You are on page 1of 208

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof.

Cyonil Borges – Aula 14 AULA 14: AGENTES PÚBLICOS Oi Pessoal, De volta à labuta. Ora a banca recorta da “vetusta” Lei 8.112, de 1990; ora, da Constituição Federal, mais especialmente do capítulo da Administração Pública (arts. 37 ao 41). O curso de vocês é de exercícios. Porém, ao lado dos exercícios, acrescentei uma “palhinha” teórica de quase 100 páginas, com inserções, ao longo do texto, de questões da FGV, para quiçá adivinhação de futuras questões de ESAF. A teoria é um brinde. Considerando tratar-se de curso de exercícios, recomendo que tentem, primeiramente, resolver os quesitos, e, tão somente na presença da dificuldade, retomem a teoria. Pode ser um caminho mais prático. Boa aula a todos! Cyonil Borges Observação: se estiver bem segura(o), imprima só a parte de exercícios. A parte teórica pode ser consultada diretamente no computador.

Prof. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 1 de 208

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 TEORIA 1 – A RAZÃO DE SER DOS AGENTES PÚBLICOS Vocês já pensaram por que, realmente, existem agentes públicos? A resposta é relativamente simples. O Estado tem atribuições a serem cumpridas. E tais atribuições não são efetivamente desempenhadas pelo Estado, pois este é um ser, uma pessoa, imaterial, ou seja, sem existência física, enfim, o Estado não tem pernas e sequer braços. Desse modo, é necessário que alguém “materialize” a atuação do Estado. Nesse contexto, surgem os agentes públicos. Antes da classificação dos agentes públicos, é útil conceituá-los. Para tanto, é possível nos socorrermos às lições doutrinárias, bem como, às normas. Vejamos. Doutrinariamente, podemos dizer que os agentes públicos constituem um conjunto de pessoas que, de alguma forma, exercem uma função pública, como prepostos do Estado. De pronto, vejamos o conceito de agente público nas normas jurídicas. Para tanto, façamos a leitura da Lei 8.429/1992, popularmente conhecida como "Lei de Improbidade Administrativa". O conceito que a norma em referência dá à categoria é o que se segue: Reputa-se agente público, para efeitos desta Lei, todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nas entidades mencionadas no artigo anterior. A despeito da Lei de Improbidade dispor sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito na administração pública, o conceito contido em tal norma pode ser utilizado para a definição geral, a qual, conforme se observa, é bastante ampla, englobando dos mais altos escalões (detentores de mandato, tal como o Presidente da República), até àqueles que executam as mais simples tarefas. Feitas essas considerações iniciais, passemos à classificação dos agentes públicos.

Prof. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 2 de 208

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 2 – CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS A doutrina clássica divide servidores públicos da seguinte forma: políticos; administrativos; honoríficos; delegatários; e credenciados. Já a doutrina moderna enquadra-os em: políticos, particulares em colaboração, servidores públicos estatais e agentes militares. Vejamos, abaixo, a clássica. Os Agentes Políticos são aqueles incumbidos das mais altas diretrizes estabelecidas pelo Poder Público, em outros termos, são aqueles que desenham o destino da nação. Ocupam os mais elevados postos da Administração Pública, sejam cargos, funções, mandatos ou comissões, com ampla liberdade funcional e com normas específicas para sua escolha. São exemplos unânimes entre os doutrinadores: Membros do Legislativo (Deputados, Senadores e Vereadores), Chefes de Poder Executivo (Presidente da República, Governadores e Prefeitos), assessores diretos destes (Ministros e Secretários), e os membros de carreira diplomática.

Gosto de apontar, em turma, que os agentes políticos “transpiram” o poder. São aqueles que você lembra quando se menciona poder constituído. Quando se pensa em Poder Executivo Federal, qual a 1ª imagem que vem à lembrança? O Presidente da República, o Ministro de Estado. São agentes políticos, como vimos. E assim se sucede no poder legislativo. O amigo se questiona: a classificação acima é dita unânime, então qual a divergência existente? Desvenda ‘Mister M’. Vamos a ela. Há certa discussão doutrinária a respeito da possibilidade de inclusão de alguns agentes na categoria dos agentes políticos, tais como os Magistrados; membros do Ministério Público

Prof. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 3 de 208

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 (Procuradores da República e Promotores do Ministério Público dos Estados), e dos Tribunais de Contas. Alguns autores mostram-se a favor; outros se apresentam contrários a tal inclusão. Então como se comportar na PROVA? Informamos que o STF no Recurso Extraordinário 228.977/SP, referindo-se especificamente aos Magistrados, tratou-os como agentes políticos, investidos para o exercício de atribuições constitucionais, sendo dotados de plena liberdade funcional no desempenho de suas funções, com prerrogativas próprias e legislação específica. Assim, sem maiores discussões, além dos integrantes do Legislativo, Chefes de Executivo (e seus auxiliares diretos), os Magistrados podem ser enquadrados na categoria de agentes políticos. Legal. E os membros dos Tribunais de Contas? A doutrina clássica enquadra-os como agentes políticos. Porém, o STF, estranhamente, afirmou, com todas as letras, que os membros dos TCs são agentes administrativos. E como a ESAF está com toda uma inclinação à cobrança de jurisprudência, é interessante que guarde essa informação na cartola. Quanto aos membros do Ministério Público, ou seja, promotores de justiça e procuradores da república, de modo geral, a corrente moderna não os situa como agentes políticos. Duas são as principais características comuns dos agentes políticos: a) boa parte de suas competências é obtida diretamente da Constituição; e, b) de regra não se submetem às regras comuns aplicáveis aos servidores públicos. É o caso dos Juízes, os quais não se submetem à Lei 8.112/1990, por exemplo. Os Agentes Administrativos, por sua vez, constituem o maior contingente dos agentes públicos e são os que exercem cargos, empregos ou funções públicos, no mais das vezes, de caráter permanente. Não são membros de Poder do Estado, sequer

Prof. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 4 de 208

em razão de sua condição cívica. fazer uma leitura en passant do diploma legal. no mais das vezes.com. Integram. ao menos para fins penais. no máximo. São agentes administrativos: servidores públicos ocupantes de cargos efetivos. ok? E quando cai. para os efeitos penais. Mas não se preocupem em ler tal norma. embora transitoriamente ou Prof. que precisam consultar a lei. é um desastre geral. e os servidores temporários (estes últimos são referidos no inc. e.Curso de Direito Administrativo. bem como o das entidades da Administração Indireta. Os agentes administrativos submetem-se à hierarquia funcional e ao regime jurídico estabelecido pela entidade à qual pertencem. Os temporários são agentes públicos. porque ninguém sabe o gabarito. folgas por terem trabalhado nas eleições como mesários. Vejamos o que estabelece o art. IX do art. rsrs. A despeito de os agentes honoríficos (particulares em colaboração) não serem servidores públicos (são agentes). Atualmente tenho percebido que as bancas (malignos organizadores) têm inserido. Cyonil Borges www. na prova. de 1993. ocupa o quê? Ocupa a tal função temporária. para AFT Prof. pois ela não cai. um ‘vale coxinha’). vez ou outra. exclusivamente. sim. o quadro funcional dos entes da federação. em exercícios. se temporário não ocupa cargo. sem vínculos empregatícios ou estatutários. Mas. Então. nem emprego. 327 . exercentes de empregos ou funções públicos. Cyonil Borges – Aula 14 exercem atribuições políticas ou governamentais. por consequência. não custa nada. 37 da CF/1988). os Agentes Honoríficos são cidadãos (particulares em colaboração) que. Um tempo atrás. são convocados para colaborar transitoriamente com o Estado. exercentes. em pelo menos um momento da nossa carreira de concurso. como. de cargos em comissão. sua honorabilidade ou de sua reconhecida capacidade profissional. Mas podem receber compensações. quem.estrategiaconcursos. 327 do Código Penal: Art.br Página 5 de 208 . a Lei que rege os temporários é Lei 8.745. Por sua vez. considerados funcionários públicos. exercem função pública. Isso mesmo. apesar de não ocuparem cargo ou emprego público. recomendava a não leitura da referida Lei. por exemplo. não recebendo remuneração por tal atividade (esta é a principal característica dos honoríficos: não são remunerados em espécie – dindim. nem os Professores. uma questão sobre o tema. sendo.Considera-se funcionário público. reiteradamente. No caso da União.

Cyonil Borges www. de 1980) Em razão da transitoriedade do vínculo. Agências Reguladoras).estrategiaconcursos. emprego ou função pública. § 1º . os comissários de menores. os mesários eleitorais. empresa pública ou fundação instituída pelo poder público. exerce cargo.br Página 6 de 208 . (Incluído pela Lei nº 9. de 2000) § 2º .Curso de Direito Administrativo. para AFT Prof.Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo. Os Agentes Delegados ou delegatários são particulares em colaboração com Estado que têm sob sua incumbência a execução de certas atividades. a função pública desempenhada pelos agentes honoríficos não há de ser considerada para efeitos de acumulação de cargos. (Incluído pela Lei nº 6. sociedade de economia mista. por sua conta e risco. São exemplos de agentes delegatários: concessionários.983. em seu nome próprio. em exercícios. emprego ou função em entidade paraestatal. Cyonil Borges – Aula 14 sem remuneração. permissionários e autorizatários de serviços públicos. e quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pública. Sujeitam-se às normas e à fiscalização permanente do Estado. enfim. os Prof.A pena será aumentada da terça parte quando os autores dos crimes previstos neste Capítulo forem ocupantes de cargos em comissão ou de função de direção ou assessoramento de órgão da administração direta. funções ou empregos públicos.799. em especial do Poder Público delegante (Administração Direta e. obras ou serviços públicos. São agentes honoríficos: jurados.com. excepcionalmente.

Lembro. mediante remuneração do Poder Público. logo fica mais fácil acertar na prova. por relevante. honorífico etc. Muitas vezes. por exemplo. da lista apresentada. Por fim. que. Daí ocorre a designação do perito credenciado para fazer a avaliação. Cyonil Borges www. em exercícios. se poupem de ficar se perguntando se este ou aquele agente público é administrativo. Bom. Cyonil Borges – Aula 14 titulares (“donos”) de cartório. Então. (FGV/2010 .br Página 7 de 208 . os Agentes Credenciados são os que recebem a incumbência da Administração para representá-la em determinado ato ou praticar certa atividade específica. Foram apresentados exemplos de cada uma das categorias desses agentes. os quais são infindáveis.SEAD-AP . Entendam os conceitos. tratando de alguns conceitos essenciais ao bom entendimento. ok? Antes de prosseguir com a matéria. os tabeliães submetem-se a concurso público de provas E títulos (art. a indisponibilidade de bens de um particular. leiloeiros. o magistrado precisa determinar. para AFT Prof.Curso de Direito Administrativo. para fazer frente a uma eventual dívida que vai ser satisfeita judicialmente. Prof. em momento ou tempo certo. algumas questões.estrategiaconcursos. para que elaborem laudos necessários à tomada de decisão por parte do magistrado. dos peritos credenciados pela Justiça. por exemplo. exceto: (A) os servidores trabalhistas ocupantes de emprego público.com. 236 da CF/1988). É o caso. Só que Juiz não sabe quanto custa um imóvel (ilustrativamente). (B) os servidores estatutários ocupantes de cargo público. apenas para finalizar. e tradutores oficiais.Fiscal da Receita Estadual) São servidores públicos.

BADESC – Advogado) São considerados servidores públicos: (A) os chefes do Executivo e os militares.MEC) As pessoas físicas que prestam serviços ao Estado e às entidades da Administração Indireta. Prof. (E) os militares e os empregados permissionária de serviço público. (D) os agentes putativos e os particulares em colaboração com o Poder Público. os quais. Cyonil Borges – Aula 14 (C) os servidores das empresas concessionárias de serviços públicos. em exercícios. Na alternativa C. a organizadora apresenta uma das espécies do gênero particulares em colaboração com o Poder Público. Cyonil Borges www.2 de uma empresa (FGV/2009 . são espécie do gênero agentes públicos. (C) os servidores temporários e os empregados públicos.Curso de Direito Administrativo. São servidores. (D) concessionários públicos. (E) os servidores temporários contratados para atenderem à necessidade temporária de excepcional interesse público. para AFT Prof.112. de 1990). 2 Gabarito: alternativa C. (B) os servidores estatutários e os agentes políticos. os celetistas (exemplo dos servidores trabalhistas das empresas estatais) e os temporários (exemplo do recenseador do IBGE) e os agentes especiais (exemplo dos membros do MP).1 (FGV/2010 . Perceba que a ilustre organizadora fez referência a servidores e não a agentes públicos. por sua vez. (D) os servidores sujeitos ao estatuto especial da pessoa federativa correspondente.com. (B) agentes políticos. com vínculo empregatício e mediante remuneração paga pelos cofres públicos são consideradas: (A) militares.3 1 Gabarito: alternativa C.br Página 8 de 208 . (E) permissionários públicos.estrategiaconcursos. Primeiro detalhe para a resolução. (C) servidores públicos. os estatutários (exemplo dos regidos pela Lei 8.

Logo excluímos alternativas “D” e “E”. sob remuneração ou não. Cyonil Borges www. Assim. Os notários são particulares em colaboração. 4 Gabarito: alternativa C. também chamados de agentes delegatários. O erro da letra B é que não assumem cargos públicos.com.br Página 9 de 208 . descartamos os militares e os agentes políticos. repito. mas sim funções públicas. tais agentes não assumem cargos públicos. Prof. c) delegatários de serviços públicos aprovados em concurso público.estrategiaconcursos. Cyonil Borges – Aula 14 (2011/FGV – OAB) São considerados agentes públicos todas as pessoas físicas incumbidas. investidos em cargos efetivos após aprovação em concurso.Curso de Direito Administrativo. definitiva ou transitoriamente. de provas e títulos. é correto afirmar que os notários e registradores são: a) agentes públicos ocupantes de cargo efetivo e se aposentam aos 70 (setenta) anos de idade. Primeiro: prestam serviços para a Administração Indireta.4 3 Gabarito: alternativa C. e não se aposentam compulsoriamente. em exercícios. O erro da letra A é que não se aplica a eles as regras de aposentação dos servidores públicos. exercem funções. depois da prévia aprovação em concurso público. ocupantes de cargo efetivo. do exercício de função ou atividade pública. Segundo: são remunerados pelos cofres públicos. Voilà. Assim. O erro da letra D é sutil. para AFT Prof. mediante delegação do Estado. d) os notários e registradores são delegatários de serviços públicos. b) agentes públicos vitalícios. Chegamos à alternativa C.

para AFT Prof. praticamente. na Administração Direta. de 1990.br Página 10 de 208 . Cyonil Borges www. que: I) A Lei 8. Sinceramente. no caso federal. e. A Lei 8.estrategiaconcursos. estabelecer seu próprio regime jurídico de servidores. Se “escondermos” a parte final (cometidas a servidor) o conceito serve. desde logo.Curso de Direito Administrativo.112/90. o campo de abrangência da Lei é a Administração Direta.1 CARGOS. para qualquer coisa. que. devendo. EMPREGOS E FUNÇÕES Cargos públicos podem ser vistos como as mais simples e indivisíveis unidades de competência a serem exercidas por um agente regido por estatuto próprio. esse conceito aí não é muito útil não.112.112/1990. Prof. vejamos o art.com. de 1990. Autarquias e Fundações Públicas FEDERAIS. de goleiro de time de futebol até astronauta. é a 8. que define cargo público como: o conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas a um servidor... II) Apenas para ilustrar.112.112/1990. Cyonil Borges – Aula 14 3 – CONCEITOS BÁSICOS 3. em âmbito FEDERAL. em exercícios. É importante destacar. bem como nas Autarquias (inclusive as de regime especial) e nas fundações públicas. Esta definição está em linha com o disposto na Lei 8. não abrange os servidores das demais esferas federativas. não alcança sociedades mistas e empresas públicas da União. 2º da Lei 8... uma vez que estados e municípios tem sua própria autonomia. que estatui o regime jurídico dos servidores públicos da União. portanto. Assim.

112. bilateral.Curso de Direito Administrativo. são de provimento efetivo ou comissionado. institucional. em razão de aparente inconstitucionalidade no rito formal para sua aprovação. unilateral.br Página 11 de 208 . no do emprego público. o vínculo é contratual. Cyonil Borges – Aula 14 Por isso. mas sim comissionados. de 1990). que é a seguinte: Prof. Cyonil Borges www. o vínculo é estatutário. Assim. sob a regência da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT. 39. Mas é importante registrar essa informação. Só que tais cargos não são efetivos. a Lei 8.com. O cargo público difere do emprego público essencialmente no que se refere ao vínculo que une o ocupante ao Estado: no caso do cargo público. regido por norma própria (no caso federal. a contratação sob o regime de emprego público (CLT) na Administração Direta. Em tal julgado. com a suspensão da vigência do caput do art. a Lei 8. de 1990. NÃO SÃO REGIDOS PELA CLT. Autárquica e Fundacional FEDERAL?”. parte da doutrina prefere conceituar cargo público como um lugar inserido na organização do serviço público. Bom. por conta das nuances do processo de controle de constitucionalidade. Os empregados públicos. que teve sua constitucionalidade apreciada mediante a Ação Declaratória de Inconstitucionalidade – ADI 2135. para AFT Prof. para suspender a vigência do dispositivo. isso diz respeito à redação do caput do art. II do art. Questão interessante é se “é possível. 39 da CF/1988. aqueles que ocupam exclusivamente cargos em comissão também ocupam. 37 da Constituição Federal. com funções próprias e remuneração fixada em lei. a despeito de não terem direito à estabilidade constitucional referente ao exercício de cargo público ou ao regime próprio de previdência dos servidores públicos. Ou seja. Vejamos o conceito de emprego. então.112. o Supremo deferiu. obviamente.estrategiaconcursos. Esclareço que os cargos na Lei 8. volta a valer a redação anterior de tal dispositivo. pois COMISSIONADOS NÃO SÃO EMPREGADOS PÚBLICOS. legal (de novo: no caso da União. em exercícios. Peço não confundir o fato de tais servidores seguirem o RGPS (sistema de previdência) com a natureza jurídica do cargo: comissionado. cautelarmente.112. de 1990) a ser preenchido por servidor público. devem ser admitidos mediante concurso. cargos. ante o que estabelece o inc. HOJE.

Cyonil Borges www. mas somente os servidores públicos das pessoas jurídicas de Direito Público (Administração Direta e Indireta de Direito Público. É um sistema legal. No caso. a Lei 8. 18 da CF/1988. em exercícios.estrategiaconcursos. os ocupantes de CARGOS PÚBLICOS. nessa ordem. das autarquias e fundações.112/1990 trata da vida funcional do servidor público. a Lei 8. primeiro de tudo: com a ADI 2135. A Lei 8.112/1990 instituiu. institucional. explicitar o sentido da expressão “Regime Jurídico” constante do art. Prof. mesmo em âmbito federal. Assim. Regime jurídico é um conjunto de regras que regula determinado instituto. por se tratar de uma Lei. pode voltar a ser chamada de regime jurídico único. Seu campo de abrangência diz respeito. os Estados. aposentadoria e readaptação. inclusive. ou seja. Cabe. aqui. para a União (pessoas jurídicas de Direito Público). Vejamos outros detalhes a respeito. para AFT Prof. regime jurídico único e planos de carreira para os servidores da administração pública direta. o chamado Regime estatutário. à qual os ocupantes de cargos efetivos e comissionados em nível federal aderirão. no conceito dado pela Lei. repetimos. em razão da autonomia concedida pelo art. por exemplo. no âmbito de sua competência. à UNIÃO e não aos estados/municípios. de seu ingresso originário até sua saída. de 1990.Curso de Direito Administrativo. Necessário ressaltar que o Estatuto. 1o da Lei 8. agências especiais).br Página 12 de 208 . o Distrito Federal e os Municípios instituirão.112/1990. com ou sem extinção definitiva do vínculo. e não contratual.com. legal. 39 A União. os quais detêm competência para editar suas próprias leis referentes aos servidores de sua esfera. abrange não a totalidade dos agentes públicos.112. Cyonil Borges – Aula 14 Art.

estrategiaconcursos. Deputados. ou mesmo empregados públicos (os tais celetistas). a Função pública. Cyonil Borges www. finalmente. os agentes políticos (Presidente da República.br Página 13 de 208 . por exemplo). sejam excludentes com relação aos cargos/empregos públicos. No preenchimento de funções de confiança. Por isso que se diz que é possível que a função não corresponda a cargo. referentes à chefia.com. maior parte das vezes. IX do art. no sentido de desempenho de atribuições. Bom. dispensase mesmo a realização de concurso público. muitas vezes em caráter de urgência. por exemplo). para AFT Prof. na clássica assertiva do mestre Hely Lopes.Curso de Direito Administrativo. Em razão da transitoriedade que a contratação visa a atender. mas pode haver função sem cargo. que há uma II) Prof. quando se fala em funções públicas. em razão de necessidade temporária de excepcional interesse público (inc. desde logo. Tais agentes são submetidos. tampouco os particulares que colaboram com o poder público (Leiloeiros e tradutores. Magistrados. Ressalto. dado que o trâmite normal de um procedimento complexo como o concurso público para seleção de pessoal inviabilizaria o atendimento da situação excepcional. Cyonil Borges – Aula 14 O Código dos Servidores Civis não abrange. têm-se claras pelo menos duas situações: I) Na contratação temporária de servidores. 37 da Constituição Federal). a processo seletivo simplificado. assessoramento ou outro tipo de atividade para as quais o legislador não haja criado cargos de natureza efetiva. de maneira residual. todo cargo tem função. em exercícios. Com efeito. Não se pode dizer que as funções. De fato. por exemplo. pode ser definida como o conjunto de atribuições às quais não corresponde cargo ou emprego público.

Assim.Curso de Direito Administrativo. então. Mata rápido essa: temporários fazem concurso? NÃO! Mas como. o inc. 37 da CF/1988: a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. a falar um pouco mais sobre tais funções temporárias.estrategiaconcursos. Cyonil Borges – Aula 14 distinção conceitual importantíssima para concursos públicos entre as funções de confiança e os cargos em comissão. IX do art. Prof. Passemos. Olha só.com. II do art.br Página 14 de 208 . vamos ler. juntos. em exercícios. Cyonil Borges www. MAS COMO NÃO? O concursando se pergunta: os TEMPORÁRIOS NÃO TÊM CARGO/EMPREGO? Não! Então. 37 da CF/1988). gente. observação. não há necessidade de concurso para os temporários. para AFT Prof. Essa distinção será trabalhada mais à frente.. temporário não faz concurso? Um dia desses eu vi um para o IBGE.. já que o assunto está se tornando comum em provas recentes. daí. uma primeira temporária exige-se LEI. Para a contratação A CF exige concurso público para CARGOS E EMPREGOS públicos (inc. os temporários possuem o quê? FUNÇÕES públicas temporárias.

cargos de carreira. Asseverou-se ser preciso estruturá-la em cargos de provimento efetivo. Precedente citado: ADI 2229/ES (DJU de 25. apreciada em 2008 e noticiada no informativo do Supremo do modo que se vê: Contratação Temporária de Advogado e Exercício da Função de Defensor Público Por vislumbrar ofensa ao princípio do concurso público (CF. que dispõe sobre a contratação temporária de advogados para o exercício da função de Defensor Público. para AFT Prof. serão destacados julgados do STF que vêm consolidando posição mais conservadora da Corte a respeito das contratações temporárias: estas não podem ser utilizadas indiscriminadamente. para atividades da rotina administrativa. Cyonil Borges www.br Página 15 de 208 . no âmbito da Defensoria Pública do referido Estado-membro. a Defensoria Pública não convive com a possibilidade de que seus agentes sejam recrutados em caráter precário.estrategiaconcursos. o Tribunal julgou procedente pedido formulado em ação direta ajuizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. mas já é clássico) é o relacionado às atividades da Defensoria Pública. em razão de desempenhar uma atividade estatal permanente e essencial à jurisdição.Curso de Direito Administrativo. a se refletir na boa qualidade da assistência a que têm direito as classes mais necessitadas. do Estado do Rio Grande do Norte. Vejamos o que diz a ADIN 3700. Prof.6. 37.2004).com. Cyonil Borges – Aula 14 “De cara”. O caso mais “clássico” (é novo. II). Considerou-se que. para declarar a inconstitucionalidade da Lei 8.742/2005. haja vista que esse tipo complexo de estruturação é que garante a independência técnica das Defensorias. em exercícios. art.

o STF fixou parâmetros para as contratações temporárias de forma mais clara: ADI N. e não regra na Administração Pública. II – Para que se efetue a contratação temporária. tratou ESPECIFICAMENTE das atividades dos defensores.estrategiaconcursos. mais recentemente. I – A contratação temporária de servidores sem concurso público é exceção. mas.430-ES RELATOR: MIN. INCONSTITUCIONALIDADE. 37 DA LEI MAIOR. principalmente.com. em exercícios. Daí. Ausência de relevância e interesse social nesses casos. 3. e há de ser regulamentada por lei do ente federativo que assim disponha. IV – Prazo de contratação prorrogado por nova lei complementar: inconstitucionalidade.br Página 16 de 208 .Curso de Direito Administrativo. é necessário que não apenas seja estipulado o prazo de contratação em lei. O caso é incidental. LEI ESTADUAL CAPIXABA QUE DISCIPLINOU A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE SERVIDORES PÚBLICOS DA ÁREA DE SAÚDE. ou seja. POSSÍVEL EXCEÇÃO PREVISTA NO INCISO IX DO ART. razão pela qual não assiste razão à Administração estadual capixaba ao contratar temporariamente servidores para exercer tais funções. ADI JULGADA PROCEDENTE. RICARDO LEWANDOWSKI EMENTA: CONSTITUCIONAL. que o serviço a ser prestado revista-se do caráter da temporariedade. para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 O destaque não consta do texto original. III – O serviço público de saúde é essencial. Cyonil Borges www. * noticiado no Informativo 555 O trecho negritado é para que se registre o seguinte: as atividades que sejam consideradas essenciais não podem ser objeto de contratação direta. V – É pacífica a jurisprudência desta Corte no sentido de não permitir contratação temporária de servidores para a execução de serviços meramente burocráticos. jamais pode-se caracterizar como temporário. VI – Ação que se julga procedente. Prof.

rsrs. uma vez que contam com mandato.A. nos casos/condições/percentuais mínimos estabelecidos em LEI.. recorrentemente. exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo. apesar de ser um cargo de direção. um cargo comissionado (exclusivamente). EFETIVOS E EM COMISSÃO Inicialmente. 37 da CF/1988: V as funções de confiança. a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos. Um cargo de motorista não pode ser. Ressalto que tanto os cargos em comissão. com exceção feita. não são exoneráveis (demissíveis) ad nutum. É por isso que. destinam-se apenas às atribuições de direção. não constam do texto original: funções de confiança são para servidores de cargos EFETIVOS. devem ter por finalidades atribuições de comando ou de assessoria.com. chefia e assessoramento Os destaques. em exercícios. enquanto que os cargos em comissão devem ser preenchidos por servidores de CARREIRA. chefia e de assessoramento Alguns pontos comuns entre as funções e os cargos comissionados: I) destinam-se à Direção e ao Assessoramento Superior. ainda. que. vejamos o que diz o inc. e os cargos em comissão. por exemplo. V do art. Cyonil Borges – Aula 14 3. Cyonil Borges www. mais uma vez. a despeito de exercerem cargos de direção. para AFT Prof.. II) são preenchidos sem a necessidade de concurso público prévio. condições e percentuais mínimos previstos em lei. aos Diretores de Agências Reguladoras. referem-se a tais cargos como os de D..br Página 17 de 208 . não oferecendo garantia de permanência do titular no cargo (estabilidade). pois não é de comando ou assessoria. por exemplo. como as funções de confiança. Prof. Dispensam.. motivação para a exoneração de seus ocupantes.S.2 – CARGOS VITALÍCIOS..estrategiaconcursos.Curso de Direito Administrativo. Servidores de Funções de EFETIVOS Confiança (EXCLUSIVO) Cargos em Servidores Comissão CARREIRA cargos Destinam-se APENAS às atribuições de direção..

br Página 18 de 208 . somente por meio de processo judicial com sentença transitada em julgado poderá ocorrer a perda do cargo pelo vitalício. Prof. Cyonil Borges www.Curso de Direito Administrativo. Podem ser citados como exemplos de tais cargos: o dos Magistrados (art. mas tão só mera designação. que não poderá exceder a trinta dias da publicação. “a”.estrategiaconcursos. Após a aquisição da vitaliciedade. §3º. 95. 15 da Lei 8. §5º. CF). cargos vitalícios são aqueles previstos na CF de 1988. como para ocupar FUNÇÃO DE CONFIANÇA o sujeito já tem que ser detentor de cargo efetivo. I. e tem início com a publicação do ato que designa para tal. CF) e dos membros dos Tribunais de Contas (art. A razão é uma só: como o sujeito já possui cargo efetivo. 128. isto é. o de membros do Ministério Público (art. I. Por fim uma breve nota sobre cargos vitalícios: esses são de previsão constitucional. será DESIGNADO para a função de confiança. salvo quando o servidor estiver em licença ou afastado por qualquer outro motivo legal.com. De fato. em exercícios. Vejamos o que diz o § 4o do art. então por que nomeá-lo. para AFT Prof. será meramente DESIGNADO para a função de confiança. novamente? Assim.112: O início do exercício de função de confiança coincidirá com a data de publicação do ato de designação. hipótese em que recairá no primeiro dia útil após o término do impedimento. Perceba que o início do exercício da função de confiança é IMEDIATO. CF). 73. Cyonil Borges – Aula 14 III) não há nomeação para FUNÇÕES DE CONFIANÇA.

a extinção também se faz por Lei. que são criados por Resolução). Mas é bom recordar que a CF/1988 dá a possibilidade de extinção de cargos públicos VAGOS por decreto (vejam o inc. Vamos lá. só isso. por lei deve ser extinto. responsabilidades e Prof. Se o cargo público é criado por lei..3 – CRIAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS Aqui. desfaz-se. Mas tem um segredinho. Cyonil Borges – Aula 14 3. que chamamos de “simetria” (ou paralelismo de forma). neste caso.. 3. de modo geral. é necessária a edição de uma LEI. Detalhe: cargos públicos preenchidos também podem ser extintos.estrategiaconcursos.4 – PADRÃO.Curso de Direito Administrativo. CLASSE. Essa passagem é para que os amigos possam ter uma breve noção a respeito de como se organizam os quadros de pessoal da Administração Pública. Classes constituem o agrupamento de cargos da mesma profissão. Cyonil Borges www. como sempre. 84 da CF/88).com. Os cargos a serem ocupados por servidores públicos organizados em carreira são distribuídos em padrões e classes. Só que. VI do art. CARGOS ISOLADOS E QUADRO. por conta do nosso princípio da simetria. CARREIRA. é dizer. Seria. como se faz. para AFT Prof. em exercícios. Como a criação de cargos se faz por lei (com exceção dos cargos de legislativo. ante um princípio válido para o direito. a observação é singela: cargos públicos são criados por LEI.br Página 19 de 208 . com idênticas atribuições. praticamente.

Já quando ele muda de padrão. Quando um servidor ocupante de cargo organizado em carreira muda de CLASSE é PROMOVIDO. a promoção é forma simultânea de provimento e vacância. crescimento em uma carreira. constituem os “degraus” de Interessante notar que PADRÃO é a subdivisão de uma classe. Para o ingresso em uma carreira referente a cargos efetivos. para AFT Prof.112/1990 fala só de PROMOÇÕES e não de progressões funcionais. DENTRO DAS CLASSES. em exercícios. Depois voltaremos a esse assunto (provimento e vacância). SEM MUDAR DE CLASSE. organizadas sob o fundamento da hierarquia.br Página 20 de 208 . TEMOS OS PADRÕES.com. Cyonil Borges www. devendo ser precedido. portanto. Classes. Cyonil Borges – Aula 14 vencimentos. A Lei 8.Curso de Direito Administrativo. é PROGREDIDO. 8º e 33 da norma. Carreira é o agrupamento de classes de uma mesma profissão ou atividade. E. ou seja. Confiram nos arts. Mas. o provimento deverá ser originário (a ocorrer por nomeação). detalhe: segundo a Lei. sob a égide da atual Prof. continuemos a entender a organização dos quadros da Administração. antes.estrategiaconcursos.

estrategiaconcursos. Se um sujeito de cargo de nível médio galga todas as classes e níveis de sua carreira.com. Então. exemplo. em exercícios. auditor. 37.1 – A REGRA DO CONCURSO PÚBLICO Repassemos. Cyonil Borges – Aula 14 Constituição Federal. não há alteração na complexidade das atribuições. E assim se organiza a Administração: cargos organizados em carreira. tem determinadas atribuições e remuneração. inc. Um exemplo destes é o cargo de Ministro. mesmo que ele seja excelente.br Página 21 de 208 . e. uma paradinha. não poderá ser “ascendido” a uma carreira de nível superior. chegando ao topo de tal carreira. das funções de um mesmo órgão ou Poder dá-se a denominação de quadro. para AFT Prof. Ou seja. Ao somatório de carreiras. as atribuições e remuneração são as mesmas. Guarda aí na cartola. e leiam ao art. De outra parte. há cargos que não se encontram organizados em carreira. CF). exemplo. o que é preciso fazer para ingressar em um cargo efetivo? Não vale responder fazer cursinho! Em realidade. para podermos falar sobre o ingresso dos servidores nos quadros da Administração. do TCU. 4. à semelhança do que ocorre com os cargos organizados em carreira. Cyonil Borges www. a resposta é CONCURSO PÚBLICO. uma vez que o STF vem decidindo que isso é inconstitucional.Curso de Direito Administrativo. Ou seja. Então. São tais cargos ditos isolados. 37 da CF. A seguir. de concurso público (nesse ponto. cargos isolados. se o sujeito em questão quiser passar para uma carreira de nível superior. 4 – ACESSIBILIDADE A CARGOS PÚBLICOS A acessibilidade quer dizer como se faz para termos acesso aos cargos e empregos públicos. a partir do regramento constitucional estabelecido no inc. sendo únicos em sua categoria. no ano “Y”. II do art. que assim dispõe: Prof. o que substitui os Ministros. os conteúdos gerais a respeito do concurso público. terá de prestar novo concurso. II. inicialmente. ainda. por favor: transferência e ascensão são formas inconstitucionais de provimento (decisão sumulada do STF). a primeira coisa é falar sobre os concursos. Ah! Um último detalhe. e cargos isolados. No ano “X”. técnico de controle externo do TCU. por se tratar de uma situação que não é mais autorizada pela atual constituição.

Contudo tal acesso permitido aos estrangeiros não é amplo e irrestrito: há cargos privativos de brasileiro natos. para AFT Prof. na forma da lei. com redação dada pela EC 19/98. Cyonil Borges www. 173 da CF). um item assim estaria ERRADO. referidas no inc. Sem entrar em detalhes. assim como aos estrangeiros. I do art. Primeiro: a exigência de concurso público ocorre não só com relação aos servidores estatutários. dispõe: os cargos. mas também os estrangeiros. de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego. devem contratar seu pessoal por meio de concurso público. São exemplos de cargos privativos de brasileiros natos: Presidente e Vice-Presidente da República. Ministro de Estado da Defesa. em exercícios. na forma prevista em lei. Perceba que. Mas. é o entendimento do STF. Cyonil Borges – Aula 14 A investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos. 37). Segundo: o concurso pode ser só de provas ou de provas e títulos. Verifica-se a possibilidade de não só os brasileiros. mesmo as empresas estatais exploradoras de atividades econômicas (§1º do art. então! Nesse primeiro ponto também ressalto que o inc.Curso de Direito Administrativo. empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei. ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração. 37 da CF. como as Sociedades de Economia Mista e as Empresas Públicas. terem acesso a cargos/empregos/funções públicos. não se admitindo concurso só de títulos (releiam o inc. uma vez que cargos em comissão não demandam concurso. e. II do art. Tenham atenção. O amigo então se questiona: e o famoso exame curricular? Não é cabível? Esclareço que as contratações temporárias. Presidente do Senado Federal. mas também com relação aos empregados públicos.br Página 22 de 208 . inclusive. natos ou naturalizados. por excepcional interesse público. Presidente da Câmara dos Deputados.estrategiaconcursos. Esse. Várias observações podem ser feitas em relação a este inciso. responde rápido aí: todo acesso a cargo público demanda concurso público.com. 37 da Prof. IX do art.

tratando-se. para AFT Prof. cabendo. não estão sujeitas à regra do concurso público. Por uma questão de moralidade. conforme o caso.Curso de Direito Administrativo. processo seletivo simplificado mediante provas. milhares. (Recurso em Mandado de Segurança n° 19. Agora. provas e títulos.com. boa parte dos autores tem entendido que a aprovação gera ao candidato expectativa de direito à investidura no cargo ou emprego em questão. tais como os de Ministros do STF e do Tribunal de Contas da União. haja vista que a Administração pode alterar a data ou mesmo desistir de realizá-las. ou ANÁLISE CURRICULAR. muitos terão chance de não serem “deixados de lado” pela Administração. as coisas vêm mudando. A inscrição não gera ao candidato o direito à realização das provas. Contudo.Aprovação de candidato dentro do número de vagas previstas em edital . ou seja. de uma expectativa de direito dos candidatos. para citar apenas algumas. os quais aprovados em concurso público. NAS VAGAS PREVISTAS NO EDITAL. no entanto.br Página 23 de 208 . de candidatos. pois. e já objeto de comentários acima. Pois bem.922) O destacado “ainda bem” da frase anterior é por conta da certa tranquilidade de que as decisões como essa citada podem trazer para centenas. Com tais precedentes. em exercícios. podemos ver o concurso como um procedimento administrativo composto de várias etapas. Da mesma forma. Na doutrina. alerto para a inexigibilidade de concurso para o preenchimento de determinados cargos vitalícios.Direito líquido e certo à nomeação e à posse no cargo. tais como a inscrição. simplesmente não são chamados pela Administração.estrategiaconcursos.Concurso . já notaram como passaram a proliferar concursos com cadastros de reserva? Prof. Seguindo adiante. de respeito aos cidadãos ainda bem que a jurisprudência vem mudando. Cyonil Borges – Aula 14 CF/1988. No STJ. o aprovado em concurso público tem mera expectativa de direito à nomeação. decisões como as seguintes passaram a surgir: Servidor público . dentre outros. a aprovação e a nomeação do candidato. Cyonil Borges www.

e. três interessantes: I) o prazo inicial determina a prorrogação. prorrogável uma vez. Segundo a Corte. em exercícios. Assim. de ato discricionário da Administração. Cyonil Borges – Aula 14 Pois é. Assim. concursos vencidos não podem ser prorrogados. III) a contagem de prazo de vigência ocorre a partir da homologação do resultado mesmo.estrategiaconcursos. PRORROGÁVEL por igual período. Terceiro ponto: a validade do concurso (melhor seria eficácia. o martelo foi batido pelo STF (RE 598099). Essa a razão de concurso com cadastro de reserva. 37 da CF/1988: o prazo de validade do concurso público será de até dois anos.br Página 24 de 208 . agora.a lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios de sua admissão Prof. tratando-se. III do art. O Supremo reconheceu o direito subjetivo à nomeação. II) o concurso só pode ter seu prazo de vigência prorrogado caso ainda esteja em vigor. mas deixa pra lá) está prevista no inc. FACULTADO à Administração prorrogar. prorrogáveis por mais seis. não tem como que se falar de direito à nomeação.com. Cyonil Borges www. Quarto ponto: a questão do ingresso dos deficientes nos quadros da Administração. para AFT Prof. se não há vagas previstas no edital. enfim. oportunidade em que a Administração reconhece a legitimidade de todas as etapas do concurso.Curso de Direito Administrativo. Vamos nós de novo na CF/1988: VIII . aliás. portanto. a Administração Pública deverá agir eficientemente ao deflagrar concurso público para provimento de cargos públicos e nomear os candidatos aprovados em número igual ao dos cargos vagos previstos no edital do certame. por igual período Apesar de ser uma questão mais do que batida em concurso atentem que a vigência do concurso é de ATÉ dois anos. um concurso pode ter vigência de seis meses. Uma observação. ou seja. E. pois não existem mais. homenageando-se a profissionalização da função pública.

tinha o direito de ocupar o cargo de técnico judiciário do Tribunal Superior do Trabalho (TST). As bancas estão se inclinando para o lado da jurisprudência. percebam que o dispositivo constitucional não isenta os portadores de deficiência de prestar concurso para ingresso nos quadros da Administração. Cyonil Borges www. a própria definição de deficiência por vezes traz polêmica. estatui: Às pessoas portadoras de deficiência é assegurado o direito de se inscrever em concurso público para provimento de cargo cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são portadoras.Curso de Direito Administrativo. No caso. ou seja.071 entendeu que J. a Lei 8.com. Vejamos.F. por exemplo. portador de visão monocular. simplesmente a partir desse julgado. O STF.A. O que se preserva. Aliás. podemos dizer que NEM TODO CONCURSO PÚBLICO RESERVARÁ VAGAS PARA DEFICIENTES. pelo dispositivo transposto. Percebe-se.br Página 25 de 208 . para AFT Prof. em exercícios. Então. Cyonil Borges – Aula 14 De pronto. os ministros da Turma concordaram com o entendimento do relator de que visão monocular é uma necessidade especial e legitima o portador a concorrer às vagas especiais nos concursos públicos. é o direito de tais pessoas de participarem de concursos públicos.. implicaria majoração indevida dos percentuais legalmente estabelecidos. para tais pessoas serão reservadas até 20% das vagas oferecidas no concurso. a Suprema Corte considerou legítimo o edital de concurso para o preenchimento de duas vagas que não reservou nenhuma para deficientes. ao tratar do RMS 26.estrategiaconcursos. ao regulamentar a matéria. a questão dos monoculares. A decisão foi adotada por unanimidade da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). E muita atenção. Ligadas(os)! Com base nesse entendimento. cinquenta por cento das vagas existentes. A propósito. contudo. Entendeu a Corte Suprema que reservar uma vaga. pode-se afirmar que nem todo concurso precisa reservar vagas para deficientes. para cargos que sejam compatíveis com as deficiências que portem. interessante notar que. que o limite é Mas. Prof. sinteticamente. Tratemos. a partir de decisões judiciais.112/90. máximo. do Mandado de Segurança 26310/STF.

Quinto ponto: o estabelecimento de limitações ao acesso a cargos e empregos públicos. firmar que só a partir de determinada altura. não era considerado deficiente. por conta das normas que tratam da matéria. ainda. As limitações ao acesso aos cargos/empregos públicos só devem ser aceitas quando razoáveis e em consonância com a ordem jurídica. em relação à origem. sexo. Tais requisitos. tal sexo. devem gozar de previsão legal. a título de exigência. vejam só: o candidato.estrategiaconcursos. do STF: É inconstitucional o veto não motivado à participação de candidato a concurso público. Também não devem ser admitidas as odiosas restrições discriminatórias. em virtude do princípio da legalidade.432-RS. na linha do decidido pelo STF. deverá SEMPRE ser motivada. em exercícios. Destaque-se que esse é mesmo posicionamento do STJ (visão monocular é deficiência. raça. é gritante que tal situação (monocular) deve ser considerada deficiência. religião. e deverá ser convocado o deficiente seguinte na ordem de classificação. No caso de veto à participação de candidato. a despeito de ser possuidor de visão em um olho só. Nesse quadro. e outros. para AFT Prof. Cyonil Borges www. há necessidade de estabelecimento de requisitos que permitam aferir a aptidão do interessado em ingressar no serviço público. Prof. apreciado pelo STF: O edital de concurso não é instrumento idôneo para o estabelecimento de limite de idade para a inscrição em concurso público. É de incumbência de junta médica oficial avaliar se o portador de deficiência possui condições de exercer o cargo pretendido. De toda forma. pois teria plena capacidade visual no olho direito. para efeitos de participação em concurso). determinada condição física.br Página 26 de 208 . Caso não seja deficiente. informar se o candidato é mesmo deficiente. etc. Nada impede que o edital mencione ou mesmo reproduza o que dispõe a Lei. para que seja legítima tal exigência é imprescindível a previsão em lei. o candidato que houver concorrido para a vaga nessa qualidade terá sua aprovação invalidada. Ora. Cyonil Borges – Aula 14 Agora. cumpre trazer à lume o RE 184.Curso de Direito Administrativo. ou. e não apenas no edital do certame. o candidato pode ter acesso ao cargo ou emprego pretendido.com. para que se adote o mesmo procedimento verificatório. Tal regra encontra-se consolidada na Súmula 684. O que se veda é realização de exigências exclusivamente por meio de edital. ou seja.

a escolha de ALGUÉM.. artístico. Quanto às carreiras específicas da área jurídica. Os de lá (de licitações) têm por objeto a escolha de um ALGO (trabalho – técnico. como uma espécie de limitação. passaríamos horas aqui. Não podem ser confundidos. o STF entende ser razoável (Súmula 683) a sua existência. Mas não vêm ao caso no curso de Direito Administrativo (peço a leitura de vocês. portanto. a questão da exigência dos exames psicotécnicos. para AFT Prof. Prof. Não há dúvida. Juízes e Membros do MP. Pode parecer bobo. Olha só um exemplo: Considerando que a Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) é uma autarquia federal. científico). em certa medida. em exercícios. que pode ser entendida. Com relação às limitações de idade.Curso de Direito Administrativo. Por fim. mas isso ainda cai em prova. Quinto ponto: o concurso para seleção de servidores é diferente do concurso modalidade de licitação. Mas basta apenas uma súmula para entendermos. haja vista a necessidade de vigor físico. portanto: só a LEI possibilita a exigência de exames psicotécnicos. Por exemplo: idade máxima para agentes da Polícia Federal. Cyonil Borges – Aula 14 O momento de exigência dos requisitos para o exercício das atribuições do cargo também é importante: devem ser cumpridos quando da posse. julgue os itens a seguir.br Página 27 de 208 . e não no momento de inscrição. sendo. porque a prática jurídica é requerida no ato de inscrição do concurso. há outras regras. uma exceção ao teor da Súmula do STJ).com. desde que a natureza das atribuições do cargo as exija. É a Súmula 686 da Corte Constitucional. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos.. conforme a Súmula 266 do STJ. que assim estabelece: Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a habilitação de candidato a cargo público. Se fossemos citar a jurisprudência do STF a respeito do assunto.112/1990). e os de cá (Lei 8.

