You are on page 1of 118

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02

AULA 2 – REGIME JURÍDICO ADMINISTRATIVO
Oi Pessoal, A aula de hoje é sobre o tal Regime Jurídico Administrativo, mais detidamente sobre os princípios da Administração. Ao lado das questões de ESAF, vou postar um “simuladinho” só com questões de FCC, dos anos de 2009 e 2011. Quanto mais treino, melhor! Ah! As respostas do simulado serão postadas em arquivo complementar. Peço que, antes da leitura dos comentários, tentem resolver, na íntegra, as questões. Vamos que vamos, Cyonil Borges. Observação: a parte de princípios não é preocupação para a prova. A ESAF não tem muito pra onde fugir! Fiquem tranquilas(os).

Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

1

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02

QUESTÕES EM SEQUÊNCIA 1. (2010/FCC – ALESP – Procurador) NÃO se inclui, dentre as expressões da supremacia do interesse público, como princípio constitucional do Direito Administrativo: (A) A exigibilidade, significando a previsão legal de sanções ou providências indiretas que induzem o administrado a acatá-los. (B) A constituição de terceiros em obrigações mediante atos unilaterais. (C) Dentro de certos limites, a revogação dos atos inconvenientes e inoportunos. (D) O dever de anular ou convalidar os atos inválidos que haja praticado. (E) A ideia de que a Administração tem que tratar todos os administrados sem distinção. 2. (2006/FCC – Advogado/CEAL) Os princípios constitucionais que regem a Administração Pública podem ser expressos ou implícitos, são multifuncionais, sendo certo que, dentre outras características, I. norteiam a elaboração legislativa e a aplicação das normas jurídicas (função orientadora); II. não permitem uma compreensão global e unitária do texto constitucional, ou ainda, a harmonia na aplicação do direito (função supletiva); III. esclarecem o sentido, a dimensão e o conteúdo nas normas jurídicas (função interpretativa); IV. têm funções normogenética e discricionária, mas desprovidas de funções sistêmica e vinculante. É correto o que consta APENAS em a) I e II. b) I e III. c) I e IV. d) II e IV. e) III e IV.
Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

2

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02

3. (2010/FCC – PMSPE – CIÊNCIAS CONTÁBEIS) A Administração Pública sujeita-se à observância de determinados princípios, insculpidos na Constituição Federal. Em relação a esses princípios, é correto afirmar que (A) aplicam-se também às entidades integrantes da Administração indireta, exceto àquelas submetidas ao regime jurídico de direito privado. (B) o princípio da eficiência passou a sobrepor-se aos demais princípios gerais aplicáveis à Administração, com o advento da Emenda Constitucional no 19, que consolidou o modelo de Administração Gerencial. (C) o princípio da moralidade é considerado um princípio prevalente e a ele se subordinam o princípio da legalidade e eficiência. (D) o princípio da eficiência, ligado ao conceito de Administração Gerencial, aplica-se apenas às empresas públicas e sociedades de economia mista que atuam no domínio econômico. (E) todas as entidades integrantes da Administração Pública, direta e indireta, independentemente de seu regime jurídico, estão obrigadas a observar o princípio da legalidade, da moralidade, da impessoalidade e da eficiência. 4. (2002/Esaf – AFC/STN) A Lei nº 9.784, de 29/01/1999, que regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal, impôs a observância de alguns princípios já previstos expressamente na Constituição então vigente, tais como os de a) legalidade, moralidade, eficiência e ampla defesa. b) legalidade, razoabilidade, publicidade e economicidade. c) legitimidade, segurança jurídica, economicidade e publicidade. d) eficiência, eficácia, impessoalidade e proporcionalidade. e) impessoalidade, publicidade, motivação e eficácia. 5. (2010/FCC - MPA - Agente Administrativo) Dois estudantes debatiam quanto aos Princípios da Administração Pública. Um deles afirmou que NÃO é um dos princípios da administração pública a: A) legalidade. B) moralidade.
Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

3

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02

C) pessoalidade. D) publicidade. E) eficiência. 6. (2006/FCC – Direito Público. PMJAB/PROCURADOR) Principiologia no

I. Quanto aos seus efeitos, o princípio da legalidade apresenta alcance e repercussões distintos em relação aos particulares e à Administração Pública. II. À luz do princípio da legalidade, o ordenamento constitucional pátrio prevê, como regra geral, a expedição de decretos ou regulamentos autônomos. III. Consoante o princípio da reserva legal, apenas lei em sentido formal pode legitimar a atuação da Administração Pública. IV. Em consequência do princípio da legalidade, a Administração sempre pode agir quando a lei não a proíba. V. O poder regulamentar norteia, restringe e, portanto, delimita o alcance do princípio da legalidade no Direito Público. Estão corretas: a) I e III b) I e V c) II e III d) II e IV e) todas. 7. (2006/FCC – TCE/CE). A Assembleia Legislativa, no exercício de sua atípica função administrativa, ao aplicar, de ofício, “resolução” por ela anteriormente editada, atua em conformidade com: (A) o princípio da reserva legal. (B) o princípio da legalidade. (C) seu poder de revisão. (D) seu poder regulamentar. (E) o princípio da autotutela. 8. (2010/FCC – TRE/AL – TÉCNICO) Quando se afirma que o particular pode fazer tudo o que a lei não proíbe e que a Administração só pode fazer o que a lei determina ou autoriza, estamos diante do princípio da: (A) legalidade.
Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

4

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02

(B) obrigatoriedade. (C) moralidade. (D) proporcionalidade. (E) contradição. 9. (2010/FCC – ALESP – TÉCNICO LEGISLATIVO) Um dos princípios que norteiam a gestão pública é o princípio da Legalidade. Esse princípio I. está associado à gestão pública em toda a sua atividade, presa aos mandamentos da lei, deles não podendo se afastar, sob pena de invalidade do ato e responsabilização do seu autor. II. norteia-se pelo pressuposto de que todos os cidadãos são iguais perante a lei e, portanto, perante a administração pública. III. fundamenta-se em dispositivos legais direcionados ao consumidor, por meio dos quais ele possa ser ressarcido por empresas prestadoras de serviços públicos na falta ou inadequação dos serviços. IV. impõe à administração pública a prática de atos voltados para o interesse público. Está correto o que se afirma APENAS em (A) I. (B) I e III. (C) II e III. (D) III. (E) IV. 10. (2005/FCC – PMS/ Procurador-CE) Em tema de legalidade, como um dos princípios norteadores da atividade administrativa, observe o que segue: I. O administrador público está, em toda a sua atividade funcional, sujeito aos mandamentos da lei. II. Na Administração Pública não há liberdade nem vontade pessoal. III. Na Administração Pública é lícito fazer tudo que a lei não proíbe. IV. No exercício de sua atividade funcional, o administrador público está sujeito às exigências do bem comum.

Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

5

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02

V. A lei para o administrador público significa "pode fazer assim" e para o particular “deve fazer assim”. Está INCORRETO o que se afirma APENAS em (A) I e V. (B) I e II. (C) II e IV. (D) III e V. (E) III e IV. 11. (2006/FCC – Procurador/BA) A aplicação do princípio da legalidade, expresso no artigo 37, caput, da Constituição Federal, traz como consequência: a) a obrigatoriedade de edição de lei para disciplinar a organização e funcionamento da Administração Direta. b) a obrigatoriedade de lei para criação de cargos, mas não para a sua extinção, que, quando vagos, pode ser feita por decreto. c) a não obrigatoriedade de lei para a criação de órgão público, quando implicar ou não aumento de despesa. d) a obrigatoriedade de lei para fixação e aumento de remuneração dos servidores públicos, inclusive aqueles submetidos ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho. e) a exigência de que todos os atos praticados pelo Poder Executivo contém prévia autorização legislativa específica. 12. (2002/Esaf – Fiscal de Tributos Estaduais/PA) Assinale a situação que não se relaciona com o princípio da impessoalidade, em alguma das suas acepções. a) Vedação ao uso da imagem da autoridade para promoção pessoal. b) Provimento de cargo público efetivo mediante concurso público. c) Anulação de ato cometido com desvio de finalidade. d) Verificação da presença do interesse público em todo ato cometido pela Administração Pública. e) Obrigação da divulgação pública dos atos oficiais.

Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

6

Cyonil Borges www. (B) indisponibilidade.Curso de Direito Administrativo. (2007/FCC – TJ/PE).br 7 . obras. Com relação aos princípios constitucionais da Administração Pública. (2010/FCC – TRT/8R – Analista/Administrativa) O princípio. (D) eficiência. (B) moralidade. (C) legalidade. que determina que o administrador público seja um mero executor do ato. ou por ela delegados. II. (C) legalidade e impessoalidade. (D) moralidade e legalidade. 14. mas ao órgão ou entidade administrativa em nome do qual age o funcionário é o da: (A) impessoalidade. (E) moralidade. (D) publicidade. 15.estrategiaconcursos. (2010/FCC – Casa Civil/SP . Profº. em exercícios. serviços e campanhas dos órgãos públicos. (C) publicidade. perfeição e rendimento funcional. (E) eficiência e publicidade. As afirmações citadas correspondem. programas.com. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 13. Todo agente público deve realizar suas atribuições com presteza. A Constituição Federal proíbe expressamente que conste nome. é o da: (A) legalidade. respectivamente.Executivo-Público) O princípio ou regra da Administração Pública que determina que os atos realizados pela Administração Pública. símbolo ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridade ou servidores públicos em publicidade de atos. (B) publicidade e moralidade. aos princípios da: (A) impessoalidade e eficiência. são imputáveis não ao funcionário que os pratica. considere: I.

d) centralizada.br 8 . à noção de administração: a) patrimonialista. 37. 16. assinale aquele que é mais diretamente vinculado aos costumes. reconhecidos também como fonte de Direito: a) moralidade b) eficiência c) publicidade d) legalidade e) impessoalidade 18. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (E) impessoalidade. Profº. em exercícios. o conveniente e o inconveniente. c) gerencial. Cyonil Borges www. Assim. e § 4º. (2003/Esaf – Contador Prefeitura do Recife) A rejeição à figura do nepotismo no serviço público tem seu amparo original no princípio constitucional da: a) moralidade b) legalidade c) impessoalidade d) razoabilidade e) eficiência 17.com. (2003/Esaf – Auditor-Fiscal do Trabalho – MTE) Entre os seguintes princípios constitucionais da Administração Pública. mas principalmente entre o honesto e o desonesto. não terá que decidir somente entre o legal e o ilegal.Curso de Direito Administrativo. (2008/Esaf – APO) O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. 19.estrategiaconcursos. o oportuno e o inoportuno. consoante as regras contidas no art. da Constituição Federal. o justo e o injusto. caput. originalmente. b) descentralizada. e) burocrática. (2005/Esaf – AFRFB) Os princípios constitucionais da legalidade e da moralidade vinculam-se.

para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 De acordo com o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal. b) é dever do servidor público resistir a todas as pressões de superiores hierárquicos. de acordo com as normas do serviço e as instruções superiores. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la. portanto. Assim. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade.br 9 . as tarefas de seu cargo ou função. (C) cônjuge de Governador para cargo de Secretário de Estado. segurança e rapidez. em exercícios. os fatos e atos verificados na conduta do dia a dia em sua vida privada em nada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional.estrategiaconcursos. exceto: a) a função pública deve ser tida como exercício profissional e. a nomeação de (A) cunhado de Presidente da Assembleia Legislativa para cargo de assessor da Presidência do Tribunal de Justiça. estão corretos todos os enunciados abaixo. (2010/FCC – PGE/AM – Procurador) NÃO é situação que configura nepotismo. de interessados e de outros que visem obter quaisquer favores. benesses ou vantagens indevidas em decorrência de ações imorais. d) é dever do servidor público cumprir. 20. na conduta do servidor público. para cargo de assessor em gabinete de outro Deputado Estadual. (D) sogro de Deputado Estadual. Cyonil Borges www. com critério. devendo ser acrescida da ideia de que o fim é sempre o bem comum. a sofrer a incidência da Súmula Vinculante 13. não se confunde com a vida particular de cada servidor público. tanto quanto possível. é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. mantendo tudo sempre em boa ordem. e) a moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal. Profº. (B) irmão adotivo de Secretário de Estado para cargo de diretor na respectiva Secretaria. ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. editada pelo Supremo Tribunal Federal. ilegais ou aéticas e denunciá-las. c) toda pessoa tem direito à verdade.com.Curso de Direito Administrativo. de contratantes.

Cyonil Borges www. não sendo admitido o sigilo.com. (2010/FCC – Casa Civil/SP . 23. orçamentária e financeira dos órgãos e entidades da administração direta e indireta poderá ser ampliada mediante contrato. (E) é elemento formativo do ato. sendo necessário que os seus sejam adequados à moralidade administrativa. (B) é elemento formativo do ato. (C) é a divulgação oficial do ato para conhecimento público e início de seus efeitos externos. como um dos princípios básicos da Administração. e) as formas de participação do usuário na administração pública direta e indireta regularão especialmente as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em geral. (2010/FCC – TRE/RS – Analista Administrativo) A publicidade. ainda que irregular. 21. sem exceção. (A) deve ser observada em todo e qualquer ato administrativo.Executivo-Público) princípio ético da Administração Pública brasileira que: É a) as pessoas jurídicas prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes. 22. b) a ação do administrador público deve ser limitada ao razoável aproveitamento dos meios e recursos colocados à sua disposição. causarem a terceiros. (2010/FCC – TRE/AL – Analista Judiciário – Judiciária – adaptada) A publicidade de ato administrativo que produz consequências jurídicas fora do órgão que o emite (A) é sempre necessária. Profº. (D) convalida o ato. (B) confere-lhe eficácia perante as partes e terceiros. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (E) sobrinho de Secretário de Estado para cargo de dirigente de autarquia estadual.br 10 .estrategiaconcursos.Curso de Direito Administrativo. (C) é requisito de eficiência e impessoalidade. d) a autonomia gerencial. c) não bastará ao agente público cumprir os estritos termos da lei. nessa qualidade. em exercícios.

com. inclusive os normativos. (C) As edições eletrônicas do Diário Oficial da União são meramente informativas. Profº. (D) A publicação de atos. Cyonil Borges www. (2005/FCC – PMS/Advogado) Dentre os princípios que devem ser obedecidos pela Administração. é correto afirmar: (A) A veiculação de notícias de atos da Administração pela imprensa falada. (E) obediência. (D) eficiência.Curso de Direito Administrativo. (2010/FCC – MPE/SE – Direito) Sobre o princípio da publicidade. a publicidade terá sido alcançada com a simples afixação do ato em quadro de editais. (E) A publicidade é elemento formativo do administrativo. (E) também pode ser usada para a promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos. 26. 24. Esse verdadeiro dever de boa administração é o princípio da a) impessoalidade. colocado em local de fácil acesso do órgão expedidor. (B) moralidade. escrita e televisivada atende ao princípio da publicidade. perfeição técnica e economicidade traduz o dever de: (A) agir. não produzindo. um exige resultados positivos para o serviço público e satisfatório atendimento às necessidades da comunidade e de seus membros. 25. em nenhuma hipótese. (B) Se a lei não exigir a publicação em órgão oficial. c) moralidade.estrategiaconcursos. em exercícios. b) legalidade. salvo no período eleitoral. os mesmos efeitos que as edições impressas. (C) prestação de contas. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (D) é obrigatória apenas para os órgãos a Administração direta.br 11 . (2010/FCC – TRE/AL – TÉCNICO) A imposição de que o administrador e os agentes públicos tenham sua atuação pautada pela celeridade. contratos e outros instrumentos jurídicos. pode ser resumida. sendo facultativa para as entidades da Administração indireta.

(2010/FCC – TJ/PI – Assessor) A Emenda Constitucional no 19. II. Sua estratégia volta-se para a definição precisa dos objetivos que o administrador público deverá atingir em sua unidade. (E) I e II. O cidadão é visto como contribuinte de impostos e como cliente dos seus serviços. (E) publicidade. Este princípio é o da: Profº. retardando. ofende o princípio da: (A) impessoalidade. (2010/FCC – TRT/PR . 29. Cyonil Borges www. (B) moralidade. por exemplo. 28. III. (C) II. Os cargos são considerados prebendas. III e V. V. III e IV. (2007/FCC – TRE/MS) Entidade administrativa que presta serviço público com excessiva burocracia e produtividade precária. IV. 37 da atual Constituição Federal Brasileira. É correto o que consta APENAS em: (A) II. assim.Curso de Direito Administrativo. (D) eficiência. 27. acrescentou um importante princípio ao rol do art.estrategiaconcursos. (C) legalidade. os contratos de gestão e as organizações sociais.br 12 .Analista Administrativo) Sobre as características da administração pública gerencial considere: I.com. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 d) publicidade. No plano da estrutura organizacional tornam-se essenciais a descentralização e a redução dos níveis hierárquicos. o qual tem norteado a criação de novos institutos jurídicos como. III e IV. o interesse da coletividade. e) eficiência. (B) I. Tem como princípios orientadores do seu desenvolvimento o poder racional-legal. (D) I e V. de 4 de junho de 1988. em exercícios.

estrategiaconcursos.br 13 . Cyonil Borges www. uma vez que autoriza a Administração Pública a adotar medidas formalmente em desacordo com a lei em prol do aumento de produtividade e agilidade. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (A) legalidade. (2010/FCC – TCE/AP – Procurador de Contas)29. aquele princípio que melhor se vincula à proteção do administrado no âmbito de Profº. 31. (E) proporcionalidade. uma vez que autoriza a derrogação do regime jurídico de direito público e a aplicação do direito privado quando este se mostrar financeiramente mais atrativo. estruturar e disciplinar a Administração Pública. apresenta-se em: (A) hierarquia superior aos demais princípios constitucionais. que rege a Administração Pública.com. (B) relação ao modo de estruturação da Administração Pública. em exercícios. (E) nível materialmente superior ao princípio da legalidade. (D) impessoalidade. (2000/Esaf – MPOG) A vedação da aplicação retroativa da nova interpretação da norma administrativa ampara-se no princípio da a) legalidade b) proporcionalidade c) segurança jurídica d) finalidade e) razoabilidade 32. (C) eficiência. não apenas em relação a atuação do agente público. 30. (D) relação ao modo de organizar. no rol abaixo. Assinale. (B) moralidade. (2005/Esaf – APO – MP) Os princípios da Administração Pública estão presentes em todos os institutos do Direito Administrativo. eis que também possui prevalência superior apriorística. (C) mesmo nível de hierarquia do princípio da supremacia do interesse público. O princípio constitucional da eficiência. uma vez que deve nortear toda a atuação da Administração Pública.Curso de Direito Administrativo.

em exercícios.br 14 . ( ) Decadência. (B) Os princípios da segurança jurídica e da supremacia do interesse público não estão expressamente previstos na Constituição Federal. Profº. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 um processo administrativo. (2010/FCC – TRE/AM – Analista Administrativo) A respeito dos princípios básicos da Administração.Curso de Direito Administrativo. ( ) Presunção de legitimidade e legalidade dos atos da Administração. a) legalidade b) proporcionalidade c) moralidade d) ampla defesa e) segurança jurídica 33. há dois princípios que visam garanti-la. perfeição e rendimento funcional. ( ) Prescrição.com.estrategiaconcursos. quando se refere à interpretação da norma jurídica. (2010/Esaf – MPOG/APO) Relativamente à necessidade de estabilização das relações jurídicas entre os cidadãos e o Estado. levando em consideração os aspectos objetivos e subjetivos presentes para a estabilização mencionada. a) 1 / 1 / 2 / 2 b) 2 / 1 / 2 / 1 c) 2 / 2 / 1 / 1 d) 1 / 1 / 1 / 2 e) 2 / 2 / 2 / 1 34. é correto afirmar: (A) Em razão do princípio da moralidade o administrador público deve exercer as suas atividades administrativas com presteza. (2) Proteção à confiança – aspecto subjetivo. ( ) Boa-fé. Assinale a resposta que contenha a correlação correta. Cyonil Borges www. (1) Segurança Jurídica – aspecto objetivo.

sujeito a mandamentos da lei e às exigências do bem comum. em exercícios. Dentre os princípios básicos da Administração não se incluem o da publicidade e o da eficiência. (2010/FCC – TRE/AM – Analista Contador) A propósito da atividade administrativa. IV. desde que atenda aos interesses do Governo.br 15 . ou de dar fim diverso do previsto em lei. traduzindo-se. (C) II. (2010/FCC – ALESP – TÉCNICO LEGISLATIVO) A respeito dos princípios da administração pública é correto afirmar que (A) se aplicam também às entidades integrantes da Administração indireta.com. serviços e interesses da coletividade. IV e V. um dever para o agente que o detém. Profº. Está correto o que se afirma APENAS em (A) I. exceto àquelas submetidas ao regime jurídico de direito privado. II e III. em toda a sua atividade funcional. conservação e aprimoramento dos bens. considere: I. no Direito Público é uma imposição.estrategiaconcursos. O princípio da legalidade significa que o administrador público está. (E) O princípio da segurança jurídica permite a aplicação retroativa 35. situando-se em primeiro lugar os princípios da legalidade e da supremacia do interesse público sobre o privado. (B) possuem uma ordem de prevalência. (E) III e V. isto é. (B) I. Enquanto no Direito Privado o poder de agir é uma faculdade. portanto. de encargo de defesa. (D) III e IV. Cyonil Borges www. IV e V. (D) Por força do princípio da publicidade todo e qualquer ato administrativo. deve ser publicado em jornal oficial. No desempenho dos encargos administrativos o agente do Poder Público tem liberdade de procurar qualquer objetivo. num poder-dever. 36. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (C) A publicidade é elemento formativo do ato e serve para convalidar ato praticado com irregularidade quanto à origem. sem exceção. V. II. A administração pública tem natureza de múnus público para quem a exerce. III.Curso de Direito Administrativo.

de forma que uma vez atendido este último considera-se atendido também o primeiro. II Exigência de que a atividade administrativa seja exercida com presteza. sujeito aos mandamentos da lei e às exigências do bem comum. (E) o princípio da moralidade é considerado um princípio prevalente e a ele se subordinam o princípio da legalidade e o da eficiência. 37. é correto afirmar que o princípio da (A) moralidade é subsidiário ao princípio da legalidade. em igual medida e de acordo com as ponderações determinadas pela situação concreta. (2010/FCC – APOF) A respeito dos princípios que regem a Administração pública. (D) se aplicam. (B) eficiência. (D) publicidade obriga as entidades integrantes da Administração direta e indireta a publicarem extrato dos contratos celebrados.Curso de Direito Administrativo. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (C) o princípio da eficiência com o advento da Emenda Constitucional no 19/98 ganhou acento constitucional.com. razoabilidade e legalidade. perfeição e rendimento funcional. respectivamente. a todas as entidades integrantes da Administração direta e indireta. (E) legalidade determina que todos os atos praticados Administração devem contar com autorização legal específica. aos princípios da (A) motivação. As afirmações acima dizem respeito. em toda a sua atividade funcional.br 16 .estrategiaconcursos. III Dever de expor expressamente os motivos que determinam o ato administrativo. em exercícios. passando a sobrepor-se aos demais princípios gerais aplicáveis à Administração. pela 38. Cyonil Borges www. Profº. (C) eficiência autoriza as sociedades de economia mista que atuam no domínio econômico a contratarem seus empregados mediante processo seletivo simplificado. impessoalidade e finalidade. (2010/FCC – TRE/AL – Analista Judiciário Contabilidade) Sobre os princípios básicos da Administração Pública. (B) supremacia do interesse público sobre o privado autoriza a Administração a impor restrições aos direitos dos particulares. observados os parâmetros de mercado. considere: I O administrador público está. independentemente de lei.

