os lotes que lhe derem testada) e divisa com a subzona RP1. seguindo por esta até encontrar a Rua Tiradentes (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pelas Ruas Oscar Barcelos e Monte Castelo (incluindo os lotes que lhe derem testada) e a Rua Ana Neri (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pela Rua Marechal Deodoro e seu prolongamento até o limite com o Bairro Eugênio Schneider (incluindo os lotes que lhe derem testada) seguindo pela Rua Euclides da Cunha (incluindo os lotes que lhe derem testada).MD1 (BAIRRO CENTRO): NORTE . Luiz Soldatelli .Pela Rua Marechal Deodoro e seu prolongamento até o limite com o Bairro Eugênio Schneider (incluindo os lotes que lhe derem testada) seguindo pela Rua Euclides da Cunha (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pelos limites com LESTE . pela Rua Rodrigues Alves em direção à Avenida Oscar Barcelos e Estrada Blumenau (incluindo os lotes que lhe derem testada). OESTE . Açu. I . .Por uma faixa paralela de 50.Pelo limite com o Bairro Santana. XIII .2): Por uma faixa paralela de 50. LESTE .Pelo Rio Itajaí SUL . III .Pelos Rios Itajaí Açu e do Sul.Pela Rua Abrahn Lincoln (incluindo os lotes que lhe derem testada) e seu prolongamento até a Rua Oscar Barcelos (excluindo todos os lotes que lhe derem testada). seguindo pela Rua Humaitá (excluindo os lotes que lhe derem testada).MD1 (BAIRRO SANTANA): NORTE .Pela Rua Ana Neri (incluindo os lotes que lhe derem testada).LEISMUNICIPAIS.Pela Rua Abrahn Lincoln (excluindo os lotes que lhe derem testada) e seu prolongamento até a Rua Oscar Barcelos (excluindo todos os lotes que lhe derem testada). LESTE . SUL .Pela Rua Vitorio Beeling (incluindo os lotes que lhe derem testada).br/cgi-local/form_vig.00 m (cinqüenta metros) a partir da Rua Pref.Pela divisa com o Bairro Centro.Pela Rua Abrahn lhe derem testada).Pelo prolongamento da Rua Abrahn Lincoln até a Rua Oscar Barcelos (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). SUL .MC (BAIRRO CENTRO): NORTE . SUL .MD2 (BAIRRO BUDAG): NORTE . LESTE .br . OESTE . o Bairro Santana.Pelo limite com o Bairro Centro.Área de domínio da RFFSA.Pela Rua Humaitá (excluindo os lotes que lhe derem testada) e divisa do Bairro Centro. ZONA MISTA Subzona Mista Central (MC): I .MC (BAIRRO PREF.00 m (cinqüenta metros) a partir da Rua Pref.Pela Alameda Bela Aliança (excluindo os lotes que lhe derem testada).www. (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 II . XIV . SUL . Pela Rua Pref. LESTE .leismunicipais.Pelo limite com o Bairro Jardim América e Rio Itajaí Açu. OESTE . II .MD3 (BAIRRO VALADA SÃO PAULO): NORTE .Pela Rua Victor Meirelles e pela Rua João Conrado Stoll (incluindo os lotes que lhe derem testada).

III .Pelo limite com o Bairro Taboão.MD3 . OESTE .MD3 (BAIRRO BREMER): NORTE SUL LESTE OESTE *Obs: .Pela Rua Prof. Subzona Mista Diversificada 3 (MD3): I . . VII .Pelo limite com o Bairro Budag.www.Pelo Limite com o Bairro Bela Aliança. . Rua Victor Meirelles e Rua Rodolfo Anton (excluindo os lotes que lhe derem testada). . Wenceslau Borini até o Rib. João Conrado Stoll (incluindo os lotes que lhe derem testada).Área de domínio da RFFSA. pelo eixo da SC 302.Pela SC 302 (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo limite com o Bairro Barra do Trombudo.Pela Estrada da Madeira (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).MD2 (BAIRRO CENTRO): NORTE SUL LESTE OESTE .MD2 (BAIRRO CANOAS): NORTE .Informação legal em tempo real Página 109 de 164 LESTE . LESTE . Dona Augusta Deecke e Rua Victor Meirelles (Praça Pedro de Albuquerque). .1): http://www.Pela Estrada da Madeira (incluindo os lotes que lhe derem testada ) e subzona MD2.MD3 (BAIRRO BELA ALIANÇA): NORTE SUL LESTE OESTE .MD3 (BAIRRO ALBERTINA .Pelo limite com os Bairros Centro. Rua Rinaldo Mezadri e Pref. e seu prolongamento até o Rio Itajaí do Sul e limite Leste deste zoneamento.Pela subzona MD3 e pelo Rio Itajaí do Sul. II . . LESTE .MD3 (BAIRRO BARRA DO TROMBUDO): NORTE SUL LESTE OESTE .Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Agronômica. SUL .1): NORTE . Rua Rodolfo Anton (incluindo os lotes que lhe derem testada). Pela Estrada Blumenau (incluindo os lotes que lhe derem testada).com. pelo eixo da SC 302.Pelo limite com o Bairro Barragem. OESTE . Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Aurora.João Conrado Stoll (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo limite com o Bairro Brehmer.Pela disvisa intermunicipal entro Rio do Sul com Lontras.2): NORTE SUL LESTE OESTE . IV .MD2 (BAIRRO SUMARE): NORTE SUL LESTE OESTE . SUL .Pelo limite com o Bairro Barragem.MD3 (BAIRRO BUDAG): NORTE . VIII .br .Pelo limite com o Bairro Budag. II .MD3 (BAIRRO BARRAGEM): NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo talvegue existente no ponto onde a Rua Dom Pedro II encontra a BR 470 (no limite com o Bairro Pamplona e Bairro Progresso). .Na confluência da Av. LESTE . Canoas (incluindo os lotes que lhe derem testada). SUL .Pela Estrada Blumenau (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo Rio Itajaí açú.Quadro de Índices Urbanísticos deveram ser analisados caso a caso. Pela Estrada da Madeira e Clemente Demarch (incluindo os lotes que lhe derem testada)*.Pelo Rio Itajaí do Sul.Pelo limite com o Bairro Laranjeiras. Pela subzona RE e MD3. Pela Estrada da Madeira (incluindo todos os lotes que lhe derem testada ).00m da Rua Madre Paulina. PE6 . Sumaré e subzona RE. VI .pl 02/09/2011 . *Os lotes com profundidade superior a profundidade mínima estabelecida no Anexo 06 .com. IV . .Pela Rua Augusta Deecke (incluindo os lotes que lhe derem testada) e pela Praça Pedro de Albuquerque (ncluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo Rio Itajaí do Oeste. Estrada Blumenau e Rua Conselheiro Willy Hering (incluindo os lotes que lhe derem testada). OESTE . .Pela divisa com o Bairro Budag.Pelo Rio ItajaÍ.Pela Estrada da Madeira (incluindo os lotes que lhe derem testada). III . .Pela Estrada Blumenau e a Rua Conselheiro Willy Hering (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pela Estrada da Madeira e Clemente Demarch (incluindo os lotes que lhe derem testada). V .Na confluência dos Rios Itajaí do Sul e Rio Itajaí do Oeste. .MD3 (BAIRRO ALBERTINA . . . . .leismunicipais.Pelo limite com o Bairro Progresso e Bairro Canta Galo.Pelo talvegue situado a 700m anterior à entrada da Valada Albertina.LEISMUNICIPAIS. seguindo pela Fernando Silva.(BAIRRO CANTA GALO .Por uma linha a 720. Obs.Pelo Rio Itajaí do Sul. OESTE . Os lotes que derem testada para a Rua Julio Nau consideram-se Zona MD3.br/cgi-local/form_vig. Princeza Isabel. Pela Rua Prof.Por uma faixa de 100m a partir da SC 302.

2): NORTE SUL LESTE OESTE .Informação legal em tempo real Página 110 de 164 NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo limite com o Bairro Centro. SUL . PE7 .pl 02/09/2011 .Pela BR 470 (excluindo os lotes que lhe derem testada). . Na confluência da Estrada São Bento (incluindo os lotes que lhe derem testada e BR 470.Pela Rua dos Caçadores (incluindo os lotes que lhe derem testada). XIV . .MD3 (BAIRRO SUMARE): NORTE SUL LESTE OESTE . XIX .Área de domínio da RFFSA.(BAIRRO CANTA GALO .Pela Rua Euclides da Cunha (excluindo os lotes que lhe derem testada) e subzona MC.Cota emergencial (334. seguindo pela Rua XV de Novembro (incluindo os lotes que lhe derem testada). XVIII .Pelo limite do Perímetro Urbano. (ENCONTRO DOS RIOS) PE6 .Pelo Ribeirão Canoas. PE1 .Pelo limite da Escola Isolada Barra Ribeirão Cobras Norte.leismunicipais.Área de domínio da RFFSA. Luiz Adelar Soldatelli (incluindo os lotes que lhe derem testada).2): Por uma faixa paralela de 50.Por uma faixa paralela de 500.com.Pela Rua Marechal Deodoro (excluindo os lotes que lhe derem testada). .Na confluência da Estrada São Bento (incluindo os lotes que lhe derem testada) e BR-470. OESTE .08m) XII . XX .Pela subzona RP1. Pela Estrada Blumenau (incluindo os lotes que lhe derem testada).com.. Pelo limite com o Bairro Bom Fim..MD3 . .Pela Rua Rui Barbosa. IX .Pela zona IND.Pelo Rio Itajaí Açu.Pelo limite com o Bairro Canta Galo e zona IND.Pela Rua Adolfo Kolping (incluindo os lotes que lhe derem testada). .Terreno situado junto a confluência dos rios Itajaí do Sul e Itajaí do Oeste. .MD3 (BAIRRO SANTANA): NORTE SUL LESTE OESTE .00m a partir da BR 470. . . LESTE .br/cgi-local/form_vig. (incluindo os lotes que lhe derem testada). Pela Estrada Boa Esperança (incluindo os lotes que lhe derem testada).www.Pela Rua Vitorio Beeling (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pela subzona MD2.Pelo Rio Itajaí do Sul. OESTE .Pelo limite com o Bairro Progresso.Pelo Rio Itajaí do Sul. .LEISMUNICIPAIS.Pelo limite com o Bairro Albertina.br .MD3 (BAIRRO FUNDO CANOAS): NORTE SUL LESTE OESTE .MD3 (BAIRRO VALADA SÃO PAULO): NORTE .MD3 (BAIRRO CENTRO . . SUL .Pelo Rio Itajaí Açú. . Pela Rua Humaitá e divisa do Bairro Eugênio Schneider. Luiz Adelar Soldatelli até a intersecção do prolongamento do ponto 16 seguindo pelo Ribeirão Cobras. XVI . http://www. . Pelo Rio Itajaí Açú.Pelo limite com o Bairro Progresso e Bairro fundo Canoas. PE6 .MD3 (BAIRRO TABOÃO .Pelo Rio Itajaí do Sul.MD3 . XIII . pelo Ribeirão Canoas. LESTE . Pela BR 470 (excluindo os lotes que lhe derem testada) . .MD3 (BAIRRO BARRA DA ITOUPAVA) . XI .Pelo limite com o Bairro Taboão.Pela Rua Pref.Pelo limite com o Bairro Fundo Canoas e pelo Ribeirão Canoas.00 m (cinqüenta metros) a partir da Rua João Ledra.Pelo limite com o Bairro Canoas.MD3 (BAIRRO PROGRESSO): NORTE SUL LESTE OESTE .1): NORTE SUL LESTE OESTE . até a divisa com o Bairro Bom Fim. . Pelo limite com o Bairro Laranjeiras.2): NORTE SUL LESTE OESTE .Pela Rua Humaitá (incluindo os lotes que lhe derem testada).MD3 (BAIRRO LARANJEIRAS): NORTE . incluindo todos os lotes que lhe derem testada (limites na Estrada Blumenau e zona UC).Pela Rua Pref.(BAIRRO CENTRO .Pela Rua dos caçadores (incluindo os lotes que lhe derem testada)até a intersecção da Rua Maranhão. XV . . X .

.MD3 (BAIRRO BARRAGEM): NORTE SUL LESTE OESTE . Ribeirão Itoupava e divisa com a Barra Itoupava.MD3 (BAIRRO NAVEGANTES) NORTE .Pelo Beco 01 incluindo os lotes que derem testada.Por uma linha a 720. Rua Rodolfo Anton (incluindo os lotes que lhe derem testada).Informação legal em tempo real Página 111 de 164 NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo Rio Itajaí do Sul. SUL .Pela Estrada Blumenau e a Rua Conselheiro Willy Hering (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo Limite com o Bairro Bela Aliança.Pela zona IND.MD3 (BAIRRO CANTA GALO . OESTE .Pela Estrada da Madeira (incluindo os lotes que lhe derem testada ) e subzona MD2. Dona Augusta Deecke e Rua Victor Meirelles (Praça Pedro de Albuquerque). . . Obs. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Subzona Mista Diversificada 3 (MD3): I .Pelo Rio Itajaí Açú.Pela Estrada da Madeira e Clemente Demarch (incluindo os lotes que lhe derem testada). SUL .00m a partir da BR 470.Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Agronômica. . .Pela disvisa intermunicipal entro Rio do Sul com Lontras.MD3 (BAIRRO BARRA DO TROMBUDO): NORTE SUL LESTE OESTE . . . .2): NORTE SUL LESTE OESTE . Pelo Rio Itajaí Açu. Pela Estrada Blumenau (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pela BR 470. SUL . . Pelo Rio Itajaí Açú.Pelo limite com o Bairro Barragem. pelo eixo da SC 302.br/cgi-local/form_vig.MD3 (BAIRRO BREMER): NORTE SUL LESTE OESTE . Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Aurora.www.LEISMUNICIPAIS. VII .br . Pela Estrada da Madeira e Clemente Demarch (incluindo os lotes que lhe derem testada)*.MD3 (BAIRRO BELA ALIANÇA): NORTE SUL LESTE OESTE . VIII .Quadro de Índices Urbanísticos deveram ser analisados caso a caso.leismunicipais.Pelo limite com o Bairro Barra do Trombudo.1): NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo Rio Itajaí Açú. II .1): NORTE . .com.MD3 (BAIRRO CENTRO .Pela Estrada da Madeira (incluindo todos os lotes que lhe derem testada).Na confluência da Av.pl 02/09/2011 . VI . .00m da Rua Madre Paulina. IV . .Pelo Rio Itajaí Açú. XXI .Pelo Rio Itajaí Açu.MD3 (BAIRRO BUDAG): NORTE . LESTE .Pelo limite com o Bairro Laranjeiras. pelo eixo da SC 302.MD3 (BAIRRO ALBERTINA . Estrada Blumenau e Rua Conselheiro Willy Hering (incluindo os lotes que lhe derem testada).Por uma faixa de 100m a partir da SC 302. e seu prolongamento até o Rio Itajaí do Sul e limite Leste deste zoneamento. . LESTE .MD3 (BAIRRO ALBERTINA . .Pelo limite com o Bairro Barragem.Pelo Rio Itajaí do Sul. X .Pelo limite com o Bairro Canoas.Pelo limite com o Bairro Budag.Pela Estrada da Madeira (incluindo os lotes que lhe derem testada). OESTE .Pela Rua Georg Rausch e seu prolongamento até a BR 470 e divisa com a zona IND.Pelo limite com o Bairro Bremer. pelo Ribeirão Canoas.Pelo limite com o Bairro Progresso e Bairro fundo Canoas. IX . LESTE .Pela SC 302 (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pela Estrada Blumenau (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo talvegue situado a 700m anterior à entrada da Valada Albertina.MD3 (BAIRRO CANTA GALO .Pelo limite com o Bairro Taboão.Por uma faixa paralela de 500. Pela Estrada da Madeira (incluindo todos os lotes que lhe derem testada ).com. . *Os lotes com profundidade superior a profundidade mínima estabelecida no Anexo 06 .1): http://www.Pela BR 470 (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pela Rua Adolfo Kolping (incluindo os lotes que lhe derem testada). OESTE . III .2): NORTE SUL LESTE OESTE . Pela BR 470 (excluindo os lotes que lhe derem testada) . V .

.Pelo Ribeirão Canoas. (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 SEÇÃO III http://www. XVIII .Pela Rua Euclides da Cunha (excluindo os lotes que lhe derem testada) e subzona MC. OESTE . LESTE . SUL .Pela Rua Vitorio Beeling (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo limite com o Bairro Bremer e Ribeirão Taboão.Pela Rua Humaitá (incluindo os lotes que lhe derem Pela Rua Pref. LESTE . Pela Estrada Boa Esperança (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo limite do Perímetro Urbano.Pelo limite com o Bairro Canta Galo e zona IND.br/cgi-local/form_vig. OESTE .MD3 (BAIRRO TABOÃO): NORTE .Pelo Rio Itajaí Açu.Pelo Rio Itajaí do Sul. OESTE .MD3 (BAIRRO NAVEGANTES) NORTE . . XI .Pelo Rio Itajaí Açu. SUL . MD3 (BAIRRO SUMARE): .Pelo limite com o Bairro Centro.com. Pelo limite com o Bairro Laranjeiras.Na confluência da Estrada São Bento (incluindo os lotes que lhe derem testada) e BR-470.Pela subzona MD2. XV .Pela Rua Humaitá (incluindo os lotes que lhe derem testada).br . . XX .Pelo limite da Escola Isolada Barra Ribeirão Cobras Norte.Pela subzona RP1.leismunicipais. .com. .MD3 (BAIRRO PROGRESSO): NORTE SUL LESTE OESTE .www. lhe derem testada) e divisa da subzona MC.Pela Rua Marechal Deodoro (excluindo os lotes que lhe derem testada). Pelo Rio Itajaí Açu. Eugênio Schneider (incluindo os lotes .Pela zona IND.Pela Rua Pref.Informação legal em tempo real Página 112 de 164 NORTE SUL LESTE OESTE .MD3 (BAIRRO LARANJEIRAS): NORTE .Pelo limite com o Bairro Progresso. Luiz Adelar Soldatelli até a intersecção do prolongamento do ponto 16 seguindo pelo Ribeirão Cobras. Pela Rua Humaitá e divisa do Bairro Eugênio Schneider.Pelo Rio Itajaí Açú. Pelo limite com a comunidade Bom Fim.Pelo limite com o Bairro Taboão.Pelas Ruas Carlos Parma. Na confluência da Estrada São Bento (incluindo os lotes que lhe derem testada e BR 470. OESTE . LESTE .Pelas Ruas João Ledra e Estrada Blumenau (incluindo os lotes que lhe derem testada). .Pela Rua Pref.(BAIRRO CENTRO .Pela zona IND. Luiz Adelar Soldatelli (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pela Rua Euclides da Cunha (excluindo os lotes que testada) e divisa do Bairro Centro. . . que lhe derem testada lhe derem testada) e divisa com a zona RE.pl 02/09/2011 .MD3 (BAIRRO FUNDO CANOAS): NORTE SUL LESTE OESTE . Ribeirão Itoupava e divisa com a Barra Itoupava.Pelo Rio Itajaí do Sul.MD3 (BAIRRO BARRA DA ITOUPAVA) NORTE SUL LESTE OESTE . XIII . SUL . XXI .Pela Rua Rui Barbosa. .MD3 (BAIRRO EUGÊNIO SCHNEIDER): NORTE SUL LESTE OESTE . XIV . (incluindo os lotes que lhe derem testada). . XII .LEISMUNICIPAIS. XIX .Pela Rua dos Caçadores (incluindo os lotes que lhe derem testada). LESTE .MD3 (BAIRRO VALADA SÃO PAULO): NORTE .Pela Rua Georg Rausch e seu prolongamento até a BR 470 e divisa com a zona IND. SUL .Pelo limite com o Bairro Fundo Canoas e pelo Ribeirão Canoas. .Pela BR 470. . seguindo pela Rua XV de Novembro (incluindo os lotes que lhe derem testada).MD3 (BAIRRO SANTANA): NORTE SUL LESTE OESTE XVI NORTE SUL LESTE OESTE .Pela Rua Botânico Kullmann (incluindo os lotes que .Pelo Rio Itajaí Açú.Pela divisa com o Bairro Canta Galo. até a divisa com a comunidade Bom Fim.2): NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo Rio Itajaí do Sul. Pela Estrada Blumenau (incluindo os lotes que lhe derem testada).Pela Rua dos caçadores (incluindo os lotes que lhe derem testada)até a intersecção da RuaMaranhão. .MD3 . .Pelo limite com o Bairro Albertina. XVI . João Ledra e Estrada Blumenau (incluindo os lotes que lhe derem testada) e limite com o Bairro Santana.Pela subzona MD1 e limite com o Bairro Santana.

a 720. LESTE . OESTE .Cachoeira do Taboão.00 m (quatrocentos metros) ao sul da Rua Vergílio Cristofolini.leismunicipais.Pelo limite do Perímetro Urbano. sendo destinadas à expansão das atividades de caráter urbano e delimitadas no Mapa de Zoneamento.EXP (BAIRRO BELA ALIANÇA): NORTE .Pelo limite do Perímetro Urbano e subzona P2. possuindo as seguintes delimitações: (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 ZONA DE EXPANSÃO (EXP) I .Área de domínio da RFFSA. PE6 .pl 02/09/2011 . mas ainda com características de uso rural.Pelo talvegue situado 400.Informação legal em tempo real Página 113 de 164 DAS ZONAS DE EXPANSÃO Art. SUL . possuindo as seguintes delimitações: Art. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 SEÇAO III http://www.Pelo limite do Perímetro Urbano.Pelo limite do Perímetro Urbano.Pela subzona MD3 e P1. SUL .EXP (BAIRRO VALADA ITOUPAVA): NORTE . SUL . LESTE . Pela zona IND.Pelo talvegue situado 400.Por uma linha reta de 450. a partir da faixa de 50. geralmente desocupadas ou com baixas densidades.LEISMUNICIPAIS. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 III .Pelo limite do Perímetro Urbano.00 m (quatrocentos metros) ao sul da Rua Vergílio Cristofolini.UC (BAIRRO ALBERTINA): NORTE .Fica definida como Zona de Urbanização Controlada (UC) as áreas pertencentes ao Perímetro Urbano.Pelo limite do Perímetro Urbano. OESTE . PE2 .Pelo limite do Perímetro Urbano. OESTE .com.Fica definida como Zona de Expansão (EXP) as áreas pertencentes ao Perímetro Urbano.Pelo limite do Perímetro Urbano e zona RP3 OESTE . geralmente desocupadas ou com baixas densidades.Pelo limite da Escola Isolada Barra Ribeirão Cobras Norte. LESTE . sendo destinadas à expansão das atividades de caráter urbano e delimitadas no Mapa de Zoneamento.Por uma linha reta ligando os pontos P24 e 27 do limite do Perímetro Urbano SUL .Pelo limite com o perímetro urbano e subzona P2 .Pelo limite do Perímetro Urbano e subzona P2.Pelo limite do Perímetro Urbano.Pela zona IND.Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Aurora. 00m.Pelo limite do Perímetro Urbano. . mas ainda com características de uso rural.UC (BAIRRO TABOÃO): NORTE .www. SUL .br/cgi-local/form_vig. II .UC (BAIRRO VALADA ITOUPAVA): NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo Ribeirão Cobras (limite do Perímetro Urbano).Pelo limite do Perímetro Urbano.com. 508 .EXP (BAIRRO VALADA SÃO PAULO): NORTE .Pelo limite do Perímetro Urbano LESTE . OESTE .br .EXP (BAIRRO TABOÃO): NORTE . LESTE . OESTE .Pelo limite do Perímetro Urbano. III . 508 . pelo eixo da SC 302. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 IV .Pelo limite do Perímetro Urbano. SUL .000m da subzona P1.Pelo limite com do Perímetro Urbano.00m da Rua Madre Paulina. LESTE . II . V .Pelo limite do Perímetro Urbano.

com a subzona RP1. LESTE . sejam submetidos a métodos adequados de controle e tratamento de efluentes e não causem atividades urbanas. LESTE . .00m (trinta e cinco metros).Pelo limite do Perímetro Urbano e subzona RP2.Pelo limite do Perímetro Urbano. por uma faixa paralela de 35.com a subzona de Preservação Permanente (P1) (Km 147+917.Pela BR-470.Pelo limite do Perímetro Urbano.br/cgi-local/form_vig.00m (cinqüenta metros). .Pela subzona MD3 e P1.Pelo limite do Perímetro Urbano.www. pela faixa de domínio da Rodovia BR-470.LEISMUNICIPAIS.Por uma linha reta de 450.00m da Rua Madre Paulina.00m). . II .Pelo limite com o perímetro urbano e subzona P2 . .leismunicipais.000m da subzona P1. LESTE . por uma faixa paralela de 50.00m).Por uma faixa paralela de 250.UC (BAIRRO ALBERTINA): NORTE . IV . Pelo limite do Perímetro Urbano .Com a subzona de Preservação Permanente (P1) (Km 146+687.IND (BAIRRO PAMPLONA . Pelo limite do Perímetro Urbano. por uma faixa paralela de 50. ambas a partir da faixa de domínio da Rodovia BR-470. Pela zona IND. IndB e IndC e possuem as ZONA INDUSTRIAL (IND) I . II . sendo delimitadas no Mapa de Zoneamento (Anexo 03).em 301. SUL .00m (trezentos e três metros).UC (BAIRRO VALADA ITOUPAVA): NORTE SUL LESTE OESTE .IND (BAIRRO PAMPLONA . III .Pela subzona RP2. (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 SEÇÃO IV DAS ZONAS INDUSTRIAIS Art.UC (BAIRRO VALADA SÃO PAULO): NORTE SUL LESTE OESTE .75m (cento e trinta e dois metros e setenta e cinco centímetros). 00m. Subdividem-se em seguintes delimitações: Pelo Loteamento Industrial CODISC (zona IND). com a subzona RP1.UC (BAIRRO TABOÃO): NORTE SUL LESTE OESTE .ao norte da BR-470) 1: NORTE . na confrontação da faixa de APP de um córrego. III .UC (BAIRRO BELA ALIANÇA): NORTE SUL LESTE OESTE .Pelo limite com o Bairro Barra Itoupava.com. 509 .ao norte da BR-470) 2: NORTE . Pelo limite da Escola Isolada Barra Ribeirão Cobras Norte.Pelo limite do Perímetro Urbano.em 303.Com a subzona de Preservação Permanente (P1) (Km 146+882.Em 132. a primeira linha em 56. pelo eixo da SC 302.Pelo Ribeirão Cobras (limite do Perímetro Urbano).Com três linhas. OESTE . .Informação legal em tempo real Página 114 de 164 ZONA DE URBANIZAÇÃO CONTROLADA I .00 m (duzentos e cinqüenta metros) a partir da BR-470. a 720. SUL .60m (cinqüenta e seis metros e sessenta centímetros) com a subzona de Preservação Permanente (P1).00 m (quatrocentos metros) ao sul da Rua Vergílio Cristofolini e subzona MD3.00m (trezentos e um metros) pela faixa de domínio da Rodovia BR-470.Pelo talvegue situado 400. SUL .00m (cinqüenta metros) a partir da faixa de domínio da Rodovia BR-470.75m (cento e trinta e dois metros com setenta e cinco centímetros).Pelo limite com o Bairro Rainha.IND (BAIRRO NAVEGANTES): NORTE . OESTE .br .Pelo limite do Perímetro Urbano. . LESTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 IV . a partir da faixa de 50. http://www.Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Aurora.pl 02/09/2011 . SUL . a segunda linha em 15.Pelo limite do Perímetro Urbano.Pelo limite com do Perímetro Urbano. na confrontação da faixa de APP de um córrego.32m (quinze metros e trinta e dois centímetros) com a subzona de Preservação Permanente (P1) e a terceira linha em 132.00m) OESTE .IND (BAIRRO FUNDO CANOAS): Zona Industrial (IND) as áreas destinadas preferencialmente à instalação de industrias.com. V .Pelo limite do Perímetro Urbano e subzona P2.Fica definida como cujos processos de fabricação incômodos sensíveis as demais IndA.

