You are on page 1of 24

Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº.

Cyonil Borges – aula 00 AULA 00: AULA DEMONSTRATIVA

SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Cronograma 3. Metodologia 4. Questões em Sequência 5. Gabarito Organizado 6. Questões Comentadas

PÁGINA 2 3 4 6 a 13 14 15 a 24

Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

1

Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. Cyonil Borges – aula 00 APRESENTAÇÃO Fala Galerinha! Tá chegando a hora! Ouvi dizerem que o Edital de AFT pode sair a qualquer instante. Vai ser o concurso do ano. O cargo é maravilhoso. O papel dos Auditores é digníssimo. Todos os Auditores realizam tarefas interessantes, mas os do Trabalho é, sobremaneira, interessante. Sem dúvida será um excepcional concurso, uma excelente oportunidade de ingressar no Estado e desempenhar uma das funções mais importantes da Administração Pública: a de fiscalização. O número de vagas (espero) para Auditor não seja tão mequetrefe como o fixado para a Receita Federal (triste, very triste). O nível dos candidatos está cada vez mais “pavoroso”, por isso é condição sine qua non para o sucesso uma ótima preparação por meio de cursos direcionados. Enfim, é ideal definir a estratégia, e que seja cirúrgica. E, se você procura estratégia, não perca tempo, vem para o curso estratégia. Aqui no sítio do curso on-line estratégia você vai encontrar os melhores Professores, os melhores materiais. Ah! Vou-me socorrer do Edital da Receita, com algumas alterações, pois, como percebi, a banca repetiu quase integralmente para o DNIT. Se mudar algo, fiquem tranquilos. Excluo, incluo. Faço o que for melhor para vocês. Detalhe: a organizadora ESAF mudou! E pra melhor! Isso mesmo. As provas de Administrativo estão arrancando o couro da Galera. Então

não ficaremos apenas nas questões de ESAF! Vou ter de recorrer à ilustre Cespe, FCC, FGV e outras, e com muita jurisprudência. Aguardem!
Digo que, nas poucas horas vagas, fui [do verbo, não sei quando vou ser de novo, se me entendem, rs.] Professor de Direito Administrativo, de Direito Constitucional e Administração Pública em cursos preparatórios em São Paulo (exemplo do Uniequipe) e também em telepresenciais (LFG e Damásio). Prestei e reprovei em alguns concursos públicos (a vida de concursando é assim, nem sempre se ganha!). Prestei e reprovei: prefeitura de Araruama, Belfort Roxo, TCM-RJ e outros mais, rsrs. Prestei e aprovei em outros, como, por exemplo, TCU 2001 e 2002, CGU 2002 e 2004, Polícia Federal, MPU, ISS-SP/2007 e ICMS-RJ/2011, o que, no mundo dos concursos, atribui-me a qualidade de concursando de “carteirinha”. Ah! Sou coordenador do site www.tecconcursos.com.br (um site de questões comentadas). Sou autor dos livros Resposta Certa (editora Saraiva), Licitações e Contratos (atualmente, desatualizado, por isso não recomendo a aquisição) e, mais recentemente, Questões Discursivas de Direito Administrativo (licitações, controle externo, finanças,
Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

2

natureza. elementos.com. Aula 03 (23/12/2012) ..estrategiaconcursos. desfazimento e sanatória. FGV e outras. governo e administração pública: conceitos. acertemos na mosca! Esse será o meu caso (melhor. governo e administração pública: conceitos. viu! Rsrs. natureza. validade. poder de polícia.Estado. viu!  Não deixa de adquirir.br. e com muita jurisprudência. Comentei quase 800 questões de ESAF! Claro que comentários mais sintéticos. espécies e exteriorização. Direito Administrativo: origem.com. afinal costuma prezar pela qualidade dos certames. Questões mais antigas de ESAF estão lá todas comentadas. conceito. atributos. para que. poderes e organização.Estado.Regime Jurídico Administrativo: princípios básicos da Administração Pública. reafirmo termos a presença da ilustre ESAF. fontes. uso e abuso do poder. é claro!  Detalhe: a organizadora ESAF mudou! E pra melhor! Isso mesmo. este. poder disciplinar. classificação. Aguardem! Peço que visitem o site www. uma das melhores organizadoras de concursos públicos do país. Profº. fins e princípios. Aula 01 (5/12/2012) (versão completa) . As provas de Administrativo estão arrancando o couro da Galera. o nosso caso). quase na íntegra. segundo o Edital da Receita Federal. Cyonil Borges www. eu aumento o número de aulas. então.Ato administrativo: conceito.Poderes administrativos: poder hierárquico. vinculação e discricionariedade. Direito Administrativo: origem. Cyonil Borges – aula 00 controle da Administração e outros temas). de leitura obrigatória para as provas discursivas. mas importantes em Retas Finais. diga-se de passagem. fins e princípios. Então não ficaremos apenas nas questões de ESAF! Vou ter de recorrer à ilustre Cespe. vou precisar para comprar o leite das crianças. o que é um lado positivo para os Professores de cursinhos preparatórios. eu acrescento mais e mais exercícios comentados: Aula demonstrativa (versão reduzida) . poder regulamentar. no DNIT. conceito. com o detalhe de que eventuais acréscimos ou exclusões não vão prejudicar o nosso curso.br 3 . poderes e organização. Aula 04 (30/12/2012) . FCC. Aula 02 (15/12/2012) . elementos. Se reduzir. Se acrescer. elementos.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. PROGRAMA E CRONOGRAMA O quadro abaixo sintetiza como será distribuído nosso curso.. Aula 05 (7/1/2012) .tecconcursos. Com relação à banca organizadora. fontes. Porém nem sempre prezam pela novidade.Ato administrativo: extinção. por ter sido adotado. eficácia.

