Os Primórdios

No inicio, a Igreja era a igreja dos perseguidos, a igreja das catacumbas. Imagine a seguinte cena: No século I da Era Cristã, em uma pequena vila existente no Império Romano, existe uma capela, cuidadosamente escondida dos olhares curiosos. Isso não foi fácil, pois são muitos os perseguidores. Mas a solução surtiu efeito: construída abaixo da terra, bastava apenas uma pedra, colocada na entrada com muito esforço, para camuflar a simples, porém sagrada, igreja. Um presbítero visita a vila sem se identificar com as autoridades como tal, e convoca secretamente os cristãos do local para uma missa. Cerca de 20 pessoas comparecem. Ao final da celebração, eles exclamam com voz baixa: Cristo Ressuscitou! E terminam a missa, cheios de alegria e coragem. Assim começou o Cristianismo. Mergulhados em uma sociedade dividida entre o paganismo e o judaísmo, entre outros “ismos”, os cristãos originais tinham que ser muito cuidadosos para não serem executados por estarem celebrando sua fé. Nero e Diocleciano, principalmente, foram responsáveis pelas mortes de muitos de nossos mártires. A Igreja Cristã começou, de fato, no dia de Pentecostes. Nesse dia foi cumprida a promessa de Cristo de que seria enviado para seus discípulos um Paráclito. “De repente, veio do Céu um som como de um vento impetuoso e que envolveu a todos que estavam naquela casa. Nisso, lhes apareceram chamas, como se fossem línguas de fogo, que pousaram sobre eles. E todos foram preenchidos pelo Espírito Santo.” (Atos 2; 2-4) Naquele dia, São Pedro converteu mais de 3000 pessoas para a Fé cristã. Foi o inicio da comunidade de Jerusalém ou, se preferirem, foi a origem da primeira paróquia Cristã.

Jesus: O Cristo Revolucionário
Jesus foi um dos maiores revolucionários de todos os tempos. Sua ação insidiosa, porém, não estava voltada para a luta de classes. Tampouco dedicou suas energias para promover a expulsão dos opressores estrangeiros do povo judeu, como faziam os zelotes. O parágrafo acima deve ser polêmico para você estudante, que talvez tenha escutado algo diferente sobre Jesus Cristo. Mas não deveria ser assim. Afinal, Ele sempre fez questão de afirmar que Seu Reino não era deste mundo. Mesmo assim, seus ensinamentos causaram uma revolução radical na vida humana, tanto que hoje, mais de dois mil anos depois, podemos dizer que a maioria da humanidade ainda não compreendeu (e muito menos viveu), nem metade de tudo o que Ele nos ensinou. Mas sua revolução continua firme e forte. Pois Ele empregava as armas poderosas do amor e da verdade para conquistar os corações humanos, mesmo quando escondidos pelas sólidas barreiras da vida mundana.

zelotes. logo após ter sido Estevão martirizado. etc. o nome cristão não era utilizado pelos seguidores de Cristo. Naquele tempo existia um número considerável de seitas ramificadas do judaísmo tais como os fariseus.22). O Caminho Naquela época. que continuassem a ajudar na construção deste Reino.14 Foi somente mais ou menos 30 anos depois da morte e ressurreição de Jesus. conhecidos como “os do Caminho” constituíam verdadeiro pavor. como que palavras escritas na areia de uma praia. a própria religião estabelecida perseguia “os do caminho”. os erros e os acertos. dos corações e das estruturas da sociedade.Entretanto. Vejamos como foram os caminhos percorridos até agora. Já os judeus da época os taxavam de “seita”. O objetivo de usar o termo “Caminho” era fazer distinção entre as seitas como os judeus as conheciam e o movimento que crescia progressivamente entre os gentios e judeus. em todas as dimensões da vida. interior e social. porém para a comunidade judaica. conforme lemos em Atos 24. Esta cidade foi um dos principais refúgios dos cristãos durante as primeiras perseguições contra a igreja. esse mesmo Jesus ainda hoje insiste em uma transformação radical do mundo e de todo ser humano. Afinal. de uma caminhada que apenas começou para nossa Igreja. mas partir de dentro. para muitos dos chamados cristãos do século 21. conforme se depreende pela leitura atenta do Livro de Atos (por exemplo o capítulo 04). seus ensinamentos revolucionários não eram inteiramente novos. Sua revolução consiste em promover uma transformação radical no interior do ser humano. salientando o caráter dinâmico dos ensinamentos de Jesus. . na cidade de Antioquia. através de uma conversão. foram os discípulos.23 e 24. transformando-a num organismo desprovido de características judaicas. pela primeira vez. Entretanto. Vale ressaltar que as seitas não possuíam conotação negativa como atualmente. saduceus. tais ensinamentos passam despercebidos ainda. os seguidores de Jesus. pessoal e coletiva. Estas seitas não representavam ameaça ao império Romano. E esse mesmo Jesus pediu aos apóstolos. chamados cristãos. ou seja. pois muitos profetas já haviam ensinado algo parecido antes Dele. conforme a leitura de Atos 11:26 Em Antioquia. essênios. que os seguidores de Jesus. e a você. Eles se autointitularam como “os do Caminho”(Atos 19. que eram conhecidos primeiramente como "os do caminho" foram apelidados pela primeira vez de cristãos. o que seria mais radical do que amar alguém como a si mesmo? Ou amar seus inimigos? Entretanto. dizendo que este era falso.

