PROFESSORA AGNES SOUZA– LITERATURA

ARCADISMO

poético: retorno à tradição clássica com a utilização dos seus modelos, e valorização da natureza e da mitologia. ideológico: influenciados pela filosofia presente no Iluminismo, que traduz a crítica da burguesia culta aos abusos da nobreza e do clero.

- Introdução

- Gêneros produzidos no arcadismo brasileiro
 Gênero épico – “O Uraguai”  Gênero lírico – “Marília de Dirceu”  Gênero satírico – “Cartas chilenas” - Estética advinda do Iluminismo Arcádia Ultramarina Trata-se de uma sociedade literária fundada na cidade de Vila Rica (MG), influenciada pela Arcádia italiana (fundad em 1690) e cujos membros adotavam pseudônimos, isto é, nomes artísticos, de pastores cantados na poesia grega ou latina. Por isso que alguns dos principais nomes do Arcadismo brasileiro publicavam suas obras com nomes inspirados na mitologia grega e romana. - Características gerais:    influência da filosofia francesa; mitologia estético; pagã como elemento

O Balanço (década de 1730), de Nicolas Lancret

O Arcadismo, também conhecido como Setecentismo ou Neoclacissismo, é o movimento que compreende a produção literária brasileira na segunda metade do século XVIII. O nome faz referência à Arcádia, região do sul da Grécia que, por sua vez, foi nomeada em referência ao semideus Arcas (filho de Zeus e Calisto). O combate eu verbalismo do Barroco literário, já extenuado, conferiu à Arcádia Portuguesa um caráter polêmico de renovação, em prol de uma literatura mais simples, mais natural de acordo com os ideais do século XVIII. Como se sabe, este preconizava a busca do que se chamava a natureza por meio da valorização dos sentimentos, da clareza das ideias, da imitação estrita dos antigos escritores gregos e romanos. Por isso, há no arcadismo um desejo de simplicidade intelectual – baseada na influência do racionalismo filosófico, - e, também de simplicidade afetiva. - Tipos de produção do Arcadismo no Brasil

o bom selvagem, expressão do filósofo Jean-Jacques Rousseau, denota a pureza dos nativos da terra fazem menção à natureza e à busca pela vida simples, bucólica e pastoril; tensão entre o burguês culto, da cidade, contra a aristocracia; pastoralismo: humildes; poetas simples e

  

bucolismo: busca pelos valores da natureza;

R. Nicarágua, 160, Espinheiro .facebook.com/NovoNicaraguaVestibulares F: 3221.8099

o pastor. ciente da efemeridade do tempo. e dos sóis queimado. Carpe diem: "aproveitar a vida". Inda que sejas tão avantajado No cântico amebeu: para louvado Escolhamos embora o velho Alcemo. E mais as finas lãs. estado de espírito de espontaneidade dos sentimentos. fruta. a melhor pastora destes montes. Que em tudo quanto vive. Graças à minha Estrela! Lira XIX Enquanto pasta alegre o manso gado. Arzão é este. legume. convida sua amada a aproveitar o momento presente. que lhe prepara Do cruento Gentio a fome avara. Dá-me vinho. Que gosto não terá a esposa amante. e estas fontes Já sabem. que é o assunto da porfia Nise. d’expressões grosseiro. nos descobre A sábia natureza. do escritor clássico Horácio. Porás a ovelha branca. E ambos ao som da flauta magoado Podemos competir de extremo a extremo.Expressões latinas do ideal árcade  Inutilia truncat: "cortar o inútil". é este o temerário. Dos frios gelos. azeite. e o cajado. .com/NovoNicaraguaVestibulares F: 3221. Que viva de guardar alheio gado. Como aquela esgravata a terra dura. 160. os horizontes Já se enchem de prazer. Atende. principia.Tomás Antonio Gonzaga  Marília de Dirceu Lira I Eu. E o lambe. E refletir então no seu semblante!    . Como a ruiva cadela Suporta que lhe morda o filho o corpo. que eu te não temo. Palemo. Um pouco meditemos Na regular beleza. ó cara.guardador de rebanhos" Sonetos X Eu ponho esta sanfona. Marília bela.facebook. como cheia de ternura Entre as asas ao filho essa ave aquenta. da Levados do fervor que o peito encerra Vês os Paulistas. De tosco trato. que estes prados. Repara.8099 . os poetas primavam pela simplicidade. Tenho próprio casal. Das brancas ovelhinhas tiro o leite. Que ao Rei procuram do metal luzente Co'as próprias mãos enriquecer o Erário. enquanto chupa a lisa teta. Que esperas? Toma a flauta. Espinheiro . No arcadismo. Atende mais. Nicarágua. E salte em cima dela. ingenuidade e da beleza. pastor. Principia. Graças.Cláudio Manoel da Costa  Pseudônimo árcade “Glauceste Satúrnio . e de alegria: Parece. Locus amoenus: "lugar ameno". Quando der ao filhinho o peito brando. tu. Que da Casca os sertões tentou primeiro.PROFESSORA AGNES SOUZA– LITERATURA     nativismo: referências à terra e ao mundo natural. exaltação da pureza. Vila Rica – Canto VI R. . referência aos excessos cometidos pelas obras do barroco. Fugere urbem: "fugir da cidade". de que me visto. nos sentemos À sombra deste cedro levantado. E os seus assim sustenta. animosa gente. tom confessional. não sou algum vaqueiro. como aquela vaca preta O novilhinho seu dos mais separa. Vê qual despreza o nobre aventureiro Os laços e as traições. Eu quero acompanhar te. E salta sem receio a todo o vulto. Como se encoleriza. Que junto deles pisa. e nele assisto. um refúgio ameno em detrimento dos centros urbanos monárquicos. Marília. Minha bela Marília.