IV. vedada a promoção pessoal. II e IV. (2006/FCC – TRE/SP-Téc. em exercícios. (B) I.br 17 . eficiência e motivação. A publicidade é elemento formativo do ato administrativo. III e IV. o que impõe ao agente público. Cyonil Borges www. Quanto ao princípio da motivação.) Dentre os princípios da Administração Pública. ou seja. II. não se admite a chamada motivação aliunde. investigações policiais. finalidade e eficiência. (D) I e IV.Curso de Direito Administrativo. respectivamente. só se admitindo sigilo nos casos de segurança nacional. (E) II e III. (E) legalidade. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (C) legalidade. 40. é o mais moderno princípio da função administrativa e exige resultados positivos para o serviço público e satisfatório atendimento das necessidades da comunidade e de seus membros. Todo ato administrativo deve ser publicado. consistente em declaração de concordância com fundamentos de anteriores pareceres. decoro e boafé. ou interesse superior da Administração a ser preservado em processo previamente declarado sigiloso.Jud.com. sua divulgação oficial para conhecimento público é requisito imprescindível à própria formação do ato e consequente produção de efeitos jurídicos. (D) proporcionalidade. introduzido pela Emenda Constitucional no 19/1998. denominam-se. Está correto o que consta APENAS em (A) II.TRT/9R . informações. quando no exercício de suas funções.Analista Judiciário) Analise as seguintes assertivas acerca dos princípios básicos da Administração Pública: I. III. objetividade no atendimento do interesse público.estrategiaconcursos. O princípio da eficiência. 39. (C) I e II. decisões ou propostas. Profº. e o que obrigao a atuar segundo padrões éticos de probidade. (2010/FCC . proporcionalidade e fundamentação.

41.br 18 . Em sua atividade. 42. O princípio da publicidade torna obrigatória a divulgação de todos os atos e contratos da Administração Pública. IV. Cyonil Borges www. Na administração pública. é correto afirmar que: a) o instituto da legalidade pode ser chamado de princípio da proibição do excesso. também o honesto do desonesto. com algumas exceções. Profº. b) eficiência e moralidade. c) impessoalidade e legalidade. e pode ser descumprido pela vontade das partes. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 a) moralidade e impessoalidade. I. e) III e IV. diferentemente do que ocorre na esfera privada. b) na administração pública é lícito fazer tudo o que a lei não proíbe. em exercícios. d) II e IV. (2006/FCC – TCE/PB/Direito) Com relação aos princípios da administração pública no Brasil. c) II e III.com. O agente administrativo deve saber distinguir não apenas o ato legal do ilegal.Curso de Direito Administrativo. Está correto o que afirma APENAS em a) I.estrategiaconcursos. III. II. b) II. (FCC – TRT-20ªR – 2006) Em relação aos princípios básicos da Administração Pública. mas. considere as afirmativas abaixo. d) impessoalidade e moralidade. é lícito fazer tudo o que a lei não proíbe. atendendo ao princípio da moralidade. e) legalidade e eficiência. o administrador público deve ser capaz de distinguir os cidadãos segundo seus méritos. c) a moralidade administrativa se confunde com a moralidade comum e a ilegalidade.

Cyonil Borges www. sem autorização do chefe imediato. (1998/Esaf – Técnico do Tesouro Nacional – TTN) O princípio da continuidade do serviço público acarreta as seguintes consequências. (B) supremacia do interesse público.br 19 . 43. o princípio da: (A) razoabilidade. (C) motivação.Curso de Direito Administrativo. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 d) o princípio constitucional da impessoalidade nada mais é do que o clássico princípio da finalidade. por ser um princípio abstrato. sendo competente e adotando regular processo disciplinar com direito ao contraditório e ampla defesa. restrições e sanções medida superior àquelas estritamente necessárias atendimento do interesse público. aplica sanção administrativa de demissão a servidor que se ausentou do serviço durante o expediente. está-se referindo princípio da: (A) legalidade.com.estrategiaconcursos. (E) impessoalidade. (C) proporcionalidade. e) a razoabilidade. (D) moralidade. 45. exceto: a) restrições ao direito de greve b) aplicabilidade da “exceção do contrato não cumprido” contra a Administração. deve ser aferido segundo os valores de um homem com notável cultura jurídica e social. (2010/FCC – TRT/8R – Analista/Administrativa) Agente público que. 44. (B) motivação. infringe. (2010/FCC – TRE/AC – Técnico) Quando se fala vedação de imposição de obrigações. em exercícios. (E) eficiência. (D) impessoalidade. dentre outros. por atrasos superiores a trinta dias c) possibilidade do instituto da delegação de competência d) previsão de Administração prazos rígidos para os contratantes com a em em ao ao Profº.

II. impessoalidade. Cyonil Borges www. (D) O princípio da publicidade obriga a presença do nome do administrador nos atos. (E) O princípio da motivação não exige a indicação dos pressupostos de fato e de direito que determinarem a decisão administrativa. serviços e campanhas do Poder Público. publicidade e eficiência. moralidade. em exercícios. para quem contrata com a Administração. a autoridade competente deve indicar os pressupostos de fato e de direito que determinaram sua decisão. aos a) moralidade e da publicidade.estrategiaconcursos. c) impessoalidade e da razoabilidade. analise: I. de regra. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 e) cláusulas de privilégio para a Administração na execução do contrato administrativo 46. 47. invocar a exceção do contrato não cumprido nos ajustes que tenham por objeto a execução de serviços públicos.br 20 . (2007/FCC – Defensoria Direito Administrativo. respectivamente. os da legalidade. Profº.com. e) eficiência e da legalidade.Curso de Direito Administrativo. (2006/FCC – MP/Técnico) No que tange aos princípios administrativos. Pública/SP) Princípios do (A) O princípio da moralidade só pode ser aferido pelos critérios pessoais do administrador. entre outros. d) continuidade do serviço público e da motivação. (B) São princípios explícitos da Administração Pública. Nos processos administrativos. É vedado. b) legalidade e da proporcionalidade. As proposições princípios da: citadas correspondem. obras. (C) O princípio da razoabilidade ou proporcionalidade não é princípio consagrado sequer implicitamente.

Muitas vezes a expressão é conjugada com um qualificativo. igualmente. . ao tópico do edital “Princípios da Administração Pública”. de licitações. em parte. Assim. em exercícios.Regime de concurso público: para passar no concurso público. .com. Cyonil Borges www. a expressão diz principais aplicáveis aos servidores respectivamente. vez ou outra.br 21 . Vencida esta etapa. malhar (natação.Regime de escola militar: para cumprir o estágio militar. devemos acordar cedo. que. sob pena de não alcançarmos a excelência na formação militar. império) sobre os administrados? Se negativa a resposta. a seguir.Curso de Direito Administrativo. que lhe trará adjetivação. regime Há regime jurídico respeito às normas e às licitações. enfim. qual o instrumento para a opção do regime jurídico: a CF/1988 e a Lei? Profº. antes de ingressarmos nas questões. todavia. há. nada impede. o resultado final (passar no concurso) não será facilmente alcançável. jacuba das cores mais variadas). referem-se. devemos seguir um conjunto de normas e de princípios. pergunto: será que o regime jurídico adotado pela Administração é formado só por normas de Direito Público? Será que a Administração acha-se sempre em posição de verticalidade (unilateralidade.estrategiaconcursos. vencermos breves considerações teóricas sobre regime jurídico? De pronto. Trazendo agora para a nossa realidade. O nosso curso é de exercícios. vamos definir a expressão “regime” isoladamente. cumprir uma série de princípios e de regras. Nesses casos. caso contrário. passar pela provação das refeições (carne de monstro. propriamente ditas. Por exemplo: . estudar. sejam apresentadas algumas breves noções teóricas. sob pena de não alcançarmos o objetivo desejado. Há regime jurídico de servidores. Regime quer dizer o conjunto de normas e de princípios aplicáveis a uma determinada situação. jurídico. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 QUESTÕES COMENTADAS As questões. corridinha mixuruca que não dá nem pra cansar). um termo. que tal.Regime de peso: para emagrecer devemos seguir um conjunto de regras (caminhar uma hora/dia) e de princípios (evitar a gula).

estrategiaconcursos. 173. a priori. enquanto que o direito privado pela igualdade jurídica. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Vamos ao velho estilo “Jack” (por partes). obviamente..Curso de Direito Administrativo. E o Banco do Brasil (BB). vimos que o direito público é marcado pela unilateralidade. a leitura do art. portanto). dispondo sobre: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19. de 1998) (. Lembram? Façamos. Será que tais entes são pessoas jurídicas de Direito Público ou de Direito Privado? Será que o regime é de Direito Público ou de Direito Privado? Na aula DEMO. agora. Quem já ouviu falar em Caixa Econômica Federal (CEF)? Todos. inclusive quanto aos direitos e obrigações civis. em conclusão).a sujeição ao regime jurídico próprio das empresas privadas. alguém já ouviu falar? Claro que sim! O BB é sociedade de economia mista da União (é do Estado. comerciais. em exercícios. §1º.) II . trabalhistas e tributários.br 22 . Em síntese: a CF/1988 definiu. Cyonil Borges www. da CF/1988: A lei estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública.com. A CEF é empresa pública da União (é do Estado. da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias que explorem atividade econômica de produção ou comercialização de bens ou de prestação de serviços. o regime das empresas governamentais como de Direito Privado (próprio das empresas Profº..

percebemos que a Lei disporá sobre o regime das empresas concessionárias.. bem como as condições de caducidade. Em suma: nem sempre a Administração Pública é regida só por normas de Direito Privado. levou parte dos doutrinadores à classificação de que existe algo maior que regime jurídico administrativo. Assim. qualquer espaço para a adoção de regime jurídico distinto. Responsável. em sentido amplo). fiscalização e rescisão da concessão ou permissão. Chegamos a conclusão de que o conceito de “DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA” é MAIOR que “ADMINISTRATIVO”. por englobar tanto as normas de Direito Público (regime jurídicoadministrativo). A lei disporá sobre: I . é o Regime Jurídico DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (ou regime jurídico administrativo. aplicáveis à própria administração em situações específicas.). podendo ser: Direito Público ou Direito Privado ou Híbrido (público e privado). ora ao Direito Privado. pelo legislador ordinário. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 privadas). Distintamente das empresas do Estado (CEF e BB. portanto. além da própria CF/1988. o caráter especial de seu contrato e de sua prorrogação. (. 175 da CF/1988: Art. podendo o regime ser definido como de Direito Público. Parágrafo único. Essa submissão ora ao Direito Público. em que o regime é. a prestação de serviços públicos.Curso de Direito Administrativo.com.estrategiaconcursos. Incumbe ao Poder Público. por exemplo). não deixando.. sempre através de licitação. na forma da lei. como as de Direito Privado (regime jurídico de direito privado). nos termos da CF/1988. nesse instante. Cyonil Borges www. ou a ambos. diretamente ou sob regime de concessão ou permissão. primordialmente.o regime das empresas concessionárias e permissionárias de serviços públicos. regime jurídico DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA não abrange tãoProfº. do art. assim.br 23 . em exercícios. logo. Assim. 175. temos que nem sempre o Estado se submete integralmente às normas de Direito Público. de Direito Privado. Façamos a leitura.

contrapartida das prerrogativas. não há só prerrogativas (autonomia). em exercícios. Todavia. é no regime jurídico-administrativo (de Direito Público) que a Administração dispõe de prerrogativas (de força. Poderia o Administrador livremente. Isso ocorre em razão do significado que o Estado representa na sociedade: a de ser responsável pelo cumprimento dos interesses coletivos (públicos). Profº. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 somente o regime JURÍDICO-ADMINISTRATIVO. Como exemplos de tais prerrogativas: o exercício do poder de polícia. restringindo o que se poderia nominar de “liberdade” da Administração em realizar contratos. de supremacia sobre os particulares). ao seu arbítrio. a desapropriação de bens.com. Vamos a mais um exemplo. Imagine que a Administração Pública tenha de adquirir veículos e toma conhecimento que uma loja está com uma “promoção”. inc. a possibilidade de aplicação de sanções administrativas independentemente da intervenção judicial. Jamais! Existem também as restrições (liberdade). adquirir os veículos? Sonoramente. com preços bastante inferiores aos correntes no mercado. No entanto. a Administração Pública dispõe de “poderes especiais” que não são colocados à disposição do particular. Cyonil Borges www. como também o de DIREITO PRIVADO.estrategiaconcursos. 37. o regime jurídico-administrativo poderia ser resumido em duas expressões: prerrogativas e sujeições do Estado no desempenho de suas atividades Administrativas. XXI). NÃO! A razão disso que é Constituição Federal submete a Administração ao dever de licitar suas aquisições (art. Portanto.br 24 . no regime jurídico-administrativo. Em consequência.Curso de Direito Administrativo.

o inc. os órgãos ou entidades da Administração Pública se encontram em posição “horizontal” quando comparados ao particular. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Ainda quanto aos regimes jurídicos aplicáveis à Administração. em exercícios. nestes casos. 173 da CF/1988 estabelece que as empresas públicas e sociedades de economia mista que explorem atividades econômicas se submetem às mesmas normas que valem para as empresas privadas quanto a direitos e obrigações civis.Curso de Direito Administrativo. comerciais. trabalhistas e tributárias. preponderantemente. É o que acontece. a Administração Pública pode estar submetida. o Banco do Brasil. a normas do Direito Privado. como sobredito. II do §1º do art. por exemplo. sociedade de economia mista federal.estrategiaconcursos. ao atuar no mercado. Cyonil Borges www. Profº. na exploração de atividades econômicas por parte do Estado. submete-se às mesmas “regras do jogo” que valem para os bancos privados.br 25 . como já se disse. A doutrina clássica costuma firmar que. Assim.com. Com efeito.

Isso se dá porque. como princípio constitucional do Direito Administrativo: (A) A exigibilidade. a revogação dos atos inconvenientes e inoportunos. Prontos? Vamos. (B) A constituição de terceiros em obrigações mediante atos unilaterais.estrategiaconcursos. significando a previsão legal de sanções ou providências indiretas que induzem o administrado a acatá-los. avançar pelas questões propostas. contam com restrições de Direito Público. devem realizar concursos públicos. dentre as expressões da supremacia do interesse público. apesar de não gozarem de prerrogativas. (D) O dever de anular ou convalidar os atos inválidos que haja praticado.Curso de Direito Administrativo. (C) Dentro de certos limites. Por exemplo: a CEF e o BB devem licitar. merece ser dado. em exercícios. agora. Por mais que a Administração Pública submeta-se predominantemente ao Direito Privado. Cyonil Borges www. independentemente de qual regime jurídico é aplicável ao caso. esta submissão não é integral. ao fim.com. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Cuidado especial. no entanto. ou seja. 1) (2010/FCC – ALESP – Procurador) NÃO se inclui.br 26 . Profº. o papel dos órgãos/entidades da Administração é o alcance do interesse público.

a banca. Na alternativa B. Comentários: Revimos que o regime jurídico administrativo alicerça-se em dois primados: o da indisponibilidade do interesse público/legalidade e o da supremacia do público sobre o privado. o tal PODER EXTROVERSO. Partindo da premissa de que supremacia são PODERES.br 27 . Na alternativa A. um bom candidato ficaria entre as alternativas “D” e “E”. enfim. faz-se o registro da exigibilidade. Excelente quesito! Profº. vamos vasculhar os itens e marcar aquele que traduz DEVER (restrição ou sujeição). Atributo é uma característica do ato administrativo que o diferencia do ato de direito privado. inicia com o substantivo “DEVER”. dirigindo o candidato a “cair de cabeça”. Perceba que. Assim. São notas peculiares que singularizam os atos do Estado. em exercícios. Ou seja. tendo a PRERROGATIVA de revê-los por vício de legalidade (anulando-os ou consertando-os) e por conveniência e oportunidade (revogando-os). no item “D”. “maliciosamente”. Isso mesmo.com. O primeiro traduz as restrições/sujeições.Curso de Direito Administrativo. Acontece que a anulação é aplicação do PODER DE AUTOTUTELA. dos PODERES garantidos aos administradores para o manejo da coisa pública. os DEVERES impostos aos administradores da coisa pública. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (E) A ideia de que a Administração tem que tratar todos os administrados sem distinção. Esta é atributo do ato administrativo. enfim. nos termos da Súmula 473 do STF. Cyonil Borges www. a banca alude à revogação. O segundo é tradutor das prerrogativas. do atributo da Na alternativa C. a Administração não precisa do Poder Judiciário para fiscalizar seus próprios atos. temos a representação imperatividade.estrategiaconcursos. dando-lhe PODER. Esta é uma forma de desfazimento que decorre do PODER DE AUTOTUTELA DA ADMINISTRAÇÃO.

Cyonil Borges www. norteiam a elaboração legislativa e a aplicação das normas jurídicas (função orientadora). IV.com. que tal algumas considerações sobre os princípios da Administração antes de adentrarmos. 2) (2006/FCC – Advogado/CEAL) Os princípios constitucionais que regem a Administração Pública podem ser expressos ou implícitos. propriamente. I. dentre outras características. A ideia de que a Administração tem que tratar todos os administrados sem distinção é. a dimensão e o conteúdo nas normas jurídicas (função interpretativa). Não são discricionários. nas questões? A palavra princípio quer significar o que vem antes ou depois? Claro que antes! Os princípios são os vetores fundamentais que alicerçam o edifício jurídico (das regras). têm funções normogenética e discricionária. assim. Profº.Curso de Direito Administrativo. com a alternativa E. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Ficamos.br 28 . III. em exercícios. SUJEIÇÃO. c) I e IV. esclarecem o sentido.estrategiaconcursos. ao contrário disso. não permitem uma compreensão global e unitária do texto constitucional. sendo certo que. a harmonia na aplicação do direito (função supletiva). Gabarito: alternativa E. e) III e IV. d) II e IV. II. É correto o que consta APENAS em a) I e II. Comentários: Oi lá! À semelhança do que fizemos na parte de Regime Jurídico. são multifuncionais. uma RESTRIÇÃO. sem dúvida. mas desprovidas de funções sistêmica e vinculante. ou ainda. daí sua correção. b) I e III.

que os princípios são dotados de carga normativa mais perene do que as regras jurídicas. por fim. Pois bem. 2º da Lei 9. como os do art.784/1999 (Lei de Processo Federal). Com um exemplo bem pragmático. E seus pilares. ou seja. Se tivéssemos uma parte do alicerce mais elevada que as demais. principalmente porque não há hierarquia material entre princípios (princípio da eficiência é o mais recente. daqui por diante. nosso prédio certamente tombaria (exceção feita para a Torre inclinada de Pisa ). claro. seus princípios. são depreendidos do sistema jurídico-administrativo-constitucional. também. fica mais tranquilo entender o queremos dizer com relação à ausência de hierarquização entre princípios. convivem sim harmonicamente). e as janelas são as regras (leis). Outros princípios vêm em textos legais. 37 da CF/1988. Como dito.estrategiaconcursos. Cyonil Borges www. e. em exercícios. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 são “comandos” vinculantes e inspirados na atividade legislativa e. não apaga a legalidade.com. é a Administração Pública. dão suporte a toda atividade da Administração. a partir da interpretação da ordem jurídica. por serem orientativos. que devem estar nivelados. os princípios constitucionais não possuem. a doutrina pátria “constrói” inúmeros princípios.Curso de Direito Administrativo. Começamos por onde? Pela sua base. Fácil perceber. Vem Profº.br 29 . Há quem diga que a não observância aos princípios é mais grave que ignorar o comando legal. concordam? Alguns desses “pilares” são explícitos na Constituição e constam do caput do art. na genética (DNA) das leis encontramos os princípios. Outros são encontrados implicitamente no texto constitucional. Nosso “prédio”. TODOS são de igual importância. na administrativa. afinal. portanto. porém. Imaginem a construção de um prédio. Ah! Quebrar a janela é menos grave que derrubar um dos alicerces. seus alicerces. por exemplo. para que o prédio não corra risco de desmoronar. entre si. hierarquização conceitual: não há princípio mais ou menos importante. os princípios têm função normogenética.

dos demais. em razão do estrito dever de a Administração obedecer à lei. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 a pergunta: se não há hierarquia. Com efeito. impedindo o abuso quanto à opinião. logo. Assim. IV do art. todos se equiparam. Foi realizada uma comunicação anônima no TCU ou no MPF a respeito de fatos graves praticados no âmbito da Administração Pública. mas a situação seria apurada. em exercícios. Dessa forma.br 30 . mas não em um processo autuado como denúncia. deve o TCU ou o MP determinar o arquivamento do processo? Não é bem assim.estrategiaconcursos. por exemplo. por outro. Assim. mas noutro. por intermédio de seus agentes. os princípios não possuem. como dito. Poderia o Estado simplesmente não apurar por conta da sobredita vedação ao anonimato? Claro que não! Deveria apurar. é que um (ou mais de um) princípio pode prevalecer quando comparado a outro (princípio da preponderância de interesses). 5º). o texto constitucional veda o anonimato (inc. O entendimento é equivocado. devemos afastar a “velha” ideia de que o princípio da legalidade está além. Pergunta-se: qual seria o princípio a amparar essa apuração de ofício? Profº. não há impedimento para que o TCU e o MP adotem medidas de ofício (por iniciativa sua) para averiguação de fatos informados mediante documentos apócrifos. se fundamentada estivesse. a denúncia não seria conhecida. Se. imagine-se que os fatos comunicados ao Estado sejam extremamente graves e que possuam claros indícios de serem verdadeiros. garantindo-se a identificação do eventual denunciante. como resolver eventuais conflitos? Em síntese: o que acontece. acima.com. A Administração Pública não pode se furtar de atender o interesse público. hierarquização material: não há princípio mais ou menos importante. Explicando de uma forma mais “construtiva”. por um lado. como. entre si.Curso de Direito Administrativo. Ora. em um caso concreto. a liberdade de expressão não é absoluta. numa representação da Unidade Técnica. Cyonil Borges www.

Abaixo. Item I – CORRETO. aplica-se apenas às empresas públicas e sociedades de economia mista que atuam no domínio econômico. Os princípios têm funções normogenética e vinculante. com o advento da Emenda Constitucional no 19. permitem uma compreensão global do texto constitucional e a harmonia na aplicação do direito.estrategiaconcursos. as análises dos quesitos. em exercícios. providos de função sistêmica. ligado ao conceito de Administração Gerencial. direta e indireta. (E) todas as entidades integrantes da Administração Pública.INCORRETO.CORRETO.Curso de Direito Administrativo. (B) o princípio da eficiência passou a sobrepor-se aos demais princípios gerais aplicáveis à Administração. exceto àquelas submetidas ao regime jurídico de direito privado. (C) o princípio da moralidade é considerado um princípio prevalente e a ele se subordinam o princípio da legalidade e eficiência. o princípio da verdade real (ou material) determinaria a apuração. de fato. estão obrigadas Profº. independentemente de seu regime jurídico. Gabarito: alternativa B. Item IV INCORRETO.com. que consolidou o modelo de Administração Gerencial. 3) (2010/FCC – PMSPE – CIÊNCIAS CONTÁBEIS) A Administração Pública sujeita-se à observância de determinados princípios. Os princípios. (D) o princípio da eficiência. Em relação a esses princípios. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Além da legalidade. Cyonil Borges www. servem para esclarecer o sentido. além da função sistêmica. impessoalidade e moralidade. Norteiam a elaboração legislativa e a aplicação das normas jurídicas (função orientadora). a dimensão e o conteúdo nas normas jurídicas (função interpretativa). é correto afirmar que (A) aplicam-se também às entidades integrantes da Administração indireta. Os princípios.br 31 . insculpidos na Constituição Federal. Item III . Item II .

nesse contexto. em exercícios.com.br 32 . e Municípios). da Em termos de texto constitucional. Moralidade. São princípios constitucionais expressos da Administração Pública (LIMPE): Legalidade. É útil. consagra as normas básicas regentes da Administração Pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União. do Título III (Da organização do Estado). e proclama os princípios constitucionais essenciais para a probidade e transparência na gestão da coisa pública. Tais princípios valem para TODOS os Poderes. Distrito Federal.Curso de Direito Administrativo. de TODOS os entes integrantes da Federação Brasileira (União.estrategiaconcursos. Estados. da Constituição da República Federativa do Brasil. da moralidade. Publicidade e Eficiência. o Capítulo VII. dos Estados. Impessoalidade. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 a observar o princípio da impessoalidade e da eficiência. e respectivas Administração Direta e Indireta (se você não sabe o que é significa direta e indireta. a transcrição do dispositivo constitucional: Profº. fica tranquilo(a)). Cyonil Borges www. Isso mesmo. do Distrito Federal e dos Municípios (alcance amplo. não?). isso será visto mais à frente). Comentários: legalidade.

