You are on page 1of 23

APOSTILA PARA QUALIFICAÇÃO DO ENCANADOR INDUSTRIAL

ÍNDICE
1. 2. 2.1 2.2 3. 3.1 3.2 3.3 3.4 3.5 3.6 4. 4.1 4.2 4.3 4.4 4.5 5. 5.1 5.2 5.3 6. 6.1 6.2 6.3 INTRODUÇÃO MEDIDAS Ferramentas de Medição Tipos de Medição DESENHO Considerações Escala de Desenhos Simbologia Aplicada em Desenhos Planta Baixa Isométrico Spool FERRAMENTAS Caixa de Ferramentas Básicas Ferramentas Manuais Ferramentas Elétricas e Pneumáticas Dispositivos de Ajustagem Ferramenta de Oxi-corte (noções) MATERIAIS Tipos de Materiais de Tubulação Acessórios de Tubulação Acessórios Soldados e Roscados SUPORTE Suportes Provisórios Suportação da Tubulação Isolamento Térmico (Noções)

7.
7.1 7.2 7.3 8. 8.1 9. 9.1 9.2

SEQÜÊNCIA DE MONTAGEM
Traçagem de Acessórios Pré Fabricação de Spool Montagem da Tubulação JATO E PINTURA Proteções Anticorrosivas SEGURANÇA DO TRABALHO Uso dos EPI’s Trabalho em Altura

9.3

Forma de Utilização de Ferramentas e sua Segurança

2

a redução de perdas de materiais. bem como para orientá-lo no seu dia a dia. 3 . As informações aqui contidas serão descritas da forma mais simples possível. INTRODUÇÃO Esta apostila tem por objetivo qualificar o profissional na função de ENCANADOR INDUSTRIAL. Para o perfeito entendimento das informações aqui contidas serão feitos exercícios práticos e teóricos. fez a formação desta apostila. ficando acessível a quem realmente a utiliza. consultando sempre que se fizer necessário. seguiremos uma seqüência de informações que achamos relevante para a qualificação do ENCANADOR.1. Para tanto. Anexaremos a esta apostila diversas tabelas que irão facilitar o profissional na busca de soluções praticas. redução de retrabalhos e a melhoria da produtividade. A busca pela qualificação técnica do profissional.

2. e que compõe a caixa de ferramenta do encanador industrial. A escala utilizada para medição de desenhos onde tem um formato de triângulo. Também utilizamos a escala metálica ou régua com um formato retangular normal e com medidas em milímetros e em polegadas. Nela contem as diversas medidas para reduzir ou aumentar um desenho proporcionalmente. Não devemos esquecer que a trena serve para medir interna e externa mente uma peça e por isso que na sua ponta ela tem uma folga igual à espessura da ponta. 2. Trena A trena é a ferramenta de medição em polegadas e milímetros mais usada na montagem industrial. para absorver esta diferença. 4 . Para isso o profissional deverá sempre exigir que lhe seja entregue trena aferida pois só assim irá poder justificar as medidas aplicadas nas peças fabricadas. onde é utilizada para medições mais precisas com o auxílio de instrumentos topográficos ou não. Ela deve ser aferida nos padrões de cada obra para possibilitar a conferência dos dimensionais fabricados. local de instalação da tubulação. Com o auxílio desta régua e a indicação no desenho em qual escala ele foi feito fica fácil determinar as medidas do desenho que não estão claramente indicadas. folgas aplicadas na fabricação dos isométricos etc.1 Escala MEDIDAS Ferramentas de Medição Para o nosso caso existem dois tipos de escala. Nela são conferidas as medidas dos materiais.

