You are on page 1of 3
RESENHA CRÍTICA DO TEXTO A PROMESSA Referência Mills, C. Wright. In: A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1969. P 9 – 32. A promessa No inicio do texto observa-se uma preocupação do homem em relação a sua participação no mundo cotidiano, sentem-se limitados, estranhos e coadjuvantes tornando-se restritos ao espaço em que vivem. Além disso, são inclusos contextos históricos, que retratam o triunfo e o insucesso mediante os acontecimentos e entendimento do comportamento social dos indivíduos pertencentes à sociedade em questão. Atualmente a história existente é a história mundial. Que sobrecarrega o homem, devido as suas constantes atualizações sejam elas, econômicas, políticas, eletrônicas e até mesmo de maneira revolucionária, reivindicando direitos e deveres diante das autoridades recentes. Após um período de ascensão observa-se o capitalismo como conversor da sociedade num instrumento industrial. Percebe-se que com o passar dos anos a democracia não atinge a toda humanidade. Apenas uma parcela é favorecida, costumes antigos são perdidos assim como a esperança que antes rondavam, aparece forte e exigente. Os homens vivem numa sociedade estabelecida onde permanecem como seres particulares, perdem seu valor e sua maneira de pensar e agir se chocam e se confundem diante dessa situação. Fala-se da possível necessidade da informação e da habilidade da razão. Sendo que o excesso dessa informação é prejudicado, pois permanece atento a ela, impedindo a capacidade de absorção; em relação à habilidade por ser uma conquista difícil esgota a fronteira da força moral. A necessidade é de uma qualidade espiritual que possibilita ampliar o pensamento e ter a percepção dos acontecimentos mundiais e o que ocorre em torno deles. A imaginação sociológica permite o conhecimento amplo para a vida pessoal e carreira dos indivíduos. Levando-se em consideração a experiência diária e o entendimento equivocado de sua posição social. O resultado inicial da imaginação e primeira lição da Ciência Social é que um indivíduo avalia sua própria experiência e seu destino a partir da análise de sua vida e de todas as pessoas com as mesmas possibilidades e circunstâncias que ele. A compreensão da imaginação sociológica é entre a história e a biografia com suas relações na sociedade. Através das perguntas formuladas por analistas sociais clássicos e da consciência imaginativa, pode-se dizer que o resultado independe do objeto do exame, pois se trata de questionamentos inevitáveis por possuidores de imaginação sociológica. Entre as distinções da imaginação sociológica estão às perturbações que ocorre entre o indivíduo e com quem o mesmo se relaciona. Ou seja, com o seu eu e o espaço restrito da vida social; e as questões públicas da estrutura social, onde se expõe a vida do indivíduo e relaciona com os vários ambientes da sociedade histórica e o modo como se misturam e se interpenetram. A mulher é transformada em submissa e a constituição do casamento é um meio de fuga pessoal. Aos que seguem os costumes familiares, o comodismo constrói o problema e o desinteresse que agrava o comodismo, sendo que os dois constituem a característica marcante do período. A imaginação sociológica é defendida como causadora do desenvolvimento cultural, apesar de ser inserida lentamente pelos indivíduos. A falta de percepção dos cientistas sociais não permite compreender que ao utilizá-la não se perde os valores e as tradições colocando-a a sua disposição. A ciência física considerada inadequada por alguns e a sua adequação dos modelos científicos sempre foi sujeita a dúvidas e debate de interesse religioso que foram afastadas pelos antepassados. É objetivo do autor, interpretar a importância das ciências sociais para o entendimento cultural da atualidade, além de demonstrar a influência da imaginação sociológica para a vida dos indivíduos e até mesmo adequá-los para sua conquista. A concepção de ciência social no texto é baseada em inibições da pesquisa social por vulgarizar e analisar questões que não notórias, sem relevância para os estudos sociais. A análise clássica trata de um conjunto de tradições cuja preocupação e problemas são de importância direta dos problemas humanos insistentes. Os estudos da realidade contemporânea podem se transformar em situações incoerentes e sem valor quando relacionados a ambientes de pequena escala. A sociologia se compreende de maneira peculiar pela modificação de suas tradições. Sendo que a tradição sociológica fecha as formulações superiores como um todo, bem como a realização da promessa cabal.