. ligado ao conceito de Administração Gerencial. vejamos os erros nos demais quesitos.Curso de Direito Administrativo. impessoalidade e proporcionalidade. Cyonil Borges www. segurança jurídica.br 33 . em exercícios. (B) o princípio da eficiência passou a sobrepor-se aos A CONVIVER. eficiência e ampla defesa. moralidade.. Exatamente por isso a alternativa “E” está perfeita! Os princípios aplicam-se a toda a Administração Direta e Indireta. aplica-se apenas às empresas públicas e sociedades de economia mista que atuam no domínio econômico. (C) o princípio da moralidade é considerado um princípio prevalente EXPRESSO e a ele se subordinam ALINHAM o princípio da legalidade e eficiência. de 29/01/1999. c) legitimidade. Profº. DE FORMA EXPRESSA. exceto INCLUSIVE àquelas submetidas ao regime jurídico de direito privado. publicidade. motivação e eficácia. Gabarito: alternativa E. dos Estados. independentemente de seu regime jurídico. também. economicidade e publicidade. ao seguinte: (. d) eficiência.784.estrategiaconcursos. 37 . para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Art. (D) o princípio da eficiência. do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade. razoabilidade. A seguir. publicidade e eficiência e. moralidade. 4) (2002/Esaf – AFC/STN) A Lei nº 9. e) impessoalidade.A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União. eficácia. com o advento da Emenda Constitucional no 19. impôs a observância de alguns princípios já previstos expressamente na Constituição então vigente. (A) aplicam-se também às entidades integrantes da Administração indireta.). b) legalidade. tais como os de a) legalidade. COM OS demais princípios gerais aplicáveis à Administração. que regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal. impessoalidade. publicidade e economicidade.com. que consolidou o modelo de Administração Gerencial.

ampla defesa. em exercícios. D) publicidade. 9. 5º) são princípios expressos também na CF. proporcionalidade. contraditório. apenas a legalidade e eficiência são reproduzidos nos dois diplomas. 37. C) pessoalidade. Vamos aproveitar a questão para reproduzir o art. afinal Moralidade. assim. Inúmeros princípios. razoabilidade. além dos princípios expressos na CF. de 1988. segurança jurídica. não há qualquer princípio comum aos dois diplomas. além daqueles constantes da Constituição Federal.Agente Administrativo) Dois estudantes debatiam quanto aos Princípios da Administração Pública. foram positivados (reproduzidos. 5) (2010/FCC . Profº. mas nos serve para demonstrar que. B) moralidade. a Lei 9. Chegamos.784/1999 (Lei de Processo Administrativo Federal – Lei do PAF): A Administração Pública obedecerá. Nas alternativas “C” e “E”.784/1999. Nas alternativas “B” e “D”. previstos) em nossa ordem jurídica para a Administração Federal pela Lei n. Um deles afirmou que NÃO é um dos princípios da administração pública a: A) legalidade. Gabarito: alternativa A.br 34 . à alternativa A. interesse público e eficiência. moralidade. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Comentários: A questão é de ESAF. Legalidade (art. Eficiência. aos princípios da legalidade. motivação.estrategiaconcursos.784/1999 introduziu outros princípios de forma expressa.Curso de Direito Administrativo.com. caput) e ampla defesa (art. Cyonil Borges www. dentre outros. 2º da Lei 9. finalidade.MPA .

o ordenamento constitucional pátrio prevê. permitindo à Administração e ao Judiciário estabelecer o necessário equilíbrio entre os direitos dos administradores e as prerrogativas da Administração. II. sendo o Direito Administrativo de elaboração pretoriana e não codificado. Cyonil Borges www. O poder regulamentar norteia. daí a incorreção da alternativa C. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 E) eficiência. Comentários: Sabemos que os princípios da Administração possibilitam a responsabilização dos agentes estatais. apenas lei em sentido formal pode legitimar a atuação da Administração Pública. IV. restringe e. O princípio aplicável é o da impessoalidade. PMJAB/PROCURADOR) Principiologia no I. delimita o alcance do princípio da legalidade no Direito Público. o princípio da legalidade apresenta alcance e repercussões distintos em relação aos particulares e à Administração Pública. Estão corretas: a) I e III b) I e V c) II e III d) II e IV e) todas. o “P” é de publicidade e não de PESSOALIDADE. bem como visam garantir a honestidade do emprego dos dinheiros públicos. Para Maria Sylvia. 6) (2006/FCC – Direito Público.Curso de Direito Administrativo. Consoante o princípio da reserva legal. Profº. portanto. a Administração sempre pode agir quando a lei não a proíba. V. Em consequência do princípio da legalidade. como regra geral. os princípios representam papel relevante nesse ramo do direito. Comentários: Corre que é sua! “Mata no peito” e corre para o abraço! No LIMPE. À luz do princípio da legalidade.br 35 . Gabarito: alternativa C. a expedição de decretos ou regulamentos autônomos. III.estrategiaconcursos. Quanto aos seus efeitos. em exercícios.com.

de modo expresso ou implícito. fundamental para o Direito Administrativo. Atenção: não confundir “preceder” com “prevalecer”. em exercícios. prontos? Vamos aos quesitos. abstrata e. editada pelo Poder Legislativo. da CF/1988). O art. Item I . essa permissão é excepcional. já que este nasce com aquele. De acordo com a acepção doutrinária clássica do princípio da legalidade. Consagra a ideia de que por meio da norma geral. 84. Cyonil Borges www. 1º. da CF. No entanto. inciso VI. a atuação da Administração objetiva a concretização da vontade geral (art. porém. Prevalecer remete-nos a ideia de hierarquia. parágrafo único. Então. Os decretos autônomos foram reinseridos pela EC 32. O princípio da legalidade é um só. e.INCORRETO. enfim. o alcance e repercussões são distintos em relação aos particulares e à Administração Pública. autoriza.com. permite ao chefe do Executivo a expedição de tais instrumentos para a organização e funcionamento da Administração Pública e para a extinção de funções e cargos vagos.CORRETO. Item II . a Administração Pública só pode fazer aquilo que a norma determina.estrategiaconcursos.Curso de Direito Administrativo. É fruto da necessária submissão do Estado à Lei. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Para concluir que a partir dos princípios da legalidade e da supremacia do interesse público sobre o particular se constroem os demais. Profº.br 36 . como sabemos. inexiste hierarquia material entre os princípios. daí o erro do quesito. de 1988. de 2001. O princípio da legalidade é da essência do Estado de Direito e. tais princípios precedem os demais. portanto. por isso. permite. impessoal.

A reserva legal.estrategiaconcursos. Item II . Excelente quesito! É muito comum acharmos que o princípio da legalidade refere-se ao atendimento exclusivo da lei expedida pelo Poder Legislativo. daí o erro do quesito. permite ao chefe do Executivo a expedição de tais instrumentos para a organização e funcionamento da Administração Publica e para a extinção de funções e cargos vagos. Item V . A história não é bem assim! O princípio da legalidade não se confunde com o da reserva legal. essa permissão é excepcional. Item IV .INCORRETO.Curso de Direito Administrativo. em seu sentido amplo. ao aplicar. 84. Cyonil Borges www. A legalidade para os administradores quer significar “deve fazer assim”. em exercícios. A Assembleia Legislativa. como o próprio nome autodenuncia.br 37 . ou seja. afinal não compete aos administradores restringir onde o legislador não restringiu! Gabarito: alternativa A. por exemplo. de Profº. de 1988. exige que a matéria seja veiculada por meio de lei formal. como. A reserva legal. A história não é bem assim! O princípio da legalidade não se confunde com o da reserva legal. exige que a matéria seja veiculada por meio de lei formal. Os decretos autônomos foram reinseridos pela EC 32. O poder regulamentar norteia e delimita o alcance do princípio da legalidade no Direito Público.CORRETO. No entanto. 7) (2006/FCC – TCE/CE). só pode fazer ou deixar de fazer o que a lei permitir ou autorizar. no exercício de sua atípica função administrativa. Já a legalidade. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Item III . como o próprio nome autodenuncia.INCORRETO. abarca desde os legislativos (os primários) até os mais comezinhos atos administrativos normativos.com. O art. No entanto. regulamentos. da CF.CORRETO. Item III . os regulamentos não servem para restringir o alcance das leis.INCORRETO. inciso VI. Excelente quesito! É muito comum acharmos que o princípio da legalidade refere-se ao atendimento exclusivo da lei expedida pelo Poder Legislativo. de 2001. portarias e instruções.

as alternativas “A” e “B”. Ora. (C) seu poder de revisão. atua em conformidade com: (A) o princípio da reserva legal.br 38 . (E) o princípio da autotutela. Comentários: Profº. Comentários: Questão de fixação e excelente! Imagino que bons candidatos tenham marcado poder regulamentar. (D) proporcionalidade. portanto. Resta-nos. (C) moralidade. resoluções dotadas de abstração e generalidade. Gabarito: alternativa B. 8) (2010/FCC – TRE/AL – TÉCNICO) Quando se afirma que o particular pode fazer tudo o que a lei não proíbe e que a Administração só pode fazer o que a lei determina ou autoriza.estrategiaconcursos. (B) o princípio da legalidade. A legalidade é mais ampla do que o princípio da reserva legal.Curso de Direito Administrativo. não é? Acontece que o poder regulamentar é privativo do Chefe do Executivo. “resolução” por ela anteriormente editada. Cyonil Borges www. Isso mesmo.com. mas não são leis formais. (B) obrigatoriedade. Corre para o abraço e marca alternativa “B”. daí a incorreção da alternativa D. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 ofício. (D) seu poder regulamentar. em exercícios. estamos diante do princípio da: (A) legalidade. Opa! A reserva legal refere-se à expedição de matérias por meio de lei formal. alternativa “D”. (E) contradição.

5º. Apesar de um só. de 1988.estrategiaconcursos. da CF. não pode a Administração operacionalizar os seus atos. os quais podem fazer TUDO que a lei permite e TUDO que a lei não proíbe (a legalidade constitucional). deles não podendo se afastar. por exemplo. perante a administração pública. tirante situações excepcionais. de 1988. da CF.Curso de Direito Administrativo. 9) (2010/FCC – ALESP – TÉCNICO LEGISLATIVO) Um dos princípios que norteiam a gestão pública é o princípio da Legalidade. portanto. Seja o previsto no art. sob pena de invalidade do ato e responsabilização do seu autor. na inexistência de amparo legal.br 39 . seja o estabelecido no art. Gabarito: alternativa A. norteia-se pelo pressuposto de que todos os cidadãos são iguais perante a lei e. Profº.com. Cyonil Borges www. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 O princípio da legalidade é um só. II. quando e como autoriza. agressão estrangeira (a legalidade administrativa). caput. Esse princípio I. A segunda diz respeito aos agentes públicos. presa aos mandamentos da lei. está associado à gestão pública em toda a sua atividade. os quais só podem fazer o que a lei autoriza. como. II. A primeira previsão é dirigida aos particulares. Daí a correção da alternativa A. enfim. 37. em exercícios. o alcance e os nomes são diferentes.

Ora. o princípio da legalidade para o administrador significa “deve fazer assim”. Prontos? Vamos aos quesitos. Para o particular. Isso significa que o agente público. responsável por tornar concreta a missão da Administração Pública. (C) II e III.com. Profº.CORRETO. Comentários: O que sabemos até agora? Que o princípio da legalidade não é restrito à Administração Direta e Indireta e ao Poder Executivo. “pode fazer assim”. IV. (E) IV. o particular. não pode fazer tudo o que não seja proibido em lei. em exercícios. enquanto para os particulares. enquanto o particular age do modo que julgue mais conveniente. os comandos legais são vinculantes. e sim só o que a norma autoriza ou determina. (B) I e III. Tudo o que o servidor faz ou deixa de fazer é pautado em comandos legais. (D) III.br 40 . enfim. Ora. impõe à administração pública a prática de atos voltados para o interesse público. o princípio da legalidade terá caráter mais restritivo que impositivo: não sendo proibido em norma. os comandos legais deixam um espaço para a atuação. por meio dos quais ele possa ser ressarcido por empresas prestadoras de serviços públicos na falta ou inadequação dos serviços.estrategiaconcursos. também vale para os Poderes Judiciário e Legislativo e para os particulares. dispondo de forma livre de sua vontade. mas com outro enfoque (legalidade constitucional): se uma norma não proibir. concluir que a Administração Pública só pode agir da maneira que a lei determinar ou autorizar. fundamenta-se em dispositivos legais direcionados ao consumidor. Está correto o que se afirma APENAS em (A) I. Parafraseando o autor Hely Lopes. desde que a lei (não apenas a Constituição) não o proíba. Item I . Pode-se. pode agir da maneira que melhor entender. previamente. Cyonil Borges www. é possível ao particular fazer. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 III. não deixando qualquer margem de manobra.Curso de Direito Administrativo.

INCORRETO. Item III .INCORRETO. da continuidade do serviço público e da qualidade do serviço público (ou da eficiência). III. servem de ferramenta para os particulares contra a falta ou inadequação dos serviços públicos. Mas.INCORRETO. Item IV . o administrador público está sujeito às exigências do bem comum. Na Administração Pública é lícito fazer tudo que a lei não proíbe. Cyonil Borges www. (B) I e II. (D) III e V. portanto. em toda a sua atividade funcional. II. em exercícios.br 41 .com. V. Impõe à administração pública a prática de atos voltados para o interesse público. O princípio da isonomia ou igualdade é que se norteia pelo pressuposto de que TODOS os cidadãos são iguais perante a lei e. como um dos princípios norteadores da atividade administrativa. A lei para o administrador público significa "pode fazer assim" e para o particular “deve fazer assim”. é o legislador a peça-chave para a conduta da Administração. Gabarito: alternativa A.Curso de Direito Administrativo. cada qual a sua maneira. Está INCORRETO o que se afirma APENAS em (A) I e V. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 permitindo aos servidores discricionariedade administrativa. sujeito aos mandamentos da lei. Item II . Princípios da responsabilidade do Estado. observe o que segue: I.estrategiaconcursos. O administrador público está. 10) (2005/FCC – PMS/ Procurador-CE) Em tema de legalidade. Profº. Na Administração Pública não há liberdade nem vontade pessoal. IV. perante a Administração Pública. No exercício de sua atividade funcional. O princípio da finalidade é um aspecto da impessoalidade. em todos os casos. (C) II e IV.

Cyonil Borges www. Nos termos do princípio da legalidade.Curso de Direito Administrativo.CORRETO. A legalidade é um importante princípio. em toda a sua atividade funcional. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (E) III e IV.CORRETO. A lei para o administrador público significa "DEVE fazer assim" e para o particular “PODE fazer assim”. inclusive aqueles submetidos ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho. que. por vigorar o princípio da indisponibilidade do interesse público e não o princípio da autonomia de vontade. Gabarito: alternativa D. Perceba que a banca só fez inverter os conceitos.estrategiaconcursos. Item III . o administrador público está. 11) (2006/FCC – Procurador/BA) A aplicação do princípio da legalidade. em exercícios. quando vagos. Item V – INCORRETO.INCORRETO. b) a obrigatoriedade de lei para criação de cargos. Item II . c) a não obrigatoriedade de lei para a criação de órgão público. Comentários: Vamos direto às análises. pode ser feita por decreto. caput. traz como consequência: a) a obrigatoriedade de edição de lei para disciplinar a organização e funcionamento da Administração Direta. expresso no artigo 37. No Direito Privado é lícito fazer tudo que a lei não proíbe. mais do que legal.br 42 . os atos administrativos devem visar às exigências do bem comum. afinal nós servidores somos “guiados” por leis. da Constituição Federal. No Direito Público só lícito fazer ou deixar de fazer o que lei autorizar ou permitir. Item I . Opa. sujeito aos mandamentos da lei. quando implicar ou não aumento de despesa. mas não para a sua extinção. Profº. Item IV .com. No entanto.CORRETO. d) a obrigatoriedade de lei para fixação e aumento de remuneração dos servidores públicos. Na Administração Pública não há liberdade nem vontade pessoal.

VI. 12) (2002/Esaf – Fiscal de Tributos Estaduais/PA) Assinale a situação que não se relaciona com o princípio da impessoalidade. e) a exigência de que todos ALGUNS atos praticados pelo Poder Executivo contém prévia autorização legislativa específica. a extinção de cargos ou funções ocupados. E mais: da organização não pode advir incremento de despesas e criação/extinção de órgãos e entidades. houve a reinserção no sistema jurídico da possibilidade de o chefe do Executivo dispor sobre determinadas matérias mediante a expedição de decretos autônomos ou independentes. 84 DA CF (RESERVA LEGAL). em alguma das suas acepções. só é possível falar-se em “reserva da Administração” para a organização e funcionamento da Administração e extinção de cargos ou funções .br 43 . porque nestes casos é SUFICIENTE A EXPEDIÇÃO DE ATOS INFRALEGAIS. Comentários: Com a EC 32. da CF. No entanto. em exercícios. Segundo o art. de 2001.Curso de Direito Administrativo. Gabarito: alternativa “B”.com. d) a obrigatoriedade de lei para fixação e aumento de remuneração dos servidores públicos. 84. chegamos à alternativa “B”. inclusive EXCLUSIVE aqueles submetidos ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho. NOS TERMOS DO ART. Cyonil Borges www. A seguir. Profº. bem como. c) a não obrigatoriedade de lei para a criação de órgão público.estrategiaconcursos. a edição tem balizas constitucionalmente estabelecidas. quando implicar IMPLIQUE OU NÃO aumento de despesa. a) a obrigatoriedade de edição de lei POSSIBILIDADE DE DECRETO AUTÔNOMO para disciplinar a organização e funcionamento da Administração Direta. Assim. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 e) a exigência de que todos os atos praticados pelo Poder Executivo contém prévia autorização legislativa específica. vejamos os erros nos demais itens.

estrategiaconcursos. a impessoalidade como princípio significa que o administrador público só deve praticar atos voltados à consecução do interesse público. Mas. os atos e provimentos administrativos são imputáveis NÃO ao funcionário que os pratica. o tratamento conferido aos administrados em geral deve levar em consideração não o “prestígio” social por estes desfrutado. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 a) Vedação ao uso da imagem da autoridade para promoção pessoal. “baba-baby”.Curso de Direito Administrativo. o princípio da impessoalidade é sinônimo de finalidade. Pode-se dizer que o princípio da impessoalidade tem uma “tripla formulação”. Por tal princípio. voltada ao melhor atendimento dos interesses públicos. tendo em conta o interesse público.br 44 . Obrigação de divulgar os atos administrativos diz respeito ao princípio da publicidade e não ao da impessoalidade. por falar em impessoalidade. Comentários: Essa foi “baba”. d) Verificação da presença do interesse público em todo ato cometido pela Administração Pública. Desse modo. em exercícios. Para esses doutrinadores. e) Obrigação da divulgação pública dos atos oficiais. que deve prevalecer. para parte da doutrina. Profº. Esse foi o objetivo de “copiar” esta questão de ESAF para o nosso curso de FCC. mas ao órgão ou entidade administrativa em nome do qual age o funcionário. b) Provimento de cargo público efetivo mediante concurso público. a atuação impessoal determina uma atuação finalística da Administração. ou seja. Em outra interessante acepção do princípio da impessoalidade. “três faces”. Cyonil Borges www. que tal algumas breves considerações doutrinárias? Let’s go! Vamos conversar um pouco sobre o princípio da impessoalidade. c) Anulação de ato cometido com desvio de finalidade.com. mas sim suas condições objetivas em face das normas que cuidam da situação. Numa primeira visão.

em observância ao princípio da isonomia ou igualdade. mas com ela não se confunde. por exemplo. o agente tem sua atuação imputada ao órgão/entidade a que se vincula (teoria do órgão ou da imputação volitiva). estará infringindo a Profº. Cyonil Borges www. pelos atos dos agentes responde a Administração Pública. Vê-se que a pessoa jurídica à qual é vinculado o agente responde pelo dano causado por este. se ditado por conveniências pessoais do grupo e/ou do administrador. Portanto. o legislador prezou pelo mérito. Lúcia Figueiredo explica que a impessoalidade pode levar à igualdade.br 45 .estrategiaconcursos. causarem a terceiros. inc. Ao se exigir concurso público para o acesso aos cargos públicos. porém. nessa qualidade. É possível haver tratamento igual a determinado grupo (que estaria satisfazendo o princípio da igualdade). 37. nitidamente devido à impessoalidade da atuação funcional. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Por essa linha. Assim. Uma terceira face da impessoalidade pode ser encontrada no art.Curso de Direito Administrativo. em exercícios. a atividade administrativa deve dar-se segundo critérios de bom andamento do serviço público. em razão da impessoalidade de atuação daqueles.com. sem criar discriminações benéficas ou detrimentosas. §6º do texto constitucional: As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes. assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa. afastando-se favoritismo ou mesmo desfavoritismos. como no art. 37. II. A tese é consagrada em diversos momentos da nossa atual Constituição Federal.

Gabarito: alternativa E. A Constituição Federal proíbe expressamente que conste nome. dela não podendo constar nomes. programas. algumas aplicações impessoalidade. obras. (C) legalidade e impessoalidade. serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo. aos princípios da: (A) impessoalidade e eficiência. perfeição e rendimento funcional. e releia o item I proposto pela organizadora!  Art. Comentários: A seguir. símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.Curso de Direito Administrativo. obras. respectivamente. mas certamente não se confundem. (D) moralidade e legalidade. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 impessoalidade. 13) (2007/FCC – TJ/PE). símbolo ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridade ou servidores públicos em publicidade de atos.estrategiaconcursos. considere: I. 37 da CF/1988: A publicidade dos atos. É verdade que estão próximos os princípios. II. (B) publicidade e moralidade. As afirmações citadas correspondem.com. Com relação aos princípios constitucionais da Administração Pública. Cyonil Borges práticas do princípio da www. 18 da Lei 9. Todo agente público deve realizar suas atribuições com presteza. (E) eficiência e publicidade. informativo ou de orientação social. agora.br 46 .784/1999 (Lei de Processo Administrativo Federal): regras de impedimento e de suspeição. programas. serviços e campanhas dos órgãos públicos. Vejamos:  §1º do art. Volta. em exercícios. Responda rápido: se você fosse o julgador de processo administrativo em que o Profº.