é um estilo de vida. costuma mudar seu nome a fim de homenagear algum santo importante da Igreja. A Igreja recém-formada começou a ser perseguida. até os dias de hoje. fundavam uma comunidade cristã e. mudou de nome para Paulo. isso é. A literatura secular podia usar a palavra ekklesia para denotar um levante. um comício ou uma reunião para qualquer outra finalidade. ou seja. ekklesia referia-se a uma assembleia de pessoas. Saulo de Tarso. Assim. pregador e missionário de Cristo. Saulo. o cristianismo se distinguia das outras religiões da época como sendo não apenas uma coleção de rituais ou um amontoado de conhecimento escrito. logo depois. De fato. mas no Novo Testamento (NT) a palavra tem sentido mais especializado. O próprio Jesus havia ordenado aos apóstolos: “Ide e fazei de todas as nações Meus discípulos”(Mateus 23. os apóstolos ensinaram em todos os lugares por onde passassem sobre o Evangelho. forçar ou não a prática das leis judaicas (em especial a da circuncisão) sobre os gentios convertidos? . Paulo Não demorou muito e surgiu o primeiro mártir. Tal costume marca o fim do homem velho. nem etnias e muito menos a línguas (Atos 2. Logo surgiu uma importante questão: continuar ou não a mercê das leis judaicas? Aceitar ou não os gentios (não judeus) como parte da cristandade? E. uma mudança de ideias. O caso é que a mensagem de Jesus Cristo não poderia ficar confinada em Jerusalém. Nas Igrejas Orientais e Ortodoxas. ensinada pelos apóstolos. para que este dê seu lugar ao homem novo. continua em voga essa tradição: o clero. na ocasião do recebimento do sacramente das Santas Ordens. mas sim como um caminho por onde trilhamos durante nossa vida inteira. 1-11). perseguidor de Cristo.Este movimento “O Caminho”. A única maneira de se conhecer a Cristo. o mais polêmico. Santo Estevão. ekklesia. Os apóstolos pregavam o Evangelho em uma determinada vila. Mas o inesperado aconteceu: um de seus maiores detratores. não ligado a origens (local de nascimento). assim.19). ficou conhecido depois como “cristãos”. Era estar em uma jornada rumo a Eternidade onde Cristo os esperava. era através da prática. convertido. continuavam sua jornada. Mas o Novo Testamento emprega ekklesia com referência à reunião de crentes cristãos para adorar a Cristo. Na literatura secular. e posteriormente passou a ser a igreja idealizada por Jesus enquanto em sua configuração inicial. foi acometido de uma manifestação de Cristo durante uma viagem para Damasco. que tem origem em kaleo ("chamo ou convido"). Isso provocou em sua vida uma metanóia. Ser cristão era ser um viajante. um redirecionamento de pensamentos. O caminho só se faz caminhando. por exemplo. Foi assim com Pedro em Antioquia e Marcos em Alexandria. E.

