You are on page 1of 15

INSTITUTO CENECISTA DE ENSINO SUPERIOR DE SANTO ÂNGELO

CURSO DE BIOMEDICINA

ALAN NORO KUHN

ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA POLÍCIA FORENSE

Santo Ângelo 2010 ALAN NORO KUHN ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA POÍCIA FORENSE .

...........................ª Lisiane Fachinetto Santo Ângelo 2010 Sumário Sumário... 6 1........................................ 8 ........................ IESA 2010 Orientadora: Prof................... TEMA.....Projeto de pesquisa apresentado à disciplina de Metodologia científica aplicada à saúde do Segundo Bimestre do curso de Biomedicina..................................................................................................................

...........................2 ANÁLISE DE DNA............................ DELIMITAÇÃO..... 8 3.................................................... 8 3...............................................................................................................................3 EXAMES TOXICOLÓGICOS..............13 REFERÊNCIAS............... 13 5.............................................................................................9 Análise de DNA...................... 9 Análises toxicológicas ......................................... 8 4..........................1-Objetivo Geral.............. JUSTIFICATIVA...................................................................................................................................................................................................................... 17 .................. 10 5................................................2.....................................................................................2-Objetivos específicos.................................. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA......... OBJETIVOS......................... 8 3.................................................................................................................................................. 17 CONCLUSÃO. 8 5........................................................................................................................................................... 12 REFERÊNCIAS.............................................

demonstrar como a Biomedicina. ou para desvendar casos em que a polícia forense é responsável por coleta de provas para serem apresentadas em júri. .1-Objetivo Geral Pesquisar quais são os exames laboratoriais realizados pelo Biomédico na polícia forense. OBJETIVOS 3. através da análise do DNA e análises toxicológicas. DELIMITAÇÃO Quais exames laboratoriais são feitos pelo Biomédico na polícia forense? 3. JUSTIFICATIVA Esta pesquisa bibliográfica tem como objetivo. 2. 3. 4. • Avaliar alguns dos exames toxicológicos utilizados na polícia forense como métodos de determinar a concentração de álcool etílico. TEMA Biomedicina na polícia forense.2-Objetivos específicos • Apresentar a atuação do biomédico na realizações de análises de DNA na polícia forense.PROJETO DE PESQUISA 1. pode ser decisiva na decisão de um juiz em um julgamento de um criminoso.

instrumentos e pessoas. . balística. Atualmente os biomédicos que fazem estas análises podem identificar desde a cor do cabelo até prever a cor de sua pele e suas características faciais em um tempo consideravelmente curto. reconstituições. refaz o mecanismo do crime para saber o que ocorreu. Envolvem uma vasta equipa de analistas e cientistas. fornecendo provas técnicas sobre locais. ou prova pericial. engenharia. o processo tem sido melhorado e modernizado. pesquisas e experiências no campo da Criminalística. coisas. Ela é especializada em produzir a prova técnica. estuda o corpo ou objeto envolvido no delito. por meio da análise científica de vestígios produzidos e deixados durante a prática de delitos. quando há suspeitas que não houve morte natural. para a instrução de processos criminais. ações conjuntas e implementa políticas de atendimento à população. objetos. entre outras coisas. impressões latentes. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Análise de DNA O primeiro caso em que foram utilizadas amostras de DNA na solução de um crime foi ocorrer pela primeira vez somente em 1986. documentoscopia. O Biomédico. fonética. na perícia criminal. compete a realização de exames periciais. Deste momento em diante. 5. levantamentos topofotográficos e papiloscópicos nos locais de crime e em sinistros envolvendo patrimônio público. examina o local onde ocorreu o delito e efetua exames laboratoriais. A polícia Forense é a entidade que visa aplicar técnicas científicas dentro de um processo legal. que analisa minuciosamente todos os vestígios deixados no local do crime e as marcas deixadas no corpo da vítima. o Biomédico devera trabalhar na polícia forense.Para que isso seja possível. no assassinato de duas garotas e Leicestershire. Têm por atribuição auxiliar a Justiça. dos quais incluem a informática. Aos Institutos de Criminalística. Ela também edita normas. dirigidos por Peritos Criminais. na Inglaterra. ou polícia científica.