A inscrição observa. mancha também o princípio da moralidade administrativa.  Atos praticados por agente de fato (putativo): é o particular que ingressou na Administração Pública. Assim. uma ordem cronológica de apresentação.br 47 . 14) (2010/FCC – Casa Civil/SP . para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 acusado é sua JARA ou SURU (nomes carinhosos para a sogra ). Assim. aplicação do princípio da eficiência. de acordo com a teoria da aparência. daí o dever do agente decretar-se impedido para o julgamento. sem a análise do Item II. ou por ela delegados. mas é uma atitude perigosa. O item II é a “prova dos NOVE”. Não que esteja incorreta. 100 da CF/1988: o regime célere e eficaz de pagamento de dívidas do Estado – precatórios. de regra. manchando-o com a parcialidade. de uma forma ou de outra. Gabarito: alternativa A. o candidato seria inclinado a marcar. mas não é). Corre para o abraço e marca alternativa A. seus atos praticados serão considerados válidos perante terceiros de boa-fé. temos as alternativas “A” e “D” como possíveis respostas.Curso de Direito Administrativo. proibida a designação de casos ou de pessoas nas dotações orçamentárias. a qual poderia comprometer o resultado do processo. A realização das atribuições com presteza. É o agente “denorex” (parece que é. Quando o gestor utiliza do dinheiro público para autopromoção é óbvio que ofende o princípio da impessoalidade. pela análise do item I. na boa. são imputáveis não ao funcionário que os pratica.com. Porém. e. certamente. mas ao órgão ou entidade administrativa em nome do qual age o funcionário é o da: (A) impessoalidade. alternativa “A”. em exercícios.Executivo-Público) O princípio ou regra da Administração Pública que determina que os atos realizados pela Administração Pública. Profº. perfeição e rendimento funcional é. Explico.  Art. o resultado seria favorável? Bom. de forma irregular. haveria uma inclinação do agente. Por isso.estrategiaconcursos. no entanto. Cyonil Borges www. de cara. peço que façam a análise sempre completa do quesito.

é o da: (A) legalidade. (E) impessoalidade. Gabarito: alternativa A.estrategiaconcursos. 15) (2010/FCC – TRT/8R – Analista/Administrativa) O princípio. ao órgão ou entidade em nome do qual age o funcionário. Gabarito: alternativa E. em exercícios. que determina que o administrador público seja um mero executor do ato. (D) eficiência. (C) legalidade. Como os atos produzidos pelos agentes públicos são imputáveis ao órgão ou entidade administrativa. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (B) indisponibilidade.br 48 . (D) publicidade. 16) (2003/Esaf – Contador Prefeitura do Recife) A rejeição à figura do nepotismo no serviço público tem seu amparo original no princípio constitucional da: a) moralidade b) legalidade Profº. tá lembrado(a)? Então.com. (B) moralidade. Comentários: Opa! É só correr para o abraço! Três facetas da impessoalidade. (E) moralidade. mas sim. Cyonil Borges www. Comentários: Questão de fixação. (C) publicidade. em nome do princípio da impessoalidade. fica lógico que o administrador público é um mero executor. daí a correção da alternativa A. uma delas é que os atos praticados pelos funcionários não são a eles imputados.Curso de Direito Administrativo.

tem estreita ligação com o princípio da moralidade. próprios da forma de Administração Pública até então predominante: o patrimonialismo (a figura do soberano confundia-se com a do próprio Estado).com. a Administração Pública Burocrática surge. XIX. é óbvio que se aplica. o nepotismo. No entanto. como a corrupção e o nepotismo. conceitualmente. Como sabemos. Constituiu. os princípios da impessoalidade e da eficiência. portanto. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 c) impessoalidade d) razoabilidade e) eficiência Comentários: As próximas quatro questões são da ilustre ESAF. Profº. foi o uso da expressão “amparo original”. Cyonil Borges www. Vamos que vamos. Enfim. em sua origem. Vou aproveitar a questão para trabalhar as regras sobre o nepotismo. igualmente.Curso de Direito Administrativo. em conjunto com o Estado Liberal. uma forma de combater determinadas mazelas. tema de grande incidência nos últimos concursos. Perceba que a banca se refere a amparo original.br 49 . na 2ª metade do séc. inicialmente. O toque de mágica. Serve-nos para “trabalhar” o princípio da moralidade. mais legal e moral.estrategiaconcursos. Atrás vem gente! A fila anda! Questão bem interessante! O ponto chave da questão é a leitura atenta do enunciado. em exercícios. Houve uma tentativa de se atingir um sistema racional-legal do estilo Weberiano.

ainda. o STF. inclusive. em que se discutia Resolução do CNJ. A presente Súmula só faz reafirmar o entendimento do STF: a vedação ao nepotismo não exige edição de lei formal. a Corte Constitucional entendeu que o nepotismo é uma afronta a princípios de Administração Pública constantes do art. moralidade. Os amigos concursandos mais atualizados se questionam: é verdade que só o Poder Judiciário está sujeito à vedação do nepotismo? Não é verdade! Vejamos. por alguns. Não há uma LEI que vede. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Nepotismo funciona como uma espécie de favoritismo. até o terceiro grau. 37 da CF/1988. já foi feito pelo Supremo Tribunal Federal .com. por meio da Súmula Vinculante 13.estrategiaconcursos. Ao apreciar a Ação Declaratória de Constitucionalidade 12/2006 – ADC 12. uma ilegalidade explícita. principalmente aos princípios da impessoalidade. o nepotismo no âmbito de todas as esferas federativas. da moralidade. Com base no princípio da eficiência. Profº. o que. e em outros fundamentos constitucionais. eficiência e igualdade. a qual vedava a nomeação de parentes dentro do Poder Judiciário. o nepotismo não seria. por sorte da moralidade e da eficiência.br 50 . expressamente. para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou. colateral ou por afinidade. Todavia. No direito administrativo brasileiro. integrando todos os princípios constitucionais. companheiro ou parente em linha reta. visto que a proibição é extraída diretamente dos princípios constitucionais que norteiam a atuação administrativa. O nepotismo precisa ser combatido. chefia ou assessoramento.STF. o nepotismo tem sido identificado pela nomeação de parentes para cargos de chefia. da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção. preferência. entendeu que viola a Constituição a nomeação de cônjuge.Curso de Direito Administrativo. Não obstante prática indesejável. Cyonil Borges www. por falta de lei que assim estabeleça. cabe observar e aplicar outros princípios constitucionais na produção de atos administrativos. além do princípio da legalidade. de função gratificada na administração pública direta e indireta. em exercícios. então.

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02

Com a edição dessa Súmula, a regra do nepotismo, antes só existente no Poder Judiciário (Resolução do CNJ), foi estendida para qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas (o que a doutrina chama de nepotismo cruzado). No entanto, duas exceções à Súmula merecem destaques. A primeira diz respeito aos servidores já admitidos via concurso público, os quais, na visão do STF, não podem ser prejudicados em razão do grau de parentesco, inclusive porque tais servidores passaram por rigorosos concursos públicos, tendo, portanto, o mérito de assumir um cargo de chefia, de direção. Se entendêssemos diferente disso, alguns servidores seriam punidos eternamente, apesar de competentes para galgarem postos mais elevados. A segunda está na Reclamação 6650 – PR. Nesta oportunidade, o STF reafirmou seu posicionamento no sentido de que a Súmula 13 não se aplica às nomeações para cargos de natureza política (Secretário Estadual de Transporte, no caso da decisão). Relativamente aos membros dos Tribunais de Contas, o STF recentemente afirmou, categoricamente, que os tais agentes são simples auxiliares do Legislativo, estes os legítimos políticos, não podendo, portanto, serem enquadrados como políticos, e, assim, detentores de cargos administrativos, de natureza técnica. Logo, a nomeação de parentes não constituirá exceção à vedação do nepotismo (fiquem de olho!). Por todo o exposto, fácil observar que não faltam instrumentos de combate a condutas e atos ofensivos ao princípio da moralidade administrativa. Cabe aos órgãos competentes e aos cidadãos em geral diligenciar para que todos estejam realmente mais envolvidos com os valores morais que devem inspirar uma sociedade justa e igualitária. Gabarito: alternativa A.

17) (2003/Esaf – Auditor-Fiscal do Trabalho – MTE) Entre os seguintes princípios constitucionais da Administração Pública,
Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

51

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02

assinale aquele que é mais diretamente vinculado costumes, reconhecidos também como fonte de Direito: a) moralidade b) eficiência c) publicidade d) legalidade e) impessoalidade Comentários:

aos

O princípio da moralidade é “velho” conhecido, no entanto, explícito no texto constitucional a partir de 1988. Distintamente das normas legais, as diretrizes da moralidade não tem forma concreta e determinada. As regras morais estão na consciência dos indivíduos, fruto dos padrões culturais. Isso mesmo. Vinculação direta aos costumes. Daí a correção da alternativa A. Na doutrina francesa, Maurice Hauriou, depois de diferenciar a moral comum da moral jurídica, define a moralidade jurídica como o conjunto de regras de conduta tiradas da disciplina interior da Administração. Portanto, a conduta da Administração deve ser mais exigente do que simples cumprimento da frieza das leis, deve-se divisar o justo do injusto, o lícito do ilícito, o honorável do desonorável, o conveniente do inconveniente. A moralidade passa a ser pressuposto de validade dos atos do Estado, em toda nossa atuação estão presentes princípios da lealdade, da boa-fé, da fidelidade funcional. Lúcia de Figueiredo esclarece que a anulação de atos provenientes do excesso de poder é fundada tanto na noção de moralidade administrativa quanto na legalidade, de tal sorte que a Administração é ligada, em certa medida, pela moral jurídica, particularmente no que concerne ao desvio de poder. Lealdade, boa-fé, honestidade são preceitos éticos desejados pela sociedade que nos remunera direta ou indiretamente. Por isso, o princípio da moralidade pode ser considerado a um só tempo dever do administrador e direito público subjetivo.
Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

52

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02

Gabarito: alternativa A.

18) (2005/Esaf – AFRFB) Os princípios constitucionais da legalidade e da moralidade vinculam-se, originalmente, à noção de administração: a) patrimonialista. b) descentralizada. c) gerencial. d) centralizada. e) burocrática. Comentários: Questão de fixação. A Administração Pública passou (e passa) por três gramáticas bem definidas: patrimonialismo (fase dos “ismos” – nepotismo, corruptismo, enfim, todo tipo de favoritismos), burocracia (construída com base nos ideais do sistema racionallegal, preocupada com a moralidade e com a legalidade) e o gerencialismo (foco nos resultados, no controle a posteriori). Logo, foi com a Administração Burocrática que, ORIGINALMENTE (palavra-chave), pensou-se no combate ao nepotismo e à corrupção. É nesta gramática, portanto, que temos os primeiros traços da legalidade e moralidade. A seguir, algumas aplicações práticas do princípio da moralidade:  Art. 5º, LXXIII (ação popular);  Art. 37, § 4º, e 85, V, (atos de improbidade administrativa) A probidade é um aspecto da moralidade. De acordo com o Dicionário Aurélio (eletrônico), probidade diz respeito à integridade de caráter, honradez, ou seja, conceito estreitamente correlacionado com o de moralidade administrativa. De fato, a Constituição Federal dispensou trato diferenciado à probidade. Vejamos o que prevê o §4º do art. 37: Os atos de improbidade administrativa importarão a suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade
Profº. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

53

Gabarito: alternativa E.Curso de Direito Administrativo. estando regulamentada pela Lei 7. em exercícios.429/1992. 19) (2008/Esaf – APO) O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. A violação de tais deveres importa em ato de improbidade.estrategiaconcursos.  Art.  Art. no art. 37 da CF/1988. como outro dos instrumentos de proteção à moralidade administrativa. ainda. punido na forma e gradação prevista na Constituição. A esses órgãos incumbe controlar os atos da Administração. das quais irradia a moralidade). que dá poderes de investigação próprios das autoridades judiciais às Comissões Parlamentares de Inquérito – CPIs. a ponto de contar com norma própria: a Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8. III (ação civil pública) A CF/1988 indica ser uma das funções institucionais do Ministério Público. este a cargo do Congresso Nacional com o auxílio dos Tribunais de Contas (controle parlamentar). 129. ao traduzir o princípio da probidade administrativa. O controle parlamentar está previsto. além do § 3º do art. O assunto improbidade é tão importante na ordem jurídica brasileira.br 54 . de acordo com Lei 8. o §4º do art. e. construído pela seguinte ótica: é dever do Administrador Público agir de forma proba. Os amigos são sabedores que a Constituição Federal vigente consagra os controles interno e externo. honesta. também deve ser observado por toda a Administração Pública. leal. À semelhança do LIMPE. de modo mais específico.429/1992). não terá Profº. 58.com. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 dos bens e o ressarcimento ao erário. inclusive sob o aspecto da moralidade. 50 e seus parágrafos. de boa-fé. sem prejuízo da ação penal cabível.347/1985. Cyonil Borges www. na forma e gradação previstas em lei. 70 (princípios da legitimidade e economicidade. Assim.

consoante as regras contidas no art. as tarefas de seu cargo ou função. por exemplo. na conduta do servidor público. Cyonil Borges www. e) a moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal. b) é dever do servidor público resistir a todas as pressões de superiores hierárquicos. devendo ser acrescida da ideia de que o fim é sempre o bem comum. a conduta escandalosa. e 4º.com. segurança e rapidez. o conveniente e o inconveniente. c) toda pessoa tem direito à verdade. Comentários: Questão de fixação. é que poderá consolidar a moralidade do ato administrativo. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 que decidir somente entre o legal e o ilegal. viu! Fatos e atos verificados na conduta do dia a dia (na vida privada do servidor) podem sim acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional. O servidor não pode omiti-la ou falseá-la. tanto quanto possível.Curso de Direito Administrativo. como. com critério. daí a incorreção do item “A”. ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Administração Pública. mantendo tudo sempre em boa ordem. d) é dever do servidor público cumprir. de contratantes. o oportuno e inoportuno. exceto: a) a função pública deve ser tida como exercício profissional e.br 55 . ilegais ou aéticas e denunciá-las. da Constituição Federal. Profº.estrategiaconcursos. e última sobre moralidade de ESAF. portanto. mas principalmente entre o honesto e desonesto. 37. não se confunde com a vida particular de cada servidor público. em exercícios. estão corretos todos os enunciados abaixo. o o o § De acordo com o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal. benesses ou vantagens indevidas em decorrência de ações imorais. Assim. caput. de interessados e de outros que visem obter quaisquer favores. o justo e injusto. os fatos e atos verificados na conduta do dia a dia em sua vida privada em nada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional. de acordo com as normas do serviço e as instruções superiores. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade.

nosso direito evoluiu. e a nomeação de parentes para cargos de chefia passou a ser refutada pela sociedade. cabe ao Judiciário o controle do ato administrativo. ou seja. mesmo em âmbito constitucional. agora. É fácil observar a consagração do princípio da moralidade administrativa. para se chegar ao conceito de padrão. tanto sob o aspecto da legalidade quanto sob o Profº. do Estado. estreitando-se com o que poderia nominar. sinteticamente. Dessa maneira. não podem ser entendidos como sinônimos perfeitos. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 E. ainda. é claro que sua definição perpassa por uma noção muito subjetiva. enquanto princípios. o intérprete da lei será certamente influenciado pela noção de moral “comum”. cabe aos órgãos competentes e aos cidadãos em geral diligenciar aos órgãos judiciais para que invalidem atos ofensivos à moral. vinte anos. prontos para separar a moralidade da legalidade? E a moralidade comum da jurídica? É de interesse a distinção entre a legalidade e moralidade. Nesse contexto. a Administração Pública SÓ pode atuar de acordo com o que a lei estabelece ou autoriza. seria impensável alguma autoridade judicial dizer que a prática do nepotismo não se alinhava ao princípio da moralidade. Pelo princípio da legalidade. influenciada. por ética. Cyonil Borges www. Por dizer respeito a “comportamento”. Já a moralidade é um dos conceitos que conta com um dos maiores graus de abstração no mundo jurídico: o que seria a “moral”? Ainda que o conceito seja passível de inúmeras interpretações. Há dez. nota-se extrema dificuldade em tentar se “isolar” uma moral essencialmente administrativa.Curso de Direito Administrativo.com.estrategiaconcursos. com a consequente aplicação das devidas punições aos responsáveis. por razões óbvias. bem como por tribunais judiciais. os quais. em exercícios. De fato. que prevalece no seio da sociedade em determinado momento histórico. pelo momento histórico vivido. O princípio da moralidade tem profunda relação com o “padrão de comportamento” desejável dos agentes públicos. não havendo como se falar de uma sem se abordar a outra.br 56 . Em síntese: a “moralidade” administrativa e a comum são indissociáveis. Hoje. felizmente.

estrategiaconcursos. Por fim. prontos para definir moralidade administrativa? Profº. Imagine-se que um servidor da Receita Federal passe a namorar a filha do Ministro da Fazenda. Então. no aspecto do comportamento esperado da autoridade. Ambos têm origem em um mesmo conceito: a conduta. Todavia. mas possuem círculos de abrangência diferenciados. daí porque deveria ser anulado. Ainda que se trate de conceitos concêntricos (origem no mesmo conceito: a conduta). que é muito ciumento. em exercícios. ou seja. que não o interesse público. mas não idênticos. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 aspecto da moralidade. o ato não se alinharia à moral. Exemplo disso é a prática do nepotismo.Curso de Direito Administrativo. o Ministro remove o servidor. Cyonil Borges www. ressalto que legal e moral são qualificativos próximos. sim. Vejamos um exemplo concreto. no intuito de separar o casal. uma vez que conteria um desvio de finalidade. a qual é vista como imoral por diversos tribunais judiciais. transferindo-o para um distante rincão de nosso país. praticado visando fins outros. Tão logo descobre o relacionamento. moralidade e legalidade distinguem-se: cumprir aparentemente a lei não implica necessariamente a observância da moral. como o próprio STF.com. Pergunta-se: a conduta da autoridade seria legal? A princípio.br 57 .

que sempre dizem assim: mas que ciência ‘doida’ esse tal de direito. faz com que uma norma tenha maior “longevidade”. hein? Como é que pode uma situação concreta ter um monte de interpretação? Nossa resposta: o Direito é uma ciência do social. em exercícios. Mas qual seria a razão de o legislador utilizar essa “técnica” de conceitos indeterminados? Quando o legislador lança mão de conceitos vagos.com. para boa parte destas aquisições. ou seja. resultando essa “multiplicidade” de interpretações. tais como “bem comum” e “interesse público”. a moralidade é um conceito indeterminado. indeterminados. o pregão. viva por mais tempo. como muitos outros.. elásticos. não serviria à aquisição de bens e serviços de informática. há trinta anos. os quais levam à loucura alguns. matemática e outras. uma das modalidades de licitação. Profº. Com a mudança social. plurissignificativos. o Direito contém um sem-número de conceitos indeterminados. no entanto. faz com que a norma “viva” mais tempo.Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges www. pois não eram comuns (no sentido de padronizados). uma vez que muitos bens e serviços de informática são padronizados no mercado. sobretudo aqueles da área das ciências mais precisas (as ditas “exatas”). abstrato. o conceito é bastante “aberto”. Realmente. É isso que queremos dizer com “a norma vive mais tempo”. Por exemplo. o pregão servirá. ou. Nós temos amigos de engenharia. 1º da Lei 10. sim. isso é positivo. e suas interpretações irão mudar junto com a sociedade. Porém. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 O conceito talvez não. muda-se a interpretação. O art. ao se utilizar conceitos indeterminados. Hoje.520/2002 diz que o pregão. mas as aplicações vocês já estão treinados.estrategiaconcursos. O conceito de moralidade é um conceito jurídico indeterminado. serve à aquisição de bens e serviços “comuns”. De fato.br 58 . Um exemplo torna mais claro.. Vem a indagação: mas o que são ‘bens e serviços comuns’? Esse conceito é vago demais! De fato.

como um conjunto de regras de conduta consideradas como válidas. quer para grupo ou pessoa determinada (conceito extraído do Dicionário Aurélio Eletrônico). (D) sogro de Deputado Estadual. Mesmo que tal conceito seja empregado em sua “acepção pura”. nem mesmo a lei excluirá da apreciação judicial um ato que. A simples utilização de um conceito indeterminado. entendida. quer de modo absoluto para qualquer tempo ou lugar.br 59 . para cargo de assessor em gabinete de outro Deputado Estadual. Comentários: Como revimos há. Notem. não impede a atuação do Poder Judiciário de exercer o legítimo controle do ato. não está imune ao controle judicial. como a moralidade. Profº. duas exceções à Súmula 13 Vinculante do STF. Relembremos o dispositivo: a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito. XXXV do art.estrategiaconcursos. editada pelo Supremo Tribunal Federal. por enquanto. em exercícios. estará a salvo do controle judicial. Basta ver o que diz o inc. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Apesar de tratar-se de um conceito vago. a nomeação de (A) cunhado de Presidente da Assembleia Legislativa para cargo de assessor da Presidência do Tribunal de Justiça. ou seja. em seu sentido filosófico. 5º da CF/1988 para chegar a essa conclusão.com. ao menos potencialmente. portanto. Gabarito: alternativa A. 20) (2010/FCC – PGE/AM – Procurador) NÃO é situação que configura nepotismo.Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges www. a sofrer a incidência da Súmula Vinculante 13. (E) sobrinho de Secretário de Estado para cargo de dirigente de autarquia estadual. (C) cônjuge de Governador para cargo de Secretário de Estado. (B) irmão adotivo de Secretário de Estado para cargo de diretor na respectiva Secretaria. possa causar prejuízos.

d) a autonomia gerencial. c) não bastará ao agente público cumprir os estritos termos da lei. em exercícios. Profº. na visão do STF. sendo necessário que os seus sejam adequados à moralidade administrativa. 21) (2010/FCC – Casa Civil/SP . O cargo de Secretário de Estado é de natureza política. perceba que os comissionados. inclusive porque tais servidores passaram por rigorosos concursos públicos. Gabarito: alternativa C. alguns servidores seriam punidos eternamente. o STF reafirmou seu posicionamento no sentido de que a Súmula 13 não se aplica às nomeações para cargos de natureza política (Secretário Estadual de Transporte. o mérito de assumir um cargo de chefia. orçamentária e financeira dos órgãos e entidades da administração direta e indireta poderá ser ampliada mediante contrato. A resposta é letra “C”. portanto. de direção. Cyonil Borges www. nessa qualidade.com. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 A primeira diz respeito aos servidores já admitidos via concurso público. porém não são agentes políticos. os quais.estrategiaconcursos. tendo. A segunda exceção está na Reclamação 6650 – PR.Executivo-Público) princípio ético da Administração Pública brasileira que: É cargos são a) as pessoas jurídicas prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes. e) as formas de participação do usuário na administração pública direta e indireta regularão especialmente as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em geral. não podem ser prejudicados em razão do grau de parentesco. b) a ação do administrador público deve ser limitada ao razoável aproveitamento dos meios e recursos colocados à sua disposição. não sendo. apesar de competentes para galgarem postos mais elevados. no caso da decisão). Se entendêssemos diferente disso. Nas demais alternativas.br 60 . portanto. aplicável o nepotismo. Na oportunidade. Vamos às análises. causarem a terceiros.Curso de Direito Administrativo.

em exercícios. na honestidade. Assim. 37. Cyonil Borges www. na alternativa. d) a autonomia gerencial.estrategiaconcursos.Curso de Direito Administrativo. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Comentários: Opa! Princípio ético tem estreita ligação com o princípio da moralidade. Vejamos. previsto no art. Temos aí a aplicação do princípio da participação popular. 37. Isso mesmo. é o da razoabilidade. de natureza gerencial. em sua literalidade. a seguir. segundo os termos do art. e) as formas de participação do usuário na administração pública direta e indireta regularão especialmente as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em geral. os erros nos demais quesitos. no primado da moralidade. §3º.com. de 1988. é necessário que toda sua conduta esteja pautada na probidade. §8º. Este princípio é também aplicação do princípio da eficiência. 22) (2010/FCC – TRE/AL – Analista Judiciário – Judiciária – adaptada) A publicidade de ato administrativo que produz consequências jurídicas fora do órgão que o emite Profº. O princípio previsto. enfim. chegamos à alternativa C.br 61 . orçamentária e financeira dos órgãos e entidades da administração direta e indireta poderá ser ampliada mediante contrato. a) as pessoas jurídicas prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes. o qual. durante o programa de Reforma do Aparelho do Estado. nessa qualidade. da CF. de 1988. 37. de 1988. na lealdade às instituições. causarem a terceiros. foi denominado de “princípio da qualidade dos serviços públicos”. conforme previsto no art. Gabarito: alternativa C. Não é suficiente ao agente público cumprir a lei “fria”. §6º. O dispositivo faz alusão ao contrato de gestão. da CF. Essa alternativa trata do princípio da responsabilidade civil do Estado. da CF. O contrato de gestão é aplicação direta do princípio da eficiência. b) a ação do administrador público deve ser limitada ao razoável aproveitamento dos meios e recursos colocados à sua disposição.