(D) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. III. O gabarito preliminar. Gabarito da questão: ERRADO. (FGV/2010 . (C) se somente a afirmativa III estiver correta. (B) se somente a afirmativa II estiver correta. II. em exercícios.estrategiaconcursos.SEFAZ-RJ – Fiscal de Rendas) Com relação aos servidores públicos. 37. O erro do item I é que a Súmula Vinculante 5. fica mantida a alternativa E. da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Nessa situação. consiste no procedimento adequado para apurar falta funcional do fiscal de rendas do Estado do Rio de Janeiro. Assinale: (A) se somente a afirmativa I estiver correta. a banca alterou para letra “C”. claro.br Página 28 de 208 .Curso de Direito Administrativo. à época. candidatos aprovados em concurso público dentro do número de vagas gozam de direito à nomeação. isso porque não havia posicionamento consolidado no STF. Acontece que. Por isso. Depois dos recursos. II. Prof. (E) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.099) sobre o direito subjetivo à nomeação. o STF manifestou-se em Recurso Extraordinário (598. Cyonil Borges www. para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 77 Considere que a ANATEL pretenda selecionar pessoas para ocuparem cargos de provimento efetivo lotados na autarquia. foi alternativa E. dispensa a presença de defesa técnica no processo administrativo disciplinar. sempre de caráter sigiloso. depois da prova. condiciona a investidura em cargo ou emprego público à prévia 5 Gabarito: alternativa E. analise as afirmativas a seguir. I. Ofende os princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa a ausência de defesa técnica por advogado em processo administrativo disciplinar. Segundo a jurisprudência do STF. a lição: NUNCA DIGAM NUNCA EM CONCURSOS. a ANATEL deve selecionar tais pessoas mediante procedimento licitatório realizado na modalidade concurso. do STF.5 (2011/FGV – OAB) O art. A sindicância. Mas.com.

um concursando. b) os candidatos aprovados em concurso público de provas ou de provas e títulos e classificados entre o número de vagas oferecidas no edital possuem expectativa de direito à nomeação. não aos cargos em 6 Gabarito: alternativa C.estrategiaconcursos.Curso de Direito Administrativo. segundo a atual jurisprudência dos tribunais superiores. d) os candidatos aprovados em concurso público de provas ou de provas e títulos devem comprovar a habilitação exigida no edital no momento de sua nomeação. Em relação a concurso público.6 4. A forma originária de provimento de cargos públicos é a nomeação.112/1990. Provimento é o ato administrativo mediante o qual uma pessoa passar a ser a detentora do cargo. é o preenchimento de cargo. em exercícios. obviamente) e EM COMISSÃO. Cyonil Borges – Aula 14 aprovação em concurso público de provas ou de provas e títulos.2 – PROVIMENTOS: FORMAS E TIPOS Podemos dizer que o início da relação do candidato com o cargo público e com a Administração Pública se dá com o provimento. que diz que os provimentos são EFETIVOS (para o cargo efetivo. é correto afirmar que a) o prazo de validade dos concursos públicos poderá ser de até dois anos prorrogáveis uma única vez por qualquer prazo não superior a dois anos. Fiquem atentos! Prof. ou seja.br Página 29 de 208 . c) os candidatos aprovados em concurso público de provas ou de provas e títulos e classificados dentro do limite de vagas oferecidas no edital possuem direito subjetivo a nomeação dentro do prazo de validade do concurso. algo importante: as outras formas de provimento só são aplicáveis aos cargos efetivos. é dizer. Basta ver o que diz o art. iniciando-se a partir de sua homologação. para AFT Prof. para cargos dessa natureza. a pessoa é mera pretendente a um cargo.com. Cyonil Borges www. 9º da 8. ressalvadas as nomeações para os cargos em comissão. Importante que os cargos em comissão também têm provimento. Daí. Antes dela.

estrategiaconcursos. Promoção. ou seja. algo do tipo ‘Batman’. Vamos tratar de todas as formas de provimento. forma de provimento originário. Prof. em exercícios. coloca a capa com Poderes. para AFT Prof. é o compromisso solene. Muita gente confunde nomeação com posse. (E) nomeação e transferência.112/1990).112/1990 (art. preliminarmente. O concursando pensa: nossa.112/1990: a promoção.Curso de Direito Administrativo. (D) ascensão e cessão. REcondução. Aproveitamento. sendo uma das formas de provimento previstas na Lei 8. REadaptação e REversão. são sete: Nomeação. (FGV/2011TRE-PATécnico Judiciário Área Administrativa) São formas de provimento de cargo público: (A) nomeação e promoção. no qual se afirma: eu quero o cargo! É o momento em que se investe servidor. POSSE é o ato formal em que o NOMEADO firma o compromisso de exercer o cargo. REintegração. foram declaradas inconstitucionais pelo STF. Mais uma forma de provimento da Lei nº 8. A nomeação. Apesar de fazerem parte do mesmo procedimento (o concurso). começando pela nomeação. (C) readaptação e transferência. nomeação (vejam o § 4º do art. de acordo com a Lei 8. (B) promoção e ascensão. Cyonil Borges – Aula 14 comissão. a nomeação e a posse não podem ser confundidas. Como sobredito. enquanto formas de provimento e vacância.112/1990.112/1990. é que inaugura tal vínculo. que coisa chata! Cheio de nomes! Sabe o que nós fazemos para memorizar? N P A RE RE RE RE! O que é isso? As iniciais de cada uma das formas de provimento apontadas pela Lei nº 8. 8º). Cyonil Borges www. Só reforçar que a ascensão e transferência.br Página 30 de 208 .7 7 Gabarito: alternativa A. 13 da Lei nº 8. São coisas distintas. embora só possamos falar em posse se tiver ocorrido. NOMEAÇÃO é o primeiro provimento.com. as formas de provimento.

sendo discutível. uma vez que estes não compõem uma carreira. Chamo atenção. Lembrem-se do que já foi dito: a mudança de CLASSES é promoção. o servidor continua ligado ao cargo público. até o adequado aproveitamento. ainda. com adição de vencimentos e de responsabilidades.Curso de Direito Administrativo.com. Cyonil Borges – Aula 14 Vejamos. doutrinariamente. cada uma delas. 41 da atual Constituição Federal. ao ser promovido. A promoção pode ocorrer por merecimento ou por antiguidade (tempo de serviço). ver-se a Prof. em regra. Disponibilidade não é nada mais que estar sem trabalhar. Não há promoção com relação a cargos isolados. O aproveitamento. enquanto que a mudança de PADRÕES dentro de uma classe é PROGRESSÃO FUNCIONAL. ocorrendo pela mudança de CLASSE. já abordada. então.br Página 31 de 208 . em cargo com atribuições compatíveis com o cargo anteriormente ocupado. Cyonil Borges www. diz respeito ao retorno ao serviço público de servidor que estava em disponibilidade. O servidor em disponibilidade permanece com remuneração proporcional ao tempo de serviço. ocorrendo em razão da extinção do cargo ou da declaração da desnecessidade deste. para AFT Prof.estrategiaconcursos. para dois pontos com relação à promoção: I) muitos doutrinadores criticam a inserção da promoção como forma de provimento. Já a promoção é o movimento no âmbito de uma mesma carreira. em exercícios. apenas deixando de lado a nomeação. conforme estabelece o § 3º do art. De fato.

Cyonil Borges – Aula 14 promoção como forma de provimento. ou mesmo posto em disponibilidade. deverá ser reconduzido ao seu cargo de origem (se ainda estiver vago). Todavia. Seria uma espécie de “ascensão”. A palavrachave para a reintegração é. a hipótese é diferente. em exercícios.Curso de Direito Administrativo. para AFT Prof. Por sua vez. por exemplo. portanto. Prof. Atentem para essa informação. II) não há que se falar de promoção de uma carreira para outra. prevista no art. DEMISSÃO. para fins de concurso público. se estável. a promoção como forma de provimento. sem qualquer indenização. Nesse caso. Se o cargo anterior estiver preenchido. não cabe tal discussão. III) a promoção é também uma forma de vacância. A invalidação (desfazimento) da decisão pode ser administrativa ou judicial. Cyonil Borges www. vem a pergunta: e se o cargo do sujeito que foi demitido estiver ocupado? Vai ser reintegrado aonde? Se o cargo do reintegrado estiver ocupado. na visão do STF. o que é inadmissível.com. textualmente.112/1990. Mas. o ocupante. uma vez que o examinador adora “brincar” com as formas simultâneas de VACÂNCIA E DE PROVIMENTO. a reintegração ocorre no caso de desfazimento de decisão que levou à demissão de servidor estável. o servidor estável será aproveitado em outro cargo.br Página 32 de 208 .112/1990 coloca. como de Analista para Auditor da Receita.estrategiaconcursos. uma vez que a Lei 8. 33 da Lei 8.

em exercícios. (C) reintegração. na condição de ocupante da vaga de outro que foi reintegrado. (A) O servidor estável somente perderá o cargo em virtude de sentença transitada em julgado. (E) O servidor estável.9 8 Gabarito: alternativa C. (E) recapacitação. que. corresponde à: (A) reversão.com. ainda. repito.8 Interessante anotar que a condição para a reintegração/recondução do servidor público é a ESTABILIDADE. é o que dispõe a CF/1988 (veja o § 2º do art.br Página 33 de 208 . entretanto. quando invalidada sua demissão. (FGV/2010 – CODEBA – Advogado) Assinale a afirmativa INCORRETA a respeito do regime jurídico do servidor público.112/1990 assegura ao injustamente demitido o ressarcimento de todas as vantagens (remunerações.Analista Judiciário) O retorno de servidor à atividade. (B) readaptação.TRE-PA . poderá ou não ser reconduzido ou posto em disponibilidade ou aproveitado em outro caso.estrategiaconcursos. a depender da natureza do vínculo com a Administração.Curso de Direito Administrativo. com direito à indenização. Prof. com o eventual ocupante. (D) recondução. será reconduzido ao cargo de origem. o que não acontece. por exemplo) que faria jus. Cyonil Borges – Aula 14 (FGV/2011 . para AFT Prof. (C) O servidor ficará em disponibilidade se seu cargo for extinto. Ressalte-se. que a Lei 8. Apesar de extremamente criticável. 41 da CF). (D) O servidor estável somente será reintegrado ao seu cargo se invalidada sua demissão por sentença judicial. (B) É condição para a aquisição da estabilidade a avaliação especial de desempenho. Cyonil Borges www.

. descontente com o novo cargo. que poderia dar motivo à recondução.com.) com direito à indenização”. Desse modo. daí a incorreção do quesito. no qual já era estável.10 Interessante questão diz respeito à possibilidade da recondução a pedido. Portando. para AFT Prof. o inabilitado deverá ter ocupado cargo anterior. resolve tomar posse e entrar em exercício no cargo de perito. dado se tratar de um ato menos gravoso do que a reprovação do servidor no estágio probatório. No caso da inabilitação em estágio probatório. (D) o servidor estável não aprovado no estágio probatório não poderá ser reconduzido ao cargo anteriormente ocupado. ao ser inabilitado no novo cargo. em análise. Tal situação é juridicamente possível. A 1ª hipótese já foi abordada acima. Posteriormente. de 1998. deverá retornar ao anteriormente ocupado. a inabilitação no estágio probatório pode importar recondução ou exoneração. 10 Gabarito: alternativa D. Como disse e redisse apenas o reintegrado é quem faz jus à indenização.933-DF. o servidor é estável. Cyonil Borges – Aula 14 Já a recondução ocorre em duas hipóteses – na reintegração do ocupante do cargo e na inabilitação de estágio probatório e a palavra-chave é RETORNO AO CARGO ANTERIOR.estrategiaconcursos.. o RMS 22. Nos termos do Estatuto dos servidores públicos civis da União. em exercícios. O Auditor. (E) a exoneração de cargo efetivo se dará a pedido do servidor. revolve pedir para ser reconduzido. não há dúvida: reconhece-se o 9 Gabarito: alternativa E. que já era estável no serviço público. Veja a parte final da sentença: “(. logo é-lhe garantida a recondução. (C) o servidor estável só perderá o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado ou de processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa. (B) a posse poderá se dar mediante procuração específica. No caso. Cyonil Borges www. Prof.Curso de Direito Administrativo. é incorreto afirmar que: (A) a posse em cargo público dependerá de prévia inspeção médica oficial.br Página 34 de 208 . esse foi o entendimento perfilhado pelo STF ao apreciar. Imaginemos o seguinte: um Auditor da Receita logrou êxito (foi aprovado) no concurso para Perito da Polícia Federal. dentre outros. ou de ofício. (FGV/2006 – MIN CULTURA – Anal Adm) De acordo com a Lei 8.112/90. Inclusive.

ser readaptado na condição de motorista – cargo de atribuição de nível médio. trata da possibilidade de recolocação do servidor que tenha sofrido limitação (que é nossa palavra-chave para esta forma de provimento).estrategiaconcursos. Cyonil Borges www. Excedente. Portanto. ATENÇÃO: EXCEDENTE é diferente de DISPONÍVEL. Disponível não está trabalhando. por sua vez. Para que possa ocorrer a readaptação. ou mesmo em razão de pedido do servidor.. remuneração proporcional ao tempo de serviço. é isso mesmo! Já volto a falar sobre isso. tem duração de 36 MESES. recebe normalmente sua remuneração. e. impeditiva do exercício das atribuições do cargo que ocupava. com atribuições afins. O QUÊ???? É. o novo cargo terá que ser compatível com o anterior. trabalha. é dizer. em exercícios. o STF tem resguardado esse direito do servidor. pede para voltar. o estágio probatório. recebendo. por exemplo. por conseguinte. PELA JURISPRUDÊNCIA DOS TRIBUNAIS SUPERIORES. Seja pela inabilitação no novo cargo.Curso de Direito Administrativo..br Página 35 de 208 . Pergunta-se: é possível a recondução do servidor em questão? Resposta difícil. nível de escolaridade compatível etc. o servidor será remanejado para um cargo compatível com sua nova situação laboral. física ou sensível (mental). Ficamos assim. TCU e Tribunais Superiores há o entendimento de que é sim possível a recondução entre diferentes esferas da Federação. Cyonil Borges – Aula 14 direito do servidor estável à recondução enquanto durar o estágio probatório do novo cargo. arrepende-se. por isso. Desse modo. ENQUANTO DURA O ESTÁGIO PROBATÓRIO NO NOVO CARGO. Prof. o readaptando exercerá suas atribuições na condição de excedente. Na visão da AGU. com atribuições nitidamente diferenciadas. na hipótese de inexistência de cargo vago. Pergunta capciosa: é possível a recondução entre esferas distintas da Federação? Noutras palavras: servidor público federal passa em um concurso para um cargo estadual. em suas habilidades. Ressalte-se que. não pode um auditor do INSS – cargo de atribuição de nível superior. para AFT Prof. por meio da readaptação.com. Ah! Antes que alguém pergunte. Guarda aí com carinho esta informação. A readaptação.

até a ocorrência de vaga. pois completaram a idade máxima para o exercício de cargos EFETIVOS.br Página 36 de 208 . a qual.Curso de Direito Administrativo.11 Reversão é o retorno do servidor aposentado à atividade (Aposentou. Prof.com. a reversão ocorre a pedido do servidor. sendo que essa aposentadoria tem que ter sido “a pedido”. aposentadoria ocorrida nos cinco anos anteriores à solicitação. (E) aproveitamento. desde que haja interesse da administração (ato discricionário). Na 2ª situação. Em tal situação. Cyonil Borges www. Estando provido o cargo do servidor revertido. a insubsistência de motivo de invalidez (reversão DE OFÍCIO). e se cumpridas as seguintes condições: pedido do servidor. o servidor em processo de reversão deverá ser submetido ao exame da junta médica oficial. 11 Gabarito: alternativa A. Pode ocorrer em decorrência de duas situações. então. Não há que se falar em reversão para: I) aposentados pela compulsória. para AFT Prof. Na 1ª. a causa que levou à aposentadoria (uma enfermidade) não existe mais. (D) recondução. Cyonil Borges – Aula 14 (2011/FGV – SEFAZ-RJ – Analista de Controle Interno) A forma de provimento dos cargos públicos que consiste na investidura do servidor em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade física ou mental verificada em inspeção médica denomina-se: (A) readaptação. este exercerá suas atribuições como excedente. deverá declarar que inexiste (insubsistente) o fato motivador da aposentadoria. o qual deveria ser estável na atividade. (C) reversão. voltou! Volta por reversão).estrategiaconcursos. em exercícios. (B) reintegração. voluntária.

em exercícios.br Página 37 de 208 . por seu histórico. se não existir mais o motivo de invalidez e não for impossível a reversão pelo transcurso de prazo decadencial. para situarmos a questão: Prof. respectivamente. Cyonil Borges www. ficam a critério desta. necessidade de cargo vago. com ou sem mudança de sede.estrategiaconcursos. absolutamente. o servidor será revertido DE OFÍCIO. Por fim. a Administração teria de reverter alguns que. Cyonil Borges – Aula 14 II) aposentados por invalidez: neste caso. e. Ambos não são hipóteses de provimento ou vacância. para AFT Prof. não teriam contribuição significativa a dar ao poder público. ATENÇÃO: não há que se falar em excedente na reversão a pedido. uma última informação: REMOÇÃO e REDISTRIBUIÇÃO (também chamada ‘relotação’) não são formas de PROVIMENTO. ou seja. Depois de aferidos todos os requisitos anteriores. Isso serve para que a Administração avalie se a reversão em questão refere-se a um servidor que tem um histórico de “útil” ao interesse público. no âmbito do quadro geral de pessoal. Redistribuição é o deslocamento do cargo efetivo. para desempenhar suas atribuições em outra unidade do mesmo quadro. bem racional que a reversão a pedido do servidor fique a critério da Administração Pública. a reversão a pedido é ATO DISCRICIONÁRIO da Administração Pública. pois a Lei EXIGE a existência de cargo vago para tal hipótese. para outro órgão ou atividade.Curso de Direito Administrativo. Daí.com. ocupado ou não. Vejamos dois exemplos. são formas de DESLOCAMENTO do servidor ou cargo público. A remoção é deslocamento do servidor. Não fosse assim.

Prof. em São Paulo. este fará jus à ajuda de custo (com um máximo de até três remunerações. Na remoção de ofício. a não ser.. estudante de faculdade particular. em exercícios.Não tem o filho do servidor. fica garantido o direito do servidor e de seu cônjuge. conforme o caso. tem 10 cadeiras – cargos -. exatamente porque o número de servidores e de cargos permaneceu constante. sendo que apenas sete existem pessoas sentadas – servidores. no entanto. isso mesmo. Cyonil Borges www. promover a relotação das cadeiras? Notem que. Assim. há três cadeiras subutilizadas. como das 12 cadeiras no RJ apenas 10 estão preenchidas. o caso de se falar em vacância ou em provimento. portanto. Assim. Por exemplo: houve a criação de um novo departamento da Receita. e como em SP. em qualquer época. civil e militar. não houve redução ou acréscimo do quantitativo de servidores. Acrescento que a redistribuição pode acarretar o deslocamento de cadeiras ocupadas. filhos. Agora. direito de matricular-se na Universidade de Brasília ou públicas em geral.com. Na remoção de ofício.br Página 38 de 208 . que tal redistribuir. que tal deslocarmos as cadeiras para o novo departamento. o servidor pode ser removido de São Paulo para o Rio de Janeiro. igualmente. No órgão ‘Y’. com a reunião de tarefas afetas à matéria previdenciária. tem 12 cadeiras. os servidores sentados nas cadeiras serão igualmente redistribuídos. não sendo.estrategiaconcursos.. para AFT Prof. que são bem diferentes. obviamente. independente de vaga ou de época (cuidado! Instituições congêneres. caso seja necessária a mudança de sede do servidor. o órgão ‘X’ precisa de novas cadeiras em um novo departamento que acaba de ser criado. como vimos. pergunta-se: quantas vagas foram criadas? Quantos servidores entraram? Não houve vacância e sequer provimento. localizado no Rio de Janeiro. é possível redistribuir as cadeiras do INSS para a Receita. conforme regulamento). Notaram o negrito na expressão DE OFÍCIO neste parágrafo? É que existem outras formas de remoção. Bom. sendo que apenas 10 estão preenchidas. em razão da remoção de ofício. de se matricular em instituições de ensino congênere.Curso de Direito Administrativo. e. Já a remoção pode ocorrer de ofício (no interesse da administração) ou a pedido do servidor. a criação de novas cadeiras (cargos) depende de lei. Cyonil Borges – Aula 14 Na sala de determinado órgão ‘X’. enteados ou menor sob sua guarda. para compensar despesas ocorridas. que o curso só seja oferecido pela instituição pública).

br Página 39 de 208 . nesse prazo. Em outros termos. Por motivo de doença do servidor.. estando incluso. independente do interesse da administração. dos Municípios. ou dependente que viva às suas expensas. Em virtude de concurso de remoção.. sendo que deverá constar do assentamento funcional do servidor. - - Em todas as hipóteses. cônjuge. não queira mais você! Rsrsrs. Bom. não tendo a Administração o dever de removê-lo. será concedido um prazo àquele de 10 a 30 dias contados da publicação do ato para a retomada do efetivo desempenho de suas atividades. SEMPRE que a remoção/redistribuição implicar o exercício de atribuições do servidor em outro município. para AFT Prof. ocorre nas seguintes hipóteses: Para acompanhamento do cônjuge. se o cônjuge passou em concurso ou solicita remoção. Cyonil Borges – Aula 14 A remoção a pedido pode a ser a critério da administração ou independente do interesse desta. o tempo de deslocamento para a nova sede. Na primeira hipótese. dos Estados. assim entende o STJ.estrategiaconcursos. vamos resumir o que vimos nesse item na já famosa tabelinha: FORMA DE PROVIMENTO Nomeação RAZÃO/PALAVRA-CHAVE Provimento originário Prof. ele é quem criou o problema (talvez. em exercícios. O STF declarou-a inconstitucional. ou de licença. que foi deslocado no interesse da administração. Ah! Um último detalhe nessa passagem.Curso de Direito Administrativo. Já remoção a pedido. Peço que se esqueçam da vida de vocês da expressão TRANSFERÊNCIA. Estando o servidor afastado. ou militar.com. por ferir o princípio do concurso público. Cyonil Borges www. de qualquer dos poderes da União. o prazo aqui referenciado deverá ser contado a partir do término do impedimento. o servidor faz o pedido e a Administração avalia a conveniência (é ato discricionário).). que também deve ser servidor. em que o número de interessados é superior ao número de vagas na unidade de destino.

contados da nomeação. retorno à atividade do servidor que estava em disponibilidade Crescimento na carreira Demissão. “aperfeiçoa” a nomeação. Pode não coincidir com a posse. mas sim de um termo. Ah. Cyonil Borges www.na posse.é possível posse mediante procuração específica (§ 3º do art. improrrogáveis. e sim de deslocamento de servidor ou cargo Reversão OBSERVAÇÃO: remoção/redistribuição 4. Voltou. O aposentado voltou ao exercício de cargo ativo.com. Voltar ao ocupado. para AFT Prof. Este último quer dizer começar a trabalhar. O prazo para a posse é de trinta dias. de 1990: É de Prof. se é possível casamento por procuração. 13 da Lei 8. é dizer.estrategiaconcursos.112/1990). será readaptado. em exercícios.3 – POSSE x EXERCÍCIO A posse. 15 da Lei 8. sem posse.112. Olhem só o que diz o § 1º do art. no qual são firmados os compromissos do servidor. Não são formas de provimento. É por isso que se a doutrina diz que se o nomeado não tornar posse.não se pode confundir posse com exercício. o ato jurídico [de nomeação] será tornado sem efeito. Reintegrou. não há que se falar em “assinatura de contrato”. Ora. . claro que pode se tomar posse procuração. na verdade.Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges – Aula 14 Em regra. Sendo possível. .br Página 40 de 208 . três informações importantes: . de nada vale a nomeação. cargo anteriormente Aproveitamento Promoção Reintegração Recondução Readaptação Servidor sofreu limitação em sua capacidade de trabalho.

Distrito Federal e Municípios).rsrsrsrs.. só para registro: o servidor faz jus à remuneração a partir do EXERCÍCIO e não da POSSE. fundações. Bom. seja na Administração Direta. O servidor “X”. A partir da EC 19/1998. Cyonil Borges – Aula 14 quinze dias o prazo para o servidor empossado em cargo público entrar em exercício.br Página 41 de 208 . Já para a lua de mel (o exercício).Curso de Direito Administrativo. feliz e infelizmente. contados da data da posse. claro. Estados. em exercícios. portanto. em quaisquer esferas da federação (União. Na boa. e sociedades de economia mista. também autarquias. é bom entrar em exercício. outorgando procuração ao candidato “B”. registre-se que a regra geral é que se veda a acumulação remunerada de cargos.. Exercício tem uma relação com a posse como se fosse o casamento e a Lua de Mel...estrategiaconcursos. E que ele seja efetivo. seja na Administração Indireta. para AFT Prof. profissional em concursos. ok? Tem que trabalhar. passa no cargo “W”.4 – POSSIBILIDADES DE ACUMULAÇÃO DE CARGOS E EMPREGOS PÚBLICOS. Por consequência. passa no cargo “Y” e outorga procuração ao candidato “A”. Depois. De antemão.. Cyonil Borges www. A regra da não acumulação abrange. E outra: não é possível exercício por procuração. a presente regra não é impeditiva de ocupações Prof. empregos e funções públicos. a regra da não acumulação passou a abarcar as subsidiárias daquelas entidades. bem como as sociedades controladas direta ou indiretamente pelo Poder Público. 4.com. isso ia virar uma indústria das provas.. É possível casamento (posse) por procuração. empresas públicas.

com profissões regulamentadas. para AFT Prof.br Página 42 de 208 . por exemplo. um cargo/emprego público de 40 horas + um cargo/emprego público de 20 horas. obviamente. Não existindo compatibilidade de horários.: a Lei nº 8. o que tem provocado algumas dúvidas na Prof. ressalvando conselhos Fiscal e de Administração de entidades sob o domínio do Estado.112/1990 veda a gerência de sociedades empresariais. 37. Cyonil Borges www.Curso de Direito Administrativo.com. Há que se ter um pressuposto para que possa ocorrer a acumulação remunerada: a compatibilidade de horários. XVI do art. não é o que se verifica nas duas outras hipóteses. 37 da CF é permitida a acumulação de cargos e empregos públicos nas seguintes situações: a) dois cargos de professor. c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde. ou seja. TODA E QUALQUER acumulação de cargos/empregos públicos será vedada. Todavia. no caso de acumulação (acima listados). XI. da CF.estrategiaconcursos. já falarei sobre os tais tetos remuneratórios (geral e subtetos nos Estados). A jurisprudência do TCU admite acumulação com jornada máxima de 60 horas. desde que. Não há maiores controvérsias no que diz respeito à acumulação de dois cargos de professor. por exemplo). não poderão ser superados. Há falta de precisão no que se refere à definição de cargo técnico ou científico. b) um cargo de professor com outro técnico ou científico. tais ocupações não sejam incompatíveis com o cargo exercido pelo servidor (p. Aguardem. os quais. Cyonil Borges – Aula 14 privadas por parte do servidor público. Outro ponto a ser levado em consideração diz respeito à observância dos tetos constitucionais remuneratórios. em exercícios. estabelecidos no art. ex. De acordo com o inc.

Havia certa controvérsia doutrinária se estes poderiam. área meio.Curso de Direito Administrativo. Nesse caso. Cyonil Borges – Aula 14 interpretação que se faz da expressão. pois. para AFT Prof. Como exemplo de cargos de nível médio que podem ser entendidos como de características técnicas citamos: Programador. por consequência. que não tenham por atribuição tarefas técnicas. cujas atribuições sejam de baixa complexidade. Auxiliar de Enfermagem. como pré-falado. serem acumulados com outro de professor. Cargos de nível médio. e desenhista. Agente de Portaria. Daí o erro da questão. não podendo. como analistas da área meio (administrativa) de tribunais judiciais.com. A propósito. no mais das vezes fazendo parte da rotina administrativo-burocrática do Estado. Gabarito: ERRADO Como o Pedro da questão é analista da área meio. vejamos a questão exigida em prova anterior elaborada pelo CESPE: 10 . não poderia acumular o cargo com o de professor. em nossas análises. ainda que se trate de um cargo de professor. Prossigamos. Aliás. São exemplos de tais tipos de cargos. emprego ou função. em tribunal regional federal. ele poderá acumular o seu cargo de professor com um cargo de analista judiciário. etc. Técnico de Contabilidade. Técnico de laboratório. não cabe cogitar de acumulação neste caso. esse tema de acumulação de cargos e empregos públicos já foi até tema de prova dissertativa. pode-se afirmar que há possibilidade de cargos de nível médio serem tidos como técnicos. Exemplo disso: analistas administrativos. o outro não é visto como técnico (o de analista da área meio do tribunal judicial em referência). A despeito das controvérsias. de acordo com o parecer H – 194. da extinta Consultoria Geral da República: Agentes Administrativos.br Página 43 de 208 . não devem ser considerados “técnicos ou científicos”. No mesmo sentido. em exercícios. Cyonil Borges www. Falemos um pouco do acúmulo de cargo/empregos públicos por parte de aposentados. Logo. Mas tudo tem seu tempo. podemos afirmar que não são todos os cargos de nível superior. Tal Prof. desde que as características de seu exercício possam ser entendidas como técnicas. por ora. ou não acumular os proventos da aposentadoria com a retribuição pecuniária do cargo. de modo geral.(2006/CESPE/TRF-5/JUIZ) Suponha que Pedro seja professor em uma universidade pública.estrategiaconcursos.

para AFT Prof. os cargos eletivos e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e exoneração. empregos ou funções públicos. §3º. Deve haver. Cyonil Borges www. da CF/88). Assim. ainda. Outras hipóteses de acumulação permitida são as seguintes: a) Mandato de Vereador com as vantagens de cargo. 73. Assim. A vedação à acumulação também não abrange empregos da iniciativa privada.Curso de Direito Administrativo. 17 da ADCT: dois de médico civil. que diz: É vedada a percepção simultânea de proventos de aposentadoria decorrente do art. emprego ou função pública. de cinco anos para cá. Governador. que as hipóteses de acumulação referem-se a DOIS cargos. desde que a hipótese de acumulação fosse permitida caso em atividade estivesse. b) Ministro do TCU com magistério (art. etc. sem problemas. não temos visto as organizadoras tratar do assunto. que o servidor público seja vigilante de posto de gasolina. ressalvados os cargos acumuláveis na forma desta Constituição. ainda que algum deles provenha da aposentadoria. Há apenas uma hipótese de acumulação de três cargos. com a redação dada pela EC 19/98 ao § 10º do art. por exemplo. sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo. Cyonil Borges – Aula 14 dúvida foi dirimida. o recebidos com: aposentado pode acumular os proventos I) a retribuição pecuniária de outro cargo/emprego/função. 37 da CF.br Página 44 de 208 .). conforme já dito anteriormente. 42 e 142 com a remuneração de cargo. II) cargos eletivos (de Deputado. outra função de Prof. Mas. é possível. e III) cargos em comissão. e servidor deve exercer seu cargo. compatibilidade de horários. Assim. com outro de médico militar. não se admite o acúmulo de três ou mais cargos/empregos. em exercícios.com.estrategiaconcursos. Prefeito. em virtude da norma temporária contida no § 1º do art. óbvio. Há que se destacar. 40 ou dos arts. emprego ou função. em concursos públicos. contudo.

prevista na Lei nº 8. e. da CF/1988). ATENÇÃO: a ascensão e a transferência foram expressamente revogadas pela Lei 9. Mais uma vez.estrategiaconcursos. 128. tratando-se de hipóteses específicas. § único. admitindo-se tão só os casos de previsão constitucional.Curso de Direito Administrativo. Vacância é a situação em que o cargo público está vago. 95.5 – FORMAS DE VACÂNCIA PREVISTAS NA 8.112/1990 são (art. 92 do CP). d. d) Membro do Ministério Público com outra função pública de magistério (art. II. readaptação.112/1990 DEFININDO. em exercícios.. Prof. I.112/1990 (arts. bem como no Código Penal (inc. 4. Esta última é uma penalidade. cabe fazer diferença entre exoneração e demissão. Já os casos de exoneração não constituem punições. vale a lembrança: é vedada a acumulação de cargos/empregos/funções públicos.112/1990. desde que haja compatibilidade de horários no exercício das ocupações públicas. posse em outro cargo inacumulável e falecimento. 34 e 35). § 5º. promoção.527/1997. 33): exoneração. da CF 88). Cyonil Borges – Aula 14 c) Magistrado com uma função de magistério (art. Cyonil Borges www. As formas de vacância previstas na Lei 8. aposentadoria..br Página 45 de 208 .com. sem ocupante. com previsão na Lei 8. I do art. demissão. Inicialmente. tornando-o passível de ser provido por alguém. para AFT Prof.

não são importantes para nossas exposições aqui. forma simultânea de vacância. de acordo com a Lei 8. portanto.br Página 46 de 208 . caso possível. (B) licença-maternidade. o servidor.estrategiaconcursos. (FGV/2011TRE-PATécnico Judiciário Área Administrativa) Ocorre a vacância do cargo público nos casos de: (A) ausência superior a três dias consecutivos. sendo entendida como provimento implícito. forma de vacância expressa. para a posse em outro cargo não acumulável. Foi a primeira vez que uma banca enfrentou diretamente a questão. é. em exercícios. ao tempo que provê o segundo.com. De fato. de acordo com apontamentos da doutrina. o servidor é readaptado. vacância. (D) falecimento. e provimento. para AFT Prof. deverá ser reconduzido ao cargo anteriormente ocupado. 8º e 33): a readaptação. III) apesar de não ser indicada expressamente na Lei como forma de vacância. Esse entendimento foi adotado na prova de Assistente Administrativo 2012 (ESAF). dado que o servidor deixará vago o último cargo. A despeito de muitos doutrinadores criticarem a inserção da promoção como forma simultânea de provimento/vacância. a recondução. voltando a prover o primeiro. (C) licença temporária. por razões que. compatível com tal limitação. Nessa última hipótese. Cyonil Borges – Aula 14 Destaques pertinentes à vacância: I) Promoção é. deixando o primeiro vago. Pode ser por antiguidade ou por merecimento. há outra forma simultânea de vacância/provimento. ao passar pela limitação na capacidade laboral. a um só momento. Cyonil Borges www. seguindo. caso estável. uma orientação estritamente doutrinária. no âmbito de uma carreira. em cargo superior. MEMORIZEM: PROMOÇÃO – FORMA SIMULTÂNEA DE PROVIMENTO/VACÂNCIA.Curso de Direito Administrativo. Prof. em cargo inferior. ainda. Há quem aponte. II) além da promoção. com sinceridade. em decorrência de inabilitação em estágio probatório.112/1990 (art. noutro cargo. provendo-o de forma derivada. no qual foi inabilitado.

Estágio probatório é o período a que deve ser submetido o servidor ESTATUTÁRIO nomeado para cargo de provimento efetivo. ou se de 24 meses. No estágio probatório. Todavia.112/1990.. Inicialmente. como a intenção é só facilitar a vida dos amigos. a matéria é extremamente confusa. vamos direto ao “âmago”. pois os cargos possuem atribuição distinta. essa interminável história a respeito de estabilidade X estágio probatório. conceitualmente. é não. necessariamente. Respondam rápido aí: ser um bom analista judiciário implica. em julgados recentes. Cyonil Borges www. em exercícios. a capacidade e a aptidão do servidor para desempenho do cargo são constantemente avaliadas. ter de se submeter a novo estágio probatório. a despeito de serem. os tribunais superiores vêm adotando a posição de que o estágio probatório é de 36 meses.br Página 47 de 208 . o prazo do estágio probatório dos servidores públicos é de 24 meses. O servidor analista judiciário pode ser estável no serviço público e. ser um bom auditor da Receita ou do TCU? A resposta. Olha aí: Conforme recente entendimento do STJ.Curso de Direito Administrativo. Prof. lá vem confusão. Aliás.. novo estágio probatório. Por isso que a doutrina diz que a cada novo cargo. Isso mesmo. Podemos dizer que o estágio probatório funciona como um período para confirmação no cargo. pois é. Alguns autores afirmam que o estágio probatório é de três anos.estrategiaconcursos... ainda assim..12 5 – ESTABILIDADE x ESTÁGIO PROBATÓRIO Alguém aí já deve ter pensado: ih. Cyonil Borges – Aula 14 (E) ascensão. A grande confusão quanto ao instituto em estudo é quanto a sua duração: se de 36 meses (em decorrência da EC 19/98. e sua transposição é necessária para a aquisição da estabilidade. que alterou o período de aquisição da estabilidade). cumpre registrar que o estágio probatório sempre “andou junto” com a estabilidade.com. conforme consta do texto da Lei 8. figuras distintas. evidentemente.. visto que tal prazo não foi alterado pela Emenda 12 Gabarito: alternativa D. para AFT Prof. Em nível federal. isso já até caiu no TCU.

13 Já a estabilidade é a garantia constitucional dada ao servidor ocupante de cargo efetivo. ou seja. para ESAF. em exercícios. Na redação original da CF/88. para a aquisição da estabilidade são exigidos três anos de efetivo exercício. a posição do STF é a mesma.Curso de Direito Administrativo. que estabilidade dos referidos servidores. 20. disciplina. quanto o STF tem adotado. em tempos recentes: o estágio probatório tem 36 meses de duração. trata apenas da GABARITO: ERRADO. (2004/Esaf – MPU – Técnico) Sobre o estágio probatório dos servidores públicos. responsabilidade e produtividade. Prof.estrategiaconcursos. é correto dizer que: a) seu período de duração é igual ao tempo necessário para a aquisição da estabilidade. é igual ao de estabilidade: 36 meses. a partir de um critério puramente objetivo. Um último detalhe. Isso mesmo. e são: assiduidade. após a EC nº 19/1998. E. em face do mero transcurso do tempo. b) é de observância obrigatória independentemente da forma de provimento do cargo. c) se submete a critérios de avaliação da escolha do administrador. quanto à permanência no serviço público após três anos de efetivo exercício. nomeado em virtude de concurso público.112. e) tem início com a nomeação do servidor. ao 13 Gabarito: alternativa A. Cyonil Borges – Aula 14 Constitucional n. Os critérios de avaliação do estágio probatório constam da Lei 8. COMENTÁRIOS – tanto o STJ. apenas com o decurso do tempo.º 19/1998. a estabilidade seria adquirida após dois anos de efetivo exercício.br Página 48 de 208 . Cyonil Borges www. como dito. capacidade de iniciativa. d) não se suspende. O prazo de estágio. para AFT Prof. Contudo. de 1990. a posição que o estágio probatório tem duração de 36 meses. art. como sobredito.com.

de cargos em comissão. podem ser apontadas necessárias para aquisição da estabilidade: quatro condições I) aprovação em concurso público. para efeitos de estabilidade. 41 da CF/1988).estrategiaconcursos. CF/88). Prof. Contudo. pelo que. deve se sujeitar à avaliação específica para tanto. pelos entendimentos mais recentes dos tribunais superiores. tais como os contratados temporariamente por excepcional interesse público (art. Tal condição afasta. por exemplo.com. em exercícios. a estabilidade deixou de ser estritamente objetiva. o servidor não adquire estabilidade pelo simples decurso de prazo. não poderia o servidor ser prejudicado pela inércia administrativa. Cyonil Borges – Aula 14 término dos quais deverá ser precedida de avaliação especial de desempenho por comissão especial instituída para esse fim (caput e art.543-DF. registrando que a ausência de avaliação de desempenho não afasta a presunção de estabilidade no cargo. Só lembrando que o estágio probatório deve ser visto com duração de 36 meses. 37.Curso de Direito Administrativo. seria o servidor estável ou não? A resposta é que o servidor deve ser considerado estável. Diferentemente do estágio probatório. Tal condição exclui a possibilidade de aquisição para quaisquer agentes públicos que tenham vínculos empregatícios provisórios ou transitórios junto à Administração Pública. na ausência de avaliação. pelos ocupantes.2003. IX. 41 da CF). Sinteticamente. Cyonil Borges www. para AFT Prof. Ressalte-se que tal avaliação funcional foi criada em favor da Administração. noutra clássica afirmação doutrinária. mas.br Página 49 de 208 . Assim. Nesse caso. exclusivamente. a estabilidade é NO SERVIÇO PÚBLICO. a aquisição de estabilidade pelos empregados públicos. III) cumprimento de estágio probatório.8. regidos pela CLT. de outro modo. ainda. em razão da avaliação positiva de forma tácita. ou. O STF corroborou essa afirmativa ao apreciar o MS 25. Questão interessante surge na possibilidade de a Administração não proceder à avaliação de que ora se trata. pode-se afirmar. IV) avaliação especial de desempenho para fins de aquisição de estabilidade (§4º do art. inc. em 21. uma vez que depende da mencionada avaliação especial. II) nomeação para cargo de provimento efetivo.

CF/1988). 169. Devem ser assegurados a ampla defesa e o contraditório. Por fim. cuidado!). Não constitui medida punitiva (não é demissão. 33 da EC nº 19/1998.br Página 50 de 208 . 41 da CF). a via é administrativa. O servidor (estável!) fará jus à indenização. e. na autárquica e na fundacional. Prof.Curso de Direito Administrativo. IV) em razão de excesso de despesa de pessoal (art. estabelecidos na Lei Complementar 101/2000 (a tão famosa Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF). sem concurso público de provas ou de provas e títulos após o dia 5 de outubro de 1983. Cyonil Borges www. preliminarmente. § 3º. neste caso. neste caso. praticamente. ou de funções com atribuições iguais ou assemelhadas pelo prazo de QUATRO anos (lembrem aqui do mandato Presidencial). correspondente a um mês de remuneração BRUTA por ano de serviço (não é contribuição. caso descumpridos os limites para tal natureza despesa. De acordo com o art. lembro que o cargo objeto da redução será extinto. no entanto. é exoneração) e atende o princípio da eficiência. com a diferença é que. e. Esta hipótese é. III) em decorrência de insuficiência de desempenho (inc. Cyonil Borges – Aula 14 A CF/1988 estabilidade: fala das seguintes hipóteses de perda de I) em virtude de sentença judicial transitada em julgado. em exercícios. os não estáveis são aqueles admitidos na administração direta. autoexplicativa – uma sentença judicial irrecorrível pode determinar a perda do cargo pelo servidor. III do § 1º do art. como condição de validade do processo.com. Hipótese semelhante à anterior. em decorrência de excesso de despesa. Contudo. para que. a exoneração do servidor estável ocorra. ii) exoneração dos servidores não-estáveis. de âmbito nacional. de emprego. na forma de Lei Complementar a ser editada (norma de eficácia limitada).estrategiaconcursos. para AFT Prof. II) mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa. SOMENTE se essas medidas prévias não forem suficientes para o reequilíbrio das despesas de pessoal é que se poderá promover a exoneração dos estáveis. ter adotado as seguintes medidas administrativas: i) redução ao menos em 20% das despesas com cargos em comissão ou funções de confiança. sendo vedada a criação de cargo. o ente federativo deverá.

na atualidade: a) João e Tomás são servidores estáveis. Prof. c) Tomás é servidor estável. Segundo a CF. estaduais. O referido dispositivo constitucional afirma que devem ser considerados estáveis todos os servidores públicos civis federais. e que não houvessem sido admitidos na forma estabelecida no art. Tomás. b) João é servidor estável. em autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda. 19. da Administração Direta e Indireta de Direito Público.com. bem assim as disposições de nossa Constituição Federal sobre a matéria. não. que ambos permanecem em exercício desde a data de suas posses. distritais e municipais. seria contado para efeito de titulação. em administração direta municipal. seu irmão. ADCT) deixa claro que a regra da estabilização não se aplica aos cargos. que estivessem em exercício há pelo menos cinco anos na data de promulgação da CF. lembro que a CF/1988. Tomás. O artigo (Art. de 1988. em exercícios. João. inclusive. Em 1985. para AFT Prof.br Página 51 de 208 . é correto afirmar que. aos professores de nível superior. porém não são efetivos. também. Cyonil Borges – Aula 14 Apesar de pouco exigido em concursos públicos. (2006/ESAF – PFN) Em 1981. em que o tempo de serviço. 19 da ADCT.estrategiaconcursos. João passou a ocupar. Levando em conta que a lei não declara tais cargos como de livre exoneração. também sem prévia aprovação em concurso público. um cargo efetivo de auxiliar administrativo.Curso de Direito Administrativo. por meio do art. nos termos a serem dispostos em lei. Não se aplica. Estes servidores são estáveis. a efetividade deveria ser adquirida com a realização de concurso público. Cyonil Borges www. não. fixou hipótese excepcional de aquisição da estabilidade por parte de certos agentes públicos. empregos e funções de confiança e aos que a lei declare de livre nomeação e exoneração. passou a ocupar cargo efetivo de fiscal. 37 da CF (por via de concurso público). Tal instituto tem recebido a denominação por parte da doutrina de estabilização constitucional. sem prévia aprovação em concurso público.

e) não há informações suficientes.estrategiaconcursos. é de se reconhecer que a vitaliciedade. Assim. CF). “a”. poderá ocorrer a perda do cargo.br Página 52 de 208 . 14 Prof. para saber se João e Tomás são servidores estáveis. com trânsito em julgado. bem como diferenças. CF). além de judicialmente. A vitaliciedade possui várias semelhanças.com. I. 95. 128.Curso de Direito Administrativo. contudo. é de mais difícil perda do que a estabilidade. o de membros do Ministério Público (art. Após a aquisição da vitaliciedade. destaco que a vitaliciedade diz respeito a cargos que apresentam maior garantia de permanência a seus ocupantes. é só atribuída a determinadas categorias de agentes públicos em razão da especificidade das funções que lhes são acometidas. Do mesmo modo que a estabilidade. Contudo. no qual sejam assegurados o contraditório e a ampla defesa ao servidor. em relação ao processo de perda: a vitaliciedade. 6 – O SISTEMA REMUNERATÓRIO DOS AGENTES PÚBLICOS 6. no comando desta questão. a vitaliciedade representa garantia de permanência no serviço público. para AFT Prof.1 – FIGURAS PECUNIÁRIAS BÁSICAS Gabarito: alternativa B. §5º. Cyonil Borges – Aula 14 d) por terem ingressado no serviço público sem prévia aprovação em concurso. como instituto jurídico. I. Cyonil Borges www. 73. poderá ser perdida apenas em decorrência de sentença judicial transitada em julgado. por meio de processo administrativo. Podem ser citados como exemplos de tais cargos: o dos Magistrados (art. em exercícios. com relação à estabilidade.14 Aproveitando a passagem. nenhum dos dois detém estabilidade nos cargos que ocupam. após sua aquisição. §3º. já a estabilidade poderá ser perdida. de 1988. Tomás tomou! Ingressou depois de cinco anos da promulgação da CF. reconhecidas constitucionalmente. Enfatizo que essa lista de agentes não pode ser ampliada por meio das Constituições Estaduais. somente por meio de processo judicial. CF) e dos membros dos Tribunais de Contas (art. além das hipóteses de exoneração tratadas já tratadas acima. diferindo.

portanto. ainda que não mencionado no dispositivo acima transcrito.112/1990). são eles: Prof.112/1990: § 5o Nenhum servidor inferior ao salário mínimo.br Página 53 de 208 . de 1990. Corresponde. pode-se concluir que vencimentoS e remuneração são conceitos equivalentes.112. Já subsídio é a espécie remuneratória a ser paga em parcela única obrigatoriamente aos detentores de mandato eletivo. afinal o que não poderia ser inferior ao salário mínimo. Secretários Estaduais e Municipais). VencimentoS. é necessário dizer que vencimentO é a retribuição pecuniária recebida pelo servidor em razão do exercício de cargo público.com. O que não pode ser inferior ao mínimo é a REMUNERAÇÃO. Em primeiro lugar. Percebem vencimentoS. De acordo com a Lei 8. acrescido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei”. preferimos o conceito dado pela Lei 8. incorpora jurisprudência assentada no STF.112/90 estabelece como remuneração. em exercícios. à parcela básica devida ao servidor pelo exercício do cargo. bem como a outros agentes políticos (Membros da Magistratura. no plural. diga-se. para AFT Prof. em seu art. o vencimentO do servidor pode ser inferior ao salário-mínimo. A questão é simples quando se vê a redação do art. receberá remuneração A redação. O regime de subsídio é extensível para servidores públicos integrantes de carreiras específicas. constituindo a retribuição pecuniária devida ao servidor pelo exercício do cargo público”. assim. em muito se aproxima do que a Lei 8. Cyonil Borges www. Durante muito tempo houve discussão se o vencimento ou a remuneração. Cyonil Borges – Aula 14 A princípio. é a “espécie de remuneração. 40: “Remuneração é o vencimento do cargo efetivo. 40 da Lei 8.Curso de Direito Administrativo.112/1990. ainda que possa sofrer extremadas críticas quanto à imprecisão do conceito. conforme a doutrina e a jurisprudência dominante. dada pelo Prof. Por estar contido na norma. necessário se faz estabelecer alguns conceitos iniciais. e corresponde à soma do vencimentO e das vantagens pecuniárias. Ministros de Estado. Ministério Público e de Tribunais de Contas. 41 da Lei 8. os servidores estatutários. Hely Lopes. ou remuneração.estrategiaconcursos. Esta definição. com valor fixado em lei (art. De toda forma.

no serviço público. Estadual.br Página 54 de 208 . Cyonil Borges www. Esta espécie remuneratória. que. ou dependentes. Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares. e a todos aqueles contratados sob a regência da CLT. Ainda há duas outras figuras pecuniárias que podem ser pagas a servidores. servidores da Polícia Federal. em exercícios. é de adoção facultativa para os servidores organizados em carreira.Curso de Direito Administrativo. são a forma de se pagar o aposentado e os servidores colocados em disponibilidade. Salário. conforme o caso: os proventos. Distrital ou Municipal.com. é a retribuição pecuniária paga aos empregados públicos. nos dias atuais. Defensoria Pública. desde que assim disponha Lei Federal. os quais. conforme o caso.estrategiaconcursos. Mas com relação a estas duas últimas figuras Prof. Procuradorias dos Estados e do DF. Procuradoria Geral da Fazenda Nacional. Polícia Rodoviária Federal. É o caso dos Auditores Federais da Receita Federal. da Administração Direta ou àqueles que ocupam emprego na Administração Indireta. no entanto. Cyonil Borges – Aula 14 Advocacia Geral da União. percebem a remuneração mediante subsídio. pagas aos dependentes do servidor. em razão do falecimento deste. para AFT Prof. tecnicamente. Polícias Civis. e as pensões.

estrategiaconcursos. afinal são parcelas que. em exercícios. adicionais e indenizações. a respeito das vantagens e indenizações. Gratificações Adicionais Indenizações e Incorporáveis à remuneração Jamais se remuneração incorporam à As indenizações são devidas ao servidor em virtude de gastos em que este teve de incorrer em decorrência de exigências do trabalho. jamais se incorporam à remuneração.112/1990: Diárias. As duas primeiras podem ser incorporáveis à remuneração do servidor na forma da Lei. (FGV/2006 – MIN CULTURA – Anal Adm) Com base no regime jurídico dos servidores civis da União. as indenizações. Além das figuras acima. podem ultrapassar o teto remuneratório. que tem mais chance de cair em prova. que é ser o mais objetivo possível. auxílio-Transporte e Auxílio-moradia. para AFT Prof. podem ser pagas aos servidores gratificações.Curso de Direito Administrativo. analise as afirmativas a seguir: Prof. Tendo em conta o objetivo do nosso curso. Nada mais é do que uma restituição desses gastos. São quatro as indenizações (DATA) apontadas na Lei 8. vamos falar das indenizações. Cyonil Borges www. Ajuda de custo. Cyonil Borges – Aula 14 teremos outras informações a apresentar. Já as últimas.com. inclusive. quando chegarmos no trecho do sistema previdenciário dos servidores.br Página 55 de 208 . como veremos mais à frente.