Responsabilidade civil do Estado. cargo. Aula 11 (20/2/2012) – Contratos Administrativos. Aula 18 (7/4/2013) – Bens públicos. de 1992 (Lei de Improbidade Administrativa). permissões e autorizações.Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal: Decreto nº 1. Regime jurídico. Controle Parlamentar. deveres e prerrogativas. Cyonil Borges www. Aula 10 (15/2/2013) . poderes. Uso privativo dos bens públicos.Processo Administrativo Federal. Ação de Indenização. Profº.429. Contratos de Gestão.Agentes públicos (aspectos gerais e constitucionais): espécies e classificação. de 22/6/1994. Aula 07 (24/1/2013) . Controle pelos Tribunais de Contas.112. Aula 09 (7/2/2013) . Pregão presencial e eletrônico e demais modalidades de licitação.estrategiaconcursos. Lei nº 8. emprego e função públicos.Intervenção do Estado na propriedade privada. Classificações. Aula 14 (11/3/2013) . Entidades paraestatais. Cyonil Borges – aula 00 Aula 06 (17/1/2013) . e alterações. Aula 19 (14/4/2013) . Agências Executivas e Reguladoras.Licitações públicas. Ação Regressiva. do poder concedente e do usuário. Concomitante e Posterior. Aula 15 (18/3/2013) .Serviços públicos. administração direta e indireta. Perfil moderno. Aula 16 (25/3/2013) .Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. Aula 17 (30/3/2013) . Direitos e deveres do concessionário. Parcerias PúblicoPrivadas. Aula 12 (27/2/2013) Sistema de Registro de Preços. Prestação do serviço adequado. Aula 08 (30/1/2013) . de 11/12/1990.br 4 .Controle Prévio.171. Consórcios. Regimes de Parcerias.com.Organização administrativa da União.Lei 8. Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores. Lei de Acesso à Informação. Responsabilidade extracontratual dos concessionários.Serviços públicos. Uso de bens públicos por particulares. Organizações Sociais. Delegação de serviços públicos: concessões. Aula 13 (4/3/2013) .

independentemente do concurso. como se fosse a “chave do sucesso”. Cyonil Borges – aula 00 METODOLOGIA Passando à metodologia a ser adotada no presente curso. o importante é estudar TODOS os dias. fruto de minha experiência colhida no magistério. mais de uma. independentemente do número de horas de estudo que for definido para cada dia da semana. como estudante e. Cespe e FCC. ou todas numa semana. apesar de ser importante nas discussões doutrinárias. Profº.com. fundamentalmente. Cyonil Borges www. somada à própria trajetória como concursando. em três pilares: I) Objetividade: procuro tratar dos assuntos de forma direta. Para um maior aprofundamento. que tive o prazer de orientar nos ciclos de estudo no ano 2003 em Brasília. que está certo ou errado estudar somente uma matéria (ou mais de uma) numa semana. ainda. Costumo dizer aos candidatos que. e III) Abordagem da matéria sem perda de conteúdo: ressalto que a objetividade e a concisão almejadas não foram pensadas com sacrifico do conteúdo necessário. sobretudo. buscando o que há de mais importante para ser destacado em cada questão. Planejamento: é preciso que se estabeleça um ciclo de estudos. principalmente os realizados pela Esaf. uma rotina. Simplesmente adorável. informo que ela está baseada. No ciclo.br 5 . ORIENTAÇÕES FINAIS1 A seguir. sem incorrer na prolixidade tão comum dos estudos acadêmicos. muitas vezes acaba por afastar o aluno do foco pretendido. gostaria de tecer breves considerações a respeito da experiência como professor de cursos preparatórios. são sempre três os requisitos para a aprovação – 1 As dicas são sintéticas. como colaborador na preparação de alunos para concursos. Não existe uma “receita de bolo” infalível que possa ser utilizada por todas as pessoas. qual seja: a indicação da posição correta que está sendo adotada pela examinadora ESAF. um método. ainda que apenas meia hora. sem “pirotecnias jurídicas". Também não há como pré-determinar de forma generalizada um número de horas mínimo ou máximo por dia que o aluno deve se dedicar aos estudos. Claro que. cheguei a algumas conclusões: 1.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. algo padronizado. Em síntese. Pode ser uma matéria de cada vez. Mas é preciso. Aqui vale o ditado de que o “hábito faz o monge”. recomendo a excelente e criativa obra do autor Alexandre Meirelles. especialmente em minhas turmas de Tribunal de Contas da União. Não há um método único para a aprovação em concurso. o segredo é: crie a sua própria estratégia. a qual. sem. essencialmente. obviamente. Não se pode dizer. II) Concisão: este curso visa ser claro e preciso. perder de vista os pontos cruciais (mais cobrados em concurso) de tão rica disciplina que é o Direito Administrativo. a partir de experiência própria.estrategiaconcursos.