Curso de Direito Administrativo. (B) confere-lhe eficácia perante as partes e terceiros. por exemplo. agente). Antecipo que são cinco os elementos do ato administrativo (ComFiForMOb): Competência (sujeito. os atos irregulares não se convalidam com a publicação. (C) é requisito de eficiência e impessoalidade. inciso LV. sinal de que não é elemento formativo. Daí. incorreta). inviável pensar-se no controle desta. a Administração Pública deve tornar públicos seus atos. Por este. do devido processo legal (art.br 62 . Cyonil Borges www. Responda rápido: o edital de licitação foi encomendado por determinada empresa. Com a publicação (publicidade) do extrato do contrato a licitação de ilícita passa à lícita? Obviamente não! Para Hely. A publicidade é um princípio democrático. não sendo admitido o sigilo. da Constituição Federal). entendida esta última como aptidão do ato para produção dos seus efeitos. Finalidade. Motivo. a correção da alternativa B. Perceba que. sagra-se vencedora do certame. em exercícios. que faz com que se possibilite o controle da Administração. na alternativa C. (D) convalida o ato.estrategiaconcursos.com. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (A) é sempre necessária. mas sim requisito de eficácia e não de validade. afinal. republicano. (E) é elemento formativo do ato. inclusive. A publicidade. Profº. na forma prevista na norma. ainda que irregular. Não há elemento publicidade. Forma. a qual. 5º. a banca fala em requisito de eficiência! Daí sua incorreção. A transparência é exigência. por questões lógicas. por assim dizer. apesar de não ser elemento de formação dos atos (alternativa E. e Objeto (conteúdo). por razões que são dotadas de obviedade: sem se dar transparência aos atos da Administração. princípios da ampla defesa e do contraditório só podem ser efetivados se existente a publicidade. Comentários: O quarto princípio constitucional de previsão expressa é o da publicidade. constitui-se requisito de sua moralidade e eficácia.

5º. Outro dispositivo do texto constitucional que permite certa restrição à necessidade de a Administração dar publicidade a seus atos é o inc. desde que assim necessário. a CF/1988 estabelece no inc.111/2005. que são contados a partir do momento em que o ato se torna público. por meio dos tributos que paga. Legal. em exercícios. mas qual é o erro da alternativa A? É que há exceções ao dever de a Administração tornar públicos seus atos. maior visibilidade. salvo exceções. XXXIII do art.estrategiaconcursos. nossa ilustre organizadora menciona convalidação! Além da transparência. que serão prestadas no prazo da lei. Nesse sentido.com. com a seguinte redação: a lei só poderá restringir a Profº. II) desencadear o decurso dos prazos de interposição de recursos. III) marcar o início dos prazos de decadência e prescrição administrativas. Este fim possui estreita correlação com a transparência e com o princípio democrático: compreendendo-se democracia como governo do povo. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 nem os regulares a dispensam para sua exequibilidade. Lembramos que se o ato alcança estranhos aos quadros da Administração deverá. dando. 5º: todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular. ser publicado. ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado.br 63 . inclusive. é preciso que o povo saiba o que é feito com os recursos entregues à Administração Pública. assim entendido aquele realizado pela própria coletividade. quando a lei ou o regulamento a exige. ou de interesse coletivo ou geral. sob pena de responsabilidade. oportunidade ao controle social. Perceba que. Cyonil Borges www.Curso de Direito Administrativo. LX do art. os seguintes objetivos cumpridos por intermédio do princípio da publicidade podem ser listados: I) permitir o controle dos atos da Administração Pública. Os critérios para definição das informações essenciais à segurança da sociedade encontram-se regulamentados pela Lei 11. na alternativa D.

COMO. salvo no período eleitoral. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 publicidade dos atos processuais quando intimidade ou o interesse social o exigirem. SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA E EMPRESAS PÚBLICAS. sendo facultativa para as entidades da Administração indireta. (B) é elemento formativo do ato. POR EXEMPLO. ou seja. é partir da transparência que os atos passam a gerar efeitos externos. a defesa da Em síntese: ainda que a publicidade (não a publicação) seja um princípio para os atos da Administração Pública. sendo facultativa OBRIGATÓRIA. como um dos princípios básicos da Administração. (D) é obrigatória apenas para os órgãos a Administração direta. em exercícios.estrategiaconcursos. encontrando exceções no próprio texto da CF/1988. (B) NÃO é elemento formativo do ato. AINDA. ASSUNTOS RESERVADOS À SEGURANÇA NACIONAL. como. A publicidade é requisito de eficácia. vejamos os erros nos demais quesitos. (D) é obrigatória apenas para os órgãos a Administração direta. (C) é a divulgação oficial do ato para conhecimento público e início de seus efeitos externos. sem COM exceção. (A) deve ser observada em todo e qualquer ato administrativo. MAS SIM REQUISITO DE EFICÁCIA E NÃO DE VALIDADE. Comentários: A resposta é letra “C”. (A) deve ser observada em todo e qualquer ato administrativo.Curso de Direito Administrativo. não se reveste de caráter absoluto. Cyonil Borges www. por exemplo. 23) (2010/FCC – TRE/RS – Analista Administrativo) A publicidade.br 64 . Abaixo. Profº. para as entidades da Administração indireta. (E) também pode ser usada para a promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.com. sem exceção. Gabarito: alternativa B.

A publicação que produz efeitos jurídicos e atende ao princípio da publicidade é a que é feita no órgão oficial da Administração. vejamos os erros nos demais quesitos. Comentários: Revimos que a publicidade pode ser alcançada com a mera afixação em quadro de avisos da Administração.Curso de Direito Administrativo. em nenhuma hipótese. os mesmos efeitos que as edições impressas.com. (D) A publicação de atos. Gabarito: alternativa C. a publicidade terá sido alcançada com a simples afixação do ato em quadro de editais. Alternativa A – INCORRETA. salvo INCLUSIVE no período eleitoral.br 65 . (C) As edições eletrônicas do Diário Oficial da União são meramente informativas. contratos e outros instrumentos jurídicos. em exercícios. é correto afirmar: (A) A veiculação de notícias de atos da Administração pela imprensa falada. A publicidade não é elemento de formação do ato e sim requisito de eficácia. 24) (2010/FCC – MPE/SE – Direito) Sobre o princípio da publicidade. inclusive os normativos. Isso mesmo. daí a correção da letra B. pode ser resumida. e não a divulgação pela televisão ou pelo rádio. (E) A publicidade é elemento formativo do administrativo.estrategiaconcursos. Cyonil Borges www. ainda que em horário oficial. (B) Se a lei não exigir a publicação em órgão oficial. não produzindo. escrita e televisivada atende ao princípio da publicidade. Profº. colocado em local de fácil acesso do órgão expedidor. Vimos que a publicidade é requisito essencial de eficácia dos atos e não de sua validade. A seguir. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (E) também NUNCA pode ser usada para a promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.

Gabarito: alternativa B. A própria Lei de Licitações. A publicidade não é elemento formativo. Hoje são incomuns Diários impressos. Cyonil Borges www. o da eficiência (não eficácia e não efetividade). Alternativa E – INCORRETA. Comentários: Chegamos ao princípio mais “moderninho”. As leis.br 66 . em exercícios.estrategiaconcursos. (E) obediência. O erro é que nem todo instrumento jurídico deve ser publicado resumidamente. (D) eficiência. até em preservação do meio ambiente. as edições eletrônicas são plenamente válidas para o cumprimento da publicidade oficial. (C) prestação de contas. mas sim requisito de eficácia. determina que haja publicação do resumo do Edital e do extrato do contrato. Alternativa D – INCORRETA. códigos e atos normativos são publicados integralmente. Por isso. A publicação dos atos e contratos costuma. de fato. ser resumida.Curso de Direito Administrativo.com. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Alternativa C – INCORRETA. (B) moralidade. inserido no texto da CF/1988 por meio Profº. perfeição técnica e economicidade traduz o dever de: (A) agir. 25) (2010/FCC – TRE/AL – TÉCNICO) A imposição de que o administrador e os agentes públicos tenham sua atuação pautada pela celeridade. por exemplo.

No âmbito da Corte de Contas Federal. Em outra ótica.estrategiaconcursos. Esta norma submete toda atividade do Executivo Federal ao controle de resultado (art. Merece destaque a necessidade de o princípio da eficiência ser analisado em confronto com o art. 13 e inc. em síntese. 25). o agente público exercerá suas atribuições com perfeição. fortalece o sistema de mérito (art.br 67 . ou seja. o Direito Administrativo. se houve eficiência ou não no dispêndio dos recursos públicos. mas. 100). V do art. 37. VII). deve levar em consideração aspectos relacionados à otimização do gasto público. 25. enfim. é firme o entendimento de que o controle da Administração Pública deve considerar não só aspectos restritos de legalidade. a eficiência na utilização de tais valores. sobretudo. a denominada emenda da “Reforma Administrativa”. o dever de eficiência corresponde ao “dever de boa administração”. rapidez. Profº.Curso de Direito Administrativo. III) e recomenda a demissão ou dispensa do servidor comprovadamente ineficiente ou desidioso (art. rendimento funcional. 26. Gabarito: alternativa D. sujeita a Administração indireta à supervisão ministerial quanto à eficiência administrativa (art. 70 da Constituição Federal. assunto importante não só para a nossa matéria. da CF/1988). 70 da CF/1988).com. ao estabelecer o controle da Administração também quanto à legitimidade e economicidade. Parte da doutrina entende que. De outra forma. caso atue eficientemente. já consagrado entre nós desde a Reforma Administrativa Federal em 1967 (Decreto Lei 200). É o que se conclui a partir do citado art. deve ser eficiente. para a matéria de Administração Pública. 70 da CF/1988. no qual está disciplinado o controle da Administração Pública Federal. em exercícios. O princípio ou dever de eficiência impõe-se a TODA Administração Pública (art. realizado pelo Congresso Nacional. com o auxílio do TCU (art. Daí a correção da alternativa D. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 da Emenda Constitucional 19/1998. caput. Cyonil Borges www.

c) moralidade. b) legalidade. O princípio da eficiência ganhou realce com a Reforma Gerencial.com. a qual já não se contenta em dar cumprimento estrito à norma. Profº. meros clientes (consumerismo). Gabarito: alternativa E. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 26) (2005/FCC – PMS/Advogado) Dentre os princípios que devem ser obedecidos pela Administração. Há doutrinadores que defendem a eficiência como o mais “moderno” princípio de Administração Pública. e) eficiência.Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges www. Daí a correção da alternativa E.estrategiaconcursos. com o Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Essa noção de “cidadão” é um dos principais valores da Nova Administração Pública (New Public Management). atendendo de forma satisfatória os cidadãos destinatários das ações públicas. mas exige de si resultados positivos para os serviços que presta. Comentários: Essa não valeu! Dever de boa administração é sinônimo para princípio da eficiência.br 68 . que deixam de ser vistos como meros contribuintes (gerencialismo puro). Esse verdadeiro dever de boa administração é o princípio da a) impessoalidade. um exige resultados positivos para o serviço público e satisfatório atendimento às necessidades da comunidade e de seus membros. d) publicidade. em meados da década de 90. e passam a ser reconhecidos como cidadãos (PSO – Public Service Orientation). e pode ser entendida como um movimento teórico que preceitua a mudança de orientação nos valores centrais da Administração Pública : do formalismo impessoal da Administração Burocrática para a eficiência da Administração Gerencial. em exercícios.

com. esses defeitos (ou disfunções. XIX. Comentários: Como revimos. a Administração Pública Burocrática surge. Profº. O Estado volta-se para si mesmo. em face das diminutas atribuições do Estado à época. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 27) (2007/FCC – TRE/MS) Entidade administrativa que presta serviço público com excessiva burocracia e produtividade precária. uma forma de combater determinadas mazelas. Constituiu. como preferem alguns) não emergem a princípio. em resumo. com foco nos processos (procedimentos).estrategiaconcursos. em conjunto com o Estado Liberal. próprios da forma de Administração Pública até então predominante: o patrimonialismo (a figura do soberano confundia-se com a do próprio Estado). na 2ª metade do séc. preconizado (defendido) por Max Weber. em exercícios. No modelo burocrático existia uma “desconfiança” com relação aos administradores. formalismo. o interesse da coletividade. conceitualmente. Cyonil Borges www. Além do princípio da legalidade. tornando-se inoperante com relação ao atendimento das demandas da sociedade. De toda forma. Desse modo. (B) moralidade. (D) eficiência. (E) publicidade. (C) legalidade. o poder racional legal. assim. impessoalidade. ofende o princípio da: (A) impessoalidade. hierarquia funcional.br 69 . Para a burocracia. como a corrupção e o nepotismo.Curso de Direito Administrativo. que constituem a própria razão de ser do funcionário (servidor) público. uma das relevantes disfunções burocráticas. a observância das normas relacionadas aos processos já garantiria o resultado a ser atingido. outros princípios surgem com a burocracia: profissionalização. inicialmente. retardando. são SEMPRE necessários controles rígidos. Os controles em regra são a priori.

XX. Os valores da eficiência. como que em resposta à expansão das funções econômicas e sociais do Estado. as carreiras. retardando. Apesar de.com. Profº. bem como ao desenvolvimento tecnológico e à globalização da economia mundial. o sonhado controle social. induzindo-se a maior participação dos agentes privados e/ou das organizações da sociedade civil para o desempenho dessa tarefa. a Administração Gerencial aproveita boa parte das ideias daquele. a entidade administrativa que presta serviço público com excessiva burocracia e produtividade precária. Gabarito: alternativa D. a avaliação de desempenho e o treinamento sistemático. constituir um avanço com relação ao modelo burocrático.estrategiaconcursos. o interesse da coletividade. amigo(a). ofende o princípio da eficiência. sem dúvida. Cyonil Borges www. em exercícios. um sistema estruturado e universal de remuneração. assim.Curso de Direito Administrativo. adotados com rigidez. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 A Administração Pública Gerencial emerge na 2ª metade do séc. a relação custo versus benefícios e a qualidade dos serviços.br 70 . com o cidadão tomado no sentido coletivo. tais como a admissão segundo critérios de mérito. Quanto ao controle da Administração preceituado pelos gerencialistas. Assim. princípio norteador da Reforma Gerencial (alternativa D). entre outros. que deve ser levado a efeito pelos próprios cidadãos. o diferencial básico diz respeito ao foco: deixa de ser o processo (burocrático) e passa a ser o resultado (gerencial). ganham relevo.

Item I – CORRETO.com. V. É correto o que consta APENAS em: (A) II. III. tradicional.Curso de Direito Administrativo. IV. Uma das características do gerencialismo é exatamente a definição precisa dos objetivos que o administrador público deverá atingir em sua unidade. II. (C) II.Analista Administrativo) Sobre as características da administração pública gerencial considere: I. que o foco do Estado dirige-se aos cidadãos. Sua estratégia volta-se para a definição precisa dos objetivos que o administrador público deverá atingir em sua unidade. Item III . III e V. com gerencialismo. Cyonil Borges www. O sistema racional-legal veio substituir a gramática marcada pelo poder/dominação do tipo carismática. (E) I e II. O cidadão é visto como contribuinte de impostos e como cliente dos seus serviços. (D) I e V. patrimonial e gerencial? Sério? Quero uma última prova! Vamos lá. Profº. Tem como princípios orientadores do seu desenvolvimento o poder racional-legal. A descentralização administrativa e a horizontalização dos níveis hierárquicos é aplicação do princípio da eficiência. Comentários: Então.CORRETO. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 28) (2010/FCC – TRT/PR . Os cargos são considerados prebendas. Item IV . Opa. (B) I. em exercícios. é com a Reforma Gerencial. III e IV.br 71 . No plano da estrutura organizacional tornam-se essenciais a descentralização e a redução dos níveis hierárquicos. típica da gramática Burocrática e não Gerencial. Na burocracia.CORRETO.estrategiaconcursos. III e IV. Item II . o Estado volta-se para o seu interior. entendeu mesmo toda esta história de gramáticas burocrática.INCORRETO.

por exemplo. Comentários: O “LIMP”. empreendida pela EC 19. de 4 de junho de 1988. Gabarito: alternativa B. 37 da atual Constituição Federal Brasileira. (B) relação ao modo de estruturação da Administração Pública. acrescentou um importante princípio ao rol do art.INCORRETO. (B) moralidade.estrategiaconcursos. o princípio da Eficiência. foi introduzido. Gabarito: alternativa C. moralidade e publicidade.br 72 .com. uma vez que deve nortear toda a atuação da Administração Pública. aos princípios da legalidade. que rege a Administração Pública. moedas de troca. Cyonil Borges www. Este princípio é o da: (A) legalidade. daí a correção da letra C. impessoalidade. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Item V . 30) (2010/FCC – TCE/AP – Procurador de Contas)29. os contratos de gestão e as organizações sociais. 29) (2010/FCC – TJ/PI – Assessor) A Emenda Constitucional no 19. na gramática patrimonialista. sem o “E”. uma vez que autoriza a derrogação do regime jurídico de direito público e a aplicação do direito privado quando este se mostrar financeiramente mais atrativo. Acontece que tais princípios existem desde que a Constituição é Constituição. expressamente.Curso de Direito Administrativo. são princípios fruto do Poder Constituinte de 1º Grau. Profº. em exercícios. O princípio constitucional da eficiência. (C) eficiência. nessa ordem. apresenta-se em: (A) hierarquia superior aos demais princípios constitucionais. (D) impessoalidade. (E) proporcionalidade. de 1998. Com a Reforma Administrativa. ou seja. Os cargos são considerados prebendas. o qual tem norteado a criação de novos institutos jurídicos como. refere-se aos.

(B) relação ao modo de estruturação da Administração Pública.br 73 . O princípio da eficiência tem dupla face. (C) mesmo nível de hierarquia do princípio da supremacia do interesse público. em exercícios. uma vez que SERVINDO deve para nortear toda a atuação da Administração Pública. De um lado refere-se à forma de estruturar e organizar da Administração Pública. eficaz.estrategiaconcursos. rápida. (A) NÃO hierarquia superior aos demais princípios constitucionais. Gabarito: alternativa D. uma vez que autoriza a Administração Pública a adotar medidas formalmente em desacordo com a lei em prol do aumento de produtividade e agilidade. MESMO EM NOME DA EFICIÊNCIA.com. (E) nível materialmente superior ao princípio da legalidade.Curso de Direito Administrativo. estruturar e disciplinar a Administração Pública. A seguir. Profº. ADMITINDO uma vez que autoriza a derrogação do regime jurídico de direito público e a aplicação do direito privado quando este se mostrar financeiramente mais atrativo QUANDO HOUVER EVENTUAIS LACUNAS NO DIREITO PÚBLICO. uma vez que autoriza a Administração Pública. De outro diz respeito à atuação dos agentes. não apenas em relação a atuação do agente público. Cyonil Borges www. que deve ser produtiva. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (C) mesmo nível de hierarquia do princípio da supremacia do interesse público. (E) nível materialmente superior COMPATÍVEL ao princípio da legalidade. Comentários: A resposta é letra “D”. vejamos os erros nos demais itens. eis que também possui prevalência superior apriorística. (D) relação ao modo de organizar. NÃO PODE adotar medidas formalmente em desacordo com a lei em prol do aumento de produtividade e agilidade. OS QUAIS eis que também NÃO POSSUEM possui prevalência superior apriorística.

detalhadamente. Por enquanto. o princípio da segurança jurídica foi catalogado de forma expressa pela Lei 9. as relações jurídicas.estrategiaconcursos. ao direito administrativo. não se restringindo. A segurança jurídica é um princípio geral do direito. Primeiro. não vi a FCC entrar. vedada aplicação retroativa de nova interpretação. razão pela qual tive de recorrer à ilustre ESAF. Com base nele. em exercícios. nas próximas três questões.com. da proporcionalidade. no princípio da segurança jurídica. Percebemos claramente sua presença no inciso XIII do parágrafo único do art. especialmente quando o estilo de provas é bem parecido. para não dizer. enfim. vejamos a resposta. em determinado momento. devem se estabilizar. igual! No caso. Cyonil Borges www. 2º da Lei de Processo. À semelhança da motivação. vamos às considerações doutrinárias necessárias para futuras questões acerca do princípio da segurança jurídica. Depois. Profº. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 31) (2000/Esaf – MPOG) A vedação da aplicação retroativa da nova interpretação da norma administrativa ampara-se no princípio da a) legalidade b) proporcionalidade c) segurança jurídica d) finalidade e) razoabilidade Comentários: Existe uma tendência muito grande do “vaso comunicante” entre as bancas organizadoras.784/1999. a ESAF é a banca que mais se aproxima de FCC. quando impõe a interpretação da norma administrativa de forma a garantir o atendimento do fim público a que se dirige. tornarem-se intocáveis. Daí a correção da alternativa C. da razoabilidade.br 74 .Curso de Direito Administrativo. portanto. não sendo mais alteráveis.

estrategiaconcursos. quando se refere à interpretação da norma jurídica. Assinale. Cyonil Borges www. Depois de dez anos. A explicação é simples: ainda que muitas vezes uma situação fosse vista como ilegal.357. dentre outras. julgado pelo STF. na sua missão de controle externo.: empresa pública) tenha feito um “processo seletivo” para escolha de empregados. aquele princípio que melhor se vincula à proteção do administrado no âmbito de um processo administrativo. que não houvera má-fé dos ocupantes dos empregos? Claro que não! A situação. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Apesar disso. obtiveram êxito várias pessoas. e. Gabarito: alternativa C. o TCU. resolve anular o tal processo seletivo. sabendo. por exemplo. é real. percebe a irregularidade: a Constituição exige concurso público. por que ilegal? Vejamos. a) legalidade b) proporcionalidade c) moralidade d) ampla defesa Profº. Muitas vezes. por razões de segurança jurídica. portanto. que poderia ser hipotética. Na oportunidade.Curso de Direito Administrativo. desconstituir a situação. a Corte Constitucional declarou afastada a ilegalidade das contratações. inclusive. 37 da CF/1988). que passaram aos quadros da instituição. Seria admissível a atuação do TCU. 32) (2005/Esaf – APO – MP) Os princípios da Administração Pública estão presentes em todos os institutos do Direito Administrativo.br 75 . alerto que a interpretação da segurança jurídica não pode ser absoluta. II do art. ex. No evento.com. no rol abaixo. então. a ponto de entrar em confronto com o princípio da legalidade. em exercícios. sem má-fé pelos destinatários. e foi apreciada no MS 22. em nome da segurança jurídica. não seria mais justo anular-se um ato qualquer. Suponha que uma entidade pública (p. Seria justo. situações ilegais ocorreram de longa data. tanto para cargos quanto para empregos públicos (inc.