(D) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas. Terá direito à ajuda de custo. as despesas de transporte do servidor. Cyonil Borges www. Destaque-se que o servidor será obrigado a restituir o que recebera a título de ajuda de custo caso. não podendo exceder o correspondente a três meses desta. for nomeado para cargo em comissão. correm por conta da Administração. removido de ofício. tem direito a este adicional. mesmo não sendo servidor da União. II. passa a ter exercício em nova sede. Ou seja. ainda. Assinale: (A) se nenhuma afirmativa estiver correta. mas é nomeado para um cargo em comissão em Brasília. não se apresente na nova sede em 30 dias. Exemplo: o sujeito mora em Rondônia. com caráter permanente. Ajuda de custo. O erro do item II é que as indenizações jamais se incorporam à remuneração.15 a) Ajuda de custo: Destina-se a custear despesas do servidor que.Curso de Direito Administrativo. o servidor público. O valor da ajuda de custo deve ser calculado com base no valor da remuneração. bagagens e bens pessoais.estrategiaconcursos. Na remoção de ofício. indenizações ao servidor. (C) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. Cyonil Borges – Aula 14 I. não é servidor público. III. Prof. As indenizações podem ser incorporadas ao vencimento ou provento. Além do vencimento. de maneira injustificada. diárias e transporte constituem 15 Gabarito: alternativa C. de sua família. Esta verba de caráter indenizatório também é devida àquele que. (E) se todas as afirmativas estiverem corretas. no interesse do serviço. para AFT Prof.com.br Página 56 de 208 . em exercícios. com mudança de domicílio. (B) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas. poderá ser paga ao servidor a vantagem das gratificações.

Por fim. Aqui cabe um aviso para os amigos que vem da iniciativa privada: normalmente.br Página 57 de 208 .. devida por dia de afastamento. passando ambos a ter exercício na mesma sede nova. se os membros do casal são servidores. mantidas com países limítrofes.com. O sujeito recebe a diária.. uma quantia. de hotéis conveniados e custeados pela União. No caso das diárias dos servidores. “prestam contas” desse dinheiro. na qual juntam um “monte” de comprovantes e. A diária é. Se o deslocamento for exigência do cargo.Curso de Direito Administrativo. em exercícios. despesas que deveriam ser arcadas com diárias. Bom. veda-se o duplo pagamento. exemplo. Cyonil Borges – Aula 14 À família do servidor que morrer na nova sede é garantida ajuda de custo/transporte para volta à localidade de origem no prazo de um ano contado da data de falecimento. depois recebe a diferença. Isto é. de outro modo. Se faltar. ou no caso de retorno antecipado. é dele a sobra. e removidos de ofício. b) Diárias: as despesas e locomoção de seu local de (o deslocamento As diárias destinam-se a indenizar extraordinárias com alimentação. Cyonil Borges www. evidentemente. Se sobrar dinheiro. se vira. prossigamos. recebe uma “ponta”. pousada urbana e deve ser paga ao servidor que se afastar lotação (sede) em caráter eventual/transitório pode ser para localidades no Brasil ou exterior). quando o sujeito para fazer um trabalho para a empresa. para fazer frente às despesas que surjam na viagem. se sobrar. sendo paga pela metade quando o pernoite do servidor não for necessário.estrategiaconcursos. para AFT Prof. é diferente. o servidor tem cinco dias de prazo para o recolhimento proporcional das diárias. Também não serão devidas diárias se o deslocamento ocorrer dentro de uma mesma região metropolitana (ou assemelhada) ou em áreas de controle integrado. neste último caso. quando retornam. não serão devidas diárias. em empresas privadas. ou quando a União custear. devolve. Não havendo deslocamento da sede. Se faltar. a ajuda de custo será devida apenas na proporção relacionada a um destes. c) Transporte: Prof.

Não deve ser confundido com a diária. 60-A a 60-E e art. 5 e 6. Prof.br Página 58 de 208 . Cyonil Borges – Aula 14 Conhecido como "auxílio transporte". VI . incluída a hipótese de lote edificado sem averbação de construção. é vulgarmente conhecido como “ressarcimento de moradia funcional”.112/90. nos doze meses que antecederem a sua nomeação. cessionário ou promitente cessionário de imóvel no Município.Curso de Direito Administrativo. em exercícios. É forma de ressarcimento por despesas comprovadas.o servidor ou seu cônjuge ou companheiro não seja ou tenha sido proprietário.DAS. de Ministro de Estado ou equivalentes. 58. Isso mesmo. onde for exercer o cargo. d) Auxílio Moradia (arts. deverão ser atendidos os seguintes requisitos previstos no art. de Natureza Especial. Para concessão do presente adicional.o servidor tenha se mudado do local de residência para ocupar cargo em comissão ou função de confiança do GrupoDireção e Assessoramento Superiores . em decorrência das atribuições próprias do cargo.com. O auxílio moradia consiste no ressarcimento das despesas comprovadamente realizadas pelo servidor com aluguel de moradia ou com meio de hospedagem administrado por empresa hoteleira.112/90): Esta é a indenização mais nova na Lei 8. § 3o. para AFT Prof.o cônjuge ou companheiro do servidor não ocupe imóvel funcional. III .não exista imóvel funcional disponível para uso pelo servidor. em relação ao local de residência ou domicílio do servidor.estrategiaconcursos. 158.nenhuma outra pessoa que resida com o servidor receba auxílio-moradia. é devido ao servidor que utiliza meio de transporte próprio para a execução de serviços externos. promitente comprador. Na esfera federal. Cyonil Borges www. V . no prazo de um mês após a comprovação da despesa pelo servidor.o Município no qual assuma o cargo em comissão ou função de confiança não se enquadre nas hipóteses do art. II . 60-B da Lei 8. níveis 4. todos da Lei 8. IV .112/1990: I . cujo fundamento jurídico é outro: o afastamento eventual e temporário do servidor com relação ao local de sua lotação.

privativa de cada Evidencia-se que as regras acima valem para os cargos públicos. ok? 6.br Página 59 de 208 . valem para a fixação dos vencimentoS (remuneração) de tais cargos.com.o deslocamento não tenha sido por força de alteração de lotação ou nomeação para cargo efetivo. enfim. há regras específicas. nos últimos doze meses. dos Senadores. do Senado Federal e do STF para a fixação dos subsídios. da Câmara dos Deputados. a iniciativa deverá ser do Presidente da República. Cyonil Borges www. desconsiderando-se prazo inferior a sessenta dias dentro desse período. b) Para os cargos da Câmara dos Deputados. Deve ser respeitada a iniciativa privativa de cada poder. de regra. para sua fixação e alteração. a saber: a) A fixação do subsídio dos Ministros do STF deve estar contida em lei de iniciativa dessa Corte. Essa parte de indenizações é meio “decoreba” pura. na remuneração do servidor. A regra também vale para o Senado Federal. ou seja. jamais. O mais importante é perceber que as indenizações não se incorporam. e VIII . II. terão de ser. que somente trate do assunto remuneração. Não mais existe.2 – FIXAÇÃO REVISÃO GERAL DA REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES E Tanto os vencimentos quanto os subsídios. a necessidade de iniciativa conjunta dos Presidentes da República. de 2005. b. de acordo com a EC 47. O Projeto de Lei que proceda a essa fixação deve ser submetido à sanção ou veto do Presidente da República. assim. objeto de lei ordinária específica. do Presidente e do Vice-Presidente da Prof. c) No Judiciário. a competência é Tribunal (art. onde for exercer o cargo em comissão ou função de confiança. e que. caberá: a) No caso dos servidores do poder Executivo. para os cargos componentes da estrutura de cada Poder. são consideradas parcelas extrateto. sendo que. Para a fixação dos subsídios de determinados agentes. 96.estrategiaconcursos. em exercícios. b) A fixação do subsídio dos Deputados Federais. a iniciativa é privativa desta Casa. para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 VII .o servidor não tenha sido domiciliado ou tenha residido no Município.Curso de Direito Administrativo. CF/1988).

o qual é responsável por fixar o teto remuneratório dos servidores públicos. com o fito de readequar a remuneração paga a estes a servidores a níveis condizentes com as atribuições exercidas. O assunto consta do longo inc. X). O STF. Tal revisão constitui direito dos servidores e não pode ser confundida com revisões específicas. 37. ou cargos. autárquica e fundacional. Cyonil Borges www. No que se refere à esfera federal. de modo geral: A remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos. de responsabilidade do Presidente da República. a título de remuneração/subsídio. levadas a efeito de forma a reestruturar ou implementar melhores estipêndios a carreiras determinadas. para AFT Prof. inc. “Teto” é o valor máximo que pode ser pago a servidores (em sentido amplo). dos membros de qualquer dos Prof. funções e empregos públicos da administração direta. o qual houvera deixado de apresentar o Projeto de Lei necessário à revisão geral das remunerações dos servidores federais (ver ADI 2. XI do art. Assunto sempre polêmico e de incidência certa na prova! Mas. A revisão geral trata-se de um reajustamento genérico. já se pronunciara pela inconstitucionalidade por omissão quando se verifica a ausência de lei que determine a revisão geral das remunerações dos servidores. 6.br Página 60 de 208 .061-DF). sem medo. A revisão remuneratória geral dos servidores é dever inarredável por parte dos governos de todas as entidades da federação. Assegura-se a revisão geral anual das remunerações pagas aos servidores públicos. 37 da CF. na mesma data e sem distinção de índices (art. como ensina José dos Santos Carvalho Filho. Cyonil Borges – Aula 14 República e dos Ministros de Estado é de exclusiva Competência do Congresso Nacional.Curso de Direito Administrativo. em essência. ao apreciar diversas ADIs. para todos.estrategiaconcursos.3 – TETOS REMUNERATÓRIOS Tetos remuneratórios. em exercícios. vamos “enfrentá-lo”. tentando ser o mais preciso possível. arrimado. não havendo o Projeto de Lei decorrente a ser submetido à sanção/veto do Presidente da República.com. a revisão específica alcança apenas carreiras. o STF manifestou-se pela mora legislativa. na perda do poder aquisitivo por parte do servidor em decorrência do processo inflacionário.

no âmbito do Poder Judiciário. em espécie. do Distrito Federal e dos Municípios. não poderão exceder o subsídio mensal.com. em exercícios. corresponde ao  No Legislativo dos Estados. instituído da seguinte forma: a) em âmbito federal. limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal. para AFT Prof. no âmbito do Poder Executivo. ao subsídio dos deputados estaduais e distritais. ou de qualquer natureza. o subsídio do Governador. e nos Estados e Distrito Federal. correspondente ao subsídio dos Ministros do STF. o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o subsídio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça. na ADIn 3854 o STF fixou um entendimento bastante interessante e importante para fim de concursos públicos. b) em âmbito estadual.Curso de Direito Administrativo. incluídas as vantagens pessoais. aos membros do Judiciário (Membros de Tribunais Judiciais.  Quanto ao Judiciário. aos Procuradores e aos Defensores. em espécie. o teto é único. Em primeiro lugar é que cada um dos entes da federação possui um teto específico.br Página 61 de 208 .estrategiaconcursos. Cyonil Borges www. dos Ministros do Supremo Tribunal Federal. nos municípios. percebidos cumulativamente ou não. Juízes) aplica-se o teto único. Mas. os limites remuneratórios são diferenciados por poder. e corresponde ao subsídio dos Ministros do STF. ATENÇÃO: ESSE TETO É O QUE VALE PARA OS MEMBROS DO Prof. pensões ou outra espécie remuneratória. por se tratar de um poder uno. o subsídio do Prefeito. dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos. Cyonil Borges – Aula 14 Poderes da União. subsídio do Governador. dos Ministros do Supremo Tribunal Federal. perceba:  No Executivo dos Estados. aplicandose como limite. dos Estados. aplicável este limite aos membros do Ministério Público. Diversas conclusões podem ser extraídas de tal trecho constitucional. A Corte Constitucional entendeu que.

o limite de remuneração no âmbito do Poder Judiciário é o subsídio dos desembargadores. Para estes últimos. do TJ. conforme a integridade da norma constitucional. em nosso entendimento.estrategiaconcursos. ministros do STF. a(s) categoria(s) de: Prof. ou seja. ademais dos membros do Ministério Público. no entanto. em exercícios. continua a valer o teto fixado na CF/1988. Poder Legislativo Âmbito Estadual Membros (Juízes) do Judiciário Subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais Subsídio dos Ministros do STF Subsídio do Desembargador Servidores do Judiciário.25% do subsídio dos e Membros do MP. inclusive agentes administrativos Subsídio do Governador das Defensorias e do Ministério Público. Cyonil Borges – Aula 14 JUDICIÁRIO.  em âmbito municipal. abrange. o teto também é único e equivale ao subsídio recebido pelo Prefeito do Município. Âmbito Municipal Teto é único Subsídio do Prefeito (2006/Esaf – TCU) Pela regra do teto remuneratório. Cyonil Borges www.Curso de Direito Administrativo. nos Estados-federados.com. a partir da leitura da citada ADI 3854. suas remunerações não podem ser superiores a 90. Esse mesmo teto. para AFT Prof.25% do subsídio dos ministros do STF. limitado. Procuradores 90. MAS NÃO PARA OS SERVIDORES DAQUELE PODER. Poder Âmbito Federal Teto é Único Teto Subsídios do STF Poder Executivo.br Página 62 de 208 . ficou estabelecido que. a Defensores.

em razão do que estatui o art.Curso de Direito Administrativo.estrategiaconcursos. Alternativa B. e) procuradores e delegados de polícia.16 Nos três casos acima. Com efeito. (2002/Esaf – SUSEP) O sistema de remuneração dos servidores públicos. Prof. 17 do ADCT. com redação dada pela EC 41/2003 (norma de eficácia plena). para efeitos de consideração de teto. e) abono pecuniário. Cyonil Borges – Aula 14 a) procuradores e defensores públicos. invocação de direito adquirido. as indenizações não são computadas para efeitos de teto. assim como os proventos de aposentadoria. em exercícios. d) gratificação de função. na situação. a aplicabilidade do teto remuneratório é imediata. b) diária por deslocamento de sua sede. em que se determina que os vencimentos. b) procuradores e auditores fiscais. Cyonil Borges www. para AFT Prof.com. c) somente defensores públicos.17 16 17 Gabarito: alternativa A. Como sobredito. Inclui-se. ou subsídio permite o pagamento somente da seguinte vantagem: a) adicional por tempo de serviço. c) verba de representação. vantagens e adicionais. sob a forma de parcela única. incluindo-se vantagens pessoais. Verba de caráter indenizatório.br Página 63 de 208 . a EC 47/2005 foi expressa ao considerar parcela extrateto as verbas de caráter indenizatório. toda e quaisquer vantagens remuneratórias recebidas. não se admitindo. sejam reduzidos aos limites estabelecidos. d) somente procuradores. a remuneração.

no máximo. analise as seguintes afirmativas: 18 18 Alternativa E. o art. dos Estados. Ressalte-se. da CF estatui que o subsídio dos deputados estaduais/distritais será de. Prof. Contudo. como forma de remuneração dos agentes políticos. no máximo. que os subsídios dos Ministros do STF não podem ser ultrapassados. 27. em exercícios. caso tais entidades recebam recursos da União. em regra: é um teto intransponível. Verba de caráter indenizatório.Curso de Direito Administrativo. (FGV/2009 . Cyonil Borges www.com. para AFT Prof. que só serão limitados com base no teto constitucional os salários dos empregados públicos das empresas públicas. também. bem como de suas subsidiárias. nada impede que subsídios de prefeitos e governadores igualem o recebido por aqueles Ministros. portanto.br Página 64 de 208 . sociedades de economia mista. Gestão Adm. tem-se que os deputados estaduais podem receber. 75% do que recebe um deputado federal. não veda o pagamento da seguinte vantagem: a) gratificação de desempenho b) adicional por tempo de serviço c) abono pecuniário d) verba de representação e) ajuda de custo18 É de se destacar. no máximo. também. §2º. que é o citado subsídio dos Ministros da Egrégia Corte. igual ao de um Ministro do STF. Já os Deputados Estaduais/Distritais jamais receberão sequer igual aos membros da Corte Suprema. Cyonil Borges – Aula 14 (2002/Esaf – Procurador do Município de Fortaleza) A figura do subsídio. ainda. §9º.SAD-PE – Anal. Distrito Federal ou dos Municípios para pagamento de despesas de pessoal ou de custeio em geral (art. 37. 75% do teto da União. é aquilo que a Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF denomina entidades estatais dependentes.) No que se refere ao teto remuneratório constitucional e subsídios dos servidores públicos. Como este último poderia receber subsídio.estrategiaconcursos. CF). De fato.

o Estado-membro pode fixar como limite único o subsídio mensal dos desembargadores do respectivo Tribunal de Justiça. serão consideradas todas as importâncias percebidas pelo servidor. (C) se somente as afirmativas I. (B) 91. Na aplicação do teto. 37. (D) se somente as afirmativas I. da CF.25%.TCM-PA – Auditor) Para efeito de teto remuneratório dos servidores públicos. e suas subsidiárias. XVI do art. Os servidores de sociedade de economia mista. Inclusive. expressamente. O único item incorreto é o IV.com. O teto atinge os proventos dos aposentados e a pensão devida aos dependentes do servidor falecido. estando cada remuneração vinculada a um teto correspondente. (B) se somente as afirmativas I e IV estiverem corretas. de 1988. que as eventuais acumulações devem observar. o teto remuneratório. Cyonil Borges – Aula 14 I. 19 Gabarito: alternativa C. nos termos do inc. O servidor que esteja em regime de acumulação de cargos efetivos não está sujeito a um teto único que seja a soma da dupla retribuição. é registrado. (E) se todas as afirmativas estiverem corretas. (C) 90. para AFT Prof. dos Estados. além da compatibilidade de horário. Cyonil Borges www.br Página 65 de 208 . do Distrito Federal ou dos Municípios para pagamento de despesas de pessoal ou custeio em geral. II e IV estiverem corretas. somente são alcançados pelo teto se receberem recursos da União. II e III estiverem corretas.25%. III. Prof.Curso de Direito Administrativo.75%. em exercícios. II. incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza. Assinale: (A) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas. (D) 91. conforme decorre do § 9º do artigo 37 da CF/88. IV.estrategiaconcursos.19 (FGV/2008 .00%. no percentual de: (A) 90. limitado ao subsídio mensal dos Ministros do Supremo Tribunal Federal.

mais recentemente. há hipóteses constitucionais admitidas de vinculação/equiparação. dado que o ordenamento jurídico guarda 20 21 Gabarito: alternativa A.br Página 66 de 208 .Curso de Direito Administrativo. Prof. de reajuste do salário mínimo ou de correção monetária. para AFT Prof. de remuneração igual à de determinada carreira ou cargo.estrategiaconcursos. Nesse caso.50%.Fiscal de Rendas) Não se computa para efeitos dos limites remuneratórios dos servidores públicos a seguinte parcela: (A) gratificação. Gabarito: alternativa E. diárias. de da do ou No entanto. (E) ajuda de custo. (B) adicional de insalubridade. Vejamos com mais detalhe o sentido das expressões VINCULAR e EQUIPARAR. também.4 – EQUIPARAÇÕES E VINCULAÇÕES O inciso XIII do art. É considerada vinculação. a subordinação da alteração remuneratória a índices. de arrecadação orçamentária. a alteração prevista para o cargo vinculado. No que diz respeito à proibição de vinculação a índices correção monetária. tais como os de inflação. São verbas de caráter indenizatório: ajuda de custa.SEFAZ-RJ . Cyonil Borges www. mas atrelada a outra. (C) adicional por tempo de serviço. Equiparar significa a previsão. em virtude Súmula 681 do STF. em exercícios. (D) adicional de periculosidade. auxílio moradia. Cyonil Borges – Aula 14 (E) 90. que diz: é inconstitucional a vinculação reajuste de vencimentos de servidores estaduais municipais a índices federais de correção monetária. a atual orientação é pacífica. como no item que analisamos.20 (FGV/2008 . auxílio transporte e.21 6.com. a partir de apontamentos doutrinários. em lei. automaticamente. enquanto que vincular não significa remuneração igual. de sorte que a alteração da remuneração do cargo vinculante provoca. 37 da CF estabelece: é vedada vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para efeito de remuneração de pessoal do serviço público. não há dúvida quanto à legitimidade da imposição.

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 origem na CF/1988. Citem-se, a título de exemplo, as seguintes situações: a) Os equiparados Justiça, no impedimentos, Ministros do Tribunal de Contas da União, aos Ministros do Superior Tribunal de que se refere a garantias, prerrogativas, vencimentos e vantagens (art. 73, §3º);

b) Os subsídios dos Ministros do STF servirão de base (vinculação) para a fixação do subsídio mensal dos Ministros dos Tribunais Superiores (art. 93, V). Em síntese: equiparar/vincular subsídios não é possível, equiparações/vinculações contarem constitucional. remunerações ou salvo se tais com previsão

Outra relevante questão quanto aos servidores públicos é sobre a irredutibilidade de subsídios e vencimentos, direito hoje constitucionalmente garantido, por força do inc. XV do art. 37 da CF/1988. Tal direito que, a princípio, poderia dar impressão de ser limitado aos cargos públicos, também deve ser estendido aos ocupantes de empregos públicos – que recebem salários, e, ainda, a cargos em comissão e funções gratificadas. Deve-se ler o direito à irredutibilidade como vedação à redução DIRETA dos vencimentos. De fato, não são resguardados os vencimentos e subsídios quanto à possibilidade INDIRETA de redução, tal como na incidência de novos impostos ou do aumento da inflação. O direito em exame não abrange, todavia, adicionais e gratificações devidas por certas circunstâncias, muitas vezes de natureza transitória, que possam ser absorvidas por conta de vencimentos mais elevados, tal como na implantação de novos planos de carreira. O que se obstrui é a redução do TODO da remuneração, mas não a incorporação dessas parcelas transitórias. No caso de mudança de regime jurídico de um agente público também se garante a irredutibilidade dos valores que recebia anteriormente. Assim, caso um servidor “celetista” seja transposto para o regime estatutário, a sua remuneração não poderá ser inferior ao salário de seu emprego.

Prof. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 67 de 208

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 Por fim, mais uma interessante questão diz respeito à possibilidade de redução de parcelas indevidamente recebidas pelos servidores públicos. O citado inc. XV autoriza a imediata redução dessas figuras remuneratórias. Realçamos, ainda, a alteração do inc. XIV do mesmo art. 37, hoje com a seguinte redação: Os acréscimos pecuniários percebidos por servidor não serão computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores. Pela redação antiga do dispositivo, vedava-se o cômputo dos acréscimos para concessão de acréscimos posteriores sob idêntico fundamento, o que poderia implicar, por exemplo, o cômputo desses acréscimos para concessão de outros, sob fundamentos diversos, era o que a doutrina denominava efeito ‘cascata’ ou ‘repicão’. Contudo, pela nova redação do inc. XIV, não há mais dúvida: toda e qualquer vantagem pecuniária percentuais ou calculadas com base em referências – sobretudo adicionais e gratificações – deve ter como base de cálculo o vencimento básico, excluindose, por conseguinte, outras figuras remuneratórias da base de incidência para o novo acréscimo. Reforço que, por ser de norma de eficácia plena, o inciso XV permite a imediata redução das parcelas remuneratórias indevidamente concedidas, respeitado, óbvio, o devido processo legal. 7 – SISTEMA DE RESPONSABILIZAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS 7.1 – AS “3 RESPONSABILIDADES” Cargos públicos devem ser exercidos com normalidade, ou seja, dentro dos limites da Lei. O indevido exercício do cargo levará o seu ocupante, o servidor, a responder pelas infrações cometidas. Conhecidamente, a responsabilização do servidor pode ocorrer em três esferas: civil (prejuízo material), penal (crimes e contravenções) e administrativa, de acordo com o caso. Estas esferas, com as respectivas penalidades, ainda que independentes, poderão ser cumulativas, é dizer, um servidor que tenha sofrido uma sanção na esfera administrativa poderá também ser apenado cível e penalmente, em razão de um mesmo

Prof. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 68 de 208

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 fato. Destrinche-se essa última assertiva, tendo em conta, sobretudo, a apuração criminal.

A absolvição penal negando a autoria do crime ou a afirmando a inexistência do fato interfere nas outras duas esferas (civil e administrativa). Por que a esfera criminal repercute nas demais? Isso se deve à apreciação das provas na esfera criminal, que é muito mais ampla, mais minudente.

De fato, o Juiz criminalista é o mais cuidadoso possível na condução do processo de sua competência e na aplicação da pena de sua alçada, até tendo em conta que as penas “capitais” em nosso país, praticamente, vêm da esfera criminal (não há prisão por dívida/civil no Brasil, salvo aquele caso “bobo” que o examinador não coloca mais em prova: não pagamento de pensão alimentícia). De toda forma, se na esfera criminal houve a absolvição por insuficiência de provas, o resultado não interfere nas demais instâncias, nas quais se poderia muito bem aplicar punições ao servidor infrator. Um pequeno exemplo simplifica. Suponhamos que haja desaparecido um note book no órgão da Receita Federal. Feita a denúncia criminal e instaurado o processo judicial, o Juiz responsável absolve o potencial infrator, pela falta de provas cabais que levem à conclusão de aquele servidor seria,

Prof. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 69 de 208

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 efetivamente, o culpado. A situação, que não é tão rara, ocorre, no essencial, por conta de dois princípios: em dúvida, em benefício do réu; e, todos são inocentes até que se PROVE o contrário. Desse modo, havendo dúvida se o servidor seria, ou não, culpado, resta ao Juiz absolvê-lo. Pois bem. Instaurado um processo administrativo (de natureza disciplinar, ressaltamos), a Administração estaria impedida de aplicar uma punição ao faltoso? NÃO. Por exemplo: adverti-lo, em razão de não ter guardado o equipamento em local adequado, no qual ficasse fora do alcance de pessoas mal intencionadas. Em suma: é possível punição administrativa no caso de absolvição criminal POR INSUFICIÊNCIA DE PROVAS, até em razão mesmo da natureza das punições administrativas, bem mais “leves” que as criminais. Alguns autores gostam de chamar essa situação de “resíduo administrativo” (Súmula 18 do STF): a infração potencial não poderia ser punida criminalmente, ante a insuficiência de provas para tanto, mas poderia ser punida administrativamente, desde que haja provas para tal fim. Desnecessária, portanto, a conclusão (ou sequer a instauração) de processo criminal para que uma eventual punição administrativa seja aplicada a um servidor faltoso. Há muita controvérsia doutrinária a respeito da condenação na esfera penal. A controvérsia está em saber se sentença condenatória, afinal, repercute, ou não, na esfera administrativa. No entendimento majoritário da doutrina, não influência direta da esfera penal, nessa hipótese (condenação). Desse modo, caso o judiciário condene o servidor, a sentença deverá especificar, se for o caso, quais os efeitos na esfera administrativa que irão ocorrer. Nos termos do art. 92 do CP, a sentença judicial condenatória poderá surtir efeitos na esfera administrativa a depender do quantum da pena e natureza do delito. Tratando-se de crimes funcionais, para penas iguais ou superiores a um ano; para crimes não funcionais, penas superiores a quatro anos. (2011/FGV – OAB) Determinado servidor público foi acusado de ter recebido vantagens indevidas valendo-se de seu cargo público, sendo denunciado à justiça criminal e instaurado, no âmbito administrativo, processo administrativo disciplinar por ter infringindo seu estatuto funcional pela mesma conduta. Ocorre que o servidor foi
Prof. Cyonil Borges

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 70 de 208

(D) a ação disciplinar prescreve em 2 (dois) anos. (B) embora as instâncias penal e administrativa sejam independentes. d) a punição na instância administrativa nunca poderá ser anulada.br Página 71 de 208 . (C) as sanções administrativas não podem cumular-se com as sanções civis decorrentes de uma mesma infração funcional.com. Nessa situação. em exercícios. por serem independentes. a absolvição foi por inexistência do fato. caso tenha sido aplicada. b) haverá repercussão no âmbito do processo administrativo disciplinar. é correto afirmar que: a) a decisão absolutória não influirá na decisão administrativa do processo administrativo disciplinar. para AFT Prof. sob pena de bis in idem.22 (2011/FGV – SEFAZ-RJ – Auditor Fiscal) A respeito do regime de responsabilidade dos servidores públicos em âmbito federal. logo haverá a comunicabilidade da decisão penal à esfera administrativa. mesmo que a conduta praticada pelo servidor seja prevista como ilícito penal e ilícito administrativo. Prof. é correto afirmar que: (A) o servidor público responde penal e administrativamente pelo exercício irregular de suas atribuições. Cyonil Borges www. 22 Gabarito: alternativa B. em análise.Curso de Direito Administrativo. não podendo a administração pública punir o servidor pelo fato decidido na esfera penal. ao passo que a responsabilidade civil é exclusiva da Administração Pública. a decisão penal absolutória por insuficiência de provas vincula a instância administrativa.estrategiaconcursos. Cyonil Borges – Aula 14 absolvido pelo Poder Judiciário em razão de ter ficado provada a inexistência do ato ilícito que lhe fora atribuído. No caso. seja qual for a natureza da infração administrativa cometida pelo servidor. c) em nenhuma hipótese a decisão penal surtirá efeito na esfera administrativa.

haja vista o princípio da verdade material ou real. 23 Gabarito: alternativa E. IV. daí a incorreção da letra C. No caso de falecimento do servidor que houver proporcionado o prejuízo. prevalecendo a regra da independência entre as instâncias. O servidor responde subjetivamente. no caso de advertência. A Administração Pública pode demitir funcionário público por corrupção passiva antes de transitado em julgado da sentença penal condenatória. O funcionário público.23 A responsabilização civil pressupõe que houve um prejuízo material causado a alguém e tem por fim a reparação do dano. a obrigação de ressarcir se estende aos herdeiros (sucessores) até o limite do valor da herança recebida. para AFT Prof. condenado na esfera criminal.com. também. e em 180 dias. (FGV/2010 . caso enquadrada nos casos preceituados no §6º do art. no caso de demissão. poderá ser absolvido na esfera civil e administrativa. envolvendo dolo e culpa) pelo prejuízo causado a alguém. emprego ou função pública. A letra A está errada porque a responsabilidade do servidor alcança.estrategiaconcursos. As sanções podem cumular-se. daí o erro da letra D. A letra B está falsa porque a absolvição por inexistência de provas não vincula a Administração.br Página 72 de 208 . em exercícios.PC-AP . 37 da CF/1988 (a tal teoria do risco administrativo). Cyonil Borges – Aula 14 (E) a responsabilidade do servidor será afastada no caso de absolvição criminal que negue a existência do fato ou sua autoria. implica a impossibilidade de aplicação de pena disciplinar administrativa. em ação penal transitada em julgado. analise as afirmativas a seguir: I. Prescreve em cinco anos. só ser culpado (em sentido amplo. Cyonil Borges www. II. A absolvição judicial do servidor público repercute na esfera administrativa se negar a existência do fato ou excluí-lo da condição de autor do fato.Delegado de Polícia) Com relação à responsabilidade civil. ou seja. a esfera civil. A absolvição do servidor público. Prof.Curso de Direito Administrativo. por não provada a autoria. penal e administrativa decorrente do exercício do cargo. A responsabilidade da Administração Pública poderá ser objetiva. Perceba que a responsabilidade do servidor não se confunde com a da Administração. III.

24 A responsabilização administrativa decorre de infrações da mesma espécie. 127): a) b) c) Advertência. Cyonil Borges – Aula 14 porém permite a ação regressiva civil para ressarcimento de dano ao erário.112. servidor regido por esta norma não pode ser punido com exoneração. e. Assim. O erro do item IV é que a inexistência de provas (não provou a autoria é diferente de negou a autoria!) não vincula a esfera administrativa.estrategiaconcursos. O erro do item I é que a condenação é mais repressiva. demissão é punição.com. vez que não se trata de punição. a qual indica as seguintes punições como passíveis de serem aplicadas aos servidores por ela regidos (art. Assim. não pedirá demissão. de 1990 (arts. e. (D) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.Curso de Direito Administrativo.112/1990. Assinale: (A) se somente a afirmativa I estiver correta. mas tão só uma forma de vacância prevista na Lei 8. de cargo em comissão ou função d) Destituição comissionada. no nosso estudo. (E) se todas as afirmativas estiverem corretas. Prof. II) A exoneração não é um ato punitivo. conforme previsão em norma. mas sim exoneração. antes de cuidarmos das penas que podem ser aplicadas aos servidores: I) Para os servidores públicos. de tal sorte que o servidor não será. em especial. quando alguém não deseja mais permanecer no cargo. Cyonil Borges www. (C) se somente as afirmativas II e IV estiverem corretas. em exercícios.br Página 73 de 208 . 33 e 34 – leiam). (B) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. e) Cassação de aposentadoria ou disponibilidade Duas informações finais. para AFT Prof. Demissão. na esfera administrativa ou civil. 24 Gabarito: alternativa D. a Lei 8. declarado inocente. Suspensão.

Demissão. destituição de cargo em comissão. destituição de função comissionada. nas penalidades disciplinares incluem-se: I. suspensão. prisão domiciliar. 25 Gabarito: alternativa E. cassação de aposentadoria ou disponibilidade. Suspensão. II e III estiverem corretas. destituição de função comissionada. (B) se somente I e III estiverem corretas. (D) se somente II.estrategiaconcursos. Prof. Advertência. destituição de cargo em comissão. demissão. destituição de cargo em comissão. suspensão. destituição de função comissionada. demissão.MEC) De acordo com a Lei Federal nº 8. demissão.com. (E) se todas estiverem corretas. Cassação de disponibilidade. Cyonil Borges www. destituição de cargo em comissão. admoestação verbal pública perante os funcionários da repartição. para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 (FGV/2009 . (C) advertência. suspensão.112/90. II. (D) advertência. cassação de aposentadoria ou disponibilidade.25 (FGV/2009 . Assinale: (A) se somente I e II estiverem corretas.br Página 74 de 208 . (C) se somente I. IV. III e IV estiverem corretas.Curso de Direito Administrativo. cassação de aposentadoria ou disponibilidade. (B) advertência.112/90 a que está sujeito o servidor: (A) advertência. em exercícios.MEC . III. suspensão. demissão. destituição de função comissionada.Anal Sistema Operacional) Assinale a opção que apresenta com exatidão as penalidades disciplinares previstas na lei 8.

bastante atenção. Cyonil Borges – Aula 14 (E) advertência.com.estrategiaconcursos. Por fim. para AFT Prof. I a VIII e XIX consequência. principal autoexplicativa. Falaremos logo a seguir sobre esses processos.br Página 75 de 208 . ok? Mas. Para servidor diz respeito a quem pode receber a punição em questão. Autoridade competente para aplicar: quem pode aplicar a pena. suspensão. Instrumento de apuração refere-se a qual tipo de processo deve ser utilizado para apurar. 142 da Lei 8. A mais leve é a advertência. voltará a ser “primário”. destituição de função comissionada. o trecho abaixo sintetiza o que há de mais importante no que diz respeito às punições aplicáveis aos servidores. Natureza quer dizer qual a gravidade da punição. Esse prazo dá início com o conhecimento do fato e não com a prática do ato. inc.Curso de Direito Administrativo.26 Bom. a mais pesada é a demissão. punir a infração.112. destituição de cargo em comissão. a infração será “apagada de sua ficha”. agora vamos fazer aquilo que concursando gosta: os tais esqueminhas. Cyonil Borges www. cassação de aposentadoria ou disponibilidade. Tal observação deve ser lida em conjunto com o cancelamento do Registro: caso o servidor não tenha praticado nova infração disciplinar no período indicado nessa observação. Olha só. 1990. em exercícios. e. demissão. Prazo de prescrição é em quanto tempo a punição prescreve. explicando um pouco mais o esquema. Então. que é expressão 26 Gabarito: alternativa B. diminuição dos vencimentos básicos. 117. Vejamos: a) Advertência: Natureza: leve Para servidor: Efetivo e não efetivo Hipóteses de Infração: descumprimento do art. isto é. Registro em assentamento: indica quando a punição deve ser “inscrita na ficha” do servidor punido. sendo o caso. nos termos do art. Prof.

Autoridade competente para aplicar: até 30 dias – chefe da repartição ou outras autoridades previstas em regulamento. Havendo conveniência. Para servidor: efetivo. Cyonil Borges – Aula 14 Prazo de Prescrição: 180 dias. Principal consequência: suspensão da contagem do tempo de serviço. para AFT Prof. Instrumento de Apuração: Sindicância Autoridade competente para aplicar: chefe da repartição ou outras autoridades previstas em regulamento Registro em Assentamento: Sim Cancelamento do Registro: 3 anos de efetivo exercício. Registro em Assentamento: sim Cancelamento do Registro: após 5 anos. no caso de reincidência. cancelamento da remuneração. caso o servidor não tenha praticado nova infração disciplinar no período. serão destituídos e não suspensos. O servidor deverá Prof. para um máximo de 30 dias. Hipóteses de Infração: as mesmas de advertência. b) Suspensão Natureza: grave. Mais de 30 dias. Cyonil Borges www. autoridade superior à chefia imediata. neste caso. em exercícios.com.estrategiaconcursos. Processo Administrativo Disciplina (PAD) nos demais casos.br Página 76 de 208 . - - - OBS: Limite máximo de 90 dias.Curso de Direito Administrativo. no caso de reincidência no período de 3 anos. denúncia formal) Instrumento de Apuração: Sindicância. Principal consequência: Penalidade de Suspensão. afinal o cargo é de dedicação exclusiva. - OBS: a mais branda das penalidades. apenas. Prazo de Prescrição: 2 anos (contados do conhecimento do fato. isso porque comissionados. poderá ser convertida em multa na base de 50% por dia de vencimento ou remuneração.

IV.Curso de Direito Administrativo. falta punível com demissão a destituição de cargo em comissão será aplicada nos casos de fatos puníveis com suspensão ou demissão. Contudo. Prazo de Prescrição: 5 anos. art. Presidentes das Casas do Poder Legislativo e dos Tribunais Federais e pelo Procurador Geral da República (Os Chefes de Poder. pois se apresenta como uma pena de caráter perpétuo.com. VIII. Suspensão Demissão - Características Advertência Prof. como a STF ainda não se pronunciou quanto à matéria. Instrumento de Apuração: PAD Autoridade competente para aplicar: Presidente da República. por assim dizer). c) Demissão: Natureza: Gravíssima Para servidor: efetivo Hipóteses de Infração: art. - OBS: a cassação da aposentadoria ou da disponibilidade aplica-se ao inativo que tenha praticado. para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 permanecer em atividade. na atividade. Principal consequência: quando ocorrer no caso de “a bem do serviço público” (hipóteses dos incs. X e XI. ela deve ser aceita para fins de concurso público. Cancelamento do Registro: não haverá.132) impedem o servidor de retornar ao serviço público para sempre (na mesma esfera). Registro em Assentamento: Sim. Aqui um detalhe pouco percebido: a multa não é penalidade autônoma prevista em Lei. Servidor que se recusa a submeter a exame médico: caso específico de suspensão (até 15 dias).estrategiaconcursos. I.br Página 77 de 208 . em exercícios. A redação do artigo parece-nos inconstitucional. o que é vedado pelo atual regramento jurídico nacional. Cyonil Borges www. 132. Admite-se a delegação a Ministros de Estado.

117.com.Curso de Direito Administrativo. para AFT Prof. Tribunais Superiores. PGR. inc. caso I a VIII e XIX reincidência Prazo Prescrição de 180 dias 2 anos (contados do 5 anos conhecimento do fato) Sindicância (máximo de 30 PAD dias). Admite-se a delegação a Ministros de Estado Cancelamento de registro Não haverá Prof.br Página 78 de 208 . Cyonil Borges – Aula 14 Natureza Leve Grave Gravíssima Para servidor Efetivo efetivo e efetivo apenas (comissionados Não serão destituídos Efetivo e não suspensos) da no de Art 132 Hipótese incidência As mesmas Descumprimento advertência. de do art. caso não tenha Após 5 anos praticado nova infração Chefes de Poder. em exercícios. Cyonil Borges www.estrategiaconcursos. previstas em Mais de 30 dias regulamento autoridade superior à chefia imediata 3 anos de efetivo exercício. PAD nos demais casos Instrumento de Apuração Sindicância Autoridade competente para aplicar Até 30 dias – chefe da repartição ou Chefe da outras repartição ou autoridades outras previstas em autoridades regulamento.