Paquímetro O paquímetro é uma ferramenta de precisão e existe na forma de leitura digital ou não. sendo a precisão de décimo de milímetro. folgas ou qualquer medida mais específica. Hi-lo É um instrumento utilizado exclusivamente para conferência de medidas de espaçamento e chanfros entre tubos ou entre acessórios para soldagem. Alguns mais sofisticados contem imã e possibilita melhor posicionamento do aparelho sobre a peça. A sua tolerância também é decimal. Ela é pouco usada pelo encanador sendo somente utilizada para desfazer dúvidas de espessuras de materiais. A precisão exigida para esta ferramenta é grande e portanto alcançada por nível de ferro. Na prática o profissional aplica a folga conforme tabela com a utilização de arames ou varetas para possibilitar o ponteamento e depois o encarregado passa para conferir e liberar a conclusão da atividade. Nível Os tipos de nível mais usados nesta profissão são o tipo bolha para os sentidos horizontal e vertical e constituídos de ferro. 5 .

sendo para tal auxílio na busca da medida para a confecção das peças. e a qualquer percepção de irregularidade deve ser informado ao encarregado. No esquadro encontra-se medida que irão auxiliá-lo para o perfeito posicionamento da peça. Esquadro Como o nível esta ferramenta auxilia para o esquadrejamento e nivelamento das peças. 6 . Como todos os outros deve ser também aferido para possibilitar um perfeito ajuste das peças a serem fabricadas. Prumo de Centro Na montagem de tubulações o prumo é muito utilizado para possibilitar o perfeito alinhamento perpendicular das peças. O cuidado no manuseio desta ferramenta deve ser observado.Ele é normalmente usado para o posicionamento e conferência de peças para liberação do ponteamento. Também é utilizado para retirada ou conferencia de medidas no campo.

256 18. onde sempre que houver divergências deverá ser utilizada para desfazer dúvidas.875 16.113 11.638 21.541 7.066 17.684 15.556 5.969 4.653 19.700 Fração pol.097 13. 2.509 11.953 6.716 11.813 24.128 9.241 20.416 23.891 14.906 12.447 19. Todos os desenhos estarão listados as folgas e tolerância permitida em milímetros. 49/64 25/32 51/64 13/16 53/64 27/32 55/64 7/8 57/64 29/32 59/64 15/16 61/64 31/32 63/64 1 mm 19.209 24.288 14.350 Fração pol.828 22.747 7.319 10. 1/64 1/32 3/64 1/16 5/64 3/32 7/64 1/8 9/64 5/32 11/64 3/16 13/64 7/32 15/64 ¼ mm 0.366 4. Isso vem atestar a qualidade aplicada pelo profissional para a fabricação da peça.050 Fração pol.334 8.019 23. As ferramentas de medição devem ser sempre utilizadas com cuidado para preservar suas tolerâncias. esta deverá ser imediatamente informada ao encarregado que providenciará a reposição da mesma.272 16.606 25.2 Tipos de Medição Tabela de Conversão de Frações de Polegada para Milímetros Fração pol. 33/64 17/32 35/64 9/16 37/64 19/32 39/64 5/8 41/64 21/32 43/64 11/16 45/64 23/32 47/64 3/4 mm 13.794 1. devido à tolerância que é exigida para a função.844 20.622 23.572 3.731 9.494 13.669 17.859 18. Por se tratar de uma profissão que trabalha diretamente ligado ao profissional de soldagem faz-se necessário tomar algumas precauções de segurança semelhantes às tomadas pelos soldadores para evitar queimadura no corpo ou danos aos olhos.984 2. 17/64 9/32 19/64 5/16 21/64 11/32 23/64 3/8 25/64 13/32 27/64 7/16 29/64 15/32 31/64 1/2 Mm 6.525 9.922 10.303 12.175 3. Para tal todas as ferramentas de medição deverão ser aferidas na obra através de um padrão.397 0.Comentários Gerais Todas as ferramentas de medição que aqui falamos têm sua graduação menor em milímetros.159 5.081 15.763 5.938 8.588 1. A qualquer sinal de divergência percebida.003 25.400 7 .191 1.144 7.034 21.225 22.478 15.778 3.463 77.431 21.381 2.