Cyonil Borges www. que cuidou do célebre caso do município de Mira Estrela (Estado de São Paulo). a Lei 9.917. oferecendo a decisão efeitos ex nunc ou pro futuro. em exercícios. Regra geral.com. Vejamos o art. isto é. Institutos como a prescrição e decadência vêm exatamente ao encontro do que se quer com a segurança jurídica: dar estabilidade às relações constituídas. haja contribuído.estrategiaconcursos. excepcionalmente. pelo intuito do beneficiário do ato em obter vantagem indevida a partir de uma irregularidade para a qual ele mesmo. Outra aplicação interessantíssima do princípio da segurança jurídica é o princípio da modulação temporal. 54: O direito de a Administração anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos.Curso de Direito Administrativo. o faz com efeitos ex tunc. beneficiário do ato. A modulação temporal é uma técnica que vem sendo utilizada pelo STF já há algum tempo. que se falar em segurança jurídica (no prazo de cinco anos). O legislador foi cuidadoso quando fez ressalva à má-fé: esta afasta a decadência.784/1999 traz outra importante disposição quanto à possibilidade de a própria Administração anular seus atos. Daí a correção da alternativa E. Além da vedação retroativa a nova interpretação. Apesar disso. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 e) segurança jurídica Comentários: Vedação à interpretação retroativa serve como proteção da estabilidade das relações jurídicas. Garante-se a aplicação do princípio da segurança jurídica.br 76 . a possibilidade de proceder à modulação ou limitação temporal dos efeitos da declaração de inconstitucionalidade. contados da data em que foram praticados. Vejamos o Recurso Extraordinário 197. Não há. Um exemplo diz mais que mil palavras. Profº. o STF tem reconhecido. quando a Corte Constitucional declara a inconstitucionalidade de um ato estatal. nesse caso. retroativos à data de sua ocorrência. salvo comprovada má-fé.

Assinale a resposta que contenha a correlação correta. transcrevemos parte da ementa da Decisão: Efeitos. Princípio da Segurança Jurídica. de acordo com o coeficiente eleitoral.br 77 . conforme o caso) da modulação dos efeitos temporais. com a matéria acabando por desaguar no STF.. levando em Profº. percebeu-se o erro. em exercícios. portanto. o STF declarou a inconstitucionalidade incidental da lei municipal que havia fixado o número de vereadores do município em onze. efeitos pro futuro à declaração incidental de inconstitucionalidade.. por tratar de assunto de índole constitucional. 33) (2010/Esaf – MPOG/APO) Relativamente à necessidade de estabilização das relações jurídicas entre os cidadãos e o Estado. nove. Por elucidativa. há dois princípios que visam garanti-la. Situação excepcional em que a declaração de nulidade. Reconhecendo o equívoco nos cálculos. com seus normais efeitos ex tunc resultaria grave ameaça a todo o sistema legislativo vigente. Mais à frente. Nesse caso emblemático. em caráter de exceção.Curso de Direito Administrativo. sendo que o número correto seria apenas nove. como ficariam todos os atos produzidos pela Câmara Municipal de Mira Estrela no período em que funcionara com número errado de vereadores? Simplesmente fulminados pela ação apreciada pelo STF? E as relações jurídicas nascidas a partir daquelas leis? Também fulminadas? Imagine-se o “efeito dominó” que o reconhecimento da inconstitucionalidade poderia ter.com. foram eleitos onze vereadores. que o princípio da segurança jurídica é um dos sustentáculos da declaração de inconstitucionalidade (ou de ilegalidade.estrategiaconcursos. Pergunta-se: caso houvesse a declaração de inconstitucionalidade com efeitos ex tunc. determinando sua redução para o número correto. Gabarito: alternativa E. Vê-se. o STF utilizou a técnica da modulação temporal dos efeitos dos atos inconstitucionais. para limitá-los à eficácia pro futuro. Prevalência do interesse público para assegurar. Cyonil Borges www. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Nas eleições daquele município.

Sean. segue por Avenida transversal. Agora. Depois de 15 anos. temos a aplicação do princípio da confiança. no exercício do controle externo. (1) Segurança Jurídica – aspecto objetivo. Na situação hipotética. ( ) Boa-fé. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 consideração os aspectos objetivos e subjetivos presentes para a estabilização mencionada. cruzasse a Avenida. antes de prosseguir. As ruas são não sinalizadas e os semáforos são inexistentes. ( ) Prescrição. em exercícios.Curso de Direito Administrativo. ao aferir a legalidade do ato para fins de registro. afinal era calculável e previsível. Cyonil Borges www. Perceba que não tem nada de objetivo nisso! É só uma previsibilidade! A questão é cercada de toda ordem de subjetivismo. ( ) Decadência. com Van do lado. descobre a concessão de vantagem indevida à luz da legislação vigente à Profº. a) 1 / 1 / 2 / 2 b) 2 / 1 / 2 / 1 c) 2 / 2 / 1 / 1 d) 1 / 1 / 1 / 2 e) 2 / 2 / 2 / 1 Comentários: Não é uma questão simples. vamos listar primeiro breves considerações doutrinárias. sem a devida atenção. é perigo dobrado! Assim. a Corte de Contas.estrategiaconcursos. com Van do lado. colide com o veículo do nosso herói Tício.br 78 . por parte do Tício da Vez. com prudência. ao cruzar a via. Sean é servidor aposentado do órgão administrativo TCU. enquanto Sean. que Sean. reduzisse a velocidade e.com. Por isso. ( ) Presunção de legitimidade e legalidade dos atos da Administração. (2) Proteção à confiança – aspecto subjetivo. Tício transita em via preferencial.

quando determina que se atue com correção. Pobre Sean! Sean aprendera que os atos administrativos são dotados do atributo da presunção de legitimidade e de veracidade.Curso de Direito Administrativo. na proteção do ato jurídico perfeito. 2º. Em flashes anteriores. a boa-fé. o referido princípio está atrelado à segurança jurídica. na certeza jurídica da boa-fé (lealdade e honestidade). de tal sorte que os atos devem ser preservados em nome da boa-fé. em seu art. vimos que o princípio da segurança jurídica. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos. Profº. mas com ela não se confunde. na Súmula Vinculante (art. é princípio que tanto se aplica aos administrados (protegendo-os e impondo-os proceder com lealdade e honestidade) como à Administração Pública. Referido postulado é concretizado. embora implícito no texto constitucional. Relativamente ao princípio da confiança. em exercícios. bem como a devolução dos dinheiros recebidos. 103-A da CF/1988).br 79 . pensamos que fica mais fácil plantarmos a semente teórica dos princípios da confiança e da boa-fé (objetiva e subjetiva). ao princípio da legalidade. durante todo o tempo. há a aplicação de dois princípios: da confiança (crença de que o ato estatal era legítimo) e da boa-fé (conduta honesta e leal – aspecto objetivo – e crença de que se estava agindo corretamente – aspecto subjetivo). sobrepondo-se. acha-se. por sua vez. Nesse caso. Vencidos os casos práticos. Enquanto o princípio da confiança protege a boa-fé do administrado. Nesse contexto. Vejamos. direito adquirido e coisa julgada. determina o desconto da rubrica. nos institutos da decadência e da prescrição. no caso concreto. de tal sorte que agira. expresso na Lei de Processo Administrativo Federal. por isso. atualmente. sob o aspecto objetivo. entre outros. remetendo-nos à ideia de que os atos praticados pelo Poder Público são legítimos (presumem-se legais e verdadeiros). implícito no ordenamento jurídico. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 época da aposentação e. na vedação à interpretação retroativa. há quem defenda tratar-se da segurança jurídica sob o aspecto subjetivo.com.

Maria Sylvia nos fornece rol exemplificativo de situações em que tais princípios podem ser invocados. a teoria da aparência. enquanto que a crença de que os atos são legais e está-se agindo corretamente é a acepção subjetiva.  Atos praticados por funcionários de fato – aplicável. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 O princípio da boa-fé pode ser notado sob dois aspectos: objetivo e subjetivo.estrategiaconcursos. melhor a manutenção do ato inválido. que a área é de preservação ambiental e de titularidade do Estado.Curso de Direito Administrativo. de que. de boa-fé. o desfazimento dos atos viciados pela Administração resta prejudicado. os atos podem ser mantidos perante terceiros de boa-fé. modular temporalmente os efeitos dos atos inconstitucionais. Por exemplo: Sapão adquire. Sean e vários outros amigos recémaprovados no concurso da Receita. Cyonil Borges www. depois de decorridos cinco anos. logo. com ruas. Então. por 2/3 de seus membros. na Lei de Processo Federal. embora ilegais. praças e escolas. o STF pode. restringindose os efeitos retroativos (ex tunc mitigado).br 80 . como proceder diante da situação hipotética? Anular o loteamento? Por uma questão de estabilidade das relações jurídicas.  Modulação temporal dos efeitos dos atos ilegais – na Lei 9. assim como Van.  Prazo decadencial para anulação – há previsão. dando-se caráter ex nunc ou em momento no futuro (pro futuro). a saber:  Manutenção de atos administrativos inválidos – situações excepcionais em que a retirada dos atos provoca prejuízos maiores que sua conservação. agora de loteamento urbanizado.868/1999. nesse caso. da confiança (aspecto subjetivo) e da boa-fé. Depois de 20 anos. terreno em área de manguezal.com. Profº. em exercícios. como aplicação direta da segurança jurídica. A conduta leal e honesta do administrado e da Administração refere-se ao sentido objetivo. o Poder Público notifica os moradores.

br 81 . vejamos os erros dos quesitos. a resposta de vocês foi. nada mais objetivo e indiscutível do que o curso temporal.Curso de Direito Administrativo. perfeição e rendimento funcional. entre os quais a segurança jurídica e a supremacia do interesse público sobre o particular. (D) Por força do princípio da publicidade todo e qualquer ato administrativo. Profº. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02  Modulação no âmbito das Súmulas Vinculantes – na Lei 11. no entanto. responda rápido: Boa-fé – discutível ou indiscutível? Subjetivo ou objetivo? Presunção de legitimidade e legalidade dos atos da Administração – discutível ou indiscutível? Subjetivo ou objetivo? E prescrição e decadência – discutível ou indiscutível? Subjetivo ou objetivo? No caso. subjetivo e objetivo. vários princípios são implícitos na CF. (E) O princípio da segurança jurídica permite a aplicação retroativa Comentários: A resposta é letra “B”. A prescrição e decadência referem-se ao decurso de prazo. poderão ser restringidos. por votação de 2/3 dos Ministros. os efeitos. A seguir. em exercícios. é correto afirmar: (A) Em razão do princípio da moralidade o administrador público deve exercer as suas atividades administrativas com presteza. Gabarito: alternativa C. a eficácia vinculante da Súmula é imediata. Perfeito. nessa ordem. (B) Os princípios da segurança jurídica e da supremacia do interesse público não estão expressamente previstos na Constituição Federal. de 1988.estrategiaconcursos. Cyonil Borges www.417/2006. De fato. deve ser publicado em jornal oficial. 34) (2010/FCC – TRE/AM – Analista Administrativo) A respeito dos princípios básicos da Administração. Então. (C) A publicidade é elemento formativo do ato e serve para convalidar ato praticado com irregularidade quanto à origem. certamente. sem exceção.com. subjetivo.

(C) A publicidade NÃO é elemento formativo do ato e. três interessados do ramo. Profº. cadastrados ou não. é possível atender o princípio da publicidade mesmo sem publicação do ato administrativo. perfeição e rendimento funcional. Vejamos. que podem existir outras formas de se cumprir com a publicidade. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (A) Em razão do princípio da moralidade EFICIÊNCIA o administrador público deve exercer as suas atividades administrativas com presteza. a qual afixará. por exemplo. portanto. em exercícios. Conforme o dispositivo.estrategiaconcursos. bem como afixá-lo em local público. o Estado tem por obrigação enviar o convite para. além dos Diários Oficiais e jornais contratados. São exemplos: notificação direta do interessado.com. A última é um dos meios de se dar cumprimento à primeira. entendida esta como divulgação do ato em meios da imprensa escrita. como diários oficiais ou jornais contratados com essa finalidade.Curso de Direito Administrativo. afixação de avisos.br 82 . em local apropriado. a modalidade de licitação convite. outros meios servem para a produção dos efeitos jurídicos desejados pela Administração. Esse trecho revela que. A lei não exigiu a publicação do convite. PORTANTO. no mínimo. Acrescento que não devemos confundir publicidade com publicação.666/1993: Convite é a modalidade de licitação entre interessados do ramo pertinente ao seu objeto. NÃO serve para convalidar ato praticado com irregularidade quanto à origem. 22 da Lei nº 8. admite-se a publicação dos atos por meio de afixação destes na sede da prefeitura ou da câmara de vereadores. tratada no §3º do art. e divulgação na internet. Cyonil Borges www. Conclui-se. escolhidos e convidados em número mínimo de 3 (três) pela unidade administrativa. Lembro ainda que nos municípios em que não exista imprensa oficial. cópia do instrumento convocatório e o estenderá aos demais cadastrados na correspondente especialidade que manifestarem seu interesse com antecedência de até 24 (vinte e quatro) horas da apresentação das propostas (o grifo não é do original). mesmo que não haja publicação do ato. Já ouviram falar em publicidade geral e restrita? Enfim.

Por isso. em toda a sua atividade funcional. Na falta de disposição legal específica.Curso de Direito Administrativo. sem COM exceção. isto é.br 83 . A administração pública tem natureza de múnus público para quem a exerce. Atos interna corporis dos órgãos/entidades administrativos também necessitam ser divulgados. O princípio da legalidade significa que o administrador público está. desde que atenda aos interesses do Governo. IV. (D) Por força do princípio da publicidade todo e qualquer ato administrativo. conservação e aprimoramento dos bens. 35) (2010/FCC – TRE/AM – Analista Contador) A propósito da atividade administrativa. no Direito Público é uma imposição. Profº. II. traduzindo-se. V. a regra é que atos externos ou internos (com efeitos externos). num poder-dever. em exercícios. deve ser publicado em jornal oficial. por alcançarem particulares estranhos ao serviço público. Dentre os princípios básicos da Administração não se incluem o da publicidade e o da eficiência. Enquanto no Direito Privado o poder de agir é uma faculdade. devam ser divulgados por meio de publicação em órgão oficial (diários oficiais). cuja função principal é exatamente dar publicidade aos atos internos da instituição. serviços e interesses da coletividade. II e III. deve-se vasculhar o instrumento básico orientador da atuação do Estado: a lei. Cyonil Borges www. um dever para o agente que o detém. (E) O princípio da segurança jurídica VEDA permite a aplicação retroativa Gabarito: alternativa B.estrategiaconcursos. de encargo de defesa. muitos órgãos acabam criando boletins internos. ou de dar fim diverso do previsto em lei.com. portanto. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Para saber quais os atos necessitam ser publicados. No desempenho dos encargos administrativos o agente do Poder Público tem liberdade de procurar qualquer objetivo. III. sujeito a mandamentos da lei e às exigências do bem comum. mas não demandam publicação em diários oficiais. Está correto o que se afirma APENAS em (A) I. considere: I.

como legítimo destinatário dos bens. Cyonil Borges www. impõe ao administrador público a obrigação de cumprir fielmente os preceitos do Direito e da moral administrativa que regem a sua atuação.CORRETO. porque outro não é o desejo do povo. todo agente do poder assume para a coletividade o compromisso de bem servi-la. entre nós. a de um encargo de defesa. serviços e interesses administrativos pelo Estado.INCORRETO. Item II . Vigora. (E) III e V.CORRETO. da indisponibilidade do interesse público. Comentários: Vamos às análises. ou de dar fim diverso do previsto em lei. Item III .CORRETO. o primado da legalidade.Curso de Direito Administrativo. criação humana de representação coletiva. não passa de uma ficção jurídica. No desempenho dos encargos administrativos o agente do Poder Público NÃO tem liberdade de procurar qualquer objetivo. Dentre os princípios básicos da Administração não se incluem o da publicidade e o da eficiência. O Estado.com. como agrupamento politicamente organizado. (C) II. Item I . o Estado não age por si mesmo. (D) III e IV. IV e V. Ao ser investido em função ou cargo público. AINDA QUE desde que atenda aos interesses do Governo. A seguir.estrategiaconcursos. A ordem jurídica a Profº. Item V . precisa da figuração dos agentes públicos. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (B) I.br 84 . serviços e interesses da coletividade.INCORRETO. Como tal. Por essa razão. palavras do ilustre Hely Lopes Meirelles: A natureza da administração pública é a de um ‘munus publico’ para quem a exerce. O princípio da legalidade significa que o administrador público só pode fazer ou deixar de fazer o que lei autorizar ou determinar. IV e V. Item IV . isto é. em exercícios. conservação e aprimoramento dos bens.

Portanto. encarregam-se de variados deveres.estrategiaconcursos. quem detém poder deve exercitá-lo. portanto. evidente que o exercício da função pública é verdadeiro encargo público. 36) (2010/FCC – ALESP – TÉCNICO LEGISLATIVO) A respeito dos princípios da administração pública é correto afirmar que (A) se aplicam também às entidades integrantes da Administração indireta. de que o agente. formando-se. Dessa forma. Esse conjunto de prerrogativas de direito público é reconhecido como Poderes Administrativos. o princípio da indisponibilidade do interesse público cria verdadeira imposição de deveres e restrições. Entre esses. de prestar contas. por protegerem interesses de todos. de eficiência e de probidade. exceto àquelas submetidas ao regime jurídico de direito privado. em igual medida e de acordo com as ponderações determinadas pela situação concreta. de modo geral. Gabarito: alternativa B. o uso da competência para os gestores públicos é uma obrigação.Curso de Direito Administrativo. deve ser perfeito e deter bom rendimento funcional. a todas as entidades integrantes da Administração direta e indireta. em âmbito público. Cyonil Borges www. os agentes públicos. (B) possuem uma ordem de prevalência. (C) o princípio da eficiência com o advento da Emenda Constitucional no 19/98 ganhou acento constitucional. situando-se em primeiro lugar os princípios da legalidade e da supremacia do interesse público sobre o privado. Profº.br 85 . por exemplo: de obediência. o dever de eficiência traduz a ideia da boa administração.com. a serem utilizadas para o alcance dos interesses coletivos. de lealdade. se para os particulares o exercício do poder é uma faculdade. além de agir com rapidez. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 estes confere prerrogativas diferenciadas. No entanto. Afinal. enquanto o princípio da supremacia do interesse público sobre o privado remete à ideia de poderes. passando a sobrepor-se aos demais princípios gerais aplicáveis à Administração. (D) se aplicam. em exercícios. o binômio poder-dever de agir. Assim. sob pena de a omissão acarretar responsabilidade civil para o Estado.

estrategiaconcursos. é correto afirmar que o princípio da (A) moralidade é subsidiário ao princípio da legalidade. exceto INCLUSIVE àquelas submetidas ao regime jurídico de direito privado. Assim. Cyonil Borges www. em exercícios. como. os erros nos demais quesitos. é possível que o princípio da legalidade seja “vencido” pela segurança jurídica. passando a sobrepor-se CONVIVER. a seguir. de forma que uma vez atendido este último considera-se atendido também o primeiro. (C) o princípio da eficiência com o advento da Emenda Constitucional no 19/98 ganhou acento constitucional. (E) o princípio da moralidade é considerado um princípio prevalente EXPRESSO e a ele se subordinam NIVELAM o princípio da legalidade e o da eficiência. por exemplo. (A) se aplicam também às entidades integrantes da Administração indireta.com. Assim. Que o princípio da eficiência “seja menor” que o princípio da legalidade e vice-versa. SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA E EMPRESAS PÚBLICAS. (B) supremacia do interesse público sobre o privado autoriza a Administração a impor restrições aos direitos dos particulares. DE FORMA EXPRESSA. 37) (2010/FCC – APOF) A respeito dos princípios que regem a Administração pública. Entre os princípios não há hierarquia material. aos demais princípios gerais aplicáveis à Administração. independentemente de lei.br 86 . Comentários: A resposta é letra “D”.Curso de Direito Administrativo. Vejamos. a preponderância de um princípio sobre outro dependerá do caso concreto. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (E) o princípio da moralidade é considerado um princípio prevalente e a ele se subordinam o princípio da legalidade e o da eficiência. (B) NÃO possuem uma ordem de prevalência. SENDO QUE situando-se em primeiro lugar os princípios da legalidade e da supremacia do interesse público sobre o privado INFORMAM O REGIME JURÍDICO ADMINISTRATIVO. Gabarito: alternativa D. Profº.

Na alternativa “A”. vejamos os erros nos demais quesitos. a administração seria a casa-da-mãe-joana. será providenciada pela Administração até o quinto dia útil do mês seguinte ao de sua assinatura. Só LEI restringe direitos. (E) legalidade determina que todos os atos praticados Administração devem contar com autorização legal específica. ele o editaria. (D) publicidade obriga as entidades integrantes da Administração direta e indireta a publicarem extrato dos contratos celebrados.estrategiaconcursos. ressalvado o disposto no art. igualmente. Na alternativa “C”. em exercícios.Curso de Direito Administrativo. Tem que se pautar pela lei e pelos princípios administrativos. 26 desta Lei.br 87 . temos que as empresas estatais (entidades empresariais do Estado) submetem-se. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (C) eficiência autoriza as sociedades de economia mista que atuam no domínio econômico a contratarem seus empregados mediante processo seletivo simplificado. sempre. A seguir. para ocorrer no prazo de vinte dias daquela data. de 1993: A publicação resumida do instrumento de contrato ou de seus aditamentos na imprensa oficial. Já imaginaram? O administrador SÓ PODE FAZER ou deixar de fazer o que a lei DETERMINA ou AUTORIZA. ao princípio do concurso público. Comentários: A resposta é letra “D”. 60 da Lei 8. não obrigaria crianças a pagar impostos de suas heranças. Não pode agir a seu bel prazer. que é condição indispensável para sua eficácia. e mesmo um ato não tendo previsão legal.666. temos que nenhuma restrição pode ser imposta ao particular sem a autorização ou determinação de lei.com. ainda que sem ônus. pela Profº. Ele tomaria todas as decisões com base no seu instinto maternal. Cyonil Borges www. observados os parâmetros de mercado. qualquer que seja o seu valor. o administrador “coração de mãe” adoraria que este item estivesse correto. Na letra “B”. liberaria também os idosos para que eles pudessem viajar ao invés de pagar impostos. Ele dispensaria o empresário “quebrado” de pagar impostos. Nos termos do art.