Cyonil Borges – Aula 14 disciplinar período no Principal consequência Penalidade Suspensão. (B) abandono de cargo.estrategiaconcursos.Curso de Direito Administrativo. (C) inassiduidade habitual. para AFT Prof. Prof.27 27 Gabarito: alternativa E.com. art.br Página 79 de 208 . (FGV/2009 . caso reincidência período de anos de no de no 3 Suspensão contagem tempo serviço. IV. (D) insubordinação grave em serviço. cancelamento remuneração da do de da Hipóteses dos incs. de acordo com as previsões da lei 8. X e XI. I. VIII.Anal Sistema Operacional) Não será aplicada a pena de demissão do servidor público. Ou melhor. vejamos os processos que podem ser utilizados para punir o servidor público: a sindicância e o Processo Administrativo Disciplinar – PAD. não teríamos mais servidores públicos.132 impedem o servidor de retornar ao serviço público na mesma esfera Bom. (E) não atingimento das metas estabelecidas pelo superior hierárquico.112/90.MEC . na seguinte hipótese: (A) crime contra a administração pública. Cyonil Borges www. em exercícios. afinal quem processaria os servidores da comissão processante. Considerando que as metas fixadas costumam ser inatingíveis. teríamos todos os servidores.

tracemos as principais distinções entre o PAD e a sindicância. E as questões cobradas costumam ser bem simples. vale a regra de que incumbe a quem acusa provar a veracidade de suas afirmações.2. Se não proceder assim. o julgamento deve se ater ao vislumbrado nos autos. a verdade material (ou real). As sindicâncias e os PADs podem ser entendidos como os instrumentos administrativos destinados a apuração das eventuais infrações cometidas por servidores públicos. sendo responsabilizada. ou seja.br Página 80 de 208 . por meio da SINDICÂNCIA ou do PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR. Não costuma ser item integrante do Edital. haverá contraditório/ampla defesa. Conforme dispõe o art. SEMPRE. como na civil. cabe a esta provar a verdade de suas afirmações. em razão de omissão de dever (de determinar a instauração do processo). para AFT Prof. Assim. 143 da Lei 8. No entanto. a sindicância constitui mero procedimento investigatório. peço uma leitura. Em outras esferas.112.Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges www. Destaque-se que no transcurso do PAD – bem como da sindicância – deve-se buscar. Por oportuno. a autoridade que tomar conhecimento de eventuais irregularidades cometidas por servidores públicos deverá adotar as medidas necessárias com vistas à imediata apuração. No que diz respeito à produção de provas. equivalente ao inquérito policial. desde que tais infrações sejam praticadas no exercício das atribuições do cargo ou relacionadas a estas. à verdade processual ou formal. ainda que superficial.com. ela. ou seja. a autoridade estará agindo de maneira incorreta e poderá acabar. sempre que for necessário. Como nos demais processos. sem a Prof. o julgamento deverá ser proferido com base naquilo que REALMENTE ACONTECEU. por exemplo. Cyonil Borges – Aula 14 7. Em regra. como a Administração é quem está acusando o servidor do cometimento de alguma infração. MEIOS DE APURAÇÃO DE SERVIDOR – SINDICÂNCIA x PAD RESPONSABILIDADE DO Essa parte é só para termos ideia dos procedimentos em geral. a própria autoridade. em exercícios.estrategiaconcursos. e não apenas nas provas constantes dos autos. de 1990.

Os resultados possíveis da sindicância: I) arquivamento do processo. Não cabe tal tipo de processo. analise as afirmativas a seguir: I. a sindicância é instaurada para apuração de infrações de menor gravidade.br Página 81 de 208 . quando for o caso da aplicação de penalidade mais grave. dentre outras razões. deve abrir ao implicado prazo para apresentação de defesa. A sindicância é vista pela doutrina como um processo mais célere e simples que o PAD. II) aplicação direta das penalidades de advertência ou de suspensão de até 30 dias. Isso se dá. o investigado pode acabar vindo a sofrer punição no processo em si.com. Normalmente. determinada apuração pode ser iniciada diretamente com um PAD. Cyonil Borges – Aula 14 formalização de acusação. III) instauração de PAD. A sindicância difere do inquérito policial neste aspecto: neste último. por economicidade processual: para que começar a fazer tudo de novo. observo que a sindicância não constitui etapa do PAD. prorrogável por igual período. O prazo para a conclusão da sindicância é de 30 dias. para aplicação da pena de demissão ao servidor. portanto. e. Prof. Assim. esta com prazo de até 30 dias. os autos (documentos) da Sindicância integrarão o PAD. já na sindicância. em exercícios. Mas. o investigado não pode ser punido NO inquérito. Contudo. a falta de defesa técnica por advogado não ofende a Constituição da República. para tanto. Cyonil Borges www. para AFT Prof.estrategiaconcursos. como peça informativa daquele. (2011/FGV – SEFAZ-RJ – Analista de Controle Interno) A respeito do regime jurídico disciplinar dos servidores públicos federais. que impliquem aplicações de penas de advertência ou de suspensão. Nesta última hipótese. nem deve precedê-lo obrigatoriamente. se é possível o aproveitamento do que já foi feito. Todavia.Curso de Direito Administrativo. Basta que a Administração conclua que o ilícito administrativo é grave o suficiente para a instauração do PAD. a critério da autoridade superior. a Administração pode vir a aplicar penalidade a servidor por meio de sindicância. Em processos administrativos disciplinares.

Vejamos. Não há necessidade de PAD para a aplicação de advertência ou suspensão até 30 dias. destituição de cargo em comissão/função comissionada ou aplicação de suspensão com período superior a 30 dias. Assinale (A) se apenas a afirmativa I estiver correta. embora cabíveis em casos de infrações de natureza leve. A aplicação das penalidades de advertência e suspensão.estrategiaconcursos. cassação de aposentadoria /disponibilidade. depende de instauração de processo administrativo disciplinar. portanto: instauração. inquérito e julgamento. Prof. permitida sua prorrogação por igual prazo. (C) se apenas a afirmativa III estiver correta. falta punível com demissão é a cassação de aposentadoria ou de disponibilidade. O PAD é o meio legal utilizado pela Administração para a aplicação de penalidades por infrações mais graves cometidas por servidores. III. A instauração do PAD ocorre com a publicação da portaria de designação da Comissão encarregada de proceder à investigação. tema sempre presente em provas. (B) se apenas a afirmativa II estiver correta. defesa e relatório. (E) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas. Cyonil Borges www. em exercícios. 28 Gabarito: alternativa E. vamos ao PAD. é suficiente a condução de sindicância administrativa.br Página 82 de 208 . para AFT Prof. que podem ser assim sintetizadas: As fases do PAD são três. Referida comissão será integrada por três servidores estáveis. em detalhes. o inquérito se subdivide em três fases: instrução. É dividido em três fases. A instauração do PAD será necessária para a aplicação das penalidades de demissão.com.28 Feitos os esclarecimentos quanto à sindicância. A penalidade disciplinar aplicável ao servidor inativo que houver praticado. no caso do inquérito).Curso de Direito Administrativo. (D) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas. em atividade. sob pena de nulidade. quando as circunstâncias exigirem. como se desdobram estas fases (e subfases. O PAD tem duração de até sessenta dias. De sua parte. Cyonil Borges – Aula 14 II. Nestes casos.

o STF. sobre o tema. laudos periciais. companheiro ou parente do acusado. enfim. AS COMISSÕES SÃO DE NO MÍNIMO TRÊS E NOS PAD AS COMISSÕES SÃO DE TRÊS SERVIDORES. Não podem participar da comissão. nada impede que o acusado faça questionamentos quanto à prova pericial produzida. Prof. Inclusive. em linha reta ou colateral até 3o grau. Atentem para essa informação. Cyonil Borges www.Curso de Direito Administrativo. Nela será levantado o maior número possível de fatos. em exercícios. etc. A Instrução é a fase essencialmente investigatória do PAD.estrategiaconcursos. que não precisa ser necessariamente advogado. que deverá ser ocupante de cargo efetivo superior ou de mesmo nível que o acusado. provas) serão juntados ao PAD como peça informativa. Cyonil Borges – Aula 14 designados pela autoridade competente. As reuniões e audiências a serem realizadas pelas comissões terão caráter reservado. os autos da sindicância (informações. Contudo. para AFT Prof. na Súmula Vinculante 5.br Página 83 de 208 . defesa e relatório. consanguíneo ou afim. pessoalmente. sendo que o pedido de perícia somente deverá ser aprovado pelo Presidente da comissão caso o fato a ser comprovado dependa de conhecimento técnico especializado. diligências. provas. seja de inquérito ou de sindicância. serão promovidas acareações. a comissão ficará dedicada em tempo integral aos seus trabalhos (os membros podem ter seu ponto dispensado. sempre que for necessário.com. a qual indicará. e. caso necessário. na instrução serão realizadas. evidências. tudo que possa confirmar ou desconstituir as acusações que recaem sobre o servidor. ou ter nível de escolaridade também igual ou superior ao acusado. BIZU: EM LICITAÇÕES. o presidente. ou por intermédio de procurador. Podem ser solicitados. até a entrega final do relatório). haja vista a possibilidade de o investigado acompanhar todo o processo. De qualquer forma. Assim. caso tal situação ocorra (ter uma sindicância antes do PAD). dentre esses membros. tomar-se-ão depoimentos. ainda. O inquérito administrativo divide-se em três subfases: instrução. Não há necessidade de o PAD ser antecedido por sindicância. estabeleceu que a falta de defesa técnica no PAD não acarreta sua nulidade. cônjuge.

com seus depoimentos reduzidos a termo (transcritos). Quando o servidor estiver em lugar incerto e não sabido. Ou seja: aos 10 dias firmados no caso de 1 acusado. Como o servidor estaria em local incerto? No abandono de cargo. poderão ser arroladas testemunhas. para que apresente sua defesa. caso entenda necessário.com. a citação será promovida por meio de edital. em exercícios. que devem ser ouvidas separadamente. devendo ser observadas as mesmas regras válidas para as testemunhas (depoimentos em separado. Cyonil Borges www. Após ouvidas as testemunhas. Cyonil Borges – Aula 14 É de se destacar que. pelo presidente da comissão. podem ser acrescidos mais 20 de prorrogação. reduzidos a termo). para AFT Prof. que nada mais é que o seu chamamento oficial.estrategiaconcursos. a comissão terá que. quando o indiciado se recuse assinar): 1 indiciado: 10 dias. deve-se ouvir o(s) acusado(s).Mais de 1 indiciado (não importa quantos): prazo comum de 20 dias. Caso o indiciado se recuse a apor o ciente na cópia da citação. por exemplo! Caso a comissão conclua que a infração cometida configura ilícito penal. a comissão deverá promover a citação do servidor. Após ouvir as testemunhas e os acusados. publicado no Diário Oficial e em jornal de grande circulação na localidade do último domicílio conhecido do servidor.br Página 84 de 208 . A Defesa é a segunda subfase do inquérito. Caso decida pela indiciação. Prof. decidir se o servidor será indiciado ou não.O prazo para apresentação de defesa pode ser prorrogado pelo dobro. ou da lavratura do termo.Curso de Direito Administrativo. a data deverá ser declarada em termo próprio pelo membro da comissão que promoveu a citação. cópia dos autos deverá ser remetida ao Ministério Público. São os seguintes. para que este impetre a devida ação criminal contra o servidor. . com a assinatura de duas testemunhas. Na ocorrência de depoimentos contraditórios. no inquérito. com base nos elementos probatórios. por exemplo. . caso sejam necessárias diligências indispensáveis para a preparação da defesa. a comissão pode promover acareações entre aquelas que se contraditaram. contados da data da ciência do último acusado. os prazos para apresentação da defesa (contados do ciente do servidor.

Para a citação por edital. Em face do princípio da verdade material. Sucede a defesa e deverá conter um resumo com os principais pontos dos autos. a comissão deve indicar o dispositivo legal transgredido. a comissão deve expressar opinião precisa quanto à responsabilidade do servidor quanto aos fatos apurados.. para AFT Prof. não há nenhuma presunção legal de culpa contra o revel. caso o indiciado opte pela revelia. em face das disposições da Lei. o acusado pode optar por não apresentar defesa . nível de escolaridade igual ou superior ao do indiciado (§2º do art. ou seja. no qual são tidos por verdadeiros todos os fatos invocados contra o acusado revel.112/1990). de não apresentação de defesa. encerram-se os trabalhos da comissão.estrategiaconcursos. o não cumprimento do prazo não leva à anulação do processo. em exercícios. obrigatório) para o servidor. Cyonil Borges – Aula 14 . O relatório produzido na fase de inquérito não vincula. o que equivaleria.Curso de Direito Administrativo.br Página 85 de 208 . A esse fato. No PAD. ou seja. 164 da 8. dá-se o nome de revelia. A principal característica do relatório é a sua conclusividade. Com o fim da fase de relatório. É o que os processualistas chamam de prazo impróprio. o prazo para apresentação de defesa é diferenciado: será de 15 dias. No PAD.”. a revelia produz efeitos diversos daqueles verificados na órbita do processo civil. devendo o relatório ser encaminhado à autoridade competente para o julgamento. bem como as circunstâncias agravantes ou atenuantes. O Relatório é a última subfase do inquérito. o julgamento fora do prazo não resulta na nulidade do processo. Tal defensor deverá ser ocupante de cargo efetivo superior ou de mesmo nível. praticamente.. a autoridade que proferirá a decisão. ainda.com. Contudo. mas é possível a responsabilização do servidor que deu causa. mas pode também não ser. A lei fala Prof. nos quais a acusação baseou sua opinião. O julgamento é a fase final do PAD e deverá ser proferido pela autoridade competente no prazo de vinte dias contados do recebimento do processo. Reconhecida a responsabilidade do servidor. a Administração deverá designar um defensor dativo (necessário. Cyonil Borges www. de forma absoluta. Não pode haver relatório de comissão do tipo: “pode ser. a uma confissão por parte deste. ou ter. contados da publicação do edital. De toda forma. e a defesa será sempre obrigatória.

sem prejuízo da remuneração. assim. ou seja. não há prejuízo quanto à remuneração do servidor durante o período do afastamento. em razão de tal posição.3 – O PAD – HIPÓTESES DE RITO SUMÁRIO Há situações em que o PAD é “rapidinho”. uma instigante questão surge na seguinte hipótese: e se [o velho bom “e se”] o investigado ocupar uma posição relevante no órgão.Curso de Direito Administrativo. de forma que. Ressalto que.br Página 86 de 208 . podendo ser prorrogado por igual período. dá a possibilidade do afastamento preventivo do servidor. 133 da 8. empregos e funções públicas: neste caso. Desse modo. logo. para AFT Prof. Por fim. Cyonil Borges www. Destaco que o afastamento em questão não constitui medida punitiva. em exercícios. há necessidade de a autoridade expor os motivos que levaram à opinião com relação ao relatório produzido pela comissão na fase de inquérito. podendo. 7. ou mesmo isentar o servidor da responsabilidade levantada. a Lei 8. O prazo de tal afastamento será de até 60 dias. possa vir a interferir no curso das investigações? Neste caso. salvo se a sua conclusão for contrária às provas nos autos. após a detecção da acumulação irregular. O PAD/RS é adotado em três hipóteses: I) acumulação ilícita de cargos. o servidor será notificado para que faça opção pelo cargo em que permanecerá.112. que conta com previsão no art.com.112/1990 há que se ter sempre um cargo também regido pela norma. Prof. no caso de discordância.. reduzir. que pode ser determinado pela autoridade instauradora do processo para que o servidor não venha a influir na apuração da irregularidade. agravar.112. em rito sumário ou simplificado – PAD/RS. 1990. para que o processo seja regido pela Lei 8. e se a conclusão estiver contrária às provas. Cyonil Borges – Aula 14 que a autoridade deverá acatar o relatório produzido. Observaram que o prazo do afastamento preventivo coincide com o do PAD? Fácil de memorizar.estrategiaconcursos. mas CAUTELAR..

III) inassiduidade habitual: configurada pela falta ao serviço.estrategiaconcursos. durante o período de doze meses.. o que fazer? Simplesmente “deixar para lá”. em exercícios.112/90). e não adianta nós criticarmos. ficará materializada a inassiduidade habitual. para nosso curso. faltar por sessenta dias (ou mais). de 1990. por sessenta dias. para AFT Prof. é a lei. na 8. Ressalto que. se fizer opção por um cargo.br Página 87 de 208 . Basta que fixemos que o abandono de cargo é hipótese de PAD/RS e demissão. a inocência do acusado não é encontrada. Então. e o desligamento do cargo ocupado irregularmente será tido como pedido de exoneração. Prof. sem causa justificada. 133). a testemunha reaparece. a possibilidade da revisão do processo. Se nesse período o servidor regido pela Lei 8.112. então. daí. sabendo que a testemunha poderia provar a inocência do acusado? Não. caracteriza a boa-fé e fim? Que brincadeira é essa? Pois é. Vejamos. cujo depoimento provaria. de 1990) que gerem sanções podem ser revistos A QUALQUER TEMPO. 323 do Código Penal). Cyonil Borges www. gente. Os processos de natureza disciplinar (PADs e sindicâncias. o servidor acusado vem a ser demitido. 114 da Lei 8. mas muitos anos depois. Muitos. Cyonil Borges – Aula 14 Se fizer a opção até o último dia para a apresentação de defesa. claro que não! Surge. além do ilícito administrativo há um crime configurado (art.com. 7.112. ou a inadequação da penalidade aplicada (princípio da autotutela da administração – vide art. desde que surjam fatos ou circunstâncias novos que justifiquem a inocência do punido. interpoladamente. nesta hipótese. não é brincadeira. II) abandono de cargo: configurada pela ausência intencional do servidor ao serviço por mais de trinta dias consecutivos. Todavia. Daí. o servidor será visto como de “boa-fé”. é irrelevante.Curso de Direito Administrativo.4 – A POSSIBILIDADE DISCIPLINARES DE REVISÃO DOS PROCESSOS Imaginem o seguinte: em um processo disciplinar uma testemunha fundamental ao esclarecimento dos fatos. cabalmente. é o que está na Lei (§ 5º do art. a informação de que se trata de um crime. O que? O sujeito é pego com a “boca na botija” [em acumulação indevida]..

Cyonil Borges – Aula 14 Contudo. o servidor recorre. tratando-se de recursos. O processo de revisão pode ser instaurado. o processo deve ser encaminhado ao dirigente do órgão/entidade no qual teve origem o PAD. ainda. a Administração federal impôs. proferirá decisão revendo-a. Com base no fragmento acima. Caso a autoridade conclua pela inadequabilidade da penalidade anteriormente aplicada.112/1990. Não cabe “reformatio in pejus” em sede de revisão. a lhe impor a pena de demissão. o que não ocorre. porém. O prazo para a conclusão dos trabalhos da comissão revisora é de 60 dias. para AFT Prof. ao servidor. ou. ou.br Página 88 de 208 . o art. deve ser dirigido ao Ministro de Estado ou à autoridade equivalente. 174 da 8. Isso mesmo.Curso de Direito Administrativo. O pedido de revisão pode ser feito pelo próprio servidor. na revisão o ônus da prova é invertido: cabe ao requerente provar a veracidade de suas afirmações. é correto afirmar que a Administração Federal: a) agiu em desrespeito aos princípios da eficiência e da instrumentalidade. Inconformado. ainda. por qualquer pessoa da família. ou seja. expressamente. como prevê. Autorizada a revisão.estrategiaconcursos. pelo respectivo curador. contados do recebimento do processo. por iniciativa da própria Administração Pública. tendo em vista a comprovação de ato de improbidade. não poderá agravar a decisão anterior (diz-se que é vedada a reformatio in pejus – reforma em prejuízo). no caso de incapacidade mental do punido. a pena de advertência. Destaco que a simples alegação da injustiça da penalidade aplicada não é motivo para abertura do processo revisional. Já o prazo para julgamento (que deve ser proferido pela autoridade que aplicou a penalidade) é de 20 dias. no caso de ausência/falecimento/desaparecimento deste. desde que não imponha pena grave. Cyonil Borges www. após lhe conferir o direito de manifestação. nos termos da Lei nº 8112/90 e da Lei 9784/98. Fiquem atentos! (2010/FGV – OAB) Em determinado procedimento administrativo disciplinar.com. em exercícios. O pedido de revisão. em nível federal. Prof. autorizativos da reforma em prejuízo do recorrente. vindo a Administração. contudo. de ofício.

simplesmente será convertida em exoneração.29 Destaco.. nada de reclamar. para AFT Prof. Só faz confirmar o nosso aprendizado.1 – A PREVIDÊNCIA “GERAL” E A PREVIDÊNCIA “PRÓPRIA” DOS SERVIDORES De início. daí a necessidade de previdência! Então. em exercícios. 8 – O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO DO SERVIDOR PÚBLICO Ai. o que vemos. autorizativos da reforma em prejuízo do recorrente. Contudo. pois há vedação expressa na Lei. 127 da Lei).. muitas vezes é um “muxoxo” (reclamação) geral quando começamos a falar sobre o sistema previdenciário do servidor. trazendo equivocada reforma em prejuízo do recorrente.. que no caso específico de destituição de cargo em comissão (que é uma punição – vejam o art. não se poderia agravar a situação do servidor. e. Perceba que houve recurso.Curso de Direito Administrativo. o que justifica a revisão é o FATO NOVO que tenha eficácia (produza efeitos) sobre a decisão anteriormente produzida.. começou a coisa chata. Prof.br Página 89 de 208 . ainda.estrategiaconcursos. Daí. ainda que fosse aberta a revisão. 8. vejamos o que diz o §20 do art. não pode! Esse será o nosso caminho: um dia (com muita fé!) nos aposentaremos. trazendo equivocada reforma em prejuízo do recorrente. Cyonil Borges www. 40 da CF/88: Fica vedada a existência de mais de um regime próprio de previdência social para os servidores titulares de cargos efetivos. Primeiro de tudo. essa “novidade” não pode piorar a situação daquele que terá sua situação revista (veda-se reformatio in pejus – a reforma em prejuízo). e de mais de uma 29 Gabarito: alternativa B. Em turma. c) não observou o princípio da dignidade da pessoa humana. ai. d) não observou o princípio do devido processo legal. hein? Rsrs. caso a penalidade aplicada seja desconstituída em decorrência da revisão. logo não há vedação da “reformatio in pejus”. Gente.com. Excelente questão. Cyonil Borges – Aula 14 b) agiu em respeito aos princípios da legalidade e autotutela.

pode-se fazer a seguinte afirmação: não é possível o estabelecimento de mais de um regime próprio de previdência de servidores públicos no âmbito de cada uma das pessoas federativas (União.estrategiaconcursos. O grifo não consta do original. dos trabalhadores de modo geral – art. em razão dos benefícios que custeiam. Cyonil Borges – Aula 14 unidade gestora do respectivo regime em cada ente estatal. por ações de saúde e de assistência social. II) há características comuns aos dois regimes previdenciários obrigatórios (o próprio. 201. de maneira a preservar o equilíbrio financeiro e atuarial. a contributividade: PAGAMOS para fazer uso dos benefícios previdenciários. aqueles que se beneficiarão do sistema devem contribuir para sua manutenção. a que se faz referência no art. ressalvado o disposto no art. no âmbito das pessoas federativas. CF/1988). não alcança os que ocupem. Deixando de lado a parte final do dispositivo. exclusivamente. para AFT Prof. “De cara”. em exercícios. 201 da CF/1988. 142. que são os principais. abrange tão só os ocupantes de cargos EFETIVOS . ou seja. o geral. ainda. possuem ônus a ser sustentado. pode-se afirmar que a contribuição previdenciária não tem por objetivo pura e simplesmente o futuro pagamento do benefício do trabalhador e de sua família. Em razão da solidariedade. o qual diz respeito aos militares. que estarão ligados ao Regime GERAL de Previdência Social. § 3º. como aposentadorias e pensões. atenção para o fato de que o regime próprio de previdência dos servidores públicos. cargos em comissão ou temporários. Desse modo. deixo claro que os beneficiários. A primeira é maior que a última. Os sistemas de previdência. que trata do art. Outras informações importantes: I) Muita confusão é feita entre SEGURIDADE SOCIAL e PREVIDÊNCIA SOCIAL. DF e Municípios – entes estatais). Todavia. há ainda o REGIME GERAL de previdência social. O dispositivo em questão fala tão só do regime PRÓPRIO dos servidores que ocupem CARGOS EFETIVOS. X. dos servidores. a saber: a) são de caráter contributivo e solidário.com. De outro modo. ainda que aposentados Prof. sendo composta.br Página 90 de 208 .Curso de Direito Administrativo. Aqui. 142 da CF/1988. Estados. possuidores de regras próprias de aposentadoria. Cyonil Borges www.

de solidário e distributivo. por conseguinte. devem continuar a contribuir. passou a ser meramente contributivo e. I). ANTE O PRINCÍPIO DA SOLIDARIEDADE..155. no qual asseverou: .br Página 91 de 208 . do acesso aos quadros funcionais públicos. 40 e 201 da CF/1988). depois. b) Prezam o equilíbrio financeiro e atuarial do sistema.Curso de Direito Administrativo. Por oportuno.1) a EC 41/2003 transmudou a natureza do regime previdencial que. inquestionável: É LEGÍTIMA A COBRANÇA DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA DE SERVIDORES APOSENTADOS. A despeito da existência de severas críticas quanto à constitucionalidade da cobrança daqueles que passaram a vida toda contribuindo para auferir benefícios. QUE REGE A PREVIDÊNCIA SOCIAL. do aumento da expectativa de vida do brasileiro e.. em decorrência. tais quais servidores aposentados. Para tanto. para os quais faltaria a necessária causalidade da contribuição. para AFT Prof. Assim. c) Veda-se a adoção de requisitos e critérios diferenciados para a concessão da aposentadoria e pensão aos Prof.105/2004). razão por que não se há de falar em confisco ou discriminação sob o fundamento de que ‘não atende aos princípios da generalidade e da universalidade (art. exponha-se julgado daquela Corte (Adin 3. de maneira a equilibrar o sistema.estrategiaconcursos. e. em exercícios. Cyonil Borges – Aula 14 ou pensionistas. do período de percepção do benefício. o certo é que..d) a contribuição instituída [e cobrada dos aposentados] não se faz sem causa. Realço que não incidirá contribuição previdenciária até o limite do teto dos benefícios do regime geral de previdência social. até devido à isonomia com os aposentados do RGPS que gozam de imunidade tributária. de acordo com o STF. dentre outros fatores. solidário e contributivo. tal fato deve ser aceito sob a ótica jurídica da solidariedade. parágrafo 2º. por meio da previsão explícita de tributação dos inativos. já que recai só sobre uma categoria de pessoas’: d. da queda da natalidade. a Constituição Federal estabelece princípios e critérios que devem ser observados (vide arts. em face da necessidade de se resolver o colapso havido no sistema..com. para fins de concurso público. Cyonil Borges www.. ‘observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial’.

tratemos da aposentadoria COMPULSÓRIA. exclusivamente. bem como a Lei 8. em exercícios. Cyonil Borges www. Assim. não abarcando. respeitando-se as exceções citadas. vários grupos de servidores se formaram a partir das reformas previdenciárias recentes. A aposentadoria compulsória ocorre aos 70 anos de idade do servidor.Curso de Direito Administrativo. para efeitos de concursos. contudo. a POR INVALIDEZ PERMANENTE E A VOLUNTÁRIA. inc. aqueles que ocupam. estabelecidas em leis complementares (vide § 4º do art.br Página 92 de 208 . II). 40.com. Nessa situação. a qual a CF/1988. Vamos falar de cada um dos tipos de aposentadoria – a compulsória. Inicialmente. bem como quanto àqueles que realizem atividades executadas sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física. 41/2003 e 47/2005. nos quais poderão se manter além do mencionado limite de idade. dado o tom absolutamente pejorativo imprimido a uma situação já difícil atravessada por alguém que sofreu uma limitação em sua capacidade de trabalho. que há possibilidade de diferenciação quanto aos portadores de deficiência. para só depois tratarmos das duas outras formas de aposentadorias. ato contínuo. há presunção absoluta (iures et iure) de incapacidade do servidor quanto ao desempenho de cargo EFETIVO. Ressalve-se. consagra-se a proibição de desigualdade de tratamento àqueles que integram um mesmo regime previdenciário. destacamos que a aposentadoria compulsória alcança os cargos EFETIVOS.estrategiaconcursos. é dizer. a voluntária e a por incapacidade laboral. 8. 201 da CF). decorrentes das emendas constitucionais 20/98. atingida a idade de 70 anos. resulta que. por consequência. Prof. a qual não admite prova em contrário.2 – APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS Bom. em um péssimo momento das normas. dois são os principais benefícios advindos do sistema previdenciário dos servidores: aposentadorias e pensões. própria dos servidores ou geral. com proventos proporcionais ao tempo de contribuição.112/1990 chamam de aposentadoria por invalidez permanente. o servidor deverá ser aposentado. para AFT Prof. Para efeitos de aposentadoria. Vejamos. em razão de mandamento constitucional (art. Cyonil Borges – Aula 14 albergados por ambos os regimes. Bom. Contudo. cargos em comissão. sem dúvida. 40 e § 1º do art. este é o benefício mais conhecido da previdência. de modo geral.

a resposta está nas mãos do legislador ordinário. há uma pergunta que “não quer calar”: como não há mais aposentadoria integral para os ingressados nos quadros da Administração Pública a partir da EC 41/2003 (a partir de 1º/1/2004). exceto se decorrente de acidente em serviço. ingressado nos quadros da Administração Pública pós EC 41. quando não decorrente do último trecho do inciso acima reproduzido (exceto. contagiosa ou incurável.com. moléstia profissional ou doença grave. Contudo.. De fato. No entanto. não existe mais para os que ingressem APÓS o advento da EC 41/2003. 40/CF estabelece a hipótese de aposentadoria por invalidez permanente. Em razão das alterações ocorridas na ordem jurídica brasileira quanto ao assunto. na forma antes concebida. Ocorre invalidez quando da impossibilidade física ou psíquica do servidor para o exercício de seu cargo. que nunca trabalhou anteriormente (na iniciativa privada ou no setor público). e no que se refere às exceções? Faz jus à aposentadoria integral o servidor que. O inc.) não há maiores dúvidas: os proventos devem ser proporcionais ao tempo de contribuição. bem como o que recebera quando na iniciativa privada. Vejamos. ao completar 70 anos de idade o servidor SERÁ aposentado do cargo efetivo. sofreu acidente em serviço. em exercícios. Como sobredito. em tais hipóteses o servidor aposentado por invalidez permanente deveria receber proventos integrais. em Prof. dado que os proventos agora devem ser calculados tendo em conta o que dispõem os §§ 3º e 17 do art. na forma da lei. seguindo o exemplo dado pelos autores Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino.. para fins de concurso. para AFT Prof. I do art. imagine-se a seguinte situação: determinada pessoa. sem se falar de direito a permanecer em atividade. até mesmo devido à experiência adquirida ao longo dos anos de serviço público. as organizadoras têm apontado para a integralidade.estrategiaconcursos. Contudo. que estabelecem como base de cálculo as remunerações percebidas pelo servidor no setor público. a integralidade.Curso de Direito Administrativo. sendo os proventos proporcionais ao tempo de contribuição.br Página 93 de 208 . ou acometido por moléstia/doença que levaram a sua invalidez? Bom. nada impede que seja convidado para assumir um cargo comissionado. antes da EC 41/2003. 40 da CF. ingressa nos quadros públicos após a EC 41. Cyonil Borges www. Cyonil Borges – Aula 14 Assim. Mas. sem nenhum medo de errar. qual a interpretação a ser dada ao dispositivo transposto com relação a estes? Bom.

Para tanto. para as mulheres. A aposentadoria voluntária poderá ocorrer. Lembro. quando será compulsoriamente aposentado. ainda. e aos sessenta anos. vem a sofrer. se homem. continuar no exercício de seus cargos. acidente que leva a sua invalidez. é considerada parcela extrateto. Cyonil Borges www. Para homens e mulheres.estrategiaconcursos. para que seus proventos sejam calculados a partir do que o servidor recebera na iniciativa privada bem como no setor público. adicionalmente. Aposentadoria voluntária pressupõe a manifestação de vontade do servidor para que passe à inatividade. é pago a quem. permanece na atividade nos quadros públicos. na forma da lei. no caso dos homens. a CF.112. são exigidos as idades mínimas de sessenta e cinquenta e cinco anos e tempo de contribuição de trinta e cinco e trinta anos.br Página 94 de 208 . com proventos proporcionais ao tempo de contribuição. trinta e cinco anos de contribuição. trinta de contribuição. até a data em que completar setenta anos de idade. em serviço. de 1990. se mulher. Em síntese: o abono de permanência. cinquenta e cinco anos de idade. respectivamente. Prof. Como requisitos básicos. no entanto.com. e que podem demandar aposentadoria voluntária com base nas regras de transição constantes do art. 40 da CF criou a figura do “abono de permanência”. deverá ser estabelecida pelo legislador. fazendo jus ao abono de permanência enquanto estiverem em exercício. tais servidores devem. estabelece. para AFT Prof. como o nome de certa maneira indica. dez anos de efetivo exercício no serviço público (em quaisquer esferas) e cinco anos no cargo no qual o servidor deseja se aposentar. após a EC 41/2003. Cyonil Borges – Aula 14 seu 1º dia de trabalho como servidor público com vínculo estatutário. Não há dúvidas de que esse servidor terá direito à aposentadoria. para ambos).Curso de Direito Administrativo. além dos dez anos de efetivo exercício e cinco anos no cargo. 2º da EC 41/2003. em exercícios. que o § 19 do art. já podendo se aposentar. Ao lado das indenizações da Lei 8. indistintamente de sexo. Essa nova figura destina-se a compensar os servidores que se encontram juridicamente aptos à aposentadoria voluntária não proporcional (sessenta anos de idade. a qual. aos sessenta e cinco anos de idade. obviamente. ainda. bem como aqueles servidores que ingressaram no serviço público antes da promulgação da EC 20/98.

porém sem possibilidade jurídica de se aposentar. Quanto aos requisitos de aposentadoria para os servidores do Grupo EC 20/98. Cyonil Borges – Aula 14 As hipóteses da aposentadoria voluntária. e. não poderiam se aposentar. que ocorre a pedido.estrategiaconcursos. Ressalto.com. III) os que ingressaram no serviço público após a EC 20/98. que serão daqui por diante chamados de “Grupo EC 20/98”. e antes da EC 41/2003. em razão dos pré-requisitos fixados naquele instante. O 1º grupo de servidores diz respeito àqueles que se encontram em situação transitória em face da EC 20/98. que os servidores que já poderiam se aposentar à época das emendas referenciadas têm direito às regras daquele momento.98 (data de promulgação da EC 20/98). em exercícios.br Página 95 de 208 .Curso de Direito Administrativo. II) daqueles que ingressaram no serviço público até 16. uma vez que preenchidos os requisitos para o gozo do direito.12. Cyonil Borges www. o regime transitório permite-lhes aposentar-se com idade reduzida em relação ao mínimo exigido pela EC Prof. por oportuno. no momento da promulgação desta Emenda. Assim. serão analisados em separado cada um destes grupos específicos de transitoriedade. no serviço público à época das duas aludidas EC’s 20 e 41. ou não. podem ser distinguidas em três situações. para AFT Prof. por razões didáticas. mas que. Reitero que os servidores que se encontram nessas situações transitórias são aqueles que já haviam ingressado. tendo em conta o referencial da EC 41/2003: I) do servidor que ingressou nos quadros do serviço público após a publicação da EC 41/2003. Este grupo corresponde àqueles que ingressaram no serviço público antes da vigência da EC 20/98. Vejamos estes grupos.

então.com. b) 5 anos de efetivo exercício no cargo em que ocorrerá a aposentadoria. deverá cumprir o “adicional” (pedágio) de 20%. se mulher. já que. Faltar-lhe-iam. ou seja. e. igual. 10 anos de para aposentadoria. para completar o tempo total regular necessário à aposentadoria. os proventos serão reduzidos com relação aos limites de Prof. em vez de trabalhar 10 anos. e 30. deverá trabalhar 12 anos. se homem.2) do período adicional de contribuição correspondente a 20% do tempo faltante. c) tempo de contribuição (ou de serviço. ao momento da reforma. primeiro deve-se observar o estatuído nos §§ 3o e 17 do art. o cálculo será da forma instituída em Lei. Para que atenda os requisitos de transição. à soma: c. em exemplo torna mais claro seu entendimento: suponha que um servidor (homem) na época de promulgação da EC 20 tivesse 25 anos de contribuição (ou de serviço. ou seja. Com relação à última situação. se mulher. o efeito jurídico era o mesmo). Cyonil Borges www. c. no mínimo.br Página 96 de 208 . 40 da CF. Cyonil Borges – Aula 14 41/2003 (60 anos para homens e 55 anos para mulheres). para efeitos de aposentadoria. a partir da promulgação da EC 20/98. para AFT Prof.estrategiaconcursos. para que se aposente. desde tenham: a) 53 anos de idade.Curso de Direito Administrativo. Em seguida. em exercícios. naquele momento. considerado este anteriormente à EC 20). se homem.1) do período de 35 anos. Para calcular os proventos dos servidores do Grupo EC 20/98. ou 48 anos.

Daí.5% por ano de diferença. ou ainda pelas regras constantes do art. não “estressem” com essas regras.estrategiaconcursos. não se assegura a paridade entre os vencimentos dos servidores ativos e os proventos de tal categoria de inativos. que fixa os seguintes requisitos mínimos para aposentadoria: a) 60 e 55 anos de idade para homens e mulheres. caso os requisitos de aposentadoria venham a ser cumpridos após 1. contudo. em exercícios. b) 35 anos de contribuição para homens e 30 para mulheres. doravante denominados de “Grupo EC 41/2003”. e. com 57 anos de idade. c) 20 anos de efetivo exercício no serviço público. para AFT Prof. não se fazendo distinção de sexo. 55 anos – mulheres). Os que se encontram em situação transitória em face da EC 41/2003. O direito de revisão dos proventos é assegurado aos servidores do Grupo EC 20/98 de maneira a assegurar-lhes o valor real. constituído por aqueles que adentraram no serviço público após a EC 20/98 e antes da promulgação da EC 41/2003. Assim. seus proventos serão reduzidos em 15% (5% para cada ano de diferença). raríssimas são as questões em prova a respeito desse grupo de servidores. Este grupo de servidores pode optar entre o regime estabelecido no art. ao direito à aposentadoria. Não há para tal grupo de servidores.com. vem a implementar os requisitos para aposentadoria em 2007. ante o nível de detalhamento requerido para compreensão da matéria. à reclassificação e transformação posteriores dos cargos em que se deram a aposentadoria. Cyonil Borges – Aula 14 idade (60 anos – homens. no momento de promulgação desta última Emenda. Com toda sinceridade. sem fazerem jus.12. contudo. 40. CF. 6º do texto da EC 41/2003. direito à integralidade. portanto.br Página 97 de 208 . Nessa situação. exponha-se o seguinte exemplo: um servidor (homem).2006.1. Prof. Cyonil Borges www. os servidores do Grupo EC 20/98 não fazem jus. por exemplo. Para que fique clara a aplicação dos redutores. respectivamente. da seguinte forma: I) II) 3.Curso de Direito Administrativo.2005. caso os requisitos de aposentadoria fossem cumpridos até 31. 5% por ano de diferença.

os seguintes requisitos: I) trinta e cinco ou trinta anos respectivamente. II) vinte e cinco anos de efetivo exercício no serviço público. caso contribuísse por 37 anos. De acordo com o art. Vocês verão! Mas. 3º da referida emenda.estrategiaconcursos. dentre aqueles que até 16/12/1998 (data de publicação da EC 20/98) houvessem ingressado no serviço público na qualidade de servidor público. A desvantagem diz respeito à necessidade de maior tempo de serviço público (20 anos) com relação ao disposto no art. por enquanto. A vantagem desse subgrupo é um “redutor” da idade mínima para a aposentadoria: 1 ano a menos de idade mínima. de contribuição. em exercícios. E assim sucessivamente. para homens e mulheres). 40 da CF. tudo dará certo. por 36 anos para previdência. tais servidores podem se aposentar com proventos integrais e paritários se cumprirem. cumulativamente. com 58 anos poderia se aposentar. isto é. quinze anos de carreira e cinco anos no cargo em que se der a aposentadoria (regra indistinta. para AFT Prof. Cyonil Borges www. 40 da CF é quanto aos proventos: serão eles integrais e paritários. correspondendo à totalidade da remuneração do servidor quando na ativa.Para os homens. de “PEC paralela”) estabeleceu um novo subgrupo. também sem distinção de sexo. mais benéfico. Caso um homem esteja enquadrado no último grupo citado e contribua. não haverá perda remuneratória. pessoal.com. por isso que a gente diz que não tem vida mole por aqui! Mas no fim. a idade mínima para a aposentadoria é de 60 anos. vamos fazer o que a gente pode: estudar! Vamos continuar com as pensões.Curso de Direito Administrativo. A vantagem desse último regime com relação à regra contida no art.br Página 98 de 208 . Prof. Cyonil Borges – Aula 14 d) 10 anos de carreira e 5 anos de efetivo exercício no cargo em que o servidor se aposentar. Ressalto que a Emenda Constitucional 47/2005 (chamada corriqueiramente. para homens e mulheres. para cada ano adicional de contribuição previdenciária. Um exemplo matemático torna mais fácil de ver a hipótese: . Nossa! Quantas regras! É. ao tempo de sua tramitação no Congresso Nacional. por exemplo. poderia se aposentar com 59 anos de idade.

bem assim a paridade do benefício.00. dado que estas também constituem importante benefício previdenciário. agora.) II) A pensão é um benefício dos DEPENDENTES e não do servidor. Aspecto fulcral a ser observado é que. para esclarecimentos.400. que não cai em nossa prova (uma pena. seu valor real. para AFT Prof. esteja atividade ou não na data do óbito. Duas observações primeiras com relação a esta figura: I) Não são pensões de natureza alimentar (que pais pagam em razão de dependente.estrategiaconcursos. a partir da referida Emenda. Caso exceda Prof. A EC 41 alterou substancialmente o sistema das pensões por morte do servidor. correspondente ao limite máximo estabelecido para os benefícios do RGPS. em janeiro de 2004 (usamos esse ano. por que o valor era “redondo”). A este grupo peculiar garante-se a integralidade dos valores correspondentes aos proventos/remuneração recebidos pelo servidor falecido. contudo.3 – PENSÕES Passemos. Observo. Cyonil Borges – Aula 14 8. que deverá ser revisto na mesma proporção e na mesma data em que se promova a alteração dos servidores ativos. em exercícios.. O cálculo do valor da pensão é efetuado da forma: este em conta a naquele seguinte . que é instituído em razão da morte deste último.com. deve levar em remuneração ou os proventos recebidos pelo servidor momento.Curso de Direito Administrativo. só se garante a integralidade do benefício até o valor do teto instituído que. A pensão é o pagamento efetuado pelo Estado à família do servidor em atividade ou aposentado em virtude de seu falecimento. era de R$ 2.. Essas (alimentícias) são estudadas pelo Direito Civil. Esse valor deverá ser reajustado de maneira a preservar.br Página 99 de 208 . a situação específica daqueles que à época da EC 41/2003 já recebiam pensão ou que até a data de publicação da referida Emenda já houvessem cumprido os requisitos para a concessão do benefício. à rápida contextualização das pensões. O benefício da pensão por morte do servidor. por exemplo). no caso de separação do casal.até o limite máximo dos benefícios do RGPS. Cyonil Borges www. o servidor receberá a totalidade dos proventos/remuneração. Com efeito. incidirão sobre tal parcela pecuniária os mesmos índices aplicáveis aos benefícios do RGPS. permanentemente.