quando Disser consigo: “É esta “De teu querido pai a mesma barba. Nem tenho. que o sono ajunta. E. Amigo Doroteu. Abre os olhos.. o aspecto moribundo. Pálida a cor. Vestia finas lãs. a quem os doutos . ignorando a ocasião de estranha empresa. a quem rodeiam Os néscios. Não vinha menos bela do que irada. coriscos. o teu Critilo é quem te chama. que às mais precede em gentileza. Tiraram-me o casal. 160. soltando o leme. Só a ti não domou. no discurso. brilhem. se esta fé teu peito irrita.. Flutuar moribunda entre estas ondas.” Caudato apelidaram. Novamente. tigre e não homem. uma referência ao governador de Minas Gerais Luís da Cunha Meneses. Marília. vendo-o fugir)." E indo a dizer o mais.. sem mais vista ser. Espinheiro . “A mesma boca... a que me encoste. raio. Fui honrado Pastor da tua aldeia. e o manso gado.com/NovoNicaraguaVestibulares F: 3221. das pestanas carregadas. XLII Perde o lume dos olhos.disse com mágoa. ah não te escondas! Dispara sobre mim teu cruel raio. não fui nenhum Vaqueiro. por mais que eu te ame..Santa Rita Durão *Caramuru Canto VI Lira XV Eu. que desgraça esperas! Quanto melhor te fora se sentisses As pragas. dos grandes entra o chefe No nosso Santiago junto à noite. e testa. Nem o passado amor teu peito incita A um ai somente com que aos meus respondas! Bárbaro. E. tens coração de ver-me aflita.. Gonzaga cria personagens e pseudônimos: aqui. Era Moema. raios.. Com mão já sem vigor. Acha forças amor que enfim o domem. XXXVIII ". serenas. Fúrias..Basílio da Gama  O Uraguai R. sorveu-se n’água.. Critilo assina as cartas e as envia para Doroteu. Este cobre A terra toda co’ disforme rabo. prezado amigo. um só cajado. Mas na onda do mar. que o ar consomem. vou sentar-me Na janela da sala e ao ar levanto Os olhos já molhados. boceja. que vejo! Não vejo estrelas que.8099 . os marotos e os peraltas! Seguido. Ergue a cabeça da engomada fronha Acorda. Nem vejo a lua que prateia os mares: Vejo um grande cometa. A casa me recolho e cheio destas Tristíssimas imagens. XXXVII Copiosa multidão da nau francesa Corre a ver o espetáculo assombrada. (Disse.) XLI Enfim. Ah que o corisco és tu. Do que veres que sobe ao teu governo Carrancudo casquilho. Entre as salsas escumas desce ao fundo. O pegajoso humor. pois. O conteúdo das "cartas" são críticas ao suposto governador do Chile (onde vive Critilo) Fanfarrão Minésio. (.) Ah! pobre Chile... Nicarágua. Pasma da turba feminil que nada. Por ver se a dor divirto. Porém o tigre.. Uma. Tornando a aparecer desde o profundo.Bárbaro (a bela diz). sem querer. Critilo.. . compostas por 13 poemas satíricos escritos antes da Inconfidência Mineira. revolvo. se ouvir queres coisas raras.facebook. Marília. cai num desmaio. . Céus. Cartas Chilenas. que de inveja geme.PROFESSORA AGNES SOUZA– LITERATURA Quando. e tinha sempre A minha choça do preciso cheia. E já vizinha à nau se apega ao leme. estende os braços E limpa. que irado freme. Como não consumis aquele infame? Mas apagar tanto amor com tédio e asco. pasma e treme. Mil coisas feias.Ah! Diogo cruel! . penhasco? (. por cruel que brame. que no Egito se choraram.