a toxicologia forense limitava-se a estabelecer a origem de determinada substância química utilizada em determinado delito. dando aos peritos. ou PCR. a Toxicologia Forense e a Toxicologia Social. Através de modernas técnicas forenses alguns casos acontecidos em 1950. combina procedimentos da química analítica e da toxicologia geral. Os chamados “casos frios” estão sendo reabertos e investigados. Ao longo da história da humanidade as drogas e fármacos foram usados em razão de seus efeitos benéficos e desejados. o campo de atuação é mais abrangente. estão sendo solucionados. utiliza a forma como o DNA cria cópias de si mesmo. Este avanço na tecnologia genética tem ajudado também na resolução de casos que permaneciam sem solução há anos. até circunstâncias próprias de saúde pública. Análises toxicológicas A toxicologia é a ciência que estuda os efeitos adversos de substâncias químicas nos organismos vivos. a toxicologia forense. ou antes. a fim de estabelecer as causas e circunstâncias da morte. . também já se conhecia a possibilidade de os fármacos produzirem graves reações adversas. A Primeira. Atualmente. A ela cabe assistir as investigações post mortem. réplicas do DNA que poderão ser analisadas. Ela trabalha com os aspectos médico-legais do uso de substâncias químicas danosas ao homem. Os primeiros estudos sobre mecanismos de toxidade das substâncias químicas só se tornaram mais conhecidos a partir da década de 1960. O toxicologista atuava diretamente no exame de substâncias extraídas do cadáver com a intenção de pesquisar o agente tóxico. como falsificação ou adulteração de medicamentos e acidentes com substâncias químicas em massa. em casos de acidentes ou dolo. Desde esta época. Esta ciência é dividida em duas grandes áreas especializadas de extrema importância para o Perito Criminal e para o Sistema de Justiça Criminal. ou na identificação de substâncias químicas presentes nos mais diversos eventos.O equipamento utilizado para a detecção da reação em cadeias de polimerases. estendendo-se desde as perícias no vivo e no morto. Inicialmente.

com a dependência física e psíquica. os problemas da ilegalidade e do estigma não estão presentes. pois a presença de alimentos no estômago retarda a absorção e ainda a velocidade da ingestão. sintéticas. Na toxicologia social. hilaridade. É importante saber que a embriaguez vai depender da quantidade de álcool ingerida. expressões afetivas aumentadas e diminuição da autocrítica. o meio social em que vivem e as consequências de determinadas drogas aos usuários. O álcool é metabolizado no organismo numa velocidade em torno de 0. mas não substituir. A segunda. O exame toxicológico deverá buscar a presença de qualquer substância química exógena presente na amostra que é obtida da perícia. sendo um deles o alcoolismo. tais como órgãos retirados na necropsia.Existe uma grande variedade de amostras que podem ser analisadas na toxicologia forense. mesmo que haja uma legislação própria que regulamente e restrinja o seu uso. a qual outros psicotrópicos vem sobrepor. traduzida predominantemente por desinibição comportamental. a toxicologia social. fluidos biológicos obtidos do vivo e do morto. ao lado do efeito depressor.C. líquidos e sólidos. é estudada a interação das drogas com os indivíduos. Estima-se que o número de alcoolátras é grande. O seu uso traz consigo vários problemas. que o álcool é uma substância lícita. uma não menos óbvia ação euforizante. orgânicas e inorgânicas. substâncias químicas naturais. bem como do fato de esta pessoas estar em jejum ou não. de 5 à 15% em vários países. portanto. ALCOOL ETÍLICO As primeiras informações sobre o uso do álcool datam do século II a. que se relaciona com seu consumo crônico. O álcool é uma droga que no ser humano produz. Deve-se citar também. o que faz que um número maior de usuários tenha acesso. Esta última será apresentada neste trabalho nos métodos analíticos da concentração do álcool no organismo.2 gramas por quilo peso por hora. A sua difusão generalizada permite que se formulem hipóteses sobre por que o álcool é a droga de eleição. tem enorme importância nos estudos das substâncias químicas que determinam danos. Os efeitos que o álcool causa no organismo com intoxicação aguda são: .