00 + R$ 840. 201/CF. para a imposição de tal teto. foi autorizado à União. cada um deles.200. tal qual dispõe o § 2º do art. previdência complementar dos servidores públicos. Cyonil Borges 208 www. Cyonil Borges – Aula 14 esse valor. Distrito Federal e dos Territórios dar-se-á tratamento próprio. os proventos de pensão serão de R$ 2. um exemplo. Ressalte-se. 37 da CF/88) é plenamente aplicável aos beneficiários de pensão por morte de servidor. poderão referidas entidades estatais estabelecer como limite máximo de aposentadorias e pensões do RPPS o limite máximo dos benefícios pagos no âmbito do RGPS. 40/CF.00 (R$ 2. ou seja.00 (o limite do RGPS) mais 70% de 1.800.4 – PREVIDÊNCIA PÚBLICOS COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES A partir da promulgação da EC 20/98. aos pensionistas dos militares dos Estados.640. para AFT Prof. NECESSARIAMENTE deverá ser instituída. a pensão será de R$ 3. ainda. regime de previdência complementar para os servidores titulares de cargo efetivo submetidos à regra do art.800. Estados e Municípios instituir. Por fim.00). Prof.000.800.000. não serão esses “fundos de previdência” hoje existentes no mercado. preliminarmente. O teto remuneratório estabelecido para o funcionalismo público (inc. supondo que o teto do RGPS fosse de R$ 2.br Página 100 de . Nessa situação.Curso de Direito Administrativo. 42 da CF. tratado no art. 202 da Carta Magna.00). cuja disciplina constitucional encontra-se no art. que o regime complementar dos servidores públicos é diferente do regime também complementar dos trabalhadores submetidos ao RGPS.00 (o excedente de R$ 2.00 até o valor dos proventos de aposentadoria de R$ 4.estrategiaconcursos. Importa observar que.00 exatos (para facilitar o cálculo): se o servidor percebia 4.com. a pensão corresponderá ao limite do RGPS.00 de aposentadoria ao falecer. XI do art. em exercícios. 8. a ser estabelecido por meio de lei específica. acrescido de 70% da parte que o exceder. Para que fique claro. ou seja. Aplicam-se aos pensionistas contribuições previdenciárias sobre a parcela que exceder o valor correspondente ao RGPS. com percentual igual aos servidores ativos.800.

necessariamente. A expressão “contribuição definida” implica que o benefício de previdência complementar será definido pelo total de contribuições de cada participante. com certeza. ainda. sendo necessária lei ordinária de cada entidade integrante da federação para o estabelecimento da previdência complementar de sua alçada. com os planos de benefícios oferecidos apenas na modalidade de contribuição definida. Cyonil Borges – Aula 14 A instituição do regime de previdência complementar. em exercícios. A “natureza pública” de tais entidades não quer dizer que elas tenham de ser criadas. Cyonil Borges 208 www. como as autarquias. com personalidade jurídica de direito público. mas não o BENEFÍCIO. com relação ao benefício. mas não para o contribuinte. desse modo. o que levará. a partir da promulgação da EC 41/2003. uma vez que. é a modalidade mais segura para o EMPREGADOR. significa que a entidade tem a gestão de recursos públicos e visa à atividade de interesse público (previdenciária). Por fim. de acordo com o § 16 do art. da CF). preserva-se a pluralidade normativa. para AFT Prof. deverão estar submetidas ao controle por parte das entidades estatais.br Página 101 de . etc.estrategiaconcursos. o valor que será pago variará de acordo com as flutuações de mercado. 40 da Constituição Federal estabelece. Do ponto de vista atuarial. O §15 do art. 40.com. que sabe quanto paga. §15. Assim. uma vez que a CONTRIBUIÇÃO é definida. De outra forma. no que se refere à iniciativa de lei quanto à matéria ora tratada. mas não saberá. dar-se-á a partir de lei de iniciativa privativa do Poder Executivo (art. os riscos são assumidos pelo contribuinte. 40 da CF/88. no que diz respeito a sua esfera estatal. Pode-se afirmar que na modalidade contribuição definida. de natureza pública. e. os servidores ingressados no serviço público antes da instituição da previdência complementar só estarão submetidas a esta mediante prévia e expressa opção: SERVIDORES PÚBLICOS OCUPANTES DE CARGOS EFETIVOS SÓ ESTARÃO SUBMETIDOS À PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR CASO QUEIRAM! Prof. adequação das aplicações dos recursos.Curso de Direito Administrativo. que a gestão do novo regime estará sob a incumbência de entidades fechadas de previdência complementar.

br Página 102 de . desnecessário o contraditório. reforma e pensão. Os atos sujeitos a registro são atos COMPLEXOS. até porque assunto reservado à Súmula Vinculante: os atos sujeitos a registro. incluídas as fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público. De acordo com o inc. como o ato inicial de registro significa um ato que só “acabou” com o registro no Tribunal. a qualquer título. Prof. para fins de registro. em exercícios. O assunto acima já foi tão debatido que há até súmula VINCULANTE do STF editada a respeito. Primeira coisa com relação ao dispositivo acima é perceber a parte negritada: no que se refere a tais atos o que há é o REGISTRO e não o julgamento por parte do Tribunal. excetuada a apreciação da legalidade do ato de concessão inicial de aposentadoria. para AFT Prof. Daí. 71. reformas e pensões. COM EXCEÇÃO (vejam a parte final da súmula) do ato INICIAL.5 – OS ATOS SUJEITOS TRIBUNAIS DE CONTAS A REGISTRO PERANTE OS Este tópico é para registro final com relação a um assunto que tem sido objeto de todas as recentes provas de concursos. bem como a das concessões de aposentadorias. O controle externo. excetuadas as nomeações para cargo de provimento em comissão. ressalvadas as melhorias posteriores que não alterem o fundamento legal do ato concessório. É a vinculante 3. 71 da CF: Art.estrategiaconcursos. Cyonil Borges – Aula 14 8. será exercido com o auxílio do Tribunal de Contas da União. para facilitar a vida dos amigos: Nos processos perante o tribunal de contas da união asseguram-se o contraditório e a ampla defesa quando da decisão puder resultar anulação ou revogação de ato administrativo que beneficie o interessado.Curso de Direito Administrativo. ao qual compete: III . a legalidade dos atos de admissão de pessoal. a cargo do Congresso Nacional.com. Esse é o entendimento do STF. só se aperfeiçoando com o registro no TCU. A súmula garante o contraditório em tal situação (atos sujeitos a registro). Olha ela aí. Cyonil Borges 208 www. na administração direta e indireta.apreciar. III do art.

necessário o contraditório. Prof. Daí. Mas. CONTRADITÓRIO NOS CASOS DE MELHORIA DO ATO DE CONCESSÃO INICIAL! Guardem isso. Cyonil Borges – Aula 14 Mas notem que o contraditório só é necessário. em exercícios. PORTANTO.estrategiaconcursos. portanto. e se o ato posterior MELHORAR o registro anterior? E aí? Tem que ter contraditório? Olha aí a “novíssima novidade”! Súmula do STF acerca dos Tribunais de Contas: “Não se exige a observância do contraditório e da ampla defesa na apreciação da legalidade de ato de concessão inicial de aposentadoria.com. um ato mude PARA PIOR a situação do sujeito que teve o ato registrado. Exemplo: aposentado terá uma gratificação “cortada” de seus proventos. quando. Cyonil Borges 208 www. reforma e pensão e de ato de alteração posterior concessivo de melhoria que altere os fundamentos legais do ato inicial já registrado pelo TCU.Curso de Direito Administrativo.” NÃO É PRECISO. para AFT Prof. hein? ALTÍSSIMA PROBABILIDADE DE CAIR NA PROVA.br Página 103 de . posteriormente ao registro.

e) incluindo-se os servidores públicos. para AFT Prof.Polícia Civil/RJ . 2) (2009/FGV – TJ/PA – Juiz Substituto de Carreira) Assinale a alternativa que indique o binômio que representa servidores públicos. mediante delegação. c) agentes políticos / particulares em colaboração com o poder público. estes desde que investidos mediante nomeação e não detentores de mandato eletivo.Curso de Direito Administrativo. 3) (2005/ESAF – EPPGG – MP) O regime jurídico do pessoal contratado em caráter temporário. bem como os agentes políticos. em exercícios. b) não se incluindo na categoria os agentes políticos. e) particulares em colaboração com o poder público / empregados públicos. a) inclusive os particulares que atuam em colaboração com o poder público. por excepcional interesse público. c) não se incluindo na categoria os militares. conforme a previsão do inciso IX do artigo 37 da Constituição Federal.br Página 104 de .Inspetor da Polícia Civil-Amarela) O jurado. Cyonil Borges 208 www. d) militares / agentes políticos. estatutários e celetistas.estrategiaconcursos. requisição. d) somente incluindo-se na categoria aqueles que possuem vínculo estatutário ou celetista com a administração. agente público é toda a pessoa física que presta serviços ao Estado e às pessoas jurídicas da Administração Indireta.com. detentores de mandato eletivo. nomeação ou designação. a) servidores temporários / servidores estatutários. exerce: Prof. no Tribunal do Júri. classifica-se como: a) regime contratual de direito público b) regime celetista c) regime estatutário d) regime contratual de direito privado e) regime de função pública temporária 4) (2008/FGV . adotado pela União Federal. b) servidores estatutários / militares. Cyonil Borges – Aula 14 QUESTÕES EM SEQUÊNCIA 1) (2006/FCC/Procurador/BA) De acordo com a doutrina.

estrategiaconcursos. informativo ou de cooptação social. Prof. c) o prazo de validade do concurso público será de dois anos.br Página 105 de . em exercícios. e) função pública. c) cargo comissionado. prorrogável uma vez pelo período de um ano. para AFT Prof. d) o provimento dos cargos efetivos e dos comissionados depende de concurso público de provas e títulos. c) A publicidade dos atos. d) Os cargos em comissão. a) Lei deve disciplinar as formas de participação do usuário na administração pública direta e indireta. e) A autonomia gerencial. 5) (2005/FGV/TJ-PA/JUIZ) Assinale a alternativa correta. orçamentária e financeira dos órgãos e entidades da administração direta e indireta poderá ser ampliada mediante ato do Chefe do Poder Executivo que fixe metas de desempenho para os administradores do órgão ou entidade. prorrogável uma vez por igual período. na forma da lei. obras. b) função paradministrativa. destinam-se às atribuições de direção. 6) (2008/ESAF – EPPG) Assinale a opção correta relativa aos princípios e normas constitucionais aos quais deve obediência a administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes de todos os entes integrantes da Federação. b) A proibição de acumulação remunerada de cargos. Cyonil Borges – Aula 14 a) cargo efetivo. d) cargo gratificado. a) o prazo de validade do concurso público será de até dois anos. preenchidos exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo. b) o provimento dos cargos em comissão depende de concurso público de prova e títulos. e regular as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em geral. programas. chefia e assessoramento. empregos e funções públicos não abrange sociedades de economia mista quando houver compatibilidade de horários. serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo. e) o prazo de validade do concurso público será sempre o que estiver estipulado no edital. prorrogável uma vez por igual período. Cyonil Borges 208 www.Curso de Direito Administrativo.com.

b) 4 anos. 8) (2008/FGV – TCM/PA – Auditor) O servidor nomeado para cargo de provimento efetivo terá que cumprir estágio probatório de: a) 1 ano. o ex-servidor consegue ver anulado o ato administrativo que o demitiu.br Página 106 de .Curso de Direito Administrativo. Feitas tais considerações.com. o prazo de validade do concurso público será de até dois anos. dentro de suas áreas de competência e jurisdição. por igual período. IV. em exercícios. e) I e II são verdadeiras. Um ano após a demissão. II. Prof. os vencimentos dos cargos do Poder Executivo e Legislativo não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Judiciário. ao final do qual é demitido. b) O servidor não possui direito a retornar ao cargo antes ocupado por não ser estável quando foi demitido. c) I e III são verdadeiras.estrategiaconcursos. prorrogável uma vez. b) II e III são falsas. assinale a opção correta. é garantido ao servidor público civil e militar o direito à livre associação sindical. c) 3 anos. III. na forma da lei. nos termos da Constituição: I. d) 2 anos. precedência sobre os demais setores administrativos. a administração fazendária e seus servidores fiscais terão. a) II e IV são verdadeiras. Assinale a opção correta. Cyonil Borges – Aula 14 7) (2008/ESAF – CGU – Prova 2) Considere as seguintes assertivas a respeito dos servidores da Administração Pública. e) 5 anos. 9) (2008/ESAF – CGU – Desenvolvimento Institucional) Servidor Público não estável responde a processo administrativo disciplinar. para AFT Prof. a) A anulação da demissão gera para o servidor a reintegração imediata ao cargo ocupado. d) III e IV são falsas. Cyonil Borges 208 www.

d) Cassação de aposentadoria. e) Absolvição em que a autoria seja negada. Cyonil Borges – Aula 14 c) Em face dos efeitos produzidos pelo ato administrativo anulado. a) Demissão. c) Destituição de cargo em comissão. c) Condenação por crime contra a Administração Pública à pena privativa de liberdade por tempo igual ou superior a um ano. a) Exoneração ad nutum. d) Haverá reintegração desde que o servidor tenha completado tempo sufi ciente para a aquisição da estabilidade quando a demissão foi anulada. a) Absolvição que não compreenda falta residual. embora ainda não estável. 10) (2008/ESAF – CGU – Técnico) Assinale o tipo de exoneração que se caracteriza por encerrar um juízo de conveniência e oportunidade da Administração. c) A pedido do servidor. o servidor já tenha cumprido o estágio probatório. 12) (2008/ESAF – CGU – Desenvolvimento Institucional) Assinale a opção que contemple penalidade que encerra avaliação discricionária do administrador em sua aplicação.com. e) A reintegração será possível desde que. 11) (2008/ESAF – CGU – Técnico) Considerando entendimento consolidado do Supremo Tribunal Federal. para AFT Prof. d) Quando o servidor não toma posse no prazo legal. em exercícios.br Página 107 de . b) Decorrente de não aprovação do servidor não estável em estágio probatório. b) Absolvição por inexistência do fato. e) Em razão da não observância do limite gasto com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal.estrategiaconcursos. o servidor tem o direito de retornar ao cargo de origem.Curso de Direito Administrativo. d) Condenação em que é aplicada pena privativa de liberdade superior a quatro anos. b) Suspensão. assinale a opção em que a sentença penal não pode influenciar na esfera administrativa. Prof. Cyonil Borges 208 www.

chefia e direção. F. a) F. V c) V. chefia e assessoramento. apenas. Cyonil Borges – Aula 14 e) Advertência. F.Oficial de Cartório 6ª Classe-Prova 1) Os cargos em comissão. F d) F. assinale a opção que constitui entendimento hoje sedimentado no Supremo Tribunal Federal. a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos. excepcionalmente. em exercícios. V. para AFT Prof. b) natureza política e de interesse público. ( ) ao servidor é proibido recusar fé a documentos públicos. ( ) é modalidade aposentadoria. apenas.estrategiaconcursos. Cyonil Borges 208 www. 13) (2008/ESAF – EPPG) Em se tratando do Regime Jurídico dos Servidores Públicos. c) natureza técnica. V. V. assinalando ao final a opção correspondente: ( ) readaptação é o retorno à atividade de servidor aposentado. destinam-se às atribuições de: a) direção. F. F. 15) (2007/ESAF/TCE-GO/Procurador) No que tange a exigências estabelecidas para o provimento originário e efetivo exercício de cargo público.com. F.Curso de Direito Administrativo. V b) V. V. analise os itens a seguir e marque com V a assertiva verdadeira e com F a falsa. apenas. e) qualquer natureza administrativa. F 14) (2008/FGV – TJ/RJ . ( ) a obrigação do servidor público de reparar o dano causado a terceiros estende-se aos sucessores.br Página 108 de . o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. d) direção. a) É aceitável. V e) V. condições e percentuais mínimos previstos em lei. mas apenas como exigência para a nomeação no referido cargo. de penalidade disciplinar a cassação de Prof. F.

mas apenas como exigência para a posse no referido cargo. que seja provido por concurso público. d) redistribuição e remoção. Cyonil Borges 208 www. quando tal limite possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido. 17) (2004/FGV/BESC/Advogado) O servidor público civil estável. para AFT Prof.estrategiaconcursos. denomina-se: a) lotação.com. mediante: a) reversão b) readmissão c) recondução d) reintegração e) renomeação 18) (2008/ESAF – CGU – Desenvolvimento Institucional) São hipóteses de vacância que importam provimento em novo cargo: a) promoção e readaptação. em exercícios. e) É inaceitável a exigência de idade mínima do pretendente a cargo público. b) exoneração e demissão. com a designação de seu titular. c) aposentadoria e posse em outro cargo inacumulável. mas apenas como exigência para a efetiva entrada em exercício no referido cargo. tem garantido seu retorno ao cargo anteriormente exercido. nas esferas civil e penal. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. em determinada hipótese. 16) (2005/FGV/TJ-PA/JUIZ) O ato por meio do qual se preenche um cargo público. e assunção de obrigações. b) preenchimento. cuja demissão é invalidada por sentença judicial. e) promoção.br Página 109 de .Curso de Direito Administrativo. c) transferência. d) É aceitável. d) provimento. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. Prof. em determinada hipótese. c) É aceitável. se esse comprovadamente detém capacidade plena para o exercício de direitos. Cyonil Borges – Aula 14 b) O limite de idade para a inscrição em concurso público é legítimo.

Curso de Direito Administrativo. 19) (2008/FGV – SENADO – TÉCNICO) O deslocamento do servidor. 20) (2008/ESAF – CGU – Prova 2) São formas de provimento de cargo público. a pedido ou de ofício.com.Senado Federal . b) transferência. a) São estáveis após dois anos de efetivo exercício. configura: a) recondução. no âmbito do mesmo quadro. c) recondução. se estável. c) aproveitamento. c) remoção. ocupado ou vago. d) recondução. Cyonil Borges 208 www. b) redistribuição. 21) (2008/FGV . Cyonil Borges – Aula 14 e) disponibilidade. Prof. e) reversão. d) reintegração. c) Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável.AFC) Assinale a opção correta acerca da estabilidade assegurada pela Constituição Federal aos servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público.br Página 110 de . e o eventual ocupante da vaga. será ele reintegrado. e) remoção.Analista Legislativo-Administração) O deslocamento de cargo efetivo. 22) (2008/ESAF/. exceto: a) aproveitamento.estrategiaconcursos. no âmbito do quadro geral de pessoal. d) promoção. em exercícios. b) O procedimento de avaliação periódica de desempenho não pode ensejar a perda do cargo do servidor público estável.STN . b) reintegração. constitui: a) redistribuição. para AFT Prof. com ou sem mudança de sede. para outro órgão ou entidade do mesmo Poder.

pois seu aproveitamento em outro cargo feriria o mandamento constitucional que exige prévio concurso público para a ocupação de cargos de provimento efetivo. com indenização proporcional ao tempo de serviço. o órgão ou a unidade administrativa objeto da redução de pessoal. com remuneração proporcional ao tempo de serviço. vedada a criação de cargo. a) Antes da dispensa do servidor estável. em exercícios. e) A perda do cargo será antecedida por ato normativo motivado de cada Poder.estrategiaconcursos. aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade. emprego ou função com atribuições iguais ou assemelhadas pelo prazo de cinco anos. na hipótese do artigo 169 da Constituição Federal. b) Na hipótese em foco. especificando a atividade funcional. garantida remuneração integral. para AFT Prof.Curso de Direito Administrativo. sem direito a indenização. será exonerado. Cyonil Borges 208 www. Prof. e) A Constituição Federal faculta que a Administração adote o instrumento da avaliação especial de desempenho por comissão instituída para essa finalidade como condição para a aquisição da estabilidade. b) este será demitido. d) Antes da dispensa do servidor estável. 24) (2007/ESAF/TCE-GO/Procurador) Extinto o cargo ocupado por servidor estadual estável. Assinale. o servidor estável ficará em disponibilidade.com. a) este. quanto a este tema. Cyonil Borges – Aula 14 reconduzido ao cargo de origem. a afirmativa incorreta. a Administração deverá providenciar a exoneração de todos os servidores não-estáveis. d) Até que seja adequadamente aproveitado em outro cargo. quando o cargo que ocupar for declarado desnecessário ou extinto. a despeito da estabilidade.br Página 111 de . o servidor estável que perder o cargo fará jus a uma indenização correspondente a um mês de remuneração por ano de serviço. a Administração deverá reduzir a despesa com os cargos em comissão e funções de confiança em no mínimo 20%. c) O cargo do servidor estável dispensado será considerado extinto. 23) (2005/ESAF – APO – MP) O servidor público estável poderá perder o seu cargo em caso de excesso de despesa.

de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração bem como de outro cargo temporário ou de emprego público. A lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios de sua admissão. com remuneração proporcional ao tempo de serviço. em caráter excepcional. 26) (2006/FGV/SEFAZ-MS/Analista) Com base no Constituição Federal. aplica-se o regime geral de previdência social. o servidor estável ficará em disponibilidade. com vencimento proporcional ao tempo de serviço. na forma de lei complementar. assegurada ampla defesa.com. d) este será automaticamente aproveitado. exclusivamente. na esfera da Administração. até seu aproveitamento em outro cargo. b) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. Extinto o cargo de provimento efetivo. 25) (2007/FGV – TJ-PA – Juiz) Analise as afirmativas a seguir: I. ocupado por servidor concursado. Cyonil Borges 208 www. e) se todas as afirmativas estiverem corretas. Ao servidor ocupante. e) este ficará em disponibilidade.estrategiaconcursos. Prof. pois o servidor estável que não tenha cometido irregularidade grave detém direito à ocupação de algum cargo público. mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa. em outro cargo já existente. O servidor público estável só perderá o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado. d) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas. III. concomitantemente à extinção do cargo anterior.br Página 112 de . pelo prazo de dois anos. para AFT Prof. independentemente da lotação do órgão ou unidade. II. Assinale: a) se nenhuma afirmativa estiver correta. Cyonil Borges – Aula 14 c) este será automaticamente reconduzido ao novo cargo que deverá ser criado. c) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas. e mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho. em exercícios.Curso de Direito Administrativo. analise as afirmativas a seguir: artigo 37 da I. ou declarada a sua desnecessidade.

Cyonil Borges – Aula 14 II. em exercícios. Cyonil Borges 208 www.Curso de Direito Administrativo. III. presta concurso público federal para o cargo de Técnico de Finanças e Controle . É garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical.TFC. para AFT Prof. Prof. Assinale: a) se nenhuma afirmativa for verdadeira.TECNICO ADMINISTRATIVO) A Constituição Federal assegura aos servidores públicos os seguintes direitos. c) se apenas as afirmativas I e III forem verdadeiras. 8. a) A nomeação de João para o cargo de TFC sem a vacância do cargo que ocupa no GDF constitui acumulação de cargos públicos. Considerando o texto acima. que será exercido nos termos e limites definidos em lei específica c) a acumulação remunerada de quaisquer cargos públicos. João foi logo em seguida nomeado para o cargo ao qual se candidatou tendo. bem como as disposições da Lei n. 27) (2008/FGV – SENADO . servidor público ocupante de um cargo técnico no Distrito Federal GDF. c) A acumulação de cargos dar-se-á apenas caso João entre em exercício sem a vacância de seu cargo no GDF.br Página 113 de . d) se apenas as afirmativas II e III forem verdadeiras.112/90. marque a opção que contenha a afirmativa verdadeira. desde que haja compatibilidade de horários d) revisão geral anual da remuneração e) irredutibilidade de subsídio e de vencimentos 28) (2008/Esaf – CGU – Desenvolvimento Institucional) João da Silva. tomado posse e entrado em exercício. Tendo sido o concurso homologado. b) A posse de João no cargo de TFC não constituirá acumulação de cargos caso ele esteja gozando de licença sem remuneração no GDF. Os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores. Assinale-o.estrategiaconcursos. b) se apenas as afirmativas I e II forem verdadeiras. no qual é aprovado.com. à exceção de um. e) se todas as afirmativas forem verdadeiras. a) direito à livre associação sindical b) direito de greve. na seqüência.

destinam-se apenas às atribuições de direção.br Página 114 de .com. b) as funções de confiança. d) os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo. até o seu adequado aproveitamento em outro cargo. na forma prevista em lei. de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego. No entanto. exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo. Cyonil Borges – Aula 14 d) A acumulação de cargos dar-se-á com a posse de João no cargo de TFC sem a vacância do cargo ocupado no GDF. apenas a expectativa de direito à nomeação. se a participação e aprovação do candidato em alguma etapa do concurso público decorreram de concessão de medida liminar em ação judicial. para AFT Prof. com remuneração proporcional ao tempo de serviço. num prazo máximo de cinco anos. e os cargos em comissão. c) a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público.Curso de Direito Administrativo. é incorreto afirmar que a) é permitida. ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração. desde que no âmbito do mesmo Poder e havendo compatibilidade de funções. Prof. e) a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos. e) Não há que se falar em acumulação de cargos. se o candidato aprovado for nomeado. 29) (2007/ESAF/TCE-GO/Procurador) Sobre a disciplina constitucional da Administração Pública. tem direito subjetivo à posse e à complementação do processo de investidura. haja vista tratar-se de regimes jurídicos distintos. em regra. em exercícios. não há para o interessado direito subjetivo à nomeação. o servidor público estável ficará em disponibilidade. 30) (2008/FGV – TCM-RJ) Assinale a assertiva correta. b) Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade. condições e percentuais mínimos previstos em lei.estrategiaconcursos. Cyonil Borges 208 www. sendo um federal e outro distrital. a vinculação ou equiparação remuneratória do pessoal do serviço público. chefia e assessoramento. a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos. a) A aprovação e a classificação em concurso público conferem ao candidato.

TRE-PA . 31) (FGV/2011 . Tal proibição estende-se a empregos e funções e abrange autarquias e fundações públicas. nos casos especificados pela Constituição Federal. b) mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa. para AFT Prof. que pode ser convertida em multa. afasta a presunção de estabilidade no cargo.Curso de Direito Administrativo.br Página 115 de . (C) a demissão ou a destituição de cargo em comissão em virtude de corrupção implica a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário. e) Para a aquisição da estabilidade. Cyonil Borges 208 www. em virtude de concurso público. excluindo-se dessa vedação as empresas públicas e as sociedades de economia mista. (D) a punição para o servidor que injustificadamente se recusar a ser submetido à inspeção médica determinada por autoridade competente é a suspensão por trinta dias. empregos ou funções públicas.estrategiaconcursos. (E) a responsabilidade administrativa do servidor não será afastada no caso de absolvição criminal. exceto quando houver compatibilidade de horários. c) mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho. e ter seu desempenho aprovado por comissão de avaliação. O regime disciplinar do servidor público federal determina que: (A) a advertência será aplicada por escrito no caso de o servidor aceitar comissão. o servidor público nomeado para cargo de provimento efetivo. na forma da lei complementar. três anos. acumulação ilegal de cargos. Cumprido o lapso temporal. em exercícios. deve cumprir o requisito temporal. a ausência da avaliação pela Administração Pública. corrupção e improbidade administrativa. (B) a demissão será aplicada nos casos de falta injustificada por mais de trinta dias interpolados. Prof. no entanto. d) É vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. assegurada a ampla defesa. emprego ou pensão de Estado estrangeiro. Cyonil Borges – Aula 14 c) O servidor público estável só perderá o cargo: a) em virtude de sentença judicial transitada em julgado.Analista Judiciário) O servidor público federal é sujeito à disciplina legal diferenciada dos trabalhadores da iniciativa privada.com. entre outros.

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 32) (FGV/2011 - TRE-PA - Analista Judiciário) Marilda da Silva, servidora pública federal com estabilidade, requereu licença para acompanhar seu enteado, Antônio, em um tratamento para leucemia que envolve transplante de medula óssea. Com base nessa situação específica e na Lei 8.112/90, é correto afirmar que: (A) a Administração Pública pode conceder licença remunerada a Marilda por até 90 (noventa) dias, consecutivos ou não, a cada período de 12 (doze) meses. (B) Marilda não tem direito à licença pois não se trata de seu filho, mas de seu enteado. (C) Marilda pode se licenciar sem remuneração por um período de até 120 (cento e vinte) dias, consecutivos ou não, a cada período de 12 (doze) meses. (D) a licença por motivo de doença em pessoa da família inclui, além do enteado, o padrasto e a madrasta do servidor. (E) o período de 12 meses a que alude a lei coincide com o ano civil.

33) (2011/FGV – SEFAZ-RJ – Analista de Controle Interno) O Presidente de uma autarquia estadual formulou consulta a seu órgão de assessoria jurídica questionando qual o instrumento jurídico necessário para a concessão de aumento de remuneração aos servidores da entidade. A esse respeito, é correto responder que a concessão de aumento de remuneração aos servidores de uma autarquia estadual depende de: (A) lei específica, de iniciativa da Chefia do Poder Executivo. (B) lei complementar, de iniciativa do presidente da autarquia. (C) decreto da Chefia do Poder Executivo. (D) decreto legislativo. (E) lei ordinária, de iniciativa da Presidência da autarquia. 34) (2011/FGV – SEFAZ-RJ – Analista de Controle Interno) A respeito do regime constitucional da função pública, é correto afirmar que:
Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 116 de

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 (A) as funções de confiança e os cargos em comissão se destinam apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento. (B) os servidores públicos devem ser remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer outra espécie remuneratória. (C) o direito de greve é assegurado ao servidor público civil, devendo ser exercido nos termos e nos limites definidos em lei complementar. (D) a vinculação de espécies remuneratórias no serviço público é vedada, mas admite-se a equiparação salarial entre carreiras públicas. (E) a acumulação de cargos e de empregos públicos é admitida quando houver compatibilidade de horários.

35) (FGV/2010 - CODESP-SP – Advogado) Concurso público para provimento de cargos de médico de determinado Hospital realiza concurso de provas e títulos pelo regime da Lei 8112/1990. Entre os requisitos do edital, havia previsão de que todos os candidatos deveriam submeter-se a prova prática com conteúdo específico de medicina legal. Contudo, os integrantes da banca disponibilizaram a um dos candidatos a metodologia que deveria ser utilizada na prova prática, em flagrante prejuízo aos demais candidatos. A esse respeito, assinale a alternativa correta. (A) A banca examinadora violou o princípio da vinculação ao edital, uma vez que deveria se ater exclusivamente aos dispositivos legais previstos no edital do concurso. (B) A banca examinadora detém do poder discricionário no caso em tela. (C) Se houvesse o consentimento dos candidatos, poderia o ato da banca examinadora ser convalidado. (D) As regras do concurso público podem ser alteradas livremente pela banca examinadora. (E) O silêncio dos candidatos, caso tivessem conhecimento, poderia legitimar o ato da banca examinadora.

Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 117 de

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 36) (FGV/2008 - SEFAZ-RJ - Fiscal de Rendas) A portaria inaugural do processo administrativo disciplinar, envolvendo infração administrativa de servidor público, deve conter a respectiva descrição: (A) minuciosa. (B) ampla. (C) delimitada. (D) esquematizada. (E) superficial.

37) (FGV/2006 – MIN CULTURA – Anal Adm) Ao servidor público federal, não se concederá licença: (A) por motivo de afastamento do cônjuge, ou companheiro, ou dos pais. (B) por motivo de doença em pessoa da família. (C) para atividade política. (D) para tratar de interesses particulares. (E) para o serviço militar.

38) (FGV/2006 – MIN CULTURA – Anal Adm) O servidor público federal poderá se ausentar do serviço pelos períodos relacionados nas alternativas a seguir, à exceção de uma. Assinale-a. (A) por um dia, para doação de sangue (B) por dois dias, para se alistar como eleitor (C) por oito dias consecutivos, em razão de casamento (D) por oito dias consecutivos, em razão de falecimento de cônjuge ou companheiro (E) por cinco dias consecutivos, em razão de falecimento de avós

Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 118 de

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 39) (FGV/2008 - TCM-RJ – Procurador) No que tange ao processo administrativo disciplinar, analise as assertivas a seguir: I. O processo administrativo disciplinar é composto de fases. Sindicância é a fase do processo administrativo preliminar que determina se o funcionário público sofrerá sanção ou não pelo cometimento de falta funcional. II. A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. III. No processo administrativo disciplinar, as provas são produzidas durante a fase denominada de inquérito administrativo; tal fase compreende instrução, defesa e relatório. Assinale: (A) se todas as assertivas estiverem corretas. (B) se somente as assertivas I e II estiverem corretas. (C) se somente as assertivas I e III estiverem corretas. (D) se somente as assertivas II e III estiverem corretas. (E) se nenhuma assertiva estiver correta.

40) (FGV/2008 - TCM-RJ – Procurador) No que se refere ao regime previdenciário dos servidores públicos, é correto afirmar que: (A) nos casos de invalidez permanente de servidor titular de cargo efetivo, seus proventos serão proporcionais ao tempo de contribuição, exceto se decorrentes de acidente em serviço, moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou incurável, na forma da lei. (B) a lei aplicável à concessão de pensão é aquela vigente na data da designação do dependente pelo segurado-servidor. (C) excepcionalmente, a lei poderá estabelecer forma de contagem de tempo de contribuição fictício.

Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 119 de

d) Eventual ocupante de vaga de servidor reintegrado. 42) (2009/ATA – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO) Marque a opção correta.br Página 120 de . Cyonil Borges – Aula 14 (D) a mulher que renunciou aos alimentos na separação judicial não tem direito à pensão previdenciária por morte do ex-marido. Cyonil Borges 208 www.com. b) A administração fazendária e seus servidores fiscais terão precedência sobre os demais setores administrativos dentro de suas áreas de competência. b) Fica autorizada a existência de mais de um regime próprio de previdência social para os servidores titulares de cargos efetivos. (E) em regra. 41) (2009/ATA – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO) Marque a opção incorreta. nos termos da Constituição Federal.Curso de Direito Administrativo. para AFT Prof. no cargo efetivo ou em comissão em que se deu a aposentadoria ou que serviu de base para a concessão de pensão. desde que pertencentes a mais de uma unidade gestora. nos termos da lei. c) O servidor estável do Distrito Federal pode ser exonerado a fim de que o limite legal de despesa com pessoal seja observado. poderão exceder a remuneração do respectivo servidor. c) A proibição de acumular cargos estende-se a empregos e funções e abrange as sociedades de economia mista. Prof. em exercícios. se estável. os servidores abrangidos pelo regime de previdência. os proventos de aposentadoria e as pensões. como é o caso do Banco do Brasil S/A. será reconduzido ao cargo de origem mediante prévia e justa indenização proporcional ao tempo de serviço. d) Os atos de improbidade administrativa importarão indisponibilidade dos bens sem prejuízo da ação penal cabível. a) Em caso de invalidez permanente. a e) É vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público. receberão proventos integrais. por ocasião de sua concessão. mesmo que comprovada a necessidade econômica superveniente. a) As funções de confiança serão preenchidas por servidores de carreira nos casos. condições e percentuais mínimos previstos em lei.estrategiaconcursos.

etc. III. Estabelecida a correlação. quais sejam: aqueles que ocupam cargo público e aqueles que detêm emprego público. para o professor que comprove exclusivamente tempo de efetivo exercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino superior. Assinale (2) para as características abaixo presentes apenas no regime que rege os ocupantes de cargo público. ( ) Estabilidade.) com o Poder Público não se inserem no conceito de Servidores Públicos.com. assinale a opção que contenha a resposta correta. b) os requisitos de idade e de tempo de contribuição serão reduzidos em cinco anos. a) 2 / 2 / 1 / 3 / 3 b) 2 / 3 / 1 / 2 / 3 c) 3 / 2 / 1 / 3 / 2 d) 1 / 3 / 2 / 3 / 2 e) 1 / 1 / 3 / 2 / 3 44) (2007/Esaf – DF/PROCURADOR) No tocante aos Agentes e Servidores Públicos está incorreta a assertiva de que: a) os particulares que atuam em colaboração (por delegação. Assinale (3) para as características abaixo encontradas na disciplina jurídica dos detentores de emprego público.Curso de Direito Administrativo. 40 da CF.br Página 121 de . “a” do art.estrategiaconcursos. médio e fundamental. para AFT Prof. ( ) Acesso Mediante Concurso Público. requisição. Cyonil Borges – Aula 14 e) O tempo de contribuição federal. em exercícios. ( ) FGTS. estadual ou municipal será contado para efeito de disponibilidade. pode-se encontrar pelo menos duas espécies. 43) (2010/Esaf – MPOG – APO) A respeito do gênero agentes públicos. nos termos da Constituição Federal. Assinale (1) para as características abaixo presentes nas duas espécies de agentes públicos. em relação ao §1º. ( ) Carteira de Trabalho e Previdência Social. ( ) Estágio Probatório. Prof. Cyonil Borges 208 www.

no caso de afastamento de servidor público para o exercício de mandato eletivo. IV. exceto para promoção por merecimento. não caracteriza acumulação ilícita de cargo público o exercício simultâneo de cargo de médico com a atividade de contador na iniciativa privada. Cyonil Borges 208 www. inclusive suas subsidiárias e sociedades controladas. direta ou indiretamente pelo poder público. desde que presente compatibilidade de horário. c) apenas as afirmativas III e V. acumulação ilícita de cargos. em exercícios. d) apenas as afirmativas II e V. 40 da CF expressamente veda à lei o estabelecimento de qualquer forma de contagem de tempo de contribuição fictício. para AFT Prof.Curso de Direito Administrativo. é ilícita a acumulação de cargo público de professor universitário de universidade federal com um emprego de vigilante em instituição financeira privada. será contado para todos os efeitos legais. independentemente da compatibilidade de horário. d) para efeito de benefício previdenciário. não configura acumulação ilícita o exercício simultâneo de dois cargos de professor com um cargo de médico. pode-se afirmar que: I. Prof.br Página 122 de .com. em qualquer caso que exija o seu afastamento para o exercício de mandato eletivo. empresas públicas e sociedades de economia mista. o órgão deve providenciar o desligamento imediato do servidor de seu quadro. empregos ou funções públicas. detectada a acumulação ilícita de cargos públicos. II.estrategiaconcursos. Cyonil Borges – Aula 14 c) o art. 45) (2008/Esaf – CGU – Correição) A respeito da acumulação de cargos. e) o art. Estão corretas as afirmativas: a) apenas as afirmativas II. fundações. 38 da Constituição Federal estabelece que o tempo de serviço do servidor público da administração direta autárquica e fundacional. desde que ausente compatibilidade de horário para a acumulação. os valores serão determinados como se em exercício estivesse. V. empregos ou funções públicas abrange autarquias. III e V. b) apenas as afirmativas II e III. III.

se esse comprovadamente detém capacidade plena para o exercício de direitos. 47) (2002/Esaf – AFRF) O teto remuneratório previsto na Constituição Federal. Cyonil Borges – Aula 14 e) apenas as afirmativas I. não alcança: a) o vencimento de servidor público de fundação pública estadual. em determinada hipótese.br Página 123 de . quando tal limite possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido. nas esferas civil e penal. que seja provido por concurso público. d) É aceitável.estrategiaconcursos. e assunção de obrigações.com. mas apenas como exigência para a posse no referido cargo. c) É aceitável. e) a pensão devida à viúva dependente de Delegado de Polícia Federal falecido. correspondente ao subsídio mensal do Ministro do Supremo Tribunal Federal. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. para AFT Prof. Prof. Cyonil Borges 208 www. 46) (2007/Esaf – TCE-GO – Procurador) No que tange a exigências estabelecidas para o provimento originário e efetivo exercício de cargo público. b) o provento de aposentadoria de membro do Ministério Público de um Estado federado. em determinada hipótese. d) o salário de empregado de empresa pública federal. a) É aceitável. c) o subsídio de Vereador de Câmara Municipal. mas apenas como exigência para a efetiva entrada em exercício no referido cargo. mas apenas como exigência para a nomeação no referido cargo. em exercícios. excepcionalmente. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público.Curso de Direito Administrativo. b) O limite de idade para a inscrição em concurso público é legítimo. II e IV. e) É inaceitável a exigência de idade mínima do pretendente a cargo público. assinale a opção que constitui entendimento hoje sedimentado no Supremo Tribunal Federal.

d) Condenação em que é aplicada pena privativa de liberdade superior a quatro anos. vez que realizada fora do prazo de validade do concurso. d) A nomeação somente seria válida até 02/01/2007. ao final. c) A posse é nula. e) A investidura não é válida. prorrogável por igual período. a) Absolvição que não compreenda falta residual. O exercício ocorreu 15 (quinze) dias depois da posse. O concurso foi homologado em 03/03/2006. Cyonil Borges – Aula 14 48) (2008/Esaf – CGU – Desenvolvimento Institucional) Determinado concurso público. com prazo de validade de um ano. assinale a opção em que a sentença penal não pode influenciar na esfera administrativa. e) Absolvição em que a autoria seja negada. a) A nomeação é válida. A posse deu-se 30 (trinta) dias depois da nomeação.br Página 124 de . Baseado nos fatos acima narrados. para AFT Prof. destinado a selecionar candidatos a cargos públicos na Administração Federal. b) Absolvição por inexistência do fato. Não houve prorrogação.Curso de Direito Administrativo. 50) (2008/Esaf – CGU – Técnico) Correlacione as colunas a seguir indicando a penalidade correta para cada uma das seguintes situações descritas e. assinale a única opção correta. b) A nomeação é nula. em exercícios. Cyonil Borges 208 www. teve seu edital publicado em 02/01/2006. respeitada a ordem de sua classificação.com. pois dois de seus atos ocorreram após o encerramento da validade do concurso. 49) (2008/Esaf – CGU – Técnico) Considerando entendimento consolidado do Supremo Tribunal Federal. escolha a opção que apresente a sequência correta. (1) Demissão (2) Destituição Prof. c) Condenação por crime contra a Administração Pública à pena privativa de liberdade por tempo igual ou superior a um ano. Determinado candidato aprovado foi nomeado em 01/03/2007.estrategiaconcursos. vez que ocorrida fora do prazo de validade do concurso.

br Página 125 de . (1) Demissão com incompatibilidade para nova investidura pelo prazo de cinco anos. ( ) Servidor efetivo que comete infração gravíssima. considerando os artigos 117 e 132 da Lei n. para AFT Prof. ( ) Servidor que ocupe cargo efetivo e comissionado. ocupante de cargo em comissão que comete infração gravíssima. Cyonil Borges 208 www. c) A pedido do servidor. b) Decorrente de não aprovação do servidor não estável em estágio probatório. que comete infração gravíssima. ( ) Servidor em estágio probatório que comete infração gravíssima. 8.estrategiaconcursos. ( ) Servidor sem vínculo efetivo com a Administração. 52) (2006/Esaf – ANEEL/Técnico) Correlacione as infrações disciplinares com as penalidades a ela aplicáveis e assinale a opção correta. a) 3/1/3/2/4 b) 1/4/2/3/1 c) 3/1/2/4/1 d) 1/3/1/2/4 e) 4/3/2/1/1 51) (2008/Esaf – CGU – Técnico) Assinale o tipo de exoneração que se caracteriza por encerrar um juízo de conveniência e oportunidade da Administração. Prof.com.Curso de Direito Administrativo. em exercícios. d) Quando o servidor não toma posse no prazo legal. a) Exoneração ad nutum. e) Em razão da não observância do limite gasto com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal. Cyonil Borges – Aula 14 (3) Exoneração (4) Demissão com ou sem exoneração prévia do cargo em comissão ( ) Servidor em estágio probatório que resta reprovado.112/90.

Cyonil Borges 208 www. b) O gozo de licença por motivo de doença em pessoa da família. b) os policiais ferroviários federais. ( ) Corrupção. para AFT Prof. ( ) Improbidade administrativa. a) Readaptação e reversão por invalidez cessada. Assinale a opção em que ambos os provimentos requeiram a estabilidade como uma das condições de sua implementação. c) O gozo de licença para atividade política. d) os responsáveis pela atividade de magistério em entidades públicas de ensino superior.com. d) Promoção e recondução. ( ) Atuar junto às repartições públicas como procurador de terceiros sem qualquer grau de parentesco. 55) (2012/ESAF – MIN) Não há exigência constitucional a que recebam por meio de subsídio: a) os detentores de mandato eletivo. Prof.estrategiaconcursos. a) 2/2/1/1/2 b) 1/2/1/2/1 c) 2/1/1/2/2 d) 1/1/2/2/2 e) 2/1/2/2/1 53) (2006/Esaf – ANEEL/Técnico) São causas de suspensão do período de estágio probatório. ( ) Crime contra a Administração Pública.br Página 126 de . b) Promoção e aproveitamento. ( ) Valer-se do cargo para lograr proveito pessoal em detrimento da dignidade da função pública. exceto: a) A participação em curso de formação para ingresso em outra carreira.Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges – Aula 14 (2) Demissão com proibição de retorno ao serviço público federal. e) O gozo de licença para desempenho de mandato classista. d) O afastamento para exercício de mandato eletivo. em exercícios. 54) (2012/ESAF – ACE) As alternativas abaixo exprimem formas de provimento derivado do servidor público. e) os defensores públicos. c) Reintegração e recondução. e) Reversão por invalidez cessada e recondução. c) os membros dos Corpos de Bombeiros Militares.

em exercícios. em processo administrativo disciplinar. sob pena de cerceamento de defesa. Cyonil Borges 208 www. a) Não há que se falar em nulidade do processo administrativo disciplinar ou do ato de demissão quando observados pela Administração Pública todos os princípios constitucionais do devido processo legal. 57) (2012/ESAF – CGU) Acerca da contratação temporária. vencimentos e salário. da ampla defesa e do contraditório na apuração da falta funcional cometida pelo agente. d) proventos. a) O regime de previdência aplicável aos contratados temporários é o Regime Geral da Previdência Social − RGPS. c) subsídios. proventos e salário.estrategiaconcursos. assinale a opção incorreta.br Página 127 de . e) O regime jurídico dos servidores contratados por tempo determinado é o trabalhista. 58) (2012/ESAF – CGU) Assinale a opção que não está em consonância com o entendimento majoritário do STJ. no âmbito do controle do processo administrativo disciplinar. do contraditório e da ampla defesa. a partir da redação atual de nossa Constituição Federal. apreciar a regularidade do procedimento. Prof. c) Nem sempre é exigido processo seletivo simplificado prévio para a efetivação da contratação temporária.com. b) O servidor indiciado deverá ser intimado pessoalmente do relatório final elaborado pela comissão processante. vencimentos e subsídios. c) Inexiste determinação legal no sentido de que tenha o servidor. direito de recorrer de peça opinativa.Curso de Direito Administrativo. para AFT Prof. b) A discussão da relação de emprego entre o contratado temporário e a Administração Pública deve se dar na justiça comum. Cyonil Borges – Aula 14 56) (2012/ESAF – MIN) Em sentido amplo. b) remuneração em sentido amplo e salário. d) O requisito da temporariedade deve estar presente na situação de necessidade pública e não na atividade para a qual se contrata. ex vi dos princípios do devido processo legal. e) A sentença penal anulatória somente produz efeitos na esfera administrativa quando o provimento reconheça a não ocorrência do fato ou a negativa de autoria. é possível reconhecer apenas as seguintes espécies remuneratórias aos servidores (em sentido amplo) na ativa: a) vencimentos. d) Compete ao Poder Judiciário. remuneração em sentido estrito e salário. e) subsídios.

a remuneração e os proventos do servidor público impenhoráveis. d) os ocupantes de cargo de provimento em comissão. acrescido das vantagens de caráter permanente. naquele momento. além do vencimento e das vantagens. b) fundo de garantia do tempo de serviço.112. 62) (2012/ESAF – CGU) José foi nomeado para o exercício de cargo em comissão em órgão da Administração Pública Federal direta. de 11 de dezembro de 1990.estrategiaconcursos. acrescido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei. ao ser questionado pela sua chefia sobre documento público que estava sob sua responsabilidade. d) Nenhum servidor receberá remuneração inferior ao salário mínimo. é irredutível. d) gratificação natalina. Numa outra oportunidade.Curso de Direito Administrativo. em exercícios. A autoridade competente aplicou-lhe a penalidade cabível nos termos da lei. c) adicional noturno. José informou que o tinha levado para analisar em sua casa e ainda não o havia trazido de volta à repartição. b) Remuneração é o vencimento do cargo efetivo. e) os que tiverem sido nomeados e empossados em caráter efetivo. e) gratificação por encargo de curso ou concurso. c) os funcionários das empresas públicas. 61) (2012/ESAF – CGU) São direitos deferidos aos servidores públicos federais. a) Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público. 8. com valor fixado em lei. 60) (2012/ESAF – CGU) Quanto ao sistema remuneratório do servidor público. Cyonil Borges – Aula 14 59) (2012/ESAF – CGU) Para os efeitos da Lei n. José foi novamente provocado a apresentar documento público sob sua guarda. perigosas ou penosas. c) O vencimento do cargo efetivo. Mais uma vez. assinale a opção incorreta. e) Em nenhuma hipótese poderá haver consignação em folha de pagamento a favor de terceiros. o documento por tê-lo retirado da repartição. para AFT Prof. não são servidores públicos a) os que se sujeitam ao regime jurídico estatutário.br Página 128 de . b) os ocupantes de cargos nas autarquias públicas. ele respondeu à sua chefia não possuir. a penalidade disciplinar a ser corretamente aplicada a José será: Prof.com. Cyonil Borges 208 www. sendo o vencimento. conforme requisitos estabelecidos em lei. sem que fosse ocupante de cargo efetivo. Certo dia. exceto a) adicional pelo exercício de atividades insalubres. posteriormente à referida aplicação de penalidade. Na reincidência da falta apresentada.

Cyonil Borges – Aula 14 a) b) c) d) Destituição e) Exoneração. 64) (2012/ESAF – PFN) No que se refere ao direito de petição. o servidor pode ser remunerado pela participação em órgãos de deliberação coletiva. Advertência. consoante previsto na Lei n. excepcionalmente. é correto afirmar que: a) tal regime nunca pôde ser aplicado a estatais. a) Admite-se. 8. realizada por meio de emenda constitucional.br Página 129 de . atinente aos servidores públicos federais. sob pena de preclusão administrativa. sendo característico apenas da Administração direta. d) Os recursos interpostos têm efeito suspensivo. e) Admite-se. que deixou de ser obrigatório a partir de determinada emenda constitucional. Cyonil Borges 208 www. c) consoante decisão exarada pelo Supremo Tribunal Federal. passou a ser obrigatório também para as autarquias. a partir de decisão liminar do Supremo Tribunal Federal com efeitos ex nunc. e) tal regime.Curso de Direito Administrativo.estrategiaconcursos.112. assinale a opção correta. tendo-se extinguido com a chamada Reforma Administrativa do Estado Brasileiro. de cargo em 63) (2012/ESAF – PFN) No que se refere ao chamado Regime Jurídico Único. para AFT Prof. de 1990. b) tal regime. desde que haja compatibilidade de horários. c) Via de regra. c) Os recursos administrativos deverão ser dirigidos à autoridade que proferiu a decisão.com. Suspensão. assinale a opção correta. a partir de uma emenda à Constituição Federal de 1988. Demissão. a obrigatoriedade de adoção de tal regime não mais subsiste. caso não reconsidere sua decisão. d) tal regime sempre foi aplicável também às autarquias. b) A proibição de acumular não se estende a funções em estatais vinculadas a outro ente da Federação. passou a novamente ser impositivo. 65) (2012/ESAF – PFN) Sobre a acumulação de cargos públicos. Prof. comissão. excepcionalmente. que o servidor tenha exercício simultâneo em mais de um cargo em comissão. que os encaminharão à autoridade superior. b) O servidor demitido tem 120 (cento e vinte) dias para requerer a revisão do ato demissório. em exercícios. a) As normas que tratavam de tal direito especificamente no Estatuto do Servidor Público Federal encontram-se revogadas. razão pela qual interrompem a prescrição. a prorrogação do prazo para o exercício do recurso administrativo.