um ano. exclusive a Demonstrativa. ou seja. Tenha fé.estrategiaconcursos. Verifique com ex-alunos do curso que pretende fazer se as aulas estão em sintonia fina com o que há de mais recente na jurisprudência dos Tribunais Superiores. com todo afinco possível).com. Abraço a todos. Passar em concurso exige: DISCIPLINA e DEDICAÇÃO. Inteligência). De todo modo. Bom. Cyonil Borges www. DISCIPLINA (cumprir o planejado) e DISPOSIÇÃO (cumprir o planejado.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. 2. o caminho será mais curto se você não perder o foco no concurso desejado.br 6 . o candidato a concurso público deve ter fé. Não caia nessa. Assim. principalmente. pois como já diz um velho almirante fuzileiro naval. passemos à “aula-demo”. Outra coisa. avançando sobre a matéria. tenho a certeza de que imbuído desse ânimo de confiança ficará mais fácil para assimilarmos os conceitos constantes dos tópicos sobre Direito Administrativo que serão apresentados ao longo de 19 aulas. Cyonil Borges – aula 00 PLANEJAMENTO (a tal da rotina). deve crer que durante a sua preparação não medirá esforços para estudar todos os itens do edital e. Espero que “se deliciem” com o assunto. 3. Não há glória sem sofrimento. Seu projeto pode durar seis meses. jamais acredite nas “LENDAS” que são contadas nos corredores dos cursinhos de que “Fulano de tal” passou no concurso sem estudar porque é muito inteligente. se você não quer ser um esqueleto se arrastando sobre a disciplina então vibre com cada tópico novo que você aprende de cada matéria que irá cair na sua prova. continuem entusiasmados. Costumo afirmar aos colegas que não esmoreçam. ou mais anos . mesmo para o “Fulano de tal” (o Sr. deve crer que é capaz de ocupar aquele tão sonhado cargo público. 4. Informe-se sobre as qualidades dos professores. Profº. “um corpo que não vibra é um esqueleto que se arrasta”. Cyonil Borges. Não escolha cursinhos preparatórios por grife. deve crer que no “dia D” fará a sua melhor prova. analisando se atendem às suas necessidades.

do DF e dos municípios e dotado de personalidade jurídica de direito público internacional. Distrito Federal e Municípios. c) os Estados brasileiros. Territórios Federais e Municípios. Estados.br 7 . Estados. Executivo e Judiciário da União. dos estados. nos termos da Constituição. com personalidade jurídica de direito público interno. Cyonil Borges República (1) Forma Governo Estado Unitário (2) Sistema Governo Parlamentarismo (3) Forma Estado Federação de de de www. todos autônomos. Distrito Federal. selecione a opção que expresse a correlação correta. Cyonil Borges – aula 00 QUESTÕES EM SEQUÊNCIA 1) (2007/Cespe – MP-AM – Promotor) A ideia de Estado de Direito. a) União.ENAP – Administrador) São entidades políticas. Territórios Federais e Municípios. 4) (2006/Esaf . todos soberanos. desde os primórdios da construção desse conceito.estrategiaconcursos. Distrito Federal. Territórios Federais e Municípios. todos soberanos. 5) (2010/ESAF – CVM – Agente Executivo) Correlacione as colunas abaixo e.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. c) União.com. e) União. (Certo/Errado) 2) (2007/Cespe – Bombeiros/DF) O termo União designa entidade federal de direito público interno. autônoma em relação às unidades federadas. Estados. dos Estados e dos Municípios. A União distingue-se do Estado federal. todos independentes. que é o complexo constituído da União. d) os Poderes Legislativo. Estados. Distrito Federal e Municípios. (Certo/Errado) 3) (2008/Esaf – EPPG) Assinale a opção que contempla todos os entes da organização político-administrativa da República Federativa do Brasil. Estados. todos autônomos. Distrito Federal. d) União. ao final. b) União. integrantes da República Federativa do Brasil: a) as autarquias da União e dos Estados. está associada à de contenção dos cidadãos pelo Estado. e) os Três Poderes da União. b) as autarquias e empresas públicas da União. ( ) ( ) ( ) ( ) Profº.

Cyonil Borges www. 2. uma definição de público excluiria as relações econômicas. Ele é um espaço dinâmico que não pode ser garantido por delimitação nem possui um lócus específico. 2. 2. 1. 2. Assim sendo. Cyonil Borges – aula 00 ( ) ( ) a) 1. III. 8) (1999/Esaf – Assistente Jurídico/AGU) A influência do Direito Administrativo francês no Direito Administrativo brasileiro é notável. c) se somente a afirmativa III estiver correta. O termo público pode ser entendido como relativo àquilo que é "de todos e para todos". Entre os institutos oriundos do direito francês abaixo. 3 6) (2010/ESAF – CVM – Analista – outras áreas) Partindo-se do pressuposto de que a função política ou de governo difere da função administrativa. 1 e) 3. Assinale: a) se somente a afirmativa I estiver correta.br 8 . exceto: a) comando b) coordenação c) execução d) direção e) planejamento 7) (2006/FGV – Min. Pode-se vincular a noção de público a um regime no qual iguais reunidos em coletividades buscam o bem comum e o exercício de práticas solidárias. 3 d) 2.estrategiaconcursos. analise os conceitos de "público" a seguir: I. e) se todas as afirmativas estiverem corretas. 2 c) 3. Monarquia Presidencialismo Profº. bem como uma relação de influência sobre o Estado tendo em vista a construção da cidadania. 3. 1. 2. da Cultura/Analista de Administração) Não existe uma definição única a respeito do conceito de público.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. à "coisa pública" e ao "interesse público". políticas e sociais que interferem na produção do espaço público. assinale aquele que não foi introduzido no sistema brasileiro. b) se somente a afirmativa II estiver correta. 2. 2. 1. 3. 1. 3. a) Regime jurídico de natureza legal para os servidores dos entes de direito público. d) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. 1.com. Dessa forma. 3 b) 1. é correto afirmar que estão relacionadas(os) à função política. 2. 1. 1. O público é resultado da separação entre Estado e Sociedade. II. 3. 3.