b) os “enciclopedistas”construíram os alicerces filosóficos da Revolução Francesa. no qual exalta os bandeirantes e narra a história da atual Ouro Preto. tem como assunto o descobrimento da Bahia. poema épico que antecipa em várias direções o Romantismo. é motivado por dois propósitos indisfarçáveis: exaltação da política pombalina e antijesuitismo radical. Está(ão) Correta(s): a) Apenas I b) Apenas II c) Apenas I e II d) Apenas I e III e) Todas R. a obra é um monólogo – só Gonzaga fala. 2. 3. deuses e entidades pagãs. na qual menciona a natureza como refúgio. é trecho mais conhecido da obra O Uruguai. inatural. Espinheiro . cultivou a poesia bucólica. d) O poema épico Caramuru. misto de missionários e colonos português. raciocina. de Santa Rita Durão. b) A produção literária do Arcadismo brasileiro constitui-se sobretudo de poesia. de Basílio da Gama. desde a sua fundação. levado a efeito por Diogo Álvares Correia. pastoril. 4. d) a burguesia conhece. acentuado declínio em seu prestígio. Nicarágua. que pode ser lírico-amorosa. e) em O Contrato Social. Assinale-a: a) O escritor árcade reaproveita os seres criados pela mitologia greco-romana. III) Em Marília de Dirceu. e) promove um retorno às “virtudes clássicas”da clareza.8099 . constantemente cai em contradição quanto à sua postura de pastor e sua realidade de burguês. Marília é quase sempre um vocativo. épica e satírica.PROFESSORA AGNES SOUZA– LITERATURA 1. II) O (A) autor(a) do poema épico Vila Rica. Rousseau aborda a origem da Autoridade. (ITA) Dadas as afirmações: I) O Uruguai.Quanto à linguagem árcade: a) prefere a ordem indireta.facebook. Mas esses mesmos deuses convivem com outros seres do mundo cristão. c) O árcade recusa o jogo de palavras e as complicadas construções da linguagem barroca. 160. então. pedante. como prova de fidelidade e amor ao índio Cacambo. a impessoalidade.(ITA) Uma das afirmações abaixo é incorreta. tal como no latim literário.índia que se deixa picar por uma serpente. embora tenha a estrutura de um diálogo. c) procura o comedimento.A respeito da época em que surgiu o Arcadismo: a) o século XVIII ficou conhecido como “século das luzes”. e) A morte de Moema. a ordem lógica na escrita. da simplicidade e da harmonia. a objetividade. c) o adiantamento cientifico é uma das marcas desta época histórica. preferindo a clareza. b) tornou-se artificial. d) manteve as ousadias expressionais do Barroco.com/NovoNicaraguaVestibulares F: 3221.