Pela BR-470.IND (BAIRRO RAINHA): NORTE .Pelo Limite com o Perímetro urbano. (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 VIII .Pela BR-470. LESTE .Pela BR 470 e Subzona P1. Pela Estrada Blumenau.Pelo limite com o Bairro Valada Itoupava.Pelo Ribeirão Cobras. .Pelo limite com o Bairro Canta Galo (Ribeirão Canoas).Pelo limite com o Bairro Canoas (Ribeirão Canoas). OESTE . (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 VII . Pelo Rio Itajaí do Oeste.08m (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 II .00 m (quinhentos metros) a partir da BR-470. na confrontação de terras do Frigorífico Riosulense S/A.Pelo limite com o Bairro Valada Itoupava.www. SUL .00m a partir da BR 470 até a interseção com a faixa de 200.ao sul da BR-470): Toda a área do Bairro Pamplona ao sul da BR-470.Pelo divisa intermunicipal de Rio do Sul com Lontras.00m a oeste da Rua dos Vereadores e limite com o Bairro Valada Itoupava SUL .Rio Itajaí do Oeste e subzona P2.IND (BAIRRO PAMPLONA .IND (BAIRRO PAMPLONA): NORTE SUL LESTE OESTE .IND (BAIRRO SANTA RITA): NORTE . RP1. PE6 . . LESTE .Pelo limite com o Bairro Brehmer.IND . (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 ZONA INDUSTRIAL (IND) I . OESTE . . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 III .com a subzona de Preservação Permanente (P1) (Km 148+215.Pelo Rio Itajaí Açú.00 m (cem metros) a partir da BR-470.br/cgi-local/form_vig. LESTE . OESTE .leismunicipais. LESTE .Pela BR-470.00m).Área de domínio da RFFSA.Pela subzona MD3. PE4 .Por uma faixa paralela de 100.IND (BAIRRO VALADA ITOUPAVA): http://www. (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 IX .Pela BR-470.Cachoeira do Bela Aliança.br .IND (BAIRRO PROGRESSO): NORTE .Pelo eixo da Estrada Boa Esperança.pl 02/09/2011 . .Pela Rua Teodoro Morastoni (incluindo todos os lotes que lhe derem testada). SUL .com. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 V .ao norte da BR-470) 3: NORTE .Pela BR-470.IND (BAIRRO PAMPLONA . seguindo por outra faixa paralela de 500. P2. (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 X . (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 VI .com.Pela BR 470 (incluindo os lotes que lhe derem testada) até a Rua Adolfo Kolping (excluindo os loteas que lhe derem testada). SUL . OESTE . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 IV .Pela Rua Pedro Frankenberger (excluíndo os lotes que lhe derem tetada). Pelo rio Itajaí-Açu e subzona MD3. PE9 Área de domínio da RFFSA PE10 Cota emergência 334.Pela BR-470. .Pela divisa da subzona MD3. OESTE .SUL . LESTE .Por uma faixa paralela de 500.Pelo limite com o Bairro Rainha.Informação legal em tempo real Página 115 de 164 OESTE .Pelo limite com o Bairro Canoas.Pelo Rio Itajaí Açu e limite com o Bairro Navegantes (Ribeirão Cobras).LEISMUNICIPAIS. .(BAIRRO CANTA GALO): NORTE .Pela Rua Louro e seu prolongamento (incluindo os lotes que lhe derem testada) até a BR-470.IND (BAIRRO BELA ALIANÇA): NORTE SUL LESTE OESTE .IND (BAIRRO NAVEGANTES): NORTE SUL LESTE OESTE .

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 116 de 164

NORTE - Por uma faixa paralela de 1.000,00 m (mil metros)a partir da BR-470. SUL - Pela BR-470. LESTE - Pela subzona P2 e limite com o Bairro Santa Rita. OESTE - Pela subzona P2 e limite com o Bairro Canta Galo. (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 XI - IND (BAIRRO VALADA SÃO PAULO): NORTE - Por uma faixa paralela de 250,00 m (duzentos e cinqüenta metros) a partir da BR- 470. SUL - Pela BR-470. LESTE - Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Lontras. OESTE - Pelo Ribeirão Cobras. (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 XII - IND (BAIRRO BARRAGEM): NORTE - pela subzona RP1, sendo uma linha imaginária com início a 600,00m (seiscentos metros) paralela à Rua Clemente Demarch e seu fim a 850,00m (oitocentos e cinqüenta metros) paralelamente à mesma rua. SUL - pelo limite com o perímetro urbano. LESTE - pelo limite com o perímetro urbano. OESTE - pelo limite com o Bairro Barra do Trombudo. (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 XIII - IND (BAIRRO BARRA DO TROMBUDO): NORTE - pela subzona RP1. SUL - pelo limite com o perímetro urbano. LESTE - pelo limite com o Bairro Barragem e Rua Emílio Adami. OESTE - por uma faixa paralela a partir de 100,00m (cem metros) da Estrada Palmitos, iniciando a 350,00m (trezentos e cinqüenta metros) paralelamente à Rua Clemente Demarch (Redação alterada pela Lei Complementar 184/2008) 184 VI - IND (BAIRRO PROGRESSO - 2) NORTE SUL LESTE OESTE - Pela BR 470 (incluindo os lotes que lhe derem testada). Pela BR 470. - Pela Estrada da Floresta (excluindo os lotes que lhe derem testada), seguindo pelo talvegue. - Pela Rua Roberto Henrique Wagner (incluindo os lotes que lhe derem testada).

VII - IND (BAIRRO RAINHA): NORTE - Pela RP1. SUL - Pela subzona RP1. LESTE - Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Lontras OESTE - Pela Rua Teodoro Morastoni excluindo o lado par da rua, seguindo pela Rua Willand Kurth excº lado par desta, Rio Itajaí-Açu, limite com o Bairro Navegantes e Bairro Valada São Paulo. VIII - IND (BAIRRO SANTA RITA): NORTE SUL LESTE OESTE - Pela BR-470 (incluindo os lotes que lhe derem testada). Pela divisa do Bairro Navegantes. - Pelo Ribeirão Cobras. - Pelo limite com o Bairro Valada Itoupava.

IX - IND (BAIRRO VALADA ITOUPAVA): NORTE - Pela SUL, Pela BR LESTE - Pelo OESTE - Pelo subzona UC, pela P2 (1) até o limite com o Bairro Santa Rita. 470. limite com o Bairro Santa Rita. limite com o Bairro Canta Galo e uma faixa paralela de 200,00m, a oeste da Rua dos Vereadores.

PE7 - Cachoeira da Valada Itoupava PE10 - Cota emergêncial (334,08m) X - IND (BAIRRO VALADA SÃO PAULO): NORTE SUL OESTE LESTE - Por uma faixa paralela de 250,00 m (duzentos e cinqüenta metros) a partir da BR- 470. Pela BR-470. - Pelo Ribeirão Cobras. - Pelo limite com o Bairro Rainha.

XI - IND (BAIRRO BARRA DA ITOUPAVA) NORTE SUL LESTE OESTE - Pelo limite com o Bairro Valada Itoupava e BR 470. Pela Subzona MD3 e Rio Itajai Açu. - Pelo limite com o Bairro Navegantes. - Limite do Bairro Canta Galo.

XII - IND (BAIRRO BARRAGEM):

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 117 de 164

NORTE SUL LESTE OESTE

- Por uma linha reta perpendicular iniciada a 700,00m pelo eixo da Rua Emílio Adami até o limite do perímetro. pelo limite com o perímetro urbano. - pelo limite com o perímetro urbano. - pelo limite com o Bairro Barra do Trombudo.

PE6 - Área de domínio da RFFSA; XIII - IND (BAIRRO BARRA DO TROMBUDO): NORTE - Por uma linha reta de 100,00m, tendo seu ponto intermediário situado a 415,00m pelo eixo da Estrada dos Palmitos, seguindo por uma linha reta num ponto situado a 300,00m pelo eixo da Rua Emilio Adami. (incluindo os lotes que lhe derem testada). SUL - Pelo limite com o perímetro urbano. LESTE - Por uma linha de 400,00m pelo eixo da Rua Emilio Adami, apartir desta em ângulo reto até o limite com o Bairro Barragem. OESTE - Por uma linha reta, partindo do ponto inicial norte na direção sul até o limite com o perimetro urbano. PE6 - Área de domínio da RFFSA; (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 ZONA INDUSTRIAL (IND) I - IND (BAIRRO BARRAGEM): NORTE SUL LESTE OESTE - Por uma linha reta perpendicular iniciada a 700,00m pelo eixo da Rua Emílio Adami até o limite do perímetro. Pelo limite com o perímetro urbano. - Pelo limite com o perímetro urbano. - Pelo limite com o Bairro Barra do Trombudo.

II - IND (BAIRRO BARRA DA ITOUPAVA) NORTE SUL LESTE OESTE - Pelo limite com o Bairro Valada Itoupava e BR 470. Pela Subzona MD3 e Rio Itajai Açu. - Pelo limite com o Bairro Navegantes. - Limite do Bairro Canta Galo.

III - IND (BAIRRO BARRA DO TROMBUDO): NORTE - Por uma linha reta de 100,00m, tendo seu ponto intermediário situado a 415,00m pelo eixo da Estrada dos Palmitos, seguindo por uma linha reta num ponto situado a 300,00m pelo eixo da Rua Emilio Adami. (incluindo os lotes que lhe derem testada). SUL - Pelo limite com o perímetro urbano. LESTE - Por uma linha de 400,00m pelo eixo da Rua Emilio Adami, apartir desta em ângulo reto até o limite com o Bairro Barragem. OESTE - Por uma linha reta, partindo do ponto inicial norte na direção sul até o limite com o perimetro urbano. IV - IND (BAIRRO BELA ALIANÇA): NORTE SUL LESTE OESTE - Pelo Rio Itajaí Açú. Pela Estrada Blumenau. - Pela Rua Pedro Frankenberger (excluíndo os lotes que lhe derem tetada). - Pelo limite com o Bairro Bremer.

Obs. *Os lotes com profundidade superior a profundidade mínima estabelecida no Anexo 06 - Quadro de Índices Urbanísticos deveram ser analisados caso a caso. V - IND (BAIRRO CANTA GALO): NORTE - Pela BR 470 (incluindo os lotes que lhe derem testada) até a Rua Adolfo Kolping (excluindo os loteas que lhe derem testada), seguindo por outra faixa paralela de 500,00m a partir da BR 470 até a interseção com a faixa de 200,00m a oeste da Rua dos Vereadores e limite com o Bairro Valada Itoupava SUL - Pela BR-470. LESTE - Pelo limite com o Bairro Valada Itoupava. OESTE - Pelo limite com o Bairro Canoas (Ribeirão Canoas). VI - IND (BAIRRO FUNDO CANOAS): Pelo Loteamento industrial CODISC (Zona IND). (Acrescido pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 VII - IND (BAIRRO NAVEGANTES): (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE SUL LESTE OESTE - Pela BR-470. Pelo rio Itajaí-Açu e subzona MD3. - Pelo limite com o Bairro Rainha. - Pela divisa da subzona MD3.

VIII - IND (BAIRRO PAMPLONA - ao norte da BR 470 - 1): (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE - Com três linhas, a primeira linha em 56,60m (cinqüenta e seis metros e sessenta centímetros) com a subzona de Preservação Permanente (P1), por uma faixa paralela de 35,00m (tinta e cinco metros), a segunda linha em 15,32m (quinze metros e trinta e dois centímetros) com a subzona de Preservação Permanente (P1) e a terceira linha em 132,75m (cento e trinta e dois metros e setenta e cinco centímetros), por uma faixa paralela de 50,00m (cinqüenta metros), com a subzona RP1, ambas a partir da faixa de domínio da Rodovia BR 470. SUL - Em 132,75m (cento e trinta e dois metros e setenta e cinco centímetros), pela faixa de domínio da Rodovia BR 470, com início no Km 146 + 687,00 m (seiscentos e oitenta e sete metros) e final no Km 146 + 882,00 m (oitocentos oitenta e dois metros). LESTE - Com a subzona de Preservação Permanente (P1) (km 146+687,00m).

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 118 de 164

OESTE - Com a subzona de Preservação Permanente (P1) (km 146+882,00m), na confrontação da faixa de APP de um córrego. IX - IND (BAIRRO PAMPLONA - ao norte da BR 470 - 2): (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE - Em 303,00m (trezentos e três metros) com a subzona RP1, por uma faixa paralela de 50,00m (cinqüenta metros) a partir da faixa de domínio da Rodovia BR 470. SUL - Em 301,00m (trezentos e um metros) pela faixa de domínio da Rodovia BR 470 com início no Km 147 + 918,00 m (novecentos e dezoito metros) e final no Km 148 + 215,00 m (duzentos e quinze metros). LESTE - Com a subzona de Preservação Permanente (P1) (km 147+917,00m) na confrontação da faixa de APP de um córrego. OESTE - Com a subzona de Preservação Permanente (P1) (km 148+215,00m), na confrontação de terras do Frigorífico Riosulense S/A. X - IND (BAIRRO PAMPLONA - ao norte da BR 470 - 3): (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE SUL LESTE OESTE - Por uma faixa paralela de 100,00m (cem metros) a partir da BR 470. Pela BR 470. - Pelo limite com o Bairro Canoas. - Pela subzona P2.

XI - IND (BAIRRO PAMPLONA - ao sul da BR 470 - 4): (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE SUL LESTE OESTE - Pela BR 470, subzonas P1.1, P1.2, P1.3 e RP1. Pelo Rio Itajaí do Oeste. - Rio Itajaí do Oeste e subzona P2. - Pelo limite do perímetro Urbano e Rio Itajaí do Oeste.

XII - IND (BAIRRO PROGRESSO - 1) (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE SUL LESTE OESTE - Pela subzona MD3. Pela BR 470. - Pelo limite com o Bairro Canta Galo (Ribeirão Canoas) - Pelo eixo da Estrada Boa Esperança.

XIII - IND (BAIRRO PROGRESSO - 2) (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE SUL LESTE OESTE - Pela BR 470 (incluindo os lotes que lhe derem testada). Pela BR 470. - Pela Estrada da Floresta (excluindo os lotes que lhe derem testada), seguindo pelo talvegue. - Pela Rua Roberto Henrique Wagner (incluindo os lotes que lhe derem testada).

XIV - IND (BAIRRO RAINHA): (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE - Pela subzona RP1. SUL - Pela subzona RP1. LESTE - Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Lontras OESTE - Pela Rua Teodoro Morastoni excluindo o lado par da rua, seguindo pela Rua Willand Kurth excº lado par desta, Rio Itajaí-Açu, limite com o Bairro Navegantes e Bairro Valada São Paulo. XV - IND (BAIRRO SANTA RITA): (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE SUL LESTE OESTE - Pela BR-470 (incluindo os lotes que lhe derem testada). Pela divisa do Bairro Navegantes. - Pelo Ribeirão Cobras. - Pelo limite com o Bairro Valada Itoupava.

XVI - IND (BAIRRO VALADA ITOUPAVA): (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE - Pela SUL, Pela BR LESTE - Pelo OESTE - Pelo subzona UC, pela P2 (1) até o limite com o Bairro Santa Rita. 470. limite com o Bairro Santa Rita. limite com o Bairro Canta Galo e uma faixa paralela de 200,00m, a oeste da Rua dos Vereadores.

XVII - IND (BAIRRO VALADA SÃO PAULO): (Renumerado pela Lei Complementar nº 188/2008) 188 NORTE SUL LESTE OESTE - Por uma faixa paralela de 250,00 m (duzentos e cinqüenta metros) a partir da BR- 470. Pela BR-470. - Pelo limite com o Bairro Rainha. - Pelo Ribeirão Cobras. (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187

SEÇÃO V DAS ZONAS DE PRESERVAÇÃO

Art. 510 - Fica definida como Zona de Preservação (P) as áreas destinadas a preservação ecológica, paisagística e ambiental delimitadas no Mapa de Zoneamento (Anexo 03). Subdividem-se nas subzonas P1 (Preservação Permanente), P2 (Preservação Controlada) e PE (Preservação Especial) e possuem as seguintes delimitações: ZONA DE PRESERVAÇÃO Subzona de Preservação Permanente (P1): I - P1 (BAIRRO ALBERTINA): NORTE - Pelo prolongamento Oeste-Leste da interseção da Rua do Bom Fim com a Rua SD (Sem Denominação/ ver Mapa de Zoneamento). SUL - Pelo talvegue situado 300,00 m (trezentos metros) ao sul do limite norte.

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

00 m (cinqüenta metros) a partir da SC-302.ao norte da BR-470): NORTE .00 m (cinquenta metros) a partir da BR-470.Pela divisa do zoneamento RP1. http://www. (Redação alterada pela Lei Complementar 184.Por uma linha a 720.Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Laurentino. OESTE . SUL .Por uma faixa paralela de 50.Por uma faixa Paralela de 70.Pelo talvegue situado a 700. excluindo uma faixa de 35.br .Pelo talvegue da Estrada da Floresta.Informação legal em tempo real Página 119 de 164 LESTE . paralela a BR 470 até a intersecção com a faixa de 35.P1 (BAIRRO PAMPLONA .00m anterior à entrada da Valada Albertina.00m a partir da SC 302.P1 (BAIRRO PROGRESSO): NORTE . Pela BR 470. II .00 m (setenta metros) a partir da BR-470.com.00m (trinta e cinco metros) a leste da Estrada São Bento.Pela divisa do zoneamento IND1. seguindo por uma reta paralela de 300.Por uma faixa paralela de 50.00m (setenta e cinco metros).Pelo talvegue situado a 700. e seu prolongamento até o Rio Itajaí do Sul e limite leste deste zoneamento. A partir daí segue pelo eixo da Humaitá até encontrar o prolongamento da Rua Nova Trento.Pela Estrada São Bento (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) e BR-470. LESTE .Pela Estrada São Bento.Pela BR-470. . pelo eixo da SC 302. pelo eixo da SC 302.leismunicipais.Pela divisa do zoneamento IND2.P1 (BAIRRO PAMPLONA . . IV .Por uma linha a 720. . OESTE . . OESTE .1): NORTE SUL LESTE OESTE .Por uma faixa paralela de 50.00 m (trezentos metros) ao sul da Rua Geremias Medeiros.3): NORTE SUL LESTE OESTE . SUL .2): NORTE SUL LESTE OESTE .LEISMUNICIPAIS. SUL .Por uma faixa de 75. Gustavo Koop e Travessa 23 de Maio. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Subzona de Preservação Controlada (P2): I . III . LESTE . LESTE .Pelo Rio Itajaí do Sul.Cachoeira do Albertina.P1 (BAIRRO ALBERTINA): NORTE . ZONA DE PRESERVAÇÃO Subzona de Preservação Permanente (P1): I .www. seguindo pela Estrada Rondônia e Rua Humaitá (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) até a Rua Osvaldo Geiser. I . V .00m (trinta e cinco metros).00m (cinqüenta metros) a partir da BR-470.Pelo Rio Itajaí do Sul. subindo rumo norte pelas Ruas Bom Sucesso (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) até encontrar o limite com o Bairro Santana.Por uma faixa paralela de 50.00m da Rua Madre Paulina.com.00m da Rua Madre Paulina.00m anterior à entrada da Valada Albertina. Pela BR 470.P1 (BAIRRO PROGRESSO): NORTE .Pela divisa intermunicipal de Rio do Sul com Laurentino excluindo as áreas IND III e IND IV.Por uma faixa paralela de 50. OESTE .P1 (BAIRRO PAMPLONA . e seu prolongamento até o Rio Itajaí do Sul e limite leste deste zoneamento.00m (cinqüenta metros) a partir da BR 470.Por uma faixa paralela de 50.pl 02/09/2011 .00m a partir da SC 302.Pelo talvegue da Estrada da Floresta.P2 (BAIRRO BOA VISTA): NORTE .Pelo eixo das Ruas Espírito Santo.P1 (BAIRRO PAMPLONA . (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 PE5 . LESTE . OESTE . LESTE . . Pela BR 470.P1 (BAIRRO ALBERTINA): NORTE .Pela Rua Louro e seu prolongamento (excluindo todos os lotes que lhe derem testada).Por uma faixa paralela de 50.br/cgi-local/form_vig.Pela divisa do zoneamento IND1.Pela BR-470.Pelo Rio Itajaí do Sul. SUL . pelo eixo da SC 302.Pela BR 470.Pela divisa do zoneamento IND2. II .00m (cinqüenta metros) a partir da BR-470. III . pelo eixo da SC 302. . 184 de 13 de maio de 2008). SUL . OESTE .

seguindo pela Estrada Rondônia e Rua Humaitá (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) até a Rua Osvaldo Geiser. SUL . V .Pelo limite do Perímetro Urbano. OESTE .Pelo talvegue situado 300.Informação legal em tempo real Página 120 de 164 SUL . OESTE .P2 (BAIRRO BOA VISTA): NORTE .Pelo limite do Perímetro Urbano. seguindo até o limite de fundos do Loteamento Mutirão Habitacional Altos da Rua XV de Novembro (excluir o loteamento da subzona P2).Pelo limite do Perímetro Urbano.Pelo limite do Perímetro Urbano.com.1): NORTE . A partir daí segue por um afluente até a sua nascente. I .Por uma reta paralela de 200. SUL .P2 (BAIRRO VALADA ITOUPAVA . Gustavo Koop e Travessa 23 de Maio. LESTE .Pelo limite do Perímetro Urbano.P2 (BAIRRO BREMER): NORTE .P2 (BAIRRO SANTA RITA): NORTE .Por uma linha paralela de 200. SUL . SUL .LEISMUNICIPAIS. IV .00 m (quatrocentos e cinqüenta metros) a partir da Rua Eugênio Marchi.br . até o limite com o Bairro Laranjeiras.Pela subzona MD3.00 m (seiscentos metros) a partir da Estrada Itoupava.00m (cem metros). seguindo por este até a interseção com a Rua João Hoffmann.00 m (trezentos metros) ao sul da Escola Isolada Ribeirão Quintino. SUL . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 III .00 m (quatrocentos e cinqüenta metros) a partir da Rua Eugênio Marchi. paralela a BR 470. OESTE .Pelo limite do Perímetro Urbano. OESTE .P2 (BAIRRO CANTA GALO): NORTE . A partir daí segue pelo eixo da Humaitá até encontrar o prolongamento da Rua Nova Trento. A partir daí segue por um afluente até a sua nascente.P2 (BAIRRO PAMPLONA) NORTE .www. até a Rua Bom Sucesso (excluindo os lotes que lhe derem testada) até encontrar o limite com o Bairro Santana.Pelo limite com o Bairro Santa Rita.com.Pelo limite do Perímetro Urbano.Pelo limite com o Bairro Taboão.br/cgi-local/form_vig.P2 (BAIRRO SANTA RITA): NORTE . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 V . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 IV .Pelo limite do Perímetro Urbano.Pelo limite com o Bairro Taboão.Pela MD2 até encontrar com o Ribeirão Canoas.Por uma faixa paralela de 450.Pela zona IND.Pelo limite do Perímetro Urbano.Pelo Rio Itajaí Oeste.00 m (duzentos metros) a partir da Rua Guanabara. SUL . III . LESTE .P2 (BAIRRO CANTA GALO): NORTE . LESTE .00m (duzentos metros) a partir da Rua Guanabara.leismunicipais.Por uma faixa paralela de 450.Pelo limite com o Bairro Valada Itoupava. seguindo por este até a intersecção com a Rua João Hoffmann.Pela zona MD2 até encontrar com o Ribeirão Canoas. LESTE .Pela zona RP1. LESTE . LESTE . SUL .Por uma faixa paralela de 200.Pelo limite do Perímetro urbano.Pelo limite com o Bairro Valada Itoupava.Pelo limite do Perímetro Urbano. seguindo uma linha reta até o P07 do limite do Perímetro Urbano.Por uma faixa paralela de 600. OESTE . seguindo pelo limite com o Bairro Taboão. SUL .Pelas Ruas Espírito Santo. seguindo pela Rua SD 194 (excluindo os lotes que lhe derem testada).pl 02/09/2011 .00 m (duzentos metros) a partir da Rua dos Vereadores.Pela zona IND. http://www.Por uma faixa de 100. LESTE . seguindo uma linha reta até o ponto P07 do limite do Perímetro Urbano. OESTE . LESTE . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 II . OESTE .Pelo limite do Perímetro Urbano. OESTE .

Pelo limite do Perímetro Urbano.com. http://www. VI .Pelo limite com o Bairro Taboão. seguindo pelo eixo da BR 470.P2 (BAIRRO VALADA ITOUPAVA . seguindo por este até a intersecção com a Rua João Hoffmann.com.00m (cem metros). III . LESTE .PE2 . até a Rua Bom Sucesso (excluindo os lotes que lhe derem testada) até encontrar o limite com o Bairro Santana. .Pelo talvegue situado 300.Pelo limite do Perímetro Urbano e limite com o Bairro Canta Galo.00 m (trezentos metros) ao sul da Escola Isolada Ribeirão Quintino.pl 02/09/2011 . A partir daí segue por um afluente até a sua nascente. II .LEISMUNICIPAIS.Pelo limite do Perímetro Urbano. seguindo pela Estrada Rondônia e Rua Humaitá (excluindo todos os lotes que lhe derem testada) até a Rua Osvaldo Geiser. A partir daí segue pelo eixo da Humaitá até encontrar o prolongamento da Rua Nova Trento.Por uma faixa de 100.Pelo limite do Perímetro Urbano. OESTE . IV . VII . IV .Pelas Ruas Espírito Santo.00m (cem metros) a leste da Rua SD que parte da Rua H.Por uma faixa paralela de 200.Terreno situado junto a confluência dos rios Itajaí do Sul e Itajaí do Oeste.www. LESTE .br .br/cgi-local/form_vig. OESTE .Pelo limite do Perímetro Urbano.Pela subzona MD3.Informação legal em tempo real Página 121 de 164 LESTE . seguindo pelo limite do mesmo. .PE1 . SUL . Pela zona IND.Pelo limite com o Bairro Canta Galo.Pelo limite com o Bairro Canta Galo.Pelo limite com o Bairro Valada Itoupava. SUL . seguindo pelo limite com o Bairro Taboão. Pelo limite do Perímetro Urbano. paralela a BR 470.Pelo limite do Perímetro Urbano.P2 (BAIRRO VALADA ITOUPAVA . . V .P2 (BAIRRO SANTA RITA): NORTE SUL LESTE OESTE . até uma faixa paralela de 100. Subzona de Preservação Controlada (P2): I .Cachoeira do Fundo Canoas.Por uma faixa paralela de 600.2): NORTE .Por uma faixa paralela de 200. III .00 m (duzentos metros) a partir da Rua dos Vereadores.P2 (BAIRRO PAMPLONA) NORTE .Pelo limite do Perímetro Urbano. LESTE . . até o limite com o Bairro Laranjeiras. seguindo pelo eixo da BR 470. SUL .2): NORTE . SUL .P2 (BAIRRO BREMER): NORTE SUL LESTE OESTE .00m (cem metros) a leste da Rua SD que parte da Rua H. OESTE . seguindo uma linha reta até o P07 do limite do Perímetro Urbano. Müller. seguindo pelo limite do mesmo.Pelo limite do Perímetro urbano.Pela Rua Roberto Henrique Wagner (excluindo os lotes que lhe derem testada).P2 (BAIRRO VALADA ITOUPAVA .00 m (quatrocentos e cinqüenta metros) a partir da Rua Eugênio Marchi.Pelo limite do Perímetro Urbano.Cachoeira do Bela Aliança.PE4 .Pela Rua Maiate (excluindo os lotes que lhe derem testada).P2 (BAIRRO CANTA GALO): NORTE . .P2 (BAIRRO BOA VISTA): NORTE .Pela Rua Maiate (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo limite do Perímetro Urbano.00 m (duzentos metros) a partir da Rua dos Vereadores. SUL . LESTE .00 m (seiscentos metros) a partir da Estrada Itoupava. até uma faixa paralela de 100.PE3 . Müller.1): NORTE SUL LESTE OESTE . OESTE .00m (duzentos metros) a partir da Rua Guanabara.Cachoeira do Taboão.Por uma faixa paralela de 450. seguindo pela Rua SD 194 (excluindo os lotes que lhe derem testada). OESTE . . seguindo pelo eixo da BR 470 até a divisa com o Bairro Canoas. Pela zona RP1. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 VI . LESTE . Gustavo Koop e Travessa 23 de Maio.Pela Rua Roberto Henrique Wagner (excluindo os lotes que lhe derem testada).Pelo Rio Itajaí Oeste.Por uma linha paralela de 200.Pela MD3 até encontrar com o Ribeirão Canoas. seguindo pelo eixo da BR 470 até a divisa com o Bairro Canoas. OESTE .Pelo limite com o Bairro Santa Rita.leismunicipais. (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 Subzona de Preservação Especial (PE): I .Pelo limite do Perímetro Urbano e limite com o Bairro Canta Galo. II .