seriam a nova e verdadeira circuncisão. O Concilio de Jerusalém Quando de sua conversão. das uniões ilegítimas. Ele acrescenta: “A circuncisão nada é. ele escreveu: "Foi alguém chamado estando circuncidado? Não se torne incircunciso. convocou as lideranças da Igreja para uma discussão.". que tinha se tornado uma séria controvérsia na região. se convertem a Deus.” (Atos 15. Havia um forte movimento de judaizantes na região que advogavam a aderência às Leis Mosaicas tradicionais. embora não de forma consistente. pois teve um caráter mais regional (sendo semelhante a um sínodo. Paulo não exigia a circuncisão como condição obrigatória para se abraçar a fé em Jesus Cristo. entretanto. senão a guarda dos mandamentos de Deus”. desde antigas gerações tem Moisés em cada cidade seus pregadores. cuja mãe era judeo-cristã. era um “homem do mundo”. Movido por seus protestos. Paulo considerou isto uma grande ameaça à sua doutrina de salvação pela fé e endereçou o tema em grande detalhe em Gálatas. educado segundo os grandes filósofos da Grécia Antiga. Paulo. ele pessoalmente circuncidou-o "por causa dos judeus" que estavam na cidade. sendo que sua maior influencia é o filósofo Platão. dentre os gentios. Porém sua importância foi crucial para a . para sua migração definitiva em direção a cultura helênica (“grega”). 23-29) Enquanto o assunto estava teoricamente resolvido. E. que o leem nas sinagogas todos os sábados. As lideranças cristãs de Jerusalém se irritaram com essa atitude. Paulo argumentava que a circuncisão não precisava mais ser física. tanto que ele é chamado de Apostolo dos Gentios. bispo da cidade. apenas uma prática espiritual. Com efeito. mas cujo pai era grego. Ou seja. incluindo a circuncisão. Quatro anos após o Concílio de Jerusalém. São Tiago. conquanto judeu e cidadão romano. Este concílio não é considerado um concílio ecumênico. cuja discussão está no Livro dos Atos: “Eis porque. pessoalmente. Mas se lhes escreva que se abstenham do que está contaminado pelos ídolos. portanto). agora espiritual. ele continuava a ser um tema recorrente entre os cristãos. Ele também pareceu perceber o valor da circuncisão em Romanos. que se chamava de "Apóstolo dos Gentios". No caso de Timóteo. servia como pano de fundo para algo muito maior: o começo do afastamento do cristianismo da cultura judaica. Paulo era circuncidado quando recebeu seu "chamado". Paulo. neste sentido. Paulo identificou Tiago (o apostolo) como a força motivadora por trás do movimento. Paulo escreveu para os Gálatas sobre o assunto. atacou a prática. Paulo se pôs a ensinar o Evangelho para os não judeus. julgo que não se devam molestar aqueles que. e também a incircuncisão nada é.provavelmente uma referência à prática do epispasmo. Desses. seguir fielmente os ensinamentos do Cristo e manter um compromisso para com Seu Reino.Essa polêmica. das carnes sufocadas e do sangue.

entre eles quase todos os apóstolos e muitos papas. Ao mesmo tempo. Perseguições & Catacumbas Com o passar do tempo. Dessa forma. Vamos falar nas próximas seções de maneira mais detalhada de cada uma das fases dessa época. A pintura elaborada no interior das catacumbas era rodeada de uma simbologia que indicava a forte discrição do culto cristão naquele momento. empalados. Após a Ascensão de Jesus. inclusive. uma afronta aos valores e interesses do império. entoarem cantos e pintar imagens que manifestavam sua fé. presos pelo sumo sacerdote Anás. A crença monoteísta era contrária ao panteão de divindades romanas. Com isso. As primeiras catacumbas encontradas são datadas do século II d. até mesmo. lançados ao furor de animais violentos. Salvador” e diversas passagens bíblicas. Todos os apóstolos. O peixe era bastante comum. São Pedro e São João forma. os cristãos passaram a enterrá-lo nas chamadas catacumbas. crucificados e. As imagens mais frequentes eram o crucifixo. Para redimir e orar pelos seus mártires. A Perseguição Judaica Os primeiros a perseguirem os cristãos foram os judeus. o conceito de liberdade fazia com que vários escravos não se submetessem à imposição governamental que legitimava a posição subalterna dos mesmos. que começaram pelo próprio Jesus Cristo. os gentios poderiam aderir a fé do Cristo(“aqueles do caminho”) sem necessitarem passar pela conversão ao judaísmo.C.disseminação da fé entre os não-judeus. Estas funcionavam como túmulos subterrâneos onde os cristãos poderiam fugir dos soldados romanos. queimados vivos. as lideranças cristãs forma acometidas de perseguições que iam de se proibir a presença os cristãos nas sinagogas. A âncora que significava o ideal de salvação. foram presos em determinado momento pelo sumo sacerdote e . que lembrava o sacrifício de Jesus. até mesmo prisões e mortes. Filho de Deus. abriram-se as portas para que o Evangelho chegasse aos “confins da Terra”. O que mostra que desde o cristianismo primitivo as imagens eram utilizadas pra expressão de fé e devoção. entre as quais se destacava o próprio culto ao imperador de Roma. A era das perseguições produziu inúmeros santos mártires. Eram torturados publicamente. pois peixe em grego é ICTUS que é eram as mesmas iniciais de: “Jesus Cristo. os cristãos passaram a serem perseguidos das mais variadas formas. a ação dos apóstolos se mostrou mais eficaz. em uma ocasião. A partir de agora. sendo mais tarde libertados. então o cristianismo se tornou para os dirigentes romanos.

