You are on page 1of 2

TEORIA DE CHOQUE DE BASES O choque de bases ocorre quando uma base de tensão já previamente definida entra em conflito com

uma nova base que estaria sendo definida a partir da relação nominal de transformação de um certo transformador. Considerando variáveis em letras minúsculas representando valores em “P.U”. No secundário: V2 = n ⋅ V1, passa a ser a tensão de base já previamente definida [Vb1]. Obtêm-se: V v1 = Vb11, como um transformador (ou autotransformador) ideal em série com sua impedância percentual (ou P.U). TRAFO COM CHOQUE DE BASES Considere-se a tensão de base V’b2 como sendo a tensão de base “alterada”. Conclusão: o transformador que se encontra em situação de “choque de bases” do sistema de potência real, v2 = V '2 b2 V v2 = n ⋅V1 Vb'2 = V1 ⋅ VN12 ⋅ V1' (1) N b2 V. Multiplicando e dividindo por Vb1 esta última expressão (1), no caso de Tf. isto é: em vez de ser aquela definida pela relação nominal do trafo considerado [Vb], no caso de Tf). As seguintes relações de tensão são obtidas, então, Tem-se VN1 VN2 = N1 N2 = 1n VN2 = n ⋅ VN1 Analogamente: Vb1 Vb'2 ≠ N1 N2 = 1n Vb2 ≠ n ⋅ Vb1. Seja a tensão V1 aplicada ao primário, conforme dada deverá ser representado no sistema equivalente unifilar em pu. Representação em diagrama unifilar: VN1 [Vb1] (N1) (N2) VN2 [V’b2] [V’b2] ≠ [Vb2], obtém-se: vN2 b v2 = Vb11 ⋅ VN11 ⋅ VN' 2 b2 V v2 = v1 ⋅ V11 ⋅ VN'2 N Vb1 b2 VN2 ' Vb2 VN1 Vb1 V v2 = v1 ⋅ Vn12 N vN1 v v2 = α ⋅ v1 onde: α= vN2 vN1 = pode ser considerada uma relação de tensões fora da nominal (off-nominal turns-ratio) . 1:α zT 1:α zT v1 [Vb1] v2 [V’b2] ou: [Vb1] v1 v2 [V’b2]. No diagrama unifilar com fator de potência 0.5Kv; x = 6%. Identificar o choque de bases para a LT23, depois calcular as impedâncias em P.U dos trafos a serem inseridas no diagrama unifilar.
EXEMPLO PROPOSTO:

a) O diagrama unifilar de impedâncias em pu; b) A corrente de circulação: Para a solução da corrente de circulação, o gerador fornece a corrente de perdas ativas. Se não existisse tal ddp, em seguida, calcular os valores P.U das impedâncias das linhas, no sentido anti-horário. zT12 z23 zT2 vA 1:α carga vb.
SOLUÇÃO E RESPOSTAS - Descrição

da Solução:

a) O diagrama de impedâncias: As impedâncias das linhas são calculadas. É só calcular as impedâncias base e não haveria perdas na rede, nas bases definidas para as linhas. As impedâncias P.U dos trafos não precisarão ser alteradas. de circulação, portanto. V1 zT12 i2 z23 zT2 1:α carga i1 vA v. Sistema de potência monofásico com impedâncias P.U: os seus valores nominais (bases do equipamento) são iguais às bases definidas para o sistema. Isto acontece pelo fato de que existe diferença de potencial entre as barras 3 e 4 devido ao autotrafo elevador (1:α). em P.U, portanto pode-se considerar que existe uma única corrente circulante. o autotrafo é elevador (α>1) porque se pode considerar que a tensão base na barra deveria, observe-se que a carga estará aberta. na malha da rede. 2kV para 13.249 ∠−81.9 o P.U 0kV/13.984∠− 36. Portanto v1 zT1 (2) i2 z23 (3) zT2 1:α i i1 v carga α. Sistema de potência monofásico com impedâncias P.U: carga ligada. i1 i2 = 0. As equações que resolvem o sistema são as seguintes: (1) relação entre as correntes i1