Cota emergencial (334.Consideram-se Usos Permitidos os usos que não apresentarem problemas de convivência com a vizinhança. Art. poluição do solo. produzam gases. da cultura e da preservação ambiental. descarga. exploração de argila ou areia. uso adequado com alvará de licença sem qualquer restrição. 515 .br . CAPÍTULO IV DOS USOS SEÇÃO I DOS TIPOS DE USOS Art.LEISMUNICIPAIS. desembarque.Excluem-se da previsão descrita no caput deste artigo.Na análise de interferência ambiental. impliquem na manipulação de matérias-primas. poderá ser realizada sem a autorização expressa do Poder Executivo Municipal. Art. Parágrafo Único . 517 . corte de árvores. quando da consulta prévia. Art. como gases. segundo critérios definidos nesta Lei Complementar. VI .Nenhuma ação modificadora do estado atual dos bens localizados nas zonas de Preservação Especial (PE).08m). (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 211/2010) 211 Art. 513 .PE2 . do patrimônio histórico.Cachoeira do Albertina. III . sistema viário.08m).Cota emergencial (334. o ar ou os cursos d`água.PE1 .leismunicipais. II .PE5 .Na análise de interferência na atividade residencial será considerado pela Assessoria de Planejamento as atividades não residenciais já existentes.Cachoeira do Bela Aliança. VII . 512 . 514 . VI . produzam ruídos ou conturbem o tráfego local.Terreno situado junto a confluência dos rios Itajaí do Sul e Itajaí do Oeste. carga. as questões de recuperação. o nível de ruído ou interferência ambiental gerado. embarque. 519 . as condições de manobra.PE6 . Subzona de Preservação Especial (PE): I . VII .Quando da análise da adequação dos diversos usos do solo urbano ao zoneamento.Na análise das interferências no sistema viário serão considerados pela Assessoria de Planejamento a visibilidade. IV . poeiras ou detritos.Cachoeira do Fundo Canoas. Tolerado ou Inadequado. poeiras ou detritos.Quando o uso pretendido não for o predominante o proprietário deverá ser alertado. os usos poderão ser autorizados ou não.Nos casos em que o uso for inadequado caberá a Secretaria de Finanças negar ou cancelar o respectivo alvará de funcionamento e localização. Parágrafo Único . incêndio ou trepidação.PE5 . após ouvido o Conselho Permanente do Plano Diretor e licença ambiental expedida pelo órgão ambiental estadual competente.PE4 . saibro ou cascalho. Parágrafo Único . o gabarito das vias. partes integrantes desta Lei Complementar (alterada pela LC 044 de 2000). cortes ou aterros. Parágrafo Único . emissão de efluentes poluidores. manutenção e valorização da memória.br/cgi-local/form_vig.As medidas apresentadas nas Ruas são em relação ao seu eixo. 511 . exploração de pedra.com.Cachoeira do Albertina. estacionamento ou acessos.www. do ar ou da água.Área de domínio da RFFSA.PE6 .Área de domínio da RFFSA. o horário de funcionamento. possam poluir o solo.pl 02/09/2011 .Os usos permitidos deverão ser induzidos quando não se desenvolverem naturalmente e sempre deverão predominar sobre os demais usos. o número de veículos e pessoas atraídos pelas atividades e os interesses da comunidade envolvida. Art. Na consulta prévia o requerente deverá ser esclarecido se o uso pretendido é Permitido. V . 518 . 516 .PE7 . (Redação dada pela Lei Complementar nº 187/2008) 187 Art.Consideram-se Usos Inadequados aqueles que: a) b) c) d) e) f) ponham em risco pessoas e propriedades circunvizinhas. acerca das interferências que sofrerá com o comércio. serão considerados pela Assessoria de Planejamento todos os fatores geradores de degradação ambiental como: a) b) c) d) e) f) terraplenagens.Para cada zona e subzona os Usos Admitidos. são os contidos no Quadro de Usos (Anexo 05) e os Índices Urbanísticos Admitidos são os contidos no Quadro de Índices Urbanísticos (Anexo 06).PE7 .Cachoeira do Taboão. a capacidade do sistema viário em absorver o tráfego gerado. http://www. processos e ingredientes tóxicos de forma irregular. mediante parecer da Assessoria de Planejamento. Art. Art.Informação legal em tempo real Página 122 de 164 V . possam dar origem a explosão. indústria ou uso característico da zona em que se pretende localizar.PE3 .com.

alimentos. 520 . sorveteria.lojas. | | |-----|-----------------------------------------| | |C.transportadoras.academias. auto escolas. sa-| | | |lões de baile e similares.br .alfaiate| | | |costureira. e similares. II .A Prefeitura promoverá o adequado aproveitamento do solo urbano visando a cobrança de alíquota progressiva nas zonas determinadas pela Assessoria de Planejamento.2 |Serviços Profissionais . | | |-----|-----------------------------------------| | |C.boate. Art.mini-mercado. 521 . peixaria e| | | |similares.garagens de empresas de ônibus V .prédio garagens. representações comerci-| | | |ais.| | | |auto peças e Similares | | |-----|-----------------------------------------| | |C. banca de jornal e| | | |revista.Os usos se encontram definidos na tabela a seguir: ___________________________________________________________ |RESIDENCIAL| USO | DEFINIÇÃO | | |-----|-----------------------------------------| | |RU |Residencial unifamiliar ou geminado.| | | |funilarias e similares. VI . | | |-----|-----------------------------------------| | |CS.L.depósitos de armazenamento.| | | |mercearia. explosivos. escritórios.1 |Comércio Vicinal . através de Lei específica na forma disposta do parágrafo 4º do artigo 182 da Constituição Federal e demais legislações em vigor. | | |-----|-----------------------------------------| | |C. | | |-----|-----------------------------------------| | |S. | | |-----|-----------------------------------------| | |CS.manicure. farmácia. vidraçarias.bar.1 |Comércio e Serviços Rápidos .1 |Serviços Pessoais .2 |Comércio Noturno . livraria.bu-| | | |tiques. 522 .estofarias. vídeo locadoras. danceteria. | |___________|_____|_________________________________________| ___________________________________________________________ | | USO | DEFINIÇÃO | | |-----|-----------------------------------------| | |C. sapateiro. Art.com. joalherias. ofici-| | | |nas.br/cgi-local/form_vig.Ofici-| | | |nas de automóveis.encanador. verdureira.postos de| | | |gasolina e similares. labora-tórios. açougue. | |___________|_____|_________________________________________| ___________________________________________________________ | SERVIÇOS | USO | DEFINIÇÃO | | |-----|-----------------------------------------| | |S.A Assessoria de Planejamento sempre que necessário ouvirá órgãos específicos para emissão de parecer.jardineiro. ___________________________________________________________ |COMÉRCIO | USO | DEFINIÇÃO | |SERVIÇOS |-----|-----------------------------------------| | |CS. con-| | | |feitaria. armazenamento de| | | |G.3 |Comércio e Serviços Prolongados .www.| | | |construtoras. loté-| | | |ricas.massagista e simi-| | | |lares | | |-----|-----------------------------------------| | |S.Retífi-| http://www.LEISMUNICIPAIS. | | |-----|-----------------------------------------| | |C. | | |-----|-----------------------------------------| | |RM |Residencial multifamiliar.com.4 |Comércio Atacadista . restaurantes e simi-| | | |lares. centros comerciais.shopping center.e similares.Informação legal em tempo real Página 123 de 164 g) manipulação de agentes tóxicos. IV . edifícios ou| | | |condomínios. marcenarias.cabeleireiro.| | | |clínicas.2 |Comércio e Serviços Temporários . dis-| | | |tribuidoras de peças. armazém.5 |Comércio Perigoso . tornearias.3 |Comércio Varejista . roupas e| | | |similares.supermercados. imobiliárias. floristas. oficina| | | |em geral.consultórios. quitanda.produtos tóxicos e| | | |químicos.pl 02/09/2011 .P. Art.| | | |eletricista. revendedoras. III . latoarias. autopeças e Similares.leismunicipais.3 |Serviços Artesanais . reparo de e-| | | |letrodomésticos.6 |Comércio Macro Uso: | |___________|_____|_________________________________________| I .

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 124 de 164

| | |ca de automóveis, motores, guinchos, ofi-| | | |cinas pesadas, ferro velho e similares. | | |-----|-----------------------------------------| | |CS.4 |Comércio e Serviços de abate de animais,| | | |abatedouros, granjas e similares. | |___________|_____|_________________________________________| ____________________________________________________________ |INDUSTRIAL | USO | DEFINIÇÃO | | |------|-----------------------------------------| | |IND. A|São fábricas, garagens e oficinas de pe-| | | |queno porte tidas como caseiras, compatí-| | | |veis com todas as funções urbanas,que não| | | |necessitem de edificações industriais| | | |próprias, podendo serem utilizadas edifi-| | | |cações de uso misto. Estas indústrias não| | | |devem causar problemas de trânsito ao en-| | | |torno. Segundo legislação ambiental da| | | |FATMA, seu N.D.A. (Nível de Degradação| | | |Ambiental) é o "A". | | |------|-----------------------------------------| | |IND. B|São as indústrias tidas como leves, cuja| | | |área construída não exceda o previsto no| | | |índice de aproveitamento na zona que per-| | | |tença, e devem ser submetidas a métodos| | | |adequados de controle e tratamento a po-| | | |luição. Não causem incômodos às demais| | | |atividades urbanas vizinhas e nem pertur-| | | |bem o repouso noturno das populações. Re-| | | |querem ainda área interna para estaciona-| | | |mento e manobra de veículos. Seu N.D.A.| |INDUSTRIAL | |(Nível de Degradação Ambiental) é o "B". | | |------|-----------------------------------------| | |IND. C|São as indústrias consideradas incômodas,| | | |nocivas, perigosas ou cuja área construí-| | | |da seja superior a 5.000,00 m² (cinco mil| | | |metros quadrados), que gerem trânsito de| | | |entrada e saída de caminhões ou apre-| | | |sentem problemas referente a poluição,com| | | |seu N.D.A.(Nível de Degradação Ambiental)| | | |igual a "C". Deverá ser submetida a méto-| | | |dos adequados de controle e tratamento à| | | |poluição | |___________|______|_________________________________________| _________________________________________________________________ | Tipo de Solo | Solução Adequada | |==============================|==================================| |Solo totalmente absorvente |Fossa séptica com sumidouro | |------------------------------|----------------------------------| |Solo parcialmente absorvente |Fossa séptica com sumidouro ou| | |filtro anaeróbio ligado a rede pú-| | |blica. | |------------------------------|----------------------------------| |Solo pouco ou nada absorvente |Fossa séptica e filtro anaeróbio| | |ligado à rede pública. | |______________________________|__________________________________| (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172

VII - implantação gradativa de rede de coletas e tratamento de esgoto cujo projeto e escolha da área para instalação da estação de tratamento de esgoto devem ser elaborados mediante assessoria especializada sempre iniciando nas áreas centrais em direção a periferia; VIII - a Prefeitura pode liberar a concessão de habite-se somente a quem possuir seu sistema de esgoto e controle de poluição adequado; além disso deve estruturar seu serviço de fiscalização sanitária mediante o cumprimento da Lei Complementar de Edificações e Código de Vigilância Sanitária; IX - a Prefeitura só fornecerá habite-se após a fiscalização e aprovação da solução adotada, podendo o usuário solicitar a fiscalização prévia. Art. 565 - Deverá ser elaborado um projeto de águas pluviais visando a correta execução das obras de drenagem pluvial. Art. 566 - O projeto de dimensionamento de bueiros além de parâmetros técnicos exigidos deverá considerar a topografia local. Art. 567 - Deverá ser promovido um levantamento cadastral das obras de drenagem pluvial.

SUBSEÇÃO VIII DO USO RELIGIOSO

Art. 568 - As igrejas não se instalarão na subzona RE.

SEÇÃO V DOS ALVARÁS

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 125 de 164

Art. 569 - Serão respeitados os alvarás das construções que estejam em andamento. Art. 570 - Os alvarás de construção expedidos anteriormente a esta Lei Complementar serão respeitados, desde que a construção estiver iniciada ou se inicie no prazo de 90 (noventa) dias, a partir da data de publicação desta Lei Complementar. Parágrafo Único - Uma construção será considerada iniciada se as fundações e baldrames, estiverem concluídas. Art. 571 - A concessão de alvará para construir, reformar ou ampliar obras residencial, comercial, de prestação de serviço ou industrial somente poderá ocorrer com observância das normas de Uso e Ocupação do Solo Urbano estabelecidos nesta Lei Complementar. Parágrafo Único - Será proibida toda ampliação e reforma nas edificações cujos usos contrariem as disposições desta Lei Complementar. Art. 572 - A localização de usos e atividades dependerá de licença prévia da Prefeitura, respeitando o interesse coletivo sobre o particular e observados os padrões de segurança higiene e saúde pública para a vizinhança. Parágrafo Único - O vizinho é parte legítima para propor ação destinada a impedir a ocupação, o uso ou o desenvolvimento de atividades em imóveis com localização incompatível com o estabelecido no "caput" deste artigo. Art. 573 - A licença, para funcionamento de atividades em edificações já existentes, será expedida mediante comprovação da adaptação conveniente do prédio ao tipo de atividade. Art. 574 - A autorização de uma atividade não desobriga o interessado de um novo pedido de autorização quando de uma ampliação ou renovação de alvará de funcionamento. Parágrafo Único - A alteração dos fatores que condicionaram a autorização de um uso tolerado poderá levar a revogação da autorização. Art. 575 - Para emissão de alvará de funcionamento deverão ser observadas áreas de estacionamento compatíveis com a Lei Complementar de Edificações e uso proposto. Art. 576 - Para efeito de concessão ou renovação de alvarás de funcionamento nas edificações existentes e em desacordo com a presente Lei Complementar, será estabelecido: I - prazo para relocação; II - normas definidas como melhoria. Parágrafo Único - O prazo será proporcional ao porte do equipamento em desacordo. Art. 577 - Os alvarás de localização e funcionamento de estabelecimentos comercial, de prestação de serviço ou industrial, somente serão concedidos se observadas as exigências contidas nas leis de uso do solo, vigilância sanitária, normas de prevenção contra incêndio e demais legislações federais, estaduais e municipais, bem como regulamentos pertinentes. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 § 1º - Os alvarás serão concedidos sempre a título precário quando forem usos tolerados. § 2º - Os alvarás a que se refere este capítulo poderão ser cassados desde que o uso demonstre reais inconvenientes, contrariando, as disposições desta Lei Complementar, ou demais Leis pertinentes, sem direito a nenhuma espécie de indenização por parte do Município. Art. 578 - A transferência de local ou mudança de ramo de atividade comercial, de prestação de serviço ou industrial, já em funcionamento, poderá ser autorizada se não contrariar as disposições desta Lei Complementar. Art. 579 - A permissão para a localização de qualquer atividade considerada como Inadequada, dependerá da aprovação do projeto completo, se for o caso, pelos órgãos competentes da União, do Estado e Município, além das exigências específicas de cada caso. Art. 580 - As concessionárias de luz e água deverão exigir do usuário o Alvará de Licença para construção, emitido pela Prefeitura, para promover a primeira ligação de serviço, ou provisória, de acordo com convênio a ser assinado.

CAPÍTULO V DO SISTEMA VIÁRIO SEÇÃO I DA HIERARQUIZAÇÃO VIÁRIA

Art. 581 - Para efeito desta Lei Complementar as vias são hierarquizadas da seguinte forma: I - vias Arteriais; II - vias Principais; III - vias Secundárias; IV - vias Locais; V - vias de Pedestres. I - vias de Trânsito Rápido; II - vias Arteriais; III - vias Coletoras; IV - vias Locais;

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real

Página 126 de 164

V - vias de Pedestres. (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205 Art. 582 - Todas as vias exceto as Locais, encontram-se listadas e dimensionadas nesta Lei Complementar. Art. 583 - Quando da Consulta Prévia o usuário deverá ser alertado da previsão do Sistema Viário onde pretende se instalar. Art. 584 - Complementarmente a esta Lei Complementar encontram-se os mapas referentes ao Sistema Viário, sendo: I - anexo 08 - Hierarquização Viária, Pontes e Vias Previstas; II - anexo 09 - Vias Projetadas e Vias de Pedestres; III - anexo 10 - Vias Sem Denominação. Art. 585 - A Prefeitura poderá definir complementarmente a esta seção, novas vias que serão dimensionadas de acordo com a Lei Complementar do Parcelamento do Solo Urbano, segundo sua hierarquia. Art. 585 O Órgão competente do Poder Executivo Municipal poderá, definir complementarmente a esta seção, novas vias que serão dimensionadas de acordo com esta Lei Complementar, segundo sua hierarquia. (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205

SUBSEÇÃO I DAS VIAS ARTERIAIS DAS VIAS DE TRÂNSITO RÁPIDO (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205

Art. 586 - São consideradas Vias Arteriais a BR-470 e SC-302 em todo o trecho que cortam o perímetro urbano. Art. 586 - São consideradas Vias de Trânsito Rápido, a BR-470 e a SC-302 em todo o trecho que cortam o perímetro urbano. (Redação dada pela Lei Complememtar nº 205/2010) 205

SUBSEÇÃO II DAS VIAS PRINCIPAIS ARTERIAIS (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205

Art. 587 - São consideradas Vias Principais as que fazem ligações de acesso a cidade sendo:

___________________________________________________________________________ |DENOMINAÇÃO DA VIA| GABARITO |CONSIDERAÇÕES| | |---------------------+--------------------| | | | ATUAL | PROPOSTO | | | |-------+-----+-------|------+-----+-------| | | |PASS. D|PIST.|PASS. E|PASS.D|PISTA|PASS. E| | |==================|=======|=====|=======|======|=====|=======|=============| |Anita Garibaldi R | 1,35| 6,65| 1,13| 3,00| 6,65| 3,00|Ver passeios | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Aristiliano Ramos| 4,00| 7,00| 4,00| 4,00| 7,00| 4,00| | |Av. | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| | | |*2 | | |*2 | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Augusta Deecke Av.| 3,00|14,00| 3,00| 3,00|14,00| 3,00| | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Barão do Rio Bran-| 2,00|14,90| 2,30| 2,00|14,90| 2,30| | |co R | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Basílio C. Negredo| 1,80|11,90| 1,10| 3,00|11,90| 3,00|Ver passeios | |R | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Blumenau Estr. | 6,50| 7,00| 6,50| 6,50| 7,00| 6,50|*1 | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Carlos Gomes R | 2,30|10,50| 2,00| 3,00|10,50| 3,00|Ver passeios | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Clemente Demarch R| 2,10|12,00| 2,20| .....|20,00|.......|*1 | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| | | | | | |Total| | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Coelho Neto R | 1,50| 8,50| 1,50| 3,00| 8,50| 3,00|Ver passeios | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Conselheiro Willy|.......|15,00| 2,50| 6,50| 7,00| 6,50|*1 | |Hering R | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Dom Pedro II R | 2,50|10,00| 1,50| 3,00|10,00| 3,00|Ver passeios | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Emílio Schulze R |.......|10,00|.......| 3,00| 7,00|.......|CFME PROJ. E| | | | | | | | |NORMAS DNER | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Engenheiro | 1,50|12,00| 1,60| 3,00|12,00| 3,00|Ver passeios | |Baungarten R | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Governador Ivo |.......| 7,00|.......|......|30,00|.......|*1 | |Silveira Av. | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------|

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/form_vig.pl

02/09/2011

80| 3.|*4 | |R...00| | |Lacerda Av.00| 3..50| 3. da Rua Presidente Kennedy este trecho deverá receber maior *6 ..00| 3.| 2.00| 1.Paulo Ledra | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Trecho 05 |..Aristiliano Ra-| | | | | | | | |mos/R.00|11.00m quatro metros)..35| 9.| 2..00| 3. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 http://www.00| 3.00|Ver passeios | |Av.00| 2...50|11.Somente será liberado o passeio direito com 2.00| 2. *4 . XV de Novembro/| | | | | | | | |Viaduto | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Trecho 02 |. | 2.00|.80| 2.80|11.leismunicipais.00| | | | | | |R.00|14. das|...50| 9.00|X2 | 4.Kennedy | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Trecho 04 | 4.00| 3.. *1 ..00|Ver passeios | |Viaduto/R...|12..35| 9... Oscar Bar-| | | | | | | | |celos | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Presidente Kennedy| 2..50|*6 | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |São João R | 1.00| 4.00| 4.40| 1..| 8.00|Ver passeios | |Trecho 01 | | | | | | | | |Ponte/Av.00| 3... caso contrário.50| 9.....|10.br .00| 2.00|..Paulo Ledra/ | | 7.pl 02/09/2011 .LEISMUNICIPAIS.. *3 .60| 3.com..00| 3..Projeto específico prevendo alargamento.00|.00| 3..|.00| 8. *2 .50| 7.00| 3. | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Madeiras Estr..50|11..00| 3..Pres..00| 2.00| 4. *7 .00|12..50| | | 9.00|Ver passeios | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Victor Konder R | 1... Pionei-| | | | 4.Deverá ser definido a largura dos passeios após levantamento dos trechos.....00| 3.Deverá ser elaborado um projeto específico considerando a área de RFFSA.80| 3.00| 4. deverá ser respeitado o passeio de 4.40| 3.00| 4.00| 9..00|12.00| 3.00| | |Stoll R | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Rui Barbosa R | 1.|*1 | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Marconi R | 1.Aristili-| | | | | | | | |ano Ramos | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Trecho 02 |.50| 2..|.|20. João Ledra | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| | | | | | |Total| | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Paulo Ledra Trav.00m..50| | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Vidal Ramos R | 1.00|*2 | |R.00| 2.85| 1.60| 4.|X2 |.00|12.90| 3.00|11..00| 3.10| 0..00| 3.|..00| | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |XV de Novembro R | 2..00|12.00|.50| 3.Canteiro entre pistas de 1.....00| | | | |ros | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Trecho 03 | 1.00m (dois metros).00|11.00|Ver passeios | |Trecho 01 | | | | | | | | |R.00| 3.. quando for implantado estacionamento frontal com 6.00| 2.50|.80| 2.00|10....00|11..00|*3 | |R.00|10..85m.00| 4.00|11. *5 .br/cgi-local/form_vig.00m (seis metros) de profundidade.Informação legal em tempo real Página 127 de 164 |Governador Jorge | 3.90|10.00|*2 | 4.00|Ver passeios | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Professor João C.60| 2.00| | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Victor Meireles R | 2.. Pioneiros/ | | | | | | | | |R.00|11.00| 8.com.00|Ver passeios | |R | | | | | | | | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Princesa Isabel R | 2.00|10.00|14.00|10.....00|*5 | |(trecho entre BR-| | | | | | | | |470 e o acesso a| | | | | | | | |ponte Prevista) | | | | | | | | |__________________|_______|_____|_______|______|_____|_______|_____________| (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 *1 .00| 3.Deverá obedecer projeto específico...... em conformidade com o artigo 632 desta Lei.00| 9.50| | | |R.00|Ver passeios | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Oscar Barcelos R | 3.00| 2.. para edificações onde o uso permitir. Pres.50| 9...00| 2.60| 3.www.|16..Kennedy/ | | 9.90| 9..10| 3..|29.Considerando a Ponte prevista na continuação dimensionamento segundo projeto específico.00|Ver passeios | |------------------|-------|-----|-------|------|-----|-------|-------------| |Wenceslau Borini R| 1.Canteiro entre pistas de 2..

50|11.50| 3.00|14.00|...50* | |R.00| 2.00| 8.00| 8.00| 3.Trecho 01| 1...00*| | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Bulcão Viana .00| 7.00| 9..45|13.00| 8.Trecho 04 | 4.80 | | |+2.80| 4. | 4.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Dona Augusta Deecke Av.00| 3.00| | http://www.São consideradas Vias Arteriais as que fazem ligações entre as vias de acesso rápido e as vias coletoras...00| | |vembro / Viaduto | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Oscar Barcelos .00|11.35|10. |19.60*=2.00* =ciclovia| |(Rua Júlio Schlupp até divisa com Lon-| |total| | |+ | | | |tras) | | | | |2.00|10.|30.70|12.50|11.00| 4.85| 1.Trecho 01 (Av| 2.00| 2.00| 8.00|0. |13.35| 3.. | 3.00|12.00|11..00|2.00| 4.00| 4.00| 3.00|2...leismunicipais.00| 2..00| 2.60 | | | |11..00* | | | | | | | + | |= ciclovia | | | | | | |2.60*= 2. Pres.60*| 3.00| 3.. sendo elas: ______________________________________________________________________________________________ | DENOMINAÇÃO DA VIA | GABARITO | CONSIDERAÇÕES | | |-------------------+-------------------| | | | ATUAL | PROPOSTO | | | |------+-----+------|------+-----+------| | | |PASS.45| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Marconi R | 2.Trecho 01 ( Praça Gino de|.80| 2.40| 3..00* =ciclovia| |(Riberirão Matador até Rua Júlio Sch-| |6.D|PISTA|PASS.90| 1.00| 2.95| 3.00| 5..00| 3. .00| 4..com.60| |canteiro | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Guilherme Gemballa | 4.00| 5.00| 4.00|10..80|11.90|19.LEISMUNICIPAIS.00| | | |lupp) | | | | |* | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Conselheiro Willy Hering .00| 3.00| 4.00| 3.10| 3.45|10.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Basílio C.br/cgi-local/form_vig. | 3..00| 2.40| | | | |canteiro | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Florinda Coninck |.00| 2.00*| | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Dom Bosco | 2.00|12..| 2.00| 2.00|10.00|10. Pioneiros | | | | 4. Pioneiros / R.90|.00| 2.00|2.00| 2.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Novembro.00| | |Viaduto / R. .00| | |rio até Ângelo Tomio) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Carlos Gomes R | 2.50+| 1.00|16.Techo 01 (Georg Lucas| 2..90| 2.80| 3.00| 4....Trecho 02 (Rua| 2.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Clemente Demarch R | 2.00| 4.40|10.00| 4.95| 9.Kennedy | |+ |ciclo-| | | |= canteiro | | | |0.00| | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Oscar Barcelos ..00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Governador Ivo Silveira | 3.55|10.00| 2.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Oscar Barcelos R Trecho 01 R.00|21.00|16.50| 4.E| | |======================================|======|=====|======|======|=====|======|===============| |Aristiliano Ramos Av..00|10.00|16.| 8.Trecho 02|..com.00| 3.00| 2.00|12.00| 1.00|11..60 | | | |11.00| 2. Negredo R | 1.90| 3.. | 4.00|2.00| 2.Trecho 02 (Genaral Osó-| 2.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Conselheiro Willy Hering .00| 2.00|12.60| | |11.00| | |até Estrada Quintino) | |total| | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Boa Esperança | 2.00| 9..10| 3.50|2.40| 1.50| 2.60*| 3.00| 4.50| 1.00|12.50|2.00| | |até General Osório) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Bulcão Viana .www.00|19.pl 02/09/2011 ..00|12.Trecho 03 | 3.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Dom Pedro II | 1.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Júlio Roussenq Filho | 2.00| 4.00| 3. 15 de R | 2.. |18.00 ci-| | | |+ | | |+ | |clovia + 0.00| 5.00|3.00| 3.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Blumenau .00| 4..90| 9.00|12.00| | |Lotto até Rua João Fronza) | |total| | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Blumenau .00|2.br .E|PASS.00|.00| 3.Informação legal em tempo real Página 128 de 164 Art..| | | | | | | |total| | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Governador Jorge Lacerda | 3.00| 4. 587 .60| 3.00|12.XV de No-| 2.00| 2..60| 3.00|11..00 ci-| | | |+ | | | | |clovia + 0..00|16..00| 8.00|.00| 3.50*|via | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Oscar Barcelos .00| | |7 de setembro até Rua São João) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Aristiliano Ramos Av.00|.00|2..D|PISTA|PASS.00| 2.Trecho 02 (Rua João Fronza|..00| | |São João até Praça Gino de Lotto) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Barão do Rio Branco | 3.00|..00| 4..90| 3..60*| 3.00| 9.00|10.Trecho 02 | 2..00| 4.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Madeira | 6.00| 4.00|10.10| 3.

00|10.30 | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Vidal Ramos R | 1.| 1.10| 1. 7 de | 5.00| 9.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Bom Retiro R..30|....00| 7.br/cgi-local/form_vig.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Bulcão Viana R.00| 3. |.| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| | | | | | |Total| | | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Angelo Tomio R.00| 8...00| | | | | |a | | | | | | | | |3.50| 9.| 1.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Presidente Kennedy | 2..00| 5..00|10.00*| | |2. dos | 2.50| 9.00| 8..00|Com ciclovia | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Bom Abrigo R.00| 1.50| 3.00| 2. | 5.00|Alterado pela| |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Alfredo Swarowski R..00|11. |.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Aracaju R.00|..00| 3.Pres.00| 1.. da R.00| 2.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Curt Schroeder R.00|.Vias Secundárias são as que fazem as ligações entre os bairros e formam a interligação destes com o centro da cidade.00| 8.00|10.00| 2.00| 3.00| 3.00|10...00| 3...00| 5.00| 2.|10.50| 3....00| 1.10| 4.00| 3.00|15.com.00| 5.Kennedy / R. | 3.00| 3.70|.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Caçadores R.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Vereadores | 2.60| 3.|A|..00|.Paulo Ledra | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Oscar Barcelos .90| 2.00| 5...|12.00| 2..00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Rui Barbosa R | 1. |...| 1.| 8...00| 1... | 4.|.00| 2.00| 9.00| 1..00| | 2. (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205 Art.00|. João Ledra | | | | |total| | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Patrício Noveletto | |12.00|.00|10.60| 7. 588 .| | |R.Trecho 05 | 5.80|10.00|11.|12. | 1.. | 2.|A|.leismunicipais...60| 2.00| 8.00| 3.|.00| 2.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Chile R.00|2..www.00| 1.00*= ciclovia| | | |+ | | |+ | | | | | |2... | 3...50| 9.00| 9..00| 8. |2.00| 2.00|...pl 02/09/2011 ....30*= ciclovia| | | |+ | | |total| | | | | |8.10| 2.00| 8.50|11.| 1..50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Setembro.95|10..com.00| 2.50| 9..00|10.00|.00| 1.00| 5.00|12...00*| | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Princesa Isabel R | 1.00| 1.00|12.|29.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Boa Esperança Estr.São Paulo| | | | | | | | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Brusque R.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Bom Sucesso R.50| 9.00|2.00| 4.00| 2...00|10. Guanabara e| | | | | | | | |prolong.| 1.00|. 588 ..00| 3. |16...00| | |______________________________________|______|_____|______|______|_____|______|_______________| (Redação dada pela Lei Compl SUBSEÇÃO III DAS VIAS SECUNDÁRIAS COLETORAS (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205 Art.00| 1.00|10... |.00| 3.00|Ver passeios | http://www.00| 9.00| 1.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Dom Bosco R.00| 3..br .00| | 2.Informação legal em tempo real Página 129 de 164 |R.00| 3.50| 9..|12. | 1.| 6.LEISMUNICIPAIS. 589 . |. | 2. Art..00| 2.| | | |D| |E|D| |E| | |=======================|=+=+=|=+=+=|=====+=====+=====+=====+=============| |7 de Setembro R.50| | |(entre R.Vias Coletoras são as que fazem as ligações dentro das regiões da cidade.60| 2..Paulo Ledra / R..00| 5.00| 9...60 | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Deputado Walter Roussenq | |10.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Botânico Kullmann R..00| 3.00|12.30*| 4.São consideradas Vias Secundárias: _________________________________________________________________________ | DENOMINAÇÃO DA VIA | ATUAL | PROPOSTO | | |-+-+-+-+-+-|-------------------------------------| | |P|P|P|P|P|P| | | |A|I|A|A|I|A| | | |S|S|S|S|S|S| | | |S|T|S|S|T|S| | | |..50| 8..00| 2.00| 2.