d) A relação de vantagem da “choupana” sobre a “Cidade”. que busca os limites do essencial. o lisonjeiro encanto. dividido entre a civilidade do mundo R. da Cidade. Que chega a ter mais preço. que diz muito. b) A oposição entre a Colônia e a Metrópole. p. como núcleo do poema. (Cescem) .com/NovoNicaraguaVestibulares F: 3221. urbano da Metrópole e a rusticidade da terra da Colônia. 6. embora tenha refugado os rigores do formalismo neo-clássico. Se o bem desta choupana pode tanto. (ENEM) Torno a ver-vos.facebook. Que outra coisa se diga mais. E o que até agora se tornava em pranto (verso 13) Se converta em afetos de alegria. ao lugar onde o poeta se vestiu com traje “rico e fino”. é traço da literatura colonial brasileira e dos primeiros movimentos estéticos pós-Independência.“Alguém há de cuidar que é frase inchada Daquela que lá se usa entre essa gente Que julga. é formulação literária que reproduz a condição histórica paradoxalmente vantajosa da Colônia sobre a Metrópole. são imagens relacionadas à Metrópole. revela uma contradição vivenciada pelo poeta. mencionados na primeira estrofe. ó montes. Nicarágua. 2002. tomou por base o sentimentalismo originário Considerando o soneto de Cláudio Manoel da Costa e os elementos constitutivos do Arcadismo brasileiro. A poesia dos inconfidentes. buscando simplicidade. se opôs à expressão intrincada a aos excessos do cultismo do Barroco. Cláudio Manoel da Costa. c) O bucolismo presente nas imagens do poema é elemento estético do Arcadismo que evidencia a preocupação do poeta árcade em realizar uma representação literária realista da vida nacional. c) o Arcadismo. In: Domício Proença Filho. O nosso humilde gênio não consente. à transformação do pranto em alegria. 78-9. político e econômico do Brasil Colônia está representada esteticamente no poema pela referência. Onde um tempo os gabões deixei grosseiros Pelo traje da Corte.PROFESSORA AGNES SOUZA– LITERATURA 5. o destino (verso 1) Aqui me torna a pôr nestes outeiros.8099 . meus doces companheiros. Espinheiro . d) o Romantismo. Vendo correr os míseros vaqueiros (verso 7) Atrás de seu cansado desatino. ou seja. b) o Barroco se esforçou por alcançar uma expressão rigorosa e comedida. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. na terceira estrofe. Os meus fiéis. e) A realidade de atraso social. entre Corino.” Os versos de Cláudio Manuel da Costa lembram o fato de que: a) a expressão exata. Aqui descanse a louca fantasia. contida. a) Os “montes” e “outeiros”. na última estrofe. e não diz nada. 160. que aquilo Que só convém ao espírito inocente. a fim de espelhar os grandes conflitos do homem. e mais valia (verso 10) Que. (verso 4) Aqui estou entre Almendro. rico e fino. assinale a opção correta acerca da relação entre o poema eo momento histórico de sua produção.

em suas obras realiza uma síntese entre a herança barroca e os ideais arcádicos. b) Arcadismo / Iluminismo c) Romantismo / Revolução Industrial. Pode-se afirmar que: A)Apenas II é correta.com/NovoNicaraguaVestibulares F: 3221. Espinheiro . d) Arcadismo / Anti-Classicismo e) Arcadismo / Racionalismo 10. NÃO se encontra a) a influência das idéias iluministas. d) o retorno aos ideais greco-latinos. C)Apenas I e II são corretas. II e III são corretas 11.facebook. II-É considerado o poeta introdutor do Arcadismo brasileiro. III-Cláudio Manuel da Costa confronta a paisagem bucólica idealizada com a de sua terra natal. 160. C)III. que retratam o seu amor pela noiva Maria Doroteia. II-A sátira de Gregório de Matos era parte de seu empenho pela Independência do Brasil. Santa Rita Durão e Cláudio Manuel da Costa. . espanhóis e indígenas nos Sete Povos das Missões. B)Apenas III é correta. que trata da guerra entre portugueses. 9. C)Santa Rita Durão. III-Sua produção poética demonstra sintonia com a tradição árcade da vida simples. E)I. Está inteiramente correto o que vem afirmado SOMENTE em: A)I. E)II e III. B)Basílio da Gama. e) a adoção de pseudônimos pelos poetas. mas o talento de ambos encontrou sua expressão máxima nas sátiras. c) a ênfase na interpretação subjetiva da realidade. que se figuravam pastores. b) a valorização do campo em detrimento da cidade. como acontece em Obras Poéticas e o poema épico Vila Rica. o árcade mineiro buscou figurar um equilíbrio entre a vida rústica e a cultura ilustrada. respectivamente a: A)Tomás Antônio Gonzaga. Nicarágua. (UFPE) Considere as seguintes afirmações: I-Gregório de Matos e Tomás Antônio Gonzaga compuseram poesia lírica. III-As diferenças entre a poesia barroca e a arcádica revelam-se também na forma como representam a natureza. destacando-se nela o poema épico O Uraguai.8099 8. D)I e II. II-Em MARÍLIA DE DIRCEU. (UFRS) Considere-se as seguintes afirmações: I-Sua obra foge dos artificialismos pastoris comuns ao Arcadismo. Basílio da Gama e Cláudio Manuel da Costa.PROFESSORA AGNES SOUZA– LITERATURA desse movimento estético. Qual a alternativa que apresenta uma associação errada? a) Barroco / Contra-Reforma. e) o Romantismo negou os rigores da expressão clássica e lusitana. (UNIFOR-CE) Considere as seguintes afirmações: I-Nossos principais poetas arcádicos estão historicamente associados a valores nativistas e a ideias libertárias. As afirmações referem-se. mas incorporou a tradição literária da poesia colonial. apego à vida pastoril e divinização da mulher. D)Apenas I e III são corretas. sobretudo nas “Liras”. Cláudio Manuel da R. 7. B)II. (UFPB) Na poesia arcádica ou neoclássica.