2 ANÁLISE DE DNA Em 1984 Alec John Jeffreys e colaboradores desenvolveram na Universidade de Leicester. Com partículas de DNA. hipotermia. pois. atômia. exaltação das funções digestivas. hipotensão. midríase. . ou até mesmo as mesmas sequências básicas de aminoácidos. assim como nas impressões digitais. no caso do exame de paternidade. cabelo. Os segmentos.Fingerprints” O DNA é o elemento que contém todas as informações genéticas de cada indivíduo. falta de coordenação motora e falta de autocontrole. usando as chamadas enzimas de restrições. Período Médico-legal: diminuição das faculdades mentais. perda da autocrítica. espalhados sobre uma superfície gelatinosa e submetidos à ação de uma corrente elétrica. movimentam-se velozmente em linha reta. saliva ou pele. O material analisado pode ser desde uma gota de sangue até esperma. de tamanho variável. Período comatoso: começa com arrefecia. obtêm-se as estruturas genéticas dos supostos criminosos ou pai e filho. o DNA de cada indivíduo forma um padrão específico. com exceção de gêmeos univitelinos. a chamada impressão digital genética.• • • Período de euforia: completa extroversão. A impressão digital genética pode ser obtida também. com características únicas. que como verdadeiras tesourinhas químicas. pulso lento. chamada “impressões digitais genéticas do DNA. na Inglaterra. Esta técnica é estribada nos chamados minissatélites. regiões do DNA feitas da repetição de pequenas sequências dispersas em grande número entre o genoma humano. como náuseas e vômitos. uma técnica que permitia identificar marcadores genéticos tão específicos quanto as impressões digitais que se obtém na datiloscopia. cortam o gene em sítios específicos. seccionando o DNA em segmentos que se dispõe em padrões. Existem diferentes grupos de minissatélites que compartilham quase as mesmas. as quais. e a morte ocorre por parada respiratória. Alguns desses segmentos são denominados regiões hipervariáveis e contêm sequências específicas chamadas stutters. 5. obtidas através de bombardeios de raios.

a única e remota possibilidade de erro é no caso de comparação de estruturas genéticas de gêmeos idênticos. com total precisão. ou seja.aspx? content_id=511050>. A Biomedicina a serviço da investigação policial <http://www. recebem radioatividade que imprime a imagem da fila de fragmentos numa chapa de raios X. praticamente zero. Dessa forma. Genética forense ao serviço da Justiça <http://jn.3 EXAMES TOXICOLÓGICOS Serão apresentadas agora. De acordo com especialistas. Croce. responderá. quando os laboratórios de perícia do país estiverem aparelhados para o teste de impressão genética. dispensando os demais métodos de identificação de identificação até hoje empregados.blogspot. a probabilidade de indivíduos que não são parentes terem a mesma impressão digital do DNA é de apenas uma para cinco quatrihões. . São Paulo: Saraiva.pt/paginainicial/interior.sapo. a nova técnica de comparação de genes. essa qualidade de provável é de um pra cem milhões. MANUAL DE MEDICINA LEGAL.html> 5.br/bio59/pericia_59. REFERÊNCIAS Croce. algumas das técnicas para medir a concentração de álcool etílico no organismo.com. 6ª ed. sem nenhuma duvida. rev. bem como algumas anfetaminas e drogas modificadoras do SNC.crbm1. Delton Jr. Afora isso.imersas em uma solução que contenha sondas químicas radioativas. Delton.2009.asp> Biomedicina Forense e Criminal <http://biomedicinacomangelica.com/2008/06/biomedicina-forense-ecriminal-o-que. Para irmãos.