. |..50| 9.00| 8..|10. Eugênio Schneider R.25|Alterado pela| | | | | | | | |LC 091/2002 | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Gaspar R..| 2.|12.. |...50| 7.50| 9...30| 6..10|...30| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Pedro A dos Santos R..50| 9.80|......00| 1.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Jacó Finardi R....|12..00| 1...50| | http://www.| 1.00| 1.|10.. Wenceslau Borini R...00|12.....50|11.00| 1... |...25| 7.. |.30| 1.| 2..| 1..Pe.. Pedro Francisco |.15| 2.00|10..50| 9...|10.. |.leismunicipais..00| 1.40| 1.00|....Informação legal em tempo real Página 130 de 164 |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Emílio Adami R.00| 1...50|*1 | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Euclides da Cunha R..00|.50| 9. SD113 |..50| 7.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |P.| 2.. |.| 1.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Júlio Roussenq Filho R.00| 4.| 1....com.50| 1.85| 5.00| 1.00| 8..| 8..|*1 | |50.00| 1.50| 1.|10....00|. projetada nº PR62 |....00| 1..00|..50| | |Heisel R.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Pedro Mazzini Trav.00|...00| 2.|18.00| 7.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |R.| 1.00|Ver passeios | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Guilherme Gemballa R... | | | | | | | | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Maranhão R.50| 9.00| | |-----------------------|-----+-----+-----+-----+-----+-----+-------------| |Marginal BR-470 (todo|CONFORME PROJETO E NORMAS DO DNER | |trecho prev..|12.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |R....| 1.... |.50| 9.00| 1.00| 1.| 2.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Justina de Barba Ledra| 1.50| | |R......|12. | | | | | | | | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |P.. |.... |.......50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Pe...00|..| 1...50| 3..| 2........00|.| 9.00|.| 2.00|.. |..|12....00| 9.. s/denom.50| 9..www. |.|12. projetada nº PR74 |.00| 2.00|10.. s/denom.00|.| 4.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Júlio Schlupp R....00|12.....00| 1.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |R.00|.. | 1. Hobus R.00| 2. Feijó e a BR-470)| | | | | | | | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Nova Trento R.| 1.. Luiz Soldatelli R.. |..|12.... |.. | 1..| 1... |..50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Pastor G.| 1. |..00| 2....50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Rui Barbosa R.|.| 1...30| 7..... (R.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Pará R..|12. Petrolân-| | | | | | | | |dia) | | | | | | | | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Itoupava Estr.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |R.) | | |-----------------------|-----+-----+-----+-----+-----+-----+-------------| |Navegantes Estr.|10.00|.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |João Ledra R.00| 1.00|. (tre-|.| 4.15| 2.|10....50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Otto Wetsztein R. projetada nº PR68 |.| 2.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Eugênio Marchi R.LEISMUNICIPAIS.. |.00| 3..00| 3..50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Ermínio Stolf R.00| 1.50| 9.|12..00| 1.| 1...| 2...| 5... |. | 5.50| 6.50| 7.| 5....50| 9...00| 1.00|12.| 1.|10.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Petrópolis R....00| 2.|10.|10.00|...00|10.00m da R.| 1.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Roberto Koch R...00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Príncipe R.br .|10. |.00|.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |João Marchi R..| 2..80| 1...|12..00|12.|12..00| 2..00| 1....50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |P....00| 2..50| 9.50| | |cho entre Estrada Ma-| | | | | | | | |deira e a SD63) | | | | | | | | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Padre Feijó R... |.|12.com..| 2.50|.00|.00| 4.. |....50| 1..50| 7..50| 7.85| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Humaitá R..| 1...00|..00|.20|..50| 9.00| 1.... Tuiuti a| 1..50| 9.00|...40|..00|.......50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |R....00|...00| 1...00|....30| 7.00|.00|....50|11....50| | |R.00|.00| 2.|...50| 7.|12..00| 3. (entre|.| 1......|10.00| 1.50| 9...| 9..| 1.80| 1..00|..00| 1.........|10.00| 8. | 1.00|.|10. SD120 |..00|.|18..00| 9.00| 1.| 1......00| 9.. |..00| 2..95| 3..30| 7.00|.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Guanabara R.00| 8...| 1.pl 02/09/2011 .50| 9.br/cgi-local/form_vig...|*1 | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Piçarras Beco |.....

..50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev..|...00| 3.50| | |R.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |R.00| 8.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Anita Garibaldi | 1..00| 1...|.... SD122 |.00|Ver passeios | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev.00|10...| 1.. |...00| 2.|12. | 1.|12.50| 8.60| 1.00|.. 589 ..br/cgi-local/form_vig..| 1.| 8.00|..LEISMUNICIPAIS..Projeto específico prevendo alargamento.15| 1. nº PV20 | 1. nº PV5 |.... nº PV6 | 1.00| 8.80| 1.00|10.00| 8..pl 02/09/2011 .50| 9..|.00| 1...50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |São Paulo R.| 1..00|10. Pe Pedro Francisco| | | | | | | | |Heisel e SD63) | | | | | | | | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Tuiuti R....00| 2..00| 8.00| 2.| 3.00| 2.00| 8..50| 9..|.|12..00| 2..00| 9. nº PV4 | 3..50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev..00| 1..com.00| | http://www.. nº PV3 | 3.00| 3.00|10. nº PV16 |..00| 1........ dos |..00| 3..... nº PV14 |.00| 1.00| 9.www..50| 3.00| 2...50| 7.. nº PV15 |.50| 8..|.50| 9.| 1.40|.. SD63 |.00|10.....20|.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev.....00|12.|*1 | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev..00|...| 1..00| 8....00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Vereadores R..15| 1..00| 9.São consideradas Vias Coletoras: ______________________________________________________________________________________________ | DENOMINAÇÃO DA VIA | GABARITO | CONSIDERAÇÕES | | |-------------------+-------------------| | | | ATUAL | PROPOSTO | | | |------+-----+------|------+-----+------| | | |PASS.00| 2.00| 6..50| 7.. nº PV9 |. nº PV21 |.00| 3.00| 2.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev.|20.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev..50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev.00|...00| 9.00| 2..50|.00| 1..00| 9.leismunicipais.|10.E|PASS...00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev..|10.|. nº PV19 | 2.|...00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev...00|Ver passeios | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev... | 1...00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Ângelo Lenzi | |10.....|12.00| 2.00| 2..50| 9...00|...|*1 | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev....| 1.00| 2.|10.| 1......00| 2....|12.D|PISTA|PASS..50| 1.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Angelo Tomio R... Central R. nº PV18 | 2.00|10..| 2.00| 9..00| 2.. nº PV12 |.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev..| 4.00|*1 | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Washington Luiz R.80| 1.00| 8.| 1.|..00| 1...00| 8.00| 2. s/denom....|. nº PV13 |.30| 1.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev.00|...00| 6.|...00| 3..00| 3.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |São Joaquim R....| 2..00| 8.| 1.... nº PV7 |.00| 2.00| 2.|....00| 1.00| 6...00| 2..| 2. nº PV11 |..00| 3.50| 7.00|.15| 1.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev..00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev..00| 2. | 1.00| 1..50| 7.|10..00| 2.00| 2.00| 1.00|Ver passeios | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev. nº PV2 |....60| 3..50| | |_______________________|_____|_____|_____|_____|_____|_____|_____________| *1 .| 2..00|..00|.. | | | | | | | |total| | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Ângelo Cechet | .00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |São José Estr.. nº PV17 |.00| 9.... nº PV1 | 2.00| 2.....00| 1. Art.|...|......| 1. nº PV10 |...00| 6.50| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev.00|..00| 3.| 2.00| 1..00| 1.00| | 2.|....00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Tromb.00| 3...| 2.... | 1..D|PISTA|PASS.00| 1.00| 9.com.00| 8.(entre|...50| 7...| 2.|12.. nº PV8 |.00| .Informação legal em tempo real Página 131 de 164 |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |R.. | 2..00| 2..br ....40| 7. s/denom.50| 9.....|12.00|..|.|12. | 2..00| 2.00| 8...00|...15| 1.50| 8..00|...00| 2.00| | |-----------------------|-----|-----|-----|-----|-----|-----|-------------| |Trecho prev...00|11.|.|12.00| 8.E| | |======================================|======|=====|======|======|=====|======|===============| |Alfredo Swarowski R.

00| 1.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Jacó Finardi R.00| 8.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Arnoldo Hoffmann | .00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Brusque | 0..00| 7..00| 8. | 1.50|10.00| 8.50| 3.00| 2...50| 1..00| 8. |12..50| 1.br ..00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Botânico Kullmann | 1..00| 2. | 9.00| 2.00| 7.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Lauro Fronza | 2. |14..00| 1.pl 02/09/2011 . |10.90|8.00| 1.00| 9.40| 2. de Oliveira até o entronca-| | | | | | | | http://www.40| 1.00| 8.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Emílio Schulze | 0.50| 1.Trecho 01 (Oscar Bar-|.50| 2...00| 2.60| 7.Trecho 01 (Oscar Bar-| 1.20|.00| 8..00| 1.00| 1.| 2.00| 9. |12..00| 9. |10. |.00| 7.00| 1.00| 1. |.50| 9.00| 2...20 | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |João Marchi R.Trecho 01 (a partir da Lade-| 1.50| 7.00| 8...Trecho 02 | 1.90| 6..50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Eugênio Marchi R.00| 3.00| 1.30| 7.80| 1.50| | | | |a | | | | | | | | |9..00| 2.50| 9.00| 1.00| 7.00| 2.90| 1.00|..00|11.00| 1.00|12.|12. | 3.00| 1.00| 2.00| 1..Trecho 04 | 1.00| 1.00| | |ira Vereador Adolfo Frischknecht) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Itajaí |. dos .50|12.00| 2....00| 2.www..50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Leopoldo Kurth |.00| 1..Trecho 02 (Trav..60| | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Engenheiro Baungarten | 1. |10.00| 8.40| 7..00| 2.00| | |celos até Pedro Moretto) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Caçadores.00| 1..30| 7.com..00| 3.50| 2.50| 7..00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Humaitá .00|11.50| 6.50| 1.Trecho 03 | 1... |. | | |celos até Travessa Alfredo S.00| 8.00| 1.00|.. | 1.00|.00| 3..00| 6..00| | |retto até seu final) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Câmara Júnior | 1.50| | | | |a | | | | | | | | |12.. | | | | | | | |total| | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Leopoldo Ledra .00| | 1..40| 1.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Bela Aliança | 4. | 1.50| 9.50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Justina de Barba Ledra ..00| 1.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Bom Retiro | 3..00| 2.00|.00|12....50| 7.00| 1..50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Justina de Barba Ledra .. dos ..50| 9.00| 8.00| 1.00| 2.. | 2.00|12.leismunicipais..40| 1.Trecho 01 (Rua Tuiuti até| 1..90| 2.00| | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Gaspar R.50| 3.00| 1.00| 3.20| 7..50| 7. | 1.20| | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Henrique Muller | |10..00| 2. Al-|.50| 9.00|.50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Júlio Schlupp R.00| 2..00| 1..50| 6.00| 3.50| 9..00|12.00| 1..00| 2.LEISMUNICIPAIS.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Lauro Muller | 2..40| 8.00| 3.50| 9.00| 2.40| 2.00| 4..br/cgi-local/form_vig.50| 7.45| 2.00| 2... | 1.50| 9.50| 8...00|.00| | 1. |.00| | |Ladeira Vereador Adolfo Frischknecht) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Humaitá .00| 2.00| 2.00| 1..Trecho 02 (Pedro Mo-| 2.00| 8. | 1. | 8. | | | | |a | | |total| | | | | |10.com.00| 4.00| 1.00| 3.Informação legal em tempo real Página 132 de 164 |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Aracaju | 1..50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Caçadores.00| 1.00| 1...50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Justina de Barba Ledra .00|.00| 1...00| 8..00|12..50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Geremias Medeiros | 2.00|.50|10.50| 1.00| 1.30| 7..00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Justina de Barba Ledra .) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Leopoldo Ledra .00| | |fredo S..80| 0.00| 8.00| 3.60| 2.100| 1..00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Euclides da Cunha R.00| ..00| 9.50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Lages | 1..00| 4.50| 9.50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Brasil | 2.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Guanabara |...| 8.00| 2..00| 1. | 1.00| 2..50| 1.00| | 2.00| | | | | | |a 2.50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Felício Ledra | |10.00|10. de Oli-| | | | |total| | | |veira...50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Chile R.Trecho 01 | | 8.

.00| 8.00| 8.50| 9.00|..00|11. | 8.50| 2.00|*Pista Direita=| |e Aristiliano Ramos) | | | | |* | |8.00| 3.00| 3.00| 8..00m | | | | | | | | |*Canteiro cen-| | | | | | | | |tral= 1..80| 1.00|..90| 9..00| | |final) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Roberto Koch ..00| 2.Trecho 01 (Estrada Bluma-|. | 2.50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |São Bento | 2.50| | |Francisco Heisel e SD63) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Tuiuti R. | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Quintinos (Rua Osvaldo Wilvert até seu|.40| 3.20| 1.00| 1.br ..50|10.00|11. | 1.10m | | | | | | | | |*Pista Esquerda| | | | | | | | |= 5. Eugênio Schneider R.00| 8.Trecho 01 (Rua| 2.00|10.00| 1.50m | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Paulo Ledra .25| 7.) | 1.30| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Paulo Ldera .50| 9.70| 1.00| 1. | 2.00 a| 1..50| | |seu final ) |2.00| 8.50| 6.00| | |gamento da Presidente Kennedy até Ivo| | | | | | | | |Silveira) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Wenceslau Borini R .20| 1. (entre R.25| 2...00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Victor Meirelles | 2.Informação legal em tempo real Página 133 de 164 |mento da Rua Felício Ledra com a Rua| | | | | | | | |Nova Trento) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Marconi | 2.00 a| 6. | 2..LEISMUNICIPAIS.70| 2.70| 8.00| 8.00| 2.00| 2.Trecho 02 (Faixa| 1.00| 9..50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Professor João Conrado Stoll | 2.00 | |2.00| 2...50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Wenceslau Borini R ...00| 2..00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Navegantes .50|11. |12.www.00| | 2.00|.Trecho 04 (Ivo| 1.00| 2.00| 2.10| 3.00| | |de domínio da BR-470 até prolongamento| | | | | | | | |da Presidente Kennedy) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Wenceslau Borini R.60| 3.50| 7.00| 3..00| 8.00| | 2. |12.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |P..00|14.00|10.20| 7.00 a| 6.50| 9.50| 1. | 1.00|11.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Pioneiros | |10.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Pedro A dos Santos R..40| 3.... |12.50| | |nio BR-470 até Rua Lilly Bremer) |2.50| | |tação) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Roberto Koch .00| 1.00|10.00| 2.00| 2.50| 9.00| 3.50| 9.Trecho 02 (..00|.00| | 2.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Penha | | 8.50| 1...85|11.50| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Tromb.00|1.00| 1..95|10.00| 1.10| 2..00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |São José Estr.00| 8..00| 3.00| 2.00| 2.00| 1.00| 2.com.70|10..00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Pastor G.com...50| 7.00| | |Silveira até BR-470) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Willand Kurth |.00|*Pista Direita=| |Ramos até Oscar Barcelos) | | | | |* | |5. Pe Pedro| 1. | 1.00|.95| 3..50| 1.00 | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Osvaldo Hadlich | |10.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Quintinos .00|11. | | | | | | | |total| | | |______________________________________|______|_____|______|______|_____|______|_______________| (Redação dada pela Lei Compl http://www.00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Vereador Antônio Cavilha | | 8.00|11..20| 2.. |.00m | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Pedro Américo | 1..50| 7.00| 2.00| 2.00|11. | 1..00| | |neu até Rua Osvaldo Wilvert).50| 1.00|.10| 2.40| 7.00| 1.00| 2.50| 2.00 a| 1.00| 2.00| 1.00| 2.00| | 2.50| 7.Trecho 01 (Faixa de domí-|1.00| 1...00 | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Navegantes Estr.leismunicipais.00|10.00| 1..00| | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |São João | 1.00|11.50| 7.. |10.00| 8. (Rua Lilly Bremer até|1..00 | |2.00| 3.. |. | 1.00| 1.00| 2. | 9.Trecho 02 (Aristiliano| 0. Central R.00|1.20| 1.50m | | | | | | | | |*Pista Esquerda| | | | | | | | |= 11. Hobus R....Trecho 03 (prolon-| 1.70| 1.00| 8.00| 2..00| 3..40| 1..00| | |Princesa Isabel até faixa de domínio| | | | | | | | |da BR-470) | | | | | | | | |--------------------------------------|------|-----|------|------|-----|------|---------------| |Wenceslau Borini R .50| 9.00| 2.Trecho 01 (Entre a ponte| 2.Trecho 01 (sem pavimen-|.br/cgi-local/form_vig.50| 2.30| 7.40| 1.pl 02/09/2011 ..

mas com projeto de implantação aprovado pela Prefeitura.vias Previstas.80| 1. Tijucas | 51. 590 .com. Oscar Barcelos | 30. SUBSEÇÃO V DAS VIAS DE PEDESTRES Art. Carlos Gomes |Al.60| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD12|R. 592 .00| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD04|R. 591 .45| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD09|R. Pedro Moretto |Volt. de Parcelamento do Solo. Humaitá |Beco Planalto | 52.30| 2. Humaitá |127.40| 1. Humaitá |Ladeira Paraná | 36.00m (oito metros). 598 .com.Exceto quando com largura superior a 8.Serão considerados Vias de Pedestres o que segue: ________________________________________________________________________ | Nº | PASSAGEM DE PEDESTRES | EXISTENTE | | |---------------------------+------------------------|------+-------| | | INÍCIO | FINAL |COMPR. Rodrigues Alves |R. 598 .00| 3. só poderá acontecer posteriormente a abertura da rua ou a critério de Conselho do Plano Diretor. Art. Art. Art.00| 19. 594 .Quando se tratar de Vias Locais. Progresso | 50. Oscar Barcelos |R.Informação legal em tempo real Página 134 de 164 SUBSEÇÃO IV DAS VIAS LOCAIS Art.pl 02/09/2011 . Milton Blemer | 31.Nenhuma edificação poderá ser aprovada para trechos de ruas ainda não abertas mesmo que constante da relação da vias projetadas. Art. Atlântida | 38. 597 .Pelas vias de pedestres não será permitido o Parcelamento do Solo. Nova Trento |R. III .vias Projetadas. 593 . seção II.00| 6.60| 1. 595 . capítulo VII. Aristiliano Ramos |105.00| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD13|R. seção II.Deverá ser observado o Título III.br .A Prefeitura estabelecerá um quadro de prioridades visando abertura das vias projetadas e previstas nesta Lei Complementar.00| 0. Pará |R. capítulo VII.vias Sem Denominação. Tiradentes | 11.LEISMUNICIPAIS.50| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD10|R. Humaitá |R.www.60| 5.80| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD07|Av. Pedro Moretto| 65. Progresso |Até extensão de | 38. Prof. p/R. 596 . SUBSEÇÃO I DAS VIAS PROJETADAS Art. Conrado Stolf | 25.| PISTA | |====|===========================|========================|======|=======| |PD01|R.95| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD11|R. SEÇÃO II DOS TIPOS DE VIAS Art.95| |____|___________________________|________________________|______|_______| Art. Parágrafo Único .leismunicipais.A liberação de alvará de construção ou parcelamento. (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205 http://www. a dimensão mínima exigida será de 8.00| 3. Vidal Ramos |R.25| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD05|Al. II . Mato Grosso |R.50| 2.00| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD02|R.Vias Projetadas são as que não foram abertas.Além da hierarquização definida no capítulo anterior.br/cgi-local/form_vig. Aristiliano Ramos |Av.Deverá ser elaborado um levantamento completo das vias locais.Deverá ser observado a Lei Complementar de Parcelamento do Solo. Parágrafo Único .50| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD08|R.5| 1. Art. as vias subdividem-se ainda em: I .30| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD06|R.00 m (oito metros).90| 4.00| |----|---------------------------|------------------------|------|-------| |PD03|R.

00| | | | |dinando Jahn | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR22|Trav.Informação legal em tempo real Página 135 de 164 Art.00| 8. Eng.00| 12.00|.00| 2.30| 12.00| 2.00| 2. 599 . E.00| 2..50| 7..00| 2.00m além da mesma | 65.00| 2.51| 14.00| 12. Dom Bosco |120.86 além da R.00| 8.00| 2.Fronza|Até 22.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR07|Trav.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR24|Trav.00| 2. Ferrari |Até 26.75 além da mesma | 61.00| 2.00| 8. Guilherme|Até 30.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR09|Rua |Na R. |A 24.66 da R.00| 8.00| 8.53 da R. Ode-|Até Gov.00| 2. Cerejeira |Até extensão de 90. |A 25.50| 12.www.62 além da mesma | 63.94| 12.00| 2.50| 12.00| 2.00| 8.00| 8.00| 2.00| 2. SD15 |Até R.00| 2.00| 12. Louro (PR09) | 92. de Barba Ledra|Até 24.60| 12.00| 8.25| 12.75da R.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR11|Rua |Na R.10| 10.50| 12.65| 12.00| 2.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR13|Rua |Na R.00| 12.00| 3..LEISMUNICIPAIS. Jorge Lacerda |Até Arthur Siewert | 30.10| 12.00| 12.00| 2.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR14|Rua |A 26.00| 2.20| 12. s/nome (PR21) |339.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR17|Trav. Car-|124.00| 2.00| 15.00| 3.00| 2. |Na José Salla |Oscar Hoffmann | 67.00| 8.00| 2. Araucária | 76.00| 8.00| 2.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| http://www.00| | | |brecht | | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR27|Rua |Na Av. Gov.00| 8.00| 2.00| 8.00| 8.00| 2.|Até 24.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR02|Beco |Na PR01 |Até extensão de | 79. Dom João VI |Até extensão de 59.00| 1. Jaborá |Até R.00 além da R. Angico |Até R.D| PISTA|PASS.br . E.70 da R.00| | | | |los Knapmann | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR15|Trav.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR04|Rua |A 26.60| 12.00 da Rua Ferdinando|Até Trav. Ernesto Feldmann |Na extensão de | 63.00| 8.00 além da mesma | 64.13| 10.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR10|Rua |Na R.00|Total | | | |Jahn | | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR21|Trav.00| 2.00| 8. |Na PR30 |Até R.00| | | |da Cruz | | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR25|Rua |Na R.00| 12.00| 8. Ferrari |Até 26.00| 2.00| 2.00m da mesma | 68.00| 8.00| 2.00| 8.00 m | 90.00| 2. Princi-pal do|Até 24.pl 02/09/2011 .00| |----|-----------|--------------------------+-------------------------|------|------|------|------|------| | | |**DENOMINADA TRAVESSA ARNO MARIAN** | | | | | | |----|-----------|--------------------------+-------------------------|------|------|------|------|------| |PR31|Rua |Na PR29 |Até extensão de 320.00 |320.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR23|Rua |A 20.Leandro Dellagiustina |Adolfho Bühr | 66.20| 12.00| 12.00| 8.E| |====|===========|==========================|=========================|======|======|======|======|======| |PR01|Rua |Al.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR28|Rua |Na Emanuel Kant |Até Albert Einstein |138.com.Otto Wetztein|Até 26.00| 2..00| 2.50 |278.leismunicipais.00| |----|-----------|--------------------------+-------------------------|------|------|------|------|------| | | |**DENOMINADA TRAVESSA ARNO MARIAN** | | | | | | |----|-----------|--------------------------+-------------------------|------|------|------|------|------| |PR32|Trav.00| 2. |A 26.90 além da mesma | 57.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR16|Trav.00| | | |Laubstein | | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR05|Rua |R.50| 12.00| 2.00| 2.00| | | | |Ledra | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR19|Trav. Cedro (PR08) |Até a R.00| 2.00| 2.| 3. Aristiliano Ramos |Até R.25 |116.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR29|Trav.70| 12.00| 12.00| 1.00| 8. Just. Ademar Ohf | 90. Justina de Barba|181.75 além da R.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR18|Rua |Na PR17 |Até a R. |Na São Francisco |Até extensão de |139.00| 8.00| 2.00| 8. Taió |Até 23.00m da R.00| |----|-----------|--------------------------+-------------------------|------|------|------|------|------| | | |**DENOMINADA TRAVESSA ARNO MARIAN** | | | | | | |----|-----------|--------------------------+-------------------------|------|------|------|------|------| |PR30|Rua |Na PR29 |Até extensão de 278.87| 12. |Na R.00 além da mesma | 60. Fer-| 82.00| 2.50| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR03|Rua |R.00 da PR22 |Até extensão de 116.br/cgi-local/form_vig.60| 3. |A 22.São definidas como Vias Projetadas: ________________________________________________________________________________________________________ | Nº |DENOMINAÇÃO| RUAS E BECOS PROJETADOS | | | |--------------------------+-------------------------+------+------+------+------+------| | | | INÍCIO | FINAL |COMPR |PISTA |PASS.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR26|Rua |A 140.00| 8. Progresso |185. Cerejeira | 82.00| 2.00| 2.00| 12.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR06|Rua |A26.00 da R.30 | 59.00| 2.00| | | |Loteamento Clara Coninck | | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR20|Beco |A 50.00| 8.00| 1.00| 8.00| 2.00| 8. |A 24. João Fronza |101.00| 2.00| 2.00| 8.00| 8.50| 7.com.00| 2. Jorge Lacerda |175.20 da Rua Agnelo J.00| 1. PR18| 61.66| 12.96| 12.00| 8.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR12|Rua |Na R.00| 2.50| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR08|Rua |Na Câmara Junior |R.25 da R. |Na PR20 |Até 35. Celes.70m da R.00| 15.00| 2..

00| | | | |além da mesma | | | | | | |____|___________|__________________________|_________________________|______|______|______|______|______| Art.00| 8.00 além da PR57 |170.00 após a R.50| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR37|Rua |A 66.00| 2.00| 2.00| 8. devidamente comprovado.00| 2.50| 12.00 além da Estrada Boa|Até a extensão de 571. José C.50m|571.00| 4.00 além do Beco|156.00| 12. Haiti | 87.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR57|Trav. Rui Barbosa |Até 44. Da R.00| 2. Ademar Ohf | 20. Pres.00| 2.50m | 81.00| 9.00| 2.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR40|Trav.00 da R. |A 30.00| | | |Alexandre | | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR51|Rua |Até a R.00| 12.00| 2.00| 8.00 além da PR55 |100. |Na PR60 |Até PR59 | 59.00| 12.50| 15.00 da Rua Guaianazes |Até a mesma | 66.00| 2. |Na Rua Elizabeth Jasper |33. Wenceslau Bo-|Até 24.00| 8. Tupi |Até a extensão de 44.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR54|Rua |A 103. Pref.00| 12.00| 8.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR34|Rua |Na PR30 |Até intersecção com Rua| 96.50| 12.com.00m | 72.00| 2. 600 .00| 8.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR64|Rua |137.00| 2.00| 8.00| 2.00| 2. João Baldas-|Até 25.00| 2.10| 12. Curt Schroeder |Até a extensão de 104.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR38|Rua |25.00| 3.00| 12.00m | 52.00| 4. João|Até extensão de 72.00| 2.50| 12.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR53|Rua |40.00| 2.00| 1.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR36|Rua |Na PR35 |Até R.00| 3. |Na R.00| 2. estarão com esta condição sujeita a reanálise da Prefeitura.00| 8.00| 10.00| 2.00 antes da PR62 |Até extensão de 156. SUBSEÇÃO II http://www.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR55|Rua |140. Kennedy|Até extensão de 93.00 além da PR70 |966.00| 2.15| 12.00| | | | |das Hortências | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR35|Rua |Na PR30 |Até R.00m|293.50| 7.00| | | |sari (PR43) | | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR45|Trav.00| | | | |extensão total de 166.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR47|Rua |30.85 além da mesma | 71.00| 2.00 da R.00| | | |Esperança | | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR48|Trav.00| 8.00| 1.00| 10.00| 2.00| 2.LEISMUNICIPAIS.br/cgi-local/form_vig.00| 12.00| 2. Peroba|Até a extensão de 81.00| 3. Guarani (PR38) |Até a R.90 além da mesma | 67.00| 2.00| 2.00| 12.00 além da PR57 |201.00 R.Poderá a Prefeitura optar por solução mais compatível com a topografia local ou providenciar anulação da mesma.00| 2.00| 2.00| 8.00| 12. 601 . São Francisco | 25.00| 8. Tamoio |Até a extensão de 52. São Bento |126.00| 2.As Vias Projetadas deverão obedecer a hierarquização proposta quando tratarem-se de prolongamento das existentes. Kennedy |Até PR61 |117.00m | 25.00| | | | |Liberdade | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR43|Rua |Prolongamento da R.00| 2. |A 30.com.Informação legal em tempo real Página 136 de 164 |PR33|Rua |Na PR31 |Até R. Tarumã) | | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR50|Trav.50| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR63|Rua |Na PR62 |Até extensão 110. Demarch |A 25.00| 8.00| 8.00| 2. Espírito Santo |Até extensão de 150.50| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR59|Rua |106.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR58|Rua |Na R. |Na PR56 |Até 38.00| 12.00| 2.00| 8.leismunicipais.00| 12.00| 8.00| 12.55| 12.50| 7.As vias projetadas que não possuírem condições técnicas de serem abertas. |25.00| 8.00 |110.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR39|Rua |Na Trav.00| 2.00 além da Bom Abrigo |Até 54.00| 8.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR41| |Na R.00| 2.00| 2.10m|104.00| 1.Bom Abrigo|Até 25.00| 12.00 além da R.00| 12.00| 2.00| 8.br .00| | | |Baldassari | | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR44|Trav.00| 3. Art. Clarindo|Até a extensão de 25. Brasil |101 além da mesma |219.00| 12.00| 8. João Baldassari|Até 27.00 da nº 10 e com|166.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR60|Rua |Na R.00| 2.00| 8.00| 8.00| 2.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR61|Trav.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR56|Rua |80.00| 2.00 além da R.00| 2.20 além da R.00| 2.00| 12.64 além da mesma | 69.00| 8. Aimorés | 54.20| 15.00| 2. Canadá |32.00| 12.00| 2. Pres.00| 2.80| 18.00 |150.00| 2.00 antes da Tra-|207.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR62|Rua |Na R.50| 9.00| 12.00| 8.00| 2.00 além da R.00| | | |rini |vessa Tamoio | | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR42| |No Ribeirão Canoas |Até 73.00 | 93.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR46|Trav.00| 9.00m| | | | | | |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR52|Rua |Na R.64| 12.00| 8.00| 2.00| 2.00 R. Parágrafo Único .00m | 44.00| 8.www.00| 1.00| 8.00| 2.00 além da PR47 |110.00| |----|-----------|--------------------------|-------------------------|------|------|------|------|------| |PR49|Rua |95.00| | | |(contin.pl 02/09/2011 .50 da R. João Baldassari|Até 29. |A 30.00| 12.90| 12.00 além da R.00| 12.00| 8.00| 2.00| 2.