Cyonil Borges www. A Administração tem o dever de motivar seus atos. No item III. em toda a sua atividade funcional. em exercícios. (E) legalidade. perfeição e rendimento funcional. finalidade e eficiência. Profº.com. razoabilidade e legalidade. No item I. (D) proporcionalidade. sejam eles discricionários. considere: I O administrador público está. proporcionalidade e fundamentação. “pra” não dizer impossível.estrategiaconcursos. III Dever de expor expressamente os motivos que determinam o ato administrativo. a validade do ato administrativo depende do caráter prévio ou da concomitância da motivação pela autoridade que o proferiu com relação ao momento da prática do próprio ato. 38) (2010/FCC – TRE/AL – Analista Judiciário Contabilidade) Sobre os princípios básicos da Administração Pública. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Na alternativa “E”. Comentários: A resposta é letra “C”. Assim. sejam vinculados. (B) eficiência.br 88 . Quero aproveitar a questão “pra” conversar um “cadinho” sobre o princípio da motivação. palavra-chave (presteza e perfeição – eficiência). temos que seria impraticável. As afirmações acima dizem respeito. impessoalidade e finalidade. sujeito aos mandamentos da lei e às exigências do bem comum. II Exigência de que a atividade administrativa seja exercida com presteza. palavra-chave (sujeito aos mandamentos da lei – legalidade). (C) legalidade. Gabarito: alternativa D. Vamos lá. eficiência e motivação. palavra-chave (expor motivos – motivação). No item II. que o legislador previsse todas as situações que o administrador fosse encontrar pela frente. respectivamente. aos princípios da (A) motivação.Curso de Direito Administrativo. de regra.

por pertencer a todos. como explicam a maior parte dos dicionários pátrios. limitem ou afetem direitos ou interesses.com. legislativas e judiciais devem ser precedidas dos pressupostos de fato e de direito que fundamentaram a prática dos atos discricionários e vinculados. isso porque é inimaginável em um Estado de Direito e Democrático em que os cidadãos não conheçam os motivos pelos quais são adotadas as decisões administrativas. Ah! Atos discricionários não podem ser motivados a posteriori (mas sim prévia ou concomitantemente).br 89 .784/1999.decidam recursos administrativos. leiam. V . Portanto. II . o uso que se faz da República deve ser bem explicado. É porque. 50 da Lei 9. VII . VI . Em outra visão a respeito da República.decorram de reexame de ofício. Profº. Desse modo. Claro que essa maior parte dos atos deve ter chamado atenção dos amigos. caso contrário.imponham sanções. Veremos isso com mais profundidade na aula de atos administrativos.deixem de aplicar jurisprudência firmada sobre a questão ou discrepem de pareceres. à necessidade de motivação da maior parte dos atos que provenha da Administração Pública.dispensem ou declarem a inexigibilidade de processo licitatório. por curiosidade. quanto à origem da expressão. Nesse sentido. o art. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 O princípio da motivação é o elo dos demais princípios constitucionais. o administrador fica livre para criar o motivo que melhor lhe aprouver. levando. portanto. decisões administrativas. essa pode ser vista como coisa pública. que determina ser necessária a motivação dos atos administrativos: I . propostas e relatórios oficiais.Curso de Direito Administrativo.decidam processos administrativos de concurso ou seleção pública.estrategiaconcursos. de fato. laudos. Cyonil Borges www. em especial. há certos atos que dispensarão motivação para sua prática. IV . em exercícios.neguem. ou agravem deveres. encargos ou III .

com. ou Aqui. em outras. para a qual a Administração é eximida de apresentar motivação expressa. Ainda que desejável. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 VIII . suspensão convalidação de ato administrativo. poderá não ser expressamente exigida. em exercícios. a regra é que a Administração motive seus atos. asseguradas a manutenção de serviços de atendimento ao usuário e a avaliação periódica. ainda.as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em geral. é de índole constitucional. A motivação pode ser fundamentada. Com efeito. evidentemente. por princípio. Cyonil Borges www. Do dispositivo se percebe o desejo do Constituinte de reforçar a participação da sociedade na gestão da coisa pública. na transparência na gestão pública. da qualidade dos serviços. ex.estrategiaconcursos. Ganha relevo a questão da necessidade de avaliação dos serviços públicos. os atos administrativos deverão ser motivados. uma rápida nota sobre este assunto que voltará a ser exposto no tópico referente aos processos administrativos: se a lei determina que. já que. Assim. A desnecessidade de motivação é absolutamente excepcional.: Ministro de Estado). nessas hipóteses.br 90 . 37 da CF/1988: §3º A lei disciplinará as formas de participação do usuário na administração pública direta e indireta. uma vez que as leis não exigem expressa motivação. dissemos. revogação.importem anulação.Curso de Direito Administrativo. avaliação esta cujos resultados precisam ser informados Profº. externa e interna. De fato. que. conclui-se que NEM SEMPRE a motivação prévia ou concomitante dos atos é OBRIGATÓRIA. nossa atual Constituição faz referência ao dever de a Administração estar aberta (transparente) à participação particular. Vejamos o que diz o §3º do art. Outro exemplo de situação que prescinde de motivação é a homologação de processo licitatório. cite-se a possibilidade de exoneração ad nutum (movimento de cabeça) de um servidor ocupante de cargo em comissão (de chefia ou assessoramento) (p. regulando especialmente: I . poderão deixar de sêlo.

estrategiaconcursos. Assim. sob pena de tornar letra morta essa desejável participação. Por fim. Todavia.Analista Judiciário) Analise as seguintes assertivas acerca dos princípios básicos da Administração Pública: Profº. X do art. Cyonil Borges www. a motivação. Em suma: só com a motivação dos atos da Administração é que se pode pensar em participação popular. então: TODO ato tem motivo. O princípio da motivação encontra amparo e não somente é recomendado. 39) (2010/FCC . o qual. a necessidade de motivação é expressa na CF/1988. portanto. igualmente. Gabarito: alternativa C. não sendo diretamente relacionado. Mas é bom lembrar que hoje. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 adequadamente aos usuários. não menos importante. hoje. §4º. peço que não confundam motivo com motivação. em exercícios. para as decisões levadas a efeito no âmbito do Poder Judiciário e para o Ministério Público. Um último detalhe. Vejamos o inc. A Constituição não exige expressamente do administrador a motivação como princípio. Exemplo disso: na exoneração de um ocupante do cargo em comissão é desnecessária a motivação do ato.br 91 . claro que haverá um motivo para tal exoneração. Mas seu registro constitucional expresso diz respeito às decisões dos Tribunais Judiciais e. 129.TRT/9R . mas NEM TODO ato precisa ser motivado. 93 da CF/1988: As decisões administrativas dos tribunais serão motivadas e em sessão pública. sendo as disciplinares tomadas pelo voto da maioria absoluta de seus membros. e SEMPRE existirá. aos administradores públicos. porém. Antecipo que motivo é elemento de formação do ato em si. por permissão da lei. da CF/1988).com. não precisa ser exposto.Curso de Direito Administrativo. Este assunto será estudado na parte de atos administrativos com mais detalhes. do Ministério Público (art. mas determinado implicitamente pelo texto constitucional. Captaram? Fica assim. não é um princípio absolutamente implícito no texto constitucional.

com. introduzido pela Emenda Constitucional no 19/1998. em exercícios. No entanto. de fato. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 I. (D) I e IV. Apesar de aplicado pela Administração Burocrática. III e IV. (C) I e II. Está correto o que consta APENAS em (A) II. Item II . já em 1930. O princípio da eficiência. (E) II e III.CORRETO. (B) I. Quanto ao princípio da motivação. IV. perceba que a própria banca depois faz Profº. só se admitindo sigilo nos casos de segurança nacional. Opa! Todo ato deve ser publicado! Essa é uma regra.CORRETO. é o mais moderno princípio da função administrativa e exige resultados positivos para o serviço público e satisfatório atendimento das necessidades da comunidade e de seus membros.estrategiaconcursos. II e IV. II. sua divulgação oficial para conhecimento público é requisito imprescindível à própria formação do ato e consequente produção de efeitos jurídicos. III. Todo ato administrativo deve ser publicado. informações. Item I . A publicidade é elemento formativo do ato administrativo. consistente em declaração de concordância com fundamentos de anteriores pareceres. Comentários: Vamos às análises. Esse princípio exige resultados positivos para o serviço público e satisfatório atendimento das necessidades da comunidade e de seus membros. ou interesse superior da Administração a ser preservado em processo previamente declarado sigiloso. O princípio da eficiência é. Cyonil Borges www. não se admite a chamada motivação aliunde. foi com a Emenda Constitucional 19/1998 que referido postulado foi inserido expressamente.Curso de Direito Administrativo. decisões ou propostas. o mais “moderninho” princípio da Administração. investigações policiais. ou seja.br 92 .

para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 destaque às ressalvas.Curso de Direito Administrativo. Item III . Cyonil Borges www. porque são sigilosos. O administrador pode se utilizar de dois tipos de motivação: a contextual (produção de texto com a exposição dos pressupostos de fato e de direito) e a aliunde (quer dizer ‘de outro lugar’). Esse item é um sinal de que as coisas tendem a piorar. em que o conhecimento pelo particular fica a depender de eventual direito de petição ou pedido de certidão. em exercícios.br 93 . A publicidade é requisito de eficácia e de moralidade dos atos administrativos. 40) (2006/FCC – TRE/SP-Téc.INCORRETO. A publicidade NÃO é elemento formativo do ato administrativo. tratando-se de concursos públicos. Essa última (aliunde) ocorre quando o administrador se reporta a decisões anteriores (pareceres) ou a outros documentos (laudos). como. daí a incorreção do quesito. por exemplo. Item IV . que não são publicados em jornais ou diários oficiais. daí a correção do quesito.INCORRETO.Jud. o que impõe ao agente público. os casos de segurança nacional e investigações policiais. Gabarito: alternativa C. Há atos que não são publicados e nem que o particular solicite vai ter ciência. quando Profº.com.) Dentre os princípios da Administração Pública.estrategiaconcursos. Há atos de efeitos internos.

vedada a promoção pessoal. ou seja. a) moralidade e impessoalidade. denominam-se. E a probidade. objetividade no atendimento do interesse público.estrategiaconcursos. a perda da função pública. um pouco mais sobre a probidade. Cyonil Borges www. respectivamente. também deve ser observado por toda a Administração Pública. a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário. na forma e gradação previstas em lei. A probidade é um aspecto da moralidade. em exercícios. sem prejuízo da ação penal cabível. decoro e boafé. a ser tratada em tópico específico do nosso curso.br 94 . Vejamos o que prevê o §4º do art. leal. e o que obrigao a atuar segundo padrões éticos de probidade. honesta. probidade diz respeito à integridade de caráter. construído pela seguinte ótica: é dever do Administrador Público agir de forma proba. o decoro. c) impessoalidade e legalidade. conceito estreitamente correlacionado com o de moralidade administrativa. Objetividade e vedação à promoção pessoal são aplicações do princípio da impessoalidade. Profº.Curso de Direito Administrativo. De fato.429/1992). Comentários: A resposta é letra “D”. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 no exercício de suas funções. e) legalidade e eficiência.com. De acordo com o Dicionário Aurélio (eletrônico). 37: Os atos de improbidade administrativa importarão a suspensão dos direitos políticos. Abaixo. a ponto de contar com norma própria: a Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8. o §4º do art. 37 da CF/1988. d) impessoalidade e moralidade. À semelhança do LIMPE. de boa-fé. b) eficiência e moralidade. a Constituição Federal dispensou trato diferenciado à probidade. ao traduzir o princípio da probidade administrativa. honradez. e a boa-fé são aplicações da moralidade. O assunto improbidade é tão importante na ordem jurídica brasileira.

II. punido na forma e gradação prevista na Constituição. d) II e IV.INCORRETO. considere as afirmativas abaixo. Item II . c) II e III. I. deve ser probo. mas. é lícito fazer tudo o que a lei não proíbe. diferentemente do que ocorre na esfera privada. Gabarito: alternativa D. Comentários: Vamos às análises. Cyonil Borges www. Em sua atividade. de modo mais específico. e) III e IV. Na administração pública. atendendo ao princípio da moralidade.CORRETO. diferentemente do que ocorre na esfera privada. 41) (2006/FCC – TCE/PB/Direito) Com relação aos princípios da administração pública no Brasil. também o honesto do desonesto. O princípio da publicidade torna obrigatória a divulgação de todos os atos e contratos da Administração Pública. o administrador público deve ser capaz de distinguir os cidadãos segundo seus méritos. Na administração pública.estrategiaconcursos. Item I . III. Está correto o que afirma APENAS em a) I. é lícito fazer tudo o que a lei não proíbe SÓ O QUE A LEI PERMITIR OU AUTORIZAR. e. em exercícios. b) II. o administrador público deve ser capaz de NÃO PODE distinguir os cidadãos Profº. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 A violação de tais deveres importa em ato de improbidade.INCORRETO.com. Item III . com algumas exceções. além de legal. O agente administrativo deve saber distinguir não apenas o ato legal do ilegal.Curso de Direito Administrativo.br 95 . O administrador.429/1992. honesto e leal. IV. de acordo com Lei 8. Em sua atividade.

guarda aí a informação. com todas as letras. deve ser aferido segundo os valores de um homem com notável cultura jurídica e social. não há verdades absolutas. e) a razoabilidade.estrategiaconcursos. Nos termos deste postulado. com algumas exceções. afinal. O QUE CORRIGE A SENTENÇA. a ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA não tem rosto e os ADMINISTRADOS não têm nome e sequer sobrenome. c) a moralidade administrativa se confunde com a moralidade comum e a ilegalidade. por ser um princípio abstrato. Profº. LEIA SEMPRE A SENTENÇA ATÉ O FINAL. O princípio da publicidade torna obrigatória a divulgação de todos os atos e contratos da Administração Pública. em exercícios. que a finalidade é uma aplicação direta do princípio da legalidade. Comentários: A alternativa correta é letra “D”.br 96 .CORRETO. d) o princípio constitucional da impessoalidade nada mais é do que o clássico princípio da finalidade. PERCEBA QUE A ILUSTRE ORGANIZADORA FALA EM PUBLICIDADE “DE TODOS” E DEPOIS ATENUA A REGRA. b) na administração pública é lícito fazer tudo o que a lei não proíbe. Gabarito: alternativa D. e pode ser descumprido pela vontade das partes. Revimos que uma das faces do princípio da impessoalidade é o atendimento à finalidade pública. em concursos. Item IV . Então.Curso de Direito Administrativo. 42) (FCC – TRT-20ªR – 2006) Em relação aos princípios básicos da Administração Pública.com. é correto afirmar que: a) o instituto da legalidade pode ser chamado de princípio da proibição do excesso. EM NOME DO PRINCÍPIO DA IMPESSOALIDADE. Acrescento que o autor José Afonso da Silva diz. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 segundo seus méritos. Cyonil Borges www. Vamos aos erros.

temos que. Cyonil Borges www. Na letra C. se imprescindíveis ao atendimento do interesse público. temos a razoabilidade. Não há dúvida de que. só é lícito fazer o que a lei permite ou autoriza. afirmar-se que o princípio da proporcionalidade está contido. haja vista a razoabilidade também exigir a adequação entre meios e fins. a interdição de estabelecimento (um sacolão. Na alternativa “E”. da razoabilidade. pelo que não estaria incorreto. temos que a moralidade administrativa não se confunde com a comum. Na alternativa “B”. numa prova de concurso. por iniciativa da Administração Pública. Agora. Se a conduta do Administrador não respeita tal relação. o princípio da proporcionalidade é reconhecido pela doutrina como um dos orientadores da atuação administrativa. ou é uma decorrência. na administração pública. em exercícios. de que a razoabilidade seria maior que a proporcionalidade. A proporcionalidade pode ser traduzida como a adequabilidade entre os meios utilizados e os fins pretendidos – princípio da vedação de excesso. desproporcional. portanto. por exemplo) com uso de força física Profº. De certa forma.com. essa asserção é verdadeira. Em resumo: a razoabilidade é princípio dotado de forte carga de abstração. Por exemplo: Lei que exigisse a pesagem de botijão na frente do consumidor seria não razoável. relação próxima com O o princípio princípio da da Há doutrinadores que defendem a tese de que a proporcionalidade seria uma “faceta” da razoabilidade. já a proporcionalidade é princípio mais concreto.estrategiaconcursos. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 O erro da letra “A” é que o princípio que veda o excesso é o da proporcionalidade. será excessiva. há tempos.br 97 . E revimos também que moralidade é princípio autônomo em relação à legalidade. A ideia central da proporcionalidade é que TODOS só são obrigados a suportar restrições em sua liberdade ou propriedade. razoabilidade tem proporcionalidade.Curso de Direito Administrativo.

43) (2010/FCC – TRE/AC – Técnico) Quando se fala vedação de imposição de obrigações. a razoabilidade é vista no campo abstrato. um homem “médio”. Assim. ante a separação de poderes estabelecida na Constituição Federal. em exercícios. A noção do “homem médio” e não de notável intelectualidade. Isso mesmo.estrategiaconcursos. porque o examinador “adora” afirmar: não cabe ao Judiciário a apreciação dos atos discricionários.br 98 . ponderado. os Tribunais lançam mão de interpretação na ótica de um homem de mediano conhecimento. em si. (C) proporcionalidade. mesmo que o ato provenha da Administração Pública (inc. daí a incorreção da alternativa. Veremos. Caso um ato mostre-se desarrazoado sob tal critério. XXXV do art. restrições e sanções medida superior àquelas estritamente necessárias atendimento do interesse público. a direitos. A assertiva estaria incorreta. de bom senso. (B) motivação. promovendo as escolhas que caberão a este Poder. Destaco estes atos (os discricionários).com. Profº. ao longo do curso. está-se referindo princípio da: (A) legalidade. ou mesmo ameaça de lesão. que é permitida ao Judiciário a apreciação de atos administrativos. (D) moralidade. uma vez que não se poderia excluir da apreciação do Judiciário qualquer lesão. Claro que o Judiciário não pode se “intrometer” no papel do Executivo. sobretudo os discricionários. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 imoderada seria desproporcional. já a proporcionalidade refere-se a práticas de atos. sob os critérios da razoabilidade/proporcionalidade. Cyonil Borges em em ao ao www.Curso de Direito Administrativo. teoria que guarda origens no Direito Civil. Gabarito: alternativa D. Para tal apreciação. 5º da CF/1988). será anulado pelo Poder Judiciário.

na qual o princípio pode ser traduzido como a vedação de obrigações. referido princípio encontra previsão expressa na Constituição Estadual do Estado de São Paulo e. servindo como garantia da legitimidade da ação administrativa. que quer significar equilíbrio entre os meios e os fins públicos a serem alcançados. Profº. No entanto. menos oneroso e prejudicial aos administrados. em outros momentos implícitos (segurança jurídica e concurso público). Quanto aos aspectos do princípio da razoabilidade. o princípio da razoabilidade destaca-se como importante instrumento de controle da atividade legislativa. o qual exige a duração razoável dos processos judiciais e administrativos. Comentários: Vimos que a Administração Pública Direta e Indireta de qualquer dos Poderes da União. introduzido com a EC 45/2004.estrategiaconcursos. e.º. mais recentemente. enquanto que a necessidade traduz-se na escolha do melhor meio. Cyonil Borges www. por vezes. sendo reconhecido. entre outras passagens. na Lei de Processo Administrativo Federal. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (E) impessoalidade. podem ser apontadas a adequação. por fim.Curso de Direito Administrativo. estes verdadeiros vetores fundamentais dos atos Estatais. dos Estados. inciso LXXVIII. Tal como os princípios da segurança jurídica e do concurso público. daí a correção da alternativa C.br 99 . em exercícios. Nesse contexto. a necessidade e a proporcionalidade em sentido estrito. bem como na aplicação no exercício da discricionariedade administrativa. A adequação refere-se à aferição da eficácia do meio escolhido em alcançar o fim público objetivado. no art.com. do Distrito Federal e dos Municípios é regida por um conjunto de normas e de princípios de Direito Público. expressos no texto constitucional (legalidade e eficiência). 5. evitando-se a prática de atos arbitrários e com desvio de finalidade. o princípio da razoabilidade permanece implícito no texto constitucional. restrições e sanções superiores àquelas estritamente necessárias. a proporcionalidade.

a atividade discricionária se submete ao binômio da conveniência e da oportunidade. Comentários: É só correr para o abraço! Questão de fixação. o princípio da: (A) razoabilidade. em exercícios.Curso de Direito Administrativo. O servidor se ausentou.com. (D) impessoalidade.br 100 . Gabarito: alternativa C. dentre outros. sendo competente e adotando regular processo disciplinar com direito ao contraditório e ampla defesa. enfim. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Se. durante duas horas. por um lado. por falta de razoabilidade. Por exemplo: o servidor se ausentou. (B) supremacia do interesse público. 44) (2010/FCC – TRT/8R – Analista/Administrativa) Agente público que. Profº. no entanto. para tirar cópias de monografia do curso de Direito.estrategiaconcursos. infringe. (E) eficiência. (C) motivação. bem como a concessão de adicional de férias para aposentados. há situações discrepantes que autorizam a anulação dos atos por arbitrariedade. Cyonil Borges www. Por exemplo: a exigência de pesagem de botijões de gás no momento da compra não é adequada à finalidade de garantir que o consumidor pague exatamente pela quantidade de gás existente no botijão. durante 1 hora. não avisou o Chefe. aplica sanção administrativa de demissão a servidor que se ausentou do serviço durante o expediente. sem autorização do chefe imediato.

Algumas consequências práticas advindas do princípio. exceto: a) restrições ao direito de greve b) aplicabilidade da “exceção do contrato não cumprido” contra a Administração. Com outras palavras. por atrasos superiores a trinta dias c) possibilidade do instituto da delegação de competência d) previsão de Administração prazos rígidos para os contratantes com a e) cláusulas de privilégio para a Administração na execução do contrato administrativo Comentários: O princípio da continuidade é assim enunciado por Cretella Júnior: a atividade da Administração é ininterrupta. Mas merece demissão? Idiossincrasias à parte entra “em cena” a visão do “homem médio”.estrategiaconcursos.br 101 . 37.  Na hipótese de rescisão do contrato administrativo. não parece ser o meio menos gravoso para a finalidade que almeja alcançar (penalidade ao servidor faltoso). o servidor merece ser demitido? No caso. de fato. interinidade. a Administração Pública detém a prerrogativa de. durante o horário de expediente.  Institutos da substituição. realizando. “o responder pelo expediente nos casos de vacância”. os serviços públicos não podem sofrer solução de continuidade. Gabarito: alternativa A. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 para comprar um presente para a esposa no Shopping. daí a correção da alternativa A. VII. suplência.com. nos termos do art. 45) (1998/Esaf – Técnico do Tesouro Nacional – TTN) O princípio da continuidade do serviço público acarreta as seguintes consequências. não se admitindo a paralisação dos serviços públicos. podem ser destacadas:  Restrição ao direito de greve.Curso de Direito Administrativo. atribuições estranhas ao cargo. nos casos de serviços Profº. o servidor está. ou seja. em exercícios. aplicação direta do princípio da razoabilidade. em tela. Então. Cyonil Borges www.

para quem contrata com a Administração. em exercícios. o prazo para aplicação da exceção do contrato não cumprido é acima de 90 dias e não 30 dias. aos a) moralidade e da publicidade. o serviço contínuo não precisa ser diário. Nesse caso. a Justiça Eleitoral não é um serviço diário. 46) (2006/FCC – MP/Técnico) No que tange aos princípios administrativos. né? Isso mesmo. daí a incorreção da alternativa B. respectivamente. II. De acordo com a Lei. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 essenciais. o Estado pode ficar até 90 dias sem pagar e a empresa contratada ainda assim tem o dever de manter a execução dos serviços. b) legalidade e da proporcionalidade. As proposições princípios da: citadas correspondem. regidos pela Lei 8.  A não oposição restrita da exceção do contrato não cumprido. Ah! Para a doutrina.Curso de Direito Administrativo. Comentários: Profº. d) continuidade do serviço público e da motivação. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.666/1993. analise: I. por exemplo. pessoal e serviços vinculados ao objeto do contrato. encontrou o erro da questão? Claro que sim! Porém bem sutil. pois é intermitente e regular. Gabarito: alternativa B. Então. Essa questão exige o conhecimento da Lei de Licitações. a autoridade competente deve indicar os pressupostos de fato e de direito que determinaram sua decisão. atende plenamente o princípio da continuidade.br 102 . invocar a exceção do contrato não cumprido nos ajustes que tenham por objeto a execução de serviços públicos. ocupar provisoriamente bens móveis. É vedado.com. c) impessoalidade e da razoabilidade. e) eficiência e da legalidade. imóveis. contudo. de regra. Nos processos administrativos.