8 : 25. Ex: Calcule o raio de uma circunferência de Ø 20” (508 mm). sendo portanto raio vezes dois (R x 2) ou ainda o perímetro dividido por π (pi = 3. O diâmetro é o dobro do raio.14 Comprimento O perímetro de uma circunferência é a medida exata de 0º a 360º . Ex: Calcule o diâmetro de um tubo em polegadas que tem um perímetro de 957.4mm = 609. 24” x 25.914. seja ela de qualquer formato.14mm 8 .6mm 609. O perímetro é o cumprimento total de uma corda.072 = 304.072 mm. 957. Ex: calcule o perímetro em mm de um tubo que tem 24” de diâmetro.Raio O raio de uma circunferência é obtido através da fórmula: diâmetro dividido por dois D 2 A simbologia utilizada do raio é “R” maiúscula ou “r” minúscula.14 (π) = 1.4 = 12” 3.14).6mm x 3. 508 = 254 mm 2 Diâmetro A simbologia utilizada para o diâmetro é D ou Ø.

Medidas Internas e Externas Devemos sempre observar detalhes nos desenhos quanto às medidas internas e externas. para melhor obtermos esta medida normalmente utilizada para tubulação é colocando a ponta da trena na parte interna do tubo e obtendo a medida do lado externo no outro lado. deve ser utilizada a tabela específica.5mm. As tubulações por exemplo existem varias medidas de espessura para um mesmo diâmetro de tubo. Exercícios 01) Defina quantos milímetros tem 1”. 02) Calcule quantos mm tem as frações de polegada abaixo: 1/16” – 1/8” – 9/16” – 63/64” – 3/16” – 9/16” – 3/8” – 19/32” – ¾” – 03) Qual é o valor de π ? 04) Calcule o perímetro em mm de uma circunferência com Ø 12”. Para isso. sendo portanto necessário sempre conferir as medidas internas e as externa e verificar se está conforme o desenho. 05) Calcule qual o diâmetro interno em mm de um tubo de 24” de diâmetro com espessura de parede de 9. 06) Quanto mm tem 10 cm? 9 . Diâmetro Nominal Diâmetro nominal de um tubo é a medida entre a metade de um lado da parede a outra metade da parede. ou seja.

10 (TUBOS DE AÇO CARBONO E AÇOS BAIXA LIGA) NORMA ANSI B.36.TABELA DE TUBOS DE AÇO – DIMENSÕES NORMALIZADAS NORMA ANSI B.36.19 (TUBOS DE AÇO INOXIDÁVEL) 10 .

Os tubos de aços inoxidáveis ferríticos pesam cerca de 5% menos.12. que variam com o processo de fabricação do tubo. 3. As designações 10.36. as espessuras mínimas correspondentes dependerão das tolerâncias de fabricação.Notas: 1.10. 40. As designações 5s. 2. Nesta tabela estão omitidos alguns diâmetros e espessuras não usuais na prática. Os pesos indicados nesta tabela correspondem as tubos de aço carbono ou de tubos de aço de baixa liga. “XS”. “XXS” correspondem as espessuras denominadas “normal”. 4. Para tubos sem costura a tolerância usual é +. 40s. As designações “Std”. 160 são os números os “números de série” (schedule number) desta mesma norma. 10s.36.36.19. As normas ANSI b. Estes mesmos números representam também a vazão em l/seg. 20. e os de inoxidável austeníticos cerca de 2% mais. 120. 5. 30. 80. para a velocidade de 1m/seg. “extra-forte”. As espessuras em mm indicadas nas tabelas são os valores nominais. e “duplo extra-forte” da norma ANSI B. 80s. são da norma ANSI b.19 só abrange tubos até o diâmetro nominal de 12”. 100. 11 . 20s. 60.5% do valor nominal. 6.