eram queimados para servirem de luz noturna. que advogou a liberdade dos apóstolos junto ao Sinédrio.. um arquidiácono.. Perseguição do Imperador Nero Talvez o primeiro caso documentado de uma perseguição em grande escala aos seguidores de Cristo. por exemplo. Bábilas. escreveu o seguinte relato: “. Em outra. sem qualquer tipo de julgamento. ou incendiados. pois foram amarrados nos esconderijos de bestas selvagens e feitos em pedaços por cães. A primeira perseguição em escala imperial (ou seja. uma grande multidão (de cristãos) foi condenada não apenas pelo crime de incêndio mas por ódio contra a raça humana. lançaram um édito que revogava todo e qualquer direito civil dos cristãos. juntamente com seus co-governantes. ocorreu sob o reinado de Máximo. Décio. que mandou prender e julgar todo o clero cristão. Ela é conhecida como A Grande Perseguição. O clero cristão. ao fim do dia. Tácito. Nero culpou os cristãos pelo incêndio. obrigando os mesmo a respeitarem a religião estatal (paganismo). Prilidan e Epolon.pelos saduceus. Um historiador. muitas perseguições se levantaram contra o nome de Cristo. ou cravados em cruzes. que durou de 249 a 251(Século II D. Em uma dessas ocasiões foram libertados por um anjo. Gregório de Tours. sendo comum o apedrejamento de cristãos pela população. eles foram feitos objetos de esporte. No ano 303.” Perseguição do Imperador Diocleciano Essa perseguição é considerada pelos historiados como a última e mais sangrenta perseguição aos cristãos realizada pelo antigo Império Romano. sob pena de morte caso o recusassem. a partir desta lei realizar sacrifícios para as divindades romanas. com seus três filhos pequenos. onde eram devorados por leões. seja o que associou os cristãos ao grande incêndio de Roma. O Papa Fabiano foi um dos líderes mortos por ele. durante o governo do imperador Nero. estendeu essa perseguição também aos leigos. em suas mortes. seja por meio de execuções publicas em arenas. Por todo o império. E. Gamaliel. Urbano. ocorrido no ano de 64. possui um relato sobre seu reinado. bispo de Antioquia. deveria. Um de seus sucessores. o imperador Diocleciano. cristãos foram condenados a morte seja por crucificação.): “Sob o imperador Décio.C. Laurêncio. Um historiador da época. por intercessão de um fariseu. e houve tamanha carnificina de fiéis que eles não podiam ser contados. e Hipólito tornaram-se perfeitos pelo martírio porque confessaram o nome do Senhor. e. . o que fez com que se acalorassem as já denegridas opiniões a respeito dos seguidores de Cristo. e Sisto. em todos os territórios do Império Romano).” Durante o século II as perseguições se intensificaram. bispo de Roma.

garantisse aos cristãos a liberdade de culto. . O Espírito Vem Pelas Águas. O nome. apesar de severa. Isso abriu caminho para que um dos sucessores de Diocleciano. Marcelo Barros . São Paulo. virou sinônimo de “fanáticos” em muitas línguas. em si. Mais disso trataremos com mais profundidade em nossa próxima aula. Um número igual de cristãos foi preso.Mais de 3000 cristão morreram em um período de 3 anos(lembrando que a população europeia. 1999. 2012. Existe a teoria de que São Pedro e Judas Iscariotes eram membros dos zelotes. na época. Referências Bibliográficas Leonardo Boff e Frei Betto. torturado e mutilado. era bem menor que a atual). a Grande Perseguição não conseguiu destruir a fé em Jesus Cristo. Constantino. Entretanto. Rocco. São Paulo. Mística e Espiritualidade. Loyola. Glossário Zelotes: seita judaica que lutou contra as forças romanas e que foi aniquilada no massacre de Massada no ano 73 de nossa era.