br 9 . 9) (2002/Esaf – AFRF) “A lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito”. para o exercício do controle jurisdicional.SUSEP .estrategiaconcursos. Este direito. e) o da justiça administrativa. 12) (2008/Cespe – TJ – Analista Administrativo) Para a identificação da função administrativa como função do Estado. Cyonil Borges – aula 00 b) Teoria da responsabilidade objetiva do Poder Público. os doutrinadores administrativistas têm se valido dos mais diversos Profº. no Brasil. c) o de que os atos de gestão estão excluídos da apreciação judicial. o seguinte instituto de Administração Pública. possa expressar caráter de definitividade em suas decisões: a) Arbitragem b) Contencioso administrativo c) Juizados especiais d) Mediação e) Sindicância administrativa 10) (2004/Esaf – MRE – Oficial de Chancelaria) O dispositivo da Constituição Federal pelo qual “a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito” impede a adoção plena. é a) o da chamada jurisdição única. d) o do necessário exaurimento das instâncias administrativas. b) o do chamado contencioso administrativo. do seguinte instituto de Direito Administrativo: a) controle administrativo b) contencioso administrativo c) jurisdição graciosa d) recursos administrativos com efeito suspensivo e) preclusão administrativa 11) (2006/Esaf . no Brasil. previsto na norma constitucional. c) Natureza judicante da decisão do contencioso administrativo. e) Inserção da moralidade como princípio da Administração Pública. Cyonil Borges www.Ana Téc-Tecnologia da Informação) O sistema adotado. dos atos da Administração Pública. excludente da judicial. no ordenamento jurídico brasileiro. impede que. de controle judicial de legalidade.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. típico para a solução de conflitos.com. d) Cláusulas exorbitantes nos contratos administrativos.

d) No sentido orgânico. materialmente. Cyonil Borges – aula 00 critérios. e. em seu sentido objetivo. (Certo/Errado) 17) (2006/Cespe – TCE-AC – Analista) O direito administrativo pode ser conceituado de acordo com vários critérios. b) O conjunto de órgãos e entidades integrantes da Administração é compreendido no conceito funcional de Administração Pública. no sentido material. b) o poder de polícia administrativa.br 10 . d) o serviço público. designa a natureza da atividade exercida pelos referidos entes. e) A Administração Pública. em sentido formal. 14) (1999/Esaf – Assistente Jurídico/AGU) A Administração Pública. Cyonil Borges www. o que prepondera. exceto: (a) Polícia administrativa (b) Serviço público (c) Elaboração legislativa. compreendendo pessoas jurídicas. no exercício da função administrativa.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº.com. e) a intervenção do Estado nas atividades privadas. 13) (2005/Esaf – AFRFB) Em seu sentido subjetivo. é o critério do Poder Profº. o estudo da Administração Pública abrange: a) a atividade administrativa. é correto afirmar: a) Em seu sentido material. c) Administração Pública. 16) (2007/Esaf – PGFN-adaptada) A expressão Administração Pública.estrategiaconcursos. órgãos e agentes públicos incumbidos de exercer uma das funções em que se triparte a atividade estatal: a função administrativa. o objetivo material e o objetivo formal. c) as entidades e órgãos que exercem as funções administrativas. expressa uma das funções tripartites do Estado. Desses. como o subjetivo. sendo a própria função administrativa. Administração Pública confunde-se com a atividade administrativa. designa os entes que exercem a atividade administrativa. para a melhor doutrina. não se manifesta no Poder Legislativo. em sentido objetivo. engloba as seguintes atividades. com caráter inovador (d) Fomento a atividades privadas de interesse público (e) Intervenção no domínio público 15) (1998/Esaf – Procurador) Sobre os conceitos de Administração Pública. a Administração Pública manifesta-se exclusivamente no Poder Executivo.

a qual também defendia o postulado da carga normativa dos princípios aplicáveis à atividade da Administração Pública. que tinha por objeto a interpretação das leis administrativas. que se desenvolveu em torno de duas concepções. o Direito Administrativo deve ser concebido como o conjunto de princípios que regem a Administração Pública. segundo o qual o direito administrativo é o conjunto de regras e princípios jurídicos que disciplina a organização e a atividade desse poder. abrangendo toda a atividade material. enquanto finalidade do Estado. e) Na evolução histórica do Direito Administrativo. em sentido objetivo. Na concepção de Leon Duguit. e) intervenção na atividade econômica. submetida a regime exorbitante do direito comum. d) Na busca de conceituação do Direito Administrativo encontra-se o critério da Administração Pública. não abrange: a) polícia administrativa.br 11 . 20) (2004/Esaf – MRE – Oficial de Chancelaria) A expressão administração pública admite diversos significados. que regem o exercício das funções administrativas estatais e a) os órgãos inferiores.com. sinteticamente. Cyonil Borges – aula 00 Executivo. b) O conceito estrito de Administração Pública abarca os Poderes estruturais do Estado. o Serviço Público deveria ser entendido em sentido estrito. d) as competências dos órgãos públicos. encontramos a Escola Exegética. b) serviços públicos.estrategiaconcursos. Administração Pública. que as desempenham. a) Na evolução do conceito de Direito Administrativo. 18) (2006/Esaf – AFC/CGU) O Direito Administrativo é considerado como sendo o conjunto harmonioso de normas e princípios. em seu sentido material ou funcional. Profº. c) os poderes dos órgãos públicos. c) A Administração Pública.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. d) finanças públicas. deve ser compreendida como o conjunto das pessoas jurídicas e dos órgãos incumbidos do exercício da função administrativa do Estado. c) fomento. segundo o qual. b) os órgãos dos Poderes Públicos. selecione a opção correta. surge a Escola do Serviço Público. De acordo com a doutrina. sobretudo o Poder Executivo. 19) (2007/Esaf – DF/PROCURADOR) Em relação ao conceito e evolução histórica do Direito Administrativo e ao conceito e abrangência da Administração Pública. Cyonil Borges www. e) as garantias individuais. desenvolvida pelo Estado para a satisfação de necessidades da coletividade.

