PULSO  VENOSO  

 

 
 

 

Onda  A  (atrial):  é  devida  à  contração  atrial.  Desaparece  na  FA.     Descenso  X:  onda  dominante  do  pulso  venoso,  é  produzido  pelo  relaxamento  atrial  (diástole   atrial)  e  descida  da  valva  tricúspide  para  o  VD.  Ocupa  grande  parte  da  sístole  ventricular  e  é   responsável  pelo  característico  colapso  sistólico  do  pulso  venoso.     Onda  C  (carotídea):  Interrompe  o  descenso  x.  Representa  o  pulso  carotídeo  e  o  abaulamento  da   valva  tricúspide  para  dentro  do  átrio  direito  durante  a  sístole  ventricular.     Onda  V  (ventricular):  corresponde  ao  enchimento  do  átrio  (onda  de  estase)  por  parada  do  sangue   ao  suprimir-­‐se  temporariamente  a  corrente  durante  a  sístole  ventricular,  enquanto  a  valva   tricúspide  está  fechada.  Normalmente  menos  ampla  que  a  onda  A.   Descenso  Y:  Esvaziamento  atrial  após  abertura  da  valva  tricúspide,  com  enchimento  rápido   ventricular  no  período  diastólico  de  relaxamento  isotônico.     Para  cronometrar  o  pulso  venoso  pode-­‐se  tomar  como  referência  a  segunda  bulha,  ou,  melhor   ainda,  o  pulso  carotídeo,  que  coincide  exatamente  com  o  seio  descendente  x.  A  onda  A  é  pré-­‐ sistólica;  a  onda  V  ocupa  a  última  parte  da  sístole,  e  o  descenso  Y  é  naturalmente  diastólico.  

  Fibrilação  Atrial:  Volume  atrial  não  foi  ejetado  ao  ventrículo  por  contração  atrial  ausente.  com  restrição  diastólica  ventricular  direita)         2) Desaparecimento  da  Onda  A:   Fibrilação  Atrial:  perda  da  sístole  atrial   Taquicardia   sinusal:   Onda   A   pode   se   fundir   com   a   onda   V   precedente.   HAP.   Sd.   IVD.   Estenose     pulmonar.   1) Aumento  da  Onda  A:   Condições  que  geram  contração  atrial  mais  enérgica.   Onda  A  em  canhão:  contração  atrial  com  valva  tricúspide  fechada  ou  dissincronia  AV   Contração  atrial  contra  resistência  aumentada  ao  enchimento  de  VD.  durante  a  sístole  ventricular.   mixoma   atrial   direito.  pós  valva  tricúspide:   HVD.  inclusive  com  diminuição  do  descenso  Y       3) Diminuição  ou  desaparecimento  do  Descenso  X:   Refluxo  tricúspide:  Retorno  de  volume  ao  átrio.   Lutembacher.  tem  ao  menos  algum  grau  de  refluxo  tricúspide       .   Estenose   aórtica  e  subaórtica  graves  (hipertrofia  septal.   se   o   PR   for   prolongado.   Quando  diminui  o  descenso  X.

  CIA   (aumenta   onda   V   com   descenso   X   normal).  Exclui  tamponamento!           7) Sinal  de  Kusmaull:   Sobrecarga   de   volume   das   câmaras   direitas   em   paralelo   a   redução   da   complacência   ventricular  direita.  insuficiência  cardíaca  avançada   8) Refluxo  hepatojugular/Leg  elevation:   Compressão   abdome   superior   ≥   10   segundos   causando   elevação   ≥   3   cm   na   altura   do   pulso   jugular.   Pericardite   constritiva.  insuficiência  tricúspide  grave  e  miocardite.   Ventrículo   direito  não  complacente  envolvido  em  um  folheto  pericárdico  não  complacente.  mantida  após  pelo  menos  15  segundos  da  retomada  da  respiração  espontânea.   cardiomiopatia   restritiva.  drenagem  anômala  de   veias  pulmonares.   Pericardite  constritiva.  É   preditor  de  insuficiência  cardíaca  e  de  pressão  capilar  pulmonar  >  15  mmHg     .   infarto   de  VD.   Estenose  tricúspide  e  hipertrofia  ventricular  direita  grave   6) Descenso  Y  rápido  e  profundo:   Aumento   da   pressão   das   câmaras   direitas.   Pela  fisiopatologia.  insuficiência  cardíaca       5) Diminuição  ou  desaparecimento  do  Descenso  Y:   Condições  de  restrição  aos  esvaziamento  atrial.  essa  observação  é  concomitante  ao  aumento  da  onda  A.   com   aumento   do   pulso   venoso.   Porém   esse   aumento   é   compensado   com   a   facilitação   do   esvaziamento   ventricular  direito.4) Aumento  da  Onda  V:   Condições  que  aumentam  o  volume  atrial  direito  durante  a  sístole  ventricular   Refluxo  tricúspide.   TEP.   tamponamento   pericárdico.  com  diminuição  do   pulso   jugular.  resultando  em  aumento  do  pulso  venoso  durante  a  inspiração   Normalmente  a  inspiração  aumenta  o  retorno  venoso  ao  átrio  direito.