Todo o processo de Parcelamento do Solo deverá se adequar as Vias Previstas. 607 . XV de Novembro: prolongamento| | |da R. Nova Trento até o Loteamento Clara Koninck VP6 . Maranhão | |------|----------------------------------------------------------| |PV20 |Prolongamento da R. Art.Informação legal em tempo real Página 137 de 164 DAS VIAS PREVISTAS Art. Otto Wetztein | |------|----------------------------------------------------------| |PV16 |Entre Rua Rui Barbosa e R. prevista nº PV9 | |------|----------------------------------------------------------| |PV6 |Prolongamento da R. Angelo Tomio até R.Trecho entre R.LEISMUNICIPAIS. São Joaquim até R. Bulcão Viana | |------|----------------------------------------------------------| |PV2 |Entre R. Guanabara | |------|----------------------------------------------------------| |PV7 |Estr.Prolongamento da R. Chile até Loteamento Panorama | |------|----------------------------------------------------------| |PV4 |Prolongamento da R.Consideram-se Vias Previstas: _________________________________________________________________ |TRECHO| LOCALIZAÇÃO | |======|==========================================================| |PV1 |Prolongamento da R. São Paulo até a R. 7 de Setembro | |------|----------------------------------------------------------| |PV12 |Entre Rua Pedro Francisco Heisel e a R. Art.com. 606 .Entre R.com.Consideram-se Vias Previstas: TRECHO . João Fronza | |------|----------------------------------------------------------| |PV9 |Entre trecho prev. Chile até Loteamento Panorama VP3 . Art. Nova Trento até o Loteamento| | |Clara Koninck | |------|----------------------------------------------------------| |PV11 |Prolongamento da R.Entre Rua Pedro Francisco Heisel e a R. Angelo Slomp | |------|----------------------------------------------------------| |PV17 |Trecho entre Estr. Ermínio Stolf até R.www. Bom Retiro | |------|----------------------------------------------------------| |PV5 |Prolongamento do Beco Piçarras até R.LOCALIZAÇÃO VP1 . 605 . Vaticano | |------|----------------------------------------------------------| |PV15 |Antigo leito RFFSA do acesso ao Mutirão Habitacional Bar-| | |ragem até R.leismunicipais.pl 02/09/2011 . projetada nº 74 do Lotea-| | |mento Luiz Bianchet | |------|----------------------------------------------------------| |PV10 |Trecho entre R. Botânico Kulmann | |------|----------------------------------------------------------| |PV21 |Trecho entre SD57 e a R. Vaticano em 500. 603 . Humaitá e R. João Fronza VP5 . dos Caçadores até Av. Bom Sucesso e Estr. Art. Ermínio Stolf até R. dos Caçadores até R. Curt Schroeder | |------|----------------------------------------------------------| |PV13 |Prolongamento da R. 602 . São José e R.Entre R. Bom Sucesso e Estr.Nenhuma edificação poderá ser aprovada para trechos de ruas previstas antes da abertura das mesmas. Dom Bosco até a R. Humaitá e R. Subseção II. Blumenau e futura ponte da Bela Aliança| |------|----------------------------------------------------------| |PV18 |Prolongamento da R. São José VP2 . Art. Oscar Barcelos | |------|----------------------------------------------------------| |PV19 |Prolongamento da R. nº PV5 a R.Deverá ser observado a Lei Complementar de Parcelamento do Solo. 607 . São José | |------|----------------------------------------------------------| |PV3 |Prolongamento da R.br/cgi-local/form_vig. Príncipe | |------|----------------------------------------------------------| |PV8 |Entre R.A Prefeitura através de cronograma próprio definirá prioridades para abertura das referidas ruas. Roberto Koch | |------|----------------------------------------------------------| |PV22 |Ligação da Rua Tiradentes com a Rua Manoel Livramento | |------|----------------------------------------------------------| |PV23 |Ligação da Rua General Osório com a Avenida Oscar Barcelos| |------|----------------------------------------------------------| |PV24 |Prolongamento da Rua João Hpofmann até a Rua Alfredo Vie-| | |brantz | |______|__________________________________________________________| Art.00m até encontrar a| | |rua sem denominação SD122 | |------|----------------------------------------------------------| |PV14 |Entre rua sem denominação SD120 do Loteamento Mutirão Bar-| | |ragem até R. Chile até R. Curt Schroeder http://www. Seção VII.São consideradas como Vias Previstas aquelas que ainda não foram projetadas. 604 .Prolongamento da R. Bom Retiro VP4 . mas com dimensionamento e traçado pré-definido.br . Chile até R.

estas ruas serão incluídas automaticamente na hierarquização viária definida pelo seu tipo e porte. SUBSEÇÃO III DAS VIAS SEM DENOMINAÇÃO Art.00m até encontrar a rua sem denominação SD122 VP8 .Prolongamento da R.LEISMUNICIPAIS. Bela Aliança (com ponte) VP20 . Clemente Demarch.entre Rua Ambrósio Semioni e Estada da Penha) VP27 . 615 . Guanabara.Paralela Estrada Blumenau (após Rua João Ledra) VP25 . 613 . análise e parecer técnico da Assessoria de Planejamento.Deverá sempre haver preferência a nomes que exaltem pessoas ou fatos históricos. V . Pedro II com a Av.Exigido sempre que se tratar de edificações nas seguintes ruas: a) b) c) d) e) f) g) h) i) j) k) Anita Garibaldi.com. não se permitindo nome de pessoas vivas. dos Caçadores até R. Otto Wetztein VP9 . 7 de setembro com Rua Coelho Neto VP19 .Marginal rodovia BR 470 .Ligação Rua Dom Bosco com Al.A Prefeitura desde que com projeto técnico adequado baseado em condicionantes topográficas poderá promover alteração no dimensionamento dos passeios apresentados na tabela deste título e vice-versa. Dom Bosco. Dom Pedro II. de acordo com a legislação pertinente. São Paulo até a R. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 SEÇÃO III DOS PASSEIOS.Não será permitido o estacionamento de veículos sobre os passeios. Art.leismunicipais. 10 Art. Art. 608 . IV .Prolongamento da R.final.Informação legal em tempo real Página 138 de 164 VP7 .As Vias Sem Denominação encontram-se definidas no mapa anexo número 10. Neumann.largura. Art.Ligação Rua João Ledra com Estrada Quintino VP24 . Bela Aliança VP21 .Prolongamento da Rua João Hoffmann até a Rua Alfredo Viebrantz VP13 . § 1º .Ligação SC 302 com a Rua Pedro Avelino dos Santos (RSL-050) VP15 .pl 02/09/2011 . DO MEIO FIO E DOS MUROS Art.Paralela Estrada da Madeira VP14 .Marginal rodovia BR 470 (Valada Itoupava) VP23 . 611 .entre Rua 13 de agosto e Rua Willand Kurth VP28 .Ligação Rua Kurt Schroeder e Rua Jorge Theidl VP16 .Antigo leito RFFSA do acesso ao Mutirão Habitacional Barragem até R. Botânico Kulmann VP11 . Oscar Barcelos VP30 .Quando denominadas pela Câmara de Vereadores. 612 . Carlos Gomes.Ligação Estrada Blumenau e rodovia BR 470 (com ponte) VP29 .Trecho entre SD57 e a R.www. Governador Jorge Lacerda (com ponte) VP17 . 609 . 614 .Marginal rodovia BR 470 .As vias deverão ser denominadas de acordo com levantamento topográfico.Todas as edificações com passeios prejudicados por estacionamentos de veículos. II .Ligação Estrada Blumenau com Rua Dom Bosco VP22 .Duplicação Ponte dos Arcos (Redação dada pela Lei Complementar nº 205/2010) 205 Art. em todos os pavimentos. Art. ou inexistência dos mesmos terão o prazo de 6 (seis) meses para regularização. Engenheiro Baungarten. Dr. Marconi.Para denominação das vias deverá ser observado: I . Roberto Koch VP12 .com.Ligação Bairro Canoas com al.Ligação Valada São Paulo com Valada Itoupava VP26 . 610 .Visando a ampliação dos passeios de determinadas ruas será exigido um afastamento frontal das edificações.início. seguindo modelo fornecido pela Prefeitura. Coelho Neto. § 2º .Ligação Rua Duque de Caxias com Av. 616 .br . Basílio Correia de Negredo.br/cgi-local/form_vig. Art. http://www.Paralela Rua Princesa Isabel VP18 . Parágrafo Único . III .mapa anexo ao processo.Prolongamento da R.Ligação Rua D.comprimento.As Vias Previstas deverão obedecer a hierarquização proposta quando tratarem-se de prolongamento das existentes.A presente situação vale também para alinhamentos de muros. Maranhão VP10 . Vaticano em 500.Ligação Av.

contado da data de execução da obra pelo Poder Público.00 m (três metros) do nível natural do terreno.Para o revestimento dos passeios deverá ser observado: I . poderão se utilizar do alinhamento frontal.A Prefeitura poderá determinar o tipo do passeio.Em todos os lotes de vias pavimentadas serão exigidos: I . dispostas a um intervalo de 10.Deverá ser obedecido o Capítulo IV.material de propaganda.00 m (três metros) de altura.execução de muros. Art. 627 . 624 .superfície lisa e nivelada.Nos terrenos de esquina as edificações e os muros de vedação construídos nos alinhamentos deverão ser de forma chanfrada ou semicircular.As faixas com grama e arborizadas não poderão estar incluídas nesta dimensão. II . IV .com. http://www. XV de Novembro.execução de passeios. III . 617 .Os passeios ou calçadas não terão largura inferior a 1. § 2º . Princesa Isabel.material antiderrapante. conforme Lei Complementar de Edificações. Art. Parágrafo Único . conforme anexo 04 da Lei Complementar de Edificações. § 1º . II .via arterial . II . considerando como base a cota frontal mais elevada do alinhamento do muro. Art.árvores de copas altas. Parágrafo Único .00 m (um metro) e declive de 2% (dois por cento) no sentido transversal.As vias urbanas poderão receber arborização com espécimes nativas segundo a classificação hierárquica a que pertençam: I . acrescidas de 20% (vinte por cento) de taxa de administração e das penalidades legais.portões. não possibilitando em momento algum a descontinuidade deste. § 3º . Art. § 2º . Art. Tuiuti.O rebaixamento do meio fio só acontecerá nas áreas de acesso aos lotes. Seção III. sem recuar.vasos ou ornamentos similares. Art. respeitando o raio interno de concordância prevista entre as vias. a Prefeitura executará os serviços e cobrará dos infratores as despesas de custos.br/cgi-local/form_vig.caixa de correspondência.As grades com até 3. conforme anexo 05 da Lei Complementar Nº 7/95 (Código de Edificações).pl 02/09/2011 . capítulos II. § 3º . 619 .Os muros de vedação dos terrenos só poderão ser construídos nos alinhamentos desde que sua altura não ultrapasse a 3.limpeza e conservação do lote. SEÇÃO IV DA ARBORIZAÇÃO URBANA Art. § 1º . V . III e IV.com. III . Art.br . Art. Art.As rampas para acesso de veículos. 626 .Em caso do não atendimento das exigências mencionadas.Fica determinado a altura máxima de 12 cm (doze centímetros) para o meio fio. São João.Para terrenos localizados em vias pavimentadas na data de publicação desta Lei Complementar. 625 . 621 . III . bem como degraus para acesso a lotes ou edificações deverão acontecer obrigatoriamente fora da área do passeio. título III.Os passeios encontram-se dimensionados nas tabelas anexas desta Lei Complementar. 623 .Informação legal em tempo real Página 139 de 164 l) m) n) o) p) q) r) Oscar Barcelos (trecho 01 e 02).leismunicipais. 622 . bem como as especificações técnicas a serem obedecidas. o prazo será de 06 (seis) meses para a execução dos passeios e muros e em novas pavimentações o mesmo prazo. Presidente Kennedy. Art.Observar Lei Complementar de Posturas.lixeira.Excetuam-se destas exigências os muros destinados a contenção de encostas. Subseção IV da Lei Complementar de Edificações.www. 620 .00 m (dez metros).Ficam proibidos a colocação de equipamentos particulares sobre os passeios como: I . 618 .superfície contínua.LEISMUNICIPAIS. Paulo Ledra.

SEÇÃO VI DO TRÂNSITO Art. para promover a melhoria do trânsito. § 2º .www.possuir qualquer tipo de vegetação com espinhos e galhos. Art.A Prefeitura determinará trajetos e horários aos veículos de transporte. sempre que possível.via secundária .árvore de meia sombra copa média disposta a cada 5. III . os acessos independentes de 3.00 m (cinco metros) de largura. § 2º .via local . da Lei Complementar Nº 7/95 . 628 .Deverão ser criadas áreas próprias para estacionamento segundo Lei Complementar de Edificações.leismunicipais.LEISMUNICIPAIS. 635 . Policiamento e similares. 630 . 636 .50 m (quatro metros e cinqüenta centímetros) quando adultas. II .A Prefeitura fixará locais para pontos de táxi.árvores sombreiras de copas média disposta a um intervalo de 10.Será exigido estacionamento compatível com o uso e com a área construída sempre que se tratar da criação de ponto comercial ou prestador de serviços. ouvido o Conselho Municipal de Trânsito. Art.Quando por subdimensionamento dos passeios existentes não for possível a colocação de árvores. Parágrafo Único . Art. Parágrafo Único . através da doação de mudas. normalizar seu ajuste visando melhorias.Deverá ser reservado. § 1º .Deverá ser observado complementarmente a este capítulo o Guia de Arborização da CELESC. Art. IV .O espaço frontal de uma edificação só poderá ser usado com estacionamento se não houver prejuízo da dimensão do passeio junto ao meio fio.A Prefeitura poderá usar de medidas específicas como: trevos.arbustos de média altura. quando dotado de acesso único de entrada e saída com 5. bem como determinará ainda locais fora da área central para estacionamento. conforme a Lei Complementar de Edificações. Art. conforme anexo 03. V .pl 02/09/2011 .As vagas deverão ser demarcadas segundo dimensões estabelecidas na Lei Complementar de Edificações. 634 . Art. 632 . http://www.trânsito de carga. faixas de travessia. devidamente separadas do passeio. 639 .trânsito de pedestres e deficientes físicos. Art.com.impedir a circulação de pessoas.distar 1.A vegetação existente em desacordo com este artigo deverá ser sistematicamente podada a fim de eliminar contatos acidentais com a rede na condição mais adversa de ventania. Parágrafo Único . Art. (entrada e saída). 638 . lombadas.00 m (três metros).trânsito interurbano. com abertura mínima equivalente a um diâmetro de 60 cm (sessenta centímetros). Sendo definido: I .via principal .br . III .A vegetação dos canteiros não deverá: I . Art.trânsito urbano.Somente será permitido. sempre nos edifícios de uso público vaga de estacionamento para deficientes físicos.O local reservado ao estacionamento para deficientes físicos deverá ser facilmente identificável pelo Símbolo Internacional de Acesso pintado no chão e com placas.A Prefeitura poderá instituir o estacionamento controlado quando convier. 633 .trânsito de transporte coletivo. 629 .br/cgi-local/form_vig.das Edificações. Art.Este artigo não se aplica aos pontos comerciais e prestadores de serviços existentes antes de 1995. II . IV . bem como.A Prefeitura deverá realizar estudos sistemáticos visando melhorar o fluxo de trânsito. SEÇÃO V DO ESTACIONAMENTO Art. 640 .As árvores plantadas sob as redes de distribuições de energia elétrica deverão atingir a altura máxima de 4.Informação legal em tempo real Página 140 de 164 II . 637 . em número mínimo de 01 (uma) dimensionada de acordo com a Lei Complementar de Edificações. sinaleiros e sinalizações. 631. § 1º .Deverá ser realizada contenção de raízes. bem como redefinição e proposta de pontos de parada. III .O estacionamento frontal de uso de serviço ou comercial deverá obedecer a dimensionamento que possibilite a continuação do passeio.00 m (cinco metros). para pontos de ônibus poderão ser criados bolsões fora da pista de rolamento.00 m (dez metros).00m (um metro) do muro no mínimo.com. Art. a Prefeitura poderá fomentar o seu plantio na parte interna da testada dos respectivos lotes.

caixa d`água. desde que coberta. 642 . II . bombas. como forma de estímulo às áreas correspondentes a: I . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 § 2º . IV . como forma de estímulo às áreas correspondentes a: I . além do afastamento preconizado no Quadro de Índices Urbanísticos.Os lotes com testada para as ruas previstas nos incisos abaixo poderão ter seu gabarito ampliado de acordo com o quadro de índices urbanísticos (Anexo 6-A do Título IV) respeitando os índices para parcelamento de solo do Anexo 06 do Tírulo IV. desde que coberta.apartamento de zelador.www.pl 02/09/2011 . poço de elevadores. VII .O índice de aproveitamento é calculado para expressar a área máxima da construção permitida.local destinado a circulação de pessoas dentro de edificação comercial.plataforma para pouso de emergência segundo normas do Corpo de Bombeiros. caixa d`água.Os índices máximos e mínimos são fixados para cada subzona de acordo com o Quadro de Índices Urbanísticos.Na aplicação deste índice não serão computadas no cálculo das subzonas MC. MD1.LEISMUNICIPAIS.Na aplicação deste índice não serão computadas no cálculo das subzonas MC.Para compatibilização do Sistema Viário proposto.garagem e área de circulação de veículos.br .afastamentos. após ouvido o Conselho Municipal de Trânsito. 643 .Alameda Aristiliano Ramos. VII . VIII . Parágrafo Único . MD3 e RP2.subsolos. centrais de ar condicionado.com. instalações para coleta de lixo e medidores em geral. anexo 06. Parágrafo Único . centrais de ar condicionado. SEÇÃO VII DA IMPLANTAÇÃO DAS VIAS Art. Art.áreas sob pilotis . MD2 e MD3.A faixa de recuo é uma faixa indenizável. § 1º . VI . CAPÍTULO VI DOS ÍNDICES URBANÍSTICOS Art. 644 .áreas sob pilotis . gás. II . por compartimentos de utilização transitória e por áreas de lazer.leismunicipais.apartamento de zelador. 645 . por compartimentos de utilização transitória e por áreas de lazer.As providências dos Artigos 633 a 636. MD1.Os limites de aproveitamento dos lotes são determinados pela aplicação simultânea de: I . 641 . V .subsolos.: I . poço de elevadores. gás. VI . III .com.gabarito. http://www. II .Informação legal em tempo real Página 141 de 164 Art. instalações para coleta de lixo e medidores em geral.taxa de ocupação SEÇÃO I DO ÍNDICE DE APROVEITAMENTO Art.garagem e área de circulação de veículos.br/cgi-local/form_vig. bombas.casa de máquinas. IV . IV .playground e outros equipamentos destinados ao lazer em áreas não cobertas. com o existente poderá ser exigido um recuo necessário a implantação da nova dimensão da via.plataforma para pouso de emergência segundo normas do Corpo de Bombeiros. serão tomadas. sendo que a esta deverá ser acrescida o afastamento definido no Quadro de Índices Urbanísticos.desde que seja ocupada tão somente pelo hall de entrada. anexo 06. III .playground e outros equipamentos destinados ao lazer em áreas não cobertas.desde que seja ocupada tão somente pelo hall de entrada. III . V .local destinado a circulação de pessoas dentro de edificação comercial. VIII .índice de aproveitamento. anexo 06.casa de máquinas. MD2.

Parágrafo Único .chaminés.Informação legal em tempo real Página 142 de 164 II .Rua Jorge Lacerda.Rua Coelho Neto (trecho compreendido entre a Rua Anita Garibaldi até seu final).Estrada Blumenau. a distância máxima.Avenida Oscar Barcelos (trecho compreendido entre a Rua XV de novembro e a Rua Paulo Ledra). IV .Rua Ana Nery (trecho compreendido entre a Rua Expedicionário Nardelli e a Rua Rodrigues Alves). SEÇÃO III DOS AFASTAMENTOS http://www. Art.br . entre pisos é fixada em 3. VII .www. XXIII .Estrada da Madeira. XXII .Estrada Boa Esperança (trecho compreendido entre a Faixa de Domínio da BR-470 e a Rua das Indústrias).Quando a área real for inferior a área escriturada adotar-se-á a real como referência.00 metros do final da Rua Agrolândia).Rua Washington Luiz (trecho compreendido entre as Av.Rua Princesa Izabel do seu início até a (Rua Rinaldo Mezadri).00 m (seis metros) de altura. Deodoro e 100.A altura máxima das edificações será definida pelo número de pavimentos.Rua Dom Bosco. XX .Para o cálculo do número de pavimentos. VIII . V . deverá ser aplicado complementarmente ao afastamento o cone de sombreamento.As faixas "non aedificandi" serão incluídas no cálculo da área total do terreno.Entende-se por gabarito a altura máxima da edificação expressa em número de pavimentos.LEISMUNICIPAIS. XXIV . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Art.caixa d`água. XIV . XII .Rua Rui Barbosa (trecho compreendido entre a Rua Professor João Conrado Stoll até a Rua Angelo Slomp). IX . Art. Oscar Barcelos e a Rua Visconde de Cairú). IV .Rua 15 de abril. 646 . XV . II . 649 .sobrelojas e mezaninos. 648 . 647 . VI .com.pavimento em subsolo. XIII .Rua dos Caçadores (trecho compreendido entre a Rua Mal. 652 . X . Art. XVII .Rua Guilherme Gemballa. desde que não ultrapassem 6.Rua Julio Roussenq Filho. anexo 02. XIX . com exceção do pavimento térreo que poderá conter sobreloja.00 m (três metros).Rua Bulcão Viana (trecho compreendido entre a Rua Georg Lucas e a Rua Angelo Tomio).Rua Prefeito Wenceslau Borini (trecho compreendido entre a Rua Alfredo Schneirder e BR-470).Não serão computados para efeito de cálculo de altura das edificações: I .Rua Raulino Rosar. até o limite máximo de 6. segundo especificações na Lei Complementar de Edificações.Rua Jacó Finardi (no trecho compreendido entre a Rua Alfredo Schneider e a Avenida Governador Ivo Silveira). V .com.00 m (doze metros). SEÇÃO II DO GABARITO Art. XI .Rua Augusta Deeke.Rua XV de novembro.O índice de aproveitamento será aplicado somente sobre a área escriturada do terreno.00 m (seis metros) de altura. desde que com área máxima de 1/3 (um terço) da área do último pavimento. 650 .pl 02/09/2011 . Art.terraços cobertos destinados a recreação de uso comum dos condôminos. III . casa de máquinas e outros serviços gerais do prédio situados na cobertura. III .br/cgi-local/form_vig. XVI . Art. incluindo o térreo junto a via de acesso principal e excluindo o subsolo. XXI .Rua Dom Pedro II.Alameda Bela Aliança. XVIII .leismunicipais. 651 .Para becos e ruas com dimensionamento inferior a 12.

a obra resultar encravada em no mínimo 2/3 (dois terços) de seu volume. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 Parágrafo Único .00m (dois metros).Para vias de pedestres quando não houver previsão de alargamento da mesma.Informação legal em tempo real Página 143 de 164 Art.Revogado pela LC 42 de 1999. quando no pavimento térreo o uso seja caracterizado como comercial ou de serviços em no mínimo 50% (cinqüenta por cento) da sua área. conforme art.www. 659 . § 2º . MD2 e MD3 as construções deverão obedecer ao seguinte: I .00m (seis metros) de largura. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 SUBSEÇÃO I DO AFASTAMENTO FRONTAL Art.O recuo frontal nas áreas comerciais.com. desde que atestado pelo órgão municipal competente. II . o afastamento frontal para esta via deverá ser de no mínimo 1. escadarias e rampas de acesso.Nas superfícies não construídas. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 Art. a retificação do registro do imóvel.Excetuam-se deste caso a construção de marquises previstas na Lei Complementar de Edificações (alterado pela LC 42 de 1999). § 1º .garagem ou estacionamento com capacidade máxima para dois veículos no afastamento frontal das edificações residenciais que possuam até dois pavimentos. § 1º . 655 . 656 .Observar artigos da Lei Complementar de Edificações. III . 100 e 110 desta Lei Complementar.00m (dois metros). pérgulas. central de gás.50 m (um metro e cinqüenta centímetros).O afastamento frontal deverá ser obedecido nas 2 (duas) testadas § 2º . a partir do ponto mais avançado da edificação em relação à divisa do lote. 612 desta Lei Complementar. conforme Quadro de Índices Urbanísticos (Anexo 06). deverão ser plantadas árvores de pequeno porte. desde que não ultrapasse a 50% (cinqüenta por cento) da área mínima do afastamento exigido quando o uso for residencial.As edificações sempre obedecerão aos afastamentos preconizados para a zona em que se situam.Para os demais pavimentos fica permitido o avanço de sacadas ou outros elementos em balanço.Nas zonas MC.50m (um metro e cinqüenta centímetros).Quando o uso for comercial ou industrial. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 http://www.br . deverão ser tratados como áreas verdes em no mínimo 50% (cinqüenta por cento) da superfície respectiva. Art.Será exigido pelo órgão municipal de planejamento. 653 .pl 02/09/2011 . MD e RP2.muros de arrimo e de vedação dos terrenos.Excetuam-se deste caso a construção de marquises previstas no TÍTULO II .Para edificações térreas na área resultante do afastamento frontal fica permitida a construção de guaritas. § 2º . ressalvando o direito à realização das seguintes obras: I .leismunicipais. sem possibilidade de expansão. lixeiras. § 3º . varandas e abrigos sem fechamento lateral. desde que atestado pelo órgão municipal competente. 654 .50m (metro e cinqüenta centímetros) sobre o recuo exigido.Nas subzonas MC. será de 2. II .central de gás.O recuo frontal nas áreas residenciais.80m (dois metros e oitenta centímetros) de altura. Art. necessárias em função da declividade natural do terreno.br/cgi-local/form_vig.Os espaços livres definidos como afastamentos obrigatórios. desde que a edificação a ser construída esteja ocupando a área não escriturada. § 2º .DAS NORMAS RELATIVAS ÀS EDIFICAÇÕES.00 m² (duzentos metros quadrados) de área do terreno. quando houver divergência entre a área escriturada e a área real do imóvel.O afastamento frontal deverá ser usado com ajardinamento. IV .apresentar afastamento frontal em todos os pavimentos quando for previsto alargamento do passeio definido conforme art.00m (seis metros) de largura. quando implantadas em terrenos que não permitam a execução da rampa de acesso em função da declividade natural do terreno superior a 20% (vinte por cento). na proporção mínima de um espécime para cada 200. poderá ser utilizado os afastamentos para estacionamentos e pátios de carga e descarga. devendo. subsolo ou estacionamento descoberto nos afastamentos laterais ou de fundos. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 Art. desde que não ocupem mais de 20% (vinte por cento) da área mínima exigida para o recuo e não ultrapassem a 2. MD1. podendo ocupar 50% (cinqüenta por cento) da extensão total da fachada com afastamento das divisas laterais de no mínimo 1.respeitar o afastamento mínimo frontal exigido quando for previsto o alargamento da via. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 Art. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 Parágrafo Único . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 § 1º . 657 . no máximo 1. em becos com até 6.Parágrafo Único . permitindo-se a impermeabilização do solo apenas nos acessos ao prédio. e sempre tomados perpendicularmente às mesmas. entretanto. 98.Os afastamentos mínimos exigidos deverão ser aplicados na divisa real do terreno se houver divergência em relação a área escriturada. tapumes. sem possibilidade de expansão. será de 2. as edificações poderão ser construída no alinhamento frontal. cercas divisórias. em becos com até 6. 658 .LEISMUNICIPAIS.Para os terrenos de esquina deverá ser observado: § 1º .com. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 Art. 660 .

(Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 III . (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 § 4º . para uso público. 667 . Art. 672 . poderá ser ocupado até 75% (setenta e cinco por cento) do perímetro do lote.com. 669 .A demarcação da área inundável objetiva medidas preventivas de ações de planejamento. e respeitadas as exigências das áreas mínimas de iluminação e ventilação estabelecidas na Lei Complementar de Edificações. será no mínimo de 1.Quando for possível reduzir o grau de desconformidade de uma atividade licenciada anteriormente a vigência desta Lei Complementar. Art.00 (três metros). de tal modo que ela possa ser considerada como tolerável.Para as demais zonas. nunca poderá ultrapassar mais de 60% (sessenta por cento) do perímetro do lote.Cabe ao órgão municipal de defesa civil a definição das cotas de inundações.br . para tanto deverá ser reservado 50% (cinqüenta por cento) a mais do número de vagas de estacionamento mínimo exigido. incluíndo a platibanda. Art. Parágrafo Único . CAPÍTULO VII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. SEÇÃO IV DA ÁREA INUNDÁVEL DE CHEIA MÁXIMA Art. 665 . desde que não sejam de uso residencial.Em lotes localizados na zona MC. não poderá ser superior a 10.Informação legal em tempo real Página 144 de 164 SUBSEÇÃO II DOS AFASTAMENTOS LATERAIS E FUNDOS Art.Deverá sempre ser respeitado o afastamento mínimo frontal obrigatório. II . a altura da parede cega no(s) alinhamento(s) da edificação. § 3º . incluíndo a platibanda. 663 .leismunicipais. § 1º . § 1º . desde que permitidas devem observar as seguintes restrições: I . Parágrafo Único . o Conselho do Plano Diretor http://www.A área inundável de cheia máxima é uma área que se sobrepõe as zonas de utilização.Excetua-se deste cálculo a dimensão da(s) testada(s) do lote. II . Art.nas subzonas MC e MD1 com até 3 (três) pavimentos. Anexo 06.MD2 e MD3 com até 2 (dois) pavimentos desde que não sejam de uso residencial. respeitando a altura máxima prevista. 670 . não podendo ser inferior a 3.00 m (um metro). sendo que fica definido o que segue. respeitando a altura máxima prevista.Para o cálculo do afastamento lateral e de fundos será analisado o Quadro de Índices Urbanísticos. § 2º .www. Art.nas subzonas RP2.A cota inundável de cheia máxima fica sujeita a uma margem de variação de até 1. 662 .Nas edificações com altura de até 2 (dois) pavimentos os afastamentos das divisas laterais e de fundos quando existirem aberturas. Parágrafo Único .com. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 Art. e para os demais casos não poderá ultrapassar 7.00m (dez metros).Nas zonas MC e MD1. a parede cega quando utilizada.00m (sete metros).br/cgi-local/form_vig. o recuo lateral exigido passa a ser de (H-9)/6.não possibilitarem o caimento das águas pluviais para os lotes vizinhos. Art.pl 02/09/2011 . 671 . 668 .Será permitido o uso das divisas laterais e de fundos com paredes cegas nos seguintes casos: (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 I .Nas subzonas MC e MD1 a edificação poderá utilizar a taxa de ocupação de até 100% (cem por cento) do terreno até o 3º pavimento.não possuírem qualquer tipo de aberturas.As construções nos alinhamentos laterais. observando-se no entanto.O afastamento mínimo entre edificações num mesmo lote deverá corresponder a 1/3 (um terço) da altura da edificação de maior gabarito.50 m (um metro e cinqüenta centímetros) e para os demais casos os afastamentos deverão ser calculados a partir da seguinte fórmula: A = H/6. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 Art.LEISMUNICIPAIS. os afastamentos com os demais lotes vizinhos que não façam parte do conjunto. com testadas para as Ruas XV de Novembro e Oscar Barcelos.Ficarão isentas de afastamento lateral as casas geminadas.Para lotes de esquina. quando este for exigido. onde H é a altura da edificação contada do nível do solo até a laje de cobertura do último pavimento utilizável. sendo estas averbadas na matrícula do registro de imóveis. 661 . Art.obedecerem as faixas de recuo que poderão ser exigidas. desde que constituam uma só unidade arquitetônica. 664 .Ao ser estabelecida a área inundável de cheia máxima deverá ser observado a referência de níveis (RN`s) estabelecidas na Lei Complementar de Parcelamento do Solo.Os terrenos intermediários aos pontos definidos deverão ser calculados segundo a média entre os pontos mais próximos. 666 .

Mapa das Vias Projetadas e Vias de Pedestres. Art.Quadro de Usos. 673 . Anexo 09 . 675 .br ." Art.Fica instituída a Consulta de Viabilidade. 678 .Ficam revogadas as seguintes Leis: 2436. 677 .a substituição por outro uso desconforme. Anexo 05 .Quadro das Atividades Potencialmente Causadoras de Degradação Ambiental.Quando as informações dependerem de deliberação do Conselho do Plano Diretor.br/cgi-local/form_vig.Cone de Sombreamento. II . Anexo 09 . a Lei Complementar nº 10/95 e demais disposições 10 em contrário.Quadros de Índices Urbanísticos.Informação legal em tempo real Página 145 de 164 estabelecerá condições e prazos para esta adequação. § 1º . Art.Para casos considerados de caráter especial.Mapa da Hierarquização Viária.pl 02/09/2011 . Anexo 04 .São considerados parte integrante desta Lei Complementar os seguintes Anexos e suas alterações: Anexo 01 . desde que dado conhecimento ao requerente. Anexo 07 . IV . Anexo 02 . o prazo máximo de atendimento às informações requeridas será de 60 (sessenta) dias. o Código de Posturas.Este Título V.Mapa de Zoneamento.a reconstrução das edificações onde forem exercidos após avaria que tenha atingido 60% (sessenta por cento) da área total das construções. Anexo 03 . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Art. Anexo 04 . Pontes e Vias Previstas.Quadro de Usos.Mapa de Zoneamento. parte integrante do Plano Diretor Físico Territorial.www. Anexo 07 . Pontes e Vias Previstas.São considerados parte integrante desta Lei Complementar os seguintes Anexos e suas alterações: Anexo 01 .com. Anexo 05 . Anexo 08 . Anexo 08 .com. Anexo 06 . nas proximidades do "Campus" da UNIDAVI.leismunicipais. III .Os usos desconformes já licenciados pelo município serão mantidos. 674 .o restabelecimento do uso após a cessação das atividades. sendo vedado: I . Anexo 10 .Quadros de Índices Urbanísticos. poderá haver prorrogação do prazo previsto no "caput" deste artigo. Anexo 06-A .Mapa do Perímetro Urbano e Limite de Bairros. o projeto poderá contemplar alternativas que minimizem o ruído a níveis toleráveis.Mapa da Hierarquização Viária.Quadros de Índices Urbanísticos Especiais.Mapa das Vias sem Denominação. 676 . todas as informações requeridas referentes às determinações desta Lei Complementar. pela qual a Prefeitura se obriga a fornecer num prazo máximo de 10 (dez) dias. 2447. 2445. 676 .Quadro das Atividades Potencialmente Causadoras de Degradação Ambiental.LEISMUNICIPAIS. Anexo 03 . Anexo 06 .Cone de Sombreamento.a ampliação das edificações onde forem exercidas. Art.Mapa das Vias sem Denominação.Mapa das Vias Projetadas e Vias de Pedestres. Anexo 02 .Mapa do Perímetro Urbano e Limite de Bairros. contém medidas de http://www.Definida a implantação de ponte ligando o Jardim América ao Bairro Canta Galo. 2439.Mapa de Zoneamento da Zona de Preservação Especial e Inundável.Mapa de Zoneamento da Zona de Preservação Especial e Inundável. Anexo 10 . Art. § 2º . TÍTULO V CÓDIGO DE POSTURAS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. no prolongamento da Rua Presidente Kennedy.

através dele. de saúde. etc. no qual descreve o ato ou fato constitutivo da transgressão e qualifica o infrator que. (Vide: Passeio) (Redação alterada pela Lei Complementar 178/2008) 178 Cemitério .leismunicipais. Art. regulamentos e regimentos. de educação pré-escolar e outros.Direção de onde sopra o vento. 687 .pl 02/09/2011 .estabelecer padrões relativos a qualidade de vida e de conforto ambiental. para apuração de sua responsabilidade. III . Parcelamento.Os casos omissos. toma conhecimento da instauração de um processo administrativo contra si.Ao prefeito. lavrado e assinado por autoridade municipal competente contra a pessoa que comete a infração. 681 . Parágrafo Único .Instalações destinadas a venda de jornais. para fazê-las passeios. de segurança. edificações e atividades particulares que no seu todo ou parte.As disposições sobre as normas arquitetônicas e urbanísticas. cuja finalidade é a captação das águas pluviais. 686 . ordem e costumes públicos. interfiram ou participem de alguma forma das relações cotidianas do meio urbano.A Lei Complementar de Posturas não compreende as infrações que já são punidas pelo Código Penal e outras leis federais e estaduais. II . SEÇÃO II DA COMPETÊNCIA Art.Caixa sifonada. 679 .br/cgi-local/form_vig. serão exercidas por órgãos da Prefeitura.Todas as funções referentes à execução desta Lei Complementar. SEÇÃO IV DAS DEFINIÇÕES Art. Aquele que está sujeito a deteriorar-se caso não seja mantido em condições especiais de Alvará Sanitário . para composição das ruas: o calçamento dos caminhos.sanitárias do mesmo. por princípios gerais de direito.Informação legal em tempo real Página 146 de 164 polícia administrativa. informações turísticas.www. que autoriza a ocupação e uso de imóvel recémconstruído ou reformado e/ou o funcionamento de estabelecimentos comerciais. salubridade e conforto dos espaços e edificações deste município.garantir o respeito às relações sociais e culturais. a forma de utilização de todas as Áreas de Domínio Público e demais espaços de utilização pública (quer pertencentes a entidades públicas ou privadas).Local onde se sepulta cadáveres. Art. agropecuários. contidas nesta Lei Complementar.Há tecnicamente. Cisterna . e em geral. ou assim caracterizadas. industriais.br . Boca de lobo . 680 . Calçada . bem como a Legislação Sanitária em vigor no país.Documento fornecido pela autoridade da saúde. Uso e Ocupação do Solo.Fica sujeita a regulamentação pela presente Lei Complementar. aos funcionários municipais incumbe zelar pela observância dos preceitos desta Lei Complementar. e do exercício das atividades comerciais.Água própria para consumo humano proveniente de uma origem que permanentemente garante sua qualidade. para fazêlos calçadas e o calçamento das partes laterais e contíguas aos prédios. cuja competência para tanto estiver definida em leis. Art. Art. em matéria de higiene. higiene.Reservatório de água inferior. de serviço e indústrias.LEISMUNICIPAIS.com. comerciais e prestadores de serviços. 682 . no que couber.promover a segurança e harmonia dentre os munícipes. 684 . revistas. visam: I . atendendo a parâmetros físicos e químicos estabelecidos por autoridades sanitárias. Auto de Infração . após a vistoria prévia das condições físico. visam assegurar a observância de padrões mínimos de segurança.Estão sujeitas a regulamentação pela Lei Complementar. http://www. específicas da região. e Lei Complementar de Edificações. Banca de jornais e revistas . almanaques.O disposto na presente Lei Complementar não desobriga o cumprimento das normas internas nos espaços referidos no caput deste Artigo. bem como a aplicação das penalidades nela previstas. Art.com. 685 . 683 .As disposições sobre as normas de utilização dos espaços a que se refere o artigo 677 desta Lei Complementar. estatui as necessárias relações jurídicas entre o Poder Público e os munícipes. duas espécies de calçamentos. a cargo do Município. visando disciplinar o uso e gozo dos direitos individuais e do bem-estar geral.Documento (formulário). serão resolvidos por analogia às disposições concernentes e não as havendo. Barlavento . Alimento perecível armazenamento. Art.Para efeito da presente Lei Complementar são adotadas as seguintes definições: Água potável . SEÇÃO III DOS OBJETIVOS Art. institui normas disciplinadoras do funcionamento dos estabelecimentos industriais.

UFM .órgão responsável pela aplicação do código de trânsito Brasileiro no Município.Resíduos. É pois. por cuja infração já tenha sido condenado. Habitação urbana .com. decretos ou resoluções. Jusante . beneficia.Local onde se fabrica. manipula. ladrilhada ou cimentada. Decibel . Multa .Local ao ar livre que funciona com objetivo de facilitar aos produtores a venda de sua produção. Som .Todo aquele que violar novamente um mesmo preceito legal. apuração de infrações. restos.Vedação de um terreno. Festejos Públicos .Aquele que trabalha nos logradouros públicos. Terreno baldio .Para o lado que vaza a maré ou um curso de água. Nível de Som . Dejetos . junto ao logradouro para proteção do público em razão da edificação.Substância ou mistura de substâncias no estado sólido. químicas e/ou biológicas do meio ambiente. Logradouro Público . Infração .Residência construída no perímetro urbano de uma cidade. distribui ou vende produtos ou presta serviços.Lugar ou casa onde se habita. Comerciante ambulante .As definições apresentadas no artigo anterior tem por finalidade explicar e facilitar a compreensão do texto legal. Habitação . gasosa ou combinação de elementos produzidos por atividades humanas ou delas decorrentes em níveis capazes de direta ou indiretamente: Embargo . em nível mais alto que o centro da rua.Obrigação acessória assumida por terceira pessoa.Fundação de Amparo a Tecnologia e Meio Ambiente. que possa importar em prejuízo a saúde e a segurança da população.São os que se realizam nas vias públicas. que se cumprimento da obrigação do devedor.151-ABNT.LEISMUNICIPAIS. penalidades e reconhecimento de direitos e estabelecimento de deveres.Conjunto ou sistema de penas impostas pela Lei. Passeio .Qualquer som que cause ou tenda a causar perturbações do sossego público ou produzir efeitos psicológicos e/ou fisiológicos negativos em seres humanos e animais.É a alteração das propriedades físicas. Art.pl 02/09/2011 . Estabelecimento . químicas e biológicas do meio ambiente.Ato administrativo que determina a paralisação de uma obra.Informação legal em tempo real Página 147 de 164 CODECON . acondiciona. Intensidade do som medido na curva de ponderação "A" definido na NBR 10. não esgotando os conceitos respectivos. mandar ou auxiliar a praticar infração. pastoso ou qualquer outra forma adequada destinada a fornecer ao organismo humano os elementos normais a sua formação.Penalidade pecuniária. Embargo . Poluição ambiental . causada por qualquer forma de energia ou substância sólida. dito de calçada ou calçamento. líquido.Unidade Fiscal Municipal.Todo aquele que. FATMA .leismunicipais. feito com madeira ou similar. http://www. pelo Gêneros alimentícios . Reincidente . morada ou residência. responsabiliza. Ruído . caso este não cumpra a obrigação. Degradação ambiental .Toda ação ou omissão que contraria as disposições desta Lei Complementar.dB(A).Terreno não edificado. excrementos. conserva. ou de outras leis. ou que realize vendas a domicílio.br .Qualquer alteração das características físicas.(dB): Unidade de intensidade física relativa a som. armazena. nem afastando os conceitos científicos aplicáveis.É toda e qualquer vibração acústica capaz de provocar sensações auditivas. cometer. sem proveito ou uso definido. Tapume . com bancas ou unidades móveis em locais permitidos pelas autoridades municipais.ato administrativo que determina a paralisação de uma obra. 688 . especialmente no que diz respeito às posturas municipais. (Redação alterada pela Lei Complementar 178/2008) 178 Penalidade .www.É a parte da rua que se localiza à frente das casas ou edifícios. Infrator . deposita para venda.Para o lado da nascente de um rio.com. manutenção e ao seu desenvolvimento. com o acesso do público. total ou parcialmente. transporta. Fiança .Toda parcela da propriedade pública de uso comum da população. produz. Feira livre .br/cgi-local/form_vig. destinado ao trânsito de pedestre. parte da rua ou do logradouro. Montante . (Redação alterada pela Lei Complementar 178/2008) 178 Logradouro . Departamento de trânsito . (Vide: Passeio).Comissão de Defesa do Consumidor.Toda parte ou superfície da cidade destinada ao trânsito público (para uso e gozo de toda a população).

ter-se-á em vista: I . além de impor a obrigação de fazer ou desfazer. na forma do Código Civil. tendo conhecimento da infração. Art.Constituir-se-á infração. aos depositários. devendo a comunicação. Art.com. 702 .Os encarregados de executar esta Lei Complementar que.Serão punidos de conformidade com a Lei Complementar 001/91: I .Pelo depósito serão abonadas. 694 . 701 . os demais preceitos que houver violado.Além de auto de infração haverá também o auto de embargo e interdição.as suas circunstâncias atenuantes ou agravantes. que for levada ao conhecimento do prefeito ou dos secretários municipais. Art.www. Art. por servidor municipal ou cidadão que a presenciar. consistirá em multa e/ou apreensão. 692 . cumprindo. de forma a lhes acarretar nulidade.As penalidades a que se refere esta Lei Complementar não isentam o infrator da obrigação de reparar o dano resultante da infração. em dinheiro depositado nos cofres municipais.A penalidade. II . 699 .Aplicada a multa. 691 . Art.Serão sustados as apreensões feitas por força das disposições destas posturas.São autoridades para lavrar autos de infração: Os fiscais municipais. todo e qualquer ato ou omissão que contrarie o disposto nesta Lei Complementar. Art. ou a apreensão se realizar fora da cidade. III . quando a isto não se prestarem os objetos. se o infrator prontificar-se a pagar incontinente a multa devida. http://www.os incapazes na forma da Lei. pela mesma forma. III . não fica o infrator desobrigado do cumprimento da exigência regulamentar que a houver determinado. 703 . Art. a penalidade recairá: I . ser acompanhada de prova ou devidamente testemunhada. quando por este solicitada. Art. os objetos apreendidos serão recolhidos ao depósito da Prefeitura.a maior gravidade de infração. pagas pelo infrator antes do levantamento do depósito.Sempre que a contravenção for praticada por qualquer dos agentes a que se refere o artigo anterior.sobre o curador ou pessoa sob cuja guarda estiver o irresponsável de toda ordem.sobre aquele que der causa à contravenção forçada.com. com relação às disposições desta Lei Complementar.os servidores que se negarem a prestar assistência aos munícipes. deixarem de autuar o infrator.Não são diretamente passíveis das penalidades definidas neste capítulo: I .LEISMUNICIPAIS. as percentagens constantes do Regimento de Custas do Estado.os agentes fiscais que. 690 .Verificando-se infração à esta Lei Complementar.Informação legal em tempo real Página 148 de 164 CAPÍTULO II DAS INFRAÇÕES SEÇÃO I DAS INFRAÇÕES E DAS PENALIDADES Art. para esclarecimento das normas consubstanciadas nesta Lei Complementar. Art. 697 . serão considerados infratores. notificação preliminar para que.Dará também motivos à lavratura de auto de infração qualquer violação das normas desta Lei Complementar. III . 696 .br/cgi-local/form_vig. será punida com a multa de 250 (duzentos e cinqüenta) UFM. 689 . no prazo máximo de 30 (trinta) dias. regularize a situação. Parágrafo Único . será expedida contra o infrator. 700 .leismunicipais. Parágrafo Único . lavrarem autos sem obediência aos requisitos legais. Parágrafo Único . ou a prestar fiança correspondente ao valor dos objetos apreendidos. II . 695 . por negligência ou má fé.pl 02/09/2011 . Art. 698 . tendo conhecimento da infração.Na imposição da multa e para graduá-la.os antecedentes do infrator. SEÇÃO II DOS AUTOS DE INFRAÇÃO E DOS RECURSOS Art.Sempre que houver uma infração.Nas reincidências.Nos casos de apreensão. observadas as formalidades legais. Art. Parágrafo Único . tutores ou pessoas sob cuja guarda estiver o menor. 693 . as multas serão consideradas em dobro. II .sobre os pais. Art.br . II . Art. deixarem de autuar o infrator.os que forem coagidos ou induzidos a cometer infração. poderão ser depositados em mãos de terceiros.A infração de qualquer disposição para a qual não haja penalidade expressamente estabelecida nesta Lei Complementar. o infrator será punido com uma Penalidade.os agentes fiscais que.

podendo ser impressos no que toca as palavras invariáveis. DOS LOGRADOUROS E DOS BENS PÚBLICOS SEÇÃO I DAS VIAS E LOGRADOUROS PÚBLICOS Art.dispositivo legal violado. CAPÍTULO III DO TRATAMENTO DA PROPRIEDADE. do que será lavrado um termo pelo funcionário competente.pl 02/09/2011 . Parágrafo Único .O auto de infração conterá obrigatoriamente: I .LEISMUNICIPAIS. 711 . a multa será inscrita em dívida ativa extraindo-se a competente certidão.As intimações dos infratores serão feitas sempre que possível. Art.com. o decurso de prazo de apresentação de defesa. será o mesmo remetido pelo correio. a autoridade terá novo prazo de 10 (dez) dias. o auto de infração será considerado automaticamente improcedente. para se proceder a cobrança executiva. III . § 3º . § 2º . II . redigida com simplicidade e clareza. a autoridade competente. Art. http://www.relato. § 3º .leismunicipais. Prefeito Municipal.o nome de quem lavrou.Proferida a decisão.www. no prazo de 10 (dez) dias. que deverá ser apresentado por escrito ao secretário que estiver subordinado o autuante. 712 .Verificada a hipótese do parágrafo anterior. pessoalmente. num e noutro caso. 707 .Recebendo tal comunicação. sob qualquer pretexto. hora e lugar em que foi lavrado.o dia. e. Art. IV .A autoridade de segunda instância deverá exarar decisão definitiva em 15 (quinze) dias. travessas ou praças sem prévio alinhamento e nivelamento fornecido pela Prefeitura. na sede da Prefeitura. serão publicadas em edital em lugar público. III . não apresentar o autuado a sua defesa. 705 .nome do infrator. salvo nos casos previstos na presente Lei Complementar e desde que antecipadamente autorizado pela Prefeitura Municipal ou órgão competente afim: I . a requerimento da parte ou de ofício. 708 . não sendo encontrado. § 2º . aguardará. ou ao reclamante e ao impugnante. Art.danificar ou alterar de qualquer modo. dar vista sucessivamente. 704 . V . 706 . . mês.Se entender necessário. caberá recurso voluntário ao Sr. nem convertido o julgamento em diligência. se houver.A ninguém é lícito. § 1º . será o mesmo considerado revel.br . do infrator e das duas testemunhas capazes. para alegações finais. no serviço competente. sendo a mesma procedente. por 5 (cinco) dias a cada um.com. em face das provas produzidas.abrir rua. passeios e o meio-fio. sob pena de revelia. Art. SEÇÃO III DA DECISÃO DE PRIMEIRA E SEGUNDA INSTÂNCIA Art.A decisão. VII .Decorrido o prazo sem o devido pagamento. 709 . 710 .Lavrado e devidamente processado o auto. II . do fato constitutivo da infração e os pormenores que possam servir de atenuantes ou agravantes à ação. CPF e ou RG. sobre a mesma. o calçamento.Os autos de infração obedecerão a modelos especiais. ano.A autoridade não fica adstrita às alegações das partes. ao autuado e ao autuante.br/cgi-local/form_vig. a autoridade poderá. Parágrafo Único informações.informação de que o infrator terá o prazo de 20 (vinte) dias para apresentar sua defesa.deixar em mau estado de conservação os passeios fronteiriços.Se o autuado apresentar defesa.Não sendo proferida decisão no prazo legal. sob registro com aviso de recebimento.Se decorrido a prazo estipulado.assinatura de quem o lavrou. no prazo deste artigo. para proferir a decisão. § 1º . concluirá pela procedência ou improcedência do auto de infração ou da reclamação. VI .Informação legal em tempo real Página 149 de 164 Parágrafo Único . informará o autuante prestando as necessárias Art.As defesas contra a ação dos agentes fiscais serão decididas pela Secretaria de Finanças da Prefeitura Municipal. com toda clareza.Negando-se o infrator a assinar o auto. sempre que puder. paredes frontais das edificações e dos muros que dão para as vias públicas. que proferirá decisão no prazo de 10 (dez) dias. Art. ordenará a lavratura do auto de infração. definindo expressamente os seus efeitos. devendo julgar de acordo com sua convicção.

X . acompanhadas de uma descrição ou croqui do ato a ser praticado e de sua finalidade. bem como nas ruas.estreitar. § 1º . 719 . fios e instalações de energia elétrica. II .derramar óleo.colocar tranqueiras ou mesmo porteiras em estradas e caminhos públicos. Art.br/cgi-local/form_vig. grades ou portas. Art. inclusive de construção. através do respectivo processo licitatório.A ocupação de logradouro público com mesas e cadeiras não será permitida.ser de fácil remoção. Art.Os relógios. XI . II . do exterior de edifícios.Compreende-se na proibição deste artigo o depósito de qualquer material.As fontes ou similares de que trata este artigo.Nas árvores dos logradouros não poderão ser afixados ou amarrados fios.Informação legal em tempo real Página 150 de 164 IV .deixar nas ruas. as estradas de rodagem e caminhos públicos. § 1º .LEISMUNICIPAIS.embaraçar ou impedir por qualquer modo o livre trânsito nas estradas e caminhos públicos.deixar de remover os restos de entulhos resultantes de construção e reconstrução.www. 714 .As autorizações previstas no caput deste artigo deverão ser requeridas pelos interessados. III .br . cartazes e outros objetos. pintar. nas vias públicas em geral.manter soltos ou guardados sem as devidas cautelas animais bravios ou ferozes.É vedado fazer escavações que diminuam ou desviem as águas de servidão pública. praças e passeios da cidade.leismunicipais. cal ou outros corpos capazes de afetar a estética. serão § 2º .pl 02/09/2011 . 717 . VII . XI . nem colocados anúncios. Art. III . desde que devidamente tubulados. V .conduzir animais ou veículos de tração animal em disparada. IV . cortar. 713 . postes. X . mudar ou impedir de qualquer modo a servidão pública das estradas e caminhos. IX . Art. as caixas de papéis usados e os bancos de logradouros públicos somente poderão ser instalados mediante licença prévia da Prefeitura e só serão permitidos quando representarem real interesse para o público e para a cidade. XII . árvores. satisfeitas as seguintes condições: I .danificar por qualquer modo.ter sua localização aprovada pela Prefeitura. Art. águas servidas e quaisquer detritos prejudiciais ao asseio e à higiene pública. VI .Os relógios colocados nos logradouros públicos ou em qualquer ponto obrigatoriamente mantidos em perfeito estado de funcionamento e precisão horária. fontes e qualquer monumento. 716 . podar.com.impedir que se façam escoadouros de águas pluviais por dentro de propriedades marginais das estradas e caminhos públicos. VI . consertar veículos. praças. estátuas.conduzir animais bravios sem a necessária precaução. derrubar ou sacrificar as árvores de arborização pública.realizar jogos de bola ou outros esportes fora do horário estipulado pela Prefeitura. bem como represar águas pluviais de modo a alagar qualquer logradouro público ou propriedade de terceiros. VII .conduzir ou conservar animais de tração sobre os passeios. 718 .com. telégrafo.armar barraquinhas sem licença da Prefeitura.Poderá ser permitida a colocação de bancas nos logradouros públicos e/ou praças para venda de jornais e revistas. tinta.danificar por qualquer forma.As colunas ou suportes de anúncios. ou definido por esta.É absolutamente proibido nas ruas do município sob pena de multa: I . 720 . Art. XII .reformar. V . poderão ser permitidos nos logradouros públicos. VIII . telefone e antenas de televisão nas zonas urbanas e sub urbanas da sede.atirar corpos ou detritos ou sacudir objetos que possam ser nocivos ou incomodar os transeuntes.ser com modelo aprovado pela Prefeitura. bem como podas de jardins e cortes de árvores.lavar veículos em áreas públicas.arrastar madeiras ou quaisquer outros materiais volumosos pesados.depositar materiais. 715 . não prejudicarem a estética e não perturbarem a circulação nos logradouros. IX . VIII . serão obrigatoriamente mantidas em perfeitas condições físicas e http://www. travessas ou logradouros públicos. § 2º .amarrar animais em postes. Art.É atribuição exclusiva da Prefeitura.