aquele que não pode ser considerado como de manifestação da atividade finalística da Administração Pública. em seu sentido material. entre os atos abaixo. 24) (2005/Cespe – SERPRO – Analista Jurídico) As atividades tipicamente legislativas e judiciárias não são objeto de estudo do direito administrativo. e) Concessão de benefício fiscal para a implantação de uma nova indústria em determinado Estado-federado. 25) (2004/Cespe – TCU – Analista) A jurisprudência e os costumes são fontes do direito administrativo. infraconstitucionais vinculados. sendo que a primeira ressente-se da falta de caráter vinculante. serviços e interesses da coletividade. a) Concessão para exploração de serviço público de transporte coletivo urbano. e) o vade-mécum.com. 22) (2006/Cespe – TCE-AC – Analista) A natureza da atividade administrativa é a de múnus público para quem a exerce. no sistema constitucional brasileiro. excepcionalmente. isto é. conservação e aprimoramento dos bens. a de um encargo de defesa. b) Desapropriação para a construção de uma unidade escolar. e a segunda tem sua influência relacionada com a deficiência da legislação. 27) (2000/Esaf – TRF) A fonte formal e primordial do Direito Administrativo é a (o) Profº. d) os costumes. aprovado em virtude de concurso público. submissos ao controle de legalidade pelo Poder Judiciário. Cyonil Borges – aula 00 21) (2003/Esaf – Procurador da Fazenda Nacional) Assinale. ou aquele que lhe faça às vezes.br 12 .Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. exerce na intimidade de uma estrutura e regimes hierárquicos e que. c) a jurisprudência. b) a doutrina. se caracteriza pelo fato de ser desempenhada mediante comportamentos infralegais ou. Cyonil Borges www. 23) (2008/Cespe – TJ – Analista Administrativo) Um conceito válido para a função administrativa é o que a define como a função que o Estado. 26) (2006/Esaf – TRF) A primordial fonte formal do Direito Administrativo no Brasil é: a) a lei.estrategiaconcursos. c) Interdição de um estabelecimento comercial em razão de violação a normas de posturas municipais. d) Nomeação de um servidor público.

segundo o qual a decisão judicial superior vincula as instâncias inferiores para os casos idênticos. Cyonil Borges – aula 00 a) Motivação que a fundamenta b) Povo c) Parlamento d) Diário Oficial e) Lei 28) (2003/Esaf – Procurador da Fazenda Nacional) A distinção entre a lei formal e a lei material está na presença ou não do seguinte elemento: a) Generalidade b) Novidade c) Imperatividade d) Abstração e) Normatividade 29) (1999/Esaf – AGU) O decreto. ambos não são reconhecidos como fontes formais do direito administrativo. e) O costume é fonte primária do direito administrativo. devendo ser aplicado quando a lei entrar em conflito com a Constituição Federal. Cyonil Borges www. vigora no Brasil o princípio norteamericano do stare decisis.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº. b) São fontes principais do direito administrativo a doutrina. com função normativa. 31) (2006/Cespe – TCE-AC – Analista) O costume não se confunde com a chamada praxe administrativa. conforme a doutrina majoritária. Profº. Aquele exige cumulativamente os requisitos objetivo (uso continuado) e subjetivo (convicção generalizada de sua obrigatoriedade). c) A jurisprudência dos tribunais de justiça.br 13 . não tem o seguinte atributo: a) Novidade b) Privativo do Chefe do Poder Executivo c) Generalidade d) Abstração e) Obrigatoriedade 30) (2008/Cespe – TCE/AC – Cargo 1) Assinale a opção correta quanto às fontes do direito administrativo brasileiro a) Os regulamentos e regimentos dos órgãos da administração pública são fontes primárias do direito administrativo brasileiro. não obriga a administração pública federal. a jurisprudência e os regimentos internos dos órgãos administrativos. No entanto.com. como fonte do direito administrativo.estrategiaconcursos. d) A partir da Constituição de 1988. ao passo que nesta ocorre apenas o requisito objetivo.

Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para AFT Profº.br 14 . Cyonil Borges – aula 00 GABARITO ORGANIZADO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 ERRADO CERTO E C B C C C B B 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 A CERTO C C E ERRADO ERRADO A D D 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 D CERTO CERTO CERTO CERTO A E B A C 31 CERTO Profº.com. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.

a contenção do Estado é pelo povo e não o inverso. está associada à de contenção dos cidadãos pelo Estado. em seus grandes ramos. ainda. por meio de seus representantes. 1) Gabarito: ERRADO 2) (2007/Cespe – Bombeiros/DF) O termo União designa entidade federal de direito público interno. dos Estados. que é o complexo constituído da União. tirânico). autônoma em relação às unidades federadas. o que fornece ao Estado. Aqui. No de Direito. do Estado Absolutista (despótico.estrategiaconcursos. Cyonil Borges – aula 00 QUESTÕES COMENTADAS 1) (2007/Cespe – MP-AM – Promotor) A ideia de Estado de Direito. o qualificativo de Democrático. desde os primórdios da construção desse conceito. no caso dos entes federativos. O Direito divide-se. assim. Todos estes são “pessoas” para o direito. Estados. pessoas jurídicas dotadas de personalidade própria.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para a Receita Federal Profº. Vimos que a nossa Federação é composta por União. do DF e dos Municípios e dotado de personalidade jurídica de direito público internacional. em Público e Privado. Profº. A lei emana da vontade geral do povo. igualmente. a presunção é a de que as leis produzidas pelo Estado são. No Estado de Direito. Comentários: De acordo com nosso aprendizado. é de natureza de direito público. A União distingue-se do Estado federal. a lei é responsável por conter o exercício do poder do próprio Estado . lado a lado. a qual. incorreto o quesito. por ele cumpridas. na verdade. Portanto. DF e Municípios.br 15 . o Estado de Direito não caminha. isso é. 1º da CF/1988.com. deparamo-nos com a evidência de que no Estado de Direito todo o poder emana do povo. cabem algumas explicações quanto à divisão da ciência jurídica (como toda ciência) em ramos. Comentários: Basicamente esse item remete ao entendimento quanto à organização político-administrativa de nosso país. Cyonil Borges www. Ao lermos o parágrafo único do art.

a organização e competência do Estado. As pessoas jurídicas componentes da Federação. Profº. de modo a dar segurança às relações das pessoas em sociedade. essencialmente. seja em suas relações individuais. são pessoas para “dentro de casa”.br 16 . quer dizer. Em outra vertente. o Direito Público regula. assim como das atividades destes com os organismos internacionais (Direito Público Externo). de Direito Público Interno. Cyonil Borges www. Já o Direito Privado cuida predominantemente dos interesses individuais. É o caso da União. o Direito Público ocupa-se das relações dos Estados soberanos entre si. principalmente. AUTÔNOMA com relação aos demais entes da federação. seja em suas relações com o Estado. que cuidam. que indica que a União é entidade Federativa. os interesses estatais e sociais (Direito Público Interno). são de Direito Público Interno.com.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para a Receita Federal Profº. Daí porque o acerto da primeira passagem do item. com AUTONOMIA em relação aos demais integrantes da Federação. em nível federal. de interesses públicos.estrategiaconcursos. Cyonil Borges – aula 00 Em uma primeira acepção. ou seja.

Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para a Receita Federal Profº. Cyonil Borges www. pessoa jurídica de direito público interno. o poder político é um só. Mesmo que ocorra descentralização. É o que ocorre no Uruguai e na França. a partir de um processo histórico jurídico interessante: por agregação – saíram da Confederação para agregarem-se em Federação. o Estado pode ser Unitário ou Federal. com a República Federativa. Profº. federalismo dual – presença da União e Estados-membros. visto que muitos confundem a União. No Estado Unitário. originariamente.com. com a criação de entidades administrativas (os denominados Estados Unitários Impuros). União → Direito Público Interno República Federativa → Direito Público Externo No que diz respeito à sua forma de organização interna. esse tipo de questão envolvendo conhecimento a respeito da União é muito comum. foi adotado nos Estados Unidos. um Poder Legislativo e um Poder Judiciário. existindo apenas um Poder Executivo. o centro de poder político é um só. Falemos um pouco mais da Federação para esclarecer o assunto.estrategiaconcursos.br 17 . Cyonil Borges – aula 00 Em prova do Cespe. pessoa jurídica de direito público externo (internacional). Quanto ao Estado Federal. por exemplo.

a República Profº. Assim. é pessoa jurídica de direito público externo – internacional. cada uma das unidades da Federação terá sua própria “Administração Pública”. Este último aspecto será bastante relevante para o estudo do Direito Administrativo. cada qual dotado de tríplice autonomia.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para a Receita Federal Profº. para dentro de casa – pessoa jurídica de direito público INTERNO.com. federalismo polidimensional – além da União e Estados-membros. para “fora de casa”. e III) Organizacional – a entidade federativa pode criar seu próprio diploma constitutivo: constituições estaduais e leis orgânicas municipais e distritais.estrategiaconcursos. é como se fosse a “soma” das pessoas jurídicas que a compõem. Essa “autonomia” pode ser desdobrada em três aspectos: I) Administrativo – as unidades federadas podem organizar seus próprios serviços. temos o Distrito Federal e Municípios. em razão de sua autonomia administrativa. II) Governativo – as unidades integrantes da Federação têm seu próprio governo. há outros círculos de poder. elegendo seus dirigentes. Podemos dizer que a Federação é muito mais que a União. e. Cyonil Borges – aula 00 A Federação é caracterizada pela descentralização POLÍTICA. portanto. além do poder político central. vez que. como o Brasil é visto para “fora de casa”. Isso significa que a Federação é pessoa para o direito. não confundam na hora da prova: UNIÃO. Cyonil Borges www.br 18 . Dessa forma. É o que ocorre no Brasil: federalismo por desagregação – saímos do Estado Unitário para Federação.