é importante que a coleta seja feita em. Neste caso. que é o que contém a maior concentração. que consiste numa mistura com baixa concentração de álcool. e aceita para análise o ar proveniente dos alvéolos. esta deve consistir de um sopro interrupto até quase uma expiração completa. aquela da região dos alvéolos. Para assegurar uma amostra apropriada de ar. a célula eletroquímica para a determinação do álcool consiste de uma camada porosa. fornecendo uma amostra de ar alveolar. Desta forma o equipamento rejeita a primeira parte do ar. para assegurar que todo o álcool presente na boca tenha sido absorvido. Os sistemas de amostragem de ar da maioria dos etilômetros são projetados para aceitar para a análise somente o ar alveolar. As amostras de ar da boca ou das partes superiores do trato respiratório são normalmente rejeitadas automaticamente por estes instrumentos. A camada porosa é impregnada com uma solução . revestida em ambos os lados por uma fina camada de platina. preferencialmente 20. pois a concentração obtida no equipamento seria muito alta. É de fundamental importância. Este é um método de coleta ativa. o equipamento exige que o individuo sopre apropriadamente através de um bocal descartável. que a amostra de ar não seja coletada assim que o indivíduo tenha tomado seu último gole. apenas analisando o ar alveolar é que se podem obter medidas precisas de alcoolemia. 15 minutos. PRINCIPIO DE DETECÇÃO POR CÉLULAS ELETROQUÍMICAS De forma simples. pois somente no nível dos alvéolos é que ocorre um completo equilíbrio entre o álcool presente no pulmão e no sangue. Por tanto. no mínimo. pois requer a cooperação do indivíduo. É denominado ativo. após o último gole. Por isso.DETERMINAÇÃO DO ALCOOL ETÍLICO NO ORGANISMO MÉTODOS DE AMOSTRAGEM DE AR EXALADO Uma avaliação real da concentração de álcool no sangue pode ser obtidase for analisando o ar alveolar. quimicamente inerte. devido ao álcool residual remanescente na boca.

uma corrente elétrica. Longa durabilidade. Não exige fonte de energia externa para operação normal. Necessidade de calibração periódica. ABSORÇÃO POR INFRAVERMELHO Os equipamentos com detecção por espectrofotometria infravermelha operam pelo princípio de que moléculas orgânicas absorvem luz infravermelha (IV) em vários comprimentos de onda. podem-se citar: Relativo alto custo por unidade. a . Dificuldade temporária em zerar o equipamento após repetidas medidas de álcool em altas concentrações. Se a amostra contiver álcool. Alta confiabilidade em diversas condições de campo. A quantidade de radiação absorvida depende da concentração da substância absorvente presente em uma amostra. Dentre algumas desvantagens. Este conjunto é montado num estojo plástico com um orifício que permite a introdução da amostra de ar. Neste sistema. o álcool presente na amostra é eletroquimicamente oxidado para produzir um fluxo de elétrons. gerando uma resposta elétrica quantitativa.acida eletrolítica e uma conexão elétrica é aplicada às duas superfícies de platina. A amostra de ar alveolar é introduzida em uma câmara. Quanto maior a quantidade de álcool. na qual passa uma fonte de luz IV num comprimento de onda selecionado. dependendo de sua composição atômica e de sua estrutura molecular. ou seja. Alta exatidão. Resposta linear numa ampla variação de concentração. especialmente em baixas concentrações de álcool. maior o fluxo formado. Os instrumentos com este tipo de detecção apresentam as seguntes vantagens: • • • • • • • • • Alta especificidade analítica para o álcool etílico. apenas uso de baterias. sendo uma medida desta.