Art. b) serem removidos no prazo de 24h00 (vinte e quatro horas) a contar do encerramento das festividades.Quando. 721 . que será analisado e deferido pelo Departamento de Trânsito.Caberá à municipalidade o conserto ou a reconstrução das calçadas.para a autorização do disposto neste artigo deverão ser observados os seguintes requisitos: a) não prejudicarem o calçamento nem o escoamento das águas pluviais. Art.A construção e a reconstrução dos passeios ou calçadas destinados exclusivamente a pedestres nos logradouros.As alterações nas calçadas para atender as necessidades dos confrontantes serão solicitadas mediante requerimento protocolado. instalações de subsolo ou qualquer outro serviço. de largura. desde que possuam cercas em bom estado de conservação delimitando o imóvel e mantenham limpas e roçadas a respectiva testada. (Redação alterada pela Lei Complementar 178/2008) 178 Art. que possuam meio fio e pavimentação em toda extensão de suas respectivas testadas dos terrenos edificados ou não. passiva de multa.LEISMUNICIPAIS. em virtude dos serviços de calçamento executados pela Prefeitura em logradouro situado em qualquer das zonas da cidade em que forem alterados o nível ou largura dos passeios.Aplicam-se também estas medidas nas áreas situadas nos cursos d`água que passam dentro de perímetro urbano. cujos serviços já tenham sido realizados sem que a Prefeitura tenha fornecido a cota e o alinhamento anterior. findo qual o proprietário poderá reconstruí-lo e solicitar reembolso. cabendo as despesas respectivas aos responsáveis pelas escavações.Não será permitido o revestimento dos passeios formando superfície inteiramente lisa. 728 .pl 02/09/2011 . § 1º . Art.com. Art. galerias.Em logradouro dotado de passeios de 4. Art. Art. qualquer intervenção por parte do munícipe sob as calçadas. Parágrafo Único . Parágrafo Único . lixo de qualquer origem. http://www. de forma a possibilitar a passagem e acesso de pedestres. para assentamento de canalização. no valor de 250 UFM. de acordo com a nova posição dos meios-fios.Informação legal em tempo real Página 151 de 164 sanitárias. c) sejam aprovados previamente pelo órgão sanitário competente deste município. segundo projeto aprovado para cada logradouro. com testada para as ruas pavimentadas superior a 15 (quinze) metros. SEÇÃO II DAS CALÇADAS Art.Caso a Prefeitura Municipal tenha fornecido a cota e o alinhamento anteriormente e tenha modificado o projeto inicial. 726 . a reposição do revestimento dos mesmos passeios deverá ser feita de maneira a não resultarem remendos. competirá a mesma a reposição destes passeios em bom estado de acordo com o novo projeto. e competem aos proprietários dos mesmos. sendo as obras de por ônus do requerente.www. dando-se preferência para as cercas de arame liso.ou passeios quando for por ela danificados. aos proprietários a reposição destes passeios em bom estado. § 2º . será obrigatória a construção de passeios decorados e ajardinados.As infrações dos dispositivos constantes deste capítulo serão punidas com multa de 26 (vinte e seis) UFM. Art. competirá.É proibido ainda lançar nos logradouros. nos terrenos sem edificações ou nas várzeas. entulhos. § 3º .Quando se tornar necessário fazer escavação nos passeios dos logradouros. 730 . Parágrafo Único . para consertos ou para reconstrução dos mesmos. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 219/2010) 219 Art.br/cgi-local/form_vig. 725 .Cabe ao proprietário manter os passeios ou calçadas permanentemente em bom estado de conservação. 724 .A Prefeitura poderá impedir o trânsito de qualquer veículo ou meio de transporte que possa ocasionar danos aos logradouros. 731 . elevados ao dobro nas reincidências.com. 722 . no prazo de 60 (sessenta) dias. qualquer substância nociva a população. 727 . são obrigatórios. poderão ser armados coretos ou palanques provisórios nos logradouros públicos. sejam um particular. sem prejuízos das responsabilidades criminal e civil cabíveis. de modo a não causar risco a saúde da população.As canalizações para escoamento das águas pluviais e outras.Ficam sujeitas à regulamentação pela Prefeitura o uso das áreas em função do barlavento dos ventos predominantes. mediante requerimento prévio à Secretaria de Planejamento e autorização legal. bem como queimar. Art. as intimações necessárias aos respectivos proprietários. (Redação alterada pela Lei Complementar 178/2008) 178 § 4º Excluem-se da obrigatoriedade da construção de calçadas prevista no caput do presente artigo os imóveis urbanos com destinação rural. desde que solicitada a Prefeitura a autorização para sua localização.As calçadas deverão apresentar uma declividade de 2 % (dois por cento) do alinhamento para o meio-fio.00m (quatro metros) ou mais. correndo por conta dos responsáveis pelas festividades os estragos porventura verificados. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 219/2010) 219 § 5º As cercas de que trata o parágrafo 4º não poderão ser elétricas ou de arame farpado.Constitui infração. dentro do perímetro urbano. bem como devem as áreas destinadas a calçadas possuírem grama ou brita. ou com desnível que possa produzir escorregamento ou queda. § 2º . cadáveres de animais. 729 . ainda que seja necessário refazer ou substituir completamente todo o revestimento. passarão sob os passeios. (Redação alterada pela Lei Complementar 178/2008) 178 § 1º . Parágrafo Único .É proibido qualquer letreiro ou anúncio de caráter permanente ou não no piso dos passeios dos logradouros públicos. religiosas ou de caráter popular.leismunicipais.br . sendo expedidas a juízo do setor competente.Para comícios políticos e festividades cívicas. fragmentos pontiagudos ou qualquer material que possa causar incômodo a população ou prejudicar a estética da cidade. empresa contratante de serviços de utilidade pública ou repartição pública. 723 .

salvo acordo expresso entre os I . 736 . e deverá obedecer os disposto na Legislação Sanitária vigente.No perímetro urbano não será permitido o emprego de cerca de arame farpado. Art.O fechamento frontal. Art. deverão ser cumpridas no prazo improrrogável de 30 (trinta) dias. porcos.LEISMUNICIPAIS. de 1. § 1º . 732 .com.50m (um metro e cinqüenta centímetros).leismunicipais. 742 . em vias pavimentadas.cerca de arame farpado. nas sarjetas ou sobre o passeio junto ás soleiras de alinhamento para o acesso de veículos. 738 . para fechamento de terrenos. § 2º .Correrão por conta exclusiva dos proprietários ou detentores a construção e conservação das cercas para conter aves domésticas.valas. com inclinação de pelo menos 20º ( vinte graus) para dentro do lote.O não cumprimento. 735 . carneiros. Parágrafo Único .Correrão por conta exclusiva dos proprietários ou detentores a construção e conservação das cercas para conter aves domésticas. onde trata sobre muros.5m (dois metros e cinqüenta centímetros). gados ou outros animais que exijam cercas especiais em terrenos rurais e zonas de expansão urbana. devidamente abrigados e tratados. na forma do artigo 588.Os terrenos que margeiam as estradas de rodagem serão obrigatoriamente fechados no alinhamento frontal. 740 . desde que o logradouro público seja pavimentado.É proibido colocar cacos de vidro. 741 .A criação de animais na zona urbana não é permitida exceto os de estimação os quais deverão ser mantidos de modo a não causarem risco a saúde da população.É proibida a colocação de cunhas ou rampas de madeira ou de outros materiais fixos ou móveis. do Código Civil. 743 . dentro do prazo improrrogável de 30 (trinta) dias.Não poderão ser feitas rampas nos passeios dos logradouros destinados à entrada de veículos. Art. passeios e meios fios. sob responsabilidade exclusiva do proprietário do imóvel. laterais e fundos. 745 . quando necessários. de espécies vegetais adequadas e resistentes. loteados ou não. no mínimo.Nas áreas de uso residencial poderá ser dispensado o fechamento frontal dos terrenos construídos.Presumem-se comuns as cercas entre propriedades urbanas ou rurais. serão obrigatoriamente fechados no alinhamento.As cercas especiais a que se refere o Art. sob pena de incidirem nas sanções desta Lei Complementar.Não será permitido o emprego de espinheiros. 737 . SEÇÃO IV DAS CERCAS E FECHOS DIVISÓRIOS Art. Art. Art. a Prefeitura poderá exigir a substituição desse fechamento por outro. e que o limite entre o logradouro e o terreno fique marcado com meio-fio. quando intimados pela Prefeitura. situados nas zonas urbanas. 744 . desde que nos mesmos seja mantido um ajardinamento rigoroso e permanentemente conservado. com testada para logradouro público.50m (um metro e cinqüenta centímetros) de altura. com quatro fios.Informação legal em tempo real Página 152 de 164 Art. 739 . serão drenados pelos respectivos Art. nos muros frontais.Os terrenos não construídos na zona urbana. Parágrafo Único . Art.68 serão feitas do seguinte modo: http://www. II . Parágrafo Único . terá altura de no máximo 3m (três metros). 745 . (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 § 1º .pl 02/09/2011 . Art. cordão de cimento ou processo equivalente. devendo os proprietários dos imóveis confinantes concorrerem em partes iguais para as despesas de sua construção e conservação. IV . III . carneiros.Os terrenos pantanosos ou alagados. implicará ao infrator as penalidades previstas nos artigos 689 a 711.br . capinados.telas de fio metálico resistente. serão construídos por: em terrenos rurais e expansão urbana. com 2. 734 .As cercas divisórias proprietários.As cercas elétricas de baixa tensão deveram ter altura do solo igual ou superior a 2.com. Art.00m (dois metros) de largura na boca e 50 cm (cinqüenta centímetros) de base.Os proprietários que tenham colocado materiais especificados no caput deste artigo. antes da vigência desta Lei Complementar têm prazo de 3 (três) meses para retirá-los. cabritos.br/cgi-local/form_vig. (Redação alterada pela Lei Complementar 178/2008) 178 SEÇÃO III DO FECHAMENTO E CONSERVAÇÃO DE TERRENOS NO ALINHAMENTO Art. gados ou outros animais que exijam cercas especiais em terrenos rurais e zonas de urbanização controlada. acima do nível natural do terreno e deverá ser observado ainda a Lei Complementar de Uso do Solo. cabritos.cerca vivas. Art. porcos. Art. com altura de 1. 733 .www. quando o terreno no local não for suscetível de erosão. proprietários.Quando os terrenos forem fechados por meio de cercas vivas e estas não forem convenientemente conservadas. e drenados.As intimações para correção dos rampeamentos objetivando obedecer este capítulo. Art. § 2º .Os terrenos não construídos dentro do perímetro urbano deverão ser mantidos limpos.

749 . com malha fina. são obrigados a ter cercas reforçadas e adotar providências adequadas para que o mesmo não incomode ou cause prejuízo a terceiros. V .serem aparelhados com ferragens e roldanas necessárias ao completo enrolamento da peça junto a fachada.50m (um metro e cinqüenta centímetros) de altura. quando feita no alinhamento das vias públicas. que deverá ocupar uma faixa de até 1/3 (um terço) do vão livre da calçada. as placas de nomenclatura dos logradouros serão nele afixadas. § 1º . 747 .Os andaimes deverão satisfazer as seguintes condições: I . será permitida desde que satisfaçam as seguintes condições: I . inclusive bambinelas. de forma bem visível.Dispensa-se o tapume quando se trata de: I .LEISMUNICIPAIS. 750 . IV .20m (dois metros e vinte centímetros). nem ocultarem placas de nomenclatura de logradouros ou sinalização viária. II . § 2º .não excederem a 2/3 da largura do passeio e ficarem sujeitos ao balanço máximo de 2. não sendo permitida a utilização de material quebrável ou II . III . ficando.por cerca de arame farpado. SEÇÃO V DO EMPACHAMENTO DAS VIAS PÚBLICAS Art.Os proprietários de gado e outros animais na zona rural ou de expansão urbana. poderá dispensar o tapume provisório.O andaime deverá ser retirado quando ocorrer a paralisação da obra por mais de 60 (sessenta) dias. III . sujeito às penalidades legais.leismunicipais.Os proprietários de gado e outros animais na zona rural ou de urbanização controlada.construção ou reparo de muros ou grades com altura não superior a 2. ao proprietário que fizer cercas em desacordo com as normas fixadas no artigo 741 desta Lei Complementar. quando instalados no pavimento térreo. com 10 (dez) fios no mínimo e altura de 1. pela inobservância deste preceito. 746 .pl 02/09/2011 .por sebes vivas e compactas que impeçam a passagem de animais de pequeno porte.www. abaixo de 2.00m (dois metros).50m (um metro e cinqüenta centímetros).o material estilhaçável.Na infração de dispositivos deste capítulo. § 3º .Será permitida a colocação de toldos metálicos. pela inobservância deste preceito. sujeito às penalidades legais.20m (dois metros e vinte centímetros) em cota referida ao nível do passeio. e em casos especiais conforme especificações da Lei Complementar de Edificações e mediante autorização do departamento de trânsito. § 3º . nem vague pelas estradas.br . inclusive demolição.com.não prejudicarem a arborização e a iluminação pública. Art.com.00m (dois metros).serem feitos de material de boa qualidade e convenientemente acabados. II .A instalação de toldos à frente de lojas ou de outros estabelecimentos comerciais. e providos de platibanda de proteção contra queda de objetos na via pública.terem a altura do passeio até o máximo de 2.não descerem. III .Para colocação de toldos.apresentarem perfeitas condições de segurança.Será aplicada a multa de 160 (cento e sessenta) UFM elevado ao dobro na reincidência. 748 . deverá garantir perfeita segurança e estabilidade ao toldo e não poderá permitir que seja atingido o ponto abaixo da cota de 2.o mecanismo de inclinação dando para o logradouro. de 1.pinturas ou pequenos reparos. o requerimento a Prefeitura deverá ser acompanhado de desenho técnico representando uma http://www. II .não causarem danos as árvores. desde que satisfaçam as seguintes exigências: I .Informação legal em tempo real Página 153 de 164 I .Nenhuma obra. Art.00m (dois metros).por telas de fio metálico resistente. II .60m (sessenta centímetros). observando a garantia e segurança dos pedestres. com altura de 1. (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Art.br/cgi-local/form_vig. a contar do nível do passeio.Quando os tapumes forem construídos em esquinas. SEÇÃO VI DOS TOLDOS Art.50m (um metro e cinqüenta centímetros). § 1º . será imposta a multa cor-respondente de 160 (cento e sessenta) UFM. Parágrafo Único . nem vague pelas estradas. utilizado deverá ser indeteriorável. principalmente em trajetos de escolares ou locais de intenso tráfego. os seus elementos constitutivos. § 2º .por muro de pedras ou de tijolos. aparelhos de iluminação e redes telegráficas e de distribuição de energia elétrica. VI . são obrigados a ter cercas reforçadas e adotar providências adequadas para que o mesmo não incomode ou cause prejuízo a terceiros. ficando.não terem bambinelas de dimensões verticais superiores a 0. IV . constituídos por placas e providos de dispositivos reguladores de inclinação com relação ao plano da fachada. dotados de movimentos de contração e distensão.

Art. notificar e aplicar as penalidades. Parágrafo Único .com.Nenhuma edificação situada em via pública dotada de rede de água e esgotos poderá ser habitada sem que disponha dessas utilidades e seja provida de instalações sanitárias. 759 . fixar ou expor mercadorias nas armações dos toldos. do tipo aprovado pela autoridade competente para ser removido pelo serviço de limpeza da Pública. 758 . 764 . competem aos SEÇÃO II DOS TERRENOS BALDIOS Art. galhos de árvores. 752 .20m (dois metros e vinte centímetros) em cota referida ao nível do passeio.Não é permitido conservar água estagnada nos quintais ou pátios dos prédios situados na cidade. § 2º . sem a prévia autorização do órgão sanitário competente http://www. § 1º .É vedado: a) sujar ou danificar qualquer parte das edificações públicas ou de uso coletivo.Compete a Prefeitura: I .Os mastros que não satisfazerem os requisitos do presente artigo.A colocação de mastros nas fachadas será permitida.intimação para que o proprietário do imóvel ou seu responsável legal execute a limpeza do terreno num prazo máximo de 15 (quinze) dias. 761 . será o toldo retirado pela Prefeitura. Art.As lixeiras deverão ser implantadas no interior do lote no alinhamento com a via pública. c) A colocação de lixeiras em vias públicas para coleta de lixo orgânico. 763 .Todo possuidor. 753 . DO BEM-ESTAR PÚBLICO E DOS DIVERTIMENTOS Art.www. CAPÍTULO V DA POLÍCIA DE ORDEM PÚBLICA SEÇÃO I DOS COSTUMES. será imposta a multa cor-respondente de 500 (quinhentos) UFM. 751 . a qualquer título. deverá atender a legislação específica.Na primeira reincidência dos dispositivos deste capítulo.Quando o destino final do lixo for o aterro sanitário. Art. Art. (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 II . no caso de se destinarem ao pavimento térreo. deverá conservá-lo limpo. b) jogar cascas de frutas. e de acordo com a solução definida pelo órgão estadual ou federal do Meio Ambiente. deverão ser substituídos. proibindo-se a reposição. 755 .Na infração dos dispositivos deste capítulo. os quais serão transportados por conta do morador do prédio ou habitação de qualquer natureza ou proprietário do estabelecimento para local adequado aprovado pela autoridade sanitária competente. Art.fiscalizar.As edificações e respectivos lotes serão conservados em perfeito estado de asseio e usados de forma a não causar qualquer prejuízo ao sossego. Art.pl 02/09/2011 .O lixo das edificações será recolhido em vasilhames apropriados. que as executarão dentro do prazo que lhes for marcado na intimação. Art.o não cumprimento implicará em alto de infração (multa) equivalente à 130 UFM.É vedado pendurar. desde que sem prejuízo da segurança dos transeuntes. 760 . 754 .Informação legal em tempo real Página 154 de 164 seção normal a fachada.As providências para o escoamento das águas estagnadas em terrenos particulares respectivos proprietários. Parágrafo Único .Não serão considerados como lixo os resíduos industriais das fábricas ou oficinas. Art. SEÇÃO VII DOS MASTROS NAS FACHADAS DOS EDIFÍCIOS Art.O descumprimento das obrigações de que trata o artigo anterior. o segmento da fachada e o passeio.Os mastros não poderão ser instalados em altura abaixo de 2. à salubridade ou à segurança dos seus habitantes ou vizinhos. de tal forma a não se constituir prejudicial à saúde e à segurança pública.LEISMUNICIPAIS.br . 756 .br/cgi-local/form_vig. com as respectivas cotas. Art. Art. importará em: I . removidos ou suprimidos. papéis ou detritos de qualquer natureza fora dos lugares apropriados.Ficam proibidos os espetáculos de animais perigosos.leismunicipais. 757 . Parágrafo Único . de imóvel localizado na zona urbana deste município. na qual figurarem o toldo. CAPÍTULO IV DA HIGIENE PÚBLICA SEÇÃO I DA HIGIENE DOS LOTES E DAS EDIFICAÇÕES Art. 762 . controlar.com.

deverão possuir bebedouro de água filtrada em perfeito estado de funcionamento. II . monumentos ou obras de arte. não excedentes de 3h (três horas). encarregados da fiscalização. ao sossego público. além das estabelecidas pela Lei Complementar de Edificações: I . fontes ou tanques situados em vias públicas. IX .depositar na via pública qualquer objeto ou mercadoria. nas vias públicas. sem as precauções devidas. XII . fora do horário estabelecido pela Prefeitura. casas de diversões e similares. Parágrafo Único . terrenos baldios ou nas vias públicas. prestação de serviços.colocar recipientes de lixo na via pública.As casas de diversões de que trata o caput deste artigo estão sujeitas ainda a legislação sanitária vigente no país.usar para fins de esporte ou jogos de recreio. XVII . borrar.pl 02/09/2011 . 771 .conduzir. 769 . riscar. vedadas apenas por cortinas. segurança e a saúde pública. Art.todas as portas de saída serão encimadas pela inscrição "SAÍDA".www. http://www. XV . em cooperação com os poderes do estado e união.banhar-se. que forem danosos a saúde. Art.danificar ou retirar placas indicativas de casas. II . § 2º . ou colher flores destes. IV .Os proprietários de bares. jogos ruidosos e vendas de bebidas alcoólicas em locais compreendidos em área até um raio de 300. III . será instruído como prova de terem sido satisfeitas as exigências regulamentares referentes à construção e higiene do edifício.comprometer a limpeza das águas destinadas ao consumo público ou particular. terras ou areia das ruas.br .Não serão fornecidas licenças para a realização de diversões. desenhar e escrever nos muros.colocar. valas. e demais estabelecimentos que vendam bebidas alcoólicas. bem como às normas do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar ou Civil. praças ou logradouros públicos. 766 . XIV . salvo pelo tempo necessário à descarga e sua remoção para o interior do lote ou edificações. XVI . praças ou jardins públicos. as funções de polícia de sua competência. danificando ou obstruindo tais servidões. XIII . aos bons costumes ou à segurança pública. VII . e do proprietário quando for o caso.as portas e os corredores para o exterior conservar-se-ão sempre livres de móveis ou quaisquer objetos que possam dificultar a retirada rápida do público em caso de emergência. Parágrafo Único . sem prévio consentimento da Prefeitura.descobrir encanamentos públicos e/ou de terceiros. Art.Informação legal em tempo real Página 155 de 164 do município. sob pena de multa: I . a moralidade. industriais.LEISMUNICIPAIS.É expressamente proibido. Art.O requerimento de licença para funcionamento de qualquer casa de diversão. V . IV . poderá negar ou cassar a licença para funcionamento dos estabelecimentos comerciais. pelos canos. 768 . quando deitarem galhos para as vias públicas. sem licença da Prefeitura. circos ou salas de espetáculos. Art. cartazes ou qualquer outro sistema de publicidade. Art. X . para o cumprimento de suas funções. 767 . serão responsáveis pela boa ordem dos mesmos. paredes.impedir ou danificar o livre escoamento das águas. lavar roupas em chafarizes. não atingem reuniões de ordem particular. previamente aprovados e licenciados pelos órgãos municipais competentes serão reservados 4 (quatro) lugares destinados às autoridades policiais e municipais.danificar as paredes externas dos prédios públicos e privados.com. sarjetas ou canais das vias públicas. ruas ou logradouros públicos. V .Em todas as casas de diversões públicas serão observadas as seguintes disposições. VIII . regulamentando-as e estabelecendo medidas preventivas e repressivas no sentido de garantir a ordem. 770 .durante os espetáculos deverão as portas conservar-se abertas.Em todos os teatros. 765 . Art.A Prefeitura através de seus órgãos competentes exercerá. relativas a saúde e segurança nesses recintos.deixar de aparar as árvores dos quintais. quando se apagarem as luzes da sala.leismunicipais.As exigências do presente artigo.tirar pedra.Nenhum divertimento ou festejo poderá ocorrer em logradouro público sem autorização prévia dos órgãos competentes da Prefeitura. § 1º .colocar estacas para prender animais nas vias e logradouros públicos. a isso não destinados se não autorizados. XI . postes. VI .A Prefeitura através de seus órgãos competentes.pintar. quaisquer materiais que possam comprometer o asseio das vias públicas. as vias públicas e outros logradouros. III . legível a distância e luminosa de forma suave.danificar a arborização ou plantas das ruas.00m (trezentos metros) de hospitais e casas de saúde.despejar lixo em frente as casas.com.br/cgi-local/form_vig. passeios.os aparelhos destinados a renovação do ar deverão ser conservados e mantidos em perfeito funcionamento.

serão ainda observadas as seguintes disposições: I . III . 778 . f) as manifestações nos divertimentos públicos. 772 .os aparelhos de projeção ficarão em cabinas de fácil saída. 774 .O empresário devolverá aos espectadores o preço da entrada.os produzidos por armas de fogo. barulhos. cinema. exceto os toques de rebates. Art.promover batuques. http://www.os motores de explosão desprovidos de abafadores ou com estes em mau estado de funcionamento. escolas e igrejas. num raio mínimo de 200. casas de saúde e sanatórios. 775 .as películas deverão ficar sempre em estojos metálicos hermeticamente fechados. Art. VII . sinetas ou sirenes dos veículos de assistência. demais órgãos municipais envolvidos e fiscais do Corpo de Bombeiros. e outros divertimentos congêneres na cidade.São expressamente proibidas perturbações do sossego público. parques de diversões. 773 . IX . 776 . Art. desde que funcionem entre a 07h00 e 19h00. às competições esportivas para as quais se exigir pagamento de entrada. d) as fanfarras ou bandas de música..A armação de circos de pano.com.não poderá existir em depósito. cinemas. quando estacionados em rodoviárias.No raio mínimo de 200. bombas e demais fogos ruidosos. etc.com.os veículos com escapamento aberto ou com carroceria semi-solta. não podendo ser abertos por mais tempo que o indispensável para o serviço.a propaganda realizada com alto-falante na v via pública ou para ela dirigidos.leismunicipais. tem caráter permanente. acampamentos e outros divertimentos semelhantes.apitos ou silvos de sirenes de fábricas. em procissões.Os bilhetes de entrada não poderão ser vendidos por preço superior ao anunciado. Art.As disposições do artigo anterior aplicam-se também. no próprio recinto. IV . sem licença das autoridades. máquinas.LEISMUNICIPAIS. § 3º . por ocasiões de incêndios ou inundações. e em número excedente à lotação do teatro. circo ou sala de espetáculo.Os circos e parques de diversões embora autorizados. tais como: I .Ficam proibidos os ruídos. quando em serviço.00 m (duzentos metros) de hospitais. exceto para propaganda política durante a época autorizada pela legislação federal competente. SEÇÃO II DO SOSSEGO PÚBLICO SUBSEÇÃO ÚNICA DOS RUÍDOS Art. § 2º . 777 . clarins. § 1º . as proibições referidas no caput deste artigo.há necessidade de laudo anual de vistoria do Corpo de Bombeiros. Parágrafo Único . e) as máquinas ou aparelhos utilizados em construções ou obras em geral. campainhas ou quaisquer outros aparelhos. por mais de 30 s (trinta segundos) ou entre 22h00 (vinte e duas) e 06h30 (seis horas e trinta minutos). não podendo os espetáculos iniciar-se após 30 (trinta) minutos da hora marcada. conventos ou capelas. corpo de bombeiros e polícia. rumores.permanecerem ligados os motores de ônibus.os de morteiros. nas reuniões dos clubes desportivos. II . VI .br . desde que realizados em locais públicos. Art. construídas em materiais incombustíveis.00 m (duzentos metros) de repartições públicas. em horário de funcionamento. com horário previamente licenciado.As infrações deste capítulo serão punidas com penas de multa de 170 (cento e setenta) UFM e em dobro quando reincidente.os de buzinas. VIII . com ruídos ou sons excessivos e evitáveis. em caso de modificação do programa ou transferência de horário. b) os apitos das rondas e guardas policiais. § 1º .www. cortejos ou desfiles públicos. V . só poderão ser permitidos em locais determinados pela Prefeitura. nem nos compartimentos anexos maior número de películas que as necessárias para as exibições do dia.A autorização de funcionamento dos estabelecimentos de que trata este artigo não poderá ser por prazo superior a 3 (três) meses. devendo ser evitados os toques antes das 06h00 e depois das 22h00.pl 02/09/2011 .Para funcionamento de cinemas. desde que atendendo as legislações Estaduais e Federais pertinentes: a) os tímpanos. devidamente licenciadas pela Prefeitura. IV . desde que sirvam exclusivamente para indicar horas ou para anunciar a realização de atos religiosos.Informação legal em tempo real Página 156 de 164 Art. III .br/cgi-local/form_vig. só poderão ser franqueados ao público depois de vistoriados em todas as suas instalações pelo órgão sanitário municipal competente. II .Excetuam-se das proibições deste artigo. c) os sinos de igreja.Os programas anunciados serão executados integralmente. § 2º . bem como a produção de sons mencionados no caput deste artigo.

pl 02/09/2011 .LIMITE MÁXIMOS PERMISSÍVEIS DE RUÍDOS ___________________________________________________ | ZONAS DE USO | DIURNO |VESPERTINO| NOTURNO | |====================|=========|==========|=========| |RE |55 dB (A)|50 dB (A) |45 dB (A)| |--------------------|---------|----------|---------| |RP1.leismunicipais. 779 . se houver. o índice de ruído de 70 (setenta) decibéis. § 2º . § 1º .Fica proibido este tipo de propaganda na Alameda Aristiliano Ramos. das 08h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30.Durante o período da vigência do horário de verão.Residencial predominante 2 RP3. fica liberada a veiculação deste tipo de propaganda no horário compreendido das 18h30 às 20h30.Residencial exclusivo RP1 .LEISMUNICIPAIS. 780 .com.limitem sua atividade de segunda a sábado.Preservação 2 (Redação alterada pela Lei Complementar 172/2007) 172 TABELA . são definidos conforme tabela e de acordo com as zonas estabelecidas na Lei Complementar de Uso do Solo.br/cgi-local/form_vig.Residencial predominante 1 RP2 .Misto diversificado 1 MD2 . Carlos Gomes e Praça Nereu Ramos e Ermembergo Pellizzetti.Residencial predominante 2 RP3. MD3 |65 dB (A)|60 dB (A) |55 dB (A)| |--------------------|---------|----------|---------| |MC.Misto diversificado 3 MC .Misto diversificado 3 http://www.respeitem como limite máximo. P2 |70 dB (A)|60 dB (A) |60 dB (A) | |_________________|_________|__________|___________| RE. P2 |70 dB (A)|60 dB (A) |60 dB (A)| |____________________|_________|__________|_________| RE. e em toda a extensão das Ruas: Coelho Neto.Em zonas estritamente residenciais. MD3 |65 dB (A)|60 dB (A) |55 dB (A) | |-----------------|---------|----------|-----------| |MC. é proibido executar qualquer trabalho ou serviço que produza ruído ou que venha perturbar a população. no trecho entre a Rua Presidente Kennedy até a Rua Coelho Neto. Art.LIMITE MÁXIMOS PERMISSÍVEIS DE RUÍDOS __________________________________________________ | ZONAS DE USO | DIURNO |VESPERTINO| NOTURNO | |=================|=========|==========|===========| |RE |55 dB (A)|50 dB (A) |45 dB (A) | |-----------------|---------|----------|-----------| |RP1.Residencial predominante 1 RP2 . RP3 |60 dB (A)|55 dB (A) |55 dB (A) | |-----------------|---------|----------|-----------| |MD1.Industrial EXP . estabelecido pelo Governo Federal.É permitida a propaganda realizada com alto-falante.Misto diversificado 2 MD3 . autorizados pelos órgãos competentes. desde que: I .estejam os veículos calibrados pelo decibelímetro da Prefeitura Municipal. MD2. MD2.Misto diversificado 1 MD2 . UC. II . EXP.Expansão P2 . IND. RP3 |60 dB (A)|55 dB (A) |55 dB (A)| |--------------------|---------|----------|---------| |MD1. RP2. RP2.Informação legal em tempo real Página 157 de 164 Art.Misto central IND .www.Residencial predominante 3 MD1 .Residencial exclusivo RP1 . TABELA . quando estes forem instalados em viaturas e com as mesmas em movimento. Art. IND.com. antes das 06h00 e depois da 22h00.br .Residencial predominante 3 MD1 .Misto diversificado 2 MD3 . III . 781 .Os níveis máximos de intensidade de som ou ruídos permitidos.