EXPRESSOS na LEI 9. A exposição dos motivos é motivação. e. A limitação à invocação a exceção do contrato não cumprido é aplicação do princípio da continuidade do serviço público. atualmente. obras. FORÇOU A AMIZADE! (C) O princípio da razoabilidade ou proporcionalidade não é princípio consagrado sequer implicitamente na CF.br 103 . os da legalidade. Pública/SP) Princípios do (A) O princípio da moralidade só pode ser aferido pelos critérios pessoais do administrador.com. serviços e campanhas do Poder Público. Gabarito: alternativa D. A TÍTULO DE PROMOÇÃO PESSOAL. entre outros. os erros nos demais quesitos. (B) São princípios explícitos da Administração Pública. impessoalidade. obras. moralidade. O “velho” e batido “LIMPE”. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Prontos? Isso mesmo. (E) O princípio da motivação não exige a indicação dos pressupostos de fato e de direito que determinarem a decisão administrativa. Abaixo. publicidade e eficiência. Comentários: A resposta é letra “B”. Profº. Cyonil Borges www.Curso de Direito Administrativo. DE 1999 (Lei de Processo Administrativo Federal). DE 1988. (D) O princípio da publicidade IMPESSOALIDADE obriga PROÍBE a presença do nome do administrador nos atos. serviços e campanhas do Poder Público. (A) O princípio da moralidade NÃO só pode ser aferido pelos critérios pessoais do administrador. (D) O princípio da publicidade obriga a presença do nome do administrador nos atos.estrategiaconcursos. (C) O princípio da razoabilidade ou proporcionalidade não é princípio consagrado sequer implicitamente. em exercícios.784. 47) (2007/FCC – Defensoria Direito Administrativo.

com. em exercícios. Cyonil Borges www. Gabarito: alternativa B.br 104 . para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 (E) O princípio da motivação não exige a indicação dos pressupostos de fato e de direito que determinarem a decisão administrativa. Profº.Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges.estrategiaconcursos. Forte abraço a todos e bons estudos.

b) impessoalidade e legalidade.com.A brincadeira vai ser essa sempre. razoabilidade e supremacia do interesse público. d) publicidade e moralidade. moralidade e eficiência. para testar. anos 2009 e 2011. 3) (2009) A Constituição determina expressamente que são princípios da Administração Pública: a) publicidade. e) eficiência. b) impessoalidade. o dia de prova. supremacia do interesse público e veracidade. c) legalidade e supremacia do interesse público.Curso de Direito Administrativo. neste instante. d) veracidade.br 105 . moralidade e autotutela. em exercícios. Profº. conjugar com outras organizadoras. eficiência e razoabilidade. legalidade e publicidade. São eles: a) prescrição de veracidade e publicidade. 2) (2009) São princípios da Administração Pública expressamente previstos na Constituição da República Federativa do Brasil: a) especialidade. Vou postar questões de ESAF. só com questões de outras bancas. c) publicidade.. moralidade e imperatividade. um simulado. e. moralidade e legalidade. Princípios da Administração Pública – Questões FCC 2009 e 2011 1) (2009) Há dois princípios constitucionais fundamentais para o Direito Administrativo. Hoje decidi por FCC. c) hierarquia. Cyonil Borges www. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Agora é “pra” valer! Um simulado com questões da FCC.estrategiaconcursos. ao fim. e) especialidade e supremacia do interesse público. A partir deles constroem-se todos os demais. b) legalidade.. O gabarito e comentários serão postados em arquivo complementar.

na Administração Pública só é permitido fazer o que a lei autoriza. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 d) legalidade. A partir deste enunciado. conclui-se que: a) a observância de medidas provisórias. uma vez que o mérito do ato administrativo nestes casos não é definido em lei. Malheiros Editores. A lei para o particular significa 'pode fazer assim': para o administrador público significa 'deve fazer assim'". São Paulo. 89) ensina: "Na Administração Pública não há liberdade nem vontade pessoal.2008. c) a prática de atos por razões de conveniência e oportunidade é violadora do princípio da legalidade. 5) (2009) De acordo com o princípio da legalidade. "Direito Administrativo Brasileiro". em matéria administrativa.estrategiaconcursos. a Administração apenas pode praticar os atos que sejam expressamente permitidos pela lei. d) o controle de legalidade interno dos atos administrativos deve ser preocupação constante da Administração. presunção de legitimidade e hierarquia. Cyonil Borges www. ofende o princípio da legalidade porque elas não são consideradas lei formal.Curso de Direito Administrativo. Profº. p. em caso de omissão. e) moralidade. b) publicidade. o autor se refere ao princípio constitucional do Direito Administrativo Brasileiro da: a) legalidade. c) eficiência. ed. b) a Administração poderá praticar os atos permitidos pela lei e.. pela Administração. d) impessoalidade. 4) (2009) O saudoso HELY LOPES MEIRELLES (cf. Enquanto na administração particular é lícito fazer o que a lei não proíbe. impessoalidade e autoexecutoriedade. estará legitimada a atuar se for habilitada a tanto por decreto do Chefe do Poder Executivo. em exercícios. como forma de atendimento do interesse público na preservação desta legalidade.com.br 106 . e) impessoalidade. 34a. No trecho. 02.

Cyonil Borges www. considere: princípios básicos da Administração I. d) o princípio da motivação é exigível apenas nos atos discricionários. são consequências do princípio da: a) continuidade do serviço público. 7) (2009) Sobre os princípios Pública. no sentido de que todo ato administrativo. 6) (2009) A regra geral de proibição de greve nos serviços públicos. a delegação e a substituição. e a necessidade de institutos com a suplência. b) autotutela. sem exceção. em exercícios. c) os princípios da ampla defesa e do contraditório devem ser observados tanto nos processos administrativos punitivos como nos não punitivos. como estado de sítio e estado de defesa. e) moralidade administrativa.com. mas apenas quando da sua aplicação em concreto.br 107 . é correto afirmar que: básicos da Administração a) a aplicação retroativa de nova interpretação desfavorável aos interesses do particular encontra respaldo no princípio da segurança jurídica. autoriza a Administração a praticar atos discricionários e arbitrários. Profº. a faculdade de a Administração utilizar equipamentos e instalações de empresa que com ela contrata. e) o princípio da eficiência sobrepõe-se a todos os demais princípios da Administração. 8) (2009) Sobre os Pública. isentos de controle jurisdicional. deve ser publicado.Curso de Direito Administrativo. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 e) o reconhecimento de circunstâncias excepcionais. d) supremacia do interesse público. c) legalidade. O princípio da publicidade é absoluto. b) o princípio da supremacia do interesse público não precisa estar presente no momento da elaboração da lei.estrategiaconcursos.

Curso de Direito Administrativo. É correto o que se afirma APENAS em a) I e IV. aos quais se sujeita a Administração Pública. 9) (2009) Sobre os princípios da Administração Pública.estrategiaconcursos. previstos em leis esparsas.br 108 . é consequência do princípio da eficiência. IV. pois. outros princípios existem. é correto afirmar: a) O art. c) I e II. a delegação e a substituição para preencher as funções públicas temporariamente vagas. d) II e III. 37 da Constituição Federal não é taxativo. Cyonil Borges www. e) O princípio da continuidade do serviço público é a possibilidade de reeleição dos chefes do poder executivo. III. O princípio da impessoalidade tem dois sentidos: um relacionado à finalidade. A necessidade de institutos como a suplência. outro. ou. a Administração pode fazer tudo o que a lei não proíbe. e) III e IV. no sentido de excluir a promoção pessoal das autoridades ou servidores públicos sobre suas realizações administrativas. Profº. Por força do princípio da segurança jurídica não é possível retroagir interpretação de lei a casos já decididos com base em entendimento anterior.com. d) O princípio da autotutela significa o controle que a Administração exerce sobre outra pessoa jurídica por ela mesma instituída. b) Segundo o princípio da legalidade. não expressamente contemplados no direito objetivo. no sentido de que ao administrador se impõe que só pratique o ato para o seu fim legal. mesmo. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 II. em exercícios. b) I e III. c) O princípio da especialidade é concernente à ideia da centralização administrativa.

O princípio da fundamentação exige que a Administração Pública indique os fundamentos de fato e de direito de seus atos e decisões. do decoro e da boa-fé.estrategiaconcursos. não estão expressamente previstos na Constituição Federal. de ampla aplicação no Direito Administrativo.Curso de Direito Administrativo. IV. III. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 10) (2009) Sobre os princípios constitucionais da Administração Pública NÃO é correto afirmar que o princípio: a) da moralidade está ligado à ideia da probidade administrativa. salvo autorização em lei. dentre outros critérios. II. Profº. c) da publicidade apresenta dupla acepção: exigência de publicação dos atos administrativos em órgão oficial como requisito de eficácia e exigência de transparência da atuação administrativa. de todos os atos praticados pela Administração Pública. exige a ampla divulgação. A regra estabelecida na Lei n o 9. e) da legalidade traduz a ideia de que a Administração Pública somente tem possibilidade de atuar quando exista lei que a determine ou que a autorize. traduz o princípio da supremacia da prevalência do interesse público. em exercícios. b) da impessoalidade também é conhecido como princípio da finalidade. sem exceção. Cyonil Borges www. vedada a renúncia total ou parcial de poderes ou competências.784/99 de que o processo administrativo deve observar. 11) (2009) Sobre os princípios da Administração Pública.com.br 109 . previsto na Constituição Federal. d) da impessoalidade tem por objetivo assegurar que os serviços públicos sejam prestados com adequação às necessidades da sociedade. o atendimento a fins de interesse geral. II e III. Está correto o que se afirma SOMENTE em a) I. Os princípios da eficiência e da impessoalidade. O princípio da publicidade. considere: I.

estrategiaconcursos. Trata-se do princípio fundamental dos serviços públicos denominado a) impessoalidade. Cyonil Borges www. d) a relação de coordenação e subordinação entre uns órgãos da Administração Pública e outros. em exercícios. d) III. e) IV. 12) (2011) No que concerne à Administração Pública. o princípio da especialidade tem por característica: a) a descentralização administrativa através da criação de entidades que integram a Administração Indireta.Curso de Direito Administrativo.com. 14) (2011) A conduta do agente público que se vale da publicidade oficial para realizar promoção pessoal atenta contra os seguintes princípios da Administração Pública: Profº. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 b) II e IV. cada qual com atribuições definidas em lei. d) igualdade. e) a identificação com o princípio da supremacia do interesse privado. 13) (2011) O serviço público não é passível de interrupção ou suspensão afetando o direito de seus usuários. inerente à atuação estatal. c) continuidade. e) universalidade. b) a fiscalização das atividades dos entes da Administração Indireta. com possibilidade de utilizar-se dos institutos da anulação e revogação dos atos administrativos.br 110 . b) mutabilidade. assim como com eficiência e oportunidade. pela própria importância que ele se apresenta. c) o controle de seus próprios atos. c) II e III. devendo ser colocado à disposição do usuário com qualidade e regularidade.

15) (2011)Analise as seguintes proposições. (. II. d) eficiência e legalidade. 16) (2011)O Jurista Celso Antônio Bandeira de Mello apresenta o seguinte conceito para um dos princípios básicos da Administração Pública: De acordo com ele. Profº. As assertivas I e II tratam.com. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 a) razoabilidade e legalidade. dos seguintes princípios da Administração Pública: a) moralidade e legalidade.Curso de Direito Administrativo. exatamente para que todos possam disputar-lhes o acesso em plena igualdade. os chamados princípios da lealdade e boa-fé. ao exigir que o ingresso no cargo. 37. e) impessoalidade e moralidade. c) legalidade e publicidade. função ou emprego público depende de concurso. o que é mais importante. O núcleo desse princípio é a procura de produtividade e economicidade e. Trata-se do princípio da a) motivação. II. d) motivação e eficiência. respectivamente. como por exemplo. perfeição e rendimento funcional. b) eficiência e publicidade. em exercícios. No texto constitucional há algumas referências a aplicações concretas deste princípio. b) eficiência e impessoalidade. o que impõe a execução dos serviços públicos com presteza. extraídas dos ensinamentos dos respectivos Juristas José dos Santos Carvalho Filho e Celso Antônio Bandeira de Mello: I. c) publicidade e proporcionalidade.estrategiaconcursos. Cyonil Borges www. a Administração e seus agentes têm de atuar na conformidade de princípios éticos.) Compreendem-se em seu âmbito. e) legalidade e moralidade. a exigência de reduzir os desperdícios de dinheiro público. no art. como é evidente.br 111 ...

da Constituição Federal. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 b) eficiência. da Constituição da República Federativa do Brasil.estrategiaconcursos.br 112 . caput. publicidade e motivação. devido processo legal e inércia dos órgãos 18) (2011)O princípio segundo o qual a Administração Pública Direta fiscaliza as atividades dos entes da Administração Indireta denomina-se a) finalidade.Curso de Direito Administrativo. c) onerosidade. 19) (2011)Na relação dos princípios expressos no artigo 37. publicidade e tipicidade. b) eficiência. em exercícios. explícitos ou implícitos no Direito positivo: a) oficialidade. d) formalismo. gratuidade e inércia dos órgãos administrativos e) oficialidade. 20) (2011) São princípios da Administração Pública. d) legalidade. 17) (2011) Constituem princípios do processo administrativo. dentre outros. NÃO consta o princípio da a) moralidade. b) controle. expressamente previstos no artigo 37. administrativos. economia processual e unilateralidade. c) probidade. Cyonil Borges www. d) razoabilidade.com. caput. c) autotutela. Profº. b) sigilo. e) impessoalidade. e) moralidade. d) supremacia do interesse público. e) legalidade. c) legalidade.

Uma das ações do referido programa consistiu na divulgação da remuneração bruta mensal. razoabilidade e legalidade. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 a) eficiência.ACE/MDIC/Grupo 1/2012 Determinado município da federação brasileira. d) publicidade. implantou o programa denominado Administração Transparente. finalidade e legalidade.estrategiaconcursos.tecconcursos. visando dar cumprimento a sua estratégia organizacional. razoabilidade e moralidade. só de princípios da Administração (fonte: www. b) motivação. 21) (2011) O direcionamento da atividade e dos serviços públicos à efetividade do bem-comum é característica básica do Princípio da a) Eficiência b) Legalidade c) Impessoalidade d) Moralidade e) Proporcionalidade Opa. c) legalidade.STF acerca do tema. com o respectivo nome de cada servidor da municipalidade em sítio eletrônico da internet.br 113 . Profº. a) A atuação do município encontra-se em consonância com o princípio da publicidade administrativa. e) eficiência. moralidade e proporcionalidade. em exercícios. moralidade e impessoalidade.br). b) A atuação do município viola a segurança dos servidores. A partir da leitura do caso concreto acima narrado. Não acabou não! Agora questões de 2012.com. Cyonil Borges www. Faz um favor pra mim: gabarita! Abraço forte e agora me despeço de verdade! Cyonil Borges. assinale a opção que melhor exprima a posição do Supremo Tribunal Federal .com.Curso de Direito Administrativo. Questão 1: ESAF .

br 114 .2 Questão 3: FCC . independentemente da qualidade. exceto o princípio da eficiência que é dirigido às entidades da Administração indireta que atuam em regime de competição no mercado. prestadoras de serviço público. c) alcançar o melhor resultado possível no menor tempo e ao menor custo.com. excluídas as empresas públicas e sociedades de economia mista que atuam em regime de competição no mercado. c) integrantes da Administração Pública direta e indireta e às entidades privadas que recebam recursos ou subvenção pública. publicidade e eficiência. d) integrantes da Administração Pública direta e indireta. Letra D. e) Em nome da transparência. impessoalidade. b) de direito público e privado. d) atender a todos de forma idêntica. e) públicas ou privadas.AJ TRE SP/TRE SP/Administrativa/"Sem Especialidade"/2012 Para atender ao princípio constitucional básico da eficiência o agente público deve a) reduzir ao máximo os custos dos serviços públicos. independentemente da natureza pública ou privada da entidade. ainda que não integrantes da Administração Pública.estrategiaconcursos. Tais princípios aplicam-se às entidades a) de direito público. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 c) A atuação do município fere a intimidade dos servidores. independente das demandas individuais dos cidadãos. constituem princípios aplicáveis à Administração Pública os da legalidade. independentemente do seu custo. b) sempre utilizar a tecnologia mais avançada. d) A remuneração bruta mensal não é um dado diretamente ligado à função pública. 2 Profº.1 Questão 2: FCC .Curso de Direito Administrativo.AJ TRE SP/TRE SP/Administrativa/"Sem Especialidade"/2012 De acordo com a Constituição Federal. o município está autorizado a proceder a divulgação da remuneração bruta do servidor e do respectivo CPF. moralidade. 1 Letra A. em exercícios. Cyonil Borges www.

parcialmente. e) à Administração direta. autárquica e fundacional. desde que realizados com rapidez e prontidão. em exercícios.br 115 . está em conformidade com a a) moralidade o ato administrativo praticado por agente público em favorecimento próprio. b) eficiência a prestação de serviço público que satisfaça em parte às necessidades dos administrados. Letra A.estrategiaconcursos. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 e) prestar conta das atividades realizadas com clareza e presteza aos órgãos de controle.3 Questão 4: FCC ACE TCE AP/TCE-AP/Controle Externo/Contabilidade/2012 De acordo com a Constituição Federal. b) à Administração direta.DP SP/DPE SP/2012 Com relação aos princípios constitucionais da Administração Pública. Cyonil Borges www. exclusivamente. integralmente. sujeitando-se as entidades da Administração indireta ao controle externo exercido pelo Tribunal de Contas. exclusivamente.Curso de Direito Administrativo. 4 5 Profº.4 Questão 5: FCC . e à indireta de todos os poderes e às entidades privadas que recebem recursos públicos.5 3 Letra C.com. d) à Administração direta. os princípios da Administração Pública aplicam-se: a) às entidades integrantes da Administração direta e indireta de qualquer dos Poderes. e) legalidade a inobservância a quaisquer atos normativos que não sejam lei em sentido estrito e provindos de autoridades administrativas. exceto às sociedades de economia mista exploradoras de atividade econômica. d) impessoalidade a violação da ordem cronológica dos precatórios para o pagamento dos créditos de natureza comum. c) às entidades da Administração direta e indireta. c) publicidade o sigilo imprescindível à segurança da sociedade e do Estado ou o indispensável à defesa da intimidade. Letra C. desde que revestido de legalidade.

fiz um resumão da Lei de Acesso à Informação. convênios.estrategiaconcursos.527/2011 (Lei de Acesso à Informação). independentemente de requerimentos. 8 CERTO. Lá no www. porque deles não se originam direitos. Profº. ajustes ou outros instrumentos congêneres estão obrigadas a divulgar o montante e a destinação de todos os recursos que movimentam. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Questão 6: ESAF . a apreciação judicial". b) a eficiência. ou revogá-los. 473 do Supremo Tribunal Federal – STF enuncia: "A administração pode anular seus próprios atos. Por meio da Súmula n.º 12. Os órgãos e entidades públicas têm o dever de promover a divulgação.527/2011 (Lei de Acesso à Informação). (CERTO/ERRADO)7 Questão 8: CESPE TEFC/TCU/Apoio Técnico e Administrativo/Técnica Administrativa/2012 A respeito das disposições da Lei n. quando eivados de vícios que os tornam ilegais. 7 ERRADO. As entidades privadas sem fins lucrativos que recebam recursos públicos diretamente do orçamento ou mediante subvenções sociais. julgue o item seguinte. e) a legalidade. contrato de gestão. por motivo de conveniência ou oportunidade.º 12. em exercícios. em local de fácil acesso. (CERTO/ERRADO)8 6 Letra A.br 116 . o STF consagrou: a) a autotutela.ATRFB/SRFB/Geral/2012 A Súmula n.tecconcursos. termo de parceria. uma vez que estão sujeitas às disposições da referida lei. d) a impessoalidade. em todos os casos.br. Cyonil Borges www. acordo. no âmbito de suas competências.6 Questão 7: CESPE TEFC/TCU/Apoio Técnico e Administrativo/Técnica Administrativa/2012 A respeito das disposições da Lei n. julgue o item seguinte. de informações de interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou custodiadas.Curso de Direito Administrativo. Suficiente para qualquer concurso fiscal.com. c) a publicidade. Peço a leitura de vocês. e ressalvada. respeitados os direitos adquiridos.com. 473.

de 18 de novembro de 2011 (Lei de Acesso à Informação no Brasil). de 18 de novembro de 2011. c) informação primária. Cyonil Borges www.9 Questão 10: ESAF . prazos e condições para sua interposição. ser-lhe indicada a autoridade competente para sua apreciação. Complementem os estudos com o meu resumo da Lei de Acesso à Informação.com.AFRFB/SRFB/2012 O acesso à informação de que trata a Lei n. o direito ao acesso a informações públicas foi regulado pela Lei n. Profº. os direitos abaixo. no inciso II do §30 do artigo 37 e no §20 do artigo 216 da Constituição Federal. b) informação sobre atividades exercidas pelos órgãos e entidades. contratos administrativos.estrategiaconcursos. é incorreto afirmar que: a) qualquer interessado poderá apresentar pedido de acesso a informações aos órgãos e entidades referidos na Lei. em exercícios. por qualquer meio legítimo.Curso de Direito Administrativo. situação em que poderá ser cobrado exclusivamente o valor necessário ao ressarcimento do custo dos serviços e materiais utilizados. os motivos determinantes da solicitação de acesso às informações de interesse público devem ser apresentados pelo cidadão requerente. compreende.ATRFB/SRFB/Geral/2012 Previsto no inciso XXXIII do artigo 50.527. mesmo que sigilosa ou parcialmente sigilosa. exceto: a) informação pertinente à administração do patrimônio público. licitação. autêntica e atualizada. 12. organização e serviços. inclusive as relativas à sua política. c) sob pena de indeferimento do pedido.br 117 . d) quando não for autorizado o acesso por se tratar de informação total ou parcialmente sigilosa. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 Questão 9: ESAF . Será um item certo na prova de vocês. utilização de recursos públicos. e) o serviço de busca e fornecimento da informação é gratuito. ainda. devendo. 12. 9 Letra C.527. d) orientação sobre os procedimentos para a consecução de acesso. salvo nas hipóteses de reprodução de documentos pelo órgão ou entidade pública consultada. b) os órgãos e entidades do poder público devem viabilizar alternativa de encaminhamento de pedidos de acesso a informações por meio de seus sítios oficiais na internet. devendo o pedido conter a identificação do requerente e a especificação da informação requerida. o requerente deverá ser informado sobre a possibilidade de recurso. bem como sobre o local onde poderá ser encontrada ou obtida a informação almejada. íntegra. entre outros. Quanto ao procedimento de pedido de acesso.

Cyonil Borges www.12 Questão 13: ESAF . b) Autotutela. c) Proporcionalidade.estrategiaconcursos. representando potencial redução do congestionamento do Poder Judiciário. e) Moralidade.11 Questão 12: ESAF .13 10 Letra B. Cassação.br 118 . 11 12 13 Profº. e) Eficácia. b) Proporcionalidade. d) Continuidade do Serviço Público. para AFT Profº Cyonil Borges – aula 02 e) informação produzida ou custodiada por pessoa física ou entidade privada decorrente de qualquer vínculo com seus órgãos ou entidades. c) Autotutela. consubstanciando um meio adicional de controle da sua atuação e. d) Eficiência. deve-se a) investir em políticas de remuneração vinculadas ao desempenho dos servidores. Caducidade. Revogação. c) detalhar os critérios formais de controle da legalidade dos atos administrativos. b) identificar se o ato administrativo deriva de comportamento discricionário por parte do agente público. Letra E. em exercícios.com. Letra C. mesmo que esse vínculo já tenha cessado. Contraposição) Para impedir a imoralidade de um ato administrativo que se esconde sob a aparência de legalidade. no que toca ao controle de legalidade. e) analisar se o motivo e o objeto da ação são compatíveis com o interesse público específico identificado.10 Questão 11: FCC .AFC (CGU)/CGU/Auditoria e Fiscalização/Geral/2012 A impossibilidade de o particular prestador de serviço público por delegação interromper sua prestação é restrição que decorre do seguinte princípio: a) Legalidade.AFC (CGU)/CGU/Auditoria e Fiscalização/Geral/2012 O princípio que instrumentaliza a Administração para a revisão de seus próprios atos. Letra D.AFTM SP/Pref SP/Gestão Tributária/2012 Assunto: Desfazimento do ato administrativo (Anulação. d) aperfeiçoar os instrumentos de controle dos fluxos de comunicação entre os servidores do órgão. denomina-se a) Razoabilidade.Curso de Direito Administrativo.