variando em sensibilidade devido às alterações climáticas e à altitude. . Não apresenta uma resposta linear. a corrente. fornecendo resultados impressos e com cópias. se a amostragem não for adequada. o equipamento rejeita e invalida o teste. os equipamentos atuais aceitam somente amostras de ar alveolar e. A resposta dos semicondutores é influenciada pela pressão parcial de oxigênio atmosférico. A magnitude dessa corrente é determinada pela condutividade da superfície da base. quando o álcool entra em contato de com essa superfície. a não ser em unidades móveis. possibilidade de análises em sequência e fácil operação.intensidade de luz que passa através da célula diminui. Alguns equipamentos utilizam sistemas de medida mais específicos para álcool pelo uso de filtros ópticos. O decréscimo do sinal IV que alcanço o detector é uma medida quantitativa da concentração dessa substância na amostra de ar. é adsorvido. A maior vantagem desta tecnologia é alcançar especificidade e exatidão em baixas concentrações de etanol. Suas desvantagens são seu alto custo e fato de não poderem ser facilmente transportados para utilização em campo. Esta alteração na corrente é dependente da concentração de álcool na amostra. alterando a resistividade desta e. alia-se a isso sua rapidez. os semicondutores são oferecidos como sendo os de células eletroquímicas. consequentemente. SEMICONDUTORES Este sistema de detecção consiste em uma base de um óxido metálico aquecido a uma temperatura de cerca de 300ºC. Às vezes. que pode ser afetada pela presença e concentração de qualquer substância nela adsorvida. Este efeito é puramente físico: não é específico para a molécula de álcool. Os analisadores de última geração incorporam dois comprimentos de onda para aumentar a especificidade para a molécula de etanol. na qual é aplicada uma voltagem para produzir uma pequena corrente de fundo. São equipamentos para serem utilizados em lugares fixos. Portanto. normalmente acoplados a sistemas computadorizados. Além disso. a sensibilidade diminui em função do tempo e sua vida útil raramente passa de um ano.

Os componentes da amostra são separados conforme passam pela coluna e atingem o detector em tempos diferentes. assim. e as famílias ficariam sempre com alguma dúvida sobre os acontecimentos. Posteriormente. que a biomedicina. REFERÊNCIAS Passagli. 2007 CONCLUSÃO Esperamos então. TOXICOLOGIA FORENSE: TEORIA E PRÁTICA. consiga resolver um numero cada vez maior de casos de crimes. à necessidade de pessoal especializado e à preparação prévia da amostra.CROMATOGRAFIA A GAS Nesta técnica. essa técnica envolve a introdução de uma pequena amostra de substância de interesse dentro de uma coluna aquecida.Campinas. Marcos. onde normalmente os criminosos sairiam impunes. Millenium Editora. tem sido a técnica de eleição para determinação das concentrações de álcool no sangue. associada à polícia forense e à tecnologia. caracterizados e quantificados. não é vantajosa quando comparada a outras disponíveis para determinação de etanol no ar. Resumidamente. Esta é a biomedicina. sendo. Apesar de ser uma técnica de alta seletividade. Entretanto. a amostra de ar é colhida em um balão apropriado de volume conhecido. SP. trazendo mais justiça para a saciedade atual. isso devido ao seu alto custo. onde se passa um gás de arraste. . o álcool é separado de amostras de ar por meio de uma microextração em fase sólida e quantificando por cromatografia em fase gasosa.

Millenium Editora.crbm1.br/bio59/pericia_59.gov.Campinas. SP. A Biomedicina a serviço da investigação policial <http://www. São Paulo: Saraiva. MANUAL DE MEDICINA LEGAL.sapo.aspx? content_id=511050>.com.2009. Delton. Genética forense ao serviço da Justiça <http://jn.igp.com/2008/06/biomedicina-forense-ecriminal-o-que. Delton Jr. Marcos.php?option=com_content&task=view&id=14&Itemid=28> Passagli. Croce.html> Site do Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul < http://www.REFERÊNCIAS Croce. TOXICOLOGIA FORENSE: TEORIA E PRÁTICA. 6ª ed.rs.asp> Biomedicina Forense e Criminal <http://biomedicinacomangelica.blogspot.pt/paginainicial/interior.br/index. rev. 2007 .