Prof. Cyonil Borges 208 www.br Página 130 de . em exercícios. a proibição de acumular não se estende à acumulação de proventos da inatividade com a percepção de vencimentos na ativa. para AFT Prof. e) Como regra.estrategiaconcursos.Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges – Aula 14 d) A legislação pátria não admite que o servidor que acumule dois cargos efetivos possa investir-se de cargo de provimento em comissão.com.

sem dúvida. por exemplo.br Página 131 de . Ainda assim. para AFT Prof. Os detentores de mandato eletivo são agentes políticos. estes desde que investidos mediante nomeação e não detentores de mandato eletivo.. bem como os agentes políticos. quando diz que os detentores de mandato eletivo não são vistos como agentes políticos. agente público é toda a pessoa física que presta serviços ao Estado e às pessoas jurídicas da Administração Indireta. d) somente incluindo-se na categoria aqueles que possuem vínculo estatutário ou celetista com a administração. em sentido estrito.estrategiaconcursos. Honoríficos. Prof. A divergência doutrinária diz respeito aos não detentores de mandato eletivo. Cyonil Borges – Aula 14 TIRA-TEIMA – QUESTÕES COMENTADAS 1) (2006/FCC/Procurador/BA) De acordo com a doutrina. Gabarito: alternativa A. agentes públicos. Comentários: Aos itens. c) não se incluindo na categoria os militares. em exercícios. ALTERNATIVA D – INCORRETA. claro. então.. estatutários e celetistas. ALTERNATIVA E – INCORRETA. ALTERNATIVA A – CORRETA. não possuem vínculo estatutário ou celetista com a Administração Pública. e) incluindo-se os servidores públicos. Cyonil Borges 208 www. b) não se incluindo na categoria os agentes políticos.Curso de Direito Administrativo. são vistos como agentes públicos. a) inclusive os particulares que atuam em colaboração com o poder público. são. apesar de não serem mais “servidores públicos”. Como vimos. delegatários.com. nomeação ou designação. ALTERNATIVA C – INCORRETA. mediante delegação. O erro está na parte final. detentores de mandato eletivo. Militares. também devem ser vistos como agentes públicos. apesar de particulares. ALTERNATIVA B – INCORRETA. honoríficos e credenciados. requisição.

é que particulares são agentes públicos. portanto. No entanto. em sentido amplo. classifica-se como: a) regime contratual de direito público b) regime celetista c) regime estatutário d) regime contratual de direito privado e) regime de função pública temporária Comentários: Um candidato já profissional poderia ter sido levado ao erro nesta questão. mas sim agentes públicos. e) particulares em colaboração com o poder público / empregados públicos. Cyonil Borges 208 www.com. Inclusive.br Página 132 de . por excepcional interesse público. não diz em instante algum que a função deva ser temporária. o STF. O erro do item C é que os agentes políticos e particulares em colaboração não são servidores. Gabarito: alternativa A. 3) (2005/ESAF – EPPGG – MP) O regime jurídico do pessoal contratado em caráter temporário. em exercícios. pois o item “E” é bastante convincente. d) militares / agentes políticos. garantiu ao CADE a Prof. lembro que o inciso IX fala em contratação por prazo determinado para atender NECESSIDADE TEMPORÁRIA. O erro dos itens B e D é que militares não são servidores. Cyonil Borges – Aula 14 2) (2009/FGV – TJ/PA – Juiz Substituto de Carreira) Assinale a alternativa que indique o binômio que representa servidores públicos. ao julgar a ADI 3068. adotado pela União Federal. o erro.Curso de Direito Administrativo. Comentários: Questão de fixação. empregados são realmente servidores. para AFT Prof. c) agentes políticos / particulares em colaboração com o poder público. a) servidores temporários / servidores estatutários. b) servidores estatutários / militares. conforme a previsão do inciso IX do artigo 37 da Constituição Federal.estrategiaconcursos. No item E.

a fim de assumirem cargos de natureza efetiva. temporário Prof.estrategiaconcursos. IX. regidos por lei própria. inc.745/1993. mas sim.Curso de Direito Administrativo. 8. como dos estatutários. A resposta não pode ser também o item “C”. fica fácil perceber que o sistema dos temporários é de contrato e não institucional. Cyonil Borges – Aula 14 contratação temporária de tais agentes. em que o STF garantiu a contratação temporária mesmo para funções públicas não-temporárias do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE: Não separa de um lado atividades em caráter eventual. podemos afastar a correção do item “D”. temporário ou excepcional e de outro lado atividades de caráter regular e permanente. notamos que isso é possível. Resta-nos o item ”A”. não é o cargo ou a função que devam ser temporários.745/1993. sendo editada lei própria (Lei 8. Nos estudos de Direito Constitucional. por que a resposta é o item “A”? Vamos por eliminação. visto que tais agentes não são celetistas.com. por isso é que houve tratamento próprio pela Lei n. afinal de contas. ou seja. 37. Não autoriza exclusivamente a contratação por tempo determinado de pessoal que desempenha atividades de caráter eventual. em exercícios. mas sim a necessidade. A título de ilustração.br Página 133 de . decorrendo daí o regime contratual de direito público. Os temporários não são regidos pelo Estatuto dos serviços públicos civis. Inclusive. Então. a União é competente para legislar privativamente sobre Direito do Trabalho. para AFT Prof. A resposta não pode ser o item “B”. segue trecho da ADI 3068. com base nessa informação. essa na esfera federal). Cyonil Borges 208 www. De acordo com a leitura do art.

4) (2008/FGV .Polícia Civil/RJ . e) o prazo de validade do concurso público será sempre o que estiver estipulado no edital. d) o provimento dos cargos efetivos e dos comissionados depende de concurso público de provas e títulos. Comentários: Questão rápida e veloz. em uma e outra hipótese. e) função pública. prorrogável uma vez pelo período de um ano. É a exata redação do inc. c) cargo comissionado. b) o provimento dos cargos em comissão depende de concurso público de prova e títulos. b) função paradministrativa. Cyonil Borges – Aula 14 ou eventual.Inspetor da Polícia CivilAmarela) O jurado. na forma da lei. sem serem titulares de cargos ou de empregos públicos. III do art. Gabarito: item A. 5) (2005/FGV/TJ-PA/JUIZ) Assinale a alternativa correta. Prof. Amplamente autoriza contratações para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. c) o prazo de validade do concurso público será de dois anos. daí a correção da alternativa E. a) o prazo de validade do concurso público será de até dois anos. que citamos em nossas explicações. d) cargo gratificado. passemos aos itens.Curso de Direito Administrativo. Os mesários e os jurados são agentes honoríficos que realizam apenas funções públicas. prorrogável uma vez por igual período. no Tribunal do Júri. Gabarito: alternativa E. prorrogável uma vez por igual período. 37 da CF. mas não precisa ficar furioso(a). em exercícios. quanto aos dispositivos ALTERNATIVA A – CORRETA. Cyonil Borges 208 www. exerce: a) cargo efetivo.br Página 134 de .com. para AFT Prof.estrategiaconcursos. Comentários: Feitos os esclarecimentos constitucionais.

A prorrogação deve se dar POR IGUAL PERÍODO.com. PRAZO DE VALIDADE: 10 ANOS. obras. programas. O que depende de concurso público. Cyonil Borges 208 www. 6) (2008/ESAF – EPPG) Assinale a opção correta relativa aos princípios e normas constitucionais aos quais deve obediência a administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes de todos os entes integrantes da Federação. é o preenchimento de cargos EFETIVOS. o prazo de validade será sempre aquele estipulado no edital? Não. Vejam os comentários à questão. em exercícios. informativo ou de cooptação social. c) A publicidade dos atos. ALTERNATIVA C – INCORRETA. para AFT Prof. mas não o preenchimento de cargos em comissão. serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo. EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO PARA SERVIDORES. de provas ou de provas e títulos.br Página 135 de . empregos e funções públicos não abrange sociedades de economia mista quando houver compatibilidade de horários. Então.estrategiaconcursos. b) A proibição de acumulação remunerada de cargos. Assim. vez que a LEI determina que a validade máxima de dois anos. se a validade inicial do certame é de dois anos. Cyonil Borges – Aula 14 ALTERNATIVAS B e D – INCORRETAS. Prof. a prorrogação será por dois (e não por um) ano. Se o edital contiver além do máximo estabelecido em Lei. a) Lei deve disciplinar as formas de participação do usuário na administração pública direta e indireta. ALTERNATIVA E – INCORRETA. edital ilegal.Curso de Direito Administrativo. Gabarito: alternativa A. e regular as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em geral.

para AFT Prof. 37 da CF/1988. nos termos do §8º do art. É bem verdade que a autonomia poderá ser ampliada. preenchidos exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo. Servidores de Funções de EFETIVOS Confiança (EXCLUSIVO) Cargos em Servidores Comissão CARREIRA cargos Destinam-se APENAS às atribuições de direção. o incremento de autonomia será viabilizado por meio de contrato de gestão. O inciso XVII do art. Item D – INCORRETO.Curso de Direito Administrativo. Trata-se do princípio da participação popular. orçamentária e financeira dos órgãos e entidades da administração direta e indireta poderá ser ampliada mediante ato do Chefe do Poder Executivo que fixe metas de desempenho para os administradores do órgão ou entidade. 37. e) A autonomia gerencial. Exatamente como estabelece o art. destinam-se às atribuições de direção. Cooptação social?! O §1º do art. chefia e de assessoramento Item E – INCORRETO. Comentários: Questão relativamente simples. em exercícios. §3º. no entanto. Item C – INCORRETO. bem como sociedades controladas direta ou indiretamente pelo Estado.estrategiaconcursos. Prof. O inciso V do art.com. o qual é assinado entre o órgão ou entidade interessada junto ao Ministério da área supervisora e não a partir de ato do Chefe do Executivo. 37 fala em funções de confiança como exclusivas de servidores detentores de cargos efetivos. da CF/1988. Item B – INCORRETO. Cyonil Borges 208 www. Cyonil Borges – Aula 14 d) Os cargos em comissão. daí incorreta a afirmação de serem os cargos comissionados exclusivos de servidores ocupantes de cargos efetivos. Item A – CORRETO. chefia e assessoramento. Vamos direto aos comentários.br Página 136 de . Gabarito: item A. 37 é claro ao estender a vedação de acumulação também as SEM e as EP. 37 fala em orientação social e não captura (cooptação) social.

com. Item II – VERDADEIRO. Item IV – VERDADEIRO. para AFT Prof. os vencimentos dos cargos do Legislativo e do Judiciário é que não poderão ser superiores aos pagos ao Executivo. foi Prof. XVIII do art. O inc. daí a incorreção do quesito. III do art. Tanto o direito de greve. como a associação sindical. o prazo de validade do concurso público será de até dois anos. XII do art. em exercícios. 37 da CF/1988 estabelece como padrão remuneratório os vencimentos pagos ao Poder Executivo. Outro dispositivo. Comentários: Questão de alta velocidade. nos termos da Constituição: I. III. dentro de suas áreas de competência e jurisdição. 37 da Constituição é expresso nesse sentido. Item I – FALSO. logo. Item III – FALSO.Curso de Direito Administrativo. Suficiente a leitura do inc. O inc.estrategiaconcursos. Cyonil Borges 208 www. a administração fazendária e seus servidores fiscais terão. aos militares esses direitos não são extensivos. Cyonil Borges – Aula 14 7) (2008/ESAF – CGU – Prova 2) Considere as seguintes assertivas a respeito dos servidores da Administração Pública. na forma da lei. IV. prorrogável uma vez. 142. d) III e IV são falsas. no entanto. inc. precedência sobre os demais setores administrativos. §3º. II. também relativo à administração tributária. c) I e III são verdadeiras. e) I e II são verdadeiras. como prevê o art. Assinale a opção correta. b) II e III são falsas. é garantido ao servidor público civil e militar o direito à livre associação sindical. são direitos garantidos aos servidores estatutários. por igual período. os vencimentos dos cargos do Poder Executivo e Legislativo não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Judiciário. a) II e IV são verdadeiras. IV. É um item clássico em provas fiscais. 37 da Constituição.br Página 137 de . direto aos quesitos.

o prazo do estágio probatório. logicamente. com a seguinte redação: XXII .Curso de Direito Administrativo. O problema. Prof. inc. é lista pequena e de fácil assimilação. Cyonil Borges – Aula 14 inserido ao texto constitucional. em exercícios. Gabarito: item A. O estágio probatório é o período no qual o servidor terá testada sua qualificação.estrategiaconcursos. 8) (2008/FGV – TCM/PA – Auditor) O servidor nomeado para cargo de provimento efetivo terá que cumprir estágio probatório de: a) 1 ano. em qualquer instante. d) 2 anos. capacidade de iniciativa. atividades essenciais ao funcionamento do Estado.br Página 138 de . terão recursos prioritários para a realização de suas atividades e atuarão de forma integrada. nos termos da Lei: assiduidade. de dois anos passou para três anos. c) 3 anos. exercidas por servidores de carreiras específicas. dos Estados. não é guardar os itens da avaliação do servidor. b) 4 anos. produtividade e disciplina.com. inclusive com o compartilhamento de cadastros e de informações fiscais. ao estágio dos servidores públicos. na forma da lei ou convênio. prazo no qual serão avaliados os seguintes quesitos. art. e) 5 anos. Esse entendimento é acompanhado pela FGV. restringindo-se à alteração do prazo de estabilidade de dois para três anos. Alguns doutrinadores confundem o prazo de estágio probatório com o prazo da estabilidade. XXII. 37.as administrações tributárias da União. Cyonil Borges 208 www. responsabilidade. afirmando que. haja vista a Constituição não ter feito referência. com a redação oferecida pela EC 19/1998. pela EC 42/2003. o problema é saber qual o prazo do estágio probatório. do Distrito Federal e dos Municípios. para AFT Prof. Comentários: Aqui a onça bebe água! Aqui a porca torce o rabo! Essa questão nos serve a título de alerta.

o servidor já tenha cumprido o estágio probatório. igualando-o. correspondendo ao retorno do servidor estável pelo fato de o ato de demissão ter sido invalidado por sentença judicial (princípio Prof. embora ainda não estável. c) Em face dos efeitos produzidos pelo ato administrativo anulado. assinale a opção correta. houve a tentativa de alteração do prazo de 24 meses para 36 meses.. Feitas tais considerações. Em resumo: o prazo de estágio probatório é de três anos.Curso de Direito Administrativo. de que o período é de 36 meses (durma-se com um barulho desses!). ou seja. o ex-servidor consegue ver anulado o ato administrativo que o demitiu. Então por que a FGV mantém o seu posicionamento em três anos? Porque é FGV.. no entanto. o servidor tem o direito de retornar ao cargo de origem. ao final do qual é demitido. 9) (2008/ESAF – CGU – Desenvolvimento Institucional) Servidor Público não estável responde a processo administrativo disciplinar. responsável por pacificar o prazo de estágio probatório em 36 meses. Um ano após a demissão. fez-se referência à decisão do STJ. Comentários: A reintegração é forma de provimento derivado. para AFT Prof. E o Cespe? Recentemente (provas TRF 5R e TCU/2009). d) Haverá reintegração desde que o servidor tenha completado tempo suficiente para a aquisição da estabilidade quando a demissão foi anulada. Cyonil Borges 208 www. mediante Medida Provisória. na Lei de Conversão manteve-se o prazo de 24 meses. portanto. Cyonil Borges – Aula 14 Recentemente. ao prazo de estabilidade.br Página 139 de . em exercícios.estrategiaconcursos.com. b) O servidor não possui direito a retornar ao cargo antes ocupado por não ser estável quando foi demitido. Gabarito: alternativa C. a) A anulação da demissão gera para o servidor a reintegração imediata ao cargo ocupado. Idêntico raciocínio vem sendo seguido pela FCC e pela Esaf. e) A reintegração será possível desde que.

após um ano. No entendimento da Corte. inassiduidade imprópria. A reintegração nem sempre é imediata. ou decisão Perceberam que o comando da questão fala expressamente que o servidor não é estável? Então. imediatamente reintegrado ao cargo anterior. Item A – INCORRETO. em estágio probatório. Outra situação: a penalidade de demissão pode ser convertida em suspensão de até 90 dias. vamos ao exame dos quesitos. se o servidor foi demitido aos 69 anos. por si só. para AFT Prof. por exemplo. oportunidade que o servidor não será. pouco importa se o servidor é ou não estável. pode o servidor não-estável ser reintegrado? A resposta pode ser encontrada na jurisprudência do STF. Revelaria. exonerado por faltar ao serviço em virtude de sua adesão a movimento grevista. o servidor reintegrado será posto em disponibilidade até o mais breve possível aproveitamento.966. uma vez que essa ausência não teria como motivação a vontade consciente de não comparecer ao trabalho simplesmente por não comparecer ou por não gostar de trabalhar. daí a incorreção do presente quesito. E mais: e se o cargo ocupado tiver sido extinto.br Página 140 de .Curso de Direito Administrativo. resultante de um movimento de paralisação da categoria em busca de melhores condições de trabalho. agora aos 70 anos de idade. em exercícios. Quando do julgamento do RE 226. sendo-lhe. aplicável o instituto da reintegração. portanto.estrategiaconcursos. vejamos. D e E – INCORRETOS. a inassiduidade em decorrência de greve não poderia implicar a exoneração de servidor em estágio probatório. igualmente. A partir desta introdução. Cyonil Borges 208 www. isso sim. não seria fundamento para essa exoneração. o fato de o recorrido estar em estágio probatório. Segundo orientação do STF. Para concluir: Assim. não poderá ser reintegrado. Itens B.com. será concedida a aposentadoria. Cyonil Borges – Aula 14 da inafastabilidade da tutela jurisdicional) administrativa (princípio da autotutela). Prof. o STF garantiu a reintegração de servidor.

ou seja. os quais cumprem escala diária mínima de seis horas. diferentemente dos efetivos.estrategiaconcursos. Cyonil Borges 208 www. Prof. em que o STF condenou o Estado o pagamento da remuneração. Comentários: Como revisto. inclusive. sem depender. c) A pedido do servidor. sabemos que os efeitos operam-se retroativamente (ex-tunc). os cargos comissionados são os demissíveis ad nutum. para AFT Prof. devendo-se. daí a correção do item “A”. 10) (2008/ESAF – CGU – Técnico) Assinale o tipo de exoneração que se caracteriza por encerrar um juízo de conveniência e oportunidade da Administração. a) Exoneração ad nutum. são exonerados livremente (discricionariamente). Cyonil Borges – Aula 14 Item C – CORRETO. Acrescento que são cargos de dedicação exclusiva.Curso de Direito Administrativo. financeiros – ver RE 222.br Página 141 de . de qualquer motivação pela autoridade competente. em exercícios. e) Em razão da não observância do limite gasto com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal. ser recompostos todos os direitos anteriores (inclusive.532. Gabarito: item A. d) Quando o servidor não toma posse no prazo legal.com. como se o servidor ocupando o cargo estivesse). Tratando-se de anulação. Gabarito: item C. portanto. b) Decorrente de não aprovação do servidor não estável em estágio probatório.

92 do Código Penal. Comentários: Vamos verificar os itens propostos pela Banca.Curso de Direito Administrativo. Exatamente como explicado. Gabarito: item A. para AFT Prof. c) Condenação por crime contra a Administração Pública à pena privativa de liberdade por tempo igual ou superior a um ano. Cyonil Borges – Aula 14 11) (2008/ESAF – CGU – Técnico) Considerando entendimento consolidado do Supremo Tribunal Federal. d) Condenação em que é aplicada pena privativa de liberdade superior a quatro anos. a) Absolvição que não compreenda falta residual. Pela falta residual. mas sim penal. isso porque não é propriamente matéria administrativa. Itens C e D – INCORRETOS. assinale a opção em que a sentença penal não pode influenciar na esfera administrativa. e para crimes nãofuncionais. contudo. com pena acima de quatro anos. Daí a possibilidade de influência do juízo penal sobre o administrativo. é incomum (em provas) nos depararmos com a comunicabilidade em face da condenação.br Página 142 de . Cyonil Borges 208 www. Item A – CORRETO. em exercícios. Itens B e E – INCORRETOS.estrategiaconcursos.com. com pena igual ou acima a um ano. poderá o servidor vir a perder o seu cargo (a perda não é automática. para crimes funcionais. quando da condenação. Literalidade do Estatuto. De acordo com art. É muito comum ouvirmos falar sobre a comunicabilidade em razão da absolvição penal. deve ser declarada na sentença). b) Absolvição por inexistência do fato. o servidor poderá ser punido na esfera administrativa. e) Absolvição em que a autoria seja negada. Prof.

Curso de Direito Administrativo. F d) F. V. ( ) a obrigação do servidor público de reparar o dano causado a terceiros estende-se aos sucessores. analise os itens a seguir e marque com V a assertiva verdadeira e com F a falsa. F. É forma de provimento horizontal.com. a) F. F. F. ( ) é modalidade aposentadoria. 13) (2008/ESAF – EPPG) Em se tratando do Regime Jurídico dos Servidores Públicos. para AFT Prof. ) ao servidor é proibido recusar fé a documentos públicos.estrategiaconcursos. F Comentários: Vamos direto às análises. tem discricionariedade. V c) V. V. Cyonil Borges – Aula 14 12) (2008/ESAF – CGU – Desenvolvimento Institucional) Assinale a opção que contemple penalidade que encerra avaliação discricionária do administrador em sua aplicação. V. V e) V. V. V b) V. Comentários: A suspensão é a única modalidade com gradação. quer Prof. sendo daí (re)enquadrado em outras funções compatíveis. a) Demissão. F. Item I – FALSO. em exercícios. tem flexibilidade. logo a autoridade tem uma escala para dosar (para graduar) a penalidade. Cyonil Borges 208 de penalidade disciplinar a cassação de www. b) Suspensão.br Página 143 de . F. e) Advertência. assinalando ao final a opção correspondente: ( ( ) readaptação é o retorno à atividade de servidor aposentado. c) Destituição de cargo em comissão. d) Cassação de aposentadoria. A readaptação é forma de provimento derivado decorrente de o servidor passar por uma debilidade de natureza física ou sensível. Gabarito: item B. F. enfim.

Item IV – VERDADEIRO. referem-se a tais cargos como os de DAS. Cyonil Borges 208 www.. por relevante.Curso de Direito Administrativo. Gabarito: item A. não pode passar de Analista Tributário para Auditor da Receita ou de Analista Tributário para recepcionista. por exemplo. chefia e direção. um cargo comissionado (exclusivamente). não podem ter atribuições estritamente técnicas. sob pena de burla ao princípio do concurso público. haja vista estas deverem ser providas por servidores de cargos EFETIVOS.estrategiaconcursos. destinam-se às atribuições de: a) direção. Tanto os cargos em comissão como as funções de confiança devem ter por finalidades atribuições de comando ou de assessoria.br Página 144 de .. recorrentemente. 14) (2008/FGV – TJ/RJ . d) direção. Além da advertência e da cassação de aposentadoria. Alguns pontos comuns entre ambos: I) destinam-se à Direção e ao Assessoramento Superior. c) natureza técnica. É por isso que. chefia e assessoramento. condições e percentuais mínimos previstos em lei. Item III – VERDADEIRO. em exercícios.rsrs. A definição trazida no item diz respeito à forma de provimento denominada reversão. apenas.. Prof... pois não é de comando ou assessoria. b) natureza política e de interesse público. Item II – VERDADEIRO. Acrescento. só é até o limite da herança transferida.com. ou seja. que a não-observância dessa proibição acarretará a aplicação da penalidade advertência. a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos. apesar de ser um cargo de direção. e) qualquer natureza administrativa. tratadas a seguir. Comentários: Os cargos em comissão podem ser ocupados por pessoas alheias à Administração. o que não ocorre com as funções de confiança. Cyonil Borges – Aula 14 dizer. apenas.Oficial de Cartório 6ª Classe-Prova 1) Os cargos em comissão. apenas. Porém. Ver figura na questão anterior. para AFT Prof. Um cargo de motorista não pode ser. outras são as penalidades.

Gabarito: alternativa D. d) É aceitável. não são exoneráveis (demissíveis) ad nutum. com exceção feita. b) O limite de idade para a inscrição em concurso público é legítimo. Comentários: Essa questão trata da restrição do acesso aos cargos públicos em virtude da idade. a exemplo do que ocorre com os detentores de cargos efetivos. e assunção de obrigações. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. Aqui. mas apenas como exigência para a nomeação no referido cargo. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. a) É aceitável. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. o que.br Página 145 de . para AFT Prof.estrategiaconcursos. mas apenas como exigência para a efetiva entrada em exercício no referido cargo. Prof. uma vez que contam com mandato (lembram o caso da Diretora da Anac e a confusão para ela sair da Diretoria? Foi mediante renúncia!). c) É aceitável. não oferecendo garantia de permanência ao titular no cargo (estabilidade). III) dispensam.com. assinale a opção que constitui entendimento hoje sedimentado no Supremo Tribunal Federal. em exercícios. tem sido muito comum em concursos atuais. que seja provido por concurso público. por exemplo. nas esferas civil e penal. ainda. apesar de exercerem cargos de direção. 15) (2007/ESAF/TCE-GO/Procurador) No que tange a exigências estabelecidas para o provimento originário e efetivo exercício de cargo público. excepcionalmente. Cyonil Borges 208 www. diga-se de passagem. e) É inaceitável a exigência de idade mínima do pretendente a cargo público. motivação para a exoneração de seus ocupantes. em determinada hipótese. mas apenas como exigência para a posse no referido cargo. quando tal limite possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido. Cyonil Borges – Aula 14 II) são preenchidos sem a necessidade de prévio concurso público. aos Diretores de agências reguladoras. mais uma vez. a banca socorrese do entendimento jurisprudencial do STF. os quais. em determinada hipótese.Curso de Direito Administrativo. se esse comprovadamente detém capacidade plena para o exercício de direitos.

com. Esse é. Mas. o qual veda exigências discriminatórias ou desarrazoadas. XXX. então.br Página 146 de . Quanto ao sexo.estrategiaconcursos. é clássica a lição doutrinária quanto à limitação do acesso a cargos e a empregos públicos: se o que a Administração deseja é uma pessoa do sexo feminino para ocupar cargo de digitadora numa penitenciária de mulheres. duas últimas A primeira é quanto ao momento em que o candidato deve cumprir os requisitos do cargo: no instante da inscrição do concurso ou da posse? A segunda relativa à limitação de acesso aos cargos em razão do sexo. Um exemplo hipotético: poderíamos. a limitação ao acesso a cargos públicos é regida por uma diversidade de normas. A regra geral é que as limitações ao acesso só serão válidas se a natureza e a complexidade as exigirem. dado o princípio da isonomia. antes observações.. a limitação pode ser justificada em razão da natureza das atribuições do cargo. daí a correção da alternativa B. responsável por missões policiais. Cyonil Borges – Aula 14 Bom. em exercícios. pode ser plenamente aceitável. de 40 anos.. Diversos são os julgados do STF que confirmam a afirmação. Muitas vezes o que parece ser não razoável de imediato.Curso de Direito Administrativo. de finalizarmos a questão. Cyonil Borges 208 www. o entendimento de nossa Corte Constitucional: o limite de idade pode ser limitado? PODE! O que é preciso para tanto? Que a natureza das atribuições do cargo justifique tal restrição. então. de acordo com a situação concreta apresentada. 7º. De acordo com aquela Egrégia Corte – Súmula 683: O limite de idade para inscrição em concurso público só se legitima em face do art. mas também legais e infralegais. em. Prof. da Constituição. quando possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido. no máximo. o estabelecimento desse requisito não constituirá discriminação ilegal. para AFT Prof. ter limite de idade para o cargo de policial. Nesse sentido. não só constitucionais.

Provimento.Curso de Direito Administrativo. mas sejamos mais claros agora. a jurisprudência do STJ é firme no sentido de que. No entanto. Cyonil Borges 208 www. Comentários: Já falamos um pouco sobre o provimento na questão dois. e) promoção. o preenchimento dos requisitos exigidos para o exercício do cargo deve ser comprovado na ocasião da posse e. como idade. denomina-se: a) lotação. Incidência da Súmula 266/STJ. com relação ao acesso à magistratura e aos quadros do Ministério Público. o STF. Sinteticamente. em tema de concurso público. entendeu que o prazo de três anos de atividade jurídica pode ser exigido no ato de inscrição do concurso e não no momento da posse. c) transferência. como dissemos.br Página 147 de .estrategiaconcursos. 16) (2005/FGV/TJ-PA/JUIZ) O ato por meio do qual se preenche um cargo público. com a designação de seu titular. Gabarito: alternativa B. Assim. b) preenchimento. sexo. Prof. não. ao julgar a ADI 3460. é o ato administrativo de designação de uma pessoa para o preenchimento de cargo público. d) provimento.com. altura. desde que justificáveis em razão da natureza do cargo. está resolvida a questão: alternativa D. para AFT Prof. em exercícios. Tudo em nome do princípio da razoabilidade. são admitidas condições mínimas de capacidade físico-mental e outros requisitos. Cyonil Borges – Aula 14 No que diz respeito ao cumprimento dos requisitos do cargo. no momento da inscrição. Mas sigamos com nossas análises.

Não há necessidade de motivação para a exoneração e podem ser ocupados por servidores públicos ocupantes de cargo efetivo ou mesmo por não servidores. ao fim. fica garantido ao ocupante do cargo o direito à estabilidade no serviço público após três anos (art. Na primeira. ou derivado. vitalício ou em comissão. classificando-os em de caráter efetivo.estrategiaconcursos. o servidor público pode perder o cargo efetivo que ocupa tanto em razão de decisão administrativa.br Página 148 de . A outra distinção refere-se à existência de vínculo anterior com a administração.Curso de Direito Administrativo. basicamente duas são as distinções realizadas com relação à forma de provimento dos cargos públicos.com. para AFT Prof. sendo que os cargos em comissão não oferecem garantia de permanência do titular no cargo. Prof. Cyonil Borges – Aula 14 Na doutrina tradicional. Passemos a verificar as principais características de cada um destes tipos. 41. Cyonil Borges 208 www. Mas. quanto por decisão judicial. o provimento pode ser efetivo. em exercícios. Com base nesta última. No que diz respeito à durabilidade do vínculo. O provimento efetivo é o que depende de prévia aprovação em concurso público para cargo público dessa natureza (cargo efetivo). Em tal tipo de provimento. a qual só será perdida em decorrência das hipóteses previstas em norma. dividem-se os provimentos em relação à durabilidade do vínculo. em comissão ou vitalício. Já no provimento em comissão não há necessidade de concurso público prévio. Constituição Federal). o provimento pode ser classificado como originário (ou inicial – ocorre pela nomeação). por assim dizer.

Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges 208 www. CF) e do Ministério Público (art. mas sim no próprio texto constitucional. dois importantes pontos: I) A vitaliciedade não obsta a aposentadoria compulsória dos ocupantes de cargos dessa natureza. CF). por exemplo. 37. CF) ou na indicação dos Ministros do Tribunal de Contas da União (art. Importante ressaltar. Enquanto para os cargos efetivos é necessário concurso para que possam ser providos (art. I. 73.com. § 3. 101.br Página 149 de . tais cargos não são tratados nos estatutos (leis) próprios de servidores. São exemplos de cargos vitalícios os dos membros: da Magistratura (art. 128. do Tribunal de Contas (art. II) Prof. quanto aos vitalícios. para os vitalícios. Cyonil Borges – Aula 14 As hipóteses de provimento vitalício são previstas constitucionalmente. do STF. 73. CF). 95.estrategiaconcursos. que deixou assim registrado: servidor vitalício está sujeito à aposentadoria compulsória. Dessa maneira. É o que ocorre. II. em exercícios. para AFT Prof. em razão da idade. a. inc. o mesmo nem sempre ocorre. Esse é o entendimento consagrado na Súmula 36. CF). Constituição Federal – CF). § 5. na indicação de Ministros para comporem Tribunais Superiores (como o STF – vide art.

mediante: a) reversão b) readmissão c) recondução d) reintegração e) renomeação Comentários: Prof.estrategiaconcursos. o provimento ORIGINÁRIO. 17) (2004/FGV/BESC/Advogado) O servidor público civil estável. entre o servidor e a Administração (Poder Público). Cyonil Borges – Aula 14 Quanto à Existência de Vínculo Anterior. tem garantido seu retorno ao cargo anteriormente exercido. No provimento originário não há qualquer tipo de vínculo entre uma pessoa e a Administração Pública. em exercícios. o provimento pode ser originário ou derivado. cuja demissão é invalidada por sentença judicial. para os cargos de provimento efetivo há dependência de prévia habilitação em concurso público. Ou seja. como o nome informa. são formas de provimento derivado. A única forma de provimento originário é a nomeação. Cyonil Borges 208 www. excetuando-se a nomeação. para AFT Prof. é o que dá origem à relação entre a Administração e o (após o provimento) titular do cargo. uma relação. Já no provimento derivado existe um vínculo.Curso de Direito Administrativo.com.br Página 150 de . sendo que. Gabarito: alternativa D. todas as outras formas de provimento. Dessa forma.

são direitos de servidores ESTÁVEIS.Curso de Direito Administrativo. conforme o dispositivo constitucional. Claro que. De antemão. por exemplo) a que faria jus no período em que “permaneceu” demitido. o injustamente demitido terá direito ao ressarcimento de todas as vantagens (remunerações. se estável. será ele reintegrado. A RECONDUÇÃO. figura que tratamos na questão anterior. 41 da CF/1988: Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável. Assim. Cyonil Borges – Aula 14 Algumas formas de provimento.estrategiaconcursos. Cyonil Borges 208 www. A invalidação (desfazimento) da decisão pode ser administrativa ou judicial. o eventual ocupante. para AFT Prof. resolvida nossa questão: o retorno do Prof.br Página 151 de . quando de seu retorno. A reintegração ocorre no caso de desfazimento de decisão que levou à demissão de servidor estável. são previstas na própria Constituição Federal. se estável. A DISPONIBILIDADE e o APROVEITAMENTO. Vejamos o que diz o § 2º do art. registramos desde logo que. reconduzido ao cargo de origem. Se o cargo do reintegrado estiver ocupado. sem direito a indenização. e o eventual ocupante da vaga. deverá ser reconduzido ao seu cargo de origem. aproveitado em outro cargo ou mesmo posto em disponibilidade.com. aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade com remuneração proporcional ao tempo de serviço. em exercícios. a REINTEGRAÇÃO. de acordo com a CF.

ao ser inabilitado no novo cargo. com remuneração proporcional ao tempo de serviço. que poderia dar motivo à recondução. Exponha-se a seguinte situação: um Fiscal do ISS/SP logrou êxito (foi aprovado) no concurso para Fiscal do ISS/RJ. que já era estável no serviço público. não há dúvida: reconhece-se o direito do servidor estável à recondução quando. para AFT Prof. no qual já era estável. Registramos que a disponibilidade não é nada mais “que estar sem trabalhar”. Aproveitamento diz respeito ao retorno ao serviço público de servidor que estava em disponibilidade. ficando o servidor à disposição do Estado. desistir de um novo cargo. resolve tomar posse e entrar em exercício no cargo de Fiscal no RJ. Posteriormente.Curso de Direito Administrativo. resolvendo voltar ao que ocupara anteriormente. Cyonil Borges – Aula 14 servidor que foi demitido de seu cargo ocorre por meio de REINTEGRAÇÃO. Tal situação é juridicamente possível. deverá retornar ao anteriormente ocupado. dado se tratar de um ato menos gravoso do que a reprovação do servidor no estágio probatório. apesar de a Constituição ser omissa quanto a essa situação. 41 da atual Constituição Federal. A questão fala da reintegração JUDICIAL. Interessante questão diz respeito à possibilidade da recondução a pedido. deve ser em cargo com atribuições compatíveis com o cargo anteriormente ocupado. conforme estatui o § 3º do art. O Fiscal. Cyonil Borges 208 www. em exercícios.com. A recondução ocorre em duas hipóteses – na reintegração do ocupante do cargo e na inabilitação de estágio probatório. O reingresso do servidor. então. o inabilitado deverá ter ocupado cargo anterior. revolve pedir para ser reconduzido.933-DF. Portando. Desse modo. A 1ª já foi abordada acima (reintegração do ocupante do cargo). descontente com o novo cargo. Esse foi o entendimento perfilhado pelo STF ao apreciar o RMS 22. mas poderá ocorrer ADMINISTRATIVAMENTE TAMBÉM.estrategiaconcursos. No caso da inabilitação em estágio probatório.br Página 152 de . de 1998. Doutrinaria e jurisprudencialmente tem se entendido que o aproveitamento é Prof. no estágio probatório.

estrategiaconcursos. podendo ocorrer em três modalidades. Comentários: A remoção é o deslocamento do servidor. Comentários: Na questão anterior. 18) (2008/ESAF – CGU – Desenvolvimento Institucional) São hipóteses de vacância que importam provimento em novo cargo: a) promoção e readaptação. é sempre a pedido do servidor. Gabarito: item A. ao procurarmos entre as opções. Ou seja: podendo ser feito. formas simultâneas de provimento e de vacância. encontramos o item ‘A’. Cyonil Borges 208 www. Prof. obviamente. sendo que a primeira fica a critério da Administração e a segunda independe do interesse da Administração. b) exoneração e demissão. b) redistribuição. sendo que em apenas uma delas será de ofício. Assim. será feito tão logo possível. fazer jus ao percebimento de ajuda de custo. com ou sem mudança de sede. a pedido ou de ofício. d) redistribuição e remoção. d) reintegração. Nas duas outras modalidades.Curso de Direito Administrativo. em exercícios. como é o caso de doença própria. entenda: a Administração determina e não há espaço para o servidor decidir. duas são igualmente formas de provimento. Gabarito: alternativa D. a não ser se deslocar e. por exemplo. c) aproveitamento. e) disponibilidade. são elas: a readaptação e a promoção. para AFT Prof. entre as formas de vacância. 19) (2008/FGV – SENADO – TÉCNICO) O deslocamento do servidor.br Página 153 de . configura: a) recondução.com. c) aposentadoria e posse em outro cargo inacumulável. e) remoção. revimos que. Cyonil Borges – Aula 14 obrigatório (ato vinculado). no âmbito do mesmo quadro.

d) promoção. 21) (2008/FGV . Comentários: Prof. d) recondução. Gabarito: alternativa E. tanto a ascensão como a transferência não são formas de provimento. em exercícios. enfim.br Página 154 de .Analista LegislativoAdministração) O deslocamento de cargo efetivo. b) reintegração. isso porque caracterizam burla ao princípio do concurso público. e) aproveitamento. para outro órgão ou entidade do mesmo Poder. Gabarito: item B.Curso de Direito Administrativo. constitui: a) redistribuição. Cyonil Borges 208 www. sendo que o interesse da Administração é sempre um pressuposto. o servidor não participa do processo de redistribuição. c) recondução. 20) (2008/ESAF – CGU – Prova 2) São formas de provimento de cargo público. b) transferência. ocupado ou vago. no âmbito do quadro geral de pessoal. exceto: a) aproveitamento.com.Senado Federal . motivo pelo qual foram revogadas. c) remoção. Comentários: Nada se cria.estrategiaconcursos. para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 Já a redistribuição ou relotação é o deslocamento do cargo. tudo se copia! Segundo orientação do STF. e) reversão.

Alternativa B – incorreta – pode ensejar perda de cargo.AFC) Assinale a opção correta acerca da estabilidade assegurada pela Constituição Federal aos servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público. Deslocamento de servidor é remoção. e o eventual ocupante da vaga. garantida remuneração integral. para AFT Prof.br Página 155 de .STN . o servidor estável ficará em disponibilidade. 22) (2008/ESAF/. sem direito a indenização. aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade.com. e) A Constituição Federal faculta que a Administração adote o instrumento da avaliação especial de desempenho por comissão instituída para essa finalidade como condição para a aquisição da estabilidade. a) São estáveis após dois anos de efetivo exercício.Curso de Direito Administrativo. c) Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável. Prof. se estável. com remuneração proporcional ao tempo de serviço. Deslocamento do cargo é redistribuição. em exercícios.estrategiaconcursos. Cyonil Borges – Aula 14 Questão de fixação. será ele reintegrado. Cyonil Borges 208 www. Comentários: Alternativa A – incorreta – São 3 anos. Gabarito: alternativa A. b) O procedimento de avaliação periódica de desempenho não pode ensejar a perda do cargo do servidor público estável. Alternativa C – incorreta – a disponibilidade é com remuneração proporcional. reconduzido ao cargo de origem. quando o cargo que ocupar for declarado desnecessário ou extinto. d) Até que seja adequadamente aproveitado em outro cargo.

o servidor estável que perder o cargo fará jus a uma indenização correspondente a um mês de remuneração por ano de serviço. Prof. na hipótese do artigo 169 da Constituição Federal. a afirmativa incorreta. Assinale.estrategiaconcursos. a Administração deverá reduzir a despesa com os cargos em comissão e funções de confiança em no mínimo 20%.Curso de Direito Administrativo. quanto a este tema. e) A perda do cargo será antecedida por ato normativo motivado de cada Poder. para AFT Prof. a Administração deverá providenciar a exoneração de todos os servidores não-estáveis. b) Na hipótese em foco. ela impõe. Alternativa E – incorreta – a constituição não faculta. vedada a criação de cargo. c) O cargo do servidor estável dispensado será considerado extinto. emprego ou função com atribuições iguais ou assemelhadas pelo prazo de cinco anos. em exercícios. d) Antes da dispensa do servidor estável. Cyonil Borges 208 www.com. especificando a atividade funcional. Comentários: O cargo não poderá ser criado pelo prazo de 4 anos. Cyonil Borges – Aula 14 Alternativa D – correta.br Página 156 de . a) Antes da dispensa do servidor estável. o órgão ou a unidade administrativa objeto da redução de pessoal. Gabarito: Alternativa D 23) (2005/ESAF – APO – MP) O servidor público estável poderá perder o seu cargo em caso de excesso de despesa.

Cyonil Borges 208 www. então.br Página 157 de . com vencimento proporcional ao tempo de serviço. Comentários: Essa questão é para complementar o aprendizado: o servidor fica em disponibilidade até seu adequado aproveitamento. em caráter excepcional. até seu aproveitamento em outro cargo. pensamos. será exonerado. em outro cargo já existente.Curso de Direito Administrativo. o servidor estável ficará em disponibilidade. na esfera da Administração. podese entender que também o vencimento será proporcional ao tempo de serviço do servidor. como a remuneração é composta pelo vencimento mais as gratificações de caráter permanente. em exercícios. Extinto o cargo a) este. com remuneração proporcional ao tempo de serviço. com indenização proporcional ao tempo de serviço. 25) (2007/FGV – TJ-PA – Juiz) Analise as afirmativas a seguir: I. c) este será automaticamente reconduzido ao novo cargo que deverá ser criado. Fala-se em vencimento. e) este ficará em disponibilidade. independentemente da lotação do órgão ou unidade. Cyonil Borges – Aula 14 Gabarito: Alternativa C 24) (2007/ESAF/TCE-GO/Procurador) ocupado por servidor estadual estável. ocupado por servidor concursado. com remuneração proporcional ao tempo de serviço. b) este será demitido. A única dúvida que poderia existir. Todavia.com. a despeito da estabilidade. Gabarito: alternativa E. pelo prazo de dois anos. Prof. Vamos para a próxima questão. é que na alternativa E.estrategiaconcursos. Extinto o cargo de provimento efetivo. pois seu aproveitamento em outro cargo feriria o mandamento constitucional que exige prévio concurso público para a ocupação de cargos de provimento efetivo. d) este será automaticamente aproveitado. concomitantemente à extinção do cargo anterior. pois o servidor estável que não tenha cometido irregularidade grave detém direito à ocupação de algum cargo público. ou declarada a sua desnecessidade. para AFT Prof.

Devem ser assegurados a ampla defesa e o contraditório. Contudo. Comentários: Item I – INCORRETO.com. assegurada ampla defesa. d) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas. de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração bem como de outro cargo temporário ou de emprego público. exclusivamente. 169. III. c) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas. Cyonil Borges 208 www. 41 da CF). de âmbito nacional. IV) também de natureza não-punitiva. aplica-se o regime geral de previdência social. Além da perda do cargo como decorrência de processo judicial e administrativo. O servidor público estável só perderá o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado. o ente federativo deverá. III do art.br Página 158 de . não há um prazo estabelecido na legislação. Item II – INCORRETO. a Constituição Federal de 1988 traz outras situações em que é possível a perda de cargo público por servidor estável: III) em decorrência de insuficiência de desempenho (inc. e) se todas as afirmativas estiverem corretas. para que neste caso ocorra a exoneração do servidor estável. identificaram o erro? É bem sutil! O aproveitamento do servidor posto em disponibilidade segue o princípio da proporcionalidade. mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa. §3º. estabelecidos na Lei Complementar 101/2000 (a tão famosa Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF). na forma de lei complementar. Cyonil Borges – Aula 14 II. diz-se ser “o mais breve possível”. e mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho.estrategiaconcursos. caso descumpridos os limites para tal natureza de despesa.Curso de Direito Administrativo. Não constitui medida punitiva (não é demissão. Então. Prof. b) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. na forma de Lei Complementar a ser editada (norma de eficácia limitada). Ao servidor ocupante. CF/1988). Assinale: a) se nenhuma afirmativa estiver correta. em razão de excesso de despesa de pessoal (art. em exercícios. como condição de validade do processo. é exoneração) e atende o princípio da eficiência. para AFT Prof.