emblemas. escritórios. Art. III . nem a partir das 18h00 nos dias úteis. Art. Art. cartazes e quaisquer outros meios de publicidade e propaganda.Preservação 2 (Redação dada pela Lei Complementar nº 186/2008) 186 Parágrafo Único . referente a estabelecimentos comerciais.A afixação de anúncios. bem como as faixas e placas que se referirem a campanhas educativas de saúde.A exploração dos meios de publicidades nas vias e logradouros públicos.As prescrições do presente artigo abrangem os meios de publicidade com propaganda afixados.br/cgi-local/form_vig. avisos e faixas. 785 . deverão ser apreendidos pela Prefeitura. venha a contrariar a moral e os bons costumes da comunidade. § 2º . cultura e esporte. ficam definidos os seguintes horários: Diurno: Compreendido entre 07h00 e 19h00. § 1º . SEÇÃO IV DOS ANÚNCIOS E CARTAZES Art. Art. consultórios ou gabinetes.recepção. até a satisfação daquelas formalidades.151-ABNT. diretas ou induzidas. quando desenvolvidas pelos órgãos públicos ou associações beneficentes. Vespertino: Compreendido entre 19h00 às 22h00.Excetuam-se do pagamento de taxas.Depende ainda de licença da Prefeitura. § 3º . muros e tapumes. 789 . Art. além do pagamento de multa prevista nesta Lei Complementar. II . Parágrafo Único . Art.Incluem-se nas exigências do presente artigo.As proibições. dependerá de regulamentação definindo. tabuletas.Informação legal em tempo real Página 158 de 164 MC .Nas infrações de dispositivos desta seção. depende de licença da Prefeitura.Misto central IND . 791 .As infrações serão punidas com multa de 136 (cento e trinta e seis) UFM. Parágrafo Único . 787 . históricos e tradicionais. 784 . quanto aos locais. 788 . a expedição de licença e do pagamento das respectivas taxas. Art. e o pagamento da taxa ou preço respectivo. a despeito da aplicação de dispositivos especiais. 790 . faixas ou cartazes quando: I . Art.Para fins de aplicação desta lei. os letreiros.Os pedidos de licença à Prefeitura para colocação. 792 . chispas e ruídos prejudiciais à rádio. II . alto falante e propagandistas. limitações e permissões contidas neste capítulo deverão atender as medições efetuadas de acordo com a NBR 10.As instalações elétricas só poderão funcionar quando tiverem dispositivos capazes de eliminar.Urbanização Controlada P2 . 786 .Os anúncios e letreiros deverão ser conservados em boas condições.br . sempre que tais providências sejam necessárias para o seu bom aspecto e segurança. 783 . pintura ou distribuição de anúncios e quaisquer outros meios de publicidade e propaganda deverão mencionar: http://www. ou pelo menos reduzir ao mínimo. não apresentarem diminuição sensível às perturbações. SEÇÃO III DA PROPAGANDA EM GERAL Art. industriais ou profissionais.com.de alguma forma prejudiquem os aspectos paisagísticos típicos. serão aplicadas as seguintes penalidades: I . placas.LEISMUNICIPAIS.As máquinas e aparelhos que. painéis. está igualmente sujeita a prévia licença.pela sua natureza provoquem aglomerações prejudiciais ao trânsito. Noturno: Compreendido entre 22h00 às 07h00.que em sua mensagem. mediante requerimento dos interessados. 782 . Art. com indicação do responsável técnico pela sua execução.pl 02/09/2011 . renovados ou conservados. casas de diversões ou qualquer tipo de estabelecimento.com.Industrial UC . não poderão funcionar aos domingos e feriados.leismunicipais. suspensos ou pintado em paredes. as oscilações de alta freqüência.interdição de atividade causadora do ruído. as correntes parasitas.Multa correspondente de 260 (duzentos e sessenta) UFM.www. atendidas as demais exigências desta Lei complementar. as placas nas obras de construção civil.Não será permitida a colocação de anúncios. a distribuição de anúncios cartazes e quaisquer outros meios de publicidade e propaganda escrita.A propaganda falada em lugares públicos por meio de amplificadores de som.Os anúncios encontrados sem que os responsáveis tenham satisfeito as formalidades deste Capítulo.

Salvo acordo entre os interessados. Art. Art.determinar medidas corretivas das instalações capazes de poluir o meio ambiente. SEÇÃO II DAS QUEIMADAS Art. que tenham suas áreas em confrontação com águas interiores. III . 793 . direta ou indiretamente. sendo 2. a ninguém é permitido queimar campos de criações em comum. II . Art. IV . federais ou estaduais.pl 02/09/2011 . Art. é obrigatória a consulta ao órgão competente Municipal. II . causada por substância sólida. 805 .contenha óleo.50m (dois metros e cinqüenta centímetros) capinados e varridos e o restante roçado. 803 .Informação legal em tempo real Página 159 de 164 I . Art.A Prefeitura desenvolverá ação no sentido de: I . hora e lugar para lançamento do fogo. 800 . sob qualquer pretexto.controlar as novas fontes de poluição ambiental. Art. através de aviso escrito e testemunhado marcando dia. só poderão ser lançados. que terão 7. Seções I e II desta Lei Complementar.A ninguém é permitido atear fogo em roçados. 801 . Parágrafo Único . agropecuários. nas águas interiores se estas não se tornarem poluídas.controlar a poluição através de análise. agropecuárias ou outras fontes particulares ou públicas.É proibida qualquer alteração das propriedades físicas. palhadas ou matos que limitem com terras de outrem: I . os pedidos de licença deverão indicar o sistema de iluminação a ser adotado. 802 . inclusive o preparo de aceiros.com.LEISMUNICIPAIS.50m (dois metros e cinqüenta centímetros) do passeio.O município poderá celebrar convênios com órgãos públicos. Art. reconstrução. químicas ou biológicas do meio ambiente: solo. gasosa ou em qualquer estado de matéria que direta ou indiretamente: I . comerciais. Parágrafo Único . III . Art. atear fogo em matas.os proprietários e ou detentores de imóveis edificados ou não. II . de acordo com as exigências desta Lei Complementar e/ou legislações pertinentes.br .leismunicipais.sem tomar as devidas precauções.prejudique a fauna e a flora. 797 .br/cgi-local/form_vig.00m (sete metros) de largura. II .sem comunicar aos confinantes.A ninguém é permitido. 795 . Art.o local em que serão colocados. pintados ou distribuídos. serão aplicadas as seguintes penalidades: I . construção. III . 799 .com. estudos e levantamento das características do solo. água e ar. não podendo os referidos anúncios serem localizados a uma altura inferior a 2. sempre que necessário. terão livre acesso às instalações industriais. Estadual e Federal. Art.No caso de anúncios luminosos. contratar especialistas para execução de tarefas que visem a proteção do meio ambiente contra os efeitos da poluição.prejudique o uso do meio ambiente para fins domésticos. com antecedência mínima de 24h00 (vinte e quatro horas).A Prefeitura poderá. capoeiras ou campos alheios. capazes de poluir o meio ambiente.Na infração de dispositivos deste capítulo.www. para fins de controle da poluição ambiental. Art. conforme o disposto no Capítulo IV.Para a instalação. de piscicultura e para outros fins úteis ou que afetem sua estética. ou resíduos sólidos domésticos ou industriais. CAPÍTULO VI DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA PÚBLICA SEÇÃO I DO CONTROLE DA POLUIÇÃO AMBIENTAL Art. II .as dimensões.crie ou possa criar condições nocivas ou ofensivas à saúde.As proibições estabelecidas aplicam-se a águas superficiais ou de subsolo e solo de propriedade pública. recreativos. ampliação e adaptação de estabelecimentos industriais.Multa de 230 (duzentos e trinta) UFM.Os esgotos domésticos ou resíduos líquidos das indústrias. observar-se-á nas queimadas as medidas preventivas necessárias.as inscrições e o texto. 798 . http://www. ficam obrigados a conservarem limpas suas margens. reforma.interdição da atividade causadora da poluição. das águas e do ar. inclusive a causada por ruídos conforme disposto nesta Lei Complementar. privada ou de uso comum. 804 . à segurança e ao bem estar público. líquida. 796 . para a execução de tarefas que objetivem o controle da poluição do meio ambiente e dos planos estabelecidos para a sua proteção. conversão. 794 .As autoridades incumbidas da fiscalização ou inspeção.Para evitar a propagação de incêndios. graxa e lixo.

811 . gasolina e demais derivados do petróleo. 812 . Estadual e Federal pertinentes. cortar. Art. aguardentes e óleos em geral.br/cgi-local/form_vig. além da responsabilidade criminal e civil que couberem. 818 . 814 . derrubar. § 2º . Corpo de Bombeiros e o disposto na legislação Municipal. SEÇÃO IV DA DEFESA DAS ARVORES E DA ARBORIZAÇÃO PÚBLICA Art. causar riscos a saúde da população ou propriedade alheia. pelo menos a 100. de material inflamável ou explosivo que não ultrapassar a venda provável em 20 (vinte) dias. será imposta multa de 180 (cento e oitenta) UFM. Art. Art. seus compostos e derivados.É expressamente proibido podar. em cada caso.Nos loteamentos particulares os proprietários poderão arborizar as vias de acordo com o projeto previamente aprovado pela Prefeitura. observados os preceitos desta Lei Complementar. 817 . 808 .A licença será processada mediante apresentação de requerimento assinado pelo proprietário do solo ou pelo explorador e instruído de acordo com este artigo. depende de licença da Prefeitura. CASCALHEIRAS.Não será permitida a utilização das árvores de arborização pública para colocar cartazes e anúncios ou afixar cabos e fios. este será exclusivamente do tipo e espécie mencionado na respectiva licença.Na infração de qualquer artigo deste capítulo. § 1º . 806 . embora provisoriamente.fabricar explosivos sem licença especial da autoridade federal competente e em local não aprovado e não autorizado pelo órgão sanitário municipal e demais órgãos municipais competentes.São considerados inflamáveis entre outros: fósforos e materiais fosforados. Art.No interesse público a Prefeitura Municipal. remover ou sacrificar as árvores da arborização pública.colocação de sinais nas proximidades das minas que possam ser percebidos distintamente pelos transeuntes.A proibição contida neste artigo é extensiva às concessionárias de serviço público ou de utilidade pública. Art. 813 .com.Informação legal em tempo real Página 160 de 164 Art. Art. formiatos e congêneres. SEÇÃO V DOS INFLAMÁVEIS E EXPLOSIVOS Art.pl 02/09/2011 . Estadual e Federal. será observado o seguinte: I . Consideram-se explosivos dentre outros: fogos de artifícios.00m (cem metros) de distância. § 2º . alcatrão e materiais betuminosos líquidos. nem para suporte ou apoio e instalações de qualquer natureza ou finalidade. SEÇÃO III DA EXPLORAÇÃO DE PEDREIRAS.adoção de um toque convencional e de um brado prolongado dando o sinal de fogo. os infratores deste capítulo.É proibido queimar. carburetos. Art.com. 819 .www. 807 .depositar ou conservar nas vias públicas. Parágrafo Único .Os depósitos de explosivos e inflamáveis serão construídos e obedecidas as prescrições das forças armadas.LEISMUNICIPAIS. II . pólvora. álcoois. 810 . III . e quando nela for empregado explosivo. o transporte. inflamáveis ou explosivos. olarias e depósitos de areia e saibro. Art.Os usuários e exploradores de pedreiras poderão manter depósitos de explosivos desde que atendam à regulamentação das forças armadas e a legislação Municipal.manter depósitos de substâncias inflamáveis ou de explosivos sem atender às exigências legais. Art. cascalheiras.br . lixos ou quaisquer corpos. b) nome e residência do explorador. 816 . 809 . http://www. o comércio. cartuchos de guerra. Art. 815 . espoletas e estopins fulminados. o depósito e o emprego de inflamáveis e explosivos.A exploração de pedreiras.A exploração de pedreiras. caça e mina.É absolutamente proibido: I . § 1º . mesmo no interior dos próprios lotes inclusive nos das entidades públicas. através do órgão sanitário e demais órgãos competentes fiscalizará a fabricação.Na infração de qualquer artigo deste capítulo.leismunicipais. ressalvados os casos de autorização específica da Prefeitura. nitroglicerina. sendo estes serviços de atribuição específica da Prefeitura. cloratos. se este não for o proprietário. II . depende de licença prévia dos órgãos municipais competentes. será imposta a multa de 120 (cento e vinte) UFM. OLARIAS E DEPÓSITOS DE AREIA E SAIBRO Art. a quantidade fixada na respectiva licença.Para exploração de pedreiras com explosivos. algodão-pólvora.Incorreção em multa de 250 (duzentos e cinqüenta) UFM. que a concederá. quanto à construção e segurança. em quantidade capaz de molestar a vizinhança.Do requerimento deverão constar as seguintes indicações: a) nome e residência do proprietário do terreno.Aos varejistas é permitido conservar em cômodos apropriados em seus armazéns ou lojas. éteres.

bombas. Art.pl 02/09/2011 . Parágrafo Único .Não será permitido o transporte de explosivos ou inflamáveis sem as precauções devidas. os quais verificarão se o novo local satisfaz as condições exigidas. além de responsabilidade criminal e civil que couber: I . a qual será concedida por ocasião de festejos.br . 831 .Não poderão ser transportadas simultaneamente no mesmo veículo. quando for o caso (conforme decreto 103/2000 ). bem como fazer fogueira nos logradouros públicos. fundamentada em motivos justificados.leismunicipais. industriais e de prestação de serviços serão controlados pelos órgãos municipais competentes e regulamentados por decreto do poder executivo. DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E ATIVIDADES PROFISSIONAIS SEÇÃO I DO COMÉRCIO LOCALIZADO Art. 829 .A autorização a que se refere este capítulo não confere o direito de vender ou mandar vender mercadorias fora do recinto do estabelecimento. 821 . dos inflamáveis.Os projetos de construção de estabelecimento de comércio varejista de combustíveis minerais deverão observar. sem prévia licença da Prefeitura.soltar balões.por solicitação de autoridades. § 1º .O funcionamento de estabelecimentos comerciais.br/cgi-local/form_vig. salvo a hipótese de agenciamento para encomenda.As infrações deste capítulo serão punidas com multa de 450 (quatrocentos e cinqüenta) UFM. 830 . § 2º . 827 . fogos de artifício.LEISMUNICIPAIS. Art.Os veículos que transportarem explosivos ou inflamáveis não poderão conduzir outras pessoas. morteiros e outros fogos perigosos. § 1º . quando for o caso. serão utilizados recipientes fechados.www. de instalações adequadas em concordância com determinações da autoridade sanitária municipal. sob pena de multa.Informação legal em tempo real Página 161 de 164 Art. bem como o alvará de sanitário somente poderá ser concedido mediante vistoria e aprovação prévia dos órgãos municipais competentes (conforme decreto 103/2000 ).As disposições deste artigo estendem-se às garagens comerciais e demais estabelecimentos onde se executem tais serviços. Art. IV . explosivos e inflamáveis. 824 . § 3º . DA INDÚSTRIA. 825 . os demais dispositivos legais aplicáveis. 103 Art.É vedado.Para depósitos de lubrificantes. II . 823 . esses serão feitos nos recintos dos postos dotados. III .A licença poderá ser cassada pela Prefeitura e o estabelecimento fechado imediatamente: I . Art. industriais e de prestação de serviços somente será permitido após a concessão do alvará de localização e do alvará sanitário. 833 .Para a mudança do local do estabelecimento comercial ou industrial e de prestação de serviços. destinadas a evitarem a acumulação de água e de resíduos lubrificantes no solo ou seu escoamento para o logradouro público. além do motorista e do ajudante.para reprimir especulações de atravessadores de gêneros de primeira necessidade. Art. Art. CAPÍTULO VII DO FUNCIONAMENTO DO COMÉRCIO. 828 . indicando-se para isso.se o licenciado usá-la para fins ilícitos ou para atos ofensivos à moral. bem como as determinações da Lei Complementar de Edificações e da Legislação Municipal. 103 Art. Art.O transporte de inflamáveis para os postos de abastecimento será feito em recipiente apropriado. 832 . hermeticamente fechado. 822 . à prova de poeira e adotados dispositivos que permitam alimentação dos tanques dos veículos sem qualquer extravasamento. Parágrafo Único . § 3º .com. Art. e de outros órgãos competentes.A abertura e o fechamento dos estabelecimentos comerciais.O alvará de localização será exigido mesmo que o estabelecimento esteja localizado no recinto de outro já munido de licença.O alvará de localização. devendo a descarga nos depósitos subterrâneos realizar-se por meio de mangueiras ou tubos adequados. além das disposições desta Lei Complementar. http://www. busca-pés. à fiscalização. deverá ser solicitada a necessária permissão aos órgãos municipais competentes envolvidos.Para efeito de fiscalização o alvará de localização e o alvará sanitário. mesmo para uso exclusivo de seus proprietários.É absolutamente proibido o abastecimento de veículos ou quaisquer recipientes nos postos. localizados nos postos de abastecimento. 826 . de modo que os inflamáveis passem diretamente dos recipientes de transporte para o depósito. quando conveniente.Nos postos de abastecimento equipados com serviços de limpeza.fazer armadilhas com armas de fogo. lavagem e lubrificação de veículos. II . deverão ser conservados no estabelecimento em lugar visível ao público. sem o emprego de mangueiras.Os abastecimentos de veículos serão feitos por meio de bombas ou por gravidade devendo o tubo alimentador ser introduzido diretamente no interior do tanque do veículo.Não será permitida descarga de explosivos nos passeios e vias públicas. Art.com. locais apropriados. por qualquer processo de despejo livre. Estadual e Federal pertinentes. 820 . para tanto. Art. § 2º .Fica sujeito à licença e aprovação dos órgãos municipais competentes a instalação de bombas de gasolina e de depósitos de outros inflamáveis.se o licenciado se opuser. de qualquer modo.

www. SEÇÃO II DO COMÉRCIO AMBULANTE Art.Com o alvará.Informação legal em tempo real Página 162 de 164 Art. somente poderão vender mercadorias pertencentes ao ramo do comércio. 834 .com.A licença do vendedor ambulante será concedida exclusivamente à quem exercer o mister. sendo que as demais regras serão regulamentadas por ato próprio.Nos estabelecimentos industriais. 841 . sejam julgados inconvenientes ou possam oferecer dano à coletividade. § 3º . no qual constarão as indicações necessárias à sua identificação. Art. observados os preceitos da Legislações Federais que regulam a duração e as condições de trabalho.a venda de bebidas alcoólicas.O vendedor ambulante que for encontrado sem este comprovante. Art.Além do cartão.Para a indústria o horário é livre. comerciais e prestadores de serviços os dias de funcionamento e o horário de abertura e fechamento são livres. conforme sua licença de localização.As infrações ao disposto neste capítulo estão sujeitas à apreensão da mercadoria e multa de 134 (cento e trinta e quatro) UFM. IV . para apresentá-lo quando for exigido pela autoridade fiscal. (Revogado pela Lei Complementar nº 196/2009) 196 Art.LEISMUNICIPAIS. mediante requerimento do interessado. da Legislação Fiscal e Sanitária deste Município. o prefeito municipal poderá conceder licenças extraordinárias a estabelecimentos e atividades. sendo pessoal e intransferível. Art. 835 . 833 . § 2º . bem como a regularização da licença. SEÇÃO III DAS ATIVIDADES INDUSTRIAIS Art.leismunicipais. 839 . estará sujeito à multa e apreensão da mercadoria em seu poder. a Prefeitura fornecerá ao licenciado um cartão indicativo do ramo de comércio ambulante que irá exercer. 838 . Parágrafo Único . bem como. no que couber.Caberá ao Município a definição dos locais permitidos para a exploração das atividades mencionadas no caput deste artigo. (Redação dada pela Lei Complementar nº 196/2009) 196 § 1º . 840 . as disposições sobre o comércio.br . além das contidas neste capítulo. § 1º .As infrações dos dispositivos deste capítulo ficarão sujeitas à multa de 148 (cento e quarenta e oito) UFM.o comércio de qualquer mercadoria ou objeto não mencionados na licença. com o nome e sobrenome.Em casos excepcionais.Aplicam-se à industria. 843 . objeto de comércio. todo o vendedor ambulante é obrigado a trazer consigo o alvará de licença. § 3º .a venda de armas e munições.Deferido o requerimento. Art.Fora o horário normal.a venda de medicamentos ou quaisquer outros produtos farmacêuticos. Parágrafo Único .A licença a que se refere o presente artigo será concedida em conformidade com as prescrições desta Lei Complementar.As mercadorias apreendidas serão recolhidas ao depósito municipal. sem restrições. § 2º .Os vendedores ambulantes não podem estacionar nos logradouros públicos. senão o tempo necessário ao ato da venda.Não é permitida a exposição de mercadorias do lado de fora dos estabelecimentos comerciais.Ao ambulante é vedado: I . § 1º . nem o depósito de qualquer objeto sobre o passeio. ao disposto na presente Lei. residência. terão o destino regulado por dispositivos desta Lei Complementar. III . alterando por decreto o horário normal de funcionamento.br/cgi-local/form_vig. 837 . a Prefeitura exigirá relatório de impacto ambiental. (Revogado pela Lei Complementar nº 196/2009) 196 § 2º .pl 02/09/2011 . fotografia. nacionalidade.a venda de quaisquer gêneros ou objetos que. obedecido o interesse público. a juízo do órgão competente. idade. ou com ele em situação irregular. Art. V . VI . os estabelecimentos que funcionarem com as licenças extraordinárias.O exercício do comércio ambulante dependerá sempre de licença especial da Prefeitura.a venda de aparelhos eletros-domésticos. sempre que lhe for solicitada licença de funcionamento para estabelecimentos industriais ou http://www.com. 836 .Não constitui infração o depósito de mercadorias sobre a calçada no momento de desembarque ou embarque das mesmas. e não sendo retiradas mediante o pagamento das multas e emolumentos a que estiver sujeito o infrator. Art. a Prefeitura passará um alvará de licença pessoal e intransferível. Art. II . expedido pela FATMA. 842 .No interesse do controle da poluição do ar a da água.

destinada a equipamento especial.A alteração do horário poderá ser solicitada pelos feirantes mediante abaixo assinado contendo no http://www.Fica proibida a execução de qualquer benfeitoria complementar.A Prefeitura reserva-se o direito de determinar aos proprietários.A Prefeitura estabelecerá a cobrança de uma taxa pela utilização do local.A viabilidade aprovada de que trata o artigo anterior não garantirá a concessão do alvará sanitário municipal. Art.A Prefeitura através de seus órgãos competentes determinará. data. sem prévia autorização da Prefeitura.O alvará de localização será expedido pela Secretaria de Finanças. Art. e) fotografia ou perspectiva externa do trailer a ser utilizado.O horário de funcionamento das feiras será estabelecido por decreto do executivo. barracas de exploração comercial e similares. 853 . Art.A nenhum comerciante regularmente estabelecido será permitido vender produtos agropecuários ou outros na feira livre. b) declaração da atividade a ser explorada. Art. será fixada de acordo com o que estabelece o Código Tributário Municipal.As infrações deste capítulo estão sujeitas à multa de 360 (trezentos e sessenta) UFM. Art. 851 . 852 . 857 .As infrações destes dispositivos serão punidas com multa de 270 (duzentos e setenta) UFM. expedida por órgão próprio da Secretaria de Segurança e Informações. através de notificação. 861 . 855 .A taxa de licença para funcionamento do comércio de que trata esta Lei Complementar. Art. obedecendo às exigências desta Lei Complementar.com. 854 . 850 .para a concessão de alvará de localização de trailers e barracas de exploração comercial: a) consulta de viabilidade aprovada. 846 . Art. § 1º . Parágrafo Único .Fica proibida a locação do trailer e/ou barraca de exploração comercial e similares a menos de 50. 856 .00m (cinqüenta metros) de outros congêneres. a retirada de seu comércio do local. Art.br . local e mobiliário para realização de feiras livres.com. 848 .O Alvará de Licença será válido para o ano fiscal. obriga-se a retirar diariamente o lixo gerado pela atividade explorada. SEÇÃO IV DOS "TRAILERS" E BARRACAS DE EXPLORAÇÃO COMERCIAL Art. devendo a limpeza deste. 847 .Para efetuar o recolhimento do lixo tóxico proveniente de resíduos industriais a Prefeitura poderá cobrar uma taxa especial de coleta. desde que o mesmo seja declarado de utilidade pública. 858 .Cabe ao órgão sanitário municipal em conjunto com os demais órgãos competentes a aprovação e a indicação de local adequado para tal fim. Art.Informação legal em tempo real Página 163 de 164 quaisquer outros que se configurem em eventuais poluidores do meio ambiente. ser efetuada pelos feirantes. 844 . observados os tabelamentos oficiais quando houver.A autorização para funcionamento de trailers.leismunicipais. e somente para o local requerido. Art.pl 02/09/2011 . g) título de propriedade.O proprietário do trailer e/ou barraca de exploração comercial. após 30 (trinta) dias de sua notificação. indicando a disposição do trailer. 859 . Art. nos casos de terrenos particulares. f) licença para funcionamento noturno.www. c) planta ou desenho cotado. Art.Verificada a falta de observância da tabela de preços o feirante fica sujeito a multa prevista e à cassação da licença para vender na feira livre. contrato de locação ou documento que habilite a utilização do local. será sempre precedida de consulta da viabilidade. Parágrafo Único . Art. Parágrafo Único . § 2º . Art.Cabe ainda a Prefeitura estabelecer regulamentos visando o bom funcionamento das feiras livres.Os feirantes deverão ter tabela de preços de seus produtos. Parágrafo Único . incorrendo os infratores em multa cabível.O não cumprimento do que estabelece este capítulo implicará na cassação da autorização de funcionamento. bem como em locais julgados inconvenientes pela Prefeitura.Em caso de não acatamento à determinação contida no parágrafo anterior. os seguintes documentos. ficando o estabelecimento sujeito ao cumprimento da legislação sanitária vigente. 860 .LEISMUNICIPAIS. SEÇÃO V DAS FEIRAS LIVRES Art. se for o caso. 849 . em caráter provisório. devidamente registrado na Junta Comercial do estado. respectivamente: I . d) contrato Social ou Declaração de Firma Individual.br/cgi-local/form_vig. Art. a Prefeitura procederá a remoção dos trailers e barracas de exploração comercial ao seu depósito. Art.Acompanharão o pedido de licença para funcionamento. aos órgãos municipais competentes. 845 .

Art.com.Informação legal em tempo real Página 164 de 164 mínimo assinatura municipalidade. será automaticamente cassada a respectiva licença. de conformidade com o índice de correção.LEISMUNICIPAIS.Ficam revogadas. Art. 864 . 869 .com. de 2/3 (dois terços) dos feirantes cadastrados e em dia com suas responsabilidades junto a Art.leismunicipais. administração dos cemitérios e táxis. bem como cumprirem o horário de funcionamento e atendimento ao público.Os valores constantes na presente Lei Complementar serão corrigidos mensalmente.As penalidades referentes às infrações sanitárias são de competência exclusiva do órgão sanitário municipal vinculado a Secretaria Municipal da Saúde. 866 . CAPÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art.As infrações caracterizadas por lei como infrações sanitárias constituem exceção a esta Lei Complementar e serão tratadas pelo órgão sanitário municipal competente em processo próprio e em conformidade com o disposto em legislação sanitária federal.www. Art. serão objetos de leis ordinárias específicas. Parágrafo Único . a Lei Complementar 9/95 e demais disposições em contrário. transportes coletivos urbanos. Art. 863 .pl 02/09/2011 . a Lei Municipal nº 1. estadual e municipal.Esta Lei Complementar entrará em vigor 60 (sessenta) dias após sua publicação. a Legislação Sanitária. UFM (Unidade Fiscal Municipal) fornecido pelo município.As infrações destes dispositivos serão punidas com multa de 160 (cento e sessenta) UFM.Os feirantes obrigam-se a observar as normas do Código de Defesa do Consumidor. 865 . Art.110 de 05/07/75. 867 .Em caso de reincidência. Art. 862 . GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL 12 de dezembro de 2006 MILTON HOBUS Prefeito Municipal http://www.br/cgi-local/form_vig.As normas relativas aos serviços funerários.br . 868 .