Territórios Federais e Municípios. Cyonil Borges www. passaram à qualidade de autarquia da União. Estados. Idem item “B”. Primeiro. e não de soberania. Comentário: Vamos direto às análises. a partir da Carta de 1988. c) União. Os entes políticos ou federados são dotados de autonomia. não mais integrantes da Federação. todos soberanos.br 19 . Estados. Estados. Item B – ERRADO. logo. Profº. Distrito Federal e Municípios. d) União. Item C – ERRADO.estrategiaconcursos.ENAP – Administrador) São entidades políticas. b) as autarquias e empresas públicas da União. todos autônomos.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para a Receita Federal Profº. Segundo. todos independentes. Item D – ERRADO. a) União. integrantes da República Federativa do Brasil: a) as autarquias da União e dos Estados. nos termos da Constituição.com. 4) (2006/Esaf . e não soberanos. Cyonil Borges – aula 00 Federativa. e) União. Essa é daquelas questões que o candidato não pode mais sonhar em errar. os territórios não compõem a Federação. 3) Gabarito: item E. São dois os erros. Estados. b) União. O candidato mais cansado (menos concentrado) poderia ser levado a marcar esse item. todos autônomos. União → para “dentro” da casa → Direito Público Interno República Federativa → para “fora” da casa → Direito Público Externo 2) Gabarito: CERTO 3) (2008/Esaf – EPPG) Assinale a opção que contempla todos os entes da organização político-administrativa da República Federativa do Brasil. Distrito Federal. os entes federados são autônomos. os territórios. Item E – CORRETO. com personalidade jurídica de direito público interno. todos soberanos. Distrito Federal e Municípios. para fora de casa – pessoa jurídica de direito público externo. Territórios Federais e Municípios. Estados. Item A – ERRADO. no entanto. Territórios Federais e Municípios. Distrito Federal. Distrito Federal.

Cyonil Borges www. dos Estados e dos Municípios. 3 d) 2. Comentários: No Brasil. 1 e) 3.br 20 . e) os Três Poderes da União. 2 c) 3.estrategiaconcursos. Daí a correção da alternativa C. 5) (2010/ESAF – CVM – Agente Executivo) Correlacione as colunas abaixo e. 2. Executivo e Judiciário da União. 1. 1. 3. 3. 1. são entidades políticas: União. 2. 4) Gabarito: alternativa C. 2. ao final. Cyonil Borges – aula 00 c) os Estados brasileiros. 1. Acho que resolve e bem! Vejamos.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para a Receita Federal Profº. 1. 3. Estados. 3 Comentários: Abaixo um esqueminha que meu Brother Sapo da Vez fez no último curso que conduzimos na Receita Federal. República Estado Unitário Parlamentarismo Federação Monarquia Presidencialismo (1) Forma de Governo (2) Sistema de Governo (3) Forma de Estado Profº. 1. d) os Poderes Legislativo. 2. 1. 3 b) 1.com. selecione a opção que expresse a correlação correta. 2. Distrito Federal e Municípios. 2. ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) a) 1. 3. 3. 2. 2.

Senadores. esse é transpiração pura. as administrativas.com. em sentido amplo. ex: declaração de guerra). Responda rápido: os políticos (Presidente da República.br 21 . 6) (2010/ESAF – CVM – Analista – outras áreas) Partindo-se do pressuposto de que a função política ou de governo difere da função administrativa. como. Deputados. dirigir e planejar). é suor. Daí a correção da alternativa “C”. O Governo é produtor de atividades colegislativas e de direção. Cyonil Borges – aula 00 Então. é fácil encontrarmos a resposta da questão. chegamos à alternativa “B”. envolve tanto as funções governamentais. E o Fiscal da Receita Federal? Transpira ou suja a mão de tinta? Eita. sob o aspecto subjetivo ou orgânico. é correto afirmar que estão relacionadas(os) à função política. Fácil. fala sério! Nem pensar. com atribuições extraídas diretamente do texto constitucional (p. eles desenham o destino da nação (comandar. Cyonil Borges www. 6) Gabarito: item C. não se confunde com o Governo. Profº. de fato. A Administração. em sentido estrito.estrategiaconcursos. é execução. coordenar. exceto: a) comando b) coordenação c) execução d) direção e) planejamento Comentários: A Administração Pública.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para a Receita Federal Profº. por exemplo) suam ou sujam a mão de tinta? Suar. Com um pouco de humor. né? 5) Gabarito: item B.