Na área técnica também foram desenvolvidas simbologias. válvulas. A escala em um desenho aparece sempre na legenda e indicado assim: (1:2). representadas em projeção horizontal. 3. Ex: Escala 1:5 Medida do desenho 55 mm Portanto a medida correta da peça no campo é: 275 mm. 3. 3. anexaremos a esta apostila as traduções para o inglês. A identificação da tubulação é normalmente composta por números e letras e contem informações importantes como segue: 12 .3 Simbologia Aplicada em Desenho As diversas simbologias aplicadas nos desenho são praticamente padronizadas e portanto utilizadas em todos desenhos. olhando de cima para baixo e sempre indicado o sentido através dos pontos cartesianos. termos técnicos e abreviaturas para cada área de atuação e sendo então padronizadas e divulgadas. também pode ser visto em qualquer parte do mundo. ou seja. 3. flanges.3. Para facilitar o entendimento.2 Escala de Desenho A escala em um desenho é para demonstrar o quanto o desenho foi reduzido ou ampliado e de uma forma proporcional. tee. etc. o sentido de fluxo do produto. Na tabela anexa veremos algumas das mais utilizadas para tubos. Portanto o desenho que é visto nesta apostila. Utilizando o exemplo acima o numero que estiver antes do símbolo da divisão deve ser sempre dividido pelo numero obtido no desenho e o numero que estiver após o símbolo de divisão deve ser então multiplicado pelo numero obtido no desenho. mudando somente as indicações escritas. bem como sua elevação. dos termos técnicos e abreviaturas mais utilizadas e escritas em português e inglês. reduções.4 Planta Baixa As plantas baixas são desenhos feitos em escala contendo todas as tubulações de uma determina área. A tubulação é representada por um traço único e sempre deverá conter sua completa identificação.1 DESENHO Considerações O desenho foi instituído para unificar no mundo todo o entendimento sobre uma determinada figura.

13 .DEM AP: Indica o produto que passará na linha. 345: Indica o numero da linha.Ex: AP – 2AC – 345 . DEM: Indica o sistema de teste ao qual esta linha pertence. 2AC: Indica o diâmetro da tubulação e o material do tubo.

CONVENÇÕES DE DESENHOS DE PLANTAS DE TUBULAÇÃO 14 .

CONTINUAÇÃO 15 .

Na lista de material anexa ou impressa no próprio desenho deverá conter as mesmas informações acrescidas do tipo de material. Normalmente é feito um isométrico para cada linha. Nos desenhos isométricos devem aparecer todas as informações pertinentes para a execução da peça. Os tubos que forem de qualquer uma das quatro direções ortogonais.3. são representados por traços inclinados com ângulos de 30º.5 Isométrico Os isométricos são desenhos feitos em perspectiva e sem escala. são representados por traços inclinados com ângulos diferentes de 30º e portanto indicando o ângulo a seguir. como: diâmetro do tubo. No caso de uma tubulação muito longa pode ser necessário subdividir a tubulação em vários desenhos e isométricos sucessivos. A perspectiva a qual falamos é que os tubos verticais são representados por traços verticais e os tubos horizontais. nas direções ortogonais. quantidade e tipo de conexões e acessórios. 16 . numeração de TAG etc. comprimento.

17 . Para tal indicaremos nesta apostila tabelas das dimensões dos acessórios para possibilitar o cálculo pelo encanador. Para a confecção do spool o desenhista normalmente coloca medidas no desenho a serem conferidas no campo e onde devemos ter a maior atenção. Spool é o nome dado para o detalhamento do isométrico em farias peças e o desenho que normalmente chega até as mãos dos encanadores. Quando o encanador for fabricar o spool deverá observar antes de cortar a tubulação a folga de espaçamento a ser deixada para soldagem e descontar se for necessária a medida de um acessório.6 Spool Como podemos observar a fabricação de uma tubulação depende de diversas fases de informações para possibilitar um melhor entendimento para o encanador e evitando erros de fabricação.3. Este detalhamento face necessário devido ao grande numero de informações contidas nos desenhos de planta ou mesmo do isométrico.

CONVENÇÕES DE DESENHOS DE ISOMÉTRICOS 18 .

19 .

20 .

21 .

DISTÂNCIAS ENTRE TUBOS PARALELOS (mm) 22 .

E2: ESPESSURAS DOS ISOLAMENTOS TÉRMICOS (mm) 23 .DISTÂNCIAS ENTRE TUBOS PARALELOS SUPERIOR DISTÂNCIA “B”: B = A + 100 + E1 √2 DISTÂNCIA “C”: C = A + (E1 + E2) √2 DISTÂNCIA “D”: D = A – 100 + E2 √2 E1.