c) As correntes e tensões com a carga ligada: A tensão v4 . v v1 − 4 v1 − va α (2) corrente α. A tensão no gerador é maior que a tensão na carga.5.05 pu.435∠ − 73o pu. Se. Ora.4o pu. As equações que resolvem o circuito são: (1) corrente i2 : i2 = v1 − v4 z14 (Obs. ou um valor percentual em relação ao número de espiras em situação nominal.260 ∠−81. A corrente na carga. V1 v' = V' V = (1 + a) = v(1 + a) V2 V1 Portanto.0 pu. i2) e 3 equações! 17 .Respostas: i1 = 0. em pu.i1 va Fig. tem-se. que um trafo está com relação nominal quando α = 1 pu. sendo v1 z14 v1 − va zT 1 + z 23 + zT 2 incógnitas. Respostas: i1 = 0.3 Representação de transformadores com comutador de variação [9] É comum em sistema de potência existir transformadores com relação de espiras ajustáveis. INTERPRETAÇÃO: A corrente i1 é bem menor em módulo do que a i2. então. a análise exige um autotrafo que “aumente” tal base de 13. Considerando-se os valores nominais (V1 e V2) como os valores-base das tensões dos dois lados do trafo. i1 e v4 . 18 . em pu. conforme a Fig. cujo valor sendo maior que 1 (a >1) indica aumento ou. resulta: i = 0. ... o secundário de um trafo tem 100 espiras e um ajuste é feito de +5 espiras. E a variação de tap em relação ao ponto nominal (a = 0) é a diferença: a = α . v1 = 1. por exemplo. como as 100 espiras constituem a relação nominal do trafo.i1 : α ⋅ i1 = = zT 1 + z23 + zT 2 zT 1 + z23 + zT 2 (3) corrente na carga i : i = i1 + i2 Têm-se 3 incógnitas (v1 .2kV. o autotrafo ideal que será inserido no circuito unifilar (em pu) terá relação de espiras: 1: (1 + a). com comutador de derivação no secundário (V2). tem-se que: a = 5% ou a = 0. como foi analisado no assunto Choque de Bases. i2 = 0. pois depende da carga) 1 z14 4 ~ Ger.003∠0. mas sabe-se que: i2 = conhecida.e i2: i1 = α ⋅ i2.ser 13. 1. Este último. com duas equações! i1 = v4 α = zT 1 + z 23 + zT 2 v1 − Então têm-se duas Obs. ficando com relação de espiras fora da nominal (off nominal). sendo menor que 1 (a <1) indica diminuição do número de espiras do enrolamento.1 (pu). Seja um trafo com tensões nominais V1 e V2.4o pu.984∠0º pu. Para expressar a variação de tap do transformador usa-se a letra “a”. (2) Definição da corrente i1: v4 − v1 . Tal número normalmente indica uma fração das espiras. sendo maior que zero. o transformador precisa ser representado no diagrama unifilar. e estará com relação fora da nominal para α ≠ 1. é 13. 25o pu. tem-se que o trafo estará com relação fora da nominal (α) igual a: α = 1 + a = 1. a mudança da relação de espiras exigiria a alteração das tensões-base! Isto não é possível. São os chamados transformadores de tap ajustável (tap changing transformers). sob carga. indicando que a maior parte da potência aparente transita pela linha (1)–(4). Como as tensões-base dos lados de AT e BT do transformador (trafo) se relacionam pela relação de tensões (ou espiras) do trafo. A solução é a fixação da relação das tensões-base pela relação nominal de tensões do trafo.: todas as grandezas em pu e sob forma fasorial. com um valor-limite de ±ae espiras. também indica que a potência ativa flui da barra (1) para a (4). com a carga ligada. Quando o trafo sofre um ajuste na sua relação de espiras.8kV e no entanto. em função do choque de bases. tanto em módulo quanto em ângulo. por meio de um trafo (ou autotrafo) em série com sua impedância de curto-circuito (ou impedância percentual). que está ajustado para um determinado valor a.8kV. Diz-se. 20.. para a tensão secundária (V’): V' =V V2 (1 + a ) V1 em pu tem-se: v = V . i.2kV = 0.05 pu. pois a diferença angular é positiva e não nula.: v1 não é conhecida.685∠ − 15o pu. resulta 13. e aplicando-se uma tensão V no primário.