basicamente. por intermédio de suas estruturas montadas. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos. novas instituições surgiram. Durante muito tempo. quanto administrativos. sobretudo em capitais de Estado. Setor em que ocorreriam as “trocas” (operações de compra e venda. O público é resultado da separação entre Estado e Sociedade. prevaleceu essa divisão conceitual – público/privado. para que fique mais claro o que afirmamos. bem como uma relação de influência sobre o Estado tendo em vista a construção da cidadania. envolvendo a noção de “público” no contexto jurídico-administrativo atual. os estudos jurídicos e administrativos viam o funcionamento social de forma. b) se somente a afirmativa II estiver correta. O termo público pode ser entendido como relativo àquilo que é "de todos e para todos". dividido em dois setores: I) PÚBLICO (1º setor) – atendidos os interesses coletivos de modo geral. Ele é um espaço dinâmico que não pode ser garantido por delimitação nem possui um lócus específico. fundamentalmente. Os particulares iriam ao “mercado” para realizar seus lucros. quando então passamos a ter um problema para o adequado enquadramento.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para a Receita Federal Profº. Vejamos um exemplo prático. Para termos uma ideia precisa disso. à "coisa pública" e ao "interesse público". Com a evolução. Dessa forma. III. é mais amplo do que tempos atrás. Pode-se afirmar que o conceito de “público”. por exemplo). d) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. Comentários: Este item é bastante conceitual. Cyonil Borges – aula 00 7) (2006/FGV – Min. convencionou-se denominar “mercado”. dicotomizada. foram criadas. tanto para estudos jurídicos. De maneira geral. uma definição de público excluiria as relações econômicas. ou seja. analise os conceitos de "público" a seguir: I. Assim sendo. II. Profº. e) se todas as afirmativas estiverem corretas. c) se somente a afirmativa III estiver correta. para atendimento de pessoas com dificuldade de custear um tratamento médico razoável. As Santas Casas existentes em quase todo o país. Assinale: a) se somente a afirmativa I estiver correta. da Cultura/Analista de Administração) Não existe uma definição única a respeito do conceito de público. políticas e sociais que interferem na produção do espaço público.br 22 . no mercado haveria interesses “egoísticos” (privados/particulares) a serem satisfeitos.com. II) PRIVADO (2º setor) – na teoria econômica. Tal papel caberia ao Estado. sobretudo quando analisamos a dinâmica da sociedade civil organizada. Pode-se vincular a noção de público a um regime no qual iguais reunidos em coletividades buscam o bem comum e o exercício de práticas solidárias.

visando benefício próprio. aprendidas quando de nossos primeiros estudos ainda no colégio. De outro lado. Item I – ERRADO. econômico ou não . não chegaríamos a qualquer solução. sinteticamente. também pode ser visto como sendo de interesse público. logo. Traçados os entendimentos gerais.br 23 . Cyonil Borges www.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para a Receita Federal Profº. o 3º setor. ainda que óbvio para alguns dos amigos. na atualidade. apesar de criadas por particulares. Logo. como é o caso das instituições privadas de modo geral. partamos para a análise dos itens. o modelo padece de um problema comum a tudo que envolva a participação humana: há. ao lado do Estado. abrangendo todo e qualquer setor social. O ‘para’ da expressão que analisamos tem o sentido de “ao lado”. que pode ser traduzido como “do Estado”. Isso Profº. cumprem relevantes papeis de “parceiras” do Estado no desempenho de tarefas de interesse público. não foram criações do Estado. De fato. é importante lembrar que há indesejáveis desvirtuamentos na atuação das entidades do 3º setor (o paraestatal = público não-estatal). Concluindo. não exclui as relações econômicas. não são componentes do 1º Setor.estrategiaconcursos. o vocábulo público. entidades como Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP). ao contrário do que diz o item. Ainda que composto essencialmente por entidades criadas por iniciativa de particulares. tal como nas linhas paralelas. sempre. possibilidade de alguns fazerem uso indevido de boas ideias.com. Cyonil Borges – aula 00 Mas as Santas Casas não foram criações do Estado. não poderiam ser consideradas públicas. políticas e sociais que interferem na produção do espaço público. o “lócus” (espaço) público é cada vez mais amplo. surge a noção do público não estatal (o tal do “3º Setor”). Apesar de perseguirem interesses que podem ser vistos como públicos. De outra forma. Não são poucos os escândalos envolvendo desvio de recursos de origem pública repassados a tais entidades. Todavia. em certa medida. Vejamos. no qual se inclui a “paraestatalidade”. O ‘estatal’ vem de ‘status’. as mais conhecidas do 3º setor. sem fazer parte dele. direta ou indiretamente. Por mais que se entenda por “público” o que. Pois bem. que é um vocábulo autoexplicativo. A noção de público e privado é cada vez menos relevante. PARAESTATAL quer dizer. a pergunta: em que setor enquadrar instituições como as Santas Casas e outras semelhantes? Se adotássemos a visão dicotomizada. pertença à comunidade. Embora conceitualmente belíssimo. Então. Desse modo. as Santas Casas não possuem o intuito do lucro. como podemos perceber a partir da atuação das entidades integrantes do 3º setor.

a distinção de público/privado é extremamente dificultosa.Curso Avançado de Direito Administrativo em Exercícios para a Receita Federal Profº. atualmente. Muitas vezes. Assim. há uma zona em que a atuação do Estado é simultânea com entidades não lucrativas. influenciando o Estado na construção de um novo sentido de cidadania. Item III – CERTO. ansioso para iniciarmos mais este trabalho. Abraço forte a todos. se decidir pela matrícula. No caso.estrategiaconcursos. O item reafirma o que dissemos ao longo de toda a exposição. público não é resultado da separação Estado/sociedade. Teremos a versão completa na aula 01. ou indiretamente. objetivando o melhor atendimento dos interesses coletivos. Cyonil Borges – aula 00 por serem cada vez mais comuns “parcerias” entre Estado/sociedade organizada.com. Como dissemos. Enfim. uma vez que. Fica a lição: a depender do contexto. 7) Gabarito: item C. Profº. ocorre exatamente o contrário: o público resulta da confluência da atuação do Estado em conjunto com entidades criadas por particulares. diversas instituições criadas por particulares acabam dando cumprimento a interesses coletivos. Item II – ERRADO. Cyonil Borges. Espero por vocês.br 24 . que atuam por conta do mútuo empenho em dar provimento aos interesses coletivos. Essa é apenas uma aula demonstrativa. Mesmo particulares (os “iguais” no item) podem atender interesses públicos. diretamente. peço que não imprima a presente versão demonstrativa. Cyonil Borges www. serve apenas para que tenham uma ideia geral dos comentários. buscando o bem comum/práticas solidárias.