na qual menciona a natureza como refúgio. 160. constantemente cai em contradição quanto à sua postura de pastor e sua realidade de burguês. (MACKENZIE) Nos versos anteriores. b) O arcadismo afirmou-se em oposição ao estilo barroco. E)o sonho de um futuro feliz ao lado da amada. cuja imagem ele associa à da amada distante. Para dar uma idéia da ventura.com/NovoNicaraguaVestibulares F: 3221. D)Basílio da Gama. III. para os ver terei constância. 12. as horas Que passo na masmorra imunda. caracterizam: A)a primeira parte da obra. componentes de um soneto. D)a segunda parte da obra. é motivado por dois propósitos indisfarçáveis: exaltação da política pombalina e antijesuitismo radical. E)Todas. Indique a alternativa errada: a) Cultismo e conceptismo são as duas vertentes literárias do estilo barroco. D)Apenas I e III. II. pastoril. manifesta no primeiro terceto. Está(ão) correta(s): A)Apenas I. qualidades superiores da Natureza em relação a qualquer outro ser. poema épico clássico que antecipa em várias direções o Romantismo. o namoro. com transições bruscas e Se das flores a bela contextura Esmalta o campo na melhor fragrância. a obra é um monólogo – só Gonzaga fala. Como. cultivou a poesia bucólica. Dessas horas felizes já passadas Na tua pátria aldeia!" Esses versos de "Marília de Dirceu". B)Apenas II. embora tenha estrutura de um diálogo.8099 . tema principal dos tercetos. desde ao fundação. E)Gregório de Matos. raciocina.O autor do poema épico “Vila Rica”.PROFESSORA AGNES SOUZA– LITERATURA Costa e Tomás Antônio Gonzaga. Marília é quase sempre um vocativo. Leia o texto: "Que diversas que são. o eu lírico a) associa imagens provenientes de sensações distintas para cantar a beleza da Natureza. Cláudio Manuel da Costa e Tomás Antônio Gonzaga. Nicarágua. e) confessa desgosto por não usufruir em plenitude a harmonia da Natureza. no qual exalta os bandeirantes e narra a história da atual Ouro Preto. Se cada flor me lembra a formosura Da bela causadora de minha ânsia? (Cláudio Manuel da Costa) 13. c) levanta uma hipótese acerca do espaço que o cerca para exaltar as R. dada a exuberância com que a Natureza concede formosura às mais variadas mulheres. C)o sonho de realizar a Inconfidência. b) faz uso de uma estrutura lógica cuja conclusão nega a proposição inicial acerca da Natureza. de Tomás Antônio Gonzaga. d) confessa sua incapacidade de ser fiel a qualquer amor possível. e feia.Em “Marília de Dirceu”. ó Céus. 15. B)a felicidade da futura família. Dadas as afirmações: I. c) O conceptismo correspondeu a um estilo fundado em “agudezas”ou “sutilezas”de pensamento. Marília. a cadeia. Cláudio Manuel da Costa e Tomás Antônio Gonzaga. 14.facebook. C)Apenas I e II. Espinheiro .“O Uraguai”.

e) O Arcadismo tendeu à obscuridade.PROFESSORA AGNES SOUZA– LITERATURA associações inesperadas entre conceitos.8099 . Bom estudo ((: R.facebook. Espinheiro . à complicação lingüística e ao ilogismo. d) O cultismo correspondeu sobretudo a um jogo formal refinado. com uso abundante de figuras de linguagem e verdadeiras exaltação sensorial na composição das imagens e na elaboração sonora.com/NovoNicaraguaVestibulares F: 3221. Nicarágua. 160.