Item III – CORRETO. Cyonil Borges 208 www. Assinale: Prof. é pelo tempo de serviço. Gabarito – questão anulada. no entanto. os temporários também serão regidos pelo RGPS. correspondente a um mês de remuneração por ano de serviço (não é tempo de contribuição. Os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores.br Página 159 de . correto o quesito. logo.estrategiaconcursos. nessa ordem: a) redução em pelo menos 20% das despesas com cargos em comissão ou funções de confiança. com o prazo do mandato presidencial).Curso de Direito Administrativo. Nesse último caso (servidores estáveis). 33 da EC 19/1998. cuidado!). II. É garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical. percebam. A lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios de sua admissão. 26) (2006/FGV/SEFAZ-MS/Analista) Com base no artigo 37 da Constituição Federal. O servidor (leia-se: apenas o estável!) fará jus à indenização. analise as afirmativas a seguir: I. ter adotado as seguintes medidas administrativas. para AFT Prof. e b) exoneração dos servidores não-estáveis. sem concurso público de provas ou de provas e títulos após o dia 5 de outubro de 1983. Gabarito preliminar (alternativa D). Somente se essas medidas prévias não forem suficientes para o reequilíbrio das despesas de pessoal é que se poderá promover a exoneração dos estáveis. III. de emprego. o cargo objeto da redução será extinto. em exercícios. De acordo com o art. na autárquica e na fundacional.com. sendo vedada a criação de cargo. em decorrência de excesso de despesa. ou de funções com atribuições iguais ou assemelhadas pelo prazo de quatro anos (coincide. os não-estáveis são aqueles admitidos na administração direta. Além dos detentores exclusivos de cargos comissionados e dos empregados. Cyonil Borges – Aula 14 preliminarmente.

A leitura do inc. Vejamos o que diz o texto constitucional. Assim. ainda) poderá ser restringido. XIV. sob fundamentos diversos. e) se todas as afirmativas forem verdadeiras. Item II – VERDADEIRO.Curso de Direito Administrativo. O inc. Item I – VERDADEIRO. o acesso a eles dos portadores de certas necessidades especiais (que é expressão. 37 da CF estabelece que a lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios de sua admissão. Comentários: Esse é um “estilo” muito conhecido dos concursandos em provas de múltipla escolha: copia (CTRL-C) e cola (CTRL-V). c) se apenas as afirmativas I e III forem verdadeiras.estrategiaconcursos. 37 fixa que é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical. O inc. por exemplo. VII do mesmo art. o que poderia implicar. para AFT Prof.com. que é tratado no inc. Item III – VERDADEIRO. No entanto. pela nova redação do inc. VIII do art. Pela redação antiga do dispositivo. em exercícios. reforçamos que nem todos os cargos precisam reservar vagas para deficientes. apesar de a Constituição referir-se a deficiências. VI do art. 37 da CF/1988 é-nos suficiente: os acréscimos pecuniários percebidos por servidor não serão computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores. mais adequada. Por exemplo: limitações na mobilidade não são aceitas para o exercício de cargos de agente policial. Cyonil Borges – Aula 14 a) se nenhuma afirmativa for verdadeira. conforme a natureza e as atribuições do cargo. XIV do art. Vejam que o assunto tratado diz respeito à livre associação sindical. 37.br Página 160 de . d) se apenas as afirmativas II e III forem verdadeiras. Cyonil Borges 208 www. vedava-se o cômputo dos acréscimos para concessão de acréscimos posteriores sob idêntico fundamento. hoje. não há mais dúvida: toda e quaisquer vantagens pecuniárias percentuais ou Prof. b) se apenas as afirmativas I e II forem verdadeiras. daí a correção. Apesar de bastante salutar (legítima) a reserva (inserção) de vagas para deficientes. Isso ocorre porque algumas deficiências são impeditivas para o exercício de determinados cargos. mas não ao direito de greve. o cômputo desses acréscimos para concessão de outros.

A regra geral é que se veda a acumulação remunerada de cargos.Curso de Direito Administrativo. A regra da não-acumulação abrange. empregos. Assim. também autarquias. Cyonil Borges 208 www. daí a incorreção da alternativa C. que será exercido nos termos e limites definidos em lei específica c) a acumulação remunerada de quaisquer cargos públicos. a presente regra não é impeditiva de ocupações privadas por parte do servidor público. a) direito à livre associação sindical b) direito de greve. obviamente. diga-se de passagem. bem como as sociedades controladas direta ou indiretamente pelo Poder Público. à exceção de um. seja na Administração Indireta. Gabarito: alternativa E. a qual. desde que. seja na Administração Direta. Prof. por conseguinte. pois todos os itens estão corretos. Por consequência. empresas públicas. 27) (2008/FGV – SENADO . em quaisquer esferas da federação (União. tais ocupações não sejam incompatíveis com o cargo exercido pelo servidor (a Lei veda a gerência de sociedades empresariais). Cyonil Borges – Aula 14 calculadas com base em referências – sobretudo adicionais e gratificações – deve ter como base de cálculo o vencimento básico. em exercícios. Assinale-o.com. estados. Vejamos.estrategiaconcursos. e sociedades de economia mista. não é a regra. e funções públicos. fundações.br Página 161 de . outras figuras remuneratórias da base de incidência para o novo acréscimo. Distrito Federal e municípios).TECNICO ADMINISTRATIVO) A Constituição Federal assegura aos servidores públicos os seguintes direitos. portanto. A partir da EC 19/98. a regra da não-acumulação passou a abarcar as subsidiárias daquelas entidades. excluindo-se. o gabarito da questão é letra “E”. desde que haja compatibilidade de horários d) revisão geral anual da remuneração e) irredutibilidade de subsídio e de vencimentos Comentários: A questão trata de assunto bem interessante: a acumulação de cargos e de empregos públicos. para AFT Prof. mas sim exceção.

João foi logo em seguida nomeado para o cargo ao qual se candidatou tendo. XVI do art. marque a opção que contenha a afirmativa verdadeira. Considerando o texto acima. e) Não há que se falar em acumulação de cargos.GDF. 37 da CF/1988. d) A acumulação de cargos dar-se-á com a posse de João no cargo de TFC sem a vacância do cargo ocupado no GDF. de acordo com o inc. para AFT Prof. servidor público ocupante de um cargo técnico no Distrito Federal .TFC. a acumulação de cargos e empregos públicos é permitida nas seguintes situações e não para quaisquer cargos.Curso de Direito Administrativo. b) um cargo de professor com outro técnico ou científico. Gabarito: alternativa C. na seqüência.estrategiaconcursos. Cyonil Borges 208 www. sendo um federal e outro distrital.112/90. por exemplo: a) dois cargos de professor. Cyonil Borges – Aula 14 Para reforçar. b) A posse de João no cargo de TFC não constituirá acumulação de cargos caso ele esteja gozando de licença sem remuneração no GDF. haja vista tratar-se de regimes jurídicos distintos. a) A nomeação de João para o cargo de TFC sem a vacância do cargo que ocupa no GDF constitui acumulação de cargos públicos. 8.br Página 162 de . no qual é aprovado. em exercícios. com profissões regulamentadas. bem como as disposições da Lei n. Comentários: Prof. Tendo sido o concurso homologado. 28) (2008/ESAF – CGU – Desenvolvimento Institucional) João da Silva. presta concurso público federal para o cargo de Técnico de Finanças e Controle . c) A acumulação de cargos dar-se-á apenas caso João entre em exercício sem a vacância de seu cargo no GDF.com. e c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde. tomado posse e entrado em exercício.

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 O gabarito preliminar foi item “B”, o que, à época, acarretou um semnúmero de e-mails, afinal de contas, minha recomendação era exatamente distinta, haja vista precedentes do STF e do TCU. Para o bem de todos e felicidade da massa concursística, prevaleceu no gabarito oficial o bom senso jurídico, houve alteração do item “B” para o item “D”. É bem verdade que há ótimos posicionamentos doutrinários sustentando a possibilidade de acumulação quando um servidor está em licença para tratar de interesses particulares, afinal de contas, o texto constitucional fala em acumulação remunerada de cargos, assim, em não havendo em um deles remuneração, seria garantida sem problemas a acumulação. Porém, o bom senso jurídico está com o TCU e o STF, ao entenderem ser incabível a acumulação de cargos mesmo em licença para tratar de interesses particulares. Vejamos: SÚMULA/TCU 246 O fato de o servidor licenciar-se, sem vencimentos, do cargo público ou emprego que exerça em órgão ou entidade da administração direta ou indireta não o habilita a tomar posse em outro cargo ou emprego público, sem incidir no exercício cumulativo vedado pelo artigo 37 da Constituição Federal, pois que o instituto da acumulação de cargos se dirige à titularidade de cargos, empregos e funções públicas, e não apenas à percepção de vantagens pecuniárias. STF: RE 180.597 – Min. Ilmar Galvão Servidor público. Acumulação de dois cargos de enfermeiro. Art. 17, § 2º, do ADCT/88. Licença para trato de interesses particulares. O fato de o servidor encontrar-se licenciado para tratar de interesses particulares não descaracteriza o seu vínculo jurídico, já que a referida licença somente é concedida a critério da administração e pelo prazo fixado em lei, podendo, inclusive, ser interrompida, a qualquer tempo, no interesse do serviço ou a pedido do servidor. Logo, esqueçam o gabarito ‘B’. A banca alterou para item ‘D’. Gabarito: item D.
Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 163 de

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 29) (2007/ESAF/TCE-GO/Procurador) Sobre a disciplina constitucional da Administração Pública, é incorreto afirmar que a) é permitida, desde que no âmbito do mesmo Poder e havendo compatibilidade de funções, a vinculação ou equiparação remuneratória do pessoal do serviço público. b) as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento. c) a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. d) os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo. e) a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração. Comentários: Questão relativamente simples. O inciso XIII do art. 37 da CF estabelece: é vedada vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para efeito de remuneração de pessoal do serviço público. Então, de cara, o item “A” está ERRADO. Mas vejamos com mais detalhes o sentido das expressões vincular e equiparar. Equiparar significa a previsão, em lei, de remuneração igual à de determinada carreira ou cargo, enquanto que vincular não significa remuneração igual, mas atrelada a outra, de sorte que a alteração da remuneração do cargo vinculante provoca, automaticamente, a alteração prevista para o cargo vinculado. É considerada vinculação, também, a subordinação da alteração remuneratória a índices, tais como os de inflação, de arrecadação orçamentária, de reajuste do salário mínimo ou de correção monetária, como na questão ora analisada.

Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 164 de

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 No que diz respeito à proibição de vinculação a índices de correção monetária, a atual orientação é pacífica, em virtude da Súmula 681 do STF: é inconstitucional a vinculação do reajuste de vencimentos de servidores estaduais ou municipais a índices federais de correção monetária. Atenção. Há hipóteses constitucionais admitidas de vinculação e de equiparação. Nesse caso, não há dúvida quanto à legitimidade da imposição, porque garantida na própria Carta Maior. A título de exemplificação, podem ser citadas as seguintes situações: a) os Ministros do Tribunal de Contas da União, equiparados aos Ministros do Superior Tribunal de Justiça, no que se refere às garantias, prerrogativas, impedimentos, vencimentos e vantagens (CF/1988, art. 73, §3º); b) os subsídios dos Ministros do STF servirão de base (vinculação) para a fixação do subsídio mensal dos Ministros dos Tribunais Superiores (inc. V, art. 93 da CF/1988). Em síntese: equiparar e vincular remunerações ou subsídios não é possível, salvo se tais equiparações e vinculações contarem com previsão constitucional. Gabarito: alternativa A. 30) (2008/FGV – TCM-RJ) Assinale a assertiva correta. a) A aprovação e a classificação em concurso público conferem ao candidato, em regra, apenas a expectativa de direito à nomeação. No entanto, se o candidato aprovado for nomeado, tem direito subjetivo à posse e à complementação do processo de investidura; se a participação e aprovação do candidato em alguma etapa do concurso público decorreram de concessão de medida liminar em ação judicial, não há para o interessado direito subjetivo à nomeação. b) Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o servidor público estável ficará em disponibilidade, com remuneração proporcional ao tempo de serviço, até o seu adequado aproveitamento em outro cargo, num prazo máximo de cinco anos. c) O servidor público estável só perderá o cargo: a) em virtude de sentença judicial transitada em julgado; b) mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa; c)
Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 165 de

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma da lei complementar, assegurada a ampla defesa. d) É vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto quando houver compatibilidade de horários, nos casos especificados pela Constituição Federal. Tal proibição estende-se a empregos e funções e abrange autarquias e fundações públicas, excluindo-se dessa vedação as empresas públicas e as sociedades de economia mista. e) Para a aquisição da estabilidade, o servidor público nomeado para cargo de provimento efetivo, em virtude de concurso público, deve cumprir o requisito temporal, três anos, e ter seu desempenho aprovado por comissão de avaliação. Cumprido o lapso temporal, a ausência da avaliação pela Administração Pública, no entanto, afasta a presunção de estabilidade no cargo. Comentários: ALTERNATIVA A – CORRETA. Excelente item. Nesse caso, é costume da Justiça determinar a reserva de vaga e não garantir a imediata nomeação. ALTERNATIVA B – INCORRETA. De novo! Agora, no lugar de dois anos, a banca usou o prazo de cinco anos. Revimos que não há prazo prefixado. ALTERNATIVA C – INCORRETA. Só é Somente! Somente é SÓ MENTE! Está mentindo para nós. Além destes casos, há a perda do cargo pelo excesso de pessoal (art. 169 da CF/1988). ALTERNATIVA D – INCORRETA. A vedação quanto à acumulação atinge cargos e empregos e funções, em toda Administração Direta e Indireta. Ora, as SEM e as EP são componentes da Administração Indireta, logo, encontram-se sujeitas sim à vedação, daí a incorreção da alternativa. ALTERNATIVA E – INCORRETA. Questão interessante surge na possibilidade de a Administração não proceder à avaliação de que ora se trata. Nesse caso, na ausência de avaliação, seria o servidor estável ou não? A resposta é que o servidor deve ser considerado estável, em razão da avaliação positiva de forma tácita, para efeitos de estabilidade. Ressalte-se que tal avaliação funcional foi criada em favor da Administração, contudo, não poderia o servidor ser prejudicado pela inércia administrativa. O STF corroborou essa
Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 166 de

emprego ou pensão de Estado estrangeiro. empregos ou funções públicas. Comentários: Vamos aos quesitos. em 21/8/2003. que pode ser convertida em multa.aplicação irregular de dinheiros públicos. são elas: IV . Cyonil Borges – Aula 14 afirmativa ao apreciar o MS 25. Gabarito: alternativa A. daí a incorreção da alternativa.TRE-PA . entre outros. VIII . Prof. Cyonil Borges 208 www.Curso de Direito Administrativo. Há quatro situações em que a demissão ou a destituição de cargo em comissão implica a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário. (C) a demissão ou a destituição de cargo em comissão em virtude de corrupção implica a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário. (B) a demissão será aplicada nos casos de falta injustificada por mais de trinta dias interpolados. 31) (FGV/2011 . (D) a punição para o servidor que injustificadamente se recusar a ser submetido à inspeção médica determinada por autoridade competente é a suspensão por trinta dias. em exercícios.com. corrupção e improbidade administrativa.improbidade administrativa. acumulação ilegal de cargos.543-DF. (E) a responsabilidade administrativa do servidor não será afastada no caso de absolvição criminal. registrando que a ausência de avaliação de desempenho não afasta a presunção de estabilidade no cargo.br Página 167 de .Analista Judiciário) O servidor público federal é sujeito à disciplina legal diferenciada dos trabalhadores da iniciativa privada. para AFT Prof. O regime disciplinar do servidor público federal determina que: (A) a advertência será aplicada por escrito no caso de o servidor aceitar comissão.estrategiaconcursos.

(E) a responsabilidade administrativa do servidor não será PODERÁ SER afastada no caso de absolvição criminal. mas de seu enteado. emprego ou pensão de Estado estrangeiro. empregos ou funções públicas. em exercícios. POR SESSENTA OU MAIS DIAS DE FORMA INTERPOLADA.estrategiaconcursos. os erros nos demais quesitos. a cada período de 12 (doze) meses. que pode ser convertida em multa.112/90. corrupção e improbidade administrativa. para AFT Prof. Com base nessa situação específica e na Lei 8. 32) (FGV/2011 .TRE-PA . acumulação ilegal de cargos. Gabarito: alternativa C. é correto afirmar que: (A) a Administração Pública pode conceder licença remunerada a Marilda por até 90 (noventa) dias.corrupção. Antônio.br Página 168 de . XI . QUE NEGUE A AUTORIA OU INEXISTÊNCIA DO FATO. A seguir. (D) a punição para o servidor que injustificadamente se recusar a ser submetido à inspeção médica determinada por autoridade competente é a suspensão por trinta dias ATÉ 15 DIAS. servidora pública federal com estabilidade. (A) a advertência DEMISSÃO será aplicada por escrito no caso de o servidor aceitar comissão. em um tratamento para leucemia que envolve transplante de medula óssea.com.lesão aos cofres públicos e dilapidação do patrimônio nacional. (B) Marilda não tem direito à licença pois não se trata de seu filho. (B) a demissão será aplicada nos casos de falta injustificada por mais de trinta dias interpolados CONSECUTIVOS. entre outros. Cyonil Borges – Aula 14 X .Analista Judiciário) Marilda da Silva. Prof. Cyonil Borges 208 www.Curso de Direito Administrativo. requereu licença para acompanhar seu enteado. Daí a correção da alternativa C. consecutivos ou não.

excepcionalmente. Nesse caso.com. (E) o período de 12 meses a que alude a lei coincide com o ano civil. faz-se necessária a atuação de cirurgião-dentista. no período de 12 meses. 83 e 202 a 206-A da Lei 8. para tratamento de saúde do próprio servidor. O prazo máximo de gozo da licença é de 150 dias. E mais: se a hipótese de licença abranger o campo de atuação de odontologia. a licença só será concedida se a assistência direta do servidor for indispensável e não puder ser prestada simultaneamente com o exercício do cargo ou mediante compensação de horário. Nos termos do art. a concessão será mediante avaliação por junta médica oficial. dos filhos. 83 da Lei. os erros nos demais quesitos. a contar do primeiro dia de afastamento. Cyonil Borges – Aula 14 (C) Marilda pode se licenciar sem remuneração por um período de até 120 (cento e vinte) dias. sem remuneração. até 60 dias. o servidor fará jus à remuneração.estrategiaconcursos. até 90 dias. atestado passado por médico particular. o padrasto e a madrasta do servidor. dentro de um ano. Daí a correção da alternativa D. No entanto. Agora. poderá ser concedida licença ao servidor por motivo de doença do cônjuge ou companheiro. consecutivos ou não. do padrasto ou madrasta e enteado. Cyonil Borges 208 www. pode dá-se de ofício ou a pedido. A licença pode ser concedida. Comentários: A licença por motivo de saúde de familiares e própria vem regulada nos arts. em exercícios. de 1990. mediante comprovação por perícia médica oficial. sendo que. Abaixo. A lei abre uma exceção para as licenças inferiores ao prazo de 15 dias. consecutivos ou não. (D) a licença por motivo de doença em pessoa da família inclui.Curso de Direito Administrativo. sendo condição sine qua non a inspeção médica oficial (perícia). dos pais. para AFT Prof. além do enteado.br Página 169 de . ou dependente que viva a suas expensas e conste do seu assentamento funcional.112. consecutivos ou não. ainda. se a licença exceder o prazo de 120 dias no período de 12 meses. em que fica dispensada a perícia oficial. só se admitindo. a cada período de 12 (doze) meses. Prof.

a este incumbirá o encaminhamento do projeto de Lei. para AFT Prof. Já para os servidores do Senado. 33) (2011/FGV – SEFAZ-RJ – Analista de Controle Interno) O Presidente de uma autarquia estadual formulou consulta a seu órgão de assessoria jurídica questionando qual o instrumento jurídico necessário para a concessão de aumento de remuneração aos servidores da entidade. de iniciativa do presidente da autarquia. (B) lei complementar. é correto responder que a concessão de aumento de remuneração aos servidores de uma autarquia estadual depende de: (A) lei específica. Gabarito: alternativa D. segundo previsto no inciso X do art. POIS SE INICIA DO PRIMEIRO DIA DE AFASTAMENTO. Ressalte-se que há simetria quanto à matéria. Comentários: A fixação da remuneração ou subsídio dos agentes públicos é matéria de índole constitucional. de regra. o encaminhamento do projeto de lei para aumento dos servidores da Prof. A esse respeito. isto é. (C) decreto da Chefia do Poder Executivo. de iniciativa da Chefia do Poder Executivo.com. o aumento dos servidores da Câmara será tratado em projeto de lei encaminhado por esta Casa. consecutivos ou não. 37 da Constituição Federal de 1988 (CF/1988). consecutivos ou não. (E) o período de 12 meses a que alude a lei NÃO coincide com o ano civil. A iniciativa de lei é privativa em cada caso. lei específica para tanto. a cada período de 12 (doze) meses. no âmbito dos Estados. (E) lei ordinária. de iniciativa da Presidência da autarquia. (C) Marilda pode se licenciar sem remuneração por um período de até 120 (cento e vinte) dias 90 DIAS. a cada período de 12 (doze) meses.Curso de Direito Administrativo.br Página 170 de . Cyonil Borges 208 www. Cyonil Borges – Aula 14 (A) a Administração Pública pode conceder licença remunerada a Marilda por até 90 (noventa) dias 60 dias. mas AINDA QUE SE TRATE de seu enteado. a iniciativa da proposição do projeto de lei deve partir do órgão/poder nos quais os servidores contemplados com o aumento exerçam suas atribuições.estrategiaconcursos. Assim. exigindo-se. ou seja. (D) decreto legislativo. em exercícios. (B) Marilda não tem direito à licença pois não se trata de seu filho.

OS AGENTES POLICIAIS. donde decorre a correção da alternativa A. valendo o mesmo para as Câmaras. devendo ser exercido nos termos e nos limites definidos em lei complementar. é correto afirmar que: (A) as funções de confiança e os cargos em comissão se destinam apenas às atribuições de direção. 169 da CF/1988. (E) a acumulação de cargos e de empregos públicos é admitida quando houver compatibilidade de horários. chefia e assessoramento. (B) os servidores públicos devem ser remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única. no âmbito dos municípios. No que diz respeito aos servidores do Poder Executivo. POR EXEMPLO. chefia e assessoramento.estrategiaconcursos. Após a aprovação do projeto de lei. em exercícios. (D) a vinculação de espécies remuneratórias no serviço público é vedada. 34) (2011/FGV – SEFAZ-RJ – Analista de Controle Interno) A respeito do regime constitucional da função pública. mas admite-se a equiparação salarial entre carreiras públicas. com projeto a ser encaminhado ao Poder Legislativo pelo Chefe do Executivo. Abaixo. vedado o acréscimo de qualquer outra espécie remuneratória.Curso de Direito Administrativo. Por fim. este seguirá ao Poder Executivo.com. da CF. É nossa conhecida. em face do previsto no §1º do art. devem ser remunerados exclusivamente por Prof. Cyonil Borges 208 www. aumentos também devem ser tratados por lei. 37. para apreciação. em todos os casos. o qual poderá sancioná-lo ou vetá-lo. as funções de confiança e os cargos em comissão se destinam apenas às atribuições de direção. deve ser verificada a disponibilidade orçamentária para concessão do aumento. V. (C) o direito de greve é assegurado ao servidor público civil. (B) ALGUNS servidores públicos. Cyonil Borges – Aula 14 Assembleia deve ser feito por esta. Gabarito: alternativa A. Então. os erros nos demais quesitos. de 1988. Nos termos do art. caberá ao Governador do Estado (alternativa “A”) encaminhar a respectiva lei ao Legislativo. destaque-se que.br Página 171 de . COMO. no caso concreto. Comentários: A questão é relativamente simples. para AFT Prof. ante as competências que lhe são constitucionalmente estabelecidas.

Contudo. Prof. Gabarito: alternativa A. em exercícios. IGUALMENTE. vedado o acréscimo de qualquer outra espécie remuneratória.estrategiaconcursos. para AFT Prof. os integrantes da banca disponibilizaram a um dos candidatos a metodologia que deveria ser utilizada na prova prática. (B) A banca examinadora detém do poder discricionário no caso em tela. uma vez que deveria se ater exclusivamente aos dispositivos legais previstos no edital do concurso. Cyonil Borges – Aula 14 subsídio fixado em parcela única. (D) a vinculação de espécies remuneratórias no serviço público é vedada. (D) As regras do concurso público podem ser alteradas livremente pela banca examinadora. em flagrante prejuízo aos demais candidatos. poderia o ato da banca examinadora ser convalidado. admite-se a equiparação salarial entre carreiras públicas. AINDA ASSIM. (C) Se houvesse o consentimento dos candidatos. A esse respeito.Curso de Direito Administrativo.CODESP-SP – Advogado) Concurso público para provimento de cargos de médico de determinado Hospital realiza concurso de provas e títulos pelo regime da Lei 8112/1990. Entre os requisitos do edital. devendo ser exercido nos termos e nos limites definidos em lei complementar ORDINÁRIA ESPECÍFICA. havia previsão de que todos os candidatos deveriam submeter-se a prova prática com conteúdo específico de medicina legal. PARA DETERMINADAS FUNÇÕES ESTABELECIDAS EXPRESSAMENTE NO TEXTO CONSTITUCIONAL. (C) o direito de greve é assegurado ao servidor público civil. (E) a acumulação de cargos e de empregos públicos é admitida quando houver compatibilidade de horários E OBSERVADO O TETO REMUNERATÓRIO. 35) (FGV/2010 . mas NÃO SE ADMITINDO. E.com.br Página 172 de . Cyonil Borges 208 www. assinale a alternativa correta. (A) A banca examinadora violou o princípio da vinculação ao edital.

(B) ampla.estrategiaconcursos. Por exemplo: houve a instauração de PAD em desfavor de servidor que cometeu diversas irregularidades na condução das Prof. que o seja para todos. caso tivessem conhecimento. muitas das vezes. da impessoalidade e do julgamento objetivo. sob pena de ferimento a princípios constitucionais. Assim. como. (C) delimitada. Comentários: A portaria inaugural do processo administrativo disciplinar é a responsável por nomear os membros integrantes da comissão processante e. ainda que genericamente. poderia legitimar o ato da banca examinadora.SEFAZ-RJ . envolvendo infração administrativa de servidor público. a materialidade dos fatos e agente infrator. As regras dos concursos públicos são válidas para todos. (D) esquematizada. os fatos serão aprofundados quando da instrução do feito. do termo “superficial”. A portaria de instauração nem sempre é muito minuciosa. inclusive. 36) (FGV/2008 . neste caso. da moralidade. porque. Cyonil Borges 208 www. Gabarito: alternativa A. se houve a visibilidade de determinado critério. por exemplo. a portaria delimita a região de pesquisa a cargo do administrador público. (E) superficial.Fiscal de Rendas) A portaria inaugural do processo administrativo disciplinar. Acontece que a expressão “genérica” não se aproxima.Curso de Direito Administrativo. deve conter a respectiva descrição: (A) minuciosa.com. descrever. em exercícios. Perceba que as alternativas “A” e “B” são quase que sinônimas. A única alternativa que poderia suscitar dúvida é a letra “E”. Ou seja.br Página 173 de . Isso porque há precedentes do STF que autorizam. para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 (E) O silêncio dos candidatos. maior parte das vezes. Comentários: Parece até questão de raciocínio lógico. a demissão de servidores públicos com base em portaria de instauração genérica.

para se alistar como eleitor (C) por oito dias consecutivos.br Página 174 de . Então. 38) (FGV/2006 – MIN CULTURA – Anal Adm) O servidor público federal poderá se ausentar do serviço pelos períodos relacionados nas alternativas a seguir. ou dos pais. algo do tipo: por meio da Portaria “X” ficam nomeados os servidores “A”. 37) (FGV/2006 – MIN CULTURA – Anal Adm) Ao servidor público federal. (A) por um dia. mesmo neste caso. em razão de falecimento de cônjuge ou companheiro (E) por cinco dias consecutivos. para a pesquisa de irregularidades cometidas no curso da licitação pelo servidor “Z”. em razão de falecimento de avós Comentários: Prof. em exercícios.Curso de Direito Administrativo. “B” e “C”. ou companheiro. é superficial? De forma alguma! Foi genérica por não ser precisa quanto às irregularidades. (E) para o serviço militar. Comentários: Afastamento dos pais? Só se for para o céu! Mas. para doação de sangue (B) por dois dias. e foi delimitada por precisar o objeto da infração. Cyonil Borges – Aula 14 verbas públicas. em razão de casamento (D) por oito dias consecutivos. Assinale-a. para AFT Prof. (B) por motivo de doença em pessoa da família. (C) para atividade política. (D) para tratar de interesses particulares. Gabarito: alternativa A. Gabarito: alternativa C.com. à exceção de uma.estrategiaconcursos. Cyonil Borges 208 www. não se concederá licença: (A) por motivo de afastamento do cônjuge. teremos uma concessão e não licença.

com.112. defesa e relatório. pais. madrasta ou padrasto. incorreto. O processo administrativo disciplinar é composto de fases. (C) se somente as assertivas I e III estiverem corretas. (D) se somente as assertivas II e III estiverem corretas. companheiro. II. Perceba que. (B) se somente as assertivas I e II estiverem corretas. II . Assinale: (A) se todas as assertivas estiverem corretas. Cyonil Borges – Aula 14 Nos termos do art.estrategiaconcursos. as provas são produzidas durante a fase denominada de inquérito administrativo. menor sob guarda ou tutela e irmãos. poderá o servidor ausentar-se do serviço: I . No processo administrativo disciplinar. filhos. em exercícios. pois a concessão é por oito dias. analise as assertivas a seguir: I. b) falecimento do cônjuge.Curso de Direito Administrativo. A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. igualmente. fez-se alusão aos avós. III. Esses não estão previstos no diploma legal. E. para se alistar como eleitor. 39) (FGV/2008 . o prazo estaria. Sindicância é a fase do processo administrativo preliminar que determina se o funcionário público sofrerá sanção ou não pelo cometimento de falta funcional.por 1 (um) dia. tal fase compreende instrução.br Página 175 de .por 8 (oito) dias consecutivos em razão de : a) casamento. Cyonil Borges 208 www.por 2 (dois) dias. enteados. ainda mencionados. no item. 97 da Lei 8. Gabarito: alternativa E. Prof.TCM-RJ – Procurador) No que tange ao processo administrativo disciplinar. para AFT Prof. III . de 1990. para doação de sangue.

afinal a sindicância não é etapa preliminar do PAD. o administrador inaugurará. Prof. na forma da lei.TCM-RJ – Procurador) No que se refere ao regime previdenciário dos servidores públicos. automaticamente. Ora é proporcional por tempo de contribuição. contagiosa ou incurável. O item II é forte candidato. 40) (FGV/2008 . (C) excepcionalmente. nos casos de acidente em serviço.com. em exercícios. moléstia profissional ou doença grave. Teor da Súmula Vinculante 5 do STF. (E) em regra. para AFT Prof. Cyonil Borges 208 www. exceto se decorrentes de acidente em serviço. poderão exceder a remuneração do respectivo servidor.br Página 176 de . os proventos de aposentadoria e as pensões. na forma da lei. contagiosa ou incurável. a lei poderá estabelecer forma de contagem de tempo de contribuição fictício.estrategiaconcursos. (D) a mulher que renunciou aos alimentos na separação judicial não tem direito à pensão previdenciária por morte do ex-marido. Cyonil Borges – Aula 14 (E) se nenhuma assertiva estiver correta. O único item incorreto é o item I. a seguir. moléstia profissional ou doença grave. Comentários: Questão “queridinha” da banca. pois. Vejamos. pois a aposentadoria por invalidez assume dupla faceta. a depender da gravidade da infração. hein! Isso mesmo. Gabarito: alternativa D. é correto afirmar que: (A) nos casos de invalidez permanente de servidor titular de cargo efetivo. ora. um PAD. mesmo que comprovada a necessidade econômica superveniente.Curso de Direito Administrativo. Comentários: A resposta é letra “A”. os erros nos demais itens. seus proventos serão proporcionais ao tempo de contribuição. por ocasião de sua concessão. no cargo efetivo ou em comissão em que se deu a aposentadoria ou que serviu de base para a concessão de pensão. (B) a lei aplicável à concessão de pensão é aquela vigente na data da designação do dependente pelo segurado-servidor.

estranhos ao corpo administrativo. b) A administração fazendária e seus servidores fiscais terão precedência sobre os demais setores administrativos dentro de suas áreas de competência. mesmo que comprovada a necessidade econômica superveniente.com. Prof. como é o caso do Banco do Brasil S/A. são exercidas EXCLUSIVAMENTE por servidores de carreira. por ocasião de sua concessão. (E) em regra.Curso de Direito Administrativo. (C) excepcionalmente. para AFT Prof. em exercícios. a lei NÃO poderá estabelecer forma de contagem de tempo de contribuição fictício. no cargo efetivo ou em comissão em que se deu a aposentadoria ou que serviu de base para a concessão de pensão. Comentários: Como revimos as funções de confiança. hoje. Cyonil Borges – Aula 14 (B) a lei aplicável à concessão de pensão é aquela vigente na data da designação do dependente pelo segurado-servidor DO ÓBITO. os proventos de aposentadoria e as pensões. NÃO poderão exceder a remuneração do respectivo servidor. Gabarito: alternativa A. estes sim podem ser assumidos por particulares. Os demais quesitos estão corretos. SÚMULA 336 DO STJ. a) As funções de confiança serão preenchidas por servidores de carreira nos casos.estrategiaconcursos. 41) (2009/ATA – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO) Marque a opção incorreta. suficiente trocar funções de confiança por cargos comissionados. a e) É vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público. d) Os atos de improbidade administrativa importarão indisponibilidade dos bens sem prejuízo da ação penal cabível. c) A proibição de acumular cargos estende-se a empregos e funções e abrange as sociedades de economia mista. Para que o item reste correto. condições e percentuais mínimos previstos em lei. (D) a mulher que renunciou aos alimentos na separação judicial não tem direito à pensão previdenciária por morte do ex-marido. Cyonil Borges 208 www.br Página 177 de .

com a volta (retorno. mas a via crúcis é longa. primeiro parte dos comissionados. desde que pertencentes a mais de uma unidade gestora. Alternativa D – INCORRETA. Cyonil Borges 208 www. vedada a criação por quatro anos. é até possível a EXONERAÇÃO dos servidores estáveis. doença grave especificada em lei. aí sim. Que invalidez permanente? Decorrente de acidente do trabalho? Causada fora do serviço. b) Fica autorizada a existência de mais de um regime próprio de previdência social para os servidores titulares de cargos efetivos. nem toda invalidez gera proventos integrais. indenização (uma R$ por ano trabalhado) e extinção do cargo. os servidores abrangidos pelo regime de previdência. Como revimos há situações específicas para que os proventos sejam integrais. Alternativa A – INCORRETA. neste último caso. reingresso) do servidor demitido. a) Em caso de invalidez permanente. em acidente em final de semana? Amigos. se estável. Alternativa C – CORRETA. Cyonil Borges – Aula 14 Gabarito: alternativa A. o servidor será reconduzido ao cargo anterior (se ainda vago) sem direito a Prof. daí a incorreção do quesito. Como revimos não cabe a pluralidade de regimes próprios. estadual ou municipal será contado para efeito de disponibilidade. será reconduzido ao cargo de origem mediante prévia e justa indenização proporcional ao tempo de serviço. Coitado! Teoricamente. e) O tempo de contribuição federal. Vimos que atingido o limite de gastos.com. Comentários: Vamos direto aos quesitos. nos termos da lei. cabe a exoneração dos servidores. reintegração. nos termos da Constituição Federal. como acidente em serviço. depois todos os não-estáveis e. d) Eventual ocupante de vaga de servidor reintegrado. receberão proventos integrais. os estáveis. nos termos da Constituição Federal.br Página 178 de . por exemplo. 42) (2009/ATA – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO) Marque a opção correta. Nesse caso. para AFT Prof. em exercícios. Cabendo. Alternativa B – INCORRETA. c) O servidor estável do Distrito Federal pode ser exonerado a fim de que o limite legal de despesa com pessoal seja observado.Curso de Direito Administrativo.estrategiaconcursos.

br Página 179 de . em exercícios. Percebam que a banca só fez inverter. no lugar de tempo de serviço escreveu contribuição. Cyonil Borges 208 www. ( ) Estabilidade. Assinale (3) para as características abaixo encontradas na disciplina jurídica dos detentores de emprego público. ( ) Estágio Probatório. para AFT Prof. 43) (2010/Esaf – MPOG – APO) A respeito do gênero agentes públicos. Hoje. ( ) FGTS. será posto em disponibilidade ou aproveitado em outro cargo (SE ESTÁVEL). Gabarito: alternativa C. Prof. Assinale (1) para as características abaixo presentes nas duas espécies de agentes públicos. quais sejam: aqueles que ocupam cargo público e aqueles que detêm emprego público. pode-se encontrar pelo menos duas espécies. com a volta do demitido. CTPS (3) – servidores estatutários não têm CTPS. Estágio probatório (2) – período de teste dos detentores de cargos efetivos. Alternativa E – INCORRETA.com. o servidor. E se o cargo estiver preenchido. assinale a opção que contenha a resposta correta. a) 2 / 2 / 1 / 3 / 3 b) 2 / 3 / 1 / 2 / 3 c) 3 / 2 / 1 / 3 / 2 d) 1 / 3 / 2 / 3 / 2 e) 1 / 1 / 3 / 2 / 3 Comentários: Essa foi tranquilinha. Estabelecida a correlação.estrategiaconcursos. Cyonil Borges – Aula 14 qualquer tipo de indenização. Assinale (2) para as características abaixo presentes apenas no regime que rege os ocupantes de cargo público. depois de tantas Reformas. o tempo de contribuição é contado para todos os efeitos. ( ) Carteira de Trabalho e Previdência Social.Curso de Direito Administrativo. ( ) Acesso Mediante Concurso Público. Já o tempo de serviço é contado para efeito de disponibilidade.

e) o art. 40 da CF. III.com. Estabilidade (2) – celetistas não gozam de estabilidade. em qualquer caso que exija o seu afastamento para o exercício de mandato eletivo. Nós detentores de cargos efetivos não recolhemos FGTS. d) para efeito de benefício previdenciário.) com o Poder Público não se inserem no conceito de Servidores Públicos. pelo menos aquela nos moldes dos servidores estatutários.Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges – Aula 14 Acesso mediante concurso (1) – tanto cargos. Cyonil Borges 208 www. exceto para promoção por merecimento. etc. será contado para todos os efeitos legais. em relação ao §1º. toca em todas as rádios (cai em todos os concursos). FGTS (3) – só para empregos. “a” do art. b) os requisitos de idade e de tempo de contribuição serão reduzidos em cinco anos. para AFT Prof. Esse modelo de questão é clássico da Esaf. O erro está no item “B”. ao afirmar que professores de nível superior são abrangidos pela aposentadoria diferenciada. os valores serão determinados como se em exercício estivesse. Gabarito: alternativa C. médio e fundamental. 38 da Constituição Federal estabelece que o tempo de serviço do servidor público da administração direta autárquica e fundacional. c) o art. quanto empregos são acessíveis via concurso. requisição. Prof. Comentários: Questão de reforço. em exercícios.br Página 180 de .estrategiaconcursos. para o professor que comprove exclusivamente tempo de efetivo exercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino superior. 44) (2007/Esaf – DF/PROCURADOR) No tocante aos Agentes e Servidores Públicos está incorreta a assertiva de que: a) os particulares que atuam em colaboração (por delegação. 40 da CF expressamente veda à lei o estabelecimento de qualquer forma de contagem de tempo de contribuição fictício. Gabarito: item B. A Esaf insiste em ser boazinha com nós concursandos. no caso de afastamento de servidor público para o exercício de mandato eletivo. é como se fosse uma parada de sucesso.

IV. a Esaf é banca examinadora que nos surpreende por sua imaginação aguçada. fundações. c) apenas as afirmativas III e V. Prof. acumulação ilícita de cargos.estrategiaconcursos. Vamos direto aos comentários. V. o órgão deve providenciar o desligamento imediato do servidor de seu quadro. Cyonil Borges 208 www. d) apenas as afirmativas II e V. não caracteriza acumulação ilícita de cargo público o exercício simultâneo de cargo de médico com a atividade de contador na iniciativa privada. pode-se afirmar que: I. II e IV. Abre-se. III. o prazo de dez dias de opção pelo servidor por um dos cargos. empregos ou funções públicas abrange autarquias. 133 da Lei 8.112/1990. e) apenas as afirmativas I.br Página 181 de . Comentários: Essa questão é uma verdadeira pérola. nos termos do art. desde que presente compatibilidade de horário. empregos ou funções públicas.com. independentemente da compatibilidade de horário. Cyonil Borges – Aula 14 45) (2008/Esaf – CGU – Correição) A respeito da acumulação de cargos. direta ou indiretamente pelo poder público. Item I – INCORRETO. detectada a acumulação ilícita de cargos públicos. III e V.Curso de Direito Administrativo. é ilícita a acumulação de cargo público de professor universitário de universidade federal com um emprego de vigilante em instituição financeira privada. Estão corretas as afirmativas: a) apenas as afirmativas II. primeiramente. b) apenas as afirmativas II e III. II. para AFT Prof. em exercícios. não configura acumulação ilícita o exercício simultâneo de dois cargos de professor com um cargo de médico. empresas públicas e sociedades de economia mista. inclusive suas subsidiárias e sociedades controladas. desde que ausente compatibilidade de horário para a acumulação.

da CF/1988. devemos seguir o raciocínio sem questionamentos. em exercícios.com. b) O limite de idade para a inscrição em concurso público é legítimo.br Página 182 de .Curso de Direito Administrativo. XVI. Prof. estranha. É uma situação. Costumo dizer que poucas são as verdades absolutas em provas. No presente item. apesar de sua remuneração nem sempre digna. regra geral. logo. Por isso. assinale a opção que constitui entendimento hoje sedimentado no Supremo Tribunal Federal. É o que decorre do art. quando tal limite possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. acumule tal função. situação não autorizada pela Constituição. mas apenas como exigência para a posse no referido cargo. mas apenas como exigência para a nomeação no referido cargo.estrategiaconcursos. Se o Professor quiser ter outras atividades particulares ele pode. no mínimo. 46) (2007/Esaf – TCE-GO – Procurador) No que tange a exigências estabelecidas para o provimento originário e efetivo exercício de cargo público. além de dois cargos de professor. não é ilícita. Gabarito: item B. 37. não seja Professor Universitário de Dedicação Exclusiva e a atividade particular não seja reconhecida como esporádica. não admite a acumulação de três cargos. Item IV – INCORRETO. mas. Item V – INCORRETO. em determinada hipótese. c) É aceitável. desde que. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. d) É aceitável. mas é estranho que um Professor Universitário. Cyonil Borges – Aula 14 Item II – CORRETO. Cyonil Borges 208 www. a prudência determina que sigamos. houve a acumulação de outro cargo de médico. Item III – CORRETO. obviamente. para AFT Prof. porém. quando a banca faz referência a pontos polêmicos. O texto constitucional. mas apenas como exigência para a efetiva entrada em exercício no referido cargo. Está correto conforme a banca. o estabelecimento de idade mínima do pretendente ao cargo público. em determinada hipótese. excepcionalmente. inc. a) É aceitável. Não estou a desmerecer a função de vigilante. em número de três.

7º. no máximo. ter limite de idade para o cargo de policial. dado o princípio da isonomia. para AFT Prof. Mas. tem sido muito comum em concursos atuais. que seja provido por concurso público.br Página 183 de .com. XXX. em exercícios. Cyonil Borges 208 www. Esse. diga-se de passagem. Diversos são os julgados afirmação. Cyonil Borges – Aula 14 e) É inaceitável a exigência de idade mínima do pretendente a cargo público. quando possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido. Comentários: Esta questão trata da restrição ao acesso aos cargos públicos em virtude da idade. duas últimas A primeira é quanto ao momento que o candidato deve cumprir os requisitos do cargo: no instante da inscrição do concurso ou da posse? Prof. o qual veda exigências discriminatórias ou desarrazoadas. de 40 anos. mais uma vez. a banca socorre-se do entendimento jurisprudencial do STF. o que. o entendimento de nossa Corte Constitucional: o limite de idade pode ser limitado? PODE! O que é preciso para tanto? que a natureza das atribuições do cargo justifique tal restrição. da Constituição. em. Bom. Aqui. e assunção de obrigações. então. Um exemplo hipotético: poderíamos. a limitação ao acesso a cargos públicos é regida por uma diversidade de normas. de acordo apresentada. não só constitucionais. A regra geral é que as limitações ao acesso só serão válidas se a natureza e a complexidade as exigirem.estrategiaconcursos. nas esferas civil e penal. se esse comprovadamente detém capacidade plena para o exercício de direitos. antes observações. mas também legais e infralegais. pode com a situação concreta do STF que confirmam a Corte – Súmula 683: ` O limite de idade para inscrição em concurso público só se legitima em face do art. De acordo com aquela Egrégia razoável de imediato. de finalizarmos a questão. então. responsável por missões policiais. Muitas vezes o que parece ser não ser plenamente aceitável.Curso de Direito Administrativo.

não alcança: a) o vencimento de servidor público de fundação pública estadual. b) o provento de aposentadoria de membro do Ministério Público de um Estado federado. Sinteticamente.. altura. Cyonil Borges 208 www. o estabelecimento desse requisito não constituirá discriminação ilegal. correspondente ao subsídio mensal do Ministro do Supremo Tribunal Federal. são admitidas condições mínimas de capacidade físico-mental e outros requisitos. entendeu que o prazo de três anos de atividade jurídica pode ser exigido no ato de inscrição do concurso e não no momento da posse. em tema de concurso público.Curso de Direito Administrativo. Gabarito: item B 47) (2002/Esaf – AFRF) O teto remuneratório previsto na Constituição Federal. No entanto. para AFT Prof. sexo. ao julgar a ADI 3460. no momento da inscrição. o preenchimento dos requisitos exigidos para o exercício do cargo deve ser comprovado na ocasião da posse e. não. a limitação pode ser justificada em razão da natureza das atribuições do cargo. e) a pensão devida à viúva dependente de Delegado de Polícia Federal falecido. c) o subsídio de Vereador de Câmara Municipal. d) o salário de empregado de empresa pública federal. a jurisprudência do STJ é firme no sentido de que. é clássica a lição doutrinária quanto à limitação ao acesso a cargos e a empregos públicos: se o que a Administração deseja é uma pessoa do sexo feminino para ocupar cargo de datilógrafo numa penitenciária de mulheres. em exercícios. com relação ao acesso à magistratura e aos quadros do Ministério Público. como idade. o STF. Comentários: Prof. desde que justificáveis em razão da natureza do cargo.com. No que diz respeito ao cumprimento dos requisitos do cargo. Quanto ao sexo.estrategiaconcursos.br Página 184 de . Incidência da Súmula 266/STJ. Nesse sentido. Cyonil Borges – Aula 14 A segunda relativa à limitação de acesso aos cargos em razão do sexo.. Tudo em nome do princípio da razoabilidade.

XI do art. ou seja. 48) (2008/Esaf – CGU – Desenvolvimento Institucional) Determinado concurso público.Curso de Direito Administrativo. O exercício ocorreu 15 (quinze) dias depois da posse. destinado a selecionar candidatos a cargos públicos na Administração Federal. Cyonil Borges – Aula 14 Existem questões da Esaf que nós concursandos só encontramos a resposta por eliminação. vez que realizada fora do prazo de validade do concurso. o salário de empregado de empresa pública federal nem sempre se submete ao teto. Cyonil Borges 208 www. e) A investidura não é válida. Não houve prorrogação. a) A nomeação é válida. pois dois de seus atos ocorreram após o encerramento da validade do concurso. c) A posse é nula. com prazo de validade de um ano. teve seu edital publicado em 02/01/2006. é como se o comando da questão dissesse: “procure o item mais incorreto ou o mais imperfeito” . De acordo com o inc. A posse deu-se 30 (trinta) dias depois da nomeação. assinale a única opção correta. prorrogável por igual período. isso quando for considerada independente. em exercícios. há uma que nem sempre se submeterá. respeitada a ordem de sua classificação. todas as verbas e as rubricas citadas submetem-se ao teto remuneratório. Gabarito: item D. advinha? Isso mesmo. b) A nomeação é nula. Comentários: Prof.br Página 185 de .com. temos que conviver com essas pérolas. Determinado candidato aprovado foi nomeado em 01/03/2007. 37 da CF/1988. para AFT Prof. enquanto não for editada Lei Geral dos Concursos Públicos. Baseado nos fatos acima narrados. vez que ocorrida fora do prazo de validade do concurso. O concurso foi homologado em 03/03/2006. quando não receber dinheiros para pagamento de despesas de pessoal ou de custeio. porém.estrategiaconcursos. d) A nomeação somente seria válida até 02/01/2007.

ou seja. em exercícios. c) Condenação por crime contra a Administração Pública à pena privativa de liberdade por tempo igual ou superior a um ano. O que acontece se no juízo penal o servidor absolvido? Haverá comunicação às demais instâncias? Prof. temos três instâncias. dentro do prazo de validade do concurso. a) Absolvição que não compreenda falta residual. A equipe de professores contratada deve ser do Cespe. e vice-versa. Vejamos.112/1990. Vejam que a Esaf cobrou até direito penal em prova de Direito Administrativo. tudo em sintonia com a Lei 8. sendo a partir daí contado o prazo de validade (da homologação). pois. para AFT Prof. O concurso foi homologado em 3/3/2006. o curso da ação penal não impede a instauração da administrativa. Comentário: Essa questão é uma demonstração de que as coisas podem ficar piores. a qual comporta exceção. como observado. nas provas dos anos de 2007 e de 2008. logo. daí a correção do item A. Vamos lá. 49) (2008/Esaf – CGU – Técnico) Considerando entendimento consolidado do Supremo Tribunal Federal. A nomeação deu-se em 1/3/2007.estrategiaconcursos. Cyonil Borges – Aula 14 Questão bem estrutura da Esaf. assim como a civil não fica a depender da conclusão do juízo penal. A banca. está de parabéns. assinale a opção em que a sentença penal não pode influenciar na esfera administrativa.Curso de Direito Administrativo. em 3/3/2007. vencendo. pelo que tudo indica. No entanto. b) Absolvição por inexistência do fato. A posse observou o prazo de 30 dias e o exercício o de 15 dias.com. Gabarito: item A. Cyonil Borges 208 for www. o princípio da independência entre as instâncias é a regra. a chamada interdependência. Como revisto. d) Condenação em que é aplicada pena privativa de liberdade superior a quatro anos. não houve prorrogação.br Página 186 de . sendo que o edital não fez qualquer menção a essa disciplina. sendo independentes entre si. e) Absolvição em que a autoria seja negada. portanto.

culpado.estrategiaconcursos. no essencial. o juiz criminalista deve ser o mais cuidadoso possível na condução do processo de sua competência e na aplicação da pena de sua alçada. Instaurado um processo administrativo (de natureza disciplinar. até em razão da natureza das punições administrativas. resta ao Juiz absolvê-lo. pela falta de provas cabais que levem à conclusão de aquele servidor seria. efetivamente. nas quais se poderia muito bem aplicar punições ao servidor infrator. a Administração estaria impedida de aplicar uma punição ao faltoso? NÃO. Suponhamos que haja desaparecido um computador em determinado órgão público.br Página 187 de . e. No entanto. não é todo tipo de absolvição que provoca a comunicabilidade. que é muito mais ampla. Por exemplo: adverti-lo. haja vista a relativa independência. Segundo o STF. praticamente. para AFT Prof. Isso se deve à apreciação das provas na esfera criminal. Em síntese: se na esfera criminal houve a absolvição por insuficiência de provas. vêm da esfera criminal (não há prisão por dívida/civil no Brasil. 126): “A responsabilidade administrativa do servidor será afastada no caso de absolvição criminal que negue a existência do fato ou sua autoria”. em havendo absolvição por inexistência de provas. Desse modo. até tendo em conta que as penas “capitais” em nosso país. no qual ficasse fora do alcance de pessoas mal-intencionadas. ressaltamos). Prof. o Juiz responsável absolve o potencial infrator.112/1990 (art. Em suma: é possível punição administrativa no caso de absolvição criminal por insuficiência de provas. A situação. De fato.Curso de Direito Administrativo. havendo dúvida se o servidor seria. todos são inocentes até que se prove o contrário.com. Feita a denúncia criminal e instaurado o processo judicial. ou não. que não é tão rara. não haverá comunicabilidade entre as instâncias. salvo aquele caso “bobo” que o examinador não coloca mais em prova: não pagamento de pensão alimentícia). em razão de não ter guardado o equipamento em local adequado. mais criteriosa. o culpado. Um pequeno exemplo simplifica. ocorre. em exercícios. Cyonil Borges 208 www. em benefício do réu. bem mais “leves” que as criminais. Cyonil Borges – Aula 14 Olha o que diz a Lei 8. o resultado não interferirá nas demais instâncias. por conta de dois princípios: em dúvida. Pois bem.

Item A – CORRETO. Acontece que. Itens C e D – INCORRETOS. em proveito próprio (o peculato. Itens B e E – INCORRETOS.com. o servidor pode ser demitido. Que bicho é esse de falta residual ou resíduo administrativo? É feio. Prof. deve ser declarada na sentença). portanto. Cyonil Borges – Aula 14 Outro caso de não comunicação pode ser encontrado na Súmula 18 do STF. poderá o servidor vir a perder o seu cargo (a perda não é automática. em exercícios. com outras palavras. 92 do Código Penal.112/1990. em juízo criminal.estrategiaconcursos. Daí a possibilidade de influência do juízo penal sobre o administrativo. De acordo com art. com pena igual ou acima a um ano. para crimes funcionais. ao juízo criminal não é dado se pronunciar. assim. Pela falta residual. entendeu-se pela não existência de peculato culposo. Exatamente como explicado. não foram negados o fato e a autoria. e para crimes nãofuncionais. pois. Gabarito: item A. quando culposo. É muito comum ouvirmos falar sobre a comunicabilidade em razão da absolvição penal. com base na falta residual. e não foi o caso). 126 da Lei 8. Vamos verificar os itens propostos pela Banca. o servidor poderá ser punido na esfera administrativa. não! Um exemplo pode esclarecer: servidor ‘X’ perdeu. afinal.br Página 188 de . é aquele que concorre para o peculato doloso. só não é crime. com pena acima de quatro anos. é incomum (em provas) nos depararmos com a comunicabilidade em face da condenação. imprudentemente. sobrando à esfera administrativa tratar do assunto.Curso de Direito Administrativo. veja: “pela falta residual. isso porque não é propriamente matéria administrativa. mas sim penal. quando da condenação. vultosa quantia. o fato houve. não compreendida na absolvição pelo juízo criminal. é admissível a punição administrativa do servidor público”. a qual detinha em razão do cargo. contudo. para AFT Prof. Cyonil Borges 208 www. o fato e a autoria foram comprovados na esfera administrativa. no juízo criminal. Houve o oferecimento de denúncia pelo Ministério Público pela prática do crime de peculato. No entanto. Aplicação do art.

ocupante de cargo em comissão que comete infração gravíssima. quando estáveis. Cyonil Borges – Aula 14 50) (2008/Esaf – CGU – Técnico) Correlacione as colunas a seguir indicando a penalidade correta para cada uma das seguintes situações descritas e. escolha a opção que apresente a sequência correta. têm direito à recondução. para AFT Prof.br Página 189 de . Cyonil Borges 208 www. vamos preencher os parênteses: 3 – A inabilitação em estágio probatório gera a exoneração. 1 – O cometimento de infração gravíssima é causa de aplicação de demissão. ( ) Servidor que ocupe cargo efetivo e comissionado. para servidores não estáveis. a) 3/1/3/2/4 b) 1/4/2/3/1 c) 3/1/2/4/1 d) 1/3/1/2/4 e) 4/3/2/1/1 Comentário: Exoneração é ato não punitivo. ao final. Na ordem. (1) Demissão (2) Destituição (3) Exoneração (4) Demissão com ou sem exoneração prévia do cargo em comissão ( ) Servidor em estágio probatório que resta reprovado. serve para punir o servidor em razão de ato infracional de natureza grave. ( ) Servidor efetivo que comete infração gravíssima. Prof. ( ) Servidor em estágio probatório que comete infração gravíssima.Curso de Direito Administrativo. não sancionatório.com. ( ) Servidor sem vínculo efetivo com a Administração. que comete infração gravíssima. em exercícios.estrategiaconcursos. Já a demissão tem essa qualidade. ou seja. pois.

estrategiaconcursos. Comentários: Como revisto. os cargos comissionados são os demissíveis ad nutum.112/90. notem que agora temos um servidor com vínculo e. c) A pedido do servidor. d) Quando o servidor não toma posse no prazo legal. Gabarito: item C 51) (2008/Esaf – CGU – Técnico) Assinale o tipo de exoneração que se caracteriza por encerrar um juízo de conveniência e oportunidade da Administração. para AFT Prof. pelo cometimento de infração de natureza gravíssima.br Página 190 de . Gabarito: item A 52) (2006/Esaf – ANEEL/Técnico) Correlacione as infrações disciplinares com as penalidades a ela aplicáveis e assinale a opção correta. são exonerados livremente (discricionariamente). ou seja. Nesse caso. ainda. daí a correção do item “A”. 4 – Aqui o item é o reverso do anterior. detentor de cargo comissionado. a) Exoneração ad nutum. 8.Curso de Direito Administrativo. e) Em razão da não observância do limite gasto com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal. enquanto corre o processo administrativo disciplinar. em exercícios. Cyonil Borges 208 www. 1 – Infração gravíssima. sem depender. o caminho é a demissão. (1) Demissão com incompatibilidade para nova investidura pelo prazo Prof. Cyonil Borges – Aula 14 2 – As penalidades de suspensão e de demissão não são aplicadas aos detentores exclusivos de cargos comissionados. sendo que do cargo comissionado será exonerado ou não. quando tais servidores cometerem ilícitos administrativos geradores destas penalidades. b) Decorrente de não aprovação do servidor não estável em estágio probatório. considerando os artigos 117 e 132 da Lei n. inclusive. a medida a ser aplicada é a destituição do cargo comissionado. o servidor será demitido.com. ou seja. de qualquer motivação pela autoridade competente.

Curso de Direito Administrativo.com. e de cônjuge ou companheiro. ( ) Valer-se do cargo para lograr proveito pessoal em detrimento da dignidade da função pública.valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem. aos estados e aos municípios. ( ) Atuar junto às repartições públicas como procurador de terceiros sem qualquer grau de parentesco. junto a repartições públicas. ( ) Corrupção. (2) Demissão com proibição de retorno ao serviço público federal. para AFT Prof. exceto: a) A participação em curso de formação para ingresso em outra carreira.br Página 191 de . pelo prazo de 5 (cinco) anos. incompatibiliza o ex-servidor para nova investidura em cargo público federal. necessariamente. em exercícios. em detrimento da dignidade da função pública. Cyonil Borges 208 www. não pode nunca mais ser servidor federal (efetivo ou comissionado).estrategiaconcursos. 53) (2006/Esaf – ANEEL/Técnico) São causas de suspensão do período de estágio probatório. ( ) Crime contra a Administração Pública. por infringência do art. 137. Vejam: Art. como procurador ou intermediário. Assim. a) 2/2/1/1/2 b) 1/2/1/2/1 c) 2/1/1/2/2 d) 1/1/2/2/2 e) 2/1/2/2/1 Comentários: Para esse modelo de questão. as demais hipóteses listadas impossibilitam para sempre o retorno à Administração FEDERAL. prefiro guardar os dois casos que geram a incompatibilidade de o servidor retornar para a Administração Federal no prazo de cinco anos. Prof. Cyonil Borges – Aula 14 de cinco anos. A demissão ou a destituição de cargo em comissão. salvo quando se tratar de benefícios previdenciários ou assistenciais de parentes até o segundo grau. ( ) Improbidade administrativa. Incisos IX e XI do art. 117. XI . não sendo extensivo. 117: IX .atuar. ou seja. incisos IX e XI.

com. e  participação em curso de formação. Página 192 de Prof. a alternativa “D” (o afastamento para mandato eletivo é direito também extensível aos servidores em estágio e não suspende o estágio).Curso de Direito Administrativo. Comentários: O estágio probatório ficará suspenso nos seguintes casos:  doença em pessoa da família. em exercícios. 54) (2012/ESAF – ACE) As alternativas abaixo exprimem formas de provimento derivado do servidor público. os itens “A”. restandonos. entre as alternativas. Acontece que.  afastamento do cônjuge.  atividade política. conseguimos eliminar. Cyonil Borges – Aula 14 b) O gozo de licença por motivo de doença em pessoa da família. d) O afastamento para exercício de mandato eletivo. c) O gozo de licença para atividade política. Por esse motivo. recondução. aproveitamento. Resta-nos o exame das alternativas “D” e “E”.br . Concentrem-se nessas hipóteses (de suspensão do estágio e de vedação de concessão durante o estágio). “B”. e) O gozo de licença para desempenho de mandato classista.estrategiaconcursos. de pronto. não atende o comando da questão. Gabarito: item D. assim. devemos buscar. e “C”. se é licença vedada ao servidor. Cyonil Borges 208 www. como poderia suspender ou não o estágio probatório? Ou seja. a) b) c) Readaptação e reversão por Promoção e Reintegração e invalidez cessada. pois o exercício de mandato classista é licença vedada ao servidor durante o estágio probatório. Assinale a opção em que ambos os provimentos requeiram a estabilidade como uma das condições de sua implementação.  servir em organismo internacional de que o Brasil participe ou com o qual coopere. porque são de grande incidência em todos os concursos públicos. para AFT Prof. a licença acessível durante o estágio e que não o suspende. Um candidato mais afoito seria levado a marcar o item “E”. Assim.

28. atividade. 25. Os demais requisitos desenvolvimento do servidor na promoção. a priori. obedecidos a ordem de classificação e o prazo de sua validade. Art. de 1990. Cyonil Borges 208 www. e) haja cargo vago.com. Recondução é o retorno do servidor estável ao Prof. aposentadoria estável quando d) a aposentadoria tenha ocorrido nos cinco anos anteriores à solicitação. vamos. 29.Curso de Direito Administrativo. Parágrafo único. voluntária. A reintegração é a reinvestidura do servidor estável no cargo anteriormente ocupado. Art. Cyonil Borges – Aula 14 d) Promoção e e) Reversão por invalidez cessada e recondução. com ressarcimento de todas as vantagens.112. Readaptação é a investidura do servidor em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade física ou mental verificada em inspeção médica. A nomeação para cargo de carreira ou cargo isolado de provimento efetivo depende de prévia habilitação em concurso público de provas ou de provas e títulos. para o ingresso e o carreira. Reversão é o retorno à atividade de servidor aposentado: I . Para a presente questão. 10. ou da administração. Comentários: recondução. 24. serão estabelecidos pela lei do sistema de carreira na Administração regulamentos. quando invalidada a sua demissão por decisão administrativa ou judicial. em exercícios. mediante que fixar as diretrizes Pública Federal e seus Art. Art.estrategiaconcursos. ou no cargo resultante de sua transformação. para AFT Prof. a sido na desde que: interesse tenha solicitado tenha reversão.por invalidez. fazer a leitura das definições contidas na Lei 8. insubsistentes os II a) b) c) a no quando junta médica oficial declarar motivos da aposentadoria.br Página 193 de . Vejamos: Art.

são eles: Advocacia Geral da União. em exercícios. nesse caso. reversão por invalidez cessada [não confundir. O retorno à atividade de servidor em disponibilidade far-se-á mediante aproveitamento obrigatório em cargo de atribuições e vencimentos compatíveis com o anteriormente ocupado. Esta espécie remuneratória. Assim. d) os responsáveis pela atividade de magistério em entidades públicas de ensino superior. chegamos à alternativa D.br Página 194 de . promoção aplicam-se. de o servidor ser ou não estável. Polícias Civis. Distrital ou Municipal. No caso. servidores da Polícia Federal. Comentários: O subsídio é a espécie remuneratória a ser paga em parcela única obrigatoriamente aos detentores de mandato eletivo. Defensoria Pública. e) os defensores públicos. Estadual. bem como a outros agentes políticos (Membros da Magistratura. Chegamos. Cyonil Borges 208 www. c) os membros dos Corpos de Bombeiros Militares. 55) (2012/ESAF – MIN) Não há exigência constitucional a que recebam por meio de subsídio a) os detentores de mandato eletivo. Ministério Público e de Tribunais de Contas. Ministros de Estado. afastamos as alternativas "B". Polícia Rodoviária Federal.com. O regime de subsídio é extensível para servidores públicos integrantes de carreiras específicas. Portanto. é de adoção facultativa para os servidores organizados em carreira. e esta (descanso remunerado proporcionalmente ao tempo de serviço) é específica para os servidores estáveis. independentemente.Curso de Direito Administrativo. é condição ser servidor estável]. 30. conforme o caso. afastamos a alternativa A. Por sua vez. no entanto. se a atividade de Prof. pois.estrategiaconcursos. Assim. Procuradoria Geral da Fazenda Nacional. b) os policiais ferroviários federais. à alternativa C ("reintegração e recondução"). Procuradorias dos Estados e do DF. Cyonil Borges – Aula 14 cargo anteriormente ocupado e decorrerá de: Art. para AFT Prof. assim. "C" e "E". Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares. desde que assim disponha Lei Federal. A readaptação. por favor. Secretários Estaduais e Municipais). o aproveitamento é o retorno do servidor em disponibilidade. com a reversão a pedido.

além dos vencimentos. em sentido amplo. Comentários: Excelente questão. a partir da redação atual de nossa Constituição Federal.) e às vantagens pessoais (. como regra. Abaixo. os proventos. b) remuneração em sentido amplo e salário. c) subsídios. A remuneração.) e em (b2) salário. em exercícios. A remuneração. a síntese do autor: O sistema remuneratório ou a remuneração em sentido amplo da Administração direta ou indireta para os servidores da ativa corresponde as seguintes modalidades: (a) subsídio. Vencimentos. é facultativo o 56) (2012/ESAF – MIN) Em sentido amplo. Cyonil Borges – Aula 14 magistério for organizada estabelecimento de subsídio. proventos e salário. abrange. salário. Hely Lopes apresenta que o sistema de remuneração em sentido amplo é dividido em remuneração em sentido estrito e subsídio... em sentido estrito. Os subsídios espécie remuneratória paga a determinados agentes públicos (exemplo dos membros de Poder) e em parcela única. vencimentos e subsídios. constituído de parcela única e pertinente. em carreira.com. Cyonil Borges 208 www. Opa! Já encontramos. vencimentos. para boa parte da doutrina. (b1) vencimentos. vencimentos e salário.Curso de Direito Administrativo. é possível reconhecer apenas as seguintes espécies remuneratórias aos servidores (em sentido amplo) na ativa: a) vencimentos. remuneração em sentido estrito e salário. para AFT Prof. subsídio. aos agentes políticos.. No caso. Prontos? O primeiro detalhe é o de que o enunciado se refere aos servidores na ativa. ficamos entre as alternativas "A" a "C". que corresponde ao vencimento (. Os proventos são pagos aos servidores inativos. e) subsídios. Com isso. Avancemos. aos aposentados e aos servidores públicos em disponibilidade remunerada. Prof. também.estrategiaconcursos. corresponde ao vencimento (parcela básica fixada em lei) e as vantagens pecuniárias.. afastamos as alternativas "D" e "E". é sinônimo para remuneração em sentido estrito.br Página 195 de . d) proventos. pago aos empregados públicos na Administração direta e indireta regidos pela CLT.

para AFT Prof. e) O regime jurídico dos servidores contratados por tempo determinado é o trabalhista. na visão do STF. detentores de cargos efetivos. membros de Poder e agentes policiais. 57) (2012/ESAF – CGU) Acerca da contratação temporária. O salário é a espécie remuneratória paga aos empregados públicos. 37 da CF e a Lei 8. pagas em parcela única. contempla as espécies remuneratórias pagas aos servidores na ativa: subsídios. A letra C [nossa resposta]. Vamos analisar os demais itens. a organizadora citou vencimentos. que. A remuneração em sentido amplo não é a espécie. remuneração em sentido estrito e salário. essencialmente. O soldo é pago aos militares. a banca citou "remuneração em sentido amplo e salário". Comentários: Questão que se deve fundamentar. assinale a opção incorreta. finalmente. os subsídios. Prof. pode ser inferior ao salário-mínimo.com. b) A discussão da relação de emprego entre o contratado temporário e a Administração Pública deve se dar na justiça comum. em exercícios.br Página 196 de . vencimentos e salário. Na letra B. d) O requisito da temporariedade deve estar presente na situação de necessidade pública e não na atividade para a qual se contrata. nas normas regentes da matéria: o inc. Cyonil Borges – Aula 14 Os subsídios são espécies remuneratórias. comporta as espécies subsídios. IX do art. refere-se sim ao gênero.estrategiaconcursos. por exemplo. a determinados agentes públicos. vencimentos e salário. ainda. O erro é que remuneração em sentido estrito se confunde com vencimentos. exemplo dos recrutas.745/1993. entre as espécies. que. Cyonil Borges 208 www. c) Nem sempre é exigido processo seletivo simplificado prévio para a efetivação da contratação temporária. por sua vez.Curso de Direito Administrativo. E. como. Na letra A. a) O regime de previdência aplicável aos contratados temporários é o Regime Geral da Previdência Social − RGPS. destacam-se. Os vencimentos (vencimento + vantagens permanentes + vantagens transitórias) é espécie remuneratória paga aos servidores estatutários.

a ele vinculados por típica relação de ordem estatutária ou de caráter jurídico-administrativo. deu-se por conta do seguinte julgado do STF: Rcl 4. Contrato temporário. a competência é da Justiça FEDERAL.Servidores públicos. não ocupando cargo ou emprego público. Vamos resolver a questão. na competência da Justiça do Trabalho. Incompetência. então.ANATEL. que é a estadual. caso o examinador houvesse mencionado que havia um MUNICÍPIO no caso. Vejamos. Daí. 114 da CF (na redação da EC 45/2004) que inserisse.395. no mais das vezes. Regime jurídico administrativo. nos moldes do inciso XXIII do art. a causa envolvia um MUNICÍPIO (Montividiu.472/1997 e do inciso IX do art.Letra A: CORRETA. As contratações temporárias para suprir os serviços públicos estão no âmbito de relação jurídico-administrativa. Incompetência da Justiça Trabalhista para o processamento e o julgamento das causas que envolvam o poder público e servidores que sejam vinculados a ele por relação jurídico-administrativa. já que. de fato. Regime temporário. Ocorre que o item é dúbio. 19 da Lei 9. Esse foi o gabarito PRELIMINAR do examinador. . ok? Já adianto que antevejo POSSIBILIDADE de recurso nesta questão. Precedentes. atentos para o fato de que o examinador demanda o INCORRETO. para que alguém seja filiado ao Regime Próprio de Previdência Social deve ser ocupante de cargo efetivo. 37 da Constituição da República. Descumprimento da ADI 3. suscitando. Os regimes de previdência são obrigatórios. no meu entender. este Supremo Tribunal suspendeu toda e qualquer interpretação do inciso I do art. Ocorre que. no caso dos temporários contratados pela UNIÃO. Competência da Justiça Federal. cabe argumentar em desfavor da questão.872 .395-MC/DF. Justiça do Trabalho.Curso de Direito Administrativo. provavelmente.br Página 197 de .171 "Agência Nacional de Telecomunicações . no caso concreto." Então. o que não acontece no caso dos temporários. fundamentando o recurso no julgado exposto.estrategiaconcursos. já que estes desempenham FUNÇÃO em razão de necessidade temporária de interesse público. No julgamento da ADI 3.com. . a Prof. Cyonil Borges 208 www. a apreciação de causas instauradas entre o Poder Público e seus servidores. sendo competente para dirimir os conflitos a Justiça comum e não a Justiça especializada. Entretanto.Letra B: CORRETA. em exercícios. Contrato firmado entre a Anatel e a interessada tem natureza jurídica temporária e submete-se ao regime jurídico administrativo. Cyonil Borges – Aula 14 basicamente. Isso. Veja o julgado do STF abaixo: Rcl 5. em Goiás). haveria competência da Justiça que a doutrina chama de "comum". para AFT Prof. por determinações de diversas normas (a começar pela CF).

Letra E: INCORRETA. em exercícios. Veja. entendo que cabe recurso na questão. IX do art. Daí. pois nem sempre o processo seletivo deve ser realizado para a contratação temporária (leia o parágrafo § 2º novamente). pleitear a anulação. então.Letra D: CORRETA. nos termos desta Lei.estrategiaconcursos. o item está ERRADO. inclusive através do Diário Oficial da União. da ampla defesa e do contraditório na apuração da falta funcional cometida pelo agente. Contudo. 3º O recrutamento do pessoal a ser contratado. que a NECESSIDADE é temporária. os temporários desempenham FUNÇÃO. de emergência ambiental e de emergências em saúde pública prescindirá de processo seletivo. Na realidade. De fato. O item está CORRETO. como a letra B também é duvidosa. para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 formulação pouco esclarecedora. d) Compete ao Poder Judiciário. literalmente.745/1993 no dispositivo abaixo: Art. c) Inexiste determinação legal no sentido de que tenha o servidor. que está CORRETO. em processo administrativo disciplinar. . prescindindo de concurso público. Veja o que diz a CF no inc. apreciar a regularidade do procedimento. de fato. Veja o que diz a Lei 8.Letra C: CORRETA. direito de recorrer de peça opinativa. a) Não há que se falar em nulidade do processo administrativo disciplinar ou do ato de demissão quando observados pela Administração Pública todos os princípios constitucionais do devido processo legal. no âmbito do controle do processo administrativo disciplinar.a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. que a CF cita. . § 1o A contratação para atender às necessidades decorrentes de calamidade pública. sob pena de cerceamento de defesa. tal qual diz o item. 58) (2012/ESAF – CGU) Assinale a opção que não está em consonância com o entendimento majoritário do STJ. em razão de necessidade temporária de interesse público. será feito mediante processo seletivo simplificado sujeito a ampla divulgação. . Prof. Não são regidos pela CLT. portanto.Curso de Direito Administrativo.br Página 198 de . b) O servidor indiciado deverá ser intimado pessoalmente do relatório final elaborado pela comissão processante. 37 a respeito da contratação temporária: IX .com. Cyonil Borges 208 www. Temporários não ocupam emprego.

Prof.112/1990: Art. Entretanto. O relatório é resultado final dos trabalhos da comissão responsável pela apuração das irregularidades. Perceba que. o STJ. em um processo disciplinar. . para AFT Prof. o item está INCORRETO. na letra E. Cyonil Borges 208 www.112/1990 não demanda que o servidor seja intimado do relatório. e) os que tiverem sido nomeados e empossados em caráter efetivo. Comentários: Questão maldosa.br Página 199 de . . b) os ocupantes de cargos nas autarquias públicas. Por isso. nada impede que ele seja punido administrativamente. em exercícios.Letra A: CORRETA. Cyonil Borges – Aula 14 ex vi dos princípios do devido processo legal. Por isso.Letra B: INCORRETA [gabarito preliminar]. d) os ocupantes de cargo de provimento em comissão.para que uma sanção possa ser aplicada. De fato. ampla defesa e devido processo legal). A responsabilidade administrativa do servidor será afastada no caso de absolvição criminal que negue a existência do fato ou sua autoria. de 11 de dezembro de 1990. do contraditório e da ampla defesa. Mas vamos lá. quando o servidor é absolvido por insuficiência de provas. em razão da irregularidade em razão da qual fora absolvido na esfera criminal. devem ser observados o contraditório e a ampla defesa. 59) (2012/ESAF – CGU) Para os efeitos da Lei n. . 126. . 8. Decorrência do que a CF estabelece (contraditório.estrategiaconcursos. Tudo em conformidade com o devido processo legal. não são servidores públicos a) os que se sujeitam ao regime jurídico estatutário. infelizmente. Veja o que diz a Lei 8.Curso de Direito Administrativo. a banca faz alusão à sentença anulatória e não absolutória. E nem sempre temos tempo de acompanhar as decisões daquele Tribunal. O item é autoexplicativo .Letra E: INCORRETA. está correto. o que provocou a anulação da questão.Letra C: CORRETA. a Lei não fala de possibilidade de recurso de ato opinativo. tentando resolver a questão com base nos aprendizados que constam dos bons textos para concursos. pois envolve. . e) A sentença penal anulatória somente produz efeitos na esfera administrativa quando o provimento reconheça a não ocorrência do fato ou a negativa de autoria.Letra D: CORRETA.112. especificamente.com. c) os funcionários das empresas públicas. a Lei 8. Consequentemente.

portanto. o gabarito invertido. Nos termos do art. 45. exceto os contratados por prazo determinado. São servidores.112. de 1990. de 1990. sendo o vencimento. 60) (2012/ESAF – CGU) Quanto ao sistema remuneratório do servidor público.711. Cyonil Borges – Aula 14 Comentários: Questão relativamente simples. é irredutível. no caso para a letra C. b) Remuneração é o vencimento do cargo efetivo. aprovada pelo Decreto-Lei nº 5. portanto. a nomeação far-se-á em caráter efetivo (cargos isolados ou em carreira) e em comissão (cargos de confiança de livre escolha e exoneração). os servidores civis da União. não sendo regidos. d) Nenhum servidor receberá remuneração inferior ao salário mínimo. cujos contratos não poderão ser prorrogados após o vencimento do prazo de prorrogação. Isso mesmo.112. de 1990. 243. e das fundações públicas. regidos pela Lei nº 1. acrescido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei. para fins da Lei 8. a remuneração e os proventos do servidor público impenhoráveis. de 1o de maio de 1943.Curso de Direito Administrativo. também. Salvo por imposição legal. com valor fixado em lei. das autarquias. a) Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público. Comentários: A resposta é letra E. de 1990 Art. na qualidade de servidores públicos. Lei 8. os servidores dos Poderes da União. c) O vencimento do cargo efetivo. ou pela Consolidação das Leis do Trabalho. 9º da Lei 8. Inversões de Gabarito. ou mandado judicial. promovido pela ESAF. das autarquias e fundações públicas.452.112. o gabarito preliminar da banca foi a letra "B" [ocupantes de cargos em autarquias públicas]. de 28 de outubro de 1952 . Ficam submetidos ao regime jurídico instituído por esta Lei.com. para AFT Prof. Essa questão teve.br Página 200 de . e) Em nenhuma hipótese poderá haver consignação em folha de pagamento a favor de terceiros. Antes de apontar a resposta. dos ex-Territórios.estrategiaconcursos. acrescido das vantagens de caráter permanente. Curiosamente. Prof. vejamos a abrangência da Lei: Art. houve a alteração de mais de cinco gabaritos. afinal os funcionários das empresas públicas são celetistas. pela Lei 8. Cyonil Borges 208 www. em exercícios.112. assinale a opção incorreta. nenhum desconto incidirá sobre a remuneração ou provento. inclusive as em regime especial.Estatuto dos Funcionários Públicos Civis da União. No último concurso do MDIC (2012).

§ 3o O vencimento do cargo efetivo. 41. perigosas ou penosas. exceto a) adicional pelo exercício de atividades insalubres.br Página 201 de . Vejamos. Sem ser chato. 41. no enunciado. de 1990. Cyonil Borges 208 www. é irredutível. em exercícios. Remuneração é o vencimento do cargo efetivo. são servidores e podem receber valores inferiores ao saláriomínimo.Curso de Direito Administrativo. c) adicional noturno. Remuneração é o vencimento do cargo efetivo. o STF. No RE 570. Acontece que.112. Cyonil Borges – Aula 14 Parágrafo único. Explico. poderá haver consignação em folha de pagamento a favor de terceiros. Mediante autorização do servidor. para AFT Prof. a banca não se refere à Lei 8. com valor fixado em lei.com. acrescido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei. Não há qualquer erro da questão tomando-se por base a Lei 8. a critério da administração e com reposição de custos. acrescido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei. Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público. conforme requisitos estabelecidos em lei. Letra D Art.112. 40. acrescido das vantagens de caráter permanente. Prof. Remuneração é o vencimento do cargo efetivo. na forma definida em regulamento. demais itens estão corretos. em decisão com repercussão geral.177. § 5o Nenhum servidor receberá remuneração inferior ao salário mínimo. de 1990. 41. fixou que os recrutas (servidores militares) não são protegidos pela regra de que o pagamento não pode ser em valor inferior ao salário-mínimo. Letra B Art. Letra C Art. Fica aqui a crítica. b) fundo de garantia do tempo de serviço. acrescido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei. a questão tem um "probleminha". 61) (2012/ESAF – CGU) São direitos deferidos aos servidores públicos federais. Os Letra A Art. o que nos permite inferências que extravasam o conteúdo do Estatuto dos Servidores Públicos Civis da União.estrategiaconcursos. além do vencimento e das vantagens. Enfim.

com. Comentários: Questão enorme. José informou que o tinha levado para analisar em sua casa e ainda não o havia trazido de volta à repartição. VIII .adicional de férias. Na reincidência da falta apresentada. c) Demissão. IX . Comentários: Suficiente a leitura do art. em exercícios. Cyonil Borges – Aula 14 d) gratificação natalina. José foi novamente provocado a apresentar documento público sob sua guarda. ele respondeu à sua chefia não possuir. VII .retribuição pelo exercício de função de direção. o documento por tê-lo retirado da repartição. Daí a correção da alternativa B [FGTS].adicional pelo exercício de atividades insalubres.adicional noturno. e) gratificação por encargo de curso ou concurso. chefia e assessoramento. d) Destituição de cargo e) Exoneração. II . Prof. foi merecedor de inversão para letra "B".112.gratificação por encargo de curso ou concurso. V .Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges 208 www. gratificações e adicionais: I . A autoridade competente aplicou-lhe a penalidade cabível nos termos da lei. 61. a penalidade disciplinar a ser corretamente aplicada a José será: a) Advertência. perigosas ou penosas.br Página 202 de . VI .estrategiaconcursos. posteriormente à referida aplicação de penalidade. serão deferidos aos servidores as seguintes retribuições. Vejamos: Art. 61 da Lei 8. Mais uma vez.outros. b) Suspensão. por estar incorreto.adicional pela prestação de serviço extraordinário. mas super tranquila! em comissão. sem que fosse ocupante de cargo efetivo. Além do vencimento e das vantagens previstas nesta Lei. Certo dia. de 1990. Numa outra oportunidade. O gabarito preliminar da ilustre banca foi letra D. ao ser questionado pela sua chefia sobre documento público que estava sob sua responsabilidade. para AFT Prof. 62) (2012/ESAF – CGU) José foi nomeado para o exercício de cargo em comissão em órgão da Administração Pública Federal direta. naquele momento. IV .gratificação natalina. Logicamente. relativos ao local ou à natureza do trabalho.

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 O inc. II do art. 117 da Lei 8.112, de 1990, dispõe ser proibido ao servidor retirar, sem prévia anuência da autoridade competente, qualquer documento ou objeto da repartição. Referida conduta é punida com advertência. A reincidência em advertência acarreta a penalidade de suspensão. Assim, o candidato afoito marcaria a alternativa "B", e, voilà, lascarse-ia! Perceba que José não é detentor de cargo efetivo, foi nomeado exclusivamente para o exercício de cargo comissionado. Nos termos do art. 135 da Lei 8.112, de 1990, no caso de infração sujeita às penalidades de suspensão e de demissão, será aplicada a penalidade de destituição de cargo em comissão, daí a correção da letra D. Referência legislativa: Lei 8.112, de 1990 Art. 129. A advertência será aplicada por escrito, nos casos de violação de proibição constante do art. 117, incisos I a VIII e XIX, e de inobservância de dever funcional previsto em lei, regulamentação ou norma interna, que não justifique imposição de penalidade mais grave. (Redação dada pela Lei nº 9.527, de 10.12.97) Art. 130. A suspensão será aplicada em caso de reincidência das faltas punidas com advertência e de violação das demais proibições que não tipifiquem infração sujeita a penalidade de demissão, não podendo exceder de 90 (noventa) dias. Art. 135. A destituição de cargo em comissão exercido por não ocupante de cargo efetivo será aplicada nos casos de infração sujeita às penalidades de suspensão e de demissão. 63) (2012/ESAF – PFN) No que se refere ao chamado Regime Jurídico Único, atinente aos servidores públicos federais, é correto afirmar que: a) tal regime nunca pôde ser aplicado a estatais, sendo característico apenas da Administração direta. b) tal regime, a partir de uma emenda à Constituição Federal de 1988, passou a ser obrigatório também para as autarquias. c) consoante decisão exarada pelo Supremo Tribunal Federal, a obrigatoriedade de adoção de tal regime não mais subsiste, tendo-se extinguido com a chamada Reforma Administrativa do Estado Brasileiro, realizada por meio de emenda constitucional. d) tal regime sempre foi aplicável também às autarquias.
Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 203 de

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 e) tal regime, que deixou de ser obrigatório a partir de determinada emenda constitucional, passou a novamente ser impositivo, a partir de decisão liminar do Supremo Tribunal Federal com efeitos ex nunc. Comentários: A resposta é letra E. Na ADI 2135, o STF, em julgamento em sede cautelar, suspendeu a eficácia do caput do art. 39 da CF, na redação dada pela EC 19/1998, com efeitos ex nunc, subsistindo a legislação editada nos termos da emenda declarada suspensa. Com a EC 19, de 1998, deixou de ser obrigatório o Regime Jurídico Único (RJU). Com a ADI 2135, o efeito prático é que voltou a vigorar a antiga legislação, que previa a obrigatoriedade de regime jurídico único. Logo a Administração Direta e Indireta de Direito Público (aqui incluídas as autarquias e fundações públicas de direito público) devem admitir seus servidores pelo Regime Estatutário. Na esfera federal, vigora a Lei 8.112, de 1990. Referência jurisprudencial: A matéria votada em destaque na Câmara dos Deputados no DVS 9 não foi aprovada em primeiro turno, pois obteve apenas 298 votos e não os 308 necessários. Manteve-se, assim, o então vigente caput do art. 39, que tratava do regime jurídico único, incompatível com a figura do emprego público. O deslocamento do texto do § 2º do art. 39, nos termos do substitutivo aprovado, para o caput desse mesmo dispositivo representou, assim, uma tentativa de superar a não aprovação do DVS 9 e evitar a permanência do regime jurídico único previsto na redação original suprimida, circunstância que permitiu a implementação do contrato de emprego público ainda que à revelia da regra constitucional que exige o quorum de três quintos para aprovação de qualquer mudança constitucional. Pedido de medida cautelar deferido, dessa forma, quanto ao caput do art. 39 da CF, ressalvando-se, em decorrência dos efeitos ex nunc da decisão, a subsistência, até o julgamento definitivo da ação, da validade dos atos anteriormente praticados com base em legislações eventualmente editadas durante a vigência do dispositivo ora suspenso. (...) Vícios formais e materiais dos demais dispositivos constitucionais impugnados, todos oriundos da EC 19/1998, aparentemente inexistentes ante a constatação de que as mudanças de redação promovidas no curso do processo legislativo não alteraram substancialmente o sentido das proposições ao final aprovadas e de que não há direito
Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 204 de

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 adquirido à manutenção de regime jurídico anterior. (ADI 2.135-MC, Rel. p/ o ac. Min. Ellen Gracie, julgamento em 2-82007, Plenário, DJE de 7-3-2008.) 64) (2012/ESAF – PFN) No que se refere ao direito de petição, consoante previsto na Lei n. 8.112, de 1990, assinale a opção correta. a) As normas que tratavam de tal direito especificamente no Estatuto do Servidor Público Federal encontram-se revogadas. b) O servidor demitido tem 120 (cento e vinte) dias para requerer a revisão do ato demissório, sob pena de preclusão administrativa. c) Os recursos administrativos deverão ser dirigidos à autoridade que proferiu a decisão, que os encaminharão à autoridade superior, caso não reconsidere sua decisão. d) Os recursos interpostos têm efeito suspensivo, razão pela qual interrompem a prescrição. e) Admite-se, excepcionalmente, a prorrogação do prazo para o exercício do recurso administrativo. Comentários: A resposta é letra E. As regras básicas sobre o direito de petição vêm estabelecidas nos arts. 104 a 115 da Lei 8.112, de 1990. É assegurado ao servidor o direito de requerer aos Poderes Públicos, em defesa de direito ou interesse legítimo. No caso, o requerimento será dirigido à autoridade competente para decidi-lo e encaminhado por intermédio daquela a que estiver imediatamente subordinado o requerente. Para o exercício do direito de petição, é assegurada vista do processo ou documento, na repartição, ao servidor ou a procurador por ele constituído. Nos termos do art. 106 da Lei, cabe pedido de reconsideração à autoridade que houver expedido o ato ou proferido a primeira decisão, não podendo ser renovado. O requerimento e o pedido de reconsideração de que tratam os artigos anteriores deverão ser despachados no prazo de 5 dias e decididos dentro de 30 dias. Além do pedido de reconsideração, a Lei admite a interposição de recursos, no prazo de 30 dias, com interrupção de prescrição, a contar da publicação ou ciência, nos seguintes casos:

Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 205 de

Curso de Direito Administrativo, em exercícios, para AFT Prof. Cyonil Borges – Aula 14 I - do indeferimento do pedido de reconsideração; II - das decisões sobre os recursos sucessivamente interpostos. O recurso - que poderá ser recebido com efeito suspensivo - será dirigido, por intermédio da autoridade a que o requerente estiver subordinado, à autoridade imediatamente superior à que tiver expedido o ato ou proferido a decisão, e, sucessivamente, em escala ascendente, às demais autoridades. E, em caso de provimento, os efeitos da decisão retroagirão à data do ato impugnado. No entanto, registro que há prazo para requerer, sob pena de prescrição. Nos termos do art. 110, o direito de requerer prescreve: I - em 5 anos, quanto aos atos de aposentadoria ou disponibilidade, patrimonial e créditos resultantes II - em 120 dias, nos demais casos, fixado em lei. demissão e de cassação de ou que afetem interesse das relações de trabalho; salvo quando outro prazo for

Por fim, são fatais e improrrogáveis os prazos, salvo motivo de força maior. Daí, inclusive, a correção da letra E. As demais alternativas estão incorretas. Na letra A, não houve revogação das normas que tratam do direito de petição. Na letra B, o prazo é de cinco anos para requerer a revisão do ato demissório. Na letra C, a banca confundiu o candidato com o art. 56 da Lei 9.784, de 1999. Vejamos: Art. 56. Das decisões administrativas cabe recurso, em face de razões de legalidade e de mérito. § 1o O recurso será dirigido à autoridade que proferiu a decisão, a qual, se não a reconsiderar no prazo de cinco dias, o encaminhará à autoridade superior. Na letra D, os recursos interpostos podem ter efeito suspensivo, a critério da autoridade. 65) (2012/ESAF – PFN) Sobre a públicos, assinale a opção correta. acumulação de cargos

a) Admite-se, excepcionalmente, que o servidor tenha exercício simultâneo em mais de um cargo em comissão.
Prof. Cyonil Borges 208

www.estrategiaconcursos.com.br

Página 206 de

9. nem ser remunerado pela participação em órgão de deliberação coletiva. Na letra C. de 1990. em outro cargo de confiança. Comentários: A resposta é letra A. d) A legislação pátria não admite que o servidor que acumule dois cargos efetivos possa investir-se de cargo de provimento em comissão.) Parágrafo único. o inc. a proibição de acumular não se estende à acumulação de proventos da inatividade com a percepção de vencimentos na ativa.br Página 207 de . e sociedades controladas. É o que chamamos de interinidade. Cyonil Borges 208 A nomeação far-se-á: www. exceto no caso previsto no parágrafo único do art. 9º (. fundações. c) Via de regra. interinamente. Nesse caso. 119 da Lei 8. ficará afastado de ambos os cargos Prof.com. e) Como regra. empresas públicas. dispõe que o servidor não poderá ser remunerado pela participação em órgão de deliberação coletiva. direta ou indiretamente. O servidor não poderá exercer mais de um cargo em comissão. XVII do art.estrategiaconcursos. suas subsidiárias. 119.112.. o art. quando investido em cargo de provimento em comissão. acumule dois cargos efetivos. hipótese em que deverá optar pela remuneração de um deles durante o período da interinidade. em exercícios. o art. Vejamos: Art. 120 da Lei 8. sociedades de economia mista. 37 da CF.Curso de Direito Administrativo. para AFT Prof. de 1988. o servidor pode ser remunerado pela participação em órgãos de deliberação coletiva.. Na letra D. pelo poder público. admite que o servidor. As demais alternativas estão incorretas. sem prejuízo das atribuições do que atualmente ocupa. de 1990. Na letra B. Cyonil Borges – Aula 14 b) A proibição de acumular não se estende a funções em estatais vinculadas a outro ente da Federação. Vejamos: Art. O servidor ocupante de cargo em comissão ou de natureza especial poderá ser nomeado para ter exercício. desde que haja compatibilidade de horários.112. dispõe que a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange autarquias.

Vejamos: Art.. de regra.Curso de Direito Administrativo. Cyonil Borges – Aula 14 efetivos. Cyonil Borges 208 www. 40 ou dos arts. a percepção simultânea. salvo na hipótese em que houver compatibilidade de horário e local com o exercício de um deles. os cargos eletivos e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e exoneração. (. 42 e 142 com a remuneração de cargo.. é vedada. para AFT Prof..) Prof.com. Na letra E. em exercícios. emprego ou função pública.. (. declarada pelas autoridades máximas dos órgãos ou entidades envolvidos.) § 10.estrategiaconcursos.br Página 208 de . É vedada a percepção simultânea de proventos de aposentadoria decorrentes do art. 37. ressalvados os cargos acumuláveis na forma desta Constituição.